PROGRAMA DE LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE LITERATURA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE LITERATURA 11ª E 12ª classes 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Áreas de Ciências Humanas

2 Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Literatura - 11ª e 12ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: exemplares LUANDA, 2.ª EDIÇÃO, Dezembro INIDE PROGRAMA APROVADO PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

3 ÍNDICE Introdução Geral à Disciplina Objectivos Gerais da Disciplina Conteúdos Programáticos na 11ª Classe Conteúdos Programáticos na 12ª Classe Orientações Metodológicas Avaliação Bibliografia

4 11ª E 12ª CLASSES INTRODUÇÃO GERAL À DISCIPLINA O Ensino da Literatura como disciplina autónoma para a 11ª e 12ª classes do Ensino Secundário justifica-se por várias razões, embora não entendendo uma autonomia como factor de afastamento de estudo sistemático da língua. Pelo contrário, os estudos literários, pela reinvenção que perspectivam da língua, são um largo ensaio onde o aluno(a) pode observar a riqueza e as potencialidades que a língua escrita literária oferece ao(à) leitor(a) e, pela sua historicidade, são espaços de verificação do desenvolvimento e constituição das línguas históricas. Mas o ensino da Literatura justifica-se por outras razões igualmente importantes: pelo desenvolvimento emocional que proporciona, pela sua natureza cultural e ética e pelo diálogo que estabelece com o grande texto de cultura. Sendo, obviamente, um programa que passa essencialmente pela Literatura Angolana, não se podem esquecer os textos orais onde aquela originalidade de uma cultura, dos costumes e de uma visão do mundo começou a manifestarse. Assim, os contos, as fábulas, as adivinhas e os provérbios tradicionais serão, portanto, um primeiro campo de estudo e que se seguirá ao estudo da Literatura escrita do país, procurando dar ao(à) aluno(a) uma visão da nossa história literária (Angola), mas também a análise mais apropriada de textos que respondam às grandes linhas genealógicas: o texto narrativo, o texto lírico e o dramático. Ler um texto literário, porém, é sempre de estabelecer um diálogo com outros textos de autores de outros povos que falam a mesma língua e com textos de outras culturas. Assim se justifica a introdução neste programa de textos de Literatura Moçambicana, Cabo Verdiana, de São Tomé, Brasileira, Guineense e Portuguesa, bem como uma breve referência a autores de outras línguas que surjam como exemplo em obras magnas de literatura universal. Pretende-se assim, aliás, alargar a enciclopédia do(a) aluno(a) pondo-o(a) em contacto directo e intensivo com alguns autores estrangeiros e referenciando outras obras como de leitura extensiva. Embora com parcimónia, o(a) aluno(a) deverá lentamente apropriar-se e aprofundar-se de alguma metalinguagem literária e linguística que lhe forneça rigor e clareza de análise dos textos, mas de forma a incentivar-se sempre o gosto pela leitura e, se possível, a motivação para a escrita. 4

5 PROGRAMA DE LITERATURA OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA Conhecer elementos de história da teoria e crítica literária e das principais obras para o conhecimento da Literatura Angolana; Compreender as características e especificidades dos géneros, modos e períodos literários; Identificar a especificidade do texto literário no que se refere à linguagem, aspectos formais e composicionais; (Re)conhecer as diferenças/semelhanças temáticas, formais, estruturais, entre outras, na comparação de textos (literários e não literários) de um mesmo autor ou de autores diferentes, de uma mesma época ou de épocas distintas, de um mesmo género ou de géneros diferentes; Enquadrar os escritores angolanos e outros em períodos temporais e sócioculturais; Distinguir alguns escritores angolanos e suas obras e textos (colectânea) a serem utilizados nos manuais para leitura metódica e extensiva; Distinguir autores de outras nacionalidades lusófonas a serem enquadrados e estudados na Literatura Angolana; Desenvolver a competência de leitura e análise do texto literário e sua interpretação e argumentação; Compreender as mensagens transmitidas por diversos autores em obras de diferentes épocas; Reconhecer e distinguir o estilo individual e o estilo da época; Reconhecer os procedimentos de coesão e coerência textual; Desenvolver métodos e técnicas de trabalho individual, de grupo e em grupo que contribuam para a construção e desenvolvimento da aprendizagem da Literatura Angolana. 5

6 11ª E 12ª CLASSES CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS NA 11ª CLASSE Conteúdos Programáticos Entende por esta terminologia a súmula de assuntos consignados para o ensino/ aprendizagem contidos dentro do programa preconizado. Não é senão a matéria sumariada em cada unidade ou temas do Programa. Conteúdos programáticos espelham, duma forma minuciosa, as partes de unidades temáticas de um dado programa de trabalho. 1. Conteúdos Linguísticos. 2. Conteúdos comunicativos. 3. Leitura. 4. Escrita. 5. Funcionamento da língua. 6. Escritores Angolanos e de outras nacionalidades: 6.1. Escritores angolanos e obras de literatura obrigatória; 6.2. Escritores de outras nacionalidades. 7. Introdução ao estudo da Literatura Angolana. 1. Conteúdos linguísticos: 1.1. Funções da linguagem: Expressiva; Apelativa; Fática; Referencial; Metalinguística Marcas linguísticas: Objectivação; Gestos; Entoação Registos da língua: Cuidado Corrente; Familiar; Popular; Gíria e calão. 6

7 PROGRAMA DE LITERATURA 1.4. Sistema de línguas: Valores semânticos de frases; Modalizadores de enunciação; Conectores e sua utilidade no texto literário; Discurso directo e indirecto visto de uma forma literária; Marcadores textuais; Marcadores de coesão; Marcadores de paráfrase Coerência textual: Externa (que se situa a referência no tempo e no espaço); Interna (co-referência - identidade de referentes ao longo do texto); Processos de retoma (que estabelecem uma continuidade de elementos temáticos no texto literário. 2. Conteúdos Comunicativos: 2.1. Estudo do texto literário: As cadeias ou segmentos de expressões co-referências; As sequências (marcas de sequencialidade); Estilística, estilo e análise estilística; 2.2. Texto literário: Fronteiras do texto literário; Nível textual; Intertextualidade Leitura crítica: Leitura; Crítica; Discurso crítico Lírica: Estratos textuais do texto lírico; Integração lírica Narrativa: Estrutura da acção; Sintaxe narrativa; Narração/Descrição. 7

8 11ª E 12ª CLASSES 2.6. O texto como ponto de partida da análise literária: Conteúdo e forma, significado e significante; Elementos extrínsecos, formais e intrínsecos; A dedução e a indução na análise literária; Análise microscópica e análise macroscópica Análise do texto dramático: O texto literário; O texto e as demais artes; Comédia; Tragédia; Micro análise; As personagens; A acção. 3. Leitura A linguagem falada ou escrita é o mais eficiente e poderoso instrumento de intercâmbio e veiculação social. Sem a linguagem, não seria possível compreender a Natureza e a evolução da sociedade. O valor da leitura é evidente e indiscutível. Ela permite apreender o que está escrito. Possibilita o contacto espiritual com os que estão ausentes no tempo e no espaço. Fixa e torna mais claros e precisos os conhecimentos. Facilita o aproveitamento da experiência das gerações passadas, da deriva, ao mesmo tempo, à tradição e o progresso. A leitura deve, por conseguinte, ocupar na escola um lugar de relevo dominante. Sua situação no processo educativo é básica, não obstante o desenvolvimento dos recursos técnicos da escola. Objectivos do ensino da leitura O ensino da leitura tem como objectivo: Dotar o aluno da capacidade de ler com compreensão, rapidez e naturalidade; Fixar no mesmo hábitos de boa leitura, tanto para os fins de colheita de informações úteis, como para a utilização das horas de lazer; Levar a compreender a vantagem da leitura como instrumento de aperfeiçoamento cultural; 8

9 PROGRAMA DE LITERATURA No entanto, para que os objectivos da leitura se concretizem, várias actividades ou modalidades de leitura podem ser desenvolvidas: Leitura extensiva leitura de textos longos e/ou obras completas. É o tipo de leitura que mais contribui para a formação de um leitor competente. Leitura metódica leitura detalhada e orientada de pequenos textos. Este tipo de leitura favorece, sobretudo, a memorização. Estes dois tipos de leitura são importantes. A leitura, neste domínio, é o estudo e análise de obras literárias de escritores de uma época e/ou de épocas diferentes; de uma nação e/ou de nações diferentes; de escritores individuais ou colectivos. Neste programa serão leccionados não só excertos, mas também obras integrais. Assim, por exemplo, a partir de leitura de excertos de obras literárias, os alunos tornar-se-ão aptos a elaborar textos de diferentes modalidades, como o resumo, a crónica, o comentário. 4. Escrita A aprendizagem da escrita constitui uma via de redescoberta e de reconstrução da língua. É com a prática da língua que se organiza e se desenvolve o pensamento, se acelera aquisições linguísticas, comunicativas e gramaticais, permite ler melhor e a aprender mais. A interiorização de hábitos de escrita decorre da frequência da sua prática, associada a situações de prazer e de reforço da auto-confiança. Deve-se escrever sem receio de censuras, mas com certeza de poder contar com os apoios necessários ao aperfeiçoamento de textos, o que permitirá, ao(à) aluno(a), exporse através das suas produções. Escrever é uma actividade comunicativa que, como todas, tem sentido social. Deve materializar-se em produções que circulem entre alunos, entre turmas, entre escolas... Diversificando percursos e estratégias, cabe ao(à) professor(a) o papel de interlocutor, animador e criador de situações para melhorar a escrita, integrando-a em projectos funcionais e com significação. 9

10 11ª E 12ª CLASSES Algumas sugestões de actividade da escrita: Desenvolver temas de interesse dos alunos, tais como: Jornais de escola; Jornais de turma; Jornal mural; Concursos literários. Prática de escritos informativos/expositivos como: Resumos; Relatórios; Recontos; Cartas; Registos de experiências. Construção e produção criativa de textos escritos pelos alunos, a partir de textos literários sugeridos ou de outras literaturas de autores por eles conhecidos; Escrever, por iniciativa própria ou por estímulo, vários textos sobre temas a gosto pessoal ou que exprimam sentimentos e/ou experiências pessoais. 5. Funcionamento da Língua Conhecer uma língua é conhecer e saber analisar o código que lhe dá forma, as suas componentes, a sua estrutura e as variadas relações que estabelecem entre si. Àquilo que resulta desta engrenagem chama-se gramática, entendida esta como o estudo reflexivo efectuado sobre o funcionamento interno da língua. Do ponto de vista funcional, a língua é um sistema de sinais, o mais complexo e perfeito de todos os sistemas dessa classe que o homem já inventou. O ensino da língua não deve parar às portas da Universidade; ela deve sim, continuar até aos últimos anos das várias licenciaturas, mestrados e até mesmo doutoramentos. A língua portuguesa, no nosso caso, também nossa porque a língua não pertence a ninguém, de cultura angolana moderna, deve ter os seus suportes culturais apoiados por uma política específica bem direccionada, para que exerça de forma eficiente o seu papel de comunicador no seio da sociedade. 10

11 PROGRAMA DE LITERATURA A língua, como meio de comunicação entre as pessoas, é um fenómeno histórico-social porque se deve ao trabalho e à vida social o aproveitamento nos seres humanos da necessidade da linguagem. Assim, a língua portuguesa, no nosso país, deve ser tida em conta no seu sentido positivo, já que é com ela que se avivam os sentimentos nacionais. É língua de ensino, de comunicação de massas, da religião e língua da cultura. 6. Escritores Angolanos e de outras nacionalidades 6.1. Escritores Angolanos e obras de leitura obrigatória: Alda Lara Prelúdio (Poesia); António Jacinto Monangamba Texto-vida e obra do autor; Agostinho Neto Havemos de Voltar (Poesia) e vida e obra do autor; Alfredo Troni O Óbito, As missas do óbito (Textos) In Nga Muturi obra; Castro Soromenho Terra Morta obra; Manuel Pacavira - Vida e obra do autor; Maia Ferreira A Angola (Poesia) Vida e obra do autor; Óscar Ilibas Ecos da Minha Terra (Obra) Vida e obra do autor; Viriato da Cruz Makèzú (Poesia) Vida e obra do autor. 11ª Classe (nova geração) Fragata de Morais Inkuna minha Terra (Obra); João Abel Dois (in Bom dia) 1971; Luís Kandjimbo - Vida e obra do autor; José Luís Mendonça Vida e obra do autor; John Bella Vida e obra do autor Escritores de outras nacionalidades (CPLP): Cabo Verde Jorge Barbosa; Baltazar Lopes. Moçambique José Craveirinha; Rui Knopfi. 11

12 11ª E 12ª CLASSES São Tomé e Príncipe Marcelino da Veiga. Guiné-bissau Helder Proença. Brasil Carlos Drummond de Andrade; Jorge Amado. Portugal Luís de Camões; Fernando Pessoa Escritores de outras nacionalidades: Alejo Carpentier Escritor cubano. João De La Fontaine Poeta e académico francês. 7. Introdução ao estudo da literatura angolana 7.1. Literatura Tradicional (oral) Angolana: Periodologia da literatura angolana; A literatura angolana do silêncio; A Casa dos Estudantes do Império; Embandeiro, Mensagem, Cultura angolana A Literatura angolana antes da Colonização A Literatura Angolana eurocêntrica séculos XV-XIX: Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa A ausência de literaturas africanas de expressão portuguesa: da Negritude ao combate e à independência; Saturnino de Sousa e Oliveira e Manuel Alves de Castro Francina; Héli Chatelain; Óscar Ribas. 12

13 PROGRAMA DE LITERATURA 7.5. O percurso da literatura angolana dos séculos XIX- XX: A Literatura Angolana no período pós-independência; Percursores da Literatura Angolana: Maia Ferreira; Alfredo Troni; Tomaz Vieira da Cruz; Cordeiro Mota, etc A Literatura Angolana, escrita: Maia Ferreira; Óscar Ribas; António Jacinto; Agostinho Neto, etc. 13

14 11ª E 12ª CLASSES 14 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS NA 12ª CLASSE 1. Conteúdos Linguísticos. 2. Conteúdos Comunicativos. 3. Leitura. 4. Escrita. 5. Funcionamento da Língua. 6. Escritores angolanos e de outras nacionalidades: 6.1. Escritores angolanos e obras de leitura obrigatória; 6.2. Escritores de outras nacionalidades. 7. Introdução ao estudo à literatura angolana. 1. Conteúdos linguísticos: 1.1. Registos da Língua: Corrente; Familiar; Popular; Técnica; Científica Tipos de texto: O texto lírico (poético); O texto dramático; O texto narrativo Conexão textual: Conectores como articuladores do discurso, no texto literário; Relação de natureza semântica; Relação de conexão entre actos da fala, natureza pragmática e expressão de interacção comunicativa Texto literário: Estilística e texto literário; Estilo e análise estilística; Análise estilística de um soneto de Camões Publicidade e linguagem literária: Conotação e discurso publicitário Relação entre a análise literária e a teoria literária (especificidade da análise literária).

15 PROGRAMA DE LITERATURA 2. Conteúdos comunicativos 2.1. Textologia literária: Âmbito de estudo; texto literário; Teoria e crítica literária; Denotação; Conotação Análise do Texto Poético (lírico): Metáfora; O tempo na poesia; O Espaço e o Enredo; O texto Lírico (especificidade) O Texto Narrativo: A acção; O tempo; O espaço; As personagens; O Ponto de Vista; Recursos naturais Análise Actancial do Texto narrativo O teatro: Estrutura; Comédia e Tragédia; As Personagens; Situação dramática Introdução ao texto literário: Texto literário e texto não literário; Periodologia literária; Noção de texto literário. 2.6 Análise do texto em prosa: Prosa. Denotação e Conotação; Macroanálise; Microanálise; A Acção; 15

16 11ª E 12ª CLASSES 16 O Tempo; O Espaço; As personagens; O Ponto de Vista; Recursos Narrativos Pré-texto: história literária Níveis Nível pré-textual: Biografismo; Positivismo. 3. Leitura Ler é um processo universal de obtenção de significados. A escola deve ajudar o(a) aluno(a) a apropriar-se de estratégias que lhe permitam aprofundar a relação afectiva com as obras, literárias ou não, a fim de que possa trocar, progressivamente, o seu próprio percurso enquanto leitor e construir a sua autonomia face ao conhecimento. Favorecer o gosto de ler implica que a escola proporcione ocasiões e ambientes favoráveis (bibliotecas) à leitura silenciosa e individual e que promova a leitura de obras variadas em que os alunos encontrem registos para as suas inquietações, interesses e expectativas. Assim, a partir da leitura de excertos de obras literárias, os alunos tornar-se-ão aptos a elaborar textos vários de diferentes modalidades, tais como: informativos, narrativos (contos) argumentativos (crónica), descritivos, jornalísticos, etc. O aprofundamento da relação afectiva com a leitura exige o contacto dos alunos com os livros, enquanto objectos; exige o acesso a uma grande variedade de obras e a vivência de situações que propiciem o prazer imediato da leitura e a afirmação da subjectividade do leitor. Esta será a actividade de leitura recreativa. Outra prática da leitura é a orientada, em que se direcciona prioritariamente sobre obras seleccionadas de entre os propostos dos programas. Este tipo de actividades, a mediação do(a) professor(a), visam exercitar os alunos na interpretação de textos. A leitura para Informação e Estudo é aquela em que os alunos devem usar dicionários, enciclopédias, gramáticas, ficheiros e outros materiais que assim se tornam recurso habitual dos aprendentes para o alojamento dos seus conhecimentos.

17 PROGRAMA DE LITERATURA Este tipo de actividades engloba as leituras: Metódica que é um tipo de leitura detalhada e orientada de pequenos textos e que favorece, sobretudo, a memorização; Extensiva em que a leitura de textos longos e/ou mesmo de obras completas é uma certeza e necessidade na caracterização dos textos: lírico, narrativo e dramático. 4. A escrita a) Importância da escrita: A escrita é, sem dúvida, um dos grandes instrumentos de intercomunicação social e de progresso cultural e económico. Sem a escrita, diz Aguayo, os homens encontrariam as maiores dificuldades para aprender e mesmo para ganhar honradamente a vida. Não poderiam, igualmente, manter correspondência com os amigos e parentes, nem tomar notas e apontamentos necessários para auxiliar a memória, quando esta, como quase sempre acontece, se revela deficiente. A escrita permite organizar o trabalho do pensamento. A linguagem falada costuma ser obscura, desordenada e incompleta, enquanto que a linguagem escrita pode ser tão clara, metódica e precisa quanto se deseja. É por isso que Lord Bac dizia que a escrita tornava exactos os homens. b) Objectivos da escrita: O ensino da escrita na escola tem como objectivos os seguintes: Dar ao aluno o domínio da técnica da escrita no mais alto nível de clareza, rapidez e legibilidade; Habilitar os alunos à redacção da correspondência usual e de notas e informações para seu próprio uso; Assegurar-lhes o hábito de dar uma disposição estética a todo trabalho escrito; Mostrar aos alunos o valor da linguagem escrita como instrumento de aperfeiçoamento intelectual e de intercomunicação social. 17

18 11ª E 12ª CLASSES A aprendizagem da escrita é uma actividade complexa que exige certa maturidade psicofisiológica. Essa maturidade possível deve ser caracterizado por provas especiais, é ela que marca o momento em que o(a) aluno(a) está em condições de aprender a escrita. Alguns autores aconselham a articulação íntima da leitura à escrita, desde os primeiros anos da escola elementar. Montaigne, por exemplo, foi um dos primeiros a preconizar o ensino da escrita ao lado da leitura. c) Algumas técnicas do ensino da escrita: Os resultados das pesquisas experimentais mostram que quanto maior a inclinação da pena mais rápido os movimentos da escrita. A escrita e a leitura são e sempre foram domínios inter-relacionados, já que a leitura deverá ser o ponto de partida para a aquisição de modelos de textos e de técnicas de redacção. Da mesma forma, ela poderá fornecer ao leitor referências que servirão de inspiração ao texto produzido. Por esse motivo, aos alunos deverá ser dada a possibilidade de produzirem textos de carácter utilitário, necessários à sua vida escolar e social, mas também textos com finalidades diversificadas, não direccionadas. Todas estas actividades estimulam a criatividade, criam o desejo de ler e fazem do(a) aluno(a) um(a) leitor(a)/escrevente activo(a). 5. Funcionamento da Língua A língua, como meio de comunicação entre os homens, é um fenómeno histórico-social porque se deve ao trabalho e à vida social o aproveitamento nos seres humanos da necessidade da linguagem. Os progressos da Ciência e da Cultura e a internacionalização da vida dos povos contemporâneos elevam o número de pessoas que conhecem, não só a sua linguagem nacional, mas também outras línguas mundiais. Assim, para a educação em Angola, a língua portuguesa que foi imposta a este povo (Angola), é muitas vezes uma recordação da falta de direitos e de liberdade, o símbolo do colonialismo... Mas é e foi com ela, que se avivam os sentimentos nacionais. 18

19 PROGRAMA DE LITERATURA Conhecer e analisar a língua é conhecer e analisar o código que lhe dá forma, as suas componentes e as variadas relações que estabelecem entre si. Aquilo que resulta daqui é chamado de gramática, entendida esta como o estudo reflexivo efectuado sobre o funcionamento interno da língua. A Língua Portuguesa, falada ou escrita, tem um sistema e uma estrutura próprias que obedecem a regras de ordem fonético-fonológicas, amorfossintáctica e semântica que asseguram a compreensão entre os membros da comunidade linguística. Quando falamos da comunidade linguística em Angola teremos que pensar que o contacto da língua oficial com as outras línguas nacionais fá-la entrar num processo evolutivo. Por esse motivo, deve-se ter uma visão da gramática como algo dinâmico, como construção. Dizia Cipolla: Há que substituir a concepção estática da gramática por uma visão dinâmica das suas estruturas, para que se possam ajustar às necessidades do aprendente. Esta visão da língua, como produtividade e criatividade, parece ser aquela que melhor poderá contribuir para o ensino/aprendizagem da Língua Portuguesa e, consequentemente, para o estudo e análise estrutural de obras literárias no ensino da Literatura. Já diz ia Diderot que língua de um povo dá o vocabulário e o vocabulário é uma tabela fiel de todos os conhecimentos desse povo. Neste processo, o funcionamento da língua/gramática, deve ocupar um lugar fundamental. Todo o(a) professor(a) deve ter esta como ponto de referência, uma vez que ela fornece ao(à) aluno(a) as características da língua. A gramática, para seu êxito, os alunos deverão aprendê-la em interacção com a língua, em trabalho individual ou em grupo, e reflectirem sobre um aspecto concreto da língua, sendo eles próprios a explicitarem a regra ou regras do seu uso. 6. Escritores angolanos e de outras nacionalidades 6.1. Escritores angolanos e obras de literatura obrigatórias (12ª Classe) António de Assis Júnior Vida e obra; Pepetela A Corda (obra); O Primeiro Oficial (texto) In O Cão e os Clalús; Wanhenga Xitu Vozes na Sanzala Kahitu (obra); Manuel Rui Quem me dera ser Onda; O búzio, In Cinco vezes onze, poemas em Novembro (1984); Jofre Rocha Os Imortais (In Assim se fez madrugada); Luandino Vieira Nós os do Makulusu (obra); Tomaz Vieira da Cruz Vida e obra. 19

20 11ª E 12ª CLASSES (Escritores da Nova Geração) Botelho de Vasconcelos Vida e obra; Cremilda de Lima Vida e obra; João Melo Vida e obra do autor; João Maimona Vida e obra; João Tala Vida e obra; Lopito Feijóo Vida e obra Escritores de outras nacionalidades (CPLP): Cabo Verde Manuel Lopes. Moçambique Noémia de Sousa. São Tomé e Príncipe Francisco José Tenreiro. Guiné-Bissau Vasco Cabral. Brasil Luís Rejo. Portugal Eça de Queirós; José Saramago Escritores de outras nacionalidades: Aleixo N. Tolstoi Escritor russo. Thomas Wyatt Poeta e diplomata inglês. Voltaire - Poeta e prosador francês. 7. Introdução ao estudo da literatura angolana 7.1. A literatura angolana: das origens ao combate. 20

21 PROGRAMA DE LITERATURA 7.2. Das várias maneiras de ver e de não ver a colonização da literatura angolana: O grande silêncio após 1930; A geração de 70: A nova poesia angolana; Alienação, Independentismo, Negritude, Mulatismo e Negrismo na poesia africana de expressão portuguesa A aparição dos afro-americanos e dos africanos de expressão portuguesa nos séculos XVII e XIX A Literatura Angolana no período do pós-independência O papel dos escritores angolanos e outros na luta de libertação nacional O surgimento dos escritores de Nova Geração e o seu papel na literatura angolana: Óscar Ribas; Arnalda Santos; Bessa Victor; Pepetela; Manuel Rui; Uanhenga Xitu, etc A literatura angolana escrita (XIX-XX...) 21

22 11ª E 12ª CLASSES Orientações Metodológicas A disciplina de Literatura e de Literatura Angolana é tida como uma disciplina nova nesta classe. Assim, será rentável ao docente se inicialmente tiver presente no seu dia-a-dia a ideia de Literatura no seu contexto mais amplo. É ponto assente que cada povo/nação tem as suas especificidades literárias, linguísticas, sociais e culturais. Tem, por isso, a sua literatura. Mas o que é, afinal, isso de literatura? Ela será a expressão da experiência humana. Para o(a) aluno(a), se colocado em contacto com obras da herança, regional, nacional e universal, movido pelo interesse e prazer próprios, acrescentará as suas possibilidades de pensar, sentir e agir e comunicar-se-á como pessoa e cidadão responsável e, ao mesmo tempo, participante em ideias e valores comuns e intemporais. Nelas e por elas ele vê e verá, afinal, afinidades e diferenças, continuidades e roturas entre povos, tempos e espaços; reflecte sobre os grandes problemas e conflitos morais e sociais; procura elementos de solução, renovação e inspiração; percorre o itinerário de pensamento imaginativo ao racional; encontra a unidade na diversidade humana; reconhece, enfim, a verdadeira índole e fontes da sua nacionalidade, situando-se no mundo actual. Para tal, o(a) professor(a) de Literatura deve ser capaz de entender e situarse dentro desta realidade literária, pois só assim será capaz de conduzir os seus alunos a bom porto, no ensino da literatura em geral e no da literatura angolana em particular. O programa de Literatura e de Literatura Angolana no 2 Ciclo do Ensino Secundário visa, essencialmente, a descoberta por parte do(a) aluno(a), da grande riqueza científico-cultural do mundo ancestral. Para tal, aos alunos deve ser incutido o espírito da construção de autonomia, isto é, para que possam ir descobrindo por si sós, a grande riqueza científicocultural dos Povos do Mundo. A aula de Literatura deve ser uma aula participativa, uma aula de prática de língua em todas as suas potencialidades. Daí que todos os alunos devem ter a oportunidade de desenvolver as suas competências comunicativas e expressivas de um modo globalizante de crescimento do ser, do saber e do saber fazer. 22

23 PROGRAMA DE LITERATURA Progressivamente, os alunos deverão adquirir uma metalinguagem específica que lhes permita fazer uma leitura mais rectilínea do texto literário devendo conhecer, em termos gerais, técnicas de auto-domínio textual, nomeadamente a técnica de análise estrutural, interpretação textual e análise semiótica. Sem exagerar, no repertório terminológico, o(a) professor(a) deve preparar o(a) aluno(a) para o ensino universalizante fornecendo-lhe utensílios básicos de análise e hermenêutica literária. 23

24 11ª E 12ª CLASSES Avaliação É uma tarefa prática bastante complexa, pelo número de determinantes que suporta. A avaliação em Literatura é, como em todas as outras disciplinas do currículo, uma das macro-funções cometidas ao professor. Sendo o texto literário um sistema polifacetado, a avaliação do seu estudo/ aprendizagem tem de conjugar aspectos que evidenciem o texto literário, não só como objecto autónomo e linguístico, mas também como polissistema que cruza componentes culturais e sociais ou mesmo políticos, que permitem ao(à) aluno(a) uma formação multimoda a fim de o desenvolver no plano pessoal e no seio da sociedade. O(a) aluno(a) deve ser avaliado(a) em termos de objectivos previamente traçados e das competências que forem consideradas como determinantes do ensino a adquirir, tanto a nível da assimilação dos conteúdos programáticos, como em termos de competência linguística, comunicativa, literária e cultural, contemplando tanto a produção como a recepção dos enunciados. A Avaliação deve prever, portanto, tanto a clássica divisão em formativa e sumativa, como ter em conta não só a hetero-avaliação, como a auto-avaliação do(a) aluno(a), tornando-o consciente e responsável pela sua aprendizagem. No âmbito do ensino/aprendizagem da literatura, todas as actividades empreendidas implicam a obrigatoriedade da intervenção do(a) aluno(a) (por vezes, escolha e selecção de temas e autores, planificação, práticas de métodos e técnicas de pesquisa, escolha de recursos, avaliação sistemática e corrente da aprendizagem, elaboração de critérios coerentes com as características do trabalho desenvolvido). Pelo que, no processo de avaliação, ele deve, necessariamente ser chamado a intervir, não esquecendo que em todo este processo está também implicado o(a) professor(a). Nestes pressupostos, considerando que a Avaliação deverá ser sempre formativa, os seus traços dominantes devem pressupor que o(a) aluno(a): Conhece o que deve aprender a fazer e consequentemente no que vai ser avaliado; Deve conhecer quais os critérios que estão subjacentes ao processo de avaliação; Deve dispor de instrumentos que lhe permitam reflectir sobre a sua actividade e a correcção de eventuais erros ou insuficiências. 24

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Homem tropeça anda, corre voará...

Homem tropeça anda, corre voará... Professora: Isabel Maria Ribeiro Madureira de Sousa Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo Padrão da Légua C445 - Projecto de Formação para o Novo Programa de Português do Ensino Básico Turma - D Maio

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS 11ª, 12ª e 13ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Português Ficha Técnica Título Programas de Metodologia de

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO ANO LECTIVO 2008/2009 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 Os critérios de avaliação definidos têm por base aquilo que cada professor deve valorizar nos seus alunos ao

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional de 12º H Português Planificação Anual - Módulos: 10,11 e 12 Ano Letivo: 2015/2016 Módulos Compreensão Âmbito dos Conteúdos Avaliação Leitura/descrição / Expressão de imagens oral Testes

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO PROGRAMA DE DESENHO 10ª, 11ª e 12ª classes 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Área das Artes Visuais Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Desenho - 10ª, 11ª e 12ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica,

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Manuel da Fonseca. Curso Profissional

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Manuel da Fonseca. Curso Profissional Elenco Modular / Gestão de horas MÓDULOS DURAÇÃO Carga Horária Semanal 2 blocos 90m + 1 bloco 45m 1º PERÍODO (1 aula = 45 m) 6 21h 6º MÓD. 28 aulas (28 aulas) 1º PERÍODO: 66 aulas 7 18h 7º MÓD. 24 aulas

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ALEMÃO, FRANCÊS, INGLÊS LE I 1º, 2º e 3º CICLOS Direcção Regional da Educação e Formação 2011 Metas de Aprendizagem para as Línguas Estrangeiras Alemão,

Leia mais

Observação directa: ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011

Observação directa: ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico - Leitura de textos MÓDULO 1 - Um mundo de muitas línguas: contacto com outras línguas, experiências e culturas Línguas e culturas

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 14/ Terminologia a utilizar na classificação

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE DE VARSÓVIA

UNIVERSIDADE DE VARSÓVIA UNIVERSIDADE DE VARSÓVIA INSTITUTO DE ESTUDOS IBÉRICOS E IBERO-AMERICANOS DEPARTAMENTO DE ESTUDOS LUSO-BRASILEIROS Ano lectivo: 2008/2009-2º semestre Profa. Dra. Anna Kalewska Dr. José Carlos Dias LITERATURA

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS 2006 / 2009 Setembro 2006 PROJECTO DE TRABALHO DO CENTRO DE RECURSOS - 2006/09 PLANO NACIONAL DE LEITURA Identificação

Leia mais

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos Disciplina:francês Aulas por semana: 4 7.º anos Competências: competências comunicativas da receção e produção adequadas ao ano de escolaridade (Falar, Escrever, Ler, Ouvir) domínio das ferramentas linguísticas

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR EB 2/3 de Jovim e Foz do Sousa PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 1º Período 5º Ano ANO LETIVO 2014/2015 Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades Conhecer o alfabeto.

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES Setúbal, 13 de Maio de 2012 A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) e a Escola Superior de Ciências

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2. José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2. José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2 José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Planificação periódica 8ºano

Planificação periódica 8ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 8ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Aveiro E S C O L A 2 º E 3 º C I C L O S J O Ã O A F O N S O D E A V E I R O

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais