FORRAGICULTURA 10/09/2015 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORRAGICULTURA 10/09/2015 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL)."

Transcrição

1 FORRAGICULTURA 1 2 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL). Tipo de vegetação: (sp. herbáceas, arbustivas, arbóreas) Clima: CO 2, H 2O, Tº, Luz, Vento Pastejo: Alterações fisiológicas (IAF) e morfológicas Pastejo seletivo animal escolhe a dieta _Afeta o desempenho _Altera a composição botânica altera a qualidade e o rendimento de MS Reciclagem de nutrientes: Pisoteio: Compactação principalmente em solos sob preparo convencional, descobertos ou sob baixa OF 3 Solo: H 2O, nutrientes, ph, estrutura, MO Textura (arenosa-argilosa) > ou < retenção de água Microfauna proc. nutrientes disp. para as plantas Macrofauna cascudos, minhocas, centopéias, escorpiões... 1

2 FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A PASTAGEM É UM PAINEL SOLAR PRÁTICAS DE MANEJO BEM SUCEDIDAS SÃO BASEADAS NO CONHECIMENTO FISIOLÓGICO¹ E MORFOLÓGICO² DAS PLANTAS Compreender o crescimento do pasto: A chave para a produção pecuária rentável 1-Processos que ocorrem no interior da planta 2-O que se pode ver do lado de fora da planta Fotossíntese PRÁTICAS DE MANEJO DA PASTAGEM BEM SUCEDIDAS SÃO BASEADAS NO CONHECIMENTO DE PAINEL REAÇÕES FISIOLÓGICAS¹ E MORFOLÓGICAS² DAS PLANTAS E CADA PLANTA COM SUAS FOLHAS UMA FOTOCÉLULA DESSE E SOLAR FOTOSSÍNTESE Equação Geral E QUÍMICA Compreender Produção o crescimento Vegetal: do pasto: A chave para a produção pecuária rentável Conversão de ε luminosa Biomassa vegetal 1-processos que ocorrem no interior da planta (processo ineficiente 2-o que 2-5% se εpode luminosaver que chega do ao lado relvado de pode fora efetivamente da planta ser utilizada no crescimento do dossel) 6CO 2 + 6H 2 O C 6 H 12 O 6 + 6O 2 GÁS CARBÔNICO CLOROFILA ÁGUA GLICOSE OXIGÊNIO *(CH 2 O) n Carboidrato 2

3 Fotossíntese: QUALIDADE DA LUZ PARA FOTOSSÍNTESE Fase fotoquímica ε luminosa ε química Luz solar chuva de fótons de diferentes frequências QUE ENERGIA LUMINOSA É ESSA? Região da luz visível do espectro eletromagnético NEM TODA A LUZ É ÚTIL PARA A FOTOSSÍNTESE Radiação Fotossinteticamente Ativa (PAR) Fóton partícula de energia (quantum) a energia de um fóton é invers. proporc. ao seu comp. de onda Comprimento de onda distância entre 2 picos sucessivos Freqüência número de picos que passam por um observador num dado tempo A PAR é capturada por pigmentos fotossintéticos: Pigmentos Moléculas que absorvem luz Pigmentos fotossintéticos localizados no cloroplasto - captam a energia da luz e permitem sua utilização Verde-amarelada Verde-azulada Amarelos ou alaranjados CLOROFILAS ; CAROTENÓIDES ; FICOBILINAS possuem diferentes espectros de absorção de luz Eficiência Fotossintética Diferenciada Espectro de absorção de clorofilas e carotenos, e taxa fotossintética sob luz monocromática (espectro de ação) 3

4 Fotossíntese: Processo físico-químico pelo qual há sínteze de compostos orgânicos a partir de matéria-prima inorgânica, na presença de luz solar. DURANTE O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DO CARBONO OCORREM SIMULTANEAMENTE: Fase fotoquímica εluminosa εquímica (ATP e NADPH - utilizados na 2ª fase), nos tilacóides Fase bioquímica εproduzida nas reações fotoquímicas é utilizada para a fixação do CO 2, no estroma do cloroplasto Fase fotoquímica Fase bioquímica Anatomia da folha e localização dos cloroplastos cutícula Ep. Superior Células/Paliçádico Fotossíntese: Fase fotoquímica ε luminosa ε química OCORRE DA MESMA FORMA EM TODAS AS PLANTAS Mesófilo Bainha do Feixe Xilema Floema Ep. Inferior Feixe Vascular Fase bioquímica Pode ocorrer de três formas, conforme o metabolismo fotossintético da planta: Plantas C3 Estômato Células/Lacunoso Células Guarda Plantas C4 Plantas CAM 4

5 Características Fisiológicas das Plantas C3: Plantas C3: Possuem somente umareação de carboxilação, fixando carbono através do Ciclo de Calvin Ocorre nas células do mesófilo Possuem somente a enzima Rubisco para fixação do C Produto final da fotossíntese composto com 3C GLICERALDEÍDO 3-FOSFATO Apresentam fotorrespiração consome O 2 e ATP e libera CO 2 em presença de luz - dupla afinidade da Rubisco (pode perder até 40% do CO 2 fixado pela planta) - problema para plantas em T ; ε luminosa e umidade fecham os estômatos para perda H 2 0 CO 2 nas folhas Características Fisiológicas das Plantas C3: N na folha para Fotossíntese máx.: 6,5 7,5% da MS T ótima para Fotossíntese: 25 C Consumo de H 2 O para produção de MS: g/g MS CO 2 que chega ao cloroplasto é fixado pelo aceptor Ribulose1,5 bifosfato (RuBP) A carboxilação do aceptor é catalisada pela enzima RUBISCO O produto da carboxilaçãose decompõe em duas moléculas de 3 ácido fosfoglicérico (PGA) cada uma contém 3C O PGA é reduzido até gliceraldeído3 fosfato (GAP) conflui para um pool de CHOs formando multiplos produtos (açúcar, amido, aa, etc...) Ocorre nas gramíneas de clima temperado e em todas as leguminosas 5

6 Plantas C4: Possuem duas reações de carboxilação: Folha de uma planta C4 1ª pela enzima fosfoenolpiruvato carboxilase (PEP Carboxilase) Ocorre nas células do mesófilo Resulta em um produto de quatro carbonos OXALACETADO, MALATO OU ASPARTATO 2ª pela enzima RUBISCO, como plantas C3 Ocorre nas células da bainha do feixe vascular (Anatomia KRANZ) arranjo em forma de coroa em torno do feixe vascular Folha de uma planta C3 CO 2 + uma molécula de 3C (PEP) forma composto com 4C: OAA Composto com 4C transferido para as células da bainha do feixe Descarboxilado Libera CO 2 e piruvato (3C) 4C Características Fisiológicas das Plantas C4: Melhor desempenho que plantas C3 em condições de: * Alta temperatura * Estresse hídrico moderado *Alta radiação solar N na folha para Fotossíntese máx.: 3,0 4,5% da MS Consumo de H 2 O para produção de MS: g/g MS CO 2 fixado por ação da RUBISCO ciclo de Calvin Piruvato retorna às células do mesófilo CO 2, fixado pela via C 4, é bombeado das células do mesófilo para as células da bainha vascular manutenção de elevada razão CO 2 /O 2 no sítio de ação da rubisco favorece a carboxilação da ribulose-1,5-bifosfato. T ótima para Fotossíntese: 35 C Ocorre nas gramíneas tropicais Alta produção de matéria seca 6

7 EFEITO DA RADIAÇÃO NA FOTOSSÍNTESE LÍQUIDA EFEITO DA TEMPERATURA NA FOTOSSÍNTESE LÍQUIDA FOTOSSÍNTESE LÍQUIDA g CO2/m2/ hora 7,5 5,0 2,5 0,0 0 C4 ALFAFA C FOTOSSÍNTESE LÍQUIDA g CO2/m2/ hora 7,5 5,0 2,5 0, C4 ALFAFA C SIST. RAÍZES RADIAÇÃO µmol/m 2 /s TEMPERATURA (ºc) EFEITO DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FORRAGEM EFEITO DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FORRAGEM 7

8 Plantas CAM - metabolismo ácido das crassuláceas Curso Características de Zootecnia - UFPEL Produtivas Fundamentos das Plantas de Manejo de C3: Ocorre em plantas de ambientes áridos ou microclimas secos (ex.: cacto, abacaxi, lírio, bromélias, orquídeas, barba-de-velho) Em resposta a estresse hídrico abrem os estômatos a noite e fecham durante o dia evita perda de água por evaporação, mas impede a entrada de CO 2 Menor produção de forragem que C4 Melhor digestibilidade, consumo e teor de PB Maior degradação ruminal Metabolismo semelhante a C4, porém: Durante o dia (fase fotoquímica), o CO 2 fixado a noite pela PEP Carboxilase é utilizado pela Rubisco e incorporado aos carboidratos pelo ciclo de Calvin Proporção de tecidos em relação ao % de digestão Qualidade forrageira plantas C3 x C4: CAPACIDADE FOTOSSINTÉTICA Folhas individuais variação na capacidade fotossintética determinada por fatores como: Quantidade de radiação solar incidente Temperatura Suprimento de água Estádio dafolha(ee,ce,s) 8

9 Folhas completamente expandidas fotossíntese com intensidade máxima MORFOLOGIA DE UMA GRAMÍNEA FORRAGEIRA Assimilados formados manutenção própria e para as necessidades do meristema apical, sistema radicular e das folhas em formação Folha em expansão limbo parcialmente exposto não transloca assimilados para outras partes do perfilho usa para próprio desenvolvimento Folhas senescentes Diminuem sua capacidade de fotossíntese a medida que morrem Nutrientes são translocados para outras partes da planta Folha senesce do ápice para a base 9

10 Folhas sombreadas menor capacidade fotossintética que as localizadas a pleno sol. Após desfolha necessitam um período de tempo para a adaptação as novas condições de luminosidade. FONTE:DRENO FONTE Órgãos que assimilam CO 2 DRENOS Órgãos onde são depositados ou utilizados os fotoassimilados PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO DE FOTOASSIMILADOS Fontes exportam para os drenos mais próximos Importância relativa dos drenos _Dependente do ciclo da planta _Distribuição espacial e função fisiológica do tecido em crescimento FONTE:DRENO Estádio vegetativo meristemas apical e radicular são mais importantes DISTRIBUIÇÃO DOS FOTOASSIMILADOS Estádio reprodutivo inflorescências e sementes são drenos preferenciais 10

11 DIAGRAMA ILUSTRATIVO DO FLUXO DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS SINTETIZADOS PELAS PLANTAS (Carámbula, 2004) FOTOSSÍNTESE DISTRIBUIÇÃO DE ASSIMILADOS EM CONDIÇÕES NÃO LIMITANTES - Temperatura - Água - N - Luz TRANSLOCAÇÃO Oferta de C Intensidade de demanda do C Folhas CRESCIMENTO REQUERIMENTOS FISIOLÓGICOS Hastes Ramif. Raízes EXCEDENTE (OFERTA > DEMANDA) RESERVAS Reservas Ordem de prioridade NABINGER, 2000 DISTRIBUIÇÃO DE ASSIMILADOS SOB BAIXA T OU LUZ - Temperatura - Água - N - Luz DISTRIBUIÇÃO DE ASSIMILADOS SOB DEFICIÊNCIA HÍDRICA OU MINERAL - Temperatura - Água - N - Luz Oferta de C Intensidade de demanda do C Folha Oferta de C Intensidade de demanda do C Reservas Ordem de prioridade NABINGER, 2000 Modificações determinam menor alocação do carbono em geral, mas sobretudo resultam em menor produtividade da parte aérea. Ordem de prioridade Raízes NABINGER,

12 SUBSTÂNCIAS DE RESERVA Compostos orgânicos armazenados em órgãos mais permanentes das plantas, para serem remobilizados quando a fotossíntese não atende a demanda. Saída da estação de dormência (inverno ou verão) Após condição desfavorável (Ex.: seca) Após desfolha drástica Evolução das substâncias de reserva em uma planta anual em crescimento livre Evolução das substâncias de reserva em uma planta perene em crescimento livre 12

13 SUBSTÂNCIAS DE RESERVA Açúcares solúveis CHOs não estruturais Amido Frutosanas Glicose Frutose Sacarose Maltose etc... SUBSTÂNCIAS DE RESERVA Compostos nitrogenados Proteínas Enzimas Ács.Nucléicos (RNA, DNA) Clorofilas etc... LOCAIS DE ARMAZENAMENTO EM DIFERENTES FORRAGEIRAS (Carámbula, 1977) Leg. ereta Coroa Leg. rasteira estolões Gram. ereta base dos colmos Gram. rasteira rizomas e estolões Fontaneli et al., 2012) 13

14 Fontaneli et al., 2012) O que é preciso para haver crescimento da pastagem e acúmulo de reservas????? Curva de crescimento de uma planta forrageira Água Minerais Temperatura Radiação (luz) T1 T2 T3 14

15 Fases do Crescimento de uma Planta Forrageira (padrão sigmóide) Curva de crescimento de uma planta forrageira 15cm Taxa do processo Assintótica 5cm TC: 68kg MS/ha/dia 10cm TC: 79kg MS/ha/dia TC: 97kg MS/ha/dia 20cm A Logaritmica Linear TC: 78 kg MS/ha/dia 0 TEMPO T1 T2 T3 O crescimento pastagem é função: Interceptação de radiação Interceptação de radiação depende: Da área foliar e do IAF Área Foliar: Área de folhas presentes em uma superfície de solo conhecida Índice de Área Foliar: IAF: área de folhas = s/ unid. área de solo coberto IAF crítico: 90-95% da energia luminosa interceptada e 5% chega ao solo IAF ótimo: Fotossintese : Respiração 100% IL IAF teto: Folhas novas = Folhas mortas Arquitetura da planta influencia o tempo necessário para chegada nestes níveis. 15

16 Interceptação da luz Máximo Acúmulo de Folhas Vivas Crescimento das Plantas Forrageiras C sombreamento CRESCIMENTO A Perda do aparato fotossintético B Balanço positivo de carbono 0 B TEMPO C 62 Máximo Acúmulo de Folhas Vivas AF é 2,9 maior que a área de solo que ela cobre 16

17 De modo geral, a desfolha deve ocorrer quando... Panicum maximum - Tanzânia 120,00 Azevém Anual - BRS Ponteio 100,00 Acúmulo de folhas e senescência (cm / perfilho) ,2 95% 91,1 95,9 Interceptação de Luz (%) Folha Haste Senescência 0 99,1 Acúmulo de Hastes (cm / perfilho) % 80,00 60,00 40,00 20,00 NFV FIL DVF tx sen tx. Expans tx.exp.colmo IAF 2,0 3,2 4,5 6,0 Barbosa, , Dias após a semeadura 350 GD 350 GD Cunha; Pedroso, Mittelmann, Maia, et al., 2012 A distribuição da radiação depende da arquitetura das plantas Arquitetura da vegetação e distribuição da radiação 68 17

18 Arquitetura da Planta e ângulo de inclinação das folhas Folhas planófilas Intercepta (%) Penetra (%) 18

19 Folhas erectófilas Pastagem consorciada Pastagem consorciada 19

20 10/09/2015 Ordem de sombreamento e alcance do IAFc > IAF 2- Gramíneas rasteiras T. branco, Amen. Forrag. IAFc 4-7 0,5m 1- Leguminosas rasteiras Axonopus, Cynodon 0,5m T. vesiculoso, T. alexandrino, 0,5m 3- Leguminosas eretas cornichão < IAF 4- Gramíneas eretas azevém, aveia, milheto Evolução da taxa de crescimento da cultura em função da evolução do índice de área foliar numa pastagem de azevém (Brougham, 1956) IAFc 2-4 0,5m Evolução da eficiência de intercepção da radiação incidente (Ei) em função da evolução do índice de área foliar (IAF) em alfafa (Gosse et al., 1984) 20

21 10/09/2015 IAF em plantas planófilas e erectófilas IAF X Interceptação de luz x Prod. MS Trevo Branco Interceptação de Luz (%) Azevém 60 IAF Plantas sombreadas menor razão R/FR mais vermelho-distante chegam a elas Por ação do FITOCROMO iniciam resposta para "capturar mais luz" elongação do caule e pecíolo, antecipando o processo de florescimento e dominância apical. 21

22 Manejo da pastagem no Sistema de Pastejo Rotativo Crescimento da pastagem Tempo Entrada dos animais Altura do relvado: Mombaça - 90cm Tanzânia - 70cm Milheto - 55cm Tifton - 20cm Sudão 50cm Azevém: 14cm vegatativo 30cm pré-florescimento Saída dos animais Altura do relvado: Mombaça 50cm Tanzânia 30cm Milheto 25cm Tifton 8cm Sudão 10cm Azevém: 7cm vegatativo 12cm pré-florescimento Manejo da pastagem no Sistema de Pastejo contínuo Crescimento da pastagem Tempo Próx. Máx. Acúmulo de Folhas Vivas > Produtividade > Qualidade Altura média do relvado: 60cm mombaça; 55cm tanzânia; 40cm Massai; 40cm milheto 12 cm azevém Manejo de Plantas Forrageiras Manejo da desfolha Pastejo severo colheita = IAF = Captura E inc = Produção de pasto Corte Pastejo Pastejo leve EFEITOS 87 Colheita = IAF = Captura E inc = Produção de pasto = senescência 22

23 EFEITO DA ALTURA DE CORTE (RESÍDUO) SOBRE O TEMPO NECESSÁRIO PARA O RESTABELECIMENTO DA PASTAGEM Altura de corte A B C Tempo necessário para restabelecimento Efeito da intensidade de desfolha sobre o padrão de crescimento de espécies forrageiras (Adaptado de Rodrigues & Rodrigues, 1987). No tempo A perdas por pisoteio, dejeções, etc... para um pequeno aproveitamento do pasto No tempo C longo intervalo entre utilizações da pastagem Sempre que a oferta de C exceder a demanda RESERVAS Armazenamento: coroa, raízes, estolões, rizomas, bases dos caules Rebrote de uma pastagem temperada sob três intensidades de desfolha (Adaptado de Brougham 1956). Área foliar remanescente Permanência do tecido fotossintético e massa de raízes 23

24 Carboidratos totais não estruturais na base do colmo de Capim Mombaça em função da intensidade de desfolha EFEITO DA INTERAÇÃO IAF RESERVAS Alto nível de CHOs não estruturais 5,08 cm (Alta AFR) Baixo nível de CHOs não estruturais 5,08 cm (Alta AFR) 0,25 cm (Baixa AFR) 0,25 cm (Baixa AFR) Gomide et al., 2002 EFEITO DA INTERAÇÃO IAF RESERVAS Quanto CRESCIMENTO mais severa SUBSEQÜENTE a desfoliação DE NOVAS e mais FOLHAS baixas E PERFILHOS as reservas, menos vigoroso é o crescimento dos perfilhos presentes e Alto nível de CHOs não estruturais Baixo nível de CHOs não estruturais menos perfilhos novos são emitidos menor produção de forragem. 2,54 Comprimento de novas folhas (cm) 1,52 1,65 1, Número de novos perfilhos

Maria do Carmo de C. D. Costa

Maria do Carmo de C. D. Costa FOTOSSÍNTESE: Sistema fotossintético e fisiologia comparada das plantas de ciclo C 3 C 4 e CAM. INTRODUÇÃO: A fotossíntese representa o caminho pelo qual praticamente toda a energia penetra na biosfera.

Leia mais

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese 2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese Sumário: Introdução e perspectiva histórica Pigmentos fotossintéticos Reacções da fase luminosa Fixação do CO 2 Ciclo de Calvin Fotorrespiração Plantas C3, C4 e

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES DA FISIOLOGIA VEGETAL PARA O MANEJO

ASPECTOS IMPORTANTES DA FISIOLOGIA VEGETAL PARA O MANEJO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA ASPECTOS IMPORTANTES DA FISIOLOGIA VEGETAL PARA O MANEJO Trabalho apresentado

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 3 Transpiração Transpiração: Principal processo de perda d água pelo vegetal. A Transpiração ocorre

Leia mais

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Intensificação da produção animal por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Sila Carneiro da Silva Departamento de Zootecnia E.S.A. Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo (USP) Introdução *

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese Profª Eleonora Slide de aula Captação da energia solar e formação de ATP e NADPH, que são utilizados como fontes de energia para sintetizar

Leia mais

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade média de

Leia mais

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia Uma simples folha Queila de Souza Garcia Plantas grande diversidade formas tamanhos habitats Lemna minor sequoia Folha Órgão laminar e verde das plantas, que constitui a estrutura assimiladora por excelência,

Leia mais

O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM EM PASTAGENS. O uso de pastagens como principal fonte de alimento para ruminantes é

O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM EM PASTAGENS. O uso de pastagens como principal fonte de alimento para ruminantes é O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM EM PASTAGENS Carlos Guilherme Silveira Pedreira Alexandre Carneiro Leão de Mello Lyssa Otani 1 INTRODUÇÃO O uso de pastagens como principal fonte de alimento para ruminantes

Leia mais

Superlista Bioenergética

Superlista Bioenergética Superlista Bioenergética 1. (Uerj) O ciclo dos ácidos tricarboxílicos, ou ciclo de Krebs, é realizado na matriz mitocondrial. Nesse ciclo, a acetilcoenzima A, proveniente do catabolismo de carboidratos,

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

ACÚMULO DE BIOMASSA NA PASTAGEM

ACÚMULO DE BIOMASSA NA PASTAGEM ACÚMULO DE BIOMASSA NA PASTAGEM Domicio do Nascimento Júnior 1 ; Bruna Adese 2 1 Professor Titular do Departamento de Zootecnia da UFV, Viçosa, MG. 2 Estudante de Doutorado em Zootecnia do Departamento

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra Captação de energia luminosa MsC Elwi Machado Sierra s Etapa luminosa Resumo Etapa de assimilação Ciclo do Calvin Benson Bassham Fotorrespiração (C2) Mecanismos de assimilação de C CO2 CO2 CO2 Captação

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais

Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais Prof. Dr. Moacyr Corsi ESALQ - USP Maio- 2006 A planta forrageira: Parametros para produçã ção o animal Prof. Dr. Moacyr Corsi ESALQ - USP Maio-

Leia mais

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs METABOLISMO CELULAR Professor Felipe Abs O que é ENERGIA??? Físicos energia é a capacidade de realizar trabalhos; Biólogos energia é a capacidade de provocar mudanças; É indispensável para os seres vivos;

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese -A A energia luminosa como força motriz da fotossíntese -O Cloroplasto- - membranas tilacoidais e estroma -Conceito de Unidade Fotossintética e Centro de Reacção -Cooperação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

FORRAGENS PARA EQUINOS

FORRAGENS PARA EQUINOS III SIMEQ SIMPÓSIO DE EQUIDEOCULTURA Curso Pré Simpósio - 21 a 24 de junho de 2011 MATERIAL DE APOIO FORRAGENS PARA EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich MSc. Emanuel Orestes da Silveira 2011 Conteúdo

Leia mais

Florescimento: floração e produção de sementes

Florescimento: floração e produção de sementes Florescimento: floração e produção de sementes Eng. Agr. Dra. Samira D. Carlin Cavallari Centro de Cana IAC Sertãozinho, 18 de junho de 2015 Florescimento da cana-de-açúcar Mudança da fase vegetativa para

Leia mais

FORRAGICULTURA FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS 06/09/2016

FORRAGICULTURA FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS 06/09/2016 FORRAGICULTURA 1 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL). Clima: CO 2, H 2O, Tº, Luz, Vento Tipo de vegetação: (herbácea, arbustiva, arbórea) Pastejo: Alterações fisiológicas

Leia mais

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE Cloroplastos Plastos ou plastídeos com pigmentos coloridos (cromoplastos), sendo o pigmento predominante a clorofila, responsável pela absorção de energia luminosa. Nos vegetais

Leia mais

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca ONDA que apenas transportam energia.

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca  ONDA que apenas transportam energia. Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra. A energia luminosa captada por algas e plantas é utilizada na produção

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais.

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. Obtenção de matéria pelos seres autotróficos Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. A autotrofia pode envolver dois processos: Fotossíntese - realizada por organismos

Leia mais

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz)

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz) FITOCROMO 03/1 QUAL O PAPEL DA LUZ NOS VEGETAIS? Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento Orientação dos cloroplastos nas células Orientação das folhas (intensidade e

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Considerações fisiológicas e ecológicas

Considerações fisiológicas e ecológicas UNIDADE VI Fotossíntese: Considerações Fisiológicas e Ecológicas 9. Considerações fisiológicas e ecológicas 9.1. Efeito estufa e produtividade primária 9.2. Fatores que afetam a fotossíntese: Radiação

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA O MANEJO DE PASTAGENS: EVOLUÇÃO E ATUALIDADE

FUNDAMENTOS PARA O MANEJO DE PASTAGENS: EVOLUÇÃO E ATUALIDADE FUNDAMENTOS PARA O MANEJO DE PASTAGENS: EVOLUÇÃO E ATUALIDADE Domicio do Nascimento Junior 1 Américo Fróes Garcez Neto 2 Rodrigo Amorim Barbosa 2 Carlos Mauricio Soares de Andrade 2 1 Professor Titular

Leia mais

Cultivos agrícolas utilizando telas coloridas e termorefletoras

Cultivos agrícolas utilizando telas coloridas e termorefletoras Cultivos agrícolas utilizando telas coloridas e termorefletoras Josimar Rodrigues Oliveira 1 ; Marcos William de Paulo 2 ; Ricardo Monteiro Corrêa 3* ; Érika Soares Reis 3* ; Marcelo Aparecido Carvalho

Leia mais

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 INTRODUÇÃO A evolução das plantas terrestres, a partir de plantas aquáticas, criou inicialmente uma série de novos problemas,

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

MECANISMOS DE RESISTÊNCIA À SECA QUE POSSIBILITAM A PRODUÇÃO EM CONDIÇÕES DO SEMI ÁRIDO NORDESTINO

MECANISMOS DE RESISTÊNCIA À SECA QUE POSSIBILITAM A PRODUÇÃO EM CONDIÇÕES DO SEMI ÁRIDO NORDESTINO MECANISMOS DE RESISTÊNCIA À SECA QUE POSSIBILITAM A PRODUÇÃO EM CONDIÇÕES DO SEMI ÁRIDO NORDESTINO Artur Franco Barreto, Johan kely Alves Barbosa, Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Agrárias,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Aluno(a): Turma: Data: / /2015 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO 1. A respeito da equação ao lado, que representa uma

Leia mais

Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM

Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM Ilustração dos Jardins suspensos da Babilônia, Atual Iraque JARDINAGEM ESTILOS DE JARDINS Quais são os estilos de jardins? I. Clássico; II. Contemporâneo; III. Étnicos IV. Climáticos ESTILOS DE JARDINS

Leia mais

SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS

SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS Sila Carneiro da Silva Departamento de Zootecnia, USP/ESALQ, Pesquisador do CNPq, scdsilva@esalq.usp.br Domicio do Nascimento Júnior Departamento de Zootecnia,

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema A água H 2 O ÁGUA - PARTICULARIDADES

Leia mais

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules.

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. Questão 1 a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. b) Não. Na caatinga os ciclos de chuvas são irregulares ao longo do ano, enquanto que no cerrado há um período

Leia mais

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte ALIMENTOS ORGÂNICOS PARA A SUPLEMENTAÇÃO DE BOVINOS Cláudio Maluf Haddad 1 Fabiana Villa Alves 2 1 Professor Doutor do Departamento de Produção Animal Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP.

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

Rafael Vasconcelos Ribeiro - Pesquisador Científico -

Rafael Vasconcelos Ribeiro - Pesquisador Científico - INSTITUTO AGRONÔMICO Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Ecofisiologia e Biofísica NECESSIDADES FISIOLÓGICAS DE CITROS EM PLANTIOS ADENSADOS: Uma questão de disponibilidade energética Rafael Vasconcelos

Leia mais

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fotossíntese e Respiração... 1 Fotossíntese... 1 Respiração... 4 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Fotossíntese e Respiração Fotossíntese Definição

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede

Células-guarda: decisão do dilema fome x sede UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA Transpiração: Necessária ou desperdício de água? O O poro estomático é flanqueado por

Leia mais

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS Prof. Tomás de Aquino Portes Goiânia, maio de 2008 1 CAPÍTULO 8 Translocação

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática Nutrição mineral (, Ano lectivo de 2012) Por: Prof. Doutor Domingos

Leia mais

MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS

MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS 1 MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS Artur Chinelato de Camargo André Luiz Monteiro Novo EMBRAPA Pecuária Sudeste - São Carlos, SP Junho 2009 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. A ATIVIDADE LEITEIRA 7 3. CONCEITOS

Leia mais

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda.

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda. SUMÁRIO Introdução, 1 1 Botânica Introdução, 2 Evolução das plantas, 3 Evolução das comunidades, 8 Aparecimento dos seres humanos, 10 seção 1 Biologia da Célula Vegetal, 17 2 Composição Molecular das Células

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas)

Exercícios de aprofundamento 2015 Bio Morfologia(Plantas) 1. (Unesp 2015) Dona Patrícia comprou um frasco com 100 gramas de alho triturado desidratado, sem sal ou qualquer conservante. A embalagem informava que o produto correspondia a 1 quilograma de alho fresco.

Leia mais

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal A fisiologia vegetal estuda os fenômenos vitais relacionados com as plantas. Isto inclui o metabolismo vegetal; o desenvolvimento vegetal; os movimentos vegetais e a reprodução. Raiz e Absorção As plantas

Leia mais

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE FITOFISIOLOGIA AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 Marcelo Francisco Pompelli Nutrição Mineral Breve

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE

AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE Eliana Lima da Fonseca 1 ; Carlos Augusto de Miranda Gomide

Leia mais

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems)

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Adubaçã ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Alberto C. de Campos Bernardi Pecuária brasileira: 220 milhões de hectares

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Valor nutritivo das plantas forrageiras

Valor nutritivo das plantas forrageiras A base da dieta dos ruminantes na grande maioria dos sistemas de produção é constituída pelas pastagens. Valor nutritivo das plantas forrageiras Estas pastagens podem ser: Nativas; Cultivadas. Varias espécies

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas Giovani Theisen Soja em terras baixas» Manejo do solo e rotação» Implantação da cultura» Fixação biológica de nitrogênio» Manejo de pragas Soja requer

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA CB Virtual 5 Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA Caixa Postal 5046 Campus Universitário -

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858)

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858) Célula Introdução Robert Hooke (século XVII) deu o nome de célula (pequenos compartimentos) às pequenas cavidades separadas por paredes, que ele observou em cortiça e outros tecidos, usando microscópio

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME Trabalho de conclusão de curso Produção e reprodução bovina Antônio Garcia de Almeida Orientador: Athos de Assumpção Pastore Sumário Lista de figura... Lista

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

ECOLOGIA. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2. Conceitos Básicos. Estuda as formas de organização superiores à do organismo 14/02/2014.

ECOLOGIA. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2. Conceitos Básicos. Estuda as formas de organização superiores à do organismo 14/02/2014. BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2 Conceitos Básicos ECOLOGIA Estuda as formas de organização superiores à do organismo Protoplasma Níveis de Organização dos Seres Vivos Célula Tecido Órgão Aparelho Sistema

Leia mais