Resolução estabelece critérios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resolução estabelece critérios"

Transcrição

1 ANO XXVIII Nº 226 NOVEMBRO/2013 Fiscalização médica Resolução estabelece critérios Banco de imagens do CFM para funcionamento de serviços O texto estabelece as exigências que devem ser atendidas para que a medicina possa ser exercida sem problemas em consultórios e postos de saúde Págs. 6 a 8 CFM e MPT reforçam críticas ao Mais Médicos junto ao STF Pág. 4 Mais Médicos Denúncias de ilegalidades chegam à OMS e OIT Pág. 3 Urgência e Emergência Vistorias atestam caos em hospitais públicos Pág. 5 Saúde da Criança Recomendação estimula ingestão de ácido fólico Pág. 10

2 2 EDITORIAL Cabe aos conselhos de medicina atuarem em defesa do bom exercício profissional, assegurando condições para a atuação dos médicos Como autarquias públicas especiais, cabe aos conselhos de medicina atuarem em defesa do bom exercício profissional, assegurando condições para a atuação dos médicos e da oferta de assistência de qualidade para a população. Em seu artigo 2º, a Lei 3.268/57 não deixa dúvidas sobre esta missão. O Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Medicina são os órgãos supervisores da ética profissional em toda a República e ao mesmo tempo, julgadores e disciplinadores da classe médica, cabendo-lhes zelar e trabalhar por todos os meios ao seu alcance, pelo perfeito desempenho ético da medicina e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exerçam legalmente, afirma o texto. Nesta edição do jornal Medicina detalhamos um importante instrumento na luta por melhores condições de trabalho e pela oferta de uma assistência digna e de qualidade, como a população merece e tem direito. A Resolução 2.056/13 representa um marco para a fiscalização dos serviços de saúde do país ao agregar modernidade, objetividade e eficiência. Com ela, os CRMs Reforço à fiscalização Desiré Carlos Callegari Diretor executivo do jornal Medicina poderão apontar as irregularidades em nível local nos serviços públicos, chamando os gestores à responsabilidade. Se antes os relatórios poderiam levar semanas para ser concluídos, agora, com o auxílio da informática, os documentos ficarão prontos em horas. Além disso, com a definição de parâmetros nacionais, será possível traçar diagnósticos sobre a qualidade dos serviços oferecidos e detectar os problemas mais comuns de Norte a Sul. Os ganhos serão de todos, mas principalmente dos cidadãos que contarão com o apoio qualificado dos conselhos de medicina na luta por uma saúde melhor. Também apresentamos aos leitores a cobertura da audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) que analisou diferentes aspectos relacionados ao programa Mais Médicos. O ministro Marco Aurélio Mello adiantou que sua decisão sobre as ações diretas de inconstitucionalidade em tramitação, das quais é relator, ficará para No entanto, será difícil esquecer os argumentos apresentados por aqueles que enxergam nesta iniciativa uma sucessão de equívocos legais e técnicos. Em seu pronunciamento, o presidente do CFM, Roberto Luiz d Avila, acusou a irresponsabilidade do governo. No que foi apoiado por diversos outros que compareceram ao STF. Além da crítica técnica, teve destaque a leitura jurídica feita pelo Ministério Público do Trabalho, cujo representante procurador Sebastião Caixeta foi veemente: trata-se de uma ação eivada de ilegalidades. Finalmente, nesta edição registramos mais uma homenagem do CFM ao conselheiro Luiz Nódgi, representante do Piauí no plenário, que nos deixou em setembro. A partir de agora, a Câmara 2 do CFM onde são realizadas reuniões e sindicância tem seu nome, uma forma de enaltecer seu compromisso com o fortalecimento do sistema conselhal e de toda a classe médica. Mais uma vez, o CFM expressa seu pesar pela perda do amigo. Publicação oficial do Conselho Federal de Medicina SGAS 915, Lote 72, Brasília-DF, CEP Telefone: (61) Fax: (61) Presidente: 1º vice-presidente: 2º vice-presidente: 3º vice-presidente: Secretário-geral: 1º secretário: 2º secretário: Tesoureiro: 2º tesoureiro: Corregedor: Vice-corregedor: Diretoria Roberto Luiz d Avila Carlos Vital Tavares Corrêa Lima Aloísio Tibiriçá Miranda Emmanuel Fortes Silveira Cavalcanti Henrique Batista e Silva Desiré Carlos Callegari Gerson Zafalon Martins José Hiran da Silva Gallo Dalvélio de Paiva Madruga José Fernando Maia Vinagre José Albertino Souza Conselheiros titulares Abdon José Murad Neto (Maranhão), Aldemir Humberto Soares (AMB), Aloísio Tibiriçá Miranda (Rio de Janeiro), Cacilda Pedrosa de Oliveira (Goiás), Carlos Vital Tavares Corrêa Lima (Pernambuco), Celso Murad (Espírito Santo), Cláudio Balduíno Souto Franzen (Rio Grande do Sul), Dalvélio de Paiva Madruga (Paraíba), Desiré Carlos Callegari (São Paulo), Emmanuel Fortes Silveira Cavalcanti (Alagoas), Gerson Zafalon Martins (Paraná), Henrique Batista e Silva (Sergipe), Hermann Alexandre Vivacqua Von Tiesenhausen (Minas Gerais), Jecé Freitas Brandão (Bahia), José Albertino Souza (Ceará), José Antonio Ribeiro Filho (Distrito Federal), José Fernando Maia Vinagre (Mato Grosso), José Hiran da Silva Gallo (Rondônia), Júlio Rufino Torres (Amazonas), Luiz Nódgi Nogueira Filho, in memoriam (Piauí), Maria das Graças Creão Salgado (Amapá), Mauro Luiz de Britto Ribeiro (Mato Grosso do Sul), Paulo Ernesto Coelho de Oliveira (Roraima), Pedro Eduardo Nader Ferreira (Tocantins), Renato Moreira Fonseca (Acre), Roberto Luiz d Avila (Santa Catarina), Rubens dos Santos Silva (Rio Grande do Norte), Waldir Araújo Cardoso (Pará). Conselheiros suplentes Ademar Carlos Augusto (Amazonas), Alberto Carvalho de Almeida (Mato Grosso), Alceu José Peixoto Pimentel (Alagoas), Aldair Novato Silva (Goiás), Alexandre de Menezes Rodrigues (Minas Gerais), Ana Maria Vieira Rizzo (Mato Grosso do Sul), Antônio Celso Koehler Ayub (Rio Grande do Sul), Antônio de Pádua Silva Sousa (Maranhão), Ceuci de Lima Xavier Nunes (Bahia), Dílson Ferreira da Silva (Amapá), Elias Fernando Miziara (Distrito Federal), Glória Tereza Lima Barreto Lopes (Sergipe), Jailson Luiz Tótola (Espírito Santo), Jeancarlo Fernandes Cavalcante (Rio Grande do Norte), Lisete Rosa e Silva Benzoni (Paraná), Lúcio Flávio Gonzaga Silva (Ceará), Luiz Carlos Beyruth Borges (Acre), Makhoul Moussallem (Rio de Janeiro), Manuel Lopes Lamego (Rondônia), Marta Rinaldi Muller (Santa Catarina), Mauro Shosuka Asato (Roraima), Norberto José da Silva Neto (Paraíba), Renato Françoso Filho (São Paulo), Wilton Mendes da Silva (Piauí). Cartas* Sugiro que o Ministério Público Federal seja convidado a se alinhar com o CFM no debate sobre os baixos salários dos médicos. Acredito que há espaço para fortalecer as lutas da categoria. Carlos Barreto CRM-ES CFM Responde: Encaminharemos sua sugestão para a direção do CFM. E lembramos que há boa relação entre o Conselho e o MPF. Inclusive, em agosto, houve fechamento de parceria institucional para análise conjunta de temas relativos à saúde. Quero parabenizar o CFM pela postura em defesa da saúde do povo brasileiro, que merece ser respeitado. Querem fazer política barata, enganando a população com a importação de profissionais não qualificados. A classe médica está revoltada com o descaso dos políticos. Comentários podem ser enviados para Mais uma vez, parabéns ao CFM por estar alerta com relação a este atentado e contra o desprestígio da medicina. Saul Berdi CRM-RS Política nunca foi meu assunto predileto; por isso, nem tenho lado definido (direita ou esquerda). Procuro sempre estar do lado certo. Mas tenho dito que não adianta trazer médicos de Cuba porque o problema não é falta de médicos, mas falta de recursos. Então, fica óbvio que se ao invés de estádios tivessem sido construídos hospitais e postos de saúde, talvez aí, sim, se reforçaria a medicina preventiva. Me considero parte dessa causa e vou lutar ativamente por uma saúde melhor para o nosso país. Vanessa Claudia de Lima Penteado CRM-SP * Por motivo de espaço, as mensagens poderão ser editadas sem prejuízo de seu conteúdo Onde está a valorização do profissional que investiu neste país e que lutou para passar nos vestibulares mais concorridos? É inadmissível pensar que o governo rejeita o seu próprio povo e dá preferência a médicos cubanos! Não à importação de médicos sem revalidação! João Vicente de Souza Filgueiras CRM-RS Temos que mostrar à população e ao governo que há médicos em demasia, concentrados nos grandes centros por falta de uma política adequada de interiorização. CFM, AMB, Fenam e ANMR devem estar unidos. Assim, poderemos nos investir de nossa verdadeira força. Giovani Lacerda CRM-BA Abdon José Murad Neto, Aloísio Tibiriçá Miranda, Cacilda Pedrosa de Oliveira, Desiré Carlos Callegari, Henrique Batista e Silva, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, Paulo Ernesto Coelho de Oliveira, Roberto Luiz d Avila Diretor-executivo: Editor: Editora-executiva: Redação: Copidesque e revisor: Secretária: Apoio: Fotos: Impressão: Projeto gráfico e diagramação: Tiragem desta edição: Jornalista responsável: Conselho editorial Desiré Carlos Callegari Paulo Henrique de Souza Thaís Dutra Ana Isabel de Aquino Corrêa Milton de Souza Júnior Nathália Siqueira Rejane Medeiros Vevila Junqueira Napoleão Marcos de Aquino Amanda Ferreira Amilton Itacaramby Márcio Arruda - MTb 530/04/58/DF Esdeva Indústria Gráfica S.A. Mares Design & Comunicação exemplares Paulo Henrique de Souza RP GO Mudanças de endereço devem ser comunicadas diretamente ao CFM pelo Os artigos e os comentários assinados são de inteira responsabilidade dos autores, não representando, necessariamente, a opi nião do CFM

3 POLÍTICA E SAÚDE 3 Ilegalidades no Mais Médicos CFM faz denúncia contra programa na OMS e OIT Para a entidade, o governo desrespeitou acordo internacional para contratação de estrangeiro, entre outras irregularidades O Conselho Federal de Medicina (CFM) encaminhou denúncia formal às organizações Mundial da Saúde (OMS) e Internacional do Trabalho (OIT) por ilegalidades na contratação de profissionais estrangeiros para atua rem no programa Mais Médicos. Para o CFM, neste processo o governo brasileiro desconsiderou termos do Código Global de Prática para Recrutamento Internacional de Profissionais de Saúde da OMS, do qual é signatário. De acordo com o documento encaminhado, ao mascarar a contratação de mão de obra para atuar no atendimento direto aos pacientes como suposto programa de ensino médico, o governo trata com desigualdade os médicos que vieram de outros países. Também preocupa o CFM a existência de um esquema de intermediação/exploração de mão de obra estabelecido no contrato firmado entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) que receberá 5% de todos os salários dos médicos cubanos, sem justificativa ou previsão legal para tanto o que poderá representar até R$ 510,9 milhões para esse organismo internacional. Na denúncia, o CFM aponta que a contratação dos médicos estrangeiros não atende aos princípios da transparência, equidade e promoção da sustentabilidade dos sistemas de saúde dos países em desenvolvimento. Em síntese, as denúncias do CFM fazem parte dos esforços despendidos pela instituição contra a implementação do programa Mais Médicos", disse o 1º vice-presidente do CFM, Carlos Vital, um dos formuladores da denúncia. Segundo ele, trata-se de um processo de contratação de médicos, sem avaliação de suas competências, para assistência à saúde da maior e mais carente parte da população brasileira, com revestimento de pseudocurso em pós-graduação, promovido com outras intenções e com ações de marketing milionário, em desperdício do erário, em detrimento daqueles que dependem de assistência da saúde pública. Preocupado com o impacto da medida, afirmou que essa pseudoforma de assistência à saúde é imposta ao cidadão sob o argumento coator de que esqueça a falta de infraestrutura e aceite esse médico sem revalidação do diploma obtido no exterior ou permaneça doente. Carlos Vital lembrou ainda que de modo paradoxal à ética da responsabilidade social e às necessidades do SUS, nos últimos 12 anos deixaram de ser realizados ou aplicados R$ 94 bilhões do pífio orçamento destinado ao Ministério da Saúde. Portanto, as denúncias do CFM vêm ao encontro de amplo exercício de cidadania. Desrespeito a Código afeta transparência e equidade O Código Global de Prática para o Recrutamento Internacional de Profissionais de Saúde * é um documento aprovado na 63ª Assembleia Mundial de Saúde, em 21 de maio de Confira abaixo alguns dos itens que estão sendo descumpridos pelo governo federal. Item 3.5 Esta cláusula estabelece que o recrutamento internacional de profissionais de saúde deve ser conduzido segundo os princípios da transparência, equidade e promoção da sustentabilidade dos sistemas de saúde dos países em desenvolvimento. Item 4.2 Determina que recrutadores e empregadores devem estar cientes e considerar responsabilidades legais de profissionais de saúde para o sistema de saúde de seus próprios países, tal como um contrato de trabalho justo e razoável. Item 4.4 Orienta os países que optarem pelo recrutamento a garantir aos profissionais contratações justas, sem submissão a condutas ilegais ou fraudulentas. Pela regra, os recrutadores e empregadores devem fornecer aos profissionais de saúde migrantes informações pertinentes e precisas sobre todos os cargos oferecidos. Item 4.5 Reforça a necessidade de isonomia entre os profissionais de saúde (estrangeiros e nacionais). Pela cláusula, devem ser assegurados aos que vêm do exterior os mesmos direitos e responsabilidades legais que os formados no país em termos de emprego e condições de trabalho. *A íntegra do Código está disponível (em inglês) no seguinte endereço: PALAVRA DO PRESIDENTE Roberto Luiz d Avila Não durou um minuto, mas foi o suficiente para mostrar como alguns gestores são incapazes de lidar com a crítica e com outras formas de pensamento. Num dos intervalos da audiência pública do Supremo Tribunal Federal (STF) para discutir as denúncias de ilegalidades contra o programa Mais Médicos, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, me procurou em meio a várias testemunhas para falar sobre um comentário que fiz. Em minha exposição ao ministro Marco Aurélio Mello disse que, no meu entendimento, o Mais Médicos é feito por "profissionais de calça curta que chegaram agora e pensam que estão construindo o SUS". O comentário não foi pejorativo e nem direcionado ao ministro, mas ele se sentiu ofendido e usou de ironia para tirar satisfações. Num diálogo rápido, me agarrou pelo braço e alfinetou: "Da próxima vez, venho de bermuda para agradálo". A provocação foi o suficiente para me fazer dar uma resposta à queima-roupa. Informei-lhe que não seria necessário fazer isso, apenas bastava adotar ações coerentes, que não desvalorizem o médico brasileiro. Aproveitei a deixa e reclamei ao ministro Padilha da campanha milionária que tem sido orquestrada pelo governo com vistas a desmoralizar a medicina brasileira, utilizando como desculpa o Mais Médicos. Afinal, são bilhões de reais investidos em anúncios e propagandas que mostram os intercambistas cubanos como heróis da saúde e os médicos brasileiros como profissionais insensíveis. Tamanha injustiça e desrespeito são agressões gratuitas a uma categoria que, historicamente, é corresponsável por todos os avanços alcançados no país no campo da saúde pública. Desde sua criação, os médicos apoiam e lutam pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Se este modelo tem êxitos, os deve em grande parte à dedicação de milhares de colegas que fazem medicina em lugares onde falta tudo. No atual momento, ao adotar esta postura, o governo faz um jogo de marketing, aproveitando-se da fragilidade da maioria da população. Omite-se de apresentar soluções reais, cria um programa de faz de conta e atira sobre os médicos a responsabilidade por seu próprio fracasso. O Ministério Público do Trabalho denunciou, por exemplo, que o Mais Médicos apesar de jogar luz sobre um problema real que deve ser atacado coleciona uma sucessão de equívocos legais. E nada justifica desobedecer a lei para resolver questões que poderiam ser sanadas com outras medidas, como aporte de mais recursos, profissionalização dos processos de gestão e criação de uma carreira de Estado para os médicos e outros profissionais do SUS. Entendemos que o embate em torno deste programa ainda está longe do fim. Continuaremos a acompanhar seus equívocos, atropelos e a denunciá-lo em todas as instâncias possíveis. Até porque todos temos na mão um poderoso instrumento para mostrar que as escolhas feitas foram erradas. Como profissionais e cidadãos, o exercício do voto num ano de eleições como o é 2014 pode ser um alerta definitivo para aqueles que acham viável a manipulação impune das massas. Para eles, é importante ressaltar que os tempos são outros, de consciência plena sobre direitos e deveres. E é assim que a sociedade mostrará que, ao contrário do que afirmam pesquisas tendenciosas, o marketing não tem o poder de influenciar decisões tomadas pelas urnas.

4 4 Política e Saúde Ilegalidades do Mais Médicos Julgamento no STF fica para 2014 Audiência pública deve influenciar decisão sobre duas ADIs contra o programa ministro Marco Aurélio Mello, relator O no Supremo Tribunal Federal (STF) de duas ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) contra o programa Mais Médicos, acredita que os julgamentos acontecerão no primeiro semestre de A informação foi dada durante audiência pública convocada pelo Supremo para angariar subsídios acerca do tema. As ADIs em tramitação são as de número e 5.037, ajuizadas, respectivamente, pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU). Representantes de entidades médicas, do Ministério Público do Trabalho (MPT) e parlamentares apontaram, durante audiência realizada nos dias 25 e 26 de novembro em Brasília, equívocos e problemas do programa do governo. Críticas do CFM O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d Avila, criticou a falta de validação de diplomas dos intercambistas do programa afirmando que a medida cria dois tipos de pacientes no país. Além de abordar a negligência com que o governo trata questões como a desestruturação do atendimento, o baixo investimento no Sistema Único de Saúde (SUS) e a falta de empenho da atual gestão em resolver tais problemas, d Avila apresentou denúncias da imprensa sobre erros cometidos no atendimento à população. Depoimentos O presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Florentino Cardoso, e o Audiência: o ministro Marco Aurélio ouviu, por dois dias, diferentes críticas ao programa Mais Médicos diretor da entidade, José Bonamigo, bem como o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Geraldo Ferreira, também esclareceram equívocos cometidos com a medida. Marco Aurélio Mello também ouviu o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o advogado geral da União, Luiz Adams, técnicos do governo e representantes de outras entidades. D Avila: foco na falta de revalidação dos diplomas obtidos no exterior Fotos: Assessoria STF MPT aponta série de problemas na iniciativa O procurador do Trabalho Sebastião Vieira Caixeta disse, durante a audiência, que é nobre e necessário suprir a necessidade de atenção básica de saúde no Brasil, mas que isso tem de ser feito sem o comprometimento de outros valores constitucionais. O relatório parcial do Ministério Público do Trabalho (MPT) sobre o tema, divulgado em 30 de outubro, revela, com muita clareza, que o que se tem de fato é uma relação de trabalho que, infelizmente, está mascarada por um programa de aperfeiçoamento, que seria uma pós-graduação, com foco no ensino, na pesquisa e na extensão. Na prática, o que se vê, de fato, é uma relação de trabalho. Arbitrariedade Caixeta observou que a Medida Provisória (MP) 621/13, convertida na Lei /13, não poderia, arbitrariamente, contrariando os seus próprios pressupostos, fazer configuração legal destoante do que ocorre na prática. A atividade de serviço [dos participantes do Mais Médicos] é preponderante, destacou, observando que das 40 horas semanais de dedicação do profissional, 32 são de atividade laboral. Os direitos sociais trabalhistas têm alcance coletivo e geral, e acrescenta que a regra de investidura no serviço público é o concurso público. Quando se excepciona isso, deve haver, no mínimo, um processo público de seleção, ainda que simplificado. E a seleção deve observar critérios objetivos. Sem sucesso Caixeta também questionou o fato de os profissionais cubanos não receberem a bolsa de R$ 10 mil, haja vista que o dinheiro é repassado pelo Brasil, por meio de convênio, para a Organização Pan- Americana da Saúde (Opas), a qual, por sua vez, o repassa para Cuba, responsável por remunerar esses profissionais. O procurador do Trabalho relatou ter tentado, sem sucesso, acesso ao convênio entre a Opas e Cuba. Não obtive formalmente a informação e, ao que parece, nem o governo brasileiro tem esse acesso, informou. Acrescentou que o MPT fará inspeções das atividades do Mais Médicos in loco e que os resultados colhidos serão juntados ao processo no STF. Para assistir a íntegra da audiência pública, acesse o canal do STF no Youtube: Homenagem Na noite de 28 de novembro foi realizada a cerimônia de colação de grau da 74ª turma de formandos em Medicina da Universidade Gama Filho. A classe é conhecida como Turma Dr. Roberto Luiz d Avila, em homenagem ao presidente do CFM, que também recebeu o título de patrono. Para os estudantes, d Avila é hoje um referencial da consciência médica atual por seu empenho, responsabilidade, austeridade e forma como conduziu as discussões e o andamento dos movimentos em prol da melhoria do caráter médico junto às entidades de classe. Em nome do CFM, d Avila agradeceu o prestígio e lembrou da importância da juventude para o futuro da medicina: Fico feliz por ver tantos formandos fazerem esse compromisso com a profissão". Integrante do programa faz críticas Um dos destaques da audiência pública foi a participação do médico William José Bicalho Hastenreiter Paulo, integrante do programa Mais Médicos, que não poupou críticas ao governo federal. Ele classificou a iniciativa como eleitoreira, disse que a tutoria recebida do governo é precária, apontou a ausência de direitos trabalhistas e afirmou que, ao trazer médicos de fora, o governo pretende evitar críticas sobre a precariedade da saúde pública no país. Eleitoreira O objetivo real do Mais Médicos é eleitoreiro. Um marqueteiro, João Santana, já fez o mesmo na Venezuela, relatou William Paulo, para quem a ação tem relação com as pretensões políticas da presidente Dilma Rousseff e do ministro Padilha. Ao encerrar, afirmou que espera não sofrer perseguições. Na sequência, o ministro Marco Aurélio Mello repetiu o desejo de que não haja retaliações.

5 POLÍTICA E SAÚDE 5 Urgência e Emergência Vistorias apontam caos no atendimento Agência Câmara Oito grandes hospitais de emergências do país são avaliados por entidades médicas, parlamentares, MP e OAB Pacientes internados em macas pelos corredores e colchões sobre o chão, instalações inadequadas, paredes com mofo e infiltrações. Cenários que se assemelham aos de uma enfermaria de guerra. Este é o panorama dos principais hospitais públicos de urgência e emergência visitados pelos conselhos de medicina, numa ação desenvolvida com a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM). O relatório preliminar das vistorias foi apresentado durante o seminário O Caos no Atendimento de Urgência e Emergência no Brasil, realizado em novembro, no Congresso Nacional. A partir das vistorias, o Congresso Nacional recomendará às autoridades competentes que, dentre outras providências, adote efetivamente a Política Nacional de Atenção às Urgências, adequando o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS); amplie a abrangência do programa SOS Emergência, lançado em 2011; fortaleça os sistemas de referência e contrarreferência e a informatização dos serviços, para que estes se dediquem aos casos realmente graves. O subfinanciamento também foi apontado como a expressão maior da falta de prioridade para o tema. Para expor esse quadro, a Comissão recorreu a recente análise do Conselho Federal de Medicina (CFM) que, com base em dados oficiais do governo, revelou que o Ministério da Saúde deixou de aplicar quase R$ 94 bilhões no SUS ao longo dos últimos 12 anos. Para o 2º vice-presidente do CFM e coordenador da Comissão Nacional Pró-SUS, Aloísio Tibiriçá, o Executivo federal precisa acatar imediatamente as recomendações das entidades médicas e demais participantes da ação, não apenas no que diz respeito à infraestrutura e financiamento, mas, também, àquelas relacionadas à remuneração dos prestadores de serviços e valorização dos profissionais. É preciso enfrentar a questão de recursos humanos para emergências, promovendo a formação adequada em programas específicos de residência médica e a criação de planos de carreira no SUS, entre outros pontos, disse Tibiriçá. Mauro Ribeiro, coordenador da Câmara Técnica de Urgência e Emergência do CFM, acompanhou de perto os trabalhos da Comissão e enfatizou que muitos dos problemas encontrados se devem a questões estruturais, ainda não adequadamente resolvidas pelo SUS. São problemas que estão ferindo a dignidade e os direitos dos cidadãos brasileiros, previstos na lei, disse. Tibiriça (à dir.): acusou a falta de responsabilidade do governo Sofrimento: a diminuição nos investimentos penaliza os cidadãos Hospitais vistoriados pela CDHM Arthur Ribeiro de Saboya, em São Paulo (SP) Souza Aguiar, no Rio de Janeiro (RJ) Hospital Geral Roberto Santos, em Salvador (BA) Pronto-Socorro João Paulo II, em Porto Velho (RO) Pronto-Socorro Municipal Mario Pinotti, em Belém (PA) Hospital de Base, em Brasília (DF) Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre (RS) Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande, em Mato Grosso (MT) Denúncias de precariedade na rede pública continuam a chegar aos CRMs A situação constatada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias nas urgências e emergências do Brasil reflete realidade denunciada diariamente por médicos e pacientes. Nas unidades de gestão municipal, estadual ou federal os problemas mais comuns são aqueles que prejudicam não apenas a assistência em saúde, mas também o exercício da medicina. Confira a seguir algumas das denúncias do mês de novembro: Pernambuco Piauí Rio de Janeiro O conselho regional de medicina local (Cremepe) e o Sindicato dos Médicos realizaram uma blitz noturna em cinco hospitais públicos (Hospital da Restauração, Hospital Agamenon Magalhães, Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco, Policlínica Amaury Coutinho e Unidade Mista Barros Lima) para avaliar a estrutura e as escalas de plantão, além de verificar com pacientes a qualidade dos atendimentos. Escalas médicas incompletas, demora na entrega dos exames, emergências superlotadas e pacientes nos corredores foram alguns dos problemas encontrados pelas entidades médicas. O relatório foi entregue às autoridades Médicos da diretoria e intensivistas do Hospital Universitário (HU) do estado pediram demissão no dia 29 de novembro, em protesto pela falta de estrutura e de condições mínimas de trabalho na unidade. Os profissionais reclamavam de carência de equipamentos básicos na unidade de terapia intensiva (UTI). Recentemente, o Conselho Regional de Medicina do Estado do Piauí (CRM-PI) realizou fiscalização nas instalações do HU e identificou uma série de irregularidades como a falta de alvará da Vigilância Sanitária, por exemplo que irão compor um relatório a ser entregue às autoridades. Atualmente, o hospital é administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). O conselho regional de medicina local (Cremerj) pediu ao secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, o fechamento da emergência do Hospital Municipal Salgado Filho após ter detectado falta de leitos e de profissionais na unidade. Médicos do hospital apontaram que o posto sofre com a superlotação, falta de recursos humanos, salários baixos e péssimas condições de trabalho. Também por problemas de estrutura e carência de profissionais, o corpo clínico do Hospital Federal do Andaraí, com sede na capital fluminense, divulgou carta aberta na qual descreve o hospital como um amontoado de escombros. Para os profissionais da unidade, as péssimas condições evoluem para o fechamento dos serviços e prejudicam ainda mais a população.

6 6 PLENÁRIO E COMISSÕES Fiscalização médica CFM moderniza processo de vistorias Com a Resolução 2.056/13, os CRMs têm um instrumento para exigir boas condições de trabalho e assistência A partir de 2014, as fiscalizações em unidades de saúde feitas pelos conselhos regionais de medicina (CRMs) serão mais ágeis e terão mais efetividade. A base para essa afirmação está na Resolução 2.056/13, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 12 de novembro, que moderniza as regras de fiscalização e estabelece critérios mínimos para o funcionamento de estabelecimentos médicos por meio do Manual de Vistoria e Fiscalização da Medicina no Brasil. A nova resolução substitui a 1.613/01 e vem acompanhada da informatização do processo de fiscalização. As vistorias serão padronizadas e realizadas com o auxílio de tablets, o que fará com que os resultados sejam enviados imediatamente para os CRMs e para o Conselho Federal de Medicina (CFM). Essa resolução muda substancialmente o trabalho de fiscalização realizado pelos conselhos regionais. É um esforço do CFM para uniformizar as práticas do controle da medicina. Queremos dar mais segurança ao ato médico e, consequentemente, ao paciente, explica o 3º vice-presidente e coordenador de fiscalização da entidade, Emmanuel Fortes, relator da resolução. Prazos A Resolução 2.056/13 entra em vigor 180 dias após sua edição e, no primeiro se- Modernidade: novas regras trarão mais agilidade e uniformidade ao processo de fiscalização nas unidades de saúde mestre de 2014, devem ser editados novos anexos à mesma. O plenário do CFM deve votar os manuais de vistoria e fiscalização para hospitais-dia, hospitais gerais, incluindo as unidades de terapia intensiva, e clínicas de diagnósticos. A nossa intenção é terminar o mandato com todos esses manuais aprovados, adianta Emmanuel Fortes. Até a entrada em vigor da resolução, os CRMs farão vistorias educativas, orientando os gestores sobre a necessidade de adequação às regras. Depois desse prazo, os gestores das unidades de saúde fiscalizadas terão um tempo de 15 dias, prorrogáveis por mais 15, para resolver os problemas apontados. Caso contrário, o CFM oferecerá denúncias aos órgãos competentes, como o Ministério Público e os Tribunais de Contas. Também indicará a realização de interdições éticas, como já ocorre na Paraíba e no Rio Grande do Sul. Fortes: meta é concluir a reforma da fiscalização dos CRMs até 2014 Unidades podem sofrer interdição ética A interdição ética proíbe o médico de trabalhar no local enquanto não forem oferecidas condições mínimas de trabalho. Geralmente, ela só ocorre em casos extremos e após o CRM ter notificado o gestor preliminarmente. Mas há casos em que é feita na primeira visita do fiscal. Se um consultório não tem porta, por exemplo, ele é interditado imediatamente, pois não está garantindo a privacidade do paciente, explica o diretor de Fiscalização do CRM da Paraíba e integrante do grupo de trabalho que elaborou a Resolução 2.056/12, Eurípedes Souza. A medida é adotada pelo CRM, mas os próprios médicos podem suspender suas atividades se considerarem que não têm condições de trabalhar no local. Para tanto, o corpo clínico deverá entrar em contato com o CRM, que após ir ao local poderá concordar, ou não, com a suspensão. Regra exige requisitos mínimos A Resolução 2.056/13 estabelece a infraestrutura mínima a ser exigida dos consultórios e ambulatórios médicos, de acordo com sua atividade-fim e/ou especialidade. Essa é a diferença para a Resolução 1.613/01, que não detalhava parâmetros mínimos. Emmanuel Fortes ressalta que as exigências estão amparadas em portarias do Ministério da Saúde. Não inventamos nada, apenas queremos que sejam atendidos os requisitos básicos estabelecidos pelo próprio governo, afirma. Os consultórios e ambulatórios foram divididos em três tipos. Dos consultórios e serviços do Grupo 1, em que são realizadas apenas consultas, serão exigidos, por exemplo, equipamentos básicos como tensiômetro, estetoscópio, termômetro, maca, lençóis, pia, cadeiras para o médico, paciente e acompanhante, entre outras exigências. Já para os do Grupo 2, onde se executam procedimentos sem anestesia local e sem sedação, como o consultório de um cardiologista que faz apenas eletrocardiogramas, serão exigidos, além do listado no consultório básico, equipamentos próprios necessários para os exames específicos. Nos consultórios ou serviços com procedimentos invasivos ou que exponham os pacientes a risco de vida (Grupo 3), que rea lizem, por exemplo, teste ergométrico ou façam procedimentos com anestesia local ou sedações leves, os fiscais devem averiguar se há os instrumentos que assegurem a aplicação de forma segura e, em havendo complicação, tenha equipamentos de socorro à vida. O médico precisa ser preparado para realizar os primeiros procedimentos de suporte à vida. Prontuário médico Os hospitais também terão de se adaptar à resolução quanto ao registro do prontuário do paciente. Nele, deverá constar anamnese, folhas de prescrição e de evolução exclusiva para médicos e enfermeiros, e também para os demais profissionais de saúde que intervenham na assistência. As evoluções e prescrições de rotina devem ser feitas pelo médico assistente pelo menos uma vez ao dia. A atualização diária também é exigida dos estabelecimentos geriátricos, psiquiátricos e de cuidados paliativos nos casos de pacientes agudos. Em pacientes estabilizados, a atualização deve ser de, no mínimo, três vezes por semana. As folhas do prontuário também devem ser de cores diferentes e divididas em colunas. Atualmente, poucos estabelecimentos seguem essa rotina.

7 PLENÁRIO E COMISSÕES 7 Fiscalização médica Nos CRMs, começa a era dos tablets Agora, a caneta e o papel do médico auditor serão substituídos pelo tablet. O CFM vai entregar a cada CRM um kit composto pelo equipamento, uma máquina fotográfica, um medidor laser para averiguar o tamanho dos ambientes, um scanner digital, uma impressora portátil, além de um software. As vistorias devem seguir a determinação do Manual de Vistoria, espécie de check list a ser seguido pelo auditor. Antes, cada CRM fazia a fiscalização do seu jeito. Agora, será mais fácil parametrizar e gerar relatórios estatísticos, explica Gleidson Porto, analista responsável pelo projeto no setor de informática do CFM. O diretor de fiscalização do Conselho Regional de Além de fixar nova sistemática para as vistorias, o manual de fiscalização traz um modelo para o preenchimento de prontuários e para a elaboração das anamneses, que hoje estão muito sucintas, prejudicando o raciocínio clínico, principalmente para quem não teve contato com o paciente, como nos casos de processos éticos, quando precisamos das informações corretas para avaliar se o médico agiu de modo correto diante do paciente, argumenta Emmanuel Fortes. Diretor de Fiscalização do CFM, Fortes acredita que essa medida irá alcançar as escolas médicas, que nem sempre repassam esse ensinamento aos estudantes. Elas terão de ensinar a Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers), Antônio Celso Ayub, que participou do grupo de trabalho responsável pela elaboração da Resolução 2.056/13, argumenta que devido ao vácuo normativo cada conselho estabelecia suas próprias regras, o que levava os grandes conselhos a apresentarem estratégias mais eficientes de controle. Outra vantagem da informatização é a agilização no envio dos relatórios. Antes, o fiscal tinha de indicar a normativa do Ministério da Saúde que não estava sendo atendida. Agora, essa indicação faz parte do próprio programa. O relatório, que podia levar mais de trinta dias para ser concluído, é enviado imediatamente para o CRM e o CFM após Diálogo: resolução também ajuda a relação entre médicos e pacientes Anamnese ganha estímulo anam nese conforme preconizado pelo Código de Ética Médica, afirma. Como forma de levar as faculdades de medicina a ensinarem seus alunos de acordo com a resolução, o CFM se dispõe a participar de seminários que tratem do assunto. Perícia A Resolução 2.056/13 também traz um modelo básico de como deve ser um relatório pericial e ressalta a necessidade de o médico perito ter condições de realizar seu trabalho. De acordo com o CFM, o perito deve registrar, por exemplo, a história pessoal e médica do periciado, além de realizar exames físicos e fazer o diagnóstico. Deve, também, responder as perguntas constantes no processo. Online: os novos equipamentos possibilitarão enviar dados pela internet, trazendo rapidez e eficiência às vistorias GO e PB já estrearam novo manual Os conselhos regionais de medicina dos estados de Goiás (Cremego) e Paraíba (CRM-PB) realizaram, em 12 de novembro, as primeiras fiscalizações utilizando o novo software desenvolvido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para a realização de vistorias em estabelecimentos de saúde. O software segue o preconizado na Resolução 2.946/13. Na visita realizada na unidade básica de saúde (UBS) Jardim América II, em Águas Lindas de Goiás, o médico fiscal do Cremego, João Martins Neto, preencheu o formulário eletrônico enviado em 30 segundos para o CFM: Essa nova ferramenta vai facilitar um diagnóstico mais preciso da situação dos estabelecimentos de saúde e permitir que o Conselho faça maior cobrança aos gestores, avalia. Seguindo o estabelecido no Manual de Vistoria e Fiscalização, o fiscal analisou a estrutura física e as condições de higiene e acessibilidade. Na UBS Jardim América II, vários a conclusão da vistoria, detalha o diretor de fiscalização do Conselho Regional do Estado da Paraíba, Eurípedes Souza. Pela primeira vez, o CFM terá acesso ao conteúdo das visitas de fiscalização de forma online e digitalizada. Essa rotina permitirá a elaboração de estudos e levantamentos sobre carências e necessidades comuns ao sistema. Como forma de familiarizar os auditores com dos itens considerados essenciais pelo manual não estavam disponíveis, como toalhas de papel descartáveis, lixeira com pedal, recipiente adequado para o descarte de agulhas, entre outros. Algumas macas acolchoadas estavam rasgadas e a sala de curativos tinha infiltrações e era pouco iluminada. O posto de saúde também não possuía um estetoscópio próprio. Os profissionais de saúde acabam por improvisar, para não deixar a comunidade sem assistência, mas essa é uma realidade que precisa ser mudada, argumentou João Martins. Com 18 anos de experiência como fiscal médico do Cremego, ressalta que a realidade encontrada nessa UBS é a mesma de outras unidades públicas. A precarização nas relações de trabalho é também outra constante. Na UBS, apenas os agentes de saúde são servidores da prefeitura; os demais, incluindo a médica e uma enfermeira, têm contratos precários. O CFM vai informar o resultado da vistoria para a prefeitura as novas ferramentas, o CFM vai oferecer um treinamento nos dias 4 e 5 de dezembro, em Brasília, para todos os coordenadores de fiscalização e mais um médico auditor contratado pelo CRM. de Águas Lindas, dando prazo para que os problemas sejam resolvidos. João Pessoa Na capital da Paraíba, a UBS visitada foi a Torre II, no bairro do mesmo nome. A unidade passou recentemente por reforma e está em bom estado de conservação e higiene, com os consultórios, a sala de vacina e a recepção climatizados. Ainda falta um corrimão na entrada do prédio e a climatização da farmácia, da sala do citológico e da sala de enfermagem. Esta é uma unidade de saúde que está em boas condições, mesmo assim, sentimos falta da escada de dois degraus embaixo das macas e de uma cadeira de rodas, explica Eurípedes Souza, diretor de fiscalização do CRM-PB. Também foi constatado que os médicos estavam usando formulários de atestado médico desatualizados. Outro problema detectado foi quanto à relação trabalhista dos médicos, que como os de Águas Lindas não eram servidores estatutários.

8 8 PLENÁRIO E COMISSÕES CRMs aprendem sobre nova proposta No CFM, os técnicos esclareceram dúvidas sobre as mudanças propostas Representantes dos 26 estados e do Distrito Federal participaram, nos dias 4 e 5 de dezembro, de um treinamento para uso das novas ferramentas de fiscalização de consultórios e ambulatórios criadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). No encontro, em Brasília (DF), receberam esclarecimentos sobre a recentemente editada Resolução 2.056/13, a respeito dos manuais de vistorias e visitação e do manuseio dos equipamentos que serão auxiliares no trabalho. Emmanuel Fortes Cavalcanti, coordenador do Departamento de Fiscalização, lembrou que se trata de um projeto inovador, que pode ser aperfeiçoado ao longo de sua execução. Para tanto, sugestões devem ser encaminhadas para possibilitar que a atualização seja constante. Trata- se de um trabalho Fiscalização médica Compromisso: mudança na fiscalização sela mais uma meta assumida pela atual diretoria quando tomou posse que não se interrompe, pois sempre haverá aperfeiçoamentos, lembrou o conselheiro, também 3º vice-presidente do CFM. Elogios Na abertura da reunião, o presidente da entidade, Roberto Luiz d Avila, elogiou o trabalho desenvolvido até o momento e destacou a importância da fiscalização para os conselhos de medicina. Segundo ele, uma atuação nesta área, conduzida de forma responsável, consequente, com critérios e justificativas, trará ganhos para os médicos e a defesa da qualidade da assistência. Adicionalmente, destacou a importância do novo modelo de fiscalização, criado após cerca de quatro anos de debates, com participação direta de conselheiros de vários estados. Em sua avaliação, este instrumento permitirá dar mais agilidade aos processos, padronizar as vistorias e elaborar levantamentos que apontarão as deficiências da rede de atenção e a responsabilidade dos gestores na solução dos problemas. Convergência Dentre as missões precípuas dos conselhos de medicina, a fiscalização é a que representa a maior convergência entre os interesses e os direitos dos médicos e dos pacientes, ressaltou o 1º vice-presidente do CFM, Carlos Vital, também entusiasta das ações que serão empreendidas a partir de 2014, quando a nova resolução efetivamente entrar em vigor, em maio. Por sua vez, o diretor tesoureiro do CFM, José Hiran Gallo, lembrou o investimento feito na área a disponibilização de R$ 150 mil para os CRMs que desenvolverem projetos específicos na fiscalização e pediu o encaminhamento das propostas para que os repasses sejam executados nos prazos previstos. Adicionalmente, Henrique Batista, secretáriogeral da entidade, assegurou que todo este esforço fortalecerá a imagem do sistema em nível nacional. No dia 3 de dezembro, o Conselho Federal de Medicina (CFM) recebeu denúncia de fraude que está ocorrendo em municípios do interior. De acordo com informações, um homem tem usado o nome do presidente do CFM, Roberto Luiz d Avila, e até se apresentado como ele para abordar médicos e entidades médicas por telefone. Nas ligações, informa que, de passagem pela região, enfrentou problemas de viagem e perdeu contato com a família e com o CFM. No fim, pede ajuda financeira para resolver as supostas dificuldades e voltar para casa. Alerta do CFM Cuidado com ações de golpistas O golpe foi descoberto quando um colega abordado decidiu checar se o pedido procedia. Diante do risco, o CFM desautoriza qualquer pedido de ajuda (logística ou financeira) feita em nome da entidade ou de seus diretores e conselheiros. Os colegas também devem ter cautela com ligações do mesmo tipo, com pedidos atribuídos a presidentes ou diretores de outras entidades médicas. Quem for vítima dessas abordagens deve de imediato denunciar o caso à Polícia, para a tomada das cabíveis providências. Médicos fiscais elogiam as vantagens do novo modelo de trabalho A aprovação ao novo manual e às inovações tecnológicas foi unânime. Os participantes do treinamento realizado destacaram o caráter vanguardista das novidades. Para eles, as vantagens serão grandes para todos ao permitir a sistematização das estatísticas para aprimorar a atuação dos CRMs. Confira: A nova ferramenta do CFM é inovadora, pois iguala a maneira de fiscalizar em todos os estados. No Norte, temos uma situação diferente e algumas particularidades, como a dificuldade de acesso à internet em áreas remotas, e teremos a opção de trabalhar offline, o que é essencial nesses casos. Essa nova metodologia vai ajudar não só o CFM a conhecer melhor a situação de Roraima, mas o país a conhecer a sua situação real, porque o Brasil inteiro está vivendo completo caos na saúde Rosa de Fátima Leal de Souza, vice-presidente do CRM-RR Essa iniciativa materializa um anseio dos conselhos, pois em geral fazemos muitas vistorias e produzimos muitas informações e dados estatísticos que nem sempre são aproveitados da melhor maneira. O registro manual, muitas vezes, não favorece uma análise rápida das principais dificuldades. Mas, com essa ferramenta, o levantamento de dados estatísticos vai ser questão de minutos Teresa Cristina de Oliveira Marques, médica fiscal do Cremego A ideia é muito boa, pois significa a implementação de uma ferramenta padronizada que será de grande utilidade para avaliarmos as carências e necessidades do país. Além do mais, esse contato com os demais colegas durante o curso de capacitação é bastante proveitoso. Acredito que com a ferramenta poderemos construir um panorama nacional Alexandre Porto Prestes, médico fiscal do Cremers

9 PLENÁRIO E COMISSÕES 9 Acesso à transgenitalização Mudanças seguem regras do CFM Parecer e resoluções do CFM nortearam decisão do Ministério da Saúde acesso a cirurgias de O transgenitalização e adequação sexual no Sistema Único de Saúde (SUS) será ampliado. No mês de novembro, o Ministério da Saúde redefiniu o processo transexualizador na rede pública e, no dia 21, a Portaria nº 2.803, que institui as novas regras, foi publicada no Diário Oficial da União. A ampliação segue decisão judicial de 2009, que o governo vinha descumprindo desde então. Em setembro daquele ano, a Justiça Federal no Rio Grande do Sul deu 30 dias para que os procedimentos passassem a ser ofertados, sob pena de multa de R$ 100 mil diários. Os procedimentos ainda não eram cobertos na rede pública de saúde, mas são autorizados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 2010, ano Adequação: Ministério da Saúde obedeceu orientações e princípios técnicos e éticos da Resolução 1.955/10 de aprovação da Resolução 1.955/10 norma que dispõe sobre a cirurgia de transgenitalismo. A partir de agora, a retirada de mamas, útero e ovários passa a ser paga pelo SUS, bem como o tratamento hormonal que também contempla os transexuais masculinos. Aos usuários, a determinação do ministério estabeleceu que o SUS pagará por procedimentos como a redução do pomo de adão, com vistas à feminilização da voz e/ou alongamento das cordas vocais no processo transexualizador, além de amputação do pênis. Serão ainda contemplados os procedimentos de retirada de vagina e construção de pênis com implante de próteses peniana e testiculares, conhecido como neofaloplastia. O procedimento será feito em caráter experimental, seguindo resolução do CFM. A portaria fixa a faixa etária para o início da transexualização contemplada na rede pública, que prevê a idade mínima de 18 anos para o tratamento hormonal preparatório para a cirurgia de redesignação sexual. A terapia medicamentosa hormonal será mensalmente disponibilizada ao usuário durante os dois anos que antecedem a cirurgia. A decisão é vista como um avanço por Lúcio Flávio Gonzaga Silva, conselheiro federal suplente pelo Estado do Ceará, urologista e doutor em Cirurgia e autor do Parecer nº 8/13, que trata sobre terapia hormonal para adolescentes travestis e transexuais. O conselheiro destaca que há uma tendência mundial, pelos grandes centros especializados nesse campo de atenção à saúde, de diminuir a idade da intervenção. A portaria aponta nesta direção, em consonância com as atuais evidências científicas. Ademais, é bom destacar que obedece aos princípios técnicos e éticos elencados na Resolução CFM 1.955/10. Financiamento da saúde Conselheiros monitoram votações sobre recursos na Câmara e no Senado A Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o financiamento do setor rejeitou, em 12 de novembro, o relatório do deputado Rogério Carvalho (PT/SE). O parlamentar, relator da Medida Provisória do Mais Médicos, tentava ressuscitar a CPMF por meio da criação de Contribuição Social para a Saúde (CCS). Após rejeitar a criação do novo imposto, a comissão aprovou o voto em separado apresentado pelo deputado Geraldo Resende (PMDB/RS). A proposta de Geraldo Resende destina 18,7% da Receita Corrente Líquida (RCL) da União ao Sistema Único de Saúde (SUS) em 2018 percentual que deverá ser alcançado gradativamente: 15% em 2014; 16% em 2015; 17% em 2016; 18% em 2017 e 18,7% em Este percentual representa R$ 43 bilhões anuais para a saúde pública. O governo diz que não tem agora, mas pode ter em cinco anos, argumenta o presidente da Comissão Especial, deputado Madruga: a luta do CFM por mais recursos para a saúde não deve parar Darcísio Perondi (PMDB/RS). O Conselho Federal de Medicina (CFM) entende que o caos da saúde decorre do subfinanciamento do setor e defende mais recursos para a área, mas não à custa da criação de novo imposto. A votação na Comissão Especial foi acompanhada pelo conselheiro pela Paraíba Dalvélio Madruga, integrante da Comissão de Assuntos Parlamentares (CAP). Defendemos mais recursos, tanto que estamos na campanha pelos 10% das Receitas Correntes Brutas da União para a saúde, mas discordamos do aumento de impostos, daí porque não podíamos concordar com a criação da CCS, argumenta. O governo, no entanto, tem se esquivado dessa obrigação, constata o médico Wirlande Santos da Luz, ex-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de Roraima, que também acompanhou a reunião da Comissão Especial. Senado Na segunda semana de novembro, o plenário do Senado aprovou a Proposta de Emenda à Constituição 22A/2000, que além de criar o chamado Orçamento Impositivo garante mais recursos para a saúde, porém em percentuais menores do que o aprovado na Comissão Especial da Câmara. A proposta aprovada no Senado torna obrigatória a execução de emendas parlamentares ao Orçamento da União e cria um percentual de financiamento estável para a saúde pública por parte do Executivo. De acordo com a PEC, a União deve destinar 15% da RCL para a saúde hoje, destina cerca de 13%. Os 15% da RCL devem ser gradualmente atingidos após cinco anos. O percentual mínimo obrigatório será de 13,2% em 2014; 13,7% em 2015; 14,1% em 2016; 14,5% em 2017 e 15% em Para isso, serão computados os recursos das emendas parlamentares e dos royalties do petróleo. A emenda rejeitada determinava que a União teria que destinar à saúde, em quatro anos, 18% da RCL do Orçamento, também de forma escalonada: 15% em 2014; 16% em 2015; 17% em 2016 e 18% em Ou seja, os 15% que serão obrigatórios só em 2018 poderiam passar a valer já em Estivemos com o senador Cícero Lucena na semana em que a proposta foi votada e lamentamos a rejeição da emenda dele. Mas não vamos desistir de continuar lutando por mais recursos para a saúde. A situação atual não pode continuar, adianta Dalvélio Madruga. A Câmara dos Deputados também aprovou, em 20 de novembro, a Proposta de Emenda Constitucional 454/09, que cria a carreira de médico de Estado.

10 10 integração Saúde da Mulher e da Criança CFM recomenda uso de ácido fólico Documento orienta mulheres sobre as vantagens do consumo e pede ao governo medidas para estimular sua ingestão O Conselho Federal de Medicina (CFM) editou a Recomendação 1/2013, que orienta as mulheres a utilizarem o ácido fólico antes da concepção e nos três primeiros meses da gravidez. A medida atende solicitação da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), que tem realizado campanhas pelo uso da suplementação. Ressalte-se que o uso do ácido fólico reduz em até 75% o risco de máformação no tubo neural do feto e previne casos de anencefalia, paralisia de membros inferiores, incontinência urinária e intestinal, e de diferentes graus de retardo mental e dificuldades de aprendizagem escolar. A Febrasgo recomenda que as mulheres consumam uma suplementação de 400 microgramas de ácido fólico por dia um mês antes da gravidez e durante os três primeiros meses de gestação. O problema é que poucas mulheres usam o suplemento. Apesar de o Sistema Único de Saúde (SUS) ser obrigado a garantir a dose diária do suplemento para as grávidas, nem todas as unidades básicas de saúde, segundo a Febrasgo, têm ácido fólico para distribuir. Essa informação indignou os participantes da plenária. O valor do ácido fólico é baixo, cerca de R$ 3 nas farmácias, mesmo assim pode fazer falta em situações de extrema pobreza, daí porque o governo deveria garanti-lo, afirmou José Hiran Gallo, tesoureiro do CFM e conselheiro pelo Estado de Rondônia. Mulheres não têm hábito de ingerir a vitamina Gallo: acentua custo baixo Além da falta do suplemento na rede pública, a desinformação também tem levado as mulheres a não fazerem uso do ácido fólico. Pesquisa feita por Eduardo Borges da Fonseca presidente da Comissão Especializada em Medicina Fetal da Febrasgo e professor da Universidade Federal da Paraíba com 494 mulheres, entre usuárias de planos de saúde e do SUS, mostrou que 58% (286) delas engravidaram sem planejar e só 13,8% (68) receberam orientação e usaram ácido fólico no período. O levantamento também aponta que só 3,8% tomaram o suplemento na dose recomendada: 400 microgramas por dia. Os dados demonstram que as mulheres não conhecem os efeitos do ácido fólico. Quase 90% delas engravidaram sem utilizar a suplementação necessária. E não dá para dependermos apenas da alimentação, argumentou Eduardo Fonseca. Em 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a adição de 4,2mg de ferro e de 150mg de ácido fólico para cada 100g de farinha de trigo e de milho. De acordo com Eduardo Fonseca, pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco comprovou, no entanto, que essa suplementação não tem sido suficiente para evitar a má-formação do tubo neural dos fetos: Isso ocorre, na minha avaliação, porque a indústria não está fazendo a adição do suplemento na dosagem correta e o governo não está fiscalizando. Além de se destinar às mulheres, a recomendação do CFM também se destina aos médicos, para que falem com suas pacientes sobre a necessidade do suplemento. O Conselho também solicita que os órgãos públicos desenvolvam programas mais abrangentes de fortificações de alimentos e maior vigilância no seguimento desses programas. Substância pode impedir problemas neurológicos em bebês O ácido fólico é uma vitamina do complexo B que atua no processo de multiplicação das células e na formação de proteínas estruturais da hemoglobina. Sua forma natural, o folato, pode ser encontrada em vegetais de folhas verdeescuras, como couve, brócolis e espinafre, mas é mal absorvida pelo organismo. Por isso, a forma sintética (ácido fólico) é a alternativa mais eficaz e prática para a mulher. O uso do ácido fólico por, ao menos, 30 dias antes do início da gestação, continuando até o terceiro mês, reduz em cerca de 75% a ocorrência dos defeitos de fechamento do tubo neural. O tubo neural é a estrutura que dará origem ao sistema nervoso central do bebê, incluindo cérebro e coluna. No Brasil, atualmente, uma em cada crianças nasce com algum problema no tubo neural. Os mais comuns são espinha bífida (exposição dos nervos da medula espinhal) e anencefalia. Toda mulher que planeja engravidar deve usar o ácido fólico na dosagem recomendada. No caso das mulheres com história prévia de gestações de crianças com problemas no tubo neural, a dosagem recomendada é maior e é aconselhável que procurem um médico geneticista. Mulheres em idade reprodutiva precisam ser orientadas sobre os benefícios do ácido fólico e as gestantes devem ser desencorajadas a utilizar altas doses do suplemento. A Recomendação 1/2013 preconiza que o CFM encoraje os órgãos públicos a desenvolver programas mais abrangentes de fortificação de alimentos e maior vigilância no seguimento dos mesmos. Receita: as mulheres devem ingerir 400mg de ácido fólico por dia Giro médico Novo CPEP Corregedores e assessores jurídicos dos conselhos regionais de medicina (CRMs) e do CFM reuniram-se, no dia 7 de novembro, em Brasília (DF), para debater a aplicação do novo Código de Processo Ético-Profissional (CPEP). O I Encontro Nacional dos Corregedores e Assessores Jurídicos dos Conselhos de Medicina do Ano de 2013 reuniu representantes de todos os estados brasileiros, com vistas a elucidar as dúvidas sobre a aplicação do Código, buscando padronizar condutas para aprimorar a ação judicante dos conselhos. No encontro, o corregedor do CFM, José Fernando Maia Vinagre; o vice-corregedor, José Albertino Souza; o chefe do Setor Jurídico do CFM, Alejandro Bullón e a chefe do Setor de Processos do Conselho, Marzi Sgambato, responderam às dúvidas dos participantes que também partilharam as experiências vividas nos diferentes contextos brasileiros. Violência contra médicos Os médicos de Minas Gerais têm agora um importante aliado no combate à violência enfrentada nos postos de trabalho. O conselho regional de medicina local (CRM-MG) lançou o questionário online permanente do Observatório Estadual da Violência contra os Médicos, cujo objetivo é contextualizar o problema da violência e disponibilizar documentos de referência, além de partilhar experiências na abordagem do tema. Nos relatórios produzidos não constarão nomes ou outras formas pessoais de identificação dos médicos que colaborarem com a pesquisa. O projeto é coordenado pelo ex-presidente do CRM-MG, João Batista Gomes Soares, e pelo médico Hércules de Pinho segundo este, os dados da pesquisa serão compilados anualmente e subsidiarão as ações do conselho com relação à violência sofrida pelos médicos. Os interessados em efetivar alguma denúncia ou participar das ações do Observatório Estadual da Violência contra Médicos podem utilizar o acesso: Diálogo O Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM-MT) tem realizado encontros com os médicos do interior para verificar as dificuldades locais e apresentar o trabalho realizado pela entidade. Trata-se do programa Aconselhando, iniciativa que sempre conta com a presença de diretores, conselheiros e coordenadores de fiscalização do CFM.

11 integração 11 Avanços na Câmara recebem elogios Os anorexígenos são considerados importantes para tratar a obesidade A prescrição médica de anorexígenos para tratamento da obesidade pode ser garantida por lei. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou no mês de novembro, em caráter conclusivo, proposta que libera a produção e a venda sob prescrição médica em todo o país dos inibidores de apetite anfepramona, femproporex e mazindol. O projeto de lei (PL) 2.431/11, do deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), já havia passado pela Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) com emendas que garantiram o acréscimo da expressão sob prescrição médica à autorização para o consumo. O 1º secretário do Conselho Federal de Medicina (CFM), Desiré Carlos Callegari, avalia a mudança no texto como uma conquista para o tratamento da obesidade, considerado problema de saúde pública. De acordo com Callegari, o acréscimo do termo à lei poderá resgatar o consumo responsável dos inibidores de apetite: Temos certeza absoluta que as medicações prescritas por médicos, acompanhadas de dietas e exercícios, além do controle dos efeitos colaterais, colocam o tratamento da obesidade num caminho correto e seguro. As alterações foram acatadas pela CCJ e o texto seguiria para o Senado Federal. No entanto, o presidente da Comissão, deputado Décio Lima (PT-SC), pediu ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB- RN), que a discussão da matéria vá para o plenário. Desde o dia 27, foi aberto prazo para apresentação de recurso à Mesa Diretora da Casa. Inibidores de apetite Proibição da Anvisa O texto inicial da proposta pretendia revogar uma decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que, em 2011, baniu esses medicamentos do mercado. Quando da proibição, o CFM ingressou com uma Ação Civil Pública na Justiça Federal para contestar a medida. O processo aguarda sentença. Membro da Comissão Ações sociais Site ajuda luta contra sumiço de crianças Disponível em três idiomas (português, espanhol e inglês), o hotsite Médicos em resgate de crianças desaparecidas já pode ser alimentado por pessoas que estejam vivenciando este drama e queiram contar com mais uma ferramenta para divulgar fotos e dados que podem levar ao encontro do menor. O site permite o cadastro de novos casos e a verificação de informações de outras ocorrências a partir de características (idade, tipo físico, gênero etc). Vital: médicos podem ajudar sociedade além das questões clínicas Acesso: projeto que permite venda de anorexígenos pode facilitar o tratamento da obesidade mórbida no Brasil O cadastramento de informações pode ser feito mediante formulário com dados do responsável, da criança e das circunstâncias do desaparecimento. No espaço destinado à criança, deverão constar informações pessoais e foto. Outras orientações estão disponíveis no endereço www. criancasdesaparecidas.org. O 1º vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital, confia que a iniciativa tem condições de ajudar centenas de famílias. Para ele, o site demonstra o tipo de contribuição que os médicos podem dar à sociedade em temas que vão além das questões clínicas. Outro exemplo, desta vez coordenado pelo conselho regional e o Sindicato dos Médicos de Pernambuco, foi uma campanha na qual durante um mês foram angariadas doações de produtos de higiene pessoal e utensílios domésticos para os 81 idosos da Associação Filantrópica Nossa Senhora de Lourdes, localizado na comunidade Vila Tamandaré, no bairro de Peixinhos, em Olinda. A campanha está integrada à Comissão de Ações Sociais do CFM, por meio do Centro de Estudos Avançados do Cremepe (Ceac), com o propósito de fortalecer ações que promovam a responsabilidade social. de Implantação e Acompanhamento do Módulo do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC da Anvisa, Desiré Callegari ressalta a importância da autorização no país. As medicações anorexígenas ficaram por cerca de trinta anos no mercado brasileiro e, sob prescrição e controle médico, não produziram malefícios à população obesa. Pelo contrário, contribuí ram em muito ao tratamento dos obesos e suas complicações. Portanto, o resgate deste arsenal terapêutico é uma vitória dos pacientes e dos médicos, que poderão contar novamente com estes fármacos, além de contribuir para evitar o mercado paralelo, este sim deletério à saúde da nossa população. BMJ Learning Estudantes ganham acesso livre A British Medical Association (BMJ), empresa britânica responsável pela publicação do British Medical Journal, fornecerá aos estudantes brasileiros de áreas médicas acesso gratuito à ferramenta BMJ Learning, um serviço de e-learning da área da saúde. A ferramenta, a ser disponibilizada aos estudantes no período de 9 a 24 de dezembro, é utilizada por médicos formados no país como forma de atualização de conhecimento e treinamento e gratuitamente fornecida pelo Ministério da Saúde. O acesso pode ser feito pelo site da BMJ, que tem um destaque para médicos brasileiros, ou pelo Portal da Saúde do ministério. O BMJ Learning é um site de educação médica independente, criado por médicos para médicos, que oferece rápida maneira de autoavaliar e manter-se atualizado com os desenvolvimentos da medicina. Os módulos são escritos por especialistas, revisados por pares, e cobrem tanto tópicos clínicos quanto não clínicos. O serviço possui mais de 700 módulos online em 70 áreas de especialidade. Os estudantes, que estão com acesso gratuito, poderão se cadastrar pelo endereço bmj.com, pesquisando por palavras-chave. É também possível buscar uma condição conhecida clicando no link Procurar por especialidade. Fonte: Assessoria BMJ Agência EBC

12 12 Ética MÉdica Manifesto da Confemel Forma de uso de placebo é alvo de críticas Para entidades do continente, mudanças na Declaração de Helsinque contrariam princípios e valores éticos da medicina As entidades ligadas à Confederação Médica Latino-Americana e do Caribe (Confemel), dentre elas o Conselho Federal de Medicina (CFM), se declararam contrárias ao uso de placebo em pesquisas para doenças com tratamentos já comprovados. A prática foi mantida na nova redação dada em outubro à Declaração de Helsinque (DH), um conjunto de princípios éticos indicados pela Associação Médica Mundial nas pesquisas com seres humanos. A posição contrária foi aprovada na XVI Assembleia Geral da Confemel, realizada entre os dias 20 e 23 de novembro. Na ocasião, entidades médicas de 14 países formalizaram este entendimento na Declaração de Pachuca em referência à cidade de Pachuca, onde foi realizado o encontro, no estado mexicano de Hidalgo. De acordo com a Confemel, apesar dos esforços empreendidos junto ao grupo de trabalho que revisou a DH, o documento manteve a permissão do uso de placebo em pesquisas para doenças com tratamentos já comprovados, contrariando princípios e valores da profissão. A nova resolução não fez mudanças no que diz respeito ao seu con- CFM homenageia Luiz Nódgi Vulnerabilidade: mudanças expõem população a situações de risco teúdo, mas apenas alterações para uma abordagem mais sistemática quanto ao uso de placebos, incluindo no texto o uso de intervenções menos eficazes. As populações pobres e vulneráveis, discriminadas pela falta de recursos, não podem ser submetidas à investigação biomédica que apresentem níveis de segurança inferiores aos aplicados às sociedades mais desenvolvidas, aponta um trecho da Declaração de Pachuca. A Confederação propõe que os governos não autorizem ou financiem drogas que usam placebo quando existem melhores intervenções comprovadas. No Brasil, a Resolução CFM 1.885/08 restringe o uso de placebo, considerando não ética a participação de médicos em ensaios que proponham sua utilização quando existe tratamento eficaz. Outro ponto criticado é o item 28 da DH, que trata do consentimento informado. Entende-se que se comprometeu o princípio ético do consentimento e a realidade jurídica do mesmo, não garantindo o respeito aos princípios e direitos fundamentais como os da dignidade, liberdade e privacidade dos seres humanos, aponta a Confemel. Declaração passa por 7ª revisão Gratidão: parentes agradeceram apoio a conselheiro falecido O plenário do Conselho Federal de Medicina (CFM) prestou homenagem ao cardiologista Luiz Nódgi Nogueira Filho, conselheiro pelo Estado do Piauí desde 1973, que em 5 de setembro último faleceu aos 71 anos em decorrência de problemas coronários. Cumprindo seu terceiro mandato consecutivo como representante do CRM-PI, Nódgi era formado pela Faculdade Nacional de Medicina (atual UFRJ) e, adicionalmente, professor da Universidade Federal do Piauí, fundador da Academia Piauiense de Medicina e membro da maçonaria. A homenagem contou com a participação de sua viúva, Conceição Nogueira, que ressaltou o apoio recebido do CFM nas duas vezes em que o marido precisou ser internado em São Paulo para cuidar da saúde em 2001 e agora, em 2013, quando não resistiu às complicações: Todos vocês foram muito atenciosos com relação ao seu estado de saúde desde o início, intensificando o apoio em todos os momentos em que ele lutava contra a doença. Câmara 2 Como parte da homenagem, a Câmara 2 do CFM passa a se chamar Dr. Luiz Nódgi. Com essa homenagem, queremos deixar gravado o nosso agradecimento a tudo o que o Nódgi fez pelo fortalecimento do CFM e da classe médica, afirmou Roberto d Avila. Mesmo com a saúde debilitada, Nódgi trabalhava em um projeto de pesquisa que tinha como tema Estratégias empregadas por médicos para comunicar má notícia: elaboração de uma medida e seus correlatos existenciais. Também era aluno do curso de doutorado em Bioética pela Universidade do Porto (Portugal). Exercia, na prática, um de seus pensamentos favoritos: A vida é um caminho. O caminho não foi aberto para a indolência e para a ociosidade, mas para o movimento, que tem o endereço da eternidade citado por Conceição Nogueira no início da cerimônia. Nódgi: "A vida é um caminho" A Declaração de Helsinque foi promulgada pela Associação Médica Mundial (AMM) em 1964 e desde então é considerada um dos principais documentos internacionais de ética em pesquisa envolvendo seres humanos. Passou por constantes atualizações de seus princípios (1975, 1983, 1989, 1996, 2000, 2008), sendo a última delas aprovada em 18 de outubro de 2013, data em que se comemora o Dia do Médico, durante a Assembleia Geral da AMM, que ocorreu na cidade de Fortaleza, no Ceará. Antes de ser aprovada, a revisão passou por algumas consultas às associações médicas mundiais e três conferências: Rotterdam (junho de 2012), Cape Town (dezembro de 2012) e Tóquio (fevereiro de 2013). Na sequência, nova consulta pública foi realizada (abril a junho de 2013), originando 129 comentários e novo encontro de especialistas e interessados na DH em Washington (agosto de 2013). Apesar de quase dois anos de debates, não foram encontradas a participação de associações de defesa dos interesses dos pacientes. O documento conclama as responsabilidades da missão do médico e busca diferenciar a pesquisa médica que tem como objetivo essencial o diagnóstico ou a terapia para um paciente, da pesquisa médica puramente científica e sem valor diagnóstico ou terapêutico para a pessoa sujeita à pesquisa. A íntegra da Declaração de Helsinque (em inglês) pode ser acessada em Documento defende diploma obrigatório A XVI Assembleia Anual Ordinária da Confederação Médica Latino- Americana e do Caribe (Confemel) também aprovou por unanimidade o apoio ao diploma médico obrigatório. Durante o evento, foram apresentadas realidades diferentes nas relações de trabalho e nas atividades médicas. Em vários países, a validação do diploma é exigida, norma que, no Brasil, vem sendo deixada de lado pelo governo federal desde a criação do programa Mais Médicos. Acreditamos que o licenciamento médico universal e obrigatório fornece garantias máximas para uma prática médica independente, autorregulada e validada ética e deontologicamente por seus pares, aponta documento de apoio elaborado.

FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CFM estabelece regras mínimas para os serviços de assistência médica

FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CFM estabelece regras mínimas para os serviços de assistência médica FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CFM estabelece regras mínimas para os serviços de assistência médica Pela Resolução 2.056/2013, publicada nesta terça-feira (12) no Diário Oficial da União, fica estabelecida

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Mais de um terço dos intercambistas do Programa Mais Médicos ou 35,7% deles - nunca teve contato com seu tutor,

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

No referido termo de ajuste é possível verificar as atribuições das partes, o valor a ser despendido, metas pretendidas e as obrigações recíprocas.

No referido termo de ajuste é possível verificar as atribuições das partes, o valor a ser despendido, metas pretendidas e as obrigações recíprocas. EMENTA: ANÁLISE TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE A UNIÃO (MINISTÉRIO DA SAÚDE E FUNDO NACIONAL DE SAÚDE) E A ORGANIZAÇÃO PAN- AMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE PROGRAMA MAIS MÉDICOS, TENDO

Leia mais

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica Em 8 de julho de 2013, entrou em vigor no sistema jurídico posto a Medida Provisória 621 Mais Médicos - com a finalidade de formar recursos humanos na área médica

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 (Publicado no D.O.U. de 17 dez 2014, Seção I, p. 157-158) Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009,

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conversando sobre Auditoria do SUS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conversando sobre Auditoria do SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE Conversando sobre Auditoria do SUS Brasília - DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE CONVERSANDO SOBRE AUDITORIA DO SUS SÉRIE F. COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE BRASÍLIA - DF 2011 2011 Ministério

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR

UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR UNIOESTE -Universidade Estadual do Oeste do Paraná 2º PSS - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NÍVEL SUPERIOR Candidato: inscrição - nome do candidato Opção: código - nome / turno - cidade Local de Prova:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO 1 O DILEMA DOS GESTORES NECESSIDADES CRESCENTES RECURSOS LIMITADOS O DESAFIO DA GESTÃO SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Condições crônicas MODELO DE ATENÇÃO Condições agudas 3 Um sistema formador complexo

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.772/2005 (Publicada no D.O.U. de 12.08.2005, Seção I, p. 141-142) Revogada pela Resolução CFM nº 1984/2012 Institui o Certificado de Atualização Profissional

Leia mais

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios...

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios... Page 1 of 8 Diário do Congresso Os Bastidores do Poder On-line Os Bastidores do Poder On-line Capa Senado Câmara Entrevistas Artigos Blogs Opinião Partidos Políticos Pesquise no DC 1ª Página Jornais 1ª

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS Informações enviadas pelos CRESS: 1ª. PA; 2ª. MA; 5ª. BA; 6ª.-MG; 7ª. RJ; 10ª. RS; 11ª. PR; 12ª-SC; 13ª.

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Segurança proíbe depósitos de terceiros em contas de presidiários

CÂMARA DOS DEPUTADOS Segurança proíbe depósitos de terceiros em contas de presidiários ASSESSORIA PARLAMENTAR INFORMATIVO 14 DE NOVEMBRO DE 2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS Segurança proíbe depósitos de terceiros em contas de presidiários A intenção é evitar que condenados usem essas contas para

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

controvérsia ju dicialização DEVE O MÉDICO SE PREOCUPAR COM EVENTUAIS IMPACTOS MILIONÁRIOS QUE SUA DECISÃO PODE GERAR?

controvérsia ju dicialização DEVE O MÉDICO SE PREOCUPAR COM EVENTUAIS IMPACTOS MILIONÁRIOS QUE SUA DECISÃO PODE GERAR? ju dicialização controvérsia DEVE O MÉDICO SE PREOCUPAR COM EVENTUAIS IMPACTOS MILIONÁRIOS QUE SUA DECISÃO PODE GERAR? QUAIS OS LIMITES DA INTERMEDIAÇÃO DO MÉDICO ENTRE O INTERESSE DO PACIENTE E O DA INDÚSTRIA?

Leia mais

RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO

RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO A preservação dos processos da Justiça do Trabalho é, portanto, uma necessidade e um dever. Responsáveis pela produção e

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto O trabalho da Rede Parto do Princípio Enfª Marisol Figueiredo Almeida Bacharel em enfermagem UCB Pós Graduanda em atenção integral à saúde materno-infantil

Leia mais

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS AYRES DE ALMEIDA SILVA FILHO EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando O CFF e os CRFs estão implantando uma nova filosofia para a fiscalização farmacêutica. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. O Presidente

Leia mais

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br

Mídia Impressa Anuários ConJur. Consultor Jurídico. conjur.com.br Mídia Impressa s ConJur Consultor Jurídico Apresentação 03 Brasil Brazil Justice Yearbook do Trabalho Federal Rio de Janeiro 04 05 06 07 08 ão Paulo 09 Especificações e calendário 10 Contato 11 www. ConJur

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA Pronunciamento da deputada Alice Portugal (PcdoB/BA) na sessão da Câmara dos Deputados do dia 14 de dezembro de 2005, em protesto contra a transferência da Superintendência Regional do INSS/Nordeste de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 *****

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Dispõe sobre o exercício profissional e os programas de pós-graduação no Brasil do médico estrangeiro e do médico

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL Por Profa.Dra. Cyllene de M.OC de Souza Dra em Ciência e Tecnologia de Alimentos (UFRRJ), Mestre em Vigilância Sanitária (INCQS-FIOCRUZ) Supervisora

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 9 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 07/04/2014. Aos sete dias do mês de abril do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA INTRODUÇÃO Serviço oferecido a gestante onde o obstetra fica a disposição durante o pré-natal

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADA NA COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS EM 28 DE JUNHO DE 2006 PARA INSTRUIR O PROJETO DE LEI DO SENADO Nº25, DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE O

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30.

ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30. ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30. Presentes:- Bruno Luis Lima de Carvalho, Murilo Lemos

Leia mais

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos RADIOGRAFIA DO ENSINO MÉDICO No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos Do início de 2003 a 2015, a quantidade de cursos particulares de Medicina

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP Processo nº 19.070-5/2014 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto conceito e a estrutura da referência do sistema de controle interno dos fiscalizados, bem como estabelece a competência

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados Frente Parlamentar em Defesa dos Conselheiros Tutelares é reinstalada na Câmara dos Deputados Com o objetivo de discutir e acompanhar as demandas dos Conselhos Tutelares na Câmara dos Deputados, foi reinstalada

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO RESUMO GERAL: A qualidade do serviço de atendimento ao público, no contexto da realidade brasileira, tanto no âmbito estatal

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras.

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Ao longo do mês Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Merece destaque também a ação da Polícia Federal e Força Nacional nos Estados e Municípios onde ocorreram mortes

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Índice. Do Objetivo... pág. 04. Dos Princípios e Valores... pág. 04. Do Conflito de Interesses... pág. 09. Das Disposições Finais... pág.

Índice. Do Objetivo... pág. 04. Dos Princípios e Valores... pág. 04. Do Conflito de Interesses... pág. 09. Das Disposições Finais... pág. Código de Ética O Código de Ética da FACEB foi idealizado com o intuito de orientar a conduta profissional de todos os colaboradores da Fundação, bem como conselheiros, dirigentes, estagiários e prestadores

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA

APRESENTAÇÃO DIRETORIA APRESENTAÇÃO Com mais de 50 anos de dedicação á SAÚDE, o Hospital São Marcos se tornou referência no assunto. Aliamos a vanguarda tecnológica com a tradição do maior e melhor corpo de profissionais do

Leia mais

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA MARÇO/2015 Brasília - DF A KUSER S/A APRESENTA LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CORRETORES DE IMÓVEIS, IMOBILIÁRIAS E DEMAIS

Leia mais

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social 2016 Edital Fundo Fale Sem Medo Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social Dezembro, 2015 Fundo Fale Sem Medo Resultado da parceria entre o Instituto Avon e o ELAS Fundo de Investimento Social, o

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25 Planejamento Estratégico GT Educação 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 26 INTRODUÇÃO O tema e nome do Grupo do Trabalho: Educação A educação

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia CREMEB III Fórum de Publicidade Médica 24 de agosto de 2012 Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia CREMEB Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense 1 Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Rio de Janeiro, em 12 de maio de 2014. Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais