RELEVÂNCIA CONTÁBIL DA MARCAÇÃO A MERCADO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELEVÂNCIA CONTÁBIL DA MARCAÇÃO A MERCADO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NO BRASIL"

Transcrição

1 RELEVÂNCIA CONTÁBIL DA MARCAÇÃO A MERCADO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NO BRASIL Adolfo Henrique Coutinho Doutorando em Controladoria e Contabilidade FEA/USP tel: Adriana Trapp Doutorando em Controladoria e Contabilidade FEA/USP tel: Claudio Wasserman Doutorando em Controladoria e Contabilidade FEA/USP tel: Jorge Vieira Doutorando em Controladoria e Contabilidade FEA/USP tel: RESUMO A mensuração contábil pelo valor a mercado tem sido, em certos casos, exigida por órgãos reguladores em várias partes do mundo, sendo que a autoridade bancária brasileira também emitiu regras que introduzem o fair value accounting para avaliação das carteiras de títulos e valores mobiliários e de instrumentos financeiros derivativos. Tendo como base as Circulares Bacen n os /01 e 3.082/02, o presente artigo tem por objetivo avaliar a relevância da marcação a mercado realizada no Brasil. Testou-se a hipótese de igualdade entre o patrimônio líquido das instituições financeiras antes e depois do reconhecimento da marcação a mercado, com o intuito de averiguar se os seus efeitos são significativos. Também foi testado se o preço das ações de bancos listados na BOVESPA foi sensibilizado pela marcação a mercado. Para tanto, aplicaram-se, respectivamente, o teste t (paramétrico) de médias emparelhadas e o modelo de OHLSON (2005). Os resultados sugerem que, para alguns períodos, os efeitos da marcação a mercado são estatisticamente significativos, sem provocar, entretanto, um efeito relevante na explicação dos preços das ações das instituições financeiras analisadas. Palavras-chave: Marcação a mercado. Relevância da informação. Mensuração contábil. 1 INTRODUÇÃO A avaliação patrimonial é um dos assuntos centrais na Contabilidade. A mensuração pelo custo histórico ainda é requerida para a maior parte de ativos e passivos reconhecidos contabilmente. Mas não é de hoje que estudiosos se debruçam sobre o tema e apontam outras alternativas de avaliação. Reconhecidamente um dos maiores estudiosos da Contabilidade, Ray Chambers deixou um legado de inestimável valor para a comunidade contábil internacional, produto de uma vida dedicada à pesquisa em Contabilidade. Uma das preocupações mais presentes nos estudos de Chambers era desenvolver uma alternativa de mensuração contábil que pudesse superar as desvantagens do custo histórico como base de valor. A idéia do true and fair view para as demonstrações contábeis permeou vários dos seus trabalhos. Chambers relatou ter

2 encontrado, antes de 1844, documentos de bancos e outros tipos de negócios ingleses, em que se determinava que os ativos daquelas companhias deveriam ser avaliados pelo preço de venda corrente. Os achados de Chambers demonstram que nada tem de novo a discussão acerca de formas alternativas de avaliação de ativos. A semente plantada por Chambers gera frutos até hoje. Órgãos responsáveis pela regulação contábil em várias partes do mundo, como EUA, Reino Unido, Austrália e União Européia, têm emitido regras que requerem, em certos casos, o reconhecimento (ou a evidenciação em notas explicativas) segundo o critério de mensuração pelo fair value 1. No ano de 2001, a autoridade reguladora bancária brasileira introduziu no arcabouço normativo contábil, com a emissão das Circulares nº 3.068/01 e 3.082/02, a regra do fair value accounting como critério de avaliação das carteiras de títulos e valores mobiliários (TVM) e de instrumentos financeiros derivativos (IFD) mantidos pelas instituições sob sua supervisão. Uma possível conseqüência positiva para o mercado de capitais brasileiro reside na melhoria das informações disponibilizadas pelas instituições alcançadas pela norma, com reflexo nos preços de suas ações. Uma evidência persuasiva desse fenômeno é extremamente salutar, na medida em que confere maior grau de importância para a informação contábil e concorre para a redução de incertezas entre os agentes, o que, do ponto de vista racionalmente econômico, implica redução de custos de capital. O objetivo desse estudo é investigar se há diferença estatística significativa entre as médias dos patrimônios líquidos dos bancos com a marcação a mercado e sem a marcação, além de avaliar a relevância da marcação a mercado realizada no Brasil. Com relação à relevância, o problema de pesquisa está circunscrito a investigar, com base no Modelo de Ohlson (1995), se ocorreu alguma alteração nos preços das ações dos bancos em decorrência da contabilização da marcação a mercado dos títulos e valores mobiliários e dos instrumentos financeiros derivativos. Entre as principais contribuições desse estudo destacam-se: a) fornecer evidências empíricas sobre os impactos da avaliação pelo fair value accounting por instituições bancárias no Brasil e o grau de importância que essas informações possuem aos olhos dos investidores, tomando por base os preços das ações negociadas; b) do ponto de vista da regulação contábil, servir de base para novas ações normativas, especialmente para o mercado de capitais (leia-se instituições não-financeiras); e c) contribuir para a literatura de value relevance. O presente estudo está dividido em cinco seções. Após a introdução, é apresentada uma breve revisão da literatura sobre o fair value accounting. Na seção seguinte, é descrita a metodologia adotada na seleção das empresas analisadas, a forma de coleta e análise dos dados. Na seqüência, são apresentadas as análises dos resultados empíricos e a conclusão. 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Fair Value Accounting no Brasil No Brasil, a marcação a mercado está limitada tão-somente às instituições financeiras. Ela foi introduzida pelo BACEN (Banco Central do Brasil), por meio das Circulares nº s 3.068, de 8 de novembro de 2001, e 3.082/02, de 30 de janeiro de 2002, que estabelecem critérios 1 Na literatura internacional, as expressões marking-to-market e fair value são freqüentemente utilizadas como sinônimas. O uso da primeira implica a existência de mercados ativos com preços de mercado determinados. Já fair value possui múltiplos sentidos e não depende necessariamente da existência de mercados ativos. A rigor, mesmo que existam preços de mercado, o valor de certos ativos pode, a depender de quem avalia, não coincidir com a cotação de mercado. As expressões fair value e marcação a mercado são utilizadas como sinônimas neste artigo.

3 para registro e avaliação contábil de títulos e valores mobiliários (TVM) e de instrumentos financeiros derivativos (IFD) mantidos em carteira pelas instituições sob sua supervisão. A Circular nº 3.068/01, que determina os critérios para registro e avaliação contábil dos títulos e valores mobiliários, tinha o início da sua vigência previsto para 31 de março de 2002, sendo, entretanto, postergado para 30 de junho de 2002, passando a produzir efeitos em conjunto com a Circular nº 3.082/02, que estabelece os critérios para registro e avaliação de instrumentos financeiros derivativos 2. Pelos ditames da Circular nº 3.068/01, os títulos e valores mobiliários devem ser classificados, conforme a intenção da administração da instituição financeira, em uma das seguintes categorias: a) mantidos para negociação; b) disponíveis para venda; e c) mantidos até o vencimento. O esquema apresentado na tabela 1 elucida o tratamento contábil a ser dado, conforme classe de enquadramento. Tabela 1 - Tratamento Contábil da Circular nº 3.068/01 para os TVM Tipo de Classificação Forma de Mensuração Contrapartida do efeito contábil Mantidos para negociação Valor de mercado Resultado do Exercício Disponíveis para venda Mantidos até o vencimento Valor de mercado Custo de aquisição, ajustado pela curva de rendimentos esperada Patrimônio Líquido, deduzida dos efeitos tributários (*) Resultado do Exercício (*) Os efeitos tributários referem-se aos ativos ou passivos fiscais diferidos constituídos sobre os efeitos registrados diretamente no patrimônio líquido. As disposições desse normativo em muito se assemelham àquelas consignadas no pronunciamento norte-americano SFAS 115 Accounting for Certain Investments in Debt and Equity Securities. A Circular nº 3.082/02, por sua vez, estabelece que as operações com instrumentos financeiros derivativos 3 destinados a hedge 4, realizadas pelas instituições financeiras, devem ser classificadas em uma das seguintes categorias: a) hedge de risco de mercado; ou b) hedge de fluxo de caixa. O esquema apresentado na tabela 2 elucida o tratamento contábil a ser dado, conforme classe de enquadramento. 3 Entende-se por instrumentos financeiros derivativos aqueles cujo valor subjacente varia em decorrência de mudanças em taxa de juros, preço de título ou valor mobiliário, preço de mercadoria, taxa de câmbio, índice de bolsa de valores, índice de preço, índice ou classificação de crédito, ou qualquer outra variável similar específica, cujo investimento inicial seja inexistente ou pequeno em relação ao valor do contrato, e que sejam liquidados em data futura. (Art. 1º, Parágrafo 1º, da Circular No /02). 4 Entende-se por hedge a designação de um ou mais instrumentos financeiros derivativos com o objetivo de compensar, no todo ou em parte, os riscos decorrentes da exposição às variações no valor de mercado ou no fluxo de caixa de qualquer ativo, passivo, compromisso ou transação futura prevista, registrado contabilmente ou não, ou ainda grupos ou partes desses itens com características similares e cuja resposta ao risco objeto de hedge ocorra de modo semelhante. (Art. 3º, Parágrafo 1º, da Circular No /02).

4 Tabela 2 Tratamento Contábil da Circular nº 3.082/02 para os IFD Tipo de Classificação Forma de Mensuração Contrapartida do efeito contábil hedge de risco de mercado (*) Valor de mercado Resultado do Exercício hedge de fluxo de caixa (**) Valor de mercado - a parcela efetiva, em contrapartida a conta destacada do patrimônio líquido, deduzida dos efeitos tributários - qualquer outra variação, no resultado do período. (*) Instrumentos financeiros derivativos que se destinem a compensar riscos decorrentes da exposição à variação no valor de mercado do item objeto de hedge. (**) Instrumentos que se destinem a compensar variação no fluxo de caixa futuro estimado da instituição. As normas contábeis emitidas pelo BACEN não definem a forma pela qual deve ser apurado o fair value, elas apenas especificam os parâmetros para obtê-lo. Em ambos os atos, o fair value deve corresponder ao valor de mercado, estabelecido com base em critérios consistentes e passíveis de verificação, podendo, na falta do valor de mercado, ser utilizado como parâmetro: a) o preço médio de negociação no dia da apuração (ou no dia útil anterior); b) o valor líquido provável de realização obtido mediante adoção de técnica ou modelo de precificação; ou c) o preço de instrumento financeiro semelhante, levando em consideração, no mínimo, os prazos de pagamento e vencimento, o risco de crédito e a moeda ou indexador. Ainda de acordo com esses normativos, os TVM, classificados como disponíveis para venda, e os IFD, classificados como hedge de fluxo de caixa, devem ser ajustados pelo valor de mercado, no mínimo, por ocasião dos balancetes mensais e balanços. 2.2 A polêmica que envolve o Fair Value Accounting Órgãos responsáveis pela regulação contábil em várias partes do mundo têm emitido regras que requerem, em certos casos, o reconhecimento (ou a evidenciação em notas explicativas) segundo o critério de mensuração pelo fair value. Para o FASB (Financial Accounting Standard Board), fair value é o preço pelo qual um ativo ou passivo could be exchanged in a current transaction between knowledgeable, unrelated willing parties (FASB, 2004). Segundo o FASB, o objetivo da mensuração pelo fair value é estimar o preço de troca na ausência da transação real do ativo ou do passivo. Para LANDSMAN (2005), baseando-se no FASB, o fair value é o preço pelo qual um ativo pode ser negociado independentemente das entidades envolvidas na troca, assim como o preço também se iguala ao valor em uso obtido na negociação entre quaisquer outras entidades. É importante ressaltar que o conceito de fair value sofreu alterações pelo FASB ao deliberar o SFAS 157, sendo considerado o preço que seria recebido na venda de um ativo ou pago para a transferência de um passivo em uma transação regular (orderly transaction) entre participantes do mercado na data de mensuração (FASB, 2006). Em dezembro de 2000, um grupo de reguladores (The Financial Instruments Joint Working Group - JWG of Standard Setters) pôs em debate uma minuta (draft) que procurava explorar o uso extensivo do fair value accounting como base de avaliação para todos os instrumentos financeiros reconhecidos nos balanços de bancos. Para que pudesse receber críticas e fazer aperfeiçoamentos na minuta, o JWG convidou interessados para discuti-la publicamente. A minuta, numa análise concisa, propunha que todos os ativos e passivos dos bancos fossem reconhecidos por seus valores de mercado, se disponíveis, ou por seus fair values, que serviriam como uma proxy para o valor

5 de mercado, e que seriam calculados utilizando-se o valor presente dos fluxos de caixa futuros dos instrumentos. O Banco Central Europeu (ECB) foi incisivo nas críticas. Preliminarmente, a instituição ressalvou que, para transações de curto prazo, a aplicação do fair value poderia ser aceitável. No entanto, para instrumentos não-negociáveis, como empréstimos, o fair value seria inapropriado. Baseou-se em três argumentos para justificar sua posição: (i) os princípios do fair value não refletem apropriadamente o modo pelo qual os bancos gerenciam sua principal atividade: a concessão de empréstimos. A essência do negócio bancário fundamenta-se em decisões de longo prazo sobre a qualidade de crédito e a concentração e o fortalecimento das relações com clientes. Bancos seriam, então, menos suscetíveis a decisões de curto prazo, que representam a base dos princípios do fair value. Assim, a introdução do fair value nos moldes propostos na minuta poderia criar incentivos para que os bancos alterassem o seu core business. Esse seria o caso se bancos decidissem por diminuir sua exposição ao incremento de volatilidade causado pelo fair value accounting, tomando medidas como, por exemplo, a redução do prazo dos empréstimos; (ii) a determinação de um adequado fair value para a carteira de empréstimos seria de complexa (se não impossível) obtenção, já que eles são instrumentos de difícil negociação justamente porque incorporam elementos que não podem ser facilmente quantificáveis de forma padronizada. Além disso, algumas informações relevantes para determinação do fair value de empréstimos (originadas da relação bilateral entre tomadores e emprestadores) nunca poderiam ser precificadas pelo mercado; e (iii) as técnicas disponíveis para estimar o fair value possuiriam problemas metodológicos, o que aumentaria o risco de erros. Esses modelos não representariam uma efetiva base confiável de comparação de fair values em relação aos empréstimos concedidos. Com isso, a aplicação do conceito de fair value sobre os empréstimos concedidos daria margem a incertezas quanto à transparência e à comparabilidade das demonstrações financeiras dos bancos. Por fim, o Banco Central Europeu argumenta que o fair value acarretaria o mesmo tratamento para os potenciais resultados positivos e negativos dele decorrentes. E isso iria contra o princípio do conservadorismo, que determina que os resultados negativos devem ser reconhecidos tão logo se manifestem, ainda que apenas potencialmente, ao passo que resultados positivos devem ser reconhecidos somente se realizados. Resultados positivos potenciais deveriam ser reconhecidos apenas para instrumentos negociáveis. Nota-se que a posição do Banco Central Europeu tem um viés claramente favorável à atividade de supervisão bancária. Nem poderia ser diferente, mas há outros pontos de vista e interesses em jogo. É senso comum que o mercado de capitais norte-americano foca-se fortemente na figura do investidor. Por isso, há muitos estudos que procuram investigar a relevância do fair value para os investidores. Em congresso realizado pela SEC (Security Exchange Commission) em 2005, houve a manifestação de que existem dois benefícios básicos para o uso do fair value em todos os ativos e passivos, quais sejam, o uso de apenas uma unidade de avaliação (não mais avaliando parte como custo histórico e parte como valor a mercado) e a redução da complexidade dos relatórios contábeis. Contudo, segundo LANDSMAN (2005), é necessário levar em consideração que existem custos envolvidos com a aplicação do fair value. Ele afirma, ainda, ser essencial que órgãos reguladores levem em conta a relevância e a confiabilidade do fair value para investidores e credores, uma vez que alguns instrumentos financeiros não podem ser avaliados com precisão suficiente para ajudá-los a prever adequadamente a posição financeira e o

6 potencial de ganhos. Além disso, a ausência de preços ativos no mercado para certos ativos e passivos pode levar a decisões subjetivas ou manipulações. LANDSMAN (2005) também argumenta que, se não houver valor de mercado para determinados instrumentos financeiros e na necessidade de se utilizarem modelos de avaliação elaborados por gestores da própria empresa, a assimetria de informação pode conduzir a dois problemas distintos: à seleção adversa (adverse selection) e ao risco moral (moral hazard). Uma implicação importante da seleção adversa é avaliar pelo mesmo valor empresas com instrumentos financeiros aparentemente semelhantes, mas com características distintas. Já no tocante ao risco moral, os gestores tenderão a utilizar as informações particulares que possuem para tirar vantagem manipulando as informações que serão reveladas para o mercado e órgãos reguladores. Assim, a marcação a mercado pode ser feita com maior ou menor grau de subjetividade. Na presença de mercados líquidos, a marcação a mercado poderia ser mais facilmente compreendida por investidores e órgãos reguladores. De acordo com LANDSMAN (2005), o problema da marcação fica um pouco mais complexo quando inexistem mercados ativos, como é o caso do mercado brasileiro, particularmente se os instrumentos financeiros são compostos por outros instrumentos embutidos (embedded instruments), cujos valores dependem da inter-relação das condições de default e do risco inerente ao instrumento. Nessas condições, o preço de aquisição, de venda e em uso pode diferir de acordo com a percepção de cada instituição financeira. 2.3 Resultados de estudos anteriores Na literatura internacional, os estudos que avaliam a relevância de novas práticas contábeis implementadas pelo órgão regulador são cunhados com a designação de estudos de value relevance. BARTH, BEAVER & LANDSMAN (2001) (BBL) destacam que o primeiro estudo a utilizar a terminologia value relevance foi elaborado por Amir et. al. em BBL destacam que a relevância e a confiabilidade são os dois principais critérios utilizados pelo FASB para escolha entre valores (práticas) contábeis alternativos. A literatura de value relevance busca apenas operacionalizar esses conceitos já estabelecidos pelo FASB. Um valor contábil será relevante, isto é, terá relação significativa com o preço das ações, apenas se esse valor refletir informações relevantes para os investidores na avaliação das empresas e a mensuração for suficientemente confiável para ser refletida no preço das ações. BBL reconhecem que as definições de relevância e confiabilidade são complexas e fruto de juízo de valor e podem não ser totalmente capturadas na operacionalização da modelagem da pesquisa. De acordo com BBL, entre os potenciais usuários estão os pesquisadores acadêmicos, os reguladores (SEC, FED e FASB), administradores de empresas e intermediários de informações contábeis, entre outros. Esses autores também argumentam que essa literatura não deveria ser vista como única fonte de informação para os órgãos reguladores definirem a melhor prática contábil. O objetivo é fornecer algumas evidências para as deliberações do FASB. BBL reconhecem que o processo de formulação de normas contábeis é complexo e considera outros aspectos não incorporados nos estudos de value relevance. Para BBL, o principal foco do FASB e da SEC são os investidores, apesar da preocupação também com os credores. BBL também reconhecem a importância de outros usuários das demonstrações financeiras, mas argumentam que o foco apenas nos investidores não diminui a importância da literatura de value relevance. O próprio FASB, ao deliberar o SFAS 107 Disclosures about Fair Value of Financial Instruments, estava preocupado com questões relativas à relevância e à confiabilidade das informações divulgadas pelo fair value, sobretudo se referidas informações

7 incrementais poderiam ter utilidade para os usuários além daquelas já existentes nas demonstrações contábeis publicadas. Entre os principias temas abordados nos estudos de value relevance destacam-se: a) obrigações pós-emprego (aposentadoria e pensões); b) títulos de dívida e capital; c) empréstimos bancários; d) derivativos; e) ativos intangíveis não financeiros; e f) ativos tangíveis de longo prazo. HOLTHAUSEN & WATTS (2001) (HW) classificam os estudos de value relevance em três categorias: a) estudos de associação relativa: comparam a associação entre o preço das ações (ou retornos) e valores contábeis calculados por novos padrões propostos em relação aos valores de padrões existentes. Em geral, concluem que a prática contábil com maior R 2 é mais relevante; b) estudos de associação incremental: verificam se determinadas práticas contábeis são úteis em explicar o valor (ou retorno) das ações (coeficientes diferentes de zero). As diferenças entre valores estimados e previstos são geralmente interpretadas como evidências de erro de mensuração nos números contábeis (nível de confiabilidade); c) estudos de conteúdo informacional marginal: verificam se um valor contábil específico adiciona informação para um grupo de investidores (short window return studies). Dos estudos analisados foi constatado que 94% estão concentrados nos dois primeiros grupos (long windows studies). HW argumentam que existem alguns problemas de implementação dos modelos, quais sejam: a) alternância na adoção de níveis de preço e retornos; b) seleção de variáveis a serem incluídas no modelo; c) tratamento do erro de mensuração. Segundo BBL, a escolha entre a adoção do nível de preço ou retornos dependente das hipóteses adotadas na questão de pesquisa e de considerações econométricas. O primeiro está interessado no reflexo sobre o valor da empresa, enquanto o segundo está voltado para o reflexo na mudança de valor da empresa em um período de tempo específico. Apesar de as duas abordagens encaminharem questões relacionadas (mas diferentes), a falha no reconhecimento dessas diferenças pode resultar em inferências incorretas. Muitos estudos de value relevance operacionalizam a confiabilidade em termos de mensuração do erro e buscam determinar a extensão de mensuração do erro em um valor contábil específico. Entre os estudos de value relevance sobre fair value dos investment securities (SFAS 107), destacam-se dois estudos [ECCHER et al. (1996) e BARTH et al. (1996)], comentados a seguir. ECCHER et. al. (1996) examinaram a relevância do fair value da evidenciação de instrumentos financeiros de 257 bancos norte-americanos, em 1992, e 279 bancos, em 1993, conforme SFAS 107. Os resultados sugerem que as evidenciações requeridas pelo SFAS 105 e SFAS 107, em conjunto, produzem uma informação mais relevante. Os resultados das análises incrementais, entretanto, também sugerem que o custo histórico das variáveis apresentou mais relevância em comparação com a evidenciação do fair value nos dois normativos. No ano de 1992, o fair value isoladamente explicou 17% da variação da relação market-to-book e aumentou para 28% quando os valores nocionais foram adicionados ao modelo. Entretanto, o R 2 ajustado subiu para 53% quando foi incluído o custo histórico. As evidências sugerem que a diferença entre o fair value e o valor contábil dos instrumentos financeiros estão significativamente associados com o índice maket-to-book. Entretanto, as evidenciações do fair value para instrumentos financeiros, que não títulos e valores mobiliários, são relevantes apenas em limitadas situações. Adicionalmente, apenas em 1992, depois de incorporar a informação do custo histórico, as variáveis de fair value estão associadas com o índice market-to-book.

8 Em resumo, os resultados indicaram que as estimativas de fair value para os títulos e valores mobiliários, empréstimos, dívidas de longo prazo e instrumentos financeiros offbalance-sheet são relevantes (incrementalmente) para a amostra. É importante destacar que os autores argumentam que o nível da taxa de juros (variável exógena), fator que impacta nas estimativas do fair value, é bastante importante na avaliação da relevância da informação do fair value. BARTH et al. (1996), ao avaliarem os efeitos do SFAS 107 Disclosures about Fair Value of Financial Instruments, em termos de relevância da informação contábil produzida por bancos em notas explicativas, para os anos de 1992 e 1993, chegaram a resultados interessantes. A motivação dos autores para desenvolvimento da pesquisa junto aos bancos, em síntese, adveio de (i) a quase totalidade de ativos e passivos bancários estar contemplada pelo SFAS 107 (em média entre 92 e 97% dos ativos líquidos); (ii) haver muito ceticismo do mercado quanto à confiabilidade e à relevância das informações prestadas, em parte originado pelo fato de grande parte dos ativos contemplados pelo SFAS 107 (cerca de 60%) serem empréstimos com características extremamente peculiares que, segundo argumentado pelos críticos, limitam os modelos de avaliação; (iii) pesquisas anteriores terem chegado à conclusão de que o fair value de empréstimos não possui poder explicativo estatisticamente significativo. Os autores trabalharam com uma regressão cuja variável dependente era o diferencial entre o valor de cotação das ações dos bancos e o seu valor patrimonial e cujas variáveis independentes eram três conjuntos distintos de variáveis (itens contemplados pelo SFAS 107, itens não contemplados pelo SFAS 107 e itens potenciais competidores aos contemplados pelo SFAS 107). As conclusões desse estudo são: (i) há poder explicativo incremental para o fair value dos empréstimos bancários; (ii) o coeficiente de regressão dos empréstimos é significativamente maior em bancos com maior nível de regulação em termos de requerimento de capital, aspecto consistente com o fato de os participantes de mercado aplicarem taxas de desconto maior em bancos com solidez mais comprometida; (iii) há evidência de que o fair value dos itens de um modo geral contemplados pelo SFAS 107 possui poder de explicação sobre o preço das ações adicionalmente ao book value. A razão para terem chegado a conclusões distintas de estudos anteriores, como os de NELSON (1996) 4 e ECCHER et al. (1996), em especial no que concerne ao poder explicativo incremental para o fair value dos empréstimos bancários, refutado pelos aludidos pesquisadores, reside na especificação de suas regressões e na escolha da data de fechamento dos pregões, apesar de os três estudos cobrirem os anos de 1992 e BARTH et al. (1996) trabalharam com preços de fechamento de exercício, 31 de dezembro, e de divulgação das informações, 30 de abril, para o qual o coeficiente de regressão dos empréstimos revelou ser maior e estatisticamente significativo nos dois anos do estudo, o que é consistente com o tempo necessário para que a informação de domínio exclusivo de gestores seja difundida aos participantes de mercado pelos canais próprios. NELSON (1996) utilizou 31 de março, ao passo que ECCHER et al. (1996) utilizaram 31 de dezembro. BARTH et al. (1996) também argumentam que, pelo fato de terem se valido de variáveis adicionais às contempladas pelo SFAS 107, seu modelo de regressão mostrou-se mais robusto. NELSON (1996) e ECCHER et al. (1996) utilizaram tão-somente itens contemplados pelo SFAS 107 como variáveis do modelo. BERNARD, MERTON e PALEPU (BMP) publicaram um estudo (1995) sobre a marcação a mercado realizada em bancos dinamarqueses, que então já a utilizam por muitos anos. A primeira preocupação do estudo foi relativamente à confiabilidade do MTM (mark-to- 4 NELSON (1996) conclui que o fair value dos ativos e passivos contemplados pelo SFAS 107 não possui poder explicativo incremental para o preço da ação dos bancos, com possível exceção dos investment securities.

9 market accounting), particularmente devido à possibilidade de manipulação contábil, dada a subjetividade inerente àquela forma de mensuração. BMP (1995) não encontraram fortes evidências de que a marcação a mercado nos bancos dinamarqueses fosse objeto de manipulação para fins das exigências de requerimento de capital. O estudo de BMP (1995) possui uma característica muito interessante. Como o artigo procura elucidar pontos que os norte-americanos estavam questionando acerca da marcação a mercado, os autores traçam um paralelo entre os bancos dinamarqueses então usuários de longa data da marcação a mercado e os bancos americanos, que utilizavam o custo histórico. Contrariamente ao que prega o senso comum, eles encontraram evidências de que o mark-tomarket accounting produz números mais confiáveis do que os números reportados pelo custo histórico no sistema bancário americano. Basearam-se em duas constatações: (i) os preços das ações eram mais correlacionados com o book value dos bancos dinamarqueses, que incorporava a marcação a mercado, do que o book value dos bancos nos EUA, cujos ativos e passivos eram reconhecidos pelo custo histórico; e (ii) em contraste com a experiência norteamericana, os bancos vendidos em decorrência de intervenções regulatórias alcançavam preços próximos ou maiores que os registrados contabilmente. Segundo BMP (2005), mesmo bancos dinamarqueses vulneráveis a intervenções os quais presumivelmente teriam razões para superestimar os números relativos aos seus patrimônios líquidos reportariam valores que seriam estimativas conservadoras dos seus preços de venda. Outro resultado interessante do estudo refere-se à forma como a Dinamarca exercia sua política regulatória bancária. O sistema dinamarquês combinava MTM com uma política rígida de regulação bancária. Segundo BMP (2005), ambos MTM e rigidez regulatória podem ter contribuído para a redução dos custos nas soluções de falhas no sistema bancário dinamarquês. Por fim, BMG (2005) constatam que a volatilidade apresentada pelos lucros das instituições financeiras dinamarquesas era três ou quatro vezes superior à volatilidade que tinham antes da marcação a mercado. Para eles, uma maior volatilidade poderia levar à formação de colchões (cushions), uma prática então comum entre os bancos dinamarqueses de menor porte. Ressalvam, contudo, que, a despeito de a alta volatilidade refletir a realidade econômica subjacente das instituições, ela não implica ineficiência na supervisão bancária exercida sobre os bancos dinamarqueses. A extensão dos resultados para a realidade norte-americana foi, obviamente, alvo de nota pelos próprios autores. Observaram que, apesar de a experiência dinamarquesa poder ser útil numa decisão de implementação da marcação a mercado nos bancos americanos, as diferenças entre os dois países não poderiam ser menosprezadas. Número de instituições financeiras, ambiente político, natureza dos investimentos e condições de auditoria e regulação são apenas algumas das grandes diferenças que separavam as duas realidades. Além disso, a Dinamarca possuía então a marcação a mercado associada a um rígido controle exercido pelas autoridades reguladoras, o que não era, segundo os autores, uma realidade vista nos EUA, cuja história na atividade regulatória demonstrava uma atitude pouco agressiva em relação aos bancos. No Brasil, FURLANI (2005) avaliou os efeitos da alteração nos critérios de avaliação de instrumentos financeiros na volatilidade do patrimônio de referência das instituições financeiras brasileiras. Basicamente, FURLANI (2005) buscou testar se ocorreu uma variação significativa na volatilidade do Patrimônio de Referência PR (capital regulamentar), como efeito da alteração no critério de avaliação das carteiras de títulos e valores mobiliários (TVM) e de instrumentos financeiros derivativos (IFD), efetuada pelo Banco Central do Brasil, em 30 de junho de 2002 (Circulares 3.068/2001 e 3.082/2002). Neste estudo de evento foram analisadas 120 instituições financeiras no período compreendido entre novembro de 1998 e junho de Para fins de análise, as entidades

10 estudadas foram segregadas em três grupos: (1) as instituições financeiras públicas federais; (2) as instituições financeiras privadas de grande porte; (3) as demais. Os resultados obtidos demonstram que ocorreu um aumento de volatilidade no PR no período analisado nos três grupos de empresas estudadas. Entretanto, o autor conclui que o estudo não permite afirmar que a modificação apurada na evolução no PR real total decorreu das alterações na regulamentação dos padrões contábeis referentes à avaliação das carteiras de TVM e IFD, pois podem existir outras causas para as variações apuradas no período considerado, como, por exemplo, alterações no nível de provisões da carteira de operações de crédito. 3 ASPECTOS METODOLÓGICOS A parte empírica deste estudo divide-se em duas partes: a primeira procura investigar se há diferença estatística significativa entre as médias dos patrimônios líquidos dos bancos com a marcação a mercado e sem a marcação. A segunda parte verifica se o preço das ações de bancos listadas na BOVESPA foi de alguma forma sensibilizado pela marcação a mercado (value relevance). 3.1 Teste de diferenças de médias No teste das diferenças de médias, a amostra foi composta por 184 bancos comerciais e múltiplos que operam no Brasil. Todos os dados foram coletados do SISBACEN (Sistema do Banco Central do Brasil), por semestre, de junho de 2002 a junho de Cabe ressaltar que nem toda a marcação a mercado pôde ser verificada. Só a marcação a mercado que possui conta segregada no COSIF (plano contábil das instituições financeiras, padronizado pelo Banco Central) pôde ser objeto de estudo. Boa parte dos derivativos possui a contrapartida contábil da marcação a mercado feita diretamente em receitas e despesas, sem um COSIF específico que permita a sua separação. Por essa razão, restringimo-nos a verificar o impacto da marcação que possua COSIF específico, a saber: ajuste a valor de mercado TVM e instrumentos financeiros para os títulos disponíveis para venda, efetuado diretamente no patrimônio líquido, sem transitar por resultado. Essa conta é a soma de duas outras: Títulos disponíveis para venda Hedge de Fluxo de Caixa ajuste positivo ao valor de mercado dos títulos e valores mobiliários negociáveis, efetuado transitando pelo resultado; ajuste negativo ao valor de mercado dos títulos e valores mobiliários negociáveis, efetuado transitando pelo resultado. Dessa forma, o teste de médias consistiu em comparar os patrimônios líquidos dos bancos com a marcação a mercado reconhecida nas contas acima e sem essa marcação. O patrimônio líquido do mês de junho de 2002 com a marcação (COM06/2002) foi comparado com o mesmo patrimônio líquido sem a marcação (SEM06/2002); o patrimônio líquido do mês de dezembro de 2002 com a marcação (COM12/2002) foi comparado com o mesmo patrimônio líquido sem a marcação (SEM12/2002) e assim por diante. Para verificação da significância das diferenças entre o patrimônio líquido com a marcação a mercado e o patrimônio líquido sem a marcação a mercado, foi realizado o teste t (paramétrico) de médias emparelhadas. A hipótese testada nesse estudo é a seguinte:

11 H o : não existe diferença entre patrimônio líquido das instituições financeiras no Brasil antes e depois do reconhecimento dos efeitos da marcação a mercado de títulos e valores mobiliários (TVM) e instrumentos financeiros derivativos (IFD). H 1 : existe diferença entre patrimônio líquido das instituições financeiras no Brasil antes e depois do reconhecimento dos efeitos da marcação a mercado títulos e valores mobiliários (TVM) e instrumentos financeiros derivativos (IFD). 3.2 Teste de value relevance da marcação a mercado Para avaliar empiricamente a relevância da informação contábil, foi utilizado o modelo de OHLSON (2005), que concilia a informação contábil prestada por uma dada companhia com o seu valor de mercado (preços negociados). A equação do modelo é a que segue: v t = bv t + τ = 1 R f τ E a [ x ] t + τ (1) Onde v t é o valor da firma no momento t; bv t é o patrimônio líquido em t e o termo mais à direita após a igualdade representa a expectativa dos lucros futuros trazidos a valor presente por uma taxa livre de risco. O critério de seleção para compor a amostra foi o de que a instituição financeira tivesse preço de ação em até 3 dias do fechamento do final do semestre e do final do ano. O Modelo de Ohlson (1) foi reescrito para atender aos objetivos deste estudo: Pr eço it PL * MTM = AbnEar Qde Ações + Qde Ações α β β t= R + u t 0 it it it it 1 (2) As variáveis utilizadas na equação (2) são identificadas abaixo: a) Preço da Ação it : cotação da ação do banco i nos semestres t (2002 a 2004) para a janela D+3 (data de encerramento semestral das demonstrações contábeis); quando houver mais de uma classe e espécie de ação, será utilizado o papel mais líquido; b) Patrimônio Líquido por Ação (PL) it : patrimônio líquido na data t do banco i sem a marcação a mercado das contas , e , conforme mencionado no item 3.1; c) MTM por ação it : marcação a mercado das contas indicadas no item (b), acima; d) Lucro Anormal por Ação (LA): somatório dos lucros anormais 5 dos dois semestres subseqüentes (equivalentes), calculados com base na taxa do CDI 6 do período, e descontados a valor presente pela taxa de 6% 7. Segundo o critério adotado, foram identificadas 7 instituições financeiras abertas com cotação em bolsa, com preço para a janela de evento utilizada (3 dias do encerramento das demonstrações contábeis semestrais de 2002, 2003 e 2004). A coleta dos dados ficou restrita aos dados disponibilizados na base de dados da Economática (preço por ação, patrimônio líquido por ação e lucro por ação). 5 Foi utilizada como proxy para cálculo do lucro anormal a diferença entre o valor obtido pela aplicação da taxa do CDI periódica (semestre) sobre o valor patrimonial da ação em t e o lucro realizado em t+1. 6 Optou-se pela utilização da taxa do CDI, pois segundo CARVALHO (1993) referida taxa poderia ser considerada como o custo de oportunidade das instituições financeiras. 7 Considerou-se como taxa livre de risco taxa de juros de remuneração da caderneta de poupança.

12 Para avaliar a relevância da informação contábil empiricamente, será utilizado o coeficiente de resposta (response coeficient) da variável a ser analisada isoladamente no caso a marcação a mercado registrada no patrimônio líquido dos bancos, conforme modelo de regressão proposto. Objetivamente, será observado se o coeficiente de regressão da marcação a mercado (MTM) é estatisticamente significativo e, conseqüentemente, se há algum incremento informacional com os efeitos das Circulares Bacen nº s 3.068/01 e 3.082/02. Em decorrência de limitações com o tamanho da amostra, e pelo fato de ser utilizada a mesma amostra temporalmente, a técnica estatística da Regressão Linear Múltipla Clássica RLMC não é apropriada. A análise de dados em painel é uma técnica que serve aos propósitos do trabalho, sobretudo considerando a conjugação de dados de cross section com dados de séries de tempo. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS EMPÍRICOS Na análise da significância das diferenças das médias entre o patrimônio líquido com a marcação a mercado e o patrimônio líquido sem a marcação, foram obtidos os seguintes resultados apresentados na Tabela 3: Tabela 2 Teste de diferenças entre as médias do PL com a marcação e sem a marcação por semestre Período t Df Sig. (2-tailed) jun/02-3, ,0000 dez/02-2, ,0040 jun/03 0, ,3470 dez/03 2, ,036 (*) jun/04-0, ,8300 dez/04 2, ,017 (*) jun/05 1, ,2790 dez/05 2, ,037 (*) jun/06 1, ,2600 * rejeita-se ao nível de significância de 5%. Tabela 3 Resultado da comparação de médias dos patrimônios líquidos com e sem a marcação A tabela 3 demonstra que, a um nível de 5%, houve diferença significativa entre as médias nos períodos de 06/2002, 12/2002, 12/2003, 12/2004 e 12/2005. Para os demais períodos, aceita-se a hipótese de que as médias são as mesmas, ou seja, a MTM não faz com que os patrimônios líquidos desses anos difiram significativamente. Notadamente, nos dois primeiros semestres findos após a vigência das Circulares Bacen nº s 3.068/01 e 3.082/02, os efeitos da marcação a mercado foram estatisticamente significativos. Adicionalmente, é importante destacar que no segundo semestre dos exercícios analisados os efeitos da marcação a mercado foram estatisticamente significativos, enquanto no primeiro semestre dos exercícios analisados não há diferença, exceto para o primeiro semestre de Na análise da relevância da marcação a mercado, com base no modelo de Ohlson, foram obtidos os seguintes resultados:

13 Tabela 4 Relevância da Marcação a Mercado para as Instituições Financeiras (Modelo de Ohlson dados sintéticos) Pr eço it PL * + MTM + = + Qde Ações α0 β1 β2 β3 Qde Ações it t = 1 AbnEar R it t + u it Regressão Regressões em Cross Section Painel Efeito dez/02 Jun/03 Dez/03 Jun/04 Dez/04 Aleatório Efeito Fixo Jun/02 Combinada (a) N (obs.) 41** N (dados) R2 0,8447 0,9870 0,9563 0,9985 0,9040 0,9747 0,9711 0,7968 0,6829 Teste F 0,0000 0,0026 0,0143 0,0000 0,0203* 0,0011 0,0063 0,0000 0,0000 valor-p Constante 0,031 0,690 0,835 0,997 0,447 0,370 0,993 0,292 0,000 PL* 0,000 0,007 0,357 0,003 0,856 0,944 0,234 0,000 0,000 MTM 0,000 0,002 0,122 0,001 0,498 0,295 0,137 0,000 0,212 LA 0,585 0,063 0,285 0,139 0,912 0,696 0,182 0,031 0,000 (a) excluído o Sudameris, em jun/02. * rejeita-se ao nível de significância de 5%. Pela regressão combinada, a princípio, a conclusão a que se é levado a chegar é que a MTM é estatisticamente significante, sendo por via de conseqüência value relevant. Analisando individualmente as cross sections, ao longo dos 6 semestres estudados, a MTM passa nos semestres Jun/02 e Jun/03, sendo rejeitada nos semestres Dez/02, Dez/03, Jun/04 e Dez/04. Considerando o resultado do teste de Breush Pagan e pela natureza dos dados (cross section vs. time series), é indicado o modelo de dados em painel com efeito fixo. Por ele, a MTM não é estatisticamente significante. A tabela a seguir apresenta a análise da relevância da marcação a mercado segregando os efeitos reconhecidos diretamente no patrimônio líquido daqueles registrados no resultado do período.

14 Tabela 5 Relevância da Marcação a Mercado para as Instituições Financeiras (Modelo de Ohlson dados analíticos) PL * MTM _ PL MTM s Abn + u Qde Ações Qde Ações + _ Re = Qde Ações + 2 Pr eçoit α0 + β1 + β2 β3 β4abn1 + β5 it it Regressão Regressões em Cross Section Painel Efeito dez/02 Jun/03 dez/03 Jun/04 Dez/04 Aleatório Efeito Fixo Jun/02 Combinada (a) N (obs.) 41** N (dados) R2 0,8553 NA 0,9987 1,0000 0,9987 0,9997 0,9930 0,8426 0,6854 Teste F 0,0000 NA 0,0105 0,0006 0,0201* 0,0012 0,0014 0,0000 0,0000 valor-p Constante 0,073 NA 0,974 0,306 0,274 0,411 0,589 0,942 0,000 PL* 0,000 NA 0,513 0,737 0,399 0,043 0,683 0,000 0,000 MTM_PL 0,000 NA 0,208 0,187 0,077** 0,501 0,175 0,000 0,414 MTM_Res 0,549 NA 0,110 0,026* 0,082** 0,386 0,249 0,469 0,231 LA1 0,630 NA 0,890 0,469 0,258 0,390 0,472 0,966 0,727 LA2 0,481 NA 0,646 0,106 0,409 0,177 NA 0,584 0,013 (a) excluído o Sudameris, em jun/02. Devido ao grande número de variáveis e ao pequeno número de observações, a regressão não foi rodada no pacote estatístico utilizado. * rejeita-se ao nível de significância de 5%. ** rejeita-se ao nível de significância de 10%. Pela regressão combinada, a princípio, a conclusão que se é levado a chegar é a de que a MTM com efeito no PL é estatisticamente significante, sendo por via de conseqüência value relevant, ao passo que a MTM com efeito no resultado não é. Analisando individualmente as cross sections, ao longo dos 6 semestres estudados, apenas em jun/03 a marcação a mercado registrada no resultado do período (MTM_RES) é significativa, para um nível de significância de 5%. Considerando o resultado do teste de Breush Pagan e pela natureza dos dados (cross section x time series) é indicado o modelo de dados em painel com efeito fixo. Por ele, as variáveis MTM não são estatisticamente significantes. De acordo com as evidências estatísticas (painel com efeito fixo) apresentadas nas tabelas 4 e 5, a marcação a mercado não demonstrou ser uma variável estatisticamente significativa na explicação dos preços das instituições financeiras analisadas. Entre as possíveis razões para obtenção desses resultados, podem-se citar: (i) A limitação na base de dados, com poucas instituições financeiras abertas com liquidez; (ii) O fato de a teoria econométrica de dados em painel ter sido construída para um t (dados de time series ) pequeno e n (dados de cross section ) grande. Na base de dados utilizada têm-se t =6 e n =7; e (iii) O possível erro de medição da MTM, por conta de um possível reconhecimento dos efeitos da marcação a mercado em conjunto com outros itens, especialmente no caso do IFD.

15 5 CONCLUSÃO O objetivo desse estudo foi avaliar a relevância da marcação a mercado realizada no Brasil. O teste empírico foi divido em duas partes: a primeira procurou investigar se há diferença estatística significativa entre as médias dos patrimônios líquidos dos bancos com a marcação a mercado e sem a marcação. A segunda parte verificou se o preço das ações de bancos listadas na BOVESPA foi de alguma forma sensibilizado pela marcação a mercado (value relevance). Os resultados dos testes de médias dos patrimônios líquidos com e sem a marcação a mercado demonstraram que, a um nível de 5%, houve diferença significativa entre as médias nos períodos de 06/2002, 12/2002, 12/2003, 12/2004 e 12/2005. Notadamente, nos dois primeiros semestres findos após a vigência das Circulares Bacen nº s 3.068/01 e 3.082/02, os efeitos da marcação a mercado foram estatisticamente significativos. Adicionalmente, é importante destacar que no segundo semestre dos exercícios analisados os efeitos da marcação a mercado foram estatisticamente significativos, enquanto no primeiro semestre dos exercícios analisados não há diferença, exceto para o primeiro semestre de No teste da relevância da marcação a mercado, as evidências estatísticas (painel com efeito fixo) apresentadas nas tabelas 4 e 5, demonstraram que a marcação a mercado não é uma variável estatisticamente significativa na explicação dos preços das instituições financeiras analisadas. Na análise dos dados em cross section observa-se a relevância da marcação a mercado para os semestres de jun/02 e jun/03. Diferentemente do teste de médias, o teste de relevância da marcação a mercado apresentou algumas limitações que podem ter afetado significativamente os resultados obtidos, são elas: (i) a limitação na base de dados, com poucas instituições financeiras abertas com liquidez; (ii) o fato de a teoria econométrica de dados em painel ter sido construída para um t (dados de time series ) pequeno e n (dados de cross section ) grande; e (iii) o possível erro de medição da MTM, por conta de possível do reconhecimento dos efeitos da marcação a mercado em conjunto com outros itens, especialmente no caso do IFD. Ademais, outra limitação da pesquisa está relacionada com a possibilidade de nem toda a marcação a mercado ter sido considerada na estatística por não existir uma conta COSIF específica para a contrapartida contábil da marcação a mercado para alguns derivativos. Esse foi um dos grandes óbices para que se pudesse conduzir este trabalho: a ausência de informações publicamente disponíveis, segregadamente identificadas. Os dois testes possuem enfoques diversos e, por isso, talvez pudessem ser vistos como de interesse particular de um tipo ou de outro de usuário da informação contábil. O estudo referente à diferença entre as médias dos patrimônios com e sem a MTM poderia ter maior importância, por exemplo, para o Banco Central. Nos períodos em que as médias diferiram significativamente, a autoridade monetária poderia investigar as razões pelas quais os bancos reconheceram a marcação em tal volume e se essa marcação poderia estar sendo utilizada para manipulação do capital mínimo exigido. Quanto ao estudo de value relevance, por seu turno, o interesse poderia ser de interesse de investidores e de analistas, por duas razões principais: para verificar se o mercado precifica a marcação nas ações dos bancos, bem como com o intuito de investigar se a marcação é utilizada para gerenciamento de lucro. A partir deste estudo, abrem-se avenidas pelas quais futuras pesquisas podem se encaminhar. A possibilidade de gerenciamento de lucro e de patrimônio mínimo exigido, por exemplo, pode ser investigada, o que muito contribuiria para o entendimento da marcação a mercado no Brasil.

16 REFERÊNCIAS BARTH, M. E., BEAVER, W. H. & LANDSMAN, W. R. The relevance of the valuerelevance literature for financial accounting standard setting: another view. Journal of Accounting and Economics, p BARTH et al. Value Relevance of Banks Fair Value Disclosures under SFAS 107. The Accounting Review BANCO CENTRAL DO BRASIL. Circular n , de 08/11/2001, e Circular n , de 30/01/2002. Disponível em <http://www.bacen.gov.br>. BERNARD, V. L.; MERTON, R. C.; PALEPU, K. G. Mark-to-market accounting for banks and thrifts: Lessons from the Danish experience. Journal of Accounting Research. Chicago: Spring Vol. 33, Iss. 1; p. 1. CARVALHO, Silvio Aparecido de. Desenvolvimento de novas técnicas para a gestão bancária no Brasil. São Paulo, Tese (Doutorado em Contabilidade) Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. CORNETT, Marcia Millon, REZAEE, Zabihollah & TEHRANJAN, Hassan. An investigation of capital market reactions to pronouncements on fair value accounting. Journal of Accounting and Economics. 22 (1996) pp ECCHER, Elizabeth A., RAMESH, K. & THIAGARAJAN, S. Ramu. Fair value disclosures by bank holding companies. Journal of Accounting and Economics 22 (1996) pp FASB FINANCIAL ACCOUNTING STANDARD BOARD - SFAS 115 Accounting for Certain Investments in Debt and Equity Securities. FASB FINANCIAL ACCOUNTING STANDARD BOARD - SFAS 107 Disclosures about Fair Value of Financial Instruments. FASB FINANCIAL ACCOUNTING STANDARD BOARD - SFAS 157 Fair Value Measurements. FURLANI, José Reynaldo de Almeida. O efeito da alteração nos critérios de avaliação de instrumentos financeiros na volatilidade do patrimônio de referência das instituições financeiras brasileiras/josé Reynaldo de Almeida Furlani. Brasília: UnB, (Dissertação Mestrado) HOLTHAUSEN, R. W. & WATTS, R. L. The relevance of the value-relevance literature for financial accounting standard setting. Journal of Accounting and Economics, p LANDSMAN, W. R.. Fair value accounting for financial instruments: some implication for bank regulation. Paper apresentado na workshop on Accounting Risk Management and Prudential Regulation, BIS, Basiléia, NELSON, K. Fair Value Accounting for Commercial Banks: An empirical analysis of SFAS 107. The Accounting Review OHLSON, James A. Earnings, Book Values and Dividends in Equity Valuation. Contemporary Accounting Research VENKATACHALAM, Mohan. Value-relevance of banks' derivatives disclosures. Journal of Accounting and Economics 22 (1996) pp

Relevância Contábil da mensuração de instrumentos financeiros pelo valor justo nas empresas brasileiras não - financeiras

Relevância Contábil da mensuração de instrumentos financeiros pelo valor justo nas empresas brasileiras não - financeiras Relevância Contábil da mensuração de instrumentos financeiros pelo valor justo nas empresas brasileiras não - financeiras CINTIA AKIKO ASSATO CENTRO UNIVERSITÁRIO ÁLVARES PENTEADO MARCOS REINALDO SEVERINO

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1 4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1. Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

Leia mais

Prof. Egberto L. Teles. Prof. Egberto L. Teles 1

Prof. Egberto L. Teles. Prof. Egberto L. Teles 1 Prof. Egberto L. Teles Prof. Egberto L. Teles 1 Economia Finanças Interação de Conceitos Contabilidade Prof. Egberto L. Teles 2 Segundo Agüero (1996:25): O conceito de valor é bastante discutível e dificilmente

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Instrumentos Financeiros e Derivativos Investimentos Temporários

Instrumentos Financeiros e Derivativos Investimentos Temporários Instrumentos Financeiros e Derivativos Investimentos Temporários Aplicações da Lei 11.638/07, da MP449/08 e do CPC 14 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi Fucape Business School Instrumentos Financeiros Não derivativos

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM Disponibilização de relatórios de acesso público RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração da descrição da estrutura de gestão de risco de

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Índice Geral Parecer dos auditores independentes... 1 Demonstrações

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 7 Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE 3 5

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011. Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII

Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011. Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII Edital de Audiência Pública SNC FUNDOS nº 01/11 Prazo:18/07/2011 Minuta de Norma Contábil Aplicável aos FII Apresentação BM&FBOVESPA 12/07/2011 Disclaimer As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo Professor Associado da Fucape Business School / Diretor de Educação e Pesquisa da FBC/ Membro do Consultative Advisory Group do IAESB fabio@fucape.br IX Encontro de

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 KPDS 83595 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados consolidadas 6 Demonstrações

Leia mais

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente:

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente: CARTA-CIRCULAR 3.026 -------------------- Cria e mantém títulos e subtítulos no Cosif, esclarece acerca dos critérios a serem observados para o ajuste decorrente da aplicação do disposto nas Circulares

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Lotus Fundo de Investimento em Renda Fixa Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News BANKING Regulatory Practice News Novembro 2009 FINANCIAL SERVICES Bacen Instrumentos Financeiros Circular 3.474, de 11.11.2009 Registro A Resolução 2.770/00 (vide RP News ago/00) altera e consolida as

Leia mais

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão. Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão. Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Demonstrações financeiras Consolidadas em IFRS em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Notas explicativas às demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Grupos CNPJ: 03.706.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Grupos CNPJ: 03.706. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 KPMG Auditores Independentes Agosto de 2013 Relatório dos auditores

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.34 para NBC TG 40 e de outras normas citadas: de NBC T 17 para NBC TG 05; de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de junho de 2011

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de setembro de 2012 e 2011 com Relatório dos auditores

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 e IAS 32 (IASB)

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio KPDS 125950 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Prof. Dr. Adriano Rodrigues Assuntos abordados nesse tópico: Ajuste a valor presente: Fundamentação Mensuração ao valor justo

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

22. Elaboração e Publicação das Demonstrações Financeiras

22. Elaboração e Publicação das Demonstrações Financeiras TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL COSIF 1 22. Elaboração e Publicação das Demonstrações Financeiras 1. Objetivo 1 - O objetivo básico do conjunto das demonstrações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 e IAS 32

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova a Interpretação Técnica ICPC 09(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de demonstrações contábeis individuais, demonstrações separadas, demonstrações consolidadas e aplicação do método

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo II CNPJ: 04.823.561/0001-41

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo II CNPJ: 04.823.561/0001-41 Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE BALANÇOS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa constitui-se no instrumento prático, por excelência, do administrador financeiro, e pode ser comparado a outras denominações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 110896 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações das mutações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais