Energia. Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Energia. Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA"

Transcrição

1 COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Energia Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus A Europa deve preparar-se, desde já, para alterar profundamente a sua maneira de produzir, transportar e consumir energia.

2 ÍNDICE COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte de uma coleção que descreve a ação da União Europeia em vários domínios políticos, as razões da sua intervenção e os resultados obtidos. Outros títulos disponíveis para descarregamento em linha: Por que necessitamos de uma política europeia para a energia Interesses comuns num domínio estratégico... 3 Como está a Europa a preparar-se Uma estratégia europeia para a energia... 5 Uma estratégia europeia para a energia Dar poder aos consumidores e estimular o setor da energia... 9 As grandes obras em curso Após 2020: os desafios do futuro Para mais informações...16 Como funciona a União Europeia «Europa 2020»: a estratégia europeia de crescimento Os pais fundadores da União Europeia Ação climática Agenda digital Agricultura Ajuda humanitária Alargamento Alfândegas Ambiente A União Económica e Monetária e o euro Comércio Concorrência Consumidores Cultura e audiovisual Desenvolvimento e cooperação Educação, formação, juventude e desporto Emprego e assuntos sociais Empresas Energia Fiscalidade Fronteiras e segurança Investigação e inovação Justiça, cidadania e direitos fundamentais Luta contra a fraude Mercado interno Migração e asilo Orçamento Pescas e assuntos marítimos Política externa e de segurança comum Política regional Saúde pública Segurança dos alimentos Transportes Compreender as políticas da União Europeia: Energia Comissão Europeia Direção-Geral da Comunicação Publicações 1049 Bruxelas BÉLGICA Original concluído em julho de 2012 Fotografia da capa: Digital Vision/Getty Images 16 p. 21 x 29,7 cm ISBN doi: /49187 Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2013 União Europeia, 2013 Reprodução autorizada, desde que seja indicada a fonte. A utilização ou reprodução de qualquer uma das fotografias está sujeita a autorização prévia, que deve ser diretamente solicitada aos titulares dos direitos de autor.

3 E N E R G I A 3 Por que necessitamos de uma política europeia para a energia Interesses comuns num domínio estratégico A luz, o calor, o transporte, a produção industrial: é à energia que devemos esses serviços indispensáveis à vida quotidiana dos cidadãos e das empresas. Todavia, os recursos energéticos fósseis (petróleo, gás e carvão) não são inesgotáveis: é necessário geri-los bem e desenvolver recursos novos, tanto mais que a Europa consome cada vez mais energia e importa-a em quantidades crescentes. Os países europeus compreenderam, assim, o interesse de agirem coerentemente neste domínio estratégico e adotaram regras comuns, que lhes permitem avançar na mesma direção para acederem a uma quantidade de energia suficiente, a preços moderados e poluindo o menos possível. São necessários meios técnicos, logísticos e financeiros enormes para produzir e transportar a energia até ao consumidor final. Wintershall Holding GmbH Um setor complexo Ligar o computador ou andar de automóvel são coisas aparentemente triviais, mas que resultam de um processo complexo. Para começar, há que extrair da terra recursos energéticos como o gás, o petróleo ou o carvão, ou transformar a lenha em calor e produzir eletricidade a partir do vento, em turbinas eólicas, da água, em barragens, e da luz do sol, em painéis solares (fotovoltaicos). Depois, é necessário transportar essa energia, às vezes através de continentes ou do mar, até ao local onde será consumida, o que exige instalações capazes de assegurar um abastecimento energético contínuo durante várias dezenas de anos. Estão, assim, em jogo, meios técnicos, logísticos e financeiros enormes. A energia é um setor estratégico na medida em que não podemos dispensá-la. De facto, é indispensável para termos luz elétrica, para nos protegermos do frio e para o transporte das pessoas e mercadorias, estando também na base de todos os setores económicos: agricultura, indústria e serviços, bem como do próprio progresso científico. A nossa qualidade de vida gera grandes necessidades de energia, o que causa, inevitavelmente, poluição (do ar, da água, dos solos e do clima), cujo impacto importa reduzir o mais possível. O maior importador mundial Uma das características da Europa é a sua dependência energética em relação ao exterior. A União Europeia, a segunda maior economia mundial, consome um quinto da energia produzida a nível mundial, mas possui muito poucas reservas energéticas. Felizmente, a nossa carteira energética neste domínio (o denominado «cabaz energético») é bastante diversificada a nível europeu: desde as numerosas barragens na Áustria até EVOLUÇÃO DAS QUOTAS DE IMPORTAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS DA UNIÃO EUROPEIA ( ) 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% % 0% Total Carvão Petróleo Gás natural Fonte: Eurostat.

4 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 4 às minas de carvão na Polónia, às centrais nucleares em França, às explorações petrolíferas no mar do Norte e aos campos de gás natural nos Países Baixos e na Dinamarca, nenhum país europeu se assemelha a outro, e ainda bem que assim é, desde que todos sejam suficientemente solidários para tirarem partido desta diversidade. A dependência energética europeia tem consequências para a nossa economia. Compramos petróleo aos países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e à Rússia, e gás natural à Rússia, Noruega e Argélia. Esta situação implica, para nós, uma perda de riqueza superior a 350 mil milhões de euros por ano, que não cessa de aumentar. Não nos resta, por conseguinte, outra opção: a Europa deve ser eficaz, solidária e ambiciosa para poder diversificar as suas fontes de energia e as respetivas rotas de aprovisionamento. Os objetivos europeus A União Europeia dispõe dos poderes e instrumentos necessários para instituir uma política energética que visa: garantir o seu aprovisionamento energético; assegurar que os preços da energia não travam a sua competitividade; proteger o ambiente e, em especial, lutar contra as alterações climáticas; desenvolver as redes energéticas. Os Estados-Membros podem desenvolver as fontes de energia que entenderem, mas devem ter em conta os objetivos europeus em matéria de energias renováveis. Os condicionalismos climáticos Vários peritos de renome demonstraram o custo exorbitante das alterações climáticas, se o mundo não começar a reduzir imediatamente as emissões de gases com efeito de estufa. Essa redução diz diretamente respeito ao setor da energia, que depende, em mais de 80%, dos combustíveis fósseis, cuja combustão emite CO 2, o principal gás com efeito de estufa. O futuro do setor energético europeu passa, assim, por uma menor utilização dos combustíveis fósseis e um maior recurso a fontes de energia com baixas emissões de carbono (hipocarbónicas). A Europa pode agir a partir de uma base comum O interesse dos países europeus pelo setor da energia tem uma longa história. Começou logo a seguir à Segunda Guerra Mundial, com o desejo de «pôr os meios da guerra ao serviço da paz», nas palavras de Jean Monnet, um dos fundadores da Europa unida. Deste modo, o carvão e o aço, por um lado, e a energia nuclear, por outro, estão na base dos primeiros tratados europeus, respetivamente, o da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (o Tratado CECA, cujo período de vigência terminou em 2002) e o da Comunidade Europeia da Energia Atómica (Euratom), ainda em vigor. A partir da década de 1960, os Estados europeus compreenderam a necessidade de se mostrarem solidários face a eventuais problemas de aprovisionamento de energia, o que os levou a partilhar reservas de petróleo estratégicas e a instaurar um mecanismo de resposta em caso de crise. Atualmente, a política energética afeta igualmente muitos outros domínios: a indústria, o ambiente, os transportes, a investigação e a inovação, e até mesmo as relações externas. Um mercado único europeu com 500 milhões de consumidores. NASA/Goddard Space Flight Center

5 E N E R G I A 5 Como está a Europa a preparar-se Uma estratégia europeia para a energia Como a Europa possui poucas reservas de energia, tem atualmente de importar mais de metade da energia que consome. Dado que o preço a pagar depende dos mercados mundiais, está sujeita às suas flutuações. A única solução para diminuir a fatura energética consiste, por isso, em reduzir a quantidade de energia consumida. Isto parece evidente, mas será possível consumir menos e conservar, simultaneamente, a nossa qualidade de vida e o nosso conforto? Economizar energia A resposta é afirmativa, apesar de não ser fácil: podemos atingir esse objetivo consumindo melhor e sendo mais eficazes. E isso só pode trazer vantagens: evitamos as emissões de CO 2, diminuímos a nossa dependência das importações de energia, criamos postos de trabalho a nível local e exportamos o nosso know-how. A eficiência energética figura, por isso, entre os objetivos essenciais da União Europeia para 2020, tendo os dirigentes europeus decidido que é necessário economizar um quinto da energia que consumiríamos, segundo as previsões, até Trata-se de um valor considerável, que equivale à produção de mais de 400 centrais elétricas. Para o efeito, a União Europeia deve incitar os países europeus a eliminarem o desperdício de energia na utilização dos equipamentos elétricos, na indústria, nos transportes e nos edifícios. Estes últimos constituem um setor fundamental, visto ser neles que consumimos 40% da nossa energia, geralmente sob a forma de calor (que representa oito décimos desse consumo). Todos os Estados-Membros devem elaborar planos para atingir o objetivo europeu em matéria de eficiência energética e, numa conjuntura de crise económica, a União Europeia tem de mostrar criatividade para promover os respetivos investimentos. Com efeito, ainda que estes sejam rentáveis e rapidamente amortizáveis, é preciso avançar com o capital necessário. Através do seu orçamento e das suas próprias instituições financeiras, a União Europeia Um desafio para a Europa: consumir menos mantendo a qualidade de vida. Fotolia

6 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 6 pode ajudar os Estados-Membros a financiarem os seus planos de eficiência energética. Um verdadeiro mercado europeu da energia Em princípio, a eletricidade e o gás podem circular livremente pelas redes que cruzam todo o território europeu. O grande mercado europeu da energia põe todos os produtores e fornecedores em concorrência, pelo que, teoricamente, é possível comprar e vender eletricidade e gás onde se quiser. O objetivo é obter uma energia de qualidade ao melhor preço. No entanto, este mercado de 500 milhões de consumidores ainda não está suficientemente desenvolvido, uma vez que muitas regras nacionais limitam ainda o desenvolvimento das empresas de energia além-fronteiras. O preço do gás e da eletricidade para as empresas, fixado pelos governos, é um exemplo dessas regras, havendo até operadores que beneficiam, injustamente, de acesso privilegiado às redes. A falta de condições favoráveis faz hesitar os investidores, facto que poderá mesmo dificultar a renovação de instalações já vetustas. Daí a necessidade de melhorar as condições de concorrência e adotar regras comuns propícias a uma utilização equitativa das redes. Neste aspeto, a União Europeia desempenha um papel primordial, uma vez que, ao fixar regras, alarga também o seu âmbito de competência em termos de vigilância dos mercados, impedindo, assim, que certos operadores tirem injustamente partido de uma situação de quase-monopólio. Redes de energia adaptadas Importa também modernizar e desenvolver as redes de energia, quer para fazer face ao crescimento das necessidades energéticas, quer para diversificar os recursos existentes e tornar o mercado mais fluido. Na próxima década, serão necessários investimentos muito avultados nas redes energéticas, que poderão atingir um bilião de euros. Neste domínio, a União Europeia pode claramente ajudar os Estados-Membros, uma vez que todos têm interesse em desenvolver linhas de alta tensão e gasodutos para se interligarem, bem como em armazenar energia, a fim de favorecer não apenas o comércio, mas também a solidariedade em caso de desequilíbrio entre a oferta e a procura no território europeu. As redes elétricas de alta tensão, inicialmente construídas para ligarem as grandes centrais elétricas às zonas de consumo mais próximas, devem conectar-se também com as centrais de eletricidade produzida a partir de fontes de energia renováveis longínquas e irregulares. Por último, as redes de distribuição permitirão uma utilização mais flexível da eletricidade para gerir melhor os picos de consumo ou integrar a microprodução individual (painéis solares, por exemplo). As empresas e os cidadãos europeus devem poder beneficiar de uma energia segura e de qualidade. Fotolia

7 E N E R G I A 7 Todavia, os projetos de rede ainda enfrentam demoras excessivas na obtenção das licenças necessárias, pelo que a União Europeia deve incentivar o desenvolvimento das redes energéticas definindo as prioridades a nível europeu, acelerando a construção das «ligações em falta» e modernizando as redes, sobretudo na Europa Oriental. A sua ação não se deve limitar a uma coordenação global, mas sim proporcionar incentivos financeiros a projetos necessários, mas demasiado arriscados do ponto de vista económico. Os consumidores no centro das preocupações Afinal de contas, trata-se de beneficiar os consumidores, sejam estes particulares ou empresas, pequenas ou grandes. Os consumidores têm direitos e devem conhecê-los bem para poderem tirar plenamente partido das possibilidades que o mercado interno da energia proporciona, como, por exemplo, poderem mudar facilmente de fornecedor, receberem faturas claras e ofertas comparáveis, conhecerem a origem da eletricidade que consomem, ou mesmo o seu consumo em tempo real. A informática e as telecomunicações vão assumir um lugar cada vez mais importante no setor da energia, a fim de permitir um maior envolvimento dos consumidores nesse mercado. Só uma regulamentação a nível europeu permitirá que todos estejam em pé de igualdade e tirem partido das economias de escala realizadas pela indústria. Consequentemente, a Europa deve adotar as normas necessárias, nomeadamente no que respeita à proteção dos dados dos contadores. Os consumidores devem também ter acesso a equipamentos mais económicos em termos energéticos e poder conhecer o consumo real dos mesmos, a fim de os adquirirem com conhecimento de causa. Quanto às empresas, devem poder comprar energia com toda a segurança e onde ela for menos cara, pois só uma verdadeira concorrência possibilita a existência de preços justos, que não são artificialmente elevados ou demasiado baixos, de forma a estimular os investimentos na produção de energia. Segurança: uma questão importante para os cidadãos A política energética europeia também deve beneficiar os cidadãos garantindo-lhes a segurança da produção e do transporte de energia. Os Estados-Membros estão cientes do interesse de coordenar, ou mesmo de harmonizar, as normas de segurança das instalações energéticas críticas a nível europeu. O acidente de Fukushima, no Japão, demonstrou a importância da segurança nuclear, sendo fundamental que a União Europeia possa garantir a segurança das centrais nucleares europeias e da gestão dos seus resíduos, respeitando normas o mais rigorosas possível. Definidas a nível europeu, as normas para proteger a população e os trabalhadores do setor nuclear contra as radiações radioativas são agora idênticas em toda a Europa. A União Europeia deve também poder continuar a garantir que o comércio de urânio não alimenta o tráfico nem a proliferação de armas nucleares no seu território, e impor regras que possam servir de referência a nível mundial. Relativamente a outras instalações energéticas, como as instalações offshore de gás e de petróleo, temos de evitar que, ao largo das costas europeias, ocorra uma catástrofe semelhante à terrível maré negra no golfo do México, em Na vanguarda da tecnologia sem carbono Para produzir energia sem emitir CO 2, a Europa terá de fazer uma revolução tecnológica. A União Europeia aprovou, por isso, em março de 2008, um plano estratégico para as tecnologias energéticas hipocarbónicas, que reúne os industriais dos setores em causa com a finalidade de cooperarem entre si e beneficiarem do apoio da União Europeia. Algumas iniciativas industriais incidem sobre a produção e as fontes de energia, designadamente os biocombustíveis, a energia eólica, a energia solar e a energia nuclear, bem como sobre as pilhas de combustível e a utilização do hidrogénio. Outras dizem respeito à melhor gestão da energia nas «cidades inteligentes», à captação e ao armazenamento subterrâneo de CO 2 e às redes elétricas do futuro. O objetivo é tornar essas novas tecnologias acessíveis e rentáveis, de modo a poderem substituir as tecnologias atuais e diminuir as emissões de CO 2 do setor energético europeu. Mas só um esforço coordenado permitirá o seu cumprimento, devido aos elevados encargos financeiros envolvidos: estima-se que o plano europeu terá um custo de 50 mil milhões de euros até 2020.

8 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 8 Uma diplomacia energética A Europa, o maior mercado regional do mundo, deve fazer valer os seus interesses na cena internacional para garantir a segurança do seu aprovisionamento energético. Com esta dimensão e de tal modo dependente do exterior, a Europa não pode assistir passivamente à evolução dos acontecimentos, sobretudo num momento em que o mundo está a acelerar a corrida aos recursos energéticos. O problema é que a União Europeia sempre teve dificuldade em falar a uma só voz, quando, na verdade, tem de cerrar fileiras e exercer toda a sua influência não só sobre os grandes países produtores de energia, mas também sobre os grandes países consumidores. A União Europeia deve começar por assegurar que os países vizinhos satisfazem os seus interesses energéticos não só para garantir o trânsito de energia proveniente dos seus fornecedores de gás natural e de petróleo, mas também para alargar o seu mercado de energia. A energia deve estar igualmente presente nas políticas externas europeias, isto é, na ajuda ao desenvolvimento, no comércio e nos acordos de cooperação bilaterais, servindo simultaneamente de apoio às exportações de tecnologia de ponta europeias. Um processo de decisão democrática A política energética europeia interessa a todos os europeus. Na verdade, a legislação da União Europeia influencia muito as legislações nacionais, nomeadamente em matéria de energia. Tal legislação é conjuntamente adotada pelo Parlamento Europeu (cujos deputados são eleitos de cinco em cinco anos pelos europeus) e pelo Conselho de Ministros da União Europeia (que representa os governos dos Estados- -Membros), exceto no que respeita à energia nuclear e à fiscalidade energética, cuja adoção compete exclusivamente ao Conselho de Ministros. Os Estados- -Membros começaram a participar desde muito cedo, por intermédio dos comités de peritos nacionais, na elaboração dos textos europeus, um processo transparente em que participam as organizações profissionais e a sociedade civil, cuja opinião é auscultada em diversas fases de consulta quando não a dão por sua própria iniciativa! DE ONDE VÊM O PETRÓLEO E O GÁS IMPORTADOS PELA EUROPA? Fornecedores estratégicos tradicionais Novos fornecedores estratégicos NORUEGA RÚSSIA GNL (*) OPEP CÁSPIO (*) GNL: gás natural liquefeito (Argélia, Catar, Nigéria, etc.) ARGÉLIA MEDITERRÂNEO ORIENTAL IRAQUE Union européenne

9 E N E R G I A 9 O que a Europa está a fazer Dar poder aos consumidores e estimular o setor da energia A União Europeia proporciona aos consumidores europeus uma proteção sem precedentes, defendendo os mais vulneráveis, reforçando os poderes de fiscalização e de sanção conferidos às autoridades de controlo, e assegurando a clareza das faturas. Mas a revolução aguardada é a dos contadores e redes «inteligentes», através dos quais a União Europeia pretende conferir aos consumidores um papel mais ativo. Não só as faturas serão baseadas no consumo real, como os clientes terão a possibilidade de conhecer esse consumo instantaneamente e tomar medidas para o melhorarem. A União Europeia instituirá as salvaguardas necessárias para assegurar o respeito pela vida privada e pelas informações recolhidas através dos contadores inteligentes. Em matéria de informação, é graças à União Europeia que os cidadãos europeus podem agora escolher e comprar equipamentos elétricos de forma esclarecida, devido à rotulagem do desempenho energético, que já abrange muitos produtos eletrodomésticos e de escritório, entre outros. Os fabricantes foram, deste modo, incentivados a propor produtos economizadores de energia, que também reduzem os montantes das faturas, pois o preço real de um produto não é apenas o de compra, mas também o da sua utilização. Para que assim acontecesse, a União Europeia instituiu a criação de autoridades nacionais, habitualmente denominadas «reguladores» do setor da energia, que são as guardiãs do sistema e garantes do interesse público, ou seja dos consumidores. Dispõem, assim, de amplos poderes para sancionar as práticas anticoncorrenciais e proporcionar aos consumidores a melhor escolha possível, fixando as tarifas de transporte da eletricidade ao nível mais adequado para remunerar devidamente os operadores das redes e incentivá-los a investir, sem sobrecarregar a fatura do consumidor final. Todavia, os preços da energia não baixarão necessariamente, pois dependem, em maior ou menor grau, dos preços internacionais do petróleo, um fator que não é possível controlar. A única forma segura de reduzir a fatura de energia é, portanto, consumir melhor: se os objetivos europeus de poupança de energia forem atingidos em 2020, economizar-se-ão 1000 euros por família e por ano na União Europeia. Reduzir as faturas de energia O fim dos monopólios que dominavam os mercados da eletricidade e do gás natural permite que todos os consumidores escolham os seus fornecedores de energia. Um estudo recente quantificou os benefícios financeiros: será possível obter economias superiores a 13 mil milhões de euros, ou seja, 100 euros por família e por ano, mudando de fornecedor de eletricidade e de gás. As empresas foram as primeiras a poder escolher o seu fornecedor, pois a energia constitui uma parcela considerável dos custos de produção dos grandes setores de atividade europeus, incluindo grandes empresas e pequenas e médias empresas. A concorrência entre os fornecedores de energia alargou a oferta, aumentou globalmente a qualidade de serviço e manteve os preços em níveis moderados. Graças à rotulagem do desempenho energético, podemos agora escolher equipamentos elétricos de forma esclarecida.

10 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 10 Garantir o aprovisionamento energético Atualmente, é raro haver grandes cortes de eletricidade na Europa e isto também se deve à ação da União Europeia, que instaurou a cooperação entre operadores de redes. No caso do gás, porém, a Europa depende, para suprir metade das suas necessidades, de importações por vezes provenientes de países muito longínquos. Uma rutura do abastecimento por motivos que lhe sejam alheios pode ter graves consequências. Por isso, em caso de escassez, a União Europeia possui um mecanismo de solidariedade muito minucioso, que possibilita o acesso às reservas de gás e petróleo. Mas mais vale prevenir do que remediar e, por isso, a União Europeia criou o seu próprio observatório dos mercados da energia e estabeleceu um sistema de alerta precoce com a Rússia. As lições da «crise do gás natural» de janeiro de 2009 A União Europeia e a indústria tiveram de unir esforços para enfrentar uma escassez inesperada de gás russo em pleno inverno. Alguns países, como a Bulgária e a Roménia, muito dependentes dessas importações, ficaram completamente isolados do resto da Europa por falta de ligações de gás natural e esta tomou brutalmente consciência da sua fragilidade perante as crises de aprovisionamento. Entre 2009 e 2012, o Programa de Relançamento da Economia Europeia financiou, entre outros projetos, a construção de infraestruturas de gás, por um montante total de mais de 1,3 mil milhões de euros, tendo investido cerca de 78 milhões de euros em instalações de «caudal inverso», que permitirão transportar gás da Europa ocidental para os países da Europa Oriental, caso seja necessário. Uma maior solidariedade entre os países europeus diminui os riscos de escassez de gás ou de corte da eletricidade. Union européenne

11 E N E R G I A 11 Estimular o setor energético A concorrência entre os operadores de eletricidade e de gás natural estimulou o setor da energia. Surgiram novas profissões (traders, consultores, auditores) e verifica-se uma convergência crescente com o setor das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, entraram novos operadores nos mercados nacionais, muitos dos quais já adquiriram dimensão europeia. A conquista de novos clientes exige inovação na criação de novos produtos, mas também preços acessíveis, ou seja, mais eficácia. A União Europeia adotou, por isso, medidas de incentivo e estabeleceu prioridades para promover a utilização de novas fontes de energia na produção de eletricidade, de biocombustíveis e de calor, bem como na produção combinada de calor e eletricidade. A grande expansão das fontes de energia renovávei A União Europeia estabeleceu para 2020 o objetivo de satisfazer um quinto do seu consumo de energia a partir de fontes renováveis. Graças à promoção dessas fontes a nível europeu, a capacidade de produção das energias renováveis aumentou drasticamente na última década, a um ritmo muito superior ao das centrais convencionais, tendo o custo dos painéis solares diminuído para metade nos últimos cinco anos. Em 2009, o setor industrial das fontes de energia renováveis já valia 70 mil milhões de euros e empregava mais de meio milhão de pessoas na Europa. E não ficará por aqui, uma vez que as fontes de energia renováveis são um elemento fundamental da estratégia energética da Europa a longo prazo, por permitirem reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e as importações de energia. Este setor económico, em plena expansão, confirma que a Europa está na vanguarda das novas tecnologias energéticas, geradoras de «empregos verdes» e de exportações europeias de elevado valor acrescentado. Eficiência energética: um mercado promissor O desígnio de aumentar a eficiência energética estimula o crescimento. Isolar as habitações, instalar novos equipamentos economizadores de energia, renovar os edifícios, efetuar auditorias: tudo isto gera atividade económica. Calcula-se que a realização dos objetivos europeus de poupança de energia poderá criar 2 milhões de postos de trabalho até E isto de uma forma rentável! De facto, por cada 24 mil milhões de euros investidos por ano em isolamento, gestão energética e sistemas de controlo, por exemplo, obter-se-á uma redução de cerca de 38 mil milhões de euros na fatura energética europeia, no período de 2011 a A partir de agora, os fornecedores de energia também deverão produzir economias de energia para os seus clientes, estendendo o modelo económico das companhias de serviços energéticos a toda a Europa. Este modelo consiste em confiar o fornecimento desses A realização dos objetivos europeus em matéria de economia de energia poderá criar dois milhões de postos de trabalho até Shutterstock

12 C O M P R E E N D E R A S P O L Í T I C A S D A U N I Ã O E U R O P E I A 12 Difundir as boas práticas O logótipo «Energy Star» permite aos utilizadores identificar os materiais com excelente rendimento energético. serviços (iluminação, aquecimento, climatização e alimentação elétrica) a essas empresas, que terão de investir em equipamentos eficientes, remunerando o seu investimento com as economias de energia obtidas. Quanto aos equipamentos, a Europa deixa ao critério dos consumidores a substituição daqueles que possuem atualmente, mas impõe normas de menor consumo de energia a uma vasta gama de eletrodomésticos (televisões, frigoríficos, máquinas de lavar louça, máquinas de lavar roupa, ventoinhas, arcas frigoríficas, aparelhos de iluminação, etc.), desde a fase de conceção até ao fim do seu ciclo de vida. Contudo, a mudança mais emblemática, que não terá passado despercebida a nenhum europeu, foi certamente o fim do fabrico das lâmpadas tradicionais, agora substituídas por lâmpadas de baixo consumo, que chegam a gastar cinco vezes menos energia. No total, economizar-se-ão entre 5 mil e 10 mil milhões de euros, que serão reinjetados na economia. A União Europeia incentiva o comércio de produtos eficientes do ponto de vista energético de uma forma bem visível: quem não reparou já no pequeno logótipo «Energy Star» patente nos equipamentos de escritório? Desde 2001 que esse acordo com os Estados Unidos permite sinalizar o bom desempenho energético dos produtos (computadores, fotocopiadoras, impressoras e ecrãs de computador), uma informação preciosa para orientar as compras conjuntas das autoridades públicas. Entrevista a Patrick Lambert, diretor da Agência de Execução para a Competitividade e a Inovação Que ação desenvolve a vossa agência no domínio da energia? PL : Gerimos um programa europeu denominado «Energia Inteligente para a Europa», que promove a eficiência energética e a utilização das fontes de energia renováveis, bem como a criação de agências locais ou regionais de energia. Financiamos projetos de formação, divulgação, informação, comunicação e demonstração de boas práticas nestes domínios. A nossa atividade tem um ponto alto anual, na primavera, com a Semana Europeia da Energia Sustentável. Consideram, verdadeiramente, que podem mudar as mentalidades numa semana? PL : Durante essa semana, realizam-se várias centenas de eventos na União Europeia, uma centena dos quais em Bruxelas. Queremos sensibilizar os cidadãos e as empresas e provocar um efeito «bola de neve», incentivando-os a reproduzir os projetos e as boas práticas em toda a Europa. Os nossos prémios para a energia sustentável, atribuídos anualmente, refletem esse desígnio. A legislação não é suficiente? PL : É importante aprovar leis, mas também é necessário agir no terreno para as tornar realidade na vida das pessoas. Por exemplo, a legislação europeia sobre o desempenho energético dos edifícios não poderá concretizar-se se os consumidores não estiverem suficientemente sensibilizados. Lutar contra as alterações climáticas No âmbito das negociações internacionais sobre o clima, a Europa comprometeu-se a reduzir em 20% as emissões de gases com efeito de estufa até 2020, em relação aos níveis de 1990, e a aumentar essa percentagem para 85%, ou mesmo 95%, até A maior parte do esforço deverá caber ao setor energético, responsável por 80% dessas emissões na União Europeia. Se a Europa conseguir cumprir até 2020 os objetivos que se propôs em matéria de energias renováveis e eficiência energética, estará em condições de aumentar de 20% para 25% o atual

Energia. Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA

Energia. Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Energia Uma energia sustentável, segura e a preços acessíveis para os europeus Garantir um aprovisionamento fiável de energia a preços acessíveis é um dos maiores

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

O que fazemos por si?

O que fazemos por si? O que fazemos por si? PT O que fazemos por si? Nos últimos anos, a Europa tem vindo a sofrer uma crise económica e financeira internacional de uma dimensão sem precedentes. A segurança social, os sistemas

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 Este Relatório foi possível graças ao generoso apoio da ENECO ISBN 978 2 940443 26 0 Fotografia da capa: Wild Wonders of Europe / Inaki Relanzon /

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) mantém as redes transeuropeias (RTE) nos domínios dos transportes, da energia e das telecomunicações, mencionadas

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2015/2108(INI) 12.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre alcançar o objetivo de 10% de interligação elétrica - preparar a rede

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia DIREITOS DOS CONSUMIDORES de energia europeus O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia Energia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão 17.7.2015 B8-0000/2015 PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0000/2015 nos termos do artigo

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10

ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 JARDIM DE CERNACHE DO BONJARDIM... 10 1 BoPS Sertã ÍNDICE SERTÃ... 4 COMPROMISSOS... 5 Governança... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 MIRADOURO DE S. MACÁRIO... 7 Investimento... 8 Indicadores... 9 JARDIM DE CERNACHE

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

PACOTE UNIÃO DA ENERGIA

PACOTE UNIÃO DA ENERGIA COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25.2.2015 COM(2015) 80 final PACOTE UNIÃO DA ENERGIA COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 Oradores: Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 - Sousa Campos, diretor da divisão de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal - Mafalda Sousa, da associação ambientalista Quercus -

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas

12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE. PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 12. ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ÁGUA&AMBIENTE PORTUGAL EFICIENTE NA GESTÃO DE RECURSOS Novos actores, novas políticas 23 de Maio de 2012 Centro de Congressos da Univ. Católica de Lisboa ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Transportar mais com menos

Transportar mais com menos Transportar mais com menos Transportar mais com menos Para a Bosch Termotecnologia, líder internacional no fabrico e exportação de sistemas de aquecimento e de água quente, a eficiência logística das cadeias

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Conteúdos. março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu

Conteúdos. março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu março2015 Newsletter http://www.ind-ecoefficiency.eu 6th Issue Caro leitor O projeto INDECO está em breve a chegar à sua conclusão bem-sucedida, termina em abril de 2015. Os parceiros do projeto estarão

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: mudanças importantes no clima que se têm vindo a verificar no mundo ao longo dos tempos Causas: emissões de gases poluentes do meio ambiente (gases com efeito de estufa GEE) devido

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Por Elisabete Rodrigues 17 de Maio de 2013 09:05 Comentar A plataforma de demonstração de energia solar que

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia. João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal

Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia. João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal A nova "Comissão Juncker" Entrou em funções a 11 de novembro

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS LIVRO VERDE. Estratégia europeia para uma energia sustentável, competitiva e segura {SEC(2006) 317}

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS LIVRO VERDE. Estratégia europeia para uma energia sustentável, competitiva e segura {SEC(2006) 317} COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.3.2006 COM(2006) 105 final LIVRO VERDE Estratégia europeia para uma energia sustentável, competitiva e segura {SEC(2006) 317} PT PT ÍNDICE 1. Uma estratégia

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

PARTE 11- CONSIDERANDOS

PARTE 11- CONSIDERANDOS Parecer COM(2014)21 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões- Preços e custos da energia na Europa e no processo de construção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais