MAILZA MARIA ROSA GOULART EDUCAÇÃO DO CAMPO - UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: A CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAILZA MARIA ROSA GOULART EDUCAÇÃO DO CAMPO - UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: A CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA II - EDUCAÇÃO E PROCESSOS SÓCIO-CULTURAIS E SUSTENTABILIDADE MAILZA MARIA ROSA GOULART EDUCAÇÃO DO CAMPO - UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: A CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC Lages 2008

2 MAILZA MARIA ROSA GOULART EDUCAÇÃO DO CAMPO - UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: A CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC Dissertação apresentada à Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC. Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação. Linha de Pesquisa II: Educação, Processos Socioculturais e Sustentabilidade. Coordenadora: Ana Maria Netto Machado. Orientadora: Prof. Drª. Elizabete Tamanini. Lages 2008

3 UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE MAILZA MARIA ROSA GOULART EDUCAÇÃO DO CAMPO - UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: A CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC Dissertação apresentada à Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC. Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação. Linha de Pesquisa II: Educação, Processos Socioculturais e Sustentabilidade. Orientadora: Prof. Dra. Elizabete Tamanini. COMISSÃO EXAMINADORA: Prof. Drª. Elizabete Tamanini Orientadora: Prof. Drª. Zilma Isabel Peixer PPGE- Mestrado em Educação UNIPLAC: Prof. Drº. Antonio Munarim Centro de Educação UFSC: Lages Julho de 2008

4 O caminho é você caminhando. Irmã Jandira Bettoni (In memoriam)

5 AGRADECIMENTOS Ao meu pai (in memoriam), que assistiu e acompanhou-me no início desta trajetória e que está em outra dimensão sorrindo, cantando, dançando e continuando a celebração desta conquista. Á minha mãe, (uma destas Marias) que foi se minguando... minguando... para ver os filhos crescerem, e que agora lhe acalentamos, pois o seu João se foi. Ao meu esposo José, que há 30 anos tem ouvido falar de Marx, Che Guevara, Rosseau e Freire e tantos outros autores, e que após estes 30 anos, mesmo sem compreendê-los continua sendo o amor da minha vida. Obrigada pelo teu abraço e cumplicidade. Aos meus filhos, que conviveram sempre com a mãe que não pára de trabalhar e estudar, o que me torna uma mãe feliz e angustiada, são os beijos doces que a vida me deu. A você Éder, meu lindo trabalhador, músico, cantor e pesquisador da cultura da Serra Catarinense, um sujeito fazedor de histórias que deixa pela música o lenitivo da alma, nossa geração continua.com a chegada da Elizabete linda como uma porcelana. A você Éverton, que me ensinou informática e que me trouxe a realização de um sonho: nossas netas Alice e Letícia, mulheres, neste planeta. Ao Edvar, cujo carinho é tão constante no teu sorriso, um pouco de roqueiro, um pouco de estudioso de imagens, meu companheiro das madrugadas. Às minhas noras, Cris, Tati, Lú, que mexeram nas nossas vidas com tanto

6 amor que encheu a casa, saiu pelas portas e janelas levando nossos filhos, amo vocês minhas meninas. À minha tia, madrinha e mãe, de 91 anos de idade, que cuidou de mim com os seus remédios caseiros, de quem aprendi os fazeres das mulheres do campo, mulher parteira, minha mãe Nenê, meu dengo, alento e força. Aos alunos especiais da APAE, que me ensinaram a docilidade dos tempos certos a cada tempo na vida. Vocês deram na minha vida a oportunidade de ver cores, sentidos e significações jamais vistos antes. Ter vocês já é bastante para ter vivido. Não é por acaso, como diz a minha irmã Ioni Wolff Hamann. Ao Centro VIANEI de Educação Popular, através das pessoas: Natal João Magnanti, Selênio Sartori e Prof. Mestre Sérgio Sartori, pelo apoio, atenção mostrada durante esta pesquisa e por acreditarem na história do desenvolvimento territorial da região da Serra Catarinense. Á professora Mestre Leida Maria Martins Vieira, que acompanha minha trajetória pessoal e profissional por mais de trinta anos, exemplo de humanidade. Ás Irmãs Franciscanas do Apostolado Paroquial da Diocese de Lages, que me acolheram e colaboraram neste trabalho, especialmente Irmã Irdes e Irmã Alzira. A todos os que militam, pensam e plantam idéias de conhecimento junto aos agricultores na construção das Políticas Públicas de Educação do Campo. Á Direção, Monitores, Governanta, Funcionários, Alunos, Associação de Pais e Associação dos Agricultores e Conselho da Casa Familiar Rural do município de São José do Cerrito, Comunidade de Santo Antônio dos Pinhos. Á Prof. MSC. Lori Terezinha K Silveira, pelo apoio. Á UNIPLAC, pela oportunidade de vivenciar, nesta Instituição, as grandes construções históricas, ideais, embates e conversas desde 1972 e por participar do curso de Mestrado/2005 a Á Coordenação, Professoras (es) Doutoras (es) e colegas do Curso de Mestrado, especialmente às colegas Adriana Kremer, Rosângela Bairros, Rosana S. Lopes e Andréia Colla pelas trocas, companheirismo e energia. Á banca de Examinadores pela contribuição e compreensão na adesão da proposta de estudo. Aos Amigos para sempre, pela amizade que se faz presente em todas as horas. Gratidão especial à Orientadora Professora Dra. Elizabete Tamanini, que

7 me ajudou na desconstrução/construção pessoal-intelectual, de quem recebi carinho, atenção e grandes lições, durante esta trajetória. Á Gestão da Ação Comunitária UNIPLAC/2008. Ás pessoas que se debruçaram comigo sobre este trabalho, gratidão à Prof. Esp. Júlia Cristina Marian, Prof. MSc. Rosa Maria Donato Beal, Prof. MSc. Maria Cândida Melo Pereira, Prof. Elson Rogério Bastos Pereira, Prof. Esp. Telma Maria Junges, e Prof. José Francisco da Silva revisores deste trabalho.

8 DEDICATÓRIA Ao meu pai (in memoriam), pelo legado dos saberes e fazeres do campo. À Irmã Jandira Bettoni (in memoriam), pela demarcação na história da pedagogia da terra na Serra Catarinense.

9 SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS LISTA DE QUADROS LISTA DE FIGURAS RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - POR QUE EDUCAÇÃO DO CAMPO? A tropeirada, as trilhas, os caminhos no território da Serra Catarinense São José do Cerrito Os caminhos da pesquisa: diálogos entre autores e autorias Campo e cidade territorialidade: prospecções exploratórias no contexto da implantação da casa familiar rural de São José do Cerrito/SC CAPÍTULO II - EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA AS CONCEPÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE FUNDAMENTAM A FORMAÇÃO DOS(AS) JOVENS AGRICULTORES(AS) NA CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC O surgimento da formação pela pedagogia da alternância na França A compreensão da pedagogia da alternância para o estudo Entendendo a tipologia da pedagogia da alternância nos autores As casas familiares rurais no Brasil As casas familiares rurais em Santa Catarina... 53

10 2.6 A implantação da casa familiar rural de São José do Cerrito/SC - comunidade Santo Antônio dos Pinhos/SC A pedagogia da alternância: a formação, docência e militância política visões dos autores A pedagogia da alternância e a educação popular Pedagogia da alternância e a legislação brasileira Trajetória para a organização de uma casa familiar rural A seqüência das alternâncias na casa familiar rural O processo de avaliação na CFR - com a pedagogia da alternância Pedagogia da alternância e a prática na CFR de São José do Cerrito/SC A pedagogia da alternância e o desenvolvimento sustentável apoiado na agricultura familiar CAPÍTULO III - EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL: OLHARES E ESTRANHAMENTOS NA EXPERIÊNCIA DA CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC EDUCAÇÃO DO CAMPO UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: PONTOS (IN)CONCLUSIVOS REFERÊNCIAS APÊNDICES

11 LISTA DE SIGLAS ABREVIATURA SIGNIFICADO ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais AIRF Associação Internacional das Casas Familiares Rurais AMURES Associação dos Municípios da Região Serrana ARCAFAR Associação Regional das Casas Familiares Rurais CEB Conselho de Educação Básica CEDUP Centro de Educação Profissionalizante CEFA Centro de Formação em Alternância CEFFA Centro Familiar de Formação em Alternância CFR Casa Familiar Rural CNE Conselho Nacional de Educação CONTAG Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais CPT Comissão Pastoral da Terra CRAB Comissão Regional dos Assentados das Barragens CREDICARÚ Cooperativa de Crédito Rural DSC Discurso dos Sujeitos Coletivos DURB Secretaria do Estado de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente EFA Escola Família Agrícola

12 EPAGRI IBGE IDH IFAP IHS LDB MAB MEC MMA MPA MS MST ONG PA PCSC PRONAF PROPEG SC SCIR SECAD SJC UNIPLAC UNEFAB VIANEI Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Índice de Desenvolvimento Humano Irmãs Franciscanas do Apostolado Paroquial Índice Humano Social Lei de Diretrizes e Base da Educação Movimento dos Assentados das Barragens Ministério da Educação e Cultura Movimento das Mulheres Agricultoras Movimento dos Pequenos Agricultores Movimentos Sociais Movimento dos Sem Terra Organização Não Governamental Pedagogia da Alternância Proposta Curricular de Santa Catarina Programa Nacional da Agricultura Familiar Programa de Pós Graduação Santa Catarina Secretaria Central de Iniciativa Rural Secretaria da Educação Continuada Alfabetização e Diversidade São José do Cerrito Universidade do Planalto Catarinense União Nacional das Escolas Famílias Agrícolas do Brasil Centro VIANEI de Educação Popular

13 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 Mapa de Santa Catarina, no destaque o município de São José do Cerrito FIGURA 02 Distribuição por região geográfica das Instituições que têm

14 curso em alternância FIGURA 03 Distribuição das matrículas por região geográfica FIGURA 04 Reunião dos parceiros na Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC FIGURA 05 Representação estruturada dos componentes de um sistema de formação alternada FIGURA 06 - Parada do ônibus na comunidade de Santo Antônio dos Pinhos, BR282, 18km adiante da Sede do Município de São José do Cerrito/SC FIGURA 07 Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC Comunidade de Sto. Antônio dos Pinhos FIGURA 08 - Alunos na Casa Familiar Rural com a pesquisadora e o monitor. 83 FIGURA 09 - Alunos e pesquisadora em sala de aula FIGURA 10 Síntese dos Discursos dos Sujeitos Coletivos FIGURA 11 - Idéias Sínteses sobre a Casa Familiar Rural FIGURA 12 Idéias Sínteses dos Sujeitos a Respeito da Pedagogia da Alternância FIGURA 13 Idéias Sínteses das Percepções da Formação do (a) Jovem Agricultor (a) LISTA DE QUADROS QUADRO 01 - Síntese do Perfil dos Sujeitos da Pesquisa QUADRO 02 - Percepções dos Sujeitos sobre as Políticas da Educação do

15 Campo QUADRO 03 - Discursos dos Sujeitos Acerca das Políticas de Educação do Campo QUADRO 04 - Das Percepções dos Sujeitos da CFR de São José do Cerrito.. 97 QUADRO 05 - Discursos dos Sujeitos Coletivos acerca da Casa Família Rural QUADRO 06 - Percepções dos Sujeitos Coletivos a respeito das Parcerias da CFR QUADRO 07 - Discursos dos Sujeitos acerca das Parcerias na CFR QUADRO 08 - Das Percepções dos Sujeitos da CFR sobre a Pedagogia da Alternância QUADRO 09 - Discursos dos Sujeitos acerca da Pedagogia da Alternância QUADRO 10 - Das Percepções da Formação do(a) Jovem Agricultor(a) QUADRO 11 - Discursos dos Sujeitos das Percepções da Formação do(a) Jovem agricultor(a) RESUMO A presente pesquisa investiga o processo de implantação, os fundamentos, as concepções teórico-metodológicas que sustentam as práticas de formação na Casa Familiar Rural (CFR)

16 de São José do Cerrito/SC. Contextualiza o território da pesquisa, apresentando autores e estudos que fundamentam os conceitos, e dialogam com os saberes e fazeres dos sujeitos envolvidos neste estudo: CFR, os representantes dos segmentos organizados da sociedade civil na comunidade local, entre estas: ONGs, Associações Sindicais, Movimentos Sociais, Pastorais Sociais e outras. Iniciam-se reflexões e prospecções ainda exploratórias sobre Desenvolvimento Territorial, articulado com as questões da Educação do Campo, apresentando pontos sobre desenvolvimento sustentável. Faz-se uma trajetória das experiências de criação das Casas Familiares Rurais internacionais, da chegada ao Brasil, no Estado de Santa Catarina e por fim a implantação em São José do Cerrito/SC. A construção narrativa está alicerçada em recortes historiográficos e etnográficos considerando os dois últimos séculos. Por outro lado, nessa releitura, traz-se para o contexto atual, a luta dos diferentes movimentos sociais e instituições para a definição de estratégias educativas e políticas públicas diferenciadas para aqueles que vivem e são campesinos. Constatou-se, sobretudo a importância dos Movimentos Sociais no território do planalto serrano e suas interfaces com as lutas universais, apoiados e assessorados pelo Centro VIANEI de Educação Popular estabelecendo esta Instituição relações interinstitucionais e articulações estratégicas para a continuidade dos trabalhos na Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC. Palavras-chave: Educação do Campo, Pedagogia da Alternância, Casa Familiar Rural, Movimentos Sociais. ABSTRACT This research investigated the process and the implantation, the basis, the theoricalmethodological conceptions that support the experiences in formation of the Rural Familiar

17 House (RFH) - Casa Familiar Rural (CFR) - in São José do Cerrito/SC. It contextualizes the area of the research, presenting authors and studies that prove the conceptions and have dialogues with "the knowlodges and the makings" of the involved peopie in this study, they are the representatives of RFH and of the organized segments of the civil society in this specific locality, such as, non-governametal organizations (NGO's); Associations, Union Associations, Social Movement, Social Pastorals of the church and others. It still begins with expioratory reflections and prospecting about the problems of the education in the countryside and presenting some subjects about enviromentally sustainable deveiopment and the formation of the men and women agriculturalist in the CFR. It has done a report of the experiences about the creation of the International Rural Familiar Houses, its arrival in Brazil, in Santa Catarina State and, finally, the political-pedagogical experiences of the CFR in São José do Cerrito/SC. The narrative construction is based in the historical and ethnographic facts during the Iast two centuries. In the other way, this new reading brings at this moment context, the struggle of the many Social Movement and Institutions in order to determinate the educational strategies and different public politics for those people who live in the country and still are country people. It was verified, over ali, the importance of the Social Movement in Serra Catarinense territory and its connection with universal struggles, supported and advised by VIANEI Center of the Popular Education - Centro VIANEI de Educação Popular. This institution keeps inter-institutional relationships and strategical links for the implantation and sustainability of the works at CFR - Casa Familiar Rural- em São José do Cerrito. Key-words: Education in the Countryside, Rural Familiar Houses, Pedagogy of Alternance, Social Movement. INTRODUÇÃO A presente pesquisa objetivou investigar o processo de implantação, os fundamentos, as concepções teórico-metodológicas que sustentam as práticas de

18 formação na Casa Familiar Rural (CFR) de São José do Cerrito/SC. Assim, esta dissertação está estruturada da seguinte forma: no CAPÍTULO I, POR QUE EDUCAÇÃO DO CAMPO? - buscou contextualizar o território da pesquisa, apresentando autores, autorias e estudos que fundamentam os conceitos, e dialogam com os saberes e fazeres dos sujeitos envolvidos neste estudo caracterizado como pesquisa qualitativa e etnográfica. Ao situar o campo da investigação, apresentam-se os sujeitos envolvidos nesse processo, os parceiros que atuam na CFR, os representantes dos segmentos organizados da sociedade civil na comunidade local, entre estas: ONGs, Associações Sindicais, Movimentos Sociais, Pastorais Sociais e outras. Iniciam-se reflexões e prospecções ainda exploratórias sobre Desenvolvimento Territorial, articulado com as questões da Educação do Campo, apresentando pontos sobre a questão da Sustentabilidade. A abordagem da realidade sob a perspectiva de território estimula o repensar sobre a dicotomia elaborada, na modernidade liberal, entre rural e urbano e suas respectivas contradições. NO II CAPÍTULO, EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA - AS CONCEPÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE FUNDAMENTAM A FORMAÇÃO DOS (AS) JOVENS AGRICULTORES (AS) NA CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC. A educação do campo e a agricultura familiar se constituem em um importante processo de transformação, do mesmo modo que permite ao agricultor de base familiar manter a sua identidade com raízes sustentadas na sua prática de vida no campo. Assim, nesse capítulo, destacam-se reflexões acerca da Educação do Campo, a partir da organização de espaços de formação como as Casas Familiares Rurais Centros de Formação, Escolas Rurais. Ainda nessa parte da pesquisa, faz-se uma trajetória das experiências de criação das Casas Familiares Rurais internacionais, da chegada ao Brasil, no Estado de Santa Catarina e por fim a implantação em São José do Cerrito/ SC. A construção narrativa está alicerçada em recortes historiográficos considerando os dois últimos séculos. Por outro lado, nessa releitura, traz-se para o contexto atual a luta dos diferentes movimentos sociais e instituições para a definição de estratégias educativas e políticas públicas diferenciadas para aqueles que vivem e são campesinos. Nessa perspectiva, encontram-se a expansão e o enriquecimento das experiências em Pedagogia da alternância em diferentes modalidades de educação: seja na formação de jovens, nos estágios de inserção,

19 seja na formação permanente de adultos. O grande desafio foi localizar as experiências, analisá-las nas dimensões históricas, pedagógicas e da definição de legislação transformada em políticas públicas. NO III CAPÍTULO, EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL: OLHARES E ESTRANHAMENTOS NA EXPERIÊNCIA DA CASA FAMILIAR RURAL DE SÃO JOSÉ DO CERRITO/SC. Procurou-se estabelecer um diálogo entre os autores e os sujeitos, tomando como ponto de partida as narrativas coletadas nos roteiros; as narrativas, fruto dos encontros informais, os relatos das parcerias da CFR de São José do Cerrito, as observações de campo e as análises de documentos. Estrutura-se, a partir desse contexto, um quadro interpretativo ancorando as reflexões nas Análises de Discursos dos Sujeitos Coletivos (LEFÈVRE e LEFÈVRE, 2003). A organização das idéias chaves advindas de diferentes sujeitos permite leituras e análises, bem como sugere um processo de construção de fontes a respeito da problemática. Tratando-se de um estudo inédito, têm-se a preocupação e o cuidado com a informação, a socialização e a conservação histórico-educativa da Experiência de implantação da Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC. EDUCAÇÃO DO CAMPO UMA EMPREITADA SOLIDÁRIA: PONTOS (IN) CONCLUSIVOS Inventariou, refletiu e deixou em aberto pontos de referência tecidos no decorrer da dissertação. Constatou-se, sobretudo, a importância dos Movimentos Sociais no território do planalto serrano e suas interfaces com as lutas universais. Tais segmentos ao longo das três últimas décadas vêem sendo apoiados e assessorados pelo Centro VIANEI de Educação Popular, estabelecendo esta Instituição relações interinstitucionais e articulações estratégicas para a continuidade dos trabalhos na Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC. Pode-se analisar que dentro das singularidades culturais, sociais, políticas e educacionais do Brasil a Pedagogia da Alternância está presente no processo político pedagógico da Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC. Ressaltam-se, ainda, os pressupostos estratégicos da Educação Popular fortemente adotada pelos Movimentos Sociais na América Latina, tendo a representação da Pedagogia Freiriana como inspiração filosófica e Política. Esse pouso,ou seja, o final desta dissertação é para dizer que de forma comprometida registrou-se um processo de Educação construído coletivamente pela classe trabalhadora, cujo tema, como se percebeu, pouco interessa as elites brasileiras a Educação do Campo enquanto Política Pública.

20 CAPÍTULO I POR QUE EDUCAÇÃO DO CAMPO? 1.1 A tropeirada, as trilhas, os caminhos da pesquisa no território da Serra Catarinense São José do Cerrito/SC

21 [...] amanhã cedo, de capa na mala Vamos buscar tropa nova de boi Da tropa de ontem Hoje ninguém fala Que esta repõe aquela que se foi Música: Éder Goulart Letra: Ramiro Amorim A tropeirada requer dos tropeiros uma preparação, seguida de rituais, ou seja, a juntada dos pertences, o processo da arrumação dos arreios dos animais de monta, da paçoca nas bruacas, das capas na mala, dos revirados de carne e cuscuz, dos apetrechos para o pouso, da definição do corredor por onde trilhar até o ponto das paradas para as trocas dos mantimentos, venda do gado, muares ou porcos. Identificamos neste saber e fazer do território da serra catarinense traços e semelhanças importantes que dialogam com o processo de se preparar para estudar, pesquisar e se envolver com o lugar e a temática em si. O estudo desta problemática vem de longos anos de trabalho. Como professora das redes públicas de ensino, observou-se neste trajeto que a qualidade e o compromisso com a educação do campo e das comunidades rurais sempre estiveram à margem das políticas públicas ou foram engolidas pelas ações do mundo urbano. Segundo Munarim (2000, p. 20), Uma Política Pública se faz mais democrática ou menos democrática, a depender, especialmente, da capacidade de organização e mobilização e dos princípios que regem as organizações protagonistas no seio da Sociedade Civil em referência, que lutam por hegemonia, bem como a depender do grau de autoritarismo/democracia que caracteriza os órgãos do Estado envolvidos no mesmo processo. Outro motivo desta escolha foi devido a nossa atuação na formação de 800 professores do meio rural da Região da Serra Catarinense, no Projeto do MEC SC e 7ª CRE - Habilitação de Magistério PROJETO LOGOS II - nos anos de 1980 a 1988, atuando como supervisora do estágio nas chamadas Escolas Isoladas. Percorreu-se nesse período toda a Região da AMURES (na época formada por 21 municípios) e deparava-se com as asperezas da Educação do Campo. Interagia-se com as dificuldades e deficiência das rodovias com as dificuldades da nossa prática

22 pedagógica e dos professores, pois a realidade imposta era de isolamento de toda ordem. Ou nas palavras de Arroyo (2004) a história do campo brasileiro, é a história da luta contra o cativeiro e contra o latifúndio. A sintonia entre a nós e - a pesquisa - os sujeitos e o objeto de estudo está alicerçada na formação/construção pessoal/profissional, marcada por algumas vivências como já destacada acima. Também, por significar a nossa própria história de vida que configura, uma forte ligação com a terra e nossos antepassados. Atribuiu-se ainda ao trabalho desenvolvido a formação na graduação de Pedagogia, (FACIP ), ao integrar a Equipe Dirceu Carneiro, onde vivenciou o que Peixer (2002, p. 184) escreve: A administração procurou implantar a gestão participativa e alternativa para enfrentar a crise econômica e urbana. Essa gestão tentou romper com as anteriores ao centralizar suas atenções na periferia e na área agrícola. Foi a cidade e sua gestão vistas sob uma nova ótica: uma ótica da organização e participação popular. Agregando-se a estas quase terceiras intenções chegou-se à definição de caminhos e trilhas reorganizados na realização do Curso de Mestrado em Educação/ UNIPLAC. As reflexões apontadas por Peixer (2002), trazem este tempo-espaço, como um período de aquisição de conhecimentos, vivências, formação política, memórias, que se somam aos saberes e fazeres nesta dissertação. Os sujeitos da pesquisa estão representados pela comunidade interna e externa da CFR de São José do Cerrito/SC, que foram protagonistas e interlocutores, nas observações participativas e contribuíram significativamente com as narrativas. Entre esses sujeitos se encontram: Os Gestores Públicos da Prefeitura de São José do Cerrito: Secretaria da Educação e Secretário de Agricultura. Técnico da EPAGRI de São José do Cerrito. Presidente da Associação da CFR. Presidente do Sindicato Rural de São José do Cerrito, alunos, monitores e professores e funcionários da CFR; Assessores do Centro VIANEI de Educação Popular; Irmãs Franciscanas do Apostolado Paroquial da Diocese de Lages; Comitê Regional de Educação do Campo SDR - Lages, Paróquia São Pedro de São José do Cerrito; Movimento das Mulheres Agricultoras (MMA); e Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).

23 A oportunidade de dialogar com os vários segmentos da sociedade civil organizada e dos gestores públicos no contexto da pesquisa constituiu-se numa estratégia subjetiva de valorização às parcerias da CFR de São José do Cerrito. Na tentativa da compreensão sobre a problemática da pesquisa, adotou-se o procedimento metodológico da abordagem narrativa e para a análise,o método do discurso dos sujeitos coletivos (DSC) e na tipologia etnográfica, a sustentação conceitual para a produção de diálogos e interfaces entre teorias e realidades. Segundo Delgado (2006, p. 15): A história oral é um procedimento metodológico que busca, pela construção de fontes, registrar, através de narrativas induzidas e estimuladas, testemunhos, versões e interpretações sobre a História em suas múltiplas dimensões: factuais, temporais, espaciais, conflituosas, consensuais. Não é, portanto, um compartimento da história vivida, mas sim o registro de depoimentos sobre essa história vivida. Neste sentido, procurou-se, durante as inserções em campo, registrar e resgatar as memórias, a história dos sujeitos envolvidos, que de acordo com Santos (1994): À história e à memória compete compreender tal tarefa. Sua contribuição maior é a de buscar evitar que o ser humano perca referências fundamentais à construção das identidades coletivas, que, mesmo sendo identidades sempre em curso, são esteios fundamentais do autoreconhecimento do homem como sujeito de sua história. A Educação do Campo é entendida, no contexto deste estudo, como a educação específica, diferenciada e qualitativa, no sentido amplo do processo de formação humana dos sujeitos agricultores em formação. Situando-a no contexto dos direitos humanos como afirma Arroyo (1994, p. 74): temos que lembrar que os direitos representam os sujeitos sujeitos de direitos, não abstratos que a escola e a educação básica têm de se propor tratar homem, mulher, o jovem e a criança do campo como sujeitos de direitos. A comunidade participante da Casa Familiar Rural de São José do Cerrito/SC, nesta pesquisa, assumiu um significado que determinou o processo de nossa investigação e socialização dos saberes. A contribuição qualitativa para as reflexões ampliou-se na medida em que ocorreram as visitas, as imersões

24 (aproximações ou observações participativas de campo); junto às Casas Familiares Rurais e em especial na Casa Familiar Rural do município de São José do Cerrito, Comunidade de Santo Antônio dos Pinhos foco de nossa intervenção. O contato com a comunidade dos alunos, professores, monitores, governantas, presidente da Associação dos pequenos agricultores, presidente da Associação das Mulheres Agricultoras, Pastorais da Igreja, Secretarias Municipais de Educação dos municípios, Assessores do Centro VIANEI de Educação Popular contribuíram para percebermos a complexidade da problemática e o quanto estamos inseridos neste contexto. Para ampliarmos o entendimento e a compreensão da pesquisa, apoiou-se ainda na Análise do Discurso dos Sujeitos Coletivos, em LEFÈVRE e LEFÈVRE (2003, p ) afirmam: O método de análise do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) é [...] uma proposta de organização de dados qualitativos de natureza verbal, obtidos de depoimentos, artigos de jornal, matérias de revistas semanais, cartas, papers, revistas especializadas, etc.. O DSC facilita a tabulação dos dados, a sistematização e análise das respostas, pois consiste em uma estratégia diferente de categorização, no sentido de não separar os discursos individuais dos coletivos, mas uni-los em um único discurso. Como LEFÈVRE e LEFÈVRE (2003) explicam: é uma soma de pensamentos na forma de conteúdo discursivo. Sendo assim, o pensamento coletivo precisa sempre ser pesquisado qualitativamente, justamente porque ele é uma variável qualitativa, que, ao contrário de variáveis quantitativas como peso, altura, renda, dentre outros, não é pré, mas pró-construída, isto é, não se configura como input da pesquisa (LEFÈVRE; LEFÈVRE, 2003). Portanto as categorias de análise são selecionadas após a coleta dos dados e informações. O DSC busca dar conta da discursividade característica própria e indissociável do pensamento coletivo, procurando preservá-la em todos os momentos da pesquisa, desde a elaboração das perguntas, passando pela coleta e pelo processamento dos dados até culminar com a apresentação dos resultados. Ou, como LEFÈVRE e LEFÈVRE (2003, p. 16) comentam: O DSC visa dar luz ao conjunto de individualidades semânticas componentes do imaginário social. Assim, pode-se afirmar que é uma estratégia metodológica que, utilizando os discursos, tem por objetivo tornar mais clara uma dada representação social, bem como o conjunto

25 das representações de dado imaginário. O DSC é utilizado para estudar conjuntos de discursos, formações discursivas ou representações sociais (LEFÈVRE; LEFÈVRE, 2003:16). Deste modo, adaptou-se as orientações metodológicas a esta pesquisa que já foi citado anteriormente no texto possui caráter qualitativo e etnográfico. Ao propiciar o levantamento das representações (pensamentos e idéias) dos sujeitos. Estas representações são consideradas como um discurso da realidade. Por sua vez, o DSC é a manifestação do pensamento de um sujeito coletivo na forma de discursos, que expressam os traços do pensamento da coletividade na qual o sujeito individual está inserido e exprimem o que o grupo pensa e como pensa. O sujeito coletivo se expressa, então, através de um discurso emitido no que se poderia chamar de primeira pessoa (coletiva) do singular [...] (LEFÈVRE e LEFÈVRE, 2003, p. 16). Estes autores referem-se a uma primeira pessoa coletiva, porque o sujeito individual fala em nome do grupo ao qual pertence. Suas considerações e análises, a respeito de um tema dado, são, ao mesmo tempo, individuais e coletivas. As expressões-chaves servem para comprovar a veracidade das idéias com a integralidade do depoimento e do discurso em determinado tempo e espaço; e é com a matéria-prima das Expressões-chaves (ECH) que se constrói o DSC. É chamada de Idéia Central (IC) a descrição direta e precisa dos significados do conjunto dos discursos que foram analisados e destacados nas expressões-chaves. A idéia central [...] é um nome ou expressão lingüística que revela e descreve, de maneira mais sintética, precisa e o mais fidedigna possível, o sentido de cada um dos discursos analisados e de cada conjunto homogêneo de ECH, que vai dar nascimento, posteriormente, ao DSC (LEFÈVRE e LEFÈVRE, 2003, p. 17). Para Lefrève e Lefrève (2003, p. 17) A Ancoragem (AC) é a manifestação lingüística explícita de uma dada teoria, ou ideologia, ou crença que o autor do discurso professa e que, na qualidade de afirmação genérica, está sendo usada pelo enunciador para enquadrar uma situação específica. Em outras palavras, poder-se-ia dizer que a AC é a figura metodológica que indica a teoria, o pressuposto, a corrente de pensamento e o fundo do conhecimento

sede a cidade tem características predominantemente rurais. Fato facilmente constatado na forte ligação com o campo, seja nos hábitos de vida, na

sede a cidade tem características predominantemente rurais. Fato facilmente constatado na forte ligação com o campo, seja nos hábitos de vida, na A TRILHA DA CONSTRUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA SERRA CATARINENSE A CASA FAMILIAR RURAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO CERRITO COMUNIDADE DE SANTO ANTÔNIO DOS PINHOS-SC GOULART, Mailza

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

articulação entre as várias vertentes voltadas para as populações campesinas e excluídas*

articulação entre as várias vertentes voltadas para as populações campesinas e excluídas* OLHARES PARA O CAMPO ALTERNATIVAS EDUCATIVAS PRESENTES NA ANPED SILVA, Ilsen Chaves da UNIPLAC ilsen@uniplac.net GT: Educação Popular / n.06 Agência Financiadora: Sem Financiamento Examinando os trabalhos

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação NILVA SCHROEDER ARARANGUÁ - JULHO 2009 Conferência Nacional de Educação Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: O Plano Nacional

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial

A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial A RELAÇÃO CAMPO- CIDADE NO ENSINO DE GEOGRAFIA DE ESCOLAS RURAIS DE CATALÃO: entre o ideal e o essencial Heloisa Vitória de CASTRO; Mestranda do PPG/UFG/Campus Catalão/Membro do NEPSA/Bolsista CAPES heloisavcp@hotmail.com

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO Univille Universidade da Região de Joinville anahostin@gmail.com INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana,

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana, DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO/ LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO DA AMAZÔNIA PARAENSE: ANÁLISE A PARTIR DAS NARRATIVAS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CURRALINHO Resumo Heloisa

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05

1. INTRODUÇÃO. INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05 INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05 Reflexão apresentada pelo SERTA - Serviço de Tecnologia Alternativa - no Encontro promovido pelo CERIS

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

A EI no conjunto das políticas públicas sociais em tempos de um discurso de resgate dos direitos sociais

A EI no conjunto das políticas públicas sociais em tempos de um discurso de resgate dos direitos sociais A EDUCAÇÃO INFANTIL NO ESPÍRITO SANTO: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES CÔCO, Valdete UFES valdetecoco@ce.ufes.bol SILLER, Rosali Rauta FSG / PMSMJ rauta13@bol.com.br GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos / n.07

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto

Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto EDITORIAL Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto Nosso maior objetivo sempre foi lutar pela defesa dos interesses e direitos, como também promover,

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

ATITUDE EMPREENDEDORA

ATITUDE EMPREENDEDORA TEMA DO TRABALHO: ATITUDE EMPREENDEDORA NOME COMPLETO E LEGÍVEL: EMPRESA QUE TRABALHA: FAÇA UM X DIA E TURMA DA SUA SIMULTANEIDADE: 2ª feira ( ) 3ª feira ( ) 4ª feira ( ) 5ª feira ( ) 6ª feira ( ) sábado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 a) Um pouco da sua história político-pedagógica O ProJovem Campo Saberes da Terra é um programa de escolarização de jovens agricultores/as familiares 2 em nível fundamental

Leia mais