CATHARIZA DAZON E FILHO 97 RUA DO OUVIDOR _ 97

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATHARIZA DAZON E FILHO 97 RUA DO OUVIDOR _ 97"

Transcrição

1 Francesas no Rio de Janeiro: modernização e trabalho segundo o Almanak Laemmert ( ) 1 Lená Medeiros de Menezes Corria o ano de 1858, quando Catharina Dazon uma das modistas da rua do Ouvidor -, proprietária de lojas de modas em Paris, Londres e Lyon, publlicou o seguinte anúncio na Revista das Notabilidades, parte constituinte do Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial editado por Eduardo e Henrique Laemmert: CATHARIZA DAZON E FILHO 97 RUA DO OUVIDOR _ 97 GRANDE SORTIMENTO DE SEDAS, CASSAS, CHITAS, BAREGES, CAMISINHAS, SAHIDAS DE BAILE, CHALES, RENDAS, CHAPÉOS DE SEDA, E DE PALHA, ENFEITES DE CABEÇA E TUDO O QUE COMPÕE O TOILETTE DE UMA SENHORA VESTIMENTAS PARA CRIANÇAS, BONÉS DE VELLUDO, DE PANNO E DE PALHA PARA AS MESMAS. MEIAS DE SEDA, DE LINHO, DE ALGODÃO FRANCEZAS E INGLEZAS LUVAS DE TODAS AS QUALIDADES FAZENDAS PARA LUTO DEPOSITO DE LUVAS DE JOUVIN O Rio de Janeiro dos anos cinqüenta já conhecia considerável desenvolvimento urbano, graças aos lucros do café e ao fim do tráfico de escravos. O dinheiro que circulava na cidade oferecia as condições necessárias ao desenvolvimento de comércio e pressionava no sentido da importação dos produtos europeus. Vestir-se na última moda de Londres ou Paris tornou-se um imprativo dos novos tempos e aquele(a)s que produziam moda, os ícones de uma nova era, de sofisticação e luxo. 1 Artigo publicado originalmente na Revista do IHGB, nº 423, abr/jun. 2004, pp , resultado de pesquisa desenvolvida com o apoio do CNPq (Bolsa de Produtividade em Pesquisa) e da UERJ (Prociência).

2 Quando os Dazon publicaram o anúncio faziam oito anos que o tráfico cessara, 36 que a Independência fora proclamada, 50 desde que a família real chegara ao Brasil e 43 do Congresso de Viena, que redesenhara o mapa da Europa, abafando, pelo menos momentaneamente, o incêndio da revolução. Momento no qual a França, graças ao gênio diplomático de Talleyrand, aproximava-se dos antigos inimigos, abrindo, assim, caminho para a exportação de seus produtos para os outros continentes. Um desses antigos inimigos era Portugal. Já em julho de 1814, antes mesmo da queda definitiva de Napoleão, um acordo provisional assinado entre os dois países garantiu a aproximação, passo importante para que, findo o Congresso de Viena, a influência francesa colaborasse, em muito, para moldar uma nova paisagem urbana no Rio de Janeiro do oitocentos. Por portaria de Lisboa, datada de 19 de outubro de 1816, foram colocadas em execução disposições constantes de documento firmado em 16 de setembro de 1815, validando o acordo provisional de Por ela, três artigos principais ficavam consagrados: Primeiro: os dois soberanos concederão, cada um nos seus estados, aos embaixadores e agentes diplomáticos do outro junto dele acrediados, as mesmas franquezas, e isenções de direitos sobre o pé da mais perfeita reciprocidade. Segundo: em conseqüência dos vínculos de amizade que unem as duas nações; as relações de comércio são restabelecidas na mais perfeita reciprocidade enquanto, por uma convenção, não forem reguladas as condições particulares; os direitos de porto, que houverem de pagar os navios mercantes, serão recebidos em um e outro país no pé de uma perfeita reciprocidade. Terceiro: os cônsules e vice-cônsules de cada um dos dois soberanos gozarão nos estados do outro de todos os privilégios, prerrogativas e jurisdição de que estavam na posse em primeiro de janeiro de mil setecentos e noventa e e dois. 3 2 O acordo de 1814 foi assinado pelo Conde de Palmela e pelo Príncipe Talleyrand, Secretário de Estado de Sua Majestade Cristianíssima el Rei Luiz XVIII. 3 Publicado na Gazeta do Rio de Janeiro, nº 5, de 17 de janeiro de A grafia e a pontuação dos textos de época foram atualizados para facilitar a leitura, sem que seu teor tenha sido prejudicado. 2

3 Com relação aos súditos de cada um dos dois Estados em questão, ficavam também garantidas vantagens e isenções sobre o pé da mais perfeita reciprocidade, permitindo, já em 1816, que a Gazeta do Rio de Janeiro trouxesse avisos de serviços oferecidos por franceses e francesas na cidade, colocando ao alcance da mão das elites, antigas e novas, produtos e serviços que faziam sucesso nas capitais européias: Girard, cabelereiro de Sua Alteza e Senhora D. Carlota, princesa do Brasil, de Sua Alteza Real, a princesa de Gales, e de Sua Alteza Real, a duquesa de Angouleme, penteia as senhoras na última moda de Paris e de Londres; corta o cabelo aos homens e as senhoras; faz cabeleiras de homens e senhoras, e tudo o que consiste na sua arte; tinge com os pós de George com a última perfeição o cabelo, as sobrancelhas e as suiças, sem causar dano algum à pele nem à roupa; e tem uma pomada que faz crescer e aumentar o cabelo; água maravilhosa de M me M artin de Paris, para fazer a pele da cara branca. Assiste à rua do Rosário, nº 11, ao lado esquerdo da casa de pasto. 4 A linguagem da moda e da sofisticação chegava, assim, a uma cidade provinciana e escravista que, repentinamente, em 1808, abrigara a Corte e, a partir de sua presença, conhecera novos hábitos, recriando necessidades. As mudanças ocorridas exigiram não só profissionais e produtos novos para atendimento às demandas criadas, quanto possibilitaram o surgimento, ainda que incipiente, de uma economia de mercado, ao mesmo tempo em que incentivaram a imigração. No caso francês, ainda que a França nunca tenha se caracterizado como um país de emigração, este processo apresentou-se como uma saída para homens e mulheres às voltas com crises recorrentes e sérias questões sociais, 5 tão bem romanceadas por Hugo 6 e Sue. 7 4 Gazeta do Rio de Janeiro, nº 18, 2 de março de Avisos particulares. 5 Sucessivas crises econômicas sucederam-se na França do século XIX: , , , , , O país conheceu greves violentas em 1840 e desemprego de massa em 1848, quando mais da metade dos operários parisienses ficaram desempregados. 6 Principalmente em Les Misérables, obra baseada nos Annales d Higiène de Na obra Les Mystères de Paris, baseada em Mémoire sur les débardeurs de la ville de Paris, escrita por Parent-Duchalet em

4 Estas crises pressionaram não só as migrações internas, na direção de Paris, como impulsionaram a busca por melhores condições de vida em outros espaços. Segundo Chevalier, não só a história da formação da população francesa durante a primeira metade do século XIX foi, de fato, a história da imigração para Paris, como a emigração jogou um papel que não pode ser negligenciado, permitindo um alívio da pressão social. Por um lado, operários faziam seu tour de France, como artesãos, da mesma forma que comerciantes tentavam fazer fortuna na França ou no estrangeiro. Por volta de 1817, para o mesmo autor, teria aparecido aquilo que seria continuamente reforçado ao longo do século: a atração dos mais jovens pelas profissões mais rentáveis, mais bem pagas, menos penosas. Ou seja, aquelas que demandavam menor esforço físico e retornos mais fáceis. Em Paris do Segundo Império, o desenvolvimento econômico e as novas disposições do mercado com relação ao comércio do luxo, aos negócios e à indústria dos prazeres relegaram ao segundo plano o que o autor chama de arrière-boutique. Em outras palavras, depreciaram o labor artesanal e o processo de produção dos artigos que faziam a glória das boutiques de luxo instaladas na capital francesa, 8 depreciando, consequentemente, os ganhos de artesãos e artesãs. De atelier em atelier, mulheres migraram em busca de melhores condições de trabalho e vida. Esgotadas as possibilidades em terras francesas, elas deslocaram-se para outros países e continentes, muitas delas já habituadas a complementarem a renda com o exercício da atividade prostitucional. Apesar da idéia de civilização no século XIX ter por referência a França, não pode mos esquecer que o novecentos francês foi repleto de turbulências, tanto políticas como econômicas, em um país que, segundo Pierre Miquel, tornara-se mais rural do que 8 Louis Chevalier. Classes laborieuses et classes dangereuses à Paris, pendant la première moitié du XIX e siècle. Paris: Hachette, 1984, p

5 nunca após as Guerras napoleônicas, com 75% dos franceses vivendo no campo, com uma sobrevida das formas de produção tradicionais e com o enfrentamento de enormes dificuldades cotidianas. 9 Nas cidades, principalmente em Paris, os flagelos da prostituição e da indigência estavam por toda parte. Apesar de tudo isto, a idéia da França como modelo de civilização firmou-se ao longo do século e todos os impulsos civilizatórios conhecidos pelo Rio de Janeiro oitocentista foram pensados e escritos em francês. O vestir-se à francesa e o comportar-se à francesa, como também o amar à francesa - e as francesas -, passaram a ser ações identificadas com o refinamento dos costumes e com a adoção de um viver civilizado. Tudo isto colaborou para que a cidade do Rio de Janeiro, sede do poder português a partir de 1808 e capital do Brasil desde 1822, pudesse se tornar uma possibilidade de fuga às adversidades encontradas em França e uma esperança da tão desejada promoção social. Os anúncios que se seguem, publicados na Gazeta do Rio de Janeiro entre os anos de 1816 e 1819, permitem que se visualize o processo de invenção da moda no Rio de Janeiro, alimentado por uma propaganda contínua das maravilhas produzidas em França: Carlos Durand, negociante francês, estabelecido nesta Corte, rua do Ouvidor, nº 28, acaba de receber, pelos últimos navios chegados da França um grande sortimento de objetos de enfeites para senhoras Em casa de Bellard, rua do Ouvidor, nº8, canto da rua Direita, se acha um novo sortimento de falsa e verdadeira bijouteria, chapéus para senhoras, livros franceses, vestidos e enfeites da senhora modernos, cheiros em todos os gêneros, pêndulos, espingardas, leques e, finalmente, um sortimento de toda a qualidade de fazendas francesas % dos recursos familiares eram gastos com a alimentação. Cf. Pierre Miquel. Histoire de la France de Vercingétorix à Charles de Gaulle. Paris: Librairie Arthème Fayard, 1976, p Idem, nº 63, 7 de agosto de Avisos particulares. 11 Idem, nº 91, 13 de novembro de Avisos particulares. 5

6 Gudin, alfaiate de Paris, morador da rua do Rosário, nº 34, tem uma porção de vestidos de corte de veludo de diversas cores, e também de pano azul bordados de ouro, que lhe chegaram na última embarcação vinda da França. 12 No armazém da modista francesa, na rua dos Ourives entre a do Rosario e do Ouvidor nº 66, se acha um sortimento de flores, plumas, fitas, bordados, chapéus para senhoras & c, o mais rico, mais lindo, e mais moderno que se pode desejar. Como esta casa recebe diretamente estes gêneros das melhores fábricas de Paris, aí podem concorrer os compradores na certeza de que lhes ficarão por muito mais cômodo preço, do que em qualquer outra parte. 13 Consagrada a moda como o sinal dos novos tempos, negociantes de fazendas, perfumes e quinquilharias, cabelereiros, alfaites e modistas de várias especialidades passaram a chegar à cidade. Para Manuel de Macedo, desde 1822, nenhuma senhora fluminense se prestou mais a ir a saraus, a casamentos, a batizados, a festas e reuniões sem levar vestido cortado e feito por modista francesa da rua do Ouvidor. Daí, as senhoras elegantes logo se darem interesse e gosto ao estudo da língua francesa 14 e, com esta, parafraseando Leclerc em Cartas do Brasil, criava hábitos franceses, que provocavam a aquisição dos produtos franceses, pois quem fala[va] francês torna[va]- se cliente da França. Para cidades como o Rio de Janeiro, o processo de modernização ocorrido ao longo dos oitocentos, representou a inserção no mundo civilizado, a partir da reprodução dos padrões europeus, tanto no cotidiano do ser como nas possibilidades do estar. Tempos de mudança que se inseriram no contexto do avanço do capitalismo e na apologia de uma nova vida, que no Brasil foram marcados pelo processo de superação do escravismo, embora não possamos esquecer que mitos franceses estabelecidos na cidade conviveram, perfeitamente, com o trabalho escravo, tendo, eles mesmos, seus 12 Idem, nº 28, 5 de abril de Avisos particulares. 13 Idem, nº 19, 6 de março de Avisos particulares. 14 Joaquim Manuel de Macedo. Memórias da rua do Ouvidor. Brasília: Ed. UNB, 1988, p. 76 6

7 próprios cativos, como Ambrosio Bourdon, que, em 1816, manda publicar aviso oferecendo gratificação pela captura de um escravo de nome José: Quem souber de um moleque novo, por nome José, nação congo, que desapareceu da casa de Ambrosio Bourdon, boa estatura e bem feito, com sinal de quatro dedos no pé esquerdo, e o quizer restituir, receberá alviçaras. 15 Conforme o século avança, de forma paulatina ou, em alguns casos, de forma mais ou menos abrupta, alguns ofícios urbanos passam das mãos escravas para as mãos dos imigrantes. No caso das francesas, o processo não seria muito diferente. Os ofícios por elas exercidos tinham, ao mesmo tempo, uma faceta de modernidade, mas representavam, de alguma forma, substituição de tarefas anteriormente executadas por escravas, mantendo-se, no contexto da modernidade, como funções tradicionalmente femininas, caso não só dos trabalhos de corte e costura (ainda que em novas dimensões e patamares), como com relação às lavadeiras e engomadeiras (ainda que, neste caso, de roupa fina) e às parteiras. O Almanak Laemmert, que passou a circular a partir de 1844, permite-nos travar contato com este processo de mudança e desenvolvimento urbanos, bem como constatar a reinvenção de novas formas de viver, com a moda desempenhando papel de destaque em hábitos reinventados. Permite também perceber como a consagração de novas necessidades de consumo aprofundou a inserção do Rio de Janeiro em um mercado que se integrava mundialmente, graças ao desenvolvimento dos transportes e da indústria. Com base nas relações nominais publicadas pelo Almanak, nos campos do comércio, da indústria e das atividades profissionais, é possível acompanhar processos verdadeiramente fascinantes. Dentre eles, a redescoberta das ruas a partir da chegada da Corte e, principalmente, sua reinvenção a partir do fim do tráfico (1850 e 1854) e da 15 Gazeta do Rio de Janeiro, nº 92, 16 de novembro de Avisos particulares. 7

8 expansão da lavoura cafeeira em terras fluminenses, 16 quando aumentou significativamente o número de lojas comerciais, cafés, confeitarias, casas de pasto e hotéis. Mesmo se considerarmos os limites das relações publicadas no Laemmert, que não nos informam sobre idade, estado civil, ano de chegada ao país ou nacionalidade, os quantitativos que podem ser extraídos dos dados apresentados são consideráveis. Em termos de crescimento comercial, por exemplo, nos permite verificar que, em 1844, estão registradas 86 lojas de fazendas secas, 15 de modas francesas, 15 de calçados, 14 de louças e vidros, 14 as de chá e 35 de víveres de secos e molhados. Em 1861, estes números atingiriam 193 lojas de fazendas secas, 54 de modas francesas, 55 de calçado, 59 de louças e vidros, 45 de chá, e 190 de víveres de secos e molhados. O exemplo dos hotéis, indicando a expansão no movimento do porto como janela para o mundo, as migrações internas e a circulação internacional, mostra-se, ainda, mais significativa. Em finais dos setecentos, Sir G. Staunton, dentre outros, afirmava que os visitantes que passavam pelo Rio de Janeiro não podiam contar com albergues, hotéis ou qualquer outro tipo de alojamento, não dispondo, tampouco, de algum tipo de divertimento, a não ser uma espécie de taverna situada no lado direito da praça principal. 17 No ano de 1844, primeiro ano em que circulou o Laemmert, os hotéis relacionados no almanaque já eram nove. 18 Seis anos depois já eram 15. Em 16 O café foi comercializado com êxito em fins do século XVIII na província do Rio de Janeiro. Em 1830 ele já tem alguma visibilidade e, entre 1830 e 1840, a província torna-se o prncipal centro de cultivo no Brasil e o porto do Rio de Janeiro projeta-se como centro exportador e portão de encontro com o comércio mundial, com a proliferação de bancos, corretoras, casas comerciais (atacado e varejo). Ver, dentre outros, Thomas skidmore. Uma história do Brasil. 2ª ed. São Paulo: paz e Terra, Sir G. Staunton. Apud: Jean Marcel Carvalho França (org.). Visões do Rio de Janeiro Colonial. Rio de Janeiro, EDUERJ/José Olympio, 1999, p Almanak Administrativo Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro para o anno bissexto de Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert,

9 1855, eles eram 16 e finalmente, em 1861, atingiam o total de 58 estabelecimentod do gênero. 19 Em progressão continuamente ascendente, cresceram, também, os registros referentes a casas de pasto (8 em 1844 e 102 em 1861), cafés (6 em 1844 e 30 em 1861) e confeitarias (9 em 1844 e 33 em 1861), desmonstrando a pressão exercida pela circulação de negociantes, fazendeiros e trabalhadores na cidade. Em termos de vida cultural, entretanto, pelo menos até meados do século, o crescimento mostrou-se muito mais tímido. Os registros de livrarias cresceram apenas de 10 a 17 no mesmo período e o número de teatros existentes, alcançou apenas o total de quatro casas em Quanto às diversões de gosto mais popular, deve ser ressaltado que, no ano de1959, foi aberto o Alcazar Lirique, 20 cinco anos depois do início da iluminação a gás e quatro anos após o surgimento do primeiro estabelecimento do gênero em Paris. Segundo Barreto Filho e Hermeto Lima, a inauguração do Alcazar representou um marco na história do Rio de Janeiro, influindo profundamente na transformação dos hábitos pacatos da cidade, instituindo o que até então era desconhecido dos cariocas a vida noturna ou, no dizer de Macedo, venenosa planta francesa que veio medrar e propagar-se tanto na cidade do Rio de Janeiro. 21 Iniciaram-se, assim, tempos nos quais os prazeres da noite eclodiram na cidade, não só com a introdução do gênero alegre de sabor francês, como também com a inauguração dos conventilhos, das pensões alegres e a inserção do Rio no tráfico 19 Almanak Administrativo Mercantil e Industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro (anos de 1850, 1855 e 1860). Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert. 20 O Alcazar Lirique trouxe para o Rio de Janeiro um novo tipo de espetáculo: o de variedades, batizado pelos cariocas de café-cantante. Esse gênero de espetáculo surgiu em Paris em 1855, com a inauguração do teatro des Bouffes-parisiens, ligado à figura de Offenbach. 21 Mello Barreto Filho e Hermeto Lima. História da polícia do Rio de Janeiro. Aspectos da cidade e da ida carioca Rio de Janeiro: A Noite, 1942, p

10 internacional de brancas, com as européias substituindo as escravas como instrumentos do prazer masculino. 22 Não só no espaço da marginalidade, porém, isto ocorreu, também no espaço da formalidade, a medida que o século avançou, imigrantes substituíram os escravos e seus pregões no comércio a varejo da cidade. 23 A partir das listagens de negociantes, produtores e profissionais diversos publicadas no Laemmert, torna-se visível a concomitância entre a inserção dos estrangeiros e das estrangeiras nos (a)fazeres urbanos e o processo gradativo da abolição, com a participação impactante das francesas francesas na vida da cidade. A consulta ao almanaque demonstra, por exemplo, como elas dominaram determinados ramos do produção e do comércio urbanos, formando verdadeiros nichos de mercado, monopolizando, nesse processo, todo o comércio da moda e de seu entorno. Tornadas ícones do processo civilizatório vivido pela cidade, as tarefas que elas desenvolviam, embora fossem absoluta novidade, em sua essência, representavam, sob novos parâmetos, a reprodução de fazeres e afazeres tradicionalmente femininos, revestidos de uma modernidade que incluía processos de reinvenção no vestir-se e no enfeitar-se. Sua presença nas ruas, lojas e oficinas, entretanto, tinham um quê de desafio e ousadia que, a um só tempo, assustava e fascinava os contemporâneos, em uma cidade na qual as mulheres livres até muito recentemente pouco circulavam nas ruas, exceto nas ocasiões de festas, procissões e récitas. Travar contato com as listagens apresentadas no Almanalk representa muitas possibilidades de encontros com o passado. Dentre eles, com a rua do Ouvidor e com as 22 Sobre o assunto, ver, entre outros: Lená Medeiros de Menezes. O Rio de Janeiro e o comércio internacional do prazer. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, (Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa, 2); Lená Medeiros de Menezes. Os Indesejáveis. Protesto, Crime e Expulsão na Capital Federal ( ). Rio de Janeiro: EDUERJ, 1997., 2); Margareth Rago. Os prazeres da noite. Prostituição e códigos de sexualidade feminina em São Paulo ( ). São Paulo: Paz e Terra, A lei Eusébio de Queirós de 1850, pondo fim ao tráfico e impondo o afastamento do escravo da cidade para o campo e do litoral para o interior, intensificou esse processo de substituição de mãos-de-obra. 10

11 modistas francesas que a imortalizaram, a ponto de Koseritz afirmar que o Rio de Janeiro [era] o Brasil e a rua do Ouvidor [era] o Rio de Janeiro. 24 Ainda que nem todas as que se intitulavam madames fossem necessariamente francesas, o número destas últimas dava o tom da chegada de novos tempos à cidade, ainda que o vestir-se à francesa já fosse realidade para as elites portuguesas e brasileiras desde os setecentos, conforme demonstra manuscrito da Biblioteca da Ajuda, datado de 1751: Quase todo o comércio do Brasil depende dos produtos vindos da Europa. O comércio de produtos de luxo é infinitamente mais significativo. Importa-se de tudo: estofos bordados a ouro e prata, galões, peças de seda, belos tecidos, telas finas e uma série de outras mercadorias da moda, produzidas, na sua maoria, pelas manufaturas francesas. Uma vez por ano, entre os meses de setembro e outubro, Lisboa envia para a sua colônia sob escolta de três navios de guerra, uma frota carregada com os produtos referidos. 25 De qualquer forma, no Rio de Janeiro dos oitocentos, pelo menos no tocante às exterioridades, modas e costumes começaram a se rcopiados como forma de eliminar os distanciamentos com o mundo civilizado. A tendência manifesta da preferência pelos produtos franceses, neste contexto, projeta-se como uma das explicações do porquê de em 1814, pouquíssimos anos após a França ter sido considerada nação inimiga de Portugal, os dois países reabriram as negociações para que esta condição passasse a ser coisa do passado. A reabertura das relações comerciais entre os dois países possibilitou que não somente chegassem os produtos de luxo da indústria francesa, mas também homens e mulheres dispostos a buscar novas oportunidades de trabalho e vida, fugindo ao conturbado século XIX francês, marcado por reviravoltas políticas, crises recorrentes, concorrência no mercado de trabalho das grandes cidades e aos baixos salários, principalmente os pagos às mulheres. 24 Carl von Koseritz. Imagens do Brasil, p

12 Nem todas as francesas que chegaram ao Rio de Janeiro eram modistas, mas a maioria dos ofícios por elas abraçados, de uma forma ou de outra, estava ligado ao universo da moda e ao trabalho artístico com tesoura, agulha e linha. 26 Por outro lado, nem todas as modistas esgotavam seu trabalho na confeção de vestidos, tendo em vista que a indústria da moda incluía especialidades voltadas para a produção de roupas brancas, coletes, lingerie e uma gama considerável de acessórios. Desta forma, a consulta às listas publicadas pelo Laemmert permitem o contato com costureirasmodistas, mas também com fabricantes de coletes, de camisas, de chapéus e de flores, proprietárias de lojas (de bordados e rendas, de brinquedos, de meias, de sapatos para mulheres e crianças), e, para além do mundo da moda, com professoras, parteiras, enfermeiras, proprietárias de colégios de meninas, donas de cafés e de hotéis. Entre 1844 e 1861, uma amostra de 289 mulheres francesas relacionadas no Laemmert, 27 nos itens referentes ao comércio e à indústria e/ou nas relações profissionais nos dá a dimensão daquilo que estas mulheres significaram na vida da cidade. Indubitavelmente, a maioria esmagadora era formada por profissionais ligadas à produção da moda. Ou seja, eram parisienses sem Paris, no dizer de Joaquim de Macedo. 28 Estas mulheres atingem o percentual de 61,59% da amostra, Estas produtoras de moda encontram-se presentes em duas listagens principais: a das proprietárias de lojas de modas e fazendas francesas e a das costureiras-modistas 25 Anônimo. Relâche du vaisseau L Arc-en-ciel à Rio de Janeiro. Lisboa: manuscrito da Biblioteca da Ajuda, 54 XIII 4, nº 19. Apud: Jean Marcel Carvalho França. Op. cit., p A primeira oficina a utilizar a máquina de costura apareceu no ano de 1855 e pertencia a M lle Besse & C., localizando-se à rua do Cano, nº 64. Cf. Almanak Laemmert para o ano de 1855, relação das costureiras-modistas. 27 Foram computadas aquelas que tinham nomes indubitavelmente franceses, tendo em vista que o registro de madame antes do nome não era garantia de nacionalidade, registro que ele se tornou de sucesso, em uma cidade que tinha na França o referencial principal de civilização. Esta opção, certamente, implica em uma margem de erro para menos, tendo em vista, em acréscimo, que a tendência à tradução dos prenomes prejudica a caracterização da nacionalidade sempre que o sobrenome está omitido, o que também ocorre com aquelas que, casadas, assumem o sobrenome de um marido não francês. Isto, entretanto, não compromete o trabalho e as conclusões enunciadas, visto a amostra trabalhada ser significativa e indicar algumas tendências muito claras. 28 Manuel J. M. de. Op. cit., p

13 que, por razões óbvias - tendo em vista a reprodução, no Rio de Janeiro, do modelo da oficina, não eram excludentes. 29 Outras listagens nas quais as francesas podem ser encontradas são as referentes a determinados ramos comerciais (bordados e rendas, meias, sapatos para senhoras e crianças, brinquedos, hotéis, confeitarias e cafés); às fábricas de coletes, camisas e flores, aos colégios de meninas, ou a determinadas profissões, como parteiras, enfermeiras, cabelereiras e entrançadoras de cabelos. No caso das modistas proprietárias de lojas de modas, foi comum a criação de firmas que empregavam outras mulheres (modelo típico do atelier de costura ajustado às novas disposições organizativas), isentando a proprietária das tarefas mais trabalhosas. Algumas lojas de modas transformaram-se em verdadeiros entrepostos de produtos variados, manifestando uma vocação comercial ampliada. Não foram poucas as mulheres que conseguiram sucesso, fixando-se, de forma mais definitiva na cidade, nela terminando seus dias ou retornando à França após muitos anos, de posse dos lucros obtidos, como mademoiselle, depois madame Joséphine, das memórias de Joaquim de Macedo: M lle Joséphine foi a modista da primeira imperatriz do Brasil, de todas as senhoras da corte e, portanto, de quantas outras senhoras tinham pais e maridos dispostos a pagar frequentemente a habilidade e a fama da modista, cuja tesoura de imperial predileção cortava cara e dasapiadamente. Casou-se algum tempo depois. Rica e saudosa da França, depois de longos anos de trabalho e economia deixou o Rio de Janeiro. Na pátria, tomou o nome do marido, ficando eclipsada e perdendo autonomia. 30 Várias outras tiveram passagens mais breves pela capital brasileira, optando por buscar outros locais para a realização de seus objetivos ou voltando à terra natal. Algumas, para encontrarem o caminho do sucesso associaram-se a colegas de profissão 29 Inicialmente, apenas lojas de modas francesas, classificação que incluía, quase sem exceção, madames francesas e estabelecimentos situados na rua do Ouvidor. Posteriormente, em 1847, são incluídas na mesma relação as lojas de modas e as lojas de fazendas francesas acarretando o crescimento no número de comerciantes homens a uma participação menor de mulheres. 13

14 ou a familiares. Algumas trajetórias de insucesso, por outro lado, marcaram também a época e não foram raras as que buscaram na prostituição o complemento de numerário, razão da má fama das modistas da rua do Ouvidor. Estas histórias de insucesso, ainda que não registradas no Almanak, podem ser rastreadas a partir de dados indiretos, como mudanças de atividade, cutas passagens pela cidade, migrações de endereços e, nesse caso, a rua do Louvidor era um parâmetro. No conjunto daquelas que se tornaram afamadas e renomadas modistas da rua do Ouvidor, várias trajetórias podem ser destacadas, dentre elas as de M me Joséphine Meunier, já citada, M me Hortense Lacarrière e M me S. Gudin. M me Joséphine Meunier exerceu suas atividades no Rio de Janeiro durante 33 anos, entre os anos de 1820 e 1853, com loja de modas estabelecida à rua do Ouvidor nº 97. De acordo com aviso publicado na Gazeta do Rio de Janeiro, 31 sempre recebia novos sortimentos da França, com os quais fabricava moda para suas clientes. 32 Hortense Lacarrière já estava no Rio de Janeiro no ano de 1844, permanecendo presente nas listagens do almanaque por 20 anos, de 1844 a 1864, em loja comercial situada à rua do Ouvidor, 64 B e, posteriormente, no nº 68, chegando a ter casa em Paris. M me Gudin também já estava estabelecida à rua do Ouvidor, nº 51 no ano de 1844, mudando, posteriormente, para o número 82, onde, em 1862 parece ter encerrado suas atividades, a frente de da firma M me Gudin e C. A chave de seu sucesso repousava no fato de ser modista de suas altezas, as princesas imperiais. Seu estabelecimento ultrapassou em muito o estágio de simples oficina de costuras para tornar-se local onde podiam ser encontrados não apenas luxuosas fazendas, mas também os indispensáveis acessórios e produtos de toucador. Tudo na última moda de Paris. 30 Manuel Joaquim de Macedo. Op. Cit., p. 104/ Gazeta do Rio de Janeiro, nº 32, 29 de abril de Avisos particulares. 14

15 Mulheres de sucesso também podem ser encontradas nas relações de fabricantes de coletes, camisas e flores. No primeiro caso, exemplos significativos são os de M me Creten e M me Eugénie Dol. No segundo caso, os de M me Haugonte e M me Fournel. No terceiro caso, o de M me Labbé. M me Creten e irmã eram camiseiras de S. M. O Imperador, conforme consta de anúncio publicado na Revista das Notabilidades de Tendo iniciado seus negócios em 1850, à rua dos Latoeiros, nº 81, permaneceram na atividade para além do ano de 1861, oferecendo em sua Imperial fábrica de camisas para homens e enxovais para noivas e crianças : Sortimento completo de camisas para homens, ceroulas, camisolas de lã, peitos de camisas de todos os feitios, punhos e babados postiços, gravatas brancas e de cor; [encarregandose] também de todas as costuras que pertencem à roupa branca. Com o passar dos anos, já estabelecidas à rua do Ouvidor, passaram a fornecer, também, todos os artigos necessários aos enxovais de noivas e crianças, contando com hábil cortador de Paris e recebendo vestidos a fazer. 33 M me Eugénie Dol iniciou suas atividades em 1857, com grande fábrica situada em sobrado da rua do Ouvidor, nº 107, onde permaneceu por 15 anos. Anunciando-se como fabricante e/ou vendedora de camisas de todas as qualidades, prontificava-se a aprontar camisas de casamento e de baile em 12 horas, oferecendo, ainda, aos clientes: Morins, linhos, cambraias, irlandas, meias para homens, senhoras e crianças, ceroulas, lenços de mão, gravatas, camisolas de peitos de camisa bordados e de fantasia, lingeries para senhoras, enxovais para crianças, fustão, musseline, bazin brilhante, nansouck, flanela, tiras bordadas, entremeios, saias, camisas de senhoras, lisas e bordadas. 32 Madame Josephine Meunier aparece nas listas publicadas pelo Almanak Laemmert relativo aos anos de 1844 a 1853, sendo uma das modistas que durante mais tempo esteve em atividade na cidade. 33 Almanak 1860, Notabilidades, p

16 Tendo relações diretas com as principais fábricas destes artigos na Europa, Eugénie Dol, segundo as propagandas que fazia publicar, acha[va]-se em circunstâncias de poder satisfazer perfeitamente a toda e qualquer encomenda, garantindo a maior modicidade possível nos preços e a excelente qualidade dos artigos a todos aqueles que procurassem sua casa, denominada Ao Trovador. 34 Mais do que a de camisas, a fabricação de coletes apresentava-se como um negócio altamente especializado e monopolizado, fazendo com que poucas as mulheres a ele se dedicassem, pelo menos entre 1844 e M me Fournel. Fornecedora de S. M. a Imperatriz, foi uma das principais fornecedoras de coletes na cidade. A partir de 1847, começou a aparecer nas listas do Laemmert, tendo nelas permanecido ao longo de todo o tempo que se estendeu de 1844 a 1861, tendo deslocado sua loja da rua dos Ourives, para a rua do Ouvidor, nº 61, embora sua fábrica permanecesse localizada à rua da Ajuda, nº 10. M me Haugonte era proprietária do Ao Collete Preto e iniciou suas atividades em 1845, permanecendo na cidade do Rio de Janeiro por 30 anos. Dedicada à fabricação de coletes, tinha fábrica à rua d Ajuda, nº 73 e, como tantas outras, fazia-se anunciar como fornecedora da Casa Imperial. A fabricação de flores artificiais foi outro ramo, ainda que pequeno, de presença marcante das francesas, 35 imortalizada nos relatos dos viajantes estrangeiros que passava pela capital brasileira, que não se cansaram de tecer elogios à criatividade, à delicadeza e à beleza dos artigos fabricados. Como nos dizem os pastores norteamericanos Kidder e Fletcher: O Rio de Janeiro é o melhor mercado para esse gênero de artigos. Nenhum enfeite excede em esplendor as flores feitas com as penas do colo e do pescoço dos beija-flores (...) Nessas lojas encontram-se também flores de escamas de 34 Idem, p Entre 1844 e 1861 foram contabilizadas apenas 11 francesas no ramo. 16

17 peixe, outras feitas com asas de insetos, e alfinetes de peito fabricados incrustando em ouro um pequeno besouro muito brilhante. 36 M me Finot, que compõe a relação de 1844 do Laemmert, era uma dessas floristas. Estabelecida há tempos na cidade, permaneceu em atividades até o ano de1847, com loja situada à rua do Ouvidor nº 103, ponto emblemático da especialidade, tendo em vista que, posteriormente, ele foi ocupado por outras fabricantes de flores, como M me Dubois ( ) e M me Camille Hervel (a partir de 1856). Com relação à loja de flores de M me Finot, Joaquim de Macedo, em suas memórias da rua do Ouvidor, nos faz saber que ela era finíssima e que, todos os meses de dezembro contava com os formandos da Escola de Medicina para vender muitas dezenas de ramos de 100 a 200 cravos naturais ornados de canotilhos. 37 Outra das floristas de renome da Ouvidor foi M me Marianne Veuve Labbé. Ela também já estava fixada na cidade no ano de 1844, quando, pela primeira vez, seu estabelecimento foi impresso nas páginas do almanaque. Pelos doze anos que se estenderam de 1844 a 1855 ela fabricou todas as qualidades de flores, limpou e tingiu penas 38, compartilhando, durante algum tempo, o endereço com M me Dubois. Compartilhar endereços foi recurso bastante utilizado pelos franceses e francesas que se estabeleciam na cidade, nem sempre, porém, com negócios de mesmo tipo. Esta era uma forma possível e necessária de melhor arcar com os custos exigidos, principalmente na rua do Ouvidor. Em alguns casos, em uma mesma loja funcionava uma firma em nome da mulher e outra em nome do marido, dedicados a ramos difrentes do comércio varejista, caso de M me Cassemajou - costureira-modista estabelecida na cidade entre os anos de 1846 a e Ms. Cassemajou, que comercializava perfumes, ambos estabelecidos à rua do Ouvidor, nº D. P. Kidder e J. C. Fletcher. O Brasil e os brasileiros. São Paulo, Nacional, 1941, p Joaquim Manuel de Macedo. Op. cit., p

18 Uma poupança forçada, por outro lado, em alguns casos, possibilitou que mulheres envolvidas com atividades menos prestigiadas pudessem realizar o sonho da ascensão profissional. Foi o que sucedeu com M me Petiout. No ano de 1851, ela começou a ganhar a vida na cidade lavando e engomando roupas finas à rua dos Latoeiros, atividade que permaneceu desenvolvendo por quatro anos seguidos, findos os quais ela passou a anunciar-se como costureira-modista fixada à rua do Catete. Certamente, um sonho transformado em realidade. Algumas mulheres, como Caroline Destas e Eugénie Didot, começaram sua vida profissional individualmente, mas terminaram por se associar a outras profissionais do ramo, constituindo-se enquanto firmas legalizadas, certamente em busca de melhores condições para a expansão de seus empreendimentos. Outras, como Catharine Dazon, buscaram a sociedade com filhos ou filhas, como forma de garantir a continuidade dos negócios e/ou seu crescimento. M me Caroline Destas tinha loja à rua do Ouvidor, apresentando-se como sucessora de M me Dantigny no ano de 1854, devido ao fato da mesma estar fazendo compras em Paris. M me Eugénie Didot apareceu nas listagens do Laemmert no mesmo ano, atendendo clientes na mesma rua do Ouvidor. Em 1858, as duas criaram a firma Destas & Didot, localizada no antigo endereço de M me Destas: Ouvidor, nº 100. Com a associação, os negócios cresceram e a firma alcançou o sucesso esperado, existindo até o ano de 1864 e sendo extinta com o retorno, o afastamento ou a morte de Caroline Destas, o que levou Eugénie Didot a buscar novos sócios. M me Catharine Dazon passou a figurar nas listas do Almanak em 1849, possivelmente o ano de sua chegada à cidade e do início de seu trabalho como costureira-modista estabelecida à rua da Quitanda. No ano de 1854, cinco anos depois 38 Almanak Administrativo Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro para o anno de Op. cit., p

19 do início de suas atividades, constituiu a firma Catharine Dazon e filho, que permaneceu existindo até 1862, fornecendo: Grande sortimento de sedas, casas, chitas, bareges, camisinhas, saídas de baile, chales, rendas, chapus de seda e de palha e enfeites de cabeça, e tudo o que compõe O TOILETTE DE UMA SENHORA Vestimentas para crianças, bonés de veludo, de pano e de palha para as mesmas, meias de seda, de linho, de algodão, francesas e inglesas luvas de todas as qualidades [e] fazendas para luto. 39 No ano de 1858, de acordo com as informações contidas em anúncio publicado na Revista das Notabilidades, a firma passou a contar, também, com casas em Paris (rue d Enghien, 46), Londres e Lyon. 40 Considerando-se o início da carreira de Catharine Dazon e sua trajetória, é possível supor que os lucros obtidos no Rio de Janeiro tenham possibilitado a expansão dos negócios por cidades localizadas em dois continentes, permitindo a transformação em realidade do desejo maior de todo(a)s aquele(a)s que migravam e que entendiam a imigração como processo temporário, findo o qual dar-seia o retorno à terra natal. Caso não tenha morrido, adoecido ou se afastado espontaneamento dos negócios, é possível que Catharine Dazon tenha voltado à França, no ano de 1862, para dedicar-se, em plenitude, aos negócios europeus, tendo em vista que, a partir de então, é o filho, Luís Dazon que, sozinho, assume os negócios no Rio de Janeiro. No caso das modistas menos aquinhoadas pela sorte, exemplos significativos podem ser dados por M me Tracol e M me Flexeux. A primeira possuía loja de modas à rua do Ouvidor, nº 77, que deixou de existir no ano de A partir de então, M me Tracol retornou à condição de costureira-modista, passando a atender clientes à rua dos Latoeiros, nº 83. Dois anos depois, desapareceu, definitivamente, das listagens do Laemmert, possivelmente tendo partido em busca de outras oportunidades. 39 Almanak 1858, Notabilidades, p

20 M me Flexeux figurou no Almanak por seis anos seguidos, entre 1848 e Até 1851 também tinha loja de modas na Ouvidor, mas, da mesma forma que M me Tracol, transferiu-se de endereço, passando a anunciar-se não mais como proprietária de loja de modas, mas como costureira-modista. Em 1854, como tantas outras, perdeu a visibilidade, desaparecendo das relações e mergulhando no silêncio do anonimato. Perifericamente ao mundo da produção de roupas e acessórios, destacou-se o trabalho de algumas lavadeiras e engomadeiras de roupas finas vindas da França, que se concentraram em duas principais conjunturas: e 1854-/55, levando-nos a comprovar as relações existentes entre a emigração de mulheres pobres e as conjunturas de crise em França. No total, treze francesas ofereceram seus serviços como lavadeiras e/ou engomadeiras, de acordo com as relações do Almanak Laemmert. Regra geral, o tempo de permanência na atividade era curto, compreendendo de um a cinco anos, por vezes, não passava de um ano, como ocorreu com M me Lourul e com a viúva Sedestroem. Apenas em três casos o prazo de permanência foi maior, envolvendo M me Carron, M me Barbet e M me Petiot. Com relação a esta última, seu tempo de lavadeira foi muito pequeno, tendo ela ascendido à condição de costureira-modista, conforme já relatado, tendo sido nesta condição que ela permaneceu na cidade. Em um caso, o de M me Marie Lavoque, o empreendimento profissionalizou-se, com a abertura de tinturaria e oficina de engomar na asa de Correção, em uma conjuntura na qual começava a se firmas a idéia da recuperação pelo trabalho, possibilitando, em uma lógica cruel, a exploração barata da mão de obra do(a)s presidiário(a)s. No conjunto das lojas comerciais nas quais as francesas podiam ser encontradas, e considerada a temporalidade analisada, elas tiveram presença quantitativamente menos significativa nas lojas de chapéus (onde, entre 1857 e 1861, apenas três puderam ser contabilizadas); nas lojas de sapatos de senhoras e crianças (onde elas totalizavam 40 Idem. 20

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

O MARAVILHOSO LIVRO DAS MENINAS

O MARAVILHOSO LIVRO DAS MENINAS O MARAVILHOSO LIVRO DAS MENINAS Rosemary Davidson e Sarah Vine Ilustrações de Natacha Ledwidge 5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 6 1. AGULHA E LINHA 8 2. NO QUINTAL 24 3. NA COZINHA 40 4. É VERÃO 60 5. VIDA AO AR LIVRE

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Exclusive Fashion Tours tem o prazer de apresentar um serviço único e inovador:

Exclusive Fashion Tours tem o prazer de apresentar um serviço único e inovador: Exclusive Fashion Tours tem o prazer de apresentar um serviço único e inovador: uma equipe internacional de Personal Shoppers profissionais para uma experiência de compras de qualidade, no coração da mais

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

1) Analise os quadros a seguir:

1) Analise os quadros a seguir: 1) Analise os quadros a seguir: QUADRO 1 QUADRO 2 Marque a alternativa CORRETA: a) O fator responsável para explicar o quadro 1 é o aumento do processo migratório decorrente do processo de globalização.

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil A Corte no Brasil? Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América.

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

7 Negócios Lucrativos

7 Negócios Lucrativos 7 Negócios Lucrativos CAPÍTULO 1 Mentalidade Geralmente empreendedores ficam caçando uma maneira nova de ganhar dinheiro constantemente, e de fato é isso que faz com que uns cheguem ao topo e outros não,

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

França, o centro da moda... 4

França, o centro da moda... 4 Parte I Os Fundamentos da Moda 1 A Evolução da Moda......................... 3 França, o centro da moda............................ 4 A moda ditada pela realeza..................................... 4 A

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Geografia Por Tabata

Geografia Por Tabata Geografia Por Tabata População População Absoluta: total de habitantes de um dado lugar Ex.: China = maior população cerca 1 bilhão e 300 milhões de habitantes China = país populoso Populoso é o país que

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa.

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. 1 Wélington Silva 1 Dr.ª Cláudia Chaves 2 I A política imperial portuguesa apresentava

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA:

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA: PROCESSO SELETIVO/2006 3 O DIA CADERNO 8 1 HISTÓRIA QUESTÕES DE 01 A 05 01. A base naval norte-americana de Guantanamo tem estado em evidência nos últimos anos. Trata-se de uma área de 117,6 quilômetros

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Perfil do Consumidor Brasileiro Brasileiros barganham e esperam promoções para adquirir bens de maior valor 64% Esperam por promoções para ir às compras

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Estratégias 16-12-2007. Venda Média. A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços.

Estratégias 16-12-2007. Venda Média. A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços. Venda Média 1 - Aumente os preços A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços. 2 - Up selling Encoraje as pessoas a comprar a versão mais avançada do que inicialmente

Leia mais

Seminário GVcev Polos Comerciais de Rua: para Expansão

Seminário GVcev Polos Comerciais de Rua: para Expansão Seminário GVcev Polos Comerciais de Rua: Uma Opção Estratégica para Expansão Evolução dos Polos de Rua em São Paulo Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br CONTEÚDO Conceituação geral

Leia mais

A imigração européia como passaporte para o progresso e a civilização no Brasil do século XIX * Lená Medeiros de Menezes

A imigração européia como passaporte para o progresso e a civilização no Brasil do século XIX * Lená Medeiros de Menezes A imigração européia como passaporte para o progresso e a civilização no Brasil do século XIX * Lená Medeiros de Menezes Progresso e civilização são palavras, idéias e representações que se interpenetram

Leia mais

CARINA CONVIDA PARA JANTAR

CARINA CONVIDA PARA JANTAR CARINA CONVIDA PARA JANTAR Produtora de Sonhos A vida é a arte dos encontros, embora haja tantos desencontros pela vida, cantava Vinícius de Moraes. Para Carina Chaves, encontros renovam a vida. Mais ainda,

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA:

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA: CANTO DE ENTRADA: CANTOS PARA O NATAL 01. PEQUENINO SE FEZ (SL 95): J.Thomaz Filho e Fr.Fabretti Pequenino se fez nosso irmão, Deus-conosco! Brilhou nova luz! Quem chorou venha ver que o Menino tem razão

Leia mais

REGISTROS PROJETO REVELANDO MIRANTE. OFICINA DE PATCHWORK. MIRANTE DO PARANAPANEMA- SP

REGISTROS PROJETO REVELANDO MIRANTE. OFICINA DE PATCHWORK. MIRANTE DO PARANAPANEMA- SP 1 REGISTROS PROJETO REVELANDO MIRANTE. OFICINA DE PATCHWORK. MIRANTE DO PARANAPANEMA- SP Data: 28/02/2013 Horário: 14h às 17:30h. Município: Mirante do Paranapanema Gonçalves Número de participantes: 14

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

SANGRADORES CARIOCAS: O OFÍCIO DE SANGRAR NO SÉCULO XIX

SANGRADORES CARIOCAS: O OFÍCIO DE SANGRAR NO SÉCULO XIX SANGRADORES CARIOCAS: O OFÍCIO DE SANGRAR NO SÉCULO XIX Rodrigo Aragão Dantas FIOCRUZ/COC aragao02@hotmail.com A sangria era um recurso terapêutico amplamente usado ao longo de todo o século XIX, e sua

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA

EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA Introdução A França é tradicionalmente o país que dá maior importância à sua gastronomia, e os franceses há muitas gerações

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Diego Pereira de MELO 2 Flávio Mendes FEITOSA 3 Gustavo dos Santos FERNANDES 4 Faculdade de Ciências Educacionais e Empresariais de Natal

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

O ABRAÇO ENTRE BAIRROS E FAVELAS

O ABRAÇO ENTRE BAIRROS E FAVELAS O ABRAÇO ENTRE BAIRROS E FAVELAS Juliano Werneck 1 As associações de moradores tem vivido um momento particularmente relevante do ponto de vista de sua importância nas discussões dos temas relativos à

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS.

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS. A natureza é sempre contemplativa em qualquer época do ano. Nosso irmão sol, nosssa irmã lua, água fonte de vida, e a mãe terra com inúmeras espécies de flores. Flores agraciadas e perfumadas, no quarto,

Leia mais

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE 1 Sumário METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE... 3 Passo Um: OBTER A ATENÇÃO DO COMPRADOR... 4 Passo Dois: MANTER O INTERESSE NA MENSAGEM... 8 Passo Três: DESPERTAR NO CLIENTE O DESEJO DE COMPRAR

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil 01 Fabricante de correias transportadoras e de a- cionamento. O programa de produtos abrange mais de 400 tipos diferentes de correias de acionamento e de transporte. Estes produtos são utilizados em muitas

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 e 18, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 O pote vazio 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

Leia mais

PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA

PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA PROJETO POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL POR MEIO DA GASTRONOMIA Thiago Henrique Nunes dos Santos Setembro de 2015 IDENTIFICAÇA O DO PROJETO NOME DO PROJETO: POR UMA VIDA MAIS DOCE INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma:

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma: Geografia Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Caros alunos, as questões a seguir foram selecionadas de provas aplicadas em anos anteriores e servirão para auxiliá-los na

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

casamento tipo exportação Na bolsa, além de cartões de memória Fotografia de Dicas Profissionais

casamento tipo exportação Na bolsa, além de cartões de memória Fotografia de Dicas Profissionais Os noivos Roland e Vesna, clicados em rua de Liubliana, capital da Eslovênia: mesmo em um país desconhecido, o fotógrafo precisa buscar lugares interessantes para fazer seu trabalho Fotografia de casamento

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil.

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil. HISTÓRI 1 Leia o texto a seguir. Espera-se colonizar com os chineses, os coolies, os malaios e todas essas raças degeneradas do oriente, sorte de lepra humana? Já se experimentou a espécie do Celeste Império.

Leia mais

PORCENTAGEM. A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando "por cento", "a cada centena".

PORCENTAGEM. A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando por cento, a cada centena. PORCENTAGEM A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando "por cento", "a cada centena". O cálculo de porcentagens, seja para fins de desconto, seja para fins de acréscimo será iniciado

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão 13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão Festa popular, que acontece de 12 a 29 de maio de 2012 no Espaço Cachuera!, apresenta tradição

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

HISTÓRIA ANTIGUIDADE

HISTÓRIA ANTIGUIDADE HISTÓRIA Não é possível determinar a época em que o ser humano começou a adotar o vestuário. Acreditase, no entanto, que a moda começou possívelmente motivada por razões que vão desde a proteção contra

Leia mais