APLICABILIDADE DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA PROPOSTA DE ANÁLISE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICABILIDADE DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA PROPOSTA DE ANÁLISE"

Transcrição

1 APLICABILIDADE DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA PROPOSTA DE ANÁLISE Eduardo de Senzi Zancul, Eng. Henrique Rozenfeld, Dr-Ing. Núcleo de Manufatura Avançada Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho São Carlos SP / ABSTRACT: Product development process has not been considered part of the scope of almost all ERP (Enterprise Resource Planning) implementations. This happens, most of the times, because ERP potentialities to product development process has not been fully known and explored. Also, there is a great difficulty in managing problems like overlapping functions with engineering systems and integration issues. This paper presents an approach to analyze the ERP applicability in product development process. This analysis should identify the product development process activities that can be supported by ERP systems, determine the need for complementary engineering systems and specify integration points. These information can than be used to assist product development process ERP implementations. KEYWORDS: ERP Systems, Product Development, Concurrent Engineering RESUMO: O processo de desenvolvimento de produtos, na maioria das vezes, ainda não é considerado no escopo de implantação de sistemas ERP (Enterprise Resource Planning). Isso ocorre principalmente porque o potencial do ERP para o desenvolvimento de produtos não é conhecido e explorado. Existe, também, uma grande dificuldade em resolver os problemas de sobreposição de funcionalidades e de integração com os sistemas específicos de engenharia. Este artigo apresenta uma proposta para análise da aplicabilidade de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos. A aplicação dessa análise deve permitir a identificação das atividades de desenvolvimento de produtos que podem ser suportadas por sistemas ERP, a determinação da necessidade de sistemas complementares e a especificação dos pontos de integração entre o ERP e os sistemas complementares. Essas informações poderão ser utilizadas para auxiliar as empresas na implantação de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos.

2 1 INTRODUÇÃO Com o surgimento dos sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), as iniciativas de reengenharia de processos de negócio passaram a enfatizar o projeto de processos que, além de atenderem aos objetivos estratégicos das organizações, sejam adequados às funcionalidades existentes nesses sistemas. Diversas metodologias de implantação de sistemas de informação foram adaptadas para apoiar a reestruturação de processos de negócio e a implantação de sistemas ERP. Além disso, novas abordagens específicas para a implantação de sistemas ERP surgiram, como, por exemplo, as metodologias desenvolvidas pelos fornecedores de sistemas e por firmas de consultoria. No entanto, geralmente, essas metodologias são aplicadas somente aos processos operacionais mais padronizados e estruturados, tais como: vender e distribuir, gerenciar materiais, produzir, gerenciar recursos financeiros e físicos. Na maioria das vezes, o processo de desenvolvimento de produtos não é considerado. Isso ocorre principalmente porque o potencial do ERP para o desenvolvimento de produtos não é conhecido e explorado. Existe, também, uma grande dificuldade em resolver os problemas de sobreposição de funcionalidades e de integração com os sistemas específicos de engenharia, como os sistemas CAD (Computer Aided Design), CAE (Computer Aided Engineering), CAPP (Computer Aided Process Planning), CAM (Computer Aided Manufacturing) e PDM (Product Data Management). Deve-se observar que a redução do ciclo de vida e o aumento da diversificação dos produtos faz com que as decisões tomadas na engenharia passem a ter um forte impacto nos processos logísticos e no custo das empresas. Isto evidencia que a integração entre desenvolvimento de produtos e outros processos, através do ERP, pode agilizar a tomada de decisões mais acertadas. Além disso, os fornecedores de sistemas ERP estão aumentando a abrangência dos sistemas com a inclusão de novas funcionalidades. Uma tendência é a incorporação de funcionalidades características de sistemas PDM (gerenciamento de documentos, workflow, gerenciamento de configurações, integração com sistemas CAD, entre outras) que podem ser utilizadas pelo desenvolvimento de produtos. Ao mesmo tempo, pode-se verificar que os sistemas ERP estão se tornando a espinha dorsal (backbone) dos sistemas de informação das empresas. Dessa forma, a utilização de sistemas de

3 engenharia (CAD/CAE/CAPP/CAM/PDM) deve ser analisada a partir do potencial e dos requisitos de integração dos sistemas ERP. Para que as empresas possam aumentar a aderência dos sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos, é necessário, inicialmente, determinar sistematicamente as potencialidades e dificuldades da aplicação do ERP nesse processo. Este artigo apresenta uma proposta para análise da aplicabilidade de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos. A aplicação dessa análise deve permitir a identificação das atividades de desenvolvimento de produtos que podem ser suportadas por sistemas ERP, a determinação da necessidade de sistemas complementares e a especificação dos pontos de integração entre o ERP e os sistemas complementares. Essas informações poderão ser utilizadas para auxiliar as empresas na implantação de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos. Para isso, inicialmente, o processo de desenvolvimento de produtos é estudado. São apresentadas as características do desenvolvimento simultâneo de produtos e as limitações atuais dos ambientes de Engenharia Simultânea. Em seguida, são destacadas as principais características dos sistemas ERP. É apresentada, então, a proposta para a análise da aplicabilidade de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos. Por fim, são feitas considerações finais e apresentados as etapas futuras que visam a aplicação da proposta descrita. 2 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 2.1 CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SEQÜENCIAL Tradicionalmente, o desenvolvimento de produtos é constituído por uma seqüência ordenada de atividades, realizadas por vários departamentos da empresa. Nessa abordagem, uma atividade só é iniciada quando a atividade anterior é concluída. A Figura 1 demonstra as atividades realizadas, por diversos departamentos, em um típico desenvolvimento de produto seqüencial. A Figura 1 ilustra também como as diferentes visões descritivas das diversas unidades organizacionais levam à segmentação dos dados em bases de dados independentes.

4 Por exemplo, a descrição geométrica do produto é armazenada na base de dados do sistema CAD, utilizado pelo Departamento de Projeto. A estrutura de produto (Bill of Materials) e os planos de processo macro, gerados na fase seguinte, são armazenados na base de dados do sistema de planejamento da produção utilizado pelo Departamento de Fabricação (SCHEER, 1998). Idéia Requisitos Conceituação Projeto Planejamento Detalhamento Equipamentos BOM de Produção Planos Processo Programas CN Planos Inspeção Custeio Redução Torque... BD Marketing BD CAD BD Equipamentos BD PCP BD CN BD Qualidade BD Finanças Marketing Vendas Depto. de Projeto Ferramentaria Desenvolvimento do Produto Depto. de Fabricação Figura 1 - Desenvolvimento de produtos seqüencial (adaptado de SCHEER, 1998) Qualidade Custos Diversos problemas são decorrentes dessa forma de organização do desenvolvimento de produtos e da segmentação dos dados do produto em bases de dados independentes. Segundo PRASAD (1996), a premissa de que uma fase só possa ser iniciada quando a fase anterior for finalizada e aprovada, resulta em ciclos de desenvolvimento de produtos excessivamente longos. Além disso, devido à característica seqüencial, uma parte significativa do custo do produto (de 50% a 80%) é definida pelo Departamento de Projeto (pela especificação de soluções de projeto, materiais, tolerâncias e decisões de make or buy ), antes mesmo da análise pelo Departamento de Fabricação. Apesar de uma parte significativa do custo do produto ser definida pelo Departamento de Projeto, as decisões não podem ser tomadas com o auxílio de estimativas de custo. Isso ocorre porque a estrutura de produto e os planos de processo macro, necessários para o cálculo do custo do produto, ainda não foram gerados pelo Departamento de Fabricação. Além desses problemas do desenvolvimento de produtos seqüencial, PRASAD (1996) cita o projeto de produtos inadequados para a produção, a especificação de tolerâncias muito apertadas que resultam em operações de fabricação desnecessárias e a dificuldade de reutilização dos equipamentos de produção disponíveis (ferramental, dispositivos, entre outros).

5 2.2 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO SIMULTÂNEO DE PRODUTOS Para minimizar os problemas do desenvolvimento seqüencial, muitas empresas passaram a considerar o desenvolvimento de produtos como um processo de negócio e adotaram a filosofia de Engenharia Simultânea. Um processo de negócio pode ser definido como um fenômeno que ocorre dentro das empresas. Ele contém um conjunto de atividades, associadas às informações manipuladas, utilizando os recursos e a organização da empresa. Forma uma unidade coesa e deve ser focalizado em um tipo de negócio, que normalmente está direcionado a um determinado mercado/cliente, com fornecedores bem definidos (ROZENFELD, 1997). Diversas definições de Engenharia Simultânea podem ser encontradas na literatura (CHIUSOLI, 1996). Essas definições podem variar de visões mais amplas, considerando-a como uma filosofia de gestão do desenvolvimento de produto, até outras mais específicas que a definem como um método. Segundo AMARAL (1997), o aspecto central em todas elas é o foco nas vantagens da integração de todas as atividades de desenvolvimento de produtos aliada à sobreposição das fases desse processo. Neste trabalho, a Engenharia Simultânea é empregada seguindo os enfoques mais amplos, sendo definida como a filosofia de atuação no processo de desenvolvimento de produtos, visando um aumento de qualidade do produto, uma diminuição do ciclo de desenvolvimento e conseqüente diminuição dos custos. Essa filosofia toma como base a sinergia entre os agentes do processo, que devem trabalhar em uma equipe multi-funcional formada por pessoas de diversas áreas da empresa. O trabalho dessa equipe deve ser suportado por métodos e técnicas integrados, tais como: QFD (Quality Function Deployment), FMEA (Failure Mode and Effect Analysis), Taguchi, entre outras (ROZENFELD, 1998). A Figura 2 descreve como todos os aspectos descritivos do produto podem ser gerados simultaneamente e detalhados no decorrer das fases de desenvolvimento. Na fase inicial, por exemplo, o plano de processo especifica somente a unidade da empresa em que o produto será fabricado. Isto determina a tecnologia que será empregada na fabricação, fornecendo um parâmetro dos custos envolvidos (SCHEER, 1998). Estimativas de custo mais precisas podem ser realizadas no decorrer do desenvolvimento do produto, à medida em que o plano de processo é detalhado e as operações, o seu sequenciamento, as especificações de ferramental, entre outras informações, são definidas.

6 A aplicação da Engenharia Simultânea no processo de desenvolvimento de produtos requer que todas as pessoas envolvidas tenham acesso aos dados do produto. Esse requisito significa que os dados do produto devem estar localizados em uma base de dados de descrição do produto ao invés de estarem divididos em diferentes sistemas que, além da separação física, referem-se a diferentes fases do processo de desenvolvimento de produtos (Scheer, 1998). Planejamento Conceituação Projeto Detalhamento Idéia Geometria Redução Torque... Equipamento BOM Planos Processo Planos Inspeção Custeio $ & $ $ 420 Planos de Manutenção Planos de Reciclagem Desenvolvimento Simultâneo do Produto Descrição Integrada do Produto Figura 2 - Processo de desenvolvimento simultâneo de produtos (adaptado de SCHEER, 1998) No entanto, a complexidade da implantação de uma infra-estrutura de tecnologia de informação desse tipo, que suporte a Engenharia Simultânea, é um obstáculo para a obtenção dos resultados esperados. 2.3 SITUAÇÃO ATUAL DOS AMBIENTES DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA De acordo com GASCOIGANE (1995), até o momento a Engenharia Simultânea foi baseada na implantação e utilização de sistemas CAD/CAE/CAM e MRP (Material Resource Planning) e na reestruturação do processo de desenvolvimento de produtos para possibilitar a utilização das funcionalidades oferecidas por essas novas ferramentas. Diversos problemas fazem com que essa abordagem ainda seja insuficiente para satisfazer os requisitos do desenvolvimento simultâneo de produtos, entre os quais pode-se citar:

7 A utilização de ferramentas CAD/CAPP/CAM não integradas possibilita a automação de algumas atividades do desenvolvimento de produtos, mas os dados do produto continuam sendo armazenados em bases de dados segmentadas e, na maioria das vezes, as atividades são realizadas individualmente pelo departamentos (PRASAD, 1996). A integração desses sistemas é uma tarefa extremamente complicada devido à incompatibilidade dos dados manipulados (GASCOIGNE, 1995; HAMERI & NIHTILÄ, 1998). A intensa utilização de sistemas de engenharia não integrados leva então à proliferação descontrolada dos dados de produto, dificultando a localização dos dados gerados, o controle de acesso e o gerenciamento de versões (GASCOIGNE, 1995; PELTONEN et al, 1996; OMOKAWA, 1999). A estimativa de custos, nas fases iniciais do desenvolvimento de produtos, geralmente não leva em consideração padrões de cálculo de custo da organização. Os sistemas de engenharia não estão integrados com os sistemas de gerenciamento da produção, dificultando a transferência dos dados do produto necessários à fabricação (estrutura de produto, planos de processo, entre outros) (BOURKE, 1996; KEMPFER, 1998). Alguns desses problemas estão sendo resolvidos através da implantação de sistemas PDM e adoção da norma STEP (Standard for the Exchange of Product Model Data). Os sistemas PDM são considerados viabilizadores da Engenharia Simultânea por possuírem funcionalidades que apoiam o gerenciamento de todos os dados do produto ao longo do ciclo de vida (CIMDATA, 1996; DICKERSON, 1997). A norma STEP estabelece padrões de representação que possibilitam a integração entre sistemas de engenharia (BRADHAM, 1998). Paralelamente, um grande número de empresas tem implantado sistemas ERP para integrar seus processos de negócio, de forma que a superação das limitações atuais dos ambientes de Engenharia Simultânea só será possível se todas essas iniciativas forem consideradas em conjunto.

8 3 OS SISTEMAS ERP 3.1 CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS ERP Os sistemas ERP foram concebidos para resolver o problema de fragmentação de informações manipuladas por diferentes sistemas e armazenadas em bases de dados independentes. Na maioria das grandes empresas, vários sistemas foram desenvolvidos e implantados para atender aos requisitos específicos de unidades organizacionais ou funções (tais como unidades de negócio, departamentos e cargos). Os dados manipulados por esses sistemas são armazenados em bases de dados independentes. Essa fragmentação da informação dificulta a adoção de uma abordagem por processos de negócio, uma vez que, geralmente, um processo de negócio envolve mais de um departamento da empresa. Por exemplo, os Departamento de Vendas, Produção e Finanças participam de um processo de venda de um produto. O Departamento de Vendas precisa saber se o item que será vendido está disponível no estoque ou quando ele será produzido, a fim de informar o prazo de entrega para seu cliente. Para isso necessita de dados do Departamento de Produção. Após a venda, e Departamento de Finanças atualiza, entre outros, os dados de contas a receber. Os sistemas ERP procuram resolver esse problema utilizando uma base de dados única. Esses sistemas são compostos por uma base de dados central e por módulos que suportam diversas atividades dos processos de negócio das empresas. Os dados utilizados pelos módulos são armazenados na base de dados central para serem manipulados por outros módulos. Quando uma nova informação é manipulada por um módulo e armazenada, as informações relacionadas são atualizadas (DAVENPORT, 1998). Os sistemas ERP possuem módulos que abrangem o seguinte escopo: operações e gerenciamento da cadeia de suprimentos, gestão financeira e contábil e gestão dos recursos humanos (CORRÊA et al, 1997). Tais módulos suportam as atividades de diversos processos de negócio das empresas, entre os quais, vender e distribuir, produzir, desenvolver e gerenciar recursos humanos e gerenciar recursos financeiros e físicos. Esses processos de negócio podem ser representados pelos modelos de referência dos sistemas ERP (KELLER & TEUFEL, 1998).

9 3.2 MODELO DE REFERÊNCIA DOS SISTEMAS ERP Para descrever um processo de negócio, o modelo de referência deve representar as atividades realizadas, o fluxo de informações, os elementos organizacionais responsáveis e os recursos utilizados. O grau de detalhamento e o formalismo de representação do modelo dependem de sua utilização. Um modelo de referência é um modelo que pode ser usado como base para o desenvolvimento ou avaliação de modelos específicos. Modelos específicos podem ser derivados de modelos de referência pré definidos (VERNADAT, 1996). De acordo com o seu conteúdo, os modelos de referência podem ser classificados em: modelos de referência do setor, modelos de referência da empresa ou modelos de referência dos sistemas de informação (KIRCHMER, 1998; KELLER & TEUFEL, 1998). Os modelos de referência para um setor representam processos de negócio gerais aplicáveis a um setor da indústria. Esses modelos procuram considerar as melhores práticas para o setor, podendo ser utilizados como ponto de partida em diversas abordagens de melhoria nas empresas. Já os modelos de referência das empresas representam os processos de negócio específicos de uma empresa. Esses modelos podem descrever a situação atual das empresas (modelos as-is ) ou representar uma situação futura desejada (modelos to-be ). Os modelos de referência dos sistemas de informação são uma descrição dos processos e soluções disponíveis nos sistemas (CURRAN & KELLER, 1998). Dessa forma, os modelos de referência dos sistemas ERP descrevem os processos de negócio que são suportados por esses sistemas. Tais modelos podem ser utilizados na implantação de sistemas ERP, por exemplo, auxiliando na definição do escopo de implantação e apoiando a especificação do modelo to-be das empresas. A abordagem de utilização desses modelos depende da metodologia de implantação empregada. 3.3 UTILIZAÇÃO DO MODELO DE REFERÊNCIA NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS ERP O modelo de referência do sistema ERP assume diferentes graus de importância e pode ter várias utilizações dependendo da metodologia de implantação empregada. Pode-se citar, como exemplo, a utilização do modelo de referência do ERP em duas diferentes metodologias de implantação: Business Process Oriented Implementation of Standard Software e AcceleratedSAP.

10 A primeira fase da metodologia de implantação Business Process Oriented Implementation of Standard Software (KIRCHMER, 1998), visa a obtenção de um modelo to-be para a empresa, independentemente do sistema ERP que será implantado. A elaboração desse modelo parte da definição dos objetivos estratégicos da organização e pode ser auxiliada por modelos de referência do setor. Nessa primeira fase, o modelo da empresa não deve ser muito detalhado. Modelos de referência do ERP são utilizados somente na segunda fase, apoiando o detalhamento do modelo da empresa obtido na fase anterior. Assim, procura-se garantir que os requisitos específicos das organizações sejam considerados. Na terceira e última fase da metodologia, o sistema ERP é customizado para suportar o modelo de referência da empresa. A metodologia AcceleratedSAP (ASAP), desenvolvida pela SAP, visa possibilitar implantações rápidas do sistema SAP R/3 (SAP, 1998). Apesar de se referir a um sistema específico, essa metodologia pode ser extrapolada para outros sistemas ERP. Nela, o modelo de referência do sistema ERP é utilizado como ponto de partida para o desenho do modelo to-be da organização. Alguns requisitos específicos podem, então, ser adicionalmente especificados no modelo fornecido. A grande vantagem dessa abordagem é a garantia de que o modelo to-be será suportado pelo sistema ERP. 4 UMA PROPOSTA PARA ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO 4.1 APLICAÇÃO DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Independentemente da metodologia de implantação empregada, geralmente, o escopo de implantação de sistemas ERP não abrange o processo de desenvolvimento de produtos. Isso ocorre principalmente porque o potencial do ERP para o desenvolvimento de produtos não é conhecido e explorado. Além disso, existe uma grande dificuldade em definir a sobreposição de funcionalidades e resolver os problemas de integração com os sistemas específicos de engenharia. Os sistemas ERP não possuem todas as funcionalidades necessárias para atender aos requisitos das atividades do processo de desenvolvimento simultâneo de produtos. Os fornecedores de sistemas ERP tendem a desenvolver soluções genéricas que atendam aos requisitos de vários processos em

11 uma ampla gama de empresas. Já os ambientes de Engenharia Simultânea têm requisitos muito específicos que são em parte atendidos pelos sistemas de engenharia (CAD/CAE/CAPP/CAM/PDM). Apesar disso, várias funcionalidades dos sistemas ERP, espalhadas pelos seus módulos, suportam algumas das atividades do processo de desenvolvimento simultâneo de produtos. Em ambientes nos quais é vantajoso ter ferramentas específicas, um processo de integração deve ser considerado (JARDIM-GONÇALVES et al., 1997). Segundo CARUSO (1998), os sistemas ERP estão se tornando a espinha-dorsal (backbone) dos sistemas de informação das empresas. Dessa forma, a integração dos demais sistemas de informação que suportam o processo de desenvolvimento de produtos deve ser analisada a partir do potencial dos sistemas ERP. 4.2 OBJETIVO O objetivo da Proposta para Análise da Aplicabilidade de Sistemas ERP no Processo de Desenvolvimento de Produtos é sistematizar o estudo detalhado da aderência de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos, através da: Identificação das atividades do processo de desenvolvimento de produtos que podem ser suportadas pelas funcionalidades de sistemas ERP. Identificação das lacunas não atendidas pelos sistemas ERP. Determinação da necessidade de sistemas complementares. Especificação dos pontos de integração entre sistemas ERP e sistemas complementares. O resultado dessa análise deverá poder ser utilizado para auxiliar as empresas na implantação de sistemas ERP no processo de desenvolvimento de produtos. 4.3 REQUISITOS Para que o objetivo estabelecido possa ser atingido, foram determinados os requisitos essenciais para a Análise da Aplicabilidade de Sistemas ERP no processo de Desenvolvimento de Produtos: Ser independente do sistema ERP selecionado para o estudo. Ser adequada a vários formalismos de representação de modelos de referência. Possibilitar a comparação entre modelos de referência do processo de desenvolvimento de produtos e modelos de referência de sistemas ERP.

12 Possibilitar o estudo detalhado das funcionalidades de sistemas ERP selecionadas. Possibilitar a análise das funcionalidades de sistemas complementares de engenharia (CAD/CAE/CAPP/CAM/PDM). Considerar os aspectos relativos a integração de sistemas de informação. Permitir ampla aplicação prática. 4.4 UMA PROPOSTA PARA ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE SISTEMAS ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS A concepção da Proposta para Análise da Aplicabilidade de Sistemas ERP no Processo de Desenvolvimento de Produtos procurou satisfazer os requisitos especificados anteriormente. A Figura 3 apresenta uma visão geral das etapas da Análise. Obtenção dos Modelos de de Referência Comparação dos Modelos Comparação dos Modelos Estudo do ERP Protótipo Estudo do ERP Protótipo Estudo dos Sistemas de de Engenharia Determinação dos dos Pontos de de Integração Consolidação dos Resultados Figura 3 Proposta para Análise da Aplicabilidade de Sistemas ERP no Processo de Desenvolvimento de Produtos Na primeira etapa, Obtenção dos Modelos de Referência, são obtidos o modelo de referência do processo de desenvolvimento de produtos e o modelo de referência do sistema ERP. Considera-se aqui que tais modelos já existam e estejam disponíveis. Caso os modelos não sejam descritos

13 segundo o mesmo formalismo de representação, uma das representações deve ser adotada e o outro modelo deve ser adequado a ela. Essa uniformização é necessária para a segunda fase, Comparação dos Modelos. Nessa etapa, os modelos do processo e do sistema são comparados. Para isso, o grau de detalhamento utilizado é superficial, sendo suficiente a representação das atividades e do fluxo de informações. A comparação permite o agrupamento inicial das atividades em duas classes: atividades que podem ser suportadas por transações do sistema ERP ( atividades ERP ) e lacunas não apoiadas pelo ERP ( lacunas ERP ). As atividades que foram agrupadas na fase anterior são estudadas detalhadamente na terceira e quarta etapas, respectivamente: Estudo do ERP Protótipo e Estudo dos Sistemas de Engenharia. Na terceira etapa, os requisitos específicos das atividades ERP são verificados em um protótipo de um sistema ERP. Nesse caso, são utilizadas representações mais detalhadas dos modelos de referência. Paralelamente, na quarta etapa, são estudadas as funcionalidades existentes nos sistemas complementares de engenharia. As atividades do modelo do processo que podem ser apoiadas por esses sistemas são agrupadas na classe atividades sistemas engenharia. Uma sobreposição de funcionalidades é caracterizada quando uma mesma atividade do modelo do processo pertence às classes atividades ERP e atividades sistemas engenharia. A interatividade desse processo é caracterizada, na Figura 3, pelas setas ligando a terceira e quarta etapas. Um atividade classificada inicialmente com atividade ERP, por exemplo, pode ser alterada para lacuna ERP caso a verificação detalhada do ERP indique que os requisitos específicos não são atendidos. Na quinta etapa, Determinação dos Pontos de Integração, são verificadas as possíveis formas de integração entre o sistema ERP e os sistemas complementares de engenharia. São utilizados modelos detalhados representando os dados manipulados pelos sistemas. Finalmente, na Consolidação dos Resultados, é gerado um modelo de referência do processo de desenvolvimento de produtos especificando os recursos (sistema ERP e sistemas complementares) que apoiam cada uma das atividades. A seguir, cada uma das etapas da Análise são descritas detalhadamente. São apresentados os objetivos de cada etapa e as atividades realizadas.

14 4.4.1 OBTENÇÃO DOS MODELOS DE REFERÊNCIA O objetivo da primeira etapa da Análise é preparar as informações necessárias para as próximas fases. Para isso, são realizadas as seguintes atividades: Seleção do sistema ERP. Obtenção do modelo de referência do sistema ERP. Obtenção do modelo de referência do processo de desenvolvimento de produtos. Padronização do formalismo de representação dos modelos. Definição dos sistemas complementares de engenharia. Obtenção de modelos de referência, manuais e catálogos dos sistemas de engenharia. Um sistema ERP deve ser escolhido para a análise. O modelo de referência do sistema selecionado pode ser obtido com o fornecedor do sistema ou ser adquirido de firmas de consultoria. Nessa fase, também é selecionado um modelo de referência para o processo de desenvolvimento de produtos. Esse modelo pode ser um modelo to-be do desenvolvimento de produtos de uma empresa específica ou um modelo mais genérico como, por exemplo, de um setor da indústria. Para que a comparação entre os elementos do modelo seja possível, na segunda etapa da Análise, os modelos devem seguir o mesmo formalismo de representação. Dessa forma, se a representação não for a mesma, um dos formalismos é adotado e o outro modelo é adequado a ele. Nesse momento, pode-se iniciar a seleção dos sistemas de engenharia que serão analisados. Se a Análise for aplicada a uma empresa específica, são considerados todos os sistemas de engenharia que são utilizados, além de versões mais atuais desses sistemas e novos sistemas que podem vir a ser utilizados. Nem sempre esses sistemas são representados por modelos de referência. Por isso, deve-se procurar obter informações adicionais que descrevam as funcionalidades como, por exemplo, manuais e catálogos. Se possível, licenças temporárias de demonstração são solicitadas aos fornecedores COMPARAÇÃO DOS MODELOS O objetivo da segunda etapa da Análise é identificar as atividades de desenvolvimento de produtos que serão analisadas detalhadamente no sistema ERP protótipo.

15 A identificação das atividades é feita comparando-se os modelos de referência do sistema ERP e do processo de desenvolvimento de produtos. O procedimento de comparação utilizado, adaptado de KIRCHMER (1998), é apresentado na Figura 4. São necessárias as seguintes atividades: Comparação dos modelos de referência. Compilação dos resultados. O nível de detalhamento dos modelos, nessa fase, é superficial, bastando a representação das atividades e do fluxo de informações. Segundo KIRCHMER (1998), o procedimento de comparação é dificultado pelas diferenças na terminologia empregada e no nível de detalhamento dos modelos de referência. Como a descrição dos modelos não é muito detalhada, pode-se definir uma terminologia padrão ou adotar a terminologia empregada em um dos modelos (Figura 4). Devido aos diferentes níveis de detalhamento dos modelos, uma ou mais atividades do modelo do processo podem ser relacionadas a uma mais funcionalidades descritas no modelo do sistema. Definição da terminologia Modelo de de referência do do desenvolvimento de de produtos Comparação dos modelos Modelo de de referência do do sistema ERP atividades ERP lacunas ERP Figura 4 - Procedimento de comparação dos modelos de referência (adaptado de KIRCHMER, 1998) A comparação permite a identificação das atividades que, de acordo com os modelos, podem ser suportadas por transações do sistema ERP. Essas atividades são agrupadas na classe atividades ERP. As outras atividades, não apoiadas pelo ERP, são chamadas de lacunas ERP.

Detalhamento Equipamentos. BOM de Produção. BD Equipamentos. Depto. de Fabricação Desenvolvimento do Produto

Detalhamento Equipamentos. BOM de Produção. BD Equipamentos. Depto. de Fabricação Desenvolvimento do Produto 6,67(0$7,=$d 2'$6)81&,21$/,'$'(6'(806,67(0$(5348( $32,$02352&(662'('(6(192/9,0(172'(352'8726 (GXDUGRGH6=DQFXO +HQULTXH5R]HQIHOG'U,QJ Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos NUMA -

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP

IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP Henrique Rozenfeld Eduardo de Senzi Zancul Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos Núcleo de Manufatura

Leia mais

A utilização de sistemas ERP na gestão e em atividades do processo de desenvolvimento de produtos de três empresas

A utilização de sistemas ERP na gestão e em atividades do processo de desenvolvimento de produtos de três empresas A utilização de sistemas ERP na gestão e em atividades do processo de desenvolvimento de produtos de três empresas Eduardo de Senzi Zancul (EESC-USP) ezancul@yahoo.com Henrique Rozenfeld (EESC-USP) roz@sc.usp.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA O AUXÍLO DE SELEÇÃO DE SISTEMAS PDM

DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA O AUXÍLO DE SELEÇÃO DE SISTEMAS PDM DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA O AUXÍLO DE SELEÇÃO DE SISTEMAS PDM Rogerio Omokawa, Eng. Departamento de Engenharia Mecânica - Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho 1465 - CEP 13560-250

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE UM SISTEMA ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE UM SISTEMA ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE UM SISTEMA ERP NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Eduardo de Senzi Zancul Dissertação apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP)

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) 8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) MATHEUS CONSOLI 1. Introdução A década de 1990 foi de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

Uma Abordagem para Modelagem de Processos através de um ERP

Uma Abordagem para Modelagem de Processos através de um ERP Uma Abordagem para Modelagem de Processos através de um ERP Alberto Kenji Ogura (Universidade Estadual Paulista) al_ogura@yahoo.com.br Fernando Augusto Silva Marins (Universidade Estadual Paulista) fmarins@feg.unesp.br

Leia mais

PDM: Gestão do Ciclo de Vida de Produtos e Equipamentos Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

PDM: Gestão do Ciclo de Vida de Produtos e Equipamentos Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. PDM: Gestão do Ciclo de Vida de Produtos e Equipamentos Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Esta palestra foi elaborada para simular as situações mais comuns do dia-a-dia de uma engenharia que

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO Daniela Cristina Giorgetti Dantas UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Mestrado Profissional em Sistemas de Informação

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção José Roberto de Barros Filho (UNISUL) jroberto@unisul.br Ana Regina Aguiar Dutra (UNISUL)

Leia mais

ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL (ERP)

ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL (ERP) ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL (ERP) Leandro Roberto Baran 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ponta Grossa Brasil leandro.baran@pr.senai.br Ademir

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA GESTÃO DA PRODUÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ASSEMBLY TO ORDER ATO E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES

UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA GESTÃO DA PRODUÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ASSEMBLY TO ORDER ATO E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA GESTÃO DA PRODUÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ASSEMBLY TO ORDER ATO E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES v.7, n.3, p.269-282, dez. 2000 Carlos Frederico Bremer Rogério de Paula Lenza Escola

Leia mais

Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

4. Aplicações de Software

4. Aplicações de Software 1. Introdução 2. Sistemas de Fabrico 3. Actividades na Gestão do Processo Produtivo 4. Aplicações de Software 5. e-manufacturing 6. Conclusões Eduardo Tovar, Novembro 2002 20 Aplicações de Software (1)

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DO SEU GERENCIAMENTO

UMA SOLUÇÃO DE INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DO SEU GERENCIAMENTO UMA SOLUÇÃO DE NTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DO SEU GERENCAMENTO Henrique Rozenfeld Sérgio Takahashi Alexandre José Tiberti Departamento de Eng.enharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos-USP

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Palavras-chaves: ERP, Fatores Críticos de Sucesso, projetos de implantação.

Palavras-chaves: ERP, Fatores Críticos de Sucesso, projetos de implantação. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO Gustavo Lopes Olivares Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Horto, Campos dos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP - ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP - ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP - ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA Jose Henrique Dallagnese (ULBRA) jhdallagnese@gmail.com MARIO FERNANDO DE MELLO (ULBRA) mariofernandomello@yahoo.com.br

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO CRISTIANA GONÇALVES BORGES (UFPB//PPGEP) cristiana.borges@arcelor.com.br Joeli Cuzzuol

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Tecnologia da informação aplicada à gestão empresarial: otimização de processos corporativos utilizando ERP

Tecnologia da informação aplicada à gestão empresarial: otimização de processos corporativos utilizando ERP Tecnologia da informação aplicada à gestão empresarial: otimização de processos corporativos utilizando ERP Information technology applied to enterprise management: optimizing business processes using

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Marcia Habiro (Universidade Federal de São Carlos) marciahabiro@yahoo.com.br Moacir Godinho

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML

MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML Sanderson César Macêdo Barbalho Universidade de São Paulo SEM/EESC Av. Trabalhador São Carlense, 400, São Carlos/SP, e_mail scmb@sc.usp.br Henrique Rozenfeld Universidade

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas 2º Contecsi Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação / Internacional Conference on Information Systems and Technology Management 01-03 de Junho de 2005 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

ANÁLISE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPRESA BRASILEIRA

ANÁLISE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPRESA BRASILEIRA ANÁLIE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPREA BRAILEIRA Rafaela Mantovani Fontana (UFPR) rafaelafontana@onda.com.br Luis Claudio Moreira de Lima (UFPR) llcclaudio@yahoo.com.br Fabio Pacheco Machado

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação I

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Sistemas de Informação I INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 5/11/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 23/2/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Meire Aleixo Silvestre dos Reis Faculdade Educacional Araucária - Bacharel em Engenharia

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Maria Clara da Costa Teixeira (EESC USP) mclara@sc.usp.br Álvaro Costa Neto (EESC USP) costa@sc.usp.br Resumo Diante das

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

SAP RECURSOS HUMANOS O curso completo abrange quatro módulos:

SAP RECURSOS HUMANOS O curso completo abrange quatro módulos: SAP RECURSOS HUMANOS O curso completo abrange quatro módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - HR Recursos humanos (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS * - BPM Business

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE MODELO CONCEITUAL E PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL NO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL JOSE CARLOS PANTAROTO Orientador: Prof.

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Janayna Patrícia Rezende de AQUINO

Janayna Patrícia Rezende de AQUINO O ESTABELECIMENTO DE PARCERIAS ENTRE EMPRESAS CONSTRUTORAS, PROJETISTAS E FORNECEDORES COMO INSTRUMENTO DE MELHORIA NO USO DE PROJETOS PARA PRODUÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Janayna Patrícia Rezende

Leia mais