Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo"

Transcrição

1

2 Título da sessão Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo Laura Alcântara Monteiro Luanda, 31 de Outubro de 213 Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 2

3 Agenda 1. Poupança como alavanca do crescimento 2. Lançar uma agenda para o aumento da poupança em Angola 3. Apoiar a banca a acelerar os rácios de Transformação 4. Conclusão Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 3

4 Nos últimos 5 anos a economia angolana tem tido um crescimento estável, mas abaixo do seu passado recente 15 Evolução do PIB real de Angola (25-212) PIB real (25 US$ bn) Evolução do PIB per capita de Angola (25-212) PIB per capita (PPP US$ nominal) 1. Balança de Transações Correntes (% PIB) 3% Balança de Transações Correntes (28-212) +4% 8. +4% 2% 1 +19% % 1% 8,5% 9,1% 12,6% 12,1% 5 4. % 2. -1% -1,% % Legenda TACM Taxa Anual de Crescimento Médio Fonte: Dados do Banco Mundial do relatório EIU sobre Angola Maio de 213 Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 4

5 Angola recuperou da crise de liquidez de 29, com um crescimento impulsionado pelo sector não petrolífero Balança de transações correntes de Angola é dependente dos preços do petróleo 1 O crescimento económico recente é fomentado pelo sector de não petrolífero 2 Balança de Transações Correntes (% do PIB) Uma quebra de 37% 3 nos preços do 23,7% petróleo desencadeou uma crise de liquidez ,9% Preços do Brent (USD por barril) Balança de Transacções Correntes % do PIB nominal 27 8,5% 28-37% -1,% 29 9,1% 21 Preços do Brent (USD por barril) 12,6% % de variação do PIB ,4% 23,3% 2,4% 13,8% 15,% 12,3% 28 8,3% 2,4% -5,1% Sector petrolífero Total PIB Sector não petrolífero com um crescimento acima do petrolífero nos últimos anos Sector não petrolífero 29 7,8% 3,4% -3,% 21 9,7% 3,9% -5,6% 211 9,1% 7,4% 4,3% 212P 1. Balança corrente como percentagem do PIB nominal versus preços de oil (barril USD) 2. Ministério do Planeamento e Banco Nacional de Angola Fonte: Plano de Desenvolvimento Nacional (Ministério do Planeamento), Banco Mundial Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 5

6 Actuais metas do PND apontam para a continuação do crescimento, mantendo-se o desafio da diversificação Taxa média de crescimento do PIB real de ~7% até 217 Taxa de crescimento do PIB (%) Taxas de inflação irão permanecer abaixo dos 9% até 217 Taxa de inflação (%) 1 Equilíbrio orçamental (% do PIB) 2 15 Fortes excedentes orçamentais 1 7,4% 7% 8% 9% 8% Ø 7% 9,% 9,% 8,% 7,% 7,% 7,% 1 5 6,8% 1,6% 7,7% 5 4% V a P l r o P e r 214P 215P 216P 217P v e i s õ a e c s t u a i P 214P 215P 216P 217P Necessário que o investimento público cresça para ~12% do PIB de forma a suportar o crescimento previsto 1. Com base no Índice de Preços no Consumidor 2. Saldo Global do Compromisso (Ministério das Finanças) Fonte: Plano de Desenvolvimento s Nacional, Ministério do Planeamento, Banco Nacional de Angola, Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx ,4% 213P

7 A poupança é uma alavanca chave para promover o crescimento económico sustentado A poupança tem um papel fundamental para o aumento da capacidade produtiva futura Em particular para promover o crescimento sustentado não gerado pelo sector petrolífero Dois factores críticos para a promoção deste processo: Aumento da taxa de poupança Maior taxa de investimento Aumentar a taxa de poupança Aumento da produção/ rendimento Crescimento da capacidade produtiva Aumento do capital fixo disponível Aumentar a taxa de transformação de poupança em crédito ao sector produtivo Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 7

8 Em Angola a poupança está alinhada à mediana regional dos países ricos em recursos naturais Poupança em relação ao PIB (%) A poupança em Angola e na região Ø Botswana Marrocos Angola Tunisia Zambia Nigéria Namibia África do Sul Gana Quénia 1. Poupança agregada dos agentes económico públicos e privados em percentagem do PIB (Equivalente ao total de investimento somado aos saldo da Balança de Transacções Correntes) Fonte: Derivação de informação do FMI e do Banco Mundial Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 8

9 Mas os níveis de poupança não se traduzem em investimento Os fluxos financeiros com o exterior e baixo rácio de transformação têm um impacto negativo Os níveis de investimento são baixos 1 em comparação com a região Investimento (% PIB) O rácio de transformação bancário é muito baixo em termos internacionais Rácio de transformação liquido (%) ,5% 3,1% 26,8% 26,5% 22,8% 19,2% 16,7% 16,6% Ø Ø ,2% 1,8% 5 55 Marrocos Tunisia Gana Botswana Namibia Quénia Zambia África do Sul Angola Nigéria África Marrocos 3 Brasil Paraguai Angola do Sul Tunísia 2 Arménia Turquia Nigéria 1. Valor de investimento é obtido por subtrair dos valores da poupança os saldos da Balança de Transações Correntes dos países correspondentes Fonte: Banco Mundial; Bancos Centrais; FMI Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 9

10 Agenda 1. Poupança como alavanca do crescimento 2. Lançar uma agenda para o aumento da poupança em Angola 3. Apoiar a banca a acelerar os rácios de Transformação 4. Conclusão Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 1

11 Comparada internacionalmente a poupança em Angola tem uma baixa participação das famílias Por comparação internacional as poupanças das famílias em Angola são diminutas Face às dificuldades do crédito as empresas tendem a financiar os seus próprios projectos Poupança das famílias em % do PIB (25-7) 3 Poupança das empresas em % do PIB (25-7) África do Sul (212) Filipinas Angola (212) EUA Coreia China do Sul Alemanha ìndia Índia EUA Angola (212) 1 Alemanha Filipinas África do Sul (212) Coreia do Sul China Poupança em Angola muito concentrada no estado através da receita fiscal do petróleo 1. Utilizando para análise da composição da poupança a distribuição dos Depósitos a Prazo de acordo com o BNA em Junho de 212, que apontava para depósitos de particulares de 25,49% Fonte: BNA, The South African Reserve Bank, NSB (National Statistics Bureau of China), OCDE, Bancos Nacionais Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 11

12 A distribuição assimétrica do rendimento concentra quase a globalidade da poupança na população mais rica A propensão para poupança está concentrada nos segmentos de maior rendimento 1 Mantendo-se uma parte relevante desta a poupança fora dos bancos 2 % de propensão para a poupança 5% mm de Kz 5 % do M1 15% 4% 39,8% 4 3% % 2% 1% Valores negligenciáveis 8,3% 14,6% % % 1º Quintil 2º Quintil 3º Quintil 4º Quintil 5º Quintil Jan-13 Fev-13 Mar-13 Abr-13 Mai-13 Jun-13 Jul-13 Ago-13 % Aumento do rendimento Propensão para poupança % de notas e moedas em poder do público no M1 Valor de notas e moedas em poder do público 1. Dados do Inquérito do INE ao Bem-Estar da População (IBEP 28) - Fonte: INE [Nota: O índice de Gini de distribuição do rendimento era de,55, segundo o INE, em 28, uma das mais elevadas do mundo] 2. Dados de contas monetárias Fonte: BNA Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 12

13 Os depósitos existentes têm prazos médios reduzidos e elevada percentagem de moeda estrangeira Composição da estrutura de funding dos Bancos (212) 1 Nota: em Angola a remuneração dos depósitos é baixa, apesar dos spreads elevados 2 % 1 8 9% 26% Em Agosto de % dos depósitos encontravam-se em moeda estrangeira Em % (212) 25 2 Considerando a taxa de inflação de 1% no mesmo ano a taxa real é negativa % Total Fundos próprios Outro passivo 65% Depósitos 36% Ordem 3% Prazo A estrutura de funding dos bancos reduz a capacidade dos mesmos atribuírem créditos em prazos mais longos % 4% 13% 1% 8% 8% 12% 8% 7% 4% Taxa de juro de depósitos MN Spread 5% 7% 5% 4% 5% 3% 3% 4% Angola Nigéria Botswana Namibia Marrocos Gana Quénia Zambia África do Sul 1. Fonte: BNA, Estudo Banca em Detalhe Fonte: FMI, Bancos Centrais Nacionais taxas de juro de médio prazo (menos de 1 ano) Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 13

14 É necessária uma agenda para fomentar a poupança e dirigir a mesma para maiores prazos e em moeda nacional Principais alavancas Reforçar a poupança através da dinamização da oferta Melhorar estrutura de funding da banca Áreas chave Aumentar a bancarização Diversificar oferta de produtos e a sua forma de prestação Promover a poupança bancária Aumentar estrutura da maturidade dos depósitos Aumentar poupança em moeda nacional Desafios a enfrentar Redes bancárias concentradas nos principais centros urbanos Reduzidos níveis de literacia geral e formação financeira Falta de estrutura legal para suportar instituições de micro-finanças Diversificação da oferta de produtos na banca Diversificação de produtos para clientes de menores rendimentos Escassez de produtos de poupança para pensões (privados e públicos) Criação de empregos qualificados (maior nível de rendimentos) Aplicação em activos reais, fora do sistema bancário Estrutura etária da população muito jovem conduz a uma reduzida apetência pela poupança Remuneração reduzida dos instrumentos de poupança Poucos fundos institucionais (de pensões, seguros de vida) com posições de maior maturidade Inexistência de mercado secundário de dívida Remuneração de instrumentos em Kz pouco competitiva dada a inflação e falta de diversidade Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 14

15 Dinamização da oferta Exemplos de alavancas para dinamizar a oferta, em especial no mercado de menores rendimentos Principais alavancas Reforçar a poupança através da dinamização da oferta Áreas chave Aumentar a bancarização Diversificar oferta de produtos e a sua forma de prestação Promover a poupança bancária Exemplos de alavancas de dinamização da poupança Alavancar redes existentes (BUE, Nosso Super/ Poupa Lá, agências postais) Utilização de agências alternativas móveis (caravanas) e de correspondentes bancário (acordos com redes de retalho) Reforço dos programas de literacia financeira Minimizar tempo e documentação necessários para registo (abertura de conta, pequeno empréstimo) Contas mais pequenas com serviços mais económicos (no entanto, empréstimos podem ser cobrados com juros mais elevados) Produtos financeiros com regras simplificadas, para serem de entendimento fácil pela população com menores índices de literacia Promover inovação financeira em produtos de maior maturidade Promover contas poupança para aquisição de habitação E-banking, soluções móveis Dinamizar programa de poupança nacional Fomentar a poupança via produtos como fundo de pensões e seguros de vida Em Angola alguns destas soluções já estão a ser implementadas, mas é preciso ir mais longe Fonte: Benchmark; Análise MinEc Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 15

16 Backup ACESSO AO SISTEMA BANCÁRIO MELHORES PRÁTICAS IDENTIFICADAS NO BENCHMARK Dinamização da oferta Em Angola já existem iniciativas dedicadas a promover a bancarização junto da população Promover a bancarização reduzindo os custos e a burocracia O BNA lançou em 211 o projecto Bankita para reforçar a bancarização da população Redução do valor para abertura de uma conta bancária (1 Kz) Simplificação da documentação para abertura de conta (qualquer documento válido) Parceria com os Bancos comerciais Utilizar autoridades tradicionais para promover serviços financeiros O projecto SOBA do BPC é criado para promover o acesso a serviços financeiros As populações de comunidades rurais e de baixo rendimento poderão ter acesso a um conjunto de produtos de microfinanças (abertura de conta, poupanças, micro-crédito, etc.) sendo os Sobas os agentes económicos do BPC junto da comunidade Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 16

17 Dinamização da oferta Exemplos de experiências internacionais relevantes para promover o acesso a serviços financeiros Contas bancárias simplificadas A África do Sul criou contas bancárias simplificadas e sem custos de gestão (Mzansi) em que para abertura de conta é apenas necessário um número de identificação válido Projecto com semelhanças ao Bankita Plano nacional de inclusão financeira A Nigéria elaborou um plano integrado para o sector financeiro (22 Strategy), onde inclui o objectivo de aumentar em 2% até 22 os níveis de bancarização Iniciativas na área de crédito, incluindo fundo para PMEs, garantia de crédito para PMEs, centros de reestruturação e refinanciamento da dívida, sistema de informação de crédito agrícola, etc.) Fomento dos seguros agrícolas A África do Sul está a criar PPPs de forma a garantir que os seguros agrícolas são acessíveis para todos os produtores e rentáveis para as seguradoras Em África apenas a África do Sul, Etiópia, o Quénia, o Malawi e o Senegal oferecem serviços de seguro agrícolas Agência de crédito agrícola Marrocos criou um Banco Agrícola para financiar projectos agrícolas com fundos públicos, acompanhar a sua execução e assegurar a capacitação técnica A agência SFDA, recentemente criada, é dedicada ao crédito agrícola para pequenos e médios agricultores 1. Société de financement pour le développement agricole- ver Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 17

18 Exemplos de modelos alternativos explorados para minimização de custos em Marrocos Dinamização da oferta Utilizar as redes existentes (Attijari Wafa, Banco Al Barid) Utilizar agências móveis/temporárias (Banque Centrale Populaire) Utilização das redes de correios e do pequeno retalho Alavancar a experiência já existente do BPC Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 18

19 Dinamização da oferta Dois exemplos internacionais de iniciativas de fomento da poupança e aumento das suas maturidades Programa dirigido ao fomento da poupança Moçambique lançou a Campanha Nacional de Promoção da Poupança com um objectivo ambicioso de atingir 8% da população com produtos de poupança Incrementar as iniciativas em curso no país para fomentar a captação de mais poupanças Induzir os mecanismos inovadores para mobilizar poupança que permita financiar os empreendedores Exemplos de acções estratégicas Reactivar a utilização dos serviços de rede postal (ex. Correios) e outros actores (ex. Cantineiros) como instituições de intermediação financeira Incentivar o aparecimento de instituições de microfinanças e a inovação no sector bancário tradicional (crédito e poupança para baixo rendimento) Moçambique possui já algum desenvolvimento no sector das micro-finanças 1 11 instituições registadas com ~32 mil depositantes e ~72 mil empréstimos Em comparação Angola possuía 3 operadores de micro-finanças, ~15 mil empréstimos Fomento de fundos de pensões e do incremento das comparticipações A China promoveu o aumento da poupança das famílias reforçando a importância do sistema público de pensões 2 A reforma do sistema de pensões foi acompanhada da promoção do reforço das contribuições voluntárias das famílias devido ao evoluir da pressão da estrutura demográfica e de uma maior incerteza na manutenção de postos de trabalho (privatização da maioria das empresas públicas) O novo formato parcial de capitalização tornou mais tangível para os contribuintes o valor das suas contribuições O reforço da poupança para pensões originou meios financeiros com maior maturidade Os fundos de pensões preferem posições com maior maturidade face ao perfil dos recebimentos e pagamentos Estes instrumentos ajudam os bancos a possuir uma estrutura de funding que lhes permite reforçar o crédito com maior maturidade 1. Fonte: Mix Microfinance Information Exchange 2. Fonte: "China s high saving rate: myth and reality" Bank of International Settlements Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 19

20 Estrutura de Funding Reforçar a poupança em moeda nacional e em maiores prazos irá melhorar a estrutura de funding da banca Principais alavancas Áreas chave Exemplos de alavancas de melhoria do funding Melhorar estrutura de funding da banca Aumentar estrutura da maturidade dos depósitos Fomentar o aparecimento de fundos de pensões e de seguros de vida em moeda nacional Tornar os instrumentos de longo prazo mais atractivos (maior remuneração) por exemplo, através de emissão de certificados do tesouro com taxas mais elevadas que actuais depósitos, para levar os bancos, através dos mecanismos de concorrência a reforçar as remunerações de depósitos Desenvolver mercados financeiros nacionais para permitir alavancagem (por exemplo, acelerar constituição do mercado secundário de dívida no longo prazo) Aumentar poupança em moeda nacional Criar mecanismos de discriminação positiva da remuneração de instrumentos em moeda nacional (por exemplo, através da carga fiscal) O reforço das maturidades é crítica para potenciar o crédito na economia Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 2

21 Agenda 1. Poupança como alavanca do crescimento 2. Lançar uma agenda para o aumento da poupança em Angola 3. Apoiar a banca a acelerar os rácios de Transformação 4. Conclusão Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 21

22 A evolução do sistema financeiro tem sido grande mas persistem limitações Sistema Financeiro Angolano evoluiu nos últimos anos: Nr. de bancos saltou de 9 no início dos anos 2 para 21 bancos activos hoje 1 Os activos totais aumentaram de menos de USD 3 biliões em 2 para mais de USD 61 biliões em O crédito ao sector privado em proporção ao PIB cresceu de 5% em 24 para 21% em Apesar destas melhorias, sistema sofre de algumas limitações: MPME têm dificuldade de acesso ao crédito Taxa de crescimento de crédito sofreu desacelaração Problema da assimetria da informação parece ser relevante Instituições financeiras têm dificuldade a aferir a idoneidade creditícia e solvabilidade dos potenciais mutuários Sendo necessário reforçar a prestação de contas públicas e auditadas das empresas para reforçar a informação de suporte a processos de crédito E desenvolver os registos de direitos de propriedade de forma a fortalecer a criação de garantias de suporte ao crédito Tal como desenvolver os serviços de suporte à informação tal como os peritos avaliadores 1. Fonte: Banca em Análise Delloite 2. Fonte: BNA; Banca em Análise Deloitte 212; Análise BCG 3. Apenas 2% das empresas angolanas preparam demonstrações financeiras anuais verificadas por auditores externos média africana é de 4% Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 22

23 Embora o volume tenha aumentado desde 29, o peso do crédito à economia estagnou nos últimos 4 anos Crédito (mm Kz) 4, Estagnação do peso do crédito reflecte-se no crescimento lento do rácio de transformação Crédito/PIB (%) 25 3, , , 1,957 1,272 1,59 1 1, 5 Rácio de transformação líquido 1 Rácio de transformação bruto % 57% 55% 6% 56% 61% 6% 65% Crédito/PIB Crédito 1. RT líquido = Crédito liquido de provisões/depósitos totais; 2. RT bruto = Crédito bruto de provisões / Depósitos totais Notas: O âmbito do projecto apenas inclui crédito doméstico; Dados SSIF a partir de 21, // Fonte: BNA; Banca em Análise Deloitte, 21, 211 e 212; Análise BCG Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 23

24 Sendo que angola possui níveis de crédito e rácios de transformação estão abaixo dos benchmarks regionais Angola abaixo da média de países ricos em recursos da região no crédito em % do PIB 1 Stock de crédito sobre PIB (%) Recordatório: Angola possui rácios de transformação reduzidos face ao benchmark Rácio de transformação liquido (%) Ø Ø Marrocos África do Sul Tunisia Quénia Namibia Nigéria Gana Angola Zambia Botswana África Marrocos 4 Brasil Paraguai Angola do Sul Tunísia 3 Arménia Turquia Nigéria 1. Fonte: Informação derivado do FMI e análise do MinEc 2. Fonte: Banco Mundial; Bancos Centrais; Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 24

25 Há medidas que podem reforçar o crédito na economia, algumas delas já em implementação Ideias para reforçar o papel dos bancos na concessão de crédito Promover aparecimento de novos instrumentos de crédito e liquidez Desenvolvimento do leasing Introdução do factoring, especialmente importante face ao prazo médio de recebimento em Angola ser prolongado Desenvolvimento do crédito imobiliário Promover a concessão do crédito pelos bancos nacionais Apoiar a banca na melhoria nos processos de concessão de crédito Melhorar a partilha de informação na CIRC, reforçando assim a sua funcionalidade Melhorar os processos de constituição de hipotecas e aperfeiçoar os processos de execução de garantias Algumas das ideias para reforço do crédito ao sector produtivo estão em implementação Programas específicos para facilitação de acesso a crédito a MPME (o Angola Investe)... implementado com critérios que reforçam a confiança da banca privada nos programas do executivo (Fundo de Bonificações e Fundo de Garantia de Capital) A criação de fundos de capital de risco público (o FACRA, também um mecanismo do Angola Investe) Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 25

26 Agenda 1. Poupança como alavanca do crescimento 2. Lançar uma agenda para o aumento da poupança em Angola 3. Apoiar a banca a acelerar os rácios de Transformação 4. Conclusão Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 26

27 O reforço dos estimulos à poupança são um factor chave de estímulo ao desenvolvimento nacional Apesar de um ambiente económico dinâmico Angola mantém importantes limitações na poupança e no crédito à economia 9,1% de taxa média de crescimento do PIB entre 27 e 212 e ~7% crescimento previsto até 217 A taxa de poupança bruta está na mediana regional de países ricos em recursos (~24% - 212), mas o rácio de transformação é particularmente baixo (RT Líquido ~55% - 212) Existem factores que condicionam a poupança de particulares e o baixo rácio de transformação bancário Baixa taxa de bancarização Escassez de produtos financeiros Reduzida propensão à poupança das famílias, devido às rentabilidades reduzidas Concentração dos depósitos em maturidades reduzidas e com um peso de quase 5% de moeda estrangeira, causando impactos negativos à estrutura de funding dos bancos Apesar deste diagnóstico é possível identificar acções que fomentem a poupança e promovam o crédito Promover o acesso ao sector financeiro e reforçar a oferta de serviços Apoiar os bancos a melhorar a sua estrutura de funding Desenvolver novos instrumentos de crédito e liquidez com soluções adequadas às necessidade do sector produtivo (por exemplo: leasing, factoring) Eliminar os constrangimentos do sistema, principalmente na constituição e execução de garantias Reforçar o programa Angola Investe em volume de crédito disponibilizado ao sector produtivo A actuação no reforço da poupança e do crédito ao sector produtivo é critica para atingir as metas de crescimento existentes Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 27

28 Obrigado Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo Laura Alcântara Monteiro Luanda, 31 de Outubro de 213 Apresentação-Crédito-Angola_V6 (Template BNA).pptx 28

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA. Documento Resumo

ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA. Documento Resumo ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA Documento Resumo JULHO DE 21 Índice I. Introdução... II. Situação da actividade creditícia em Angola... III. Principais Entraves

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA ---------- --------- MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA TÍTULOS DO TESOURO RELATÓRIO TRIMESTRAL 2014 Luanda, Novembro de 2014 Ficha Técnica Propriedade Ministério

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Apresentação na 1ª Reunião do Fórum CMVM/PME para o Mercado de Capitais Carlos Tavares 27 Março 2012 1 Redução dos desequilíbrios externos da Economia

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Outubro 2013. Artigo 1. Inclusão Financeira

Outubro 2013. Artigo 1. Inclusão Financeira Outubro 2013 Artigo 1 Inclusão Financeira 2 Inclusão Financeira 3 % de adultos com conta numa instituição financeira formal Média Global 50% Médio Oriente e Norte de África África Subsariana Sul Asiático

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Resumo do Informe sobre Polí1cas: Promoção da Inclusão Financeira das Mulheres Africanas

Resumo do Informe sobre Polí1cas: Promoção da Inclusão Financeira das Mulheres Africanas Resumo do Informe sobre Polí1cas: Promoção da Inclusão Financeira das Mulheres Africanas Henriqueta Hunguana e Nomsa Daniels New Faces New Voices Luanda, 31 de Outubro de 2013 Informe sobre Polí1cas Promoção

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Comerciais, Caros Convidados, Minhas senhoras e meus senhores. O evento que hoje

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI Tomás Matola Administrador Executivo Perfil da Apresentação O BNI, Visão, Missão, Valores, Objectivos e Capital Fontes de Financiamento do BNI BNI

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Cabo Verde Capítulo II II.2.1. Síntese Como pequena economia aberta numa envolvente cada vez mais globalizada e competitiva, Cabo Verde é muito condicionado pela conjuntura externa, tendo também em conta

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Dívida Pública Federal Brasileira Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Fevereiro 2011 B R A S Í L I A D Í V I D A P Ú B L I C A F E D E R A L B R A S I L E I R A Dívida

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal

ARC atribui Rating BBB- a Portugal ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal EMITENTE DATA DOS RATINGS República Portuguesa 1 de Maio de 2015 RATINGS DE EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB- (BBB-,, Estável) RATINGS DE EMITENTE

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Objectivos de Marketing

Objectivos de Marketing Negócios Internacionais Marketing e Finanças as Objectivos de Marketing Tipos de Marketing; Introduzir técnicas t para avaliar dimensões para determinados países; Enfatizar como as diferenças contextuais

Leia mais

OPÇOES DE FINANCIAMENTO, REGULAMENTAÇÃO E ESPECIFICIDADES DO SECTOR FINANCEIRO EM ANGOLA

OPÇOES DE FINANCIAMENTO, REGULAMENTAÇÃO E ESPECIFICIDADES DO SECTOR FINANCEIRO EM ANGOLA OPÇOES DE FINANCIAMENTO, REGULAMENTAÇÃO E ESPECIFICIDADES DO SECTOR FINANCEIRO EM ANGOLA Fernando Costa Lima 14 de Setembro de 2011 Unidade de Business Development FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURAS Unidade

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais