COMPORTAMENTO MOTOR EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 04 ANOS DE IDADE. Erika Pereira Machado* Nelci Adriana C. F. Rocha (co)** Eloísa Tudella (o)***

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPORTAMENTO MOTOR EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 04 ANOS DE IDADE. Erika Pereira Machado* Nelci Adriana C. F. Rocha (co)** Eloísa Tudella (o)***"

Transcrição

1 COMPORTAMENTO MOTOR EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 04 ANOS DE IDADE. Erika Pereira Machado* Nelci Adriana C. F. Rocha (co)** Eloísa Tudella (o)*** RESUMO O objetivo da pesquisa foi verificar as coordenações motoras e o equilíbrio de crianças de 04 anos de idade. O estudo desenvolveu-se a partir da observação de cinco crianças do sexo masculino e cinco do sexo feminino com idade média de 52,5 meses (±2,06), consideradas saudáveis. Foram recrutadas e avaliadas na Escola Escadinha do Futuro (Rio Verde-GO), após o consentimento dos pais. A avaliação foi realizada uma única vez, utilizando-se o Protocolo de Avaliação das Coordenações e Equilíbrio, baseado na Bateria Psicomotora (BPM) de Vitor da Fonseca (1975); dividida em 03 etapas: 1) Roteiro de Anamnese, com informações referentes aos dados pessoais da criança e pais; história e intercorrências pré, peri e pós-natal. 2) 06 tarefas de Coordenação Motora Grossa e 04 de Motora Fina, quantificadas em tempo; a Óculo Manual e Óculo Pedal com 01 tarefa, quantificada em número de acertos de cada hemilado. 3) 04 tarefas de Equilíbrio Estático e 01 de Equilíbrio Dinâmico, quantificadas em tempo. Aplicando-se o teste t, constatou-se diferença estatisticamente significativa (p<0,05) nas Coordenações motora grossa, fina e óculo manual e Equilíbrio dinâmico, em que o sexo feminino apresentou maiores habilidades de manuseio e manipulação. Com referência à Coordenação óculo pedal e Equilíbrio estático constatou-se diferença estatisticamente significativa (p<0,05), entretanto, o sexo masculino apresentou maiores pontuações. Pode-se concluir que aos 04 anos de idade, crianças do sexo feminino apresentam melhor desempenho nas Coordenações, exceto na óculo pedal e no Equilíbrio dinâmico. Tais resultados podem ser atribuídos às influências ambientais determinadas pelas atividades de vida diária. Palavras-Chave: Comportamento Motor aos 04 anos, Coordenação Motora, Equilíbrio. *Fisioterapeuta, mestre em Ciências da Saúde (UnB/DF), especialista em Psicomotricidade (FUNEC-FISA/SP) e Metodologia e Didática do Ensino Superior (FAR/GO).**Fisioterapeuta

2 (FUNEC-FISA/SP), mestre em Fisioterapia (UFSCar/SP) e doutora em Fisioterapia (UFSCar/SP).***Fisioterapeuta (UFSCar/SP), doutora em Educação Especial (UFSCar/SP). ABSTRACT: This study verified motor control and balance of 04 years old children. Five male and five female children with in the mean age of 52,5 months (±2,06), considered healthy were studied. It were called and evaluated at Escadinha do Futuro school (Rio Verde-GO), after the parents agreement. The evaluation was performed only once, using the Controls and Balances Evaluation Protocol, based on Vitor da Fonseca (1975) Psicomotor Battery (BPM); divided in 3 stages: 1) Anamnese guide, with information about children and parents personal date, history and interoccurrences before, inter and after birth; 2) 06 activities to gross motor control and 04 activities to light motor control, with were counted to time; the manual optic and pedal optic with 01 activities with were counted to numbers of the right ones to the body s half. 3) 04 activities on static balance and 01 activity on dynamic balance, which were counted to time. Appling test t, it was found difference statistician significant (p<0,05) that on Gross Motor Controls, Light and Manual Optic and Dynamic Balance the sex female are cliver and have higher abilteis of management and handling. Regarding Pedal Optic Control and Static Balance it was found difference statistician significant (p<0,05) the sex male was presented higher punctuation. Of 04 years old children the female sex found better performance at controls, except at Pedal Optic and Dynamic Balance. Such results can be attributed the influences adapt determines at day by day activities. Key-Words: Motor behavior 04 years, Motor Control, Balance. 1 INTRODUÇÃO O Sistema Psicomotor Humano baseia-se em estruturas simétricas do sistema nervoso, compreendendo o tronco cerebral, o cerebelo, o mesencéfalo e o diencéfalo, que constituem a integração e a organização, fundamentando na tonicidade, equilíbrio e lateralidade; e também estruturas assimétricas, compreendendo os dois hemisférios cerebrais, assegurando a noção do corpo, espaço-temporal e da praxia fina e global.

3 Fonseca (1992) considera-se que há zonas no cérebro que participaram do movimento voluntário. Zona pós-central, ocupa do feedback sensorial tátil - quinestésico precedente dos músculos. Zona parieto-occipital, orientação espacial do movimento. Zona pré-motora, seqüencialização do comportamento motor. Zona frontal, programação dos movimentos. O Sistema Psicomotor Humano é um sistema aberto, composto de um conjunto de fatores psicomotores com propriedades e atributos que se inter-relacionam com o meio envolvente para formar um todo único - perfil psicomotor intra-individual; portanto, a privação sensorial no ser humano pode levar a regressões no comportamento e a alucinações de várias ordens (FONSECA, 1992). Sem integração sensorial, a ativação tônica cortical não é observada e o cérebro ficará naturalmente coibido de realizar funções psicológicas superiores. As sensações advindas do mundo envolvente são energias que estimulam ou ativam as células nervosas, iniciando os processos neurológicos básicos, ou seja, o cérebro organiza fontes de informação sensorial num todo integral, que reflete a própria experiência (BRANDÃO, 1984). A adaptação e a superação de situações inesperadas requerem uma grande mobilidade energética, que está intrincada na elaboração de respostas adaptativas, que para serem desenvolvidas, necessitam do suporte da modulação tônica, atividade mental e atividade corporal. A preparação da ação ou de qualquer resposta adaptativa exige a mobilização de uma tensão ideal, quer ao nível da atividade neurológica mental e igualmente ao nível da atividade motora ou postural. A construção dos movimentos exige uma preparação de componentes pósturo-motores e tônico-posturais que devem ser incorporados a programas de ação. A coordenação de movimentos é uma organização de ações motoras em função de um objetivo antecipado, o que pressupõe uma inter-relação consciência-ação. O cérebro como um sistema funcional complexo é um conjunto dialético de outras complexidades, é uma complexidade que resulta de outras complexidades, como funções englobantes interagindo não como centros isolados ou limitados, mas como uma assembléia de centros coordenados em função de necessidades e intenções auto-reguladoras (KANDEL, 1997). A recepção da informação, que é parte de músculos, fusos musculares, tendões e articulações, recebida no cérebro, depois de ser subprocessada no cerebelo, e que atinge as zonas parietais, é crucial à planificação do movimento. Caso essas zonas estejam lesadas, se verifica

4 perda da sensibilidade da noção e posição do corpo (somatognosia), como também alteram os fatores de precisão e perfeição do movimento. Portanto, para que haja movimentos voluntários e conscientizados, ainda é necessária a cooperação do córtex pré-motor, que está conectado com as estruturas subcorticais, que é capaz de fornecer a ligação de um movimento a outro, assegurando um plano sucessivo de movimentos que se integram num padrão motor. Com disfunções ou lesões é difícil obter uma coordenação de movimentos, surgindo fragmentos motores isolados e desintegrados. A seqüencialização do movimento é subordinada a um programa correspondente, que regula a ordem dos atos motores, impedindo a intrusão de outros atos. A formulação e o armazenamento do programa e sua intrínseca ligação com os efeitos são funções do córtex frontal. Sua lesão altera as intenções e os planos de auto-regulação, surgindo ações acidentais e movimentos sem significação psicológica (LEVIN, 1995). Em função dessa perspectiva, analisa-se a estruturação dos processos psicomotores, a partir de seus fatores e composição interna dos processos psicomotores na criança; recorrendo para o efeito, a uma Bateria Psicomotora (BPM) de Vitor da Fonseca, 1976 e 1981; resultante de uma experiencialização psicopedagógica e clínica, composta por sete fatores psicomotores. Segundo Fonseca (1992), a partir dela procura-se captar a personalidade psicomotora da criança, tentando atingir uma compreensão aproximada do modo como trabalha o cérebro e os mecanismos que constituem a base dos processos mentais da psicomotricidade. Em todos os fatores e subfatores, o nível de realização das tarefas na BPM é medido da seguinte forma: a) Cotação 1 ponto ( apraxia ): ausência de resposta, realização imperfeita, incompleta, inadequada e descoordenada ( muito fraco e fraco; disfunções evidentes e óbvias, objetivando dificuldades de aprendizagem significativas ); b)cotação 2 pontos ( dispraxia ): realização fraca com dificuldade de controle e sinaisdesviantes ( fraco, insatisfatório; disfunções ligeiras, objetivando dificuldades de aprendizagem); c)cotação 3 pontos ( eupraxia ): realização completa adequada e controlada ( bom; disfunções indiscerníveis, não objetivando dificuldade de aprendizagem ); d)cotação 4 pontos ( hiperpraxia ): realização perfeita, precisa, econômica e com facilidade de controle ( excelente, ótimo; objetivando facilidades de aprendizagem ).

5 Cada subfator é conseqüentemente cotado, sendo assim cotada a média arredondada e posteriormente transferida para o perfil psicomotor. A qualidade do perfil psicomotor da criança está associada ao seu potencial de aprendizagem, quer em termos de integridade ou dificuldade. A BPM não é um teste no sentido tradicional, é uma bateria de observação que permite observar componentes do comportamento psicomotor da criança de uma forma estruturada e não estereotipada. As tarefas dão oportunidade suficiente para identificar o grau de maturidade psicomotora da criança e detectar sinais desviantes. Podem-se observar as estruturas tônicomusculares das articulações proximais e distais, o controle vestibular e proprioceptivo postural, a segurança gravitacional, o domínio do equilíbrio estático e dinâmico, a dominância manual e telerreceptiva, a somatognosia e o grau de organização tátil-quinestésica do corpo, a orientação e a organização espacial, a recepção e a memorização do ritmo, a dissociação, a planificação e a seqüencialização dos movimentos e a proficiência da motricidade fina. A BPM dá oportunidade para observar as desordens da atenção, as aquisições de processamento da informação visual e auditiva, a competência lingüística, a orientação espacial e temporal, a estrutura cognitiva da criança e o comportamento emocional; é útil para identificação e ratificação de dificuldades de aprendizagem e psicomotricidade; mas não identifica ou classifica um déficit neurológico ou mesmo diagnostica uma disfunção ou lesão cerebral. Portanto, o principal objetivo é verificar o comportamento motor de crianças na faixa etária de 4 anos de idade e comparar os resultados, entre os sexos masculino e feminino. 2 CASUÍSTICA E MÉTODOS Participaram do estudo 10 crianças consideradas saudáveis, cursando o Jardim de Infância II, sendo 50% do sexo masculino e 50% do sexo feminino, com idade mínima de 50 meses e máxima de 55 meses (média=52,5; DP=2,06). Podem-se observar as características dos sujeitos avaliados na Tabela 1. INSERIR TABELA

6 Critérios de Inclusão: as crianças deveriam ser saudáveis, nascidas a termo (38 a 40 semanas gestacionais), com peso superior a 2,500g ao nascimento, não apresentar alterações neurológicas, sensoriais e síndromes, sem história de complicações durante gestação e parto, e os pais (ou responsável) assinarem o termo de consentimento. Critérios de Exclusão: foram excluídas do estudo crianças que apresentassem déficit de atenção e/ou hiperatividade, alterações sensoriais (visual, auditivo, gustativo, olfativo, tátil), problemas ortopédicos (pé torto congênito, eqüinovaro, deformidade da coluna vertebral, luxação congênita de quadril), alterações neurológicas (tremores, distonias, distrofia muscular), síndromes (Down e West) e as que os pais não dessem o consentimento por escrito. O Termo de Consentimento foi entregue para que os pais assinassem a autorização da participação de seus filhos no estudo; e um Protocolo de Avaliação das Coordenações e Equilíbrio foi elaborado contendo inicialmente um roteiro de Anamnese com a história gestacional, do parto e do desenvolvimento; e seqüencialmente a folha de registro das tarefas, sendo estas, baseadas na Bateria Psicomotora (BPM) de Vitor da Fonseca (1992). Para o desenvolvimento do estudo, as tarefas foram realizadas no pátio recreativo da Escola Escadinha do Futuro (Rio Verde-GO). Como equipamentos foram utilizados: cronômetro (Sport Timer) para quantificar o tempo de cada tarefa; balança (Tech Line - 28x26cm) para verificar peso; fita métrica simples com 150cm para verificar comprimento; máquina fotográfica (Kodak modelo Star 735 ) para registro das tarefas. Como materiais foram utilizados: faixa de papel cartão cor laranja (03 metros de comprimento x 08cm de largura); fita adesiva simples para demarcar no chão uma circunferência de 55cm de diâmetro; colchonete D26 (01 metro de comprimento x 80cm de largura); 05 miçangas tamanho médio nas cores amarelo, vermelho, azul, verde e laranja; fio de naylon de espessura grossa (30cm); boneca de tecido; camisa tamanho infantil com 02 botões tamanho médio; suporte de encaixes (55,5x17cm) com 10 pinos, contendo 04 modelos de formas geométricas: 04 pinos para encaixar o quadrado (14x14cm), 03 pinos para encaixar o triângulo (14x14x14cm), 02 pinos para encaixar o retângulo (14x07cm) e 01 pino para encaixar o círculo (14cm de diâmetro), em 04 cores (azul, vermelho, amarelo e verde); 05 prendedores de madeira tamanho normal; suporte de madeira modelo varal (30,5x 42cm) com 05 fios cromados de alumínio (28cm), sendo uma distância de 07cm entre cada um; bola de tênis cor amarela (Wilson nº04); placa de compensado com formato de palhaço (59,5x40,5cm); bola de borracha

7 tamanho médio; gol de metal (59x34x32cm) cor preta com tela entrelaçada de linha cor vermelha ; barra de madeira clara (03metros x 05cm de altura x 08cm de largura). Após a análise e aprovação do Comitê de Ética, deu-se início ao presente estudo. Primeiramente a direção da Escola Escadinha do Futuro foi contactada e esclarecida sobre o estudo; com aprovação, a própria escola responsabilizou-se pela seleção dos sujeitos, segundo os critérios estabelecidos. Foram, então, selecionadas 12 crianças do sexo feminino e 10 do sexo masculino, dentre estas, a partir de um sorteio aleatório, foram selecionadas apenas 05 crianças de ambos os sexos. Realizada a seleção, os pais foram solicitados para uma reunião e informados da natureza e objetivo do estudo. Caso concordassem assinavam o Termo de Consentimento. A pesquisa foi realizada na própria escola, nos fins de semana, em horário adequado para os pais e crianças. Na data determinada, as mães foram entrevistadas, com intuito de se coletarem dados gestacionais e do desenvolvimento da criança. A seguir foram realizadas as tarefas de Coordenação Motora Grossa, Motora Fina, Óculo Manual, Óculo Pedal, e o Equilíbrio Estático e Dinâmico. Cada criança foi avaliada uma única vez. O tempo para a aplicação das tarefas foi de aproximadamente 30 minutos. Após a execução das tarefas os pais recebiam um relatório sobre a performance da criança e, caso necessário, orientações. 3 RESULTADOS Para a análise dos dados, objetivando verificar o comportamento motor de crianças na faixa etária de 04 anos de idade, a partir dos grupos masculino e feminino. Foi utilizado o Programa Statistic versão 5.0 e teste t (Student), através da comparação de médias, pois as variáveis são quantitativas e os grupos são independentes, e apresentados através de gráficos. Conforme proposto no objetivo deste estudo, pretendeu-se verificar o comportamento motor de crianças na faixa etária de 04 anos de idade. Para assim proceder, fazia-se também importante mostrar que os sujeitos dos dois grupos em estudo masculino e feminino eram semelhantes em relação aos critérios estabelecidos no início do trabalho (peso superior a 2,500g ao nascimento e ausência de problemas neurológicos e sensoriais), como também a outros fatores (idade mínima de 50 meses e máxima de 55 meses, nascidos a termo, sem história de complicações gestacionais e parto). Os dados obtidos, em relação às tarefas, foram tratados

8 estatisticamente, buscando-se verificar se, efetivamente, as diferenças encontradas poderiam, ou não, ser atribuídas à condição experimental. Os resultados obtidos estão representados nas Figuras 1 a 6, através de gráficos. Para que se pudesse optar pelo uso da análise paramétrica, foi verificado se as variáveis TMLR (Tempo de Marcha na Linha Reta), TSPJ (Tempo de Saltos com Pés Juntos), TSPD (Tempo de Saltos com Pé Direito), TSPE (Tempo de Saltos com Pé Esquerdo), TMRL (Tempo de Marcha de Ré na Linha) e TCT (Tempo Cambalhota) tinham distribuição igual ou diferente para os grupos feminino e masculino; através do teste t. Foi verificado que houve distribuição diferente das variáveis para os grupos feminino e masculino, em nível estatístico, conforme mostra a Figura 1. Os resultados indicam que os dois grupos feminino e masculino podem ser considerados diferentes no que diz respeito as variáveis TMLR, TSPJ, TSPD, TSPE, TMRL e TCT, sobressaindo o sexo feminino nas variáveis de Coordenação Motora Grossa (CMG). INSERIR FIGURA Em relação à Coordenação Motora Fina (CMF) os dois grupos feminino e masculino, mostraram diferenças nas variáveis analisadas, TMFN (Tempo de Miçangas no Fio de Naylon), TBC (Tempo de Botões na Camisa), TJE (Tempo de Jogo de Encaixes) e TVP (Tempo de Varal de Prendedores). O sexo feminino sobressaiu-se em relação ao masculino, contudo, constatou-se diferença significante apenas na variável TVP, em que se destacou o sexo masculino, conforme Figura 2. Tal diferença não é estatisticamente significante ao comparar os sexos, permanecendo o sexo feminino em destaque na Coordenação Motora Fina. INSERIR FIGURA Ao analisar a Coordenação Óculo Manual (COM) dos grupos feminino e masculino na variável AMD (Arremesso com Mão Direita) constatou-se diferença estatística pelo teste t, com destaque do sexo feminino. Na variável AME (Arremesso com Mão Esquerda) não houve diferença estatística nos dados, conforme mostra a Figura 3.

9 INSERIR FIGURA No entanto, na Coordenação Óculo Pedal (COP), em ambas as variáveis GPD (Gol com Pé Direito) e GPE (Gol com Pé Esquerdo), o sexo masculino sobressaiu, ao analisar estatisticamente as variáveis pelo teste t, conforme mostra Figura 4. INSERIR FIGURA Em relação ao Equilíbrio Estático (EE), as amostras demonstram que nas variáveis TPCD (Tempo Parado dentro do Círculo com pé Direito), TPCE (Tempo Parado dentro do Círculo com pé Esquerdo), TPL (Tempo Parado sobre a Linha) e TPP (Tempo Ponta do Pé) foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os grupos ao comparar os sexos, permanecendo o sexo masculino em destaque em todas as variáveis, conforme Figura 5. INSERIR FIGURA No Equilíbrio Dinâmico (ED), com apenas uma variável, TMB (Tempo de Marcha sobre a Barra), foi verificado que houve diferença estatística pelo teste t entre os grupos feminino e masculino permanecendo em destaque o sexo feminino em relação ao sexo masculino, como mostra Figura 6. INSERIR FIGURA DISCUSSÃO O propósito deste estudo foi verificar o comportamento motor de crianças na faixa etária de 04 anos de idade. Especificamente objetivou-se comparar os sexos masculino e feminino nas Coordenações Motoras e Equilíbrio na faixa etária de 04 anos de idade. Com base nos resultados estatísticos constatou-se que o comportamento motor é diferenciado em ambos os sexos masculino e feminino, no decorrer dos 04 anos de idade.

10 Segundo o teste t, com a comparação de médias, verificou-se que as variáveis analisadas são quantitativas, mas não dependem dos grupos etários, ambos os grupos podem ser interpretados separadamente. Esses achados suportam a hipótese de que a organização do comportamento motor da criança pode refletir a capacidade inata da criança de regular o despertar, onde o estado comportamental é que determina o tônus muscular, o movimento espontâneo e a resposta a estímulos. Assim, crianças pouco estimuladas demonstram incapacidades de interagir, e hiperestimuladas mostram sinais de instabilidade autônoma. Portanto, a necessidade de equilibrar a responsabilidade ao mundo externo contra a instabilidade interna é o principal desafio do comportamento da criança. Tal hipótese está baseada nos estudos de VELASCO (1997). A diferenciação de tempos de execução das variáveis pode ser causada pela mudança de postura e movimento, cujo resultado é considerado notável; uma vez que o comportamento motor na idade de 04 anos é mais efetivo por existir um maior domínio motor, adquirido à custa da co-contração tônica dos músculos da profundidade e ação de suporte, em que os fusos neuromusculares atuam tonicamente como mecanismos de feedback sensorial em comunicação com o Sistema Nervoso Central (FONSECA,1992). De acordo com a visão do desenvolvimento e organização psicomotora, enfocada por vários autores, observa-se que sua resultante é a integração de dados proprioceptivos e exteroceptivos. Assim constatou-se que nas tarefas de Coordenação Motora Grossa (CMG), aumenta significantemente o desempenho no grupo etário do sexo feminino, fato que se faz importante, devendo ressaltar que, conseqüentemente, o grupo etário apresenta maiores recepções de informações sensoriais, táteis, quinestésicas, vestibulares e visuais; havendo uma maior integridade proprioceptiva, conferindo ao grupo melhores condições de estabilidade postural. Tal hipótese refere-se aos estudos propostos por FONSECA (1992); ECKERT (1993). Ao ser analisada a Coordenação Motora Fina (CMF), comprovaram-se variáveis consideráveis na execução das tarefas, destacando o sexo feminino; no entanto, apenas na tarefa 4 (VP) constatou-se diferença significante para o sexo masculino. Tal resultante pode ser devido à informação proprioceptiva, conforme FONSECA (1992). Os achados estudados corroboram as teses de BRANDÃO (1984), ao afirmar que os sistemas de movimentos adquiridos são resultantes das coordenações reflexas elevadas a um nível superior de integração. Para Brandão, estes sistemas de movimentos são movimentos coordenados em função de um resultado. Comparando os dados das Figuras 3 e 4, verifica-se que o destaque significativo na Coordenação

11 Óculo Manual (COM) ocorreu no grupo etário do sexo feminino, enquanto o destaque significativo na Coordenação Óculo Pedal (COP) ocorreu no grupo etário do sexo masculino. Tais constatações indicam que o sexo feminino possui melhores capacidades de coordenar movimentos manuais com referências perceptivo-visuais, avaliação da distância e precisão de lançamentos com efetiva dinâmica de planejamento motor. No entanto, o sexo masculino apresenta melhores capacidades de coordenar movimentos pedais com referências perceptivovisuais. Tais comprovações envolvem explicações de FONSECA (1992). Com base nos resultados estatísticos, ao serem comparadas as Figuras 5 e 6, é possível verificar que, no Equilíbrio Estático (EE), o grupo etário masculino se destacou, enquanto no Equilíbrio Dinâmico (ED) se destacou o grupo etário feminino. Tal diferenciação constata experimentalmente que o sexo masculino possui maior domínio de capacidades de imobilidade, e já o sexo feminino demonstra melhor orientação controlada do corpo em situações de deslocamento no espaço. Esses achados sustentam a hipótese de que atingir segurança gravitacional é sinônimo de desenvolvimento da atenção seletiva e de manutenção da função primordial do cérebro, em que os exteroceptores se abrem ao mundo envolvente, a fim de organizar as funções psíquicas superiores, corroborando as afirmações de FONSECA (1992). Dessa forma, o presente estudo confirma que, para um harmônico desempenho e desenvolvimento da criança, surge a necessidade principal de uma constante estabilidade postural, e conseqüentemente ocorrerá melhor eficiência motora, cognitiva, intelectual e mental. 5 CONCLUSÃO Conclui-se com este estudo que o sexo feminino obteve maior aproveitamento entre os diferentes testes aplicados: MLR, SPJ, SPD, SPE, MRL, CT; MFN, BC, JE; AMD, AME; TMB, em relação ao sexo masculino: VP; GPD, GPE; PCD, PCE, PL, PP.Tais resultados podem ser influenciados por estímulos ou restrições ambientais quanto às Atividades de Vida Diária (AVD). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRANDÃO, Juércio Samarão. Desenvolvimento Psicomotor da Mão. Rio de Janeiro: Enelivros, p.

12 ECKERT, Helen M. Desenvolvimento Motor. 3ed. São Paulo: Manole, p. FONSECA, Vitor da. Manual de Observação Psicomotora. Porto Alegre: Artes Médicas, p. KANDEL, Eric R. et al. Fundamentos da Neurociência e do Comportamento. Rio de Janeiro: Pretince Hall do Brasil, p. LEVIN, Esteban. A Clínica Psicomotora: o corpo na linguagem. Petrópolis: Vozes, p. VELASCO, Cacilda Gonçalves. Natação Segundo a Psicomotricidade. 2ed. Rio de Janeiro: Sprint, p. ANEXOS Sujeitos TABELA 1. Caracterização dos sujeitos do estudo quanto à idade em meses, sexo (F=feminino e M= masculino), idade gestacional (IG), peso ao nascimento (PN), comprimento ao nascimento (CN). Sujeito Idade (meses) Sexo IG (semanas) PN (g) CN (cm)

13 F F F F F M M M M M ,235 3,250 2,740 3,050 2,560 4,350 3,100 3,330 3,580 3, M DP 52,5 2,06 39,6 0,66 3,234 0,46 49,2 2,13 Resultados Coordenação Motora Grossa

14 Feminino Masculino TMLR TSPJ TSPD TSPE TMRL TCT FIGURA 1. Comparação entre a média do tempo de execução das tarefas de Coordenação Motora Grossa entre os sujeitos dos grupos masculino e feminino.

15 Resultados Coordenação Motora Fina TMEN TBC TJE TVP Feminino Masculino FIGURA 2. Comparação entre a média do tempo de execução das tarefas de Coordenação Motora Fina entre os sujeitos dos grupos masculino e feminino. Resultados Coordenação Óculo Manual 2 1,5 1 0,5 Feminino Masculino 0 AMD AME FIGURA 3. Comparação entre a média do número de arremessos dos segmentos superiores, referentes à Coordenação Óculo Manual entre os sujeitos dos grupos masculino e feminino.

16 Resultados Coordenação Óculo Pedal 2 1,5 1 0,5 Feminino Masculino 0 GPD GPE FIGURA 4. Comparação entre a média do número de gols dos segmentos inferiores, referentes à Coordenação Óculo Pedal entre os sujeitos dos grupos - masculino e feminino. Resultados Equilíbrio Estático TPCD TPCE TPL TPP Feminino Masculino FIGURA 5. Comparação entre a média do tempo de execução das tarefas de Equilíbrio Estático entre os sujeitos dos grupos masculino e feminino.

17 Resultados Equilíbrio Dinâmico Feminino Masculino 0 TMB FIGURA 6. Comparação entre a média do tempo de execução das tarefas de Equilíbrio Dinâmico entre os sujeitos dos grupos masculino e feminino.

Prof. Dr. Vitor da Fonseca

Prof. Dr. Vitor da Fonseca INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO Bateria Psicomotora (BPM) Prof. Dr. Vitor da Fonseca Bateria Psicomotora (BPM) É um instrumento de observação cuja construção só foi possível ao longo de 20 anos de convivência

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

DESENVOLVENDO A ESTRUTURAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL ATRAVÉS DOS PRÍNCÍPIOS DO FUTSAL

DESENVOLVENDO A ESTRUTURAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL ATRAVÉS DOS PRÍNCÍPIOS DO FUTSAL DESENVOLVENDO A ESTRUTURAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL ATRAVÉS DOS PRÍNCÍPIOS DO FUTSAL Valéria Queiroz David 1 Simone Moreira 2 Maurício Augusto Pereira 3 Elix Victor Palomari Silva 4 Leonardo Celestino da Silva

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA CONTROLE POSTURAL Controle Postural Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente Estabilidade postural ou equilíbrio: capacidade de manter CDM nos limites

Leia mais

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem.

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem. A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil e suas contribuições no desenvolvimento e no processo da aprendizagem. O que é psicomotricidade? É a relação entre os aspectos motores, intelectuais

Leia mais

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estrutura Funcional do Sistema Nervoso Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estágios inicias da formação do SN O sistema nervoso humano começa a ser formado logo após a fecundação. À medida que se desenvolve

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras XVIII Semana de Estudos Pedagógicos, FAFICA Prof. Marcelo Velloso Heeren Catanduva, 2012 Sistema Nervoso Neurônio Neurônio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de

Leia mais

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz Coordenação Motora Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz É compreendida como resultado da relação entre o indivíduo que realiza o movimento, o ambiente e a tarefa realizada por este,

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil e Psicomotrocidade

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino Conteúdos abordados Prof. Ivan Lima Schonmann CREF 082406-G/SP Deficiência intelectual e motora Definição Classificação Características Estratégias de trabalho Deficiência Intelectual (DI) IBGE 2010 Censo

Leia mais

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Atividade Física e Esporte Adaptado Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Introdução No mundo: 610 milhões de pessoas deficientes No Brasil: 14,5% algum tipo de deficiência (WHO, 2003) 27% física/motora

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br 1 DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA COMPORTAMENTO MOTOR O comportamento motor estuda de que maneiras seu cérebro e sistema nervoso se desenvolveram e se ajustaram a fim de melhorar seu controle e sua

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE GERMANO¹, Cristina de Fátima Martins; LEMOS², Moema Teixeira Maia; LIMA 3, Vânia Cristina Lucena;

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN Leonardo Triaca 1 ; Elizabeth Emma Soares de Nunez 2 ; Adriana Zilly 3 RESUMO: Com a política de inclusão

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS.

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. ELISANGELA M ISENSEE, VANESSA ANTHEWITZ, ANDRIZE R COSTA, RAFAEL KREMER Faculdade Metropolitana de Blumenau

Leia mais

Maternal 3 anos Educação Infantil

Maternal 3 anos Educação Infantil Maternal 3 anos Educação Infantil Eixo temático: Tema: Joca e suas aventuras As crianças, nesta fase, caracterizam-se pelo movimento e pela ação. Agem ativamente em seu entorno, acompanhando seus movimentos

Leia mais

A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista

A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista Belém 2012 Gisely Avelar Terapeuta Ocupacional; Formação em Estimulação e Educação Psicomotora/UEPA; Mestranda em Psicologia/UFPA.

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Mateus David Finco RESUMO Neste trabalho é apresentada uma análise das atividades de raciocínio lógico em aulas de Educação Física,

Leia mais

Ficha de Observação Psicomotricidade

Ficha de Observação Psicomotricidade Observações Ficha de Observação Psicomotricidade Nome: Idade: Data: Nota: esta ficha consiste numa redução da bateria psicomotora, algumas tarefas foram retiradas de outros instrumentos de avaliação (ABC).

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto PSICOMOTRICIDADE Professora Tatiana Comiotto Significado PSICO: Intelectual, cognitivo emocional, afetivo, mental e neurológico. MOTRICIDADE: Movimento, ato, ação, gesto. PSICOMOTRICIDADE é a realização

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

Psicomotricidade. Psicomotricidade

Psicomotricidade. Psicomotricidade Psicomotricidade A Psicomotricidade é uma área científica que estuda e investiga as relações entre o psiquismo e a motricidade. É uma reeducação ou terapia de mediação corporal e expressiva, onde o terapeuta

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Ataxias Acd. Flora Paz w w w. s c n s. c o m. b r Caso clínico Paciente F.C.S, 50 anos, sexo masculino, etilista crônico

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

Alexia: Perda da capacidade de leitura de letras manuscritas ou impressas.

Alexia: Perda da capacidade de leitura de letras manuscritas ou impressas. Afasia: Perda da capacidade de usar ou compreender a linguagem oral. Afasia é a perda da linguagem decorrente de lesão cerebral que, na maior parte das vezes, ocorre do lado esquerdo do cérebro. Agnosia:

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL RESUMO A dislexia é um transtorno no déficit linguístico que dificulta a aprendizagem de leitura, escrita, soletração e decodificação

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Regina Lucia Napolitano e Felício Felix Batista ISEP, Mestranda em Ciências Pedagógicas, UNIG, Brasil 1. INTRODUÇÃO Segundo estudos desenvolvidos

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental DESAFIOS: I. Desenvolver habilidades e competências que estão na base de toda aprendizagem, considerando três campos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO MOTOR

SISTEMA NERVOSO MOTOR SISTEMA NERVOSO MOTOR CÓRTEX MOTOR O cérebro é o órgão que move os músculos. sculos. Neil R. Carlson 1 CÓRTEX MOTOR ORGANIZAÇÃO DO CÓRTEX MOTOR Córtex motor primário: principal região controladora para

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque

Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque O Desenvolvimento Motor (DM) pode ser entendido como um processo seqüencial, contínuo e relacionado à idade cronológica, pelo qual o ser humano

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA AULA 1 A Importância da Observação Psicológica em Neuropsicologia Infantil. Fundamentação Teórica e Apresentação de Caso Clínico Denise Gonçalves Cunha Cotuinho Psicóloga Especialista em Neuropsicologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO. PALAVRAS CHAVES: crianças, natação e perfil psicomotor.

PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO. PALAVRAS CHAVES: crianças, natação e perfil psicomotor. 1 PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO Samanta Garcia de Souza - UEG/UNIVERSO Laisse Queiroz Souza - UNIVERSO RESUMO O objetivo do estudo foi identificar o perfil psicomotor de crianças

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Deficiência Intelectual Síndrome de Down. Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais SEME

Deficiência Intelectual Síndrome de Down. Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais SEME Deficiência Intelectual Síndrome de Down Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais SEME A Síndrome de Down é uma deficiência de origem genética, que ocorre quando crianças

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

Brincadeiras. Atividade 1

Brincadeiras. Atividade 1 Objetivos retomar as atividades motoras com características lúdicas; propiciar situações motoras lúdicas com diferentes possibilidades de inferências e de compreensão da cultura do jogo; propiciar situações

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL MOVIMENTO SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR: Carla Iappe

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN Autora: Eliza Christina Toscano de Mendonça 1 Co-autores: Luanda

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015

Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Atividades 2015 ATENDIMENT Realizar o atendimento às pessoas com Centro de Atendimento, Acompanhamento e Animação para pessoas com Deficiência Plano de Ativ 2015 CALENDARIZA- ÇÃ Informar, apoiar e orientar as pessoas

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO EM CRIANÇAS DE 5 ANOS RESUMO

EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO EM CRIANÇAS DE 5 ANOS RESUMO EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO EM CRIANÇAS DE 5 ANOS Mariana Bodelão Pereira Natália Fregonese Zuleika C. Leite de Toledo RESUMO Esta pesquisa justifica-se na necessidade

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Palavras chave: Integração Sensorial. Parque infantil. Paralisia Cerebral. Terapia Ocupacional.

Palavras chave: Integração Sensorial. Parque infantil. Paralisia Cerebral. Terapia Ocupacional. A Terapia Ocupacional promovendo a integração sensorial ao intervir em uma criança de seis anos que apresenta paralisia cerebral hemiparética em parque infantil Resumo: Ana Carolina dos Santos Santana

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE REGULAR DE ENSINO SOBRE DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE REGULAR DE ENSINO SOBRE DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, a de outubro, 01 99 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE REGULAR DE ENSINO SOBRE DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR Amanda Galvão de Oliveira, Tânia

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

A Criança e a Música

A Criança e a Música António José Monteiro da Costa A Criança e a Música Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Pedagogia e Didáctica da Expressão Corporal e Artística Vila Nova de Gaia, Junho de 2011 Ano

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 UTILIZAÇÃO DO LÚDICO NO TRATAMENTO DA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL REALIZADO POR UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR. Patrícia Cristina Nóbrega Contarini Fabiana da Silva Zuttin Lígia Maria Presumido Braccialli

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais