O DESENHO DE INTEFACE PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENHO DE INTEFACE PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 O DESENHO DE INTEFACE PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Juliana Desconsi Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis Sidnei Renato Silveira Doutor em Ciências da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Silvia de Castro Bertagnolli Doutora em Computação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Resumo: O presente trabalho especifica a necessidade e importância do desenho da interface para ambientes virtuais de aprendizagem (AVA s), considerando os princípios de desenho de interface, critérios de usabilidade e desenho de interação, a fim de torná-la mais amigável, permitindo uma melhor interação do usuário com o ambiente de aprendizagem e a redução da sobrecarga cognitiva na aprendizagem. O propósito desse artigo é instigar a reflexão e propor que se desenvolvam mais estudos sobre essa área que é carente de informação. Pontua-se o estado da arte do universo dígito-virtual e a aprendizagem em ambientes virtuais de aprendizagem, além de algumas heurísticas para o projeto. Conclui-se com uma discussão sobre o papel do desenhar de interfaces. 1 Introdução Durante milênios quase toda memória foi oralidade. Com a imprensa, no século XV, ergueu-se a era das letras até o século XIX. No século XX tivemos a ascensão e queda da era dos meios de difusão impressa, cinema, rádio e te-

2 levisão. Atualmente temos a expressão informação on line para exprimir nossa atualidade sociotécnica informacional e comunicacional definida pela codificação digital e sua repercussão sociotécnica. Contudo surge a internet e frente à expansão da internet e das tecnologias digitais em várias áreas da sociedade atual, verificamos a crescente aplicação de recursos digitais na educação. O crescimento do mercado de Educação a distância (EaD) é explosivo no Brasil e no mundo. Talvez nenhuma novidade tenha produzido um impacto tão intenso na história da educação quanto o desenvolvimento da Educação a distância, especialmente das ferramentas de aprendizagem on-line, nos últimos anos. Portanto faz-se necessário desenvolver estudos acerca dos ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs), elegendo competências e atores envolvidos no processo. Os AVAs são sistemas informatizados desenvolvidos para a administração de cursos pela internet, reunindo em si diferentes ferramentas para a comunicação, interação e avaliação, que podem ser projetadas pelas próprias instituições de ensino ou adquiridas sob encomenda, como uma solução personalizada. Os ambientes online de aprendizagem são compostos por um conjunto de interfaces de conteúdo e de comunicação. Interfaces de conteúdo são os dispositivos que permitem produzir, disponibilizar e compartilhar conteúdo digitalizado em diversos formatos e linguagens (textos, áudio, imagens estáticas e dinâmicas) mixadas ou não. As interfaces de comunicação são aquelas reservadas para a interatividade entre locutores. Estas podem ser sincrônicas, de comunicação em tempo real (como chats e webconferências), ou assíncronas, de comunicação em diferentes tempos (como correio eletrônico, fóruns, listas de discussão, portfólios, diários, blogs, glossários, wikis). Entretanto, conteúdo e comunicação são elementos híbridos e imbricados, uma vez que não se pode conceber conteúdo apenas como informação para auto-estudo ou como material didático construído previamente pelo professor ou pela equipe de produção. Ademais, conteúdos são construídos pelos interlocutores que, dialogicamente, produzem sentidos e significados mediados pelas interfaces síncronas e assíncronas de comunicação (Santos, 2006 apud Santos et al 2009, p. 276). Atualmente, verificamos que cada vez mais pessoas participam desse mercado, nas mais diversas funções: professores, alunos, produtores de conteúdos, web designers, pedagogos, administradores, informatas profissionais de Informática etc. Entretanto, mesmo com toda essa velocidade as habilidades e recursos humanos para atuarem nesse novo paradigma não se desenvolveram com a mesma agilidade. Portanto identificamos aqui a necessidade de maior estudo e maior contribuição teórica para a área do desenho de interfaces para ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs) no que tange o design digital. É importante frisar, também, que o objetivo desse estudo é o universo da internet, no contexto dos ambientes virtuais de Aprendizagem para a EaD. A educação on-line é, portanto uma forma de educar. E a aprendizagem humana é por natureza colaborativa. Sob essa ótica que se oportuniza na internet a possibilidade de interagir coletivamente à distância, sem limitações fí-

3 sicas e de espaço. Desse modo, este artigo objetiva uma investigação teórica acerca do estado da arte da teoria sobre desenho de interface para AVA s. O presente artigo apresenta o estado da arte no campo do desenho dígito virtual, posteriormente faz um estudo sobre o aprendizado em ambientes virtuais de aprendizagem para depois fazer uma reflexão e estudo sobre o desenhos desses ambientes, além das competências e conhecimentos dos desenhadores de produtos dígito virtuais. Encerando o artigo apresentamos algumas considerações finais bem como as referências bibliográficas utilizadas. 2 O universo do desenho dígito-virtual Considerando-se que as interfaces gráficas surgiram nos anos 1980 e a internet nos anos 1990, pode-se dizer então que o web design é um recente ramo do design. No início, programadores e técnicos realizavam o desenvolvimento do material digital. Há aproximadamente 10 anos, a profissão designer de interfaces web ou, simplesmente, web designer começou a se popularizar no Brasil, desempenhando dentre outras coisas o desenho da interface para ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs) Foi através da interface gráfica que a Internet conseguiu se espalhar pelo mundo, permitindo que o computador rompesse a barreira dos ambientes científicos e chegasse até os ambientes domésticos. As tecnologias da Internet, TV, cinema, vídeo, videoclipe, etc., trouxeram mudanças na visualidade e no repertório visual humano. A Internet permite projetar, produzir e criar no campo de design, através das interfaces gráficas (relação do usuário com o objeto), uma cultura material da interdisciplinaridade, da produção e da linguagem. Na web o receptor não fica passivo, ele pode montar seu espectro de informações de acordo com os seus interesses dentro da rede, acessando os infinitos assuntos disponíveis. A configuração ou composição visual é o que estabelece a interface em um produto de design, aquilo que faz com que o usuário se sinta estimulado a prosseguir num caminho rumo ao desvendamento ou exploração de uma peça gráfica. A interface envolve a relação entre o ser humano e uma máquina, no caso o computador e o usuário. Num projeto de interface bem resolvido estão presentes os elementos que facilitam o acesso ao conteúdo, elementos que compõe uma imagem e uma linguagem. Campos esses de interesse da psicologia cognitiva, que vem a contribuir para a assimilação da informação e auxiliar o usuário em seus modelos mentais para resolução da tarefa. É de responsabilidade do designer digital pensar, conceber, visualizar, propor as relações que se estabelecem na interface e estar atento às mudanças na percepção, no espaço retinal, na sensibilidade humana, nos novos procedimentos e necessidades para o usuário e a sociedade como um todo. São características dos projetos digitais a repetição, a colagem, os fragmentos citados e acumulados, as ilustrações, a possibilidade de associação de diversas imagens numa composição fluída e aquarelada em fusão, a expressividade, os grafismos variados, os ruídos da imagem ou do próprio meio, a representação da representação, a

4 solarização, as diversas texturas, a colorização, a ampliação e a redução da imagem, gerando diversas sobreposições e espaços dentro de um mesmo espaço. Ainda podem fazer parte desses trabalhos, as distorções e metamorfoses, a interferência, os deslocamentos, os movimentos, as rotações, janelas, zoom in e out. e, como características de importância, estão presentes às relações entre as imagens de todos os tempos e culturas e o entrelaçamento dos conceitos de criação da linguagem plástico / gráficas, da linguagem bi e tridimensional, da animação, da fotografia, da música e do cinema (Moura, 2003, p. 127). As formulações abstratas de design, e sua natureza básica se definem por sua combinação do verbal e do visual, numa tentativa direta de transmitir informações. O design gráfico para a web, também pode ser chamado de design digital ou design virtual. É um campo altamente especializado e multidisciplinar. O que difere o design gráfico das mídias impressas para as virtuais é a exibição em uma tela de computador, onde um grande número de pessoas pode ter acesso a esse material, independente de convenção e especificação. É transitório, cíclico e infinito. 3 A aprendizagem virtual em AVAs Com a evolução da utilização dos AVAs (Ambientes Virtuais de Aprendizagem), nas modalidades de Educação a Distância (EaD), o ensino pôde ser levado a qualquer lugar do mundo através da rede mundial de computadores (Internet). A visão tradicional do conhecimento mudou, e qualquer pessoa pode ter acesso ao conhecimento, mesmo não estando presente fisicamente. Com isso uma nova forma de ensinar e aprender foi desenvolvida: a aprendizagem através de uma interface. A interação do usuário com o sistema para obter conhecimento se dá através da interface gráfica com o usuário. Ela compreende uma teia composta de links que possibilita uma varredura on-line pelo mundo, acessando informações diversas e, em alguns casos, viabiliza uma apropriação do conhecimento. Ao longo das leituras sobre temas relacionados com desenho de interface, educação a distância, processos de ensino e aprendizagem e transmissão de informações em desenhos interativos para AVAs identificamos que existem poucos estudos práticos que conectem teorias educacionais, sob a perspectiva dos processos de ensino e aprendizagem mediante o uso de AVAs, pontuando-se pertinência na contribuição do entendimento de como se projeta interfaces gráficas para estes ambientes e todas suas particularidades. Para Campus (2003 apud Palácio, 2005, p. 140) os cursos a distâncias baseados na web exigem a disponibilidade de sistemas e ambientes virtuais interativos que permitam o desenvolvimento de disciplinas apoiadas em métodos pedagógicos ativos. A aprendizagem não deve simplesmente refletir a realidade, mas construir uma interpretação significativa da mesma, a partir de problemas autênticos, significativos e contextualizados implicando-se, assim, a importância de se entender o usuário quando se projeta interfaces para apoiar os processos de ensino e aprendizagem.

5 Muitos estudos sobre a aprendizagem em suportes dígito-virtuais preocupam-se somente em descrever a importância da interatividade on-line. Outros, sobre ergonomia cognitiva e interface homem-computador, contemplam apenas a eficiência técnica simplificadora para a internet. Mas é necessário ir além, refletindo sobre como é possível redefinir a comunicação visual nos ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs) de modo a auxiliar a construção do conhecimento onde não haja apenas contemplação, mas interferência e participação ativa dos estudantes, sem que uma leitura linear e hierárquica seja o- brigatória, promovendo assim um desenho de interação entre professores, alunos e tutores. 4 Princípios de desenho da interface em AVAs A internet (web) é um sistema hipermídia (multimídia mais hipertexto). A hipermídia permite a interação, a não linearidade, a liberdade durante a navegação e diversas possibilidades de acesso à informação (textos, imagens, animações, vídeos, áudio). As cores, o movimento, a forma como a informação é apresentada, estão contidas na interface gráfica. Para Batista et al (2006, p. 88), a interface é um artefato (analógico ou digital) que intermedeia a comunicação entre: dois sistemas informáticos distintos; ou um sistema informático e uma rede de comunicação; ou um sistema informático e uma pessoa. Com isso a interface é um meio através do qual as pessoas e computador se comunicam. Além disso, essa relação da interface com o usuário pode ser dividida em: interface de linha de comando; interface baseada em menus; interface gráfica; interface de comando de voz, entre outras. Para avaliação desse estudo contemplam-se as fronteiras da interface gráfica. As interfaces de manipulação direta, ou interfaces gráficas, são constituídas por janelas, ícones, menus e teclas. Elas são compreendidas como instrumentos metafóricos de uma realidade com a qual o usuário está hoje em dia familiarizado. Porém, os objetos gráficos não representam uma realidade, mas constituem uma realidade. Para o usuário, a diferença entre o mundo metafórico e o mundo real tem pouco interesse. O usuário vive e trabalha em um só mundo, por isso podemos dizer que os elementos visuais sobre o monitor não são réplicas de uma realidade, pois abrem um espaço para a ação. Bonsiepe (1997, p ) A interface com um dos componentes de um sistema interativo tem por objetivo traduzir a ações dos usuários em pedidos de processamento (funcionalidades), refletir e mostrar os resultados de forma adequada e coordenar a interação. Conforme Bonsiepe (1997, p. 59), a interface tem a função de permitir ao usuário obter uma visão panorâmica do conteúdo, navegar na massa de dados sem perder a orientação e, por fim, mover-se no espaço informacional de acordo com seus interesses. Faiola (2001 apud Batista et al, 2006, p. 90) sugere que a interface gráfica possui seis aspectos imprescindíveis (ver figura 1), que podem ser consideradas durante o projeto.

6 Perreira et al (2005) em artigo publicado sobre o estudo do desenho de interfaces cita Gould e Lewis (1985) com um conjunto de princípios de desenho que permitem a produção de aplicações computacionais úteis e fáceis de usar quando se projetam interfaces gráficas para ambientes virtuais de aprendizagem: Fig. 1: Seis dimensões da interface, segundo Faiola (2001, apud Batista et al, 2006,. p. 90) Perreira et al (2005) em artigo publicado sobre o estudo do desenho de interfaces cita Gould e Lewis (1985) com um conjunto de princípios de desenho que permitem a produção de aplicações computacionais úteis e fáceis de usar quando se projetam interfaces gráficas para ambientes virtuais de aprendizagem: - Atenção dirigida ao usuário e suas tarefas: este princípio estabelece que a atenção da equipe de desenvolvimento deve estar dirigida aos usuários e às tarefas que eles desenvolvem. Ademais se deve ter um entendimento completo dos indivíduos (usuários finais) que usarão o serviço. Este entendimento é obtido através de estudos que englobam não só aspectos como a cognição, o comportamento, as atitudes e a antropometria, mas também a natureza do trabalho que será realizado. Neste sentido, os autores recomendam tanto a interação direta entre os usuários potenciais e a equipe de desenvolvimento, quanto à análise do perfil do usuário; - Medições empíricas: através desse principio, determina-se, nas fases iniciais de desenvolvimento, a produção de protótipos ou simuladores que representem o trabalho real a ser realizado, os quais deverão ser submetidos à apreciação dos usuários finais. Seu propósito é verificar e examinar não só o desempenho e reações do usuário, mas também sua aprendizagem em relação ao sistema proposto. Por conseguinte, analisamse os dados observados e registrado; - Desenho interativo: com este princípio, identifica-se a necessidade de implementação de um ciclo de desenho, testes, mediações e suas análises e redesenho. Este ciclo deve ser realizado quantas vezes forem

7 necessárias. Este princípio permite identificar, por previsão, que os problemas encontrados durante os processos de teste com o usuário terão prioridades com respeito ao seu tratamento, uma vez poderão ocorrer durante o uso real do produto serviço. 5 Heurísticas para projetos de interfaces para AVA s Um sistema interativo para apoiar os processos de ensino e aprendizagem possui dois componentes: aplicação e interface. A aplicação é o elemento responsável pela parte funcional do sistema que transforma dados de entrada em dados de saída. A interface é o elemento responsável por traduzir ações dos usuários em ativações das funcionalidades da aplicação, e é a interface que permite que essas ações sejam encaminhadas ao sistema (aplicação). Para Vicari et al (2000, p. 78), o projeto de interfaces é uma tarefa pouco estruturada e que não pode ser automatizada, sendo necessário o uso de heurísticas que se baseiam nas qualidades de amigabilidade e usabilidade. As heurísticas podem ser utilizadas no projeto de interfaces de sistemas educacionais para que estas contemplem as características de usabilidade e possam juntamente com as técnicas de interfaces inteligentes possibilitar a adaptação aos usuários. A figura 2 apresenta as heurísticas para projetos de interfaces para ambientes virtuais de aprendizagem.

8 Fig. 2: Heurísticas de projeto. Vicari et al (2000, p. 79) 6 O propósito do desenhador de interfaces O propósito de um web designer é conceber produtos digitais para a web, a partir da composição de elementos da informação textual, visual (imagens, animações, vídeos), sonora (narração, música, sinais sonoros) e tátil. O designer de interface possui vasto conhecimento em design gráfico. Para Samara (2010, p. 06) o designer gráfico é um comunicador: Alguém que captura as idéias e lhe dá uma forma visual para que os outros possam entendê-las. O designer utiliza imagens, símbolos, tipos, cor e matéria seja este algo físico, ou intangível como os pixels em uma tela. O designer de interfaces deve assimilar conceitos e lhes dar forma, resultando em uma experiência tangível e navegável. A qualidade da experiência de um aluno/usuário depende da habilidade e da sensibilidade do designer em criar ou selecionar formas a fim de manifestar conceitos ou mensagens. O designer é responsável pela vitalidade intelectual e emocional da mensagem que ele transmite ao público. A tarefa de um designer de interface para ambientes de ensino e aprendizagem em suporte virtual envolve conhecer bem o perfil do aluno/usuário e propor experiências que estimulem ao aprendizado, projetando interfaces mais simples. Desta forma, foca-se o objeto de estudo e não o

9 aprendizado do sistema para poder depois aprender o conteúdo. Contudo presume-se que o design: É uma disciplina que integra uma enorme quantidade de conhecimentos e habilidades com intuição, mas é mais do que apenas os vários aspectos que envolve: entender os fundamentos da forma e da composição; aplicar esses fundamentos para evocar emoções e expressar conceitos significativos; manipular mensagens de cor; entender a semiótica e a relação entre os diferentes tipos de sinais visuais; controlar o ritmo do material e a hierarquia das informações; integrar tipografia e imagem para transmitir mensagens unificadas e coerentes; planejar a fabricação do trabalho e assegurar sua qualidade física como objeto, seja ele impresso, animado em tela ou construído. Samara (2010, p. 7). Para Araripe (2006 apud Batista et al, 2006, p. 92), uma boa formação para o desenvolvimento de interfaces gráficas para ambientes virtuais compreende conhecimentos e conteúdos básicos de aprendizagem, envolvendo as competências: - lingüísticas: refere-se à capacidade e habilidade do indivíduo para se comunicar e se expressar escrita e oralmente; e - cognitivas: referem-se à capacidade e habilidade do indivíduo para pensar, aprender, entender, tomas decisões ao interagir com os objetos de trabalho; E ainda para o autor dentre os conteúdos básicos de aprendizado, fazem parte: - as competências de conhecimento científico-teóricas, técnicas, tecnologias e práticas necessárias ao fazer profissional; e - as competências sociais: responsabilidade, ética, respeito, liderança, versatilidade, dentre outros, que fornecem as diretrizes necessárias ao delineamento de um perfil profissional que atenda as expectativas novas e diversificadas que emergem da sociedade. A competência maior de um profissional que desenha interface é o caráter multidisciplinar de conhecimentos e habilidade, além de uma capacidade perceptiva aguçada para identificar as necessidade e transformálas em oportunidades de melhorias. Dentro desses conhecimentos multidisciplinares encontram-se: comunicação, semiótica, linguagem gráfica e tipografia, estética, tecnologia, usabilidade, ergonomia cognitiva, e princípios de design, como o informacional e de interação. 7 Considerações Finais Através desse artigo buscamos fazer uma síntese do estado da arte em conhecimento do desenho de interfaces para ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs). Na decorrência da pesquisa desenvolvida observamos que há carência de estudo sobre essa área, e pontua-se a necessidade latente de investigação. Contudo o estudo procurou fazer uma abordagem sobre conceitos do universo do desenho dígito-virtual e a aprendizagem em ambientes virtuais de aprendizagem, além de algumas heurísticas para o projeto. Conclui-se com

10 uma discussão sobre o papel do desenhar de interfaces. Sumariamente, devese ressaltar: (1) a importância da coerência na construção textual do hipertexto, (2) o cuidado na orientação da navegação e (3) o design da interface para evitar o transbordamento cognitivo na construção mental do leitor e dar saídas para os problemas de desorientação do usuário como requisitos para a projetação desses ambientes. Referências BATISTA, Cláudia Regina. ULBRICHT, Vânia Ribas. Discussões sobre o perfil do designer de interfaces web. Design em Foco. V. II, nº2, julho-dezembro, Universidade do Estado da Bahia. Salvador, p BONSIEPE. Gui. Design: do material ao digital. Trad. Cláudio Dutra. Florianópolis: FIESC/IEL, MOURA, Mônica. Universo da cultura e da hipermídia. CONGRESSO IN- TERNACIONAL DE PERQUISA EM DESIGN. ( : Rio de Janeiro, RJ. ). AEnD-BR Associação de Ensino e Pesquisa de Nível Superior em Design no Brasil. PALÁCIO, Patrícia Passos Gonçalves. Design educacional em projetos de educação a distância: abordagens pedagógica e subjacentes. Olhar de Professor, v. 8, nº 2. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa PR, p PERREIRA, Hernane Borges de Barros. PINTO, Gabriela Ribeiro Peixoto Rezende. SILVA, Lourival Oliveira da. SOUZA, Paulo Fernando de Almeida. Estudo do Design de Interface para o Ambiente PBL-VE. Design em Foco, julho-dezembro, v. II, número 002. Universidade do Estado da Bahia. Salvador, p SAMARA, Timothy. Elementos do design: guia de estilo gráfico. tradução de Edson Furman-kiewicz; revisão técnica: Charles de Castro Vicent. Porto Alegre: Bookman, p. SANTOS, Edméa; Silva, Marco. O desenho didático interativo na educação online. Revista Iberoamericana de Educación. Num. 49, enero-abril, 2009, PP Organización de Estados Iberoamericanos para La Educación, la Ciência y La Cultura España. VICARI, Rosa Maria. ASCENCIO, Ana Fernanda Gomes. Heurísticas para o projeto de interfaces de sistemas educacionais. Ensaios e Ciência, abril, v. 4, nº 1. Universidade do Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal. Campo Grande, p

11

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Alan Kay: For users, the user interface is the program

Alan Kay: For users, the user interface is the program O que é Interface Interface Ambiente onde se dá a comunicação com os usuários do sistema. A introdução de uma ferramenta de informática interativa em um ambiente de trabalho, modifica a realização da tarefa

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NA UNISUL VIRTUAL

ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NA UNISUL VIRTUAL ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO NA UNISUL VIRTUAL DAFNE FONSECA ARBEX 1 DÊNIA FALCÃO DE BITTENCOURT 2 UNISUL VIRTUAL RESUMO O objetivo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ILUSTRAÇÃO DE MODA. Titulo Ilustração de Moda na Modalidade a Distância. Autor Carolina A. C. Amorim [1] Antonio Carlos de Souza [2]

1. INTRODUÇÃO 2. ILUSTRAÇÃO DE MODA. Titulo Ilustração de Moda na Modalidade a Distância. Autor Carolina A. C. Amorim [1] Antonio Carlos de Souza [2] Titulo Ilustração de Moda na Modalidade a Distância Autor Carolina A. C. Amorim [1] Antonio Carlos de Souza [2] 1. INTRODUÇÃO A crescente padronização e automatização observada na atual sociedade da informação

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

ANATOMIA EM FOCO: UTILIZAÇÃO DE UM BLOG PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE ANATOMIA HUMANA NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

ANATOMIA EM FOCO: UTILIZAÇÃO DE UM BLOG PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE ANATOMIA HUMANA NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 OÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Anaís Schüler Bertoni Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis anais@d750.com.br Silvia

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE 05/2007 Fátima Cristina Nóbrega da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fatimacristina.hope@petrobras.com.br

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL Recife, 05/2009 Resumo Ivanda Maria Martins Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco (DEINFO-EAD/UFRPE) martins.ivanda@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino.

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

AMBIENTES MEDIADOS POR COMPUTADORES: APRENDIZAGEM COLABORATIVA E COOPERATIVA.

AMBIENTES MEDIADOS POR COMPUTADORES: APRENDIZAGEM COLABORATIVA E COOPERATIVA. AMBIENTES MEDIADOS POR COMPUTADORES: APRENDIZAGEM COLABORATIVA E COOPERATIVA. Ana Elisabete Pozza 1 RESUMO: Este artigo tem como referencial cinco palavras-chave: computador, interatividade, colaboração,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes.

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Abril/2004 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET sallesantonio@aol.com Ana Paula Morgado Carneiro

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio MARISTELA MIDLEJ SILVA DE ARAÚJO Santos SP Set/2008 Objetivo Geral

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 www.cisco.com.br/educação 2011 Cisco and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Educação 1.0 Educação 2.0 Educação 3.0 Tecnológica Rural Tradicional 2011 Cisco and/or its affiliates.

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET Simone Barros mestre em educação, simonegbarros@gmail.com Departamento de Design - Universidade Federal de Pernambuco André

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 informações: 1.º 2.º 3.º CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de

Leia mais

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2 EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COMO FATORES ESSENCIAIS PARA A INTERAÇÃO NAS REDES SOCIAIS Darlene Teixeira Castro 1 Kyldes Batista Vicente 2 Introdução No ambiente escolar, o uso da informática é um grande desafio

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA Autor(a): Carmem Lúcia de Oliveira Marinho Coautor(es): Bernadete Cordeiro Moreira Pessanha Email: carmemmarinho@yahoo.com.br Introdução O ser humano é um ser social

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Autor e Orientador Eduardo Lima Leite 1 (Universidade Federal de Campina Grande, eduardo@cstr.ufcg.edu.br) Resumo: O trabalho

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

DESIGN DE LIVRO DIGITAL

DESIGN DE LIVRO DIGITAL DESIGN DE LIVRO DIGITAL Aluna: Mariana Ferreira Gomes Corrêa Orientadora: Rita Maria de Souza Couto Co-orientadora: Cristina Portugal Introdução A pesquisa desenvolvida foi parte integrante do trabalho

Leia mais

Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD?

Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD? Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD? Alcione Santiago Dilene Feitoza Lucineide Fontinele Otacílio Marques Rosemary Almeida Roteiro - Informação; - Organização;

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

1. O processo de desenvolvimento de soluções tecnológicas educacionais

1. O processo de desenvolvimento de soluções tecnológicas educacionais MATPAPO: FERRAMENTA DE INTERAÇÃO SÍNCRONA PARA A APRENDIZAGEM DE ÁLGEBRA LINEAR Juliana Pereira G. de Andrade Universidade Federal de Pernambuco julianaandradd@gmail.com Verônica Gitirana Universidade

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Interação Homem-Computador: As Interfaces

Interação Homem-Computador: As Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Interação Homem-Computador: As Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Painel: Inovando nas estruturas acadêmicas e administrativas Profa. Dra. Marta de Campos Maia Marta.maia@fgv.br Agenda As Tecnologias Educacionais e os Nativos

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE Maringá PR maio 2015 Maria do Carmo Teles Ferreira Stringhetta Centro Universitário Unicesumar maria.teles@unicesumar.edu.br

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD

MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD Maria Lúcia C. Neder Como vimos no módulo I, ao refletirmos a respeito da EAD, temos que, primeiramente, focar a essência, aquilo que é substantivo,

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM)

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM) LINKS ÚTEIS* *Em breve, esta listagem estará atualizada em meu blog: www.darcyalcantara.blogspot.com ABEM Associação Brasileira de Educação Musical abemeducacaomusical.org.br Revistas da ABEM abemeducacaomusical.org.br/revistas.html

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

05/2009. Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ana_silvia@ibb.unesp.

05/2009. Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ana_silvia@ibb.unesp. 1 Concepção, desenvolvimento e implantação de educação não presencial na área da saúde: graduação, pós-graduação, especialização e extensão universitária 05/2009 Ana Silvia Sartori Barraviera Seabra Ferreira

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 Welerson R. MORAIS (CEFET-MG) 2 Ronaldo L. NAGEM (CEFET-MG) 3 Resumo O uso de imagens

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

O USO DA INTEFACE WIKI NO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA

O USO DA INTEFACE WIKI NO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA O USO DA INTEFACE WIKI NO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Edivan Claudino Soares da Silva edivanclaudino@gmail.com RESUMO Este estudo apresenta a importância do uso da wiki como ferramenta de escrita colaborativa

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais