ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA. Documento Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA. Documento Resumo"

Transcrição

1 ESTUDO DO DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DA FUNÇÃO DE CRÉDITO NA ECONOMIA ANGOLANA Documento Resumo JULHO DE 21

2 Índice I. Introdução... II. Situação da actividade creditícia em Angola... III. Principais Entraves à Concessão de Crédito... IV. Benchmark Internacional de Medidas de Impacto no Desenvolvimento Equilibrado do Crédito12 V. Programa de Desenvolvimento Equilibrado da Função de Crédito na Economia VI. Próximos Passos

3 I. Introdução 1. Na fase que economia angolana actualmente atravessa, de grande crescimento económico potencial, o acesso ao crédito não deve ser um entrave ao investimento, mas antes um catalisador que suporte o desenvolvimento da economia. A actividade creditícia tem igualmente um papel indispensável no suporte aos esforços em curso de diversificação da economia angolana, funcionando como fornecedor de liquidez aos vários sectores; 2. Foi no contexto da necessidade de desenvolver uma função de crédito que promova um crescimento sustentado da economia que o Banco Nacional de Angola decidiu realizar um estudo, com o apoio da The Boston Consulting Group (BCG), com o objectivo de entender de forma detalhada as razões e bloqueios que limitam essa função do crédito na economia angolana, bem como definir um plano de acção para os ultrapassar;. O estudo focou-se nas seguintes actividades: Entender a situação da actividade creditícia em Angola; Entender os principais entraves ao desenvolvimento de crédito na economia; Levantar as melhores práticas internacionais existentes na dinamização e promoção da actividade creditícia e reflectir sobre a sua aplicabilidade à realidade angolana; Definir um Programa de Desenvolvimento Equilibrado da Função de Crédito; Reflectir e propor sobre o modelo de implementação e seguimento.. Para garantir uma adequação do diagnóstico e das linhas de acção propostas à realidade angolana, o estudo tentou assegurar a participação dos "stakeholders" relevantes: As empresas, tendo sido realizado um inquérito a mais de 1 PMEs; Os cidadãos, tendo sido realizado um inquérito a indivíduos; Os bancos, tendo sido entrevistados 9 dos bancos a operar no sistema financeiro angolano. 5. Também, como complemento ao estudo de possíveis medidas a lançar, foram identificados os países com prácticas relevantes no desenvolvimento do crédito na economia. Para o benchmark foi analisado um conjunto de 9 países em contextos particularmente relevantes para a realidade angolana, incluindo: Países com penetração elevada de crédito (África do Sul, Tunísia e Marrocos); Países com penetrações médias em crescimento (Brasil, Turquia e Emirados Árabes Unidos); E países com penetrações baixas e crescimentos acelerados (Nigéria, Arménia e Paraguai).. Também foram analisados outros países que, apesar de estarem em contextos diferentes, se distinguem a nível mundial com as melhores práticas na área de crédito (França, Inglaterra, Guatemala, Austrália, Cazaquistão, Roménia, Nova Zelândia, Palestina, Etiópia, Maurícias, Camboja e Argélia). 7. Resume-se neste documento o detalhe de análises, medidas e benchmarks de referência utilizados. Para além do capítulo introdutório, este documento está organizado nos seguintes capítulos: capítulo II, onde se faz um breve diagnóstico da situação do crédito em Angola; capítulo III, onde são mencionados os principais entraves à concessão de crédito; capítulo IV, que resume as melhores práticas existentes noutros países conducentes à dinamização do crédito; capítulo V,

4 que propõe um programa de desenvolvimento equilibrado para a potenciação do crédito à economia; capítulo VI que apresenta os próximos passos. II. Situação da actividade creditícia em Angola 8. Apesar do crescimento absoluto da actividade creditícia no mercado angolano, o seu peso face ao PIB tem-se mantido estagnado e está ainda muito aquém dos países congéneres, usados como referência no benchmark. O crédito apresenta uma elevada concentração em Luanda e no sector privado, sendo os empréstimos ao sector dos serviços o maior consumidor de crédito. O crédito em Angola revela também margens decrescentes e uma cada vez maior representação em moeda local; 9. A actividade de crédito tem vindo a crescer de forma significativa, com o stock de crédito a crescer a uma taxa de 2% por ano, desde 2, tendo atingido os 2, biliões de kwanzas em 212, face a, biliões em 2. Apesar do aumento notável em volume, o peso do crédito na economia estagnou a partir de 29, com o rácio de crédito/pib a oscilar entre os 2% e os 21%, após um período de crescimento médio de 7% por ano; Gráfico 1:Evolução do Crédito à Economia entre Crédito (mm Kz) 2,5 Crédito/PIB (%) 25 2, , ,9 15 1, 8 1, , , Crédito/PIB Crédito 1. O tecido empresarial privado é o principal utilizador do crédito no país, representando 79% do crédito líquido de provisões. O crédito também está geograficamente concentrado, com Luanda a representar 9% do stock do sistema financeiro, Huíla e Benguela a representar 2% cada, e o conjunto das restantes províncias, a pesar apenas %; 11. Na distribuição do crédito por produto e a respectiva relação com os diferentes sectores económicos, existe uma grande predominância dos empréstimos bancários ao sector dos serviços1, que nos últimos três anos viu o seu peso aumentar 7%, de 11% para 18%, e representa hoje a maior fatia do crédito à economia. O crédito ao sector do comércio representa a segunda maior fatia (17%); 1 Inclui Produção e Distribuição de Energia, Alojamento e Restauração, Actividades Financeiras e Seguros, Educação, Saúde e Acção Social

5 Gráfico 2: Benchmark do Crédito /PIB Crédito/PIB 211 (%) Gráfico : Benchmark da Taxa de Transformação Rácio de transformação 211 (%) Ø Ø 11 África Marrocos Brasil Paraguai Arménia do Sul Tunísia Emiratos Turquia Nigéria Angola África Marrocos 2 Turquia Nigéria Angola do Sul Tunísia 1 Brasil Paraguai Arménia 12. Comparativamente ao benchmark escolhido para este estudo, o peso do crédito à economia sobre o Produto Interno Bruto situa-se abaixo da média, conforme se pode observar no Gráfico 2 acima. O baixo nível de aprofundamento financeiro poderá estar a ser causado pela relativamente baixa taxa de transformação do crédito à economia no sector bancário angolano que, de acordo com o Gráfico, também se situa abaixo da média do benchmark; 1. Outro factor que contribui para a baixa penetração do crédito na economia angolana é a baixa taxa de bancarização. Apesar do crescimento verificado ao longo dos últimos anos situava-se nos 2% em 212 o acesso aos serviços bancários por parte da população angolana ainda se encontra abaixo da média do benchmark seleccionado para este estudo. O Gráfico à direita mostra que os países onde a bancarização é mais alta são aqueles onde a taxa de transformação e o peso do crédito na economia é maior; Gráfico : Benchmark da Taxa de Bancarização Taxa de bancarização 211 (%) Turquia África Arménia Nigéria 1 Angola do Sul Marrocos 1 Brasil Emirados Paraguai x2 Ø 5 2% em A Figura 1 em baixo ilustra a situação do crédito por sectores comparado ao peso que os mesmos têm na estrutura do PIB. No caso da Agricultura, que não coincide com as outras áreas do sector primário da economia, nota-se uma discrepância média de 7% quando se compara o crédito concedido àquele sector e a sua contribuição para o PIB. Por outro lado, são as áreas do sector secundário da economia que beneficiam de maior crédito e, portanto, contribuem também com maior peso na estrutura do PIB. Deve-se no entanto ter presente que estas áreas, como é o caso da Construção, foram alvo de investimentos públicos significativos, que certamente contribuíram para o aumento do seu peso na economia angolana; 5

6 Figura 1: Comparação entre Crédito Concedido e Peso na Economia Pescas (%) Agricultura (%) Indústria Extractiva 1 (%) % -8% -8% % % % % 7-9% 5-89% 5 5 Indústria Transformadora (%) Construção (%) Comércio (%) 2 +51% 9 +% 1 +75% % % 8 1 +% % +% -9% % PIB % Crédito III. Principais Entraves à Concessão de Crédito 15. Para entender os principais pontos críticos na concessão de crédito em Angola foram utilizadas fontes: (i) entrevistas a vários stakeholders como bancos, empresas e clientes; (ii) análises aos processos de concessão de crédito em Angola; (iii) e uma comparação com países através de um benchmark. 1. Para o benchmark foi analisado um conjunto de 9 países em contextos particularmente relevantes para a realidade angolana, incluindo: Países com penetração elevada de crédito (África do Sul, Tunísia e Marrocos); Países com penetrações médias em crescimento (Brasil, Turquia e Emirados Árabes Unidos); E países com penetrações baixas e crescimentos acelerados (Nigéria, Arménia e Paraguai). 17. Para melhor entender os desafios à actividade de crédito em Angola foram identificados os temas críticos à concessão de crédito. Do lado da procura, o acesso limitado ao sistema bancário e o baixo nível de educação financeira da população mostram ser as razões fundamentais à não utilização de produtos de crédito. No que toca à oferta, a capacidade e motivação dos bancos para concederem crédito, a falta de adequação à procura e as limitações na informação disponível, que não permitem fundamentar as decisões de concessão com uma correcta avaliação do risco, são os aspectos identificados como mais críticos. Finalmente, existem também dificuldades relacionadas com o enquadramento legal em Angola;

7 Figura 2: Esquema de Estudo sobre Contrangimentos da Concessão de Crédito Crédito População angolana e empresas 1 Cliente 2 Pedido de crédito Banco Informação 5 Banco Central Garantias Procura Oferta Legal 1 Os potenciais clientes têm 2 Os clientes têm educação acesso ao sistema bancário e financeira para fundamentar um utilizam produtos de crédito? pedido de crédito ao banco? Os Bancos têm capacidade e dispõe da organização e processos para conceder crédito? A oferta de crédito disponível e as condições oferecidas são adequadas aos clientes? O enquadramento legal é positivo à concessão de crédito, assegura as garantias ao banco e ao cliente? 5 A informação disponível dos clientes permite fundamentar uma decisão com a correcta avaliação do risco? Com base nestes temas, foram identificadas seis questões críticas à concessão de crédito, que um programa de desenvolvimento da função de crédito papel deverá tentar responder, a saber: 17.1 Os potenciais clientes têm acesso ao sistema bancário e utilizam produtos de crédito? Com uma taxa de bancarização (2%), que é metade da taxa média do benchmark (5%) como aparece no Gráfico, existe ainda um grande espaço para aumentar o acesso ao sistema bancário. O baixo nível de bancarização no país está a restringir a utilização de crédito por parte da população, que tem a relação Crédito per capita/pib per capita mais baixa do conjunto de países analisados. Nalguns sectores, como a Indústria Extractiva e Agricultura, existe um gap entre o contributo para o PIB e a utilização de crédito. Existem já algumas ferramentas para promover o aumento do acesso ao sistema bancário, como o Bankita, ou o projeto SOBA - a iniciativa em curso do BPC para promoção da utilização de produtos financeiros simples junto das comunidades; Gráfico 5: Benchmark do Crédito /PIB Gráfico : Benchmark da Taxa de Transformação Principais desafios à concessão de crédito (# menções nos mais importantes) "A sofisticação da procura passa também pela cultura de crédito e comportamento creditício" Entrevistas a Bancos Análise de pedidos de crédito (%) Pedidos rejeitados Sistema jurídico (incluindo temas de Garantias) Baixa sofisticação financeira Capital próprio limitado Total Sem contabilidade Contabilidade organizada Contabilidade organizada e fiável 7

8 17.2 Os clientes têm educação financeira para fundamentar um pedido de crédito ao banco? O baixo nível de sofisticação financeira foi apontado pelos bancos entrevistados como uma barreira importante à concessão de crédito, sendo estimado que 9 em 1 pedidos de crédito sejam rejeitados à partida por falta de contabilidade organizada e fiável. A melhoria na formação financeira teria impactos importantes sobretudo na concessão de crédito a pequenas e médias empresas; 17. Os Bancos têm capacidade e dispõem da organização e processos para conceder crédito? A capacidade de concessão de crédito por parte dos bancos está limitada, por um lado, pela capacidade interna de gestão de crédito e, por outro, pela discrepância entre a maturidade das necessidades de crédito, de mais longo prazo, e a capacidade de funding dos bancos, de mais curto prazo. Os bancos comerciais enfrentam alguns constrangimentos internos que têm dificultado a concessão de crédito e essencialmente tornam os processos de gestão e recuperação de crédito ineficientes. Os principais constrangimentos apontados pelos bancos (por ordem decrescente de referências) foram: Qualidade da informação sobre os clientes, e as garantias associadas desactualizadas ou incorrectas; Processos internos incompletos e em fase de desenvolvimento; Ferramentas de suporte à gestão de crédito de cariz manual; Formação dos quadros bancários desadequada para dar resposta aos actuais níveis de procura. Figura : Contrangimentos da Concessão de Crédito Feedback dos Bancos Comerciais Nível de desenvolvimento: Concessão Processos Análise de propostas Pricing Libertação capital Exemplos seleccionados de Entrevistas a Bancos - + "Todas as nossas propostas de crédito tem de ir a CA para serem aprovadas" "O nosso pricing é fixo por tipo de produto" "Ainda estamos a implementar processos de controlo da libertação de capital" "Temos objectivos bem definidos de timings para análise de proposta e somos avaliados em relação a estes objectivos" "Temos uma matriz de correlação do risco do cliente e o risco da operação para definir o nosso pricing" "Apenas libertamos capital mediante factura e no máximo permitimos um desembolso de 1% para fundo maneio" Gestão da carteira Acompanhamento "Apenas este ano revemos a frequência do acompanhamento de mensal para semanal" "Criamos Direcção de dinamização e gestão de carteira com staff dedicado diariamente ao acompanhamento " Gestão de crédito vencido Alarmes Contencioso "A prestação vencida é o nosso alarme e apenas é considerada a partir da segunda prestação em atraso" "Departamento de gestão de riscos e contencioso apenas enfocada em crédito parado há mais de 1 ano" "Implementámos um sistema informático de sinais negativos que analisa varias variáveis (saldos médios, etc.)" "Temos processos e timings bem definidos das etapas de crédito no contencioso" 8

9 Internamente existem realidades muito diferentes nos bancos, sendo que o nível de desenvolvimento dos processos de concessão e de gestão de crédito é bastante variado. O facto de os bancos não terem os processos adequados resulta numa maior restrição de crédito concedido como forma de redução de risco assumido devido a processos não optimizados. Adicionalmente a capacidade de conceder créditos de longo prazo está limitada pelas maturidades reduzidas dos recursos, havendo uma pressão da procura por produtos de maturidades superiores, que não está a ser satisfeita pelos bancos. Aliada a isto está a falta de disponibilidade financeira a longo prazo, por parte dos bancos: A maioria dos depósitos de clientes é de curto prazo; Não existe ainda mercado secundário em Angola, o que torna os activos menos líquidos; A cedência de liquidez do banco central à banca comercial é de curto e muito curto prazo; Gráfico 7: Evolução da Estrutura do Activo do SFA Apesar da diminuição considerável do peso dos títulos, que se movimentou dos 29% em 29, para os 15% em 212, os bancos preferiram desviar a sua disponibilidade financeira para investimentos mais líquidos e de curto prazo, face a aumentar o peso dos créditos à economia (que subiu apenas 2 pontos percentuais entre 29 e 212), tendo aumentado o peso de operações em aplicações de liquidez, como operações no mercado monetário interbancário; Estrutura do activo do SFA (%) E 211 Outros activos Títulos e Valores Mobiliários Créditos a Clientes 19 9 Disponibilidades Aplicações de Liquidez Imobilizações Outros 17. A oferta de crédito disponível e as condições oferecidas são adequadas aos clientes? O principal bloqueio à procura de crédito identificado pelas PMEs foi a taxa de juro (% das respostas), no entanto, fazendo uma análise comparativa com os países do benchmark, verifica-se que estas taxas estão, em Angola, abaixo da média (1% face a 2%). Bons exemplos são os programas que estão a ser implementados com o objectivo de melhorar as condições de crédito para sectores prioritários, como o Angola Investe (que inclui uma linha de crédito bonificado e um fundo de garantias públicas), lançado em 212 ou a linha de crédito à agricultura incluída no Programa de Fortalecimento dos Pequenos e Médios Produtores Agro-pecuários, lançado em 211; 9

10 Gráfico 8: Principais restrições à procura de crédito pelas PMEs (% respostas) Gráfico 9: Benchmark da Taxa de Transformação Spread (%) Taxa de juro de depósitos (%) Ø Taxa de juro Garantias exigidas Oferta limitada 11 Requisitos do Banco 11 Outros 1 1 Brasil 1 8 Paraguai Arménia Nigéria Angola África do Sul 17.5 A informação disponível dos clientes permite fundamentar uma decisão com a correcta avaliação de risco? A disponibilidade e qualidade de informação de crédito são críticas para o sucesso do crédito numa economia. No entanto, estas encontram-se em situação ainda muito incipiente em Angola face aos países do benchmark, com o nível mais baixo do índice de disponibilidade de informação do IFC-Doing Business ( numa escala de a ), a par da Nigéria. Os bancos entrevistados identificaram igualmente a qualidade de informação como um dos principais desafios à gestão de risco e recuperação de crédito; Gráfico 1: Índice de Disponibilidade de Informação de Crédito Gráfico 11: Principais Desafios à Gestão de Risco e Recuperação de Crédito África Arménia Emirados Tunísia Nigéria do Sul Paraguai Brasil Turquia Marrocos Angola Sistema jurídico Qualidade da informação Processos internos Ferramentas Formação de quadros A criação da Central de Informação e Risco de Crédito (CIRC), com a sua função agregadora de informação dos bancos acerca do historial de crédito dos clientes do sistema financeiro, veio colmatar as lacunas existentes, permitindo aos bancos fundamentarem as suas decisões de concessão de crédito com análises de risco mais fiáveis alimentadas com a informação da CIRC. Contudo, na central de risco existem oportunidades de melhoria, nomeadamente: Aumento do nível de utilização (1/ das operações não estão carregadas); Revisão da periodicidade e metodologia de preenchimento; 1

11 Melhorias no cruzamento entre operações de uma empresa e de particulares, dono da mesma empresa. 17. O enquadramento legal é positivo à concessão de crédito, assegura as garantias ao banco e ao cliente? A actividade de crédito é muito penalizada pelo enquadramento legal do país, em particular, com as limitações no registo de propriedade com implicações na constituição de garantias. Estas limitações são agravadas pela morosidade do sistema jurídico nos casos em que seja necessário recuperar legalmente os créditos. Os bloqueios legais constringem tanto a fase de concessão (fragilidade de titularidade de bens como garantias legais), como a fase de gestão de risco e recuperação de crédito (dificuldade em garantir a execução dos mesmos). A dificuldade existente em conseguir a correcta constituição e execução de penhor financeiro é um dos temas principais no que toca ao enquadramento legal. Existe fragilidade na titularização de garantias, tanto da parte dos proprietários que têm dificuldade e são desincentivados a fazer as garantias, como o sistema de registo tem falhas de informação e congestionamento nas principais conservatórias. Mesmo nos casos em que há registos de propriedade existem poucos casos de sucesso de execução das garantias associadas a créditos. Gráfico 12: Índice de Enquadramento Legal para Obtenção de Crédito Gráfico 1: # De Dias para Registar uma Propriedade África Arménia Turquia Paraguai Marrocos do Nigéria Sul Emirados Brasil Tunísia Angola Nigéria Paraguai Brasil Marrocos Tunísia Emirados Turquia Arménia Angola 11

12 IV. Benchmark Internacional de Medidas de Impacto no Desenvolvimento Equilibrado do Crédito 18. Foi analisado um conjunto de 9 países com melhores práticas em contextos particularmente relevantes para a realidade angolana, incluindo países com penetração elevada de crédito (África do Sul, Tunísia e Marrocos), países com penetrações médias em crescimento (Brasil, Turquia e Emirados Árabes Unidos) e países com penetrações baixas e crescimentos acelerados (Nigéria, Arménia e Paraguai). Adicionalmente foram analisados outros países que apesar de estarem em contextos diferentes, se distinguem a nível mundial com as melhores práticas na área de crédito (França, Inglaterra, Guatemala, Austrália, Cazaquistão, Roménia, Nova Zelândia, Palestina, Etiópia, Maurícias, Camboja e Argélia); 19. Os 9 países em contexto semelhante ao nosso permitiram identificar as melhores práticas em áreas fundamentais: acesso ao crédito, condições de financiamento, formação financeira e gestão de risco e do incumprimento; Melhores práticas na melhoria do acesso ao crédito Contas bancárias simplificadas, com processo de abertura simplificado e sem custos de gestão, que permitam alargar a abrangência do sector financeiro; Agência dedicada ao Crédito Agrícola, que centraliza a gestão das linhas de crédito agrícola, acompanhamento da execução dos projectos e transferência de know-how técnico para os projectos; Programas de microcrédito que promovam o financiamento a micro, pequenas e médias empresas, através de mecanismos de fomento, como: taxas bonificadas e fundos de garantia; Redução das taxas de juro do crédito através da descida das taxas de juro nas operações de política monetária e liquidez no sistema bancário; Linhas de crédito à habitação enfocadas nas classes baixa e média-baixa, potencialmente através de parcerias com promotores imobiliários. Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: A África do Sul criou contas bancárias simplificadas e sem custos de gestão (chamadas Mzansi), em que para abertura da conta é apenas necessário um número de identificação válido. Estas contas oferecem apenas os produtos financeiros básicos aos seus clientes, estando as transacções limitadas a depósitos, transferências, levantamentos e cartões de débito; A Tunísia autorizou o Fundo Nacional de Garantia a cobrir juros em mora de culturas afectadas por catástrofes naturais; Marrocos tem um Banco Agrícola para financiar projectos no sector da agricultura, acompanhar a sua execução e assegurar a transferência de know-how técnico, tendo criado 12

13 recentemente uma agência dedicada ao crédito agrícola (SFDA), para financiamento exclusivo de pequenos e médios agricultores. Esta agência centraliza a gestão das linhas de crédito agrícola e é responsável por definir a população elegível; A África do Sul está a criar parcerias público-privadas (PPPs) para garantir que os seguros agrícolas são acessíveis a todos os produtores e rentáveis para as seguradoras. Em África, para além da África do Sul, apenas a Etiópia, o Quénia, o Malawi e o Senegal oferecem serviços de seguro agrícolas; A Nigéria, que elaborou um plano integrado para o sector financeiro, denominado 22 Strategy, onde inclui o objectivo nacional de inclusão financeira, de aumentar em 2% até 22 os níveis de bancarização da população. Para isso, o Banco Central dinamiza uma série de medidas na área de crédito, incluindo fundo para PMEs, garantias de crédito para PMEs, centros de reestruturação e refinanciamento da dívida e um sistema de informação de crédito agrícola. Melhores práticas na melhoria da disponibilidade e qualidade da informação de crédito Promoção da redução das taxas de juro, através da descida das taxas de juro nas operações de política monetária e liquidez no sistema bancário; Introdução de limites aos encargos de processamento e outras taxas cobradas por serviços de crédito; Desenvolvimento de um conjunto de instrumentos para facilitar o acesso a produtos de crédito específicos (ex.: crédito à habitação) ou a segmentos específicos (ex.: crédito a PMEs). Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: O Brasil lançou o programa "Minha Casa Minha Vida" para promover o crédito à habitação às classes mais baixas e os bancos públicos brasileiros têm produtos atractivos para a classe média emergente; O Brasil tem também fomentado o crédito ao consumo através da descida das taxas de juro. O Banco Central brasileiro publica periodicamente um benchmark de taxas de juro para referência no mercado; O Banco Central dos Emirados Árabes Unidos introduziu limites aos encargos de processamento e outras taxas cobrados por serviços de crédito, de forma a incentivar a promoção de produtos de crédito mais acessíveis; A África do Sul desenvolveu mecanismos de fomento de microfinanciamento, tendo criado um fundo que financia, forma e acompanha organizações de microcrédito, em nome do Governo (South African Microfinance Apex Fund SAMAF) e uma fundação que financia pequenos trabalhadores por conta própria, estimulando a poupança e enfocando no desenvolvimento social (The Small Enterprise Foundation SEF). 1

14 Melhores práticas de formação financeira da população Desenvolvimento de programas de educação financeira, que têm um papel estratégico para os bancos na redução dos custos operacionais e aumento da competitividade; Criação de centros de empreendedorismo, com o objectivo de desenvolver capacidade empreendedora e de gerar oportunidades de emprego na economia; Preparação de campanhas de comunicação pública com elementos básicos sobre crédito, promovendo a alfabetização financeira da população. Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: O Brasil desenvolveu um programa de educação financeira, estando o Banco Central a coordenar as medidas para a educação financeira dos grupos de consumidores com baixos rendimentos, que têm sido operacionalizadas pela Federação de Bancos (FEBRABAN), pela Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (ABECS) e pelos bancos; A África do Sul também desenvolveu programas semelhantes, como o programa de alfabetização financeira da população jovem sul-africana (HOPE), tendo como parceiros um banco privado, o IFC, o Governo e a Fundação Nelson Mandela. Adicionalmente, o Banco Central, a Bolsa de Valores e o Governo também se envolveram para a promoção da formação financeira, tendo criado o Dia Nacional da Literacia Financeira, marcado anualmente com conferências e workshops sobre o tema. Melhores práticas para melhorar a gestão de risco e do incumprimento Criação de sistemas de registo complementares (ex.: sistema de registo de garantias) para melhorar a disponibilidade e qualidade da informação para avaliação do risco de crédito; Promoção do desenvolvimento de agências privadas de informação, como a criação de um bureau de crédito privado complementar à Central de Risco do Banco Central, de forma a alargar a informação além do sistema financeiro; Inclusão de informação positiva e negativa na base de dados de crédito, de modo a melhorar a capacidade dos credores para distinguirem bons e maus devedores; Criação de obrigatoriedade legal para a formação de comités de crédito, de risco e de auditoria interna nos bancos comerciais; Introdução de limites ao crédito pessoal pelo Banco Central de forma a travar as taxas de incumprimento; Levantamento de barreiras a expatriados, fazendo uma revisão da política de retenção de expatriados com investimentos elevados no país. Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: O Brasil ampliou a compreensão dos sistemas de informação do Banco Central, tendo criado um Sistema de Informação de Crédito complementar à Central de Risco e que inclui 1

15 informação adicional (positiva e negativa), suprindo uma lacuna no mercado privado de bureau de crédito, que agrega apenas informação negativa; Em Marrocos, o Banco Central lançou um concurso internacional para a criação de um bureau de crédito privado, complementar à central de riscos do banco. Esta agência tem a vantagem de alargar a fonte de informação para além dos sistemas financeiros (outros credores, tribunais, etc.); O Banco Central da Tunísia legislou a obrigatoriedade dos Bancos Comerciais criarem comités de crédito, de risco e de auditoria interna. No contexto dos direitos legais, foi identificada a seguinte lista de melhores práticas Criação da possibilidade de execução extrajudicial de garantias, através da celebração de um acordo entre as partes no momento da constituição da garantia, e que permite ao credor apropriar-se da garantia ou apelar a um oficial não judicial no caso de contestação. Esta é uma ferramenta chave quando o sistema judicial é um entrave à execução de garantias, permitindo reduzir a dependência dos tribunais e libertar recursos; Criação de uma central de registo de garantias que permita ao credor apurar se o mutuário já utilizou o bem como garantia noutra operação, com registos unificados numa única base de dados, de forma a evitar a busca de registos múltiplos, que aumenta os custos de transacção. As centrais modernas têm acesso online para pesquisas e registo, permitindo registar todos os tipos de restrições à utilização de garantias e estabelecer parâmetros claros de prioridade legal; Permissão de uma descrição geral da garantia, que torne a contratualização mais flexível, aumentando o acesso ao financiamento. Esta prática possibilita a diminuição dos custos de transacção quando os activos do tipo stock/mercadoria são utilizados como garantia, pois evita novo registo quando há substituições. Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: Em França, foram desenvolvidas alternativas ao regime de hipoteca, tendo os bancos criado uma oferta de crédito à habitação suportada por um seguro de caução, em vez de uma garantia real (hipoteca sobre o imóvel); Em Inglaterra, há maior participação das imobiliárias, existindo a prática da preparação, por parte do vendedor, de um dossier com todas as informações relevantes para a aquisição do imóvel com vista a facilitar a transacção; A Guatemala melhorou o regime de transacções seguras, emitindo um decreto que expandiu a gama de activos móveis que podem ser utilizados como colateral. Paralelamente, criou um registo para a propriedade móvel e publicou um decreto que concede aos mutuários o direito de consultar os seus dados em todas as instituições públicas; 15

16 A Austrália criou um registo unificado para a propriedade móvel (Personal Property Securities Act, de 29), com base online e que permite aos credores pesquisar e registar, a qualquer momento, direitos de garantia em propriedade pessoal; No Cazaquistão, uma nova lei introduziu alterações à regulamentação do procedimento de reabilitação ao abrigo da legislação de falência, especificando várias condições, segundo as quais os credores com garantia podem candidatar-se a um apoio durante o procedimento. Esta lei foi responsável pelo fortalecimento dos direitos dos credores com garantias, durante os procedimentos de reorganização; Na Roménia, deu-se a expansão da gama de activos móveis que podem ser usados como colateral, através de um novo código civil, introduzindo o conceito de hipoteca e permitindo direitos de garantia em bens imóveis e móveis. Melhores práticas na disponibilização de informação de crédito de qualidade Reporte do mau e bom comportamento creditício, incluindo na base de dados, informações negativas que abranjam padrões e pagamentos em atrasos, e informações positivas, que incluam reembolsos de empréstimos a tempo e os valores originais e pendentes de empréstimos; Ampliação do leque de informações distribuídas pelos registos de crédito, incluindo informações de crédito de outros serviços públicos, desde informação fiscal até à informação de empresas públicas, como a empresa fornecedora de energia eléctrica ou de telecomunicações. Esta abrangência de informação, apoia a criação de um historial de crédito para os clientes sem histórico bancário; Revisão dos limites de empréstimo mínimo para registo na central de risco, de forma a alargar a informação a grupos de risco de incumprimento; Destacam-se as seguintes medidas implementadas pelos países do benchmark: A Nova Zelândia adoptou um enquadramento jurídico para expansão do conjunto de informação recolhido pelas agências de crédito; A Palestina criou uma lei que concede o direito de acesso aos dados, aos mutuários, na Cisjordânia e Gaza; A Etiópia introduziu um novo sistema online para partilha de informação de crédito; Nas Maurícias, o registo público de crédito desenvolveu um novo formato de reporte de crédito, que inclui pagamentos atempados e prestações por pagar, tendo começado a recolher dados de retalhistas; O Camboja criou a sua primeira agência de crédito privada, abrangendo mais de 1,1 milhões de pessoas; A Argélia eliminou o patamar mínimo para empréstimos incluídos na base de dados. 1

17 V. Programa de Desenvolvimento Equilibrado da Função de Crédito na Economia 2. Ultrapassar os constrangimentos e desenvolver de forma equilibrada a função do crédito na economia angolana poderá passar por um programa baseado em iniciativas. Cada uma das iniciativas é composta por um conjunto de medidas, algumas delas já em curso. Optou-se, assim, por incluir também as acções e medidas já em curso, pois só dessa forma se pode garantir uma visão transversal do programa, com todas as acções em curso relacionadas e com potencial impacto no desenvolvimento do crédito. Potenciar o acesso ao sistema bancário A garantia de acesso ao sistema bancário é a premissa base para o desenvolvimento do crédito numa economia e foi possível identificar alguns exemplos de medidas nos benchmarks. O objectivo desta iniciativa é assegurar o acesso de todos ao sistema bancário em geral e ao crédito em particular. As medidas a serem desenvolvidas no âmbito desta iniciativa seriam as seguintes: Identificar entidade responsável pela dinamização do crédito agrícola: identificar uma entidade que se responsabilize pela dinamização do crédito agrícola ou avaliar a criação de uma agência dedicada ao crédito agrícola que asseguraria a centralização da gestão das linhas de crédito à agricultura; Promover criação de seguros agrícolas: Desenvolver mecanismos de incentivo ao Seguro Agrícola, como por exemplo, a criação de parceiras público-privadas com seguradoras, assegurando que desastres naturais são cobertos por fundos do Governo; Promover o acesso ao crédito da indústria extractiva nacional: Desenvolver um conjunto de instrumentos para promover a utilização do financiamento no sistema bancário da indústria extractiva nacional, alavancando no financiamento disponível na banca nacional, para rever o posicionamento do sector nas parcerias internacionais; Promover uma saudável relação do Estado com a banca privada (em concepção): Acelerar pagamentos do Estado e desenvolver um conjunto de instrumentos para promover a utilização do financiamento no sistema bancário de empresas do estado e parcerias público-privadas, substituindo financiamento público por financiamento na banca; Fomentar o acesso ao sistema bancário (em implementação): Criar um programa de fomento da utilização do sistema bancário através do desenvolvimento de produtos simplificados (ex.: contas bancárias), mas também de fomento de transacções através do sistema bancário (ex.: pagamento de salários). 17

18 Garantir o acesso à formação financeira A formação financeira é um pilar fundamental para o desenvolvimento sustentável do crédito, e existem alguns exemplos internacionais de sucesso. O objectivo desta iniciativa é lançar medidas de formação adequadas a cada segmento para melhorar a sofisticação da procura. As medidas seriam as seguintes: Criar incentivos para empresas com contabilidade organizada: Desenvolver conjunto de incentivos para as empresas com contabilidade organizada, garantindo benefícios a nível das condições de crédito, mas também a outros níveis (fiscais, assessoria, etc.); Criar centros de empreendedorismo (já implementada): Criar centros de formação e consultoria ao pequeno empreendedor, apoiando na geração de ideias (incubadora), na formação em skills de gestão e na realização de planos de negócio; Lançar um programa de formação financeira a empresas (em implementação): Desenvolver e coordenar a implementação de um programa de formação financeira para empresas e jovens empreendedores; Lançar um programa de formação financeira a particulares (já implementada): Desenvolver e coordenar a implementação de um programa de formação financeira, promovendo o trabalho conjunto de diferentes stakeholder no desenvolvimento e distribuição de conteúdos, bem como pela preparação de campanhas de comunicação pública. Reforçar a capacidade e incentivos dos bancos para a concessão e gestão de crédito É crítico garantir que existe capacidade dos bancos para conceder crédito, bem como acautelar que os incentivos estão alinhados para tal, criando mecanismos que reduzam as restrições e criem incentivos para a concessão e crédito. As medidas a serem desenvolvidas no âmbito desta iniciativa seriam as seguintes: Criar instrumentos de crédito para maturidades de longo prazo: Facilitar a gestão de risco de liquidez dos bancos, através da criação de linhas de crédito orientadas para financiamento de longo prazo e desenvolver incentivos a depósitos a longo prazo; Rever incentivos e mecanismos de poupança (em implementação): Desenvolver incentivos à poupança (incluindo incentivos fiscais) e à criação a depósitos a longo prazo, para facilitar a gestão do risco de liquidez dos bancos; Potenciar mecanismos de financiamento alternativos (em implementação): Disponibilizar títulos ou acesso a recursos financeiros de maturidade longa para facilitar a gestão do risco de liquidez dos bancos, através do desenvolvimento de mecanismos de financiamento de maiores maturidades ligados a mercados financeiros e fundos de maturidade mais elevada (ex.: criação de mercado de capitais); Optimizar processos de gestão de crédito no sistema bancário: Lançar um programa de optimização dos processos de gestão de crédito no sistema bancário, desde concessão, acompanhamento, recuperação até ao contencioso, ponderando a criação de um programa de formação e certificação financeira de analistas de crédito. 18

19 Fomentar a melhoria da oferta e condições de financiamento É importante fomentar a melhoria da oferta e condições de crédito para facilitar o acesso ao crédito. Países como o Brasil, África do Sul e Emirados criaram soluções apontadas a resolver estes desafios. O objectivo desta iniciativa é dinamizar a utilização de crédito, garantindo adequação das condições de financiamento aos diferentes segmentos. As medidas a serem desenvolvidas no âmbito desta iniciativa são as seguintes: Criar linha jovem de crédito à habitação bonificado: Desenvolver um conjunto de instrumentos para facilitar o acesso ao crédito à habitação junto da banca e avaliar a criação de ferramentas de incentivo ao aluguer jovem; Introduzir limites nos fees de crédito: Introduzir limites aos encargos de processamento e outras taxas cobradas por serviços de crédito, incentivando a promoção de produtos de crédito mais acessíveis; Fomentar a maior participação de capitais próprios: Fomentar a maior participação de capitais próprios nos pedidos de créditos de empresas, através de um plano nacional que identifique fundos de participação de capital social em projectos; Facilitar o acesso ao crédito das PMEs (já implementada): Desenvolver um conjunto de instrumentos para facilitar o acesso ao financiamento junto da banca, através de fundos de garantia, linhas de crédito a sectores prioritários, entre outros; Criar fundo público de capital de risco (já implementada): Desenvolver um fundo de capital de risco para estímulo ao desenvolvimento de projectos competitivos em fase early-stage; Articular políticas monetárias com actividade de crédito (em concepção): Continuar a promover o acompanhamento e articulação das politicas monetárias com actividade de crédito na economia; Fomentar programas de microcrédito (já implementada): Melhorar o acesso e as condições de financiamento dos microempresários, através da continuação do fomento à criação de linhas de microcrédito. Melhorar a informação disponível para a avaliação de risco A disponibilidade e qualidade de informação de crédito é crítica para o sucesso do crédito numa economia. Este é um desafio enfrentado por muitos países, e existem muitos exemplos de como melhorar a informação no sistema). O objectivo desta iniciativa é melhorar a capacidade de partilha de registos de crédito e a qualidade da informação partilhada, através das seguintes medidas: Rever status do conteúdo da CIRC: Melhorar a quantidade e qualidade da informação de crédito, através do desenvolvimento de um programa de auditorias para controlar e homogeneizar a qualidade da informação disponibilizada pelos bancos na CIRC, e criar um programa de formação para melhorar a capacidade de utilização; 19

20 Potenciar a utilização da CIRC: Melhorar a qualidade da informação de crédito, procurando garantir uma maior actualização da informação, através de uma revisão da periodicidade de alimentação da base de dados por parte dos bancos, e apoiar os bancos no aumento da automatização de processos para alimentar a central; Criar central de registo de garantias: Criar uma central de registo de garantias que permita ao credor apurar se o mutuário já utilizou o bem como garantia em outra operação; Avaliar a criação de bureau de crédito: Criar um bureau complementar à CIRC, alargando a informação além do sistema financeiro (outros credores, tribunais, etc.); Criar bases de dados de informação empresarial (em implementação): Criar uma central de registo de empresas com informação de registo estatal que agregue informação do registo empresarial. Assegurar um enquadramento legal positivo ao crédito Assegurar os direitos legais dos credores e devedores é fundamental para atrair a concessão de crédito. É um desafio enfrentado por países em desenvolvimento assim como países desenvolvidos, havendo exemplos de práticas variadas para melhorar o enquadramento legal. O objectivo desta iniciativa é mitigar os bloqueios legais à concessão de crédito e à recuperação de crédito vencido, através das seguintes medidas: Criar incentivos à actualização da titularidade: Criar incentivos fiscais junto dos proprietários com propriedades com titularidade desactualizada e que não estão em processo de actualização; Criar canais rápidos para constituição de hipotecas: Promover a criação de canais céleres para constituição de hipotecas (ex.: balcão único) e a centralização do interface dos processos num único balcão, bem como o reforço dos restantes intervenientes com pessoal dedicado aos processos que dão entrada por este canal; Avaliar alternativas a hipotecas: Melhorar processos e legislação associada à execução de garantias, avaliar a criação da figura do Penhor Financeiro e criar processos céleres para execução de garantias; Melhorar processos e legislação associados à execução de garantias: Avaliar oportunidades de melhoria nos processos e legislação para execução de garantias; Rever processos de legalização de propriedade (em concepção): Promover um programa de revisão dos processos associados à legalização de propriedade, identificando os principais bloqueios e desenvolvendo soluções e planos de acção para os ultrapassar; 2

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo

Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo Título da sessão Papel dos diversos instrumentos de intermediação Estimulo à Poupança e alavancagem do processo produtivo Laura Alcântara Monteiro Luanda, 31 de Outubro de 213 Apresentação-Crédito-Angola_V6

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Oferta de Produtos e Serviços da Caixa de Crédito Agrícola dos Açores

Oferta de Produtos e Serviços da Caixa de Crédito Agrícola dos Açores Oferta de Produtos e Serviços da Caixa de Crédito Agrícola dos Açores Particulares Residentes Empresários Empresas Sector Agrícola e Agro-industrial Outros sectores Produtos de Poupança Produtos de Investimento

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

12.1. Introdução. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 205

12.1. Introdução. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 205 12. SISTEMA DE MONITORIA E AVALIAÇÃO 12.1. Introdução 163. O sistema de monitoria e avaliação do Plano Nacional de Desenvolvimento visa recolher, analisar e usar informações sobre o seu andamento e desempenho,

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017

ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017 ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017 PARTE I: TRAJECTÓRIA HISTÓRICA ASPECTOS LEGAIS FUNDAMENTOS ASPECTOS MACROECONÓMICOS Aspectos Legais CRIAÇÃO DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL - FDES

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010

Apresentação Do Banco. Setembro de 2010 Apresentação Do Banco Setembro de 2010 Conteúdos Onde estamos Missão Valores Accionistas Nosso mercado Responsabilidade social Factos Contactos Onde estamos Onde Estamos O Banco Terra está representado,

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO WORKSHOP FINANCIAMENTO ÀS INFRA-ESTRUTURAS, À AGRICULTURA E À AGRO-INDÚSTRIA APRESENTADO POR: EDSON VAZ PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA DO FUNDO DE FOMENTO HABITACIONAL INSTRUMENTOS

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito

Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito 1. Política de Gestão de Risco de Crédito 1.1 Gestão de risco de crédito Em resposta aos diversos requisitos

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

Contexto em que ocorreram as Negociacoes

Contexto em que ocorreram as Negociacoes Introducao Este Seminario enquadra-se num âmbito mais vasto, que é o de reforçar as capacidades técnicas e funcionais das instituições Superiores de Controlo (Tribunais de Contas), Parlamentos Nacionais

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO Praia, Junho de 2013 I Índice Enquadramento... 3 I. Objectivo... 4 II. Beneficiários... 4 III. Desenvolvimento dos

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais