TERAPIA NUTRICIONAL na. Nutricionista CRN SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERAPIA NUTRICIONAL na. Nutricionista CRN 2729 -SP contato@denisecarreiro.com.br www.denisecarreiro.com.br"

Transcrição

1 TERAPIA NUTRICIONAL na ALERGIA ALIMENTAR Drª Denise Madi Carreiro Nutricionista CRN SP História da Alergia Alimentar Hipócrates, o pai da medicina, que viveu na Grécia háh 2400 anos atrás, afirmava que as doenças originavam-se da natureza e por ela poderiam ser curadas, através s do equilíbrio com o meio ambiente, os alimentos ingeridos e com a paz de espírito. "Para mim parece que ninguém teria procurado por remédios, uma vez que o mesmo tipo de dieta tinha servido o homem na saúde e na doença" "Deixe sua comida ser seu remédio e seu remédio ser sua comida" Na mesma época Lucrecius escreveu: "O que é comida para um, é para outros amargo veneno" 1

2 Moses Maimonides ( ) disse: "Nenhuma doença a qual possa ser tratada por dieta, poderá ser tratada por algum outro meio". Em Francis Hare,, médico m Australiano descreveu vários v aspectos de alergia alimentar, incluindo alcoolismo, obesidade e adicção alimentar. Definição original de Alergia (1906): Qualquer reação alterada a uma substância normalmente inofensiva. Dr. Arthur Coca Formulou o conceito de hipersensibilidade e usou a palavra "Atopia",, para descrever reações mediadas por antígenos e anticorpos. Em 1930 Coca publicou o livro "The" Pulse Test" " no qual descreve que o pulso de 1 pessoa exposta a um alérgeno aumenta de freqüência. 2

3 Reações Adversas aos Alimentos (RAA) É a denominação empregada para qualquer reação anormal à ingestão de alimentos ou aditivos alimentares, independente de sua causa. São classificadas em: tóxicas t e não tóxicas. t As reações não tóxicas t são aquelas que dependem de uma susceptibilidade individual e podem ser classificadas em imuno-mediadas mediadas (alergia alimentar) e não imuno-mediadas mediadas (intolerância alimentar). Há várias interpretações na identificação de alergias e intolerâncias alimentares. Alergia Alimentar (AA) é a denominação utilizada para as RAA, que envolvem mecanismos imunológicos gicos,, resultando em grande variabilidade de manifestações clínicas. Intolerâncias alimentares,, como por exemplo, na intolerância à lactose, serão desencadeados sintomas pela incapacidade de se digerir a lactose l (por falta da enzima lactase), ocorrendo a fermentação da lactose dando sintomas como formação de gases, cólicas, c estufamentos,, dores intestinais, mau hálito h e até diarréia, ia, porém, não houve intermediação do sistema imunológico Desenvolvimento das alergias alimentares Tóxicas Independem da suscetibilidade individual Intolerâncias: não mediadas pelo S. Imune Intolerância à lactose Distúrbios de Destoxificação Reações a aditivos químicos Reações Adversas aos Alimentos Não Tóxicas Alergias: mediadas pelo S. Imune A resposta imunológica do organismo contra determinado antígeno, depende de uma série s de fatores, tais como: Predisposição genética Tipo de antígeno, dose e porta de entrada Competência do sistema imune Integridade orgânica funcional Equilíbrio nutricional Resposta celular Resposta humoral anticorpos Macrófagos Células T citotóxicas IgA IgD IgE IgG IgM 1 a 2% das A.A. Reação histamínica Imediata, IgE Mecanismos de hipersensibilidade Gel e Coombs tipo: I, II, III e IV Reação tardia Inflamatória IgG, IgM e C 3

4 Deficiência de Lactase (ou de outras dissacaridases) Asma Eczema Infecções recorrentes de ouvido. Dor de cabeça Fadiga Deterioração da função pancreática. Diminuição do ph ácido do estômago Supercrescimento de bactérias e fungos Parasitas Disbiose intestinal Diarréia Cãimbras Gases Inchaço Acentuação do fen.. Autoimune Alteração dos níveis hormonais Irritação das Cel. Epiteliais da mucosa. Aumento da estimulação do sistema imune. Alteração da permeabilidade int. / MáM absorção de nutrientes. Sobrecarga dos mecanismos de destoxificação do figado. Aumento de toxinas paro o figado. Alergias Alimentares SISTEMA IMUNOLÓGICO A imunologia é o estudo da imunidade em sua acepção mais ampla, ou seja, dos eventos celulares e moleculares que ocorrem depois que o organismo encontra microorganismos e outras moléculas estranhas. As células c e moléculas responsáveis pela imunidade formam o sistema imunológico. A resposta coletiva e coordenada à introdução de substâncias estranhas é chamada de resposta imunológica. A capacidade do organismo resistir às agressões dos agentes biológicos e de toxinas é chamada de IMUNIDADE. 4

5 Os sistemas biológicos estão sujeitos a controles reguladores complexos. O sistema imune não é uma exceção. A alteração do sistema imunológico é muito mais uma consequência dos desequilíbrios nutricionais e ambientais, do que a causa. Porém, a partir do momento que o mesmo for desequilibrado, predispõe o organismo a ação a de agressores e pode desencadear vários v desequilíbrios físicos, f mentais e emocionais. As barreiras limítrofes do organismo humano se constituem por órgãos externos e internos, como a pele, as diversas mucosas, o sistema respiratório rio e o trato digestivo. Para a nossa proteção também m contamos com a capacidade de eliminar substâncias produzidas no organismo que não serão mais necessárias, assim como as substâncias tóxicas t xicas em geral que entraram no nosso organismo; todas as nossas células c conseguem eliminar toxinas, porém, 60% dessa eliminação é feita por células c do fígado. A eficácia cia desta proteção é alta! SISTEMA IMUNOLÓGICO Competência do sistema imune O Sistema Imunológico é composto por um conjunto de células, c órgãos e estruturas especializadas e não especializadas, cuja função é identificar, destruir e eliminar invasores estranhos antes que qualquer mal seja feito ao organismo. DEFESA ORGÂNICA - Barreira física: f Pele - Barreira de defesa inicial não imunológica - Barreira de defesa inicial imunológica inespecífica - Defesa imunológica específica 5

6 Componentes do SISTEMA IMUNOLÓGICO MEDULA Célula Tronco Hematopoiética Pluripotencial Célula Tronco Linfóide Célula Tronco Mielóide Linfócito B Natural Killer TIMO Eritrócitos Neutrófilos Monócitos Eosinófilos Basófilos Megaca riócitos Plasmócitos CD 4 CD 8 Macrófagos Mastócitos Plaquetas Anticorpos TH 9 TH 1 TH 2 T Citotóxica T Supressora Sistema do complemento TH 17 TH 3 ALERGIA ALIMENTAR Níveis adequados de IgA Secretor O primeiro elemento de defesa do sistema imunológico, ainda na superfície mucosa, é a Imunoglobulina A (IgA). Esta possui a capacidade de ligação com antígenos inalados ou ingeridos, impedindo-os os de ser absorvidos e expondo-os os a enzimas na superfície mucosa, que, por sua vez, realizam clivagem bacteriana ou neutralização de microorganismos e toxinas. siga siga siga siga siga siga siga Superfície mucosa intestinal (integra) 6

7 ALERGIA ALIMENTAR Niveis baixos de IgA Secretor Macromoléculas culas de alimentos e de ingestantes ligadas às IgAs,, sob ação a enzimática, são subdivididas em moléculas menores, possibilitando sua absorção, sem o risco de desencadearem reações alérgicas. siga siga siga Superfície mucosa intestinal (alterada) ALERGIA ALIMENTAR Normalmente, a exposição a antígenos através s da via entérica resulta em uma resposta local, mediada por IgAs e na supressão das respostas imunes mediadas por IgGs e IgEs.. Esta supressão decorre, principalmente, da produção de células c T supressoras específicas (entre outros mecanismos imunológicos) que levam à diminuição da capacidade de estimulação da resposta imunológica, tanto localmente, como em órgãos distantes do intestino. Deste modo, o material antigênico absorvido por via entérica não produz respostas imunes prejudiciais (reações alérgicas) e, conseqüentemente, entemente, somos capazes de nos alimentar, sem que ocorram reações indesejáveis. Este fenômeno de supressão imunológica produzido por antígenos ingeridos é denominado de Tolerância Oral. 7

8 INTRODUÇÃO PRECOCE DE ALIMENTOS E O DESENCADEAMENTO DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS IMATURIDADE DO SISTEMA IMUNOLÓGICO MUCOSA INTESTINAL COM ALTERAÇÃO DE PERMEABILIDADE MICROBIOTA INTESTINAL EM FORMAÇÃO INADEQUAÇÃO DE IgA TOLERÂNCIA ORAL AOS ALIMENTOS PRODUÇÃO INSUFICIENTE DE ENZIMAS DIGESTIVAS INADEQUAÇÃO DO SUCO GÁSTRICO IMATURIDADE RENAL TODOS ESSES FATORES SÃO NATURALMENTE CONTROLADOS COM O ALEITAMENTO MATERNO ADEQUADO. Permeabilidade intestinal alterada; Sistema imunológico imaturo; Baixa quantidade de IgA; Microbiota em formação; Predisposição genética; Introdução precoce de proteínas de difícil digestão. Inflamação da mucosa intestinal levando à má absorção de nutrientes e passagem de macromoléculas culas para a corrente sanguínea; nea; Sobrecarga imunológica e hepática, com carência de nutrientes necessários para formação e modulação do sistema imunológico e para a destoxificação orgânica; Formação de anticorpos de memória. Doenças Crônicas Não Transmissíveis Desencadeamento de processos inflamatórios e, por consequência,, utilização de antibióticos, ticos, antiinflamatórios, antialérgicos, ranitidina,, digestivos, cortisona para controle dos sintomas apresentados, levando a: desequilíbrio da microbiota intestinal (com prevalência de fungos e microbiota patogênica), carência nutricional para a formação de: ácido clorídrico, enzimas digestivas, células c imunológicas, hormônios, neurotransmissores, formação dos enterócitos, das enzimas hepáticas e antioxidantes; 8

9 ALERGIA ALIMENTAR Além m da IgA ser responsável pela barreira imunológica primária ria na parede intestinal, dificultando a penetração dos antígenos, esta imunoglobulina também m exerce um importante papel na neutralização intramucosa de microorganismo e excreção de antígenos. Pode-se ressaltar entre suas ações: neutralização de toxinas, bactérias e vírus, v impedindo a fixação dos mesmos às s células c do intestino (enterócitos) e a formação de complexos de elevado peso molecular, com diversos tipos de proteínas (alimentares ou não), impedindo sua absorção. Quando estas defesas não são suficientes e estes antígenos passam para a corrente sangüí üínea, ainda existem defesas imunológicas inespecíficas compostas por glóbulos brancos que têm a função de fagocitar os invasores que,, em conjunto com o sistema monocítico fagocitário e linfático tico, vão limpar o sangue destas substâncias estranhas, sejam elas quais for, preferencialmente sem causar danos ao organismo. ALERGIA ALIMENTAR Se houver sobrecarga dos antígenos no sangue e estas primeiras defesas não derem conta, outros tipos de glóbulos brancos entram em açãoa e atuam por diversas formas, sendo diretamente contra o invasor (fagocitose) e/ ou produzindo anticorpos específicos (imunoglobulinas) contra os mesmos, desencadeando reações que causarão a liberação de substâncias pró-inflamat inflamatórias, estresse oxidativo e a produção de substâncias químicas (histaminas e outros autacóides) para combatê-los. São essas reações intensas e freqüentes entes que provocarão alterações funcionais em órgãos-alvo mais sensíveis, podendo causar reações imediatas, alergias, ou reações tardias que são as chamadas hipersensibilidades alimentares, alergias escondidas, alergias tardias ou alergias irreconhecidas. 9

10 ALERGIA ALIMENTAR Segundo a classificação de Gell e Coombs,, existem quatro mecanismos de hipersensibilidade dos tipos I, II, III e IV. Nas alergias alimentares e por ingestantes existe uma participação mais ampla dos mecanismos do tipo I e III, assim como háh muitas evidências da existência de hipersensibilidade simultânea mediada por IgEs e IgGs. REAÇÃO DE HIPERSENSIBILIDADE DO TIPO I: Imediata e mediada por IgE (ação histamínica) A reação do tipo I é imediata, podendo surgir dentro de minutos até oito horas após s a exposição ao alérgeno. Os sintomas que se sucedem ao contato com os alérgenos variam de rapidez, intensidade e gravidade, na dependência do estado de sensibilização individual, da quantidade de exposição ão alergênica e das ações a farmacodinâmicas produzidas pela liberação de histamina e de outros autacóides. As alergias respiratórias rias de etiologia inalatória (98%) pertecem essencialmente a este grupo, assim como 1 a 2% das alergias alimentares. ALERGIA ALIMENTAR Os antígenos penetram no organismo através s das vias digestiva e respiratória, ria, vencendo suas barreiras mucosas ou, diretamente através s da pele (picadas, ferroadas e injeções), sendo fagocitados pelos macrófagos ou por outras células apresentadoras de antígenos. Ativam os linfócitos B que passam a produzir imunoglobulinas E (IgEs)) que vão, paulatinamente, fixar-se a mastócitos e a basófilos por todo o organismo, aumentando o nível n de resposta antigênica, ou melhor, criando um estado de sensibilidade crescente (é( necessária predisposição genética). Em conseqüência a posteriores e sucessivos contatos alergênicos, ocorre um aumento de mastócitos e basófilos sensibilizados pelas IgEs,, bem como de sua quantidade no sangue, o que levará à ruptura do limiar teórico que divide as fases subclínica e clínica das doenças alérgicas, denominado de Limiar Baixo de Hipersensibilidade. A maior ou menor gravidade dos quadros alérgicos passará a ser decorrente da qualidade (tipo ou especificidade) e da quantidade (diminuta e repetida) dos contatos alergênicos posteriores, assim como do órgão ou aparelho sensibilizado. 10

11 ALERGIA ALIMENTAR Desses contatos repetidos com os antígenos, ocorre a degranulação de mastócitos e/ou basófilos que liberam, nas fases iniciais de sensibilização, histamina e outros mediadores farmacodinâmicos, em quantidades insuficientes para gerar sintomas (período subclínico). Após s um período individual e variável vel de exposição aos alérgenos, inicia-se a fase clínica da doença, com liberação de autacóides (histamina, cininas) ) em quantidades suficientes à gênese dos sintomas. ALERGIA ALIMENTAR A reação do tipo I, obedece sempre a um mesmo mecanismo, porém, os diversos quadros alérgicos podem ser desencadeados, na dependência do órgão de choque atingido ou da quantidade e da qualidade de mediadores químicos liberados. Exemplo: A IgE, quando formada, sensibiliza mastócitos da mucosa e a subseqüente ente interação com o antígeno produz liberação de histamina e de outros mediadores da inflamação: -Se esta reação tem lugar na mucosa da árvore respiratória ria ocorre: Prurido, vasodilatação e edema, estimulação de glândulas mucóides e contração da musculatura lisa dos brônquios. -Se Se a reação tem lugar na mucosa do aparelho digestivo, ocorre: Edema, vasodilatação e aumento da permeabilidade vascular. 11

12 ALERGIA ALIMENTAR REAÇÃO DE HIPERSENSIBILIDADE DO TIPO III: Tardia: Por imunocomplexos (IgGs( IgGs, IgMs e C ) C Neste grupo de doenças desencadeadas por macromoléculas, culas, háh a formação dos imunocomplexos ( Ag( Ac ) ) que são agregados instáveis, formados pela associação entre antígenos e anticorpos em vários v estados de equilíbrio, dependentes de seu peso molecular e de sua concentração relativa no sangue e nos tecidos. Em condições normais, os imunocomplexos são removidos pelo Sistema Monocítico Fagocitário; porém, m, quando presentes em grande quantidade, são capazes de desencadear reações alérgicas pelos dois mecanismos: ação a tóxica primária ria e ação a mecânica. Os imunocomplexos pequenos e médios, m com duas ou mais moléculas de anticorpos são circulantes, solúveis e primariamente tóxicos. t Os imunocomplexos grandes não são tóxicos, t mas são pesados e por serem insolúveis, precipitam, atuando por obstrução mecânica. Dependendo das áreas do organismo por onde os imunocomplexos circulem (tóxicos) ou obstruam (precipitem), teremos quadros clínicos diversos. A patologia depende, portanto, da atuação direta destes imunocomplexos, ligada à ação conjunta da Ativação ão do Sistema Complemento e do estímulo direto de substâncias liberadas por basófilos, neutrófilos, linfócitos e plaquetas (enzimas que produzem danos tissulares). ALERGIA ALIMENTAR Ação Tóxica T Primária ria A ação a tóxica t dos imunocomplexos varia de acordo com sua localização e, deste modo, agem na parede vascular, interna e externamente. -Na parede e fora do vaso: Ao circular, o imunocomplexo irrita o endotélio vascular causando a endoteliose.. Ao atravessar o endotélio, o imunocomplexo atinge a membrana basal, produzindo espessamento e degeneração hialina. Outras camadas também m podem ser lesadas, ocorrendo necrose da parede vascular e degeneração fibrinóide ide.. Os imunocomplexos possuem ainda, ação quimiotáxica para polimorfonucleares,, sobretudo para neutrófilos que são atraídos para os locais de reação, fagocitam imunocomplexos, são destruídos dos pelos mesmos e ao se romperem, liberam enzimas proteolíticas ticas que causam intensa reação inflamatória no local. 12

13 ALERGIA ALIMENTAR -Dentro do vaso O imunocomplexo (principalmente pela ativação do C`), libera histamina e diversas outras substâncias farmacologicamente ativas (autacóides), ativa proteases, hidrolases e fibrinolisinas.. Torna hemácias e plaquetas aderentes, de modo a formar grumos que obstruem capilares. A ação a de substâncias vasoativas produzidas por basófilos, neutrófilos, linfócitos e plaquetas é acompanhada pela liberação de uma série s de enzimas produzidas pelos eosinófilos, que provocam, em associação com as anteriores, retração do endotélio vascular, seguida por extravasamento de líquidos l e de outros agentes inflamatórios. A inflamação resultante representa o auge da reação do tipo III. Este processo fisiopatológico básico b (inflamação) é responsável pela sintomatologia que varia dentro de amplos limites, dependendo do órgão afetado. ALERGIA ALIMENTAR Ação Mecânica (Insolúveis) Os complexos antígeno geno-anticorpo insolúveis (gigantes) provocam lesão por um outro mecanismo: o mecânico ou obstrutivo. Esta ação a é decorrente do tamanho e do peso molecular dos imunocomplexos, cuja precipitação obstrui capilares (microtrombos( microtrombos) ) e causa fenômenos isquêmicos. É muito difícil separarmos a ação a puramente tóxica t da mecânica, ocorrendo quase sempre simultaneidade (interpenetração) destas ações. a 13

14 ALERGIA ALIMENTAR Para uma melhor compreensão do desenvolvimento dos sintomas, usaremos cinco zonas de formação dos imunocomplexos. Ac (anticorpos) e Ag (antígenos) ZONA 1 AgAgAg - Ac ZONA 2 AgAgAg - AcAc com excessode antígenos e poucos anticorpos zona de interpenetração ZONA 3 AgAgAg - AcAcAc zona de equivalência molecular (patogenia) ZONA 4 AgAg ZONA 5 Ag - AcAcAc zona de interpenetração - AcAcAc c/ excesso de anticorpos e poucos antígenos Zonas 1 e 5 : livres de reação Zonas 2 e 4 : são limítrofes e passíveis de desencadear sintomas Zona 3 : Ponto Máximo M de Reação Zona de patogenia ALERGIA ALIMENTAR Este processo é dinâmico e como as quantidades de antígenos ou de anticorpos são relativas, se uma nova carga de alérgenos entrar no organismo, novos complexos irão se formar, devido à nova síntese de anticorpos e assim sucessivamente. As manifestações clínicas são cíclicas c clicas e variam em tempo, intensidade e gravidade, mesmo quando desencadeadas por um mesmo alérgeno. O estado de equivalência molecular é o maior causador dos sintomas e, como os complexos requerem algum tempo para serem formados, essa é mais uma explicação para o início tardio da sintomatologia mediada por IgGs. 14

15 ALERGIA ALIMENTAR Embora a classificação de Gell e Coombs constitui um sistema prático para a compreensão dos mecanismos imunológicos, estas reações nem sempre ocorrem isoladamente, podendo haver a co-participa participação ou simultaneidade de mais de um tipo e, as reações dos tipos I e III freqüentemente entemente podem coexistir. Quando isto ocorre, geralmente à reação do Tipo I (ação histamínica), segue- se a reação do Tipo III (inflamatória por excelência), responsáveis em conjunto, por um grupo de manifestações clínicas ainda pouco estudadas pelo ângulo imunológico e confundidas com outras doenças e sintomatologias, sendo portanto tratadas de maneira incorreta. Estes mecanismos provocam uma gama de sintomas, muitas vezes de difícil diagnóstico clínico. A coexistência dos mecanismos de hipersensibilidade é uma descoberta muito recente e explica uma imensa quantidade de patologias alérgicas de respostas tardias. ALERGIA ALIMENTAR A Coexistência das Reações de Hipersensibilidade é um mecanismo lógico l e esperado, jáj que no organismo não existem limites ou individualizações, como comumente teorizados, mas sim, uma comunhão de reações ocorrendo simultaneamente, uma vez que estamos expostos a todo instante, a uma grande diversidade de antígenos. Desde que um indivíduo duo seja sensibilizado, ou seja, desenvolva anticorpos contra inalantes, ingestantes e alimentos, como conseqüência, pode ocorrer a produção, subseqüente ente ou simultânea, de IgEs e IgGs específicas, contra o mesmo antígeno, assim como célula c T citotóxica xica. Uma vez que o organismo inicie a produção de IgG, ela logo passará a ser o anticorpo predominante no soro, bloqueando a detecção de qualquer IgE específica coexistente pelo processo de inibição competitiva. Portanto, é importante frisar que a IgE não detectável no soro continua participando da reação. 15

16 Mediadores da Alergia e Hipersensibilidade a Alimentos IgE Reação imediata (clássica) de minutos até 8 horas do contato com o antígeno. 11 a 2% das alergias alimentares Ação histamínica Fixa Reintrodução muito difícil Anticorpos IgE, ligados ao alimento evitado, decrescem significativamente em semanas. Os anticorpos reaparecem logo que o alimento seja consumido novamente. IgG Reação tardia (2-72 horas): por IgG, IgM e Sistema do complemento (C ) Diagnóstico difícil pelos sintomas Ação inflamatória Cíclica (de acordo com a exposição) Eliminação / Reintrodução / Rotação Anticorpos IgG, ligados ao alimento evitado, podem levar de 2 a 12 meses para decrescerem significativamente. Para que os níveis n de anticorpos retornem aos níveis n anteriores, o alimento tem que ser ingerido, freqüentemente entemente por semanas ou meses. Reações Adversas ao Glúten Reações Adversas ao Gluten Não Mediadas pelo S. Imune Mediadas pelo S. Imune Formação de exorfinas: Gluteomorfinas ou Gliadomorfinas Desequilíbrios Nutricionais Mediada por IgE Reação imediata/ Histamínica Tipo I Gell e Combs Qualitativa Mediada por IgG, IgM e Sistema do Complemento Reações tardias/ inflamatórias Tipo III Gell e Combs Quantitativa Mediada por células c T Citotóxicas Reações tardias Tipo IV Gell e Combs Mimetismo Celular ou Molecular Relacionado a doenças auto imunes Doença a Celíaca (auto imune) 0,5 a 2% 16

17 SÍNTESE DOS ANTICORPOS Th 0 TGF$ + APC - IFNy IL-10 Th 1 Th 2 Tr Th 3 IFN( IL-4 IL-10 IL-13 TGF$ IgM IgD Linfócito B TGF$ 5 IFN( +IL-10 TGF$ TGF$ IL-4 +IL-10 +IL-13 VDJ M D G3 G1 A1 G2 G4 E A2 IgA1 IgG2 IgG3 IgG1 TGF$ +IL-10 IgA2 IgE IgG4 3 O balanço entre Th1/Th2 pode determinar se as respostas alérgicas alimentares serão mediadas por IgE, não mediadas por IgE ou uma combinação das duas. Existem vários fatores que afetam a diferenciação do linfócito T em Th1 ou Th2: idade, hereditariedade, órgão de choque envolvido, tipo de antígeno, TGF-beta, modulação das citocinas e microbiota probiótica. Na presença de citocinas como IFN-gama e IL-12 o linfócito T se diferenciará em Th1, enquanto que a estimulação das IL-4 e IL-5 produzirão Th2. As citocinas estimuladas por Th2 promovem a produção anticorpos (principalmente pela ação da IL-4) e a diferenciação e crescimento dos mastócitos. A IL-5 estimula os eosinófilos. As citocinas estimuladas por Th1 promovem a ativação da célula Tcitotóxica e ativação dos macrófagos (imunidade mediada por célula). As células T citotóxicas matam alvos infectados com grande precisão, poupando as células normais adjacentes. 17

18 O conhecimento do desenvolvimento e das funções das células T reguladoras (Tregs), entre elas a Th3, são importantes para o controle da resposta do sistema imune contra tumores e doenças infecciosas, bem como para a inibição do desenvolvimento de auto-imunidade e alergia. Assim, mecanismos reguladores defeituosos podem permitir a quebra da tolerância imune periférica seguida por inflamação crônica e doença. Células T reguladoras (Tregs( Tregs) As células c com função imunorreguladora apresentam como característica básica b a capacidade de produção de citocinas imunossupressoras, como IL-4, IL-10 e TGF-β.. Atuam em uma complexa rede de mecanismos reguladores destinados a assegurar a modulação das respostas imunológicas frente aos diversos antígenos provenientes de agentes infecciosos, tumores, aloantígenos genos, autoantígenos e alérgenos (alimentares e ambientais). As células c T reguladoras direcionam a resposta imune, controlando a magnitude da resposta imunológica e terminando-a a no tempo certo. A indução de células c Tregs naturais CD4+CD25+high pode facilitar o estabelecimento e a manutenção da tolerância imunológica. Células Tregs naturais CD4+CD25+high e outras células c reguladoras, parecem ter um papel-chave na manutenção da tolerância a antígenos endógenos e na regulação da resposta imune induzida por antígenos exógenos. 18

19 Células T reguladoras foram descritas inicialmente por Sakaguchi e colaboradores como células c T CD4+ CD25+. Cerca de 20 anos mais tarde, os grupos de Sakaguchi e Rudensky descreveram mais precisamente esta população pela expressão do fator de transcrição membro da família forkhead-winged helix - Foxp3, crucial no desenvolvimento desta linhagem. A observação que pacientes portadores da doença a fatal autoimune denominada síndrome s IPEX (immune( dysregulation, polyendocrinopathy, enteropathy, X-linked) não expressam a molécula funcional de Foxp3, ressalta a importância deste fator de transcrição como fundamental no desenvolvimento das Tregs. Células T reguladoras naturais, derivadas do timo, são selecionadas s com base na avidez pelo TCR/MHC, e expressam o fator de transcrição Foxp3, sendo fundamentais para a tolerância ao próprio prio ( self ). Na periferia, células T CD4 naive podem se converter em células c T CD4 Foxp3+ em resposta a antígenos endógenos e exógenos, as chamadas células c Treg induzida (itreg( itreg). TGF-ß é necessário para o desenvolvimento das células c Treg tanto no timo como na periferia. Por outro lado, TGF-ß também m pode promover o desenvolvimento de células c Th17 quando na presença a da citocina inflamatória IL-6. Um metabólito da vitamina A, o ácido retinóico ico é capaz de inibir a diferenciação de Th17, promovendo a diferenciação de Tregs. Além m do desenvolvimento de tolerância próprio, prio, um sistema imune funcional também m necessita desenvolver um estado tolerogênico a antígenos não próprios prios e não patogênicos, como os antígenos da dieta e da microbiota, nestes casos, células c Tregs são fundamentais. 19

20 Embora as ntreg (derivadas do timo e específicas para antígenos próprios) prios) possam suprimir a resposta de células c T efetoras de especificidade diferente, elas precisam ser ativadas pelo auto-ant antígeno cognato. Vários V trabalhos mostraram que células T naive CD4+Foxp3- podem ser convertidas em itreg na presença a de TGF-ß em resposta a antígenos próprios prios encontrados na periferia. As itreg são particularmente importantes na manutenção da tolerância a antígenos presentes no intestino, fonte constante de antígenos da microbiota. Para corroborar, vários v pesquisadores demonstraram que as itreg são preferencialmente induzidas na mucosa intestinal (linfonodos mesentéricos e lamina própria pria do intestino), quando comparados ao baço o e outros linfonodos periféricos. ricos. Nesse contexto, Lafaille e colaboradores, utilizando animais deficientes de ntreg,, mostraram que itreg convertidas na periferia são suficientes para mediar tolerância oral; animais que carregam uma mutação no gene de Foxp3 que os impede de expressar a proteína, e portanto não são capazes de gerar itreg,, não são capazes de se tornar tolerantes a antígenos administrados por via oral, sugerindo que as itreg não somente são suficientes mas também m cruciais para o desenvolvimento de tolerância oral. 20

21 Recentemente, vários v grupos mostraram que as itreg são preferencialmente induzidas por células c dendríticas presentes na mucosa (mas não no baço o e linfonodos periféricos) ricos) de maneira dependente de TGF-ß, reforçando que o intestino é um sítio s privilegiado para a indução de Tregs. Entre as DC presentes na mucosa (especialmente lamina própria pria e linfonodos mesentéricos) envolvidas na diferenciação de itreg, destacam-se se as DC CD103+ que são capazes de liberar ácido retinóico ico durante as fases iniciais de ativação. Além das dendríticas, alguns dados também m sugerem que macrófagos presentes na lamina própria pria também m são capazes de converter células T CD4 naive em células c T Foxp3+ de maneira dependente de IL-10, TGF-ß e ácido retinóico. ico. A produção abundante de TGF-ß e ácido retinóico ico na mucosa e a capacidade do ácido retinóico ico de promover a diferenciação de itreg de maneira dependente de TGF-ß pode estar relacionada à alta frequência de células c T Foxp3+ no intestino de animais saudáveis. Adicionalmente, o aparente efeito sinérgico de TGF-ß e ácido retinóico ico na supressão da resposta pró-inflamat inflamatória pode ser central para a indução de tolerância oral e, portanto, regulação da resposta imune de mucosa e sistêmica. A regulação das respostas imunes adaptativas é crucial para a manutenção da homeostase do sistema imune. Um sistema imune funcional deve fornecer proteção eficiente contra patógenos e células c autólogas transformadas e, ao mesmo tempo, ser capaz de ser tolerante aos autoantígenos genos. A perda da tolerância é um processo multifatorial do qual participam tanto fatores intrínsecos nsecos quanto extrínsecos. 21

22 Atualmente está claro que, após a estimulação antigênica, conforme o ambiente local de citocinas, os LT CD4+ naive se proliferam e se diferenciam em diferentes subtipos efetores com características próprias (Th1, Th2, Th3, TREG, Th17), determinadas pelo perfil de citocinas produzidas e pelas propriedades funcionais. O organismo está sendo cada vez mais exposto a uma grande diversidade de antígenos alimentares (macromoléculas protéicas, ingestantes, aditivos químicos e agrotóxicos) e ambientais, como: Ácaros Pó Mofo Pelo de bichos Perfumes Cosméticos em geral Material de limpeza Metais tóxicos Poluentes ambientais Alterações de temperatura Picada de bicho Medicamentos Estresse 22

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Importância da Nutrição na Qualidade de Vida Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Repensar Mudanças (constante); Adaptações (necessárias); Escolhas (depende de você) o que você

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE Profª MSc Monyke Lucena Para podermos praticar esportes, estudar ou realizar qualquer outra atividade, devemos ter energia no nosso organismo; Essa energia é fornecida pelos

Leia mais

Metabolismo ainda arcaico

Metabolismo ainda arcaico Gastamos a maior parte do nosso tempo trabalhando e não podemos perder tempo com comida. Comemos duas vezes por dia Comemos duas vezes por dia grandes refeições como se nos preparássemos para uma grande

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA COMO REDUZIR A CELULITE Podemos descrever a celulite basicamente como uma inflamação das células, associadas com alterações na circulação. A obesidade pode, ou não, estar

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM

ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR SINTOMAS DA TPM As mulheres sofrem durante a tensão pré-menstrual, seja por causa de cólicas, dores de cabeça ou compulsão alimentar. Mas, sempre podemos fazer com que tudo seja

Leia mais

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS?

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? São alimentos que além de fornecerem energia para o corpo e uma nutrição adequada, produzem outros efeitos que proporcionam benefícios à saúde, auxiliando na redução e prevenção

Leia mais

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos.

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos. Luz Solar 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? Raquitismo e Osteoporose 2. Em qual dia da criação, Deus criou a luz? 1 dia 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

Na aula de hoje continuaremos a estudar as vitaminas. Acompanhe!

Na aula de hoje continuaremos a estudar as vitaminas. Acompanhe! Aula: 32 Temática: Vitaminas parte II Na aula de hoje continuaremos a estudar as vitaminas. Acompanhe! Vitaminas lipossolúveis As vitaminas solúveis em gorduras são absorvidas no intestino humano com a

Leia mais

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35 Manter a saúde, deixar a barriga sarada e aumentar a energia são benefícios que podem ser conquistados com a escolha correta dos alimentos. Alguns itens colaboram para ter ossos fortes, queimar gordura,

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

Deficiência de Vit. B1, B2 e B3, alimentos ricos nestes nutrientes

Deficiência de Vit. B1, B2 e B3, alimentos ricos nestes nutrientes Deficiência de Vit. B1, B2 e B3, alimentos ricos nestes nutrientes 13/06/2005 José de Felippe Junior Vamos mostrar os sinais e sintomas das deficiências das principais vitaminas e sais minerais. Estes

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

24 Alimentos para Combater a CELULITE

24 Alimentos para Combater a CELULITE 24 Alimentos para Combater a CELULITE Agradecimento e Informações Muito obrigado por baixar nosso guia com orientações sobre a prevenção e combate a celulite. Nosso objetivo é colaborar com a divulgação

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Menos calorias com alimentação termogenica

Menos calorias com alimentação termogenica Menos calorias com alimentação termogenica Eliane Petean Arena Nutricionista CRN Rua : Conselheiro Antonio Prado N: 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 ALIMENTOS TERMOGENICOS Todo alimento

Leia mais

NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO. Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado

NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO. Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado PROBLEMAS DURANTE A GESTAÇÃO Mal estar matinal (náuseas e vômitos) Azia Obstipação e hemorróidas Diarréia Pré-eclâmpsia e eclâmpsia Diabetes gestacional

Leia mais

Promover evolução nutricional adequada

Promover evolução nutricional adequada Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Unidade de Alergia e Imunologia/Gastroenterologia ICr HCFMUSP Mestre em Ciências - Depto de Pediatria FMUSP Departamento Científico

Leia mais

Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase

Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase Influência das Vitaminas e minerais e suas recomendações para pacientes com psoríase Fabiana Carneiro Buzzi E-mail: fabianaprata@hotmail.com Mini cv: Fomada e especializada em Nutrição Clínica pelo Centro

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE!

ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE! ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE! UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA PREVENIR DOENÇAS E TORNAR SEU TRATAMENTO MUITO MAIS EFICAZ! SA Ú DE É U M A QU E ST Ã O DE E SCOL H A ELA É DETERMINADA PELO QUE VOCÊ SABE

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral.

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral. HÁBITOS ALIMENTARES O hábito alimentar saudável deve ser formado e ensinado na infância, assim fica mais fácil de ser mantido. Consuma frutas, verduras e legumes desde cedo e estimule o consumo de alimentos

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais

MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais Projeto de Extensão Saúde da Família e o Papel da Escola MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais Danielle Mayumi Tamazato Maiara Jaloretto Barreiro O que são vitaminas? Vitaminas são micronutrientes essenciais

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA CELÍACA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA CELÍACA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA CELÍACA 2 O QUE É GLÚTEN? É um conjunto de proteínas presente no Trigo, Aveia, Centeio, Cevada, e no Malte, que são cereais muito utilizados na composição de alimentos,

Leia mais

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 3 - Setembro 2014 Comer bem para envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição DOENÇA CELÍACA Grupo: Camila Tenório Danniely Soares Érica Ouriques Isabelle Priscila Juliana Arraes Renata Batista O

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

INTRODUÇÃO E AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FUNCIONAL

INTRODUÇÃO E AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FUNCIONAL DEFINIÇÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS INTRODUÇÃO E AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FUNCIONAL é todo alimento ou ingrediente que, além das funções nutricionais básicas, quando consumido como parte da dieta usual, possui

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Granola Soft. Benefícios

Granola Soft. Benefícios Granola Soft A granola é um mix de cereais, castanhas e frutas secas que contêm vitaminas, proteínas, nutrientes, muitas fibras e outros componentes importantes para o equilíbrio do organismo e para controle

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br Esta é uma publicação da Nutrício Reeducação Alimentar e Emagrecimento que tem por objetivo fornecer informações a respeito dos cuidados nutricionais pré e pós cirúrgicos. As informações contidas neste

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Como eliminar o inchaço

Como eliminar o inchaço Como eliminar o inchaço Descubra quais alimentos ajudam você a acabar com o inchaço do corpo e perca até 5 kg em apenas 15 dias! por Belisa Rotondi Desinche, seguindo uma dieta rica em comidas anti-inflamatórias

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha:

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha: Café da manha: Dieta opção 1 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês sem miolo na chapa com 1 col. (sopa) rasa de margarina ou 1 fatia de queijo fresco ½ xíc. (chá) de cereal 1 xíc. (chá)

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Vitaminas Função: reguladora Atuação: ativando enzimas fundamentais nos processos metabólicos dos seres vivos. BIOLOGIA 3ª série Profª Reisila Mendes

Vitaminas Função: reguladora Atuação: ativando enzimas fundamentais nos processos metabólicos dos seres vivos. BIOLOGIA 3ª série Profª Reisila Mendes Vitaminas Função: reguladora Atuação: ativando enzimas fundamentais nos processos metabólicos dos seres vivos. BIOLOGIA 3ª série Profª Reisila Mendes Classificação Lipossolúveis (A, D E e K) Não possuem

Leia mais

Benefícios da canela:

Benefícios da canela: 1 A informação fornecida por este e-book sobre alimentos termogênicos não é um substituto de uma consulta com o seu médico, nutricionista e professor de educação física e não deve ser interpretada como

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

Vida bem estar. Menu Semanal e Lista de Compras. Para uma alimentação saudável!

Vida bem estar. Menu Semanal e Lista de Compras. Para uma alimentação saudável! Vida bem estar Menu Semanal e Lista de Compras Para uma alimentação saudável! Vida bem estar Lista de Compras Lista de Compras Frutas Abacate Banana Maçã Tomate Frutas secas Damasco Banana Abacaxi Ameixa

Leia mais

NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS

NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS NUTRIÇÃO BASEADA EM PLANTAS COMER SAUDÁVELMENTE SEM PRODUTOS DERIVADOS DE ANIMAIS INTRODUÇÃO: Cada vez mais, por variadas razões, as pessoas querem reduzir o consumo de produtos de origem animal. Seja

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Carencial.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Carencial. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA CARENCIAL EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Carencial. Sabemos que as informações

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

O guia alimentar recomenda um mínimo de 3 porções diárias desse grupo de alimentos. A ingestão deve ser equilibrada e variada ao longo da semana.

O guia alimentar recomenda um mínimo de 3 porções diárias desse grupo de alimentos. A ingestão deve ser equilibrada e variada ao longo da semana. E SEUS BENEFÍCIOS As frutas, verduras e legumes devem estar presentes todos os dias nas refeições. A combinação de fibras, minerais e vitaminas desses alimentos auxilia na manutenção do peso adequado além

Leia mais

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 Doença Celíaca Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 ANO LECTIVO 2010-2011 PÁGINA - 2 Índice Introdução...3 O que

Leia mais

BENEFICIOS ÁGUA MAGNETIZADA ARTIGO

BENEFICIOS ÁGUA MAGNETIZADA ARTIGO BENEFICIOS ÁGUA MAGNETIZADA ARTIGO Referências médicas atestam que a água magnetizada tem sido utilizada na dieta alimentar como eficiente coadjuvante no tratamento de várias enfermidades. SEM CONTRA INDICAÇÃO

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE É ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? Qualidade e quantidades adequadas de alimentos que proporcionam os nutrientes necessários ao organismo PRINCÍPIOS PIOS E CARACTERÍSTICAS Variada Colorida

Leia mais

Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês

Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês A diabetes tipo II se tornou uma das doenças mais comuns nos tempos modernos. A boa notícia é que em pouco menos de um mês, seguindo um plano de alimentação

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

O ritmo acelerado de emagrecimento é observado até o terceiro mês, e a partir daí, passa a ser mais lento.

O ritmo acelerado de emagrecimento é observado até o terceiro mês, e a partir daí, passa a ser mais lento. Manual de Orientação Nutricional na Cirurgia Bariátrica- GCBV Elaborado por: Célia Ap Valbon Beleli Nutricionista CRN3.1501 Especialista em Obesidade e Emagrecimento Nutricionista do Grupo de Cirurgia

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde.

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde. Nutrição O alimento como aliado da sua saúde. alimentação saúdavel Alimentação saúdavel e cuidados nutricionais são importantes em todas as fases da vida e devem ser tratados com distinção em cada período.

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais