Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca"

Transcrição

1

2 Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca IPBeja/Maio de 2012

3 IPBEJA SECTOR FINANCEIRO Manual de Procedimentos Índice: 1. INTRODUÇÃO NOTA DE REALIZAÇÃO BREVE GLOSSÁRIO DOCUMENTAÇÃO CIRCUÍTO DA DESPESA DESPESAS COM PESSOAL DESPESAS COM CONSUMOS DESPESAS COM CONTRATOS Cabimento/compromisso de contratos Processamento de faturas NOVAS AQUISIÇÕES COM CONVITE + CADERNO DE ENCARGOS Situações genéricas oriundas do SAP Com entidade adjudicante Sem entidade adjudicante Situações urgentes oriundas do SAP Fundo de Maneio CIRCUÍTO DA RECEITA TRANSFERÊNCIAS DO OE RECEITAS PRÓPRIAS Propinas, emolumentos e taxas Serviços prestados à Comunidade Explorações agrícolas Loja CUBO FINANCIAMENTO DE PROJECTOS

4 7. PROPOSTA DE ORÇAMENTO PRESTAÇÃO DE CONTAS EXECUÇÃO MENSAL EXECUÇÃO TRIMESTRAL EXECUÇÃO ANUAL CONTA DE GERÊNCIA TRABALHOS PREPARATÓRIOS DE APURAMENTO E REGULARIZAÇÃO DE CONTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ELABORAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS

5 1. INTRODUÇÃO Este documento visa servir de referência ao Sector Financeiro (de ora em diante designado por SF), bem como a todos os Serviços e utentes intervenientes nos procedimentos descritos. O presente documento encontra-se dividido em duas partes. Uma primeira, designada por Breve Glossário e Documentação, onde se aborda o significado e conteúdo da nomenclatura e da documentação, respetivamente, utilizada pelo Sector Financeiro, a qual é apresentada como anexo; e uma segunda, designada por procedimentos que consiste em clarificar o trabalho desenvolvido pelo Sector. Ao longo do documento é também apresentada uma descrição dos procedimentos realizados bem como uma representação visual (fluxograma) dos mesmos. 4

6 2. NOTA DE REALIZAÇÃO O presente trabalho é o resultado de reuniões de análise realizadas entre o Sector Financeiro e o Gabinete de Qualidade, Avaliação e de Procedimentos, com o objetivo de identificação e levantamento dos circuitos, procedimentos e propostas no âmbito da realidade sentida no quotidiano do SF. Assim, o resultado ora apresentado traduz o retrato fiel das relações internas existentes no SF, bem como das relações inter-serviços/gabinetes, em que o referido Serviço desempenhe funções ativas. Beja, 15 de Maio de 2012 O Sector Financeiro do IPBeja O GQUAP do IPBeja 5

7 3. BREVE GLOSSÁRIO AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO Documento representativo da autorização de execução do pagamento da fatura/venda-a-dinheiro, emitido pelo Sector Financeiro. CABIMENTO Cativação do valor monetário necessário para despender com a aquisição de determinado bem ou serviço, no âmbito de qualquer processo de despesa. CIME Cadastro e Inventário dos Bens do Estado. COMPROMISSO Aceitação dos prossupostos inerentes aos deveres e obrigações de qualquer processo de despesa perante os fornecedores de bens ou serviços. Despesas de Consumos Entende-se por despesas com consumos todas aquelas que ao serem efetuadas não necessitam de requisição, como sejam: telefones, telemóveis, internet, CTT, quotas, águas, eletricidade, gás, bem como os restantes encargos das instalações. Despesas com Contratos Entende-se por despesas com contratos, todas aquelas que têm por base a assinatura de um contrato, como sejam: contratos de manutenção, de limpeza, de segurança, de assistência técnica, de licenças de software, de recibos verdes (prestadores de serviços). Para além dos vencimentos, os compromissos com o exterior são os primeiros cabimentos a efetuar no início do ano económico. Epública Aplicação Informática utilizada na gestão financeira do Instituto Politécnico de Beja. 6

8 INE Instituto Nacional de Estatística. SIC Sistema de Informação Contabilística SIGO Sistema de Informação de Gestão Orçamental. DGO Direcção-Geral do Orçamento. GPEARI Gabinete Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. DGCI Direcção Geral de Contribuições e Impostos INE Instituto Nacional de Estatística IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional 7

9 4. DOCUMENTAÇÃO Circular Série A n.º 1363, da Direção-Geral do Orçamento Determina as orientações gerais para a elaboração da proposta de orçamento para o ano seguinte. Decreto-Lei n.º 29-A/2011, de 1 de Março Estabelece as disposições necessárias à Execução do Orçamento de Estado para 2011, aprovado pela Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro. Instruções n.º 1/2004 2ª secção do Tribunal de Contas Estabelece instruções para a organização e das contas abrangidas pelo Plano oficial de contabilidade Publica e planos sectoriais Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro Aprova o Orçamento de Estado para Lei n.º 91/2001, de 20 de Agosto, com alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2002, de 28 de Agosto, e pelas Leis n.º 23/2003, de 2 de Julho, n.º 48/2004, de 24 de Agosto, n.º 48/2010, de 19 de Outubro, n.º 22/2011, de 20 de Maio e n.º 52/2001, de 13 de Outubro. Enquadramento Orçamental - Estabelece as disposições gerais e comuns de enquadramento dos orçamentos e contas de todo o sector público administrativo Portaria n.º 794/2000, de 20 de Setembro Aprova o Plano Oficial de Contabilidade Pública para o Sector da Educação (POC Educação) Regulamento (CE) n.º 3605/93, do Conselho, de 22 de Novembro 8

10 5. CIRCUÍTO DA DESPESA 5.1. DESPESAS COM PESSOAL 9

11 1. No início do ano económico, procede-se aos cabimentos anuais com base nos valores disponibilizados pelo Serviço de Recursos Humanos relativos aos encargos globais com Remunerações de Pessoal docente e não docente do IPBeja; 2. Os cabimentos anuais são posteriormente aprovados em reunião do Conselho de Gestão; 3. O SF mantém atualizados os encargos com pessoal de acordo com as informações fornecidas pelo SRH através do envio das propostas de contratação do Conselho Técnico Científico (CTC); 4. Mensalmente o SRH envia as folhas de vencimentos para processamento, o SF regista na aplicação informática Epublica emitindo a autorização de pagamento que será autorizada/ratificada em Conselho de Gestão; 5. O SRH envia via correio electrónico para o SF o ficheiro de pagamento de vencimentos, que após conferência com as folhas de vencimento autorizadas/ratificadas, é enviado para um membro do Conselho de Gestão com conhecimento à Tesouraria que o ficheiro se encontra conferido, estando preparado para pagamento; 6. Os descontos sobre remunerações são enviados pelo SRH para o SF, que procede à comparação com as respetivas folhas de vencimentos; 7. Após conferência são enviados para a Tesouraria para pagamento; 8. A Tesouraria após efetuar o pagamento devolve ao SF todo o processo para arquivo. 10

12 5.2. DESPESAS COM CONSUMOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 11

13 1. No início do ano económico, analisam-se os contratos relativos aos consumos gerais, procedendo-se de seguida aos cabimentos para o ano, com base nos valores gerais verificados no ano anterior. 2. Os cabimentos são enviados ao Conselho de Gestão para autorizar, regressando de seguida ao SF onde ficam a aguardar as faturas relativas aos consumos efetivos para ser debitadas nos respetivos cabimentos; 3. Quando as faturas chegam ao SF, após verificação do SAP, é colocado um carimbo interno de entrada onde constam os campos para a data e a assinatura; 4. A fatura é processada na aplicação informática (Epública), sucedendo-se a emissão da respetiva Autorização de Pagamento; a.1. Sempre que o prazo de pagamento da fatura o permitir, o processo é enviado ao Conselho de Gestão para autorização; a.2. De seguida é remetido para a Tesouraria onde é realizado o respetivo pagamento; a.3. A Tesouraria remete para o SF o comprovativo de pagamento, bem como o restante processo para arquivo; b.1. Quando o prazo de pagamento seja reduzido, o processo é enviado à Tesouraria para pagamento, após o qual é devolvido ao SF; b.2. O SF envia neste momento ao Conselho de Gestão o processo para ratificação; b.3. Após ratificação, o processo retorna ao SF para arquivo. 12

14 5.3. DESPESAS COM CONTRATOS Cabimento/compromisso de contratos 1. Existe uma folha de cálculo em Excel, em permanente atualização, com os elementos de todos os contratos em vigor no Instituto Politécnico de Beja à data de 1 de Janeiro; 2. Com base na informação recolhida no ponto anterior, é efectuado um cabimento e posterior compromisso, por cada contrato, até final do ano económico, ou até fim do período de vigência anual do contrato; 3. Os referidos cabimentos e compromissos, são enviados ao Conselho de Gestão para ratificação; 4. Sempre que se verifique que um contrato terá o seu término durante o ano económico, serão efetuados dois cabimentos, um relativo ao contrato que termina pelo período de vigência do contrato e, outro desde essa data até final do ano económico, sem entidade adjudicante; 5. Seguidamente o cabimento sem entidade adjudicante será autorizado pelo Conselho de Gestão; 6. O compromisso deste cabimento só será realizado quando o contrato for renovado ou quando for assinado o novo contrato. 13

15 Processamento de faturas MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 14

16 1. As faturas que dizem respeito a contratos são conferidas no SF, com base na informação disponibilizada no ficheiro Excel onde constam os contratos: a.1. Caso existam dúvidas na conferência da fatura, é solicitada colaboração ao Serviço de Aprovisionamento e Património (SAP); a.2. Depois dos esclarecimentos/conferências efetuadas, é processada a fatura se estiver em conformidade, senão a mesma é devolvida ao fornecedor para retificação; a.3. Depois de processada é emitida a autorização de pagamento; b.1. Caso não existam dúvidas aquando da realização das conferências, a fatura é processada e emitida a autorização de pagamento; 2. No que respeita ao pagamento das faturas: a.1. Sempre que o prazo de pagamento da fatura o permitir, o processo é enviado ao Conselho de Gestão para autorização; a.2. De seguida é remetido para a Tesouraria onde é realizado o respetivo pagamento; a.3. A Tesouraria remete para o SF o comprovativo de pagamento, bem como o restante processo para arquivo; b.1. Quando o prazo de pagamento seja reduzido, o processo é enviado à Tesouraria para pagamento, após o qual é devolvido ao SF; b.2. O SF envia neste momento ao Conselho de Gestão o processo para ratificação; b.3. Após ratificação, o processo retorna ao SF para arquivo. 15

17 5.4. NOVAS AQUISIÇÕES COM CONVITE + CADERNO DE ENCARGOS Situações genéricas oriundas do SAP Com entidade adjudicante 16

18 1. O SAP após identificar o procedimento a aplicar envia uma Proposta de Requisição Interna 1 para o SF, onde consta a entidade fornecedora, o tipo de bem ou serviço em causa e o valor provável da aquisição; 1 Conforme minuta para o efeito. 17

19 2. O SF emite o respetivo cabimento em nome dessa entidade, e envia-o para o Conselho de Gestão para autorização; 3. Se o processo não for autorizado, é devolvido ao SF para registar a respetiva anulação e dar conhecimento ao SAP (envio de cópia do cabimento anulado e o original do processo de aquisição); 4. Se o processo for autorizado pelo Conselho de Gestão o processo é devolvido ao SF, para registo do compromisso e emissão da respetiva requisição oficial; 5. Por seu turno, o SF envia todo o processo ao SAP (para expedir a requisição oficial para o exterior); 6. Após receção e conferência da fatura no SAP, o processo é enviado para o SF tendo como objetivo o processamento da fatura, bem como a emissão da Autorização de Pagamento; a.1. Sempre que o prazo de pagamento da fatura o permitir, o processo é enviado ao Conselho de Gestão para autorização; a.2. De seguida é remetido para a Tesouraria onde é realizado o respetivo pagamento; a.3. A Tesouraria remete para o SF o comprovativo de pagamento, bem como o restante processo para arquivo; b.1. Quando o prazo de pagamento seja reduzido, o processo é enviado à Tesouraria para pagamento, após o qual é devolvido ao SF; b.2. O SF envia neste momento ao Conselho de Gestão o processo para ratificação; b.3. Após ratificação, o processo retorna ao SF para arquivo Sem entidade adjudicante 18

20 19

21 1. Após autorização do Conselho de Gestão para desencadear o processo de aquisição, o mesmo é remetido para o SAP; 2. O SAP após identificar o procedimento a aplicar envia uma Proposta de Requisição Interna 2 (sem referir a entidade), para o SF, onde consta o tipo de bem ou serviço em causa e o valor provável da aquisição; 3. O SF emite o respetivo cabimento prévio sem mencionar a entidade e envia-o para o SAP; 4. Após a decisão da adjudicação o SAP remete cópia do relatório e proposta de requisição definitiva para o SF, os quais retificam o cabimento efetuado inicialmente (entidade e valor correto); e registo do respetivo compromisso e emissão da requisição oficial remetendo-a para o SAP (para expedição para o exterior), NOTA: CASO O VALOR PROPOSTO PARA ADJUDICAÇÃO SEJA SUBSTANCIALMENTE SUPERIOR AO VALOR QUE SE ENCONTRA CABIMENTADO, A DECISÃO DE ADJUDICAÇÃO ESTARÁ DEPENDENTE DA VERIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA DE CABIMENTO NO ORÇAMENTO DA INSTITUIÇÃO. 5. De seguida todo o processo é enviado ao Conselho de Gestão para ratificação; 6. Depois de ratificado pelo Conselho de Gestão o processo é devolvido ao SF, o qual remete toda a documentação referente ao processo para o SAP, serviço onde fica a aguardar receção da futura fatura; 7. Após receção e conferência da fatura no SAP, o processo é enviado para o SF tendo como objetivo o processamento da fatura, bem como a emissão da Autorização de Pagamento; a.1. Sempre que o prazo de pagamento da fatura o permitir, o processo é enviado ao Conselho de Gestão para autorização; a.2. De seguida é remetido para a Tesouraria onde é realizado o respetivo pagamento; a.3. A Tesouraria remete para o SF o comprovativo de pagamento, bem como o restante processo para arquivo; 2 Conforme minuta para o efeito. 20

22 b.1. b.2. b.3. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF Quando o prazo de pagamento seja reduzido, o processo é enviado à Tesouraria para pagamento, após o qual é devolvido ao SF; O SF envia neste momento ao Conselho de Gestão o processo para ratificação; Após ratificação, o processo retorna ao SF para arquivo. 21

23 Situações urgentes oriundas do SAP MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 22

24 1. O levantamento da necessidade do bem ou serviço, chega ao SAP com carácter de urgência; 2. O SAP após identificar o procedimento a aplicar, solicita a um dos membros do Conselho de Gestão, autorização para o desencadear do procedimento, ato sujeito a ratificação do Conselho de Gestão; 3. De seguida, o SAP envia uma Proposta de Requisição Interna 3, para o SF, onde consta o tipo de bem ou serviço em causa e o valor provável da aquisição; 4. O SF emite o respetivo cabimento prévio/cabimento e compromisso, facultando todo o processo ao SAP que por sua vez desencadeia o restante processo de aquisição; 5. De seguida todo o processo é enviado ao SF que o remete ao Conselho de Gestão para ratificação; 6. Depois de ratificado pelo Conselho de Gestão o processo é devolvido ao SF, o qual remete toda a documentação referente ao processo para o SAP, serviço onde fica a aguardar receção da futura fatura; 7. Após receção e conferência da fatura no SAP, o processo é enviado para o SF tendo como objetivo o processamento da fatura, bem como a emissão da Autorização de Pagamento; a.1. Sempre que o prazo de pagamento da fatura o permitir, o processo é enviado ao Conselho de Gestão para autorização; a.2. De seguida é remetido para a Tesouraria onde é realizado o respetivo pagamento; a.3. A Tesouraria remete para o SF o comprovativo de pagamento, bem como o restante processo para arquivo; b.1. Quando o prazo de pagamento seja reduzido, o processo é enviado à Tesouraria para pagamento, após o qual é devolvido ao SF; b.2. O SF envia neste momento ao Conselho de Gestão o processo para ratificação; b.3. Após ratificação, o processo retorna ao SF para arquivo. 3 Conforme minuta para o efeito. 23

25 Fundo de Maneio MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 1. No início do ano é constituído um Fundo de Maneio devidamente autorizado pelo Conselho de Gestão. Para o efeito é efetuado um cabimento prévio na aplicação informática Epublica pelo montante autorizado; 2. A Tesouraria envia mensalmente ao SF os documentos de despesa pagos por Fundo de Maneio. De seguida o SF regista na aplicação informática Epublica todos os processos de despesa que constituem o Fundo de Maneio; 3. O SF envia ao Conselho de Gestão a documentação paga por de Fundo de Maneio para ratificação; 4. Posteriormente são devolvidos ao SF para arquivo. NOTA: EXISTE UM FLUXOGRAMA RELATIVO AO FUNDO DE MANEIO NO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA DO IPBEJA, O QUAL CONSTITUI IMPORTANTE COMPLEMENTO À INFORMAÇÃO APRESENTADA. 24

26 6. CIRCUÍTO DA RECEITA 6.1. TRANSFERÊNCIAS DO OE 1. Mensalmente é emitido o Pedido de Libertação de Créditos (PLC) através do sistema informático da DGO, SIC para a transferência duodecimal de verbas do Orçamento Geral do Estado, e submete-se através dos Serviços on-line da DGO para aprovação; 2. Após autorização da DGO o PLC é processado através da aplicação informática SIC, que gera um ficheiro para a transferência da verba autorizada; 3. O SF regista a emissão e a cobrança do PLC na aplicação informática Epublica, que gera todos os movimentos contabilísticos RECEITAS PRÓPRIAS 1. A fase de lançamento da receita na aplicação informática envolve duas fases: a liquidação e a cobrança da receita, o SF procede à emissão das receitas (liquidação) e a Tesouraria executa a cobrança. a. A liquidação da receita tem subjacente a classificação na contabilidade orçamental (classificação da receita em rubrica da classificação económica de receitas). Para permitir esta operação que implica a classificação orçamental e patrimonial (POC-E) é necessário a prévia parametrização na aplicação informática para preenchimento automático da conta de proveitos, da conta de terceiros, da taxa de IVA associada e centro de custo. Após a classificação da receita, a aplicação informática gera automaticamente os movimentos contabilísticos; b. A cobrança de receitas tem subjacente o registo do recebimento de fundos de tesouraria. Em função das equivalências com as contas bancárias e as contas do plano de contas, a aplicação informática gera automaticamente os movimentos contabilísticos adequados a serem registados na classe 1 (disponibilidades) e 2 (terceiros), incluindo os movimentos nas subcontas 25 (devedores pela execução do orçamento). 25

27 Propinas, emolumentos e taxas 1. Após a receção diária dos documentos de receita impressos pela Tesouraria da aplicação informática DIGITALIS, o SF procede ao registo na aplicação 26

28 informática Epublica, que consiste na classificação económica e patrimonial das receitas; 2. De seguida os documentos são enviados para a Tesouraria para registo da cobrança; 3. No final de cada mês os documentos de receita são enviados pela Tesouraria para o SF para arquivo. 27

29 Serviços prestados à Comunidade 28

30 1. Após autorização do Conselho de Gestão ou do Sr. Presidente do Instituto Politécnico de Beja, os processos de prestação de serviços à comunidade são rececionados no SF que procede à emissão da fatura relativa à prestação de serviços, dando-lhe o enquadramento adequado em sede do CIVA; 2. O documento original é enviado para o cliente e o duplicado é remetido à Tesouraria para cobrança e arquivo e procede-se à comunicação via correio eletrónico da emissão da fatura aos envolvidos e se a data de conclusão da prestação de serviços não for conhecida, o SF solicita também essa informação; 3. De seguida procede-se ao registo dos encargos inerentes à prestação de serviços na aplicação Epublica (cabimento) para submissão à autorização/ratificação do Conselho de Gestão; 4. O SF verifica mensalmente a cobrança de todas as faturas que envolvem colaboração técnica especializada, a fim de apurar e informar os valores a processar pelo Serviço de Recursos Humanos; 5. Os SRH remetem de seguida para o SF o processo de encargos de pessoal que segue o procedimento de processamento e pagamento de vencimentos mensal descrito non ponto A afetação das receitas resultantes das atividades de prestação de serviços à comunidade será processada do seguinte modo: 6.1. Se as receitas cobradas forem afetas ao departamento ou ao Laboratório para aquisição de equipamento técnicos, material bibliográfico, formação profissional e deslocações a eventos de carácter científico, o SF regista o valor no respetivo centro de controlo e apuramento; 6.2. Se as receitas cobradas forem afetas ao pessoal docente ou não docente envolvido, procede-se da seguinte forma: Dedução de despesas inerentes à realização dos serviços; Sobre o valor remanescente aplicam-se uma taxa de 25% relativa à Componente Institucional (receita do IPBeja); Os restantes 75% constituem rendimentos para o pessoal docente ou não docente envolvido. 29

31 Explorações agrícolas MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 30

32 1. Se a venda de bens envolver a consulta prévia de vários clientes, o processo de venda é elaborado no SAP; 1.1. Após, devidamente autorizado pelo Conselho de Gestão ou pelo Sr. Presidente do IPBeja, o processo de venda é rececionado no SF, que procede à emissão da fatura dando-lhe o enquadramento adequado em sede do CIVA; 1.2. O documento original é enviado para o cliente, o duplicado é remetido à Tesouraria para cobrança e arquivo, e simultaneamente é enviada uma cópia do original para o SAP. 2. Se a venda de bens ocorrer por proposta apresentada pelo cliente: 2.1. Após, devidamente autorizado pelo Conselho de Gestão ou pelo Sr. Presidente do IPBeja, o processo de venda é rececionado no SF, que procede à emissão da fatura e dando-lhe o enquadramento adequado em sede do CIVA; 2.2. O documento original é enviado para o cliente e o duplicado é remetido à Tesouraria para cobrança e arquivo. 31

33 Loja CUBO 1. Após a receção diária dos documentos de receita da Loja Cubo, impressos da aplicação informática PRIMAVERA, o SF procede ao registo na aplicação Epublica, que consiste na classificação económica e patrimonial das receitas; 2. De seguida os documentos são enviados para a Tesouraria para registo da cobrança; 3. No final de cada mês os documentos de receita são enviados pela Tesouraria para o SF para arquivo. 32

34 6.3. FINANCIAMENTO DE PROJECTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF 33

35 1. Após a aprovação de um novo projeto o Gabinete de Projetos envia ao SF um mapa de enquadramento contabilístico; 2. Procede-se à elaboração de documento interno com informação necessária para efetuar os movimentos contabilísticos relativos ao financiamento aprovado e registam-se na aplicação informática os respetivos movimentos contabilísticos; 3. De seguida é elaborado um documento interno relativo aos registos do crédito especial para o ano civil na ótica da contabilidade orçamental; 4. Durante a execução do projeto e após a comunicação da Tesouraria relativa ao recebimento da verba na conta bancária, o Gabinete de Projetos identifica o respetivo projeto e envia-o para o SF; 5. O SF procede ao registo emitindo a Guia de Receita através da aplicação informática Epublica, que consiste na classificação económica e patrimonial das receitas; 6. De seguida os documentos são enviados para a Tesouraria para registo da cobrança; 7. Após a cobrança dos documentos de receita são enviados pela Tesouraria para o SF para arquivo. 34

36 35 7. PROPOSTA DE ORÇAMENTO

37 1. A Circular Série A da Direção Geral do Orçamento (DGO) determina as orientações gerais para a elaboração da proposta de orçamento para o ano seguinte; 2. Após a respetiva publicação, é remetida para o SRH para elaboração dos encargos previstos com pessoal docente e não docente para o ano seguinte; 3. O valor relativo às transferências do Orçamento Geral do Estado só é conhecido através da comunicação do GPEARI, pelo que há sempre necessidade de aguardar pela mesma; 4. De seguida é solicitado ao Gabinete de Projetos a previsão de receita e despesa dos projetos aprovados e que serão executados no ano seguinte; 5. É também solicitado ao Sector Académico o número de alunos previstos para o ano seguinte, o que inclui os alunos que irão progredir para o 2º, 3º e 4º ano, os alunos de mestrado, e o número de vagas disponíveis em todos os níveis de ensino (CET s, Mestrados, e 1º ciclo); 6. Após a recolha da informação solicitada ao Sector Académico é calculado o valor previsível de receita de propinas com base na previsão de alunos para o ano letivo seguinte; 7. São realizadas reuniões com o Conselho de Gestão para determinação do valor real (ajustado ao mais próximo possível) da previsão do número de alunos; 8. O SF procede ao levantamento de todas as receitas relativas a prestações de serviços à comunidade, loja cubo, laboratórios e venda de bens das explorações agrícolas, para estimar o valor médio previsível para o ano seguinte; 9. Da mesma forma o SF procede ao levantamento de todos os contratos existentes no IPBeja para cálculo do valor médio estimado de encargos com os compromissos previstos; 10. O SF elabora um documento interno de cálculo médio dos consumos para estimativa dos consumos anuais previstos para o ano seguinte, ajustado às alterações que já são conhecidas, como por exemplo alteração da taxa do IVA; 11. Após a recolha da informação junto do Serviço de Recursos Humanos, Gabinete de Projetos e Sector Académico, o SF elabora mapas onde é sintetizada toda a informação; 12. São preparados mapas de análise financeira para permitir estimar o valor de receita e despesa por fonte de financiamento; 36

38 13. Quando o valor relativo a transferências do Orçamento Geral do Estado for comunicado, realizam-se reuniões com o Conselho de Gestão no sentido de ajustar a proposta de orçamento; 14. Após a elaboração de todos os trabalhos preparatórios com vista à apresentação da proposta de orçamento, o SF procede ao preenchimento dos mapas constantes da Circular Série A da DGO que compõem a Proposta de Orçamento; 15. Após o preenchimento dos mapas, são submetidos via Correio eletrónico para o Sr. Presidente do IPBeja para assinatura digital na Declaração de Conformidade ; 16. Após a assinatura digital o Sr. Presidente do IPBeja devolve ao SF todo o processo da proposta de orçamento para o ano seguinte; 17. O SF preenche os formulários através da aplicação informática SOE SIGO da DGO, que dão origem aos mapas relativos à proposta de orçamento; 18. Após executar a opção fecho do orçamento é gerado pela aplicação informática SIGO o mapa definitivo da proposta de orçamento; 19. Posteriormente o SF submete através do site DGO- ON LINE a proposta de orçamento composta pelo mapa definitivo, declaração de conformidade, mapa de pessoal docente e não docente e outros documentos que são considerados importantes; 20. A DGO confirma a receção da proposta do orçamento para o ano seguinte e valida-o; 21. A proposta de orçamento é aprovada em sessão da Assembleia da República. 37

39 8. PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SF O Decreto-Lei n.º 29-A/2011, de 1 de Março, estabelece as disposições necessárias à execução do orçamento de Estado para 2011, aprovado pela lei n.º 55 A/2010, de 31 de Dezembro, no Art. 44º define os deveres de prestação de informação, onde se lê: 1- Os Serviços e Fundos Autónomos são responsáveis por proceder ao registo de informação sobre a execução orçamental no suporte informático definido pela DGO, nos ternos dos números seguintes: 2- Mensalmente até ao dia 10 do mês seguinte ao qual a informação se reporta, registam: a. As contas da execução orçamental de acordo com os mapas n.º 7.1 Controlo orçamental Despesa, e 7.2 Controlo orçamental Receita, do POCP ou planos sectoriais e os balancetes analíticos evidenciando as contas até ao 4º grau de desagregação; b. Todas as alterações orçamentais de acordo com os mapas n.º , Alterações orçamentais Despesa, e , Alterações orçamentais Receita, do POCP ou planos setoriais. 3- Trimestralmente, até ao dia 10 do mês seguinte ao fim do trimestre prestam informação sobre as operações de financiamento, nomeadamente, empréstimos e amortizações efetuadas, bem como as previstas até ao final de cada ano. 4- Trimestralmente, até ao dia 30 do mês seguinte ao fim do trimestre, procedem: a. Ao envio do relatório da execução orçamental, elaborado pelo competente órgão fiscalizador ou, na sua falta, pelo respetivo órgão de gestão; b. À previsão da execução orçamental para o conjunto do ano, incluindo a previsão de despesas de anos anteriores a suportar; c. À indicação da situação de dívida e dos ativos expressos em títulos da divida emitidos pelas administrações públicas, avaliadas ao valor nominal de acordo com o Regulamento (CE) n.º 3605/93, do Conselho, de 22 de Novembro. No n.º 1 do art. 46º do mesmo diploma legal determina que: 38

40 Os serviços integrados e os serviços e fundos autónomos são responsáveis por proceder mensalmente ao registo da informação sobre os encargos assumidos e não pagos, incluindo o saldo da divida inicial, o movimento mensal e o saldo da dívida a transitar para o mês seguinte, no suporte informático da DGO, até ao dia 15 do mês seguinte a que se reporta EXECUÇÃO MENSAL INFORMAÇÃO A REPORTAR PRAZO LIMITE DISPOSIÇÃO DO DL EXECUÇÃO ORÇ Deslocações em território nacional e estrangeiro - DGO Dia 15 do mês seguinte N.º 2 do art.º 31º Atualização da execução física do PIDDAC - DGO Último dia útil do mês Encargos assumidos e não pagos - DGO Dia 15 do mês seguinte N.º 1 do art.º 46º Informação relativa a Encargos Plurianuais - DGO Permanente N.º 3 do art.º 12º Contas de execução orçamental- DGO Dia 10 do mês seguinte Alínea a) do n.º 2 do art.º 44º Balancete analítico - DGO Dia 10 do mês seguinte Alínea a) do n.º 2 do art.º 44º Alterações orçamentais - DGO Dia 10 do mês seguinte Alínea b) do n.º 2 do art.º 44º Informação relativa à Unidade de Tesouraria - DGO Dia 15 do mês seguinte N.º 1 do art.º 26º Informação sobre operações ativas de financiamento - DGO Encargos com remunerações - GPEARI Informação sobre o encerramento Projeto IEFP Declaração recapitulativa do IVA - DGCI Dia 10 do mês seguinte Dia 4 do mês seguinte 15 dias após a fim do Projeto Dia 20 do mês seguinte Alínea b) do n.º 1 do art.º 25º 39

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 17 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Artigo 1º Objeto 1. O presente regulamento tem por objeto o Sistema de Controlo Interno do Agrupamento de Escolas Agualva Mira Sintra, doravante designado

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13 INDICE Pág. Nr. NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 ANEXO: PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 A.I CAIXA 8 A.I.1 Fundo de maneio 8 A.II BANCOS 9 A.II.1 Abertura e movimentação de contas bancárias

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização O FUNDO DE MANEIO Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo ao Manual sobre o Fundo de Maneio Esta apresentação

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Manual Regulamentar GESTÃO ORÇAMENTAL Capítulo 15 Gestão Orçamental

Manual Regulamentar GESTÃO ORÇAMENTAL Capítulo 15 Gestão Orçamental Capítulo 15 Gestão Orçamental Mod. 2014.01.01 Página 1 de 55 Conteúdo 1. Disposições gerais... 5 Artigo 1.º Objeto... 5 Artigo 2.º Âmbito... 6 Artigo 3.º Competências gerais... 6 Artigo 4.º Controlo interno

Leia mais

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO MANUAL DE FUNDO DE MANEIO REV01/2014 ÍNDICE I. Apresentação... 3 II. Enquadramento legal... 3 III. Fundo de Maneio - Notas Explicativas... 4 IV. Criação de Fundo de Maneio... 6 V. Reposição de Fundo de

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4. 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7. 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos...

1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4. 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7. 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos... Objetivos 1. Mapa Lei dos compromissos para a ACSS... 4 2. Fundos Disponíveis e interoperabilidade... 7 3. Fundos Disponíveis na recolha de compromissos.... 8 4. Tipos de Documentos DF e CF e contas correntes....

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de Instruções n.º 2/97-2.ª S Instruções para a organização e documentação das contas dos serviços e organismos da Administração Pública (regime geral - autonomia administrativa), integrados no novo Regime

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

ASSUNTO: Instruções sobre informação POCP/ POC Educação a enviar pelos serviços e fundos autónomos

ASSUNTO: Instruções sobre informação POCP/ POC Educação a enviar pelos serviços e fundos autónomos Direcção-Geral do Orçamento MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CIRCULAR SÉRIE A Nº 1369 ASSUNTO: Instruções sobre informação POCP/ POC Educação a enviar pelos serviços e fundos autónomos A presente circular divulga

Leia mais

Paula Gomes dos Santos 1

Paula Gomes dos Santos 1 Paula Gomes dos Santos 1 O Novo Modelo Contabilístico das Entidades Públicas Reclassificadas que aplicam SNC: Um Novo Desfio aos TOC Paula Gomes dos Santos AGENDA Compreender os diferentes conceitos de

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Síntese Execução Orçamental

Síntese Execução Orçamental 2013 janeiro Síntese Execução Orçamental Glossário Ministério das Finanças Glossário A Ativos financeiros (receita) Receitas provenientes da venda e amortização de títulos de crédito, designadamente obrigações

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT Normas de execução financeira Financiamento de Projetos de Investigação Exploratória no âmbito do Programa

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 11 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro

Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro O regime de administração financeira do Estado, instituído pela lei de bases da contabilidade pública - Lei Nº 8/1990, de 20 de Fevereiro, e legislação complementar,

Leia mais

Tribunal de Contas. Verificação Interna à Conta da Unidade de Saúde da Ilha do Faial Centro de Saúde da Horta (2011) Relatório N.º 37/2012 VIC/SRATC

Tribunal de Contas. Verificação Interna à Conta da Unidade de Saúde da Ilha do Faial Centro de Saúde da Horta (2011) Relatório N.º 37/2012 VIC/SRATC Relatório.º 37/2012 VIC/SRATC Verificação Interna à Conta da Unidade de Saúde da Ilha do Faial Centro de Saúde da Horta (2011) Data de aprovação 18/12/2012 Processo n.º 12/109.33 Índice Geral Siglas Utilizadas...

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL PREÂMBULO Com

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

sage Infologia50 Contabilidade

sage Infologia50 Contabilidade Contabilidade Nova Versão SAFT-PT Sage 2008 e Analisador SAFT: Validação, consulta e exploração de dados do ficheiro SAFT. Automatização do CMVMC: Automatização do CMVMC, permitindo a introdução da existência

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito

INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO 1.ª. Âmbito INSTRUÇÕES N.º 2 /00 2.ª SECÇÃO De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, compete ao Tribunal de Contas, no âmbito do parecer sobre a Conta Geral

Leia mais

MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA

MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA Janeiro 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO LEGAL... 3 2. OBJETIVO... 4 3. COMPETÊNCIAS... 4 4. PROCEDIMENTOS... 7 4.1. PAGAMENTOS... 10 4.2. RECEBIMENTOS... 17 4.3. FOLHA DE

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e

Leia mais

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado em Reunião de Câmara de / / Elaborado em: Ago/2012 ÍNDICE ARTIGO

Leia mais

CAPÍTULO II SECÇÃO I DAS INSTRUÇÕES

CAPÍTULO II SECÇÃO I DAS INSTRUÇÕES CAPÍTULO II INSTRUÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DAS CONTAS DOS ORGÃOS E SERVIÇOS DO ESTADO COM OU SEM AUTONOMIA ADMINISTRATIVA, FINANCEIRA E/OU PATRIMONIAL, INCLUINDO OS SEDIADOS NO ESTRANGEIRO;

Leia mais

Manual Controlo Interno

Manual Controlo Interno Manual Controlo Interno Novembro 2015 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO....5 II. OBJETO...6 III. ÂMBITO....7 IV. ÂMBITO DA APLICAÇÃO.....7 V. COMPETÊNCIAS GERAIS...8 VI. DEFINIÇÃO DE AUTORIDADE E DELEGAÇÃO RESPONSABILIDADES...8

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

IPBEJA. Manual de Procedimentos

IPBEJA. Manual de Procedimentos IPBEJA SETOR DE APROVISIONAMENTO E PATRIMÓNIO Manual de Procedimentos ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 APRESENTAÇÃO DO SETOR... 4 METODOLOGIA... 5 CAPÍTULO I AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS... 6 1. GLOSSÁRIO...

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Introdução

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Introdução Introdução Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro, que aprovou o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), deu-se forma à reforma da administração financeira

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO JANEIRO 2015 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...4 II. OBJETO..5 III. ÂMBITO.5 IV. ÂMBITO DA APLICAÇÃO...6 V. COMPETÊNCIAS GERAIS...6 VI. DEFINIÇÃO DE AUTORIDADE E DELEGAÇÃO RESPONSABILIDADES..6

Leia mais

14.03.2012. Sumário REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS PARA O SETOR EMPRESARIAL LOCAL, FUNDAÇÕES, ASSOCIAÇÕES E AGÊNCIAS

14.03.2012. Sumário REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS PARA O SETOR EMPRESARIAL LOCAL, FUNDAÇÕES, ASSOCIAÇÕES E AGÊNCIAS 14.03.2012 Sumário REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS PARA O SETOR EMPRESARIAL LOCAL, FUNDAÇÕES, ASSOCIAÇÕES E AGÊNCIAS EDITAL Nº 100/2012 Regulamento de Procedimentos para o Setor Empresarial Local, Fundações,

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

SFA RIGORE Central. Circular Série A n.º 1369 APOIO PRINCIPAL:

SFA RIGORE Central. Circular Série A n.º 1369 APOIO PRINCIPAL: SFA RIGORE Central Circular Série A n.º 1369 APOIO PRINCIPAL: O que altera com a circular 1369? Não Dívida Deverá ser preenchido para identificar as contas 2- Terceiros, que embora tendo natureza credora,

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 GOVERNO

DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 GOVERNO Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO GOVERNO Decreto n.º42/2012. Define as regras, procedimentos e calendário para o exercício de prestação

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

CLASSIFICADOR ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DAS AUTARQUIAS LOCAIS

CLASSIFICADOR ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DAS AUTARQUIAS LOCAIS S EXPLICATIVAS Nota: Na sequência da adopção do plano de contas a vigorar em 2010 para reporte de informação financeira à DGAL, em Dezembro de 2009, assinalam-se as notas com alterações a cor diferente,

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno Câmara Municipal Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO INDICE CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º 1º Objecto... 4 Art.º 2º Âmbito... 4 Art.º 3º Competências... 4 Art.º 4º Documentos e registos... 5

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 870

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 870 Directriz de Revisão/Auditoria 870 SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS Maio de 2004 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-12 OBJECTIVO E ÂMBITO DA DRA 13-15 ÂMBITO DE INTERVENÇÃO DO REVISOR 16-20 MATERIALIDADE 21-22

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

Tendo em vista a clarificação das alterações mais significativas, procede-se à sua divulgação.

Tendo em vista a clarificação das alterações mais significativas, procede-se à sua divulgação. Classificação: 020.10.01 Segurança: Processo: 2014 000460 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA-IVA Ofício Circulado N.º: 30158/2014 2014-01-29 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade Pública (POCP), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS Só os Técnicos Oficiais de Contas estão habilitados técnica e legalmente a responsabilizarem-se pela sua contabilidade.

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais