REPENSANDO A ENGENHARIA CIVIL PARA O SÉCULO XXI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPENSANDO A ENGENHARIA CIVIL PARA O SÉCULO XXI"

Transcrição

1 REPENSANDO A ENGENHARIA CIVIL PARA O SÉCULO XXI Fabiane Vieira Romano Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, PPGEP/UFSM Maria Eduarda, 57/104 Pantanal Florianópolis, SC - A Engenharia Civil, pode-se dizer, começou a ter importância no Brasil, somente a partir do século XIX, com a chegada da corte portuguesa. Nessa época, fazia-se necessário todo um conjunto de construções e projetos, inseridos numa política da valorização do país como sede da monarquia portuguesa e posteriormente no Brasil independente. Desta forma, no sentido de se tornar uma nação moderna, seria preciso criar uma série de condições. De fato, ao longo dos séculos XIX e XX, muitas mudanças ocorreram na engenharia civil que não poderia ficar alheia ao seu em torno. Agora, as vésperas do século XXI, a história se repete. Assim, se houver na engenharia civil brasileira a perspectiva de acompanhar a evolução dos tempos modernos, será necessário criar novas condições, começando por repensar o ensino, que tem sido nos últimos anos, palco de muitas discussões a cerca de perfil do engenheiro, reformas curriculares, educação continuada etc. É imperioso melhorá-lo, reinventá-lo até, sobretudo no diz respeito à formação cultural, social e projetual do engenheiro, tão negligenciadas ultimamente. É diante da presente necessidade de levantar questionamentos e de apresentar uma contribuição concreta ao processo de reformulação do curso de graduação em engenharia civil, que se propõe o presente trabalho. 1. Introdução De acordo com PEREIRA e BAZZO (1997, p.57-58), a engenharia não é neutra, nem isenta das influências de seu entorno social, e também não independe da sua história pregressa. Todas as ações e reflexões que permeiam a sua história implicam significantes contribuições para descrever o seu estado atual. Na verdade, cada conhecimento com que a engenharia hoje lida foi lentamente construído num complexo processo interativo entre os indivíduos que a organizaram e a sociedade que lhe deu legitimação ao longo dos tempos. Entretanto, conforme estudos de SILVA (1997, p.11), se fosse feita uma pesquisa para saber de cada engenheiro formado e praticante de sua profissão, de professores e de estudantes de escolas de Engenharia e de instituições técnico-científicas e de classe, qual a definição formal que apresentariam para o vocábulo engenharia, haveria uma surpresa com a omissão, imprecisão ou variedade de respostas que se obteria. Infelizmente, acredita-se que, assim como do desconhecimento do que venha ser genericamente engenharia, grande parte dos engenheiros civis formados nas últimas décadas não conhecem a história de sua profissão: como surgiu, fatos e datas marcantes, os grandes nomes e seus feitos, a evolução do ensino, como define-se atualmente etc. Além disso, não são raros aqueles que atribuem pouco valor a conhecimentos relativos a outros campos do saber, à cultura geral, às relações humanas etc., e por outro lado aqueles que encontram-se imersos num estado de completa estagnação sobre assuntos referentes à própria profissão. 2. Um pouco de história 917

2 As contribuições da engenharia civil, atualmente, são tão grandes que se torna praticamente impossível pensar o mundo sem a sua presença. Mas se num exercício de imaginação uma cidade fosse criada sem a sua intervenção, ela certamente se reduziria a um amontoado de barracos isolados, sem comunicação, energia ou sistemas de água e esgoto. Porém, vale lembrar que a influência dos engenheiros civis, assim denominados em contraposição aos técnicos de origem militar, na sociedade brasileira só começou, segundo TELLES (1994, p.583), a partir do século XIX. Até então, sua importância era muito pequena, devido a uma série de fatores, principalmente de ordem cultural e social, predominando, sobretudo na construção predial a atuação de profissionais não diplomados, os chamados engenheiros-práticos, construtores licenciados, e mestres de obras, todos eles tendo como aprendizado apenas a experiência, e cujo grau de instrução e de competência eram muito variáveis. Segundo TELLES (1993, p ), ainda nas primeiras décadas do século XX, para a sociedade, quem tinha valor e prestígio, além do político e do fazendeiro rico, eram o advogado, o militar, o padre, e talvez o médico: o engenheiro parecia para boa parte da população um personagem supérfluo, porque aquilo que ele fazia (casas, estradas, pontes etc.) era apenas o que o próprio povo também sabia fazer artesanalmente e sem o auxílio de ninguém. Não entendiam que o engenheiro era capaz de fazer tudo aquilo melhor, mais barato, e sobretudo mais seguro. Aliás, em muitos casos, esta mentalidade perdura até os dias atuais! Cabe ressaltar, que somente em 1933 apareceu a primeira legislação nacional de regulamentação do exercício profissional, para coibir esses abusos, que contudo, até hoje não deixaram inteiramente de existir. TELLES (1993, p.711) cita o parecer da comissão do Instituto de Engenharia de São Paulo, em 1924, chamando a atenção para essa séria questão, e para a injustiça que se cometia contra a classe dos engenheiros: Porque impedir que estranhos pratiquem a medicina, estabelecer honorários de médicos, e não fazer o mesmo com o engenheiro? Se, no primeiro caso, trata-se da vida do próximo, o mesmo não acontecerá no segundo, com o agravamento do risco de morte simultânea, que advirá, exemplificando, de um edifício mal construído ou de uma ponte pouco estável?. O Decreto Federal n.º , de 11 de dezembro de 1933 (data que deu origem ao dia nacional do Engenheiro, Arquiteto e Agrônomo), além de regulamentar o exercício das profissões de engenheiro, de arquiteto e de agrimensor, determinou a criação do Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (CONFEA) e dos Conselhos Regionais de Engenharia e Arquitetura (CREA). Este decreto foi posteriormente revogado tacitamente pela Lei Federal n 5.194, de 24 de dezembro de 1966, do CREA, que regula até hoje o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, sendo complementada pela Resolução n 218, de 29 de junho de 1973, também do CREA, e que discrimina as atividades correspondentes à cada um desses profissionais. TELLES (1994, p ) estabelece três fases distintas, a partir de meados do século XIX, em que houve grande avanço da engenharia civil no Brasil, conforme a Figura Início do ciclo ferroviário 1910 Vulgarização do emprego do concreto armado nas construções 1960 Aparecimento e desenvolvimento das modernas especializações 918

3 Figura 1 Diferentes fases de avanço da engenharia civil no Brasil. TELLES (1993, p ) diz que o aparecimento do concreto armado no Brasil, no início do século XX, entre outras conseqüências importantes, proporcionou a valorização da profissão do engenheiro, que passou, aos poucos, a ser mais conhecido e com maior importância e maior status na sociedade, uma vez que a relativa complexidade matemática de qualquer cálculo de concreto armado passou a exigir obrigatoriamente a sua participação, deslocando os outros profissionais não diplomados. Além disso, fazer engenharia civil no Brasil passou quase a ser sinônimo de trabalhar com concreto armado, da mesma forma que nos decênios anteriores equivalia praticamente a projetar, construir ou operar estradas de ferro O ensino De acordo com a ENCICLOPÉDIA MIRADOR INTERNACIONAL (1983, p ), o dia 4 de dezembro de 1810, data da fundação da Academia Real Militar, é o marco inicial da história do ensino de engenharia no Brasil. Somente em 1823, foi permitida a matrícula de civis na já então Imperial Academia Militar que, em 1832, tomou o nome de Imperial Academia Militar e de Marinha, por haver absorvido a Academia Imperial de Marinha, passando a formar engenheiros militares, navais e civis (de pontes e calçadas). Em 1839, o estabelecimento voltou a ser privativo de militares. Em 9 de março de 1842, recebeu o nome de Escola Militar, surgindo, então, ao lado dos cursos militares (infantaria e cavalaria em três anos, artilharia em cinco), o curso de engenharia, em sete. Entretanto, graças ao general Pedro de Alcântara Bellegarde e ao marquês de Caxias, deu-se a separação do ensino militar e civil. Pelo decreto 2.116, de 1 de março de 1858, a Escola de Aplicação do Exército (fundada em 1851) passou a chamar-se Escola Militar e de Aplicação do Exército, incumbida da formação profissional dos quadros; a Escola Militar passou a chamar-se Escola Central, destinada ao ensino das ciências físicas e matemáticas e das doutrinas próprias da engenharia civil. Teria, daí por diante, um curso básico de matemática e ciências físicas e naturais, em quatro anos, e um curso suplementar, de engenharia civil, em dois. Os militares ficavam obrigados ao primeiro para admissão na Escola Militar e de Aplicação. Por esse motivo, a Escola Central ficou subordinada ao Ministério da Guerra e funcionou, até 1874, em regime militar, quando separaram-se definitivamente os cursos civis e militares. Daí até 1920, a Escola Central passou a chamar-se Escola Politécnica do Rio de Janeiro, quando foi englobada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ainda no século XIX, foram criadas: a Escola de Minas de Ouro Preto (1876), a Escola de Politécnica de São Paulo (1893), a Escola de Engenharia de Pernambuco (1895), a Escola de Engenharia Mackenzie e a Escola de Engenharia de Porto Alegre atual Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1896), a Escola Politécnica da Bahia (1897). Já no século XX, as primeiras escolas criadas foram: a Escola de Engenharia de Belo Horizonte atual Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (1911), a Faculdade de Engenharia do Paraná e a Escola Politécnica do Recife (1912). Posteriormente, até cerca de 1945, não apareceu nenhuma nova escola, sendo que a grande expansão do ensino de engenharia civil no Brasil, que levou às 110 escolas de engenharia em todo país (1996), teve início no final da década de O curso de Engenharia Civil na Universidade Federal de Santa Maria, no qual a autora graduou-se, por exemplo, foi criado em

4 TELLES (1993, p.705), explica que a sólida formação teórico-básica, ministrada nas primeiras Escolas de Engenharia época facilitava o autodidatismo como especialização posterior. Por outro lado, os engenheiros antigos, além de uma boa formação teórica, tinham também, em muitos casos, uma invejável cultura geral e humanística, que propiciava o aparecimento de engenheiros-escritores, engenheiros-filósofos etc., dos quais Euclydes da Cunha, Affonso de Taunay, Pandiá Calógeras etc., são alguns exemplos, que hoje em dia dificilmente se repetiriam. Além destes, tantos são os expoentes da engenharia civil brasileira que foram perpetuados na história do país, emprestando seus nomes a cidades, praças, ruas e avenidas. Entretanto, é um pesar que boa parte da população e dos próprios engenheiros não os sabem. 3. A Engenharia Civil e seu ensino na atualidade O mercado de trabalho aponta crescentemente para as necessidades de se atenderem certos requisitos de forma a se produzir nas escolas de engenharia profissionais com um perfil que venha somar pontos ao desenvolvimento da indústria da construção civil como um todo. É mister que se adote uma postura arrojada frente às necessidades de formação técnica e humana do profissional do novo século, de forma que as escolas de formação assegurem ao acadêmico a certeza de que ele está sendo adequadamente preparado para que, ao iniciar sua vida profissional, o faça com ampla segurança e preparo, desenvolvendo sua capacidade criativa e contribuindo para a formação de uma nação onde o papel da cidadania seja respeitado e almejado por todos. (MORALES, 1998) Com a crescente competitividade industrial, que se alastra cada vez mais em nível mundial, de acordo com PEREIRA e BAZZO (1997, p.77), altera-se o quadro de trabalho enfrentado pelo profissional engenheiro, consequentemente, o ensino de engenharia precisa se reestruturar, tomar novos rumos. Sobretudo, se for objetivo deste ensino chegar ao perfil, conforme segue abaixo, desejado atualmente para um formando em engenharia civil, que será o profissional do século XXI, segundo TOZZI (1998). Além da formação técnica, outros conhecimentos como: gestão, negócios, direito, psicologia, meio ambiente, projetos, tecnologia da informação, línguas estrangeiras, criatividade e visão humana são importantes. Não é necessário, claro, que o engenheiro tenha domínio de todos esses campos de conhecimento, mas independente do ramo da engenharia, um bom domínio de conhecimentos gerais é fundamental na análise de diversificados problemas. Com capacidade de utilização da informática como instrumento do exercício da engenharia civil. O uso de sofisticados sistemas de informática, que associam o processamento de cálculos ao tratamento de imagens, pode melhorar sensivelmente processos e produtos, reduzindo o tempo de projeto e mesmo aumentando a qualidade dos resultados finais. Com consciência de que, no final do curso, há o início de uma nova fase de educação, para que o conhecimento não se torne obsoleto já em sua fase de formação, permanente busca de atualização e aperfeiçoamento. A formação do engenheiro não acaba quando ele conquista seu diploma. A bagagem que ele carrega consigo ao sair de um curso de engenharia é apenas suficiente para que ele comece a enfrentar os problemas do cotidiano. O bom engenheiro deve estar sempre a par dos avanços da sua área de trabalho, buscando um aprendizado contínuo, pois durante a vida profissional há muito que aprender e aperfeiçoar. 920

5 Assim, a capacidade de buscar, selecionar e armazenar informações é um fator preponderante para garantir ao profissional, o acompanhamento do estado da arte de sua profissão, incluindo reciclagens no âmbito universitário, estudos complementares, viagens de aperfeiçoamento etc. Livros, revistas técnicas, periódicos, seminários, congressos, mesas redondas, simpósios, feiras industriais, grupos de estudos e associações de classe, são importantes instrumentos para enfrentar com competência e sucesso o longo caminho de seu aperfeiçoamento profissional. Com formação ético-profissional. É preciso acabar, por exemplo, com a cultura do engenheiro-assinador de plantas, aquele que segundo NOVAES (1985, p.57), recebe uma importância para apor sua assinatura nos desenhos de uma casa, no projeto de uma reforma etc. Com forte capacidade de adequação às mudanças e espírito para enfrentar os desafios que se apresentem. As palavras de HELENE (1998), ilustram com muita propriedade a importância dessa capacidade: O que está acontecendo com a engenharia civil deste país, tão respeitada em outros tempos? A competência de uma profissão tecnológica está associada, por um lado, à formação universitária e, por outro, a uma permanente atualização em cursos de pósgraduação e reciclagem, do tipo educação continuada. O conhecimento na engenharia civil tem evoluído muito nos últimos anos, a ponto de a maior parte daquilo que aprendi na Escola Politécnica da USP, no início da década de 70, já estar superado hoje em dia. Mudaram as normas de projeto, as de segurança e todas as de qualificação e controle de materiais e serviços na engenharia civil... Portanto, uma resposta convincente a respeito do porquê ocorrem acidentes pode ser a desatualização, para não dizer a incompetência profissional...a sociedade clama pelo bom uso dos recursos existentes. Requer obras seguras, funcionais, estáveis e duráveis... Não é mais admissível a improvisação... Engenharia civil, hoje, tem de ser exercida com competência e atualidade. Tudo isso sem abrir mão da arte e da engenhosidade que tanto a caracterizam até nossos dias. Um indivíduo com sólida formação básica, indispensável ao exercício profissional, preparado para enfrentar e solucionar os aspectos multifuncionais dos problemas atuais da área. Todo curso pleno de engenharia civil inclui um ciclo básico, cobrindo normalmente quatro semestres, compostos de disciplinas gerais: matemática, física, química, desenho, computação etc. Para projetar, construir, produzir edifícios ou quaisquer obras civis, o profissional deve possuir bons conhecimentos dos fundamentos das leis da mecânica, da estrutura da matéria, do comportamento dos fluidos, além de outros aspectos das ciências físicas. É preciso, antes de mais nada, saber identificar, interpretar, modelar e aplicar estes fenômenos à solução de problemas. O domínio de conhecimentos empíricos também é importante para o bom desempenho profissional, pois esta experiência auxilia na realização de muitos trabalhos do dia-a-dia da engenharia civil. Um ser humano criativo, com condições de inovar sempre que possível. De acordo com BAZZO e PEREIRA (1996, p.71-74), o engenheiro é por excelência um resolvedor de problemas. Mas como é que o engenheiro soluciona os seus problemas? Projetando! É através do projeto que o engenheiro aplica de forma mais significativa os seus conhecimentos técnicos e científicos, mais que isso, faz uso da sua experiência e bom senso e, principalmente, dá vazão à imaginação criadora na busca de algo novo. Um ser voltado para o trabalho em equipes multidisciplinares e, portanto, preocupado com os diversos aspectos do relacionamento entre pessoas. De acordo com NOVAES (1985, p.16) e BAZZO e PEREIRA (1996, p.200), é errôneo supor que a engenharia, por se enquadrar no domínio das ciências exatas, não depende, nas suas 921

6 atividades, de um bom nível de relacionamento humano, até porque, a necessidade de integração do engenheiro com seu campo de trabalho exigirá dele alguns conhecimentos a respeito do assunto. Aliás ele passa muito tempo lidando com pessoas, mais do que muitos imaginam, e uma coisa é certa: raramente escapa da responsabilidade de administrar pessoal. O engenheiro de obra, por exemplo, é um dos profissionais que mais estão submetidos à prova do relacionamento com as pessoas, pois lidam com grandes contingentes de operários, mestres e técnicos, com níveis heterogêneos de instrução. Além disso, o engenheiro terá que trocar idéias com clientes, políticos etc., e para isto precisará ter um bom nível de diálogo em várias áreas de conhecimento. Assim, a capacidade de manter boas relações pessoais é uma qualidade altamente desejável, mesmo porque, para que suas soluções tenham boa aceitação, ele deve saber o que pensa e quais são as necessidades e aspirações da sociedade. Além dessas características segundo BAZZO e PEREIRA (1996, p.51), para ser um bom engenheiro não basta apenas saber usar corretamente os conhecimentos adquiridos na escola. Não é suficiente aprender a utilizar eximiamente técnicas e instrumentos, muitos dos quais já obsoletos e outros de que jamais farão uso em sua vida profissional. Um profissional eficiente é, antes de mais nada, aquele que sabe se expressar, sabendo comunicar com eficácia o seu trabalho. Um bom trabalho preso na cabeça de seu criador é completamente inútil. O engenheiro precisa saber se comunicar. Entretanto, a capacidade de comunicação, muitas vezes é relegada a segundo plano por profissionais de engenharia. É comum ouvir profissionais da área cometerem o equívoco de afirmar que, por serem engenheiros, não precisam saber escrever ou falar corretamente. Ledo engano! Não são poucas as oportunidades em que a capacidade de comunicação, tanto oral quanto escrita, é indispensável. A escrita, em especial, é parte inerente ao seu trabalho. O engenheiro precisa expedir ordens para os seus subordinados, realizar projetos para clientes ou órgãos financiadores, confeccionar relatórios, preparar manuais de utilização de produtos, divulgar seus trabalhos em congressos, seminários, revistas técnicas etc. O desenho é outra potente forma de comunicação que o engenheiro possui. Dificilmente, nos trabalhos de engenharia, não constarão esquemas, plantas, esboços, vistas em perspectiva ou explodidas, cortes, cotas, dimensões etc. Todavia, deve-se salientar que o mais importante não é o fato de se saber desenhar, mas sim visualizar os sistemas espacialmente, conseguir interligar os diversos componentes, imaginando as suas compatibilidades. O que realmente interessa é que o engenheiro consiga ser claro na explanação de suas idéias, através ao menos de um esboço. O desenho realizado de acordo com as normas, pode ser realizado por um desenhista experiente, que para isto utilizará a tradicional prancheta ou recursos computacionais. Há ainda outros aspectos levantados por NOVAES (1985, p.75-76), quanto à formação do engenheiro que, como em qualquer profissão, não é livre de distorções mais ou menos graves. Entretanto, essas distorções, que segundo o referido autor, provêm em alguns casos, da postura de certos professores que defendem pontos de vista estritamente pessoais e exagerados, precisam acabar. O primeiro aspecto que interfere na educação do engenheiro e que precisa ser revisto é o da formação matemática. O engenheiro necessita inegavelmente de uma sólida formação matemática, que lhe deve servir de apoio e de instrumental para as análises e cálculos que terá de realizar ao longo da vida profissional. Entretanto, a matemática não é um fim em si mesma dentro do processo de formação do engenheiro. Mesmo como mero instrumental ela não constitui a única, nem talvez a principal ferramenta de trabalho do profissional, havendo outras formas de atacar e resolver os problemas de engenharia, além do cálculo e da modelagem matemática. 922

7 Outra distorção muito comum nos bancos escolares e na vida profissional é o preconceito inter-profissional. O engenheiro olha de lado, por exemplo, para o arquiteto, julgando-o um profissional irresponsável, que não se importa com o lado prático do projeto e da construção, nem com os prazos, nem com os custos. Notam-se também dificuldades de comunicação com os estudantes e professores das áreas de ciências humanas, que falam outra linguagem e dão pesos diferentes aos valores intelectuais, políticos e sociais, tanto no ambiente acadêmico quanto na vida externa à universidade. Por último, mas não menos importante, faz-se necessário alertar para a questão do ensino da atividade projetual, que é considerada pela autora deste trabalho como a grande problemática enfrentada pelos engenheiros civis atualmente. Inegavelmente muito se tem feito pela construção civil nos últimos tempos, sobretudo, pela constante introdução de soluções a nível organizacional e gerencial, com vistas a melhorar a qualidade e a produtividade. Entretanto, essas soluções podem ser consideradas como doses homeopáticas e combatem apenas os efeitos, quando o que interessa realmente é atacar a causa ou causas. Conforme a REVISTA TÉCHNE (1997), não adianta tentar evitar o desperdício e a falta de qualidade nos canteiros se o projeto já nasce malfeito. Considerado como elemento de informação, no contexto dos processos construtivos, segundo NOVAES (1997), o projeto assume: (i) um caráter tecnológico, devido às soluções presentes nos detalhamentos dos vários projetos elaborados; e (ii) um caráter gerencial, por sua função de apoio às decisões do planejamento da produção. No entanto, no cumprimento destas funções, sobretudo nos processos construtivos tradicionais, o projeto tem deixado a desejar. A sua dissociação com a produção das edificações provoca a desconsideração de aspectos produtivos, durante o processo de elaboração, ocasionando omissões nos detalhamentos e ausência de complementação na composição dos projetos resultantes, atribuindo à gerência da edificação, por conseqüência, indevida responsabilidade por decisões. Esta visão é compartilhada também por KEHL (1997, p ), que afirma que as obras da construção civil tradicional apresentam inúmeros problemas, na sua maioria provenientes de deficiências estruturais da informação técnica, ou seja, resultam de uma atividade projetual ineficiente. Por conseqüência, segundo MOURA e OLIVEIRA (1998), a etapa de projeto, em particular, tem sido alvo de constantes estudos, salientando o papel estratégico desta atividade para a melhoria da qualidade da edificação, e quando as eventuais alterações serão objeto de menor custo. É quase certo que a atividade de projetar - nas suas diversas formas - é mesmo uma tarefa fundamental para o profissional da engenharia. Não há como desenvolver uma engenharia criadora, integradora de conceitos e desafiadora sem a atividade do projeto. Parece-nos ser esta atividade uma das grandes responsáveis pela relação do profissional com a sociedade, além de garantir um estreito compromisso com o desenvolvimento tecnológico de um país. Mas qual projeto? Projeto do que e para quem? Qual nível e qual tipo de envolvimento do engenheiro com o fruto do seu trabalho devemos almejar? Como garantir que os alunos desenvolvam para si a atividade de projeto como uma construção? Ou isto não está em questão? De qualquer forma, parece-nos que a profissão ficaria vazia, se destituída de um de seus principais elos de ligação com uma realidade, ou seja, sem a atividade de projeto. (PEREIRA; BAZZO, 1997, p.134) Conforme registra Bringhenti apud OLIVEIRA; BORGES e NAVEIRO (1998), a divisão e hierarquização da ciência levou à separação na estruturação curricular, entre as diversas ciências que participam na formação do Engenheiro, dividindo-as em blocos: básicas, básicas de engenharia e por fim aplicadas de engenharia. Ainda o mesmo autor, considera que 923

8 essa concepção analítica, pode ser útil para se ter uma compreensão do que seja a engenharia em termos de informação, contudo, é um equívoco considerar que a aprendizagem da engenharia (particularmente, a aquisição da capacidade de resolver problemas) se dê segundo essa concepção. O modo de organização de um ramo do saber é diferente do seu modo de aprendizagem. Dentre as principais críticas que são feitas ao modelo atual, pode-se destacar as que remetem-se à formatação excessivamente fragmentada das disciplinas que, na maioria das vezes, são ministradas sem a necessária contextualização referente à especialidade de Engenharia a que deveria atender. Esta partição em disciplinas pretensamente seqüenciais, tem como pressuposto básico a aprendizagem como acumulação de conhecimentos e não como integração das partes novas aprendidas com as partes anteriores. Tal desintegração pode ser melhor percebida na medida em que a maioria dos professores nem sabe, além da sua, quais são as outras disciplinas que estão sendo dadas no semestre, no anterior e no seguinte, e muito menos os seus programas. OLIVEIRA; BORGES e NAVEIRO (1998), entendem que melhorias no ensino e aprendizagem da atividade projetual ou projetação, não se resume a simples alterações, ou acréscimos em determinadas disciplinas. Por outro lado, de acordo com MENEGON e ANDRADE (1998): (i) não se pode falar de aprendizado de projeto do produto sem praticá-lo, ou seja, deve-se percorrer o processo do estudo da necessidade até a materialização do produto; (ii) deve ser ensinado um modelo formal de processo de projeto como arcabouço de relacionamentos a ser seguido, o que objetiva orientar as atividades, compor grupos, dividir tarefas, enfim, fornecer a estrutura para o projeto; (iii) é preciso introduzir nos currículos, o ensino de métodos e técnicas diversas, aplicadas ao desenvolvimento do produto. SILVA (1986, p.26-27), considera que um aspecto importante para a renovação do ensino do projeto deriva da caracterização da disciplina projetual não apenas como desaguadouro para onde convergem conhecimentos adquiridos teoricamente, mas também como fonte de aquisição de um repertório peculiar, gerado pela abordagem científica do processo de projetação, que envolve técnicas e rotinas instrumentais que são perfeitamente codificáveis e transmissíveis por intermédio da abordagem teórica. A criatividade é, de certo modo, o fertilizante do processo; a técnica é o arado, as rotinas instrumentais o resultado da experiência acumulada. A excelência de um projeto não é resultado do acaso. Se o projeto é o esforço racional para solucionar determinado problema, deve implicar algum tipo de conhecimento organizado, ou organizável. 4. Considerações Finais Segundo MENDONÇA (1997, p.24), apesar da sua importância, a Engenharia encontrase relegada, atualmente, a um plano muito aquém do desejável, sendo que o grande desafio para categoria é reverter essa realidade. Por outro lado, sabe-se, que introduzir na prática do ensino de engenharia civil, disciplinas que visem melhorar a cultura geral do engenheiro, bem como sua formação social e projetual, não é tarefa fácil, nem tampouco simples, pois depende de um grande, coordenado e interativo esforço de todos os envolvidos. Contudo, o mais importante, é se fazer perceber que o ensino de engenharia civil não pode ser visto como um processo estanque e precisa ser repensado, ainda mais se considerado como o grande responsável pela formação dos profissionais que irão protagonizar a história do século XXI. 5. Referências Bibliográficas 924

9 BAZZO, W.A.; PEREIRA, L.T.V. Introdução à engenharia. 4.ed. revisada Florianópolis: Ed. da UFSC, ENCICLOPÉDIA Mirador Internacional. São Paulo: Enciclopaedia Britannica do Brasil, p KEHL, S.P. Produtividade na construção civil. In: CONTADOR, J.C. et al. Gestão de Operações: A engenharia de produção a serviço da modernização da empresa. São Paulo: Edgar Blücher, Cap. 33, p MENDONÇA, A.A.F. Engenharia Social. Revista do Provão, Brasília: MEC, v.2, n.1, p.24. MENEGON, N.L.; ANDRADE, R.S. Projeto do produto em engenharia de produção. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (18.: 1998: Niterói, RJ). Anais... Niterói: UFF.TEP, CD-ROM: il. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Cadastro das IES por curso de Engenharia Civil. Brasil, MORALES, G. Aspectos determinantes de diretrizes curriculares para o curso de graduação em engenharia civil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA (26.: 1998, São Paulo). Anais... São Paulo: Catálise, v.1. CD-ROM: il. MOURA, D.C.; OLIVEIRA, R. Diretrizes para mudanças organizacionais em empresas construtoras para o redirecionamento do processo de projeto. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (18.: 1998: Niterói, RJ). Anais... Niterói: UFF.TEP, CD-ROM: il. NOVAES, A.G. Vale a pena ser engenheiro? São Paulo: Ed. Moderna, NOVAES, C.C. Um enfoque diferenciado para o projeto de edificações: projetos para produção. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (17.:1997: Gramado, RS). Anais... Porto Alegre: UFRGS.PPGEP, CD-ROM: il. OLIVEIRA, V.F.; BORGES, M.M.; NAVEIRO, R.M. Projetação na engenharia: ensino e aprendizagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA (26.: 1998, São Paulo). Anais... São Paulo: Catálise, v.5. CD-ROM: il. PEREIRA, L.T.V.; BAZZO, W.A. Ensino de engenharia: na busca do seu aprimoramento. Florianópolis: Ed. da UFSC, REVISTA TÉCHNE. Projetos com Qualidade. n.27, mar/abr In: Jornal da Qualidade. Instituto Brasileiro de Tecnologia e Qualidade na Construção. SILVA, E. Sobre a renovação do conceito de projeto arquitetônico e sua didática. In: COMAS, Carlos Eduardo et al. Projeto arquitetônico: disciplina em crise, disciplina em renovação. São Paulo: Projeto, p SILVA, J.R.G. Uma definição formal para "engenharia". Revista de Ensino de Engenharia. Brasília, n.17, p.11-18, jun TELLES, P.C.S. História da Engenharia no Brasil. Rio de Janeiro: Clavero, v.1: Séculos XVI a XIX. 2.ed.. História da Engenharia no Brasil. Rio de Janeiro: Clavero Editoração, v.2: Século XX. TOZZI, M.J. et al. A qualidade do ensino e sistemas de avaliação. VARGAS, M. Construção de estradas. In: Shozo Motoyama. Tecnologia e industrialização no Brasil: uma perspectiva histórica. São Paulo: Editora da UNESP, Cap. 6. p

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AMBIENTAL E DE SAÚDE PÚBLICA: IMPORTANTE COMPONENTE CURRICULAR PARA RECÉM INGRESSOS NO CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TRABALHO 127 A CONTRIBUIÇÃO DA ARQUITETURA PARA O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Érika Mendonça Britto Passos erikapassos@maua.br Escola de Engenharia Mauá Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Estrada

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? Universidade, uma usina de força intelectual Paulo Alonso 1 universidade novas

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES Fabiane Vieira ROMANO M. Eng. Produção, Eng. Civil, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 1 Fevereiro de 2008 1 BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Responsabilidades e ações do coordenador de curso. Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro

Responsabilidades e ações do coordenador de curso. Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro Responsabilidades e ações do coordenador de curso Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro EMENTA: Devera aborda as responsabilidades e o impacto das ações dos coordenadores sobre a grade curricular,

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática INTRODUÇÃO Moara Barboza Rodrigues O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de formação docente atual por meio da leitura dos textos trabalhados

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E MODERNIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL IVAN FRANCKLIN JUNIOR (FESP) francklin@passosuemg.br Tatiana Gondim do Amaral (UFU) tatiana_amaral@feciv.ufu.br Segundo Farah (1988),

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO NOS CURSOS DE ENGENHARIA

AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO NOS CURSOS DE ENGENHARIA AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO NOS CURSOS DE ENGENHARIA Carlos Roberto J. Hozumi Eng. hocr@uol.com.br Carlos Alberto Gouvêa M.E. gouvea@cefet-rj.br Maria da Glória de F. Leal D.H.

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Criatividade e Brainstorm no Design

Criatividade e Brainstorm no Design João Gomes - Doutor em arquitetura e urbanismo pela USP. Mestre em estruturas ambientais urbanas pela USP e designer industrial pela FAAP. Professor de cursos de graduação e Pós-graduação em design. Consultor

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADO

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADO Órgão : Plenário Processo nº : 207554/2014 Assunto : Cadastramento do Curso de Técnico em Edificações Subsequente ao Ensino Médio em Edificações Interessado : IF Goiano Câmpus de Formosa-GO Local : Goiânia

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) R.L. CONTIERO 1, F.I. BÁNKUTI 1, J.F. BENCHIMOL 2, T.C.L.CAIRES

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Capa Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Prof. Dr. Airton Marques da Silva Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará e Academia Cearense de Química airton@baydenet.com.br

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? FACULDADE: PÇL - NÚCLEO DE ARTE E TECNOLOGIA

Leia mais

Uma vida dedicada. do ensino médico?

Uma vida dedicada. do ensino médico? E ntrevista Gilson Soares Feitosa O entrevistado desta edição é o cardiologista e professr Gilson Feitosa, que é coordenador da Residência em Cardiologia e diretor de Ensino e Pesquisa do Hospital do Hospital

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS RESUMO Poliana de Brito Morais 1 Silvanio de Andrade 2 Este artigo tem como objetivo discutir nossa

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ATRAVÉS DE UMA MATRIZ DE FLEXIBILIDADE CURRICULAR

INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ATRAVÉS DE UMA MATRIZ DE FLEXIBILIDADE CURRICULAR INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ATRAVÉS DE UMA MATRIZ DE FLEXIBILIDADE CURRICULAR João C. P. Beck dem_feng@pucrs.br Nilson V. Fernandes valega@em.pucrs.br Renato M. da Silva molina@em.pucrs.br

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

PERSPECTIVA DO PROFISSIONAL DE ENGENARIA CIVIL: TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

PERSPECTIVA DO PROFISSIONAL DE ENGENARIA CIVIL: TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO PERSPECTIVA DO PROFISSIONAL DE ENGENARIA CIVIL: TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Leandro Conceição Pinto brotherleo1@hotmail.com (estudante) Universidade Católica do Salvador Rua Dirce Amorim, nº 44,

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais