AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Sinara Mota Neves Maristela Lage Alencar Rosa Maria Rebouças da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE CEARÁ Este trabalho discute os resultados de uma pesquisa realizada por um grupo de educadores de sete escolas do Ensino Fundamental da Região Jaguaribana-Ceará-Brasil, com o objetivo de acompanhar o processo de produção e implementação do Projeto Político Pedagógico (PPP). O PPP contempla o planejamento e a elaboração dos planos de ensino e baseia-se na organização do trabalho coletivo de professores e profissionais da educação, possibilitando a discussão, decisão, execução e acompanhamento do trabalho pedagógico. Sendo assim, deve possibilitar uma maior integração entre todos os setores da escola e uma crescente autonomia de seus membros. Buscou-se captar subsídios para uma reflexão a propósito da relação entre o PPP e a gestão escolar. Os dados foram coletados através de observações do funcionamento dos diversos grupos que compõem a estrutura escolar e de entrevistas com os profissionais. A análise dos dados permitiu identificar os fatores que favorecem e dificultam o processo em desenvolvimento. Tais aspectos são discutidos à luz das recentes contribuições teóricas sobre a gestão na escola democrática. Palavras-chave: Gestão; escola; projeto político pedagógico. Introdução A partir da década de 1990, a concepção de Projeto Político Pedagógico (PPP) vem se configurando no discurso oficial. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (Lei 9394/96), em seu artigo 12, inciso I, prevê que os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino,tenham a incumbência de elaborar e executar sua proposta pedagógica.. Explicita, portanto, a noção de que a escola não pode prescindir da reflexão sobre sua intencionalidade educativa, objeto prioritário de estudo e discussão. Para André (2001), o PPP não é apenas uma carta de intenções, nem se reduz a uma exigência de ordem administrativa, pois deve expressar a reflexão e o trabalho realizado em conjunto por todos os profissionais da escola, no sentido de atender às diretrizes do sistema nacional de Educação, bem como as necessidades locais e específicas da clientela da escola; desse modo, concretiza a identidade da escola e oferece garantias para um ensino de qualidade. Libâneo (2001) argumenta que o projeto pedagógico (...) deve ser compreendido como instrumento e processo de organização da escola (p.55), considerando as peculiaridades do instituído e instituinte. 895

2 Na concepção de Vasconcellos (1995), o projeto pedagógico: (...) é um instrumento teórico-metodológico que visa ajudar a enfrentar os desafios do cotidiano da escola, só que de uma forma refletida, consciente, sistematizada, orgânica e, o que é essencial, participativa. E uma metodologia de trabalho que possibilita ressignificar a ação de todos os agentes da instituição (p. 143). O PPP, por conseguinte, não constitui modismo nem documento para se engavetar em uma mesa na sala de direção da escola: transcende o simples agrupamento de planos de ensino e atividades diversificadas, pois consiste em instrumento de trabalho que indica rumo, direção e deve ser construído com a participação de todos os profissionais da instituição. O PPP apresenta duas dimensões: a política e a pedagógica (Veiga, 1998; André, 2001). Revela-se político no sentido de compromisso com a formação do cidadão para um tipo de sociedade e pedagógico porque possibilita a efetivação da intencionalidade da escola, que é a formação do cidadão participativo, responsável, compromissado, crítico e criativo. Essa dimensão define as ações educativas da escola, objetivando a efetivação de seus propósitos e intencionalidades. Assim sendo, a dimensão política se cumpre na medida em que se realiza na condição de prática especificamente pedagógica. Segundo Veiga (2001), a concepção de um projeto pedagógico deve: i) ser processo participativo de decisões; ii) preocupar-se em instaurar uma forma de organização de trabalho pedagógico que desvele os conflitos e as contradições; iii) explicitar princípios baseados na autonomia da escola, na solidariedade entre os agentes educativos e no estímulo à participação de todos no projeto comum e coletivo; iv) conter opções explícitas na direção de superar problemas no decorrer do trabalho educativo voltado para uma realidade especifica; v) explicitar o compromisso com a formação do cidadão. Complementa que a execução de um projeto pedagógico de qualidade deve: i) nascer da própria realidade, tendo como suporte a explicitação das causas dos problemas e das situações nas quais os problemas aparecem; ii) ser exeqüível e prever as condições necessárias ao desenvolvimento e à avaliação; iv) ser uma ação articulada de todos os envolvidos com a realidade da escola; v) ser construído continuamente, pois como produto, é também processo. (...) Na dimensão pedagógica reside a possibilidade da efetivação da intencionalidade da escola, que é a formação do cidadão participativo, responsável, compromissado, crítico e criativo. Pedagógico, no sentido de se definir as ações educativas e as características necessárias às escolas de cumprirem seus propósitos e sua intencionalidade (Veiga, 1995). 896

3 Nesse sentido, o PPP constitui o fruto da interação entre os objetivos e prioridades estabelecidas pela coletividade, que estabelece, através da reflexão, as ações necessárias à construção de uma nova realidade. É, sobretudo, um trabalho que exige comprometimento da comunidade envolvida no processo educativo: professores, equipe técnica, alunos e pais. Essa prática de construção deve estar amparada em concepções teóricas sólidas e supõe aperfeiçoamento e formação de seus agentes a fim de superar resistências em relação a novas práticas pedagógicas. Os agentes educativos devem sentir-se atraídos por essa proposta, assumindo uma postura comprometida e responsável: trata-se, portanto, da conquista coletiva de um espaço para o exercício da autonomia. A gestão democrática Sonhada e desejada por alguns, relegada e excluída por muitos, a Gestão Democrática configura-se como um grande desafio para todos que, direta ou indiretamente, possam contribuir para que o PPP da escola se construa com competência, respeito e afetividade. A Gestão Democrática não se identifica com decisões a respeito de aspectos e ações secundárias, fragmentadas e isoladas da unidade escolar. Assim, deve envolver o diagnóstico de suas dificuldades e sucessos, com a busca de soluções coletivas e organizadas para o aspecto prioritário que justifica sua existência: o processo de formação de cidadãos responsáveis, comprometidos com a construção de melhor qualidade de vida para todos, de humanização solidária, mediante resgate do compromisso e respeito que devem caracterizar as relações democráticas em seu interior e entorno (Gandim,2002). A Gestão Democrática não se resume apenas a um conjunto de ações organizadas e compartilhadas em benefício da escola, mas consiste numa filosofia, que exige a construção interativa de uma postura que, por sua vez, também pressupõe revisão de atitudes em relação à vida, à educação e à escola. Pode-se reconhecer na maioria das instituições escolares, concepções tradicionais de gestão, subjacentes à organização do trabalho pedagógico: as esferas de decisão estão constituídas a partir de concepções individualistas de organização de trabalho, em detrimento de práticas coletivas com os membros da instituição. Os campos de atuação dos profissionais encontram-se divididos segundo critérios relacionados diretamente à hierarquização do poder e manutenção de situações de controle; reproduz-se, então, a dicotomia entre os que pensam, planejam, elaboram e os que apenas executam. Essas acepções tradicionais, podem ser vizualizadas nos trabalhos de Shein (1982) e Hall (1984), sendo que esse modo de organização do trabalho advém do modelo Taylorista, que preconiza uma função específica para cada sujeito, cuja participação limita-se a uma fração da globalidade do processo educativo. O 897

4 professor, dessa forma, não contempla o processo global, sendo representante do trabalho alienado. É evidente que o avanço, em termos qualitativos, na educação escolar, não ocorrerá através do trabalho isolado de seus membros. O processo tradicional de estruturação da escola, marcado pela divisão do trabalho e centralização do poder de decisão, mostrou-se inadequado para os novos desafios educacionais. Pode-se afirmar que esse modelo de gestão é excludente: a maioria dos indivíduos que se inserem nessa conjuntura não participa dos níveis de decisões (Moura, 1990; Pimente, 1995). O desafio que se instaura aponta, portanto, para a superação do caráter individualista, através do trabalho coletivo, englobando todos os envolvidos no processo pedagógico, por meio de uma gestão democrática da instituição escolar. O Projeto Político Pedagógico No Brasil, a idéia de um plano que unificasse suas ações e direcionasse seus anseios remonta ao Movimento da Escola Nova (1930/1960), sendo denominado, no período, Plano Geral da Escola. Nos dias atuais, no contexto da nova ordem mundial e da velocidade das transformações observada na Sociedade da Informação, esse plano, mais pedagógico que social, assumiu uma conotação mais ampla, motivada pelo debate sobre a função social da escola. Dessa maneira, foram mobilizados educadores, pais, alunos e diversos segmentos organizados da sociedade civil, assim como escolas, secretarias e outras instâncias do sistema educacional, para a construção do PPP. Há uma consciência de que as mudanças no setor educacional dependem, fundamentalmente, da vontade política dos diversos grupos que fazem a educação, em suas diversas instâncias. O PPP pode se tornar um instrumento de luta, de transformação quando é encarado como um repensar constante das práticas educativas, de forma sistematizada e direcionada para a intervenção e mudança da realidade social (Pimenta,1992; Veiga,1995;Gadotti,1997). Pode-se afirmar que a conotação apenas educacional dada ao PPP, pelo Movimento da Escola Nova, já está superada, pelo menos teoricamente, pela dimensão política, que estabelece e dá sentido ao compromisso da escola com a formação do cidadão e sua inserção na transformação da sociedade. A escola suplanta, portanto, a função de mera transmissora do conhecimento para lançar-se numa ação social diretamente relacionada à formação do senso crítico dos sujeitos que a compõem. O PPP apresenta-se como instrumento de análise das práticas, buscando compreender as possibilidades de que seu trabalho dispõe, rumo à construção de uma escola verdadeiramente democrática. 898

5 A LDB delegou, aos profissionais da escola, a construção do seu PPP, configurando um progresso que propicia legitimidade política aos educadores; outro avanço constatado foi a ampliação da participação de todos que compõem as instituições. O Projeto Político Pedagógico da escola, na atualidade, deverá ter como princípio básico o processo de conscientização e exercício da cidadania e constituir-se em instrumento de recuperação da função social da escola, de forma democrática e sistemática. Segundo Gandim (2002), o PPP representa, para a escola: Eixo que lhe confere sustentação, marca identidade. A singularidade da escola deverá ser expressa no seu projeto, que não se limita a um documento, mas a reflexão constante de sua prática, em função de uma linha teórica que a sustenta; Referência, porque constitui um processo que reflete rumos e direciona ações. Ajusta as suas práticas em torno dos princípios e anseios de seus integrantes; Unidade, porque contém a síntese do pensamento da comunidade escolar, na medida em que ele é constituído por todos os que fazem a escola. Em suma, o PPP, ao se configurar como um processo participativo de reflexão e decisões, deverá preocupar-se em instaurar uma forma de organização do trabalho pedagógico que desvele conflitos e contradições, buscando eliminar as relações competitivas, corporativas e autoritárias, rompendo com a rotina da autoridade individual e burocracia, permitindo, assim, que se processem as relações democráticas no interior da escola (Gandim,2002). Construir ou reconstruir o PPP de uma instituição educacional significa, portanto, a busca de reflexão e sistematização de suas ações, de forma coletiva e consciente. É a explicitação ou ressignificação de sua identidade e anseios e serve como norte e unidade para todas as ações desenvolvidas na escola. Outrossim, a construção do PPP pressupõe uma rede de relações: internas e externas. Sua essência é coletiva, uma vez que existe para o todo, embora tenha que atingir o individual. Internamente, apresenta duas interfaces, com as dimensões individuais e coletivas da escola. Importa que os membros da comunidade escolar acreditem e se envolvam individualmente, visto que, sem esse movimento, o todo não se completa. De modo concomitante, há forças do todo que interferem no campo individual: é a força do coletivo em relação dialética, com influências mútuas que complementam as interfaces (Vasconcellos, 1995; Resende & Veiga, 2001). As relações externas também fazem parte da dinâmica do PPP e oferecem o desafio de articular às singularidades da escola às políticas educacionais sociais mais amplas. Nessa perspectiva, torna-se fundamental o entendimento de que, como uma unidade educativa, a 899

6 escola não se encontra isolada, mas inserida no contexto das políticas públicas. Nesse movimento, recebe influências dessas políticas e influencia-nas, tanto no âmbito de Secretarias, Ministérios, como na sociedade como um todo. Avaliação da instituição É importante ressaltar que a escola está inserida em um contexto burocrático do qual é dependente e constitui um dos determinantes das condições objetivas e subjetivas que perpassam as relações sociais de trabalho existentes em seu interior. Assim, as novas formas na organização do trabalho pedagógico necessitam também de mudanças nas condições institucionais. A escola, através das práticas desenvolvidas no seu interior, pode estar voltada quer para a transformação da realidade, quer para a manutenção da ordem vigente: tradicionalmente, a burocracia da escola direcionava-se para o saber fechado, pronto, acabado, não permitindo abertura ou prática reflexiva. Dessa forma, criar condições para a construção do PPP implica garantir a autonomia dos profissionais que se dedicam a esse processo de construção. Destarte, para ser autônoma, a escola necessita, além da liberdade garantida em legislação, das condições de recursos humanos, materiais e financeiros, e principalmente, da competência técnica e do compromisso profissional dos educadores. Objetivos A avaliação, entendida como processo de emissão de julgamentos sobre uma dada realidade, encontra-se diretamente associada ao PPP, com base na comparação de dados reais com parâmetros ou referenciais. Para Villas Boas (1998), a avaliação constitui a categoria do trabalho escolar que inicia e mantém o andamento adequado do PPP. Nesse sentido, definiu-se como objetivo da pesquisa avaliar o trabalho de alguns técnicos de escolas cuja gestão e organização da ação pedagógica estão baseadas em concepções democráticas, visando à construção coletiva/reflexiva do PPP. De modo mais específico, objetivou-se identificar as principais condições institucionais consideradas facilitadoras e nãofacilitadoras para a sua prossecução e efetivação. 900

7 Método A investigação é de natureza qualitativa e exploratória, foi realizada no período de março a dezembro de O caráter exploratório teve como objetivo de levantar as várias concepções de PPP que os membros das categorias técnico-pedagógicas das escolas desenvolveram a partir das suas experiências e práticas cotidianas. Sua formulação genérica visou permitir as variadas expressões da concepção de PPP que têm se constituído na prática dos trabalhadores da educação. Amostra A amostra se constituiu por membros das equipes técnicas das escolas - diretores, vicediretores e coordenadores pedagógicos, representantes de 7 escolas da Região Jaguaribana- Ceará-Brasil, perfazendo um total de 28 profissionais. Instrumentos Foram utilizados questionários com perguntas abertas e fechadas para identificação das condições institucionais percebidas como aspectos facilitadores ou não facilitadores da organização da prática pedagógica institucional. Nesse sentido, abordou-se a concepção dos profissionais sobre a construção do PPP, bem como acerca da prática pedagógica da escola; inquiriu-se, ainda, sobre a participação na elaboração do PPP; a articulação da gestão com os profissionais da escola e comunidade e as acepções relativas a uma gestão democrática. Resultados A maior parte das respostas da equipe técnica relacionou o PPP com aspectos da gestão escolar (53,6%). Assim, faz-se referência principalmente à idéia de que com o PPP se estabelecem os objetivos e metas da escola (48,8%), tem-se um instrumento de orientação das ações na escola assim como o envolvimento, integração e participação dos diversos segmentos e da comunidade. A posição predominante da equipe técnica (59%) é a de se colocar como liderança, coordenação e animação desse processo, ou seja, de estimular os profissionais nas instituições que atinjam os objetivos na unidade escolar. As respostas ao questionário sugerem que a equipe 901

8 técnica assuma o PPP não como processo, mas como instrumento de melhoria dos indicadores de eficiência e eficácia da escola, do cumprimento da legislação e dos prazos exigidos, ao invés de valorizar o processo: como elemento facilitador da reflexão contínua e sistematizada sobre a escola. A tentativa de identificar diferenças nas visões dos diretores, vices-diretores e coordenadores pedagógicos, através das respostas no questionário, mostraram-se infrutíferas. Há uma grande semelhança entre as respostas oferecidas pelos membros desses três segmentos escolares. Nessa perspectiva, ainda que 22% das respostas indiquem que cabe à equipe técnica avaliar /realizar o processo de acompanhamento do PPP, a outra questão, revela também, a visão de que a equipe diretiva cabe fazer as devidas correções: exercer a função de autoridade a quem compete zelar para que não haja desvios. Nestas condições se reforça uma avaliação individualista e voluntarista, baseada no maior ou menor envolvimento dos educadores no processo. Os resultados são considerados responsabilidade de cada unidade escolar e da equipe atuante. A responsabilidade maior está concentrada na autoridade do diretor escolar, já que a organização formal da Secretaria Municipal de Educação mantém o "caráter hierárquico da distribuição de autoridade" (Paro,1997), apesar da democratização sugerida no comunicado que orienta a formulação do PPP. O desafio que se coloca aos sistemas educacionais é o de modificar sua estrutura, deixando a rotina e a rígida hierarquia em favor de um maior dinamismo que permita preparar os indivíduos para que possam acessar os códigos culturais da modernidade, como indica o documento da CEPAL/UNESCO (1992). Para que se tenha uma escola de qualidade é preciso a sua transformação. Na última década do século XX, políticas educacionais recolocaram em pauta questões como a autonomia da escola (Romão, 2000; Silva, 1994; Girardi, 1994), associando-se à necessidade de mudança constante e rápida. Conclusão Nas escolas investigadas foram identificadas algumas condições institucionais significativas para a construção do PPP, com base em práticas coletivas, reflexivas e democráticas de trabalho. As condições institucionais identificadas e caracterizadas como fatores facilitadores e não-facilitadores, apontam algumas contradições existentes na questão da gestão escolar e organização do trabalho pedagógico, as quais dificultam a eficiência e a qualidade do trabalho; tais condições, portanto, necessitam ser superadas. 902

9 Vale destacar que as concepções de trabalho, baseadas nos princípios de hierarquização do saber e poder, e na divisão das tarefas entre os que elaboram e os que executam o trabalho, não mais atendem às exigências da sociedade atual. A inadequação dessas concepções é justificada pelo fato de que os princípios nos quais se baseiam não atendem às necessidades de democratização do saber no planejamento do trabalho, nem tampouco garantem a formação do cidadão consciente de seus direitos e deveres para uma atuação crítica com vistas à transformação social. Para que a construção do PPP seja realmente efetivada visando uma gestão mais democrática, torna-se necessário criar, na escola, condições para o desenvolvimento da ação educativa e uma estrutura de funcionamento prevendo espaços para reuniões pedagógicas entre os profissionais. Tal organização deve estar baseada em princípios coletivos e democráticos de tomada de decisões, contemplando a participação de todos. Além disso, é necessária que esteja garantido tempo institucional para os encontros periódicos entre os profissionais, tomando-se a devida atenção para que esse tempo não seja gasto, em sua maior parte, com questões burocráticas ou informativas, em detrimento dos aspectos essenciais do processo. Dessa forma, a escola estará, efetivamente, contribuindo para a constituição de um cidadão crítico e comprometido e, conseqüentemente, com a construção de uma sociedade mais justa e solidária. Bibliografia André, M. (2001). O projeto pedagógico como suporte para novas formas de avabliação. IN. Amélia Domingues de Castro e Anna Maria Pessoa de Carvalho (Orgs.). Ensinar a Ensinar. São Paulo. Boutinet, J. Antropologia do projeto. 5. ed. Porto Alegre: ARTMED, BRASIL. LDB: lei de diretrizes e bases da educação: lei nº 9.394/96. Gadotti, M., Romão, J. E. (orgs.). Autonomia da Escola: Princípios e Propostas. São Paulo: Cortez, Gandim, D. & Gandim, L.A. Temas para um projeto político pedagógico. Petrópolis: Vozes,2002. Krawczyk, N. R. A gestão escolar: um campo minado: análise das propostas de 11 municípios brasileiros. Educação & Sociedade, Campinas, SP, ano 20, n.67, p , ago

10 Pimenta, S.G. A Construção do Projeto Pedagógico na Escola de 1 o. Grau. In: Série Idéias nº8. São Paulo: FDE/ Governo do Estado de São Paulo, Resende, L.M.G. & Veiga, I.P.A. (orgs). Escola: espaço do Projeto Pedagógico. 4ª edição. Campinas: Papirus, Saviani, D. Escola e Democracia: Polêmicas do nosso tempo. Campinas: Autores Associados, Vasconcellos, C. S. Planejamento: plano de aprendizagem e projeto educativo.são Paulo: Libertad,1995. Veiga, I.P A. (org.). Projeto político-pedagógico da escola. Campinas: Papirus, Veiga, I.P A. (org.). Escola: espaço do projeto político-pedagógico. 4ª. ed. Campinas: Papirus,

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 BATISTA, Keila Cristina (UNIOESTE) ZANARDINI, Isaura Monica Souza (Orientadora/UNIOESTE) Pelas leituras realizadas para a elaboração

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL Magno da Nóbrega Lisboa UEPB RESUMO: O presente artigo consiste em uma pesquisa acerca da relevância da gestão democrática e participativa

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL Resumo CORREIA, Vanessa Adriane PUCPR vanessaadriane@bol.com.br VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski PUCPR alboni@alboni.com

Leia mais

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Maria Adelia Teixeira Baffi Petrópolis, 2002. Pedagoga - PUC-RJ. Mestre em Educação - UFRJ Doutoranda em Pedagogia Social

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola.

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Prof. Dr. Juares da Silva Thiesen Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Centro de Educação - CED Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Ementa: Legitimidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR (EaD) A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares Profª Drª Maria Auxiliadora Maués de L. Araujo

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos.

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos. PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: DIÁLOGOS INTERCRUZADOS ENTRE VEIGA E VASCONCELLOS Laudicéa Vianei Cavalcante Caetano (UFAL) lauvianeicc@hotmail.com Elione Maria Nogueira Diógenes (UFAL) elionend@uol.com.br

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA 980 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA Claudia Pereira de Pádua Sabia, Cláudio Roberto Brocanelli, Márcia Parpinéli Moro Garcia Universidade

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA

INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA Denis Raylson da Silva, UFPB Auricleia Nascimento da Silva, UFPB INTRODUÇÃO Atualmente, pensar na participação coletiva no

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008 Keila Cristina Batista 1 Introdução As discussões sobre o Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 QUAL O SIGNIFICADO E A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA A ESCOLA/CMEI? Não há ventos favoráveis para quem não sabe

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Gestão Democrática na Escola

Gestão Democrática na Escola Gestão Democrática na Escola INTRODUÇÃO Porque é importante estudar o processo de gestão da educação? Quando falamos em gestão da educação, não estamos falando em qualquer forma de gestão. Estamos falando

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação MOREIRA, Rozemeiry dos Santos Marques SORDI, Mara Regina Lemes de UNICAMP

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 Introdução O estudo em andamento procura analisar o projeto político-pedagógico de uma escola pública de

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação NILVA SCHROEDER ARARANGUÁ - JULHO 2009 Conferência Nacional de Educação Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: O Plano Nacional

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 568 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO

Leia mais