REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e a gestão socio-económica das habitações propriedade do Município de Guimarães, podendo exercer outras actividades que estejam relacionadas com o seu objecto e não sejam excluídas por Lei. A sua criação sustentou-se no enquadramento legal criado pela Lei n.º 58/98 de 18 de Agosto, que permite criar empresas para a gestão de serviços públicos. Apesar de ser uma empresa pública sem fins lucrativos, a CASFIG, EM encontrase obrigada a demonstrar eficácia e eficiência na prossecução dos objectivos para que foi criada, rentabilizando ao máximo os recursos existentes. O presente regulamento tem como objectivo definir o sistema de controlo interno a adoptar pela CASFIG, E.M., englobando o plano de organização, políticas, métodos e procedimentos de controlo que contribuam para assegurar o desenvolvimento das actividades, de forma adequada e eficiente, incluindo a salvaguarda dos activos, a prevenção e detecção de situações de ilegalidade, fraude e erro, a exactidão e integridade dos registos contabilísticos e a preparação oportuna de informação financeira fidedigna. Este regulamento pretende, também, criar as condições para garantir o funcionamento do sistema de controlo interno, o seu acompanhamento e a sua permanente avaliação. Artigo 1.º Princípios Gerais 1. Todos os processos e procedimentos da CASFIG, E.M. deverão desenrolar-se com observância, além do que está especificamente definido no presente documento, dos elementos seguintes: autoridade e responsabilidade para intervenção no processo; segregação e separação de funções; controlo das operações; numeração dos documentos; adopção de provas e conferências independentes.

2 Artigo 2.º Aprovação É aprovado o regulamento de controlo interno da CASFIG, E.M., cujos procedimentos de controlo interno se anexam a este regulamento e que dele fazem parte integrante. Artigo 3.º Âmbito de aplicação O regulamento de controlo interno aplica-se a todos os Serviços da CASFIG, E.M. abrangidos pelos procedimentos de controlo interno que lhe estão anexos. Artigo 4.º Objecto O regulamento de controlo interno integra os procedimentos de controlo interno na área de disponibilidades, contas de terceiros, imobilizado, sistema informático e reconciliações e verificações, anexos ao presente regulamento, designadamente os procedimentos PCI-D-001, "Caixa", PCI-D-002, "Bancos", PCI-D-003, "Fundos de maneio", PCI-D-004, "Pagamentos", PCI-D-005, "Receita", PCI-CT-001, "Processo de compras", PCI-CT-002, "Controlo de entregas e facturas", PCI-I-001, "Imobilizado", PCI-SI-001, "Sistema informático", e PCI-RV-001, "Reconciliações e verificações". Artigo 5.º Publicidade A CASFIG, E.M. dará publicidade do regulamento de controlo interno e das respectivas alterações que venham a ser consideradas, junto dos Serviços, até 15 dias após a sua aprovação em reunião do Conselho de Administração. Artigo 6.º Acompanhamento e avaliação do regulamento de controlo interno O acompanhamento e avaliação do regulamento de controlo interno é da responsabilidade do Conselho de Administração e faz-se nos termos do procedimento de controlo interno PCI-RV-001, anexo ao presente regulamento. Artigo 7.º Infracções

3 A violação dos procedimentos estabelecidos no presente regulamento por motivos que indiciem o cometimento de infracção disciplinar, dará lugar à imediata instauração de processo disciplinar, nos termos da legislação aplicável. Artigo 8.º Omissões Os casos omissos ao presente regulamento e eventuais alterações serão objecto de deliberação do Conselho de Administração e posterior inclusão no regulamento de controlo interno, através das alterações necessárias a efectuar. Artigo 9.º Norma revogatória Ficam revogados todos os despachos, normas internas e ordens de serviço anteriores que disponham em sentido contrário ao presente regulamento. Artigo 10.º Entrada em vigor O regulamento de controlo interno entra em vigor 15 dias após a sua aprovação. ANEXO PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO Disponibilidades 1 - OBJECTIVO Caixa / PCI-D-001 Estabelecer os métodos de controlo e responsabilidades associadas ao processo de movimentação e contabilização dos fundos, montantes e documentos existentes em caixa. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se no processo de definição dos limites de importâncias existentes em caixa, estado de responsabilidade do funcionário que tem a seu cargo a tesouraria e as entradas e saídas de numerário. 3 - REFERÊNCIAS Procedimento de Controlo Interno PCI-RV-001 "Reconciliações e Verificações";

4 Procedimento de Controlo Interno PCI-D-005 "Receita"; 4 PROCEDIMENTO Definição das Contas de Disponibilidades Existe na CASFIG, E.M. o caixa principal, associado á conta 112 do Plano de contas da contabilidade geral, e o caixa movimento de fundo fixo, associado à conta Verificação do estado de responsabilidade do responsável pelos fundos A verificação do estado de responsabilidade do funcionário responsável pelos fundos, montantes e documentos entregues à sua guarda, efectua-se através da contagem física do numerário e documentos a seu cargo Controlo de caixa A responsabilidade por situações de alcance não é imputável ao responsável pelos fundos, excepto se, no desempenho das suas funções de gestão, controlo e apuramento de importâncias, houver procedido com culpa Situações em que se procede à verificação do estado de responsabilidade do responsável pelos fundos A verificação a que alude o ponto é feita na presença do responsável pelos fundos ou do seu substituto legal, nas seguintes situações: a) Mensalmente e sem aviso prévio; b) No encerramento das contas de cada exercício económico; c) No final e no início do mandato do Conselho de Administração; d) Quando for substituído o responsável pelos fundos Formalização dos termos de contagem Os termos de contagem dos montantes sob a responsabilidade do responsável pelos fundos, são assinados por este, pelo responsável pelo Sector de, pelo dirigente máximo dos Serviços e pelo Conselho de Administração. Sempre que se verifique a situação definida na alínea d) do ponto anterior, o termo de contagem também é assinado pelo responsável pelos fundos cessante Controlo e procedimentos a aplicar às entradas e saídas por caixa

5 As entradas de importâncias em caixa são sempre documentadas por Recibos ou documento equivalente. As saídas por caixa, efectuadas a partir da conta de movimento de fundo fixo, destinam-se apenas a pagamentos até ao valor de 150 e obedecem ao disposto do Procedimento de Controlo Interno PCI-D-003 "Pagamentos". As entradas e saídas por caixa deverão ser registadas na Folha de Caixa pelo responsável e conferidas pela. 5 - IMPRESSOS/REGISTOS Designação Original Recibos, folhas de fecho de caixa, ou outros documentos comprovativos de recebimento Documentos de despesa Autorizações de Pagamento Responsável pelo Arquivo Bancos / PCI-D OBJECTIVO Estabelecer os métodos de controlo e responsabilidades associadas ao processo de abertura e movimentação das contas bancárias. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se no processo de abertura de contas bancárias e sua movimentação, no processo de controlo dos cheques não emitidos, dos cheques anulados, e dos cheques em trânsito e no processo de efectuação de reconciliações bancárias. 3 - REFERÊNCIAS

6 Procedimento de controlo interno PCI-RV-001 " Reconciliações e Verificações". 4 PROCEDIMENTO Abertura e movimentação de contas bancárias A abertura de contas bancárias é sujeita a prévia autorização do Presidente do Conselho de Administração, sendo as mesmas sempre tituladas pela CASFIG, E.M. No despacho de autorização de abertura de contas deve ser evidenciado, caso se justifique, critérios para a movimentação. As contas bancárias da CASFIG, E.M. são movimentadas simultaneamente por duas assinaturas, sendo sempre uma a do Presidente do Conselho de Administração e outra a de um Vogal deste órgão social Controlo de cheques Os cheques não preenchidos ficam à guarda de funcionário a designar. Os cheques emitidos que tenham sido anulados ficam à guarda do mesmo funcionário, inutilizando-se as assinaturas que eventualmente neles constam, sendo que este deve proceder ao seu arquivo sequencial. A verificação do período de validade dos cheques em trânsito deve ser efectuada pelo responsável pelos fundos, sendo que findo o período de validade, este deve proceder ao cancelamento junto da instituição de crédito, bem como, conjuntamente com a, aos registos contabilísticos de regularização Reconciliações bancárias As reconciliações bancárias são efectuadas mensalmente, de acordo com o estipulado nos procedimentos de controlo interno PCI-RV-001 "Reconciliações e Verificações". 5 - IMPRESSOS/REGISTOS

7 Designação Cheques Talões de depósito Extractos bancários Responsável pelo Arquivo Fundos de Maneio / PCI-D OBJECTIVO Estabelecer os métodos de controlo associados à constituição, reconstituição e reposição dos fundos de maneio. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se no processo de constituição, reconstituição e reposição dos fundos de maneio. 3 - PROCEDIMENTO Constituição de fundos de maneio A constituição de fundo de maneio concretiza-se em caso de reconhecida necessidade e destina-se ao pagamento de pequenas despesas urgentes e inadiáveis a apresentar no início de cada ano, as quais devem identificar obrigatoriamente: Justificação da necessidade de constituição dos fundos; Identificação da natureza da despesa a pagar por conta de cada fundo a criar; Limite máximo anual de cada fundo;

8 Definição da data de reconstituição mensal de cada fundo; Após a deliberação de autorização de constituição do fundo de maneio, a contabilidade procede aos correspondentes registos Reconstituição mensal do fundo de maneio A reconstituição mensal do fundo de maneio é feita mediante a entrega dos documentos justificativos de despesa, acompanhados de um mapa descritivo da relação de documentos de despesa apresentados. Todos os documentos de despesa apresentados pelo responsável do fundo, cuja natureza não se enquadre na respectiva definição de naturezas de despesas a pagar pelo fundo de maneio em questão, não podem ser pagos. Em todos os documentos de despesa apresentados é posto um carimbo de "PAGO". 4 - IMPRESSOS/REGISTOS Designação Original Responsável pelo Arquivo Cópias/Dupli cado Documentos justificativos de despesa Responsável p/ fundo Pagamentos / PCI-D OBJECTIVO Estabelecer os métodos de controlo associados a todos os pagamentos a efectuar pela CASFIG, E.M. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO

9 Aplica-se no processo de pagamentos a terceiros. 3 - REFERÊNCIAS Procedimento de Controlo Interno PCI-D-001 "Caixa"; Procedimento de Controlo Interno PCI-D-002 "Bancos"; Procedimento de Controlo Interno PCI-CT-002 "Controlo de Entregas e Facturas"; 4 PROCEDIMENTO 4.1 Plano de Pagamentos O Plano de Pagamentos (PP) é um documento elaborado mensalmente, onde se inscrevem todos os pagamentos a efectuar pela CASFIG, E.M. durante o período a que respeita. O Plano de Pagamentos é elaborado até ao dia 5 de cada mês sob proposta do responsável da contabilidade, sendo submetido a aprovação do dirigente máximo dos Serviços, com conhecimento ao Presidente do Conselho de Administração ou a um Vogal com poderes delegados. O conteúdo mínimo do Plano de Pagamentos compreende o contrato que lhe deu origem, que titula a dívida a pagar (factura ou documento de idêntica natureza, folha de remunerações, documento para entrega de retenções ao Estado), a denominação do terceiro, o número da ordem de pagamento e o montante a pagar. Deve conter ainda um campo para identificação do número de Plano de Pagamentos, do mês e do ano a que respeita e um campo para assinatura do responsável da que o propõe e do dirigente máximo dos Serviços que o valida. Este plano é submetido a aprovação do Presidente do Conselho de Administração ou de um Vogal com poderes delegados, e deve demonstrar os meios financeiros disponíveis para a realização dos pagamentos. O Plano de Pagamentos é aplicado pelo responsável de Tesouraria, respeitando

10 sempre os momentos definidos para a realização de pagamentos. Nenhum pagamento a fornecedores e/ou empreiteiros poderá ser efectuado se não tiver sido objecto de inscrição no Plano de Pagamentos em vigor para o mês em questão, exceptuando-se os pagamentos cuja conveniência o justifique, sendo que estes deverão ser autorizados pelo Presidente do Conselho de Administração ou Vogal com poderes delegados, sob proposta do responsável da com validação do dirigente máximo dos Serviços, e os pagamentos em dinheiro, conforme o estabelecido no PCI-D-001 "Caixa". Os pagamentos previstos no Plano de Pagamentos que não tenham sido realizados por eventual falta de liquidez, terão prioridade no Plano de Pagamentos referente ao mês seguinte Tramitação do processo de liquidação e pagamento da despesa Todos os pagamentos de despesas são obrigatoriamente antecedidos de emissão de autorizações de pagamento. Após concluído o processo de conferência de facturas, conforme o descrito no procedimento de controlo interno PCI-CT-002 "Controlo de entregas e facturas", a emite as correspondentes autorizações de pagamento Pagamentos inscritos no Plano de Pagamentos Após concluído o processo de aprovação do Plano de Pagamentos, a organiza o processo conducente ao pagamento da seguinte forma: reúne as requisições externas, ou, quando se justifique, cópias dos contratos que estão na base do pagamento a efectuar e reúne as facturas e autorizações de pagamento correspondentes O processo atrás descrito é seguidamente enviado, para aprovação superior, seguindo o circuito hierárquico em vigor, sendo de seguida enviado ao funcionário responsável pela guarda dos cheques, para emissão dos mesmos, quando seja essa a forma de pagamento a adoptar O responsável pelos fundos prepara as ordens de transferência respeitantes às facturas a pagar por transferência bancária. Após assinatura dos cheques e para os processos relativamente aos quais há decisão de pagamento, o responsável pelos fundos envia cada cheque ou ordem de transferência, acompanhado de todo o processo atrás descrito, para assinatura do Presidente do

11 Conselho de Administração e/ou Vogal com poderes delegados. O responsável pelos fundos deverá preparar os ofícios de remessa de cheques e avisos de pagamento que, depois de assinados, serão remetidos aos destinatários pelo correio e devidamente registados pelo Sector de Expediente Geral Pagamento de remunerações do pessoal O processo de pagamentos referente a estas situações é igual ao referido no ponto 4.2.1, com as devidas adaptações, designadamente, a autorização de pagamento deve ser acompanhada da folha de remunerações Pagamentos em numerário Os pagamentos em numerário respeitam o estabelecido no ponto 4.2.1, com as devidas adaptações. 5- IMPRESSOS/REGISTOS Designação Responsável pelo Arquivo Original Cópias/Duplicado Plano de pagamentos -PP Dirigente máximo Autorização de pagamento Folha de Remunerações Folha de Caixa - SEQUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS FAS E DESCRIÇÃ O RESPONSABILIDAD E DOCUMENTO S

12 Proposta de Plano de Pagamentos a Fornecedores e Empreiteiros PP Validação Dirigente máximo PP Liquidação da despesa PP, contrato ou outro doc., cópia da factura, Autorização de pagamento Autorização de pagamento Presidente do Conselho de Administração e/ou Vogal com competência delegada Autorização de Pagamento e restante processo. Instrução do processo de pagamento. Todo o processo com cheque Instrução do processo de pagamento Funcionário designado para o efeito Todo o processo com cheque / ordem de transferência Pagamento da despesa Funcionário designado para o efeito Autorização de pagamento Verificação e arquivo Todo o processo Expedição do pagamento Expediente Geral Carta e cheque / ordem de transferência Receita / PCI-D OBJECTIVO

13 Estabelecer os métodos de controlo associados à arrecadação de receitas e à anulação de receitas. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se no processo de emissão e arrecadação da receita, bem como no processo respeitante à sua anulação. 3 - REFERÊNCIAS Procedimento de Controlo Interno PCI-D-001 "Caixa". 4 PROCEDIMENTO Sectores que geram e arrecadam receita Emissão de receita A receita é gerada imediatamente após a concretização do processo que lhe dá origem. A emissão de receita é suportada por documentos próprios, designadamente, facturas, factura-recibo, recibos. Os documentos de receita são numerados sequencialmente, nos termos da lei Arrecadação da receita Compete aos serviços emissores de receita a verificação à priori da legalidade e conformidade da receita. A entrada em cofre de quaisquer importâncias respeitantes à arrecadação de receita é sempre suportada por recibo ou documento equivalente O responsável pelo fundo após conferir os montantes arrecadados, assina no campo respectivo, coloca um carimbo de "Recebido" no documento e procede aos correspondentes registos. Posteriormente remete o duplicado do recebimento para o Sector de a fim de que se proceda à conferência da receita e do respectivo registo contabilístico Anulação da receita

14 A anulação de receita deverá ser precedida de processo justificativo, devidamente fundamentado, validada pelo dirigente máximo dos Serviços da CASFIG, E.M. e autorizada pelo Presidente do Conselho de Administração ou pelo Vogal com poderes delegados, ou quem a substitua nas suas funções. Contas de terceiros Processo de compras / PCI-CT OBJECTIVO Estabelecer os métodos de controlo e responsabilidades associadas ao processo de Compras. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se na aquisição de bens ou serviços e ao estabelecimento de contratos de fornecimento, com excepção das situações previstas no Procedimento de Controlo Interno PCI-D-003 "Fundos de Maneio". 3 PROCEDIMENTO Identificação da Necessidade da Compra ou do Contrato As necessidades de compra ou de contrato devem ser identificadas pelos Sectores Requisitantes. A necessidade deve ser formalizada e validada pelo Responsável do Sector Requisitante em causa, utilizando para o efeito, conforme aplicável: Requisição Interna, no caso de produtos de economato; Nos restantes casos é emitida uma Requisição Interna, acompanhada de Parecer Técnico visado pelo dirigente do serviço requisitante devidamente autorizada pelo dirigente máximo dos Serviços.

15 O Parecer Técnico deve : Fundamentar a necessidade da compra ou contrato; Apresentar uma estimativa do montante a despender; Apresentar os requisitos técnicos na selecção do fornecedor, se os houver, e sempre que se justifique; Apresentar sugestão do procedimento legal a ser aplicado na selecção do fornecedor. Quando se justifique, o parecer técnico deve fazer-se acompanhar de uma proposta de Caderno de Encargos Autorização Todos os pareceres técnicos relativos a processos de compras ou contratos, que estejam devidamente autorizados pelo Conselho de Administração ou por qualquer membro deste órgão, dependendo do seu valor, deverão ser encaminhados ao funcionário designado com vista a organizar o processo de compra. NOTA 1 : Nenhuma compra ou contrato poderá ser efectuado sem a autorização prévia do Conselho de Administração ou por qualquer membro deste órgão, dependendo do seu valor, nos termos das determinações dos órgãos sociais da CASFIG, E.M. 4 - Procedimentos de Selecção de fornecedores A aplicação prévia dos procedimentos de selecção de fornecedores é da responsabilidade do dirigente máximo dos Serviços, tendo em conta, nomeadamente, os montantes em questão e o ficheiro de fornecedores e respectivo cadastro que deverá organizar e manter actualizado. Cabe ao dirigente máximo dos Serviços proceder à consulta ao mercado e propor a selecção da proposta mais vantajosa para cada fornecimento, tendo em conta os requisitos técnicos ou outros a definir pelo sector requisitante.

16 Uma vez concluída a aplicação do procedimento, o resultado deve ser objecto de relatório contendo proposta emitida por Comissão a designar pelo Presidente do Conselho de Administração ou pelo Vogal com poderes delegados. O Relatório deve fundamentar as razões que levaram a seleccionar um determinado fornecedor. Cabe ao dirigente máximo dos Serviços comprovar o cumprimento das determinações superiores e das normas legais aplicáveis, nomeadamente em matéria de assunção de compromissos, de concursos e de contratos. Esta comprovação tem sempre que ser feita antes da formalização da compra junto do fornecedor e compreende as seguintes fases: a) Verificação da aplicação dos procedimentos adequados; b) Verificação da execução dos valores previstos no Plano de Gestão Previsional; c) Validação técnica e jurídica da proposta apresentada. Sempre que o julgue conveniente, a Comissão designada solicitará apoio técnico para a análise das propostas e elaboração do Relatório Formalização do Compromisso A formalização das compras junto de fornecedores é da competência do funcionário designado pelo dirigente máximo dos Serviços, com base em ofício ou requisição externa, assinado pelo Presidente do Conselho de Administração ou Vogal com poderes delegados Contratos Cabe ao Sector de Expediente Geral a elaboração do contrato. Os contratos são assinados pelo Presidente do Conselho de Administração e pela entidade fornecedora Ofício e/ou Requisição Externa

17 Cabe ao Sector de Expediente Geral proceder à elaboração de ofício e/ou Requisição Externa, identificando a entidade fornecedora, as condições de entrega do bem, assim como a sua designação, quantidade e preço. O ofício e/ou a requisição externa deverão ser validados pelo dirigente máximo dos Serviços da CASFIG E.M e assinados pelo Presidente do Conselho de Administração ou pelo Vogal com poderes delegados. Antes do envio ao fornecedor, o montante da Requisição Externa é sujeito a autorização do Presidente do Conselho de Administração ou do Vogal com poderes delegados, que assina o documento no campo destinado para o efeito. O funcionário designado enviará uma cópia da requisição externa, onde colocará um carimbo para conferência da recepção do material ou da prestação dos serviços, ao sector responsável pela recepção e/ou verificação da prestação de serviços, objecto da respectiva requisição externa, que, após conferência, a remeterá à Alterações a Requisições Externas ou Contratos Qualquer alteração às condições acordadas com fornecedores, deve ser validada e autorizada pelas mesmas responsáveis que elaboraram, validaram e autorizaram a Requisição Externa ou o Contrato inicialmente formalizado. Sempre que as alterações impliquem variação nos montantes processados ou a processar contabilisticamente, as mesmas têm que ser comunicadas à para que se proceda às rectificações devidas. 5 - SEQUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS FAS E DESCRIÇÃ O RESPONSABILIDAD E DOCUMENTO S Identificação da necessidade da compra ou contrato Sectores requisitantes Requisição Interna ou Parecer Técnico Autorização Dirigente máximo Decisão da

18 do procedimento de selecção Administração face a parecer Técnico ou Requisição Interna Procedimento s de selecção do fornecedor Comissão a designar Processo de Selecção e Relatório Procedimento s de verificação Dirigente máximo Decisão da Administração face ao Relatório Formalização da Compra Emissão da Requisição Externa ou Contrato Req. Externa : autorizada pela Administração Contrato: Sector de Expediente Geral, assinado pela Administração Requisição Externa ou Contrato Formalização da Compra junto do fornecedor Funcionário a designar Requisição Externa Controlo de entregas e facturas / PCI-CT OBJECTIVO Estabelecer as responsabilidades e os métodos de controlo de entregas de bens ou de prestações serviços. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se na recepção de bens e serviços e na conferência de facturas de fornecedores.

19 3 - REFERÊNCIAS Procedimento de Controlo Interno PCI-D-004 "Pagamentos" 4 PROCEDIMENTO Inspecção de Recepção A entrega é feita no Sector designado para o efeito (local de entrega indicado na Requisição Externa). É da responsabilidade desse Sector a conferência física, qualitativa e quantitativa da entrega. Em caso de conformidade, é aposto um carimbo de "Conferido" e "Recebido" enviado à Direcção e, posteriormente, à. Qualquer situação anómala, deve ser comunicada ao funcionário designado, por forma a que seja notificado o fornecedor e regularizada a ocorrência Contratos de Empreitadas As prestações ao abrigo de contratos de empreitadas, são verificadas através de Auto de Medição, assinado pelo Presidente do Conselho de Administração da CASFIG, E.M. e pelo empreiteiro Conferência de Facturas A conferência de Facturas de fornecedores é da responsabilidade exclusiva da, tendo por base a Requisição Externa ou o Contrato ou documento equivalente (Ex. Auto de Medição). Deve ser solicitado aos fornecedores o envio de Facturas directamente aos serviços administrativos da CASFIG, E.M., sendo as mesmas registadas pelo Sector de Expediente Geral e remetidas à.

20 4.3 - Liquidação de Facturas Cumpre à proceder à emissão de Autorizações de Pagamento, respeitantes às Facturas conferidas, de acordo com o estabelecido no Procedimento de Controlo Interno PCI-D-004 "Pagamentos". A Autorização de Pagamento e o cheque são sujeitos a assinatura do Presidente do Conselho de Administração e/ou do Vogal com competências delegadas, acompanhadas das correspondentes Requisição Externa e Factura. 5 IMPRESSOS/REGISTOS Designação Original Responsável pelo Arquivo Cópias/Duplica do Requisição Externa original/duplica do Sector Expediente Geral Contrato Sector de Expediente Geral Autorização de Pagamento 1 - OBJECTIVO Estabelecer responsabilidades e métodos de controlo dos processos respeitantes à realização de operações de verificação de conformidade nos procedimentos de controlo interno, bem como de reconciliações e verificações obrigatórias ao sistema contabilístico. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as áreas abrangidas pelo Regulamento de Controlo Interno em

21 vigor na CASFIG, E.M., bem como nas reconciliações bancárias; reconciliações de extractos de clientes e fornecedores, de contas de devedores e credores, de contas de empréstimos bancários, de contas de Estado e outros entes públicos, de contas de empréstimos bancários; reconciliações entre as contas de imobilizado e de amortizações acumuladas com os registos nas fichas de inventário; 3 - REFERÊNCIAS Procedimento de Controlo Interno PCI-D-001 "Caixa". 4 - FUNÇÕES A DESEMPENHAR PELO RESPONSÁVEL ROC a) Proceder com regularidade a operações de verificação de conformidade na aplicação dos procedimentos de controlo interno estipulados em anexo ao presente regulamento; b) Proceder às operações de reconciliação de contas em conformidade com o estabelecido no POC; c) Avaliar o estado de aplicação do RCI Regulamento controle interno e apresentar propostas de alteração, ou de inclusão, de procedimentos de controlo interno Reconciliações obrigatórias Reconciliações bancárias As reconciliações bancárias fazem-se mensalmente, confrontando os registos nos extractos bancários, obtidos junto das instituições de crédito, com os registos da contabilidade. As reconciliações bancárias devem ser evidenciadas em impresso próprio, sendo assinadas pelo Responsável da contabilidade, pelo funcionário que o auxiliou na tarefa Quando se verifiquem diferenças nas reconciliações bancárias, estas são averiguadas e prontamente regularizadas, se tal se justificar.

22 Reconciliações nas contas de Clientes e Fornecedores Periodicamente, o responsável procede a reconciliações entre os extractos de conta corrente dos clientes e dos fornecedores com os registos efectuados pela contabilidade nas correspondentes contas patrimoniais Reconciliações nas contas de Devedores e Credores Periodicamente, o responsável procede a reconciliações entre os extractos de conta corrente dos Devedores e Credores com os registos efectuados pela contabilidade nas correspondentes contas patrimoniais. As reconciliações nas contas de Devedores e Credores devem ser evidenciadas em impresso próprio, sendo assinadas pelo Responsável da e pelo funcionário que o auxiliou na tarefa Reconciliações nas contas de Estado e outros entes públicos Periodicamente, a contabilidade procede a reconciliações entre os extractos de conta corrente do Estado e outros entes públicos com os registos efectuados pela contabilidade nas correspondentes contas patrimoniais. As reconciliações nas contas de Estado e outros entes públicos devem ser evidenciadas em impresso próprio, sendo assinadas pelo responsável, pelo funcionário que o auxiliou na tarefa Reconciliações entre as contas do activo imobilizado e de amortizações acumuladas com os registos nas fichas de inventário No final de cada exercício económico, o Responsável da efectua reconciliações entre as contas patrimoniais do activo imobilizado e de amortizações acumuladas. As reconciliações nas contas do activo imobilizado e de amortizações acumuladas, devem ser evidenciadas em impresso próprio, sendo assinadas pelo Responsável.

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno Câmara Municipal Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO INDICE CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º 1º Objecto... 4 Art.º 2º Âmbito... 4 Art.º 3º Competências... 4 Art.º 4º Documentos e registos... 5

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 17 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação O Sistema de Controlo Interno deverá englobar o plano de organização, políticas, métodos e procedimentos de controlo, bem como todos os demais métodos e procedimentos. A elaboração de um tal documento

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL PREÂMBULO Com

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13 INDICE Pág. Nr. NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 ANEXO: PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 A.I CAIXA 8 A.I.1 Fundo de maneio 8 A.II BANCOS 9 A.II.1 Abertura e movimentação de contas bancárias

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade Pública (POCP), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei nº 162/99, de 14 Setembro,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Índice Pág. Abertura e movimento de contas. 17 Cheques. 17 Cobrança de receitas e outros fundos. 10 Cobrança por entidades diversas do Tesoureiro. 17 Compras.

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO

Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO Artigo 1º Objeto 1. O presente regulamento tem por objeto o Sistema de Controlo Interno do Agrupamento de Escolas Agualva Mira Sintra, doravante designado

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

APÊNDICE N.º 38 II SÉRIE N.º 74 28 de Março de 2002

APÊNDICE N.º 38 II SÉRIE N.º 74 28 de Março de 2002 16 Nome Categoria Data de início Despacho Data de início do contrato de renovação da renovação Emília de Fátima Fernandes Cunha... Aux. téc. de turismo... 31-8-1999 28-7-2000 31-7-2000 Irene Maria Freitas

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO

NORMA DE CONTROLO INTERNO NORMA DE CONTROLO INTERNO NORMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA SISTEMA DE CONTROLO INTERNO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE VIANA DO CASTELO (SANTA MARIA MAIOR E MONSERRATE) E MEADELA ÍNDICE Capítulo I - Disposições gerais Capítulo II - Princípios e regras Capítulo III - Métodos

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo Junta de Freguesia de Valongo INDÍCE CAPÍTULO I 2 Disposições gerais CAPÍTULO II 3 Organização, funções, competências e atribuições CAPÍTULO III 4 Princípios e regras CAPÍTULO IV 5 Organização contabilística,

Leia mais

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de Instruções n.º 2/97-2.ª S Instruções para a organização e documentação das contas dos serviços e organismos da Administração Pública (regime geral - autonomia administrativa), integrados no novo Regime

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1

ÍNDICE ÍNDICE ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 ÍNDICE ÍNDICE ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 ----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Introdução

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Introdução Introdução Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de fevereiro, que aprovou o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), deu-se forma à reforma da administração financeira

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei n.º 162/99,

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO

NORMA DE CONTROLO INTERNO NORMA DE CONTROLO INTERNO NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pelo Decreto-lei n.º 315/2000, de 2 de Dezembro, ao aprovar o Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito;

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito; Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 26/96 ASSUNTO: Regulamento do Serviço de Compensação Com vista a proporcionar às instituições de crédito um serviço de compensação de valores dotado de maior

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO DO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL)

NORMA DE CONTROLO INTERNO DO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL) PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS (POCAL) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 OBJETO... 6 ÂMBITO DE APLICAÇÃO E NORMAS GERAIS... 6 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 7 SECÇÃO I - TESOURARIA... 8 LIMITES DE DISPONIBILIDADES

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Norma de Controlo Interno da Câmara Municipal de Bragança

Norma de Controlo Interno da Câmara Municipal de Bragança Norma de Controlo Interno da Câmara Municipal de Bragança O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Dec.-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações que lhe

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA Reveste-se de suma importância a elaboração de um regulamento que sirva de pilar orientador do património da Freguesia de

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

o o CONSELHO DE MINISTROS I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539

o o CONSELHO DE MINISTROS I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539 I SÉRIE N O 30 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 13 DE AGOSTO DE 2007 539 Essa especial autonomia financeira atribuída, através da consignação daquelas receitas, constitui, indubitavelmente, um instrumento

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Freguesia de Paços de Brandão

Freguesia de Paços de Brandão REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E PATRIMÓNIO (RIP) Freguesia de Paços de Brandão PREÂMBULO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1, alínea d) do n.º 2 e alínea a) do n.º 5 do artigo 34.º da

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

Regulamento do Sistema de Controlo Interno

Regulamento do Sistema de Controlo Interno Regulamento do Sistema de Controlo Interno Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, representa uma nova etapa

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização O FUNDO DE MANEIO Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo ao Manual sobre o Fundo de Maneio Esta apresentação

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde Índice Introdução... 1 CAPITULO I - Princípios Gerais... 1 Lei habilitante... 1 Âmbito

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Regulamento de Inventário e Cadastro do Património União das Freguesias de Benavila e Valongo Rua 25 de Abril, 35 7480-226 BENAVILA NIF 510 835 084 Telefones: 242 434 251 / 242 434 231 Fax: 242 434 242

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

Sistema Controlo Interno

Sistema Controlo Interno 2012 Norma ÍNDICE do PREÂMBULO Pág. 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES Sistema GERAIS de Pág. 3 Controlo Interno ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 4 CAPÍTULO II DOCUMENTOS, CORRESPONDÊNCIA

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Reveste-se de uma suma importância a elaboração

Leia mais

Norma de Controlo Interno da. Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega

Norma de Controlo Interno da. Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega Norma de Controlo Interno da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega Introdução O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) aprovado pelo D.L. n.º 54-A/99 de 22 de fevereiro, alterado

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO O sistema contabilístico da administração local, até à publicação da Lei nº 42/98, de 6.8, caracterizou-se (com excepção dos serviços municipalizados)

Leia mais

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado em Reunião de Câmara de / / Elaborado em: Ago/2012 ÍNDICE ARTIGO

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa comprou 250 USD a 0,98 USD/EUR com o pagamento de despesas bancárias de 10. Qual das seguintes afirmações está correcta? a) Movimentar a conta 11 Caixa a crédito por

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL de Terras de Bouro PREÂMBULO Tendo em vista a melhoria dos serviços municipais e no caso particular do arquivo do Município de Terras de Bouro, pretende-se com este Regulamento

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal Preâmbulo Para cumprimento do disposto na alínea c) do nº1 e nas alíneas f), h) e i) do nº 2, todos do artigo 68º da Lei nº 169/99 de 18 de

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS Só os Técnicos Oficiais de Contas estão habilitados técnica e legalmente a responsabilizarem-se pela sua contabilidade.

Leia mais

POCAL PLANO OFICIAL de CONTABILIDADE das AUTARQUIAS LOCAIS

POCAL PLANO OFICIAL de CONTABILIDADE das AUTARQUIAS LOCAIS POCAL PLANO OFICIAL de CONTABILIDADE das AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro (com as alterações introduzidas pela Lei nº 162/99, de 14 de Setembro) No desenvolvimento do regime

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1 e a) do n.º 5 do artigo 34.º da lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira Regulamento do inventa rio Junta de freguesia da Carapinheira 24-11-2014 Índice Página CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º - Objecto 3 Artigo 2º - Âmbito 4 CAPÍTULO II Inventário e cadastro Artigo 3º

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A Lei n.º169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei n.º5-a/2002, de 11 de Janeiro, estabelece na alínea e) do n.º2 do artigo 64.º, que

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA REGULAMENTO de TRANSPORTES ESCOLARES do MUNICÍPIO DE VIZELA MUNICÍPIO DE VIZELA ÍNDICE Preâmbulo 2 Artigo 1.º Lei habilitante 3 Artigo 2.º Princípios gerais 3 Artigo 3.º Âmbito 3 Artigo 4.º Organização

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Para dar cumprimento ao

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

Documento de apoio à submissão de pedidos de apoio 2010

Documento de apoio à submissão de pedidos de apoio 2010 DOCUMENTO DE APOIO À SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO Dezembro 2010 ÍNDICE DOCUMENTO DE APOIO À SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO 1 APRESENTAÇÃO DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO 3 ANÁLISE DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - MACHICO

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - MACHICO REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - Nos termos do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 68.º e alíneas h) e i) do n.º 2 do mesmo artigo da Lei

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 17/2013 TAX FREE A presente informação técnica substitui a informação n.º 12/208. Índice 1.Introdução... 1 2.Quem tem direito?... 2 3.Supressão do sistema de Dupla Venda... 2 4.Sistema

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI Nº 005/2012 VERSÃO 01 ASSUNTO: PROCEDIMENTOS A SEREM CUMPRIDOS NAS ROTINAS

Leia mais

Câmara Municipal de Mesão Frio ****

Câmara Municipal de Mesão Frio **** Câmara Municipal de Mesão Frio REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO **** Ano 2002 SISTEMA DE CONTROLO INTERNO ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 4 CAPÍTULO II COMPETÊNCIAS 5 CAPÍTULO

Leia mais

Normas e Procedimentos

Normas e Procedimentos Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos Normas e Procedimentos Definidos ao abrigo do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais