Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento"

Transcrição

1 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa; CAFÉ, Lígia. Organização da informação ou organização do conhecimento? In: ENCONTRO NACIONAL DA PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 9., 2008, São Paulo. Anais São Paulo: USP, Condução da discussão: Roberta Caroline Vesú Alves Organização da informação ou organização do conhecimento? Objetivo e contexto do artigo Destaca-se o problema terminológico de falta de clareza e delimitação dos conceitos de organização do conhecimento e organização da informação. Objetivos: Analisar as ambiguidades da aplicação dos termos em Ciência da Informação: Organização do Conhecimento (OC), Organização da Informação (OI), Representação do Conhecimento (RC) e Representação da Informação (RI). Para isso, as autoras partem das concepções sobre informação e conhecimento, principalmente, de Fogl (1979). Analisar o uso desses termos na denominação de grupos de pesquisa do Cnpq e de linhas de pesquisa dos Programas de Pós-Graduação registrados na Capes, da área de Ciência da Informação. Apresentar uma proposta conceitual preliminar, que delimita esses domínios. Informação e conhecimento Para as autoras, as ambiguidades conceituais ocorrem em diversas áreas do conhecimento e refletem a sua legitimação pela comunidade. Os termos representam os conceitos, compondo a estrutura léxica de um determinado domínio (BRASCHER; CAFÉ,

2 2008, p. 2). Esses problemas são observados a fim de evitar problemas na comunicação científica (SAGER, 1990 apud BRASCHER; CAFÉ, 2008). As características conceituais que distinguem os termos informação e conhecimento foram exploradas objetivando subsidiar o estudo sobre OI, OC, RI e RC. Para isso, as autoras usaram o método de relacionar os conceitos às suas funções segundo seus contextos e diferenciaram os conceitos próximos. Algumas distinções entre informação e conhecimento apresentadas por Brascher e Café (2008, p. 3): dados, informação e conhecimento: os dados são informação potencial, que somente são percebidos por um receptor se forem convertidos em informação e esta passa a converter-se em conhecimento no momento em que produz uma modificação na estrutura do conhecimento do receptor (FERNANDEZ-MOLINA, 1994, p.328). Burke (2003) distingue os dois termos atribuindo as seguintes características para informação: o que é relativamente cru, específico e prático. O autor denota o conhecimento como aquilo que representa o que foi cozido, processado ou sistematizado pelo pensamento. Para Fogl (1979, p.21), a informação compreende uma unidade de três elementos: 1) Conhecimento (conteúdo da informação) 2) Linguagem (um instrumento de expressão de itens de informação) 3) Suporte (objetos materiais ou energia) Segundo este autor, não há conexão direta entre informação e objeto, uma vez que a única fonte de origem da informação é o conhecimento, a consciência humana e não o próprio objeto que está sendo conhecido, avaliado ou transformado (FOGL, 1979, p.22). A informação pode ser analisada, segundo Fogl (1979) apontado pelas autoras, além do conceito de informação advindo da Teoria Matemática [da comunicação] 1, portanto, sob os seguintes pontos de vista: semântico (cognitivo) e pragmático (real) incluindo a sua relação com o conteúdo, significado e sua função social; sua relação com o método de fixação do conhecimento e dos juízos de valor; e o suporte material utilizado. Segundo as autoras, O aspecto semântico: conteúdo do conhecimento e os juízos de valor fixados na informação, sem relação com as necessidades e interesses do sujeito, que avalia a informação em termos de sua veracidade, confiabilidade, conhecimento, adequação dos juízos de valor e assim por diante (FOGL, 1979, p.22) a informação como algo subjetivo e relativo, que dependente da interpretação do receptor; perspectiva cognitiva; a 2 1 Teoria da Informação proposta por Shannon ( ) em 1948, que estabelece, basicamente, a transmissão de uma mensagem entre emissor e receptor, mediante um canal com possibilidade de ruído.

3 informação como possibilidade de transformar estruturas de conhecimento (conhecimento como algo provisório e em permanente revisão). O aspecto pragmático: para Capurro e Hjorland (2003), o conceito de informação está relacionado ao que se deseja ser respondido (relevância da informação diante da necessidade e propósitos de informação), por isso, para a organização da informação ser eficiente deve considerar o aspecto pragmático. Conclusão das autoras, com base em Fogl (1979), sobre a distinção dos conceitos informação e conhecimento: 1) Conhecimento é o resultado da cognição (processo de reflexão das leis e das propriedades de objetos e fenômenos da realidade objetiva na consciência humana); 2) Conhecimento é o conteúdo ideal da consciência humana; 3) Informação é uma forma material da existência do conhecimento; 4) Informação é um item definitivo do conhecimento expresso por meio da linguagem natural ou outros sistemas de signos percebidos pelos órgãos e sentidos; 5) Informação existe e exerce sua função social por meio de um suporte físico; 6) Informação existe objetivamente fora da consciência individual e independente dela, desde o momento de sua origem. 3 Reflexão: Qual a relação entre informação e conhecimento? A informação tem o potencial de ser percebida pelos nossos sentidos para gerar e transformar nossos conhecimentos? OI e OC, RI e RC: proposta conceitual Segundo as autoras: O objetivo do processo de organização da informação é possibilitar o acesso ao conhecimento contido na informação. Esse objetivo pode ser detalhado com base nos ajustes propostos por Svenonius (2000) aos objetivos bibliográficos definidos pela International Federation of Library Associations (IFLA), a saber: localizar entidades em arquivo ou base de dados como resultado de uma busca por meio de atributos e relacionamentos entre as entidades; identificar uma entidade, isto é, confirmar que a entidade descrita em um registro corresponde à entidade desejada ou distinguir entre duas ou mais entidades com características similares; selecionar uma entidade que é apropriada às necessidades dos usuários;

4 adquirir ou obter acesso à entidade descrita; navegar numa base de dados, isto é, encontrar obras relacionadas a determinada obra por meio de generalização, associação, agregação; encontrar atributos relacionados por equivalência, associação e hierarquia. As autoras distinguem os processos de organização da informação e processos de organização do conhecimento, respectivamente, pertencentes à OI e à OC. A OI e a RI se referem à informação contida nos documentos e a OC e a RC se referem ao mundo dos conceitos (unidades de pensamento). Nessa direção, discordamos de Hjorland (2008k) quando afirma que o processo de organização do conhecimento, no sentido restrito usado na Ciência da Informação, compreende a elaboração de resumos, a catalogação, a classificação, a indexação, o estabelecimento de elos, etc.. Em nosso entendimento, esses processos se aplicam a objetos físicos - aos objetos informacionais e, conseqüentemente, são processos de organização da informação e não do conhecimento. (BRASCHER; CAFÉ, 2008, p. 6). Dois tipos distintos de processos de organização: OI para objetos informacionais e OC para unidades do pensamento ou conceitos (BRASCHER; CAFÉ, 2008). Processos de organização e representação, segundo as autoras: OI: processos de organização do conjunto de objetos informacionais em coleções de bibliotecas, museus, arquivos tradicionais e eletrônicos. RI: conjunto de atributos que representa o objeto informacional, obtido por processos de descrição física e de conteúdo. OC: processos para a construção de modelos de mundo (abstrações da realidade). RC: se constitui em estrutura conceitual que representa modelos de mundo (descrever e fornecer explicações sobre os fenômenos que observamos); sistemas de organização do conhecimento: sistemas conceituais que representam determinado domínio, sistematizando conceito e suas relações semânticas (classificação, cabeçalhos de assunto, arquivos de autoridade, redes semânticas, ontologias, dicionários, glossários, taxonomias e tesauros). 4 OI, OC, RI e RC em grupos e linhas de pesquisa da Ciência da Informação no Brasil As buscas dos termos de termos, segundo as autoras, identificaram 26 grupos com OI, 18 com OC, 24 com RI e 16 com RC, sendo que 10 não se repetem. Foram encontradas diferenças conceituais entre os grupos de pesquisa, também em relação ao que foi delimitado como OC, RC, OI e RI na pesquisa das autoras.

5 A análise das linhas de pesquisa dos Programas de Pós-Graduação também demonstrou a abrangência do uso dos termos. Destaca-se a Unesp com a denominação Organização da Informação, que incorpora as três temáticas: OI, OC e RI: Considera a organização da informação como elemento para garantia de qualidade na recuperação, destacando-se o desenvolvimento de referenciais teóricos e metodológicos interdisciplinares acerca dos procedimentos de análise, síntese, condensação, representação e recuperação do conteúdo informacional, bem como dos produtos documentários deles decorrentes. Ressalta-se, como dimensão teórica, a reflexão sobre organização do conhecimento e seus desdobramentos epistemológicos e instrumentais; e, como dimensões aplicadas, a produção científica na área e a formação profissional, suas práticas e determinações institucionais em Unidades de Informação enquanto elementos subjacentes à organização do conhecimento. (BRASCHER; CAFÉ, 2008, p. 12). 5 Conclusão do artigo As autoras verificaram a importância dos termos OC, OI, RC e RI em grupos de pesquisa e linhas de pesquisa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, além da necessidade de discussão conceitual para o entendimento comum e pretendem dar continuidade à pesquisa com aprofundamentos das reflexões. Considerações sobre o artigo Verifica-se a importância da compreensão e delimitação dos conceitos informação e conhecimento mediante processos de organização e representação em Ciência da Informação. Esses estudos ocorrem principalmente por meio da área de Organização do Conhecimento (Knowledge Organization), que nasceu dos estudos das classificações bibliográficas (sistema conceitual), estas embasadas na classificação do conhecimento da filosofia. Além disso, essa área estuda principalmente os processos de OC, RC e sistemas de organização do conhecimento (sistemas conceituais que representam domínios). Contudo, a área da Organização do Conhecimento também engloba os estudos de OI e RI, voltados aos objetos informacionais.

Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? 1

Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? 1 Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? 1 Marisa Brascher (UnB) Lígia Café (UFSC) Resumo: A eficiência da comunicação científica depende da precisão no uso de termos e seus respectivos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS. Marisa Bräscher Fernanda de Souza Monteiro

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS. Marisa Bräscher Fernanda de Souza Monteiro ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS Marisa Bräscher Fernanda de Souza Monteiro 1 OI objeto informacional Para ser organizada, a informação precisa ser descrita uma descrição é um enunciado

Leia mais

Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP

Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP Estudo do Domínio do Repositório Institucional da ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição do Fluxo Geral e

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação.

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. DIA: 16 de novembro (segunda feira). PALESTRANTES TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. PROFESSOR(A):

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Seção de Acesso a Bases de Dados Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Sumário 1. Instrumentos de Busca 2. Bom atendimento ao usuário 3. Conhecimento

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Introdução à Metodologia Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2014 Gustavo S. C. Meireles 1 Segundo o dicionário Aurélio, metodologia é a arte de dirigir o espírito na investigação

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília.

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. Eixo Temático: Livre Nome: Etiene Siqueira de Oliveira - Bolsista: PIBIC/CNPq

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais,

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, 138 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, são sistemas de alimentação de catálogos

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS Professoras: Luiza Castro Solange López Indagações: Como preparar um aluno para o exame CELPE-Bras? É importante conhecer a cultura do Brasil? Que habilidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

INDEXAÇÃO E RESUMO: Prof. Edivanio Duarte de Souza edivanioduarte@gmail.com. Maceió, Alagoas 2011.1

INDEXAÇÃO E RESUMO: Prof. Edivanio Duarte de Souza edivanioduarte@gmail.com. Maceió, Alagoas 2011.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I INDEXAÇÃO E RESUMO: Aspectos Teóricos e Práticos Prof. Edivanio Duarte

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO. PET BIBLIOTECONOMIA

A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO. PET BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA OFICINA FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA CIENTÍFICA Projeto de Extensão LALETEC Para refletir! Agenda ETAPAS DE UMA PESQUISA 1 O QUE PESQUISAR? assunto Objetivo: Delimitar o tema e listar as respectivas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD?

Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD? Como a representação e a organização do conhecimento podem contribuir para a EaD? Alcione Santiago Dilene Feitoza Lucineide Fontinele Otacílio Marques Rosemary Almeida Roteiro - Informação; - Organização;

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS PÔSTER IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS Joice Cleide Cardoso Ennes de Souza, Rosali Fernandez de Souza Resumo:

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS MAPAS CONCEITUAIS Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS O que são? Em um sentido amplo, mapas conceituais

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião REQUISITOS Prof. Msc. Hélio Esperidião OS REQUISITOS O que são requisitos? Uma descrição de um serviço ou de uma limitação O que é a engenharia de requisitos? O processo envolvido no desenvolvimento de

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIA DA INFORAMÇÃO-CEECInfo Indicadores e Padrões de Qualidade

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS Computador Duas características básicas de todo sistema Uma coleção de componentes Um conjunto de relações entre seus componentes Um exemplo Nível de Sistemas Nível de Sub-Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Pesquisa Bibliográfica

Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Bibliográfica Fases da pesquisa bibliográfica a) determinação dos objetivos; b) elaboração do plano de trabalho; c) identificação das fontes; d) localização das fontes e obtenção do material;

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1)

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) Mariana de Oliveira Inácio 1, Mariângela Spotti Lopes Fujita 2 1 Mestranda,

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS Gabriela Rodrigues A expressão é correntemente utilizada nas Ciências Sociais, particularmente entre a Antropologia e a Sociologia, e refere-se a um conjunto de técnicas de

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Informação: Conceitos e Fundamentação Teórica

Informação: Conceitos e Fundamentação Teórica Informação: Conceitos e Fundamentação Teórica PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Etimologia A palavra informar vem do latim informare, que significa colocar

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS P Ô S T E R IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS Joice Cleide Cardoso Ennes de Souza, Rosali Fernandez de Souza Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo Colegiado do Curso através da Resolução nº 03 de 13 de agosto de 2010 NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Médio ETEC: MONSENHOR ANTÔNIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Área de conhecimento: Linguagem, Código e suas Tecnologias. Componente Curricular: LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 1. Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Alcenir Soares dos Reis Maria Guiomar da Cunha Frota A elaboração de um projeto de pesquisa indica para o pesquisador (ou para as instituições às quais

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais