DE PORTAS ABERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PORTAS ABERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL 1"

Transcrição

1 DE PORTAS ABERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL 1 Lúcia Filomena Carreiro, Ivani Euvedeira, Ana Paula Nassirios, Eliana M. D. Rodrigues, Drauzio Viegas Jr. 2 Introdução O atendimento aos portadores de transtornos mentais é e continuará sendo, ainda durante muito tempo, um verdadeiro desafio para a sociedade. Segundo o Relatório Sobre a Saúde no Mundo 2001: Saúde Mental: Nova Concepção, Nova Esperança, publicação oficial da Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS e Organização Mundial da Saúde - OMS, os transtornos mentais afetam, em alguma fase da vida, mais de 25% da população, trazendo conseqüências econômicas para a sociedade e interferindo no padrão de vida das famílias. O relatório aponta que 20% de todos os pacientes atendidos na atenção primária de saúde tenham um ou mais transtornos mentais e comportamentais e que uma em cada quatro famílias tem pelo menos um membro que sofre atualmente um transtorno mental ou comportamental (pág. 51). Estes transtornos já representam quatro das dez causas de incapacitação em todo o mundo. Esse crescente ônus vem a representar um custo enorme em termos de sofrimento humano, incapacidade e prejuízos econômicos. (pág. 27) O transtorno mental é historicamente marcado pelo estigma social. O portador de transtorno mental é remetido ao papel de bode expiatório, sofrendo exclusão em função da negação que a comunidade faz de sua própria loucura. Em razão disso, a loucura é inteiramente depositada nele para que, por oposição, a comunidade possa se considerar sadia. Pessoas portadoras de graves transtornos psíquicos, por apresentarem dificuldade no trato com a realidade, apresentam um quadro de vínculos sociais e afetivos rompidos ou correm o risco de virem a sofrer essa ruptura em decorrência da evolução de sua patologia. É nessa dinâmica que o processo de exclusão se instala e se desenvolve. Progressivamente, o espaço social do paciente vai sendo reduzido, começando pelas 1 Publicado no site do InterPsic em dezembro de Revisão ortográfica e de estilo: Mayra Pinto. Supervisão: Prof. Marco Aurélio F. Velloso 1

2 relações de sociabilidade secundária, até que, ao final, termina por sofrer exclusão no seio de seu próprio grupo primário. No estágio atual do capitalismo na cauda do aparecimento da sociedade da informação e do conhecimento, e de uma economia globalizada e altamente competitiva, se instala, numa dimensão planetária, o desemprego estrutural, resultando na exclusão de um número cada vez maior de seres humanos do ciclo produção-consumo. Essa exclusão tem por alvo preferencial a parcela da população que não teve acesso aos bens sociais em geral e, particularmente, a uma educação básica competente. Desse modo, na parcela da população menos favorecida econômica e culturalmente, o transtorno mental se torna uma incompetência a mais, desequilibrando seriamente o potencial competitivo no mercado de trabalho. No caso de pessoas portadoras de graves transtornos psíquicos, o tipo de tratamento exigido é complexo e pede uma intervenção para além do simples atendimento ao indivíduo, envolvendo sua esfera familiar e social. Mais especificamente ainda, quando se trata de viabilizar o tratamento para os portadores de transtornos mentais pertencentes à camada mais desfavorecida da sociedade, a atividade clínica tem que abordar também, necessariamente, a exclusão social e econômica e enfocar o resgate das suas capacidades produtivas. Nessa perspectiva, no final deste texto, partindo da experiência que adquirimos no tratamento de portadores de transtornos mentais no Hospital-Dia de Campo Limpo, formulamos uma proposta de inclusão das pessoas pertencentes a este dramático contexto de exclusão, que se sustenta no conceito de que é possível ser diferente sem ser excluído e que tal inclusão deve acontecer na trama vincular cotidiana, isto é, a partir da rede de relações vinculares que o indivíduo for capaz de estabelecer e manter, desde as mais próximas familiares até chegar às relações sociais mais distantes e mais valorizadas socialmente. Ao abrimos as portas de nossa experiência para compartilharmos um pouco do que realizamos e refletimos como trabalhadores de saúde mental num hospital-dia da periferia da cidade de São Paulo, achamos necessário dar uma visão panorâmica do contexto histórico mundial em que essa experiência emerge. À medida que nos vamos aproximando temporal e geograficamente de nosso foco principal, nossa descrição torna-se mais detalhada e enriquecida pela vivência. Aqui o leitor poderá vislumbrar o que foram as portas abertas a que nos referimos no título desse trabalho. Cenário histórico: da loucura ao transtorno mental A loucura possui formas diversas de inserção social, em consonância com ideologias, práticas e teorias operadas em determinados contextos históricos. As pessoas loucas não passaram ilesas na história da humanidade. Tratadas muitas vezes com indignidade, ainda despertam nos dias de hoje estranheza e medo. A história da loucura faz parte da história da exclusão social. A fonte principal de informação que utilizamos para essa viagem através da história da loucura são os livros Psiquiatria sem Hospício, dos organizadores Bezerra Jr e Amarante, e A Ordem Psiquiátrica: A Idade de Ouro do Alienismo, de Castel. É claro que História da Loucura, de Foucault, subjaz, de forma definitiva, na concepção contemporânea da maioria dos autores que se propõem a contar essa história. 2

3 Na Idade Média, a Igreja tomou para si o exorcismo dos demônios humanos, ateando fogo aos bruxos e bruxas. Divide o poder com a nobreza e, para manter a ordem social, tutela os infortunados e os doentes da sociedade - dentre estes, os loucos - que, quando não incomodavam, viviam livres. Na transição pré-capitalista ocorrem profundas mudanças sócio-políticoeconômicas. Os espaços social e de trabalho se modificam. Consolida-se o processo de segregação de todos os suspeitos que ameaçam a ordem social - mendigos, doentes (principalmente de sífilis e hanseníase), loucos, ociosos, prostitutas, saltimbancos. Prisões, depositários, casas de correção e interdição jurídica para os insanos são dispositivos institucionais criados para retirar de circulação os inoportunos sociais. Temos em curso dois processos revolucionários que marcaram a humanidade, transformando a História: a revolução Francesa e a Industrial. No século XVIII o iluminismo e o racionalismo, que davam os referenciais ideológicos à Revolução Francesa, criavam um individualismo secular, racionalista e progressista, libertando o indivíduo do tradicionalismo ignorante da Idade Média e da submissão à superstição da igreja. Já a Revolução Industrial influenciará o mundo econômico do século XIX. A máquina impõe ao homem um novo ritmo de trabalho, modifica as cidades e desintegra muitos laços sociais. Neste período revolucionário, na Europa, registra-se o aumento da população de marginalizados os ociosos e improdutivos: loucos, indigentes, mendigos, prostitutas. No Século da Razão, a busca de soluções para a irracionalidade, representada pela marginalização, se fundamenta na própria Razão. Assim, o controle passa a ser exercido através de leis sociais, que dão racionalidade aos problemas sociais. Da mesma forma, a loucura também era vista a partir do viés da Razão, isto é,concebida como perda da mesma, adquirindo o status de doença mental, e o tratamento moral objetivava o retorno à Razão. Para tanto, faziam-se necessários espaços protegidos, calmos, higiênicos - os hospícios - para devolver a Razão àqueles que a tinham perdido, através da reeducação pelo trabalho, como meio de recuperação da dignidade e da responsabilidade. Castel (pág. 55) 3 observa que a passagem da loucura para o âmbito médico traz como conseqüência um novo status jurídico, social e civil para o louco: o de alienado, juridicamente incapaz, relegado à condição de minoridade. Através do movimento dos alienistas, com Pinel (França), Chiarruggi (Itália), Tuke (Inglaterra) e Todd (Estados Unidos), nasce o Hospício como instância oficial da institucionalização da loucura e de uma nova relação social de tutela. Com o nascimento do Hospício, surge a psiquiatria como especialidade médica, ordenando o espaço hospitalar, classificando e separando doentes em função de uma nosografia médica. A loucura, tomada agora como doença mental, deixa de ser desgraça natural, mas isso não significa, para a pessoa doente, libertação (Castel pg 83) 4. Até perto do final do século XIX a doença mental é compreendida, quase que exclusivamente, como alteração bio-físico-química do organismo. A psiquiatria já contava 3 Castel, Robert. A ordem psiquiátrica: a idade de ouro do alienismo. Graal. Rio de Janeiro, Idem, ibidem. 3

4 com um incipiente corpo teórico que lhe permitia classificar as doenças mentais, teorizar sobre a demência precoce (esquizofrenia) e outros aspectos da psicopatologia. Dada a inexistência, ainda, dos psicofármacos, o inusitado que a doença mental manifestava era tratado com camisas-de-força, amarras, cadeiras giratórias, hidroterapia, e, mesmo, com castigos corporais; tentativas terapêuticas que acarretavam grande sofrimento humano. Freud, no final do século XIX, com a psicanálise, realiza o salto no saber médico e psiquiátrico. No tempo de Pinel a cura significava resolver o equívoco, corrigir os erros da razão, voltar a pensar como os outros, os razoáveis. Freud subverte essa noção de loucura, diz que o delírio é uma forma de dar sentido a uma experiência psíquica. Sendo assim, não há o que ser corrigido. Há o que ser escutado. Não há o que ser abolido. Há o que ser recuperado. Há o que ser construído. Com Pinel podíamos pensar: todos devem ser iguais. Aquele que se perde num descaminho, na desrazão, deve ser trazido de volta para a estrada real da razão. Com Freud podemos pensar: não somos iguais, há muitos diferentes. Há muitas diferenças. É preciso tratar do sofrimento decorrente da diferença, quando é o caso, sem no entanto aboli-la. 5 A pesquisa orgânica no âmbito da psiquiatria continuou seu percurso com uso de cardiazol, insulinoterapia, inoculação de cepas benignas de malária, eletroconvulsoterapia, lobotomia, culminando com a descoberta dos neurolépticos, na metade do século XX, que mudou substancialmente o tratamento das psicoses. Embora desde a metade do século XIX o alienismo já sofresse críticas, com uma crescente consciência de que o hospital psiquiátrico ocupava um lugar de cronificação, só após a segunda guerra mundial diversos movimentos teóricos e práticos surgiram e se desenvolveram em várias cidades de diferentes países em busca da reforma psiquiátrica. Laing e Cooper (Inglaterra), Goffman (EUA), Foucault (França), Basaglia (Itália), são expressões desse processo 6. O século XX apresentou grandes avanços na área do tratamento dos transtornos mentais: surgiram novos medicamentos e várias experiências terapêuticas inovadoras se consolidaram, apontando para a possibilidade da inclusão do transtorno mental na trama social. Entretanto, nos dias de hoje, ainda há um domínio do modelo organicista nas práticas clínicas em saúde mental. Cenário Nacional No Brasil, a história do trato da loucura se assemelha ao que nos referimos no cenário histórico global, embora com alguns séculos de defasagem. Quem nos diz isso e tantas outras coisas a que nos referimos em grande parte deste capítulo é Heitor Resende no livro Cidadania e Loucura Políticas de Saúde Mental no Brasil, cujos organizadores são Tundis e Costa. No período colonial, o louco foi relativamente tolerado e assimilado cotidianamente. No entanto, no final do século XVIII, com o re-ordenamento do processo produtivo e das 5 Corbisier, Cláudia. A escuta da diferença na emergência psiquiátrica. In Psiquiatria sem Hospício, Bezerra Jr., Benilton e Amarante, Paulo (org.). Relume-Dumará. Rio de Janeiro, pag Organização Pan-americana da Saúde. Reestruturação da assistência psiquiátrica: bases conceituais e caminhos para implementação / Organização Pan-americana da Saúde. Instituto Mario Negri. Milão: OPS, pg. Memórias da Conferência Regional para a Reestruturação da Assistência Psiquiátrica. Caracas, Venezuela, nov

5 cidades, ele passa a ser considerado um problema social, ao lado de outros perturbadores da ordem e, portanto, deveria ser retirado do convívio social. Inicialmente eram recolhidos às prisões ou às Santas Casas de Misericórdia, instituições de caráter punitivo. O primeiro manicômio do Brasil foi inaugurado por D. Pedro II, no Rio de Janeiro, em 1852, sendo que a assistência oferecida quase se restringia a abrigar o louco que ameaçava a ordem e a paz social. A abolição da escravidão e a proclamação da República trouxeram consigo um especial interesse pela saúde pública, pois era preciso sanear as cidades para atrair os imigrantes estrangeiros. Nesse período, com o Dr. Juliano Moreira na direção do Hospício Nacional no Rio de Janeiro e o Dr. Franco da Rocha no Juqueri em São Paulo, a atenção ao doente mental ganhou caráter científico; foi organizada a primeira classificação brasileira de doenças mentais e a primeira estatística para caracterizar a população de internos. Do ponto de vista terapêutico, o trabalho era considerado uma importante estratégia, e as colônias agrícolas o meio para atingir o objetivo de desenvolver o indivíduo, tornandoo apto para o desempenho de atividades produtivas. Em 1950 a OMS, através de um comitê de peritos em saúde mental, recomendou aos países-membro, especialmente aos países em desenvolvimento, que investissem em ações nesta área, devido ao alto custo da doença mental para o processo produtivo. Apesar disso, no Brasil, ao final da década de 1950, como resultado da falta de investimentos financeiros, a situação era caótica, com os hospícios superlotados, falta de pessoal, condições das instalações e hotelaria precárias. Abundavam violência e maus tratos. A partir de 1964, com o golpe militar, a solução e opção política, frente à insuficiência de leitos em hospitais psiquiátricos da rede pública, foi a contratação de leitos em hospitais privados. Apesar de a década de 1970 ainda estar marcada por uma conjuntura de repressão política, foi a partir daí que o movimento conhecido como reforma psiquiátrica à luz das experiências internacionais que se seguiram às propostas da antipsiquiatria logrou introduzir-se e ampliar seu campo de influência no Brasil. Desde esta década, desenvolvese o debate das idéias que defendem a ruptura com a cultura manicomial. Em 1972, em Santiago do Chile, Ministros de Saúde de países latino-americanos, inclusive do Brasil, elaboraram um documento com os princípios básicos que deveriam nortear a assistência psiquiátrica nesses países, o qual recomendava: diversificação na oferta de serviços e sua regionalização, condenava o macro hospital, propunha alternativas à hospitalização integral, ações especiais dirigidas ao egresso e campanhas para reabilitação dos crônicos (...) 7. Mas, com o fim do milagre econômico e os alarmantes índices de outros indicadores de saúde como crescimento da morbidade e mortalidade infantil, epidemia de meningite, aumento de incidência de casos de tuberculose e doenças crônicas degenerativas a assistência ao doente mental perde a ênfase que naquele momento lhe fora atribuída. Os movimentos sociais contra o regime militar, no final da década de 1970, foram um importante marco para a denúncia e a tomada de consciência acerca das condições violentas e não terapêuticas a que os doentes mentais dos hospícios públicos estavam 7 Resende, Heitor. Política de Saúde Mental no Brasil: Uma visão Histórica. In Políticas de Saúde Mental no Brasil, Cidadania e Loucura. Vozes. Petrópolis, pag. 65 5

6 submetidos. Foram abertos os chamados porões dos hospitais psiquiátricos para a sociedade, inclusive por intermédio da mídia. A eclosão de tal movimento deveu-se a um quadro de distensão política, após quase duas décadas de regime militar, refletindo a reorganização de diversos setores da sociedade. A partir daí, várias reformas e programas foram propostos para a reorganização da saúde em relação a alguns pontos básicos: financiamento, práticas ou modelos assistenciais e critérios de acesso ao atendimento. Dentro deste contexto, novos projetos de assistência na área de saúde mental foram criados, embora, não raras vezes, tenham sido bruscamente interrompidos. Multiplicam-se experiências positivas na reforma psiquiátrica, ou seja, há um intenso movimento de inovação, com concepções e tratamentos diferentes para os portadores de transtornos mentais, e um debate cada vez mais presente em alguns setores da sociedade. O debate quanto ao sistema de saúde teve um marco importante em 1986, com a VIII Conferência Nacional de Saúde que influenciou a Constituição de 1988 na criação do Sistema Único de Saúde (SUS), com acesso universal. Em 1987 foi realizada a Primeira Conferência Nacional de Saúde Mental e o II Congresso Nacional de Trabalhadores em Saúde Mental, que desfraldou a bandeira: por uma sociedade sem manicômios. Na reverberação desse movimento, que envolve trabalhadores de saúde mental, pacientes, familiares e políticos, surge o Projeto de Lei n 3657 do Dep. Paulo Delgado (1989), propondo a reformulação das bases legais para a assistência psiquiátrica com uma concepção não manicomial, que prevê a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por outras práticas terapêuticas. Em 1990, ocorreu em Caracas, Venezuela, a Conferência Regional para a Reestruturação da Atenção Psiquiátrica na América Latina dos Sistemas Locais de Saúde, cuja declaração final tornou-se norteadora das mudanças nas legislações dos países participantes, para assegurar o respeito aos direitos humanos e civis dos pacientes e as transformações do Modelo de Atenção à Saúde Mental. Essas idéias continuam presentes no contexto da década de 90, em que convivem tendências em busca de uma sociedade sem manicômios com práticas psiquiátricas tradicionais. Ainda existem asilos e colônias em todos os estados do país, com inúmeros moradores; e uma parcela da população, portadoras dos mais variados tipos de sofrimento psíquico, tem dificuldade de inserção na rede de atendimento. Os livros: Reabilitação Psicossocial no Brasil, cuja organizadora é Pita, e Tecendo a Rede Trajetórias da Saúde Mental em São Paulo , organizado por Vieira, Vicentin e Fernandes, contribuem para a discussão e divulgação de experiências inclusivas, em curso no país. Apesar dos efeitos da recessão econômica, da crise do Estado e dos sucessivos avanços e recuos na implementação de um projeto não manicomial, diversas experiências concretas vêm sendo realizadas em todo o país, baseadas em variadas concepções. Muitas dessas experiências procuram integrar o modelo assistencial de tratamento à reabilitação psicossocial, com oficinas de trabalhos, cooperativas, expressão artística, residências terapêuticas, entre outros. As associações de usuários de serviços de saúde mental, de seus familiares e dos trabalhadores em saúde mental têm se multiplicado, buscando autonomia em relação ao Estado. O número de leis e portarias, federais e estaduais, inspiradas nos princípios da reforma psiquiátrica também cresceu. 6

7 Todas essas movimentações são indicadores de mudanças no campo da Saúde Mental no Brasil. No entanto, só a perspectiva do tempo permitirá uma avaliação mais integrada. Assim, com seu contexto de globalização econômica e incremento da exclusão social, este início de milênio está marcado por um ambiente de paradoxos e de perplexidades, onde a questão da cidadania assume, cada vez mais, um papel central, com implicações evidentes para as práticas de saúde mental. Neste quadro, a questão da inclusão dos portadores de transtornos mentais na sociedade assume, a cada dia, maior dramaticidade e importância. Cenário Regional As primeiras influências Neste momento de aproximação do nosso enfoque principal, tomaremos como referência os textos Uma Experiência de Saúde Mental na Prefeitura de São Paulo de Antonio Carlos Cesarino no livro SaúdeLoucura 1; A Clínica da Psicose: Um Projeto na Rede Pública de Jairo Goldberg; Política de Saúde Mental Democrática e Popular do Centro de Organização da Atenção à Saúde - Programa de Saúde Mental - Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de São Paulo de 1989; e Normatização Técnica dos Serviços de Saúde Mental, expedida em 1992 pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Até a década de 70, no ambiente regional de São Paulo, a ênfase dada no tratamento das doenças mentais ainda era o Hospital Psiquiátrico com suas características cronificantes e de exclusão social. A Grande São Paulo contava com quatro hospitais psiquiátricos estaduais, sete particulares (em convênio com o Estado), quarenta particulares (conveniados ou não com o INAMPS) e um pequeno número de Ambulatórios de Saúde Mental, que trabalhavam de forma isolada, oferecendo basicamente atendimento psiquiátrico medicamentoso. 8 Na década de 1980, o país vivia um clima de abertura político-democrática, com o restabelecimento de eleições diretas para governadores de estado. Nesse período foram definidas reformulações, em âmbito federal, do Sistema de Saúde Pública. Em São Paulo, as políticas de Saúde Mental também começaram a seguir novos rumos. Um primeiro projeto, de abrangência estadual, foi o Programa de Saúde Mental, proposto e implantado no ano de 1983 pelo Governo Franco Montoro. Este programa teve como objetivo deslocar a posição central do hospital psiquiátrico no atendimento aos pacientes, com a criação de uma rede de serviços extrahospitalares ampliada e reorganizada, baseada nos princípios de regionalização, hierarquização, integração, universalização e eqüidade, que norteavam as ações de Saúde Pública. 9 Esta rede de serviços articulava Centros de Saúde, Ambulatórios de Saúde Mental e Hospitais Psiquiátricos. Os pacientes podiam ser encaminhados de um serviço ao outro e 8 (1)- Antônio Carlos Cesarino- Uma Experiência de Saúde Mental na Prefeitura de São Paulo in SaúdeLoucura 1, São Paulo, Hucitec, Princípios orientadores referendados na 8ª Conferência Nacional de Saúde, incluídos na Constituição Federal de 1988 na seção Saúde, sendo norteadores do SUS. 7

8 vice-versa (referência e contra-referência), de acordo com o grau de complexidade episódica do quadro apresentado ou de sua remissão. Os Centros de Saúde contavam com equipes mínimas de saúde mental (psiquiatra, psicólogo e assistente social) que atendiam à demanda de menor gravidade e desenvolviam ações integradas com outros programas de saúde da unidade (mulher, criança, etc...) de caráter basicamente preventivo - o chamado nível primário de atenção à saúde. O nível secundário era compreendido pelos Ambulatórios de Saúde Mental, compostos por equipes multi-profissionais, atendendo casos de maior gravidade, tanto relacionados à infância como aos adultos. O Ambulatório era o principal equipamento da rede extra-hospitalar para o atendimento de psicóticos, neuróticos graves, alcoolistas, epilépticos e egressos de Hospitais Psiquiátricos. Do ponto de vista do atendimento, foram introduzidas novas técnicas e modalidades terapêuticas que ultrapassavam os limites do acompanhamento individual e medicamentoso: grupos de psicoterapia e terapia ocupacional para psicóticos, grupos psicoterápicos para alcoolistas, atendimento familiar, etc. Em alguns ambulatórios estruturou-se o PIM - Programa de Intensidade Máxima, destinado aos quadros agudos. Propunha a vinda diária do paciente ao ambulatório, estimulando a criação de vínculos dos pacientes entre si e com a equipe terapêutica, visando a redução das internações. Propiciavam também atividades sócio-culturais e de suporte social. Ao fim da crise, os pacientes eram agendados para seguimento no próprio ambulatório. 10 Completando esta rede, o nível terciário compreendia as internações em hospitais psiquiátricos. Foi criada, no governo Montoro, a central de vagas que recebia as solicitações de internação dos serviços de saúde e, após avaliação de um perito, autorizava ou não a internação. As solicitações eram exclusivas dos serviços de saúde especializados e eram feitas em guias padronizadas - Autorização de Internação Hospitalar (AIH) - com senhas para garantir a lisura do processo. Esse mecanismo foi implementado com o objetivo de controlar as internações em hospitais fechados e coibir abusos (internações desnecessárias). Esta nova prática de atenção à saúde mental, implementada pelo governo estadual, influenciou positivamente a rede municipal de São Paulo: a Secretaria de Higiene e Saúde em integração com o Estado, INAMPS e Santa Casa de Misericórdia de São Paulo criou, em 1983, o "Projeto Zona Norte". O Estado e o Município contribuíam com recursos humanos e equipamentos, o INAMPS com financiamentos; a Santa Casa integrava tais atividades em seu trabalho de formação e qualificação de pessoal. Com este projeto, a Prefeitura de São Paulo participa, pela primeira vez, da estruturação e implantação de um modelo de atenção à saúde mental. A zona norte Freguesia do Ó foi escolhida por contar com equipamentos e porque ali existia, em andamento, um projeto docente-assistencial da Cadeira de Medicina Social da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 11 Esse projeto, embora considerado tecnicamente bom, seguindo modernos parâmetros de tratamento ao doente mental, não resiste às mudanças político- 10 (2)- Jairo Goldberg - A Clinica da Psicose pg.106. Um projeto na rede pública. 11 Cesarino, Antônio Carlos - Uma Experiência de Saúde Mental na Prefeitura de São Paulo in SaúdeLoucura 1. São Paulo, Hucitec,

9 administrativas estaduais e municipais, e sucumbe ao desmantelamento de toda a sua estrutura. A avaliação deste projeto levanta algumas questões importantes: de um lado, a comprovação de que é viável oferecer serviços de qualidade no âmbito público; de outro, e mais uma vez, a constatação da fragilidade dos argumentos técnicos frente a interesses políticos; finalmente, a importância da efetiva participação da comunidade no processo, de modo a legitimá-lo e consolidá-lo. Felizmente, outras experiências semelhantes continuam sendo implantadas, encampando os conhecimentos adquiridos até então e propondo aperfeiçoamentos. Em 1987 foi criado pelo Governo do Estado de São Paulo o Centro de Atenção Psico-Social (CAPS). Em 1989 a Prefeitura do Município de Santos inicia a implantação dos Núcleos de Atenção Psico-Social (NAPS). Cidades como Botucatu e Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, também implantam serviços semelhantes. No município de São Paulo, com a nova mudança administrativa em 1989, já se conformando aos princípios da Constituição de 1988, o papel da Prefeitura com relação à responsabilidade com a saúde geral da população é revisto e ampliado. Deixa de ser quase que exclusivamente preventivista, passando a ter ações integradas a partir de levantamentos epidemiológicos regionalizados e planejamento estratégico. O atendimento à população ganha outra dimensão nas esferas de prevenção e tratamento, com descentralização e regionalização dos serviços oferecidos. A comunidade passa a ter papel ativo em discussões, em tomadas de decisão e atua como agente fiscalizador. Na saúde mental, começa a ser implantada uma rede assistencial que recupera alguns princípios do Projeto Zona Norte sem, entretanto, a integração entre Estado e Município. A saúde mental no Município de São Paulo, de 1989 a 1995 Quanto mais nos aproximamos de nosso foco principal mais as informações colhidas se misturam com as informações vividas, direta ou indiretamente. Para falar do modelo de saúde mental implantado no período acima, nos valemos do documento Política de Saúde Mental Democrática e Popular, elaborado pelo Centro de Organização da Atenção à Saúde Programa de Saúde Mental, da Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de São Paulo de 1989, porém nossa leitura desse documento está impregnada de nossa história pessoal. 9

10 Fig. 1 - Modelo de atenção à saúde mental proposto para o Município de São Paulo em O modelo implantado a partir de 1989 propunha uma rede integrada de atendimento (Fig. 1) envolvendo vários equipamentos, o que possibilitou mudança qualitativa no atendimento do paciente e de sua família, criando alternativa efetiva às internações em hospital psiquiátrico. A Unidade Básica de Saúde (UBS) era a referência de tratamento do paciente. Contava com uma equipe multiprofissional que, além do atendimento à saúde mental, dava assistência aos projetos gerais da unidade. Nos momentos de agravamento de quadros psíquicos que exigissem atenção mais intensiva ou quadros onde fosse necessário um suporte psicossocial, a UBS podia contar com a retaguarda de outros equipamentos da rede. Os Centros de Convivência e Cooperativas (CECCOs) eram espaços de convivência para a população em geral, que visavam a reintegração social dos excluídos, e tinham um papel importante para a saúde mental. O Hospital e Pronto Socorro Geral ofereciam atendimento de emergência psiquiátrica, com leitos de observação de até 72 horas. Quando fosse avaliada a necessidade de contenção em período integral, o paciente era encaminhado para internação de curta duração em enfermaria do Hospital Geral ou Hospital Psiquiátrico. Se houvesse suporte familiar e/ou social e indicação de internação parcial, era encaminhado ao Hospital-Dia (HD). Havia também a proposta de lares abrigados para pacientes crônicos sem referências sócio-familiares, mas sua implantação não foi efetivada. Em virtude de dificuldades administrativas para contratação de pessoal, compra de equipamentos e aquisição de espaço físico, o funcionamento de vários desses serviços ocorreu tardiamente na gestão de Luiza Erundina, tanto que só no último ano de sua gestão é que o HD de Campo Limpo iniciou seus atendimentos. A partir de 1993, já na gestão de Paulo Maluf, começamos a observar um desinvestimento na saúde em geral, com a conseqüente perda de profissionais, falta de recursos materiais, corte de recursos financeiros e corte de supervisão clínica e 12 Centro de Organização da Atenção à Saúde - Programa de Saúde Mental - Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de São Paulo Política de Saúde Mental Democrática e Popular, mimeo, p. 10

11 institucional, determinando a descaracterização de todo o sistema de referência e contrareferência, essencial para que o modelo de atendimento em rede na saúde mental fosse mantido. Após esse sucateamento deliberado, em 1995, a prestação de serviços de saúde do município é avaliada pela própria Prefeitura como ineficiente, e a causa é atribuída à estrutura do serviço público. Como solução, a Prefeitura resolve implantar o Plano de Assistência à Saúde (PAS). O PAS propunha o gerenciamento dos serviços de saúde do município pelo sistema de cooperativas de profissionais, com repasse de verbas públicas, bens móveis e imóveis e recursos materiais para as mesmas. Projeto polêmico que, para nós, trabalhadores de saúde, inseridos no sistema de atendimento da rede pública, exigiu um posicionamento concreto que implicou em inúmeras conseqüências em nossa vida pessoal e profissional e se fundamentava numa múltipla dimensão existencial: ética, política e técnica. Esse posicionamento implicou na nossa recusa em participar do PAS, assumindo, como conseqüência inevitável, a decisão de abdicar do trabalho que vínhamos realizando no Hospital Dia do Campo Limpo. Na forma como vimos a apresentação do PAS, consideramos que caracterizava uma falsa solução para os problemas que vinham ocorrendo na saúde pública, uma espécie de maquiagem político-eleitoral construída sobre uma intenção de base que era a da desmontagem do sistema público de prestação de serviços de saúde à população, desvirtuando, inclusive, a própria concepção de cooperativismo pela forma autoritária como foram impostas e formadas as cooperativas. No período de existência do PAS, que foi de aproximadamente 6 anos, várias denúncias de corrupção foram divulgadas na mídia e vários processos (em sua maioria de suspeição de desvio de dinheiro) tramitaram na justiça contra várias cooperativas do PAS. No atendimento ao paciente observou-se uma deterioração da assistência em geral, com falta de distribuição de medicamentos, redução no acesso a exames laboratoriais e consultas médicas e centralização dos atendimentos nos profissionais médicos. Na área da saúde mental, apesar da maioria dos equipamentos destinados ao atendimento terem sido mantidos, houve descaracterização do modelo original de atendimento em rede. Com a mudança político-administrativa em 2000, o PAS foi extinto e a proposta de implementação do SUS no Município de São Paulo foi retomada. O modelo de HD na gestão Luiza Erundina Na gestão de Luiza Erundina ( ), como vimos, foi iniciada a implantação de um modelo inovador de atenção à saúde mental para o Município de São Paulo. A proposta de criação de Hospitais-Dia em Saúde Mental representava uma tentativa de concretização, no Município de São Paulo, das novas idéias relacionadas ao atendimento aos portadores de transtornos mentais em crise, constituindo-se numa alternativa à internação psiquiátrica tradicional, tantas vezes responsável pela cronificação do quadro patológico dos pacientes. Na Normatização Técnica dos Serviços de Saúde Mental à qual nos referiremos ao longo deste capítulo, o Hospital-Dia é definido como equipamento de saúde indicado para 11

12 o tratamento de casos em momentos de sofrimento psíquico intenso que configurem uma situação de crise (grau intenso de comprometimento funcional, desestruturação familiar e/ou social). 13 Para viabilizar a implantação dos Hospitais-Dia, a Coordenação de Organização da Atenção à Saúde (COAS) constituiu um grupo de trabalho, integrado por representantes de trabalhadores em saúde mental de nível universitário das diversas regiões do município, onde tais unidades de atendimento seriam implantadas. O HD do Campo Limpo também tomou parte nessas discussões. Previa-se tratamento intensivo de curta duração: o tempo de permanência dos pacientes nos HDs, na Normatização Técnica, era de 45 a 60 dias para adultos, e de 180 dias para crianças. O atendimento diário seria de três períodos, de segunda a sexta-feira. Os parâmetros quantitativos de atendimento de cada unidade seriam estabelecidos pelos Distritos de Saúde em função do espaço físico disponível e da constituição da equipe de profissionais. Neste texto vamos nos restringir aos Hospitais-Dia de adultos e adolescentes. Ainda do ponto de vista da proposta original, no que se refere aos critérios de admissão, o atendimento dessas unidades estaria voltado para neuróticos graves e psicóticos agudos, prioritariamente de primeiro surto, com suporte familiar e/ou social. Os pacientes crônicos só seriam atendidos nos momentos de agudização. Estavam excluídos quadros de alcoolismo e drogadição primária, de deficiência mental, e neurológicos. Pacientes que demandassem atenção de 24 horas/dia, como os de auto e hetero-agressividade intensa, acentuado risco de suicídio, graus intensos de agitação psicomotora, assim como os quadros clínicos graves, não seriam atendidos pelos HDs, sendo encaminhados para serviços de referência adequados, até que pudessem ser admitidos no regime de Hospital-Dia. O tratamento proposto enfatizava as atividades grupais para o paciente e seus familiares, sem excluir o atendimento individual. Algumas das atividades previstas eram padronizadas, tais como: grupo de reencontro e grupo de preparação para o fim de semana, assembléia, grupos terapêuticos, grupos de atividades sócio-culturais e esportivas internas e externas, espaço de convivência, grupos de família, visitas domiciliares quando necessárias, assim como os atendimentos individuais de acordo com a necessidade de cada caso, além das atividades de rotina. O quadro de pessoal previsto para o atendimento de 40 pacientes/dia, num período de 12 horas/dia, seria constituído por 6 psiquiatras, 4 psicólogos, 4 terapeutas ocupacionais, 2 assistentes sociais, 2 enfermeiros, 4 auxiliares de enfermagem e 1 auxiliar de farmácia, assim como pessoal administrativo e de serviços gerais. Ainda de acordo com a normatização, estava prevista a contratação de supervisão para o acompanhamento das equipes de profissionais. 13 Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (1992), Normatização Técnica dos Serviços de Sáude Mental. São Paulo, Mimeo Diário Oficial do Município de 29/12/92, pgs

13 O Hospital-Dia do Campo Limpo: Operacionalizando o modelo De onde era que o Dito descobria a verdade dessas coisas? Ele estava quieto, pensando noutros assuntos de conversa, e de repente falava aquilo. De mesmo, de tudo, essa idéia consegue chegar em sua cabeça, Dito? Ele respondia que não. Que ele já sabia, mas não sabia antes que sabia. Guimarães Rosa Manuelzão e Miguilim A operacionalização do modelo no Campo Limpo foi marcada por duas ordens de determinações: as características do ambiente urbano em que se inseriu e as possibilidades e limitações concretas do espaço físico disponível para o trabalho. A equipe de profissionais foi obrigada a conviver com os limites que esta situação comportava, e foi desafiada a rever seus próprios referenciais de trabalho para responder de modo criativo ao contexto concreto com o qual se defrontava. Esta interação entre condições concretas e atitude da equipe de profissionais conferiu ao HD do Campo Limpo algumas características operacionais específicas e uma identidade própria. Do ponto de vista urbano, a região de Campo Limpo está situada na zona sul da cidade de São Paulo, que englobava dois Distritos Municipais de Saúde, comportando uma população de aproximadamente pessoas, segundo estimativas baseadas em dados do IBGE de É uma das regiões mais pobres da cidade, com alta concentração de favelas, alto índice de criminalidade, baixa oferta de oportunidades de emprego, e, de um modo geral, com poucos recursos comunitários sociais e de lazer. A característica mais marcante dos pacientes que acorrem ao atendimento no HD, provenientes desse ambiente de pobreza da periferia da grande metrópole que é São Paulo, é a marginalização. De um ponto de vista demográfico, eram em sua maioria jovens (de 18 a 30 anos), migrantes ou filhos de migrantes, a maioria com primeiro grau completo ou quase completo, alguns até com segundo grau incompleto, pouca qualificação profissional, pertencentes a famílias de baixa renda, habitando moradias precárias, com poucas condições de saneamento básico e higiene. Da perspectiva da disponibilidade de espaço físico, o Hospital-Dia do Campo Limpo foi instalado no mesmo edifício da UBS do Jardim Lídia, em área inicialmente prevista para a implantação de um posto de pronto atendimento (pequena unidade de atendimento a emergências). Houve necessidade de superação de dificuldades decorrentes de adaptações de um imóvel construído para outra finalidade, a começar por uma distribuição arquitetônica dos espaços que terminava por introduzir o paradoxo da falta de espaço concomitante com o desperdício dele. Era um espaço ao mesmo tempo adaptado e pobre, com dificuldades de circulação, poucos consultórios, com banheiros mal distribuídos já que seu uso ficava impossibilitado durante os trabalhos de grupo, e falta de salas de trabalho, obrigando à sua dupla utilização (sala de Terapia Ocupacional que, nos horários de refeições, era também Refeitório). Além disso, o expurgo e esterilização da UBS estavam situados dentro do espaço do HD, o que implicava em risco de contaminação e em diversos incômodos cotidianos. Mas a conseqüência mais interessante foi o fato de que a implantação do HD em área contígua à da UBS contribuiu para a definição de uma característica que o diferenciou, a partir de seu espaço físico, dos demais HDs de São Paulo: a operação em regime de livre acesso, que o transformou num hospital de saúde mental de portas abertas. 13

14 Portas abertas é verdade, mas nem tanto assim. O limite físico (portas fechadas) não existia. No entanto, existia, na equipe, a constante tensão pelo controle dos pacientes, já que, na prática, ocorriam saídas não contratadas, que eram compreendidas como fugas. Havia o conflito entre concepções ideológicas opostas em relação à inserção social e ao tratamento do portador de transtorno mental que povoava, nesta época, o imaginário dos profissionais de saúde mental. Conflito esse que se expressava, nos seus extremos, através de uma postura tradicional e ainda hegemônica que concebe o tratamento em hospitais psiquiátricos com seus limites de contenção física e química, e, no pólo oposto, por uma postura libertária e revolucionária que defendia a incondicional cidadania do portador de transtorno mental e seu direito a determinar seu próprio destino. Para a maior parte dos membros de nossa equipe, profissionais vinculados a uma vertente democrática e popular, privilegiar a segunda postura, ainda que não estivéssemos totalmente de acordo com ela, e não aceitássemos integralmente suas últimas e mais radicais conseqüências, era um imperativo ético-ideológico. Esse conflito se concretizava no desafio da prática, na medida em que o paciente se fazia presente, impondo-se enquanto pessoa com seu sofrimento, com sua história, com seu contexto, e com sua patologia. Frente a esta realidade concreta, as idealizações teóricas, irremediavelmente, se dissolvem. Diante desse paciente, o terapeuta e a equipe terapêutica são chamados a se posicionar, não mais a partir de uma postura ideológica pré-concebida, mas como pessoas que se dispõe a um vínculo, a partir de uma competência específica, com o objetivo de percorrer um caminho em direção à superação do sofrimento que a patologia do paciente comporta para ele, para sua família e para as pessoas com as quais interage. Portanto, do ponto de vista da operacionalização do modelo, o HD de Campo Limpo significou uma experiência de reconstrução e de invenção quotidianas. Não só cada paciente se diferenciava do outro, como também, a cada diferente momento de sua vida pessoal ou do contexto institucional, esse mesmo paciente exigia da equipe uma maior adequação de conduta, para corresponder às suas necessidades concretas: tutelar e conter ou motivar, apoiar e incentivar sua autonomia, como pólos extremos de uma infinidade de matizes possíveis. A referência dessa adequação, como não podia deixar de ser, era clínica, nela incorporada a condição sócio-econômica e cultural do paciente: é a progressão do seu quadro psicopatológico que serve de critério para a avaliação da conduta terapêutica adotada. Do mesmo modo, era essa condição sócio-econômica e cultural do paciente que, eventualmente, agravava ou minimizava o efeito iatrogênico da conduta terapêutica adotada. Rede vincular Observamos, como característica comum à população atendida, uma intensa fragmentação das relações sociais, tanto do ponto de vista concreto (vínculos externos), quanto do ponto de vista de sua representação imaginária (vínculos internos). Do ponto de vista clínico, diante da desestruturação característica destes pacientes, coloca-se a todo momento a questão de causa e conseqüência: o transtorno mental pode ser entendido e interpretado como manifestação da questão social e econômica, ou, também, como causa fundamental da marginalização. Grosso modo, existem três perspectivas de conceber a questão vincular no transtorno mental. A abordagem por assim dizer sociológica, atribui aos fatores econômicos e sociais o papel primordial na desestruturação dos vínculos, sendo, então, a doença mental entendida 14

15 como resultante desse contexto. Em decorrência disso, a ênfase clínica recai sobre os vínculos externos. Na abordagem dessa mesma questão por algumas vertentes da psiquiatria e mesmo da psicanálise, a ênfase é dada às disfunções de adaptação do paciente. São os fatores congênitos ou os resultantes de falhas no processo evolutivo do indivíduo que o tornam incapaz de melhor se integrar nas relações sociais concretas. Por isso, a clínica se direciona, prioritariamente, ao indivíduo. Uma terceira abordagem procura superar este tipo de antinomia. É assim que a psicanálise operativa, proposta por Pichon-Rivière e Bleger, como uma das expressões dessa vertente, enfatiza a dramaticidade das relações cotidianas e integra tanto a dimensão interna quanto externa. É do ponto de vista dessa terceira vertente que entendemos o transtorno mental. O sujeito, atravessado pelas determinações tanto sociais quanto individuais, entra em sofrimento quando, na busca de solução para o conflito existencial de mútua adaptação entre suas necessidades e seu contexto concreto, formula um equívoco, manifesto pelo sintoma. A condição existencial de sujeito necessitado submete todo indivíduo a uma situação de conflito em suas relações com os outros e seu meio, porque necessidade pressupõe duas determinações diferentes e opostas: satisfação ou frustração. É no contexto de suas relações vinculares, com a dramaticidade que a satisfação ou a frustração de necessidades comporta, que se constituem as identidades, o mundo interno das pessoas. Esse mundo interno, na verdade, é uma rede de vínculos internalizada; ou seja, eu sou nós, como diz um provérbio africano. O conflito se transforma em transtorno mental em função do montante da ansiedade que mobiliza e da estrutura mental do sujeito, implicando numa estereotipia, numa paralisia do processo de aprendizagem e de adaptação ativa e criativa do sujeito em seu meio. Por isso, o sintoma psicótico ou neurótico nos remete, ao mesmo tempo, à inevitável frustração intrínseca à condição humana, à ansiedade como expressão psíquica dessa frustração, e à solução equivocada desse conflito. Quando a rede de vínculos internos não se estrutura adequadamente, a ansiedade acaba por contaminar toda a vida psíquica, comprometendo o relacionamento operativo com a realidade. Essa rede estruturada de vínculos internos se constrói, ao longo da vida, através das relações com os outros e o mundo. Começa na relação dual com a mãe - parte visível do triângulo pai-mãe-filho - como forma mais primitiva de interação entre o eu e o mundo e onde impera uma relação simbiótica (indiscriminação) que faz os elementos externos serem incorporados e fundidos ao eu, sendo a auto-referência um dos fenômenos característicos dessa fase. A presença significativa do pai na relação triangular interdita essa dualidade, abrindo a possibilidade para o processo de ampliação e generalização da rede vincular. A inclusão dos outros viabiliza a inserção do sujeito na cultura e na sociedade. No psicótico a relação dual permanece predominante, exacerbando a auto-referência e tornando particularmente doloroso e conflitivo o estabelecimento de vínculos. No tratamento dessas pessoas é imprescindível oferecer a possibilidade de incluí-las numa rede vincular estruturada, procurando romper a dualidade e mobilizando suas capacidades de criar, re-significar e re-instrumentalizar vínculos. 15

16 O atendimento em equipe concretizava essa nova rede vincular, sendo o atendimento em dupla a célula básica dessa reconstrução: começava no processo de admissão, mantinha-se na maioria dos grupos terapêuticos e no acompanhamento diário de cada paciente. O cotidiano do tratamento e a dupla de profissionais de referência O cotidiano do tratamento no HD se sustentava num processo psicodinâmico que instituía as bases da relação transferencial indispensável à tarefa terapêutica e fundamental para o seu prognóstico. Esse processo iniciava-se na relação da dupla de profissionais de referência com o paciente e familiares e, progressivamente, estendia-se às atividades terapêuticas e à instituição. O início da construção de uma rede de vínculos se dá em um ambiente acolhedor, porém com limites claros, e a entrevista inicial, ou triagem, conduzida pela dupla, era o início desse processo. Ao recepcionar o paciente e sua família a primeira sensação é de confusão: algo que foi negligenciado por muito tempo explodiu e agora procura um lugar onde possa ser contido, integrado e cuidado. A falta de nexo e o sofrimento da loucura assustam e amedrontam o paciente, sua família e a sociedade em geral, levando a um processo de retro-alimentação da rejeição, da ampliação do sofrimento e da marginalização. Na tentativa de dar um sentido para aquilo que não pode ser entendido, o paciente corre o risco de ser classificado como preguiçoso, vagabundo, simulador ou endemoniado. No paciente crônico, a desestruturação dos vínculos é, geralmente, maior e mais visível. Na maioria das vezes, sua família já está esgotada e sem esperança de encontrar uma solução para o problema, e, não raro, quer apenas encontrar um local definitivo para depositar seu doente e assim livrar-se do tormento que ele representa. O paciente de primeira crise está mais preservado, pois, em geral, os familiares estão ainda tentando entender o que aconteceu e com disposição para ajudá-lo. A dupla de profissionais, como representante da equipe, era a estrutura que melhor possibilitava entrar em contato com a loucura sem sucumbir a ela, tornando-se um fator de proteção tanto para o paciente, como para a equipe. As duplas garantiam uma maior possibilidade de contato, continência e avaliação do caso clínico, ao mesmo tempo em que fortaleciam a estrutura da equipe. Todo paciente que, em busca de atendimento, se aproxima de uma instituição de saúde mental, está em crise, e o sofrimento, comportado por ela, se irradia. Frente a isso, adscritos como estávamos ao papel profissional de auxílio, sentíamo-nos comprometidos, angustiados, compelidos a encontrar uma solução para as situações, tantas vezes paradoxais, com as quais nos confrontávamos. Foi na turbulência do envolvimento neste contexto que se evidenciou que o critério de primeira crise como prioridade para a admissão dos pacientes era absolutamente insuficiente para dar conta das situações com as quais nos defrontávamos. O critério de crise, proposto pelo modelo, foi mantido, porém ampliado. Importante era a avaliar os riscos e benefícios que nossa proposta de tratamento oferecia. O pressuposto básico era a convicção de que a situação de crise sempre comporta uma dupla dimensão: o lado destruído, fragmentado, resultante de um longo processo de adoecimento mental, e o lado da possibilidade de intervenção e de resgate, de resignificação e de reconstrução. Daí, uma postura de aceitação a priori da emergência da 16

17 loucura, e, de outro, uma atitude crítica de avaliação da adequação dos recursos de atendimento ao caso específico. Para tanto, estruturamos todo um processo de avaliação situacional através de entrevistas, em que primeiro atendíamos só o paciente, e, na seqüência, incluíamos os familiares, o que nos permitia delinear o campo das interações na família. Essa entrevista era conduzida por uma dupla de profissionais com o objetivo de acolher a situação de crise que se apresentava e avaliar o benefício possível do tratamento oferecido. Após esse contato inicial, a dupla de profissionais intercambiava impressões e avaliações sobre o caso, na busca de um consenso quanto aos custos e benefícios envolvidos pelos diversos riscos comportados para o paciente, para a família, para a sociedade e para o próprio HD. Era consenso da equipe que não incluiríamos pacientes com alto risco de agressão e suicídio, por entendermos que estes pacientes necessitavam de atenção por 24 horas/dia. Por outro lado, pacientes com pouco comprometimento psíquico também não eram incluídos pelo risco de estigmatização e de cronificação. Caso os dois profissionais entrassem em consenso quanto à aceitação ou não do caso, era feita, imediatamente, a entrevista devolutiva, iniciando-se o processo de contratação para o tratamento no HD, ou o encaminhamento do paciente para a unidade de assistência mais apropriada ao quadro constatado. Se o consenso não fosse obtido, eram marcadas outras entrevistas, e o caso era encaminhado para discussão com o restante da equipe, onde a decisão final quanto à aceitação ou não do paciente era tomada. O prognóstico do tratamento de um paciente depende, essencialmente, da adequação do contrato pelo qual ele e sua família se incluem num dado projeto terapêutico. Por isso esse contrato era individualizado, implicando no estabelecimento de referências possíveis, que viabilizassem a inclusão do paciente e de sua família nas atividades terapêuticas do HD. O parâmetro fundamental desse contrato era o da obtenção de comprometimento por parte do paciente e da família com a equipe do HD, tendo em vista o processo de tratamento. Assim, a admissão do paciente se dava através da construção do contrato entre o HD, a família e o próprio paciente. No contrato estabelecíamos objetivamente os parâmetros das relações entre as partes envolvidas, por exemplo: horário de permanência no HD; freqüência de comparecimento; necessidade e possibilidade ou não de acompanhante no trajeto de ida e vinda ao HD; administração da medicação no HD e em casa; participação nas atividades; alimentação do paciente; participação no grupo de família; emergências ocorridas fora do horário de funcionamento do HD; fuga; responsabilidades do HD, do paciente e da família; critério de abandono; visita domiciliar; término do contrato de tratamento no HD e posterior encaminhamento. Frente ao universo desorganizado e confuso da situação de crise e seu contundente sofrimento psíquico, o contrato tinha a função de ser um ponto claro e fixo ao qual recorríamos durante todo o tratamento, e, principalmente, de vital importância para enfrentarmos situações-limite. Ao longo do tratamento o contrato era adaptado às novas situações que surgiam. Os itens dos contratos relativos aos aspectos objetivos do enquadramento de cada caso eram comunicados para toda a equipe e pacientes e divulgados em um mural. Após a entrevista inicial, essa dupla de profissionais ficava como referência do paciente, não só para facilitar e favorecer a vinculação e integração dele e de sua família ao tratamento, mas também para se responsabilizar pela resolução dos problemas de sua adaptação e de adequação das práticas terapêuticas da equipe do HD ao seu caso específico. 17

18 Ao iniciar o tratamento o paciente era apresentado à equipe e aos outros pacientes, começando a convivência geralmente ao compartilhar o café da manhã. A grade de atividades seguia normas estabelecidas para toda a rede de HDs; como os grupos de reencontro, as assembléias e os grupos de finais de semana; e outras atividades que cada HD criava de acordo com as demandas de cada momento e com a experiência acumulada pela equipe. Com a prática, até as atividades pré-estabelecidas pela normatização foram sofrendo modificações de acordo com avaliações e disponibilidades da equipe. Portanto, essa grade era flexível e possibilitava uma dinâmica de adaptações às condições próprias de cada unidade. As atividades que desenvolvíamos no HD de Campo Limpo correspondiam a quatro categorias distintas: grupos terapêuticos (de início de semana, psicoterapia verbal, expressão gráfica, terapia ocupacional, orientação de família) grupos sócio-culturais e educativos internos (música, expressão corporal, cuidados pessoais, ateliê, oficinas de papel, costura e cozinha, horta, jornal, festas comemorativas de aniversários e datas festivas) atividades culturais e de lazer externas (passeios recreativos e visitas a instituições culturais) Atendimentos individuais das diversas categorias profissionais e acompanhamento medicamentoso. Ao lado disso, havia a convivência espontânea, decorrente do cotidiano operacional, que interpenetrava esses espaços estruturados. O que tornava a convivência especialmente importante era que possibilitava a modulação da transferência, ou seja, a relação terapêutica, antes de estar alicerçada apenas na possibilidade de regressão, estava fundamentada na capacidade dos pacientes cumprirem o contrato firmado com a instituição, isto é, naquilo que é sadio e adulto das relações dos pacientes e equipe terapêutica. O contrato, calcado na tarefa de tratamento, coloca a realidade no centro das relações, transpondo o compromisso individual para o plano do pacto coletivo. Isso possibilita a ampliação da capacidade terapêutica institucional, pois a função terapêutica é exercida no coletivo e de forma coletiva. Alta O termo alta, comumente usado na área da saúde que via de regra implica numa relação assimétrica, onde o profissional tem o privilégio de determinar o término do contrato, era também utilizado por nós, embora seja inadequado para denominar o que de fato ocorria. Por isso esse momento de desligamento do paciente merece reflexão. Todo contrato prevê seu próprio término e o contrato terapêutico do HD não era exceção. Assim, desde a entrada no HD, a saída, que chamávamos de alta, estava prevista. Uma particularidade do contrato era a internação em situação de crise que, superada, implicava em alta, sem que isso significasse cura. Na entrada do paciente, e em sua permanência no tratamento, a transferência com a instituição era incentivada, com o objetivo de torná-la depositária fiel das indiscriminações. A depositação das indiscriminações, fenômeno que ocorre usualmente na vida das pessoas, é indispensável para sociabilidade cotidiana. O psicótico tem maior dificuldade para 18

19 depositar o indiscriminado, ficando, portanto, imerso em angústia, o que exige da equipe terapêutica um esforço para incentivar esse processo. O desligamento do paciente só acontecia quando observávamos que os vínculos construídos durante o tratamento - vínculos tanto com seus conteúdos internos como com o outro - estavam bem mais íntegros e operantes. Paradoxalmente, era neste momento que começávamos a trabalhar para minimizar a transferência com o HD. A hipótese que permeava a avaliação de saída era que esta capacidade de vincularse, uma vez restabelecida, permitiria ao sujeito efetuar outras vinculações necessárias tanto para a continuidade do seu tratamento, como para a melhoria geral de sua qualidade de vida. A alta era um processo de saída e mais um momento terapêutico, que apostava na possibilidade de implicação do sujeito nas construções cotidianas, construções essas desenvolvidas, estimuladas e trabalhadas dentro do contexto da internação. Na saída a expectativa era que o sujeito tivesse se apropriado de seu processo de tratamento e, portanto, pudesse se responsabilizar e participar da negociação e decisões deste momento. Esse processo de saída que ocorria no HD implicava a equipe, o paciente e sua família. Pressupunha, de um lado, o desligamento gradual do paciente da instituição, e, de outro, sua inserção em uma unidade básica de referência e/ou em outros recursos comunitários disponíveis, onde pudesse continuar obtendo o apoio necessário ao desenvolvimento de uma vida autônoma e produtiva. Simbolicamente esse processo poderia ser representado por uma ponte, que permitiria a ligação entre o conhecido e o desconhecido e entre a capacidade e a possibilidade. Essa travessia, via de regra, conseguíamos efetuar com relativa tranqüilidade. No entanto, o momento do término do contrato e interrupção dos vínculos cotidianos engendrava um conflito, pois a psicose demanda determinadas especificações que não víamos respondidas no HD nem em outros serviços da rede de saúde mental, que, por serem serviços de saúde, priorizavam o tratamento clínico, mas a remissão ou atenuação dos sintomas não é suficiente para provocar a reintegração da pessoa à sociedade. Acreditamos que a principal via para a integração social é o trabalho e que o portador de transtorno mental necessita de condições especiais para trilhar esse caminho, isto é, de outras pontes que viabilizem a ocupação desse lugar social por essas pessoas. 6. Avaliação da Experiência Ah, mas falo falso. O senhor sente? Desmente? Eu desminto. Contar é muito dificultoso. Não pelos anos que se já passaram. Mas pela astúcia que têm certas coisas passadas de fazer balancê, de se remexerem dos lugares. Guimarães Rosa Grande Sertão: Veredas Avaliar a experiência é tentar lançar para o passado um impossível olhar objetivo, ainda mais quando essa experiência foi abruptamente interrompida, como foi nosso caso. As lembranças se misturam com a nostalgia, saudade de um tempo em que éramos felizes e não sabíamos, frase muito citada pelos membros da equipe após sua pulverização decorrente da implantação do PAS. 19

20 Hoje percebemos que esse éramos felizes se refere basicamente a ter pertencido a uma equipe coesa, que via no trabalho em equipe a possibilidade de dar o salto qualitativo que o tratamento de psicóticos demanda. Nossas divergências eram abertamente discutidas à procura de soluções que contemplassem minimamente as diversas posições manifestadas, já que a unanimidade nem sempre é possível. Isso possibilitava que no relacionamento com os pacientes nos sentíssemos à vontade para agir da forma que achássemos mais conveniente no momento, pois tínhamos certeza que seríamos respeitados pela equipe, mesmo que posteriormente nos convencêssemos que outras atitudes poderiam ter sido mais adequadas. Isso se transformava em matéria de aprendizado e não de retaliação. Nesta avaliação, é importante lembrarmos que o objetivo primordial do modelo de atenção à saúde mental que criou os HD era propiciar alternativas às internações em hospitais psiquiátricos fechados, oferecendo tratamento adequado às necessidades singulares do sofrimento psíquico do portador de transtorno mental, em internação aberta. Sendo assim, podemos dizer, via de regra, que obtivemos êxito, tanto no que se refere a pacientes crônicos, quanto a agudos. No caso dos pacientes crônicos, uma longa história de internações em hospitais psiquiátricos fechados foi interrompida, e esse caminho tornou-se desnecessário para os pacientes de primeiros surtos. Nessa perspectiva, a questão de crônico e agudo se dilui. Apesar dos êxitos, enfrentamos muitas dificuldades, sendo duas as mais dramáticas: o encaminhamento para continuidade de tratamento dos pacientes após a alta e a inserção ou reinserção social e econômica. No modelo de atenção à saúde mental em que estávamos inseridos, após a alta do HD o paciente deveria ser encaminhado para uma UBS, que deveria ter uma equipe mínima para atender essa demanda, isto é, psiquiatra, psicólogo, terapeuta ocupacional e assistente social. Na gestão de Luíza Erundina essas equipes mínimas até existiam, mas nem sempre estavam devidamente preparadas para receber nossos pacientes. No período, esse problema era minimizado pela existência das plenárias de saúde mental da região, que aconteciam mensalmente, onde a busca de soluções para os problemas era coletiva. Com a mudança de gestão, as plenárias deixaram de acontecer e o isolamento das equipes dificultou ainda mais o trabalho. Um grande número de pacientes, ao sair de alta do HD, tinha dificuldade de aderir a outros serviços, porém, como o modelo não foi totalmente consolidado, é difícil avaliarmos a causa dessa dificuldade. Quanto ao problema da exclusão social e econômica de nossos pacientes, algo que nos inquietava muito, concluímos que seria preciso criar mecanismos que possibilitassem capacitação profissional, para que fossem re-inseridos na sociedade. O primeiro passo nesse sentido, ainda que rudimentar, foi a criação, dentro do HD, de duas oficinas de trabalho: oficina de papel reciclado e oficina de costura. Essas oficinas eram destinadas não só aos pacientes que ainda estavam em tratamento no HD, como também àqueles que já haviam obtido alta. Uma parte do dinheiro arrecadado com a venda dos produtos era reinvestida nas oficinas e o restante era distribuído entre os participantes, de acordo com suas freqüências nas atividades. Essa experiência, embora estimulante, mostrou-se por demais limitada. Não tínhamos capital para investir em tecnologia, o que agregaria valor aos nossos produtos, nem condições de contratar mão-de-obra especializada para nos auxiliar na criação de 20

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

LUTA ANTIMANICOMIAL. Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva

LUTA ANTIMANICOMIAL. Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva LUTA ANTIMANICOMIAL Tiago Luiz Pereira - Esp. Saúde Mental Coletiva Durante o Século XVIII, a partir das postulações de Descartes, a percepção sobre o funcionamento do corpo humano como o de uma máquina

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização-

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Prof. Dr. William Dunningham FMB UFBA PRM Psiquiatria HJM/SESAB-SUS Dados sobre a Saúde Mental

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 A REFORMA PSIQUIATRICA E A (DES) ATENÇÃO A FAMÍLIA CUIDADORA Diuslene Rodrigues Fabris 1 RESUMO: O artigo visa proporcionar uma aproximação acerca da realidade socialmente construída no que diz respeito

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Aparecida Moreno Panhossi da Silva 1 A construção da Reforma Psiquiátrica representa um movimento em busca de uma prática de assistencia

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

História da Psiquiatria

História da Psiquiatria Saúde Mental História da Psiquiatria Na Europa, até o século XVIII,os hospitais não possuíam finalidade médica. Eram instituições filantrópicas destinadas a abrigar os indivíduos considerados indesejáveis

Leia mais

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA.

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. Josiane F. Lozigia Carrapato 1 Sueli Cavicchioli Azevedo 2 INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA A Saúde Mental vem

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 O Serviço Social brasileiro, na perspectiva do projeto éticopolítico hegemônico desde os anos 90: A) absorve as expressões da pós modernidade, revalorizando as dimensões

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Deyse Paula de Almeida Silva Juliana de Fátima Faria Patrícia Vilse Luzetti Vânia Oliveira Burocco Ana

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO MARIA LUISA SANDOVAL SCHMIDT Universidade de São Paulo As relações entre saúde mental e atenção básica em saúde tornam-se objeto de elaboração teórica

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores

Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores Srs Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores A primeira classe hospitalar do Brasil foi inaugurada em 1950, no Hospital Jesus, levando na época ânimo, esperança e novas possibilidades para os

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica

Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica Saúde mental: acompanhamentos terapêuticos, reabilitação psicossocial e clínica Palestra apresentada no XII Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional e IX Congresso Latino Americano de Terapia Ocupacional,

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

ATENAS CURSOS CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

ATENAS CURSOS CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENAS CURSOS CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E AS LIMITAÇÕES NA APRENDIZAGEM ACADÊMICA: OLGANI DE MORAES LOSS CURSO: CAPACITAÇÃO EM AEE PROFESSOR: SIRIO

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS Partindo do ponto de que a saúde mental está vivendo, há alguns anos,

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

Política Nacional de Humanização. Documento base para Gestores e Trabalhadores do SUS

Política Nacional de Humanização. Documento base para Gestores e Trabalhadores do SUS Política Nacional de Humanização SUS Documento base para Gestores e Trabalhadores do SUS SUS Brasília janeiro/2004 SUS Sumário Apresentação Marco teórico-político - Avanços e desafios do SUS - A Humanização

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO. PROF: Karin Scheffel

PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO. PROF: Karin Scheffel PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO PROF: Karin Scheffel PSIQUIATRIA E SAUDE MENTAL CONTEXTO HISTÓRICO O que é loucura? O que é Psiquiatria? O que é Saúde Mental? Loucura Alienação Doença Mental

Leia mais

DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA

DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA 4º Congresso Internacional dos Hospitais ENQUADRAMENTO HISTÓRICO Durante séculos a doença

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

Artigo 1º - A duração do trabalho do Psicólogo, nas instituições públicas estaduais paulistas, passa a ser de 30 (trinta) horas semanais.

Artigo 1º - A duração do trabalho do Psicólogo, nas instituições públicas estaduais paulistas, passa a ser de 30 (trinta) horas semanais. PROJETO DE LEI Nº 181, DE 2015 Propõe nova jornada de trabalho para o cargo de Psicólogo nas instituições públicas estaduais paulistas. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais