Conteúdo de Informação na Publicidade de Produtos e Serviços. uma abordagem jurídica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo de Informação na Publicidade de Produtos e Serviços. uma abordagem jurídica"

Transcrição

1 Temática 2: Direito à Informação, Acesso à Informação e Inclusão Social Conteúdo de Informação na Publicidade de Produtos e Serviços uma abordagem jurídica Julia Gonçalves da Silveira Universidade Federal de Minas Gerais Juliana Moreira Pinto Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO Discute a informação fornecida sobre produtos e serviços visando salvaguardar o poder de escolha do homem, estabelecendo novos princípios que garantam o livre exercício da vontade para combater ou evitar situações viciosas na sua formação. Apresentam-se conceitos de informação sob diferentes aspectos, qualidade da informação, explanações sobre o direito à informação e direito de informação. Legislações brasileiras que regulam o direito à informação e o conceito de publicidade comercial são abordados de modo especial neste artigo que objetiva, em última instância, subsidiar reflexões, ampliar conhecimentos, e instruir sobre o teor de informações contidas nas publicidades de produtos e serviços, sob o ponto de vista jurídico. Trabalhos técnico-científicos PALAVRAS-CHAVE: Informação. Legislação Brasileira e Informação. Legislação Brasileira e Propaganda. Propaganda de Produtos e de Serviços. Qualidade da Informação. 1 Introdução A sociedade da informação e consumo 1 é marcada pela publicidade que exerce enorme influência sobre a vida das pessoas, seus hábitos, suas idéias e seus valores, atingindo crianças, jovens e adultos. 1 A sociedade de consumo é caracterizada por um número crescente de produtos e serviços, pelo domínio do crédito e do marketing, assim como pela dificuldade de acesso à justiça (Cf. GRINOVER et al., 2005, p. 6).

2 Na sociedade contemporânea percebe-se que a publicidade não busca simplesmente atender suas condições primitivas de informar, de anunciar ou de alertar sobre características, preços ou localização de certos produtos. Seu objetivo essencial centra-se geralmente em sua função mitificadora, manipuladora e condicionadora de pensamentos e comportamentos. A publicidade é um tipo de marketing massificado, impessoal que usa os meios de comunicação para promover produtos e serviços com a utilização de informação ou persuasão. As informações, nesse sentido, passam a ter unicamente um objetivo comercial. É fundamental seduzir, encantar e motivar aqueles aos quais ela se dirige, fazendo com que sintam a necessidade cada vez maior de adquirir produtos e serviços. Muitos dos serviços e produtos oferecidos aos consumidores já perderam seu valor real e através das informações tornam-se impregnados de fetiches e valores sem os quais, na lógica, deixariam de existir. Considera-se que todos nós temos o poder de escolha, o próprio livre arbítrio. Mas ao longo do tempo, nossas escolhas têm sido objeto de tentativas de manipulação para o auferimento de vantagens e lucros nem sempre concernentes com a ética. A publicidade é regulamentada na órbita do Código de Defesa do Consumidor - CDC, nos art. 36 a 38. Deve ser veiculada de tal forma que o consumidor fácil e imediatamente a identifique, sendo proibidas as informações enganosas, entendidas como qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, total ou parcialmente falsa, ou capaz de induzir a erro o consumidor sobre produtos ou serviço 2 ou abusivas. Estas, consideradas como informação discriminatória, incitatória à violência, exploradora do medo ou da superstição, aproveitadora do caráter infantil, desrespeitadora dos valores ambientais ou capazes de prejudicar o consumidor no que diz respeito à sua saúde ou segurança. 3 Como destacam Santos e Alexandridis (2005), o CONAR Conselho de Auto- Regulamentação Publicitária criou seu código de ética e conduta, na década de 80, e no preâmbulo no artigo 1º determina que todo anúncio deve ser respeitador e conformar-se às leis do país; deve, ainda, ser honesto e verdadeiro, apresentando o produto como realmente é. Há que se limitar qualquer tipo de publicidade que cause dano ao consumidor, evitando-se assim os abusos, que reais informações sejam apresentadas considerando-se que estamos 2 PUBLICIDADE enganosa , p PUBLICIDADE abusiva , p. 661.

3 numa sociedade caracterizada pela pressa e falta de tempo. Desta forma, quando o consumidor se vê exposto a informações enganosas ou ilusórias será induzido a escolher iludido por promessas de benefícios aparentes e não reais. O fornecedor também ficará lesado por falsas informações prestadas por seu concorrente, pois este passará a se beneficiar de uma vantagem inexistente com relação à qualidade ou preço dos serviços de outro fornecedor. Para Cabral (1995, p.19): Um autêntico regime democrático pressupõe o amplo acesso a livre circulação de informações a fim de que os indivíduos possam exercer efetivamente seus direitos de cidadania, participando das decisões em todos os níveis. A informação só tem efeito quando propicia mudança de comportamentos, conscientização dos indivíduos sobre a realidade em que vivem, promovendo transformação de fato. A informação quando utilizada com ética é capaz de desalienar, ou seja, retira o indivíduo do processo de assimilação de falsas ideologias. Este artigo objetiva apresentar subsídios às reflexões e busca de esclarecimentos acerca das informações contidas nas publicidades de produtos e serviços, sob o ponto de vista jurídico, o qual visa salvaguardar o poder de escolha do homem, estabelecendo novos princípios que garantam o livre exercício da vontade para combater ou evitar situações viciosas na sua formação. 2 Conceito de Informação A informação sofreu, ao longo da história, como mostra Cardoso, em artigo publicado em 1996 (p. 71) tantas modificações em sua acepção, que na atualidade seu sentido está carregado de ambigüidade: confundido freqüentemente com comunicação, outras tantas com dado, em menor intensidade com instrução, mais recentemente com conhecimento. Ainda segundo Cardoso, o destaque maior ao termo foi dado no Séc. XX, a partir da apropriação da informação como fator de produção, no cenário de uma economia estruturada com base em estoques de conhecimento, produzidos e disseminados velozmente graças às tecnologias comunicacionais modernas.

4 Nas conceituações expressas na literatura percebem-se abordagens que consideram o fenômeno informação fator de transformação social e de interação entre pessoas, outras o consideram como elemento quantificável, aparentemente neutro e estático. Concordamos com aqueles que afirmam que não se pode conceber ou pensar a informação fora de um contexto social. A informação constitui fenômeno relacional entre partes envolvidas em processo comunicacional, estando seu sentido, portanto, profundamente sujeito aos valores, capacidade de assimilação, conhecimento, sabedoria, enfim, aos condicionamentos e condicionantes sócio-culturais que envolvem inegavelmente tanto o emissor quanto o receptor (SILVEIRA, 2006). Segundo Marteleto (1987, p. 169), a questão informacional na sociedade atual pode ser melhor compreendida através de conceitos e abordagens registradas na literatura de ciência da informação e das ciências sociais. Destaca três abordagens, a seguir mencionadas, que talvez esclareçam melhor essa questão: Abordagens inspiradas em teoria comportamentalista e funcionalista. Analisam a informação enquanto elemento regulador dos sistemas. Decorrem de análises da informação num plano técnico de comunicação, e seus referentes são a eficácia, a regulação, a homeostase ; Abordagens críticas ou dialéticas. Consideram a informação elemento provocador de mudanças, de alteração de estruturas; Abordagens que contextualizam a informação como fenômeno pós-moderno, associando-a às transformações que vêm ocorrendo nas últimas décadas nos países capitalistas avançados, e que encontram suas raízes no momento da união entre a ciência e a técnica, e por sua vez entre a ciência e o poder político e econômico e causam impactos em todo setor da atividade humana científico, filosófico, cultural. Para Shannon e Weaver 4, citados por Pinheiro (2004) informação é uma redução de incerteza oferecida quando se obtém resposta a uma pergunta. Sobre as funções da informação Foskett 5 (apud Pinheiro, 2004), esclarece que não cabe saber se a informação é falsa ou verdadeira, e sim se é relevante ou pertinente. Na sua definição, 4 SHANNON, Claude; WEAVER, Warren. The mathematical theory of communication. Urbana: University of Illinois, p.

5 informação [...] exige processamento da mente humana antes de passar a fazer parte de um modelo ou paradigma passível de conformidade. Buckland (1991) identifica três usos principais da palavra informação: 1. Informação-como-processo: Quando alguém é informado, o que sabe é mudado. Nesse sentido, informação é O ato de informar...; comunicação do conhecimento ou da notícia de algum fato ou ocorrência; a ação de se contar ou o fato de ser informado sobre alguma coisa (Dicionário Oxford, 1989, vol. 7, p.944). 2. Informação-como-conhecimento: Informação é usada também para denotar aquilo que é percebido na informação-como-processo : o conhecimento comunicado relativo a um fato em particular, assunto ou evento; aquilo que se informa ou conta alguém; inteligência, notícia. (Dicionário Oxford, 1989, vol. 7, p.944). A noção da informação como aquela que reduz incerteza poderia ser vista como um exemplo especial de informação-como-conhecimento. Ás vezes a informação aumenta a incerteza. 3. Informação-como-coisa: O termo informação é usado também como atributo para objetos, tais como dados e documentos, a que se refere como informação porque são considerados como informativos, como tendo a qualidade de transmitir conhecimento ou de comunicar informação; instrutivo (Dicionário Oxford, 1989, vol. 7, p.946). Por ser objeto de estudo da ciência da informação, especificamente nessa área, muitos pesquisadores têm estudado informação sob diferentes aspectos. Os estudos vão desde o paradigma cognitivista (que relaciona informação a conhecimento), gerencial ou administrativo (no qual a informação é relacionada à tomada de decisão), econômico (quando a informação é considerada mercadoria, commodity e adquire valor agregado), dentro de uma visão mais política e social, na formação da cidadania. 6 Conclui-se que informação é um conceito polissêmico o que dificulta, em conseqüência, precisar o seu conceito. Por outro lado, parece de senso comum e universal a consciência da 5 FOSKETT, D.J. Ciência da informação como disciplina emergente: implicações educacionais. In: GOMES, Hagar E. (Org.). Ciência da informação ou informática? Rio de Janeiro: Calunga, Original publicado no Journal of Librarianship, v.5, n.3, p , July PINHEIRO, 2004, p. 2.

6 importância e imprescindibilidade da informação no contexto social contemporâneo, independentemente de seus múltiplos sentidos ou significados. (SILVEIRA, 2006, p. 83). 3 Qualidade da Informação Embora não exista consenso na literatura sobre definições teóricas e operacionais, com relação à conceituação da qualidade da informação, existe uma menção recorrente entre autores interessados no tema de que as definições de qualidade de informação são ambíguas, vagas ou subjetivas. Segundo a opinião de Schwuchow 7 (apud Paim; Nehmy; Guimarães, 1996) qualquer critério de avaliação da qualidade da informação é, por natureza, subjetivo. É praticamente impossível encontrar um critério de mensuração simples, preciso e satisfatório. O mesmo argumento está implícito nas palavras de Casanova 8 (apud PAIM; NEHMY; GUIMARÃES 1996): A informação nunca será exata porque depende do contexto; nunca está isolada, tem vida própria e sua qualidade depende da visão, do nível de conhecimento, da interpretação de seu receptor. A busca da qualidade total da informação é similar à busca do eldorado. Apresentam-se algumas formas de abordagem da qualidade da informação, sem a pretensão de esgotar os vários e múltiplos enfoques que a caracterizam. Eaton e Bawden 9 (apud NEHMY; PAIM, 1998) citam vários argumentos encontrados na literatura que reforçam a posição de negação de um valor real à informação. Afirmam que a informação não possui valor intrínseco, pois o valor está na dependência do contexto e de sua utilização por usuários particulares em ocasiões particulares, sendo impossível, assim, determinar-se a priori, valor que ela possui para seu usuário. Connel 10 (apud NEHMY; PAIM, 1998) é taxativo ao declarar: 7 SCHWUCHOW, W. Problems in evaluating the quality of information services. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimensions. London: Taylor Graham, p CASANOVA, M. B. Information: the major element for change. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimentions. London: Taylor Graham, p EATON, J.J. BAWDEN, D. What kind of resource is information? International Journal of Information Management, n.11, p , CONNEL, J.J. The fallacy of information resource management. Infossystems, v.28, n.5, p , 1981.

7 A informação não tem valor intrínseco, seu valor é inteiramente subjetivo. A informação não varia em valor por causa de suas características externas seu valor está na mente do usuário. Casanova (apud NEHMY; PAIM, 1998) 11 contrapõe-se à proposição de que a informação não teria uma qualidade/valor intrínseco, mas o tipo de valor ao qual alude aproxima-se mais da idéia de um valor atribuído ao produto, e não de um valor filosófico ou metafísico. Após afirmar que informação não é opinião, acrescenta: Informação tem características intrínsecas, como responsabilidade, confiabilidade, objetividade, abrangência, precisão, capacidade de ser transmitida, suporte material. A noção de qualidade proposta por Buckland 12 (1991) está em sintonia com o entendimento da informação enquanto coisa. Nesse contexto, o termo informação é utilizado enquanto atributo de objetos, tais como dados, textos e documentos, que são mencionados como informação porque são considerados como informativos. Procura-se atribuir valor às coisas pelas quais alguém se torna informado porque outras dimensões da informação são intangíveis, não podendo ser apreendidas empiricamente. A respeito do enfoque que privilegia o usuário, Marchand 13 (apud NEHMY; PAIM, 1998), pontua que, para essa corrente baseada no usuário, entram em jogo no julgamento da excelência as particularidades individuais. Assim, os tipos e fontes de informação que mais satisfizessem o usuário seriam as consideradas de melhor qualidade. Wagner 14 (apud NEHMY; PAIM, 1998), referindo-se às tendências dominantes sobre a qualidade da informação, destaca que [...] uma teoria consistente que emerge de vários estudos é a de que o valor da informação depende do usuário e do contexto em que ela é vista. Dessa forma, o usuário, quer individual quer coletivo, faz o julgamento da qualidade ou valor da informação. Schwuchow 15 (apud NEHMY; PAIM, 1998) também propõe a adoção da noção de eficácia, para avaliação de produtos e serviços de informação. O autor não chega a definir o termo 11 CASANOVA, M.B. Information: the major element for change. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimentions. London: Taylor Graham, p BUCKLAND, MARCHAND, D. Managing information quality. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimensions. London: Taylor Graham, p WAGNER, G. The value and the quality of information; the need for a theorical syntesis. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimentions. London: Taylor Graham, p

8 diretamente, mas expõe a proposição de que a eficácia depende da adequação a demandas do usuário. Em outra perspectiva discursiva, Saracevic 16 (apud NEHMY & PAIM 1998) afirma que, durante décadas, os principais critérios para abordagem da avaliação da informação foram relevância e utilidade. Comenta que também se ouve alusão na maioria das vezes de forma oral a diferentes critérios, alguns relacionados à qualidade, seletividade, precisão, poder de síntese ou impacto da informação. O autor sugere revisão dos antigos critérios de avaliação da informação. Propõe que se restaure o conceito de eficácia o qual, da forma como expõe, engloba idéia de quantidade no sentido de se atender às novas pressões que a sociedade da informação e o correlato desenvolvimento da tecnologia vêm fazendo à ciência da informação. A potencialidade da avaliação da informação sob a ótica da qualidade pode ser melhor percebida através das proposições de Giddens (1991) sobre sistemas peritos, compreendidos como sistemas de excelência técnica ou competência profissional que organizam grandes áreas do ambiente material e social em que vivemos. Dessa forma, a qualidade da informação entendida enquanto excelência estaria determinada no momento de interação do usuário com o sistema ou produto. A expectativa de correção e de integridade na prestação do serviço técnico da informação estaria já incorporada à atitude do ator social ao buscar a informação. Em momentos posteriores ao desenvolvimento da ação de uso da informação é que poderia ocorrer satisfação ou decepção do usuário. Ou seja, a apreensão dos resultados do sistema só seria possível a posteriori, relativamente a casos particulares e pontuais de uso postos sob análise, situação na qual a qualidade ou excelência deveria ser substituída pela noção de satisfação-insatisfação do usuário. 4 O Direito à Informação e o Direito de Informação A Declaração Universal dos Direitos do Homem, em seu artigo XIX, dita que toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem 15 SCHWUCHOW, W. Problems in evaluating the quality of information services. In: WORMELL, I. (Ed.). Information quality: definitions and dimensions. London: Taylor Graham, p SARACEVIC, T. Information science: origin, evolution and relations. In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of library and information science. London: Taylor Graham, p

9 interferência, ter opiniões e procurar receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independente de fronteira. 17 Não há democracia sem que todos os cidadãos tenham pleno e amplo direito à informação e direito de informação; direitos esses inalienáveis. O direito à informação constitui um instrumento de relevante importância para promover a participação das pessoas no exercício da cidadania, situa-se entre os direitos de quarta geração, ou seja, aqueles direitos que prestam a garantir a democracia. O direito à informação tem a característica de ser um direito coletivo, podendo ser utilizado em prol da comunidade ou também em defesa de interesses pessoais. 18 O direito de informação caracteriza-se por ser um direito individual por excelência, é o direito de poder se expressar, de manifestar opiniões, enfim é o direito de quem fornece a informação. Manifesta-se em três diferentes formas: o direito de informar, o direito de se informar e o direito de ser informado. 19 Segundo ensinamentos de J. J. Gomes Canotilho e Vital Moreira 20 citados por Nunes Júnior (2001, p.62-63): O direito de informação (n. 2 ª parte) integra três níveis: o direito de informar, o direito de se informar, e o direito de ser informado. O primeiro consiste, desde logo, na liberdade de transmitir ou comunicar informações a outrem, de as difundir sem impedimentos, mas pode também revestir uma forma positiva, enquanto direito a informar, ou seja, a meios para informar. O direito de se informar consiste designadamente na liberdade de recolha de informação, de procura de fontes de informação, isto é, no direito de não ser impedido de se informar. Finalmente, o direito a ser informado é a versão positiva do direito de se informar, consistindo num direito a ser mantido adequadamente e verdadeiramente informado, desde logo, pelos meios de comunicação [...]. Percebe-se, portanto, que ao contrário do direito de informação (diretamente ligado a quem fornece a informação), o direito à informação por estar intimamente ligado aos indivíduos, que recebem e podem cobrar informações das organizações estatais, empresariais, políticas e administrativas contribui para maior transparência e qualidade na prestação de serviços 17 CINQUENTA..., VIEGAS, 2003/2004, p NUNES JÚNIOR, 2001, p CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MOREIRA, Vital. Fundamentos da constituição. Coimbra: Coimbra Editora, 1991.

10 dessas organizações, promovendo assim a evolução e construção de uma sociedade mais justa e equilibrada. 5 Legislações Brasileiras que Regulam o Direito à Informação As legislações que serão apresentadas constituem elementos legais que garantem aos indivíduos o poder de exercer e usufruir dos direitos e garantias que as leis lhes conferem em relação ao direito à informação. A constituição Federal de 1988 fundamentou o direito à informação, como estabelecido no art. 5 º, parágrafo XIV é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte quando necessário ao exercício profissional e parágrafo XXXIII todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado. 21 O Código de Ética dos Profissionais de Propaganda cuja fiscalização esta a cargo do Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária CONAR, é também um instrumento de controle da publicidade. Pode ser utilizado em procedimentos administrativos ou judiciais pelos consumidores ou órgãos de defesa (Ministério Público, Associações civis e demais especificadas no art. 82 do CDC). 22 Formulado por entidades representativas do mercado publicitário, o Código Brasileiro de Auto-Regulamentação define o conjunto das melhores práticas, sob a ótica da ética e do respeito ao cidadão, para o desenvolvimento da atividade publicitária no Brasil. Na seção 3, art. 16 define: Art Embora concebido essencialmente como instrumento de autodisciplina da atividade publicitária, este Código é também destinado ao uso das autoridades e Tribunais como documentos de referência e fonte subsidiária no contexto da legislação da propaganda e de outras leis, decretos, portarias, normas ou instruções que direta ou indiretamente afetem ou sejam afetadas pelo anúncio. 23 No Brasil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, em vigor a partir de 11 de março de 1991 passou a regular as inovações que a 21 BRASIL, 2003, p. 23, CONAR..., BRASIL, 2006.

11 Constituição de 1988 trouxe através da introdução no seu art. 5 º, LXXXIII, do dever do Estado de promover a defesa do consumidor definindo regras de práticas de consumo, entre elas a proibição de informação enganosa capaz de induzir o consumidor a erro. No âmbito da defesa do consumidor o código brasileiro estabeleceu princípios da boa fé e da transparência, que devem permear as relações de consumo 24 que se formam entre consumidores e fornecedores. Pelo princípio da transparência o fornecedor é devedor de informação correta e completa, devendo esclarecer, avisar e predispor o consumidor a escolhas autodeterminadas. No capítulo 3, art.6 º, 3 define como direito básico do consumidor: a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem. No parágrafo único do art. 36 obriga o fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manter em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem. 25 São legítimos interessados para requerer informações todos aqueles a quem a lei outorga legitimidade para intentar as ações capazes de dar cumprimento às disposições do código. Como a tutela do código é preventiva, além de reparadora (art. 6 º, VI), a informação pode ser requerida a qualquer tempo, antes mesmo da aquisição do produto ou da contratação do serviço. No parágrafo primeiro do art. 37, o CDC reconhece o direito do consumidor de não ser enganado por qualquer informação inteira ou parcialmente falsa ou fraudulenta, capaz de induzi-lo em erro a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedade, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços. Contudo não basta apenas estimular ou criar estruturas para o acesso, uso, divulgação da informação. Como pode, por exemplo, alguém obter um direito se ele desconhece esse direito? Será que todos sabem que possuem direitos que são básicos. O direito à informação, por exemplo, quantos conhecem o CDC ou sabem de sua existência? Mais importante do que isso é garantir e assegurar a todos (analfabetos e alfabetizados) os direitos de acesso à informação e à educação através da criação de um processo educacional 24 As relações de consumo têm sua origem estritamente ligada às transações de natureza comercial e ao comércio propriamente dito, surgindo naturalmente à luz deste. Formam-se através de um negócio jurídico compreendido entre duas ou mais pessoas, geradas através de princípios contratuais básicos. 25 OLIVEIRA, 2004, p. 218.

12 eficiente que envolva toda a sociedade, pois somente uma sociedade alfabetizada poderá utilizar e exigirá o acesso à informação com verdade e com qualidade que é condição essencial para o exercício da cidadania. 6 Publicidade Comercial A publicidade comercial caracteriza-se por ser um fenômeno próprio do capitalismo. A utilização da informação para o comércio de bens e serviços transforma-a em um dos principais instrumentos de atuação e crescimento do mercado. 26 Trata-se de matéria regulamentada pela nossa constituição Federal (1988), CDC e fiscalizada pelo CONAR. A publicidade comercial é aquela relacionada ao comércio de produtos e serviços. No direito comercial e no direito do consumidor recebe as seguintes acepções 27 : Atividade voltada a criar no consumidor interesse por um produto ou serviço; Forma de comunicação relacionada à concorrência desleal e à defesa do consumidor; Agência publicitária; Técnica para vender produtos e serviços ou divulgar a imagem de uma empresa. Através dos jornais, revistas, televisão, rádios, cinema e aparatos tecnológicos específicos poderiam ampliar o alcance e uniformizar o conteúdo das mensagens comerciais, num passo fundamental às atividades de produção, oferta e troca de serviços ou bens de grande escala, já que tais possibilidades permitem gerar e manter consumidores sempre dispostos a consumir Como o Consumidor Escolhe? No ato da escolha, o consumidor tem a mente dividida entre o consciente (parte racionalizante) e o inconsciente (autista, com motivações próprias) 29. As modernas técnicas de publicidade visam a atingir estes níveis da personalidade, influenciando o consumidor que ao invés de considerar as qualidades próprias dos objetos a serem escolhidos, passa a basear suas escolhas nas informações que lhe são oferecidas do produto. 26 NUNES JÚNIOR, 2001, p DINIZ, 1988, v NUNES JÚNIOR, 2001, p TUCK, 1992, p.27

13 A informação é dotada de grande poder de influência no convencimento do consumidor e na sua tomada de decisão. A comunicação é um mecanismo da sociedade de massas que vive em meio a um excedente de bens, especialmente artigos e produtos de luxo, pouco necessários a sobrevivência, pois os produtos essenciais ao homem sempre se venderão por si mesmos, tem pouca necessidade da publicidade. Muitas vezes as informações publicitárias são centralizadas sobre produtos e serviços considerados pouco necessários, em princípio dispensáveis, na tentativa de induzir hábitos, disseminar condutas e criar expectativas para expansão de seu consumo. Jovens, freqüentemente, são seduzidos pela super valorização da manutenção da boa forma do corpo e por apelos de modismos, cuja informação que se quer incutir refere-se à utilização de certos tipos de calçados, roupas, cosméticos, perfumes, para realçar os dotes físicos. A indústria farmacêutica faz altos investimentos em publicidade e encontra como parceira a mídia de massa, que através de informações sensacionalistas e usando o testemunho de artistas famosos, divulga muitas vezes, sem responsabilidade, medicamentos a leigos, que deveriam receber seus receituários (informações) apenas de profissionais da área de saúde (ABRACOM, 2005). As informações que são oferecidas sobre certos tipos de remédios, vitaminas, compostos alimentares transfere-lhes qualidades que garantem aos seus usuários juventude eterna. Explorando a hipocondria e a insegurança presentes na maioria das pessoas, tais práticas publicitárias envolvem grande agressividade, buscando criar anseios ao invés de responderem à necessidade dos consumidores (ABRACOM, 2005). A automedicação e conseqüentes mortes por intoxicação no Brasil são o preço que se paga pelo lucro a qualquer preço perseguido pela indústria farmacêutica. Por isso, torna-se imprescindível o controle das informações divulgadas, pelo bem do consumidor, pela sanidade do mercado e pelo bem da própria publicidade (ABRACOM, 2005). A publicidade subliminar também visa inserir informações diretamente no inconsciente, com alto poder persuasivo, para tentar induzir as pessoas quando do processo de aquisição de bens ou serviços. Após estimulação subliminar, as pessoas tomam certas atitudes em resposta a determinadas informações sem conhecer a causa da conduta. Qualquer idéia, qualquer produto, qualquer valor pode ser embutido na cabeça da grande massa a partir deste tipo de publicidade SILVA et al., 2005.

14 A falsa publicidade gera expectativas inverídicas, que levam o adquirente de produtos e serviços a uma informação equivocada sobre características, preço, quantidade, qualidade e outros dados sobre o bem de consumo. As mensagens publicitárias poderiam conviver com fantasias e ilusões, desde que não enganassem o público no essencial, naquilo que possam conter de suficientemente preciso Considerações Finais Consumidores alienados ou manipulados, de modo geral, parecem ainda buscar no consumo material satisfazer suas angústias mais íntimas. Através do pertencimento de objetos materiais, almejam a realização de sonhos pessoais e talvez, por isso, parecem viver sob a égide do consumo irreal, infinito. São atraídos aparentemente não pela qualidade veraz da informação ou do produto, mas pelo prazer narcisístico, da necessidade de se considerar importante, autêntico, valorizar a si próprio enquanto consumidor. Tendo em vista sua imprescindível importância nas várias esferas da sociedade, a informação exerce um papel de orientadora de comportamentos. É o elemento que torna possível a consolidação do consumo por caracterizar o conteúdo informacional do comércio. Cabe à sociedade acompanhar o comportamento do consumidor, analisando as interferências da informação nas práticas adotadas pelos diversos tipos de comércio, fiscalizando por si e através dos órgãos públicos de defesa todas as condutas que se mostrarem abusivas com relação ao uso da informação. A informação há de ser adequada, correta, ampla. A publicidade, através dos meios de comunicação de massa (outdoors, rádio, TV, jornais, revista, bulas, prospectos, instruções de uso, rótulos), deverá transmiti-la de forma a predispor o consumidor a escolhas refletidas. O CDC é um instrumento de defesa do consumidor que regula a informação de fornecedores e consumidores quanto aos seus direitos e obrigações e demonstra o amadurecimento da sociedade brasileira ao estabelecer regras especificas para as relações de consumo. Portanto, não basta que os direitos e deveres dos consumidores constem no CDC e sejam tratados em outras leis e leituras jurídicas pertinentes. Os consumidores devem ser 31 OLIVEIRA, 2004, p.221.

15 conscientizados destas leis, conhecer seus direitos exigindo simultaneamente a reivindicação destes e o cumprimento de seus respectivos deveres. Foram apresentados conceitos de informação, conceitos de qualidade da informação e salientou-se que por ser objeto de estudo da ciência da informação, especificamente, nessa área, muitos pesquisadores tem estudado informação sob diferentes aspectos: cognitivista, gerencial ou administrativo, econômico e dentro de uma visão mais política e social, na formação da cidadania. Esta pesquisa, de análise teórica e reflexiva, mostra a complexidade e profundidade do tema e a necessidade de seu tratamento interdisciplinar além das raias jurídicas. Information Content on Advertising of Products and Services a legal aproach ABSTRACT: It argues the information supplied on products and services aiming at to safeguard the power of choice of the man, being established new principles that guarantee the free exercise of the will to fight or to prevent vicious situations in its formation. Concepts of information under different aspects, quality of the information, communications on the right to the information and right to information are presented. The Brazilian regulations that regulates the right to the information and the concept of commercial advertising is boarded in special way in this article that objective, in last instance, to subsidize reflections, to extend knowledge, and to instruct on the text of information contained in the advertisings of products and services, under the legal point of view. KEYWORDS: Advertising of Products and Services. Brazilian Regulations and Commercial Adversiting. Commercial Advertising. Information. Information Quality. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO - ABRACOM. Publicidade/marketing. In: CONGRESSO VIRTUAL DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL, Disponível em: <http://www.abracom.org.br>. Acesso em: 17 abr BRASIL. Código brasileiro de auto-regulamentação publicitária, Disponível em: da Acesso em: 2 maio BRASIL. Código de proteção e defesa do consumidor: lei n , de 11 de setembro de ed. São Paulo: Saraiva, p.

16 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de São Paulo: Atlas, p. BUCKLAND, Michael K. Information as thing. Journal of American Society for Information Science, New York, v. 42, n.5, p , CABRAL, Ana Maria Rezende. A vez e a voz das classes populares em Minas f. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, CAMARGO, Antonio Carlos de. O desafio da informação: no marketing da comunicação. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, p. CAMPOS, Maria Helena Rabelo. O canto da sereia: uma análise do discurso publicitário. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. CARDOSO, Ana Maria Pereira. Pós-modernidade e informação: conceitos complementares? Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n.1, p , jan./jun CINQUENTA anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Sao Paulo: Fundação Konrad-Adenauer-Stiftung, p. CONSELHO NACIONAL DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO PUBLICITÁRIA - CONAR. Código de ética dos profissionais de propaganda. Disponível em: <www.conar.org.br> Acesso em: 17 abr COONEY, J. P. Qual o real valor da informação? Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v.20, n.2, p , DENSA, Roberta. Direito do consumidor. São Paulo: Atlas, p. (Série Leituras Jurídicas: provas e concursos, v.21). DINIZ, Maria Helena. Dicionário jurídico. São Paulo: Saraiva, v. 3. GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. 2.ed. São Paulo: Editora UNESP, p. GRINOVER, A. da Pellegrini et al. Código brasileiro de defesa do consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. conforme o novo código civil. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 6. KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, p. MARTELETO, R. M. Informação: elemento regulador dos sistemas, fator de mudança social ou fenômeno pós-moderno? Ciência da Informação, Brasília, v. 16, n.2, p , jul./dez NEHMY, Rosa Maria Quadros. Leitura epistemológico-social da qualidade da informação f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Escola de Biblioteconomia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, NEHMY, Rosa Maria Quadros; PAIM, Isis. A desconstrução do conceito de qualidade da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.27, n.1, p.36-45, NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Publicidade comercial: proteção e limites na Constituição de São Paulo: Editora J. de Oliveira, p.

17 OAKLAND, John S. Gerenciamento da qualidade total (TQM): o caminho para aperfeiçoar o desempenho. São Paulo: Nobel, p. OLIVEIRA, James Eduardo C. M. Código de defesa do consumidor: anotado e comentado, doutrina e jurisprudência. São Paulo: Atlas, p. OLIVEIRA, Juarez de. Comentários ao código de proteção do consumidor. São Paulo: Saraiva, p. PAIM, Isis; NEHMY, Rosa Maria Quadros; GUIMARÃES, C.G. Problematização do conceito qualidade da informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.1, n.1, p , PROPAGANDA. In: SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. 18. ed. Rio de Janeiro: Forense, P PUBLICIDADE. In: HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, p PUBLICIDADE abusiva. SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. 18.ed. Rio de Janeiro: Forense, p PUBLICIDADE enganosa. In: SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. 18.ed. Rio de Janeiro: Forense, p RESPONSABILIDADE civil In: SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. 18.ed. Rio de Janeiro: Forense, p SANTOS, Fabíola Meira de Almeida; ALEXANDRIDIS, Georgios José Ilias Bernabé. A informação falsa na publicidade. Revista Jus Vigilantibus, agosto de Disponível em: <http://jusvi.com/artigos/16992>. Acesso em: 18 set SILVA, Elis Dutra da; ARGENTON, Filipe; CARDOZO, Rodrigo. Televisão e publicidade subliminar. Disponível em: <http://geocities.yahoo.com.br/intertexto/jornalismo/televisaosub.htm>. Acesso em: 17 abr SILVEIRA, Júlia Gonçalves da. Fontes de informação de antiquários: proposta de um modelo de análise e de categorização. Belo Horizonte: Escola de Ciência da Informação da UFMG, p. (Tese, Doutorado). TUCK, Mary. Como escolhemos: psicologia do consumidor. 5.ed. Tradução de Octávio Alves Velho. Rio de Janeiro: Zahar, p. VIEGAS, Weverson da Silva. O direito à informação como pressuposto para a participação popular. Revista da Faculdade de Direito de Campos, Campos dos Goitacases, v.4/5, n.4/5, p , 2003/2004.

Francisco José Soller de Mattos

Francisco José Soller de Mattos Princípios gerais da publicidade no Código de Proteção e Defesa do Consumidor Francisco José Soller de Mattos Introdução Nosso ordenamento jurídico não obriga a Nosso ordenamento jurídico não obriga a

Leia mais

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM JURISTA Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 1 A pirâmide de Kelsen Norma fundamental: CF: dignidade humana Leis: Código de Defesa do Consumidor Decretos Portarias

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA OFERTA VÍNCULO DA RELAÇÃO DE CONSUMO MERCADO DE CONSUMO OFERTA Artigo 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Recomendação da Direção-Geral do Consumidor - PUBLICIDADE DIRIGIDA A MENORES, UTILIZAÇÃO DA IMAGEM DE MENORES NA PUBLICIDADE -

Recomendação da Direção-Geral do Consumidor - PUBLICIDADE DIRIGIDA A MENORES, UTILIZAÇÃO DA IMAGEM DE MENORES NA PUBLICIDADE - Recomendação da Direção-Geral do Consumidor - PUBLICIDADE DIRIGIDA A MENORES, UTILIZAÇÃO DA IMAGEM DE MENORES NA PUBLICIDADE - O regime jurídico aplicável à publicidade dirigida a menores e à publicidade

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Concorrência lícita. Publicidade comparativa não denigre marca alheia Marcel Thiago de Oliveira* Resumo: O presente estudo visa investigar a publicidade comparativa à luz do ordenamento

Leia mais

Marketing. Questões. Gerência de Marketing de Produtos e Serviços. Prof. Mardônio Girão. As relações jurídicas decorrentes das práticas comerciais

Marketing. Questões. Gerência de Marketing de Produtos e Serviços. Prof. Mardônio Girão. As relações jurídicas decorrentes das práticas comerciais Marketing Prof. Mardônio Girão As relações jurídicas decorrentes das práticas comerciais Módulo Gerência de Marketing de Produtos e Serviços Módulo Gerência de Marketing de Produtos e Serviços 1 O marketing

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO PARECER JURÍDICO DNRC/COJUR/Nº 205/03 REFERÊNCIA: Processos

Leia mais

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques CRIANÇA e CONSUMO Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS Isabella Vieira Machado Henriques o instituto ALANA Organização sem fins lucrativos que desenvolve atividades educacionais, culturais

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores 2013 AFIXAÇÃO DE PREÇOS PROCON Campinas Orientações aos fornecedores AFIXAÇÃO DE PREÇOS - LEGISLAÇÃO A Lei Federal nº 10.962/2004 e o Decreto Federal nº 5.903/2006 que regulamenta a lei - regulam o direito/dever

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior.

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior. 1 ESTATUTO DO IDOSO: REALIDADE OU IDEAL? Cláudia Pereira Vaz de Magalhães* De acordo com o Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa de 1951, idoso é uma pessoa Que tem bastante idade; velho.

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

A EDUCAÇÃO SOCIOLÓGICA NO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA NA FACULDADE DE ARACRUZ

A EDUCAÇÃO SOCIOLÓGICA NO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA NA FACULDADE DE ARACRUZ A EDUCAÇÃO SOCIOLÓGICA NO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA NA FACULDADE DE ARACRUZ Arismar Maneia Mestre em Educação, pós-graduando em Filosofia, professor da Faculdade de Aracruz, professor do Centro Educacional

Leia mais

O Amianto e a Ética na Propaganda

O Amianto e a Ética na Propaganda O Amianto e a Ética na Propaganda Eliezer João de Souza 1 Aldo Vicentin 2 Fernanda Giannasi 3 Criado no final da década de 70, como uma alternativa à censura prévia que seria imposta pelo Governo Federal

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários CONTEXTUALIZAÇÃO O cenário produtivo e de negócios vem sofrendo contínuas transformações que ampliam o grau de competição entre as organizações, especialmente

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Define os princípios éticos que devem nortear a publicidade I. A propaganda é a técnica de criar opinião pública favorável a um determinado

Leia mais

Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa

Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa Objetivos da República Art. 3º. Construção sociedade livre, justa e solidária

Leia mais

A DEFESA DO CONSUMIDOR CONTRA A PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA

A DEFESA DO CONSUMIDOR CONTRA A PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA A DEFESA DO CONSUMIDOR CONTRA A PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA Djany Elisabeth MELATO 1 Daniel Goro TAKEY 2 RESUMO: O presente trabalho aborda a defesa do consumidor contra a publicidade enganosa e abusiva.

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Desafios à Gestão Universitária Prof. Dr. Adolfo Ignacio Calderón Coordenador do Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais Aplicadas da UMC, membro do comitê científico do Fórum de

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL BRASÍLIA/DF, 22 de agosto de 2012. Grupo de Trabalho sobre Autorizações para o Trabalho Infanto-juvenil: I. Não cabe autorização

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS INTERESSES TRANSINDIVIDUAIS NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO 1

A PROTEÇÃO DOS INTERESSES TRANSINDIVIDUAIS NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO 1 A PROTEÇÃO DOS INTERESSES TRANSINDIVIDUAIS NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO 1 BRANCO DE MIRANDA, Guilherme 1 ; BRUDER, Azor Nogueira 2 ; CANTON, Leonardo Ayres 3 ; VIEIRA,

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹ Revista da Universidade Ibirapuera - - Universidade Ibirapuera São Paulo, v. 6, p. 52-56, jul/dez. 2013 HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF Parte Um: Definição de Coaching Seção 1: Definições Coaching: Coaching é fazer uma parceria com os clientes em um processo estimulante e criativo que os inspira a maximizar o seu

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde Maria Christina Fekete 1 Apresentação O termo cuidado em saúde tem interpretação pouco precisa, tal como ocorre com o conceito de qualidade. Assim sendo, tratar

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Ética Geral e Profissional

Ética Geral e Profissional Ética Geral e Profissional Prof. Eurípedes Brito Cunha Júnior britojunior@gmail.com Normas: EOAB: Artigos isolados CEDOAB ANTIGO: Capítulo IV do Título I CEDOAB NOVO: Capítulo VIII do Título I Provimento

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais