PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA"

Transcrição

1 1 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA MACAPÁ 2009

2 2 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Projeto Político-pedagógico revisado e apresentado pelo Colegiado do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia à Divisão de Apoio ao Ensino - DAE e desta à Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, que após aprovação pelo Conselho Universitário - CONSU deverá ser encaminhado ao Conselho Estadual de Educação - CEE para autorização e regularização do referido Curso no âmbito da Universidade do Estado do Amapá. MACAPÁ 2009

3 3 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ Prof. Dr. José Maria da Silva Reitor Prof. MSc. Marcos Antônio Távora de Mendonça Pró-Reitor de Graduação Prof. Esp. Paulo Sérgio Bezerra Chefe da Divisão de Ensino Profa. MSc. Selma Gomes da Silva Coordenadora do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Profa. MSc. Ana Cláudia Peixoto de Cristo Prof. Esp. Armando Sérgio Nunes Pereira Profa. MSc. Edna dos Santos Oliveira Profa. Esp. Jilcinéia de Sousa Duarte Profa. Esp. Neiva Lana de Almeida Guimarães Profa. Esp. Rosinete dos Santos Rodrigues Comissão de adaptação do Projeto Político-pedagógico Profa. Esp. Ivanéia de Souza Alves Profa. Esp. Neiva Lana de Almeida Guimarães Profa. MSc. Selma Gomes da Silva Revisão Técnica MACAPÁ 2009

4 4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DADOS GERAIS DO CURSO CARACTERIZAÇÃO Identidade do pedagogo Concepção e finalidades Princípios OBJETIVOS ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA ESTRUTURA CURRICULAR Desenho da Matriz Curricular Ementário e bibliografia de referência Prática Pedagógica Estágio Curricular Supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso PERFIL DO EGRESSO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES POLÍTICA METODOLOGIA DE ENSINO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Procedimentos formais de avaliação dos discentes CORPO DOCENTE REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A Normas gerais para o Desenvolvimento do Estágio Curricular Supervisionado nos Cursos de Licenciatura da UEAP ANEXO B - Normas gerais para o Desenvolvimento das Atividades Teóricopráticas e Atividades Complementares nos Cursos de Licenciatura e Engenharia da UEAP

5 5 APRESENTAÇÃO A Universidade do Estado do Amapá - UEAP, instituída pela Lei Estadual nº de 31/05/2006 é fruto de todo um aprimoramento institucional construído nos últimos tempos, que pretende colocar o Estado do Amapá na rota do desenvolvimento local e regional em articulação com a realidade nacional e internacional. Isso faz surgir novas demandas tanto na produção e ressignificação do conhecimento, criação de tecnologias e implementação de políticas públicas, como também na formação de profissionais para atuarem face aos desafios que se impõem às intenções mencionadas. Deste modo, a criação da UEAP como uma instituição de ensino superior pública, oferecendo cursos gratuitos e de qualidade em áreas estratégicas para as políticas públicas e para o setor produtivo, demarca importante espaço na direção vislumbrada e, não por acaso, a implementação desta IES faz emergir potencialidades que servirão para alavancar ações mais efetivas, com vistas a desenvolver a economia, a cultura e a sociedade amapaense, tendo por base a democracia, a justiça social e ambiental. Consoante a isso, a UEAP nasce com autonomia didático-centífica, cultural, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, pretendendo atuar em todas as áreas do conhecimento, conforme o que preconiza o artigo 2º da Lei nº. 0996/ Tais premissas encontram-se ratificadas no Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI da UEAP que define toda a estrutura de implementação, funcionamento e expansão administrativa e acadêmica, bem como no seu Projeto Político Institucional - PPI, que apresenta as principais formulações e diretrizes para as ações didático-pedagógicas da Instituição. Ambos os documentos mencionados, encontram-se respaldados na legislação pertinente à Educação Superior no Brasil dentre as quais destaca-se a Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, art. 205 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº. 9394/96). Ao definir a criação de cursos de graduação voltados para o fortalecimento da educação em todos os níveis de ensino e ao mercado de trabalho como um de seus principais desafios (PDI - UEAP, 2006, p. 02), a Universidade do Estado do Amapá assume a responsabilidade de investir na educação e na produção de novos conhecimentos associados à realidade local, regional, nacional e global, contribuindo assim com a formação do cidadão moderno capaz de dar respostas positivas às

6 6 demandas da sociedade amapaense. É pois, nessa perspectiva, que se apresenta o presente Projeto Político-pedagógico, o qual deve constituir-se como o documentoreferência para a implementação do Curso de Pedagogia na Universidade do Estado do Amapá. Não obstante, a implantação do Curso de Licenciatura em Pedagogia na UEAP, reafirma o compromisso da política institucional com a elevação dos patamares educacionais em nível local, além do que, com esta ação, fecha-se o circuito de oferta da educação pública pelo Estado nos dois níveis propostos na legislação vigente: Educação Básica já universalizada no Estado e Ensino Superior, em processo de implantação. Isto coloca o Amapá numa situação rica de possibilidades de inovação tecnológica e educacional, fortalecendo a formação dos profissionais que irão atuar desde a educação infantil até a universidade. Indo mais além, destacamos que a demanda por sólida formação dos docentes faz com que o Curso de Pedagogia seja um importante elo para a discussão e implementação futura de novos cursos de Licenciatura na UEAP, considerando a concepção de que a formação do professor deve se dar no interior da Universidade, isto é, com a garantia da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Por essas razões, o Curso aqui proposto pretende ser uma referência educacional no que concerne à formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, e em cursos de Educação Profissional, na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos; e ainda a formação de profissionais de educação para a gestão, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional para a educação básica. Essa formação abrange de forma integrada a docência, a participação na gestão e avaliação de sistemas e instituições de ensino, a elaboração, a execução, o acompanhamento de programas a atividades educativas (CNE, Parecer nº. 05/2005). A organização do referido Curso tem como base legal o Parecer nº. 05/2006, a Resolução CNE/CP n.º 1, de 15 de maio de 2006 que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura e também o art. 64 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96. As novas exigências do mundo do trabalho, aliadas à necessária capacidade de estabelecer relações, de sistematizar, generalizar, compreender modelos, estabelecer relações de previsibilidade, e contextualizar as ações, apresentam-se

7 7 como condições essenciais tanto para a continuidade dos estudos quanto para a compreensão das relações sociais que permeiam o sistema educacional. Desse modo, um currículo que atenda criticamente a essas necessidades deve ter como princípios norteadores: o trabalho pedagógico como eixo da formação; sólida formação teórica; a pesquisa como forma de conhecimento e intervenção na realidade social; trabalho partilhado e coletivo; trabalho interdisciplinar; articulação teoria-prática. Estes princípios são, como se poderá observar, balizadores de todo o processo de construção desta Proposta Pedagógica, como uma preocupação constante em não restringir as contribuições advindas dos debates acerca da formação do pedagogo, mas ampliá-las, situando-as no bojo de um projeto articulado de formação do profissional da educação, que comporta outros sujeitos e novas perspectivas de formação. É importante enfatizar que o perfil que se tem hoje do Curso de Pedagogia, passou por vários momentos e sua história se confunde com a trajetória da política educacional no Brasil. Assim, compor a identidade do pedagogo é definir algo para além de suas competências, o que significa apontar para a figura de um profissional que, ao lado da competência no que tange ao domínio específico de uma determinada disciplina ou área de atuação, compromete-se com uma ação mais ampla na sociedade a de profissional da educação como agente importante na construção de uma realidade educacional e social assentada na liberdade, na dignidade e na democracia (econômica, política e social) para todos, como princípios fundamentais da sociedade humana. Assim sendo, a formação docente e a definição das práticas educativas são decorrentes não só da formação profissional, mas de aprendizagens realizadas ao longo da vida, dentro e fora da escola. Isto significa que os pedagogos são sujeitos de uma atividade profissional que os leva a envolver-se em situações de aprendizagem ao longo de suas vidas, mas não é só isso: a formação dos Profissionais da Educação no Curso de Pedagogia, passou a constituir-se, pela trajetória deste, em um dos requisitos para o desenvolvimento da Educação Básica no país. Diante disto, a Universidade do Estado do Amapá UEAP assume a responsabilidade social e profissional de preparar adequadamente o acadêmico do Curso de Pedagogia para atuar na formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental; em cursos de Educação

8 8 Profissional, na área de serviços e apoio escolar; bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos; e ainda a formação de profissionais de educação para a gestão, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional para a educação básica. Essa formação abrange de forma integrada a docência, a participação na gestão e avaliação de sistemas e instituições de ensino, a elaboração, a execução, o acompanhamento de programas a atividades educativas. Ao se falar da educação em qualquer nível, deve-se considerar o que está sendo proposto pelas agências internacionais que não têm compromisso com a identidade cultural do povo e dos educadores. Estas estão, na maioria das vezes, muito mais preocupadas em representar os paradigmas de desenvolvimento e de reordenamento mundial que tem como horizonte apenas a competência para a competitividade. A contraposição a esse quadro implica um novo paradigma: a competência para a solidariedade, para a cidadania plena, para a democracia ampliada, mas a isso se impõem novos padrões de conhecimento que devem ser geradores do desejo de construir um outro tipo de educação, o que implica em se dirigir as atenções para uma discussão ampla e profunda na perspectiva da soberania e identidade, onde a apropriação das inovações tecnológicas deve ser realizada em favor da maioria da população, de modo que os alunos detentores desse conhecimento possam socializar o saber e façam brotar relações de dignidade no seio da sociedade. Nessa perspectiva, a Universidade do Estado do Amapá admite que aprender a ensinar abarca toda a carreira docente e que a formação dos professores não significa um mero sistema de adição ou de substituição de um conhecimento por outro. Por essa razão a UEAP, propõe este Projeto Político-pedagógico de formação do Curso de Pedagogia que releva a aprendizagem permanente dos professores, articulando e re-elaborando os conhecimentos práticos, tornando-os sistematizados através de um trabalho de integração entre ensino, pesquisa e extensão. Importa destacar que desde a sua implantação em 2007, o PPP inicial do Curso de Pedagogia passou pela análise de uma Comissão nomeada através da Portaria nº. 071, de 03 de novembro de 2008, para promover melhorias e reformulações com vistas a adequá-lo à realidade da Instituição e do perfil do profissional almejado.

9 9 1 DADOS GERAIS DO CURSO Denominação: Licenciatura Plena em Pedagogia. Formação: Formação de professores para o exercício da docência na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Na Coordenação do Trabalho Pedagógico: Supervisão Escolar e Orientação Educacional para a Educação Básica. Na gestão de Sistemas e instituições de ensino englobando: planejamento, execução, coordenação, acompanhamento e avaliação de tarefas próprias do setor e de projetos e experiências educativas não - escolares. Na produção e difusão do conhecimento científico-tecnológico do campo educacional, em contextos escolares e não-escolares. Vagas anuais: Serão oferecidas 50 vagas por turma. Forma de acesso: Mediante igualdade de condições, através de processo seletivo, aberto a estudantes que tenham concluído o Ensino Médio, tendo por finalidade avaliar os candidatos quanto aos conhecimentos pertinentes aos componentes curriculares do respectivo nível de ensino, classificando-os para o preenchimento de vagas oferecidas. Turnos de funcionamento: As turmas serão ofertadas em todos os turnos, conforme a necessidade e a Política de Expansão do Curso e da Universidade. Turmas: Turmas com 50 acadêmicos. Regime de matrícula: Seriado semestral. Carga horária: Compreende (três mil, oitocentos e oitenta) horas distribuídas em 62 disciplinas, sendo (três mil) horas de atividades formativas, 420 (quatrocentos e vinte) horas de Prática Pedagógica, 360 (trezentos e sessenta) horas de Estágio Curricular Supervisionado e 100 (cem) horas de Atividades teóricopráticas.

10 10 Prazo de Integralização: Mínimo de 8 (oito) e máximo 16 (dezesseis) semestres. Local de Funcionamento do Curso: Campus Central da Universidade do Estado do Amapá, localizado à Avenida Presidente Vargas, 160 Centro, na área urbana de Macapá-AP e outros Campus, conforme a Política de Expansão do Curso e da Universidade.

11 11 2 CARACTERIZAÇÃO 2.1 Identidade do pedagogo A perspectiva de formação do pedagogo aponta, conforme destaca Coelho (1996, p. 39) na direção de que este profissional deve ser: Acima de tudo um educador e não apenas um especialista no ensino de alguma disciplina. Daí a necessidade de uma formação totalizante, fundada na compreensão ampla da educação como processo histórico-social, no domínio dos conteúdos como realidades em construção, na competência didático-metodológica e em determinados valores e atitudes, como o questionamento, a liberdade, o respeito ao outro, a responsabilidade, a fidelidade, a justiça, a ética, a disciplina, a pontualidade. O profissional da educação que se compromete com a compreensão e a transformação da realidade, não pode ser um mero ensinador de coisas. Como "repetidor de aulas", o professor perde a dimensão de ser educador e nem sequer questiona o que ensina e o porquê de ensinar. Torna-se parte passiva no processo e faz o mesmo com o aluno. A opção de educador significa que esse profissional não pode ser definido como agente social da continuidade, ou seja, não deve ser uma peça de "um aparelho ideológico de estado" a serviço da reprodução de esquemas de opressão. É preciso pensar o profissional educador como agente de transformação da sociedade, com a capacidade de formular pensamentos gerais e abstratos a partir de problemas concretos, com competência técnica, política e científica na área de sua atuação. O perfil profissional que se delineia a partir dessas reflexões, requer a docência como elemento fundamental da sua formação. A definição da docência como base da identidade do pedagogo fundamenta-se na concepção de que é na práxis do professor que se constroem as competências necessárias para a compreensão do trabalho pedagógico em todas as suas dimensões. A docência constitui, portanto, uma dimensão privilegiada do trabalho pedagógico, mas não o expressa na sua totalidade. Nesse sentido, o trabalho

12 12 pedagógico deve ser o eixo norteador da formação do pedagogo, identificado por um corpo de conhecimento que privilegiem: I. A qualificação para a docência: condição para o desenvolvimento do trabalho pedagógico, a partir da relação teoria-prática na aquisição, produção e socialização do conhecimento; II. A qualificação político-pedagógica: condição para a prática pedagógica que inclui as relações de poder no interior da escola e na relação escolacomunidade; III. A qualificação político-social: condição para a compreensão crítica e questionadora de projetos políticos para a educação, e para o compromisso com a construção de um projeto político-social comprometido com os interesses populares (ANFOPE, 1996, p. 22). Esse profissional deverá ser, portanto, aquele cuja competência lhe permita: I. A criticidade, a criatividade, a consciência política, a ética profissional, o engajamento sócio-político efetivo, a cooperação/solidariedade social, o vínculo interativo entre conhecimento e realidade social concreta; II. A construção do princípio da gestão democrática na escola; III. A compreensão da totalidade do processo do trabalho docente, através de sólida formação teórico-prática e interdisciplinar devidamente contextualizada no campo educacional; IV. A qualificação para atuar na educação formal e informal, indo da instituição escolar aos diferentes espaços onde o fenômeno educativo se manifesta, atuando como professor na escola básica, como gestor das ações na escola ou nos sistemas de ensino, seja na esfera administrativa ou pedagógica, como elemento dinamizador de ações educativas, quer na comunidade quer em empresas, instituições não-escolares e organizações não governamentais.

13 13 Importa ainda destacar que os movimentos sociais também se apresentam como um campo de atuação para o pedagogo e por isso o curso deve estar articulado com essa necessidade, a fim de que os estudantes do Curso de Pedagogia sejam formados para a garantia da defesa da educação inclusiva de todos os segmentos historicamente excluídos dos direitos sociais, culturais, econômicos e políticos. 2.2 Concepção e finalidades O Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade do Estado do Amapá UEAP tem como finalidade propiciar, por meio da investigação, reflexão crítica e experiência no planejamento, execução, avaliação de atividades educativa, a aplicação de contribuições de diversos campos de conhecimentos como o sociológico, o político, o filosófico, o histórico, o antropológico, o ambientalecológico, o psicológico, o lingüístico e o cultural, visando nortear a observação, análise, execução e avaliação do ato docente e de suas repercussões em aprendizagens, bem como orientar práticas de gestão de processos educativos escolares e não-escolares, além da organização, funcionamento e avaliação de sistemas e de estabelecimentos de ensino, visando contribuir com a formação profissional qualificada e com o processo de democratização e universalização da Educação Básica. Para cumprir essas finalidades é necessário que se viabilize uma prática indissociada do ensino, da pesquisa e da extensão, para assegurar a formação integral do professor. 2.3 Princípios O graduado em Pedagogia trabalha com um vasto repertório de saberes e desenvolve várias habilidades compostas por conhecimentos teóricos e práticos, cuja consolidação será proporcionada pelo exercício da profissão. Porém, para balizar suas ações, este profissional deve fundamentar-se nos seguintes princípios: I. Busca permanente do saber II. Abordagem e postura sistêmicas;

14 14 III. Respeito à dignidade e à integridade das pessoas; IV. Compromisso de convivência com a diversidade; V. Investimento na capacidade das pessoas como agentes de transformação; VI. Incentivo e apoio à criatividade e inovação; VII. Desenvolvimento de parcerias comprometidas; VIII. Melhoria contínua na busca de excelência; IX. Exercício permanente da ética e da responsabilidade. Neste sentido, o Projeto Pedagógico aqui apresentado deve incorporar tais princípios através das seguintes dimensões e concepções: I. A dimensão político-social que significa que o caráter político da educação comporta, implícita ou explicitamente, um projeto de sociedade humana, democrática e justa; II. O projeto de educação vinculado a um projeto político de construção de uma sociedade sustentável; III. A educação deve partir do ser humano concreto, historicamente situado; IV. A formação do educador como um agente da transformação social, o que implica uma sólida formação teórica; V. O trabalho como categoria balizadora das ações educativas, tendo em vista a superação da dicotomia teoria-prática; VI. A gestão democrática, voltada para a participação ativa de todos os sujeitos nos diferentes locus de deliberação; VII. O rigor científico e o compromisso ético; VIII.A indissociabilidade entre a pesquisa e o ensino ao longo da formação profissional; IX. A pesquisa como um dos eixos que perpassará toda a formação, representando de fato a idéia de um curso que vá além da pura repetição e se constitua em espaço de produção de conhecimento; X. Uma visão totalizadora do processo educacional de forma a permitir uma maior verticalização dos conhecimentos, segundo as necessidades sociais e as opções individuais;

15 15 XI. Uma organização curricular na qual os conteúdos/disciplinas privilegiem as diretrizes apontadas, permitindo um ensino teórico-prático que tenha o domínio do conhecimento como referência dessa formação; XII. A opção por métodos e recursos que traduzam uma concepção de mundo, sociedade e homem identificada com a transformação social; XIII.O corpo docente e discente comprometidos com a socialização do saber que produzem no sentido da construção de uma sociedade justa e igualitária.

16 16 3 OBJETIVOS a) Geral Oportunizar a formação do profissional para o exercício da docência, organização e gestão de sistemas, unidades e projetos educacionais e para a produção e difusão do conhecimento, com visão histórica e científica das ciências da educação capazes de estabelecer relações com outras áreas do conhecimento e compreenderem o mundo que os cerca, instrumentalizados para a análise dos problemas educacionais. b) Específicos I. Fortalecer o desenvolvimento e aprendizagem de crianças da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, assim como daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria; II. Favorecer a atuação profissional em contextos escolares e não-escolares, na promoção de aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano; III. Formar profissional para atuar na coordenação do trabalho pedagógico, na gestão de sistemas, unidades, projetos educacionais e experiências educativas próprias da educação escolar e não-escolar.

17 17 4 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA A educação é concebida hoje como um dos mais significativos processos sociais contemporâneos, tendo em vista que o avanço da ciência e da tecnologia tem desvelado um mundo em rápidas e sucessivas transformações, exigindo das pessoas novas posturas frente a esta realidade que se apresenta. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº /96 - expressa bem essa idéia quando afirma em seu artigo primeiro: A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida domiciliar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organização da sociedade civil e nas manifestações culturais. As transformações sociais que estão ocorrendo contribuíram para consolidar o entendimento da educação como fenômeno plurifacetado que ocorre de muitas formas e em muitos lugares, fazendo com que haja uma grande diversificação das atividades educativas. Nesse contexto surgem diretrizes que apontam para a formação inicial e continuada do pedagogo para o exercício integrado e indissociável da docência, da gestão dos processos educativos escolares e não-escolares, da produção e difusão do conhecimento científico e tecnológico do campo educacional. A docência constitui-se a base da formação oferecida e o egresso do Curso de Licenciatura em Pedagogia da UEAP receberá o grau de Licenciado em Pedagogia, com o qual fará jus a atuar como docente na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental; na Coordenação do Trabalho Pedagógico (Supervisão Escolar e Orientação Educacional) de instituições que atuam com a Educação Básica; no planejamento, execução e avaliação de programas e projetos pedagógicos em Sistemas e Unidades de Ensino e em ambientes não-escolares (Parecer CNE 05/2006). Deste modo, a Pedagogia vem merecendo por parte das Políticas Educacionais atenção especial, de um lado, porque os Anos Iniciais do Ensino Fundamental assumem a continuidade do processo educacional iniciado na Educação Infantil, passando pelo Ensino Médio/Normal e Educação Profissional; de

18 18 outro, porque no âmbito educacional esse educador assumirá a função docente e de especialista em atividades pedagógicas em instituições escolares e não-escolares. É fundamental formar o professor na mudança e para a mudança por meio do desenvolvimento da capacidade reflexiva abrindo caminhos para uma verdadeira autonomia profissional compartilhada, já que ao profissional docente compete partilhar o conhecimento adquirido com o contexto em que está inserido. A formação assume assim, um papel que vai além do ensino presente na mera atualização científica, pedagógica e didática e se transforma na possibilidade de criar espaços de participação, reflexão e formação para que as pessoas aprendam a se adaptar para poder conviver com a mudança e com a incerteza. Para atender os dispositivos legais e em consonância com a realidade regional e local, o currículo do Curso de Pedagogia da UEAP deve abranger as dimensões de amplitude e complexidade da prática educativa numa sociedade globalizada, aonde os campos de atuação dos educadores vêm se expandindo tanto no âmbito escolar como extra-escolar. A organização curricular deve conceber como elementos essenciais de um projeto de formação docente, a regionalidade, a qualidade e a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. A interligação que ocorre entre ensino, pesquisa e extensão visa à superação da visão fragmentada que predomina frente à concepção da unidade dialética entre teoria e prática no processo educativo, o que implica perceber que há uma relação de identidade e de diferença entre ambas, não sendo uma mais importante que a outra, mas ao contrário, teoria e prática constituem partes integrantes do espaço de docentes e de discentes na construção da aprendizagem. Em face disso, o currículo do Curso em tela, conforme dispõem o PPI da UEAP (2006, p. 12), foi estruturado com vistas a movimentar-se estrategicamente em duas direções: uma horizontal, envolvendo disciplinas que podem ser ministradas concomitantemente num mesmo período letivo, e outra vertical, envolvendo disciplinas que devem ser ministradas em períodos letivos seqüenciais e seriados e como pré-requisitos. Esse duplo movimento tem como objetivo evitar a compartimentalização e excessiva fragmentação das disciplinas, conseqüentemente do saber. Atender ao que preceitua a legalidade torna-se fundamental, especialmente porque alguns princípios consagrados nas leis, ainda estão longe da realidade da educação, especialmente daquela dirigida à classe trabalhadora. Assim uma

19 19 educação para a cidadania materializa os princípios constitucionais e legais, principalmente no que se refere à diversidade étnico-racial e regional do País; a organização federativa do Estado brasileiro; a pluralidade de idéias e concepções pedagógicas, bem como as competências dos estabelecimentos de ensino e dos docentes, previstas nos artigos 12 e 13 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação - Lei nº. 9394/1996. O Curso de Pedagogia deverá ter em seu currículo um Núcleo de Estudos Básicos, um Núcleo de Estudos específicos que visam o aprofundamento e diversificação de estudos e um Núcleo de Estudos Integradores que proporcionem, ao mesmo tempo, amplitude e a identidade institucional referentes à formação do licenciado. Esses núcleos serão os elementos lógicos norteadores da formação que se pretende. A base dessa formação se diferencia das antigas habilitações em função desses núcleos, a saber: 1) O Núcleo de Estudos Básicos tem como fundamento a compreensão do trabalho pedagógico em toda a sua totalidade. Portanto, os fundamentos teóricopráticos para o exercício da docência, da gestão e da organização do trabalho pedagógico são a base da sua constituição. Assim, objetiva capacitar o pedagogo através de uma formação teórico-prática que favoreça a apropriação dos fatos e teorias que servem de base para a construção dos processos educativos em seus diferentes espaços e. dimensões. Nesse sentido, esse núcleo deve se constituir a partir de uma abordagem tanto do ensino como das visões sociais que o explicam e o informam, analisando suas implicações epistemológicas e a forma como determinam a prática pedagógica e a organização dos espaços e dos tempos escolares, contextualizando os diferentes projetos educacionais para a sociedade brasileira e situando-os para além dos espaços educativos formais. 2) O Núcleo de Estudos Específicos mantém uma relação com o núcleo básico e não reedita a lógica da fragmentação das antigas habilitações, representava pela compreensão de que o fenômeno educativo traz nas suas configurações uma complexidade de saberes, o que exige particularizá-los sem, contudo, perder de vista as relações que o constituem. Visa à qualificação do pedagogo para os diferentes campos de atuação profissional, que traduzem o âmbito da especificidade da sua formação e atuação profissional. Essa

20 20 especificidade se define na docência em diferentes níveis de ensino: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, na gestão e coordenação do trabalho pedagógico. Particularmente no se refere à docência, há de se superar a dicotomia entre quem forma e quem ensina, o que exige novas formas de articulação entre a universidade, a escola normal e a escola fundamental. 3) O Núcleo de Estudos Integradores destina-se ao atendimento de interesses e necessidades individuais dos alunos e constitui-se como integrador e enriquecedor do currículo, versando sobre temáticas emergentes ou de interesse dos alunos. Deverá proporcionar enriquecimento do currículo em áreas de interesses dos alunos, consolidando uma nova identidade profissional do pedagogo, a partir de uma base de formação que contemple um conjunto articulado de conhecimentos mínimos necessários, que o qualifique para atuar nos espaços educativos formais e não-formais numa perspectiva de totalidade. Os núcleos de estudos evidenciados se materializarão através de disciplinas, estágios curriculares, seminários de pesquisa, monitoria, participação em eventos na área de educação, participação em projetos de ensino, pesquisa e extensão, além de outras atividades a serem regulamentadas ou validadas pelo Colegiado do Curso de Pedagogia.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Rosa Mendonça de Brito 1 INTRODUÇÃO No Brasil, o Curso de Pedagogia, ao longo de sua história, teve definido como seu objeto de estudo e finalidade precípuos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 (*) (**) Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior

Leia mais

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO.

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Enci cl opédi adeadmi ni s t r açãouni v er s i t ár i a ESQUEMA I ESPECIAIS DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA - DISCIPLINAMENTO INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA REGULAMENTAÇÃO INSTITUTOS SUPERIORES

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 1. Fundamentação Na perspectiva de experimentação já anunciada, o pressuposto fundamental que orienta esta proposta de formação de professores é o de que esta deva se caracterizar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 11/4/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Conselho

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB Reconhecido pela Resolução CEPE n.º 230, de 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Resolução nº 048, de 18 de maio de 2015.

Resolução nº 048, de 18 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura,

Leia mais

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: PEDAGOGIA - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO O curso de Pedagogia tem como missão criar, desenvolver, sistematizar e difundir conhecimentos na área de educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS a) FUNDAMENTAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DADOS DO CAMPO DE CONHECIMENTO Filosofia, Ética e 3 1 4 90 EMENTA: Correntes filosóficas da modernidade e seus fundamentos para

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Prof. Dr. João Batista Tojal, 1º Vice-Presidente do CONFEF O Ministério da Educação, através do Conselho Nacional de Educação / Conselho Pleno, designou

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - UAB Currículo nº 1

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - UAB Currículo nº 1 CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 011, de 20.03.12. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.102, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.102, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.102, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO Matutino Currículo nº 2 Noturno Currículo nº 2 A PARTIR DE 2013 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. nº. 5929 de 16.02.01. Renovação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Comunicação e Expressão: Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua,

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

UNIÃO PIONEIRA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL UPIS CURSO DE ESTUDOS SOCIAIS - LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA PROJETO PEDAGÓGICO

UNIÃO PIONEIRA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL UPIS CURSO DE ESTUDOS SOCIAIS - LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA PROJETO PEDAGÓGICO UNIÃO PIONEIRA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL UPIS CURSO DE ESTUDOS SOCIAIS - LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA PROJETO PEDAGÓGICO Brasília Distrito Federal JULHO / 2010 CURSO - ESTUDOS SOCIAS COM HABILITAÇÃO EM GEOGRAFIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais