Plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas"

Transcrição

1 Faculdade de Engenharia de Universidade do Porto Plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas Paula Suzana Duarte Carvalho Licenciada em Tradução e Interpretação Especializadas pelo Instituto Politécnico do Porto Dissertação submetida para satisfação dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Multimédia Dissertação realizada sob a orientação do Engenheiro João Isidro Araújo Vila Verde do Departamento de Engenharia Informática da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto, Outubro de 2009

2 ii

3 iii À minha família, aos meus amigos e ao Jorge

4 iv

5 Agradecimentos v Agradecimentos Esta dissertação é o resultado de dois anos de trabalho e de conhecimento adquirido no decurso do Mestrado em Multimédia da Universidade do Porto. Durante este período de tempo foram criados laços de afinidade e foi revelado um estreito espírito de união, cooperação e entreajuda no seio de uma turma repleta de potencialidade, ambição e dinamismo. A todos os meus colegas com quem trabalhei de forma mais próxima, àqueles com quem trabalhei por momentos mais breves e ainda àqueles com quem não trabalhei directamente mas que estiveram sempre presentes, deixo o meu sincero agradecimento. Agradeço todo o apoio, incentivo e estímulo, principalmente nos momentos menos fáceis. Agradeço a todos os meus colegas de trabalho, docentes e não docentes, que participaram activamente neste projecto e que contribuíram para o seu desenvolvimento, a todos aqueles que me incentivaram e mostraram o seu apoio, e ainda a quem me instigou a ultrapassar os momentos mais difíceis com um sorriso. Pelas longas horas de conversas, pela preocupação sincera e pela procura incessante em ajudar, muito obrigada. À Coordenação do Centro Multimédia de Línguas, onde exerço funções, e aos órgãos executivos do ISCAP agradeço o apoio demonstrado e as condições que proporcionaram para que este projecto pudesse ser realizado. Agradeço à minha família, em particular aos meus pais e irmã, toda a confiança depositada em mim e a compreensão e tolerância demonstradas pela minha ausência em momentos mais complicados. Agradeço ainda o respeito incondicional que mostraram pelas opções académicas e profissionais que tomei ao longo da vida sem tentarem interferir ou impor vontades pessoais. A todos aqueles que estão comigo nos bons e maus momentos, deixo o meu reconhecimento e o compromisso de amizade. Ao meu orientador, o Eng.º Isidro Vila Verde, pelo seu apoio, presença, disponibilidade e paciência constantes e incondicionais e, acima de tudo, pela confiança em mim depositada deixo um profundo agradecimento e reconhecimento. O seu valioso empenho e envolvimento neste projecto revelaram se fundamentais. Por fim, agradeço ao Jorge a confiança incondicional e a convicção inabalável demonstradas mesmo nos momentos de maior pressão, bem como a voluntariedade no apoio a todas as tarefas que me proponho a realizar. A ele agradeço porque nunca duvidou ou hesitou.

6 vi Resumo Resumo O ensino tradicional tem vindo a ser, senão substituído, pelo menos complementado por metodologias assentes na inovação tecnológica. O desafio está no aproveitamento adequado de todas as ferramentas que advêm de sistemas de informação e comunicação como a Internet ou aplicações locais dedicadas a áreas de conhecimento específicas. Tanto no contexto educativo como no contexto profissional da Tradução é perceptível uma adaptação gradual a este novo desafio, essencialmente na adopção de novos recursos e uma aposta na renovação de estratégias e de meios. Partindo destes princípios, propõe se um protótipo de plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas, e sua eventual aplicação prática no contexto educativo da Tradução, cujo desenvolvimento assenta em tecnologias livres, de código aberto, já firmemente implementadas e bastante desenvolvidas. A eventual disponibilização da plataforma no contexto educativo contribuiria para um ambiente de aprendizagem cada vez mais dinâmico, integrando as vertentes virtual e presencial, a ciência e a técnica, o saber saber e o saber fazer. A plataforma desenvolvida assenta no conceito de Web 2.0 e tem como objectivo principal ser disponibilizada ao maior número de utilizadores possível, independentemente do sistema operativo ou restrições existentes no computador de trabalho que possuam. Nesta dissertação são apresentadas as motivações que levaram à sua realização, é analisado o estado da arte na área de engenharia de software aplicada à gestão colaborativa de terminologia, definem se as metodologias de investigação, os moldes de desenvolvimento, as tecnologias utilizadas e perspectiva se o possível desenvolvimento e adequação da plataforma para uma eventual aplicação prática.

7 Abstract vii Abstract The traditional teaching process is being, if not replaced, at least complemented by methodologies based on technological innovation. The challenge lies on the adequate and optimal use of all the tools provided by the information and communication systems, such as the Internet or local applications dedicated to specific knowledge areas. Regarding both the educational context of Translation, and the professional one, one can perceive a gradual adaptation to this new challenge, mainly as far as the adoption of new resources or the renewal of existing strategies and means are concerned. With these principles in mind, this study puts forward a prototype for a Web multimedia platform that allows the collaborative management of terminology with special focus on its practical application in an educational environment. The development of the platform is based on free, open source, firmly implemented and fully developed technologies. Its possible release in the educational context would allow an ever more dynamic teaching and learning environment, by integrating distance and in class learning, science and technique, knowledge and know how. The developed platform is based on the Web 2.0 concept and its main purpose is to be made available to the largest possible number of users, regardless of the operating system or ant restrictions pertaining to the working computer they possess. In summary, in this dissertation the motivations that led to its production are presented; then the state of the art regarding software engineering applied to collaborative terminology management is analysed and the investigation methodologies are defined, as well as the development frameworks and used technologies. Finally, a possible development and adjustment scope for an eventual practical application is suggested.

8 viii Abstract

9 Índice ix Índice Índice 0 Glossário de siglas e acrónimos... xvii 1 Capítulo I Introdução Contextualização Motivação Objectivos Anteproposta para uma metodologia de investigação Estrutura da Dissertação Capítulo II Estado da arte Web DicMil Dicionário de Termos Militares do Exército e Termos GLOBS Wiktionary Software SDL MultiTerm Conclusões Capítulo III Metodologias de Investigação Tipo de metodologia Método Quantitativo e Método Quantitativo Abordagem Estudo de Mercado (Survey) e Pesquisa Acção Técnicas de recolha de dados Inquérito Análise dos resultados obtidos Análise de Documentos... 34

10 x Índice 4 Capítulo IV Desenvolvimento e implementação da plataforma Metodologia utilizada Metodologia ágil de desenvolvimento O processo de desenvolvimento Análise de requisitos Tecnologia Funcionalidades Actores e níveis de permissão Estudo e proposta de sistema CMS Wiki RIA (Rich Internet Application) Bibliotecas de JavaScript Decisão Arquitectura Tecnologia do lado do cliente Tecnologia do lado do servidor Servidor Web Middleware Bases de dados relacionais Utilização simultânea de PHP e MySQL Arquitectura e modelo de dados Modelo Conceptual de Dados (MCD) Modelo Lógico de Dados (MLD) Modelo Físico de Dados (MFD) Regras de Edgar Frank Codd Estruturação da base de dados Modulação da plataforma... 81

11 Índice xi Codificação da plataforma A plataforma O nome O logótipo Navegação Resolução Exploradores Testes/detecção de erros Pré produção Capítulo V Perspectivas de trabalho futuro Objectivos propostos Implementação Integração Adequação Conclusões Capítulo VI Considerações finais Capítulo VII Bibliografia Bibliografia Fontes electrónicas Capítulo VIII Anexos Anexo A Questões colocadas no inquérito efectuado Anexo B1a Relatório geral Número de respostas completas vs. número de respostas incompletas Localização geográfica dos inquiridos Anexo B2 Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B3 Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B4 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B5 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º

12 xii Índice 8.7 Anexo B6a Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Valores Sim/Não Anexo B6b Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Outra opção: Discriminação Anexo B7 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B8 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B9 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B10 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo B11 Inquérito: Relatório de respostas à Questão n.º Anexo C Paleta de cores seguras para a Web Anexo D Índice de utilização dos vários exploradores nos últimos anos (tabela completa) Anexo E Inquérito a apresentar aos utilizadores após uma sessão experimental da plataforma

13 Índice de Figuras xiii Índice de Figuras Figura 1 Interface do IATE Figura 2 Estrutura do Dicionário de Termos Militares do Exército Figura 3 Página inicial da plataforma e Termos Figura 4 Página Web inicial da plataforma GLOBS Figura 5 Página inicial do Wiktionary Figura 6 Texto introdutório do Wikcionário Figura 7 Interface do software SDL MultiTerm Desktop Figura 8 Configuração geral do SDL MultiTerm Server Figura 9 Evolução da Web Figura 10 Interacção simples com um servidor Web Figura 11 Triângulo de projecto Figura 12 Metodologia de desenvolvimento adoptada Figura 13 Progressive enhancement Figura 14 Exemplo de código HTML utilizado na plataforma Figura 15 Desenvolvimento em três camadas Figura 16 Arquitectura de uma aplicação Web Figura 17 Índice de utilização de servidores Web Figura 18 Exemplo de código PHP embebido em código HTML (ficheiro: checklogin.php)65 Figura 19 Código fonte (ficheiro: checklogin.php) Figura 20 Visualização no explorador Web (ficheiro: checklogin.php) Figura 21 Interacção entre computador local e servidor Web (com e sem ficheiros PHP) 67 Figura 22 Tipos de motores de armazenamento disponíveis numa base de dados MySQL... 69

14 xiv Glossário de siglas e acrónimos Figura 23 Utilização da função mysql_connect() em PHP para ligação à base de dados MySQL Figura 24 Pormenor do mapa de relações com relações do tipo um para muitos Figura 25 Mapa de relações da base de dados Figura 26 Fluxograma de pedido de um novo registo Figura 27 Fluxograma do processo de pedidos de acesso Figura 28 Estrutura de controlo if else Figura 29 Sintaxe de um ciclo while(); Figura 30 Logótipo da plataforma Figura 31 Logótipo de cor bordeaux Figura 32 Logótipo de cor verde Figura 33 Comparação entre área total e área útil de um monitor com resolução de 1024 x 768 pixéis Figura 34 Contraste entre proporções de monitores de diferentes resoluções

15 Índice de Tabelas xv Índice de Tabelas Tabela 1 Categorização dos métodos de investigação e suas características gerais Tabela 2 Plataformas mencionadas no inquérito e respectivo número de referências Tabela 3 Funcionalidades apontadas pelos inquiridos por ordem de relevância Tabela 4 Paralelismo entre utilizadores em ambiente educativo e ambiente profissional 48 Tabela 5 Dados sobre a activação de JavaScript nos exploradores Web...55 Tabela 6 Tabela de cores utilizadas no logótipo e respectivas referências por sistema de cor Tabela 7 Índice de resoluções de monitores mais utilizadas Tabela 8 Comparação entre área total e área útil de um monitor de acordo com a resolução Tabela 9 Índice de utilização dos vários exploradores nos últimos anos

16 xvi

17 Glossário de siglas e acrónimos xvii 0 Glossário de siglas e acrónimos 1FN 2FN 3FN AJAX API ASP AVI BCNF CMS CMYK CSS CSV DOM DHTML FLV GIF GNU HSB HTML HTTP IMAP JPG JSP Lab Primeira Forma Normal Segunda Forma Normal Terceira Forma Normal Asynchronous JavaScript And XML Application Programming Interface Active Server Pages Audio Video Interleave Forma Normal de Boyce/Codd Content Management System Cian, Magenta, Yellow e Black Cascade Style Sheet Comma Separated Values Document Object Model Dynamic Hypertext Markup Language Flash Video Graphics Interchange Format GNU's not Unix Hue, Saturation and Brightness Hypertext Markup Language Hypertext Transfer Protocol Internet Message Access Protocol Joint Photographic Experts Group JavaServer Pages Lightness, chroma A and chroma B

18 xviii Glossário de siglas e acrónimos MP3 MPEG 1/2 Audio Layer 3 MPEG MSDE LDAP PHP PNG RGB RIA RTF SGBDR SQL SWF USB W3C WAV WMA WMV WWW XAMPP XML XLSX Moving Picture Experts Group Microsoft SQL Server 2000 Desktop Engine Lightweight Directory Access Protocol PHP: Hypertext Preprocessor Portable Network Graphics Red, Green and Blue Rich Internet Application Rich Text Format Sistema de Gestão de Bases de Dados Relacionais Structured Query Language Shockwave Flash Universal Serial Bus World Wide Web Consortium Waveform audio format Windows Media Audio Windows Media Video World Wide Web XML, Apache, MySQL, PHP e Perl extensible Markup Language Microsoft Excel 2007 spreadsheet document

19 Capítulo I Introdução 1 1 Capítulo I Introdução The fruits of tomorrow are in the seeds of today. Autor desconhecido É inegável a relevância da utilização da tecnologia no processo de ensino aprendizagem. Do retroprojector aos quadros interactivos, passando pelo computador pessoal e pela Internet, a preponderância de equipamento tecnológico enraizou se na vida académica, tendo sentido forte impulso ao longo da última década. A multimédia emergiu, no decorrer desse tempo, como recurso coerente no ensino, e os seus ambientes incluem formas tão vastas como ensino em ambiente virtual, plataformas de simulação na aprendizagem de determinadas competências, cursos electrónicos presenciais e a distância, portefólios digitais, ou apresentações electrónicas e o seu impacto no processo de ensino aprendizagem é, hoje, amplamente reconhecido. Mayer (2005) [38.] formula mesmo aquela a que chama a hipótese da aprendizagem multimédia, hipótese esta baseada na seguinte proposição: There is reason to believe that under certain circumstances people can learn more deeply from words and pictures than from words alone. As áreas da Tradução e da Linguística não escapam a esta (r)evolução, sendo já a multimédia parte integrante da construção do saber saber por parte dos formandos de todos os níveis de ensino, dotando os de novas apetências e levando os à formação em campos não previstos nos seus horizontes académicos há algumas décadas atrás. Longe vai o tempo em que o tradutor e/ou o escritor recorriam apenas aos seus dicionários de papel, prontuários ou guias de estilo para fazer o seu trabalho, ou, na falta destes recursos, se deslocavam à biblioteca em busca de fontes adicionais. Actualmente, é comum ver o ambiente de trabalho do tradutor constituído por um computador pessoal ligado permanentemente e com ligação de banda larga à Internet, dois monitores, dois ou mais programas de tradução assistida por computador em todas as suas vertentes a serem executados em simultâneo e em reciprocidade, e um telemóvel sempre por perto para contactar especialistas das diversas áreas de conhecimento a qualquer hora.

20 2 Capítulo I Introdução A solução mais frequente no mercado de trabalho/profissional da tradução passa pela compra de ferramentas proprietárias. Por outro lado, ao quererem simular um ambiente empresarial nas suas salas de aula (ou nos seus laboratórios multimédia, mais comuns hoje no ensino da Linguística e da Tradução), o custo financeiro dessas aplicações pode tornar se insuportável para instituições de ensino, principalmente as de natureza pública e aquelas de parcos recursos financeiros. Além disso, não é invulgar que tais ferramentas tenham inerentemente um elevado grau de complexidade, quer por altura da sua instalação, quer na sua utilização quotidiana. Na verdade, um tradutor com formação em Humanidades e em Línguas dificilmente saberá por que razão a actualização de uma determinada versão de Java não permite que o seu software (de custos avultados) continue a funcionar normalmente e, mais dificilmente, saberá resolver o problema. Este facto é igualmente aplicável à gestão de terminologia. Neste caso, são já várias as propostas alternativas ao software proprietário existente no mercado e estas surgem, essencialmente, na Web. No entanto, as alternativas existentes baseiam se na partilha de informação e não na colaboração da construção de conhecimento e o actual cenário tecnológico associado à área da tradução e da terminologia revela uma forte lacuna na oferta de aplicações/plataformas vocacionadas para o ensino aprendizagem nesta área. Na sequência de uma análise aprofundada do estado da arte da tecnologia aplicada à tradução, propõe se a construção de uma plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas e perspectiva se a sua aplicação prática no contexto educativo da tradução. A relevância da construção de tal plataforma é corroborada por um breve estudo elaborado com base num inquérito apresentado a docentes, discentes e profissionais da área de tradução. As respostas permitem não só detectar as vantagens e expectativas como também as fragilidades e reservas relativamente a uma plataforma Web de gestão colaborativa de terminologia. Há uma tentativa de responder aos requisitos colocados, bem como de superar as compreensíveis reservas sobre o ainda frágil universo do trabalho colaborativo através da criação de um ambiente de colaboração, embora controlado, da utilização de tecnologia livre, mas consolidada, e da disponibilização de uma ferramenta cujo controlo de qualidade esteja sempre presente, quer seja pela presença de especialistas em diversas áreas de conhecimento, bem como de docentes altamente qualificados e com larga experiência no ensinoaprendizagem da tradução.

21 Capítulo I Introdução 3 Numa perspectiva de trabalho futuro são propostas várias linhas de conduta que apenas agora se começam a coser, ligando essencialmente as instituições de formação superior em tradução. 1.1 Contextualização Actualmente, é escasso (embora não inexistente) o recurso do tradutor profissional a fontes e referências bibliográficas em papel e raramente, também, recorre ao papel para transcrever o texto de chegada. O seu ambiente de trabalho é invariavelmente constituído por uma panóplia de equipamentos electrónicos, entre os quais o computador pessoal ligado permanentemente e com ligação de banda larga à Internet, um scanner com reconhecimento óptico de caracteres, um disco externo ou uma caneta USB, várias aplicações electrónicas de tradução assistida por computador a ser executadas em simultâneo e cujas janelas abertas se estendem por dois monitores. O formato de eleição para a entrega do trabalho final é, frequentemente, o correio electrónico ou o suporte digital. A presença da multimédia na área de gestão terminológica é também significativa. No final da década de 90 do século XX, os dicionários de editoras de renome começaram a publicar, juntamente com o dicionário de papel, um CD ROM com a versão digital ilustrada e com possibilidade de ouvir a pronunciação do termo. Na verdade, remonta já à década de 60 do século XX a ligação entre a terminologia e a informática. Esta ligação visa a facilitação do armazenamento e a difusão de dados terminológicos na criação e gestão de grandes bases de dados terminológicas especializadas. A integração entre estas duas áreas tornou se de tal forma sólida e potencial que a mesma deu origem ao neologismo terminótica (Almeida et. al 2006) [2.], um novo conceito que inaugura um novo paradigma metodológico nas pesquisas terminológicas. O estudo e o trabalho terminológico pressupõem, hoje, a existência de um conjunto de procedimentos automatizados ou semi automatizados que contribuam para um apoio activo às tarefas envolvidas neste processo, como por exemplo a criação e constante actualização de bases de dados, a normalização terminológica, a inclusão de termos em ontologias ou mapas conceptuais ou a difusão de informação para interligação com outras aplicações e/ou utilizadores.

22 4 Capítulo I Introdução Porém, a normalização de bases de dados terminológicas torna se bastante difícil, pois a evolução linguística não consegue acompanhar o rápido avanço tecnológico. Ao longo dos últimos anos, a língua portuguesa tem vindo a sofrer fortes, e até violentas, influências de estrangeirismos, especialmente de anglicismos. Há uma tendência generalizada para institucionalizar a terminologia técnica numa só língua de modo a facilitar a comunicação entre profissionais de diversas nacionalidades. No entanto, tal empobrece a língua com a agravante de se incorrer no risco de marginalizar leitores que não estejam familiarizados com o texto ou com a temática em causa. Assim, torna se imperativo que tradutores, terminólogos e especialistas em textos técnicos e científicos tomem iniciativas de recolha de informação terminológica nas várias áreas com o objectivo de catalogar e normalizar bases de dados específicas da língua portuguesa. Esta iniciativa, como tantas na área da tradução técnica, não pode estar dissociada de uma estreita colaboração com especialistas das mais diversas áreas, o que neste caso concreto significa a colaboração com especialistas em tecnologias da informação e da comunicação. 1.2 Motivação A criação e gestão terminológicas são parte integrante e fundamental do processo tradutivo. No entanto, as ferramentas consolidadas no mercado para este efeito são escassas, proprietárias e implicam uma curva de aprendizagem acentuada. A aplicação de referência em gestão terminológica, tanto para profissionais como para docentes da área, é o SDL MultiTerm [114.], software desenvolvido apenas para o sistema operativo Windows que pressupõe uma instalação local e requer licenciamento mono utilizador, isto é, as licenças apenas podem ser utilizadas numa determinada máquina (o preço unitário por licença é aproximadamente 485). O SDL MultiTerm suporta a edição colaborativa de bases de dados terminológicas, mas tal exige a instalação centralizada de um servidor que não dispensa a aquisição das licenças por parte dos computadores cliente e obriga à aquisição de uma licença adicional para o servidor. A compra de um servidor MultiTerm já inclui um determinado número de licenças, mas o acesso a esse servidor é limitado em número de ligações simultâneas. O ensino de ferramentas de gestão terminológica é parte integrante do programa de algumas unidades curriculares ligadas à Tradução e tal implica um avultado investimento financeiro em software para as instituições de ensino, nomeadamente as de natureza pública. Um exemplo destas instituições é o ISCAP, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto. A

23 Capítulo I Introdução 5 Licenciatura em Assessoria e Tradução e o Mestrado em Tradução e Interpretação Especializadas fundamentaram, até à data, a aquisição de 55 licenças do software profissional SDL MultiTerm da SDL TRADOS. Se por um lado esta instituição pode contar com a compreensão dos seus órgãos de gestão relativamente às necessidades inerentes à leccionação destes cursos, outras instituições haverá que, independentemente da disponibilidade e aceitação dos seus órgãos de gestão, não possuem financiamento suficiente para a aquisição de software. O mesmo acontece com a comunidade discente. Adquirir software profissional pode não estar ao alcance de todos os alunos, nomeadamente aqueles de classes sociais menos favorecidas ou mesmo de discentes não trabalhadores que não pretendam imputar mais uma despesa aos seus encarregados de educação. Assim, a motivação para o desenvolvimento deste projecto nasce de um conjunto de factores, sendo que a principal está intrinsecamente ligada à utilidade que uma plataforma Web de trabalho colaborativo poderá desempenhar no processo de ensino aprendizagem de unidades curriculares ligadas às áreas de Línguas e Tradução. Globalmente, foram factores decisivos: Disponibilizar uma solução acessível a qualquer utilizador, independentemente do tipo de máquina, sistema operativo, explorador Web ou outras condicionantes; Promover a interactividade entre professores, alunos e especialistas através de uma plataforma de trabalho colaborativo; Reduzir custos na implementação de novas metodologias de ensino aprendizagem; Permitir a partilha pública do conhecimento produzido. 1.3 Objectivos O objectivo primário deste projecto assenta no conceito plataforma multimédia na Web para a gestão colaborativa de bases de dados terminológicas: aplicação prática no contexto educativo da tradução. Nenhuma das ferramentas electrónicas disponíveis (sejam elas aplicações locais ou plataformas na Internet) prevê a formação académica de que a comunidade profissional é alvo antes de ingressar no mercado de trabalho. Ferramentas electrónicas que prevejam a construção de um saber, como o software de tradução assistida por computador, permitem armazenar dados que facilitem um trabalho futuro (como o alinhamento de textos, a construção de memórias de tradução ou a criação de bases de dados terminológicas). No

24 6 Capítulo I Introdução entanto, e uma vez que não estão originalmente vocacionadas para o ensino, estas ferramentas não ponderam o papel do professor e do especialista, actores preponderantes em todo o processo terminológico e a quem cabe, em última instância, assegurar a qualidade do trabalho produzido. Mas se, por um lado, o objectivo primário do desenvolvimento desta plataforma é servir propósitos educativos, por outro não se restringe a ele. A utilização desta plataforma poderá eventualmente ser aplicável também no contexto profissional da tradução como solução a implementar por pequenas empresas ou trabalhadores independentes com baixos recursos financeiros. A projecção de uma plataforma de gestão terminológica que contribua equitativamente para a formação académica superior e para a produtividade profissional poderá ser contraditória pois a finalidade de ambas as actividades é distinta. O rumo a tomar tem como meta atingir objectivos que satisfaçam, primordialmente, a área do ensino e apenas secundariamente a área profissional. Idealmente, o resultado servirá propósitos complementares. Assim, os seguintes objectivos foram considerados essenciais aquando da projecção da plataforma: criação de glossários; definição de obrigatoriedade de preenchimento de um determinado campo; distinção entre sublínguas, por exemplo: Português (Portugal) ou Português (Brasil); fácil usabilidade da plataforma (interface intuitivo); inserção automática da classe gramatical do termo; inserção de conteúdo multimédia; possibilidade adicionar várias línguas ao mesmo glossário; possibilidade de contactar criadores e gestores para colocar dúvidas ou sugerir alterações; registo e gestão de utilizadores com vários níveis de permissão. Um objectivo mais abrangente, mas confluente aos acima propostos, é manter o desenvolvimento da plataforma a longo prazo. Isto permitirá a adequação da plataforma a

25 Capítulo I Introdução 7 várias actividades, bem como o seu aperfeiçoamento e desenvolvimento de novas funcionalidades que facilitem o processo tradutivo. Ainda que numa fase posterior do desenvolvimento da plataforma, são também objectivos: consulta do registo de alterações efectuadas num determinado termo; criação de vários níveis hierárquicos na estrutura da árvore da base de dados terminológica; desenvolvimento de um módulo de avaliação do aluno; disponibilização de glossários criados a utilizadores visitantes (não registados) apenas para consulta; existência de vários níveis de permissão; exportação de bases de dados terminológica (para um ficheiro *.csv, *.xlsx, *.xml ou outro); importação de bases de dados terminológicas (de um ficheiro *.csv, *.xlsx, *.xml ou outro); integração da plataforma com outras ferramentas existentes no computador (editor de texto, editor de apresentações, folha de cálculo, etc.); transcrição sonora (pronunciação) do termo; registo de alterações efectuadas por utilizadores; registo do tempo dispendido por utilizador em tempo útil de trabalho. O objectivo final deste projecto consiste em disponibilizar uma ferramenta de trabalho que permita a aprendizagem e a construção de um saber saber na área da gestão terminológica aliada ao contexto da tradução na actual sociedade de informação. A versatilidade e usabilidade da plataforma serão factores fulcrais a ter em conta, bem como a sua disponibilização ao maior número de pessoas possível. O ponto de partida é o conceito de Web 2.0 e tem como fio condutor a noção de trabalho colaborativo e partilha de conhecimento sem esquecer a sua adequação à evolução tecnológica não só da Web como de todo o espectro que a envolve.

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Capítulo 7 Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Liliana Ferreira, António Teixeira e João Paulo da Silva Cunha Luís Costa, Diana Santos e Nuno

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Proposta de MM-FEUP. de Recursos Educativos. Multimédia. Arte e Comunicação Multimédia. Página 1

Proposta de MM-FEUP. de Recursos Educativos. Multimédia. Arte e Comunicação Multimédia. Página 1 Proposta de Projecto Integração de Recursos Educativos Multimédia Arte e Comunicação Multimédia.: Proposta de Projecto :. Integração de Conteúdos Educativos Multimédia Título Proposta de Projecto Integração

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com A plataforma Sistemas de Gestão de Aprendizagem Carlos Nunes csmnunes@gmail.com O que é o Moodle? É um Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e de trabalho colaborativo, acessível através da Internet

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Memórias de Tradução Distribuídas Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Departamento de Informática, Universidade do Minho {albie@alfarrabio. jj@}di.uminho.pt Universidade

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto Virgínia Moreira Dias vmrmd@ddinis.net Sónia Rolland Sobral sonia@upt.pt Universidade Portucalense, Porto Resumo A integração

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema sistema integrado de processamento e gestão bibliográfica - versão 2012 Informática Formação e Serviços, Lda - Web: http://www.bibliosoft.pt Email: bibliosoft@bibliosoft.pt O produto O sistema biblio.net

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

PHC dcontroldoc. O acesso a diversos tipos de ficheiros

PHC dcontroldoc. O acesso a diversos tipos de ficheiros PHC dcontroldoc O acesso a diversos tipos de ficheiros A possibilidade de consultar e introduzir documentos, imagens e outro tipo de ficheiros, a partir de um local com acesso à Internet. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração prorm Microsoft Projectos SharePoint e Recursos 2010 SHAREPOINT 2010 Plataforma de colaboração O SharePoint 2010 é uma plataforma de colaboração de negócios que lhe permite ligar e autonomizar as pessoas

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir as noções requisitos de sistema e processo

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais