Jan Fev Mar 2014 Nº 269. Boletim Informativo dos Cooperantes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jan Fev Mar 2014 Nº 269. Boletim Informativo dos Cooperantes"

Transcrição

1 Jan Fev Mar 2014 Nº 269 Boletim Informativo dos Cooperantes

2 // LACTICOOP EDITORIAL EDITORIAL O Boletim Informativo dos Cooperantes Lacticoop tem sido ao longo de mais de três décadas da sua existência, a fonte de informação mais próxima dos cooperantes produtores de leite da Lacticoop. A vida deste nosso veículo de informação orgulha a LACTICOOP e todos os colaboradores, que desde a primeira hora abraçaram este projecto, procurando manter sempre viva uma forte ligação entre a LACTICOOP, as suas Cooperativas e Cooperadores produtores de leite. Numa época em que a informação circula pelos mais diversos canais a uma velocidade instantânea, entendeu a LACTICOOP que chegou a hora de alterar um pouco o ciclo do seu Boletim Informativo, sem pôr em causa os princípios e objectivos da sua existência Informar. A edição passará a ser trimestral, permitindo assim que os conteúdos de cada edição possam ser melhor seleccionados e aprofundados de forma a potenciar o interesse dos nossos leitores. Serão abordadas temáticas específicas com particular incidência nas áreas da Nutrição Animal, Sanidade Animal e Qualidade do Leite, Produção Forrageira, a par de outras áreas como Fertilização dos Solos, Sementes e Sementeiras e a Fitossanidade. Pretendemos continuar a contar com a colaboração de todas as entidades que possam dar um contributo enriquecedor dos conteúdos, particularmente dos nossos parceiros de negócio, que habitualmente utilizam o nosso Boletim para a apresentação e divulgação dos seus produtos. O nosso Boletim Informativo dos Cooperantes para além de informar representa também um sentimento partilha e União entre a LACTICOOP, Cooperativas Agrupadas e Cooperadores produtores de leite. O Presidente da Direcção A NÃO PERDER Árvore do Mês - Amieiro pag. #4 Vitelas - Os três primeiros meses são vitais pag. #6 Rescounter II: um novo podómetro pag. #10 Aviso da Direção Regional da Agricultura e Pescas pag. #12 Cultura do milho como grande decisão pag. #13 Centro de Recria Lacticoop pag. #19 Joaquim Cardoso // P. 3

3 // LACTICOOP ARVORE DO MÊS // LACTICOOP ARVORE DO MÊS Árvore da Primavera Amieiro - A árvore e a água Normalmente no final do inverno e quando se espera a primavera, junta-se o Carnaval, chuvas intensas, cheias avassaladoras e um frio húmido que nos gela a alma e sobretudo os pés. Mas também é o tempo dos enchidos, que se comem e festejam nas feiras do fumeiro e fora delas, o que nos anima um pouco. Há uma árvore muito presente em todo este cenário e apesar da envolvência deprimente, mostra-se elegante, bonita, ricamente florida, como se a primavera já tivesse acordado. É ela que está nas máscaras dos caretos e absorve o suor dos foliões. Com sorte, também no corpo da guitarra que dedilham com afinco. Está nas margens dos rios e ribeiros e segura as motas evitando inundações. Está, ou pelo menos esteve e devia estar, nos pés dos trabalhadores expostos a locais húmidos, porque melhor lhes aquecia os pés o calçado de pau que os plásticos de agora. E para um fumeiro de qualidade, a sua lenha é a ideal porque arde sem fumo. A árvore é o amieiro, entre nós também referido quase maternalmente no feminino amieira. É espontânea em Portugal, frequente nas zonas húmidas e um dos principais constituintes dos bosques ripícolas. Deu o nome a inúmeras povoações no masculino e feminino, todas caracterizadas por se localizarem junto de linhas de água ou zonas alagadas. Também outras povoações denominadas Amial e Ameal, decerto tendo na origem ancestral povoamentos de amieiros, se encontram por todo o país. Quem me dera ter raízes, que me prendessem ao chão. Que não me deixassem dar, um passo que fosse em vão. Sentir a copa vergar, quando passasse um tufão. E ficar bem agarrado, pelas raízes, ao chão. (Raízes-Jorge Sousa Braga) Nome científico: Alnus glutinosa Nome vulgar: Amieiro, amieira, alno Galego Ameneiro Inglês Alder Francês Aulne Italiano - Ontano Família: Betuláceas Género: Alnus Características botânicas Folhas: Caducas, de 4 a 10 cm de comprimento e 7 de largura, de cor verde-escuro brilhante na página superior e verde mais claro na inferior, simples, pecioladas, de margens dentadas e pubescentes nas axilas das nervuras. Enquanto novas apresentam-se viscosas, bem como os gomos, o que justifica o nome glutinoso. Flores: Surgem antes das folhas a partir de fevereiro ou março. Apresenta flores masculinas, amentilhos cilíndricos, pedunculados, agrupados em 2 ou 3, pendentes, com 10 cm, inicialmente de cor púrpura e depois verde. As femininas apresentam-se agrupadas em pequenas inflorescências pedunculadas, inicialmente vermelho-púrpura tornando-se verdes posteriormente. Frutos: Pequenas sâmaras aladas contidas duas a duas em cada escama que integram um cone globoso com pedúnculo vermelho, de 1 a 2 cm de comprimento, de cor verde e castanho-escuro quando maduro, permanecendo aderente à árvore após libertar as sementes. Raiz: Com grande capacidade de suster as margens dos rios e capaz de rebentar de toiça e dar origem a nova planta. Mantém uma simbiose com a bactéria Actinomyces alni que forma nódulos que chegam a atingir o tamanho dum punho e fixa grandes quantidades de azoto atmosférico, disponibilizando-o à planta sob a forma de nitrato. Tronco: Erecto, de porte mediano, pode atingir de 30 a 35 metros de altura e apresenta casca lisa e lustrosa, cinzento-escuro enquanto jovem, tornando-se acastanhada e gretada mais tarde. Perfil: A planta quando isolada e em forma livre apresenta copa cónica e pouco densa, com o cimo agudo enquanto jovem, pernadas tortuosas com ramificações delgadas e raminhos angulosos e glabros. Com a idade a copa torna-se arredondada e irregular. Por toda a Europa durante muito tempo foi proibido cortar amieiros. Os celtas consideravam-nos diferentes de todas a outras árvores: Libertam seiva cor de sangue quando cortados; ardem sem fazer fumo; crescem em pântanos onde mais nenhum ser vegeta; os troncos quando submersos jamais se degradam. Algumas culturas antigas como a irlandesa até admitiam que o primeiro homem sobre a terra teria sido feito de madeira de amieiro. Outras acham que era de barro, mas é a estacaria de amieiro submersa no barro que suporta as grossas paredes das catedrais medievais, a velhíssima ponte Rialto de Veneza e parte importante da cidade de Amsterdão. Hoje o amieiro apresenta-se despido de simbolismos e quase ignorado. Não é o fabrico de instrumentos musicais que lhe dá notoriedade, por mais interessante que seja o som que a sua madeira lhes confere. Também já não se constrói sobre estacaria e foram-se os tamanqueiros e soqueiros restando deles apenas uma estátua em Vermoim, Vila Nova de Famalicão. Ficou-nos também um filme A árvore dos tamancos do italiano Ermano Olmi, símbolo das injustiças, medo, sofrimento e exploração a que os senhores das terras sujeitavam os que dela sobreviviam. Para mim era um amieiro que o pai Batisti cortou às escondidas para, noite fora, refazer a sola dos únicos tamancos de que o filho dispunha para fazer os 6 kms a caminho da escola. Mas o amieiro tem o seu lugar nas zonas lagunares, principalmente em anos encharcados como o que vai correndo. A sua capacidade de suster as margens dos cursos de água e responder prontamente aos cortes, é notável. E é uma árvore interessante em termos paisagísticos podendo ser utilizada em sebes e em ensombramento. Numa altura que ainda está em execução o Polis Litoral que abrange 11 municípios da Região da Ria de Aveiro todos tão ricos em zonas húmidas, esperamos que os responsáveis se lembrem desta extraordinária árvore. Ela tem lugar no Eixo 2 do Programa Proteção e Valorização do Património Natural e Paisagístico. Mário Cupido // P. 4 // P. 5

4 // LACTICOOP VITELAS // LACTICOOP VITELAS VITELAS OS TRÊS PRIMEIROS MESES SÃO VITAIS Relação entre o ganho de peso e o consumo de starter LEITE STARTER Os três primeiros meses de vida da vitela, são os que maiores riscos acarretam, correspondendo ao maior período de mortalidade e morbilidade da existência dos animais. Particularidades digestivas Durante a fase láctea, a digestão é assegurada pelo sistema enzimático presente essencialmente no abomaso e intestino delgado Mortalidade durante as primeiras 9 semanas de vida É o período em que o animal é mais sensível às agressões dos diversos agentes patogénicos muitas vezes agravados por uma alimentação deficiente. Para além de todos os requisitos necessários em termos de alojamento, programas higieno-sanitários, etc., o sucesso do programa de desmame das vitelas depende fundamentalmente da alimentação fornecida durante a fase de aleitamento. Desde o nascimento e praticamente o primeiro mês de vida, a vitela é um monogástrico. O abomaso é o único compartimento gástrico envolvido na digestão. O rúmen começa apenas a desenvolver-se com a ingestão de alimentos sólidos. A principal fonte de energia alimentar provém dos carbohidratos (açucares e amido). Porém, à excepção da lactose, principal açúcar do leite, a digestão do amido é bastante pobre nas primeiras semanas de vida. Isto porque a principal enzima presente no tubo digestivo neste período é a lactase, sendo a amilase, responsável pela digestão do amido, praticamente inexistente. A digestibilidade do amido vai aumentando à medida que o organismo consiga produzir amilase. A produção de amilase pode e deve ser estimulada precocemente, através dos alimentos sólidos, vulgarmente conhecidos por pré-starter, que contenham na sua composição cereais que sofreram um processamento térmico. Quanto mais rápido se estabelecer uma produção adequada de amilase menos dependente do leite se torna o animal, logo o desmame torna-se mais seguro. Objectivos Todo o produtor pretende ter na exploração vacas com um bom desenvolvimento corporal, grande capacidade de produção e elevados níveis de ingestão. Para tudo isto, é preciso começar-se a trabalhar desde cedo, ou seja, desde o nascimento da vitela. Ao fim do 3º mês, a vitela deve multiplicar por cerca de 2,5 vezes o peso ao nascimento. Isto demonstra o alto potencial de crescimento existente nesta fase que deve ser aproveitado, para potenciar ao máximo os resultados da exploração e transformar a vitela na vaca que se deseja. Colocar à disposição das vitelas, desde os primeiros dias de vida um pré-starter de qualidade vai encorajar a ingestão do alimento sólido, com as vantagens já referidas permitindo, e só assim, atingir os objectivos de crescimento. O desenvolvimento precoce do rumen deve ser uma preocupação constante num programa de desmame de vitelas. Como vimos, tal só é possível com a introdução logo de início, após a fase de colostro, de um alimento pré-starter que contenha um bom nível de productos lácteos (fornecedores de proteína láctea e lactose), cereais tratados por calor (digestibilidade do amido), fibras dietéticas (desenvolvimento do volume do rúmen), precursores e estabilizadores da flora gástrica, para além de um correto aporte de vitaminas, minerais e oligoelementos. Este produto deverá ser apetente e colocado diariamente à disposição do animal. Factores chave para uma recria de sucesso: Estimular a imunidade Prevenção de doenças Alojamento e conforto dos animais Alimentação adequada. Com vista a atingir os objectivos referidos no artigo acima a Lacticoop acaba de lançar no mercado um pré-starter de alta qualidade e elevada digestibilidade designado por Terra Golden Calf Tab 1. Tamanho relativo dos compartimentos gástricos dos bovinos desde o nascimento à idade adulta. Tab 2. Objectivos de crescimento para a raça Holstein Idade (meses) Peso vivo % total dos compartimentos gástricos Idade rumen Retículo Omaso Abomaso Nascimento meses Adulto Fonte: Raising Dairy Replacements, NCR 205 Abilio Pompeu NUTRICONSULT João Sousa LACTICOOP MAIS IMUNIDADE MELHOR DIGESTIBILIDADE MAIOR DESENVOLVIMENTO // P. 6 // P. 7

5

6 Rescounter II: um novo podómetro para optimizar o maneio reprodutivo na vacaria. Ao longo deste artigo, iremos descrever o funcionamento de novo podómetro Rescounter II na detecção de cios. O novo podómetro, assim como os seus antecessores, apresenta-se em versão para pata ou versão para pescoço (fotografia 1), dependendo a escolha da preferência do cliente. de duas horas; citando um exemplo, uma vaca cujo valor médio de actividade dos últimos 10 dias foi de 25 entre as 16:00 e as 18:00, tendo hoje essa mesma vaca nas mesmas horas apresentado uma actividade de 30, tal levará o programa de gestão DairyPlan C21 libertar um alarme de +5 neste dia para esta vaca. Esta informação aparece tanto nos ecrãs dos medidores de leite dentro da sala de ordenha, como no ecrã do computador, sendo a sua interpretação fácil e rápida. // LACTICOOP RECOUNTERII horas, já que tais medições nos permitem identificar de forma gráfica o ponto alto (Pico Maximo) de actividade de cada vaca (Gráfico 1) e assim, saber qual o momento óptimo para que o técnico proceda à inseminação de cada animal, ou seja, o novo Rescounter II revoluciona o maneio reprodutivo da exploração de vacas de alta produção, melhorando a eficácia e eficiência reprodutiva da mesma Grafico 1: DairyPlan - leituras da actividade de cada 2 horas. Fonte: Programa de Gestão DairyPlan C21. Fotografia 1: Versão para pescoço e pata do podómetro Rescounter II Fonte: Arquivos da GEA Farm Technologies O novo Rescounter II permite uma detecção mais precisa dos cios, uma vez que tem a capacidade de medir em intervalos de tempo de 2 horas e armazenar os dados da actividade de cada animal sendo que quando a vaca entra na sala de ordenha, esta é identificada num sistema de identificação de passo e o novo podómetro Rescounter II descarrega toda a informação para o programa informático de gestão de ordenha e efectivo animal DairyPlan C21. Desta maneira, para termos os dados da actividade da vaca de duas em duas horas não é obrigatório que a leitura da actividade seja feita várias vezes ao dia, sendo apenas necessário passar pela antena de identificação no momento da ordenha, antena essa que se encontra instalada à entrada da sala de ordenha. O novo podómetro Rescounter II possui uma apresentação mais robusta que o seu antecessor (Rescounter I). Devido à nova cinta elástica, a sua colocação nas vacas torna-se mais fácil e são mais confortáveis para os animais (Foto 2). Foto 2: Imagem Rescounter II com cinta elástica. Fonte: Arquivos da GEA Farm Technologies Como já foi descrito anteriormente, o novo podómetro Rescounter II mede a actividade da vaca em intervalos de duas em duas horas, podendo armazenar até 14 períodos de informação. O calculo da medida da actividade é feito através da média dos últimos 10 dias para cada período Depois da informação libertada pelo Rescounter II, pode colocar-se a questão: Porquê medir a actividade de duas em duas horas? Como podemos observar na tabela 1, para podermos detectar todos os sinais do cio, é necessário fazer leituras da sua actividade 8 vezes ao dia. Se efectuarmos apenas 3 leituras diárias da actividade do animal, detectaremos apenas 30% das vacas que iniciaram ou estão em cio, o que dificulta a detecção do momento óptimo para proceder à inseminação de cada vaca. Tabela 1: Cios detectados segundo diversas observações diárias Cios observados por número de leituras diárias 8 Obs 3 Obs 2 Obs Diversos sinais de cio Montas Inicio do Cio Fonte: WUR, Wageningen. A observação da tabela 2, permite-nos verificar que o momento óptimo para se proceder à inseminação do animal, segundo Dransfield (1998) e muitos outros veterinários de reconhecida experiência no sector, é entre as 8 e a 12 horas depois do pico mais alto de medição da actividade de cada vaca. Tabela 2: Momento óptimo para a inseminação. Intervalo de tempo que decorre entre a máxima actividade e a inseminação Numero de inseminações % de vacas prenhas depois da primeira inseminação Fonte: Dransfield, Depois de analisados os dados anteriormente descritos, torna-se mais fácil entender a importância de medir a actividade de cada vaca em intervalos de tempo de duas Por fim podemos afirmar que o novo Rescounter II, melhora a eficácia e eficiência reprodutiva da exploração, uma vez que o conhecimento do momento óptimo para a inseminação de cada animal e a detecção mais segura dos cios, permite diminuir o número de inseminações reduzindo desta forma os custos de reprodução, tanto no que respeita a gastos veterinários como com as doses de sêmen. Será importante mencionar que o novo Rescounter II tem incorporado tanto o chip de identificação animal como o sistema de medição de actividade. Esta característica já estava presente no seu antecessor Rescounter I apresentando a vantagem de o produtor de leite não ter de possuir dois tipos de equipamento como acontece com outras marcas comerciais. Esta breve descrição tem como principal objectivo esclarecer o leitor das vantagens do uso do Rescounter II, que no nosso entender revolucionará o maneio das explorações de vacas de leite de alta produção. // P. 10

7 // LACTICOOP CULTURA DO MILHO Cultura do Milho Como Grande Decisão A Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro vai realizar 4 Acções de Divulgação durante no mês de Maio, com as quais se pretende sensibilizar os agricultores com explorações situadas em Zonas Vulneráveis para a obrigatoriedade de estabelecerem planos de fertilização que respeitem valores de quantidades máximas de azoto a aplicar por cultura, tendo em conta o azoto presente na água de rega, nos chorumes e estrumes, nos resíduos das culturas, nos adubos e no solo. O calendário e os locais para a realização das Acções de divulgação é o seguinte Dia 7 Maio pelas 14h00 Dia 8 Maio pelas 14h00 Dia 14 Maio pelas 14h00 Dia 15 Maio pelas 14h00 Oliveirinha Aveiro - Instalações da sede da Junta de Freguesia de Oliveirinha; Tocha - Instalações da Cooperativa Agrícola da Tocha; Bunheiro- Murtosa - Instalações da sede da Junta de Freguesia do Bunheiro; Mira Instalações da Lacticoop (Loja Agro-Rural); Dada a relevância de que este assunto se reveste é de todo o interesse que os agricultores compareçam nestes eventos. Mais uma vez vos venho falar de uma cultura de relevo e de grande importância económica para todos os empresários agrícolas e pecuários da região. Falo-vos naturalmente da cultura do milho. Sendo uma cultura subordinada a grandes variáveis convém alertar para factores que vão determinar o seu rendimento. Sabemos que á uma grande interligação de factores e dificilmente pensamos, ou entramos em linha de conta com todos, no entanto vou referir apenas os mais importantes. A necessidade de água e os períodos de grande sensibilidade a este recurso, o azoto e os períodos de maior consumo, as unidades calóricas como determinação da riqueza alimentar do grão ou planta, a maturação, o período de secagem, as previsões meteorológicas durante o ciclo da cultura, a escolha da semente, do fertilizante, o controlo das infestantes, os insectos presentes no solo, maquinas e equipamentos que envolvem toda a cultura, a comercialização e o custos de tudo isto em relação ao rendimento previsional de venda. Tantos factores a condicionar esta, como qualquer outra cultura e a nossa intervenção, mudando uma ou varias variáveis no nosso sistema produtivo determina logo o resultado final. Para aumentar o nosso sucesso temos que nos socorrer de todas as ferramentas que temos ao nosso alcance antes da tomada de qualquer decisão. O histórico da cultura na nossa exploração, os balancos hídricos da região, a avaliação laboratorial da fertilidade do nosso solo, as sementes que nos oferecem melhores rendimentos, o ciclo mais aconselhado para a previsão de colheita que previamente determinaram, etc. Falar de todos estes factores seria fastidioso pois já foram alguns referenciados ao longo da publicação desta revista por mim e já são do domínio de quase todos, no entanto realço que o objectivo é sempre produzir qualidade e quantidade com os mínimos custos possíveis. A produtividade é sem dúvida um item importantíssimo em qualquer cultura. Muitas vezes utilizamo-la para dar continuidade ao nosso sistema de produção outras vezes, com o objectivo comercial, ou seja, visando o lucro directo ou indirecto utilizando a cultura como alimento na própria exploração pecuária. A escolha da semente e a fertilização apresenta-se como uma das mais poderosas decisões técnicas que hoje dispomos para aumentar as produções. Apenas o refiro porque com custos idênticos poderemos ter resultados muito díspares. A evolução genética que as empresas colocam na semente não é a mesma para todas. A tecnologia e qualidade de fabrico dos fertilizantes e as unidades fertilizantes realmente aproveitadas pela cultura não é igual para todas as soluções existentes no mercado. Á evidências incontornáveis, uma é que as plantas para produzirem necessitam de crescer e para crescerem precisam de se alimentar. A quase totalidade dos alimentos das plantas é retirada do solo em que se encontram instaladas. Outra é que o potencial produtivo da semente é determinado pela evolução genética que esta sofreu, dando-lhe determinado potencial produtivo quando colocada em determinadas condições de cultura. Todavia, e á semelhança do que, aliás, se deve verificar com todas as outras praticas agrícolas, não basta saber que é necessário aplicar fertilizantes. É indispensável que se efectue uma fertilização racional, isto é, que nas épocas mais oportunas se utilizem as quantidades e os tipos de fertilizantes mais aconselháveis para os diferentes condicionalismos agro-climáticos e culturais. Na realidade, só assim será possível fazer-se com que a fertilização permita, de imediato, a obtenção de maiores e melhores produções, sem comprometer, a mais ou menos curto prazo, a fertilidade dos solos. Cada vez mais o potencial produtivo da cultura de milho depende, dos cálculos de fertilização, qualidade e potencial genético das sementes. Para termos boas produtividades e sustentabilidade // P. 12 // P. 13

8 // LACTICOOP CULTURA DO MILHO em agricultura os produtores têm que ter uma correcta utilização do solo e da cultura. A análise das exigências das plantas, a época de aplicação dos principais nutrientes bem como as quantidades, são sem dúvida de primordial importância. A Lacticoop, através das suas lojas, equipa comercial e serviços técnicos tenta colocar á disposição do empresário agrícola, todos os factores de produção que julga serem a melhor solução para a obtenção dos melhores resultados. Mesmo sabendo que é difícil satisfazer tudo e todos continuamos a lutar para que um dia isso aconteça. Boas sementeiras, grandes colheitas. SOLUÇÕES SAPEC AGRO PÓS-EMERGÊNCIA MILHO O único produto que apresenta simultaneamente: eficácia sobre sorgo bravo eficácia sobre milhãs eficácia sobre as principais folhas largas poder residual- acção anti-germinativa de 2-3 meses Fernando Taveira Açcão suprema no controlo da junça! disponível A DUPLA IMBATÍVEL NA PROTECÇÃO DO SEU MILHO + UMA ÚNICA APLICAÇÃO E O SEU MILHO AGRADECE! PARA BOAS COLHEITAS ADUBAI COM DURAMON Retard 2,5-3 L/ha 1,5-2 L/ha // P. 14

9 // LACTICOOP ARVORE DO MÊS O Grupo Térvalis apresenta resultados da aplicação de Fertafol Phoszinc na cultura de milho Seco // LACTICOOP FERTINAGRO Pesos Plant/Ha Humedad Tabla Produção Kg/Ha Testigo 191, ,5 15, Phoszinc 218, ,5 15, Apartir do departamento técnico de nutrigenia da Fertinagro, estão em curso distintos ensaios sobre a resposta do milho à aplicação de Fertafol Phoszinc. A sua aplicação demonstra o aumento de nutrientes e micronutrientes nas folhas das plantas. Os seus favoráveis resultados podem observar-se nos seguintes gráficos: RESULTADO PRODUÇÃO Produção Preço /ton. Benefício ,84 Com o incremento da produção obtida o benefício é substancial, tornando o investimento suplementar no Fertafol Phoszinc mais que rentável. 280 Peso Espiga Peso Grão Fertilizante líquido de elevada concentração em Fósforo, Zinco e Manganês Relação entre pesos de espiga inteira 227,1 262,6 Testemunha Phoszinco CONCLUSÕES Testigo Para realizar uma valoração económica aproximada calcularemos o peso médio do grão pelo número de plantas aprox. por Ha. Com Humidade Phoszinc Relação entre pesos de grão 191,9 218,8 Testemunha Phoszinco 13,52 12,29 Pesos Plant/Ha Produção Kg/Ha Testigo 191, Phoszinc 218, Testigo Phoszinc % p/p % p/v Azoto (N) total 6,0 7,7 Azoto (N) amonical 1,0 1,2 Azoto (N) ureico 4,6 5,9 Pentóxido de Fósforo (P2O5) solúvel em água 12,0 15,4 Manganês (Mn) solúvel em água 1,0 1,2 Zinco (Zn) solúvel em água 2,0 2,5 Pobre em biuretos BENEFÍCIOS: 1) ACTIVAÇÃO DAS RAÍZES E AUMENTO DA ABSORÇÃO DE NUTRIENTES. 2) INCORPORAÇÃO DE FÓSFORO EM CONDIÇÕES LIMITANTES DE BAIXAS TEMPERATURAS. 3) REACTIVAÇÃO DO CRESCIMENTO APÓS BLOQUEIOS PROVOCADOS PELO FRIO E POR ENCHARCAMENTOS. MOMENTO ADEQUADO PARA A APLICAÇÃO DE Foliar 4) APLICANDO-O NO MOMENTO ADEQUADO AUMENTA A PRODUÇÃO ENZIMÁTICA RESPONSÁVEL PELA FORMAÇÃO DA ESPIGA, (MAIS FILAS E MAIS GRÃOS). 5) REDUZ AS CARÊNCIAS DE FÓSFORO, MANGANÊS E ZINCO. Riego Doses Nº Aplicações Estado Fenologico Observações L/Ha uma 4-10 horas Manta - Goteo - Aspersión Doses Nº Aplicações Estado Fenologico Observações 3-6 L/Ha uma 4-10 horas Mezclado Trtos Traduzido e adaptado de Fertinagro Nutrientes por, Henrique Moreira/Fertinagro Portugal Abril 2014 // P. 16 // P. 17

10 // LACTICOOP ARVORE DO MÊS CENTRO DE RECRIA da LACTICOOP Importância da recria Consideramos que a recria é um tema vital para o futuro das nossas explorações o que justifica o facto de lhe dedicarmos uma atenção especial, um trabalho de qualidade na recria garantirá um melhor futuro. Ao longo dos anos temos vindo a aumentar o rendimento produtivo por vaca, sem dúvida que um aumento da produção de leite é a mudança mais importante que pode ocorrer numa exploração mas a questão que se coloca a seguir é quanto terá que aumentar a produção das nossas vacas nos próximos anos para nos tornarmos competitivos. Será que conseguimos aumentar nos próximas anos tanto como temos aumentado nos últimos 20 anos? Provavelmente não. O maneio das vacas de leite está muito estudado e implementado e só teremos melhorias consideráveis nas áreas em que ainda falta muito por fazer: as nossas novilhas. A rentabilidade futura da nossa exploração dependerá se temos ou não novilhas geneticamente correctas, bem desenvolvidas criadas segundo determinados parâmetros técnicos e sanitários de modo a fazer frente aos tempos que se avizinham. Não nos podemos esquecer que todas as nossas vacas foram primeiro vitelas e depois novilhas, portanto a qualidade e eficiência das nossas futuras vacas dependera sempre da qualidade do trabalho realizado previamente na nossa recria. A recria é uma parte fundamental na produção de leite. Um importante aspecto a ter em conta é o custo da recria. O custo da recria dos animais de reposição em rebanhos leiteiros é a segunda fonte de despesas no sistema de produção, segundo alguns autores estes valores encontram-se entre 15 a 20% da actividade leiteira, ficando apenas a cima destes os gastos com as vacas em lactação, mas que esta responde de uma forma imediata aos gastos o que já não acontece com a recria. Geralmente nas explorações estes animais são de menor prioridade no efectivo, porque não geram receitas, só gastos. Assim, muitas vezes, não se tem um controlo de qualidade sobre a mesma o que se vai reflectir na entrada da fase reprodutiva. A novilha deve ser vista como um investimento e não um peso. O impacto económico dos resultados no nosso programa de recria é determinante na rentabilidade da exploração, portanto a recria necessita de um maneio profissional tal como fazemos com as vacas. Uma correcta gestão da recria exige mudanças, tanto na nossa filosofia de trabalho como nas áreas estruturais e tecnológicas. A recria é a área com maior campo de progresso no nosso processo de produção. Centro de Recria da LACTICOOP O centro de Recria da LACTICOOP situa-se na Quinta da Capa Rota, lugar de Casa Velha concelho de Soure. A exploração tem uma área de cerca de 60ha, destes cerca de 25ha são destinados a pastos permanentes e 30ha para forragens de verão e forragens de inverno. O centro recebe animais desde os três meses até aos catorze meses de idade proporcionando as instalações adequadas para cada fase de crescimento. O objectivo da recria deve ser de obtermos um animal capaz de expressar todo o seu potencial genético, através da sua futura produção de leite, a um menor custo profissional. É para este propósito que trabalhamos no centro de recria. Visamos garantir ao nosso produtor um fornecimento permanente de reposição para que ele tenha durante o ano o seu máximo produtivo. Assim o produtor deve-se especializar só na produção leiteira, não tendo a sua atenção e recursos desviada deste sector. Esta é a nossa especialização! Maneio no Centro de Recria Como já foi referido o centro está total vocacionada para a recria. O maneio dos animais será feito por fases: O pavilhão principal tem capacidade para seiscentos animais e está dividido em 12 parques (50 animais parque). // P. 18 // P. 19

11 // LACTICOOP CENTRO DE RECRIA A primeira fase, animais entre os 3 e os 6 meses, encontram-se nos primeiros quatro parques e são mudados mensalmente consoante a sua resposta ao nível de crescimento. A segunda fase constituída por animais com mais de 6 meses, esta também dividida em quatro parques, cada parque tem uma área de 195m2/cada estes parque recebe as vitelas dos parques anteriores. Ao atingirem 10 meses de idade os animais são transferidos para parques com uma maior superfície livre. Os animais permanecem nestes parques até à fase de beneficiação e que ocorre entre os 14 e os 16 meses de idade. Após estarem gestantes são mudadas para parques que têm acesso ás pastagens, onde exercitaram músculos e patas de modo a obtermos animais, além de sociáveis, com boa estrutura muscular e óssea que se reflecte aquando do parto. - Entrega ao produtor no último terço da gestação com um peso de 500 kg (aproximadamente). Esta situação depende de vários factores mas é este o nosso propósito. Todo este trabalho vai ser vai ser feito através de pesagens mensais, e a sua alimentação é monitorizada ao longo do tempo para que não fiquem obesas. O nosso objectivo é continuar o melhoramento já efectuado na exploração do nosso produtor. Assim temos um serviço de emparelhamento, feito por um técnico especializado. O produtor poderá escolher, de entre três sémens melhorados, o que mais lhe interessar. Todos os animais têm acompanhamento veterinário e são desparasitadas e vacinadas para IBR, BVD, BRSV. Há objectivos cientificamente definidos para a recria. É por este caminho que trabalhamos. Assim: - A primeira Inseminação é feita entre os meses, sempre tendo em conta o seu índice corporal Recria em Explorações Leiteiras Rita Gonçalves Ismael Machado A Lacticoop tem como propósito levar a cabo uma serie de workshops com palestras formativas sobre os factores de produção que tem em comercialização nas lojas agro rurais Terra a Terra. Sendo a formação uma arma potentíssima para uma boa e eficaz utilização de todos os produtos, torna-se indispensável tirar o maior partido do investimento que todos os dias dispensamos para estes. Os tempos que atravessamos não são fáceis e tirar o máximo dos dividendos do investimento realizado, torna-se cada vez mais premente. Os factores de produção por nós comercializados oferecem sempre padrões de alta qualidade, baseados numa escolha criteriosa, fundamentada no conhecimento das exigências do mercado alvo e em empresas referencia líderes do mercado. Nem sempre é fácil trabalhar com os melhores mas temos isso como objetivo. O nosso leite de substituição VITELEITE é um desses produtos e no passado dia 22 de Abril em colaboração com a IN VIVO realizámos um evento subordinado ao tema Recria em Explorações Leiteiras, subdividido em duas partes: A formativa realizada em sala no nosso armazém de Mira. Pub. A pratica realizada na exploração Quinta de Muróz. A todos os participantes um agradecimento especial, esperando que as expectativas criadas tenham sido superadas. À Quinta de Muróz o nosso agradecimento pela disponibilidade e colaboração no bom decorrer de todos os trabalhos. Até breve. // P. 20

12 // LACTICOOP ANUNCIOS Anuncio Vende-se Cornadis (trancadores) e Logetes para vacas em estado novo. Contacto: ou Anuncio Aluga-se Vacaria Licenciada ao abrigo do REAP com capacidade para 80 animais adultos, com 1 ha de terreno envolvente. Equipada com sistema de ordenha, refrigeração,rodos de limpeza e armazém de apoio para as máquinas e fenos. Contacto: Contacto: Anuncio Vende-se Vende-se todo o terreno da marca NISSAN TERRANO, modelo comercial com matricula do ano 2003, em óptimo estado. Viatura ideal para trabalhos agrícolas, florestais ou para caça. Os interessados devem contactar para o telemóvel: Contacto: Anuncio Vende-se Vende-se exploração leiteira, licenciada e com 2 casas. Quinta Vale Ademendinha em Orjais concelho da Covilhã. Sr. António Carlos Contacto: Anuncio Vende-se Compra-se Troca-se Este espaço pode ser seu Boletim Informativo Ficha Técnica Depósito legal: /04 Periodicidade: Mensal Tiragem: Exemplares Colaboraram neste número: Fernandes da Silva Fernando Taveira Ismael Machado João Sousa Mário Cupido Nuno Cardoso Rita Gonçalves Redacção: Av. de Oita, 7 r/c - Apartado Aveiro - EC AVEIRO Telef Fax Execução Gráfica: Creativelab.pt - Rui Marinho Impressão Litoprint Zona indust. 3 Marcos Vale do Grou - Apartado Aguada Cima-ÁGUEDA Telef.: Recepção de anúncios: Todos os textos, publicidade e imagens devem ser entregues até ao dia 15 de cada Mês. // P. 22

13

OBJECTIVOS PRODUTIVOS

OBJECTIVOS PRODUTIVOS I CICLO DE PALESTRAS TEMÁTICAS Gestão reprodutiva em bovinos de carne 5 e 6 de Dezembro de 2008 Associação de Criadores de Bovinos de Raça Alentejana MANEIO REPRODUTIVO EM EXPLORAÇÕES DE BOVINOS DE CARNE

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite

A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite A Gestão de Efluentes Pecuários das explorações de Ovinos de leite Idílio Barros Neto Eng.º Agrónomo Enquadramento desta problemática Regime de licenciamento da Actividade Pecuária Directiva Nitratos Lei

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola

EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DATA: Sábado, 16 de Outubro de 1982 NÚMERO: 240/82 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas - Secretaria de Estado da Produção Agrícola DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º 974/82 SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Pontos de controlo críticos:

Pontos de controlo críticos: Pontos de controlo críticos: Pontos de Controlo Critico Valores Padrão Medidas Peso à 1ª cobrição Idade ao 1º Parto 350 kg

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO Área 500ha próprios 1200 ha arrendados Solos Pardos mediterrâneos Delgados Ácidos Com pouca drenagem

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a/Desbastador de Equinos Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os princípios da gestão de uma empresa agrícola não são diferentes dos princípios da gestão de qualquer outra empresa ou negócio mais complexo. Para ter

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR

MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR Boletim Técnico

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

Gabinete de Planeamento da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas. Governo Regional dos Açores

Gabinete de Planeamento da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas. Governo Regional dos Açores Caracterização da produção de leite nos Açores no ano de 2008 a partir do universo de referência dos produtores com quota na Campanha Leiteira 2007/2008 da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

Abrir e manter o quebra fogo

Abrir e manter o quebra fogo Abrir e manter o quebra fogo P O que faz o Sr. Camilo com a sua esposa Sra. Laurinda na imagem? R O Sr. Camilo e a Sra. Laurinda estão abrindo o quebra fogo em volta da machamba de cajueiros. P Porque

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano.

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. Tipo de itens O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. 1. Quais são as suas principais funções? Transporte de nutrientes, defesa, regulação térmica e controlo 2. Quais os seus constituintes?

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO ANIMAIS EXÓTICOS COELHO Sabia que todos os animais exóticos deveriam consultar o médico veterinário e efetuar um check up, após a sua aquisição, e pelo menos uma vez por ano, mesmo que estejam saudáveis?

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL

25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL 25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS 7º CONCURSO REGIONAL DA RAÇA HOLSTEIN FRÍSIA DO ALTO MINHO REGULAMENTO GERAL Art.º 1º Organizado no âmbito da 25ª FESTA DO VINHO VERDE E PRODUTOS REGIONAIS,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA PROVAS PÚBLICAS PARA PROF. ADJUNTO ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA Carlos S. C. Rebello de Andrade ESACB 1996 INTRODUÇÃO A alimentação

Leia mais

A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO

A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO CESA - CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS ADMINISTRAÇÃO EDELGIR RUB PESCE JUNIOR IGOR DE ALENCAR ARARIPE FAÇANHA LEONARDO HENRIQUE MARCOVIQ BORGES RODRIGO KLOCKER DE CAMARGO A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Base. Manual do Utilizador

Base. Manual do Utilizador GENBEEF Base Manual do Utilizador Software de substituição do Livro de Registo de Existências e Deslocações de Bovinos e respectivo Anexo 1 INTRODUÇÃO...2 2 INTRODUÇÃO DE DADOS...4 2.1 INTRODUÇÃO DE DADOS

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN 1. Agricultor Orgânico (160 horas) Perfil Profissional: Executa com base nas técnicas da produção orgânica, o manejo do solo e das culturas, a produção

Leia mais

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA?

O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? O QUE É A COMPOSTAGEM DOMÉSTICA? É um processo natural de transformação dos resíduos provenientes do jardim e da cozinha (resíduos orgânicos) numa substância rica em matéria orgânica, chamada composto,

Leia mais

Avaliação da condição corporal em porcas através da medição da espessura de toucinho dorsal e sua influência na fertilidade

Avaliação da condição corporal em porcas através da medição da espessura de toucinho dorsal e sua influência na fertilidade INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior Agrária de Santarém Curso de engenharia da produção animal Unidade curricular Projecto Avaliação da condição corporal em porcas através da medição da espessura

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Comissão Europeia DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO destinado a facilitar a compreensão de determinadas disposições de flexibilidade previstas no pacote legislativo em matéria de higiene Perguntas

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II

TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II PORTUGAL TEMA 1 Contabilidade na Gestão da actividade Agrícola - Contabilidade de Gestão - O Impacto da Contabilidade e Fiscalidade na Agricultura II Santarém, 5 de Junho de 2012 Plano da Apresentação:

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS EJE- EXTENSIÓN, DOCENCIA E INVESTIGACIÓN PICOLI, Tony 1 ; ZANI, João Luíz 2 ; MARQUES, Lúcia Treptow 3 ; SCHUCH, Luís Filipe

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES O que é COTR? O Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR - é uma Associação de direito privado sem fins lucrativos, criada no dia

Leia mais

Projeto Lago da APCF (2012-2014): um sonho tornado realidade

Projeto Lago da APCF (2012-2014): um sonho tornado realidade Projeto Lago da APCF (2012-2014): um sonho tornado realidade Durante anos a APCF alimentou o sonho de gerir um lago cooperativo vocacionado para a prática do carp fishing. Finalmente, no auspicioso dia

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Plano de Educação Ambiental Ano Lectivo 2007/08 da Quinta da Gruta, 28 de Setembro de 2007 Tipos de Actividades: Laboratoriais; Hortas; Animais; Cozinha; Atelier s Visitas temáticas; Dias Comemorativos

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal ACÇÃO DE FORMAÇÃO EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal Medida 1.2 Instalação dos Jovens Agricultores Medida 1.5 Modernização das Explorações Agrícolas 10 de Dezembro de 2009

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

O Caderno da Compostagem

O Caderno da Compostagem O Caderno da Compostagem A publicação do Guia da Compostagem, que colocamos à sua disposição. constitui mais um elemento no domínio da sensibilização e educação ambiental, que procura incentivar uma maior

Leia mais

GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA...

GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA... 1/11 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA... 3 3.1 Objectivo do GGFA... 3 3.2 Estrutura do GGFA... 3 3.3 Documentos essenciais... 3 3.4 Obrigações da Administração...

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS Secretaria-Geral do Ministério da Educação 1 Índice 1. Preâmbulo... 3 2. O que são os arquivos escolares?... 4 3. O arquivo no sistema de informação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Produção Integrada em vinha Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

Campo de medição: Segurança: Manual de Instruções

Campo de medição: Segurança: Manual de Instruções SAEP067 - Termómetro Profissional de infravermelhos com mira laser Manual de Instruções Características: - Medições precisas, sem necessidade de contacto - Mira laser incorporada - Botão para mudança entre

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

Alimentos biológicos:

Alimentos biológicos: Alimentos biológicos: bons para si, bons para a natureza Em toda a UE, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a proveniência dos alimentos que consomem e com o modo como foram produzidos. Dão importância

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais