MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA"

Transcrição

1

2 Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca IPBeja/Maio de

3 IPBEJA SERVIÇO DE TESOURARIA Manual de Procedimentos 1. INTRODUÇÃO NOTA DE REALIZAÇÃO BREVE GLOSSÁRIO DOCUMENTAÇÃO FUNDO DE MANEIO INTRODUÇÃO CONSTITUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DO FM RECONSTITUIÇÃO REPOSIÇÃO RECEBIMENTOS RECEBIMENTOS INCUMPRIMENTOS PAGAMENTOS

4 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Como objectivo geral, a Tesouraria deverá efectuar uma eficiente previsão, optimização e controlo de todos os pagamentos e de todos os recebimentos, no sentido da minimização dos riscos de carência e detenção de liquidez. As funções gerais da Tesouraria assentam na salvaguarda de valores, devendo os seus responsáveis: Validar a documentação de suporte; Identificar verbas depositadas por transferência bancária; Preparar os meios de pagamento; Recolher e verificar as assinaturas obrigatórias, designadamente nos cheques e nas transferências bancárias; Efectuar os pagamentos autorizados; Garantir a boa cobrança das facturas; Registar todos os pagamentos efectuados; Verificar, conferir e arrecadar todos os recebimentos; Efectuar todos os depósitos diariamente; Registar todos os recebimentos; Elaborar o diário de caixa dos valores entrados e saídos; Administrar o Fundo de Maneio; Fornecer informação atempada e actualizada aos serviços competentes, das entradas e saídas de valores; Arquivar a documentação de suporte das operações efectuadas pela Tesouraria, em conformidade com as normas institucionalizadas. Este documento visa servir de referência ao Serviço de Tesouraria (de ora em diante também designado ST), bem como a todos os Serviços/Gabinetes e utentes intervenientes, relativamente aos procedimentos a realizar. O presente documento encontra-se dividido em duas partes. Uma primeira, designada por Breve Glossário e Documentação, onde se aborda o significado e conteúdo da nomenclatura e da documentação, respectivamente, utilizada pelo serviço, a qual é apresentada como anexo; e uma segunda, designada por procedimentos que consiste 3

5 em clarificar o trabalho a ser desenvolvido pelo ST, sendo que ao longo do documento é apresentada uma descrição verbal dos procedimentos realizados bem como uma representação visual (fluxograma) dos mesmos. 4

6 2. NOTA DE REALIZAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA O presente trabalho é o resultado de reuniões de análise realizadas entre o Serviço de Tesouraria (ST) e o Gabinete de Qualidade, Avaliação e de Procedimentos (GQUAP), com o objectivo de identificação e levantamento dos circuitos, procedimentos e propostas no âmbito do quotidiano do ST. Assim, o resultado ora apresentado traduz o retrato fiel das relações internas existentes no ST, bem como das relações inter-serviços/gabinetes, em que o referido serviço desempenhe funções activas. O Serviço de Tesouraria O Serviço de Tesouraria, / / O Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos O GQUAP, / / O Administrador do IPBeja (Dirigente Responsável) O Administrador do IPBeja, / / O Presidente do IPBeja O Presidente do IPBeja, / / 5

7 3. BREVE GLOSSÁRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA FM Fundo de Maneio IPBeja Instituto Politécnico de Beja SAS ST Serviços de Acção Social Escolar Serviços de Tesouraria 6

8 4. DOCUMENTAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Decreto-Lei nº 155/92, de 28 de Julho (Regime da Administração Financeira do Estado) Regulamentação Interna o o o Regulamento de Propinas em vigor no IPBeja, aplicável aos estudantes do 1º Ciclo de estudos (Grau de Licenciado), do 2º Ciclo (Grau de Mestre) e dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET); Regulamento do Fundo de Maneio do IPBeja; Tabela de Emolumentos, a ser publicada em DR sempre que haja alteração dos montantes a cobrar. 7

9 5. FUNDO DE MANEIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA 5.1 INTRODUÇÃO O Fundo de Maneio considera-se uma caixa para pagamentos de baixo montante, com carácter urgente e inadiável, cuja movimentação é da exclusiva competência do responsável nomeado para o efeito. As regras de utilização e movimentação do Fundo de Maneio são definidas pelo regime legal geral no artigo 32.º do Decreto-Lei nº 155/92, de 28 de Julho (Regime da Administração Financeira do Estado), cujo artigo se transcreve: 1 - Para a realização de despesas de pequeno montante podem ser constituídos fundos de maneio em nome dos respectivos responsáveis, em termos a definir anualmente no Decreto-Lei de execução orçamental. 2 - Os responsáveis pelos fundos de maneio autorizados nos termos do número anterior procederão à sua reconstituição de acordo com as respectivas necessidades. 3 - A competência para a realização e pagamento das despesas em conta de fundos de maneio caberá ao responsável pelo mesmo. 4 - Os serviços e organismos procederão obrigatoriamente à liquidação dos fundos de maneio até à data que for anualmente fixada nos termos do n.º 1. Nos termos do artigo 32º, nº 1 é remetido anualmente para o Decreto-Lei de Execução Orçamental, que estabelece as condições em que os Dirigentes dos Serviços ou Organismos podem constituir o Fundo de Maneio, bem como o prazo para a sua liquidação. 8

10 5.2 CONSTITUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DO FM CONSTITUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DO FUNDO MANEIO Tesouraria Conselho de Gestão Requisitante Director da Unidade Orgânica ou Director Exploração Agrícola Serviço de Aprovisionamento e Património Início 1 Proposta Através de Informação Interna Referente aos Montantes e Regras Gerais de Utilização Proposta Através de Informação Interna Referente aos Montantes e Regras Gerais de Utilização Responsabilidade do Fundo Maneio Autorizado Parecer Favorável Preenchimento Requisição Interna a) O Requisitante imprime a Requisição Interna e entrega-a ao responsável pela autorização da futura aquisição Requisição Interna Informação 4 a) i 4 a) i N Autorização Processo 4 a) ii FIM S 4 a) ii Assina em Conformidade 4 a) iii Disponibilização do Montante Autorizado P/ Aquisição dos Bens Solicitados 4 a) iv Preenchimento do Anexo 2 no Momento da Entrega do Valor em Numerário 4 a) v Entrega de Documento Comprovativo da Aquisição 4 a) vi Caso Exista Troco Procede-se ao Preenchimento da 2ª Parte do Anexo 2 FIM Pagina 1 de 2 9

11 Tesouraria MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA CONSTITUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DO FUNDO MANEIO Conselho de Gestão Requisitante Responsável Pela Autorização da Futura Aquisição Serviço de Aprovisionamento e Património b) O Requisitante pertence à Unidade Orgânica envia a Requisição Interna para o serviço de Aprovisionamento e Património com indicação de aquisição urgente por Fundo Maneio Início 4 b) 4 b) Preenchimento da Requisição Interna Requisição Interna 4 b) i Requisição Interna 4 b) ii Informação 4 b) ii N Autorização 4 b) iii FIM 4 b) iii S Assina em Conformidade Processo Disponibilização do Montante Autorizado P/ Aquisição dos Bens Solicitados 4 b) iv 4 b) v Preenchimento do Anexo 2 no Momento da Entrega do Valor em Numerário 4 b) vi Entrega de Documento Comprovativo da Aquisição 4 b) vii Caso Exista Troco Procede-se ao Preenchimento da 2º Parte do Anexo 2 FIM Pagina 2 de 2 1. O Fundo de Maneio é da responsabilidade da Tesouraria, que no início de cada ano económico ou de cada mandato do Conselho de Gestão, propõe através de informação interna dirigida ao Conselho de Gestão do IPBeja, o montante e regras gerais de utilização, que serão objecto de decisão Superior; 2. O parecer favorável do Conselho de Gestão (aprecia e aprova) é remetido à Tesouraria que procederá em conformidade; 10

12 3. O controlo do Fundo de Maneio autorizado é da responsabilidade do Tesoureiro, independentemente dos plafonds que são atribuídos à gestão de cada Director / Responsável das Unidades Orgânicas e Exploração Agrícola, respectivamente; 4. Aquando da detecção de situações cuja urgência justifique a utilização do FM, o requisitante procede ao preenchimento da Requisição Interna (Anexo 1), indicando o levantamento da necessidade, bem como indicação imprescindível dos valores envolvidos, podendo de seguida ocorrer uma das duas situações descritas: a. O requisitante imprime a Requisição Interna e entrega-a ao Responsável pela autorização da futura aquisição (Director de Unidade Orgânica; Responsável da Exploração Agrícola); i. Caso não haja autorização do responsável pela aquisição solicitada, é contactado o requisitante para informação do ocorrido; ii. Caso o responsável autorize a requisição, assina em conformidade e o processo é remetido para a Tesouraria; iii. De seguida é disponibilizado o montante autorizado, que o requisitante irá recolher para aquisição dos bens/serviços solicitados; iv. Neste momento de entrega do valor em numerário, o requisitante preenche o Anexo 2 Pedido de Fundo de Maneio ; v. Após a aquisição se realizar, é obrigatório a entrega de documento comprovativo (exemplo: venda-a-dinheiro ou factura + recibo); vi. Sempre que se verifique a existência de troco, será preenchida a 2ª parte do Anexo 2; b. Ou o Requisitante, pertencente à Unidade Orgânica Serviços Centrais, envia a Requisição Interna para o Serviço de Aprovisionamento e Património, com indicação de aquisição urgente por fundo de maneio ; i. O SAP envia a Requisição para o Responsável pela autorização da futura aquisição; ii. Caso não haja autorização do responsável pela aquisição solicitada, é contactado o requisitante para informação do ocorrido; iii. Caso o responsável autorize a requisição, assina em conformidade e o processo é remetido para a Tesouraria; 11

13 iv. De seguida é disponibilizado o montante autorizado, que o requisitante irá recolher para aquisição dos bens/serviços solicitados; v. Neste momento de entrega do valor em numerário, o requisitante preenche o Anexo 2 Pedido de Fundo de Maneio ; vi. Após a realização da aquisição, é obrigatória a entrega de documento comprovativo (exemplo: venda-a-dinheiro ou factura + recibo); vii. Sempre que se verifique a existência de troco, será preenchida a 2ª parte do Anexo RECONSTITUIÇÃO RECONSTITUIÇÃO FUNDO MANEIO Tesouraria Sector Financeiro Conselho de Gestão 1 - O Fundo Maneio deve ser regularizado mensalmente, no 1º dia útil de cada mês Início 1 a) Organização dos Documentos de Suporte a cada uma das Aquisições Autorizadas 1 b) Registo dos Processos no Anexo 3 1 c) Emissão de Cheque P/Reposição Fundo Maneio Registo dos Processos no Anexo 3 + Documentos de Suporte a Cada uma das Aquisições Procedimentos Contabilisticos 1 c) 1 d) 1 f) 1 e) Ratificação das Aquisições Efectuadas + Assinatura Cheque Reposição dos valores mensais, através do levantamento do cheque Processo P/Arquivo FIM 12

14 1. O Fundo de Maneio deve ser regularizado mensalmente, no 1º dia útil de cada mês, pelo que; a. O Responsável pelo controlo do Fundo de Maneio deverá organizar os documentos suporte 1 a cada uma das aquisições autorizadas e concedidas no período agora findo; b. Todos os processos referidos no nº anterior deverão ser registados no Anexo 3 Mapa Mensal de Fundo de Maneio, onde conste a seguinte informação por aquisição: i. Montante autorizado no mês anterior; ii. Reconstituição efectuada no mês anterior 2 ; iii. Fornecedor por aquisição; iv. Montante autorizado por aquisição; v. Data e número de documento suporte da aquisição; c. Neste momento, o Anexo 3 é entregue no Sector Financeiro, acompanhado dos documentos 3 suporte das aquisições, sendo à posteriori emitido um cheque para a reposição 4 do Fundo de Maneio; d. De seguida, são executados os procedimentos contabilísticos (cabimentos, compromissos, processamentos e autorização de pagamento); e. Para que sejam entregues ao Conselho de Gestão, que em acta ratificam as aquisições efectuadas; f. Os processos retornam ao Sector Financeiro, local onde serão arquivados. 5.4 REPOSIÇÃO 1. A reposição do Fundo de Maneio deverá ser efectuada até ao dia 31 de Dezembro de cada ano económico; 13

15 2. Para o efeito, o valor a repor no final do ano económico deve ser obrigatoriamente igual ao Fundo de Maneio atribuído no início do Ano; 3. Deste modo, o montante que constituiu o Fundo de Maneio, inicialmente levantado, deverá ser agora depositado em Instituição Bancária titulada pelo IPBeja. 14

16 6. RECEBIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA 6.1. RECEBIMENTOS RECEBIMENTOS Cubo + Biblioteca IPbeja Tesouraria Sector Financeiro 1 - Os recebimentos poderão ser entregues em Numerário, Cheque ou Multibanco Alíneas a) e b) Receitas oriundas do Cubo e da Biblioteca do IPBeja Início Entrega de Documento Diário Resumo dos Recebimentos Efectuados e Respectivos Valores Entrega de Documento Diário Resumo dos Recebimentos Efectuados e Respectivos Valores Folhas Resumo dos Montantes Recebidos 4 Cobrança das Receitas no Software Epública 3 Emissão das Receitas Correspondentes FIM A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário existentes em cofre. 1. Os recebimentos efectuados na Tesouraria do IPBeja reportam-se às seguintes situações e poderão ser entregues em numerário, cheque ou através de TPA, vulgo multibanco: a. Receitas oriundas do Cubo ; b. Receitas oriundas da Biblioteca do IPBeja; c. Receitas oriundas dos Laboratórios do IPBeja; d. Receitas de emolumentos e propinas dos estudantes do IPBeja; e. Receitas verificadas nas demais prestações de serviços efectuadas à Comunidade; 15

17 2. Nos casos descritos nas linhas a) e b), são entregues na Tesouraria, documento diário resumo dos recebimentos efectuados, onde conste igualmente a tipologia utilizada; 3. De seguida a Tesouraria envia as folhas resumo dos montantes recebidos para o Sector Financeiro, o qual procede à emissão das correspondentes Receitas; 4. Neste momento as Receitas anteriormente emitidas encontram-se disponíveis para cobrança por parte da Tesouraria, no software Epública; 16

18 RECEBIMENTOS Cliente Laboratório Sector Financeiro Tesouraria 1 - Os recebimentos poderão ser entregues em Numerário, Cheque ou Multibanco 5 - Alíneas c) Clientes Protocolados Início Solicitação da Análise 5 a)i 5 a)ii Solicitação da Análise Emissão de Nota de Encomenda Nota de Encomenda 5 a)ii 5 a) iii 5 a) iii 5 a) iv Disponibiliza o No Final de Cada Mês Procede à Análise Levantamento dos Procede à Emissão da Solicitada Resultados Obtidos Factura Após a Data de Emissão da Factura Deve Proceder ao Respectivo Pagamento no Prazo de 30 Dias Recebimento do Recibo 5 a) v 5 a)vi 5 a)vi Após a Recebimento Emissão do Recibo FIM A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário existentes em cofre. 5 - Alíneas c) Clientes Particulares Início 5 b)i Solicitação da Análise 5 b)ii Solicitação da Análise Envio Via Electrónica Dados do Cliente + Encomenda Solicitada 5 b)iv 5 b)iii 5 b)ii Envio Via Electrónica Dados do Cliente + Encomenda Emissão de Solicitada Venda-a- Dinheiro Mediante Pagamento Imediato 5 b)iv Informação Sobre o Pagamento Informação Sobre o Pagamento 5 b)v Prestação de Serviços FIM 5 b)v - A Prestação de Serviços só ocorrerá após o pagamento, sendo que nos casos de excepção, os resultados só serão entregues ao cliente quando o pagamento tiver ocorrido. A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário existentes em cofre. 5. No caso da alínea c), duas situações poderão ocorrer: a. Clientes Protocolados: i. O cliente solicita a análise ao Laboratório em causa; ii. O Laboratório emite nota-de-encomenda, que será enviada ao Sector Financeiro; 17

19 iii. O laboratório procede à análise solicitada, disponibilizando os resultados obtidos para levantamento no local, ou envio via CTT; iv. O Sector Financeiro, no final de cada mês, procede à emissão da Factura correspondente às análises efectuadas por cliente protocolado, a qual é enviada para a respectiva morada; v. O Cliente dispõe de 30 dias após a data de emissão da factura, para proceder ao respectivo pagamento; vi. A Tesouraria após recebimento, emite o recibo que será enviado/entregue ao cliente 5 ; b. Cliente Particular: i. O cliente solicita a análise ao Laboratório em causa; ii. O Laboratório envia via electrónica, dados do cliente e encomenda solicitada, à Tesouraria; iii. O Cliente dirige-se à Tesouraria, a qual segundo orientações anteriormente recepcionadas, emite venda-a-dinheiro, mediante pagamento imediato; iv. A Tesouraria deverá neste momento informar o Laboratório do pagamento ocorrido; v. É de notar, que regra geral a prestação de serviços só ocorrerá após o pagamento da mesma ser efectuado, sendo que nos casos de excepção, os resultados só serão entregues ao cliente quando o pagamento tiver ocorrido 6. 18

20 RECEBIMENTOS Estudantes Tesouraria Sector Financeiro 6 - Alíneas d) Receitas de Emolumentos e Propinas dos Estudantes do IPBeja Início 6 Pagamento de Valores em Dívida Através Transferência Bancária ou Referências Multibanco 6 Pagamento Através dos Meios Disponíveis Recibo 7 Emissão de Recibo 7 FIM 8 Emissão Diária de Folhas de Caixa no Software Caixa/Digitalis 8 Folhas de Caixa Software Caixa/Digitalis 9 Cobrança da Receita no Software Epública 9 Emissão da Receita no Software Epública FIM A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário existentes em cofre. 6. Nos casos da alínea d), os estudantes: a. Dirigem-se à Tesouraria para efectuar o pagamento dos valores em causa, através dos meios descritos anteriormente, ou através de transferência bancária, devidamente identificada; b. São emitidas referências multibanco relativas aos pagamentos a efectuar por estudante matriculado a partir do ano lectivo 2010/2011; 7. Neste momento é emitido o recibo comprovativo de pagamento e entregue ao estudante por parte da Tesouraria; 8. Para finalizar o processo de receita, são emitidas diariamente na Tesouraria as folhas de caixa do software Caixa/Digitalis e enviadas para o Sector Financeiro; 19

21 9. O Sector Financeiro emite a receita no software Epública, sendo posteriormente cobrada na Tesouraria. RECEBIMENTOS Sector Financeiro Cliente Tesouraria 1 - Os recebimentos poderão ser entregues em Numerário, Cheque ou Multibanco 10 - Alínea e) Receitas verificadas nas demais prestações de serviços efectuadas à Comunidade Início Emissão de Factura Referente à Prestação de Serviços 10 a) 10 a) 10 a) Factura Referente à Prestação de Serviços 10 a) Emissão de Recibo Recibo FIM A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário existentes em cofre Alínea e) Receitas verificadas nas demais prestações de serviços efectuadas à Comunidade Início 10 b) 10 b) Pagamento da Prestação em Causa Pagamento da Prestação em Causa 10 b) 10 b) Recibo Emissão de Recibo 10 b) Envio das Receitas Emitidas Emissão das Receitas Correspondentes FIM 10 b) Envio das Receitas Emitidas 10 b) Cobrança das Receitas no Software Epública FIM 11 A Tesouraria procede diariamente ao depósito de cheques e numerário em cofre. 20

22 10. Nos casos da alínea e), duas situações poderão ocorrer: a. São emitidas por parte do Sector Financeiro (consequência da informação entregue neste sector, por parte do responsável pela prestação de serviços), às entidades/clientes envolvidos, factura referente à prestação de serviços em causa, a qual será paga através dos meios descritos anteriormente à Tesouraria, que emitirá recibo correspondente; b. As entidades/clientes, dirigem-se directamente à Tesouraria para efectuar o pagamento da prestação em causa, cuja informação de facturação já terá sido recepcionada neste sector, enviada pelo responsável institucional da mesma; 11. A tesouraria procede diariamente ao depósito dos cheques e numerário existentes em cofre; 12. Arquivo da Receita: a. Relativamente a todos os processos de receita da Instituição, estes são objecto de arquivo na Tesouraria, efectuado em dossier próprio, do seguinte modo: i. Facturas por Cobrar; ii. Facturas Cobradas; iii. Vendas a Dinheiro; iv. Cobranças de Estudantes; v. Outras Cobranças (Projectos, etc); vi. Depósitos por Conta Bancária INCUMPRIMENTOS 1. Relativamente às situações em que existe incumprimento por parte de clientes, a Tesouraria emite ofício de aviso 30 dias após a data do vencimento da Factura; 2. Caso o incumprimento se mantenha, é enviado segundo ofício de aviso, seis meses após a data de emissão do primeiro ofício; 3. O procedimento é uma última vez repetido, desde que o incumprimento persista, seis meses após a data de emissão do segundo ofício, será emitido o terceiro ofício de aviso; 4. Findo o prazo para regularização da dívida, imposto no terceiro ofício de aviso, o processo prossegue em Tribunal. 21

23 7. PAGAMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA 22

24 Pagamentos Sector Financeiro Tesouraria Conselho de Gestão Entidades / Utentes Inicio 1 Emissão de Aut. De Pagamento Emissão de Aut. De Pagamento Autorização 2 Organização processual 3 Envio para Tesouraria dos processos para pagamento Processos para pagamento a) Transferências Bancárias Emissão de Cheques b) Assinatura de Cheques + autorização das Transferências Bancárias 7 Envio de processos de despesa com cópia do pagamento efectuado 4 Registo no Epública dos pagamentos + impressão doc. compravativo 6 Arquivo em dossiers próprios, por conta bancária. 5 Envio de comprovativo de pagamento / envio de cheque Fim 23

25 5. Todos os processos de despesa, após execução da Autorização de Pagamento 7 no Sector Financeiro, são remetidos para o Conselho de Gestão, que em reunião periódica autoriza os respectivos pagamentos; 6. Os processos seguem novamente para o Sector Financeiro, que após organização, envia todos aqueles que se encontram em condições de serem pagos, para a Tesouraria; 7. Aquando da recepção dos processos, o responsável pelos pagamentos divide o modo como irá ser efectuado, bem como por orçamento a utilizar: a) TRANSFERÊNCIAS BANCÁRIAS - inserem os dados no homebanking 8 ou BES 9, os quais após emissão ficam sujeitos a autorização por parte dos membros do Conselho de Gestão; b) EMISSÃO DE CHEQUES nos casos do homebanking, são emitidos no sistema, autorizados em momento idêntico ao das transferências bancárias, sendo posteriormente impressos e assinados pelos membros do Conselho de Gestão (2 elementos e colocação de Selo Branco da Instituição) e enviados para o fornecedor; relativamente à emissão de cheques através do BES, estes são efectuados manualmente, assinados pelos membros do Conselho de Gestão (2 elementos e colocação de Selo Branco da Instituição) e enviados para o fornecedor através de ofício; 8. Neste momento são registados os pagamentos efectuados no software contabilístico Epública, por parte da Tesouraria, que emite o comprovativo de pagamento oriundo do sistema (Epública) colocando-o no processo de despesa; 9. Após envio: a) Dos comprovativos das transferências efectuadas, são arquivadas cópias quer nos processos de despesa, quer no arquivo da Tesouraria; b) Dos cheques, são arquivadas cópias quer nos processos de despesa, quer no arquivo da Tesouraria; 24

26 10. De referir que se encontram arquivados em dossier próprio, por conta bancária, onde constam os respectivos extractos, transferências ocorridas e cheques emitidos; 11. Os processos de despesa são neste momento enviados para o Sector Financeiro, onde serão arquivados. 25

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização O FUNDO DE MANEIO Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo ao Manual sobre o Fundo de Maneio Esta apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 17 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento. Conselho de Gestão do IPPortalegre 2. Artigo 1º

Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento. Conselho de Gestão do IPPortalegre 2. Artigo 1º Candidatura, atribuição e pagamento de alojamento Conselho de Gestão do IPPortalegre 21 07 2014 2 Artigo 1º O presente regulamento define as condições de candidatura, atribuição e pagamento de alojamento,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei n.º 162/99,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões ANEXO 6 REGULAMENTO CIRCUITO DESPESA E RECEITA -

Agrupamento de Escolas Santos Simões ANEXO 6 REGULAMENTO CIRCUITO DESPESA E RECEITA - Agrupamento de Escolas Santos Simões AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES ANEXO 6 REGULAMENTO CIRCUITO DESPESA E RECEITA - 1 Artigo n.º 1 Carregamento de Cartões 1. O carregamento de cartões tem lugar

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de Instruções n.º 2/97-2.ª S Instruções para a organização e documentação das contas dos serviços e organismos da Administração Pública (regime geral - autonomia administrativa), integrados no novo Regime

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação O Sistema de Controlo Interno deverá englobar o plano de organização, políticas, métodos e procedimentos de controlo, bem como todos os demais métodos e procedimentos. A elaboração de um tal documento

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno Câmara Municipal Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO INDICE CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º 1º Objecto... 4 Art.º 2º Âmbito... 4 Art.º 3º Competências... 4 Art.º 4º Documentos e registos... 5

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade Pública (POCP), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA

MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA MANUAL PROCEDIMENTOS DE TESOURARIA Janeiro 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO LEGAL... 3 2. OBJETIVO... 4 3. COMPETÊNCIAS... 4 4. PROCEDIMENTOS... 7 4.1. PAGAMENTOS... 10 4.2. RECEBIMENTOS... 17 4.3. FOLHA DE

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

o o CONSELHO DE MINISTROS I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539

o o CONSELHO DE MINISTROS I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539 I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539 Essa especial autonomia financeira atribuída, através da consignação daquelas receitas, constitui, indubitavelmente, um instrumento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de facturação, encomendas, compras,

Leia mais

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado em Reunião de Câmara de / / Elaborado em: Ago/2012 ÍNDICE ARTIGO

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Questões de âmbito geral - Os novos procedimentos adotados pela FFCUL aplicam-se a que tipologias de projeto? Os novos procedimentos implementados

Leia mais

A solução de mobilidade que lhe permite executar e controlar, de forma eficaz, a Gestão Comercial e a Tesouraria da sua empresa, através da Internet

A solução de mobilidade que lhe permite executar e controlar, de forma eficaz, a Gestão Comercial e a Tesouraria da sua empresa, através da Internet PHC dgestão DESCRITIVO A qualquer momento e onde quer que esteja, o PHC dgestão permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos e documentos de facturação, encomendas e compras, guias de

Leia mais

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO MANUAL DE FUNDO DE MANEIO REV01/2014 ÍNDICE I. Apresentação... 3 II. Enquadramento legal... 3 III. Fundo de Maneio - Notas Explicativas... 4 IV. Criação de Fundo de Maneio... 6 V. Reposição de Fundo de

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei nº 162/99, de 14 Setembro,

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO: - SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO - SUBMISSÃO DE CHECK-LIST

Leia mais

Documento de apoio à submissão de pedidos de apoio 2010

Documento de apoio à submissão de pedidos de apoio 2010 DOCUMENTO DE APOIO À SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO Dezembro 2010 ÍNDICE DOCUMENTO DE APOIO À SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO 1 APRESENTAÇÃO DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO 3 ANÁLISE DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

Leia mais

Solução Poupança Zurich Solução Investimento Zurich

Solução Poupança Zurich Solução Investimento Zurich olução Poupança Zurich olução Investimento Zurich Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente n.º Cliente Associado Mediador Proposta n.º Gestor egócio Cob.

Leia mais

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Artigo 1º Objeto 1. O presente regulamento tem por objeto o Sistema de Controlo Interno do Agrupamento de Escolas Agualva Mira Sintra, doravante designado

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13 INDICE Pág. Nr. NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 ANEXO: PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 A.I CAIXA 8 A.I.1 Fundo de maneio 8 A.II BANCOS 9 A.II.1 Abertura e movimentação de contas bancárias

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

Informações gerais. Formação Inicial de Instrutores de Condução

Informações gerais. Formação Inicial de Instrutores de Condução Informações gerais Formação Inicial de Instrutores de Condução Condições de Acesso 12º Ano completo, equivalente ou superior 2 anos de Carta de Condução Não possuir doença contagiosa ou deficiência física

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS SECÇÃO I RELAÇÃO ENTRE OS MODELOS Neste capítulo o principal objectivo é ajudar à compreensão global dos modelos e estabelecer a forma como os modelos se relacionam.

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA ÍNDICE Capítulo I - Disposições gerais Capítulo II - Princípios e regras Capítulo III - Métodos

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Ordens de Pagamento 08-01-2009

Sessão de Esclarecimento Ordens de Pagamento 08-01-2009 Ordens de Pagamento A partir de Janeiro de 2009 não é possível efectuar qualquer tipo de pagamento sem que sejam emitidas previamente as ordens de pagamento. A Ordem de Pagamento, devidamente autorizada

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA)

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) CIS, 2013 1 Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Regulamento Financeiro rege e disciplina os termos de prestação de propinas devidas pela frequência dos diversos cursos

Leia mais

PHC dgestão. ππ Área de Clientes. ππ Área de Fornecedores ππ Área de Stocks e Serviços ππ Área de Tesouraria. ππ Todas as empresas com

PHC dgestão. ππ Área de Clientes. ππ Área de Fornecedores ππ Área de Stocks e Serviços ππ Área de Tesouraria. ππ Todas as empresas com PHC dgestão DESCRITIVO A qualquer momento e onde quer que esteja, o PHC dgestão permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos e documentos de facturação, encomendas e compras, guias de

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo

NORMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo NORMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei n.º 162/99, de 14 de Setembro,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-95 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR. Ano Lectivo 2012/2013

NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR. Ano Lectivo 2012/2013 NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 A relação das notas em presença, foi elencada a partir da análise dos inquéritos de acidente escolar e da documentação que se liquida através do

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed.

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed. Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde Contacto: taxa.04@infarmed.pt 2008/Setembro NOTAS EXPLICATIVAS 1. As Declaração de Vendas a que se referem

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO

NORMA DE CONTROLO INTERNO NORMA DE CONTROLO INTERNO NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pelo Decreto-lei n.º 315/2000, de 2 de Dezembro, ao aprovar o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 5. SIGLAS 6. CONDIÇÕES GERAIS 7. RESPONSABILIDADES 8. ANEXOS 1. OBJETIVO Este procedimento é estabelecido e mantido para uniformizar

Leia mais

Normas e Procedimentos

Normas e Procedimentos Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos Normas e Procedimentos Definidos ao abrigo do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Facturação em 10 minutos

Facturação em 10 minutos Facturação em 10 minutos Tudo o que sempre quis saber mas nunca teve coragem de perguntar Saiba ainda o que mudou nas Regras de Facturação em 2013 Fica deprimido sempre que pensa em preencher uma factura?

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ADMINISTRATIVO/A PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Administrativo/a Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO -

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA Anexo à Circular n.º 4/11 DIR SEGURO DESPORTIVO PARA 2012 O Seguro Desportivo de Grupo, contratado através da Corretora de Seguros VIP SEGUROS para a época de 2012, abrange toda a prática desportiva do

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo Junta de Freguesia de Valongo INDÍCE CAPÍTULO I 2 Disposições gerais CAPÍTULO II 3 Organização, funções, competências e atribuições CAPÍTULO III 4 Princípios e regras CAPÍTULO IV 5 Organização contabilística,

Leia mais

Sistema Controlo Interno

Sistema Controlo Interno 2012 Norma ÍNDICE do PREÂMBULO Pág. 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES Sistema GERAIS de Pág. 3 Controlo Interno ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 4 CAPÍTULO II DOCUMENTOS, CORRESPONDÊNCIA

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

proposta de adesão ao serviço facturação repartida (vpn)

proposta de adesão ao serviço facturação repartida (vpn) proposta de adesão ao facturação repartida (vpn) postal - Entre a TMN - Telecomunicações Móveis, S.A., e o cliente vigora um acordo de prestação de telefónico móvel, a que corresponde o cartão do plano

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO TESOURARIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO E TESOURARIA ÍNDICE I. Introdução... pag.2 II. Procedimentos da Correspondência Recebida na Sede da Fundação AMI... pag.3 A. Correspondência recebida

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA NORMA DE CONTROLO INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA NORMA DE CONTROLO INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA NORMA DE CONTROLO INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I OBJECTO, ÂMBITO E DEFINIÇÕES Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) 1. A Norma de Controlo Interno da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas.

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas. 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 高 等 教 育 輔 助 辦 公 室 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Gabinete de Apoio ao Ensino Superior Financiamento para as instituições do ensino superior de Macau Instruções para

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO DO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL)

NORMA DE CONTROLO INTERNO DO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL) PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 OBJETO... 6 ÂMBITO DE APLICAÇÃO E NORMAS GERAIS... 6 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 7 SECÇÃO I - TESOURARIA... 8 LIMITES DE DISPONIBILIDADES

Leia mais

INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA

INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA Os impressos que se seguem são parte integrante do processo de pedido de financiamento

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 05-out-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

FICHA DE ADESÃO EMPRESA

FICHA DE ADESÃO EMPRESA FICHA DE ADESÃO EMPRESA Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nome/Denominação Social: DADOS DA EMPRESA * Morada da Empresa: Localidade: Caixa Postal: Nome do 1º Utilizador:

Leia mais