Maria do Carmo de C. D. Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria do Carmo de C. D. Costa"

Transcrição

1 RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Respiração é o processo de obtenção de energia através da degradação de um substrato. Essa degradação pode ocorrer na presença de oxigênio ou não. No primeiro caso falamos de respiração aeróbica, que envolve três passos: glicólise, ciclo de Krebs e cadeia transportadora de elétrons. No segundo, falamos em respiração anaeróbica, da qual a fermentação é o mais importante exemplo. Raven et al (1978), define a respiração como sendo o processo pelo qual a energia dos hidratos de carbono é transferida para o ATP, a molécula universal que transporta energia, tornando-se disponível para as necessidades energéticas imediatas da célula. As moléculas de hidrato de carbono que fornecem energia, são geralmente encontradas nas plantas sob a forma de sacarose ou amilo. A respiração em si, é geralmente considerada como tendo início com a glicose, que constitui o bloco de construção da sacarose e do amilo. Embora as trocas gasosas com o ambiente se faça principalmente nas folhas, através dos estômatos, todas as células vivas de uma planta respiram, desde que recebam o oxigênio da atmosfera, independentemente da presença de luz. Todavia, a taxa respiratória é mais acentuada nos órgãos em desenvolvimento, pois sua demanda energética para os processos metabólicos é maior. Como na fotossíntese, a respiração é um processo que envolve muitas etapas. É sempre bom lembrar que a fotossíntese e a respiração podem acontecer ao mesmo tempo, porque ocorrem em organelas diferentes; a fotossíntese ocorre nos cloroplastos e, a respiração, nas mitocôndrias. Comumente a respiração é considerada o inverso da fotossíntese uma vez que enquanto a fotossíntese utiliza CO 2 da atmosfera liberando O 2, a respiração libera CO 2 consumindo o O 2. Além disso, a fotossíntese é o processo através do qual os hidratos de carbono são produzidos, enquanto a respiração promove a degradação desses hidratos. A respiração é um processo complexo, que envolve uma série de reações que não só produzem energia, mas também compostos intermediários, imprescindíveis para a produção de aminoácidos, esteróides, DNA, entre outras substâncias. Ao quociente de CO 2 liberado e de O 2 consumido chamamos de quociente respiratório. Q.R = CO 2 O 2

2 O quociente respiratório está sempre em torno de 1,0 quando o composto que está sendo oxidado é carboidrato. Quando se obtém valores de Q.R. menores que 1,0, isto indica que outros substratos que não são carboidratos também estão sendo oxidados. Ex. germinação de sementes, onde lipídeos também estão sendo degradados. Quando se obtém valores de Q. R. superiores a 1,0, isto pode indicar oxidação pela via fermentativa, a qual não necessita de oxigênio. RESPIRAÇÃO AERÓBICA A respiração aeróbica se faz em três etapas: a glicólise, o ciclo de Krebs e a cadeia transportadora de elétrons. Glicólise A glicólise ocorre na matriz citoplasmática e e representa a quebra da molécula de glicose, rica em energia, em duas moléculas mais simples e menos energética de ácido pirúvico. Durante a glicólise a fragmentação da glicose é efetuada por uma série de reações separadas cada uma catalisada por uma enzima diferente. Se esta reação ocorresse de uma só vez, toda a energia seria dissipada. A modificação química que ocorre em cada processo é muito pequena. A molécula é fragmentada pouco a pouco. Desta forma apenas uma pequena quantidade de energia é liberada cada vez que uma ligação se rompe. Se a energia da molécula fosse liberada de uma só vez produziria calor como provou Lavoisier. Uma produção repentina de calor seria pouco produtiva para a célula e poderia ser destrutiva. Ao controlar a liberação de energia a célula perde apenas uma porção dela como calor, sendo capaz de conservar ou recuperar uma grande parte sob a forma de energia química útil. O primeiro passo para que o açúcar inicie as transformações na via glicolítica é ser fosforilado. Assim, é formada a glicose- 6- fosfato, que posteriormente é transformada em seu isômero frutose -6- fosfato e esta em frutose 1, 6 - difosfato. Estes processos envolvem gasto de ATP. Quando a frutose 1, 6-difosfato forma duas trioses: diidroxiacetonafosfato e gliceraldeido-fosfato, dependendo da disponibilidade de NADH, a diidroxiacetona-fosfato pode ser reduzida a glicerol-3-fosfato. Este após hidrólise do grupamento fosfato, forma glicerol para a síntese de lipídios. Entretanto a grande quantidade de diidroxiacetona-fosfato é isomerizada a gliceraldeido-fosfato o qual através de várias reações forma o piruvato.

3 A formação de ATP constitui um processo importante na glicólise e é chamada de fosforilação de susbstrato (processo pelo qual a formação de ATP a partir de ADP pela adição de fosfato inorgânico (P i ), não está relacionada com reações de óxido-redução). Formam-se 4 moléculas de ATP a cada fosforilação de substrato. Todavia, estes 4 ATPs não constituem o rendimento líquido da glicólise, devido à utilização de duas moléculas de ATP nas primeiras etapas da glicólise. Os dois ATPs que entram na reação provém da hidrólise do ATP em ADP e fornecem a energia para o rearranjo das moléculas e para possibilitar as etapas subseqüentes da reação. Deste modo a energia útil produzida pela glicólise consiste em dois ATPs. Um outro evento importante da glicólise é a formação de NADH. Os prótons (íons hidrogênios) e os elétrons cedidos pela glicólise, durante a oxidação são captados pela molécula receptora de elétrons, a nicotinamida adenina dinucleotide, a qual ao aceitar os elétrons se transforma em NADH (NAD reduzido). Durante a glicólise, formam-se duas moléculas de NADH. Temos então que os produtos finais da glicólise são: duas moléculas de ácido pirúvico, duas moléculas de ADP, duas moléculas de ATP e duas moléculas de NADH. O destino do ácido pirúvico formado na glicólise vai depender das condições da célula. Por exemplo, se houver oxigênio suficiente, ele será transformado em acetil-coenzima A, entrando no ciclo de Krebs; se não houver oxigênio, ele será transformado em ácido lático ou etanol, dependendo do organismo considerado. Neste último caso, a glicólise é chamada fermentação. As moléculas de piruvatos formadas, possuem ainda uma grande quantidade da energia armazenada na molécula de glicose original. Ciclo de Krebs Ao contrário da glicólise que ocorre no hialoplasma em condições anaeróbicas, o ciclo de Krebs e a cadeia respiratória requerem oxigênio, ocorrendo nas células eucariótas, no interior da mitocôndria. As mitocôndrias são circundadas por duas membranas : a externa é lisa e a interna emite pregas para o interior. As pregas são denominadas cristas mitocondriais. Quanto mais ativa for a célula, mais numerosas são suas mitocôndrias e as cristas existentes em seu interior. Dentro do compartimento interno existe uma solução densa contendo enzimas, coenzimas, água, fosfatos e outras moléculas envolvidas na respiração. A membrana externa deixa passar livremente a maioria das moléculas pequenas em ambos os sentidos, mas a interna permite apenas a

4 passagem de certas moléculas, tais como o piruvato e o ATP, e restringe a passagem de outras. As enzimas do ciclo de Krebs encontram-se em solução no compartimento interno. As enzimas e outros componentes da cadeia transportadora de elétrons encontram-se localizados nas superfícies das cristas.nas mitocôndrias, o ácido pirúvico formado na glicólise é oxidado a dióxido de carbono e água, completando a decomposição da molécula de glicose. Antes de entrar no ciclo de Krebs, o ácido pirúvico, produzido no hialoplasma através da glicólise, penetra na mitocôndria, sendo convertido em acetil-coa, numa oxidação que envolve um complexo enzimático chamado sistema de desidrogenase pirúvica, que requer Mg 2 + para agir. Como resultado da reação, forma-se uma molécula de NADH e uma de CO 2. Essa reação é irreversível, devido a grande liberação de energia. A acetil CoA, que também pode ser produzida a partir de ácidos graxos e aminoácidos, é formada pela coenzima A, uma molécula grande que tem ácido pantotênico (uma vitamina do complexo B) na sua molécula. No ciclo de Krebs, o grupo acetila de dois carbonos combina-se a um composto de quatro carbonos (ácido oxalacético) para produzir um composto de seis carbonos (ácido cítrico). No decorrer do ciclo ocorre descarboxilações, desidrogenações, hidratações e desidratações até que dois dos seis carbonos sejam oxidados a CO 2, e o ácido oxalacético seja regenerado sendo reutilizado numa nova volta do ciclo. No decorrer destas etapas, há liberação de CO2 (2 moléculas por volta) formação de NADH (3 moléculas por ciclo), FADH 2 (1 molécula por ciclo) e conversão de ADP em ATP, por fosforilação de substrato (1 molécula por ciclo). É importante lembrar que cada glicose degradada origina dois ácidos pirúvicos. Portanto, para cada glicose teremos duas vezes os resultados das moléculas acimas referidas. Assim, o rendimento energético direto do ciclo de Krebs para cada glicose é de 2 ATPs, 6 NADH, 2 FADH 2 e 4 CO 2. Cadeia transportadora de Elétrons Embora já tenha havido produção de ATP a partir de ADP, diretamente no ciclo de Krebs, há ainda muita energia acumulada nas moléculas de NADH e FADH 2. A oxidação dessas moléculas, ou seja, a remoção dos hidrogênios e elétrons que são transferidos ao longo dos constituintes da cadeia respiratória até formação da água, libera energia utilizada na formação de ATP, num processo conhecido como fosforilação oxidativa.

5 Os transportadores de elétrons da cadeia de transporte de elétrons das mitocôndrias diferem do NAD e do FAD em sua estrutura química. A maioria pertencem à classe dos compostos conhecidos como citocromos. Cada citocromo difere na sua cadeia protéica e, também, no nível energético segundo o qual fixa os elétrons. Portanto, operam em seqüência. À medida que os elétrons fluem ao longo da cadeia de transporte de elétrons, de um nível energético mais alto a um nível energético mais baixo, os citocromos obtêm a energia liberada e a utilizam para converter ADP em ATP. No final da cadeia, os elétrons são aceitos por oxigênio e combinam-se a prótons (íons hidrogênio) para produzir água. Cada vez que um par de elétrons passa do NADH para o oxigênio, formam-se três moléculas de ATP a partir de ADP e fosfato. Cada vez que um par de elétrons passa do FAD, formam-se duas moléculas de ATP. Agora é possível verificar o quanto da energia originalmente presente na molécula de glicose foi recuperada sob a forma de ATP. A glicólise produziu duas moléculas de ATP diretamente e duas moléculas de NADH, com rendimento líquido total de oito moléculas de ATP. A conversão de ácido pirúvico em acetil-coa fornece duas moléculas de NADH para cada molécula de glicose, produzindo assim seis moléculas de ATP. O ciclo de Krebs produz, para cada molécula de glicose, duas moléculas de ATP, seis de NADH e duas de FADH 2, ou seja um total de 24 ATPs. Temos então que o rendimento total de uma única molécula de glicose é de 38 moléculas de ATP, sendo que 36 delas se originam de reações que ocorrem na mitocôndria. RESPIRAÇÃO ANAERÓBICA A respiração anaeróbica é um tipo de respiração em que a cadeia transportadora de elétrons não requer oxigênio como aceptor. Esse processo gera energia, em forma de ATP, por fosforilação do substrato. A respiração anaeróbica não significa fermenação. A fermentação é um tipo de respiração anaeróbica. Algumas bactérias efetuam um tipo de respiração anaeróbica em que o aceptor final de hidrogênio é uma substância inorgânica, como por exemplo, nitrato ou sulfato, num processo bem diferente da fermentação. Os organismos que não utilizam o oxigênio na respiração são chamados de anaeróbicos e podem ser facultativos (aqueles que na ausência de O 2, realizam a fermentação, podendo sobreviver em condições de anaerobiose, mas que realizam o transporte de elétrons se o oxigênio estiver presente) e

6 obrigatórios (aqueles que jamais utilizam oxigênio, sendo totalmente destituído de um sistema de transporte de elétrons, como por exemplo algumas bactérias). Sendo assim, quando não há oxigênio ou quando este se apresenta em concentrações muito baixas, o ácido pirúvico formado pela glicólise, é transformado em ácido lático (fermentação lática em algumas bactérias e fungos) ou álcool etílico (fermentação alcoólica nas leveduras e muitas células vegetais), numa via aneróbica chamada fermentação. A fermentação é mais um processo de obtenção de energia no qual a glicose é degradada a molécula mais simples, menos energética. Nessa degradação, que se processa na ausência de O 2, há liberação de energia suficiente para produzir 2 ATPs, por fosforilação de substrato. A fermentação é portanto, um processo muito ineficiente em termos de rendimento energético (2 ATP contra 38 da respiração aeróbica), uma vez que a maior parte da energia contida inicialmente na glicose, foi parar no álcool ( nocaso da fermentação acoólica). RESPIRAÇÃO NOS DIFERENTES ÓRGÃOS VEGETAIS Primeiramente, é importante lembrar que a respiração é um processo independente da luz, efetuado por qualquer tecido vegetal. Além disso, não devemos confundir a respiração com as trocas gasosas que se processam entre a planta e o meio. As raízes, órgãos que respiram intensamente, efetuam as trocas gasosas através da epiderme (raízes jovens) ou pelas lenticelas (raízes adultas). A taxa respiratória elevada nas raízes é explicada por sua grande demanda energética, notadamente nos processos de absorção de nutrientes, que se fazem por transporte ativo. Em plantas aquáticas, ou que vivem em solos alagadiços, encontramos, muitas vezes, estruturas adaptadas à função respiratória. São, entre outras, os aerênquimas, tecidos esponjosos que armazenam ar; e os pneumatóforos, raízes que crescem verticalmente para fora do solo a fim de receber o oxigênio atmosférico. Nos caules, a taxa respiratória é menos intensa que nas raízes, sendo mais acentuada nas células em desenvolvimento, como por exemplo, nas regiões do câmbio, onde há novas células em formação. Nos caules, as trocas gasosas efetuam-se através da epiderme (caules jovens) ou lenticelas (caules adultos). Nas folhas a respiração pode ser mascarada pela fotossíntese. Por isso, a taxa respiratória das folhas só pode ser medida no escuro, quando não ocorre

7 processo fotossintético. O desprendimento de gás carbônico pelas folhas, através da respiração, é praticamente constante. Diminui, entretanto, quando a folha está próxima à senescência porque, na época da absição foliar, toda as substâncias de reserva, além de outras, são removidas para o caule, o que diminui o substrato para a respiração. As trocas gasosa nesse órgão são efetuadas pelos estômatos Os frutos, desenvolvem-se a partir dos ovários que tiveram seus óvulos fecundados. Na fase inicial de sua formação, é alta a taxa de divisão celular, implicando numa grande atividade respiratória. À medida que se aproxima a senescência, cais a taxa respiratória. Nas sementes secas, as enzimas respiratórias já se acham presentes, e a elevação da taxa respiratória inicia-se assim que elas começam a receber água (desde que haja disponibilidade de oxigênio). A hidratação promove um aumento de volume e ativa os processos fisiológicos. Assim, durante a germinação, as sementes perdem peso, pois suas reservas estão sendo transformadas em CO 2, pelo processo respiratório, produzindo a energia necessária para o desenvolvimento das plântulas. FATORES QUE INFLUENCIAM NA RESPIRAÇÃO A respiração pode ser influenciada por fatores internos à planta e por fatores externos, ambientais. Entre os fatores internos (referentes a planta) que afetam a respiração destacam-se: quantidade de substrato, danos e doenças. Entre os fatores externos (ambientais) destacam-se: o oxigênio, temperatura, gás carbônico e inibidores da respiração e água Quantidade de substrato Os principais substratos para a respiração, são os carboidratos, lipídios e proteínas e todos os produtos diretos ou indiretos da fotossíntese. Se o processo fotossintético por algum motivo estiver limitado, por exemplo em uma planta deixada por muito tempo no escuro, não haverá substrato suficiente para o processo respiratório. Doenças e lesões Lesões - Se uma planta sofrer danos mecânicos, ferimentos ou ataques de microrganismos, há um aumento na taxa respiratória, por motivos ainda não esclarecidos. Em algumas plantas o teor de açúcares aumenta nas regiões que

8 sofrem a lesão. O maior consumo de O 2, emparte, é devido a um aumento na atividade de enzimasque quase sempre estão associadas ao rompimento de tecidos. Oxigênio O oxigênio, sendo um aceptor final de elétrons, na cadeia respiratória, fica evidente que a taxa respiratória depende de um suprimento adequado desse gás. Há um declínio na taxa respiratória se a concentração de O 2 for reduzida cessando qualquer atividade respiratória aeróbica com 0 % de O 2. Entretanto, na ausência de oxigênio a planta pode estabelecer o processo anaeróbico de fermentação que produz CO 2 e etanol. Como a quantidade de O 2 no solo é sempre menor que o da atmosfera, plantas que vivem em solos inundados, como o arroz, possuem 26,5 % do volume das raízes com espaços de ar. Já o milho cultivado em solos arejados, possuem apenas 7,6 % de porosidade nas raízes. Temperatura A temperatura elevada determina um aumento correspondente na respiração. Inicialmente, um aumento na temperatura de 5 a 25º C, tem ação aceleradora sobre o processo respiratório, havendo uma liberação dobrada de CO 2. Com um aumento posterior da temperatura (entre 30 a 40º C) não se observa mais aumento correspondente na liberação de CO 2, porque, nessas temperaturas o processo respiratório está sendo limitado pela difusão dos gases, muito lenta em relação à velocidade com que as reações respiratórias se processam. Temperaturas superiores a essas levam a uma queda na respiração por inativação e desnaturação enzimática. Assim como alta concentração de CO 2 é um fator inibidor da respiração. O processo de abaixamento da temperatura é usado para a preservação de frutas e sementes armazenadas, uma vez que baixas temperaturas reduzem a taxa de respiração. Gás carbônico Embora o teor de gás carbônico na atmosfera não sofra grandes variações, dentro de um tecido vegetal e no solo a concentração de CO 2 pode elevar e desta maneira afetar a respiração. O aumento da concentração de CO 2 diminui a respiração. Com relação a quantidade de ATP, quando esta atinge uma taxa maior do que a consumida, o fornecimento de ADP será diminuído, interrompendo a produção de ATP.

9 Inibidores da respiração O transporte de elétrons, ao longo da cadeia respiratória, pode ser bloqueado em várias etapas, por diferentes substâncias inibidoras. Entre elas, a mais importante é o cianeto, (CN - ), mas são citados ainda o monóxido de carbono (CO) e o gás sulfídrico (H 2 S). Eles impedem a transferência de elétrons do citocromo a 3 para o oxigênio. Como a cadeia respiratória fica interrompida, todos os compostos se acham reduzidos. Não havendo transferência de elétrons, não há liberação a energia, não ocorrendo formação de ATP. Isso caracteriza a morte por asfixia ou envenenamento por essas substâncias. Água A água é um fator limitante da respiração, principalmente nas sementes e esporos. De um modo geral, ela estimula o processo respiratório, pela hidratação do protoplasma e conseqüente ativação enzimática. QUESTÕES PARA A FIXAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1. O que ocorre durante a respiração nos vegetais? 2. Quais as etapas que constituem a respiração aeróbica? 3. Explique o que ocorre durante a glicólise? 4. O que ocorre durante o ciclo de Krebs? 5. Quais os fatores que influenciam na respiração? 6. Como dá a produção de ATP na cadeia transportadora de eléterons? BIBLIOGRAFIA INDICADA AO ALUNO 1. FERRI, M. G. Fisiologia vegetal 1. 2ª ed. São Paulo: EPU, LEVITT, J. Introduction to plant physiology. 2ª ed., Saint Louis, The C. V. Mosby Company, MODESTO, Z. M. M. & SIQUEIRA, N. J. B. Botânica. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária - EPU, 1981.

10 4. RAVEN, P. H., EVERT, R. F. & CURTIS, H. Biologia vegetal, 2ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara Dois, p. il. 5. STREET, H. E. & ÖPIK, H. Fisiologia das angiospermas. São Paulo, Editora Polígono S.A., 1974.

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular RESPIRAÇÃO CELULAR A MAIS QUÍMICA DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS Questão certa em vestibulares

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA Fontes Energéticas Bioenergética Fontes de Energia A energia define-se como a capacidade de realizar trabalho. Neste sentido, assumimos o conceito de trabalho

Leia mais

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios RESPIRAÇÃ CELULAR Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (FGV/2013) cianeto é uma toxina que atua bloqueando a última das três etapas do processo respiratório aeróbico,

Leia mais

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro;

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro; Apoptose Produção de energia Mitocôndria Introdução As mitocôndrias (mitos, filamento e condria, partícula) são organelas citoplasmáticas de forma arredondada ou alongada, existentes em praticamente todos

Leia mais

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Biologia-Prof.Barão Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Metabolismo Energético I Conceitos básicos: 1-Metabolismo 2-Reações Exergônicas e Endergônicas 3-Reação de Redox(Oxidação-Redução)

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br A glicólise é provavelmente a via bioquímica mais bem compreendida. Desempenha uma função central no metabolismo energético, fornecendo uma porção

Leia mais

Maria do Carmo de C. D. Costa

Maria do Carmo de C. D. Costa FOTOSSÍNTESE: Sistema fotossintético e fisiologia comparada das plantas de ciclo C 3 C 4 e CAM. INTRODUÇÃO: A fotossíntese representa o caminho pelo qual praticamente toda a energia penetra na biosfera.

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre as quais há uma solução gelatinosa, a matriz mitocondrial.

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico Estágio final do metabolismo dos carboidratos, lipídeos e aminoácidos Ciclo Oxidativo - requer O2 Também conhecido como ciclo de Krebs Homenagem a Hans Krebs quem primeiro o descreveu

Leia mais

Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia

Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia Em todos os seres vivos, dos mais simples unicelulares até aos seres vivos multicelulares, as manifestações de vida resultam de numerosas

Leia mais

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / /

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A): LEANDRO 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. A seguir estão representados três modelos de biomembranas: a) A que constituintes

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR Retículo endoplasmático Invólucro nuclear Núcleo Mitocôndria Procarionte fotossintético Cloroplasto Procarionte ancestral Eucariote ancestral

Leia mais

Energia para a célula Fermentação Desnitrificação. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Energia para a célula Fermentação Desnitrificação. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Energia para a célula Fermentação Desnitrificação Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Respiração anaeróbia Processo em que energia é gerada a partir de quebra de uma molécula, porém sem a

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs METABOLISMO CELULAR Professor Felipe Abs O que é ENERGIA??? Físicos energia é a capacidade de realizar trabalhos; Biólogos energia é a capacidade de provocar mudanças; É indispensável para os seres vivos;

Leia mais

Resoluções de Atividades

Resoluções de Atividades Resoluções de Atividades Sumário Aula 16 Citoplasma I... 1 Aula 17 Citoplasma II... 2 Aula 18 Metabolismo energético Respiração... 3 Aula 19 Metabolismo energético Respiração e fermentação... 4 01 C 02

Leia mais

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília Metabolismo de Lipídeos Profa. Alana Cecília Lipídeos Catabolismo A oxidação dos ácidos graxos é a principal fonte de energia no catabolismo de lipídeos; os lipídeos esteróis (esteróides que possuem um

Leia mais

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2.

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2. Lista de exercícios - Bioenergética 01 - (UDESC SC) Assinale a alternativa correta quanto à respiração celular. a) Uma das etapas da respiração celular aeróbia é a glicólise, ocorre na matriz mitocondrial

Leia mais

PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO

PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO Ciências da Natureza - Biologia PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. Introdução ao Metabolismo Energético 2. Mitocôndria 3. Respiração Celular 4. Fermentação 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO

Leia mais

Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV. Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula!

Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV. Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula! Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula! Fermentação O Piruvato, produto da glicólise, pode continuar sendo processado

Leia mais

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca ONDA que apenas transportam energia.

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca  ONDA que apenas transportam energia. Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra. A energia luminosa captada por algas e plantas é utilizada na produção

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Aluno(a): Turma: Data: / /2015 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO 1. A respeito da equação ao lado, que representa uma

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Metabolismo de carboidratos II

Metabolismo de carboidratos II Metabolismo de carboidratos II A U L A 16 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Entender os processos de oxirredução dos componentes da cadeia transportadora de elétrons. Compreender

Leia mais

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo METABOLISMO Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo Mas o que é metabolismo? Metabolismo é o nome que damos ao

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br E da onde vem esta energia?? E o que é Bioenergética? Para manterem-se vivos e desempenharem diversas funções biológicas os organismos necessitam continuamente

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Oxidação Completa da Glicose C 6 H 12 O 6 + 6O 2 + 36-38ADP + 36-38 P i 6CO 2 + 6H 2 O + 36-38ATP Via glicolítica gastou: 1 glicose,

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

CRESCIMENTO BACTERIANO

CRESCIMENTO BACTERIANO CRESCIMENTO BACTERIANO Definição => aumento do número de células continuidade da geração (genes) entendimento leva a desenhos para controle CRESCIMENTO BACTERIANO Célula bacteriana => máquina para síntese

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Assunto: Organelas citoplasmáticas

Leia mais

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO)

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) As proteínas são digeridas até aminoácidos, as gorduras (triglicérides) até glicerol

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

02/10/2014 BETA-OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS. Fontes de carnitina

02/10/2014 BETA-OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS. Fontes de carnitina UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II MOBILIZAÇÃO DOS DEPÓSITOS DE GORDURA E OXIDAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS LIPÓLISE E BETA-

Leia mais

Objetivos. Obtenção de Energia. de ATP. Fontes de ATP. Potência aeróbia e anaeróbia. Fosforilação oxidativa

Objetivos. Obtenção de Energia. de ATP. Fontes de ATP. Potência aeróbia e anaeróbia. Fosforilação oxidativa Objetivos Cadeia Transportadora de Elétrons e Fosforilação Oxidativa Alexandre Havt Demonstrar como o transporte de elétrons na membrana mitocondrial gera força próton tonmotriz para a síntese s de ATP

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

Biologia Prof. Edgard Manfrim

Biologia Prof. Edgard Manfrim Metabolismo Celular conjunto de reações químicas que ocorrem no organismo. Energia Reagentes Produtos Metabolismo Celular A energia necessária para a realização de reações químicas do organismo vem da

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese Profª Eleonora Slide de aula Captação da energia solar e formação de ATP e NADPH, que são utilizados como fontes de energia para sintetizar

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO Item A Valor: 10 pontos. Possíveis respostas: 3 em 16 (10 pontos). 3/16 (10 pontos). 18,75% (10 pontos). Item B Valor: 10 pontos. Proporção genotípica do cruzamento RRee X RrEe (Valor:

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos.

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Vinho Queijo Cerveja Pão Vinagre Iogurte Louis Pasteur (1822-1895) Primeiro cientista a defender e comprovar a existência de microrganismos na

Leia mais

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fotossíntese e Respiração... 1 Fotossíntese... 1 Respiração... 4 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Fotossíntese e Respiração Fotossíntese Definição

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico e denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Ciclo do Ácido Cítrico O ciclo do ácido cítrico, também denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Tricarboxílico (TCA) realiza a oxidação

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

5/4/2011. Metabolismo. Vias Metabólicas. Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos).

5/4/2011. Metabolismo. Vias Metabólicas. Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos). Metabolismo Vias Metabólicas Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos). 1 Endergônico Exergônico Catabolismo Durante o catabolismo de carboidratos,

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas.

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. GRUPO 2 BIO. 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. (Adaptado de CÉSAR & SEZAR, Biologia. São Paulo: Saraiva, vol 1, 1995.) Com base nas

Leia mais

A energética celular:

A energética celular: A energética celular: o papel das mitocôndrias e cloroplastos Capitulo 13 (p 427 a 444) e Capitulo 14 Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição A energética celular Como já vimos anteriormente

Leia mais

Disciplina: Fisiologia Vegetal

Disciplina: Fisiologia Vegetal Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Disciplina: Fisiologia Vegetal FISIOLOGIA DA SEMENTE Professor: Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa Belém Pará 2012 GERMINAÇÃO Fonte:

Leia mais

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H.

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H. METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reações químicas que ocorrem na célula para que ela possa desempenhar suas atividades. + Pi + Energia As moléculas de não podem ser estocadas, desse modo, as células

Leia mais

Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23

Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23 Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23 Prova Modelo de Biologia NOME Nas perguntas de escolha múltipla rodeie com um círculo a resposta que considera correcta (respostas

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula.

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. FERMENTAÇÃO Metabolismo celular 3 É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. Metabolismo celular 4 Anabolismo reacções de síntese de moléculas complexas a partir de moléculas simples.

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA;

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; VITAMINAS COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; ESSENCIAIS PARA A MANUTENÇÃO DA SAÚDE, CRESCIMENTO NORMAL E REPRODUÇÃO. DEFICIÊNCIA VITAMÍNICA em 1987: NPT = MORTE VITAMINAS

Leia mais

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF.

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. - TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. NANNI 01) (UFPE) O esquema abaixo representa o elo entre os processos de

Leia mais

Transformação e utilização de energia respiração aeróbia

Transformação e utilização de energia respiração aeróbia Transformação e utilização de energia respiração aeróbia A maioria dos seres vivos é capaz de aproveitar com maior eficácia a energia dos compostos orgânicos realizado respiração aeróbia. Na respiração

Leia mais

Superlista Bioenergética

Superlista Bioenergética Superlista Bioenergética 1. (Uerj) O ciclo dos ácidos tricarboxílicos, ou ciclo de Krebs, é realizado na matriz mitocondrial. Nesse ciclo, a acetilcoenzima A, proveniente do catabolismo de carboidratos,

Leia mais

Aula 2 Transformações de Carbono e Energia

Aula 2 Transformações de Carbono e Energia 1.018/7.30J Outono 2003 Fundamentos da Ecologia Aula 2 Transformações de Carbono e Energia LEITURAS PARA A PRÓXIMA AULA: Krebs, Capítulo 25: Ecosystem Metabolism I: Primary Productivity Luria. 1975. Overview

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Bioquímica. Metabolismo de ácidos graxos

Bioquímica. Metabolismo de ácidos graxos Bioquímica Metabolismo de ácidos graxos - Os lipídios advindos da ingestão ou da produção endógena são distribuídos pelas lipoproteínas plasmáticas para utilização e/ou armazenamento. - Em sua oxidação

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais