COLABORAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLABORAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO ORAL COLABORAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Alessandra Alves, Ricardo Rodrigues Barbosa Resumo: O presente trabalho tem como referencial a área de Ciência da Informação com a finalidade de distinguir os termos compartilhamento da informação e colaboração, bem como identificar que tipo de ferramentas que as organizações estão institucionalizando para potencializar as trocas de informação entre os funcionários. Assim, por meio de uma pesquisa exploratória realizada em três empresas de negócios diferenciados, buscou-se detectar que fatores influenciam as trocas de informação realizadas por meio do uso de sistemas colaborativos, além de reconhecer que tipos de trocas (se compartilhada ou colaborativa) prevalecem em tais contextos. Os resultados obtidos empresas revelam a coexistência dos comportamentos de compartilhamento da informação e de colaboração e de uma alta busca pela retribuição, assim como uma forte associação entre os motivos que impulsionam as trocas de informação (relacionamento, realização e poder categorias adotadas da Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland) que incentivam as trocas de informação e os fatores que as influenciam. Palavras-chave: Gestão do conhecimento. Comportamento informacional. Colaboração. Compartilhamento da informação. Sistemas colaborativos. Redes sociais. 1 INTRODUÇÃO Cada vez mais, as organizações precisam se adaptar a contextos nos quais as estruturas organizacionais flexíveis, a inovação e a colaboração são fatores decisivos de competitividade. Essas adaptações demandam, essencialmente, a adoção de processos eficientes de gestão da informação e do conhecimento. Esses desafios já vêm sendo apontados por diversos autores ligados à administração (DRUCKER, 1969) e à Ciência da Informação (HORTON JR, 1974). Dentre esses últimos, Taylor (1986, p. 1), já indagava de que forma nós, como sociedade, e mais especificamente nós como profissionais organizamos, estruturamos e entregamos dados, informação e conhecimento aos usuários. Ou seja, a adoção de estratégias, processos e técnicas de gestão da informação e do conhecimento e, de maneira especial, de práticas voltadas para potencializar as trocas de informação nas organizações, constitui um dos mais importantes desafios gerenciais contemporâneos. No presente quadro de inovações tecnológicas, surgem a cada dia novos sistemas colaborativos e/ou das ferramentas de redes sociais, as quais se destinam a promover o compartilhamento da GT4 1249

2 informação entre pessoas. A expressão sistema colaborativo foi adotada neste trabalho para representar todo e qualquer sistema ou ferramenta de redes sociais utilizado pelas organizações, para viabilizar e/ou incrementar as trocas de informação e de conhecimento entre seus funcionários. O verbo compartilhar possui a sua origem no latim compartiri e significa ter ou tomar parte em; participar de; compartir, quinhoar. Em outros idiomas, compartilhar equivale aos termos partager no francês, compartir no espanhol, condividere no italiano, e share no inglês. No contexto da ciência da informação, compartilhar é normalmente associado aos termos informação ou conhecimento para designar as trocas de informação entre os indivíduos detentores de determinada expertise. No presente trabalho adota-se o conceito defendido por Davenport (1998), para quem o compartilhamento da informação (é visto) como um ato voluntário de colocá-las à disposição dos outros. [...] O vocábulo compartilhamento implica vontade (DAVENPORT, 1998, p.115). Por outro lado, colaborar significa trabalhar junto, em combinação, trabalhar em comum com outrem na mesma obra, concorrer, cooperar para a realização de qualquer coisa. Nos idiomas estrangeiros, possui equivalência com os termos collaborer, no francês, colaborar, no espanhol, collaborare, no italiano, e collaborate, no inglês. No contexto do presente trabalho, colaboração é o comportamento de troca de informações por parte de indivíduos que trabalham juntos, comungam objetivos comuns e atuam com a finalidade de promover a produtividade em seus ambientes profissionais. Barros (1994) destaca que compartilhamento é um conceito associado a dividir e distribuir com outros, enquanto colaboração é um trabalho de co-realização. Tanto colaborar quanto compartilhar podem ser entendidos como comportamentos informacionais, uma vez que dizem respeito à forma como os indivíduos buscam e usam a informação em diferentes contextos (PETTIGREW et al., 2001). A importância de tais comportamentos fica evidente ao se constatar que muitos dos projetos de gestão do conhecimento implantados nas organizações contemporâneas envolvem a criação de mecanismos para potencializar a troca de conhecimentos entre seus funcionários. De fato, conforme Small e Sage (2006), o conhecimento que permanece na mente de uma pessoa é de pouca valia para uma organização a menos que seja compartilhado. Existem, no entanto, diversas barreiras ao compartilhamento da informação em organizações. Essas barreiras, conforme Riege (2005), tanto podem ser de ordem pessoal, organizacional ou tecnológica. Dentre as últimas, o autor destaca a falta de integração dos sistemas e processos de TI, a obstrução causada por tais sistemas a determinados fluxos de trabalho, a falta de familiaridade e capacitação dos usuários para o uso de tais sistemas e mesmo a existência de expectativas pouco realistas a respeito do que a tecnologia pode ou é incapaz de realizar. Para explorar o uso de sistemas colaborativos em organizações brasileiras, foi realizado um estudo em três empresas que utilizam tais tipos de sistemas. O objetivo geral do estudo foi identificar a freqüência e os motivos que levam os indivíduos a compartilhar informação por meio dos sistemas colaborativos organizacionais, bem como reconhecer os fatores que influenciam essas trocas. Além da presente introdução, este artigo possui mais quatro seções, incluindo as considerações finais. GT4 1250

3 2 MOTIVAÇÃO E TROCAS DE INFORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES Diversos trabalhos das áreas de Administração e Ciência da Informação têm procurado explorar os motivos que influenciam as trocas de informação dentro de ambientes organizacionais (Tsai et al., 2010; Ipê, 2003; De Long e Fahyer, 2000; Ives et al., 2002; Kim e Ju, 2008; Keong e Al- Hawamdeh, 2002; Lin, 2008; Sabetzadeh e Tsui, 2011; Yu et al., 2010). Dentre esses e outros trabalhos, destacam-se também aqueles estudos que focalizam os fatores motivacionais do compartilhamento da informação (Hung et al.,2011; Lam e Lambermont-Ford, 2010; Siemsen et al., 2008). No presente estudo, adotou-se as três categorias da motivação humana propostas por McClelland na Teoria das Necessidades Adquiridas (McCLELLAND, 1987, 1953) para a identificação dos principais motivos que levavam os funcionários das três empresas participantes a trocar informações por meio do uso dos sistemas colaborativos adotados nessas organizações. De acordo com essa teoria, as necessidades humanas são aprendidas e adquiridas pelas pessoas ao longo de suas vidas. Além disso, a Teoria das Necessidades Adquiridas estabelece o relacionamento, a realização e o poder e o status como as necessidades básicas do indivíduo. Dentro desse contexto, destacam-se diversos estudos como, por exemplo, de Ipe (2003), Alcará et al. (2009), Liu e Fang (2010), Hung et al. (2011), King e Marks Jr. (2008), Siemsen et al. (2008), Lam e Lambermont-Ford (2010) e Steinel et al. (2010), desbravando aspectos relacionados com a teoria de McClelland. Nesse sentido, sabe-se que o conhecimento nas organizações pode apresentar-se sob a forma de conhecimento tácito ou explícito. Esses diferentes tipos de conhecimento têm sido valorizados de maneira distinta dentro das organizações devido ao valor atribuído ao conhecimento e isso influencia de forma significativa no modo como este conhecimento é compartilhado dentro das organizações. Ou seja, características como a possibilidade de codificação, métodos disponíveis para aquisição e acumulação, dentre outros fatores, interferem nas possibilidades de compartilhamento (LAM, 2000). Sob outra ótica, Burns e Mckinnon (1993) destacam que o compartilhamento da informação se faz por mecanismos formais e informais. Para eles, os mecanismos formais consistem em sistemas gerenciais tradicionais que coletam dados de diferentes partes da organização e os distribuem normalmente em formato de relatório. Já os mecanismos informais incluem a comunicação interpessoal que podem ocorrer em reuniões, em conversas casuais ou agendadas, por observação direta e por relatórios informais (BURNS e MCKINNON, 1993). Sob essa égide, presencia-se a evolução das tecnologias da informação e comunicação (TICs), impulsionando o desenvolvimento de sistemas, ferramentas e recursos informacionais e fornecendo aos usuários maiores possibilidades de acesso rápido e direto à informação. A revolução digital desperta o indivíduo, a sociedade e as organizações para uma nova realidade baseada no acesso a grandes volumes de informações, na instantaneidade e na participação ativa do usuário cada vez mais fácil pela redução das distâncias existentes e pela quebra de barreiras. Nesse contexto de tantas transformações tecnológicas, surgem sistemas e ferramentas especialmente criadas para alavancar o gerenciamento dessas informações e disponibilizar recursos GT4 1251

4 ao indivíduo para obter e fornecer informações. Trata-se aqui dos sistemas colaborativos 1 e/ou das ferramentas de redes sociais (web 2.0) 2. Para compor este estudo, os sistemas colaborativos devem ser compreendidos como sistemas computacionais destinados a promover a interação entre grupos de indivíduos e o compartilhamento da informação sem a necessidade de que os envolvidos estejam no mesmo local. Já as ferramentas de redes sociais, assim denominadas neste estudo (como forma de estruturar os termos abordados), são aquelas disponibilizadas pela tecnologia web 2.0 (presentes em ferramentas disponibilizadas na rede mundial de computadores como o Wikipedia, o YouTube, o Twitter, o SlideShare, etc.) e que devem ser entendidas como uma nova maneira de tratar o ambiente da web, tornando-o mais integrativo e dinâmico por meio da participação ativa dos usuários 3. Assim, como canais de comunicação online de disseminação e disponibilização de informações entre um grupo de envolvidos, os sistemas colaborativos, bem como as ferramentas de redes sociais, disponibilizam espaços que reúnem características e instauram um marco na sociedade moderna por meio da afirmação de comportamentos legítimos de uma sociedade em rede, ou seja, de uma sociedade interconectada em um conjunto de nós que ultrapassa a esfera das relações sociais e técnicas de produção, afetando a cultura e o poder de forma profunda (CASTELLS, 2002). Assim, como é possível perceber, os conceitos apresentados, ou seja, sistemas colaborativos e ferramentas de redes sociais, apesar de apresentarem estruturas, abordagens e formas de uso diferenciadas, ainda convergem para focar a conectividade entre os indivíduos para facilitar e promover o compartilhamento de informações. No quadro 5, tem-se como principal finalidade destacar os principais pontos divergentes entre os sistemas colaborativos e as ferramentas de redes sociais como forma de proporcionar uma visão mais ampla dos aspectos tratados até o momento. 1 Os sistemas colaborativos são ferramentas de software especialmente desenvolvidas e utilizadas por meio de uma rede de computadores dentro de organizações para facilitar a execução de trabalhos em grupos ou em equipe, sendo propícios para promover a interação entre os membros das equipes e a troca de informações de forma mais direta e direcionada (ver item 2.6.1). 2 O termo ferramentas de redes sociais foi adotado como referencial terminológico para este estudo como forma de representar a nomenclatura web 2.0 que é mais popularmente utilizada e, muita das vezes, criticada no campo científico e profissional. O motivo para a substituição do termo está baseado na crença de que, devido à grande dissenção entre as percepções e definições do que realmente é a web 2.0, acredita-se que não é adequado rotular ou limitar tal conceito dentro de uma perspectiva reduzida e direcionada à existência de diferentes tipos de web. Nesse sentido, acredita-se ser mais adequado considerá-la como uma plataforma de serviços disponíveis em um ambiente digital dinâmico que possibilita e oferece aos usuários maior interação e a conexão direta entre os indivíduos por meio da distribuição, publicação, compartilhamento e organização de informações online (ver item 2.6.2). 3 Do ponto de vista técnico, a web 2.0 é na verdade somente uma convenção, uma nova forma de participação, enquanto os sistemas colaborativos são sistemas especialmente desenvolvidos para oferecer uma gama de ferramentas direcionadas e específicas para possibilitar a participação ampliada aos envolvidos. GT4 1252

5 Quadro 1: Pontos convergentes e divergentes entre os sistemas colaborativos e as ferramentas de redes sociais Tipo Convergentes Divergentes FERRAMENTAS DE REDES SISTEMAS COLABORATIVOS SOCIAIS Acesso democrático da informação Conteúdos gerenciados pelos usuários Possibilidade de criar novos relacionamentos pessoais e profissionais Liberdade de criação Temas centrados na empresa e seu negócio ou no tipo de trabalho desenvolvido pelo funcionário O trabalho e o negócio da empresa definem o tipo dos conteúdos Sistemas desenvolvidos especificamente para a organização Base tecnológica e repositório de informações disponível na empresa Colaboração trocas com objetivo de alcançar um objetivo comum Coordenação de grupos de trabalho Custo variável, de acordo com os recursos utilizados Ferramentas disponíveis na web e utilizados gratuitamente Base tecnológica e repositório de informações disponível na web Compartilhamento - trocas de informação voluntárias Relacionamento e trocas de informações online Custo baixo de implantação Fonte: Elaborado pelos autores. Dentro dessa dinâmica, denominados os sistemas colaborativos, bem como as ferramentas de redes sociais (que, apesar das diferenças, serão ambos nomeados daqui em diante como sistemas colaborativos, como forma de facilitar a compreensão do leitor nas páginas a seguir), podem facilitar a comunicação de diversas formas: tornando a troca de informações uma atividade constante, mais eficiente e clara; abrindo espaço para a comunicação mesmo em situações em que não há possibilidades favoráveis; possibilitam o trabalho à distância; reduzem custos com transporte, deslocamento de funcionários e tempo de trabalho; agregando os indivíduos em grupos de interesses em comuns; facilitando as soluções de problemas em grupo, entre outros (COLEMAN e KHANNA, 1995, citado por ASSIS, 2000). A seguir serão expostos os procedimentos metodológicos seguidos pelos resultados da pesquisa. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS As organizações participantes deste estudo foram escolhidas por terem duas características em comum: a) por possuírem um sistema colaborativo institucionalmente utilizado como recurso de troca de informação entre os funcionários no ambiente organizacional; b) por utilizar o sistema GT4 1253

6 colaborativo na empresa há pelo menos um ano. Participaram desta pesquisa as seguintes empresas: - Documentar Tecnologia da Informação, que presta serviços e consultoria especializada na gestão da informação e do conhecimento corporativos. Essa empresa implantou, como ferramenta de trocas de informação, uma intranet. O sistema foi estruturado a partir da associação de dois softwares. Um deles é o i4bs, produto criado pela própria empresa para gerir documentos. O outro é o SharePoint 4 que assume o papel de plataforma colaborativa e possibilita a participação do usuário de forma flexível e interativa. Os softwares são integrados entre si e desempenham a função de possibilitar a participação efetiva, integrando os funcionários de diferentes unidades e locais de trabalho, na busca e gestão dos documentos da organização. A intranet da empresa, integrada com ferramentas de redes sociais (SlideShare, YouTube, por exemplo), conta ainda com de um sistemas de chat, fórum de discussões e ferramentas de compartilhamento de documentos online que possuem uma estrutura de organização e categorização dos assuntos por meio de uma taxonomia colaborativa; - Synergia Engenharia de Software e Sistemas, laboratório de engenharia de software que oferece serviços de desenvolvimento de sistemas, implantação de processos, sistemas e treinamentos. Devido a solicitações dos próprios funcionários, o Synergia implantou o sistema Wikimedia, do site Wikipedia, por ser considerado um software confiável para a troca de informações. No período em que foi realizada a pesquisa o Synergia testava esse para verificar a possibilidade de integrá-lo à intranet do laboratório. - Empresa C, que tem como foco a prestação de serviços voltados para o e-commerce e publicidade online, A empresa disponibiliza conteúdos digitais por meio de um portal que oferece diversos tipos de informações, canais específicos e estações temáticas (voltados para relacionamento, emprego, jogos, entre outros). A pesquisa foi realizada em apenas um dos setores da organização, o de e-commerce, o qual concentra todo o ciclo de desenvolvimento de produtos e serviços. Assim como o Synergia, a Empresa C adotou a wiki como ferramenta de troca de informações internamente, utilizando-a para registro e intercâmbio de informações das equipes durante o processo de desenvolvimento de produtos. Como instrumentos de coleta de dados, utilizou-se o questionário online disponível em um site especializado 5. O documento foi enviado aos funcionários das empresas, convidando-os a integraram o estudo. Para a definição dos participantes do estudo, estabeleceu-se como principal característica a de que os respondentes fossem usuários diretos do sistema colaborativo adotado pela instituição. 4 O Microsoft Office SharePoint Server é um conjunto integrado de recursos de servidor que pode ajudar a aprimorar a eficácia organizacional ao fornecer o gerenciamento de conteúdo abrangente e a pesquisa por toda a empresa, o que acelera os processos comerciais e facilita o compartilhamento de informações fora dos limites da organização para que você tenha uma melhor percepção comercial. O Office SharePoint Server aceita todos os aplicativos de intranet, extranet e da Web de uma empresa em uma plataforma integrada, em vez de contar com sistemas fragmentados separados. Fontes: aspx?codigo=3 e 5 GT4 1254

7 Nesse sentido, coube a cada empresa indicar o grupo de funcionários com tal perfil e colaborar no repasse das informações referentes à aplicação do estudo no ambiente organizacional. O formulário que os respondentes receberam foi estruturado com nove questões acerca do tema estudado e um campo de caracterização dos respondentes com itens para indicação de sexo, idade, função, entre outros. Estas questões foram subdivididas em 77 itens, agrupados em 10 grandes grupos. A análise dos dados teve início com a elaboração de tabelas contendo frequências absolutas e relativas, médias, mediana, desvios padrões, mínimos e máximos. Para este estudo, foram utilizadas três das nove questões presentes no questionário. Assim, serão aqui apresentadas as respostas frente a cada uma das questões referentes aos motivos que, conforme a Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland, impulsionam o comportamento, que são o relacionamento ou afiliação, realização e poder/ status. Para avaliar a existência de possíveis diferenças entre os motivos que levam os indivíduos a trocarem informações por meio dos sistemas colaborativos, foram utilizados os testes não paramétricos 6 de Friedman 7 e de Wilcoxon 8. O coeficiente de correlação não paramétrico de Spearman 9 foi utilizado para investigar possíveis associações entre as diferentes categorias e variáveis presentes neste estudo. Os dados analisados por meio do software SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) 10. Dentre os 215 funcionários e gestores que utilizam os sistemas colaborativos das empresas participantes do estudo, obteve-se retorno de 108 de respondentes das três empresas. Destes, 63,89% são homens, quase 50% possuem grau de instrução de nível superior e idade média entre 29 e 30 anos. Destaca-se também uma grande concentração de funcionários na área de TI, sendo que quase 50% desempenham funções de analista de sistemas ou cargos similares. A seguir, serão apresentados os resultados alcançados com a aplicação destes procedimentos metodológicos. 4 RESULTADOS Os resultados obtidos dizem respeito aos seguintes aspectos: a) identificação da frequência de uso dos sistemas colaborativos; b) identificação dos tipos de troca de informação realizadas entre os funcionários das empresas participantes e c) na análise dos motivos de comportamento que incentivam o uso dessas ferramentas no ambiente corporativo. Nesse sentido, os resultados serão apresentados nos itens a seguir nessa ordem respectivamente. 6 Testes aplicados em uma base de dados em que não se conhece a distribuição estatística das variáveis (TRIOLA, 2008). 7 Teste não paramétrico de comparação de três ou mais grupos dependentes. Esse teste tende a dar uma resposta mais favorável a um dos critérios (TRIOLA, 2008; MARTINS e THEÓPHILO, 2009). 8 Trata-se de um teste não paramétrico este de comparação de dois grupos dependentes que leva em consideração a magnitude da diferença de cada par (MARTINS e THEÓPHILO, 2009). 9 O teste que busca a associação entre variáveis, avaliando a relação entre elas (TRIOLA, 2008; MARTINS e THEÓPHILO, 2009). 10 Fonte: GT4 1255

8 3.1 FREQUÊNCIA DE USO DOS SISTEMAS COLABORATIVOS A tabela abaixo apresenta os dados referentes à freqüência de uso dos sistemas colaborativos por parte dos participantes do estudo. Nota-se de início que as respostas correspondem aos 102 participantes que efetivamente responderam esse item do questionário. Tabela 1: Frequência de uso de sistemas colaborativos A todo o momento Duas vezes ao dia Duas vezes na semana Uma vez na semana Quinzenal mente Mensal mente Não utilizo TOTAL f % f % f % f % f % f % f % f % Documentar - Intranet Synergia - Wiki Empresa C- Wiki 2 7, , , ,23 2 7,69 2 7,69 2 7, ,00 0 0,00 3 6, , ,96 4 8, , , , , , , ,33 1 3, ,00 2 6, ,00 TOTAL 6 5, , , ,49 7 6, , , ,00 Fonte: Elaborado pelos autores Os dados coletados evidenciam uma expressiva diferença entre as empresas no que diz respeito ao uso de seus sistemas colaborativos. Na Documentar e na Empresa C, tais sistemas são usados pelo menos duas vezes ao dia por 34,61% e 23,33% dos funcionários, respectivamente. Em contraste, apenas 6,52% dos funcionários da Synergia usam o sistema colaborativo da empresa com tal freqüência e 17,39% simplesmente não o utilizam. Nota-se, portanto, estilos bastante diversos entre as empresas no que diz respeito à freqüência de utilização de seus sistemas colaborativos. Considerando-se os dados em seu conjunto, constata-se que 67,65%, ou seja, cerca de dois terços dos funcionários utilizam os sistemas de suas empresas pelo menos uma vez por semana. No outro extremo, 11,76% dos respondentes não os utilizam. Em seguida, serão apresentados os tipos de trocas de informação realizadas por meio do uso dos sistemas colaborativos nas três empresas participantes. 4,1 TIPOS DE TROCAS DE INFORMAÇÃO PELOS SISTEMAS COLABORATIVOS Os dados da tabela 2 foram obtidos por meio de uma questão formulada com a finalidade de identificar se os principais motivos para a troca de informações por meio dos sistemas colaborativos são de natureza colaborativa ou compartilhada. Para minimizar possíveis distorções nas respostas, nos enunciados das questões foi usado o termo vontade para designar compartilhamento ( uso o sistema colaborativo da empresa porque tenho vontade ). Já para identificar comportamentos de colaboração utilizou-se o termo sem vontade ( não tenho vontade de utilizar o sistema colaborativo da empresa ). Esse enunciado foi utilizado para não melindrar os respondentes com conceitos prédefinidos, e de simplificar e traduzir de forma direta a informação que se procurava obter (FOWLER, 1995). GT4 1256

9 Na segunda etapa da questão procurou-se identificar porquê os indivíduos trocam informações no ambiente de trabalho, na tentativa de buscar identificar a veracidade desses comportamentos por meios de afirmações complementares. Dentro dessa ótica, foram criadas três opções de resposta para identificar se os comportamentos são realmente voluntários, ou seja, de compartilhamento. Assim, adotou-se o seguinte enunciado: uso o sistema colaborativo da empresa [...] 1- porque faz parte do trabalho, relacionando o sentindo ao uso obrigatório do sistema; 2- como possibilidade de potencializar as trocas de informação dentro da empresa, destacando a existência de obter retribuição de algo dentro do processo; e 3- como forma de ajudar os colegas, indicando a prevalência de um ato voluntário e sem necessidade de retribuição. As respostas a essas perguntas indicaram que 76,85% dos respondentes utilizam o sistema colaborativo da empresa porque sentem vontade de usá-lo, enquanto 23,15% não evidenciaram tal predisposição. Assim, verifica-se que as respostas são indicativas de um comportamento voluntário de compartilhar informações. Os dados referentes à segunda parte da pergunta revelam que o motivo predominante nas trocas de informação é a possibilidade de, ao trocar informações, há uma expectativa das pessoas em receber outras informações em troca. Esse comportamento, apontado por mais de metade (53,33%) dos respondentes, revela que parcela expressiva dos usuários desses sistemas demonstram comportamento colaborativo e não de compartilhamento - nas trocas de informação. Por outro lado, analisando-se as proporções da busca por retribuição em cada uma das empresas, percebe-se que os números foram ligeiramente mais altos no Synergia (56,52%) do que nas demais empresas. O uso do sistema por fazer parte do trabalho foi maior na Documentar (38,71%) do que na Empresa C (22,58%) e na Synergia (17,39%). Esses dados são apresentados na TAB. 2, abaixo. Tabela 2: Tipos de trocas de informação no uso dos sistemas colaborativos Opções de resposta 1- Uso o sistema colaborativo da empresa porque faz parte do meu trabalho. 2- Uso o sistema colaborativo da empresa porque colaborando crio possibilidades de receber outras informações em troca. 3- Uso o sistema colaborativo da empresa porque sinto que assim ajudo meus colegas de trabalho. Documentar Synergia Empresa C TOTAL f % f % f % f % 12 38, , , , , , , ,33 2 6, , , ,95 TOTAL , , , ,00 Fonte: Elaborado pelos autores GT4 1257

10 Nas respostas obtidas percebe-se que, apesar das variações, as respostas correspondentes ao segundo enunciado denotam a necessidade dos funcionários dessas empresas de alcançar a retribuição nas trocas de informação. Tal apontamento sugere um tipo de troca de informação que não é totalmente voluntário, já que esse conceito denota a ação que é prestada com o intuito de contribuir. Complementando essa análise, nota-se que os resultados dos itens 1 e 3 indicam que as trocas de informação são determinadas pelas rotinas de trabalho de natureza colaborativa e não de compartilhamento, conforme as definições adotadas no presente trabalho. Ou seja, trocas colaborativas têm como principal finalidade o trabalhar junto, prevalecendo as trocas voluntárias sobre as trocas obrigatórias no Synergia e na Empresa C, mas não na Documentar. Esses resultados revelam, entre outros aspectos, as estratégias adotadas pelas empresas quanto à finalidade de seus sistemas colaborativos. 4,2 MOTIVOS DE COMPORTAMENTO NO USO DOS SISTEMAS COLABORATIVOS Para a identificação e avaliação dos motivos de comportamento no uso dos sistemas colaborativos, conforme a Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland, foi desenvolvido um conjunto de 15 enunciados, cada um dos quais descritivo de um comportamento frente às trocas de informação. Esses enunciados foram agrupados em três categorias conforme a teoria de McClelland (relacionamento, realização, poder e status). As perguntas foram estruturadas de forma a captar as diferenças das atitudes e comportamentos dos indivíduos frente às trocas de informação. Para obter sucesso, adotou-se o formato tarefa de resposta proposto por Fowler (1995) com a criação opções de resposta por meio de um continuum de possíveis opções como forma de verificar as concordâncias ou discordâncias do respondente com relação a um tema específico. Para cada uma 15 afirmativas desenvolvidas especialmente para este estudo, o respondente deveria indicar, dentro de uma escala gradativa de cinco níveis, o seu grau de concordância com cada uma das afirmativas. A análise se consolida com o agrupamento das respostas das três categorias de comportamento (relacionamento, realização e poder e status) e o somatório da pontuação de cada um dos níveis adquiridos em cada resposta, indicando ao final um tipo de motivo que impulsiona o comportamento dos indivíduos Esse tipo de formato de coleta e análise proposto nessa questão foi baseado no estudo de Porto e Tamayo (2003) onde os autores constroem e validam a Escala de Valores Relativos ao Trabalho (EVT) que tem como base avaliar os princípios, as metas ou as recompensas desejáveis que as pessoas normalmente buscam por meio do trabalho, bem como o seu comportamento e escolhas alternativas no contexto laboral. GT4 1258

11 Quadro 2: Relação dos enunciados da questão desenvolvida para verificar os tipos de motivos de comportamento no uso dos sistemas colaborativos Categoria - Motivos Enunciado Utilizando o sistema colaborativo e colaborando com informações, sinto que faço parte da empresa ou do grupo de trabalho. Gosto do ambiente de trabalho. Relacionamento Sinto-me motivado para participar das trocas de informações. Fortaleço os relacionamentos com os outros quando compartilho informação. Confio nas informações disponíveis no sistema colaborativo da empresa. É fácil buscar e adquirir informações por meio do sistema colaborativo adotado pela empresa. Gosto de contribuir com informações para melhorar a qualidade do trabalho do grupo. Realização Interagindo nas trocas de informação conquisto prêmios e recompensas. Consigo fazer com que os outros conheçam o meu trabalho por meio do uso do sistema colaborativo. Encontro informações no sistema colaborativo da empresa que me ajudam a executar melhor o meu trabalho. Tenho facilidade para trocar informações com os níveis hierárquicos mais altos da empresa. Sinto que a empresa valoriza e dá poderes a quem troca informação. Poder e Status Participando das trocas de informação, aumento as minhas chances de alavancar a minha carreira e alcançar futuras promoções. Fonte: Elaborado pelos autores. Troco informações para demonstrar a minha capacidade e desempenho naquilo que faço. Faço uso do sistema colaborativo para manter-me mais atualizado em relação aos outros. GT4 1259

12 Uma vez obtidas as médias e medianas dos itens, foram utilizados os testes de Friedman e Wilcoxon para grupos para se comparar os resultados. A tabela 3 apresenta os valores das médias, medianas e desvios padrão, correspondentes a cada um dos motivos do comportamento nas trocas de informação. Tabela 3: Análise dos motivos do comportamento Empresa Documentar Synergia Empresa C Motivos do comportamento** Média Mediana Desvio Padrão Relacionamento b 3,85 3,80 0,61 Realização a 3,37 3,40 0,73 Poder e Status a 3,39 3,40 0,70 Relacionamento b 3,93 4,00 0,52 Realização a 3,33 3,40 0,62 Poder e Status a 3,13 3,20 0,71 Relacionamento b 3,66 3,80 0,67 Realização a 2,95 3,00 0,60 Poder e Status a 2,88 3,00 0,65 P-valor* 0,002 < 0,001 < 0,001 * Teste Friedman. ** Teste Wilcoxon: Sobrescritos (b) indicam a existência de diferença significativa. Fonte: Elaborado pelos autores A análise dos dados apresentados na tabela 3 indica que os resultados obtidos para o motivo relacionamento nas três empresas são superiores aos obtidos para os outros dois motivos. No entanto, considerando-se apenas os resultados da Documentar, não há diferenças expressivas entre os índices relacionados aos motivos de realização e poder e status. Na empresa Synergia, de acordo com a percepção dos respondentes, o motivo relacionamento prevalece sobre o de realização e este sobre o de poder e status. Para determinar o grau de significância estatística utilizou-se os testes de Friedman e Wilcoxon. A partir do teste de Friedman, conclui-se que existe diferença significativa entre os fatores avaliados (p-valor<0,05). O teste de Wilcoxon mostra que, de acordo com a opinião dos funcionários das três empresas,o principal motivo do comportamento nas trocas de informação para utilização do sistema é também o relacionamento, sendo que a diferença entre os motivos de realização e poder e status não são estatisticamente significativos. GT4 1260

13 Levando-se em conta os resultados como um todo, pode-se concluir que, apesar das diferenças relativas ao ramo de atuação, perfil dos funcionários e foco do negócio de cada uma das empresas participantes, o motivo preponderante nas trocas de informação entre os funcionários é o relacionamento. No que diz respeito aos sistemas colaborativos, o estudo possibilitou investigar a sua frequência e tipo de uso. Vale a pena destacar a semelhança dos tipos de troca de informação nas empresas. Nelas, a maior parte dos funcionários alegou ter vontade de trocar informações, mas os dados revelam também que uma grande parcela troca informação na espera de uma retribuição do outro; ou seja, na expectativa de receber algo em troca. Assim, ao mesmo tempo em que os resultados evidenciaram a existência de trocas voluntárias ou compartilhadas, percebe-se que essas trocas de informação também são colaborativas. No contexto do presente estudo, ficou evidente que o uso de sistemas de informação voltados para a colaboração não altera a equação compartilhamento - colaboração em ambientes organizacionais. Além dessas constatações, o estudo sugere uma série de conclusões, reflexões e sugestões para futuras pesquisas. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho é mais um, dentre outros que têm investigado a associação entre compartilhamento da informação e o sucesso das iniciativas de gestão do conhecimento no ambiente organizacional (KEONG e AL-HAWAMDEH, 2002; WANG e NOE, 2010; MÜLLER et al. 2005; YANG e CHEN, 2007). De fato, muitos defendem que as ações de compartilhamento são as principais iniciativas das empresas em gestão do conhecimento (SMALL e SAGE, 2006, p. 162). Outros trabalhos indicam também que as práticas de compartilhamento das informações nas contribuem para a criação de repositórios de informação, bem como ampliar as ações de institucionalização do conhecimento empresarial (DAVENPORT e PRUSAK, 1998; WANG e NOE, 2010). Com base na literatura da área de Ciência da Informação e de outras áreas do conhecimento, esta pesquisa permitiu verificar associações entre o comportamento informacional, os motivos que incentivam as trocas, os fatores influenciadores e os tipos de troca de informação presentes nas transferências de informação dentro das organizações. Os resultados desta pesquisa sugerem algumas áreas que podem ser objeto de outros estudos. Aspectos que merecem ser melhor explorados são as trocas de informação por meio de sistemas ou ferramentas de comunicação formais e informais (chats, intranets, tecnologia móvel e sem fio, , etc.), bem como a influência das práticas de aprendizagem (ANDREWS e DELAHAYE, 2000), a relação e o resultado dos diferentes comportamentos entre os indivíduos (HALL, 2001), o relacionamento interpessoal entre funcionários e equipes (MA e YUEN, 2011), a abertura na comunicação (KIM e JU, 2008), as habilidades na comunicação (KEONG e AL-HAWAMDEH, 2002), a influência dos atores na rede de informação organizacional (HALL e GOODY, 2006), entre outros. GT4 1261

14 Sugere-se também a execução de estudos sobre a associação das práticas de compartilhamento da informação com a abordagem da governança do conhecimento 12, buscando explorar as possíveis influências dos mecanismos de governança empresarial sobre os processos de compartilhamento. Sob outra visão, destaca-se a possibilidade de se estudar o compartilhamento da informação e da colaboração e sua contribuição para criação de novos conhecimentos na empresa por meio de ferramentas online. Ainda sob a questão da aprendizagem organizacional, destaca-se a possibilidade de se aprofundar estudos sobre a escrita colaborativa nos ambientes organizacionais utilizando sistemas colaborativos e outros sistemas ou ferramentas de troca de informação. Os temas que permeiam esse objeto de estudo são variados, envolvendo o entendimento dos conceitos de informação e conhecimento, o seu reconhecimento como um recurso crítico para as organizações, como a compreensão do processo como um todo e da sua importância para a estratégia e dinamismo empresarial (DAVENPORT e PRUSAK, 1998; FOSS e PEDERSEN, 2002; GRANT, 1996; SPENDER e GRANT, 1996). Seguindo esse raciocínio, as organizações precisam ressaltar com mais enfoque a necessidade de explorar seus recursos baseados no conhecimento já existente dentro da organização (DAVENPORT e PRUSAK, 1998; SPENDER e GRANT, 1996). Além das possibilidades acima apresentadas, acredita-se que, estudos integrativos possam explorar os relacionamentos entre as características individuais dos funcionários nas trocas de informação, a influência dos estilos de liderança no processo de disseminação das informações, como também os comportamentos informacionais em diferentes setores e níveis hierárquicos organizacionais. Sob a perspectiva dos procedimentos metodológicos aqui adotados, acredita-se que outros procedimentos metodológicos possam ser utilizados, não somente em organizações privadas de portes e foco de negócios diferenciados, mas também em outras instâncias como, por exemplo, em órgãos públicos e organizações não-governamentais (ONGs). Uma importante implicação prática desse estudo é destacar que o compartilhamento da informação e a colaboração devem ser estimulados nas corporações, de forma que os funcionários possam contribuir para aplicação do conhecimento, inovação e, em última análise, garantir a vantagem competitiva da organização (JACKSON et al., 2006). Um grande desafio para as empresas contemporâneas é incentivar seus funcionários a utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para potencializar o compartilhamento e a colaboração não apenas internamente, mas também com clientes, parceiros e outros stakeholders. Sob esse prisma, vale destacar a importância papel das lideranças como os maiores incentivadores de comportamentos informacionais desejáveis. Essas ações envolvem não apenas capacitação e acompanhamento formais, mas também conversas informais que possam potencializar e consolidar a cultura do compartilhamento e troca de informação no ambiente organizacional. 12 A governança do conhecimento envolve o uso e controle adequados da estrutura organizacional, de organogramas de trabalho, dos sistemas de recompensa, dos sistemas de informação, dos procedimentos operacionais padrão e de outros mecanismos de coordenação (FOSS, 2010). GT4 1262

15 Em suma, o estudo sugere que as práticas de compartilhamento e colaboração precisam assumir posição estratégica na gestão organizacional, incorporando a essas ações uma ênfase voltada às pessoas, aos processos e aos recursos de informação como ferramental de apoio na estruturação de processos mais dinâmicos e ativos nas trocas de informação. Abstract: This reference work is the area of Information Science in order to distinguish the terms of information sharing and collaboration, as well as identify what type of tools that organizations are institutionalized to enhance the exchange of information among employees. Thus, through an exploratory research carried out in three different business enterprises, aimed to detect factors that influence the exchange of information conducted through the use of collaborative systems, and recognize what types of exchanges (whether shared or collaborative) prevail in such contexts. The results reveal the coexistence of business behaviors information sharing and collaboration and a quest for high pay, as well as a strong association between the motives that drive the exchange of information (relationship, achievement and power - this categories was adopted by McClelland s Acquired Needs Theory) that encourage the exchange of information and the factors influencing them. Keywords: Knowledge management. Information behavior. Collaboration. Information sharing. Collaborative systems. Social networks. REFERÊNCIAS ALCARÁ, Adriana R.; DI CHIARA, Ivone G.; RODRIGUES, Jorge L.; TOMAÉL, Maria Inês; PIEDADE, Valéria C. Fatores que influenciam o compartilhamento da informação e do conhecimento. Perspectivas em Ciência Informação, v.14, n.1, p , jan./abr ANDREWS, Kate; DELAHAYE, Brian. Influences on knowledge processes in organizational learning: the psychosocial filter. Journal of Management Studies, v. 37, n. 6, p. 1-14, set ASSIS, Rodrigo Lemos de. Facilitando a percepção em ambientes virtuais de aprendizado através da abordagem groupware Dissertação. (Mestrado em Ciência da informação) Departamento de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ. BARROS, L. A. Suporte a ambientes distribuídos para aprendizagem cooperativa Tese (Doutorado em Engenharia) - COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, BURNS, W.; MCKINNON, S. Information and managers: A field study. Journal of Management Accouting Research, v. 5, n. 1, p , COLEMAN, D.; KHANNA, R. Groupware: technology and applications. In: ASSIS, Rodrigo Lemos de. Facilitando a percepção em ambientes virtuais de aprendizado através da abordagem groupware Dissertação. (Mestrado em Ciência da informação) Departamento de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ. GT4 1263

16 DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. 6. ed. São Paulo: Futura, p. DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, p. DE LONG, David; FAHEY, Liam. Diagnosing cultural barriers to knowledge management. Academy of Management Executive, v. 14, n 4, nov DRUCKER, P. F. The age of discontinuity: guidelines to our changing society. New York: Harper and Row, Publishers; p. FOSS, N; PEDERSEN, T. Transferring knowledge in MNCs: the role of sources of subsidiary knowledge and organization context. Journal of International Management, v. 8,n. 1, p , FOSS. Nicolai J. The Emerging Knowledge Governance Approach: Challenges and Characteristics. Organization Articles, v. 14, n. 1, p , FOWLER JR., Floyd J. Improving survey questions: design and evolution. Thousand Oaks (CA): Sage, c p. GRANT, R. Prospering in dynamically competitive environments: Organizational capability as knowledge integration. Organization Science, v. 7, n. 4, p , HALL, Hazel. Input-friendliness: motivating knowledge sharing across intranets. Journal of Information Science v. 27, n. 3, p. 27; 139, HALL, Hazel; GOODY, Melanie. KM, culture and compromise: interventions to promote knowledge sharing supported by technology in corporate environments. Journal of Information Science, v. 33, n. 2, p , HORTON, F. W. Jr. How to harness information resources: a systems approach. Cleveland, Ohio: Association for Systems Management, p. HUNG, Shin-Yuan; DURCIKOVA, Alexandra; LAI, Hui-Min; LIN, Wan-Mei. The influence of intrinsic and extrinsic motivation on individuals knowledge sharing behavior. Int. J. Human- Computer Studies, v. 69, p , IPE, M. Knowledge sharing organizations: a conceptual framework. Human Resource Development Review, v. 2, n. 4, p , dez IVES, W.; TORREY, B.; GORDON, C. Knowledge Sharing is human behavior. Knowledge Management: Classic and Contemporary Works, D. Morey, M. Maybury and B. Thuraisingham, eds, MIT Press, Cambridge MA, JACKSON, Susan E.; CHUANG, Chih-Hsun; HARDEN, Erika E.; JIANG, Yuan. Toward Developing Human Resource Management Systems for Knowledge-Intensive Teamwork. In: MARTOCCHIO, GT4 1264

17 Joseph J. (ed.). Research in Personnel and Human Resources Management, Emerald Group Publishing Limited, v. 25, p.27-70, KEONG, Lee Chu; AL-HAWAMDEH, Suliman. Factors Impacting Knowledge Sharing. Journal of Information & Knowledge Management, v. 1, n. 1, p , KIM, Seonghee; JU, Boryung. An analysis of faculty perceptions: attitudes toward knowledge sharing and collaboration in an academic institution. Library & Information Science Research, v. 30, p , KING, William R.; MARKS JR., Peter V. Motivating knowledge sharing through a knowledge management system. Omega, v. 36, n. 1, p , LAM, A. Tacit knowledge, organizational learning and societal institutions: An integrated framework. Organization Studies, v. 21, n. 3, p , LAM, Alice; LAMBERMONT-FORD, Jean-Paul. Knowledge sharing in organizational contexts: a motivation-based perspective. Journal of Knowledge Management, v. 14 n. 1, p , LIN, Wen-Bao. The exploration factors of affecting knowledge sharing The case of Taiwan s high-tech industry. Expert Systems with Applications, n. 35, p , LIU, Wen-Chung; FANG, Chen-Ling. The effect of different motivation factors on knowledgesharing willingness and behavior. Social Behavior and Personality, v. 38, n.6, p , MA, Will W.; YUEN, Allan H. Understanding Online Knowledge Sharing: An Interpersonal Relationship Perspective. Computers & Education, n. 56, p , MARTINS, Gilberto; Theóphilo, Carlos. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, p. McCLELLAND, David C. Human motivation. New York, NY: Cambridge University Press, p. McCLELLAND, David C. The achievement motive. New York, USA: Appleton Century Crofts, p. MÜLLER, Roland M.; SPILIOPOULOU, Myra; LENZ, Hans-J. The Influence of Incentives and Culture on Knowledge Sharing. In: PROCEEDINGS OF THE 38TH HAWAII INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES, p. 1-10, PETTIGREW, K.; FIDEL, R.; BRUCE, H. Conceptual frameworks in information behavior. Annual Review of Information Science and Technology (ARIST), v 35, p , PORTO, J.; TAMAYO, A. Desenvolvimento e validação da escala de valores do trabalho - EVT. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 19, n. 2, p RIEGE, A. Three-dozen knowledge-sharing barriers managers must consider. Journal of Knowledge Management, v. 9, n. 3, p.18-35, GT4 1265

18 SABETZADEH, Farzad; TSUI, Eric. Social motives polarity and its impact on knowledge sharing. VINE: The journal of information and knowledge management systems, v. 41, n. 1, p , SIEMSEN, Enno; ROTH, Aleda V.; BALASUBRAMANIAN, Sridhar. How motivation, opportunity, and ability drive knowledge sharing: The constraining-factor model. Journal of Operations Management, n. 26, p , SMALL, C.; SAGE, A. Knowledge management and knowledge sharing: A review. Information Knowledge Systems Management, v. 5, n. 3, p , SPENDER, J.; GRANT, R. Knowledge and the firm: overview. Strategic Management Journal, n. 17, p. 5-9, STEINEL, Wolfgang; KONING, Lukas; UTZ, Sonja, The Good, the Bad and the Ugly Thing to Do When Sharing Information: Revealing, Concealing and Lying Depend on Social Motivation. Organizational Behavior and Human Decision Processes. v. 113, n. 2, p , nov TAYLOR, R. S. Value-added processes in information systems. Norwood, New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1986, 257 p. TRIOLA, Mario F. Introdução à estatística. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, xxvi, 696 p. TSAI, Ming-Tien; CHEN, Kun-Shiang; CHIEN, Jui-Lin. The factors impact of knowledge sharing intentions: the theory of reasoned action perspective. Springer Science+Business Media B.V., online, mar Disponível em <http://www.springerlink.com/content/g38077pw q/>. Acesso em 12 nov WANG, Sheng; NOE, Raymond A. Knowledge sharing: A review and directions for future research. Human Resource Management Review, n. 20, p , Disponível em <http://www. sciencedirect.com.ez27.periodicos.capes.gov.br/science?_ob=mimg&_imagekey=b6w4j- 4XSSV02-1-3&_cdi=6544&_user=923856&_pii=S &_origin=search&_ zone=rslt_list_item&_coverdate=06%2f30%2f2010&_sk= &wchp=dglzvzz-zskzv& md5=622464cf7c3a707e453fb64cd40fa6e3&ie=/sdarticle.pdf>. Acesso em 30 ago YANG, Chyan; CHEN, Liang-Chu. Can organizational knowledge capabilities affect knowledge sharing behavior? Journal of Information Science, v. 33, n. 1, p , Disponível em <http://jis.sagepub.com/cgi/reprint/33/1/95?> Acesso em 25 mar YU, Tai-Kuei; LU, Long-Chuan; LIU, Tsai-Feng. Exploring factors that influence knowledge sharing behavior via weblogs. Computers in Human Behavior, v. 26, p , Disponível em <http:// 4X7YX8M-1-1&_cdi=5979&_user=923856&_pii=S &_origin=search&_ zone=rslt_list_item&_coverdate=01%2f31%2f2010&_sk= &wchp=dglzvzz-zskzv& md5=8c40a74f8f7e7126b d&ie=/sdarticle.pdf>. Acesso em 14 ago GT4 1266

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Esta cada vez mais comum na web ambientes wikis. É um dos fatores principais no que vem sendo denominado

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

Gestão Democrática e Humanização do Cuidado

Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Cuiabá, agosto/2013 Selma Loch (SMS Florianópolis) selmaloch@gmail.com Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Projeto de pesquisa sobre liderança e gerência

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Caroline Brito de Oliveira

Caroline Brito de Oliveira COOPERAÇÃO, COMPARTILHAMENTO E COLABORAÇÃO NA REDE DE BIBLIOTECAS E CENTROS DE INFORMAÇÃO EM ARTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDARTE/RJ Caroline Brito de Oliveira Orientador: Profª Drª Regina de Barros

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional Objetivo da Pesquisa de Clima Organizacional: Conhecer de forma sistematizada o clima

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO Concurso Público para o Cargo de Professor Adjunto EDITAL 027/2012 Código do Candidato: PROVA ESCRITA - 17.12.2012

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais