watsonwyatt.com.br Novembro 2007 Club Survey Energia Elétrica 2ª Edição Strategic Compensation Survey 5ª Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "watsonwyatt.com.br Novembro 2007 Club Survey Energia Elétrica 2ª Edição Strategic Compensation Survey 5ª Edição"

Transcrição

1 watsonwyatt.com.br Novembro 2007 Club Survey Energia Elétrica 2ª Edição Strategic Compensation Survey 5ª Edição

2 Watson Wyatt Brasil Ltda. Acordo de Licença Pela abertura deste relatório, você concorda com os termos estabelecidos neste Acordo de Licença. Se você não concorda com esses termos, você deverá devolver esta publicação à Watson Wyatt Brasil Ltda. para a restituição integral de quaisquer honorários pagos. Este Acordo de Licença é celebrado entre Watson Wyatt Brasil Ltda. (Watson Wyatt) e a Licenciada. Em consideração as mútuas avenças deste Acordo a Watson Wyatt e a Licenciada concordam com o seguinte: Concessão de Licença. Esta publicação da Watson Wyatt contém a compilação das informações sobre remuneração e materiais fornecidos à Watson Wyatt, por seus participantes da pesquisa, em dados analisados e tabulados ( Dados Tabulados ). A Watson Wyatt concede à Licenciada a licença limitada, não exclusiva e não transferível para o uso dos Dados Tabulados conforme permitido por este acordo. A licença de qualquer forma dos Dados Tabulados constitui aceitação pela Licenciada dos seguintes termos e condições: A Licenciada tem o direito de manipular e modificar os Dados Tabulados e reproduzi-los e apresentá-los em relatórios e memorandos criados pela Licenciada no curso regular dos negócios. A Licenciada não poderá utilizar os Dados Tabulados para qualquer outra finalidade. Deverá constar a fonte dos Dados Tabulados como sendo a Watson Wyatt em qualquer uso dos Dados Tabulados que esteja incluído em qualquer relatório ou análise para partes externas ou internas no curso regular dos negócios. Limitações de Uso. Exceto se expressamente estabelecido neste Acordo, a Licenciada não poderá, sob qualquer forma, reproduzir, mostrar, alugar, emprestar ou revender, licenciar, explorar comercialmente, adaptar ou redistribuir de qualquer maneira os Dados. A Licenciada não permitirá o acesso público aos Dados Tabulados. A Licenciada não deverá ceder, sub-licenciar, ou de outra maneira transferir este acordo de licença sem o prévio consentimento por escrito da Watson Wyatt. A Licenciada não deverá usar os Dados Tabulados, sob qualquer forma, bem como o nome dos relatórios dos Dados Tabulados ou o nome Watson Wyatt em qualquer tipo de atividade de marketing ou venda. Direito Sobre a Informação. Os Dados Tabulados são confidenciais e de propriedade da Watson Wyatt e não devem ser reproduzidos, expostos, adaptados, revendidos ou redistribuídos sem o prévio consentimento por escrito da Watson Wyatt. Este Acordo de Licença não confere à Licenciada qualquer direito de propriedade ou domínio sobre os Dados Tabulados. A Licenciada tem conhecimento de que a Watson Wyatt detém a propriedade dos Dados Tabulados, incluindo todos os direitos autorais, patentes, segredo comercial e outros direitos de propriedade a eles relacionados. Isenção de Garantias. A WATSON WYATT NÃO ASSUME RESPONSABILIDADE DE QUALQUER NATUREZA, VERBALMENTE OU POR ESCRITO, EXPLÍCITA OU IMPLICITAMENTE, INCLUINDO, MAS NÃO SE LIMITANDO A, ADAPTAÇÃO PARA USO PARTICULAR, EXATIDÃO, OMISSÕES, INTEGRALIDADE E DESATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. A WATSON WYATT NÃO DEVERÁ, EM QUALQUER HIPÓTESE SER CONSIDERADA RESPONSÁVEL PERANTE A LICENCIADA OU QUALQUER TERCEIRO POR QUAISQUER DANOS INDIRETOS, ESPECIAIS, IMPREVISTOS, EMERGENTES OU SIMILARES, INCLUSIVE POR DANOS DECORRENTES DE PERDA DE INFORMAÇÃO OU PERDA ECONÔMICA, MESMO NOS CASOS EM QUE A WATSON WYATT TENHA SIDO NOTIFICADA DA POSSIBILIDADE DE TAL PERDA. ALGUMAS JURISDIÇÕES NÃO PERMITEM A EXCLUSÃO OU LIMITAÇÃO DE GARANTIAS OU RESPONSABILIDADE POR DANOS IMPREVISTOS OU EMERGENTES, CASO EM QUE TAIS DISPOSIÇÕES NÃO SERÃO TOTALMENTE APLICÁVEIS. ESTE PARÁGRAFO DEVERÁ SUBSISTIR AO TÉRMINO DESTE ACORDO DE LICENÇA. Prazo. Este contrato de licença terá prazo de vigência de 10 anos. A Watson Wyatt reserva o direito de terminar este acordo de licença por meio de notificação por escrito à Licenciada, se esta descumprir qualquer disposição deste Acordo. Ademais, se Watson Wyatt, a seu exclusivo critério, acreditar que os Dados Tabulados estão sendo usados para finalidade não aprovada pela Watson Wyatt, em que os direitos da Watson Wyatt estiverem sendo prejudicados, ou que a Licenciada estiver inadimplente nos termos deste Acordo, a Watson Wyatt poderá imediatamente terminar este acordo e a Licenciada deverá devolver, imediatamente, todos os Dados Tabulados, sob qualquer forma, à Watson Wyatt. Lei Aplicável. Este Acordo de Licença deve ser regido e interpretado de acordo com as leis da República Federativa do Brasil, sendo eleito o foro da cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como o único competente para dirimir quaisquer dúvidas oriundas deste instrumento. Integralidade do Contrato. Este Acordo de Licença constitui o entendimento integral entre as partes. Este Acordo de Licença substitui todo e qualquer acordo ou entendimento prévio, ou outras comunicações entre as partes concernentes ao objeto deste Acordo de Licença. Se qualquer disposição deste Acordo de Licença for declarada inválida, tal disposição deverá ser extinta deste Acordo de Licença e as outras disposições aqui contidas deverão permanecer em pleno vigor e efeito. 1

3 watsonwyatt.com.br Watson Wyatt Worldwide A Introdução

4 A Introdução A equipe de Human Capital da Watson Wyatt tem a satisfação de apresentar os resultados da 2ª edição do Club Survey de Energia Elétrica. Este Relatório Técnico contém informações detalhadas sobre práticas e políticas de remuneração total, considerando um amplo conjunto de empresas e abrangendo mais de 400 posições, do Presidente à menor posição operacional. Esta edição do Club Survey de Energia Elétrica contou com a participação de 46 empresas do segmento de Energia Elétrica e 148 empresas da Strategic Compensation Survey, que reunidas empregam por volta de funcionários e possuem um faturamento líquido total superior a US$ 282 bilhões. A database da pesquisa é novembro de 2007 e todas as informações expressas neste relatório estão em Reais (R$), em bases mensais. Agradecemos aos profissionais de Recursos Humanos das empresas participantes por sua valiosa contribuição e empenho durante o projeto. Estamos à disposição para discutir com sua empresa os resultados apresentados neste relatório e também para esclarecer quaisquer dúvidas. Para isto, entrem em contato com a Watson Wyatt através do ou diretamente com o consultor que atendeu sua empresa. Watson Wyatt Brasil Ltda. Rua Arizona, º andar São Paulo SP Tel. (11) Fax. (11)

5 watsonwyatt.com.br Watson Wyatt Worldwide B Sumário Econômico

6 B Sumário Econômico 2007 A aceleração do crescimento econômico em 2007 esteve associada ao desempenho da demanda interna, tendo em vista a redução no superávit comercial. A consistência do processo de crescimento da economia é reforçada pela trajetória dos investimentos, seja em termos de resultados recentes, seja em relação às expectativas empresariais. A evolução do consumo persiste favorecida pelas melhores condições de crédito, pelo crescimento da massa salarial real e por indicadores de confiança positivos. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) registrou aumento de 5,4% em 2007, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), configurando o décimo quinto ano consecutivo de crescimento da economia. A evolução do mercado de trabalho segue o dinamismo da atividade econômica, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE. O crescimento do emprego com carteira assinada manteve-se em crescimento acentuado em relação a Mas ao mesmo tempo em que a contratação de trabalhadores no mercado formal segue em ritmo intenso nos diversos segmentos da economia, a taxa de desemprego segue tendência declinante e alguns setores se ressentem da falta de mão-de-obra qualificada. As operações de crédito registram crescimento significativo e as expectativas apontam para a continuidade desse processo ao longo de Os desenvolvimentos favoráveis no mercado de crédito estão em linha com a evolução positiva do mercado de trabalho, com o quadro de estabilidade macroeconômica. Essa avaliação encontra suporte, por exemplo, na redução das taxas de juros para empréstimos e no alongamento dos prazos, o que favorece a sustentação do consumo das famílias e dos investimentos das empresas. A inflação medida pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou o ano de 2007 em 4,46%, 1,32 p.p. acima da taxa verificada em 2006, e próxima do valor central de 4,50% para a meta de inflação. O aumento da inflação ao consumidor em 2007 deveu-se, em parte, a choques observados em escala global nos preços de commodities agrícolas. Esses aumentos se devem a fatores estruturais, como a maior demanda por parte de grandes países asiáticos, e ao deslocamento da produção de algumas culturas para a indústria de biocombustíveis.

7 B Sumário Econômico Perspectivas 2008 O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2007 ratificou a importância que a demanda interna vem tendo como principal elemento propulsor da atividade econômica nos últimos anos. A projeção de continuidade da trajetória expansionista dos investimentos em 2008 envolve aspectos como o fortalecimento dos fundamentos da economia brasileira. Essa melhora concorre, por exemplo, para a manutenção do risco-país em patamar reduzido, estimulando assim o ingresso de investimentos externos. Adicionalmente, a apreciação do real favorece a intensificação das importações de bens de capital, relevantes para o reaparelhamento do parque industrial atualmente operando com alto nível de utilização da capacidade instalada com conseqüências positivas sobre a produtividade. A esses fatores deve se somar a contribuição dos desembolsos relativos às obras de infra-estrutura previstas no cronograma do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O crescente dinamismo da atividade econômica também encontra respaldo nos desdobramentos positivos, em termos quantitativos e qualitativos, que se observam no mercado de trabalho. Esse processo deverá persistir em 2008, conforme antecipado pelos resultados de janeiro, quando a taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do país atingiu 8%, menor percentual registrado no período desde o início da série, em março de A demanda por crédito permanecerá aquecida em 2008, a despeito da elevação das taxas de juros das principais modalidades de empréstimos, em grande parte decorrente do recrudescimento das incertezas nos mercados financeiros internacionais e de alterações introduzidas na estrutura tributária do país. Esse comportamento reforça a percepção de que o mercado de crédito tende a continuar oferecendo suporte à sustentação do nível de atividade econômica. A condução da política fiscal segue garantindo a manutenção de trajetória descendente da razão entre Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) e PIB. No início do ano, foram introduzidas alterações na estrutura tributária a fim de contrabalançar a perda de arrecadação decorrente da extinção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), bem como garantir o alcance das metas de superávit fiscal definidas anteriormente. Paralelamente, registra-se menor vulnerabilidade do endividamento público, traduzida em elevação dos prazos de maturação da dívida, redução do seu custo financeiro e menor exposição aos riscos externos.

8 B Sumário Econômico Perspectivas 2008 A contínua redução da vulnerabilidade externa da economia brasileira ganha contornos ainda mais relevantes ao se considerar o processo de fragilização a que os mercados financeiros internacionais vêm sendo submetidos, que pode inclusive se intensificar. De fato, ainda permanece elevado o grau de incerteza acerca dos desdobramentos da crise no mercado subprime sobre a confiança dos agentes, traduzido tanto em reduções adicionais na liquidez quanto em aumento na volatilidade dos preços de praticamente todos os ativos financeiros. Em outra perspectiva, as incertezas predominantes nos mercados financeiros internacionais impactaram negativamente o setor real das principais economias maduras, em especial da norte-americana. Nesse cenário, a evolução das demandas domésticas na Europa e no Japão, assim como na China e nas demais economias emergentes de grande porte, passa a ter maior importância para o crescimento econômico global e, em particular, para o comércio internacional. As contas externas do país deverão registrar, em 2008, o primeiro déficit em transações correntes dos últimos cinco anos. Esse resultado, influenciado pelas reduções no saldo comercial e pelo aumento nas remessas líquidas de serviços e rendas, em especial de lucros e dividendos, deverá ser financiado com os ingressos líquidos da conta financeira do balanço de pagamentos, com ênfase para os investimentos estrangeiros diretos. Dessa maneira, a despeito do retorno de pequenos déficits em transações correntes, considerados como percentual do produto, não se antecipam alterações relevantes na sustentabilidade das contas externas do país. Note-se, em particular, que a taxa de câmbio flutuante constitui um mecanismo de ajuste fundamental para mitigar os efeitos de movimentos inesperados nessas contas. As perspectivas relativas à evolução da economia mundial seguem indefinidas, mas com viés negativo. As incertezas do ambiente internacional podem impactar os cenários projetados para os preços internacionais das commodities, os fluxos de capitais, bem como para o crescimento do comércio e do produto mundial. Ainda assim, as perspectivas para 2008 incorporam a permanência das condições favoráveis de financiamento do balanço de pagamentos, expectativa fundamentada, em parte, pela experiência vivenciada pela economia brasileira na segunda metade de 2007, quando a volatilidade nos mercados financeiros internacionais, decorrente da inadimplência no mercado subprime, exerceu impacto residual sobre a economia brasileira.

9 B Sumário Econômico Indicadores de Atividade Econômica IPCA O IPCA - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo é utilizado pelo Banco Central do Brasil para realizar o acompanhamento dos objetivos estabelecidos no sistema de metas de inflação, adotado a partir de julho de 1999, para o balizamento da política monetária. O IPCA é produzido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) desde 1980 e reflete a variação dos preços das cestas de consumo das famílias com renda mensal entre 01 e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte de renda. Composição do IPCA 8,8% 8,1% 25,2% 10,9% 12,5% 18,8% Alimentação Despesas Pessoais Habitação Artigos de Residência 15,7% Transportes e Comunicação Vestuário Saúde e Cuidados Pessoais

10 B Sumário Econômico Indicadores de Atividade Econômica INPC O INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor tem como população alvo as famílias com chefes assalariados e rendimento mensal entre um e oito salários mínimos. Produzido pelo IBGE desde 1979, assim como o IPCA, mede as variações de preços ao consumidor ocorridas nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, além de Brasília e Goiânia. Composição do INPC 8,9% 7,6% 33,1% 11,4% 12,5% 13,2% Alimentação Vestuário Transporte e Comunicação Saúde e Cuidados Pessoais 13,3% Despesas Pessoais Habitação Artigos de Residência

11 B Sumário Econômico Indicadores de Atividade Econômica ICV Elaborado pelo DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio- Econômicos, mede a variação do custo de vida das famílias com renda de 1 a 30 salários mínimos do município de São Paulo. O índice é calculado em três extratos distintos: Extrato 1 - Famílias com menor renda, 01 a 03 salários mínimos (1/3); Extrato 2 - Famílias com renda intermediária, 01 a 05 salários mínimos (1/3); Extrato 3 - Famílias de maior poder aquisitivo, 01 a 30 salários mínimos (1/3); O Índice Geral engloba todas as famílias e o cálculo começou a ser efetuado pelo DIEESE em Janeiro de Composição do ICV 6,9% 6,1% 4,0% 27,4% 7,9% 8,2% 0,3% 13,6% 2,1% 23,5% Alimentação Habitação Transporte Vestuário Equipamentos Domésticos Despesas Diversas Recreação Saúde Educação e Leitura Despesas Pessoais

12 B Sumário Econômico Indicadores de Atividade Econômica Produto Interno Bruto (PIB) Principal indicador da atividade econômica, o PIB - Produto Interno Bruto - exprime o valor da produção realizada dentro das fronteiras geográficas de um país, num determinado período, independentemente da nacionalidade das unidades produtoras. Em outras palavras, o PIB sintetiza o resultado final da atividade produtiva, expressando monetariamente a produção, sem duplicações, de todos os produtores residentes nos limites da nação avaliada. A soma dos valores é feita com base nos preços finais de mercado. A produção da economia informal não é computada no cálculo do PIB nacional. Pesquisa Mensal de Emprego (PME) Produz indicadores do mercado de trabalho sobre a condição de atividade da população residente de 10 anos ou mais de idade, ocupação e desocupação das pessoas economicamente ativas (taxa de desemprego), rendimento médio nominal e real, posição na ocupação, posse de carteira de trabalho assinada das pessoas ocupadas e a taxa de desocupação, acompanhando a dinâmica conjuntural da ocupação e desocupação, tendo como unidade de coleta os domicílios.

13 B Sumário Econômico Indicadores de Atividade Econômica Indicadores Previsão IPCA 5,69% 3,14% 4,46% 4,44% 4,30% INPC 5,05% 2,81% 5,16% 4,00% 4,14% IGP-M 1,20% 3,85% 7,75% 5,43% 4,40% ICV (DIEESE) 4,54% 2,57% 4,79% n/d n/d PIB (Variação real %) 2,90% 3,70% 5,40% 4,80% 4,50% Selic 18,52% 13,25% 12,04% 11,25% 10,50% Câmbio de Fechamento (3) 2,33 2,14 1,77 1,75 1,82 Risco País (1) n/d Taxa de Desemprego (PME) 9,80% 10,00% 7,40% 8,70% (2) n/d Fontes: Banco Central do Brasil, IBGE, DIEESE, ATAS DO COPOM Previsão de INPC com base na proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (1) Valor de 27 de Março de (2) Dados acumulados até fevereiro de (3) Câmbio de Fechamento no dia 31 de Dezembro de cada ano. n/d não disponibilizado

14 watsonwyatt.com.br Watson Wyatt Worldwide C Práticas de Remuneração

15 C Práticas de Remuneração A seguir, apresentamos os resultados referentes às principais Práticas de Remuneração reportadas pelas empresas participantes da 2ª edição do Club Survey Energia Elétrica, comparando-os com as empresas participantes da 5ª edição da Strategic Compensation Survey. Estrutura Salarial Formal Não 4% Não 14% Sim 96% Sim 86% Das empresas da, apenas 01 não inclui os executivos na estrutura formal e 02 não agregam cargos operacionais. Já nas empresas do, podemos verificar que metade das empresas não inclui a alta direção e todas agregam cargos operacionais. Referência de Mercado Adotada para Definição da Estrutura Salarial A maioria absoluta das empresas utiliza como referencial a média ou mediana de mercado, tanto no mercado como. A adoção do 3º quartil é restrita aos níveis executivos na, conforme demonstrado no gráfico abaixo. Alta Dir 38% 62% 0% Alta Dir 18% 65% 14% 3% Ger 50% 44% 6% Ger 24% 61% 12% 3% Coord / Prof 53% 43% 5% Coord / Prof 27% 64% 3% 6% Operac 48% 48% 5% Operac 33% 61% 6% Média Mediana 3º Quartil Outros Média Mediana 3º Quartil Outros

16 C Práticas de Remuneração Amplitude de Faixas A amplitude das faixas salariais (diferença percentual entre o valor máximo e o valor mínimo) encontrada com maior freqüência nas empresas é de 50% conforme apresentado no gráfico abaixo. 13% 8% 23% 10% 64% 3% 10% 46% 15% 8% < 30% 31% a 49% 50% 51% a 60% > 60% < 30% 31% a 49% 50% 51% a 60% > 60% Referência de Mercado Adotada para Definição da Remuneração Direta (REM3) Para definir o posicionamento da empresa perante o mercado, com base na remuneração em dinheiro (inclui Bônus e PLR), a maioria das empresas adota a Mediana. Alta Dir 29% 46% 21% 4% Alta Dir 19% 52% 15% 7% 7% Ger 33% 44% 15% 7% Ger 20% 52% 14% 7% 7% Coord / Prof 31% 48% 17% 3% Coord / Prof 20% 58% 7% 7% 8% Operac 31% 48% 17% 3% Operac 21% 60% 5% 7% 7% Média Mediana 3º Quartil Não Possui Outros Média Mediana 3º Quartil Não Possui Outros

17 C Práticas de Remuneração Tabelas Salariais Diferenciadas Considerando-se São Paulo Capital como base 100%, apresentamos os percentuais médios de relatividade para as demais regiões. Tipicamente, a diferenciação da tabela salarial é aplicável para cargos administrativos, operacionais e, em alguns casos, para o nível de supervisão. Para os executivos a tendência é a utilização de uma tabela nacional. 79% (2) 76% 78% (1) São Paulo Interior (2) Manaus (3) Distrito Federal (4) Salvador / Camaçari 81% 94% (3) 87% (1) 87% 83% 86% 81% (4) 84% 85% 93%

18 C Práticas de Remuneração Reajustes Salariais Coletivos O gráfico abaixo apresenta os aumentos salariais gerais aplicados nos últimos 12 meses em relação à inflação acumulada no período. Encontramos entre dezembro de 2006 e novembro de 2007 um cenário semelhante ao identificado nos 12 meses anteriores: reajustes gerais superiores aos índices de inflação, propiciando um ganho real aos empregados, principalmente quando comparado ao INPC, que constitui o principal índice de referência para negociações salariais. % de aumento 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% Aumento Médio ICV IGP-M INPC IPCA 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% 0% dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 % de aumento 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% Aumento Médio ICV IGP-M INPC IPCA 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% 0% dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07

19 C Práticas de Remuneração Reajustes Salariais Coletivos A aplicação do acordo coletivo pode assumir diferentes configurações, conforme apresentado a seguir. O reajuste é extensivo aos executivos? Forma de aplicação Linear Escalonado Sim 46% 33% 2% 28% Não 43% 21% 9% 18% Linear: percentual ou valor aplicável a todos os empregados independentemente do nível hierárquico. Escalonado: percentuais e/ou valores aplicados somente sobre determinados intervalos salariais ou níveis organizacionais. Em substituição aos reajustes coletivos, as participantes da que excluem os executivos destas práticas adotam revisão salarial individual uma única vez ao ano. Abril é o mês mais utilizado e o aumento salarial médio concedido em 2007 foi de 7%. A previsão para 2008 é de 5%. Já na empresas do, o mês mais utilizado é março e o aumento médio concedido em 2007 foi de 6%. A previsão para 2008 também é de 6%.

20 C Práticas de Remuneração Reajustes Salarias Coletivos Os gráficos abaixo demonstram a prática das empresas da, comparada às empresas participantes do : Forma de Concessão 100% das empresas do realizam reajuste único para os executivos. 3% 97% Reajuste Único Dois ou Mais Reajustes Número de Pagamentos ao Ano 10% 7% 90% 93% Concentrado em um Único Mês Distribuído ao Longo do Ano Concentrado em um Único Mês Distribuído ao Longo do Ano

21 C Práticas de Remuneração Programas de Mérito Quatro em cada cinco empresas concedem aumentos salariais por mérito, tanto para as participantes da quanto às participantes do. Comparando-se a concessão por níveis hierárquicos, verifica-se uma maior concessão para níveis operacionais no do que da. Entre as participantes, tanto da, como das empresas do, as verbas destinadas aos programas de mérito variam tipicamente entre 1% e 3% da folha de pagamento. Programa Formal de Mérito Não 22% Não 22% Sim 78% Sim 78% Verba Destinada para Mérito (% Folha Pagamento) 60% 59% 61% 57% 20% 23% 16% 14% 4% 5% 8% 5% 23% 21% 12% 13% 0% a 1% 1,1% a 3% 3,1% a 5% Acima de 5% % a 1% 1,1% a 3% 3,1% a 5% Acima de 5%

22 C Práticas de Remuneração Programas de Mérito Processos de Avaliação de Desempenho Individual é o critério mais utilizado para concessão de mérito, que geralmente é concedido anualmente, conforme demonstrado nos gráficos seguintes. Critérios para Concessão de Mérito Avaliação de Desempenho 84% Avaliação de Desempenho 90% Avaliação de Potencial 11% Avaliação de Potencial 30% Tempo de Casa 8% Tempo de Casa 5% Tempo de Cargo 3% Tempo de Cargo 7% Posição na Faixa 7% Posição na Faixa 38% Outro 11% Respostas Múltiplas Outro 7% Respostas Múltiplas Outros critérios encontrados: Avaliação de Competências Avaliação Informal do superior imediato Periodicidade de Concessão de Mérito 28% 8% 0% 86% 6% 72% Semestral Anual Outra Semestral Anual Outra Outra periodicidade: Trimestral Quadrimestral Bienal

23 C Práticas de Remuneração Programas de Mérito Os programas estão tipicamente concentrados em único mês, sendo abril o mais utilizado para as empresas, tanto da quanto do. Data de Concessão 64% 64% 36% 36% Concentrado em um único mês Distribuído ao longo do ano Concentrado em um único mês Distribuído ao longo do ano Mês da Concessão de Mérito 35% 36% 22% 4% 4% 0% 13% 0% 9% 4% 4% 4% 0% 16% 11% 11% 6% 4% 8% 4% 2% 2% Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

24 C Práticas de Remuneração Previsão de Crescimento de Folha de Pagamento O gráfico abaixo demonstra o percentual de crescimento previsto para a folha de salários nominal, incluindo acordo coletivo e aumentos individuais. 57% 7% 11% 11% 14% Até 1% Entre 1,1% a 3% Entre 3,1% e 5% Entre 5,1% e 8% Acima de 8% 44% 24% 20% 0% 12% Até 1% Entre 1,1% a 3% Entre 3,1% a 5% Entre 5,1% a 8% Acima 8%

25 watsonwyatt.com.br Watson Wyatt Worldwide D Painel de Empresas

26 D Painel de Empresas Energia (Geração, Transmissão e Distribuição) - 46 Empresas (23,7%) AES Eletropaulo CELTINS EEB AES Sul CEMAR Elektro Ampla CEMAT Endesa Bandeirante CEMIG Energias do Brasil Boa Vista CENF ENERGIPE Caiuá CESP ENERGISA Cataguazes CFLO ENERSUL Catleo CNEE ESCELSA CEAL COELBA Itaipu CEB COELCE Light CEEE COPEL RGE CELB COSERN SAELPA CELESC CPFL Jaguariúna Santa Maria CELG CPFL Terna CELPA CTEEP CELPE EDVP Químico / Petroquímico - 19 Empresas (9,8%) 3M DuPont Purac BASF FMC Química Carbocloro Foseco Rhodia Ciba Henkel Syngenta Clariant Klüber Tredegar Dow Brasil Lanxess Unipar Monsanto Oxiteno Bens de Consumo - 18 Empresas (9,3%) Avon Johnson & Johnson Philip Morris Bunge Alimentos Kraft Foods Procter & Gamble Cargill MARS Reckitt Benckiser Coca-Cola Natura Sadia Colgate - Palmolive Nestlé Souza Cruz Danone Pepsico Unilever Novembro/2007

27 D Painel de Empresas Serviços de Petróleo e Gás - 18 Empresas (9,3%) Acergy Group Halliburton Smith Baker Hughes Hanover Subsea 7 BJ Services Marine Technip Cooper Cameron M-I Swaco Vetco Gray FMC Technologies Power Well Weatherford Fugro OceansatPeg Schlumberger Wellstream Petróleo e Derivados - 18 Empresas (9,3%) Air BP El Paso Petrobrás Anadarko EnCana Repsol YPF (Downstream) Castrol Eni Oil Repsol YPF (Upstream) Chevron (Downstream) Esso Shell (Downstream) Chevron (Upstream) Ipiranga Shell (Upstream) Devon Maersk Oil Statoil Automotivo (Montadoras) - 17 Empresas (8,8%) AGCO Honda Scania CNH - New Holland John Deere Toyota DaimlerChrysler Mitsubishi Valtra Fiat Nissan Volkswagen Ford PSA Peugeot Citroën Volvo General Motors Renault Farmacêutico / Equipamentos Hospitalares - 15 Empresas (7,7%) Abbott Fort Dodge Organon Bayer GlaxoSmithKline Sandoz Bristol-Myers Squibb Merial Schering-Plough Boston Scientific Novartis Saúde Animal Stiefel Eli Lilly Nycomed Pharma Valeant Novembro/2007

28 D Painel de Empresas Telecomunicações / Alta Tecnologia - 10 Empresas (5,2%) Andrew Corporation IBM TIM Brasil Brasil Telecom Net Vivo Claro Oi Embratel Telefônica Automotivo (Autopeças) - 07 Empresas (3,6%) Eaton Automotive Johnson Controls Tyco Electronics Faurecia SKF GKN Tritec Equipamentos Eletro-Eletrônicos - 07 Empresas (3,6%) Electrolux Siemens Embraco Singer Motorola Whirlpool Philips Mineração, Siderurgia e Metalurgia - 04 Empresas (2,1%) Alcoa Cia. Vale do Rio Doce Cia. Siderúrgica Nacional Vesuvius Equipamentos Industriais - 03 Empresas (1,5%) ESAB Newell Rubbermaid Flowserve Fertilizantes - 03 Empresas (1,5%) Bunge Fertilizantes Yara Brasil Mosaic (Cargill Fertilizantes) Serviços Financeiros - 02 Empresas (1,0%) Citibank Liberty Seguros Novembro/2007

29 D Painel de Empresas Demais Segmentos - 07 empresas (3,6%) Aracruz Associação IJCSUD Ecorodovias Gol Grupo SHC Invista Owens Corning (Papel e Celulose) (Associações) (Concessões Rodoviárias) (Transporte Aéreo) (Distribuidores de Veículos) (Têxtil) (Vidreiro) Novembro/2007

30 D Painel de Empresas Características do Painel Vendas Líquidas Anuais (US$ mm) Vendas Líquidas Anuais (US$ mm) º Quartil Mediana Média 3º Quartil 1º Quartil Mediana Média 3º Quartil Número de Empregados Número de Empregados º Quartil Mediana Média 3º Quartil 1º Quartil Mediana Média 3º Quartil Novembro/2007

31 D Painel de Empresas Características do Painel 71% Origem de Capital 7% 9% 9% 2% 2% Brasil Espanha EUA França Itália Portugal 12% 46% Origem de Capital 7% 6% 4% 3% 3% 3% 16% EUA Brasil Alemanha Inglaterra Holanda França Suécia Suiça Outros Localização da Matriz no Brasil 4% 17% 15% Localização da Matriz no Brasil 1% 2% 9% 55% 30% 26% 20% 7% SP MG RJ ES S CO NE N 1% 1% 12% SP MG RJ ES S CO Novembro/2007

32 watsonwyatt.com.br Watson Wyatt Worldwide E Metodologia

33 E Metodologia Job Matching Os consultores da Watson Wyatt visitaram todas as empresas participantes com o objetivo de garantir a melhor comparação entre os cargos definidos no catálogo da pesquisa e as funções encontradas em cada organização. A consistência da pesquisa depende basicamente da acuracidade das comparações reportadas por cada participante. Em conjunto com as empresas, a Watson Wyatt realizou o Job Matching baseado em uma comparação estruturada de cada uma das responsabilidades funcionais (como por exemplo, Treinamento e Desenvolvimento dentro de Recursos Humanos) e do papel esperado dentro da função (como a responsabilidade por resultados) em relação às características definidas para cada cargo típico. Isto é ilustrado a seguir: Função Organizacional Recursos Humanos Primário ou Papel Recrutamento Remuneração Treinam. e Desenvolv. Especializado Cargo Típico Diretor - Estratégico Gerente - Tático Coord. - Normativo Gerente Treinam. Atribuições Responsabilidades Match Staff - Operacional Etc. Cargo do Participante Match

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência

Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência watsonwyatt.com CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 052/2007 Parecer Técnico sobre a Metodologia de Cálculo dos Custos de Pessoal na Empresa de Referência 09 de Abril de 2008 Número de Empresas

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI. Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi

O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI. Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi O MERCADO DE SEGURO DE PESSOAS E PREVIDÊNCIA PARA 2014 NA VISÃO DA FENAPREVI Osvaldo do Nascimento Presidente da FenaPrevi 1 CENÁRIO INTERNACIONAL 2 CENÁRIO INTERNACIONAL 3 CENÁRIO INTERNACIONAL 4 CENÁRIO

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O FUTURO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O déficit da previdência social coloca em risco o direito à aposentadoria Fatores que agravam a situação: Queda da taxa de natalidade Aumento da

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7 Sumário A função do 3 Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4 Contribuições do Participante 6 Contribuições da Patrocinadora 7 Controle de Contas 8 Investimento dos Recursos 9 Benefícios 10 Em caso de

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA Presidente: Ruy Martins Altenfelder Silva Vice-Presidente: Ivette Senise Ferreira FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo

Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo Pelo segundo mês consecutivo, o custo de vida no município de São Paulo registrou taxa negativa de 0,17%, segundo cálculo do DIEESE - Departamento

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante FACEAL Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência Cartilha do Participante Manual de Perguntas e Respostas Plano Faceal CD Prezado leitor, A FACEAL apresenta esta cartilha de perguntas e respostas

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL Com este material, você entenderá melhor o seu plano Brasilprev Júnior. Se você contratou o plano em nome do Júnior, consulte as informações em Titular:

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Material Explicativo Centrus

Material Explicativo Centrus Material Explicativo Centrus De olho no futuro! É natural do ser humano sempre pensar em situações que ainda não aconteceram. Viagem dos sonhos, o emprego ideal, casar, ter filhos, trocar de carro, comprar

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução Celgprev CELPREV Cartilha do Participante Introdução A partir de dezembro de 2000, a CELG distribuição, a Celg geração e transmissão, Celgpar e a ELETRA passam a oferecer aos seus empregados o Celgprev:

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO CONTRIBUIÇÕES ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO BENEFÍCIOS CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS

COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO CONTRIBUIÇÕES ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO BENEFÍCIOS CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS Material Explicativo Sumário 2 COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO 3 CONTRIBUIÇÕES 8 ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES 9 OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO 11 BENEFÍCIOS 13 CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS 18 TRIBUTAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Material Explicativo Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Sumário Plano CD - Tranqüilidade no futuro 3 Conheça a previdência 4 A entidade Previ-Siemens 6 Como funciona o Plano CD da Previ-Siemens?

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais