Ano 0 / Edição 3 /Mai-Jun de 2015 /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ano 0 / Edição 3 /Mai-Jun de 2015 / www.editorastilo.com.br"

Transcrição

1 Ano 0 / Edição 3 /Mai-Jun de 2015 /

2 2 Salmão de viveiro é tão fértil quanto salmão selvagem Os espermas de salmão de viveiro são tão prováveis de ter sucesso em uma fertilização quanto os espermas de salmão selvagem, é o que mostra um experimento. Os pesquisadores recomendam que o salmão de viveiro seja estéril. Se o salmão macho que escapa dos cativeiros ao longo da costa tivesse mais habilidade sobre a reprodução sexual na natureza, a diversidade genética do salmão selvagem seria ainda mais prejudicada do que já é. Fugitivos de instalações aquícolas concorrem por alimentos e por parceiros - eles cruzam com peixes selvagens. No entanto, o salmão selvagem tem uma vantagem no comportamento reprodutivo, sabe melhor como cortejar e planeja o lançamento de espermas e óvulos. Apesar desta vantagem, os estoques

3 3 atlânticos selvagens enfrentam uma ofensiva de competidores, com centenas de milhares de salmões fugitivos de cativeiros e fazendo seu caminho para os rios de desova noruegueses e cursos de água. Porque as conseqüências para o salmão selvagem ainda geram controvérsia A maioria dos pesquisadores preocupa-se que o cruzamento de genes não indígenas tenha efeitos negativos. O temor é que, com o passar do tempo, a existência de salmão selvagem nos rios e cursos d água seja reduzido, já que reservatórios de genes localmente adaptados obtêm melhores taxas de sobrevivência. Problemas em nível macro O sucesso dos viveiros flutuantes de salmão de hibridação com salmão selvagem não depende de eventuais debilidades no esperma do peixe. A desvantagem é a um nível maior - o comportamento do peixe em relação à desova em rios individuais. Isso tem sido demonstrado por um biólogo e pesquisador de salmão em Trondheim, Sigurd Einum do Centro de Biodiversidade da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU). Ele juntou forças com colegas do exterior em um novo estudo publicado na Evolutionary Applications. "Esperma de salmão de viveiro não significa necessariamente perder a corrida ao competir com o esperma de salmão selvagem", disse Einum. "E não há que indique que a aqüicultura continuará a mudar a qualidade dos espermas ou ovos, tornando estes grupos de salmão incapazes de cruzar", acrescenta. Ele acha que o novo estudo irá mostrar que há um forte potencial para a continuação de cruzamento genético entre populações de salmão selvagem e de cativeiro. Escape antecipado menor diferença "Estudos anteriores demonstraram que o peixe macho de viveiro exibe comportamento inferior em cortejar fora na natureza, ou perdem o tempo", diz Einum. O salmão macho precisa liberar seu esperma, assim como a fêmea deposita seus ovos em um ninho raso que ela cava no cascalho do rio. Mas, os mais jovens fugitivos do cativeiro são menos propensos a fazer tais erros que os mais velhos. Einum e seus colegas mostram em seu estudo que o salmão que escapar no início da vida pode se comportar mais como um salmão selvagem do que aqueles que fazem o seu caminho para a vida selvagem depois de se aproximar da maturação. "Nesses casos, haveria pouco para evitar que estes peixes se reproduzam em rios e cruzem com salmão selvagem", diz ele. Esterilização Como os pesquisadores acreditam que o salmão de viveiro seja totalmente capaz de cruzamentos com as populações selvagens, eles acham que a melhor resposta seria esterilizá-los por meio do que é chamado triploidisação. A triploidisação envolve pressurização ovos de salmão para fazê-los reter uma quantidade extra de DNA do peixe mãe. O resultado é geralmente uma prole infértil. "Não é um problema para esterilizar o salmão de viveiro do ponto de vista técnico. Mas a indústria da aqüicultura não tem se entusiasmado muito em fazê-lo. A esterilização pode resultar em deformidades, assim outras soluções estão sendo exploradas, diz Einum. Os testes também mostraram que os peixes estéreis são menos capazes de suportar temperaturas de água mais elevadas, mas crescem bem. Enquanto as tentativas de esterilização ainda não eliminaram complicações, Einum acredita que o esforço para esterilidade faz sentido. "Os peixes cultivados provavelmente vão continuar a escapar em grande número. A esterilização talvez seja a maneira mais fácil e segura para evitar hibridação, diz ele. "Dito isto, há outros desafios que não são resolvidos por esterilização, particularmente a propagação de piolhos de salmão e outras doenças. Estas preocupações exigem outras contramedidas", diz Einum. O Conselho de Investigação da Noruega destinou mais de 5 milhões de dólares para um grupo de pesquisa, em parte constituído por cientistas do Instituto Norueguês de Investigação Marinha, para descobrir se poderia ser imaginada uma vacina para peixes de viveiro. Lotes de hibridação Rios com reduzida população de salmão selvagem são pensados para serem particularmente vulneráveis a invasores da indústria da aqüicultura, resultando em alterações genéticas como os peixes de cativeiro. No entanto, tem sido notado há algum tempo que peixes que escaparam do cativeiro tiveram mais dificuldade que de nadar nos rios e desovar com sucesso do que os peixes selvagens. Isso é bom. Mas as taxas de sucesso do salmão fugitivo variam geograficamente. Em algumas áreas, os peixes selvagens e de viveiro cruzar sem grande esforço. O grande problema Os maiores riscos da aqüicultura continuam a ser esta troca genética e o risco de contaminação por piolhos de salmão, de acordo com uma avaliação de risco do Instituto. "Os pescadores e ambientalistas estão preocupados que poderiam perturbar características localmente adaptadas como tempo de retorno, o tamanho do corpo adulto e resistência a doenças," disse o professor Matt Gage, da Universidade de East Anglia, do Reino Unido em um comunicado de imprensa. Ele é o principal autor do novo estudo. Einum acredita que os cruzamentos, sem dúvida, reduzirão a diversidade genética das populações de salmão selvagem. "Tudo o que sabemos hoje nos diz que isso irá reduzir muito a capacidade de populações selvagens para se adaptar a seus ambientes locais. Como resultado, isto irá reduzir o número de salmão e, talvez, minar sua capacidade de sobrevivência em longo prazo", diz ele. Fonte: ScienceNordic

4 4 All-G Rich, uma alternativa sustentável à saúde humana e dos animais Confesso que demorei um bom tempo para escrever este informativo, quando fui convocada pare este feito, o que poderia ser uma simples revisão literária, me senti com a responsabilidade de repassar um pouco sobre a minha preocupação e percepção de como o mundo vem caminhando diante dos desafios ambientais, de saúde e nutricionais. Queria incluir estes três temas de uma forma simples, porém explicativa, para qualquer bom leitor interessado. Bom vamos lá, terei que iniciar com alguns dados estatísticos e interessantes sobre a aquicultura no Brasil e no mundo, daí poderemos perceber a importância deste assunto aqui discutido. O setor aquícola é um dos setores para o suprimento de proteína animal de maior crescimento dos últimos anos, de acordo com dados recentes da FAO (2014), mais da metade de todo o pescado (isto inclui peixes, mariscos, ostras, camarão, algas e demais alimentos provenientes da água) consumido em todo o mundo, provém da aquicultura (produção em cativeiro). Este crescimento estrondoso, bastante significativo entre os anos de 2007 a

5 5 2011, no Brasil, se deve principalmente a uma população preocupada com uma alimentação saudável e ao grande estímulo pelo boom da era dos restaurantes japoneses, que popularizou o consumo de peixe e outros pescados. Em consequência ao aumento da produção de pescados de cativeiro, e a somatória de outras espécies animais, a indústria brasileira de produção de ração animal está em quarta maior do mundo, onde a aquicultura tem sido o segmento com as maiores taxas de crescimento, porém ainda atrás dos 70% representativos para aves e suínos, apresenta um aumento de 12% aproximadamente ao ano. Os gastos com ração na produção aquícola tem uma grande representatividade, estando na faixa dos 65 a 75%, no qual o valor da proteína é o mais caro, na casa dos 75% do custo total desta dieta. Com este crescimento da aquicultura houve também um aumento da demanda por fontes proteicas, porém em especial as de origem animal, as mais caras, passaram a ser substituídas por proteínas de origem vegetal. Aí esta um tema preocupante, com esta substituição cada vez mais os pescados de produção, especialmente os de águas doces e quentes, que não possui uma exigência específica em n-3 para seu desenvolvimento (porém pode-se melhorar índices de produção e imunidades dos animais, quando suplementados com fontes de n-3) deixaram de conter em sua dieta e consequentemente em sua carne. Em paralelo, também os peixes que possuem certa exigência destes ácidos graxos, como o bijupirá, salmão, linguados, e precisam ser suplementados com n-3, cada vez menos têm recebido uma dieta suplementada com óleo e farinha de peixe e sendo substituídas por farinhas de outras origens animais, como bovina, de aves, suínos e farinha e óleos de origem vegetal, como linhaça, soja, milho, entre outras muitas. Então a tendência é que cada vez menos estes animais de cativeiro possuam menor teor de ácidos graxos poliinsaturados em sua composição. O DHA (ácido docosahexaenoico) é um ácido graxo poliinsaturado da família ômega-3, extremamente importante na formação de cérebro, sistema nervoso central, reduz o risco de doenças cardiovasculares, de doenças como Mal de Alzheimer e melhora a capacidade de aprendizado de crianças, entre outros tantos benefícios para o humano e animal. O ácidos graxos poliinsaturados n-3, são de extrema importância na nutrição de crianças, especialmente nos primeiros 5 anos de idade e de gestantes, para a formação e funcionamento das células cerebrais e futura capacidade de aprendizado e memória de seus filhos. Diante destas necessidades vitais e sustentáveis, qual a alternativa para a produção de alimentos ricos em DHA e EPA (ácidos graxos poliinsaturados) para o suprimento da demanda mundial? A utilização de uma farinha de algas, produzidas de forma totalmente controlada e sem contaminantes, ricas em DHA é uma realidade, desenvolvida pela Alltech. Uma maneira sustentável, segura e que pode cada vez mais atender a demanda das espécies exigentes nutricionalmente em n-3 e suprir a necessidade humana via alimentos enriquecidos com esta fonte ácido graxo poli-insaturado, especialmente o DHA, naturalmente. Mariana Midori Nagata Coordenadora de Vendas de Aquicultura-Brasil. Referência Bibliográfica FOOD AND AGRICULTURAL ORGANIZATION (FAO) Fisheries Statistics. statistics. Sindirações Boletim Informativo do Setor: Alimentação Animal. Disponível em: Tacon, A.G.J.; Metian, M Global overview on the use of fish meal and fish oil in industrially compounded aquafeeds: Trends and future prospects. Aquaculture 285:

6 6 Controlando a qualidade do óleo de peixe Nova análise de qualidade fornece objetivos mais realistas para rançidez em óleos de peixe, o que significa melhores oportunidades de controle de qualidade para a indústria. Um óleo de peixe de alta qualidade tem pouco sabor e é difícil dizer a diferença para um óleo de cozinha normal. Na presença de oxigênio e luz, o óleo irá tornar-se rançoso (oxidase), desenvolvendo sabores e odores indesejáveis. Óleo de peixe é particularmente saudável e rico em poli-insaturados, ácidos graxos ômega 3, mas isso também faz com que seja particularmente propenso a se tornar rançoso. Quando os ácidos graxos poliinsaturados se tornam rançosos, eles criam uma mistura complexa de moléculas pequenas que têm sabores e odores. Isso é o que dá ao óleo de peixe sabor e cheiro indesejável. Melhores métodos de análise necessários "Os atuais métodos de análise padrão aprovados para rançidez, como valores de peróxido e anisidina, não são bons o suficiente para garantir a alta qualidade em óleos de peixe. Toda uma gama de métodos de análise deve ser usada para obter o quadro mais completo possível da qualidade do óleo de peixe, "diz o cientista Stine Grimmer. Pesquisadores na Nofima Lipid Platform, um programa de investigação internacional estratégica no Nofima, desenvolveram análises de qualidade alternativas para medir o teor de conteúdos específicos de oxidação nos óleos. Nofima é um instituto de pesquisa orientada para negócios trabalhando em pesquisa e desenvolvimento para aqüicultura, pesca e indústria de alimentos na Noruega. Os métodos foram testados em diferentes tipos de óleo de peixe com diferentes graus de ranço e comparados com os métodos de análise convencionais. As novas análises de qualidade são capazes de demonstrar um nível mais realista de ranço do que os métodos de análise originais. Qual a importância de saber sobre a rancidez do óleo de peixe Se um óleo de peixe é rançoso, com um sabor e cheiro indesejável, podemos ser menos propensos a adquiri-lo. Quando uma cápsula de óleo de baixa qualidade é dissolvida no estômago, pode causar a degustação do sabor de ranço por algum tempo depois. Óleo de peixe de má qualidade também pode significar que os efeitos positivos para a saúde dos ácidos graxos ômega 3 não serão alcançados. "Há indícios de que o óleo rançoso inibe o próprio sistema antioxidante das células e reduz o efeito do ômega 3 de inibição de inflamação em modelos celulares", conclui Grimmer. Fonte: ScienceNordic

7 5

8 8 BNDES apoia o Plano Safra da Pesca e Aquicultura Em Belém, ministro Helder Barbalho visitou o Banco da Amazônia, que oferece crédito com carência de até 10 anos O Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) trabalharão juntos visando a melhoria na concessão de créditos aos pescadores e aos aquicultores. O ministro do MPA, Helder Barbalho, e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho se reuniram no escritório do banco, em Brasília, para traçar um plano de trabalho e as metas para o setor. O desafio é utilizar os R$ 2 bilhões de créditos disponíveis no Plano Safra da Pesca e Aquicultura (PSPA), a ser laçado no dia 29 de junho. Vamos fazer um plano concreto, no qual garanta que a pesca e a aquicultura possam gerar renda e desenvolvimento. Nós temos a meta de chegar em 2020 a 1 milhão tonelada na pesca e 2 milhões na aquicultura, informou o ministro. Na reunião, Helder Barbalho apresentou, por meio de videoconferência com diretores do banco no Rio de Janeiro, o PSPA e os números do setor. A China produz 50 milhões de toneladas. Enquanto no Brasil não passa de 1,5 milhão de tonelada. Temos tudo para crescer, pois dispomos de água e local, acrescentou. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que a aquicultura é estratégica para o banco. Para isso, a instituição já destinou R$ 500 milhões para financiamento. Porém, apenas R$ 50 milhões foram utilizados. Apesar das atuais dificuldades econômicas do país, os investimentos no setor não foram cortados. Temos que construir uma ação para que esses recursos sejam utilizados, afirmou Coutinho. Helder Barbalho ressaltou que o MPA dispõe de estudo que detectam os problemas da pesca e da aquicultura no acesso ao crédito. Com o trabalho em conjunto com o BNDES, vamos destravar os gargalos e conseguir fazer um PSPA que gere resultados, disse o ministro. Fonte: MPA Zootecnista: profissão que também impulsiona a produção de pescados Você sabe quais atividades o zootecnista exerce? A principal função deste profissional é, principalmente, buscar novas tecnologias para estimular a produção e, consequentemente, gerar mais lucros. O melhoramento genético, a qualidade da produção e o incremento na indústria de insumos e rações são decorrentes da atuação de um zootecnista. Se você nunca associou o zootecnista à pesca e aquicultura, você não está sozinho. Comumente, a atuação desse profissional é ligada apenas ao setor agropecuário. Porém, o zootecnista pode, também, se especializar na cadeia produtiva do pescado. O zootecnista atua em todos os segmentos da cadeia produtiva aquícola, em várias instâncias. Nas instituições de pesquisas, trabalha nas linhas de melhoramento genético, produção e indústria, visando o beneficiamento e o processamento do pescado. Nas linhas de profissão, o zootecnista trabalha para que novas tecnologias sejam utilizadas buscando sempre as melhores condições para que o produto final gere lucro, tenha qualidade e seja produzido em um menor tempo possível. A atuação desses profissionais é de extrema importância para que o mercado de alimentos cresça e avance cada vez mais. As pesquisas e novas aplicações que os zootecnista incorporam ao tratamento dos animais seja no agronegócio ou na aquicultura, garante que os produtos que chegam às nossas mesas tenham a garantia de uma boa qualidade. O Ministério da Pesca e Aquicultura parabeniza os zootecnistas e agradece todo o trabalho realizado em benefício da aquicultura brasileira, o novo caminho de desenvolvimento do Brasil. Parabéns e muito obrigado! Fonte: MPA

9 9 Agência do Matopiba foi lançada no primeiro dos quatro estados Maurício Lopes falou sobre a atuação da Embrapa na região Lançada em Palmas (TO) a Agência de Desenvolvimento Regional do Matopiba. Foi oficialmente criada, por decreto presidencial, a região que reúne partes de quatro estados: Maranhão; Tocantins (no caso deste, todo o estado); Piauí; e Bahia. A ministra Kátia Abreu, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, disse que "estamos agora trabalhando a grande agência do Matopiba, que será criada. Estamos num esforço concentrado, o Ministério da Agricultura, o Ministério do Planejamento e a Casa Civil, para que, nas próximas semanas, nós já possamos oficializar a criação dessa agência, em parceria com a iniciativa privada e em parceria com todos os segmentos que foram ouvidos, dos quatro estados, em Brasília. E é da maior importância que o diálogo possa prevalecer". Segundo a ministra, "o objetivo dessa região é promover o desenvolvimento visando à elevação da qualidade de vida da população fundamentado na agricultura". Foram definidos três eixos estratégicos para serem trabalhados no Matopiba: infraestrutura; inovação e tecnologia; e ampliação da classe média rural. Evaristo de Miranda é pesquisador da Embrapa e coordena o Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite), responsável por extenso trabalho feito sobre o Matopiba. Ele explicou que foram realizadas cinco caracterizações: do quadro natural; do quadro agrário; do quadro agrícola; do quadro de infraestrutura; e uma análise socioeconômica. O pesquisador citou que cerca de 22% do Matopiba são áreas em que não podem haver atividades agropecuárias, por serem assentamentos de reforma agrária, terras quilombolas, terras indígenas ou unidades de conservação. Todas as 31 microrregiões do Matopiba possuem áreas como essas, ou seja, é uma realidade bastante presente e à qual a gestão territorial precisa estar atenta. Evaristo mostrou dados a respeito de renda per capita anual. No Brasil, gira em torno de R$ ,00. Já na região Norte é de quase R$ ,00 e, no Nordeste, é de cerca de R$ 9.000,00. No Matopiba, por sua vez, a renda per capita é de cerca de R$ 7.000,00. "A região está se desenvolvendo, a agricultura, e talvez não esteja desenvolvendo os agricultores. Nós estamos com uma região que talvez sejam ilhas de prosperidade num mar de miséria, num mar de pobreza", observa. Na região, há uma concentração muito grande da riqueza: cerca de 80% das propriedades rurais são consideradas muito pobres e outras 14% são consideradas pobres. Ou seja, aproximadamente 94% das propriedades da região estão em condições que podem ser consideradas ruins. E, da riqueza agrícola do Matopiba, 28% vêm da soja; também destacam-se bovinos e as culturas do algodão e do milho. MA PI TO BA Atuação da Embrapa O presidente da Embrapa, Maurício Lopes, também esteve no lançamento da agência. Ele entende que "é importante ressaltar que nós temos instituições de pesquisa, universidades no Matopiba, mas não podemos esquecer que nós temos muitas instituições fora do Matopiba que precisam ser mobilizadas pra cá pra nos ajudar nesse plano". Maurício falou sobre a atuação da Embrapa na região: "temos 80 projetos de pesquisa e desenvolvimento no Matopiba, 27 unidades de pesquisa operando na região, mais de pesquisadores operando na região com um orçamento para os próximos quatro, cinco anos de R$ 134 milhões destinados a pesquisa e inovação na região". Já o governador do Tocantins, Marcelo Miranda, afirmou que "o plano de desenvolvimento agropecuário do Matopiba e a formação de seu comitê gestor promovem a coordenação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável".

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios V Encontro de Negócios da Aquicultura da Amazônia Manaus/AM Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios André Luiz Scarano Camargo Zootecnista Mestre em Aquicultura

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Relatora Elíria Alves Teixeira Engenheira Agrônoma, M.Sc. Coordenadora da Câmara Especializada de Agronomia CREA/GO Presidente do Colegiado de

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa

O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa Orçamento de contratação 2013-14: R$ 32 bilhões............ Objetivos: Fomentar e apoiar planos de negócios de inovação, através do uso coordenado dos instrumentos

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP Piracicaba (SP), 10 de outubro de 2012 Ocupação e Uso do Solo: Gestão Territorial Claudio Spadotto e Equipe O território i rural é alterado por expansão, concentração,

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 DE MARÇO ANHEMBI SÃO PÀULO-SP

Leia mais

SISTEMA DE INTELIGÊNCIA TERRITORIAL

SISTEMA DE INTELIGÊNCIA TERRITORIAL SISTEMA DE INTELIGÊNCIA TERRITORIAL Lucíola Alves Magalhães Analista de Geoprocessamento Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE) GRUPO DE INTELIGÊNCIA TERRITORIAL ESTRATÉGICA Coordenado pelo

Leia mais

Esse não é um negócio como outro qualquer.

Esse não é um negócio como outro qualquer. ESPERADO Esse não é um negócio como outro qualquer. Desde a semente plantada no campo até o jantar de uma família do outro lado do mundo, a Cargill reúne ideias, para ajudar a atender as necessidades do

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Gestão Equipamentos de SAN Acesso a água Apoio a Agricultura Familiar Inclusão Produtiva Jainei Cardoso Coordenação Rede de San e Cidadania Conselheira CONSEA-BA

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção Angela Escosteguy Fiscal Federal Agropecuário, Méd. Veterinária Presidente do Instituto do Bem-Estar Porto Alegre,RS, Brasil E-mail: angela@ibembrasil.org Sumário 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Felipe Matias Red de Acuicultura de Las Américas (RAA/ FAO) Secretario Ejecutivo Fenacam, Novembro de 2014 Mudanças na Sociedade

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade.

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O Estadão criou uma iniciativa para debater e gerar ideias, propostas e soluções que contribuam com o desenvolvimento do

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br Feijão no agroecossistema? Sistema de produção para o feijoeiro? Manejo funcional da agrobiodiversidade

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade.

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são a totalidade de ações, metas e planos que os governos

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA INQUETAÇÕES E DESCONFORTO PARA NÓS, SERES HUMANOS! RESPOSTA DA FIEP E DAS INDÚSTRIAS DA PARAÍBA. O QUE ESTAMOS FAZENDO AGORA. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública?

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? São Paulo, 22 de fevereiro de 2011 Nos últimos 5 anos, o complexo soja brasileiro vem experimentando mudanças estruturais na gestão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 Crédito e Proteção DFPP Assistência Técnica DATER Comercialização e Organização Produtiva DGRAV Secretaria da AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 09/03/2015 Portal Acrítica Saúde - 09 de março de 2015. Fonte: http://acritica.uol.com.br/manaus/prefeitura-disponibilizaravacina-hpv-ubss_0_1316868336.html Prefeitura

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras

Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras CADERNO DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA Farinha de Rocha no Enriquecimento Alimentar de Galinhas Poedeiras CATEGORIA: ATER E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (a. sistemas

Leia mais