Maria do Carmo de C. D. Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria do Carmo de C. D. Costa"

Transcrição

1 FOTOSSÍNTESE: Sistema fotossintético e fisiologia comparada das plantas de ciclo C 3 C 4 e CAM. INTRODUÇÃO: A fotossíntese representa o caminho pelo qual praticamente toda a energia penetra na biosfera. Através da fotossíntese as plantas clorofiladas convertem a energia luminosa, proveniente do sol, em energia química. A fotossíntese é uma complexa cadeia de reações, realizada através da energia luminosa por pigmentos específicos (como a clorofila), que resulta na síntese de compostos orgânicos (açúcares) a partir de gás carbônico e água. Todos os demais compostos, essenciais para a estrutura da planta, são produzidos a partir desses compostos orgânicos resultantes da fotossíntese. A folha é o órgão sede da fotossíntese, devido sua riqueza em clorofila, sua posição na planta, geralmente exposta à luz, sua forma laminar que permite aproveitamento com eficiência da energia luminosa. O caule de certas plantas e até a raiz de certas espécies de orquídeas, podem realizar fotossíntese, embora a função fotossintética seja preferencialmente desempenhada pelas folhas nos vegetais. Para que as folhas possam sintetizar os alimentos é indispensável, entre outras coisas que suas células verdes disponham de CO 2. O CO 2 do ar, penetra na folha através dos estômatos e difunde-se nos espaços intercelulares, dissolvese na água e atravessa o plasmalema das células onde através do citoplasma chegam aos cloroplastos. Nos cloroplastos o CO 2 é usado na síntese de açúcares, sendo sua concentração no cloroplasto sempre inferior a do ar. Isto permite um fluxo constante de CO 2 do ar para os cloroplastos. A luz pode ser entendida como uma onda de partículas energéticas chamadas fótons. A energia desses fótons é inversamente proporcional ao comprimento de onda dessas prtículas. Assim, a luz azul possui fótons mais energéticos que a luz vermelha, que apresenta comprimento de onda maior. A principal etapa na conversão da energia solar em energia química é a absorção da luz. Um pigmento é qualquer substância que absorve a luz. O padrão de absorção de um pigmento é conhecido como espectro de absorção. Quando um pigmento absorve luz, os elétrons são elevados a um nível mais alto, podendo ocorrer: conversão de energia em forma de calor; transferência da energia sob a forma de energia luminosa (fluorescência ou fosforescência); e captura da energia numa ligação química, como ocorre na fotossíntese.

2 Os pigmentos que participam da fotossíntese incluem as clorofilas, os carotenóides e as ficobilinas. Existem vários tipos diferentes de clorofila que diferem uns dos outros apenas em pequenos detalhes de suas estruturas moleculares. A clorofila a ocorre em todos os eucariontes fotossintéticos e nas algas azuis procarióticas, sendo considerada como essencial para a fotossíntese dos organismos pertencentes a este grupo. A clorofila b é um pigmento acessório e, a exemplo dos outros pigmentos acessórios, amplia o espectro de absorção de luz na fotossíntese. Como a clorofila b absorve luz de comprimento de onda diferentes da clorofila a, aumenta a faixa de luz que pode ser utilizada para a fotossíntese. Os carotenóides são pigmentos lipossolúveis vermelhos, alaranjados ou amarelos, encontrados em todos os cloroplastos e, também, em associação com a clorofila a nas algas azuis procariotas. Os carotenóides que não contêm oxigênio são denominados carotenos, ao passo que os que possuem este elemento são chamados de carotenóis. Na folha verde, a cor dos carotenóides é mascarada pelas clorofilas, que se encontram presentes em quantidades muito mais abundante. Em alguns tecidos, como os de um tomate maduro ou pétalas de uma flor amarela, predominam os carotenóides. Como não são hidrossolúveis, os carotenóides não são encontrados livres no citoplasma, são ligados a proteínas dentro dos plastídios. As ficobilinas são pigmentos acessórios hidrossolúveis, encontrados nas algas azuis, nos cloroplastos das algas vermelhas e em alguns outros grupos de algas eucariotas. No cloroplasto, a clorofila e outras moléculas estão empilhadas em estruturas conhecidas como unidades fotossintéticas. Cada unidade contém 250 a 400 moléculas de pigmento, que podem absorver luz e transferi-la para uma molécula reativa. A energia absorvida pela molécula reativa é suficiente para expulsar totalmente um elétron da molécula. A molécula reativa, é portanto, oxidada e perde um elétron, constituindo uma situação por vezes designada como ter uma lacuna eletrônica. Para preencher estas lacunas existem dois sistemas fotoquímicos que atuam conjuntamente nas folhas. Assim, os elétrons perdidos por uma molécula reativa são substituídos por outros que provém de uma outra molécula também reativa ou da molécula de água após a fotólise. SISTEMAS DE PIGMENTOS Nas folhas das plantas, existem dois tipos diferentes de sistemas de pigmentos, conhecidos como Sistema de pigmento I e Sistema de pigmento II. O Sistema de Pigmento I contém uma maior proporção de clorofila a em relação à clorofila b que o Sistema de Pigmento II. Em ambos os sistemas encontram-se diferentes tipos de carotenóides. No Sistema de Pigmento I, a molécula reativa é uma forma de clorofila a conhecida como P 700, pelo fato de um dos picos de seu espectro de absorção estar situado a 700 nanômetros.

3 Quando P 700 é oxidado, descora-se, constituindo o modo pelo qual é detectado. O Sistema de Pigmento II contém também uma molécula de clorofila especializada, capaz de transferir um elétron para uma forma de clorofila a. Seu ponto máximo de reação se situa a 680 nanômetros. Por conseguinte, cada sistema de pigmento faz parte de um sistema fotoquímico diferente. É provável que os sistemas fotoquímicos tenham evoluído separadamente e que o sistema fotoquímico I surgiu primeiro. O sistema fotoquímico I, provavelmente, é capaz de operar isoladamente, porém, de modo geral, atua em conjunto com o sistema fotoquímico II. Para que a fotossíntese ocorra, é necessário a presença de um aceptor de hidrogênio, o qual será reduzido. Este aceptor de hidrogênio receberá os prótons hidrogênio provenientes na molécula de água hidrolisada durante as reações no claro. Também provém da água o oxigênio que é librado durante o processo fotossintético e os elétrons que irão substituir os elétrons da clorofila b perdidos quando esta foi excitada pela absorção de luz. Basicamente a fotossíntese compõem-se de duas etapas: as reações no claro (fosforilação acíclica e cíclica) e reações no escuro (ciclo de Calvin). REAÇÕES NO CLARO O processo inicia-se com a absorção de luz pela clorofila a (fotossistema I), que transfere dois elétrons energizados para um aceptor primário, a ferredoxina. Esta transfere esses elétrons ao NADP, que recebe também os prótons (H + ) provenientes da fotólise da água, reduzindo-o a NADPH 2. Este será utilizado posteriormente na redução de CO 2 a carboidrato, na fase escura da fotossíntese. A absorção de luz pela clorofila b (fotossistema II) resulta na transferência de dois elétrons energizados para a plastoquinona. Estes dois elétrons são substituídos, na clorofila b, pelos dois elétrons provenientes da molécula da água. Da plastoquinona os elétrons são transferidos, através de uma série de aceptores de níveis energéticos cada vez mais baixos, até chegarem na clorofila a, que pode recebê-los por já ter perdido, anteriormente, dois elétrons. A energia liberada nessa transferência de elétrons é usada para sintetizar ATP a partir de ADP e fosfato. Assim a energia luminosa foi convertida em ligações de alta energia do ATP e também em NADPH 2, que serão utilizados na fixação do gás carbônico. Os elétrons retirado das clorofilas não retornam aos sistemas fotossintetizantes (FS I e FS II), percorrendo um caminho não cíclico, razão pela qual falamos em fotofosforilação acíclica.

4 Nesse transporte de elétrons associado à liberação de oxigênio formam-se duas moléculas de ATP. Quatro elétrons são liberados na fotólise da água e transportados na cadeia acíclica, e para cada dois elétrons transferidos forma-se uma molécula de ATP. Fosforilação cíclica Constitui uma formação adicional de ATP pelas plantas, para complementar o número de ATPs necessários para a fixação de uma molécula de CO2. A fotofosforilação acíclica fornece NADPH 2, ATP e O 2 na proporção de 2:2:1, porém são necessários 3 ATP para fixar 1 CO 2. Assim, o ATP adicional será fornecido pela fosforilação cíclica. Na fosforilação cíclica clorofila a (FS I), absorvendo energia luminosa, tem elétrons excitados que se deslocam para níveis energéticos mais altos, sendo transferido da clorofila para um aceptor de elétrons, a ferredoxina. Desta, ele se desloca para os citocromos, voltando a níveis energéticos mais baixos. Nesta volta, ocorre liberação de energia que é incorporada nas ligações de ATP. Como o elétron sai da clorofila a, voltando a ela, num trajeto cíclico, e como houve produção de ATP por fosforilação, o processo é chamado fosforilação cíclica. Neste processo, que exige a presença de luz e de cloroplastos, forma-se unicamente ATP, não conhecendo-se o número exato de moléculas de ATP que se formam. Acredita-se que os mecanismos fotossintéticos mais primitivos atuavam realmente deste modo. Estes mecanismos fotossintéticos não liberavam oxigênio e não se sabe se reduziam o carbono a açúcar. REAÇÕES NO ESCURO Embora chamada desta forma as reações no escuro, acontecem realmente no claro, simultaneamente com as reações ditas no claro. Têm, entretanto, esta denominação por acontecer no estroma dos cloroplastos e não depender de uma fonte luminosa. A energia utilizada nesta fase provém dos ATPs e NADH 2 formados durante as reações no claro. As reações no escuro (ciclo de Calvin ou ciclos da ribulose difosfato) consta de uma série de reações nas quais ocorre a carboxilação que consiste na fixação do gás carbônico pela ribulose difosfato (RuDP), formando um composto instável, de 6 carbonos; este sofre hidrólise e se degrada, originando duas moléculas de fosfoglicerato (PGA). Cada molécula de PGA é reduzida a gliceraldeído-fosfato (PGAL), uma triose fosforilada.

5 Para cada molécula de CO 2 fixada são produzidas duas trioses. A cada três voltas no ciclo seis trioses são produzidas, destas, 5 participam de uma série de interconversões de açúcares, até regenerar a ribulose difosfato. Apenas 1 sai do ciclo e é utilizada na formação da glicose. Para a produção de uma molécula de glicose são necessárias, portanto, seis voltas no ciclo. Quando se completam a seis voltas no ciclo, então, o primeiro PGAL que sai do ciclo reúne-se ao segundo PGAL para formar hexose-fosfato e, daí, glicose. É importante lembrar que os açúcares não são os únicos compostos orgânicos produzidos pela fotossíntese. O fosfoglicerato (PGA) e outros compostos intermediários do ciclo de Calvin podem ser utilizados na síntese de ácidos orgânicos, aminoácidos e outros produtos. As plantas que exibem o PGA como composto resultante do ciclo de Calvin são chamadas de plantas C 3, já que o PGA é um composto de três carbonos. Em outras palavras, plantas C 3 são as que fixam o CO 2 pelo ciclo de Calvin. Alguns autores já constataram,entretanto, que algumas espécies de plantas adaptadas a regiões áridas como o milho, a cana-de-açúcar e gramíneas tropicais, são capazes de fixar CO 2 em compostos de 4 átomos de carbono ao invés de 3, como no ciclo de Calvin. Nestas plantas aparece ácido málico, ou aspártico, como primeiro produto fotossintético e são chamadas de plantas C 4. As plantas C 4 fixam o CO2 pelo ácido fosfoenolpiruvato (PEP). Há um aspecto anatômico associado a essa via C 4 de fixação do CO 2 ; as folhas dessas plantas apresentam uma bainha de células clorofiladas envolvendo o feixe vascular. O CO 2 da atmosfera é assimilado nas células do mesófilo que não exibem o ciclo de Calvin, reage com o ácido fosfoenolpiruvato, formando ácido oxalacético, na presença da enzima PEP carboxilase. Posteriormente, esse ácido oxalacético é reduzido a malato ou aspartato, dependendo do tipo de planta, pelo NADPH 2 proveniente da fase clara. O malato ou aspartato é levado para as células da bainha vascular onde é descarboxilado, sendo o CO 2 utilizado no ciclo de Calvin, enquanto o ácido pirúvico proveniente da descarboxilação, retorna as células do mesófilo, onde reage com o ATP para formar mais moléculas de PEP. Por conseguinte, é apenas nas etapas iniciais da fixação do carbono que a fotossíntese C 4 difere da fotossíntese C 3. A eficiência das plantas C 4, deve-se ao farto dessas plantas absorverem eficientemente o CO 2 mesmo quando em baixas concentrações. Isto deve-se ao fato da PEP ter maior afinidade pelo CO 2 que a RuDP do ciclo de Calvin. A temperatura ótima para a fotossíntese C 4 é muito mais alta que aquela para a fotossíntese C 3 e, as plantas C 4 florescem mesmo em temperaturas que seriam letais para muitas plantas C 3. As plantas C 4 estão especialmente bem adaptadas a grandes extremos de intensidade de luz, temperatura e seca.

6 Uma terceira via de fixação do CO 2, é a fotossíntese MAC (metabolismo ácido das crassuláceas), que evoluiu independentemente em muitas plantas suculentas, incluindo os cactos. A fotossíntese MAC, representa um sistema especializado de fixação do CO2, destinado a manter um balanço positivo de carbono nos tecidos, ao mesmo tempo que desenvolve-se um eficiente mecanismo de absorção de água. Este mecanismo fotossintético, utiliza também moléculas de 4 carbonos, na fixação do CO 2. Nestas plantas, à noite os estômatos se abrem e permite a entrada do CO 2 que é assimilado através da reação catalisada pela enzima PEPcarboxilase. O ácido oxalacético produzido é transformado em os ácidos málico e isocítrico, os quais acumulam-se nas folhas, durante a noite. Durante o dia por ação da luz, o malato é descarboxilado sendo que o piruvato formado reage com o ATP e regenera o PEP, enquanto o CO 2 liberado no processo é captado pela RuDP do ciclo de Calvin. Este processo é evidentemente vantajoso em condições de alta intensidade luminosa e de falta de água, nas quais vivem a maior parte das plantas suculentas. Estas plantas dependem, em grande parte, do acúmulo durante a noite de carbono para a fotossíntese, pelo fato de seus estômatos estarem fechados durante o dia a fim de retardar a perda d água. FATORES QUE LIMITAM A FOTOSSÍNTESE Vários fatores internos e externos podem influir na taxa de fotossíntese. Como fatores internos podemos citar os pigmentos fotossintetizantes e as enzimas e coenzimas essenciais ao processo. Por exemplo, se a planta for clorótica por deficiência de alguns elementos essenciais como o nitrogênio e o magnésio, não haverá clorofila suficiente para executar a fotossíntese. Os mais importantes fatores que influenciam a fotossíntese são: concentração de CO 2, água, luz e temperatura. CO 2 Na natureza, o gás carbônico é freqüentemente o fator limitante da fotossíntese. Se a taxa de CO 2 no ar estiver baixa, o gás não conseguirá se difundir para os cloroplastos com a mesma velocidade com que ele é consumido. Por outro lado se a concentração de CO2 na atmosfera exceder 1%, passa a ser inibitória, devido a redução do ph pelo ácido carbônico que se forma. A redução do ph promove o fechamento dos estômatos, o que impede a difusão do gás carbônico para os cloroplastos. Neste caso a planta estará carente de CO 2, havendo abundância deste gás.

7 LUZ A luz é um fator que limita a fotossíntese à noite e nos momentos que varia sua intensidade. Com grandes intensidades de luz, a taxa fotossintética reduz-se por possíveis danos nos pigmentos fotossintéticos. Em algumas espécies os cloroplástos mudam de posição de acordo com a intensidade luminosa para evitar danos. Durante o dia, quando a fotossíntese está sendo efetuada, haverá uma certa intensidade luminosa, na qual o CO 2 consumido na fotossíntese será equivalente ao CO 2 liberado na respiração o mesmo acontecendo com o O 2 liberado na fotossíntese e consumido na respiração. A essa intensidade luminosa chamamos ponto de compensação fótico. Quando a planta recebe uma intensidade luminosa superior ao ponto de compensação, a taxa fotossintética é maior que a respiratória. Assim, a planta aumenta a produção de matéria orgânica e cresce. O ponto de compensação varia com a espécie: nas plantas de sol, o ponto de compensação é maior que nas plantas de sombra. ÁGUA Embora apenas 1% da água absorvida pela planta seja usada na fotossíntese, há evidências que o déficit de água limita a taxa fotossintética. Isso ocorre porque, com a menor hidratação do protoplasma e em particular dos cloroplastos, cai a atividade enzimática, reduzindo os processos metabólicos. Além disso a falta de água promove o fechamento dos estômatos, o que reduz a difusão de CO 2. TEMPERATURA Na maioria das espécies tropicais a fotossíntese não ocorre em temperaturas próximas a 5º C. Entretanto, muitas espécies realizam fotossíntese com temperaturas de 0º C ou - 25º C, como alguns líquens e mesmo com - 35º C como algumas coníferas. Para maioria das plantas, entretanto, a temperatura ótima está entre 30º C e 40º C. Temperaturas altas, entre 50 e 60º C, reduzem a taxa fotossintética, provavelmente por determinarem destruição das enzimas e danos no aparelho fotossintetizante. Além disso, a temperatura pode influenciar na abertura e fechamento dos estômatos. QUESTÕES PARA FIXAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1. O que entende por fotossíntese?

8 2. Quais os pigmentos que participam da fotossíntese? 3. O que ocorre durante na etapa fotoquímica da fotossíntese? 4. O que ocorre durante a etapa química da fotossintese? 5. Quais os fatores limitantes da fotossínte? Explique cada um deles. BIBLIOGRAFIA INDICADA AO ALUNO 1. COUTINHO, L. H. Botânica. v. 2, 7ª ed., São Paulo, Cultrix, p. il. 2. FERRI, M. G. Fisiologia vegetal 1. 2ª ed. São Paulo: EPU, MODESTO, Z. M. M. & SIQUEIRA, N. J. B. Botânica. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária - EPU, RAVEN, P. H., EVERT, R. F. & CURTIS, H. Biologia vegetal, 2ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara Dois, p. il.

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese 2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese Sumário: Introdução e perspectiva histórica Pigmentos fotossintéticos Reacções da fase luminosa Fixação do CO 2 Ciclo de Calvin Fotorrespiração Plantas C3, C4 e

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese Profª Eleonora Slide de aula Captação da energia solar e formação de ATP e NADPH, que são utilizados como fontes de energia para sintetizar

Leia mais

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese -A A energia luminosa como força motriz da fotossíntese -O Cloroplasto- - membranas tilacoidais e estroma -Conceito de Unidade Fotossintética e Centro de Reacção -Cooperação

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs METABOLISMO CELULAR Professor Felipe Abs O que é ENERGIA??? Físicos energia é a capacidade de realizar trabalhos; Biólogos energia é a capacidade de provocar mudanças; É indispensável para os seres vivos;

Leia mais

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE Cloroplastos Plastos ou plastídeos com pigmentos coloridos (cromoplastos), sendo o pigmento predominante a clorofila, responsável pela absorção de energia luminosa. Nos vegetais

Leia mais

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais.

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. Obtenção de matéria pelos seres autotróficos Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. A autotrofia pode envolver dois processos: Fotossíntese - realizada por organismos

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Aluno(a): Turma: Data: / /2015 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO 1. A respeito da equação ao lado, que representa uma

Leia mais

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca ONDA que apenas transportam energia.

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca  ONDA que apenas transportam energia. Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra. A energia luminosa captada por algas e plantas é utilizada na produção

Leia mais

Maria do Carmo de C. D. Costa

Maria do Carmo de C. D. Costa RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Respiração é o processo de obtenção de energia através da degradação de um substrato. Essa degradação pode ocorrer na presença de oxigênio ou não. No primeiro caso falamos de respiração

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

Superlista Bioenergética

Superlista Bioenergética Superlista Bioenergética 1. (Uerj) O ciclo dos ácidos tricarboxílicos, ou ciclo de Krebs, é realizado na matriz mitocondrial. Nesse ciclo, a acetilcoenzima A, proveniente do catabolismo de carboidratos,

Leia mais

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra Captação de energia luminosa MsC Elwi Machado Sierra s Etapa luminosa Resumo Etapa de assimilação Ciclo do Calvin Benson Bassham Fotorrespiração (C2) Mecanismos de assimilação de C CO2 CO2 CO2 Captação

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa a Fotossíntese (Fase Bioquímica) Fase escura Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves, RS 1 Reações Fase bioquímica da Fotossíntese Reações do Carbono (Fase Escura) 2 !

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fotossíntese e Respiração... 1 Fotossíntese... 1 Respiração... 4 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Fotossíntese e Respiração Fotossíntese Definição

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / /

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A): LEANDRO 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. A seguir estão representados três modelos de biomembranas: a) A que constituintes

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

Luz. Reacção geral da fotossíntese. Luz

Luz. Reacção geral da fotossíntese. Luz Os organismos fotossintéticos utilizam a luz solar como fonte de energia para a biossíntese de ATP e NADPH, que são utilizados para produção de glícidos e outros compostos orgânicos, a partir de CO 2 e

Leia mais

Gabarito: GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO. Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D]

Gabarito: GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO. Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D] GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO Gabarito: Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D] Resposta da questão 4: [A] Resposta da questão 5: [B] Resposta da

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 3 Transpiração Transpiração: Principal processo de perda d água pelo vegetal. A Transpiração ocorre

Leia mais

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia

Uma simples folha. Queila de Souza Garcia Uma simples folha Queila de Souza Garcia Plantas grande diversidade formas tamanhos habitats Lemna minor sequoia Folha Órgão laminar e verde das plantas, que constitui a estrutura assimiladora por excelência,

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF.

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. - TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. NANNI 01) (UFPE) O esquema abaixo representa o elo entre os processos de

Leia mais

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular RESPIRAÇÃO CELULAR A MAIS QUÍMICA DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS Questão certa em vestibulares

Leia mais

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo METABOLISMO Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo Mas o que é metabolismo? Metabolismo é o nome que damos ao

Leia mais

Assimilação do CO 2 e Mecanismos de concentração

Assimilação do CO 2 e Mecanismos de concentração Assimilação do CO 2 e Mecanismos de concentração Gusmania monostachia Bromélia CAM Helenice Mercier Lab. de Fisiologia Vegetal FIXAÇÃO DO CARBONO PRÁTICA: Grãos de amido coram com iodo (lugol) DIFUSÃO

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação Metabolismo Energético das Células Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação 1. Introdução Reações endotérmicas - Característica: Precisam receber energia - Ex.:Fotossíntese e quimiossíntese

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Professor Carlos - Proteinas

Professor Carlos - Proteinas 14085. (Fuvest 2001) Os três compostos abaixo têm uso farmacológico Considere as afirmações: I Nas moléculas dos três compostos, há ligações peptídicas. II A porcentagem em massa de oxigênio na dropropizina

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

UNIDADE V FOTOSSÍNTESE

UNIDADE V FOTOSSÍNTESE UNIDADE V FOTOSSÍNTESE FOTOSSÍNTESE 1. INTRODUÇÃO O termo fotossíntese significa, literalmente, síntese usando a luz. Os organismos fotossintéticos captam e utilizam a energia solar para oxidar H 2 O,

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR Retículo endoplasmático Invólucro nuclear Núcleo Mitocôndria Procarionte fotossintético Cloroplasto Procarionte ancestral Eucariote ancestral

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

FOTOSSÍNTESE MÓDULO 2 CITOLOGIA

FOTOSSÍNTESE MÓDULO 2 CITOLOGIA MÓDULO 2 CITOLOGIA Jovem, se você ainda não viu a aula de Respiração eu sugiro que você pare e vá dar uma olhada. Isso, pode ir agora mesmo, sem problemas. Eu espero. Isso porque a fotossíntese fica muito

Leia mais

Histórico das descobertas sobre a Fotossíntese

Histórico das descobertas sobre a Fotossíntese IOB 0127 Fitoplâncton e Produção Primária Histórico das descobertas sobre a Fotossíntese Profa.Sônia Maria F. Gianesella Fotossíntese Importância energética da fotossíntese: E solar armazenada : 10 17

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology Fisiologia Vegetal Objetivos da aula: Fotossíntese: absorção de luz pigmentos fotossintéticos fotossistemas fluxo de elétrons acíclico fotofosforilação fluxo de elétrons cíclico Bibliografia: Lehninger

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

Citoplasma organelas energéticas

Citoplasma organelas energéticas Citoplasma organelas energéticas luz cloroplasto CO2 + H2O C6H12O6 + O2 mitocôndria ENERGIA (ATP) ATP a moeda energética das células Respiração Dicas... A primeira etapa da respiração (glicólise) é anaeróbica

Leia mais

Fotossíntese. Seres autotróficos produzem as moléculas orgânicas a partir de material inorgânico

Fotossíntese. Seres autotróficos produzem as moléculas orgânicas a partir de material inorgânico Fotossíntese Seres autotróficos produzem as moléculas orgânicas a partir de material inorgânico As plantas são fotoautotróficas porque usam a luz como fonte de energia para produzirem moléculas orgânicas

Leia mais

FOTOACÚSTICA: CONSTRUÇÃO E APLICAÇÕES

FOTOACÚSTICA: CONSTRUÇÃO E APLICAÇÕES FOTOACÚSTICA: CONSTRUÇÃO E APLICAÇÕES Luana Carina Benetti 1, Paulo R. Innocente 2 RESUMO: Neste trabalho é descrita a técnica de Espectroscopia Fotoacústica com Célula Aberta (Open Photoacustic Cell -

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Metabolismo Celular: Respiração e Fotossíntese Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Aspectos Gerais da Fotossíntese Fotossíntese ntese: do grego, photos, luz, e syntithenai,

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz)

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz) FITOCROMO 03/1 QUAL O PAPEL DA LUZ NOS VEGETAIS? Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento Orientação dos cloroplastos nas células Orientação das folhas (intensidade e

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA Fontes Energéticas Bioenergética Fontes de Energia A energia define-se como a capacidade de realizar trabalho. Neste sentido, assumimos o conceito de trabalho

Leia mais

Tudo se transforma. ( )Terr ( )Satur ( )Marte. Volume 2 Módulo 2 Biologia Unidade 2. Para início de conversa

Tudo se transforma. ( )Terr ( )Satur ( )Marte. Volume 2 Módulo 2 Biologia Unidade 2. Para início de conversa Volume 2 Módulo 2 Biologia Unidade 2 Tudo se transforma Para início de conversa Na última unidade, vimos que a Biologia nasceu com as primeiras moléculas autorreplicadoras de RNA. Estas passavam suas características,

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Módulo 2 Unidade 2. Tudo se transforma. Para início de conversa. na herdabilidade e na mutabilidade, as enzimas proteicas ficaram responsáveis

Módulo 2 Unidade 2. Tudo se transforma. Para início de conversa. na herdabilidade e na mutabilidade, as enzimas proteicas ficaram responsáveis Módulo 2 Unidade 2 Tudo se transforma Para início de conversa Na última unidade, vimos que a Biologia nasceu com as primeiras moléculas autorreplicadoras de RNA. Estas passavam suas características, incluindo

Leia mais

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2.

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2. Lista de exercícios - Bioenergética 01 - (UDESC SC) Assinale a alternativa correta quanto à respiração celular. a) Uma das etapas da respiração celular aeróbia é a glicólise, ocorre na matriz mitocondrial

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

Ficha de Trabalho de Biologia e Geologia - 10º Ano Fotossíntese

Ficha de Trabalho de Biologia e Geologia - 10º Ano Fotossíntese Ficha de Trabalho de Biologia e Geologia - 10º Ano Fotossíntese Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: 1. Lê atentamente as seguintes afirmações relativas ao ATP e indica o respectivo

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal Fotossíntese: reações de carboxilação FISIOLOGIA VEGETAL Fotossíntese Parte II Pombal PB Membrana tilacóide Estroma Cloroplasto Formas de fixação do carbono pelas plantas Há três tipos de assimilação fotossintética

Leia mais

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA;

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; VITAMINAS COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; ESSENCIAIS PARA A MANUTENÇÃO DA SAÚDE, CRESCIMENTO NORMAL E REPRODUÇÃO. DEFICIÊNCIA VITAMÍNICA em 1987: NPT = MORTE VITAMINAS

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

Plastos. Dra. Maria Izabel Gallão

Plastos. Dra. Maria Izabel Gallão Plastos - plastídeos organelas de células vegetais que possuem o próprio genoma. - existem vários tipos dentre eles os cloroplastos, diferem entre si em estrutura e função. - os outros plastídeos são rodeados

Leia mais

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E Questão 89 O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes. Nível de açúcar no sangue mg/100ml 200 150 100 50 B A 0 1 2 3 4 5 Número de horas após a alimentação

Leia mais

A energética celular:

A energética celular: A energética celular: o papel das mitocôndrias e cloroplastos Capitulo 13 (p 427 a 444) e Capitulo 14 Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição A energética celular Como já vimos anteriormente

Leia mais

O processo fotossintético

O processo fotossintético O processo fotossintético Comecemos por rever a equação geral da fotossíntese: Ou seja, partindo de Dióxido de Carbono e água, as plantas produzem glicose e Oxigénio. Agora a questão é: como? A fotossíntese

Leia mais

FORRAGICULTURA 10/09/2015 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL).

FORRAGICULTURA 10/09/2015 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL). FORRAGICULTURA 1 2 A PASTAGEM VISTA COMO UM SISTEMA ECOLÓGICO (ECOSSISTEMA PASTORIL). Tipo de vegetação: (sp. herbáceas, arbustivas, arbóreas) Clima: CO 2, H 2O, Tº, Luz, Vento Pastejo: Alterações fisiológicas

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Aula 10 Fotossíntese

Aula 10 Fotossíntese Aula 10 Fotossíntese A fotossíntese é um importante processo nutritivo, que ocorre desde os seres vivos mais simples, como as algas unicelulares e cianobactérias, até os organismos complexos. O processo

Leia mais

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios RESPIRAÇÃ CELULAR Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (FGV/2013) cianeto é uma toxina que atua bloqueando a última das três etapas do processo respiratório aeróbico,

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858)

Célula Robert Hooke (século XVII) Mathias Schleiden (1838) Theodor Swann Rudolf Virchow (1858) Célula Introdução Robert Hooke (século XVII) deu o nome de célula (pequenos compartimentos) às pequenas cavidades separadas por paredes, que ele observou em cortiça e outros tecidos, usando microscópio

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ METABOLISMO ENERGÉTICO DAS

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre as quais há uma solução gelatinosa, a matriz mitocondrial.

Leia mais

FT - Fotossíntese 10º BG. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto.

FT - Fotossíntese 10º BG. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto. Fotossíntese e a relação com a respiração: Localização da fotossíntese: Estrutura do Cloroplasto Os principais acontecimentos da fotossíntese são: A absorção da energia da luz pela clorofila; Oxidação

Leia mais

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro;

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro; Apoptose Produção de energia Mitocôndria Introdução As mitocôndrias (mitos, filamento e condria, partícula) são organelas citoplasmáticas de forma arredondada ou alongada, existentes em praticamente todos

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

FOTOSSÍNTESE. Prof. Fabio Nogueira

FOTOSSÍNTESE. Prof. Fabio Nogueira FOTOSSÍNTESE Prof. Fabio Nogueira Definição: Processo que ocorre em plantas, algas e alguns procariotos e que utiliza diretamente a energia luminosa para sintetizar compostos orgânicos Importância:produção

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br A glicólise é provavelmente a via bioquímica mais bem compreendida. Desempenha uma função central no metabolismo energético, fornecendo uma porção

Leia mais