SARCASMO EM GREGÓRIO DE MATTOS E GUERRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SARCASMO EM GREGÓRIO DE MATTOS E GUERRA"

Transcrição

1 SARCASMO EM GREGÓRIO DE MATTOS E GUERRA Jerusa Helena Furtado Rodrigues * Dionísio Pedro da Silveira ** RESUMO Considerando a importância de Gregório de Mattos, este trabalho teve como objetivo analisar o sarcasmo em seus poemas satíricos. Esta atividade descreveu a técnica, a riqueza verbal, a imaginação e a independência que marcaram, com força, a sátira do autor baiano. Encontra-se, no conjunto da obra de Gregório de Mattos, um retrato claro e escuro, numa antítese tipicamente barroca. A obra desse autor esteve totalmente esquecida ao longo do século XVIII. Há poucas décadas, tornou-se plenamente conhecida com a organização de poemas feita por James Amado, em E esse tema torna-se atual na medida em que o panorama político-social do país ganha novos personagens e novos contextos históricos. As obras de João Adolfo Hansen e Haroldo de Campos tornaram este estudo mais elaborado, permitindo maior compreensão e enriquecendo a qualidade desta pesquisa bibliográfica. PALAVRAS-CHAVE: Barroco, sarcasmo, poemas,gregório de Mattos. ABSTRACT Considering Gregório de Mattos s importance, this work had the objective to analyse the sarcasm in his satirics poems. This activity described the technic, the verbal riches, the imagination and the independence that strongly determined, the native from Bahia author s satire. We can find in the whole Gregório de Mattos s work, a white and obscure portrait, of the typically baroque antithesis. This author s activity has been totally forgotten along the XVIII century. A few decades ago it, turned fully well-known by the organization of the poems done by James Amado, in And this issue becomes present in the dimension that the social political environment in the country to acquire new characters and new historicals contexts. João Adolfo Hansen s and Haroldo de Campos s activities turned this study more elaborated, allowing higher compreension and enriching the quality of the search. KEY-WORDS: Baroque, sarcasm, poems,gregório de Mattos. 1 INTRODUÇÃO Gregório de Mattos foi o nosso primeiro grande malandro e o maior poeta do Barroco brasileiro. Além de criticar toda a sociedade da época, políticos e religiosos, o poeta baiano manejou um vocabulário acessível e popular. Convivem em seus poemas o mais desenfreado sensualismo e erotismo com a paixão idealizada, a mais furiosa má vontade e um indisfarçável racismo.

2 Este trabalho teve como objetivo estudar a importância deste autor, dando enfoque ao sarcasmo e à irreverência que ele usou para ridicularizar muitas pessoas da época. O conjunto da obra satírica atribuída a Gregório de Mattos delineia o horizonte a partir do qual vão se desenvolver recursos e alternativas para um futuro projeto literário brasileiro. A confluência entre a forma ambígua e descontraída de sua sátira e determinados procedimentos estéticos, implicados na emergência de um sistema intelectual brasileiro, justifica, sem dúvida, a atualidade desta tarefa. E justamente pela amplitude do raio de influências que forjou e pelo caráter contraditório de sua mística, que a figura de Gregório de Mattos e Guerra pode ser tomada como o pioneiro perfil, tenso e dividido do intelectual brasileiro. Baiano, filho da aristocracia latifundiária, formado em Direito por Coimbra, começa, no nível da própria peripécia individual, a confirmar a histórica esquizofrenia do letrado brasileiro: visceralmente filho da terra, culturalmente seduzido pela metrópole, mãe e estrangeira. Sua obra como via de mão dupla reitera o ambivalente convívio entre a formação cosmopolita e a circunstância brasileira. Assim, a estruturação dramática e contraditória da forma humorística, historicamente voltada para a problematização do contrastante e do dúbio na convivência humana, vai ajustar-se, sobremaneira, à captação crítica de uma fala cultural brasileira. E isto porque, cravada num torvelinho de múltiplas influências, a sociedade local foi-se estruturando pela mescla, no convívio dissonante entre a tradição do colonizador, os costumes do seu escravo e o perfil díspar e estranhado do índio, o dono da terra. A sátira, porque muito afinada ao caráter lúdico, à inclinação popular e ao empenho problematizador característicos da crise do homem pós-renascentista, vai assumir, na obra de Gregório, o comando de sua vertente barroca. Em contrapartida, a literatura séria, supervalorizada pela tradição cultural, a comédia, muitas vezes, fica relegada a segundo plano. Isto pode estar ligado ao fato de a Poética de Aristóteles ter chegado incompleta aos nossos dias. A parte que restou trata mais especificamente da tragédia. Acredita-se que a parte do que se perdeu seria da comédia. As formas cômicas, porque mais permeáveis às influências das festas e dos ritos populares, vão apresentar uma visão de mundo mais

3 relativizada e saudavelmente transgressora diante dos padrões de comportamento consagrada pelo poder oficial. Sendo assim, toda esta reflexão sobre sátira e humor teve como objetivo mostrar a importância de Gregório de Mattos e Guerra, enfocando a irreverência e o sarcasmo que foi usado por ele, para ridicularizar, criticar e denunciar as pessoas de sua época. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, prioritariamente da biografia, com sustentação teórica básica da psicologia e fundamentos da história brasileira. Foram feitas revisões e comparações, selecionando-se alguns dados. Alguns autores contribuíram de forma gratificante para a realização deste trabalho, dois dos quais com mais conteúdo, como: Haroldo de Campos e João Adolfo Hansen. Esta pesquisa tornou-se relevante no meio acadêmico, uma vez que a fortuna crítica acerca de Gregório é escassa e se limita aos grandes centros universitários, limitando o acesso dos que desejam conhecer melhor este grande expoente do barroco brasileiro. SÁTIRA COMÉDIA - HUMOR A sátira age sobretudo pela deformação caricatural daquilo que se pretende atacar ou desmoralizar, mas comporta matizes diversos e não é necessariamente destrutiva. Contém, com freqüência, uma intenção reformadora, porque o conceito de sátira está ligado ao sentimento de indignação e à vontade de moralizar os costumes. Como elemento motivador da sátira, distingue-se o senso do ridículo, que é a percepção do lado cômico de personagens, situações e idéias. Sátira é a composição literária que visa a ridicularizar ou censurar com humor atitudes consideradas viciosas. Na origem, foi um gênero literário fixo, determinado pela estrutura em versos. Estabeleceu-se desse modo na literatura latina, com ampla repercussão nos classicismos que vigoraram na Europa entre o Renascimento e o século XVIII. A partir do Romantismo, a sátira desvinculou-se para sempre da tradição romana que lhe atribuía forma específica. Desde então, obras diversas do ponto de vista formal podem ser satíricas. Nesse sentido, a sátira passou a ser sobretudo uma atitude de combate assumida por escritores.

4 Do nascimento ao apogeu, em Roma, como invectiva e ataque pessoal, a sátira já está em essência nos epigramas de poetas gregos como Arquíloco, Simônides e Hipônax. Mas só com as comédias de Aristófanes, em que a percepção do ridículo se tornou mais profunda, os objetivos da sátira enquanto crítica de costumes se tornaram mais evidentes. Não obstante o espírito satírico ter nascido na Grécia, o gênero sátira é de invenção romana. Os sátiros são criaturas cujo corpo era parte humana e parte animal,que aparecem na mitologia de inúmeras culturas. Entre elas estão os sátiros e silenos da mitologia grega, e os faunos, seus correspondentes entre os romanos. Sátiros, na mitologia grega, eram divindades dos bosques, montanhas e regiões agrestes, representados como homens-bodes ou homens-cavalos. Tinham uma longa cauda e o pênis em permanente ereção. Perseguiam as ninfas e as mênades, movidos por desejo sexual insaciável. No período clássico, estavam intimamente associados ao culto a Dionísio. Sileno filho do deus Pã na versão mais freqüente, além de pai dos sátiros e educador de Dionísio era representado como um velho grotesco e sempre bêbado, porém sábio. Com o tempo, o termo sileno passou a designar os sátiros velhos. Personificações da vitalidade animal, os satíricos se distinguiam pela impulsividade, a luxúria e o amor à dança e ao vinho. Tais características determinaram a denominação científica de satiríase para a compulsão sexual masculina. A arte grega imortalizou os sátiros como participantes dos cortejos de Dionísio, nos quais dançavam e tocavam flautas ou se entregavam à perseguição de ninfas. A partir do século IV a.c., o escultor Praxíteles criou um novo modelo de sátiro, jovem e esbelto, que conservava apenas vagos traços animais. Nos festivais atenienses dedicados a Dionísio, três tragédias eram seguidas de uma peça dita satírica, em que os integrantes do coro se disfarçavam de sátiros. Os pintores renascentistas e barrocos pintaram inúmeros sátiros e faunos. O sentimento cômico do mundo, ao conceber a existência enquanto permanente metamorfose, mudança em processo, abandona as excludentes certezas da sociedade institucional e elege a dispersão de limites como determinativa possível. Daí a mistura, a efusiva conciliação entre vida/morte, princípio/fim, sagrado/profano, sublime/grotesco. Daí a recusa à visão absolutista e excludente do mundo, como conjunto hierárquico de seres e valores resolvidos, inerente ao centro

5 oficial do poder. Por isso, a tradição subversiva do discurso humorístico por vias oblíquas e, muitas vezes, pouco dissimuladas, de um lado convive com a fala institucional, e de outro, engendra sua própria contestação, pelo burlesco arremedo da impostura consagrada. Procurando apontar, primeiramente, os traços característicos do cômico, atenhamo-nos ao trabalho de BERGSON (1980), que o entende como uma prerrogativa do homem, já que decorrente de uma operação intelectual, que exige uma insensibilidade total do mesmo e uma cumplicidade entre receptor e emissor. O pioneiro traço significa que o homem é o único animal que ri e que faz rir, idéia já defendida por TCHRNICHEVSKI, (apud BERGSON,(1980)), que assim a expressará: Na natureza inorgânica e vegetal não há lugar para o cômico. Isto significa que, quando rimos de algum animal ou de algum objeto, é porque estabelecemos alguma semelhança entre eles e nós mesmos, semelhança essa de caráter físico, comportamental ou gestual. Não é à toa, pois, que as empresas circenses procuram garantir maior público (e conseqüentemente maior sucesso financeiro), explorando animais, transvestindo-os de humanos em aparências e atos, e obtendo, com isso, o riso da platéia. Estudos como o de BERGSON, que se ancoraram na teoria da comunicação, deixam claro que a produção humorística satírica exige cumplicidade do receptor com o emissor, num sinal tácito do acordo que nasce dentro de um sistema de interrelação sócio-cultural. Esse acordo costuma assumir um caráter intragrupal, conforme nos ilustram situações em que um determinado grupo (social, profissional, etário, etc.), costuma rir do que lhe foge à regra, como forma de rejeição. Sintetizando, segundo BERGSON (1980), O cômico surgirá quando homens reunidos em um grupo dirigirem sua atenção a um deles, calando a sensibilidade e exercendo tão só a inteligência. Tido como um dos primeiros a desenvolver estudos nessa área, FREUD (1905) faz uma leitura psicológica do processo de redução de chistes. Segundo ele, certas expressões cruas, ou quase cruas, de tendências agressivas ou obscenas são peculiarmente aptas a restrições ou repressões. Descobrindo que pode brincar com as palavras e valendo-se de certa dose de inteligência e senso de oportunidade, o ser humano se vê licenciado para manifestar, de forma mais ou menos camuflada, os maiores absurdos, vencendo assim as amarras sociais que o reprimem.

6 Pelo que se pode perceber, para esse autor, o sarcasmo compreende uma tarefa de buscar, em um discurso a princípio dúbio, o reconhecimento do familiar, do participado, ou seja, do que é passível de proporcionar uma sensação de conforto e prazer. Por isso mesmo, costuma-se afirmar que o efeito da sátira é provocar o riso pelo riso, idéia essa aqui questionável, uma vez que raríssimas vezes isto se observa. Seria até mesmo difícil conceber a sátira exclusivamente com esse fim, já que nos acostumamos a vê-la empregada como arma de sarcasmo, de crítica, de denúncia contra hábitos, costumes, personalidades e instituições. Outro resultado apontado na literatura é de natureza psicológica. O ato satírico é visto como provocador de catarse, ou seja, como um liberador de algum sentimento interior reprimido. Analisando-o à luz de sua teoria psicanalítica, FREUD (1977) mostra que o humor não é mera resignação, mas uma vitória do princípio do prazer. A sua tese, nesse sentido, pode ser assim sintetizada: forçado a submeter suas tendências de prazer às exigências da realidade, o ego volta as costas a esta e usufrui, sem culpa e sem inibições, de uma experiência narcisista. Essa vitória dá ao ego aparentemente invulnerável, uma sensação de força, que acaba suscitando o riso ou simples sorriso. Também para PEREIRA, apud SPINA (1968), a sátira é uma das formas de realização catártica de nossa existência limitada, que serve para liberar uma série de anseios, através da sensação de agrado. Essa liberação, no caso, é feita através de algo não sério, que, no dizer de POSSENTI, apud CAMPOS (2000), serve de veículo de um discurso proibido, subterrâneo, não oficial. Contudo, é bom lembrar que há momentos em que esse tipo de liberação sofre restrições, como ocorre, por exemplo, com o sarcasmo de cunho pornográfico. Uma evidência disto é que as piadas voltadas para temas sexuais costumam se restringir a determinados ambientes e ouvintes. Outra função da sátira, apontada pelos mais diversos autores, é a arma de denúncia, de crítica a valores e comportamentos prescritos pela sociedade, que se busca derrubar, no intuito do estabelecimento de uma nova ordem. Melhor dizendo, a sátira põe a nu o ser humano, revelando-lhe os defeitos, às custas do riso. Vê-se, pois, que se trata de um estratagema que pode ir além de uma simples crítica, quando

7 visa à correção de nossos desvios, constituindo-se, portanto, num instrumento de denúncia e de busca de transformação social. Nesse quadro é a face positiva da sátira que costuma ser ressaltada pelos estudiosos, que a consideram uma desmontadora de falsos equilíbrios, ou seja, uma operação séria que desmascara, de um modo agradável, nossos defeitos individuais e sociais. Sátira em Gregório de Mattos E é com o estilo satírico que desenvolveremos um estudo mais direcionado na dicção de Gregório de Mattos. Uma particularidade do gênero satírico está em poder aparecer tanto na poesia quanto na prosa. Supõe-se a sátira o enfraquecimento dos laços sociais é o ocaso da moral; é uma maneira de instruir por demais violenta para existir em tempos regulares. O conjunto da obra satírica atribuída a Gregório de Mattos delineia o horizonte a partir do qual vão-se desenvolver recursos e alternativas para um futuro projeto literário brasileiro. Esta maneira de pensar influenciou Haroldo de Campos, pois ao contrário de Antônio Cândido, que acreditava não ter Gregório de Mattos nenhuma influência e nenhuma contribuição para a formação do nosso sistema literário. Campos entende que Gregório de Mattos foi o começo, o início do barroco brasileiro. Mesmo não existindo numa perspectiva histórica, ele foi fonte dessa mesma história. É necessário um começo na literatura de um povo. E a nossa não é um galho secundário da portuguesa. Nessa aparente contradição entre presença poética e ausência histórica, Campos faz de Gregório de Mattos uma espécie de demiurgo retrospectivo, abolido do passado para melhor ativar o futuro. Assim também pensou PARENTE CUNHA, apud SPINA (1968): Gregório de Mattos e Guerra oferece um dos mais intrigantes, senão os mais apaixonantes da literatura brasileira, dos seus primórdios até nossos dias, fascínio exercido pela individualidade artística, impetuosa e multifacetada, e pela figura pessoal irreverente e desaforada. O primeiro escritor brasileiro verdadeiramente autônomo selou o cenário artístico colonial graças à imprevisibilidade do talento e a exorbitância do riso, ambos ilimitados. Gregório pretendia, através da sátira, manifestar explicitamente o funcionamento do discurso do poder: uma cadeia de elos que circulam e que exercem

8 em rede sobre os indivíduos, mas passando também entre eles. A clássica interpretação de que o poder é uma forma de opressão que exerce de fora é desmentida por CAMPOS (2000). Similarmente, OLIVEIRA (1963) diz: Ora, esse poeta foi um grande poeta, seja na poesia religiosa, seja na sátira de costumes, seja mesmo nas composições mais declaradamente obscenas. Em qualquer das categorias é um poeta desigual, com tantos outros grandes poetas; mas nos momentos de inspiração compara-se com qualquer dos maiores. É justamente esta vocação ambígua que, ao inspirar o feitio da sátira de Gregório, vai transformá-lo no modelo acabado de libertino diante do poder colonial, no Brasil seiscentista. Já no olhar de ROMERO, citado por SPINA (1968): Se alguém no Brasil pudesse conferir o título de fundador da nossa literatura, esse deveria ser Gregório de Mattos e Guerra. Foi filho do país, teve mais talento poético do que Anchieta, foi mais do povo, foi mais desabusado, mais mundano, produziu mais e num sentido mais nacional. Esse poeta foi um poeta formador, adúltero, licencioso, é o delator puritano das ligações perigosas. Contribuiu pioneiramente para que possamos pensar esse paradigma, não dogmático, não verocêntrico. ANÁLISE CRÍTICA DE ALGUNS POEMAS Ao poeta barroco nada repugna mais que a inovação, sendo a sua invenção antes uma arte combinatória de elementos coletivizados que, propriamente, expressão individual original, representação naturalista do contexto, ruptura estética com a tradição, etc.. Entre tais elementos, a obscenidade está prevista num sistema de tópicos, articulando-se retórica e política nos poemas segundo temas e recepção. Categorias como malandragem, sodomia, plágio, imoralidade, adultério, inveja, racismo, realismo, furto, repúdio, celibato, libertinagem, promiscuidade, todos esses temas foram abordados nos sonetos de Gregório de Mattos e alguns sonetos abrangem mais de um tema. Por isso, tais elementos serão apontados e analisados nos poemas que se seguem.

9 Análise Crítica Soneto 1 Temas: Racismo, inveja, libertinagem, promiscuidade A cada canto um grande conselheiro, Que nos quer governar cabana e vinha, Não sabem governar na sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro. Em cada porta um freqüentado olheiro, Que a vida do vizinho, e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita, e esquadrinha, Para levar à Praça, e ao Terreiro. Muitos mulatos desavergonhados, Trazidos pelos pés os homens nobres, Postas nas palmas toda a picardia. Estupendas usuras nos mercados, Todos os que não furtam, muito pobres, E eis aqui a cidade da Bahia. (DIAS, Ângela Maria. Gregório de Mattos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1988, p.10-16). Torna a definir o poeta os maus modos de obrar na governança da Bahia, principalmente naquela universal fome, que padecia a cidade. Epílogos Que falta nesta cidade?...verdade Que mais por sua desonra... Honra Falta mais que se lhe ponha... Vergonha O demo a viver se exponha, Por mais que a fama a exalta, Numa cidade, onde falta Verdade, Honra, Vergonha. Quem a pôs neste socrócio?... Negócio Quem causa tal perdição?... Ambição E o maior desta loucura?... Usura Notável desaventura De um povo néscio e sandeu, Que não sabe, que o perdeu Negócio, Ambição, Usura. Quais são os teus doces objetos?... Pretos Tem outros bens mais maciços?... Mestiços Quais destes lhe são mais gratos?... Mulatos Dou ao demo os insensatos,

10 Dou ao demo a gente asnal, Que estima por cabedal Pretos, Mestiços, Mulatos Quem faz os círios mesquinhos?... Meirinhos Quem faz as farinhas tardas?... Guardas Quem as tem nos aposentos?... Sargentos Os círios lá vêm aos centos, E a terra fica esfaimando, Porque os vãos atravessando Meirinhos, Guardas, Sargentos. E que justiça a resguarda?... Bastarda É grátis distribuída?... Vendida Que tem, que a todos assusta?... Injusta Valha-nos Deus, o que custa, O que El-Rei nos dá de graça, Que anda a justiça na praça Bastarda, Vendida, Injusta Que vai pela clerezia?... Simonia E pelos membros da Igreja?... Inveja Cuidei, que mais se lhe punha?... Unha Sazonada caramunha! Enfim que na Santa Sé O que se pratica é Simonia, Inveja, Unha E nos Frades há manqueiras?... Freiras Em que ocupam os serões?... Sermões Não se ocupam em disputas?... Putas Com palavras dissolutas Me concluís na verdade, Que as lidas todas de um Frade São Freiras, Sermões e Putas. O açúcar já se acabou?... Baixou E o dinheiro se extinguiu?... Subiu Logo já convalesceu?... Morreu À Bahia aconteceu O que a um doente acontece Cai na cama, o mal lhe cresce, Baixou, Subiu e Morreu. A Câmara não acode?... Não pode Pois não tem todo o poder?... Não quer É que o governo a convence... Não vence Quem haverá que tal pense,

11 Que uma Câmara tão nobre Por ver-se mísera, e pobre Não pode, não quer, não vence. (DIAS, Ângela Maria. Gregório de Mattos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1988, p.10-16). Neste poema, há uma crítica óbvia à promiscuidade, à incompetência e à desonestidade. Por meio de falsas perguntas, para as quais o poeta oferece respostas, Gregório vai decompondo o interior da organização social. Neste tema, o mundo presente é insatisfatório, corroído pela inversão de valores. O honesto é pobre; o ocioso triunfa; o incompetente manda. Essa atitude idealiza o passado, tido como perfeito e harmônico, e recusa as contradições do presente. É uma perspectiva conservadora. O racismo e a libertinagem são representados de maneira inversa; o racismo pela ascenção do negro; e a libertinagem pelo declínio do clero. Na sátira de Gregório, os termos negros, mulata, puta mestiços etc, aplicam-se também como metáforas estereotipadas, como caracterização pejorativa e insulto. Análise Crítica Soneto 2 Temas: Furto, malandragem, realismo Neste mundo é mais rico o que mais rapa: Quem mais limpo se faz tem mais carepa: Com sua língua ao nobre o vil decepa: O Velhaco maior sempre tem capa. Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar ligeiro trepa; Quem menos falar pode mais increpa: Quem dinheiro tiver pode ser Papa. A flor baixa se inculca por Tulipa: Bengala hoje na mão, ontem garlopa: Mais isento se mostra o que mais chupa. Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a Musa topa Em apa, epa, ipa, opa, upa. (DIAS, Ângela Maria. Gregório de Mattos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1988, p.10-16).

12 Há neste soneto um caráter sentencioso e moralista. O poeta atenua o rigor da condenação, por meio da construção de alguns versos que lembram sentenças populares, por meio da variedade rítmica e por meio da construção de algumas estrofes. O poeta brinca e, com essa atitude de despistamento, confere seriedade àquilo que é ostensivamente disfarçado de lúdico. Alegada a inversão, lugar-comum da Colônia para os bons sou inferno e para os maus paraíso, a fala da Bahia é recortada, ironicamente, como inversão de inversão, fala retificada cuja articulação é, ainda, a hierarquia. Há agressividade nos versos, condensa o intento moralizante. Análise Crítica Soneto 3 Tema: Racismo Um calção de pindoba a meia zorra Camisa de Urucu, mantéu de Arara, Em lugar de cotó, arco e taquara, Penacho de Guarás em vez de gorra. Furado o beiço, e sem temor que morra, O pai, que lho envazou cuma títara, Senão a Mãe, que a pedra lhe aplicara, A reprimir-lhe o sangue, que não corra. Animal sem razão, bruto sem fé, Sem mais Leis, que as do gosto, quando erra, De Paiaiá virou-se em Abaeté. Não sei onde acabou, ou em que guerra, Só sei que, deste Adão de Massapé, Procedem os fidalgos desta terra. (DIAS, Ângela Maria. Gregório de Mattos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1988, p.10-16). O indígena é satirizado: Gregório incorpora um vocabulário indígena numa miscigenação idiomática. A sonoridade alcançada por meio desse recurso pode ser vista como enriquecimento do barroco tipicamente europeu, uma espécie de aclimatação da estética à realidade brasileira. Os índios eram vistos como infiéis, idólatras e hereges. Ficavam numa baixa escala de padrões hierárquicos da época, sendo retratados como irracionais e feios diante dos padrões ibéricos.

13 Há no soneto termos desconhecidos e arcaicos, típicos do linguajar do português de Portugal. Já os termos indígenas apresentados têm origem tupi-guarani e nas tribos de índios Abaetés. Os seus significados são: calção de pindoba (calção de folhas ou tanga); mantéu de arara (capa de pateta); meia zorra (meio lenta, vagarosa); cotó (pessoa ou animal com perna ou braço mutilado, animal com cauda cortada); taquara (lasca de bambu); penacho de guarás (conjunto de penas de aves de plumagem pardo-avermelhada, enfeite sobre a cabeça); Paiaiá (tribo de índios); Abaeté (tribo de índios do Norte do Brasil); Massapé (terra argilosa, geralmente preta, excelente para o cultivo da cana-de-açúcar) Discussão e Crítica Soneto 4 Tema: racismo, paródia Sete anos a nobreza da Bahia Serviu a uma Pastora Indiana, e bela, Porém serviu a Índia, e não a ela, Que à Índia só por prêmio pretendia. Mil dias na esperança de um só dia Passava contentando-se com vê-la: Mas Fr. Tomás usando de cautela, Deu-lhe o vilão, quitou-lhe a fidalguia. Vendo o Brasil, que por tão sujos modos Se lhe usurpara a sua Dona Elvira, Quase a golpes de um maço, e de uma goiva: Logo se arrependeram de amar todos, E qualquer mais amara, se não fora Para tão limpo amor tão suja Noiva. (DIAS, Ângela Maria. Gregório de Mattos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1988, p.10-16). Este soneto parodia um outro clássico de Camões: Sete anos de pastor Jacó servia... Junto com o tom brincalhão, a paródia, ao mesmo tempo em que dessacraliza o modelo, acaba revelando uma intenção subjacente de homenagem a um texto já famoso. A tipificação da pastora indiana é intensificada, isto é, mais divertida quando se observa a inadequação do gênero e do objeto nele tipificado pejorativamente. Na sátira seiscentista, mulheres não-brancas são, por definição, uma

14 sub-humanidade. Por isso, o estilo para tratá-las como tema de poesia deve ser cômico ou baixo. A referência à Pastora Indiana como suja noiva, evidencia uma limpeza e sangue. CONCLUSÃO A sátira e o humor têm como objetivo principal provocar o riso. Também servem para criticar os costumes e preconceitos de uma sociedade. Muitas vezes, a crítica, feita a comportamentos explícitos ou encobertos, pode-se transformar em uma denúncia a atos dissimulados que contrariam a ordem e as normas humanas ou institucionalizadas. Nesta pesquisa, concluiu-se que: mesmo havendo divergências entre a existência e a importância de Gregório de Mattos, pode-se afirmar que a técnica, a riqueza verbal, a imaginação marcaram com curiosidade e força o gênero satírico de sua obra. Com isso, os rumos da literatura nacional mudaram. Do ponto de vista formal, Gregório de Mattos utilizou em seus sonetos recursos clássicos como: poemas de quatro estrofes (dois quartetos e dois tercetos); versos decassílabos e rimas (abba, abba, cdc, dcd). No que se refere à teoria de Haroldo de Campos, conclui-se que, assim como tudo tem um início, o país também tem que ter um marco literário. O eu lírico de Gregório de Mattos denunciou, criticou e descortinou a hipocrisia de uma sociedade heterogênea. Gregório de Mattos e Guerra caminhou por essa linha tênue, uma linha invisível que, muitas vezes, provocou o riso, mas também fez descer lágrimas. Por isso mesmo ele foi um homem amado e odiado. Numa antítese tipicamente barroca, ele andou pelas trevas, mas também conheceu a luz. Assim, fica o mito eternizado de Gregório de Mattos e Guerra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERGSON, HENRI. O riso. Rio de Janeiro: Zahar, 1980, 397p.

15 CALMON, Pedro. A vida Espantosa de Gregório de Mattos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1983, p CAMPOS, Haroldo. O seqüestro do barroco na formação da Literatura Brasileira: O Caso de Gregório de Matos. Fundação Casa de Jorge Amado, 2 ed.2000, 142p. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS UNILAVRAS. Biblioteca. Manual de normas para a elaboração de projeto e redação de trabalho de conclusão de curso p. COUTINHO, Afrânio. Introdução à Literatura no Brasil. 4 ed. Rio de Janeiro: São José, 1968, p.5-6. DIAS, Ângela Maria. Gregório de Matos, Sátira. 3 ed. Rio de Janeiro: Agir. 1988, p DIMAS, Antônio. Literatura Comentada. São Paulo: Nova Cultural, p ESPINOLA, Adriano. As artes de enganar- Um estudo das máscaras poéticas e biográficas de Gregório de Mattos. 2000, p FILHO, Leodegário de Azevedo. Antologia Poética de Gregório de Matos. São Paulo: Editora Ediouro. 1988, p FREUD, Sigmund. O chiste e suas relações com o inconsciente. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição Standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1977 HANSEN, Adolfo João. A sátira e o Engenho Gregório de Matos e a Bahia de século XVII. São Paulo: Companhia das Letras. 1989, 491p. MAGALHÃES, Thereza Cocha. Gramática e Produção de Texto. São Paulo: Atual. v.1, p MIGUEL, Jorge. Curso de Literatura. Rio de Janeiro: Editora Harbra., 1983, p MIRANDA, Ana. Boca do Inferno. São Paulo: Companhia das Letras. 2 ed. OLIVEIRA, Cândido. Súmulas de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Gráfica Biblos LTDA. 22 ed. 1959, p OLIVEIRA, Martins. História da Literatura Mineira. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial. Academia Mineira de Letras, ed. p PINHEIRO, Cônego Fernandes. Curso de Literatura Nacional. Rio de Janeiro: Editora Cátedra, MEC. 3 ed. p. 11.

16 SPINA, Segismundo. Gregório de Mattos Em A Literatura no Brasil. Afrânio Coutinho (org). 2 ed. v. 1. Rio de Janeiro: Sul-americana, 1968, 117p. * Graduada em Letras pelo Centro Universitário de Lavras - UNILAVRAS ** Docente do curso de Letras do Centro Universitário de Lavras - UNILAVRAS

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

O QUE FOI A POESIA MARGINAL

O QUE FOI A POESIA MARGINAL O QUE FOI A POESIA MARGINAL A poesia marginal ou a geração Mimeógrafo surgiu na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes e principalmente a literatura.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

O CORTIÇO 13 de maio de 1890

O CORTIÇO 13 de maio de 1890 O CORTIÇO 13 de maio de 1890 intenção Descrever as habitações coletivas. Diagnóstico do país: descarado alpinismo social dos negociantes portugueses. Usar a literatura como denúncia dos preconceitos e

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura

A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura A diferença entre charge, cartum, tirinha e caricatura É essencial que todo vestibulando saiba diferenciar e interpretar charges, cartuns, tirinhas e caricaturas. Dessa forma buscarei elucidar as semelhanças

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12.

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ A 3 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA EDfTORIAL LM I PRESENÇA ÍNDICE PREFACIO 11 I. PERSPECTIVAS GLOBAIS 13 1. O homem e a obra 13 2. Contextualização sociocultural

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos O Erotismo através do bilhete postal ilustrado Prefácio de Baptista-Bastos ndice Apresentação 4 Prefácio 6 O Nu 16 O Nu com Adorno 32 O Beijo 44 Arcimboldesco 50 Pecados Capitais 56 A Meia como Símbolo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Uma conversa franca sobre. sexualidade

Uma conversa franca sobre. sexualidade Uma conversa franca sobre sexualidade Duas narrativas equivocadas Todo desejo sexual é ruim A narrativa da igreja Todo desejo sexual é bom A narrativa secular A narrativa do Reino o sexo ou desejo

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

Inauguração da galeria de retratos a óleo dos anteriores Provedores de Justiça 18 de março de 2015

Inauguração da galeria de retratos a óleo dos anteriores Provedores de Justiça 18 de março de 2015 Inauguração da galeria de retratos a óleo dos anteriores Provedores de Justiça 18 de março de 2015 Pensar uma instituição sem memória, sobretudo quando ela é um órgão do Estado, é, permiti-me a imagem

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Encontro dos Coordenadores de Caravana. Elaine Ribeiro Psicóloga

Encontro dos Coordenadores de Caravana. Elaine Ribeiro Psicóloga Encontro dos Coordenadores de Caravana Elaine Ribeiro Psicóloga A fé em Deus nos faz crer no incrível, ver o invisível e realizar o impossível. Vamos conversar sobre... 1) Turismo Religioso e Peregrinação

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

Seleção de Obras Poéticas

Seleção de Obras Poéticas Universidade da Amazônia Seleção de Obras Poéticas de Gregório de Matos NEAD NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Av. Alcindo Cacela, 287 Umarizal CEP: 66060-902 Belém Pará Fones: (91) 210-3196 / 210-3181 www.nead.unama.br

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

CAFÉFIL 2012 PENSANDO BEM A ARTE E A CULTURA. TEXTO V Você tem cultura?

CAFÉFIL 2012 PENSANDO BEM A ARTE E A CULTURA. TEXTO V Você tem cultura? Universidade Federal de Juiz de Fora CAFÉFIL 2012 PENSANDO BEM A ARTE E A CULTURA TEXTO V Você tem cultura? Roberto da Matta* Outro dia ouvi uma pessoa dizer que Maria não tinha cultura, era ignorante

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

A UMAS SAUDADES (257) Parti, coração, parti, navegai sem vos deter, ide-vos, minhas saudades a meu amor socorrer.

A UMAS SAUDADES (257) Parti, coração, parti, navegai sem vos deter, ide-vos, minhas saudades a meu amor socorrer. Seleção de Obras Poéticas, Gregório de Matos A UMAS SAUDADES (257) Parti, coração, parti, navegai sem vos deter, ide-vos, minhas saudades a meu amor socorrer. Em o mar do meu tormento em que padecer me

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

Introdução à literatura negra Professora Doutora Márcia Maria de Jesus Pessanha. Do silêncio ao canto épico do negro na literatura brasileira

Introdução à literatura negra Professora Doutora Márcia Maria de Jesus Pessanha. Do silêncio ao canto épico do negro na literatura brasileira Introdução à literatura negra Professora Doutora Márcia Maria de Jesus Pessanha Do silêncio ao canto épico do negro na literatura brasileira Palavras iniciais Sementes antes do plantio O presente trabalho

Leia mais