"os CONTOS DE FADAS: SUAS ORIGENS HISTO - " RICO-CULTURAIS E IMPLfcAÇOES PSICOPEDAGÓ- MARIA BEATRIZ FACCIOLLA PAIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""os CONTOS DE FADAS: SUAS ORIGENS HISTO - " RICO-CULTURAIS E IMPLfcAÇOES PSICOPEDAGÓ- MARIA BEATRIZ FACCIOLLA PAIVA"

Transcrição

1 "os CONTOS DE FADAS: SUAS ORIGENS HISTO - " RICO-CULTURAIS E IMPLfcAÇOES PSICOPEDAGÓ- GICAS PARA CRIANÇAS EM IDADE PRÉ ESCOLAR" MARIA BEATRIZ FACCIOLLA PAIVA /

2 "OS CONTOS DE FADAS: SUAS ORIGENS HIST6 - RICO-CULTURAIS E IMPLICAÇOES PSICOPEDAG6- GICAS PARA CRIANÇAS EM IDADE PRE-ESCOLAR" Orientadora: Angela Valadares Dutra de Souza Campos Dissertação submetida como requi sito parcial para a obtenção do grau de mestre em Educação. Rio de Janeiro Fundação Getúlio Vargas Instituto de Estudos Avançados em Educação Departamento de Psicologia da Educação 1990

3 Ao Va.n,,[

4 AGRADECIMENTOS - A professora Angela Valadares Dutra de Souza Campos, me orientou por dois anos e meio, em reconhecimento que pelo seu trabalho junto a nós alunos do IESAE. - A Daniel Keller, pelo seu apoio e carinho durante os momen tos difíceis. - Ao analista junguiano Carlos Alberto Bernardi, que nos deu um precioso auxílio na formulação deste trabalho, assumin do o papel de co-orientador. - A suiça Elisa Hilty, por nos receber em sua casa em Win - terthur, dando-nos uma entrevista e presenteando-nos com seu livro, o que me ajudou muito no esclarecimento de alguns tópicos desta dissertação. - Estendo meus agradecimentos ã CAPES que, pela concessão de uma Bolsa de estudos, me possibilitou a realização do Cur so de Mestrado no IESAE. IV

5 INDICE págs. INTRODUÇÃO 1 CAPITULO 1 SOBRE AS ORIGENS DOS CONTOS "DE FADAS A relação existente entre o mito e o conto de fadas As fontes possíveis que deram origem aos con - tos de fadas Num país distante, no tempo em que os desejos ainda se realizavam O legado da cultura celta Perrault, os Grimm, Andersen e Cascudo CAPITULO 2 "O SIGNIFICADO PSICOL6GICO DOS CONTOS DE FADAS" O significado do simbólico Os simbolismos presentes nos contos retratam ~. d ramas pslqu1cos Analisando dois contos: desvendando alguns se~ tidos CAPITULO 3 "O CONTO DE FADA PARA CRIANÇAS" Por que relatar contos de fadas para crianças? As críticas negativas endereçadas aos contos O mecanismo de projeção e introjeção de MeIa - nie Klein v

6 Pags. CAP!TULO 4 "A VOCAÇÃO PEDAGÓGICA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CRIANÇA EM IDADE PR~-ESCOLAR Caracterizando a criança em idade pré-esco - lar Quais as funções dos contos de fadas no con- ~ texto pre-escolar? Considerações Finais BIBLIOGRAFIA VI

7 RESUMO Esta dissertação tem como objetivo principal elucidar as implicações de se relatar contos de fadas às crian ças em idade pré-escolar, destacando-se suas origens histórico-culturais e a sua função psicopedagógica. Com subsidios obtidos em obras de alguns autores da área de história, literatura, filosofia, psicologia e p~ dagogia, foi feita uma análise considerando-se alguns tópicos, dentre os quais a possibilidade de serem os contos mitos transformados, cuja evolução ou construção da narrativa tem uma característica análoga aos ritos iniciáticos das so ciedades consideradas "primitivas" ou pré-letradas. Neste sentido, trazem em seu bojo a nossa herança cultural. Além disso, possuem função psicopedagógica, que po~ sibilita à criança em idade pré-escolar identificar-se com a imagem arquetípica do herói ou heroina, na medida em que estes passam por provações, e adotar uma postura positiva frente às mesmas. Argumentou-se, ainda, quanto às criticas de que e~ tas narrativas têm sido alvo, como, por exemplo, a sua "cru eldade", a visão de mundo "deturpada e irreal" que elas pr~ moveriam de acordo com alguns autores que privilegiam o racionalismo, e o papel "degradante e passivo" destinado a ai gumas personagens femininas de algumas histórias. Conclui-se o trabalho avaliando-se o papel doscon tos de fadas no contexto pré-escolar, e de que forma a exp~ riência de relatá-los às crianças pode ser enriquecedora do VII

8 ponto de vista pedagógico. Apoiando-se na abordagem junguiana, trata-se de um trabalho de pesquisa e análise teórica que visa ampliar, esclarecer, bem como justificar o papel dos contos de fadas na educação pré-escolar, levando-se em conta suas funções psicopedagógicas e o seu caráter socializante, na medida em que a criança tem acesso a valores sócio-culturais que predominaram e ainda repercutem nas relações sociais contemporaneas. VIII

9 SUMMARY The main aim of this essay is to clarify the implications of telling fairy tales to children at preschool age, outstanding their historical-cul tural origins and their psychopedagogical function. Based on the data obtained in the work of several authors in the fieis of history, literature, philosophy, psychology and pedagogy, an analysis was made on some topics, such as the possibility that the tales are transformed myths, the evolution or construction of the narrative of which have analogous characteristics to the initiation rites of the societies considered as "primitive" or prele,! tered. In this sense, they bring in their core our cultural inheritance. Furthermore, they acquire a psychopedagogical function, since they give the children at preschool age the chance to identify themsel ves wi th the achetypical image of the hero or heroine, as they undergo their ordeals, and to adopt a positive attitude to cope with them. The cri ticisms that these tales have been suffering, as their "cruelty", the "misrepresented and unreal" vision of the world that they would promote as per some authors that favor the rationalism, and the "degrading and submis sive" role given to some female characters of some stories, were also discussed. This essay ends by evaluating the part that IX fairy

10 tales play at the preschool context, and how thc experience of telling them to the children can be enriching, in the pedagogical point of view. Based on the jungian approach, it is a research and a theoretical analysis which aims to improve,elucidate, as well as justify the role of the fairy tales in preschool education, considering their psychopedagogical functions and their socializing character, once the child gets in touch with social-cultural values which prevailed and still have echo in the contemporary social relationships. x

11 ZUSAMMENFASSUNG Die vorl iegende Dissertation richtet ihren Schwerpunkt auf die Abhandl ung der Impl ikationen, die beim Marchenerúihlen an Kindern im Vorschulalter entstehen.kulturgeschichtliche Ursprünge und psychopadagogische Funktionen werden besonders hervorgehoben. Mit Zuhilfenahme der Werke einiger Autoren aus den Bereichen der Geschichte, Literatur, Philosophie, Psychologie und Padagogie wurde eine Analyse erstellt, die verschiedene Themen in Betracht zieht, wie z.b. die Moglichkeit, dass Marchen transformierte Mythen seien, deren Entwicklung oder Erzahlkonstruktion analoge Merkmale zu Initiationsriten sogenannt "primitiver" ode r "vor-schriftlicher" Gesellschaften vorweisen. In diesem Sinne überbringen Marchen in ihrem Innern unsere kulturelle Erbschaft. Im weiteren besitzen Mã"rchen eine psychopadagogische Funktion, die den Kindern im Vorschulal ter errnoglicht, sich m:i t dem archetypischen Bild des Helden oder der Heldin zu identifizieren, Soweit diese durch Prüfungen gehen und gegenüber Prüfungen eine positive Haltung einnehmen. Weiter argumentieren wir gegen einige Kritiken, die auf Marchen abzielen. Einige,Autoren, di~ eine verstandesma~ sige Haltung bevorzugen, kritisieren, um nur einige Beispiele zu nennen, die "Grausamkei t", die Forderung eines Bildes einer entstellten und unwirklichen Welt, oder die XI

12 "würdelose und passive" Rolle, die in einigen Marchen einigen weiblichen Figuren zugeschrieben werden. Abschliessend bewerten wir die Rolle der Marchen im vorschulalterlichen Zusammenhang und zeigen auf, in we~ cher Form die Erfahrung des Marchenerzahlens an Kindem vom padagogischen Standpunkt aus eine Bereicherung sein kann. Die vorliegende Forschungsarbei t und theoretische Analyse stützt sich auf Grundsatze der jungianischen Psych~ logie. Sie versucht, die Thematik zu erweitern und einige Punkte aufzuklaren, sowie die Rolle des Marchens in der Vorschulerziehung zu rechtfertigen, indem sie seine psychopadagogischen Funktionen und seinen sozialisierenden Charakter in Rechnung stell t. Das Kind hat über das Marchen Zugang zu vorherrschenden gesellschaftskulturellen Werten, die in den sozialen Beziehungen von heute Wiederhall finden. XII

13 INTRODUÇJ\O A opçao pelo Curso de Mestrado em Psicologia da hlucaç;lo surgiu li partir dl' algumas experiências pessoais, tan to na irea da psicologia como na da Educação. Foi cursando a disciplina Mitos, contos de fadas, arte, folclore e literatura: sua pesquisa, que vimos despe: tar um interesse maior a respeito dos contos de fadas. Nes sas aulas, 1 íamos e di scut íamos a função dos mi tos e dos con tos do ponto de vista da psicologia analítica (ou junguia - na), atendo-nos principalmente ao seu caráter terapêutico, ao recorrermos a uma le i tura dos significados das imagens si!!!. bólicas que estas histórias proporcionam, já que estas nos fornecem também recursos interpretativos. Em outro momento, tivemos oportunidade de traba - lhar na area de educação pré-escolar, estabelecendo um contato quase diário com as crianças na faixa de dois anos e meio a seis anos. Durante este período, fomos percebendo, com a prática, que dentre as atividades que as crianças desenvol viam havia uma em especial que propiciava um clima agr~ dável na sala de aula, de muita troca e envolvimento. Era o momento em que as crianças ouviam os contos de fadas, que chamávamos de "histórias de boca", visto que elas só pode - riam ouvir e usar a imaginação, já que para aquelas histó rias nao havia ilustrações a serem mostradas. Durante esta atividade percebíamos que, dependendo da sua história pessoal, ou mesmo de acordo com a sua n~ cessidade momentânea, algumas crianças realmente identifica

14 2 vam-se e projetavam-se em algumas figuras centrais ou em ai guma situação ali presente. Dentro deste quadro, as meninas identificavam-se com as personagens femininas e os meninos com as masculinas, podendo isto ser observado a partir das brincadeiras ou ati vidades em que as crianças exercitavam a representação, como as gráficas (pintura, desenho) e os jogos dramáticos. Houve, por exemplo, o caso de uma criança que se sensibilizou muito com a história de "Joãozinho e Maria",di zendo-nos com ar tristonho que "nunca mais queria voltar p~ ra a escola". Pudemos presumir que a idéia de "abandono"su gerida pela história (quando o pai de Joãozinho e Maria os abandona na floresta porque não tinha condições econômicas de sustentá-los, não só havia sido assimilada pela criança, como também ela identificou-se com os personagens centrais, já que seus pais eram médicos, trabalhavam o dia todo e dis punham de pouco tempo para se dedicar aos filhos. Esta hipótese pôde ser confirmada quando entrevis tamos o casal, e apos - conversarmos e deliberarmos sobre qual o encaminhamento mais proveitoso para ambas as partes, pud~ mos cons ta tar, com o passar do tempo, que a criança mostrou-se muito mais descontraída e alegre no seu dia-a-diana escola. A partir desta vivência e que se foi instaurando a vontade de pesquisar mais sobre as implicações de se rela tar contos de fada às crianças, e de buscar nos vários auto res, de diversas áreas, subsídios teóricos que vieram respaldar na realização desta dissertação. nos

15 3 E importante ressaltar que alguns autores, como os folcloristas Vladimir Propp e Luís da Câmara Cascudo,uti lizaram os termos "conto maravilhoso" e "conto de encanta - mento", respectivamente, para designar o que conhecemos por "conto de fadas", por acreditarem ser este termo último nao apropriado, já que não se refere a histórias cujos enredos giram apenas em torno de fadas. No entanto, continuamos a adotar a denominação "conto de fadas" por acharmos que esta é a mais conhecida pelo público em geral (incluindo-se o in fantil). Com relação às abordagens que nos subsidiaram no campo da psicologia, buscamos referências tanto na escola psicanalítica IBruno Bettelheim, (1988), Melanie Klein (in Segal, 1975) I, como na junguiana IMarie Louise Von Franz (1981, 1985~, 1985Q, 1986), Hans Dieckmann (1986), entre o~ trosl, sendo que esta última ocupou um espaço maior e mereceu um destaque mais significativo de nossa parte. Não pr~ tendemos, com isto, desmerecer a psicanálise freudiana, que esta constitui um marco que impulsionou um maior conhecimento da natureza humana, do ponto de vista psíquico. Além disto, suas formulações teóricas e metodológicas suscitaram o aparecimento de outras abordagens, incluindo-se aí a junguiana. Reconhecemos no entanto, que ambas apóiam-se em visões de mundo diferentes. Baseando-se nestas colocações, cabe aqui expor em linhas gerais algumas contribuições que a psicanálise nos propiciou. A teoria psicanalítica sem dúvida dedicou-se mais

16 4 à psicologia infantil, haja vista as formulações de Freud e seus seguidores acerca dos desejos e conflitos edipianos d~ rante a infância, assim como as de Melanie Klein, a respeito das relações objetais, para se compreender a atividade psicológica deflagrada a partir do relacionamento htmlano com os "objetos" ou pessoas (no caso, a relação mãe-criança)que atraem a sua atenção e/ou necessidades. Jung, por sua vez, não se dedicou muito a discorrer, em suas obras, sobre a infância; mas, a despeito disso, compartilhamos em grande parte a forma ou a perspectiva que ele elaborou a respeito do inconsciente, cujos conteúdos,além de serem encarados corno potencialmente criativos, também p~ dem extrapolar a experiência pessoal.... Ele considerava as imagens onlrlcas, por exemplo, corno a melhor expressão de conteúdos inconscientes, e recomendava que, num primeiro momento, ouvíssemos o que o incon~ ciente tem a nos dizer; ou seja, para compreender o signifl cado do sonho, faz-se necessário ater-se primordialmente a imagem onírica. A imagem representaria a situação tal qual ela é, e não sujeita às deformações atribuídas ao inconsciente. A interpretação seria requerida, nesse caso, de forma a tornar a imagem original mais significativa. Esta visão, em nosso entender, também proporcionou urna extensão maior acerca do significado da natureza humana, pois ao se ampliar o conteúdo simbólico de um sonho leva-se em conta o contexto pessoal, podendo-se abarcar também o co letivo, relacionando-o com simbolismos míticos, históricos, culturais (incluindo-se aí ternas arquetípicos desenvolvidos

17 5 nos contos de fadas). Portanto, Jung nao conseguiu referendar por muito tempo a visão psicanalítica que apregoava uma interpretação exclusivamente sexual da motivação, daí uma das causas do rom pimento entre ele e Freud. Com relação aos contos de fadas, os psicanalistas freudianos preocupam-se em mostrar que tipo de material reprimido ou inconsciente encontra-se subjacente a essas histórias. Os junguianos, por sua vez, acredi tam que nestas Ú.!.. timas são representados os tipos humanos básicos, que espelham os trajetos do desenvolvimento psíquico. Expressariam, portanto, um modelo de comportamento arquetípico em conso - nância com o ego, como iremos mostrar no desenvolvimento des te trabalho. Entendendo que o pensamento junguiano privilegia uma postura menos dogmática e por vezes polêmica, e que nos encontramos em relativa sintonia com as idéias e conceitos desenvolvidos por esta escola, é que optamos por empreender umô discussão mais ampla a respeito dos contos de fadas de~ tro da perspectiva anteriormente citada, embora esta seja c~ locada em relação com outros pontos de vista ou abordagem. Neste sentido, examinamos também as colocações de Piaget (1978!,1978E), Bettelheim (1988), do historiador das religiões Mircea Eliade (1972), do filósofo Gilbert Durand (s.d.), da psicóloga e escritora Jacqueline Held (1980), en tre outros. Por fim, estamos cientes de que, ao versarmos e d~ senvolvermos esta temática de acordo com as perspectivas por

18 6 nós apontadas e relevadas, estaremos sem dúvida relegando outras idéias ou visões a respeito do tema em questão. Cabe esclarecer que estamos pondo em pauta algumas ver soes den - tre várias, haja vista a tamanha amplitude já alcançada pela investigação e pensamento humanos, além daquelas ainda inex pioradas. Entretanto, apesar de termos plena convicção do li mite do nosso alcance enquanto pesquisadores, esperamos que este trabalho venha contribuir para ampliar, ainda mais, a noção que as pessoas possam ter acerca das implicações de se relatar contos de fadas à criança em idade pré-escolar.

19 CAPITULO I SOBRE AS ORIGENS DOS CONTOS DE FADA 1.1 A relação existente entre o mito e o conto de fadas Durante a fase de pesquisa, analisamos extenso ma terial acerca das analogias e diferenças existentes entre os mitos e os contos de fadas. As divergências ocorrem no sentido de o conto ter-se transformado num mito dessacralizado, ou seja, o herói ou a heroína não agem em nome da ira dos deuses e nem situam-se num mundo governado por estes. A despeito de os heróis ou heroínas serem punidos ou não pelos seus atos, o conto lança-nos em um mundo de confrontação com algo inusitado, e a solução ou transposição do mesmo exigirá que os protagonistas passem a adotar uma nova atitude, o que implicará uma transformação de si mesmos, ou uma relação diferente para com a vida. Mircea Eliade (1977) levanta algumas questões acer ca deste assunto, dentre as quais está o contraste entre o pessimismo dos mitos e o otimismo dos contos, pois neste úl timo geralmente o desfecho é feliz, ao passo que na narrati va mítica o herói, na maioria das vezes, tem um fim trágico. Além disso, outro fator que os diferencia relativamente é o fato de nos contos ser mais improvável eviden - ciar a cul tura na qual se originaram, o que nao ocorre no ca so dos mitos, sendo possível identificar no mito de ~dipo,por exemplo, elementos da cultura grega.

20 8 De certa manej ra, os contos de fadas sao também influenciados pela cjvilização em que surgiram, mas sem dúvida torna-se um desafio identificá-los no tempo e no espaço, já que há poucos registros neste sentido. ~ interessante notar que nos contos de fadas o tem po e o país não são evidentes, pois geralmente eles começam com: "Era uma vez, num castelo no meio de uma floresta... " "Num certo país... " ou "Numa época em que os animais ainda fa lavam... " Apesar de não se comprovar o espaço e o tempo da narrativa, os contos iniciam a sua história num ambiente fa miliar onde se insere perfeitamente o homem comum. "João e Maria" desenrola-se em torno de um fato real e corriqueiro para nós: o pai é pobre e se pergunta como poderá cuidar dos filhos. "Rapunzel" também começa num ambiente familiar comum, onde os pais desejavam ter filhos, e a partir daí desenvolve-se toda a trama. ~ claro que no decorrer da história os elementos "mágicos" vão surgindo, mas não se pode compará-los com os elementos sagrados e sobrenaturais presentes nos mitos, cujos acontecimentos relatados se dão presumidamente num tempo pr2:. mordial. Um exemplo desta idéia refere-se aos mitos cosmogônicos, em que se percebe a tentativa de buscar explicações' sejam simbólicas ou sagradas, da criação ou de algo. ~ a narrativa de uma "criação". produção Segundo Mircea Eliade, "o mito ensina ao homem ar caico as histórias primordiais que o constituíram existen - cialmente". (Eliade, 1972, p. 16). Histórias estas que são

21 9 fruto da emoçao e da necessidade do homem de compreender o que acontecia i sua volta, levando-o a buscar na religiosidade os elementos que lhe proporcionariam um controle maior, em termos racionais, dos efeitos da natureza sobre si mesmo, assim como de seus próprios instintos, como o de sentir medo. Do ponto de vista filosófico, pode-se perceber nos mi tos a famosa indagação: de onde eu vim e para onde vou? Ou, então, a busca de respostas para as mais diversas manifesta ções da natureza, como as estações do ano, as inundações, o aparecimento do boto (na mitologia dos índios da Amazônia), etc. E o que seriam, então, as possíveis construções mi tológicas respaldadas pelo medo? Paul Diel dá~nos o seu depoimento a este respeito: "o homem primitivo (. ) nunca sera completamente seguro dele mesmo (eis aqui a primeira razão de seu temor (.. ) Não é mais que um temor ontológico ao qual esta ligado ins~ paravelmente, como se verá, o medo metafísico). Do medo ontológico nascera a magia e do medo metafísico a religiosid~ de. Pelo fato de que as duas formas de medo (ante o ambien te e o mistério) são inseparaveis, a magia e a religiosidade se encontram ligadas entre si (.. )" (Diel, 1959, p. 59). ~ o medo do desconhecido, a perplexidade frente às várias manifestações naturais, sejam elas externas, como já foi descrito, e até mesmo internas. Como explicar sentime~ tos por vezes arrasadores que nos assolam? O medo, a pai - xão, o ódio, a inveja, etc. Cabe aqui lembrar que nos tempos antigos não existia a ciência como ela é constituída ho

22 10 je, e muito menos a psicologia, um corpo de conhecimento que adquiriu um caráter empírico e se disseminou na sociedade a partir das obras de Freud. Os instintos, as intenções e a necessidade de bus car soluções para a complexidade do mundo eram e ainda sao (embora em menor grau) proj etados na religião, nos deuses ou, mais especificamente, no pensamento mágico, fatores estes característicos do pensamento mítico explorado pela socied~ de quando esta iniciou o seu processo de estruturação e organização. Com relação aos contos de fadas, como já foi dito, existe a hipótese de serem eles mitos dessacra1izados, pois segundo alguns autores têm uma tradição oral, o que facilitou sua migração de uma região a outra. sujeitos a sofrerem mutações, adaptando-se Portanto, estavam à cultura local assim como recebendo as influências da ordem judaico-cristã. Mesmo assim, alguns contos mantiveram suas raízes na cultura popular, preservando elementos inerentes às religiões di tas pagas. Contudo, como já apresentamos no início deste ca pítulo, existem ainda fatores que colocam o mito e o conto em sintonia. Dentre alguns, podemos citar a linguagem e as imagens que se fazem presentes nas duas narrativas. Ambos são dotados de uma linguagem simbólica, isto ~, de uma linguagem que dá margem a uma ou mais interpretações, vários sen tidos ou significados. Do ponto de vista da psicologia junguiana, esta lin guagem simbólica pode tamb~m referir-se a padrões arquetípi

23 11 cos, conceito este que Jung desenvolveu e reformulou algu - mas vezes ao longo de sua 0bra. De acordo com Jolande Jacobi (s.d.), é importante ressaltar a diferença que há entre a noção de arquétipo e de imagem arquetípica. o arquétipo em si é imperceptível, um princípio or denador cujos elementos provenientes do inconsciente coleti. vo (compostos de conteúdos universais, transpessoais) estr~ turam e coordenam o funcionamento da psique. E uma espécie de padrão básico subjacente que se revela :La psique individual ou coletiva, com base na experiência de vida daquele i~ divíduo ou daquela coletividade. E importan te ressaltar que esta capacidade de organização é herdada, enquanto o conte~ do ou as imagens arquetípicas sofreill as influências do meio. Citando Andrew Samue~s: "(... ) é perfeitamente sensato argumentar que, em bora o conteúdo não seja herdado, forma e padrão o são; o con ceito de arquétipo satisfaz este critério. o arquétipo é vi~ to corno um concei to puramente formal, um arcabouço então pre enchido com imagens, idéias, ternas, etc. A forma ou padrão arquetípico é herdado, mas o conteúdo é variavel, sujeito a mudanças históricas e ambientais" (Samuels, 1989, p. 43). Jo1ande Jacobi (s.d.), ajuda-nos a compreender m~ 1hor esta afirmativa, dizendo-nos que o arquétipo "materno", por exemplo, está prenhe de todos os aspectos e variações que um símbolo pode apresentar, seja a goela de uma baleia, o seio da igreja, a caverna acolhedora, a fada boa ou a bru xa (podendo simbolizar aspectos positivos e negativos da mãe vivenciados através dos contos de fadas), e até mesmo a nos

24 12 sa mae pessoal. Ou seja, os modelos arquetípicos básicos ou núcleos estruturantes são universais, sao comuns a todos os povos,a todos os indivíduos, e persistem com o passar do tempo. No entanto, a relação do indivíduo com o arquétipo tende a ser estabelecida através de imagens, estas sujeitas as variaçoes individuais e culturais. Portanto, existem símbolos nas suas formas arquetípicas fundamentais que quanto mais profundas ou arcaicos, mais coletivos e universais serão, ao passo que estando eles mais próximos da camada consciente, mais específicos e singuiares serão, perdendo o seu caráter universal. Ao tentarmos explicitar mais claramente a noçao de arquétipo e sua diferenciação da idéia de imagem arquetípica, buscamos argumentos para demonstrar a identidade que há entre mito e contos de fadas cujos motivos básicos têm origem nas camadas profundas do inconsciente, comuns à psique de todos os humanos. esta afirmativa: Mircea Eliade (1972) ajuda-nos a entender melhor "Certamente os mesmos arquetipos, ou seja, as mes mas figuras ou situações exemplares, reaparecem indiferent~ mente nos mitos, nas sagas e nos contos" (Eliade, 1972, p.i71). ~ importante esclarecer que o conceito de arquéti. po, para Eliade tem significado diferente daquele definido por Jung: para ele, arquétipos são modelos ou protótipos de comportamento. Nesta citação acima, o autor deveria estar se referindo ao herói como um modelo arquetípico represent~

25 13 do em ambas as narrativas. Se, por um lado, contos e mitos lidam com padrões arquetípicos, como o arquétipo do herói que luta, se sacrifica na busca de algo novo, da salvação ou recuperaçao do que foi perdido, expressões típicas do arquétipo da transformaçao que exigem mudanças decisivas e expansão da consciência, existem autores que defendem a idéia de que os contos de f~ das são muito menos influenciados pela civilização em que surgiram devido ã sua estrutura mais elementar. Como já foi exposto, é difícil precisar a cultura e a tempora1idade dos contos de fadas, pois estes parecem nos conduzir para uma realidade incomum, para um mundo onde tudo é possível embora preservem elementos extraídos da rea 1idade trivial aos seres humanos: família, pobreza, abandono, desejos a princípio difíceis de serem realizados, etc. Percebe-se nos contos a composição de dois mundos que se inter-relacionam: o mundo "mágico" e o mundo real que se assemelha ao cotidiano do homem comum. As figuras do "mundo m;gieo" são entes que nunca vimos, mas imaginamos como são: as bruxas, mulheres e homens sábios, anões, gigantes e animais que falam. Acontecem milagres e transformações, figuras que voltam a viver, a Bela Adormecida que dorme cem anos e continua boni ta e jovem, etc. Raramente o conto se inicia no "mundo mágico", mas sim no cotidiano do mundo de cá, até que surge o elemento mágico que nos transporta para o outro mundo. Mas se para Bette1heim (1988) os heróis míticos oferecem excelentes imagens para o desenvolvimento do supe~

26 14 ego, já que representam aspectos divinos humanamente impraticáveis, para Von Franz (198S~) os mitos, por estarem mais inseridos na civilização e retratarem de forma mais proeminente as influências da religiosidade de uma determinada cu1 tura, dificilmente poderão ser estudados sem se conhecer a fundo o seu legado cultural. Neste sentido, o conto de fadas, por ter uma es - trutura mais elementar, por ter uma linguagem simples e, po~ tanto, ser mais facilmente compreendido (visto que até hoje faz sucesso junto ao público infantil), pôde migrar melhor de uma região ã outra, pois reduzido aos seus elementos estruturais básicos, faz sentido para qualquer um. 1.2 As fontes possíveis que deram origem aos contos de fadas Além desta idéia de que os contos de fadas sao re manescentes modificados dos mitos, existem outras hipóteses defendidas por folcloristas, mitólogos, psicólogos, que ap~ rentemente se contradizem. Mas se formos analisá-las atentamente, percebe-se que uma nao exclui a outra. A psicóloga junguiana Marie Louise Von Franz sug~ re que as formas mais originais dos contos de fadas sao as sagas locais e as histórias parapsicológicas, histórias miraculosas que acontecem devido a invasões do inconsciente coletivo sob a forma de alucinações em forma de vigília: "Estas coisas ainda acontecem; os camponeses suíexperenciam-nas constantemente e elas formam a base das cren ças folclóricas. Quando alguma coisa estranha acontece,ela ê cochichada e corre, como correm os boatos; então, sob co~ dições favoráveis o fato emerge enriquecido de representa -

27 "... çoes arquetlplcas Ja exlstentes e progresslvamente transfor ma-se num conto" (Von Franz, 1981, p. 133). Há outra hipótese levantada pelo folclorista sovi ético V. Propp, mencionado por Eliade (1972), que se refere a uma origem ritua1ística dos contos populares, ou seja,e1e vê nos contos a reminiscência dos ritos totêmicos de inicia ção, pois se reduz a um enredo iniciatório (lutas contra o monstro, obstáculos aparentemente insuperáveis, enigmas a se rem desvendados, o casamento, etc.). Eliade faz um comentário sobre isto: "Embora em quase todos os contos haja o happyeyl.d, seu conteúdo propriamente dito refere-se a uma realidade ter rivelmente séria; a iniciação, ou a passagem através de uma morte ou ressurreição simbólicas, da ignorância e da imaturidade para a idade espiritual do adulto" (Eliade,1972,p.173). Von Franz (1981), como já mencionamos preliminarmente, nao compartilha desta idéia, pois acredita que a base nao é o ritual mas uma experiência arquetípica. Segundo a sua tese, os rituais apareciam nas sociedades primitivas quando um ou mais integrantes da tribo compartilhavam as suas VI soes e os seus sonhos com o resto da tribo. Ao serem encenados para todos,estes sonhos surtiam um efeito profundo naquelas pessoas, chegando mesmo a ter um caráter curativo. Estas encenações passaram, então, a serem feitas repetidas vezes, passando a fazer parte do ritual daquela tribo. Esta é uma explicação plausível, isto é, a de que o ritual pode ser imanente ao inconsciente coletivo, lembran do que este termo, definido por Jung, corresponde às cama -

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. EIXO 4 - Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas Autoras:

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

Introdução a mitologia Africana para sala de aula

Introdução a mitologia Africana para sala de aula Introdução a mitologia Africana para sala de aula Curso de extensão Universidade Castelo Branco Prof. Dr. Arthur Vianna (PUCSP) Escola de formação de Professores Curso de História Objetivo Proporcionar

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA URASHIMA TARO LÚCIA HIRATSUKA PARTE 1 PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: ATIVAÇÃO DO CONHECIMENTO PRÉVIO Atividade 1 SUGESTÕES DE ATIVIDADES Cada povo tem suas narrativas

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam:

A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: Neiruaitt Norberto de Sousa A partir das palavras do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, quais sejam: O inconsciente é a história não escrita do homem a partir de épocas imemoriais, podemos dizer que: O

Leia mais

Descobrindo os Sonhos. Liane Zink

Descobrindo os Sonhos. Liane Zink Descobrindo os Sonhos O que Significam os Nossos Sonhos? SÃO PROFECIAS? SÃO CURADORES? VÊM DE DEUS? SÃO VESTÍGIOS DE MEDOS MEDIEVAIS? Como trabalham com Sonhos FREUD JUNG MORENO PERLS RON ROBBINS Sonhos

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA

O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA O ARQUÉTIPO NA MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA Cristiano Corrêa de Paula 1 RESUMO: Utilizando-se do conceito formulado por Jung sobre manifestação religiosa, este artigo discorre sobre como se dá a manifestação

Leia mais

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES

A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES A NOÇAO DE TOTALIDADE NA TEORIA JUNGUIANA: BREVES CONSIDERAÇÕES Sheila Carla de Souza 1 (Mackenzie) Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta (C. G. Jung) RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA Aline Letícia Trindade Rosa Ana Victória Antunes Tamyres Rodrigues Zanforlin (G UENP/ campus Jac.) Penha Lucilda de Souza Silvestre

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 Sumário Introdução, 11 1 Temperamento: o que não se vê, 14 2 Os vários nomes do amor, 33 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 4 Guardiães, parceiros sociais, 69 5 Idealistas, parceiros de alma, 88 6 Cerebrais,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS LAMERA, Iraci Cristina; iracicristinalp@yahoo.com.br Faculdade São Francisco de Assis RESUMO Os estímulos postos à criança enfatizam

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo

Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Escola Imortais da Terra Bruxaria, Magia e Esoterismo Sagrado Masculino O Sagrado Masculino há muito foi esquecido... Diante de um tempo em que a humanidade cultivou o medo, e criou verdadeiras muralhas

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Literatura de Monteiro Lobato

Literatura de Monteiro Lobato Literatura de Monteiro Lobato Cléa Coitinho Escosteguy ULBRA Trabalhar com as obras de Monteiro Lobato é fazer emergir a fantasia e a criatividade, já tão esquecidas. Não há, com certeza, na ficção de

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A PÁSCOA, O COELHO E OS OVOS DE CHOCOLATES

A PÁSCOA, O COELHO E OS OVOS DE CHOCOLATES A PÁSCOA, O COELHO E OS OVOS DE CHOCOLATES O sincretismo A Páscoa, é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. É a data mais importante da religião cristã. A Páscoa e seus símbolos tem

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS TÓPICO 02: GÊNEROS LITERÁRIOS CONCEITO Segundo Victor Manuel de Aguiar e Silva em Teoria da Literatura, os gêneros literários

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho.

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. Um filme, como qualquer obra de arte, possibilita várias leituras,

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade Ilustrações Mariana Massarani Temas Amadurecimento / Relação familiar / Diferenças sociais GUIA DE LEITURA PARA O PROFESSOR 2ª edição 72 páginas O livro A filha do Rei traz a história de uma menina que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Campus Avançado de Santo Amaro As crenças populares do interior da Bahia presentes em Memorial do inferno Santo Amaro Bahia Agosto/2006

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais