CAPITALISMO EM PERSPECTIVA: UM BREVE ESTUDO SOBRE CRISES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITALISMO EM PERSPECTIVA: UM BREVE ESTUDO SOBRE CRISES"

Transcrição

1 A MARgem A MA evista gem Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes ISSN CAPITALISMO EM PERSPECTIVA: UM BREVE ESTUDO SOBRE CRISES Rodrigo Janoni Carvalho (UFU) [1] Introdução Neste trabalho buscamos discutir algumas características sobre importantes crises do capitalismo nos últimos séculos, com ênfase na Grande Depressão que assolou o mundo em 1929 e a recente crise imobiliária norte-americana de Além destes momentos de tensão econômica, podemos apontar também outras crises de destaque, como a do petróleo nos anos 1970 ou, mais distantes ainda, as primeiras crises capitalistas relacionadas com as grandes navegações durante os séculos XVII e XVIII. Consideramos este breve estudo como um breve artigo, uma vez que para uma abordagem maior de um tema tão expressivo seriam necessárias pesquisas profundas demandando muito mais fôlego do que o realizado. Contudo, ILEEL esta análise pode-se consolidar como insuflador de um tema fortemente presente nos meios de comunicação recentes. O diálogo com diversas fontes, como se observa ao longo do texto, nos permite pensar alguns efeitos sociais que as crises econômicas provocam e as medidas adotadas no meio político em nível mundial, sob diferenciados pontos de vista. Breve histórico do sistema capitalista As primeiras características do capitalismo apareceram desde os fins do medievo num processo de transferência do centro da vida econômica, social e política com

2 90 ênfase no crescimento das cidades. Num primeiro momento, considerado précapitalista, podemos perceber alguns fatores que contribuíram na formação do sistema. Neste período, basicamente compreendido entre os séculos XVI ao XVIII, encontrou-se um forte acúmulo de riquezas gerado principalmente pelo comércio de especiarias e matérias-primas para além do solo europeu. Um outro momento bastante característico da formação deste sistema econômico é o capitalismo fabril pautado na revolução industrial por volta da segunda metade do século XVIII inicialmente na Inglaterra. O acúmulo de riquezas originárias do comércio de produtos industrializados e a enorme capacidade de transformação do ambiente são algumas características deste industrialismo, onde houveram consideráveis avanços tecnológicos e uma multiplicação de lucros ainda maior. Nos fins do século XIX consolida-se uma nova fase capitalista: a monopolista financeira. Ocorre um crescimento acelerado da economia capitalista sob um forte processo de centralização de capitais em indústrias, bancos, casas comerciais e principalmente, na acirrada concorrência. Como aponta John Hobson, é nessa estrutura do capitalismo moderno que a figura do financista se torna uma autoridade no sistema, onde em muitas situações pequenos grupos financeiros controlam os destinos industriais e políticos de países inteiros (HOBSON, 1983). É nesse momento que as corporações ganham espaço e influência cada vez maiores. Situação esta que se torna mais complexa até os dias atuais e pode ser perceptível na força de grandes empresas e financistas. O filme documentário The Corporation ilustra bem este cenário ao descrever o surgimento das corporações como pessoas jurídicas e que tipo de pessoas seriam do ponto de vista psicológico, além de evidenciar alguns aspectos como exploração de mão-de-obra ou a devastação do meio ambiente. Seria simples recortar fases do capitalismo para explicar a constituição deste sistema econômico-social. Devemos considerar que sua história representa uma longa duração onde encontramos diversas experiências políticas, sociais e econômicas. Para além de pontuar alguns momentos característicos do capitalismo, precisamos olhar para os momentos de crise que fizeram parte do seu próprio crescimento. Compreender as crises que o sistema vivenciou é fundamental para análise de alguns marcos e caracterizações.

3 O século XX foi marcado por períodos fundamentais para a história do sistema capitalista. Primeiramente, dos anos 1910 aos 1940 alastrou-se a era da guerra total, como denomina Eric Hobsbawm. No período entre-guerras, a crise de 1929 marcou uma forte depressão, a maior então do capitalismo. Houvera um forte abalo na lógica capitalista pela superprodução resultando numa depressão ao longo dos anos A Segunda Guerra Mundial viria solucionar os problemas daqueles anos, isto é, a guerra fortaleceria o sistema com base na vitória das principais potências ocidentais. O pós-guerra ( ) é marcado pelo maior e melhor período de crescimento capitalista caracterizado como uma fase fordista-keynesiana ou era de ouro nas palavras de Hobsbawm. Este foi o segundo momento de destaque no século passado, representando bons ares ao sistema. Em seguida, na conflagração da conhecida crise do petróleo, temos a reformulação capitalista com base na fase de acumulação flexível perante uma era de crises e incertezas. O próprio petróleo, grande símbolo daquela crise, foi envolvido em diversas guerras político-ideológicas. Os anos 1970 e 1980, politicamente, foram marcados pela consolidação do neoliberalismo na Inglaterra (Margareth Thatcher), nos Estados Unidos (Ronald Reagan) e Chile (Augusto Pinochet). O Brasil experimentaria este modelo de gestão estatal nos anos À respeito das crises capitalistas Alexandre Versignassi aponta que estas acabam e voltam, pois a economia vive de ciclos, como as estações do ano, de acordo com o mesmo. Logo, o que acontece hoje em função do mercado imobiliário norte-americano é comum na história. O século passado foi marcado por diversas crises, onde se firmaram problemas para a lógica capitalista. Contudo, se renovando o capitalismo apresenta novas formas de rearticulação de políticas econômicas perante o louvado progresso tecnológico suportando novas fronteiras. Para alguns talvez seja possível um outro mundo fora do capitalismo; para outros um dia o sistema cairá por terra. Todavia, é complicado pensar em cenários futuros, principalmente diante de uma crise tão breve como a atual. Somente lançando mão do tempo e de suas transformações que podemos pensar em novas formas de desenvolvimento, dado que o capitalismo se faz presente em nossas vidas se reconfigurando numa velocidade ainda mais surpreendente a cada abalo que sofre. 91

4 Transformações capitalistas no século XX Como apontamos, a Grande Depressão de 1929 caracterizou um maior colapso capitalista até aquele momento então. Foi um período considerado o de maior recessão econômica causando altas taxas de desemprego, queda de produtos internos, quedas de produção industrial e de ações. Com o fim da Primeira Guerra Mundial, os países europeus se encontravam devastados e economicamente enfraquecidos mediante uma retração de consumo gritante. Os Estados Unidos, em contrapartida, foi beneficiado com os resultados de guerra, aproveitou o momento com lucros exorbitantes face às suas exportações, tornando-se assim o maior credor mundial e superando a posição ocupada pela Inglaterra durante tantos anos. [...] as guerras foram visivelmente boas para os EUA. Sua taxa de crescimento nas duas guerras foi bastante extraordinária, quando aumentou mais ou menos 10% ao ano. Em ambas os EUA se beneficiaram do fato de estarem distantes da luta e serem o principal arsenal de seus aliados, e da capacidade de sua economia de organizar a expansão da produção de modo mais eficiente que qualquer outro.[4] (HOBSBAWM, 1995, p. 55) 92 A produção norte-americana atingiu taxas de prosperidade nunca antes experimentadas caracterizando, num primeiro momento, o chamado American Way of Life, durante os anos 1918 e 1928, onde era perceptível níveis de qualidade de vida excelentes, geração de empregos, ILEEL queda de preços, aumento da produtividade da agricultura, consumo intensivo, expansão de crédito e parcelamento de pagamentos. Entretanto, com o passar dos anos as economias européias se reergueram e passaram a importar cada vez menos dos norte-americanos, caracterizando uma retração de consumo. Haviam mais mercadorias do que consumidores. Isto ocasionou uma forte queda da produção e o aumento do desemprego. Tal retração geral provocou a queda das ações no mercado em função da crise de superprodução deflagrada. Este cenário perdurou até 1933 sendo revertido após os primeiros efeitos provocados pelo New Deal, encabeçado por Keynes, com base em diversos programas de ajuda social. A Segunda Grande Guerra viria por solucionar economicamente os países vencedores,

5 93 liderados pela potência americana. O pós-guerra representou uma era de ouro e prosperidade único para o capitalismo, pelo menos aos países liberais ocidentais. As décadas de 1950 e 1960 foram marcadas pela organização fordista-keynesiana, pela estética modernista e a funcionalidade e eficiência do trabalho. A elevação do padrão de vida e de tecnologia modificou os hábitos das pessoas. Percebemos uma forte intervenção estatal pela tomada de frente por parte deste organismo no controle das políticas fiscais e monetárias. É este mesmo que determina as prioridades de investimentos em transportes, indústrias de base, políticas de seguridade social, educação, habitação, saúde, etc. Com base naquela prosperidade, a produção e o consumo são ampliados pelos fluxos de comércio internacional e de investimentos, em que os Estados Unidos assumiram uma posição hegemônica como grande banqueiro mundial chegando às partes mais extremas pelos braços das corporações. Se por um lado os benefícios foram grandes, nem todos foram atingidos de forma homogênea. A exclusão permaneceu e os serviços públicos de má qualidade também. Percebe-se uma extensão das periferias das cidades e freqüentes fluxos migratórios. Há ainda destruições de culturas locais pela massificação e globalização, ressaltando as contradições do capitalismo. O crescimento anteriormente apontado encontrou seus limites em torno da crise do petróleo nos anos Para alguns autores como David Harvey, aquele momento histórico de crise é caracterizado como uma fase de acumulação flexível face à uma era de incertezas e crises (HARVEY, 2009, p. 6-7). O embargo dos países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo OPEP foi fatal aos países europeus e os Estados Unidos, de modo que houve um déficit de oferta, nacionalizações de petrolíferas e uma série de conflitos envolvendo os grandes produtores árabes. Os preços do barril atingiram valores expressivos aumentando em torno de 400% e desestabilizando a economia mundial. Em 1956, o presidente do Egito nacionalizou o canal do Suez de antiga propriedade de capitais ingleses e franceses provocando uma crise devido a importância do canal como passagem de exportações na região. Em seguida, a então crise do petróleo de 1973 foi marcada pelo aumento considerável do preço do barril de

6 petróleo como forma de protesto antiamericano e antiisraelita. É nesta década ainda que ocorre uma crise política no Irã e guerra deste país com o Iraque, provocando uma desorganização do setor petrolífero. Posteriormente, em 1991, a Guerra do Golfo protagonizou episódios de incêndio de poços petroleiros por parte dos iraquianos, ocasionando impactos ambientais e econômicos enormes. A quadruplicação dos preços exigiu ajustes macroeconômicos em todos países industrializados, de modo que a acumulação flexíveis de capitais se tornou um marco decisivo nas gestões político-econômicas sejam pelas mudanças tecnológicas seja pela automação e constituição de novas linhas de produção. Como conseqüência houve uma flexibilidade dos processos de trabalho e dos padrões de consumo. O acesso à informação é vital na atualidade provocando mudanças nas noções de tempo e espaço, assim como uma maior pressão sobre a força de trabalho. Estes anos neoliberais apresentaram níveis altos de desemprego, ganhos modestos de salários e um sucateamento dos recursos materiais e humanos, principalmente pelo mercado terciarizado. A acumulação flexível é marcada pela sua rapidez de giro da produção e do consumo. Em função disto, ocorreu uma reorganização do sistema econômico em evidência do poder do Fundo Monetário Internacional FMI e do Banco Mundial. Percebemos mudanças na estrutura de poder, em que os Estados Unidos se tornaram mais dependentes que nos anos de Guerra Fria do comércio exterior com o crescimento do poder financeiro e a capacidade de produção européia, japonesa e chinesa. A crise de 2008 A atual crise financeira em função do mercado imobiliário norte-americano não tem nada de nova nem significa o começo do fim do capitalismo. A sua abrangência, em mesma medida que as crises anteriormente apontadas, é global pelo fato de hoje não existirem mais fronteiras econômicas. As crises são inerentes ao sistema capitalista e renovam este cada vez mais que se evidenciam. Apesar das interferências governamentais, a crise atual se alastrou pela queda de valores de imóveis. Os financiadores que contavam com uma valorização dos imóveis aumentaram as taxas de crédito; este acréscimo levou a um aumento da inadimplência em virtude de 94

7 95 mais imóveis terem sido retomados para saldar dívidas e ao serem colocados no mercado contribuíram para a baixa de preços. Quando era tarde e o mercado percebeu a bolha existente, o ciclo passou a operar em outra direção, desvalorizando os imóveis e aumentando taxas e devedores inadimplentes. No princípio, esta crise era encarada como apenas um pequeno problema de não-pagamento naquele setor específico estadunidense, caracterizada como crise do subprime. Na segunda metade de 2008, inúmeras notícias negativas derrubaram as principais bolsas de valores mundiais. O tesouro norte-americano assumiu o controle de companhias do setor hipotecário como as irmãs Fannie Mãe e Freddie Mac e o quarto maior banco americano, Lehman Brothers, que pediu concordata. Para se ter noção dos impactos, a American International Group AIG solicitou ajuda monetária na cifra de US$ 40 bilhões de dólares. A denominada crise do subprime ganhou destaques e se transformou numa recessão financeira internacional. Assim, derrubaram-se os arranjos sobre os quais as modernas políticas desenvolvimentistas se sustentavam. A crise necessitou de uma intervenção mais incisiva dos aparelhos estatais sobre a dinâmica econômica, pela busca de soberania dos Estados no zelo de suas políticas de seguridade de emprego, renda, consumo e investimento. Uma crise iniciada no mercado imobiliário se infiltrou no sistema financeiro e se espalho por vários setores econômicos. O enorme risco de falência mobilizou o governo norte-americano a propor pacotes bilionários de ajuda aos bancos com balanços comprometidos. O mercado de trabalho sofreu uma forte contração no aumento de taxas de desemprego, chegando a 2,6 milhões de pessoas nesta situação, uma taxa maior desde o fim da II Guerra (FOLHA, 2009). Neste cenário de crise surgiram os conflitos urbanos, que segundo Harvey, são decorrências da acumulação de capital. O mercado deveria ser regulado por algum órgão internacional e não ser deixado se auto-regular. Para além disso, os Estados Unidos deveriam ser monitorados de modo que agem livremente de qualquer controle sobre as leis de mercado (HARVEY, 2009, p. 6-7). Assim, a crise deve ser encarada com um fenômeno urbano do ponto de vista de Harvey. Esta recessão deveria ser discutida com base no super-aquecimento do mercado imobiliário americano desde os anos O consumidor americano teve seu

8 orçamento arrochado e o fornecimento de crédito aumentou, logo as pessoas não saldavam suas dívidas e continuavam gastando. O capital financeiro poderia assim atuar no cenário urbano fornecendo moradias e estimulando demanda pelas mesmas. Para o Brasil, os efeitos não foram imediatos devido à regulação bancária mais rígida que dos países desenvolvidos. O país não contaminado pelos títulos podres do sistema hipotecário americano e manteve patamares de crédito e liquidez aceitáveis. Todavia, ao ser atingido na esfera real da economia, grandes partes dos setores do aparto produtivo nacional demonstraram vulnerabilidade frente à crise deflagrada. As grandes evidências disto foram os níveis recordes de demissões registrados no início de 2009 como resultado da expressiva queda da atividade industrial. O ônus social do capitalismo Diante das massivas notícias sobre a crise atual nos mais variados meios de comunicação percebemos diversas variáveis relativas à queda da bolsa, ao risco país, às perdas de setores econômicos e incríveis taxas de desemprego. Contudo, perante tantas informações pouco se considera os impactos reais às vidas das pessoas frente essa avalanche de informações predominantemente marcadas por números e mais números. Dessa forma, precisamos pensar também a situação das pessoas que se envolvem com os efeitos diretos das crises econômicas e têm suas vidas transformadas, assim como seus sonhos e anseios pela quebra de uma montadora ou um grande banco, por exemplo. No estado de Minas Gerais, cidade que se dedicam exclusivamente às atividades mineradoras sofreram grande impacto com a perda de arrecadação proveniente em última análise da crise mundial. Pense no impacto que uma paralisação de uma grande siderúrgica ou mineradora provoca numa cidade que vive basicamente desta atividade. Socialmente os impactos são profundos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, a taxa de desemprego no Brasil saltou de 8,5 para 9,0 no mês de março de 2009 (BRASIL, 2009). Nos Estados Unidos 651 mil postos de trabalho foram fechados em fevereiro do mesmo ano e a Espanha possuía uma das maiores taxas de desemprego do mundo e a maior do continente europeu (UNITED STATES, 2009). São pessoas reais, nossos 96

9 vizinhos ou nós mesmos e não somente as perdas financeiras estimadas em 4 trilhões de dólares [2] que são afetadas. Estas são algumas razões para também pensarmos o lado social mediante os efeitos das recessões econômicas. Um olhar sobre as crises Para Alexandre Versignassi, a crise que estamos vivenciando vai acabar. E voltar. O autor cita como exemplo uma situação semelhante vivenciada a mais de 300 anos na Inglaterra. De uma hora para outra a crise surgiu, a bolsa de valores despencou e o dinheiro ficou raro. Os empréstimos sumiram e todos começaram a gastar menos. Não haviam créditos nem clientes e várias companhias fecharam, principalmente as de navegação. Naquele tempo, o governo precisou agir para evitar o colapso completo delimitando os grandes culpados pela crise: a ganância dos homens. Pode parecer incrível, mas tudo isto ocorreu em O estado inglês precisou intervir colocando rédeas no mercado financeiro após o estouro da bolha que deu lugar a maior crise dos primórdios do capitalismo. Aquele cenário nos traz semelhanças com o mundo de agora. A atual crise não tem nada de nova nem significa o começo do fim do capitalismo; somente é maior na medida em que hoje não existem mais barreiras econômicas. São basicamente quatro passos que as crises capitalistas enfrentaram: ) Novas oportunidades de investimento (Internet, imóveis, etc.) criam chances de lucros cada vez maiores no mercado financeiro; 2) Quanto mais lucro se espera, mais as ações sobem. Investidores novatos entram no negócio; 3) Companhias novas lançam ações para aproveitar a euforia. Pessoas e empresas fazem fortunas da noite para o dia. O crédito fica facinho; 4) As expectativas de lucro não viram realidade. Investidores fogem. Bancos tomam calote. O crédito some, a economia trava. E vem a crise. (VERSIGNASSI, 2009, p. 25-6) 97 Mesmo diante da crise citada, do século XVII, a mesma serviu de base para construção do mundo e fortalecimento do sistema econômico graças ao cassino de

10 98 ações e a invenção do comércio global. Depois disso vieram dezenas de crises e transformações para o capitalismo, de modo que este se revitaliza a cada abalo modificando-se às novas realidades que enfrenta. Frederico Mazzucchelli apresenta uma interessante análise em entre alguns aspectos da crise de 1929 e a de Num contexto de intensas incertezas que vivemos é inevitável este tipo de comparação na medida em que observamos o profundo impacto da recessão que assola parte significante do sistema financeiro global. Mais ainda, a produção, os empregos, os investimentos, de modo geral, a situação econômico-social foram fortemente afetadas. O peso das riquezas das operações financeiras e a interligação de vários segmentos de mercado em escala mundial são hoje infinitamente maiores do que no final da década de Estamos atualmente diante de um processo monumental de desvalorização de ativos superior àquele momento registrado. Por outro lado, a intervenção de governos no andamento da crise atual foi está sendo muito maior e imediata, principalmente no que diz respeito à concessão de capitais ou estatização de empresas quebradas. O fato é que tudo isto ocorre depois desta fase tão larga, sem paralelo na história do capitalismo, de 50 anos de acumulação ininterrupta (salvo uma pequeníssima ruptura em 1974/75) assim como também tudo o que os círculos capitalistas dirigentes, e em particular os bancos centrais, aprenderam da crise de 29, tudo isso faz com que a crise avance de maneira bastante lenta (CHESNAIS, 2009). Mazzucchelli considera a ação dos governos como tipicamente keynesiana pela busca do fortalecimento do circuito de crédito-gasto-renda, em que os líderes dos países buscam intervir na economia mediante absoluta preferência pela liquidez. Este cenário era impensável em Em contrapartida, há uma semelhança interessante naquelas duas situações de recessão: a fragilidade da regulação e o relaxamento da percepção de riscos. Durante a Grande Depressão, as respostas para a crise foram primeiramente desastradas e geraram problemas como a propagação de quebras, contração da produção e explosão do desemprego. Naquele caos econômico-social, os governos norte-americano e alemão, firmados em projetos disciplinadores, conseguiram reverter a situação de colapso com a regulação rígida do sistema financeiro. Roosevelt promoveu

11 o saneamento do setor bancário estadunidense e estabeleceu regulamentações financeiras abandonando o padrão-ouro e colocando o dólar em progressiva trajetória de queda. Assim, os juros estavam libertos do câmbio fixo e a expansão de crédito bancário pôde irrigar a economia e estimular a alta dos preços. Hitler converteu o sistema financeiro como um braço do Reichbank impondo controle absoluto nas transações de moedas estrangeiras oferecendo oxigênio para a economia alemã. Em ambos casos, a disciplina sobre as finanças privadas foi fundamental para a saída dos escombros da profunda depressão. Para hoje seria necessário uma imperiosa reintrodução de padrões mais rígidos para redimensionar o funcionamento do sistema financeiro mundial visando à estabilidade mínima das economias capitalistas. Mazzucchelli aponta uma diferença significativa entre os dois momentos históricos que não pode ser desconsiderada. No inicio dos anos 1930, a proporção da população economicamente ativa empregada nas atividades agrícolas e extrativas era próxima a um quarto nos Estados Unidos, e a um terço na Alemanha. Com a Depressão, dada a maior sensibilidade dos preços agrícolas às variações da demanda, a renda real da população empregada no campo despencou. [...] parcela relevante dos recursos públicos administrados pelo New Deal e pelos nazistas foi direcionada exatamente para a reversão do quadro devastador que se abateu sobre a agricultura. Hoje, esta questão nem se quer é colocada: nem a proporção da população empregada no campo é relevante, ILEEL nem a participação da agricultura na criação de renda tem uma expressão econômica digna de maiores preocupações. É provável, entretanto, que o mercado imobiliário de hoje seja a agricultura de ontem: a dimensão da crise dos ativos relacionados às hipotecas de alto risco (subprime) ainda não é mensurável. (MAZZUCCHELLI, 2008, p. 65) Dessa forma, é possível que na atual crise financeira a intervenção estatal seja tão intensa quanto foi para retirar a agricultura da depressão nos anos Não é previsível para a crise atual um desdobramento parecido com a Grande Depressão. Até porquê o mundo de hoje é diferente do mundo à 80 anos atrás. A intervenção tem 99

12 evitado maiores desastres em virtude da derrota fragorosa do liberalismo iludido pela regulação dos mercados e pela euforia das finanças desregulamentadas. Considerações finais Para pensarmos as recessões econômicas do sistema capitalista é importante direcionarmos nossos olhares para as diversas contribuições do conhecimento humano como a história, a economia, a ciência política, a geografia, as ciências sociais, etc. O acesso à inúmeras formas de pensar e conceber o mundo nos abrem portas para entendermos o que se passa em sociedade. As crises capitalistas são cíclicas, funcionais e agem no sentido de reestruturar e reformular o sistema, ainda que sejam necessários elementos considerados obsoletos e de tempos passados. Isto é, em determinados momentos, a recorrência ao Estado e sua intervenção se tornam necessárias. Muito criticada tal atuação estatal, o apoio estatal se tornou evidente quanto as ordens do livre-mercado dão sinais de limites. No atual momento de crise se fala na volta de práticas intervencionistas, como a estatização de bancos e a injeção de capital. Em linhas gerais, procuramos pontuar alguns aspectos notáveis entorno das crises capitalistas e a vida cotidiana das pessoas, na medida em que é preciso olhares atentos nos discursos interpretativos das crises e até onde uma recessão poderá afetar nossas vidas em sociedade. REFERÊNCIAS: A LUTA PELA ESPERANÇA. Direção: Ron Howard. Produção: Brian Grazer, Ron Howard e Penny Marshall. Intérpretes: Russell Crowe, Renée Zellweger, Paul Giamatti, Craig Bierko, Paddy Considine e outros. Los Angeles: Universal Pictures, Legendas em Espanhol, Francês e Português. 1DVD video (144 min). ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX: dinheiro, poder e as origens de nosso tempo. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Contraponto/UNESP, BEAUD, Michel. História do capitalismo de 1500 até os nossos dias. Tradu. Maria Ermantina Pereira. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, BEINSTEIN, Jorge. A crise na era senil do capitalismo: esperando, inutilmente, o quinto Kondratieff.

13 Carta Maior, São Paulo, 18 fev Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/ materiamostrar.cfm?materia_id=15700>. Acesso em: 4 mai BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de desemprego. Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 4 mai CHESNAIS, François. O capitalismo tentou romper seus limites históricos e criou um novo 1929, ou pior. Carta maior, São Paulo, 09 out Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15284& alterarhomeatual =1>. Acesso em: 5 mai DUPAS, Gilberto. O futuro do trabalho. Jornal Estado de São Paulo, São Paulo, 17 nov FOLHA Online. Entenda a evolução da crise que atinge a economia dos EUA. Folha online, São Paulo, 3 fev Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. Acesso em: 3 mai FOLHA Online. Veja os principais fatos ocorridos na economia em Folha online, São Paulo, 29 dez Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. Acesso em: 3 mai HARVEY, David. O neoliberalismo não acabou. Carta maior, São Paulo, 31 mar Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/materia Mostrar.cfm? materia_id=15895>. Acesso em: 3 mai HARVEY, David. Wall Street e o direito a cidade. Le monde diplomatique, São Paulo, n. 20, p. 6-7, mar HOBSBAWM, Eric. Além de injusto, o mercado absoluto é inviável. Trad. Katarina Peixoto. Carta maior, São Paulo, mar HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX ( ). 2. ed. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, HOBSON, John. A evolução do capitalismo moderno: um estudo da produção mecanizada. 2. ed. Trad. Benedicto de Carvalho. São Paulo: Nova Cultural, JUDT, Tony. Crise econômica abala crença no modelo ocidental. Folha online, São Paulo, 2 mar Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. Acesso em: 3 mai LAPAVITSAS, Costas. Crise econômica: um novo 1929 ou o novo Japão? Disponível em: <http://blog.controversia.com.br/2008/10/09/crise-economica-um-novo-1929-ou-o-novo-japao>. Acesso em: 3 mai

14 LIMA, Marcos Costa. Os condicionantes internacionais na crise brasileira. In: ARAÚJO, Rita de Cássia; BARRETO, Túlio Velho (Orgs.). 1964: o golpe passado a limpo. Recife: Massangana, MAZZUCCHELLI, Frederico. A crise em perspectiva: 1929 e Novos Estudos, São Paulo, n. 82, p , Disponível em: <http://novosestudos.uol.com.br/acervo/acervo_artigo.asp? idmateria=1301>. Acesso em: 3 mai NAKANO, Kassuo; ROLNIK, Raquel. As armadilhas do pacote habitacional. Le monde diplomatique, São Paulo, p. 4-5, mar OFFE, Claus. Capitalismo desorganizado: transformações contemporâneas do trabalho e da política. Trad. Wanda Caldeira Brant. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, OLIVEIRA, Carlos Alonso Barbosa de. Processos de industrialização: do capitalismo originário ao atrasado. São Paulo: Editora UNESP, PEREIRA, Ricardo. Crash de 1929, o New Deal e a crise de crédito de Disponível em: <http://dinheirama.com/blog/2008/10/17/ crash-de-1929-o-new-deal-e-a-crise-de-credito-de- 2008/>. Acesso em: 3 mai POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Trad. Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Campus, RIZVI, Haider. Bancos recebem ajuda de US$ 4 trilhões. E o resto do planeta? Carta maior, São Paulo, 24 nov Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm? materia_id=15401>. Acesso em: 3 mai ROBOTS. Direção: Chris Wedge. Produção: Jerry Davis, William Joyce e John C. Donkin. Intérpretes: Ewan McGregor, Halle Berry, Greg Kinnear, Mel Brooks, Drew Carey e outros. Los Angeles: 20th Century Fox Film Corp., DVD video (90 min). SADER, Emir. Onde estamos? In: SADER, Emir. A vingança da história. São Paulo: Boitempo Editorial, THE CORPORATION. Direção: Mark Achbar e Jennifer Abbott. Produção: Mark Achbar e Bart Simpson. Intérpretes: Mikela J. Mikael, Jane Akre, Ray Anderson, Maude Barlow, Chris Barrett e outros. Ontario: Zeitgeist Films; Imagem Filmes, DVD video (145 min). UNITED STATES, DOL (Department of Labor). Unemployement rate. Disponível em: <www.dol.gov>. Acesso em: 7 abr VERSIGNASSI, Alexandre. A crise vai acabar. E voltar. Revista superinteressante, São Paulo, n. 264, p , abr

15 [1] [2] Cálculo estimado da crise mundial, publicado em noticia pela BBC em 21/09/2009. Disponível em: <www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/04/ _fmirelatorio2_bg_ac.shtml>. Acesso em: 06/04/

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

American Way Of Life

American Way Of Life Crise de 1929 Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizava-se

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio The Changing Housing Cycle and the Implications for Monetary Policy Third Chapter of the World Economic Outlook - IMF Seminário em Política Econômica Puc-Rio -Introdução -Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 CAVALHEIRO, Everton Anger 1 ; FERREIRA, Juliana 2 ; CUNHA, Carlos Frederico de Oliveira 3 ; CORRÊA, Jose Carlos Severo 4 ;

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte.

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte. UNIDADE 4 A CRISE DO CAPITALISMO E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. Uma manhã de destruição e morte. No início de agosto de 1945, os Estados Unidos tentavam, sem resultado, conseguir a rendição japonesa. A solução

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Banco Central origem Bank of England O primeiro banco central foi o Banco da Inglaterra

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 Índice 1. A globalização: variáveis relacionadas ao sucesso e ao fracasso do modelo...3 1.1 Obstáculos à globalização... 3 2 1. A GLOBALIZAÇÃO: VARIÁVEIS RELACIONADAS

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA IDADE CONTEMPORÂNEA Crise de 1929 Nos anos 1920, os Estados Unidos viveram uma prosperidade nunca antes vivenciada. Ao longo da Primeira Guerra Mundial haviam se tornado a maior economia do mundo e depois

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Administração Financeira Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Taxa de Câmbio - Conceito É o preço de uma unidade de moeda estrangeira denominado em moeda nacional Exemplos: A) Para comprar

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais