LEANDRO CAVALCANTI DE SANTANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEANDRO CAVALCANTI DE SANTANA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LEANDRO CAVALCANTI DE SANTANA Utilizando a User Experience na Avaliação do Banco Internacional de Objetos Educacionais: um Estudo de Caso com Graduandos do Curso de Licenciatura em Matemática Serra Talhada, Abril, 2013

2 Leandro Cavalcanti de Santana Utilizando a User Experience na Avaliação do Banco Internacional de Objetos Educacionais: um Estudo de Caso com Graduandos do Curso de Licenciatura em Matemática Projeto de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação da Unidade Acadêmica de Serra Talhada da Universidade Federal Rural de Pernambuco como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel. Orientador: Prof. M.e. Ellen Polliana Ramos Souza Coorientador: Prof. M.e. Jorge da Silva Correia Neto Serra Talhada, Abril, 2013

3 Dedico este trabalho A Deus, que sempre estás presente em minha vida. Agradeço-te por ter me dado à vida e por guiar os meus passos, Tanto nos momentos mais difíceis, como nas alegrias e conquistas. Aos meus pais Ricardo e Tânia e minha irmã Ana Raquel, Dedico esse trabalho a vocês, por serem as pessoas mais importantes para mim e os que me ensinaram os valores da vida, da honestidade, humildade e do amor. A minha noiva Andressa Feitosa, Pela força, companheirismo e ajuda incansável em todos os momentos que precisei.

4 AGRADECIMENTOS A Deus, pela sua presença constante na minha vida, pelo auxílio nas minhas escolhas e me confortar nas horas difíceis. À minha família, por sua capacidade de acreditar e investir em mim. Mãe, seu cuidado e dedicação foi que deram, em alguns momentos, a esperança para seguir. Pai, sua presença significou segurança e certeza de que não estou sozinho nessa caminhada. Minha irmã, que mesmo sendo ainda uma criança, me ensina muito com suas atitudes. À Andressa, pessoa com quem desejo partilhar a vida. Com você tenho me sentido mais vivo de verdade. Obrigado pelo carinho, a paciência e por sua capacidade de me trazer paz na correria de cada semestre. Aos meus amigos, pelas alegrias, tristezas e dores compartilhas. Com vocês, as pausas entre um parágrafo e outro de produção melhora tudo o que tenho produzido na vida. Aos amigos Paulo Maurício e Edgleison Terto, que as madrugas de programação no início do curso na casa de Paulo, fizesse com que eu me motivasse para seguir em frente. E em especial ao amigo Kleyton Siqueira, que nos momentos das análises de estatística me orientou para encontrar os resultados. Aos amigos de turma , que infelizmente durante a caminha alguns seguiram outros rumos, e estão se profissionalizando em suas áreas de interesse atual. As turmas do curso Técnico em Informática, do Centro Tecnológico do Pajeú e às pessoas com quem convivi nesse espaço ao longo desses anos. A experiência de uma produção compartilhada na comunhão com amigos nesses espaços foram a melhor experiência da minha formação acadêmica. À professora Ellen Souza, por seus ensinamentos, paciência e confiança ao longo das supervisões da minha monografia. É um prazer tê-la como orientadora. Ao professor Jorge Correia, que pude conhecer no início do curso, passou apenas um período rápido na unidade acadêmica de Serra Talhada, porém o pouco tempo que passou tornou-se uma referência para nós discentes, de um homem com caráter, bondoso, amigo, um grande professor. A todos aqueles que de alguma forma estiveram e estão próximos de mim, fazendo esta vida valer cada vez mais a pena.

5 O segredo do sucesso é a constância do propósito. Benjamin Disraeli

6 RESUMO. Com o avanço tecnológico e a popularização dos computadores, cada vez mais a tecnologia da informação está sendo inserida nas diversas áreas do conhecimento e, na educação, vem atuando no ensino e aprendizagem, de modo a auxiliar o professor na prática escolar. Para que essa atuação seja satisfatória, o governo federal vem investindo em repositórios ou portais de educação, onde são inseridos, dentre outros itens, os objetos de aprendizagem disponíveis para o uso em sala de aula. Como exemplo desses repositórios, tem-se a Rede Internacional Virtual de Educação (RIVED) e o Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE), onde este último é o foco deste trabalho. Para identificar se essas tecnologias estão sendo utilizadas de modo satisfatório, é necessário constantemente fazer avaliação, com o objetivo de observar sua usabilidade, bem como a satisfação do usuário no momento da utilização, técnica conhecida como User Experience. Para tanto, foi feito um estudo de caso, com discentes do curso superior em licenciatura em Matemática, e aplicado um questionário utilizando a técnica IMI para validação. Como resultado, percebe-se que devido ao bom conhecimento em informática entre os participantes foi obtida uma produtividade maior, mostrando que o interesse de uso esteve constante entre os participantes. Palavras-chave: Educação, Repositório, BIOE, Objetos de Aprendizagem e User Experience.

7 ABSTRACT With the technological advance and the popularization of computers, the technology is being more and more used in many areas of knowledge and education. The technology have being used for teaching, helping the teachers in the school practices. To this help be satisfactorily used, the Brazilian Federal Government is investing in educational repositories, that contain learning objects to be used by the teachers. As example of these repositories we have the Rede Internacional Virtual de Educação (RIVED) and the Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE). The BIOE is the focus of this work. To identify if these technologies are being used satisfactorily, constant evaluations on usability, user satisfaction and user experience are needed. In this work, a study case was developed with teachers of a mathematic graduation. A questionarie was applied using IMI techniques for validation. The result was analised with statistical methods to identify possible problems or failures that affects the the interaction from the user with the BIOE, and improves for this repositorie are suggested he teachers. As example of these repositories we have the Rede Internacional Virtual de Educação (RIVED)" and the "Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE). The BIOE is the focus of this work. To identify if these technologies are being used satisfactorily, constant evaluations on usability, user satisfaction and user experience are needed. In this work, a study case was developed with teachers of a mathematic graduation. A questionarie was applied using IMI techniques for validation. As a result, it is clear that due to the good computer knowledge among participants was achieved higher productivity, showing that the use has been steady interest among participants. Keywords: Education, Repository, BIOE, Learning Objects and User Experience.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1: Página inicial do Repositório RIVED 19 Figura 2.2: Página inicial do Repositório BIOE 20 Figura 2.3: Pirâmide da User Experience 26 Figura 2.4: Formação da User Experience 27 Figura 2.5: User Experience e ISO Figura 5.6: Possui habilidade com informática 31 Figura 5.7: Grupo de idade dos respondentes 32 Figura 5.8: Gênero dos respondentes 32

9 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1: Estatística da Dimensão Interesse / Prazer 33 Tabela 5.2: Estatística da Dimensão Competência Percebida 34 Tabela 5.3: Estatística da Dimensão Percepção do Poder de Escolha 35 Tabela 5.4: Estatística da Dimensão Pressão / Tensão 35 Tabela 5.5: Estatística da Dimensão Valor / Utilidade 36 Tabela 5.6: Estatística da Dimensão Eficiência de Uso 36 Tabela 5.7: Estatística da Dimensão Facilidade de Aprendizagem 37 Tabela 5.8: Estatística da Dimensão Efetividade 37 Tabela 5.9: Estatística da Dimensão Esforço / Importância 38

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 5.11: Grupo de 18 a 22 anos de idade 39 Gráfico 5.12: Grupo de 23 a 27 anos de idade 40 Gráfico 5.13: Grupo de 28 a 32 anos de idade 41 Gráfico 5.14: Grupo de 33 a 37 anos de idade 42

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BIOE IMI ISO OA PROINFO RIVED SEED UX Banco Internacional de Objetos Educacionais Intrinsic Motivation Inventory International Organization for Standardization Objetos de Aprendizagem Programa Nacional de Tecnologia Educacional Rede Interativa Virtual de Educação Secretaria de Educação a Distância User Experience

12

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Motivação e Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Metodologia Etapas Resumo do Capítulo REVISÃO DE LITERATURA Objetos de Aprendizagem Repositórios de Objetos de Aprendizagem Rede Interativa Virtual de Educação Banco Internacional de Objetos Educacionais RIVED vs BIOE Resumo do Capítulo USABILIDADE Técnicas Objetivas ou Interpretativas Técnicas Prospectivas Técnicas Preditivas ou Diagnósticas Intrinsic Motivation Inventory Resumo do Capítulo USER EXPERIENCE ISO User Experience vs ISO Resumo do Capítulo ESTUDO DE CASO Descrição do Estudo de Caso Questionário Resultados Resultado Dimensão Interesse / Prazer Resultado Dimensão Competência Percebida 34

14 5.3.3 Resultado Dimensão Percepção do Poder de Escolha Resultado Dimensão Pressão / Tensão Resultado Dimensão Valor / Utilidade Resultado Dimensão Eficiência de Uso Resultado Dimensão Facilidade de Aprendizagem Resultado Dimensão Efetividade Resultado Dimensão Esforço / Importância Resultados por grupo de idades Grupo de 18 a 22 anos de idade Grupo de 23 a 27 anos de idade Grupo de 28 a 32 anos de idade Grupo de 33 a 37 anos de idade Resultado por Correlação Resumo do Capítulo CONCLUSÕES Contribuições e Resultados Alcançados Contribuição para Sociedade Contribuição para Academia Dificuldades e Limitações Encontradas Trabalhos Futuros... 46

15 11 1. Introdução Este capítulo tem como objetivo apresentar os conceitos introdutórios referentes à definição da situação-problema, o contexto em que os sistemas de informação se integram com a educação e trazem soluções para beneficiar o aprendizado. A seção 1.1 traz a motivação e justificativa para o desenvolvimento deste trabalho e a seção 1.2 descreve os objetivos do mesmo. O avanço tecnológico e a popularização dos computadores abrangem cada vez mais os diferentes setores de nossa sociedade, incluindo a educação que faz uso de tecnologias no processo de formação. Segundo Almeida (2000), o computador é uma ferramenta de trabalho que contribui de forma significativa para uma elevação da produtividade, diminuição de custos e uma otimização da qualidade dos produtos e serviços. Atualmente, observa-se que o uso de tecnologias no ensino disponibiliza o preparo para uma nova cultura informatizada, e traz soluções simples em situações complexas, onde tem feito um grande diferencial no processo de aprendizagem. Cabe aos educadores, usar essas tecnologias de forma coerente, estabelecendo caminhos e que estes tenham objetivos, para que agora e no futuro tudo o que foi aprendido seja aproveitado (SILVA, 2006). Segundo Gallotta (2004), para melhorar a forma de ensino-aprendizagem, pode-se utilizar os objetos de aprendizagem, que são ferramentas onde permitem ao professor identificar e aumentar o interesse dos alunos. No Brasil, são exemplos de uso da tecnologia na educação, os repositórios de objetos de aprendizagem: Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED) e o Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE). Ambos são programas do Governo Federal, desenvolvidos pelo Ministério da Educação em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, com o objetivo de disponibilizar conteúdo pedagógico de forma digital para o ensino público. Para o uso desses objetos de aprendizagem o professor desempenha o papel de mediador entre o conhecimento teórico e o uso da tecnologia, onde o mesmo coloca-se como um facilitador e incentivador do processo de aprendizagem, ou seja, apresenta-se como uma ponte entre o aprendiz e sua aprendizagem (MASETTO, 2010).

16 12 Contudo, para o uso de objetos de aprendizagem não basta apenas uma infraestrutura adequada, é preciso um profissional qualificado. Assim, o profissional pode explorar todas as funcionalidades do software utilizado. E além de toda a preparação e experiência do profissional, os objetos de aprendizagem precisam ser de fácil uso e possuir uma boa interface, e que o usuário não tenha dificuldade em utilizá-lo. Para avaliar estas características, podem-se utilizar técnicas de usabilidade, onde avaliam as necessidades do usuário monitorando as simulações com as aplicações. Contudo, como as técnicas de usabilidade têm suas atenções voltadas apenas no software, uma nova ordem de perguntas emergiu: qual é a reação do usuário neste cenário? Como é a User Experience com esse tipo de software? A satisfação do usuário envolve identificar se as necessidades planejadas do usuário foram realmente satisfeitas e envolve sua postura quanto à adequada ambientação do software. Para avaliar esse comportamento e satisfação, surgiu um novo universo de pesquisa denominado User Experience (UX), que aborda fatores que vão além de técnicas de usabilidade. Segundo Vermeeren (2010), a UX explora a maneira como uma pessoa se sente sobre o uso de um produto ou serviço. Neste sentido, este trabalho tem, como objetivo, a avaliação do sentimento do usuário quando interage com o repositório BIOE. 1.1 Motivação e Justificativa As tecnologias disponíveis fazem parte de um aparato que um gestor escolar pode aproveitar e, consequentemente, torná-las disponíveis para os docentes utilizarem em sala de aula. Porém, muitas vezes os docentes acabam não usando essas soluções, justamente pelo fato de não terem a capacidade técnica necessária para manusear os equipamentos e software disponíveis. Contudo, é frequente que as escolas não consigam prover uma adequada infraestrutura para a realização dessa prática de forma continuada, principalmente por falta de uma equipe que auxilie a execução dos procedimentos onde envolvem a área tecnológica. Diversos programas do governo federal são implantados como prática tecnológica, a exemplo do PROINFO, uma iniciativa que hoje possui limitações quanto a sua aplicação escolar devido à falta de infraestrutura nas escolas, e a realidade acaba sendo bem diferente da

17 13 proposta inicial de ensino. O resultado são laboratórios sem estrutura e sem profissionais capacitados para o bom desenvolvimento do projeto. Um levantamento executado pelos autores no primeiro semestre de 2012 mostrou que os docentes não sabem o que é um objeto de aprendizagem, e que esses profissionais não conhecem nenhum repositório que oferece esses recursos. Diante das dificuldades encontradas por esses profissionais quanto às limitações de conhecimento, destacam-se os critérios de: usabilidade, praticidade, e interação do software com o usuário para sua utilização apropriada. Por meio da User Experience, será possível analisar se esses conjuntos de critérios existentes atende ou não as expectativas dos usuários, seus questionamentos quanto à usabilidade do repositório em estudo. Assim, pretende-se com este Projeto de Conclusão de Curso, além da reflexão e apropriação acerca de conceitos da User Experience e de sua aplicação, fazer uma avaliação da interface do Banco Internacional de Objetos Educacionais. Os discentes do curso graduação de Licenciatura em Matemática no município de Serra Talhada PE foram escolhidos para avaliação do BIOE, com o intuito também de proporcionar aos mesmos conhecimentos quanto aos objetos de aprendizagem e os repositórios disponíveis. 1.2 Objetivos Esta seção almeja explicitar os objetivos que motivam o presente projeto. Está subdividida em Objetivos Geral e Específicos Objetivo Geral Este trabalho tem como objetivo geral avaliar a experiência e satisfação dos usuários ao utilizar o repositório de objetos de aprendizagem BIOE sob a ótica da user experience Objetivos Específicos

18 14 1. Identificar e selecionar técnica(s) que avaliam a experiência e satisfação dos usuários ao utilizar um determinado software; 2. Elaborar questionários de avaliação de experiência e satisfação dos usuários utilizando a técnica de UX; 3. Selecionar participantes para estudo de caso; 4. Planejar, executar estudo de caso e 5. Coletar dados e refletir sobre a avaliação do BIOE utilizando a técnica de User Experience Metodologia A metodologia do trabalho consistiu na realização de estudo de caso para avaliação, utilizando a pesquisa quantitativa e métodos da Intrinsic Motivation Inventory (IMI). Segundo Correia-Neto et al. (2010), a pesquisa quantitativa está relacionada com as quantificações de relações entre dois ou mais grupos, na maioria das vezes, relações de causa e efeito. O IMI 1, por sua vez, além de prover técnicas para medição da satisfação do usuário na utilização de objetos de aprendizagem, utiliza medições relacionadas com usabilidade e interface. Logo, são mais apropriados quando há o objetivo de testar o efeito de algumas manipulações ou atividades, utilizando dados quantitativos para promover a comparação e a análise estatística Etapas A primeira etapa envolveu uma revisão bibliográfica, na qual se buscou contextualizar a pesquisa visando identificar as características do Banco Internacional de Objetos Educacionais, bem como os principais OA para a realidade do trabalho proposto. A segunda etapa foi o planejamento do estudo de caso e elaboração dos questionários. O questionário pode ser visto no apêndice deste trabalho, as questões estão 1

19 15 distribuídas de forma aleatória, as questões estão por grupo onde cada grupo está relacionado a uma dimensão. A terceira etapa consiste na execução do estudo de caso e análise dos dados, realizado em um laboratório de informática onde foi apresentado o funcionamento do BIOE aos participantes, evidenciando as áreas de pesquisa, características e suas funcionalidades. Após a apresentação inicial, foi feita uma simulação no repositório, onde os discentes navegaram e conheceram os objetos de aprendizagem que constituem o BIOE, fazendo o download para utilização, fazendo assim o teste empírico tradicional de usabilidade. Posteriormente foi aplicado um questionário de 30 perguntas de Múltipla escolha para avaliar o nível de satisfação dos discentes quanto ao uso do repositório, e assim fazendo o uso da técnica prospectiva de usabilidade. A análise consistiu utilizando as métricas do IMI. Para auxilio dessa análise, foram utilizadas funcionalidades da planilha eletrônica EXCEL, a tecnologia GoogleDocs para aplicação do questionário e o software livre Gretl para os cálculos estatísticos, visando à busca dos resultados. Os participantes do estudo de casos são discentes do 7º período do curso de licenciatura em Matemática da autarquia educacional do município de Serra Talhada e a User Experience com o BIOE foi realizado no laboratório da própria autarquia com 20 discentes. Foram escolhidos os discentes de graduação em licenciatura, devido a ausência de informações quanto ao uso de informática na educação durante sua graduação e que os mesmos encontram-se em uma fase de conclusão no período seguinte. 1.4 Resumo do Capítulo Os computadores avançaram de tal modo, que em todas as áreas de conhecimento, os mesmos estão incumbidos de atividades especiais. Na educação, estes têm papel fundamental no gerenciamento processos e no processo de ensino aprendizagem. Hoje, são exemplo de repositórios de educação o MERLOT, LUME, RIVED e o BIOE, que oferecem objetos de aprendizagem para facilitar a pratica de ensino, e que este último é o objeto de estudo deste trabalho. Porém, a realidade de uso é bem diferente da proposta inicial dos repositórios. Professores ainda estão desqualificados e não possuem

20 16 conhecimento técnico suficiente para fornecer aos alunos uma aula mais dinâmica utilizando objetos de aprendizagem. Diante desse contexto, fez-se necessário desenvolver uma pesquisa aplicando a User Experience para levantar informações quanto à motivação dos usuários ao utilizar um determinado repositório da educação, e assim poder tomar decisões que possam vim a melhorar essa situação. O objetivo geral deste trabalho é avaliar a experiência e satisfação dos usuários ao utilizar o repositório de objetos de aprendizagem BIOE sob a ótica da User Experience. E dentre os objetivos específicos, identificar e selecionar técnica(s) que avaliam a experiência e satisfação dos usuários ao utilizar um determinado software, elaborar os questionários de avaliação de experiência e satisfação dos usuários utilizando a técnica de UX, planejar e executar o estudo de caso, e por fim refletir sobre a User Experience com o repositório do caso selecionado. O trabalho foi realizado em três etapas, onde a primeira envolveu um levantamento bibliográfico acerca do tema do trabalho. A segunda etapa foi caracteriza no planejamento do estudo de caso e desenvolvimento do questionário. E por fim, a terceira etapa que constituiu na execução do estudo de caso, e análise dos dados.

21 17 2 Revisão de Literatura Este capítulo apresenta a fundamentação teórica utilizada como base para a realização deste trabalho. Na seção 2.1 são apresentados os conceitos fundamentais sobre objetos de aprendizagem, a seção 2.2 apresenta as características e funcionalidades principais dos repositórios de educação. 2.1 Objetos de Aprendizagem Objetos de aprendizagem (OA) consistem em qualquer entidade, digital ou não, que possa ser utilizada, re-utilizada ou referenciada durante o aprendizado apoiado pela tecnologia (IEEE, 2001). Metros e Benett (2002) afirmam que os objetos de aprendizagem possuem vários atributos independente da aplicação educacional, portanto possuem diferentes características: Portabilidade: um objeto de aprendizagem pode ser usado em diversas plataformas diferentes; Acessibilidade: objetos de aprendizagem podem ser identificados e entregues de imediato ao aluno, de forma que o mesmo os utilize eficientemente; Durabilidade: o objeto principal permanece estável e reutilizável mesmo com sistemas operacionais e software diferentes; e Interoperabilidade: um objeto de aprendizagem pode ser migrado entre vários navegadores ou sistemas operacionais. Também, um objeto de aprendizagem possui diversos formatos de arquivos, que podem ser: arquivos de áudio, vídeo, software educacional, simulação, animação, mapa e hipertexto, entre outros. E com atuação para os diferentes níveis de ensino, onde compreendem a educação infantil até o nível superior. E os objetos podem ser utilizados em coleção ou isoladamente.

22 Repositórios de Objetos de Aprendizagem Repositórios de objetos de aprendizagem são ambientes virtuais onde ficam armazenados os materiais com fins educacionais (WEBEDUC, 2013). Podem também ser chamados de bancos de dados educacionais, onde possuem materiais para diferentes níveis de ensino e disciplinas. Nesta seção, são apresentados conceitos, características e exemplos desses sites onde estão disponíveis para os profissionais de educação Rede Interativa Virtual de Educação A Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED) é um repositório de objetos educacionais da Secretaria de Educação a Distância - SEED, que tem como objetivo a produção de conteúdos pedagógicos digitais na forma de objetos de aprendizagem. Tais conteúdos primam por estimular o raciocínio e o pensamento crítico dos estudantes, associando o potencial da informática às novas abordagens pedagógicas. A meta que se pretende atingir disponibilizando esses conteúdos digitais é melhorar a aprendizagem das disciplinas da educação básica e a formação cidadã do aluno (RIVED, 2012). Além de promover a produção e publicação na web de conteúdos digitais para acesso gratuito, o RIVED realiza capacitações sobre a metodologia para produzir e utilizar os objetos de aprendizagem nas instituições de ensino superior e na rede pública de ensino (RIVED, 2012). A página inicial do RIVED pode ser vista na figura 2.1, onde do lado esquerdo tem os menus de acesso e no centro da imagem os campos de busca, onde o usuário pode pesquisar o objeto desejado, filtrando a pesquisa em níveis de ensino e área de conhecimento. O usuário ainda pode optar por fazer uma busca por palavra-chave.

23 19 Figura 2.1: Página inicial do repositório RIVED Busca rápida entre níveis de ensino e área de conhecimento. Busca por palavra-chave Fonte: Rede Interativa Virtual de Educação (2013) Banco Internacional de Objetos Educacionais O Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE) é um repositório de objetos educacionais de acesso público criado em 2008 pelo Ministério da Educação, juntamente com o Ministério da Ciência e Tecnologia, com o propósito de oferecer um ambiente que concentrasse inúmeros objetos para a prática pedagógica, auxiliando o educador em seu planejamento e execução no ensino. Os arquivos disponibilizados no BIOE são de caráter público, na qual parceiros vão alimentando e disponibilizando todo material que envolve educação. Os materiais são coletados de qualquer parte do mundo, de diversos idiomas, onde alguns são traduzidos para o português, ampliando o acesso de recursos para os professores brasileiros. Abaixo, segue a Figura 2.2, que corresponde à página inicial do repositório BIOE, tendo no centro da imagem um destaque dos níveis de ensino e abaixo as buscas por objeto ou por coleção. Na lateral direita, um menu de acesso para dúvidas e acessos específicos.

24 20 Figura 2.2: Página inicial repositório BIOE Busca por objetos Busca por coleção Fonte: Banco Internacional de Objetos Educacionais (2013). O repositório é distribuído em níveis instrução e oferece as seguintes possibilidades de uso: educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, educação profissional, educação superior e modalidades de ensino. Para fazer o download de algum arquivo, não é necessário fazer cadastro; basta o usuário escolher o nível de instrução e escolher o arquivo desejado. Dentre as funcionalidades do repositório, destacam-se o recurso da acessibilidade, onde o usuário pode aumentar ou diminuir o tamanho da fonte e o recurso da migalha de pão, que busca facilitar a navegação e os caminhos da hierarquia do repositório RIVED vs BIOE O RIVED e o BIOE têm a finalidade de oferecer objetos de aprendizagem, porém o que distingue entre eles é a metodologia aplicada, já que o RIVED é voltado também para capacitações sobre metodologia, primando que os estudantes aprendam a produzir e em seguida publicarem seus conteúdos digitais. O BIOE foi escolhido como ferramenta de estudo, umas vez que este possui uma grande variedade de áreas de atuação, está em constante atualização e possui um acervo de mais de objetos.

25 Resumo do Capítulo Este capítulo forneceu uma visão geral dos objetos de aprendizagem onde os mesmo possuem as seguintes características: portabilidade, acessibilidade, durabilidade e interoperabilidade. E dentre essas características, os objetos possuem diversos formatos de arquivos que pode compreender desde a educação infantil até o nível superior. E os objetos podem ser utilizados em coleção ou isoladamente. Esses formatos podem ser: áudio, vídeo, software educacional, simulação, animação, mapa e hipertexto, entre outros. Foi mostrado os repositórios de objetos de aprendizagem, que foi citado o RIVED e o BIOE, onde este último é o que foi trabalhado durante a execução do estudo de caso.

26 22 3 Usabilidade As técnicas de usabilidade podem ser classificadas quanto ao seu objetivo. Para esta classificação, existem três classes distintas de técnicas para avaliação de usabilidade: interpretativa, prospectivas e preditivas (CYBIS, 2003), descritas nas subseções a seguir: 3.1 Técnicas Objetivas ou Interpretativas Nas técnicas objetivas ou interpretativas o avaliador faz uma simulação com os aplicativos e com os usuários finais, na forma de monitoramento, e em seguida os dados que foram coletados, são interpretados (PRATES; BARBOSA, 2003). Alguns exemplos de técnicas objetivas são: Teste Empírico Tradicional: consiste em observar e monitorar a interação do usuário com o software, em um ambiente parcialmente controlado (normalmente em um laboratório), através da execução de uma bateria de atividades de determinada funcionalidade da aplicação (PRATES; BARBOSA, 2003); Protocolo Think-Aloud: durante o teste, o usuário participante realiza uma tarefa da aplicação expressando em voz alta os seus pensamentos, sensações e opiniões enquanto interage com o produto (OLIVEIRA JUNIOR, 2006); Focus Groups ou discussão em grupo: ajuda a levantar as necessidades das pessoas, desejos, sentimentos, valores e ideias, sempre a partir do que é discutido e dito por elas. É útil na criação ou reformulação de um produto ou serviço (AMSTEL, 2004); e Teste de Comunicabilidade: como o teste de usabilidade tradicional, deve ser executado em laboratório, para avaliar a interface com relação à qualidade da comunicação do designer para os usuários, coletando as expressões utilizadas pelo usuário na sessão do teste (PRATES; BARBOSA, 2003).

27 Técnicas Prospectivas Nestas técnicas são realizadas prospecções das opiniões subjetivas dos usuários, baseadas na aplicação de questionários ou entrevistas com o usuário para avaliar sua satisfação em relação ao software e sua operação. Esta técnica é baseada em questionários de satisfação dos usuários e são úteis na avaliação da interação entre o usuário e a aplicação, permitindo conhecer as experiências, opiniões e preferências dos usuários, coletando informações sobre a qualidade da interface. Tais dados são tão (ou mais) importantes quanto a performance do software, e só podem ser obtidos perguntando aos usuários (WINCKLER, 2001). 3.3 Técnicas Preditivas ou Diagnósticas Segundo Abreu (2010), técnicas preditivas são realizadas através de inspeções feitas por especialistas na interface, destinando-se a prever problemas que os usuários possam vir a ter. É uma técnica mais barata e fácil de aplicar, pois não há esforço em recrutar usuários. São exemplos desta técnica: avaliação heurística e checklists. Avaliação Heurística: consiste em um exame de um produto ou software feito por um especialista em usabilidade ou em fatores humanos. Foi desenvolvida pelos pesquisadores Jakob Nielsen e Rolf Molich. É um método simples, de curta duração e de baixo custo comparado a outros métodos. Sua eficiência depende da capacidade dos avaliadores de reconhecerem problemas de usabilidade (NIELSEN, 1993); e Checklist: é um conjunto mínimo de regras baseadas em recomendações, que são aplicáveis diretamente ao projeto por programadores e analistas, não necessariamente especialistas em usabilidade, não exigem um grande esforço de interpretação como enfatiza Winckler (2001). Nessa técnica, a qualidade do checklist é que faz a diferença no resultado da avaliação. Versões adaptadas ou especializadas de um checklist podem ser feitas, como a de Matias (1995) com seu checklist para avaliação de interfaces de software em geral, onde foi aplicado

28 24 em um software editor de textos, e o ErgoList 2 que é uma base de conhecimento em ergonomia com um checklist para inspeção ergonômica de interfaces humano-computador. Neste projeto, são utilizadas técnicas interpretativas e prospectivas, suas atividades referem-se a simulações do software e aplicação de questionários respectivamente. 3.4 Intrinsic Motivation Inventory Para Fonseca (2001) a Intrinsic Motivation Inventory (IMI), é um instrumento que permite avaliar a intensidade da motivação intrínseca dos indivíduos a uma atividade qualquer. Segundo Morris e Choi (1993), o questionário mais utilizado pelos investigadores para avaliar a motivação intrínseca dos indivíduos em relação a uma determinada atividade é o IMI. Desenvolvido inicialmente por Ryan (1982) e posteriormente aperfeiçoado, entre outros, por McAuley e colaboradores. O IMI é constituído de nove subescalas, aqui chamadas de dimensões, que são: Interesse/Prazer, Competência Percebida, Percepção do poder de escolha, Pressão/Tensão, Valor/Utilidade, Eficiência de uso, Facilidade de aprendizagem, Efetividade e Esforço/Importância. Relacionadas a essas dimensões estão as questões, onde o produto desse relacionamento é a motivação intrínseca global dos indivíduos. 3.5 Resumo do Capítulo Neste capítulo, foram abordadas as técnicas de usabilidade, estas estão classificadas em objetivas ou interpretativas, prospectivas e preditivas, onde cada uma possui suas características. 2

29 25 Dentre as características da técnica interpretativa, temos o teste empírico tradicional, o protocolo think-aloud, o focus groups ou discussão em grupo e o teste de comunicabilidade. A técnica prospectiva é baseada na aplicação de questionários ou entrevistas com o usuário para avaliar sua satisfação em relação ao software. Na técnica preditiva, é utilizado um especialista que prevê problemas que os usuários possam vir a ter com a interface, explorando a avaliação Heurística e Checklist. O IMI é utilizado como um instrumento que permite avaliar a intensidade da motivação intrínseca dos indivíduos.

30 26 4 User Experience Este capítulo apresenta a fundamentação teórica sobre a User Experience. Na seção 2.1 são apresentados os conceitos fundamentais sobre a ISO , a seção 2.2 apresenta as diferenças entre a ISO e a User Experience. Segundo Silva Filho (2011), trata-se da experiência do usuário quando interage com um produto ou serviço. Este produto pode ser de qualquer tipo, como, por exemplo, um telefone móvel, um computador, um televisor ou até mesmo um software. Que este último está cada vez mais fácil de usar, devido os desenvolvedores preocupar-se com questões psicológicas, investindo em design emocional e persuasivo (AGNI, 2012). Para se construir o conceito da User Experience é necessário compreender a base de fatores. A Figura 2.3 apresenta a pirâmide que representa a base de fatores que compreende a User Experience, que se refere ao tipo do produto a ser utilizado, a informação que será apresentada, a interface de usuário, o padrão de uso do produto ou serviço e a interação do usuário com o produto (SILVA FILHO, 2011). Figura 2.3: Pirâmide da User Experience Fonte: Silva Filho (2011). Para Norman (1998), a User experience abrange todos os aspectos de interação do usuário final com seus serviços ou produtos. O primeiro requisito é atender às necessidades específicas do cliente, em seguida, vem a simplicidade em produzir algo e a vontade em utilizar. A Figura 2.4 evidencia as características que formam a base da User Experience, onde é preciso existir a satisfação do usuário quanto ao uso do produto ou serviço, e que suas necessidades sejam satisfeitas sem nenhuma dificuldade na execução.

31 27 Figura 2.4: Formação da User Experience Fonte: Elaborada pelo autor. 4.1 ISO A ISO foi substituída em 2010 pela , devido a necessidade de integrar a outras normas padrões ISO de usabilidade. Para Travis (2011), a norma descreve seis princípios fundamentais que são: O projeto é baseado em um entendimento explícito de usuários, tarefas e ambientes; Os usuários estão envolvidos em toda a concepção e desenvolvimento; O projeto é conduzido e refinado pela avaliação centrada no usuário; O processo é iterativo; O projeto aborda toda a experiência do usuário; e A equipe de design inclui habilidades multidisciplinares e perspectivas. A ISO é um padrão importante para a classificação e coleta de medidas de engenharia de usabilidade nos processos de desenvolvimento em todo o ciclo de vida do produto. O padrão suporta a comunicação entre engenheiros de usabilidade e gerentes de projeto na medida em que há uma base consensual para a concepção e definição de medidas de engenharia de usabilidade (GEIS, 2010).

32 User Experience vs ISO Os conceitos e práticas da User Experience se associam a ISO que possui um conjunto de normas que trata de padrões de interface e ergonomia, centrada no usuário. Para ilustrar, a Figura 2.5 apresenta a User Experience em sua atuação durante o processo. Antes da utilização, é caracterizada a expectativa do usuário quanto ao uso do software; durante a utilização, onde as técnicas de usabilidades são desenvolvidas; e após sua utilização, que avalia se as necessidades dos usuários foram realmente atendidas. Figura 2.5: User Experience ISO Usabilidade (ISO ) Fonte: Elaborada pelo autor. 4.3 Resumo do Capítulo Neste capítulo foi visto que a User Experience trata-se da experiência do usuário quando interage com produtos ou serviços. Porém é necessário compreender a base de fatores, que se refere ao tipo do produto a ser utilizado, a informação que será apresentada, a interface de usuário, o padrão de uso do produto ou serviço e a interação do usuário com o produto. Foi visto que os conceitos e práticas da User Experience se associam a ISO que possui um conjunto de normas que trata de padrões de interface e ergonomia, centrada no

33 29 usuário. E que para sua atuação durante o processo existe as características de expectativa do usuário quanto ao uso do software; verificar se as técnicas de usabilidades foram desenvolvidas e avaliar se as necessidades dos usuários foram atendidas..

34 30 5 Estudo de Caso São apresentados neste capítulo o estudo de caso, sua descrição, questionário e resultados encontrados. Na seção 5.1 é apresentado o estudo de caso, a seção 5.2 apresenta o questionário. Nas seções 5.3, 5.4 e 5.5 são apresentados os resultados. 5.1 Descrição do Estudo de Caso Para Gil (2009) o estudo de caso é um modelo proposto para a produção do conhecimento num campo específico, que aponta princípios e regras a serem observados ao longo de todo o processo de investigação. O estudo de caso desse trabalho foi realizado no município de Serra Talhada, no dia 08 de abril de 2013, no laboratório de informática da autarquia educacional. Os participantes do estudo são discentes do 7º período do curso de licenciatura em Matemática. 5.2 Questionário O questionário consiste em 30 perguntas objetivas e foi adaptado para o português, do método IMI, de origem inglesa. A tradução foi realizada por três especialistas da área e adaptado para o estudo de caso em questão. São definidas entre 3 e 7 questões para cada dimensão utilizada no IMI, cujas respostas variam numa escala entre 1 e 7, onde 1 significa Completamente Falso e 7 Totalmente Verdadeiro.

35 Resultados Com relação às informações socioeconômicas dos participantes podemos destacar: de um total de 20 discentes que efetivamente fizeram parte da pesquisa, 10% desses alunos informaram que possuem muita habilidade com a informática, 60% informaram que possuem habilidade relativa e 30% assumem que tem pouca experiência com informática, como se pode verificar na figura 5.6. Figura 5.6: Possui habilidade com informática Fonte: Elaborada pelo autor. A Figura 5.7 mostra como eles se dividiam com base nos seus grupos de idade, isto é, nos cinco grupos de idade estabelecidos: 18 a 22 anos, 23 a 27 anos, 28 a 32 anos, 33 a 42 anos, e acima de 42 anos de idade. Na amostra, a quantidade de participantes existentes é: dois respondentes com idade entre 18 a 22 anos, oito com idade entre 23 a 27 anos, dois respondentes de 28 a 32, oito respondentes no de 33 a 42 anos, e nenhum respondente no grupo com mais de 42 anos de idade.

36 32 Figura 5.7: Grupo de idade dos respondentes Fonte: Elaborada pelo autor. A Figura 5.8 mostra o percentual de participação de cada gênero. A amostra era composta por 8 mulheres e 12 homens. Figura 5.8: Gênero dos respondentes Fonte: Elaborada pelo autor. As respostas foram tratadas matematicamente, utilizando a estatística descritiva para dar uma pontuação média para cada dimensão. Os valores mínimo e máximo constantes nos quadros a seguir são os valores máximos e mínimos das médias para as pontuações reais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE. Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598

O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE. Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598 O USO DA NORMA 14598 NA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM RELAÇÃO À QUALIDADE Evaluation of Software With the use of Norm Iso 14598 Walteno Martins Parreira Júnior, Izaura Pereira Pradela, Lucineida Nara de Andrade

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

BIASE: uma Ferramenta para a Avaliação Multidisciplinar de Softwares Educacionais Livres na Secretaria Municipal da Educação de Curitiba

BIASE: uma Ferramenta para a Avaliação Multidisciplinar de Softwares Educacionais Livres na Secretaria Municipal da Educação de Curitiba BIASE: uma Ferramenta para a Avaliação Multidisciplinar de Softwares Educacionais Livres na Secretaria Municipal da Educação de Curitiba Braz Alves de Lima 1, Andreia de Jesus 2 1 UNIBRASIL Faculdades

Leia mais

PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Roseane de Oliveira Martins 1 (UPE) Resumo: Neste artigo serão discutidos os métodos de execução para a confecção do protótipo do aplicativo educacional

Leia mais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Seminário Repositórios Institucionais e de Objetos Virtuais de Aprendizagem Florianópolis, Novembro - 2009 Anna Christina

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial.

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial. 1 Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial Serra, 05/2009 Isaura Alcina Martins Nobre, MSc Ifes isaura@ifes.edu.br

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes

Pesquisa de Satisfação e Imagem Alunos Ifes Pesquisa de e Imagem Alunos Ifes INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Vitória, Fevereiro de 2014. 1. APRESENTAÇÃO O presente documento corresponde ao produto 03 que trata da Pesquisa com Alunos sobre e

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Oficina Recursos Educacionais Abertos REA Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Objetivos do Encontro Criar uma sólida compreensão dos REA, dos direitos de autor e das licenças abertas

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Ensino técnico Integrado ao médio.

Ensino técnico Integrado ao médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino técnico Integrado ao médio. Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Programação para Web I Eixo Tecnológico:

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 Curso de Bacharelado em administração COMÉRCIO EXTERIOR t COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES: Desempenho

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

COMPETENCIAS E CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS AO GESTOR ESCOLAR NA PROMOÇÃO DAS

COMPETENCIAS E CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS AO GESTOR ESCOLAR NA PROMOÇÃO DAS 1 COMPETENCIAS E CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS AO GESTOR ESCOLAR NA PROMOÇÃO DAS Curitiba Pr - Maio - 2014 Mary Natsue Ogawa - Centro Universitário Internacional Uninter - Mary.o@grupouninter.com.br Classe

Leia mais

APLICATIVO PARA ENSINO DE ESTATÍSTICA: UMA AVALIAÇÃO NO SEU USO

APLICATIVO PARA ENSINO DE ESTATÍSTICA: UMA AVALIAÇÃO NO SEU USO APLICATIVO PARA ENSINO DE ESTATÍSTICA: UMA AVALIAÇÃO NO SEU USO Paulo Marcos S. Ribeiro 1 O uso de tecnologias digitais, como os tablets, smartphones, aplicativos entre outras, vem ocupando aos pouco seu

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM

OBJETOS DE APRENDIZAGEM MEDs e METADADOS OBJETOS DE APRENDIZAGEM O que é um objeto de aprendizagem? Segundo Wiley, D.A.,2000 Qualquer entidade DIGITAL que pode ser usada, reusada ou referenciada durante um processo de aprendizagem

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA

VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA Resumo Elaine Pasqualini 1 - FATEC-OURINHOS Sílvia H. de Oliveira Santos 2 - FATEC-OURINHOS Viviane de F. Bartholo

Leia mais

CURSO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

CURSO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Unidade 3: Processo de construção de AO Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Roberta Kelly Amorim de França Na unidade anterior apresentamos os diferentes tipos de OA, como: vídeos, imagens, softwares,

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 1 ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 Otacilio Antunes Santana Universidade Federal de Pernambuco otacilio.santana@ufpe.br José Imaña Encinas - Universidade

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Usabilidade da interface de sites e-commerce

Usabilidade da interface de sites e-commerce - 1 - Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Usabilidade da interface de sites e-commerce Profª. MSc. Simone Azevedo Bandeira

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Reports on the developmental process of an English online component: challenges and reflections Bruna Lopes Scheiner

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS.

UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. MINISTERIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. Elaine Cristina Dias Calaça

Leia mais

1 Título. Learn EngIN: uma abordagem interativa para o aprendizado de Inglês

1 Título. Learn EngIN: uma abordagem interativa para o aprendizado de Inglês 1 Título Learn EngIN: uma abordagem interativa para o aprendizado de Inglês 2 Aptidão Este projeto se enquadra na visão ciêntífica de desenvolvimento de jogos digitais como meio facilitador à educação,

Leia mais

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Novo Hamburgo RS maio 2012 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA GRADUAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ROBERTO RAGUZE FLORES

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA GRADUAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ROBERTO RAGUZE FLORES UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA GRADUAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ROBERTO RAGUZE FLORES EXEMPLO DE MONOGRAFIA NO PADRÃO DA UNISINOS: VERSÃO L A TEX

Leia mais

APLICATIVOS PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA: AVALIAÇÃO E REFLEXÕES SOBRE SEU USO

APLICATIVOS PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA: AVALIAÇÃO E REFLEXÕES SOBRE SEU USO APLICATIVOS PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA: AVALIAÇÃO E REFLEXÕES SOBRE SEU USO Paulo Marcos S. Universidade Federal de Pernambuco, Brazil pmribeirogen2@hotmail.com Com a ênfase que se tem hoje em inserir

Leia mais

DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Sergio Gavazza gavazza@ugf.br Universidade Gama Filho, Curso de Engenharia Civil Rua Manoel Vitorino, 369 - Piedade CEP: 20748-900 - Rio de

Leia mais

DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1)

DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1) Apresentações Quem sou eu? Breno Leonardo http://blog.brenoleonardo.com.br

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO A RESILIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR E O PAPEL DO PROFESSOR ZÍPORA RAQUEL DE PAULA Resende RJ 2014.1

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

REDES SOCIAIS: Interação, aprendizado e redes sociais combinam?

REDES SOCIAIS: Interação, aprendizado e redes sociais combinam? 111 REDES SOCIAIS: Interação, aprendizado e redes sociais combinam? Danilo Lemos Freire 1 Inês Aparecida Ferreira 2 Maria de Lurdes Bragueto 3 Resumo: As redes sociais digitais, modelos característicos

Leia mais

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência Lucas Santiago Rodrigues Graduando em Sistemas de Informação na UFMS Natália Fernanda de Castro Meira Graduanda em Engenharia de

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Utilizando métricas para dimensionar um software.

Utilizando métricas para dimensionar um software. Utilizando métricas para dimensionar um software. Entenda como funcionam as Métricas de Software, como e quando devem ser utilizadas, e qual a real necessidade do uso desta técnica da Engenharia de Software.

Leia mais