LATINOS RESIDENTES NOS EUA. Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, São Paulo SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LATINOS RESIDENTES NOS EUA. Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 01241-001 São Paulo SP"

Transcrição

1 SPANGLISH, O FILME: A INFLUÊNCIA DA CULTURA AMERICANA SOBRE OS LATINOS RESIDENTES NOS EUA. ANDRÉ DE MELIM RISSI Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, São Paulo SP RESUMO O presente trabalho estuda a influência da cultura norte-americana nos latinos residentes nos Estados Unidos, mostrando que a identidade de uma nação e de um indivíduo está em constante processo de mudanças, sendo prova disso a inserção de palavras em Espanhol na Língua Inglesa (Spanglish). Para tal, utiliza-se do filme Spanglish, de James L. Brooks, como ponto de análise. Este filme retrata as dificuldades que os latinos encontram nos Estados Unidos e as diferenças entre as culturas americana e mexicana. Palavras-chave: Americanidade, Hibridismo Cultural, Identidade, Pós- Modernidade. ABSTRACT The following paper studies the influence of the North American culture in the Latins residents in The United States of America, showing that the identity of a nation and of na individual is in constant process of changes, as it can be seen in the insertion of Spanish in the English language (Spanglish). In order to achieve such purpose, it makes use of the movie Spanglish, by James L. Brooks, as basis for analysis. This movie shows

2 the difficulties faced by Latin people in the USA and the differences between the American and Mexican cultures. Key-words: Americaness, Cultural Hybridism, Identity, Postmodernism.

3 TEORIA Este trabalho tem como tema a análise da influência americana nos latinos residentes nos Estados Unidos com base no filme Spanglish (2004), de James L. Brooks. Abordar a influência da cultura americana nos latinos residentes nos Estados Unidos pressupõe o fato desse país ser a superpotência mundial, que exerce poder esmagador perante todas as nações do mundo. Trata-se do país mais internacionalizado e consagrado mundialmente, e segundo o artigo O mito da discriminação ao imigrante nos EUA de Anselmo Heidrich (2004), o país com a maior taxa de migração líquida do planeta. Estudando a história, observa-se um mito sobre Os Estados Unidos da América, que se propagou e ainda permanece; trata-se do mito da oportunidade. Esse mito baseia-se na ascensão desejada por aqueles que se mudam para os Estados Unidos. De qualquer forma, essa idéia é uma ilusão compartilhada até hoje por milhões de pessoas no mundo. Assim como qualquer outro país, esta superpotência mundial tem sua identidade diretamente relacionada com a concepção de sociedade moderna. A diferença entre as sociedades tradicionais e as modernas é que as modernas estão em mudança constante, rápida e permanente, sendo resultado do processo de globalização. A modernidade não pode ser definida somente como a experiência de convivência com a mudança rápida, abrangente e contínua, mas é uma forma altamente reflexiva da vida, na qual as relações sociais absorvem informações e modificam seu próprio caráter. A identidade é formada ao longo do tempo através de processos inconscientes, pois não é inato. Ela está sempre em formação, sendo então incompleta. Assim como não existe plenitude de identidade, não existe plenitude de língua, pois ela está em mutação. A língua não pode somente produzir significados com base em um posicionamento interior do indivíduo, pois a língua é um sistema social e não individual. Desta forma, constata-se que os hispânicos residentes nos Estados Unidos produzem novas posições de identificação, uma vez que absorvem a cultura norte americana e adicionam informações na sociedade norteamericana. Trata-se de uma troca que estabelece novas identidades e evidencia as mudanças permanentes e a não existência de estruturas estáveis culturais nos Estados Unidos, o que remete ao conceito de sociedade moderna citada anteriormente. Essa troca evidencia da concepção de americanidade como uma identidade abrangente, em que não existem as fronteiras das identidades nacionais, étnicas e de gênero. Esse novo conceito de americanidade está diretamente ligado ao fenômeno da transculturação, que envolve as zonas de contato, as passagens, as superposições e os entrecruzamentos que ocorrem nos processos de automatização e de maturação das culturas no contexto das três Américas.

4 O processo de transculturação citado acima é muito rico, pois abrange uma dimensão política, em que ocorre a travessia de uma só cultura, ao mesmo tempo em que sua superação. Bernd (2003) evidencia a importância de processos transculturais no contexto das Américas e os insere no processo de hibridação cultural: o sujeito da transculturação situa-se entre (pelo menos) dois mundos, duas culturas, duas línguas e duas definições de subjetividade, absorvendo informações e sentindo-se pertencente à ambas as culturas. Essa é a situação na qual se encontra os latinos residentes nos Estados Unidos, pois possuem seu país de origem, e o país para o qual migraram buscando novas oportunidades e melhores condições de vida. Sendo assim, a transculturação acaba com qualquer binarismo cultural existente, onde há dois pólos raciais / culturais distintos e de certo modo rivais, encarando o processo cultural como suscetível de constantes mesclas e aberto ao reaproveitamento e à reciclagem de vestígios culturais de origens diversas. A característica mais importante da sociedade americana moderna é o hibridismo cultural, resultado das imigrações vindas de inúmeros países de todo o mundo para os Estados Unidos. Atualmente, não se pode falar em imigrações para a superpotência mundial sem mencionar os latinos, uma vez que eles representam a maioria dos imigrantes residentes neste país.

5 ANÁLISE DO FILME SPANGLISH Trata-se de uma comédia lançada em 2004 e dirigida por James L. Brooks, que retrata a imigração de mexicanos para os Estados Unidos e como eles vivem nesse ambiente, diferente daquele de onde vieram. As diferenças entre a cultura americana e a latina também são exploradas no filme, evidenciando as negociações identitárias que ocorrem devido a presença de ambas as culturas em um mesmo país. As personagens do filme são: Flor, uma jovem mexicana abandonada pelo marido, que atravessa a fronteira buscando melhor formação para sua filha; Cristina, filha de Flor; John Clasky, um homem sensível, pai de família e chefe de cozinha renomado; Deborah, esposa de Clasky, uma mulher dedicada ao trabalho e muito imediatista, que Clasky não consegue ao menos se comunicar; Bernie, filha de Clasky e Deborah, uma adolescente que possui uma difícil relação com sua mãe e que ao mesmo tempo se identifica com seu pai; e Evelyn, mãe de Deborah, uma senhora alcóolica que tenta salvar o casamento de sua filha. Flor vive com sua filha Cristina no México, e após ser abandonada pelo marido, ela sentiu a necessidade de proteger ainda mais a sua filha, mas a protegeu tanto que começou a isolá-la do mundo. Em pouco tempo, percebeu que essa não era a melhor forma de criar Cristina. Nesse momento, Flor decidiu que seria melhor para a sua filha que fossem tentar a vida nos Estados Unidos. Ao contrário de Cristina, Flor deixa transparecer resistência à cultura americana, o que representa a resistência dos latinos nessa superpotência mundial, que tentam de todas as formas impor seu idioma, hábitos e crenças, como uma forma de não negarem sua origem, sua identidade, processo que aponta os hispânicos como o único grupo que resiste à integração quanto ao idioma inglês, pois impõem seus costumes e sua língua ao espaço hegemônico. Sendo assim, Cristina não teria problemas para atravessar a fronteira cultural, e juntamente com sua mãe que pensava no melhor para a sua filha, foram trabalhar para os americanos. Na situação na qual Flor se encontrava, essa fronteira cultural estava diretamente relacionada com a obra de Bernd, em que é mencionado o fato de que migrantes de qualquer país, com destino a qualquer país, encontram muitas dificuldades para conseguirem adaptar-se a nova terra, o que se deve a razões diversas. Flor e Cristina saíram da colônia latina onde moravam, e a prima de Flor a levou para uma entrevista em uma casa de uma família americana, com o intuito de intermediar o diálogo entre os americanos nativos e Flor, que não falava inglês. Mesmo com todas as dificuldades encontradas durante a entrevista, Flor consegue o emprego de empregada doméstica. Nessa cena da entrevista, dois aspectos chamam muito a atenção do telespectador. O primeiro é que o emprego que Flor estava tentando

6 conseguir era o de empregada doméstica, e em nenhum momento do filme ela se mostrou interessada em outros tipos de empregos nos Estados Unidos, fato que evidencia que a princípio, os latinos nos Estados Unidos estão restritos a esse tipo de empregos, empregos secundários. Não há muitas opções para os hispânicos, a não ser trabalhos exploradores com baixa remuneração. O segundo aspecto é o choque cultural que os latinos encontram nos Estados Unidos. Flor, que não sabia o idioma e nem os costumes e hábitos dos americanos, se sentia totalmente perdida naquele ambiente, sem saber o que falar ou como reagir na entrevista. Só conseguiu o emprego graças a sua prima que intermediou o diálogo. Quem a entrevistou foi Deborah, que morava naquela casa com seu marido John Clasky, chefe de cozinha, com sua filha Bernie, com a qual não tinha uma boa relação, e com sua mãe, empenhada em lutar pelo bem estar da casa. Desde essa entrevista, Flor percebeu que mesmo sendo fiel às suas origens, teria que se submeter a uma cultura da qual ela teria evitado absorver até então. Era uma necessidade, questão de sobrevivência. Tratase da definição de modernidade proposta por Hall, que não pode ser definida somente como a experiência de convivência com a mudança rápida, abrangente e contínua, mas é uma forma altamente reflexiva da vida, na qual as relações sociais absorvem informações e modificam seu próprio caráter. Flor absorveria informações, mas nem por isso precisaria negar sua origem, e foi o que ela fez. No decorrer do filme, Flor começa a falar algumas palavras em inglês, e até sua maneira de se comportar começa a mudar, evidencias da absorção da cultura americana e do novo idioma por parte de Flor. Essa mudança é reflexo da globalização, que Hall também menciona em sua obra. Uma das conseqüências da globalização é a nova identidade do indivíduo, no filme representada pela nova identidade de Flor. A mexicana só não teria que se preocupar muito com sua filha Cristina, pois como cresceu nos Estados Unidos, já se habituou aos novos costumes e a língua inglesa. Quem narra a história é Cristina, que no meio do filme relata que Flor estava perdendo a luta contra os americanos, uma vez que estava se envolvendo com a família de Clasky, fato que significa a perda da luta pela defesa da própria cultura, pois absorvia cada vez mais a cultura americana. Na cena em que Bernie ganha de sua mãe uma roupa que não lhe cai bem, pois fica muito justa, Flor observa outro aspecto da cultura americana que difere da sua. Deborah diz para a filha que se ela emagrecesse a roupa lhe cairia bem, e Bernie chora deprimida. Nesse momento, Flor começa a enxergar que poderia ajudar Bernie de alguma forma, e inconscientemente começa também a notar como a troca de informações entre duas culturas é rica, assim como foi citado por Hall e Bernd em suas obras. Trata-se do conceito de negociações identitárias, em que existe a troca e não a imposição de uma cultura sobre a outra.

7 Flor sentiu que deveria fazer algo para elevar a auto-estima de Bernie, e lhe dá uma nova roupa, utilizando algumas expressões em inglês que Cristina lhe ensinara anteriormente. A roupa era de número menor em comparação com aquelas que Bernie usava freqüentemente, mas não tão justa quanto a que Deborah comprou. Esse diálogo entre culturas evidencia as idéias concluídas na parte teórica do trabalho baseadas na obra de Hall, em que os hispânicos residentes nos Estados Unidos produzem novas posições de identificação uma vez que além de absorverem a cultura americana também adicionam informações na cultura americana. E Deborah por sua vez se identificou muito com Cristina, dando-lhe o amor que a sua relação com Bernie não permitia que ela oferecesse para a própria filha. Cristina aceitava tudo passivamente, se deixando levar pela vida mais luxuosa oferecida pela família. Evidenciam-se neste momento os prós da hibridação cultural e da transculturação, processos abordados por Hall e Bernd, em que indivíduos de ambas as culturas absorvem informações obtidas através de trocas, intercâmbios, perdas e ganhos nas passagens de uma cultura para a outra, gerando novos produtos culturais. Cristina foi levada por Deborah para tingir o cabelo sem avisar Flor, fato que deixou a mãe de Cristina furiosa. A menina estava totalmente deslumbrada com a cultura americana e com a nova vida que levava. Na história, há uma ponte entre ambas as famílias. Bernie se identifica com Flor, tratando-a como uma segunda mãe até, e Cristina se identifica com Deborah da mesma maneira. Clasky, em alguns momentos do filme, deixa transparecer seu fascínio por Flor, que transparecia reconhecer as virtudes e qualidades dele, sendo que Deborah não reconhecia suas qualidades e não demonstrava tanto afeto pelo marido. E Flor, mesmo evitando sentir o que sente, também compartilha do mesmo sentimento, uma vez que vê em Clasky um homem que entende suas dificuldades e também virtudes. Esses acontecimentos evidenciam mais uma vez como a transculturação e a negociação identitária podem ser benéficas. Tudo isso remete a idéia proposta por Hall em sua obra: uma cultura nacional é um discurso um modo de construir sentidos que influencia e organiza nossas ações quanto a concepção que temos de nós mesmos. (HALL,2003, p.50). Ao mesmo tempo em que ambas as famílias assumem novas identidades, a própria diferença entre elas e a aparente resistência de Flor e Deborah em reação a negociação identitária dificulta qualquer troca de informações, criando assim o clímax do filme e tornando a questão cultural ainda uma barreira entre as famílias em questão. Flor se encontrava envolvida em uma complicada situação, pois via sua própria filha absorvendo novos valores e cultura e deixando aparentemente de lado sua própria origem, dando mais atenção inclusive a Deborah que a própria mãe. Flor também aparentava não aceitar o fato de estar absorvendo valores da cultura americana, e tudo isso a fez entrar em uma crise de identidade.

8 Até o momento, Flor não enxergava que sua identidade estava mudando, uma vez que toda identidade cultural está em constante mudança. Ela ainda não percebia que absorver informações de uma cultura não anula sua cultura de origem. Por essa razão, se encontrava nessa crise de identidade, uma vez que seu conceito de identidade estava calcado no sujeito do Iluminismo. Trata-se da concepção de identidade que considera o indivíduo como centrado e unificado, tendo seu interior imutável, sem transformações, idêntico durante toda sua existência. A partir do momento em que o indivíduo assumir sua concepção de identidade como a do sujeito pós-moderno, ele não terá mais crises de identidade. Trata-se da concepção que assume que o indivíduo está em constante mudança de acordo com suas experiências e sua bagagem cultural, levando em consideração que ele está inserido em uma sociedade e que absorve informações dela, ao mesmo tempo em que acrescenta informações na mesma e se vê como integrante dela. Cada vez mais, Flor se via na necessidade de estudar a Língua Inglesa com afinco, uma vez que todos os diálogos que tinha com a família de Bernie eram intermediados por Cristina. Comprou materiais didáticos, incluindo vídeos e fitas, para que pudesse aprender o idioma. Trata-se do processo de aculturação que, segundo Bernd, baseia-se na assimilação da cultura do grupo social no qual o indivíduo está inserido. A Cristina da história é muito diferente da Cristina da narração. Na história, Cristina só enxergava seu ponto de vista e não parava para pensar no que estava acontecendo. Trata-se da inocência de uma préadolescente em um momento de descobertas. A escola de elite onde Cristina iria estudar tinha sido visitada anteriormente por Cristina e Deborah, mas Flor resistia a idéia, pois tinha muito medo de que a filha se sentisse excluída e diferente dos outros alunos, ou pior, de que a filha ficasse igual aos demais. Flor teme que a filha seja americanizada ou sofra a americanização, termos definidos por Bernd em sua obra. Americanizado refere-se à semelhança com os americanos dos Estados Unidos e americanização é o desejo de tornar-se semelhante aos cidadãos que vivem nos EUA, por admiração ao seu modo de vida. Na realidade, Flor sabia que Cristina era americanizada, até mesmo por ter crescido nesse país, e sabia também que ela desejava se sentir cada vez mais parecida com os americanos nativos. Flor decide que não irá mais trabalhar para eles. Flor informa o fato a Cristina, que chora incontrolavelmente e após se despedir de todos, briga com sua mãe fora da casa de Clasky. Flor fica cada vez mais angustiada com a resistência da filha em não sair da realidade que vivia anteriormente e com a negação de sua própria origem, e após os gritos de Cristina em público como reação a atitude da mãe, Flor tenta se aproximar da filha no ponto de ônibus, e Cristina diz: Cristina - Não, agora preciso de espaço. Flor Não há espaço entre nós... o que você quer é se tornar alguém tão diferente de mim!

9 Após esse diálogo Cristina fica em silêncio, e pela primeira vez na história a Cristina personagem começa a entender sua mãe e sua decisão radical. É a partir desse momento que ela analisa tudo o que aconteceu com elas e olha para os acontecimentos de uma maneira mais adulta, o que gerou um amadurecimento posterior que a permitiu narrar a história de maneira esclarecedora e realista. Essa análise gerou uma narração que compõe um sistema de significação: a ficção. Essa ficção é uma representação de uma realidade, que Hutcheon associa com a própria história uma vez que ela também depende de convenções de narrativa, linguagem e ideologia. No final do filme, Cristina narra: Ser aceita, mesmo que me faça feliz, não irá me definir. Minha identidade se apóia firme e alegremente sobre um fato: Sou a filha da minha mãe. Flor e Cristina tornaram-se mais amigas, e Cristina entendeu que mesmo tendo sua identidade em constante mudança (conceito estabelecido por Hall) e naquele momento bem diferente daquela identidade que possuía no início da história, ela sempre seria filha de Flor. De certa forma, trata-se da consciência de sua própria origem, de sua cultura de base. Mais uma vez evidencia-se a noção de sujeito pós-moderno proposto por Hall como a solução para qualquer indivíduo integrante de uma sociedade não sofrer crise de identidade. Finalizando esta análise, conclui-se que o filme Spanglish é a representação de uma cultura, e pode ser considerado um registro histórico em sua atribuição de sentido, definição baseada na obra de Hutcheon. Trata-se da análise de um filme que possui várias personagens, todas individuais, condicionadas culturalmente e familiarmente, mostrando desta forma a representação de um contexto cultural em uma ficção.

10 BIBLIOGRAFIA BERND, Zilá. Americanidade e transferências culturais. Porto Alegre: Movimento, HALL, Stuard. A identidade cultural na pós-modernidade. 10 ed. Rio de Janeiro: DP&A editora, HEIDRICH, Anselmo. O mito da discriminação aos imigrantes nos E.U.A, Disponível em <http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=3002>. Acesso em 13 fev HIGH, Peter B. An Outline of American Literature. London: Longman Group UK Limited, HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Riode Janeiro:Imago,1991. NASH, Rose. Language Contact in Puerto Rico, Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/spanglish>. Acesso em 12 ago PRIETO, Maria Ángeles. A realidade do Espanhol nos Estados Unidos: um desafio único, Disponível em <http://www.ccaps.net/newsletter/11-04/art_1pt.htm>. Acesso em 08 set SPANGLISH. James L. Brooks. Los Angeles: Columbia Pictures, DVD (131 min.): DVD, son., color. Legendado. Port. TORRES, Sonia. Nosostros in USA. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Apresentação de trabalhos acadêmicos: guia para alunos da Universidade Presbiteriana Mackenzie. 2 ed. São Paulo: Mackenzie, 2003.

11

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias + 23% + 108% (em 20 anos a taxa é superior a 200%) 15% das mulheres e 65% dos homens brasileiros já tiveram ao menos uma experiência sexual fora do

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA

ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA Autores: Jheiniffer Álex Maciel MENDES, Rosa Martins Costa PEREIRA, Josiel Neves da SILVA, Clara Miranda SANTOS Identificação dos

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3

Leia mais

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro 1 A presença dos japoneses no Piauí Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro O tema deste artigo é a migração japonesa no Piauí, com destaque para as sobrevivências e rupturas na contemporaneidade

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Professor(es) Apresentador(es): responsável: Simone da Silva de Paula corresponsável: Lucilene Fernandes Realização: Foco O Projeto Quem

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga 11 Outubro Dia Internacional da Rapariga As meninas enfrentam discriminação, violência e abuso todos os dias, em todo o mundo. Esta realidade alarmante justifica o Dia Internacional das Meninas, uma nova

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO Mônica Barcellos Café Psicóloga na Aldeia Juvenil PUC Goiás Movimento de Meninos e Meninas de Rua de Goiás VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Todo ato ou omissão praticado

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Trajetórias Leitura: atividades

Trajetórias Leitura: atividades Trajetórias Leitura: atividades RESPOSTAS 1. Miyako Asagoro C. 93 anos D. diretor industrial Kiyozi Ando Miti Ando D. mecânico D. lavradora D. lavrador Michiko Alfredo Fumio Ando A. Nara, Japão A. Cotia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 BETWEEN THE PAST AND THE PRESENT: THE CONSTRUCTION AND AFFIRMATION OF ETHNIC

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

Conteúdos: Leitura e interpretação oral e escrita de textos. Produção textual.

Conteúdos: Leitura e interpretação oral e escrita de textos. Produção textual. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A 1 Conteúdos: Leitura e interpretação oral e escrita de textos. Produção textual. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE III SEMANA DO MEIO AMBIENTE Durante a Semana do Meio Ambiente de 2008, o CMJF procurou envolver todos os alunos na discussão e reflexão sobre questões relativas ao ambiente. Através dos coordenadores de

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Código do programa: Código do estado: Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Instruções: Responda às perguntas abaixo relacionadas

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo Sumário Obtendo o máximo de Tiago... 5 1. Confiança ou dúvida Tiago 1.1-18... 9 2. Palavras, palavras, palavras Tiago 1.19-27... 12 3. Não discrimine as pessoas Tiago

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA *

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * Fernanda da Silva Alvissu Prizoto Universidade de Taubaté ** RESUMO: O tema desta pesquisa é a sugestão de trabalho com filme

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven.

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven. O JARDIM SECRETO Introdução ao tema Mais que um simples romance sobre a descoberta de um lugar proibido, O jardim secreto revela o fascínio dos primeiros contatos com a natureza e a importância que ela

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais