A EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL"

Transcrição

1

2

3 A EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Para se entender a construção do processo de Avaliação Institucional da Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP é preciso refletir sobre a identidade das instituições confessionais. Nas universidades confessionais, a construção do conhecimento e a prática da ciência não podem estar separadas de uma contínua, geral e institucionalizada interrogação sobre o seu sentido. A confessionalidade gera implicações de ordem administrativa, acadêmica e pedagógica, as quais, por sua vez, determinam as balizas e referências para o processo de Avaliação Institucional. Nesta, o processo decisório será, necessariamente, participativo, garantindo-se, de modo efetivo, o envolvimento da comunidade acadêmica. Todo processo avaliativo na universidade confessional passa, também, por uma permanente interrogação sobre a aptidão de seus egressos para reconstruir uma sociedade que sofre a falta de valores éticos, considerando o desenvolvimento de uma consciência crítica e de um comprometimento com a construção da sociedade, durante o tempo em que os alunos se vinculam à instituição. Esta consciência e este comprometimento se expressam no processo de construção da cidadania, na sua ampla abrangência social. Nesta perspectiva, o objetivo geral do Programa de Avaliação Institucional da UNIMEP tem sido o de implantar esta prática como

4 instrumento de reorientação das ações acadêmicas e administrativas, referenciadas no Projeto Institucional sua Política Acadêmica que prevê a Universidade em diálogo com a realidade estrutural e conjuntural da região e do país. Seus objetivos mais próximos foram: instituir a avaliação como um processo permanente; desenvolver uma cultura onde a avaliação seja um espaço de reflexão e mudança das ações institucionais; avaliar a relação entre as práticas cotidianas dos Cursos, seus Projetos Pedagógicos e a Política Acadêmica; avaliar a relação entre as práticas administrativas e a Política Acadêmica; instituir a avaliação como instrumento de informação, de planejamento e de gestão. Assim, a avaliação na UNIMEP é uma construção social e criativa que levou em conta as realidades históricas específicas, pois, não há modelos prontos e universalmente válidos. Todos os processos avaliativos que se pretendem democráticos têm, necessariamente, que ser negociados. Para uma Instituição confessional que precisa dialeticamente afirmar sua natureza, enquanto Instituição confessional que transita no mundo da secularidade, a avaliação é necessária e indispensável, no sentido de desenvolver por meio de seu auto-conhecimento, um modo de inserção na sociedade e de dar significado ao seu trabalho, como subsídios contínuos para reorientação de seus Programas e Projetos. Podemos afirmar que a Avaliação Institucional realizada na UNIMEP apresenta algumas características importantes que foram vivenciadas pela comunidade, ao longo dos três últimos anos, nos quais sua implantação tem sido: Processual, pois se definiu, se construiu e se completou a partir de ações que indicaram necessidades, ao mesmo tempo, que foram decorrentes dos diferentes momentos de sínteses produzidos no movimento de construção e materialização dos Projetos;

5 Qualitativa, pois ofereceu categorias de análise e parâmetros contextualizados institucionalmente e em nível nacional para a análise das ações, práticas, recursos disponíveis e dados numéricos, devidamente coletados e tabulados de maneira estatística; Compartilhada, dado que seu processo de construção deflagrou possibilidades de modificações nas práticas cotidianas, em função da reflexão e capacitação dos envolvidos; Pluridimensional, multifacetada, contínua e dinâmica, evitando-se assim os riscos contidos em avaliações pontuais e sentencivas. Devemos ressaltar, ainda, a coerência entre esta forma de compreender a avaliação, o processo de construção da Política Acadêmica da UNIMEP e a metodologia da Inovação Curricular utilizada, dados os pontos de convergência e identidade entre esses processos. A realização dessa primeira etapa do processo de Avaliação Institucional atendeu a um dos principais objetivos da gestão , concluído com êxito e acúmulo de experiência na área, para as gestões futuras. Referenciados nessa experiência que hora estamos disponibilizando à comunidade acadêmica, o processo de Avaliação Institucional na UNIMEP terá sua continuidade e ampliação nos próximos anos, tornando-se uma prática fundamental nessa Universidade. Finalmente, agradecemos a participação da Vice-Reitoria Acadêmica, na pessoa do Prof. Dr. Ely Eser Barreto Cesar, que esteve liderando todo o processo; ao Coordenador da Avaliação Institucional, Prof. Dr. Daniel de Aquino Ximenes; ao Comitê de Avaliação Institucional, composto por representantes de todas as Faculdades; às Comissões de Avaliação das Faculdades; a todos os gestores de avaliação dos Cursos e às centenas de professores e alunos que foram envolvidos nesse processo. Particularmente agradecemos ao Núcleo de Avaliação Institucional, que não mediu esforços em dar o melhor de si

6 em um trabalho rigoroso, buscando a excelência na afinação da metodologia de avaliação, pautada nas teorias e tecnologias mais avançadas para essa finalidade. Que os resultados desse trabalho possam aprimorar o nosso Projeto Institucional e nossas práticas educacionais. Piracicaba, dezembro de Almir de Souza Maia REITOR

7 DESAFIOS DE UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Há pelo menos duas questões de raiz a serem adequadamente identificadas para uma compreensão mais ampla do processo avaliativo recém inaugurado na UNIMEP. Trata-se da consciência de que nosso Projeto Universitário não se centraliza na própria Instituição, isto é, ele não se origina em nosso umbigo, mas em um Projeto geral de sociedade. A segunda questão se refere à afirmação de que nosso Projeto Educacional é, por natureza, processual. Estas duas questões levantam exigências, tanto para as definições dos contornos da avaliação, quanto para sua adequada apreensão. Se o Projeto da UNIMEP se centraliza no processo coletivo e participativo de construção de uma prática política de cidadania, que busca comprometer toda a população com os destinos de uma sociedade orientada para ampla solidariedade, para busca permanente de relações mais justas e para a máxima participação de todos nas definições e concretizações de um Projeto de convívio humano amplo e abrangente, a avaliação deste projeto não pode se concentrar na autopercepção do Curso, na sua gestão, nas suas práticas pedagógicas e nos avanços científicos obtidos. A UNIMEP afirma em sua Política Acadêmica que este Curso, sua gestão, suas práticas pedagógicas e orientação científica ganham valor na medida em que estes aspectos são percebidos em articulações mais complexas, relacionadas aos processos de mudanças que ocorrem na sociedade maior, visando à integração de todo o corpo social em práticas efetivamente cidadãs.

8 A complexidade do Projeto Institucional de nossa Universidade reside, exatamente, neste deslocamento do sentido de nossas ações. De fato, definimos currículos para cada Curso, tentamos aprimorar práticas pedagógicas, desenvolvemos nossas metodologias, organizamos os caminhos para a produção do saber, tudo isso deslocado dos espaços acadêmicos sobre os quais temos relativo domínio, para os espaços políticos, onde se decidem os destinos da grande família humana. Uma pergunta que se espera destacada neste processo de avaliação é se o Curso está realizando a prática da indissociabilidade entre o Ensino, a Pesquisa e a Extensão. Mais que isso, já que não concentramos nosso olhar em nosso umbigo, perguntamos se esta indissociabilidade está contribuindo, ou tem potencialidade para contribuir para orientar todos os atores do Curso na direção de uma sociedade na qual todos possam tornar-se cidadãos, no sentido amplo deste projeto político. Naturalmente, esta pergunta emerge do conjunto de valores-guia que o Curso elegeu ao definir seu próprio Projeto Pedagógico em diálogo com as referências fundamentais da Política Acadêmica. Se a avaliação que estamos processando convida nosso olhar a enxergar além de nossas práticas pedagógicas, ela é processual em muitas dimensões, pois o Projeto Político que anima a Instituição não é uma abstração. Ele se materializa na construção de práticas pedagógicas e científicas suficientemente competentes para a concretização da utopia de uma sociedade cidadã. Um exemplo mais palpável da operação deste processo dialético que tenta uma síntese entre projeto político e projeto acadêmico pode ser dado na emergência das questões ecológicas. A degradação do meio ambiente resulta de projetos concretos de organização dos bens de que nos valemos para sobreviver, do modo como nos instalamos nas cidades ou lidamos com a terra que produz

9 nossos alimentos. Produção de saber, formação profissional e deterioração dos espaços de vida coletivos se articulam em relações complexas. Estes processos de construção de sociedade se tornaram tão imbricados que ninguém pode mais sair deles isoladamente. Ou nos salvamos todos, como sociedade que articula novas possibilidades, ou nos perdemos todos. Por razões como estas, a crítica pela qual não se deve politizar a academia parece cada vez mais despropositada. O problema da complexidade de nossas novas operações pedagógico-científicas não pode ser debitado na conta de um Projeto Institucional demasiadamente sofisticado. Nossa pedagogia, nossa didática, nossa produção e reprodução do saber que devem ser avaliadas enquanto tais, é óbvio, ou seja, nossa pedagogia, nossa didática e a organização metodológica para a produção do saber, precisam ser ponderadas pelos fundamentos e contornos que lhe são próprios. A dimensão política de nosso Projeto Institucional jamais poderá justificar ações acadêmicas inconsistentes, superficiais. Muito pelo contrário: é precisamente face ao enorme desafio para um profundo e radical reordenamento do corpo social que se precisa, igualmente, radicalizar no aprimoramento das competências específicas do campo acadêmico. Para uma Universidade que cultiva, coletivamente, tal complexidade, seu processo avaliativo será, minimamente exigente e rigoroso. Daí a pergunta que se impõe: os dados apurados em nosso primeiro ensaio avaliativo e aqui apresentados, contemplam satisfatoriamente estas duas questões de raiz? Se, face à honestidade científica que sustenta nossa aguda criticidade interna, nos inclinarmos mais para uma resposta com tons negativos, sustentados pela mesma honestidade não temos como desqualificar o enorme esforço empreendido até aqui. Talvez devamos admitir, fundados nesta mesma honestidade, que os limites de nosso olhar se devem à prática histórica

10 de nossa excessiva concentração nos aspectos acadêmicos que manipulamos, desde sempre, a partir da província do saber que julgamos dominar. Estes limites não são, evidentemente, particulares à UNIMEP. Talvez, de tanto nos habituarmos a comparações entre os próprios pares, a busca de reconhecimento e prestígio, ainda não nos ajustamos adequadamente à prática de um olhar processual com enfoque político. De qualquer modo, apesar das contradições inevitáveis e esperadas deste primeiro esforço avaliativo, as questões de raiz, a rigor, não estão ausentes. Há que se valorizar esta presença, destacando-a como o elemento que nos remete aos nossos fundamentos. Como foram precisamente estas questões as que afirmamos nos primeiros esboços de nossa Política Acadêmica, elas precisam ser evocadas como referências para orientação de nossa caminhada e, consequentemente, para iluminar nosso olhar no momento em que nos debruçamos sobre o retrato que estamos fazendo de nós mesmos. Esta introdução, ao trazer à memória os fundamentos do Projeto Institucional, é um convite à radicalização da crítica, de modo que a primeira avaliação que processamos, resultado de um esforço comunitário magnífico, possa cumprir plenamente o que dela esperamos, não apenas agora quando a concluímos pela primeira vez, mas, sobretudo, em seu desdobrar processual. Afinal, o processo avaliativo precisa manter sua própria natureza, a saber, a de desvelar a verdadeira Identidade Institucional aprimorando as referências que vão marcando nosso fazer histórico. Piracicaba, dezembro de Ely Eser Barreto César VICE-REITOR ACADÊMICO

11 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PIRACICABA DEZEMBRO, 2002

12 ii UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REITOR VICE-REITOR ACADÊMICO VICE-REITOR ADMINISTRATIVO ASSESSORES DA VICE-REITORIA ACADÊMICA COORDENADOR DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Almir de Souza Maia Ely Eser Barreto César Gustavo Jacques Dias Alvim Álvaro José Abackerli (Pesquisa) Jorge Hamilton Sampaio (Extensão) Waldo Luis de Lucca (Ensino) Daniel de Aquino Ximenes Daniel de Aquino Ximenes Maria Izalina Ferreira Alves Rosa Gitana Krob Meneghetti COMITÊ DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Ely Eser Barreto César Gustavo Jacques Dias Alvim Álvaro José Abackerli Jorge Hamilton Sampaio Waldo Luis de Lucca Daniel de Aquino Ximenes Maria Izalina Ferreira Alves Rosa Gitana Krob Meneghetti Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Faculdade de Ciência e Tecnologia da Informação Faculdade de Ciências da Saúde Faculdade de Ciências Matemática e da Natureza Faculdade de Comunicação Social Faculdade de Direito Faculdade de Educação João Moreno Rafael Ferreira Alves Carlos Alberto Fornasari Francisco Carneiro Júnior Fernando Ferreira de Almeida João Miguel da Luz Rivero Álvaro Sérgio Cavaggioni (substituição) Cláudia da Silva Santana Lila M. F. I. de Sousa (substituição)

13 iii Faculdade de Educação Física Faculdade de Engenharia e Ciências Químicas Faculdade de Engenharia Mecânica e de Produção Faculdade de Filosofia, História e Letras Faculdade de Gestão e Negócios Faculdade de Odontologia Faculdade de Psicologia COMISSÕES DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DAS FACULDADES Ademir de Marco Lauriberto Paulo Belém Gilberto Martins Heitor Gaudenci Junior Elisabete Stradiotto Siqueira Jair Antonio de Souza (substituição) Sissiane Aparecida Tovo Abud Leila M. do Amaral Campos Almeida Lucília A. Reboredo (substituição) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Coordenador João Moreno Juliana Serrador Hélio Dias da Silva Natanael Macedo Jardim Faculdade de Ciências Matemática e da Natureza Coordenador Francisco Carneiro Júnior Maria Inês de Freitas P. S. Rosa Maria Guiomar Carneiro Tomazello Nelson Nepomuceno Samuel Tanaami Faculdade de Ciências da Religião Coordenadora Rosa Gitana Krob Meneghetti Edivaldo José Bortoleto Nabor Nunes Filho Tânia Mara Vieira Sampaio Faculdade de Ciências da Saúde Coordenador Carlos Alberto Fornasari Claudia Regina Cavaglieri Helenice Yemi Nakamura Raquel C. Delfini Rizzi Grecchi Rita de Cássia Bertolo Martins

14 iv Faculdade de Ciência e Tecnologia da Informação Coordenador Rafael Ferreira Alves Eduardo Antonio Vicentini José Alberto F. Rodrigues Filho Luiz Eduardo Galvão Martins Faculdade de Comunicação Coordenador Fernando Ferreira de Almeida Belarmino Cesar G. da Costa Dennis de Oliveira Maria Helena Julião Paulo Roberto Botão Rosa Helena Pizzirani Rosana Borges Zaccaria Faculdade de Direito Coordenador Álvaro Sérgio Cavaggioni Everaldo T. Quilici Gonzalez Fernando José Polito Silva Gentil Borges Neto João Miguel da Luz Rivero Yves Santiago Marcondes Faculdade de Educação Coordenadora Lila Maria Freitas Ingles de Souza Bruno Pucci Claúdia da Silva Santana Milton Schubert Souto Faculdade de Educação Física Coordenador Ademir de Marco Eline Teresa Rozante Porto Orival Andries Junior Regina Maria Rovigati Simões de Campos Wagner Wey Moreira Faculdade de Engenharia e Ciências Químicas Coordenador Lauriberto Paulo Belem José Carlos Silva Taís Helena Lacerda Valter Secco Faculdade de Engenharia Mecânica e de Produção Coordenador Gilberto Martins Aguinaldo Luiz de Barros Lorandi Klaus Schutzer Milton Vieira Junior Paulo Augusto Cauchik Miguel

15 v Faculdade de Filosofia, História e Letras Coordenador Heitor Gaudenci Júnior Marcos Cassin Ruth Adele Dafoe Virgínia Célia Camilotti Faculdade de Gestão e Negócios Coordenadora Jair Antonio de Souza Dorgival Henrique Fernando Nogata Kanni Sebastião Neto Ribeiro Guedes Valéria Rueda Elias Spers Faculdade de Odontologia Coordenador Sissiane A. Toyo Abud Ana Paula Barrera Simionato Ayrton Onofre da Silva Carlos Wagner de Araujo Werner Gislene Gomes de Oliveira José Carlos Negreli Musegante Leandro Salustiano Osvaldo Benoni da Cunha Nunes Faculdade de Psicologia Coordenadora Lucília Augusta Reboredo Gustavo Rolim Luis Antonio Calmon N. Lastória Theresa Beatriz F. Santos Telma Regina de Paula Souza

16 vi GESTORES Curso de Administração Hab. em Adm. de Empresas Curso de Análise Sistemas Curso de Ciências Contábeis Curso de Ciências Economia Curso de Ciências Hab. Em Química Curso de Com. Social Hab. em Jornalismo Curso de Com. Social Hab. em Publicidade e Propaganda Curso de Com. Social Hab. em Radialismo (Rádio e TV) Curso de Direito Campus Santa Bárbara d Oeste Curso de Direito Campus Taquaral Curso de Educação Física Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia Industrial Mecânica Curso de Farmácia Hab. Farmacêutico Curso de Filosofia Curso de Fonoaudiologia Curso de Formação de Psicólogo Curso de História Curso de Licentura em Matemática Curso de Nutrição Curso de Odontologia Curso de Química Industrial Curso de Mestrado em Engenharia de Produção Ana Maria Romano Carrão Eduardo Antonio Vicentini José Pedro Leite Da Silva Lineu Carlos Mafezzoli Sandra Maria B. Brienza Dennis De Oliveira Eneus Trindade Barreto Filho Míriam Stella Rother José Renato Martins Álvaro Sérgio Cavaggioni Regina Maria R. S. Campos Nelson Carvalho Maestrelli Rodolfo Libardi Patrícia Correa Dias Heitor Gaudenci Júnior José Luís Novaes (substituição) Helenice Yemi Nakamura Regina You Shon Chun Telma Regina De Paula Souza Fernando Teixeira da Silva Raimundo Donato do Prado Ribeiro Maria Luiza M. Calçada Carla Maria Vieira Sissiane Ap. Tovo Abud Fernando A. F. da Silva Paulo Augusto Cauchik Miguel

17 vii GRUPO DE TRABALHO CONSTITUÍDO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Resolução do CONSEPE - 15/02 VICE-REITORIA ACADÊMICA E ASSESSORES MEMBROS DO COMITÊ DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Ely Eser Barreto César Álvaro José Abackerli Jorge Hamilton Sampaio Waldo Luis de Lucca Carlos Alberto Fornasari Jair Antonio de Souza Lauriberto Paulo Belém Lucília Augusta Reboredo Daniel de Aquino Ximenes Maria Izalina Ferreira Alves Rosa Gitana Krob Meneghetti EQUIPE DE APOIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Crivanil Oliveira dos Santos Daniela Madrid da Silva Urbano Flávio Augusto Machado Márcia Justino Maria Nilza Facco Preeg Mirian de Fatima Polla Sílvia Maria Morales Pereira Viviane Aparecida Petruz Walquíria Zen Orgaes Castilho PIRACICABA DEZEMBRO, 2002

18 viii SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EM RELAÇÃO AO PROJETO DA INSTITUIÇÃO REFERENCIAIS INSTITUCIONAIS DE ANÁLISE O PERCURSO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA UNIMEP METODOLOGIA ADOTADA Planejamento do Processo Questionários para Pré-Teste dos Discentes Pré-Teste dos Discentes: Amostragem e Aplicação Tratamento dos Dados do Pré-Teste dos Discentes Confecção do Questionário de Avaliação Final dos Discentes a Partir dos Resultados do Pré-Teste Confecção do Questionário de Avaliação dos Docentes Metodologia Estatística Utilizada para a Análise dos Dados da Avaliação Final Avaliação dos Eixos APRESENTAÇÃO, ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Caracterização da População Alvo da Avaliação Perfil dos Discentes Perfil dos Docentes Avaliação dos Docentes e dos Discentes sobre os Cursos Eixo I Currículo Eixo II Ações do Processo Específico de Ensino e de Aprendizagem Eixo III Projetos e Atividades Eixo IV Estrutura e Apoio Eixo V Operacionalidade da Gestão do Curso SÍNTESE DOS RELATÓRIOS DOS CURSOS Curso de Administração - Habilitação em Administração de Empresas Pág.

19 ix 7.2. Curso de Análise de Sistemas Curso de Ciências Contábeis Curso de Ciências Econômicas Curso de Ciências - Habilitação em Química Curso de Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo Curso de Comunicação Social - Habilitação em Publicidade e Propaganda Curso de Comunicação Social - Habilitação em Radialismo (Rádio e TV) Curso de Direito - Campus Santa Bárbara d Oeste Curso de Direito - Campus Taquaral Curso de Educação Física Curso de Engenharia Industrial Mecânica Curso de Engenharia de Produção Curso de Farmácia - Habilitação Farmacêutico Curso de Filosofia Curso de Fonoaudiologia Curso de Formação de Psicólogo Curso de História Curso de Licenciatura em Matemática Curso de Nutrição Curso de Odontologia Curso de Química Industrial Curso de Mestrado em Engenharia de Produção CONCLUSÕES E CONVITE À REFLEXÃO Preliminares Síntese do Perfil da Amostra Síntese dos Resultados dos Cursos Eixo I Currículo Eixo II Ações do Processo Específico de Ensino e de Aprendizagem Eixo III Projetos e Atividades Eixo IV Estrutura e Apoio Eixo V Operacionalidade da Gestão do Curso Considerações Finais: Perspectivas de Interferência na Realidade e Continuidade do Processo Avaliativo BIBLIOGRAFIA

20 x LISTA DE QUADROS Quadro Pág. 1 Descrição da questão, resultados gerais, resultados por semestre e por turno, e comentários feitos pelos discentes para a questão, no pré-teste Exemplo de questão do questionário aplicado aos docentes para avaliação dos Cursos Impactos médios dos Eixos avaliados dentro de um Curso (simulação), e desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso através das médias obtidas das pontuações de cada questão da avaliação discente LISTA DE TABELAS Tabela Pág. 1 Distribuição da amostra de discentes, por Curso, população pré-estabelecida em cada Curso, no 1º semestre letivo de 2002, e erro amostral correspondente Distribuição da amostra dos docentes, por Curso, e respectiva população em cada Curso, no 1º semestre letivo de Perfil da amostra dos docentes Resumo dos resultados dos desvios dos impactos médios dos Eixos em relação aos impactos médios dos Cursos, nos segmentos de docentes e de discentes

21 xi LISTA DE FIGURAS Figura Pág. 1 Impactos dos Eixos avaliados dentro de um Curso (simulação), através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso obtida pelas médias das pontuações de cada questão da avaliação discente Representação gráfica da simulação dos resultados da questão Representação gráfica da simulação dos resultados da questão Descrição da amostra de discentes, por Curso, segundo o sexo Descrição da amostra de discentes, por Curso, segundo a faixa etária Descrição da amostra de discentes, por Curso, segundo a área de atuação Descrição da amostra de discentes, por Curso, segundo a formação no 2º grau Número máximo de dependências da amostra de discentes, por Curso Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo o sexo Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo a faixa etária Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo a titulação acadêmica máxima Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo o tempo de docência na UNIMEP Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo o regime de dedicação Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo o tempo de docência em outras instituições de ensino superior Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo os tipos de instituições de ensino superior nas quais ocorreu a prática docente... 69

22 xii 16 Descrição da amostra de docentes, por Curso, segundo o tempo de experiência não acadêmica Distribuição dos Cursos segundo os desvios (positivo, negativo ou neutro) dos impactos médios dos Eixos em relação ao impacto médio de cada Curso, obtidos na avaliação dos docentes e dos discentes Conhecimento do Projeto Pedagógico pelos docentes, nos Cursos avaliados Conhecimento do Projeto Pedagógico pelos discentes, nos Cursos avaliados Avaliação dos docentes sobre o perfil profissional projetado pelos Cursos Avaliação dos docentes sobre a compatibilidade entre os objetivos do Curso, a estrutura curricular e o perfil profissional Avaliação dos docentes sobre a Grade Curricular dos Cursos Conhecimento sobre o Currículo e avaliação da adequação da Grade Curricular dos Cursos, pelos discentes Apresentação do Plano de Ensino pelos docentes, segundo eles próprios Apresentação e discussão do Plano de Ensino pelos docentes, na avaliação dos discentes Descrição das metodologias e recursos didáticos utilizados pelos docentes em sala de aula, segundo eles próprios Avaliação dos discentes sobre as metodologias de ensino utilizadas pelos docentes Percepção das atitudes dos discentes, pelos docentes Avaliação dos discentes sobre a atuação do corpo docente Avaliação dos discentes sobre a atualização da bibliografia, pelos docentes Interesse e disponibilidade dos docentes para a Pesquisa, segundo seus próprios depoimentos Interesse dos discentes pela Pesquisa, segundo seus próprios depoimentos Interesse e disponibilidade dos docentes para atividades de Extensão, segundo eles próprios Interesse dos discentes pelas atividades de Extensão, segundo eles próprios

23 xiii 35 Razões que estimulam a participação docente nos Projetos de Pesquisa e de Extensão, segundo eles próprios Participação dos discentes nos Projetos de Pesquisa Razões que dificultam o envolvimento dos docentes em Projetos de Pesquisa e de Extensão, segundo eles próprios Como (ou onde) os docentes reconhecem a prática da Pesquisa nos Cursos Como (ou onde) os docentes percebem a prática da Pesquisa no desempenho dos discentes Como (ou onde) os discentes reconhecem a prática da Pesquisa nos Cursos Como (ou onde) os docentes reconhecem a prática da Extensão nos Cursos Participação dos discentes em Projetos de Extensão Como (ou onde) os docentes percebem a prática da Extensão no desempenho dos discentes Como (ou onde) os discentes reconhecem a prática da Extensão nos Cursos Como (ou onde) os discentes reconhecem a indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão nos Cursos Avaliação do espaço da sala de aula pelos docentes Avaliação da sala de aula pelos discentes Avaliação dos laboratórios pelos docentes Avaliação dos laboratórios pelos discentes Avaliação das clínicas pelos docentes Avaliação da biblioteca pelos docentes Avaliação da biblioteca pelos discentes Avaliação das demais estruturas da Universidade pelos docentes Avaliação dos Conselhos de Curso pelos docentes Conhecimento dos discentes sobre os Conselhos de Curso Avaliação sobre a Coordenação dos Cursos pelos docentes Avaliação dos discentes quanto ao diálogo com a Coordenação dos Cursos

24 xiv 58 Avaliação dos docentes quanto à assessoria do Conselho de Faculdade junto à Coordenação dos Cursos Conhecimento sobre a existência do Conselho de Faculdade, pelos discentes Avaliação dos Conselhos de Faculdade pelos docentes Avaliação dos discentes quanto ao diálogo com a Direção das Faculdades Avaliação dos discentes quanto à sua participação nos Conselhos de Curso Avaliação dos discentes quanto à sua participação nos Conselhos de Faculdade Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Administração - Habilitação em Administração de Empresas, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Análise de Sistemas, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Ciências Contábeis, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Ciências Econômicas, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Ciências - Habilitação em Química, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso Comunicação Social Habilitação em Radialismo (Rádio e TV), obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes

25 xv 72 Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Direto - Campus Santa Bárbara d Oeste, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Direito - Campus Taquaral, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Educação Física, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Engenharia Industrial Mecânica, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Engenharia de Produção, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Farmácia - Habilitação Farmacêutico, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Filosofia, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Fonoaudiologia, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de História, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes Impactos médios dos Eixos avaliados, dentro do Curso de Licenciatura em Matemática, obtidos através dos desvios em relação à média geral (impacto médio) do Curso, na avaliação dos docentes e dos discentes

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt**

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** * Assessoria de Avaliação Institucional da Universidade de Santa

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2005-2006

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2005-2006 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2005-2006 PIRACICABA 2006 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 Luciane Rodrigues de Bitencourt- UPF/Brasil 2 Clóvia Marozzin Mistura UPF/Brasil 3 Luiz Marcelo Darroz UPF/Brasil

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013.

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013. PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Maceió, 2013. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. HISTÓRICO DO GRUPO 2. DIREÇÃO 3. MISSÃO INSTITUCIONAL 4. VISÃO INSTITUCIONAL 5. FACULDADE PITÁGORAS 6. A COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN.

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Eixo temático: Educação e Ciências Exatas e Naturais A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Daniella Regina Arantes Martins

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 668, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais