Plataforma Web de suporte a uma aplicação para Helpdesk baseada em Trouble Tickets

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plataforma Web de suporte a uma aplicação para Helpdesk baseada em Trouble Tickets"

Transcrição

1 Plataforma Web de suporte a uma aplicação para Helpdesk baseada em Trouble Tickets Patrícia Magalhães Ferreira Trabalho realizado sob a orientação de Engenheiro José Paulo Santos Professora Luísa Jorge Engenharia Informática 2012/2013 i

2

3 Plataforma Web de suporte a uma aplicação para Helpdesk baseada em Trouble Tickets Relatório da UC de Projeto Licenciatura em Engenharia Informática Escola Superior de Tecnologia e Gestão Patrícia Ferreira 2012/2013 iii

4

5 A Escola Superior de Tecnologia e Gestão não se responsabiliza pelas opiniões expressas neste relatório. v

6

7 Certifico que li este relatório e que na minha opinião, é adequado no seu conteúdo e forma como demonstrador do trabalho desenvolvido no âmbito da UC de Projeto. Eng. José Paulo Santos, Orientador Certifico que li este relatório e que na minha opinião, é adequado no seu conteúdo e forma como demonstrador do trabalho desenvolvido no âmbito da UC de Projeto. Professora Luísa Jorge, Coorientador Certifico que li este relatório e que na minha opinião, é adequado no seu conteúdo e forma como demonstrador do trabalho desenvolvido no âmbito da UC de Projeto. Arguente Aceite para avaliação da UC de Projeto vii

8

9 Agradecimentos Ao longo da pesquisa, investigação e análise de todas as tecnologias envolvidas neste trabalho, tive oportunidade de contar com o apoio de diversas pessoas. Gostaria então de prestar o meu profundo agradecimento a todos aqueles que de forma direta ou indiretamente contribuíram para o sucesso deste projeto. Quero agradecer principalmente à minha família, por ter estado sempre do meu lado, em especial aos meus pais, irmã e namorado a quem dedico este trabalho. Por todo o apoio, compreensão, suporte e incentivo que me deram ao longo do meu percurso e também pelas condições necessárias que sempre fizeram questão que tivesse. Gostaria também de agradecer ao Engenheiro José Paulo Santos, meu orientador de estágio, pela disponibilidade prestada, incentivo e por todo o apoio a que se propôs. À professora Luísa Jorge, minha Coorientadora pela disponibilidade que sempre demonstrou em acompanhar este projeto. Um agradecimento especial a toda a Escola Secundária João Gonçalves Zarco, pela receção e pelo espirito de entreajuda e por tudo o que me proporcionaram desde o início desta caminhada. Por fim, a todos os meus amigos e colegas pela confiança, preocupação e incentivo permanente, que nunca me deixaram ficar mal. Principalmente à minha irmã Marisa Ferreira pelo apoio e auxílio, que foi fundamental para os resultados que aqui apresento, com apoio constante e que fez de mim uma pessoa ainda mais confiante. A todos, o meu sincero Obrigada. ix

10

11 Resumo O projeto documentado neste relatório consiste no desenvolvimento de uma aplicação, nomeadamente uma plataforma Web de suporte a uma aplicação para Helpdesk- baseada em Trouble Tickets, resultando da necessidade de facilitar e gerir o bom funcionamento dos equipamentos de uma escola. A criação desta aplicação tem por objetivo facilitar e otimizar a resolução de problemas técnicos nas salas de aulas informando um responsável técnico de anomalias nos equipamentos da escola. A aplicação documenta todos os problemas reportados e informa todos os utilizadores do estado da sua resolução dos seus pedidos de suporte técnico. Emergindo também da importância da gestão de dados por parte da instituição em questão e em resposta à coordenação de toda a informação a partir de um único ponto, este projeto assenta no desenvolvimento de um conjunto de utilizações de acesso remoto. Estes procedimentos remotos facultam a manipulação de conteúdos, como a inserção, remoção e edição de dados. A aplicação concebida visa atingir um alto nível de usabilidade e desempenho, dando particular destaque à sua fácil utilização e ao seu design simplificado. A aplicação é de fácil compreensão e possui sistema de alerta de erros. O presente relatório tem como propósito esclarecer e descrever todo o projeto desenvolvido, dando destaque às aplicações, métodos e ferramentas utilizadas. Palavras-chave (Tema): Programação Web, Trouble Tickets, Helpdesk, Design Palavras-chave (Tecnologia): MySQL, PHP, HTML, Apache xi

12

13 Abstract The project documented in this report is the development of an application, including a web platform to support an application for Helpdesk-based Trouble Tickets, resulting from the need to manage and facilitate the proper functioning of the equipment of a school. The creation of this application aims to facilitate and optimize the resolution of technical problems in classrooms informing a technical anomaly in school facilities. The application documents all reported problems and inform all users of the status of the resolution of your technical support requests. Also emerging importance of data management by the institution in question, and in response to coordinate any information from a single point, this design relies on development of a set of uses for remote access. These procedures provide remote manipulation of content, such as inserting, removing, and editing data. The application is designed aiming at a high level of usability and performance, paying particular attention to its ease of use and simplified design. The application is easy to understand and has warning system errors. Keywords (Subject): Programação Web, Trouble Tickets, Helpdesk, Design Keywords (Technology): MySQL, PHP, HTML, Apache xiii

14

15 Índice 1 Introdução Enquadramento Apresentação do projeto Aplicação e gestão de conteúdos Plataforma Web Planeamento do projecto Investigação de Soluções Trouble Tickets Open Source: Metodologia Contributos deste trabalho Estrutura do relatório Tecnologia Soluções open source 2.2 Soluções open-source encontradas Simple Ticket etickets OTRS - Open Ticket Request System Apresentação do software utilizado Breve introdução às tecnologias Apache MySQL MySQL Editor DDL DML Introdução às linguagens HTML CSS PHP SQL Capítulo Análise Análise da solução pretendida Estudos de viabilidade Especificação dos requisitos do sistema Requisitos Funcionais Requisitos não Funcionais Usabilidade xv

16 Desempenho Segurança Prevenção de erros Satisfação Requisitos de interface Requisitos Complementares Perfis de utilizador Modelação UML Diagrama de Classes e Objetos Diagrama de casos de uso Atores Desenvolvimento Aplicação Administrativa de Gestão de Conteúdos Registo de um utilizador Sistema de Login Efetuar o Logout Inserir dados Registar Equipamentos Registar Pedido Registar Intervenção Técnica Editar dados Editar utilizadores Editar Pedidos Remover dados Aplicação Web Filosofia geral do design Estrutura técnica Conteúdo Capítulo Conclusões Objectivos realizados Limitações e trabalho futuro Apreciação global A.1 Código de criação das Tabelas A.2 Descrição técnica das tabelas C.1 Plataforma Web D.2 Sistema Login D.3 Sistema de Logout... 84

17 17

18

19 Capitulo 1 1 Introdução Neste capítulo é feita, de forma concisa a apresentação do projeto. É abordado essencialmente o enquadramento do mesmo, os objetivos principais, o planeamento de tarefas e a metodologia utilizada. 1.1 Enquadramento Este documento enquadra-se no âmbito da unidade curricular de Projeto, lecionada durante o 3º ano letivo de 2012/2013, da Licenciatura em Engenharia Informática da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTIG), do Instituto Politécnico de Bragança (IPB). Esta unidade curricular tem como objetivo fornecer a integração do aluno no mercado de trabalho, através da realização de um projeto ou estágio de maior envergadura onde se aplicam os conhecimentos adquiridos ao longo do curso. Incutindo não só o sentido de responsabilidade profissional, desenvolvendo novas competências profissionais, sociais e pessoais, mas também a vertente autodidata. Além de se revelar como sendo a melhor forma de adquirir novos conhecimentos e consolidar os já existentes, dotando os alunos de competências indispensáveis para o mundo profissional. O projeto que é descrito neste documento foi realizado no âmbito do desenvolvimento de uma aplicação de Helpdesk para a Escola Secundária João Gonçalves Zarco e tem como objetivo implementar uma aplicação Web que permita aos utilizadores reportar problemas técnicos ao nível dos equipamentos (computadores, impressoras, projetores, etc.). 1

20 1.2 Apresentação do projeto Com a necessidade de otimizar o tempo e deslocações surgiu a ideia de implementar um serviço de apoio a utilizadores para suporte e resolução de problemas técnicos, informática e tecnologias de informação recorrendo à criação de um sistema de Trouble Tickets. Este tema surgiu porque deparamo-nos, muitas vezes, com utilizadores que possuem dúvidas ou problemas de fácil e rápida resolução, em que muitas vezes, podem ser evitadas deslocações ao local onde se encontra o técnico. Como tal e devido à crescente informatização e utilização de computadores por parte das escolas sentiu-se a necessidade de criar sistemas de apoio aos utilizadores onde são reportados os problemas e é apresentado todo o processo da resolução do mesmo. Como a área de aplicação é a Escola Secundária João Gonçalves Zarco (ESJGZ), estabeleceuse como um dos principais objetivos o estudo e a análise da mesma, na perspetiva de se construir uma plataforma Web simples e de fácil utilização, capaz de sustentar a solução que foi idealizada. Por isso, antes de se iniciar a devida construção da aplicação foi necessário realizar uma larga e exaustiva recolha de informação e o seu correspondente tratamento. Esta tarefa adequa-se tanto para o desenvolvimento dos conteúdos gráficos, como também para toda a informação inserida na base de dados, toda ela, informação fidedigna, expandindo com determinada rapidez, todo o processo de desenvolvimento da aplicação. Assim sendo e como demonstra a Figura1., o projeto estrutura-se em três aplicações Web distintas: uma aplicação administrativa com funcionalidade de gestão de dados, facultando a manipulação e aumentando assim o nível de controlo de informação, uma aplicação a nível de um utilizador a que chamamos técnico, onde ficará alguém responsável pela gestão da informação inserida pelos utilizadores e por dar as devidas respostas, e aos olhos dos utilizadores uma plataforma Web um sistema de registo de pedidos e toda a informação inserida na aplicação e todo o seu histórico.

21 Figura 1. Visão geral do sistema Aplicação e gestão de conteúdos Esta área consiste num conjunto de elementos disponibilizados em formato Web, que permitem o tratamento e a gestão dos conteúdos existentes na aplicação Web. Num primeiro plano, os conteúdos inseridos nesta aplicação serão geridos e unicamente utilizados por administradores. No entanto, como é necessário existir outro tipo de perfil de utilizador, para técnicos responsáveis por dar resposta aos pedidos dos utilizadores, considerou-se a necessidade da criação de um registo de utilizadores - com estas características. Deste modo, sempre que seja necessário atualizar informação ou responder a pedidos de assistência técnica, qualquer técnico que esteja habilitado (e autorizado) pode fazê-lo. Para isso basta apenas criar um novo registo que possibilita o acesso à área de gestão dos diversos pedidos inseridos pelos utilizadores. É de notar que existem apenas 3 perfis de utilizadores nesta aplicação. O/os administrador/es que ficarão responsáveis pela gestão de todo o conteúdo da página, o/os técnico/os que ficarão apenas responsáveis pela gestão dos pedidos dos utilizadores, dando resposta e todo o acompanhamento necessários aos problemas reportados pelos utilizadores. Por fim temos o utilizador final (ou visitante), aquele a quem se destina todo este mecanismo de inserção de informação. Este tem acesso aos dados inseridos na aplicação de gestão, podendo apenas interagir com o sistema em dois casos: inserindo novos pedidos; acompanhando as intervenções técnicas feitas aos seus pedidos. Uma das vantagens deste tipo de aplicação é facilitar e tentar, de um modo mais rápido e documentado o suporte de gestão dos equipamentos que há nos diferentes espaços da instituição. 3

22 Este sistema de gestão integra as ferramentas necessárias para inserir, editar e remover conteúdos em tempo real. O objetivo é estruturar e facilitar a administração, distribuição e disponibilidade da informação, com recursos básicos de simples usabilidade e simples visualização de dados. Deste modo podemos dizer que esta aplicação Web não é totalmente autónoma pois exige a verificação e o acompanhamento das notificações recebidas, ou seja, a monotorização dos pedidos de assistência técnica - por parte dos utilizadores dos equipamentos Plataforma Web Consiste numa plataforma Web de suporte a uma aplicação, constituído por diversos componentes que se encontram detalhados no ponto 4.2 deste relatório, permitindo ao utilizador aceder a todo o tipo de informação relevante sobre o seu pedido de assistência técnica. Pretende-se disponibilizar informação estática mas, essencialmente a informação dinâmica, atualizando assim, automaticamente, os conteúdos necessários. A informação dinâmica que se refere advém da aplicação descrita atrás, onde os dados colocados são prontamente revelados na plataforma Web. Resume-se então a uma aplicação desenvolvida em ambiente Web, orientada para o suporte e acompanhamento de possíveis problemas técnicos nos equipamentos. Pretende-se fundamentar todo o projeto relacionando as funcionalidades da aplicação com o seu conteúdo e a sua estética dando-se um destaque particular ao Web Design adequando os objetos à sua função, de uma forma esteticamente agradável [2]. Um design adequado/apelativo é um fator determinante para assegurar visitas, principalmente quando temos um determinado público-alvo. A estrutura desta plataforma Web foi desenvolvida tendo em consideração o nível de visualização do utilizador, criando uma solução de fácil navegação e manuseamento. Além de possuir um design simples (para não se tornar numa aplicação pesada ) é bastante acessível aos utilizadores, mesmo para aqueles que possuam pouca experiência em navegação Web.

23 1.3 Planeamento do projecto A metodologia de trabalho neste projeto foi dividida em seis fases distintas: Fase 1: Levantamento e especificação de requisitos; Fase 2: Análise do Sistema; Fase 3: Investigação de Soluções Trouble Tickets Open Sourse; Fase 4: Implementação; Fase 5: Testes de verificação e validação; Fase 6: Produção da documentação. Abaixo seguem-se as representações pormenorizadas do planeamento de cada uma das fases acima mencionadas. 1. Levantamento e especificação de requisitos; Integração nas políticas de apresentação de conteúdos da ESJGZ; Estudo e levantamento de requisitos; Recolha bibliográfica sobre a informação a gerir; Tratamento de dados; Identificação de funcionalidades e definição dos conteúdos; Esquematização do modelo de dados; Definição do layout e identificação da estrutura; 2. Análise do Sistema Pesquisa e definição das ferramentas e métodos de implementação do sistema; Modelação do sistema a desenvolver; 5

24 3. Investigação de Soluções Trouble Tickets Open Source: Pesquisa de soluções já existente e que possam ir de encontro à solução pretendida; 4. Implementação: Elaboração do layout e produção de elementos gráficos; Criação da estrutura da base de dados; Desenvolvimento do sistema; 5. Testes de verificação e validação: Testes para validar o sistema e seu consecutivo aperfeiçoamento; 6. Produção da documentação: Redação do relatório final. 1.4 Metodologia Num primeiro plano efetuou-se a definição de funcionalidades do sistema e o estudo de conteúdos que a aplicação Web deveria conter. Após efetuar a recolha bibliográfica e reunir informações concretas, elaborou-se um processo de análise, modelando o sistema a desenvolver. Seguiu-se o estudo da linguagem de programação a utilizar e a instalação e configuração das tecnologias. Construiu-se a base de dados para reunir dados relativos à aplicação e desenvolveu-se a interface gráfica da página Web. Iniciou-se, assim, o processo de desenvolvimento do sistema e de aprendizagem de novas aplicações.

25 1.5 Contributos deste trabalho O trabalho desenvolvido, ao longo deste último ano letivo, possibilita dotar a ESJGZ de uma nova plataforma que permite, de modo ativo, apresentar aos utilizadores uma forma dinâmica de reportarem problemas ao nível dos equipamentos da escola. A tarefa de manutenção da informação torna-se, assim, simples o que proporciona uma maior fiabilidade, conseguindo uma elevada consistência de informação. Deste modo, tenta-se dar um passo decisivo para a melhoria do funcionamento da instituição em causa. O desenvolvimento deste trabalho proporcionou um aperfeiçoamento do conhecimento técnico na área da programação, bem como um complemento na área do design e no desenvolvimento de interfaces. 1.6 Estrutura do relatório A estrutura deste relatório tenciona proporcionar uma fácil perceção do funcionamento da aplicação, apresentando aqui os resultados. 1. O primeiro capítulo visa enquadrar o leitor no tema que contextualiza todo o projeto, especificando os objetivos propostos e disponibilizando informação essencial para a integração no assunto em questão. 2. O segundo capítulo trata de descrever detalhadamente todas as tecnologias utilizadas no desenvolvimento da aplicação, relatando, cuidadosamente, todo o software e linguagens de programação utilizadas. 3. Já o terceiro capítulo apresenta uma análise técnica da solução pretendida, efetuada previamente à implementação do projeto, especificando todos os requisitos e descrevendo a modelação utilizada na análise do processo de desenvolvimento. 7

26 4. O quarto capítulo descreve a implementação prática e técnica do projeto, dividindo-se em dois grandes módulos de destaque, enunciando, detalhadamente, os elementos da plataforma de gestão de conteúdos e da plataforma Web desenvolvida. 5. Por fim, o quinto capítulo, aborda algumas considerações finais e apresenta os resultados obtidos, descrevendo também aspetos relacionados com possíveis melhorias. Este relatório enumera as etapas de design (e de engenharia de interface) da plataforma desenvolvidas - utilizando alguns padrões da Web. Além das etapas de construção de uma interface minimamente atrativa para os utilizadores, este documento apresenta também as etapas estabelecidas na implementação de código que serão desenvolvidas no capítulo 4. O relatório contém ainda uma área de anexos, onde por uma questão de organização, está presente material de teor mais técnico, por uma questão de organização. Este material poderá eventualmente ajudar a compreender com maior rigor alguns dos mecanismos e metodologias base da solução.

27 9

28

29 Capitulo 2 2 Tecnologia Neste capítulo faz-se uma descrição, de forma resumida, das diferentes tecnologias e ferramentas utilizadas no desenvolvimento deste projeto. 2.1 Soluções open source O termo open source ou código aberto, foi criado pela OSI (Open Source Initiative) e refere-se a software também conhecido por software livre [17]. Inicialmente foi feita uma pesquisa de possíveis aplicações semelhantes que pudessem ser adaptadas ao projeto em causa, pesquisa essa que também serviu para uma melhor compreensão do funcionamento de aplicações Helpdesk. De facto surgiram muitas aplicações já desenvolvidas mas chegou-se à conclusão que se optaria por desenvolver uma aplicação de raiz. De certa forma essa escolha deve-se ao facto de trazer mais benefícios para o percurso de aprendizagem. 2.2 Soluções open-source encontradas Simple Ticket O Simple Ticket é projetado para facilitar o suporte de computadores aos seus clientes, especificamente para o suporte de TI (Tecnologias da Informação) de empresas para atender a vários clientes de pequenas empresas. O software foi programado em Ruby on Rails. 11

30 2.2.2 etickets O etickets é um sistema de tickets eletrónico, programado em PHP, que recebe pedidos de assistência técnica via ou numa plataforma Web OTRS - Open Ticket Request System O OTRS é um sistema direcionado para o registo de pedidos Helpdesk (ex. pedidos de suporte ou pedidos de um determinado problema), e outros processos existentes numa empresa/organização. 2.3 Apresentação do software utilizado Depois de analisar com clareza os objetivos propostos surge a necessidade de um estudo alargado sobre as tecnologias e ferramentas a utilizar. Verificou-se que, para além de simples HTML (dado que era pretendido uma gestão de conteúdos), a linguagem de programação mais adequada seria PHP, uma vez que foi requisito da instituição o uso de soluções opensource e também porque fornece suporte a base de dados e permite gerar conteúdo dinâmico na Web. Trata-se de uma linguagem extremamente modularizada com um elevado desenvolvimento tecnológico, tornando-se ideal para instalação e uso em servidores Web em soluções opensource. A integração de PHP com MySQL é muito mais facilitada, garantindo um excelente desempenho e estabilidade, além de ser um sistema de base de dados de livre acesso. Das ferramentas utilizadas, salientam-se, portanto, editores tradicionais de HTML/PHP, programas de tratamento de imagem, sistemas de gestão de base de dados - entre outros. Foi também utilizada, como tecnologia de referência, o sistema de gestão de base de dados MySQL, atualmente amplamente utilizado - sendo uma das base de dados mais populares. É talvez a base de dados que mais evoluiu nos últimos tempos, passando de um suporte frágil e

31 pouco seguro a um suporte, no mínimo, respeitável, bastante indicado para aplicações Web [4]. 2.4 Breve introdução às tecnologias Esta secção do relatório visa descrever as tecnologias e os softwares utilizados no desenvolvimento da aplicação Web. Para um melhor entendimento, apresenta-se uma breve descrição de cada uma das tecnologias utilizadas: Para a camada de estrutura utilizou-se HTML; Para a camada de apresentação ou design de interface foi usado CSS; Para o armazenamento de dados foi utilizado MySQL; Para auxílio da manutenção dos conteúdos existentes na base de dados e consequente amostra dos mesmos, utilizou-se como linguagem de programação base o PHP. O HTML e CSS, são linguagens clientside (funcionam apenas no lado do cliente). O MySQL e o PHP são tecnologias serverside, que, para funcionar, necessitam de um servidor destinado a tratar as requisições de cada página Apache 2.0 O servidor Apache foi criado em 1995 por Rob McCool e é o mais bem-sucedido servidor Web livre. É a principal tecnologia da Apache Software Foundation responsável por mais de uma dezena de projetos envolvendo tecnologias de transmissão via Web, processamento de dados e execução de aplicações distribuídas [18] MySQL MySQL é um sistema de gestão de base de dados relacional (SGBD), que utiliza a linguagem SQL Linguagem de Consulta Estruturada, como interface. Como características principais, o MySQL tem um excelente desempenho e estabilidade, é um software open source suportando praticamente qualquer plataforma atual. Além de acessível, permite gerir grande quantidade de informação, facultando o processamento de dados armazenados na Base de Dados. É compatível com várias linguagens 13

32 de programação, desde o simples PHP até ao Java, sendo sobretudo um software de acesso livre [19]. Possui também ferramentas de administração local e administração remota. A administração remota de uma base de dados em MySQL só pode ser feita por intermédio de uma ligação remota ao servidor através de um utilizador administrador com privilégios para os diferentes esquemas de base de dados existentes [4]. A arquitetura interna do MySQL é provida de duas camadas principais, a primeira camada, que é a camada de parser e optimização de consultas SQL e a segunda que é onde estão ligadas as Engenharias de Armazenamento de forma modular. A Figura 2. ilustra as camadas citadas e outros componentes participantes. Figura 2. Arquitetura do MySQL [25] MySQL Editor O MySQL Editor é uma ferramenta de administração de acesso remoto. Este software permite também criar, executar e otimizar solicitações SQL em ambiente gráfico e foi criado para auxiliar os programadores na análise dos dados armazenados em base de dados. Permite ainda a execução dos dados de forma gráfica, tornando-se mais fácil e intuitivo para o utilizador.

33 A figura 3. demonstra uma consulta remota à base de dados. A query realizada seleciona todos os Utilizadores. Figura 3. Consulta remota à Base de Dados DDL DDL Linguagem de Definição de Dados, é uma linguagem utilizada para a definição de estruturas de dados. Uma DDL permite ao utilizador definir novas tabelas e novos elementos associados. Inicialmente a DDL referia-se a um subconjunto SQL, atualmente é utilizada num sentido genérico para referir-se a qualquer linguagem formal para descrição de estruturas de dados ou de informação [20]. Os comandos básicos da DDL são por exemplo: CREATE, ALTER e DROP e na generalidade permitem, criar, alterar e remover uma determinada base de dados, tabela ou outra estrutura associada 15

34 DML DML - Data Manipulation Language é um subconjunto da linguagem SQL. É utilizado para realizar consultas, alterações, inclusões ou exclusões de dados presentes nas tabelas da base de dados. Os comandos básicos da DML são por exemplo: INSERT, UPDATE, DELETE e SELECT. Existem dois tipos de DMLs: Procedimental e Declarativa. Procedimental - Especifica como os dados devem ser obtidos da base de dados. Declarativa - Os utilizadores não necessitam de especificar o caminho de acesso [21]. 2.5 Introdução às linguagens No decorrer do desenvolvimento deste projeto foram utilizadas várias linguagens de programação. De seguida é representado um breve resumo sobre cada uma HTML O HTML, acrónimo de HyperText Markup Language, define-se como sendo uma linguagem universal de desenvolvimento de páginas de Internet. É baseada num conjunto de etiquetas que por sua vez, são compostas por elementos que definem um documento e a sua forma de apresentação. É uma linguagem bastante acessível e relativamente fácil de aprender, além de ser bastante poderosa, encontrando-se em constante evolução de forma a atender às necessidades dos utilizadores e à constante evolução da Web [22] CSS CSS significa Cascading Style Sheets e é uma das recomendações definidas pela W3C [3].

35 O seu objetivo é permitir aos programadores aplicar estilos como a fonte, a cor, o espaçamento e o posicionamento de elementos, de forma a estruturar documentos como o HTML. É utilizada para definir a apresentação de documentos de linguagens de marcação, como o HTML ou o XML, assim fornecendo a separação entre a estética e o conteúdo. É uma linguagem de formatação de alto nível, facilmente compreendida e implementada [1]. Foi utilizada no desenvolvimento dos menus e no restante design da página Web PHP PHP é o acrónimo recursivo para Hypertext Preprocessor, originalmente Personal Home Page. É uma linguagem interpretada e open source, utilizada para gerar conteúdo dinâmico na Web. A linguagem PHP é uma linguagem de programação serverside de domínio específico, o seu escopo estende-se a um vasto campo de atuação de desenvolvimento Web, sendo uma linguagem estruturada e orientada a objetos [1]. Figura 4. Estrutura do PHP [24] É uma linguagem de programação versátil, uma vez que interage de forma embebida com a linguagem HTML, sendo a sua principal funcionalidade desenvolver websites dinâmicos. Estas páginas Web dinâmicas resultam de acessos e consultas a base de dados, através de SQL e da tecnologia ODBC, uma vez que o PHP permite o acesso a informação armazenada em 17

36 bases de dados. Tem uma sintaxe similar ao C ou C++ e trata-se de uma linguagem extremamente modularizada, que a torna ideal para o uso em servidores. Na prática construir uma página dinâmica baseada em bases de dados é mais simples utilizando PHP, uma vez que fornece suporte a um grande número de bases de dados diferentes, sendo de destacar o MySQL [5]. O PHP tem suporte a diferentes protocolos como o HTTP, POP3, SNMP, SOAP, etc e tem portabilidade, pois corre na maioria dos servidores Web e sistemas operativos existentes [6]. Esta linguagem foi a mais utilizada ao longo de todo o projeto. Foi utilizada no, processo de registo e de inserção de utilizadores, alteração e remoção de elementos da base de dados - Esta linguagem é crucial no decorrer da implementação desta aplicação SQL SQL - Structured Query Language - ou linguagem de consulta estruturada é uma linguagem interativa de pesquisa declarativa para uma base de dados relacional. Como o próprio nome indica permite a pesquisa estruturada de elementos da base de dados. Permite fazer consultas a dados de bases de dados relacionais, definir esquemas de base de dados e gerir controlos de acesso a objetos. É uma linguagem de fácil utilização e de grande simplicidade [23]. A pesquisa ou a gestão da base de dados permite inserir, editar e eliminar informação. Esta gestão é conseguida através de queries à base de dados - operações levadas a cabo através da utilização de palavras-chave, como por exemplo: select, insert, update, delete, where, group by, having, order by, etc.

37 19

38

39 Capítulo 3 3 Análise O presente capítulo aborda a fase de análise do projeto, recorrendo-se nomeadamente à linguagem de modelação UML. Esta linguagem permite especificar, documentar e estruturar o sistema, fornecendo uma visualização lógica mais abrangente do desenvolvimento do projeto. 3.1 Análise da solução pretendida Este projeto teve início na denominada Fase 1, também referenciada neste documento por Análise, pesquisa e desenvolvimento conceptual. Antes de começar o desenvolvimento da aplicação, foram efetuadas bastantes pesquisas, nomeadamente recolha da informação, através de um processo que parte desde o levantamento de requisitos, passando pela identificação de funcionalidades e pela definição de conteúdos. Compreendido o público-alvo desta solução, iniciou-se um estudo sobre as aplicações, métodos, linguagens de programação e ferramentas que seriam viáveis e capazes de responder, não só às necessidades da aplicação, mas também aos requisitos primordiais do projeto. Ao nível de linguagem de programação procurou-se aquela que melhor se adaptava à necessidade proposta e que coadjuvada com os meus conhecimentos, resultava numa melhor opção. Após essa procura constatou-se que o PHP seria a melhor solução. Após a escolha de todas as ferramentas foi necessário proceder à definição dos objetivos e especificar e clarificar a respetiva estratégia a utilizar. Foi feita a análise preliminar do layout da plataforma Web, que depois da criação de vários protótipos, conduziu àquele que mais se adequava ao objeto 21

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Gilberto Leonel Dias Pereira nº 26634 Trabalho realizado sob a orientação de: Professor João Paulo Ribeiro Pereira Informática de Gestão

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Carregamento automatizado de Bases de Dados

Carregamento automatizado de Bases de Dados Carregamento automatizado de Bases de Dados André Neiva de Lemos nº 21276 Trabalho realizado sob a orientação de João Paulo Ribeiro Pereira Engenharia Informática 2014/2015 Carregamento automatizado de

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

GESTÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO

GESTÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO GESTÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO João Ricardo Magalhães Ribeiro Rui César Ferreira Carvalho Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização Automação e Sistemas/Sistemas

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico. August - 2009 - Agosto

The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico. August - 2009 - Agosto Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico August - 2009 - Agosto The contents

Leia mais

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores Luís Morgado, Pedro Sousa, Ana Borges, Fernanda Barbosa, Jorge Barbosa Resumo Descreve-se uma aplicação desenvolvida para o controlo, gestão e actividade

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Proposta de Estágio Ano letivo 2011 / 2012 Tema: SISMS - sistema integrado de suporte e monitorização para serviços comerciais

Proposta de Estágio Ano letivo 2011 / 2012 Tema: SISMS - sistema integrado de suporte e monitorização para serviços comerciais Proposta de Estágio Ano letivo 2011 / 2012 Tema: SISMS - sistema integrado de suporte e monitorização para serviços comerciais A Load Interactive A Load-Interactive Lda. é uma start-up tecnológica que

Leia mais

Ensino técnico Integrado ao médio.

Ensino técnico Integrado ao médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino técnico Integrado ao médio. Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Programação para Web I Eixo Tecnológico:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Palavras-chaves: Informática, Rede Social, Ambiente Virtual de Aprendizagem e Educação.

Palavras-chaves: Informática, Rede Social, Ambiente Virtual de Aprendizagem e Educação. INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR ISAÍAS REDE SOCIAL COM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RAVA Leandra Gaspar Dos Santos; Frederico dos Santos Nunes; Cristiano Gomes Carvalho; Franciele da Silva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 9. A respeito da linguagem SQL, das afirmativas abaixo, é INCORRETO afirmar que a) é uma linguagem declarativa, ao contrário das linguagens tradicionais, que são do tipo procedimental. b) é constituída

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas.

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. MySQL 101 Recapitulando Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. As bases de dados são úteis quando necessitamos

Leia mais

+Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web

+Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web +Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web P.A. Alves 1 y R.A. Esteves 2 1 Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Bragança, http://www.estig.ipb.pt/homepages/palves

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Índice. Introdução 31. Tutorial 1: O Microsoft Access como Sistema de Gestão de Bases de Dados Relacionais 35

Índice. Introdução 31. Tutorial 1: O Microsoft Access como Sistema de Gestão de Bases de Dados Relacionais 35 Introdução 31 1. Bases de Dados Relacionais 31 2. Modelação de Bases de Dados 31 3. Modelo de Classes UML 32 4. Linguagem SQL 32 5. Sobre o Microsoft" Access" 32 Tutorial 1: O Microsoft Access como Sistema

Leia mais

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS 21/11/2013 PET Sistemas de Informação Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 1 BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS Leonardo Pimentel Ferreira Higor Ernandes Ramos Silva 21/11/2013

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 615 SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 Guilherme Paulo de Barros 2, Arthur Lemos 3, Heber Fernandes Amaral 4 Resumo: Nos dias atuais, com a popularização

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM NOVEMBRO / 2014 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores CST Redes de Computadores Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores Aplicações cliente/servidor para web. Fundamentos de HTML+CSS. Linguagem de programação de servidor:

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual de Utilizador

Manual de Utilizador Mestrado em Engenharia Informática e Computação Need2Explore - Porto City 29 de Dezembro de 2012 LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Autores: Bruno FERNANDES - 080509042 - ei08042@fe.up.pt Eduardo

Leia mais

BANCO DE DADOS PARA WEB

BANCO DE DADOS PARA WEB BANCO DE DADOS PARA WEB PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com INTRODUÇÃO O desenvolvimento de aplicações para Web tem sido uma das maiores tendências no panorama

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008. Aula 1. Referências

Bases de Dados 2007/2008. Aula 1. Referências Bases de Dados 2007/2008 Aula 1 Sumário 1. SQL Server 2000: configuração do acesso ao servidor. 1.1. SQL Server Service Manager. 1.2. SQL Server Enterprise Manager. 1.3. SQL Query Analyzer. 2. A base de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais