FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO"

Transcrição

1 Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa a maior fonte de financiamento para serviços médicos e correlatos para pessoas de baixa renda. Alguns estados possuem programas de assistência médica suplementar financiados totalmente pelo próprio estado, os quais são operacionalizados, em sua maioria, por meio dos mesmos mecanismos utilizados para o Medicaid. O programa já passou por diversas alterações legislativas e também por provisões para testar abordagens melhoradas ou inovadoras, incluindo um maior acesso, melhor qualidade de serviços, serviços específicos, cobertura fortalecida e menores limites sobre serviços. 1

2 Medicaid ELEGIBILIDADE Categorias básicas de pessoas cobertas beneficiários do AFDC/TANF e SSI. A partir da década de 80, foram adicionadas categorias para incluir crianças com renda moderada e mulheres grávidas. Atualmente, são cobertos mais de 50 grupos populacionais distintos. Alguns são de cobertura obrigatória, ou seja, todos os estados devem cobri-los. Outros são de cobertura opcional. Dessa forma, o Medicaid cobre, ou poderia cobrir, dependendo da opção do estado, muitos grupos, desde que eles atendam a certos critérios que incluem idade, gravidez, portador de necessidades especiais, baixa renda e recursos, cidadania e residência legal. 2

3 Medicaid REGRAS BÁSICAS Cada estado administra e desenha seu próprio programa, de acordo com diretrizes nacionais amplas estabelecidas por estatutos, regulamentos e políticas federais, as quais determinam: Seus próprios padrões de elegibilidade (limite de renda, famílias e pessoas elegíveis) Tipo, valor, duração e escopo dos serviços; e Taxa de pagamento para serviços médicos específicos. As políticas do Medicaid para elegibilidade, serviços e pagamento são complexas e variam consideravelmente de estado para estado, mesmo entre estados com tamanho similar e proximidade geográfica. 3

4 Medicaid REGRAS BÁSICAS (cont.) Um programa Medicaid estadual deve oferecer assistência médica para certos serviços básicos para a maioria das categorias elegíveis da população, incluindo: Serviços hospitalares para pacientes de ambulatório e de internação Serviços pré-natal Vacinas para crianças Serviços médicos Serviços de enfermagem para pessoas a partir de 21 anos de idade Serviços de planejamento familiar Atendimento domiciliar de saúde para pessoas elegíveis a serviços qualificados de enfermagem Serviços de laboratório e raio-x Serviços de pediatria e de enfermeiro de família Serviços de consultas e check-up periódicos, diagnóstico e tratamento (EPSDT) para menores de 21 anos 4

5 Medicaid NÚMERO DE CASOS Mais de 42,8 milhões de pessoas receberam atendimento em serviços de saúde por meio do programa Medicaid no Ano Fiscal Inscrição no Medicaid: Anos Fiscais Selecionados (em milhões) 50,0 40,0 milhões 30,0 20,0 10,0 0, Total Idosos Cegos/deficientes Crianças Adultos 5

6 Medicaid NÍVEIS DE BENEFÍCIO A maioria dos beneficiários do Medicaid (crianças e seus pais) custa relativamente pouco para o programa a cada ano. Os beneficiários idosos e portadores de necessidades especiais, embora sejam em menor número, custam de seis a oito vezes mais por ano em média, devido em grande parte aos custos dos serviços domiciliares de enfermagem. Situação dos Níveis de Benefício do Medicaid por Beneficiário, 2000 Valor Médio do Benefício Crianças $1.290 Adultos $1.930 Idosos $ Deficientes $ Benefício Médio de Todos os Grupos $

7 Medicaid CUSTOS No AF 2002, o desembolso total para o programa Medicaid (federal e estadual) foi de $258,2 bilhões. Custos Totais do Programa Medicaid, milhões

8 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) é um crédito sobre o imposto de renda federal para pessoas que recolhem imposto sobre a renda recebida e que são pobres o suficiente para entrar com uma requisição de devolução do imposto de renda federal (é necessário fazer a requisição para solicitar a devolução). O crédito reduz o valor do imposto devido por um indivíduo e pode ser recebida uma devolução (por exemplo, a família pode receber de volta mais do que recolheu em impostos, o crédito significa que algumas pessoas recebem um reembolso maior do que o valor dos impostos que foram pagos). O Congresso aprovou originalmente a legislação do EITC em 1975, em parte para diminuir a carga dos impostos do seguro social e em parte para fornecer um incentivo ao trabalho. Após diversas expansões, o crédito do imposto recolhido é atualmente o maior programa federal de assistência financeira para famílias de baixa renda, fazendo mais pela redução da pobreza do que qualquer outro programa social, além do Seguro Social. 8

9 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO (cont.) O Crédito foi expandido três vezes: Em 1986, o Ato da Reforma Tributária aumentou o limite de renda em que o crédito é ou não aplicável; forneceu um crédito maior para famílias com dois ou mais filhos. Em 1991, o EITC não era mais contado para fins de determinação de elegibilidade para a maioria dos programas de renda verificada, o que significava que mais famílias poderiam qualificar-se para outros benefícios tais como o bem-estar social ou o food stamps. As novas provisões também permitiram que aqueles que recolhiam impostos e que tinham crianças vivendo consigo por mais de seis meses recebessem um crédito, independente de quem fosse o provedor de apoio à criança. Em 1994, o EITC foi expandido para fornecer um pequeno crédito para famílias e indivíduos de baixa renda e sem filhos. 9

10 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) POPULAÇÃO ALVO No Ano Fiscal 2001, os indivíduos e famílias que solicitaram o EITC representaram mais de 15% de toda a devolução federal de imposto de renda individual. Faixas de Renda dos S olicitantes de EITC, AF 2001 $20,000 - $30,000 25% $30,000 - $40,000 2% $1 - $10,000 38% $10,000 - $20,000 35% 10

11 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) ELEGIBILIDADE E REGRAS BÁSICAS Para solicitar o EITC, devem ser atendidas todas as seguintes regras: Deve-se possuir um número válido de seguro social que dê permissão de trabalho. Além disso, deve-se possuir um Número de Seguro Social para o cônjuge (caso esteja sendo solicitada a devolução conjunta), e para os filhos que se qualificarem. Deve-se ter recebido renda durante o ano. A Renda Bruta Ajustada (renda recebida, conforme definido pelas regras de imposto de renda) deve ser inferior a: $ ($ para casais que solicitam devolução conjunta) para os casos em que não existem filhos que se qualificam, ou; $ ($ para casais que solicitam devolução conjunta) se possui um filho que se qualifica, ou; $ ($ para casais que solicitam devolução conjunta) se possui mais de um filho que se qualifica. 11

12 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) NÚMERO DE CASOS Famílias (em milhões) Total Elegível participantes elegíveis nãoparticipantes taxa de participação Total 17,2 12,9 4,3 75,0% 0 filhos que se qualificam 4,7 2,1 2,6 44,7% 1 filho que se qualifica 5,0 4,8 0,2 96,0% 2 filhos que se qualificam 4,3 4 0,3 93,0% 3 ou + filhos que se qualificam 3,2 2 1,2 62,5% 12

13 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) Beneficiários do Crédito sobre a Renda Recebida,

14 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) NÍVEIS DE BENEFÍCIO A rendae o tamanhodafamíliadeterminam quanto uma família irá receber do EITC. Você ou pode deixar que o IRS calcule o valor do seu crédito ou pode fazê-lo, utilizando um formulário fornecido pelo IRS. O EITC é o maior programa americano de assistência financeira para famílias que trabalham. Em 2003, famílias com dois ou mais filhos podiam receber um crédito de até $

15 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) NÍVEIS DE BENEFÍCIO 15

16 Crédito do Imposto sobre a Renda Recebida (EITC) $ $ $ $8.000 milhõe s $6.000 $4.000 $2.000 $0 Distribuição de Gastos do EITC, por renda, 2003 $0 - $10,000 $10,000 - $20,000 $20,000 - $30,000 $30,000 - $40,000 $40,000 - $50,000 Devoluções conjuntas Chefe da família Todas as devoluções $50,000 - $75,000 16

17 Seguro Social (um programa de pensão recebida ) BREVE HISTÓRICO E FINALIDADE O Ato do Seguro Social tornou-se lei em agosto de Os impostos sobre o salário, que são a fonte oficial de financiamento do Seguro Social, foram recolhidos pela primeira vez em janeiro de Os benefícios mensais regulares para os idosos tiveram início em janeiro de

18 Seguro Social ELEGIBILIDADE Uma pessoa se qualifica aos benefícios do Seguro Social quando recebe créditos do Seguro Social enquanto está empregada e quando paga os impostos do Seguro Social (tanto o empregado quanto o empregador pagam uma parte dos impostos). Os créditos são baseados no valor do salário. O histórico de trabalho de uma pessoa é utilizado para determinar sua elegibilidade aos benefícios da aposentadoria ou ao benefício pago aos portadores de necessidades especiais, ou para determinar a elegibilidade de sua família aos benefícios de sobreviventes quando da morte do trabalhador (que deve haver trabalhado durante 40 trimestres). Em 2004, recebia-se um crédito para cada $900 de salário, até um limite máximo de quatro créditos por ano. A cada ano, o valor de salário necessário para os créditos sofre um pequeno reajuste, visto que os níveis salariais aumentam. Os créditos que você ganha permanecem em seus registros do Seguro Social mesmo que você mude de emprego ou fique desempregado por um certo período de tempo. A aposentadoria (por idade e o seguro de sobreviventes) é universal para todos os trabalhadores e seus sobreviventes não apenas para os de baixa renda. 18

19 Seguro Social POPULAÇÃO ALVO Beneficiários do OASI, 2002 Filhos de Aposentados 1% viúvos e viúvas 13% filhos sobreviventes 5% esposas de aposentados 7% aposentados 74% 19

20 Seguro Social NÚMERO DE CASOS 20

21 Seguro Social NÍVEIS DE BENEFÍCIO Existem cinco principais categorias de benefícios que são pagos com as taxas do Seguro Social, as quais são recolhidas de cada trabalhador: aposentadoria, benefícios a portadores de necessidades especiais, benefícios a famílias, a sobreviventes e o Medicare. As principais categorias para fins do nosso estudo são aposentados e sobreviventes. Seu benefício do Seguro Social é um percentual dos seus ganhos médios ao longo da maior parte de sua carreira, com os benefícios obedecendo a limites máximos estabelecidos por lei federal (cerca de $ por ano em 2003). 21

22 Seguro Social 22

23 Seguro Social 23

24 Programas da Rede de Segurança Social como Parcela do PIB 24

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos PROGRAMAS DA REDE DE SEGURANÇA SOCIAL NOS ESTADOS UNIDOS Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos Martha Burt, Instituto Urbano Demetra Nightingale, Universidade

Leia mais

Informações gerais de nossos programas

Informações gerais de nossos programas Informações gerais de nossos programas Informações gerais de nossos programas Esta publicação fornece informações gerais sobre as características mais importantes dos programas de Seguro Social, Supplemental

Leia mais

Como que você acumula créditos

Como que você acumula créditos Como que você acumula créditos 2014 Como que você acumula créditos Você qualifica para benefícios de Seguro Social ganhando créditos quando você trabalha num emprego e paga impostos de Seguro Social. Os

Leia mais

Os pacientes podem também contactar o Departamento de Saúde de Nova Iorque através do número (800) 804-5447 ou (518) 402-6993.

Os pacientes podem também contactar o Departamento de Saúde de Nova Iorque através do número (800) 804-5447 ou (518) 402-6993. Faz parte da política do Winthrop University Hospital informar todos os pacientes sobre a disponibilização de assistência financeira, definida como serviços de saúde sem custos ou a custos reduzidos a

Leia mais

COMO COMEÇAR. Medicaid

COMO COMEÇAR. Medicaid Medicaid This is an Official U.S. Government Product COMO COMEÇAR Uma visão geral do Medicaid VAMOS COMEÇAR Medicaid (também chamado de Assistência Médica) é um programa conjunto dos governos federal e

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

Compreendendo Os Benefícios

Compreendendo Os Benefícios Compreendendo Os Benefícios 2012 Contato Seguro Social Visite o nosso site na Web O nosso site www.socialsecurity.gov é onde você poderá obter informações importantes sobre todos os programas de Seguro

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS

A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS Semana Internacional de la Seguridad Social 2012 Promoviendo una Cultura de Prevención Quito,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Universidade Federal de Mato Grosso Pró-Reitoria Administrativa Secretaria de Gestão de Pessoas PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Cuiabá-MT Abril/2014 O QUE

Leia mais

Compreendendo Os Benefícios

Compreendendo Os Benefícios Compreendendo Os Benefícios 2013 Contato Seguro Social Visite o nosso site na Web O nosso site www.socialsecurity.gov é o local onde poderá obter informações importantes sobre todos os programas de Seguro

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Contato Seguro Social Visite o nosso site na Web www.socialsecurity.gov Ligue para nossa linha gratuita 1-800-772-1213 1-800-325-0778

Contato Seguro Social Visite o nosso site na Web www.socialsecurity.gov Ligue para nossa linha gratuita 1-800-772-1213 1-800-325-0778 Medicare Contato Seguro Social Visite o nosso site na Web O nosso site www.socialsecurity.gov é onde você poderá obter informações importantes sobre todos os programas de Seguro Social. No nosso site,

Leia mais

Informações sobre o Programa e Instruções sobre o Formulário de Inscrição

Informações sobre o Programa e Instruções sobre o Formulário de Inscrição P Prescription Advantage Prescription Advantage O seu plano para prescrições de medicamentos acessíveis O que é Prescription Advantage? Prescription Advantage é um programa de assistência estatal de prescrições

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF

Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF PBF: retrato em branco e preto Idade: 10 anos Tamanho: 13,8 milhões de famílias, 12 bilhões de dólares, 0,5% do PIB Elegibilidade:

Leia mais

José Cechin Allianz 15 out 2009

José Cechin Allianz 15 out 2009 PLANOS E SEGUROS DE SAÚDE PARA DESLIGADOS José Cechin Allianz 15 out 2009 Agenda 1. Demografia 2. Perfil dos gastos por faixa etária 3. Cobertura para desligados demitidos e aposentados 2 1. DEMOGRAFIA

Leia mais

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Conheça os planos de benefícios e assistência médica da Fundação 2 3 SUMÁRIO 06 Apresentação 08 Glossário 10 Introdução Geral Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

POLÍTICA SOBRE faturamento e cobranças para os Hospitais da Sutter Health

POLÍTICA SOBRE faturamento e cobranças para os Hospitais da Sutter Health Data efetiva: 1/12/1998 Data final aprovada: 01/3/2007 Data de revisão: 26/10/2015 Nova data de revisão: 26/10/2018 Proprietário: Patrick McDermott, Vice-Presidente de Ciclo de Receitas Área da política:

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO

PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO Revisão de Artigos PRINCIPAIS SISTEMAS DE SAÚDE NO MUNDO Dra. Eunice Nunes Componentes de um Sistema de Saúde: Todo sistema de saúde pode ser pensado como a articulação de três componentes, cada um dos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Discover... Free Entitlement. (Early Years Provision) A guide for parents and carers by the Family Information Service. www.westsussex.gov.

Discover... Free Entitlement. (Early Years Provision) A guide for parents and carers by the Family Information Service. www.westsussex.gov. Discover... Free Entitlement (Early Years Provision) A guide for parents and carers by the Family Information Service www.westsussex.gov.uk/family P. O que é Free Entitlement (FE) na provisão de educação

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades. Recursos FDS

Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades. Recursos FDS Recursos FDS Apresentação O Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades tem como objetivo atender as necessidades de habitação da população de baixa renda nas áreas urbanas, garantindo o acesso à moradia

Leia mais

Prefeitura de Kaita Cho

Prefeitura de Kaita Cho ポルトガル 語 Prefeitura de Kaita Cho Sistema do Seguro de Saúde nacional O sistema do seguro saúde nacional( Kokuho )é financiado pelas contribuições regulares do imposto dos associados saudáveis do kokuho,

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde.

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde. Seguros para a Cobertura de Medicamentos Principais Desafios e Experiências 1. Contexto 2 No Brasil: 38,8 milhões de brasileiros (20% da população) utilizam medicamentos contínuos; desses, 12,4 milhões

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc) do IPEA Brasília, 21 de outubro de 2011 POLÍTICAS SETORIAIS

Leia mais

Relatório de País Brasil

Relatório de País Brasil Education at a Glance 2011 Indicadores da OECD DOI: http://dx.doi.org/10.1787/eag-2011-en OECD 2011 Sob embargo até 13 de setembro, 11h, horário de Paris Relatório de País Brasil Quaisquer dúvidas, contate:

Leia mais

Lorem ipsum dolor sit amet

Lorem ipsum dolor sit amet Lorem ipsum dolor sit amet Lorem ipsum dolor sit amet Consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim ad minim veniam.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

BENEFÍCIOS FLEXÍVEIS. HuggardCaine Consultoria e Gestão em RH

BENEFÍCIOS FLEXÍVEIS. HuggardCaine Consultoria e Gestão em RH BENEFÍCIOS FLEXÍVEIS HuggardCaine Consultoria e Gestão em RH O QUE SÃO BENEFÍCIOS FLEXÍVEIS? Escolha da empresa Nenhuma escolha Escolha do funcionário Regras da empresa Regras Livres Upgrades Bene,cios

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

O futuro em suas mãos Material Explicativo do Plano de Benefícios II

O futuro em suas mãos Material Explicativo do Plano de Benefícios II ReckittPrev Reckitt Benckiser Sociedade Previdenciária O futuro em suas mãos Material Explicativo do Plano de Benefícios II Material Explicativo do Plano de Benefícios II Sumário Carta da diretoria O futuro

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 O RPPS: Uma Perspectiva Internacional Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 Fonte: Banco Mundial O Brasil é um país jovem... (ainda) com o gasto previdenciário

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução 4 Sobre o Plano Previplan 5 Adesão 5 Benefícios do Plano 6 Entenda o Plano 7 Rentabilidade 8 Veja como funciona a Tributação 9 O que acontece

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI Nº (Do Sr. Dep. Geraldo Resende) Dispõe sobre atendimento diferenciado à mulher chefe de família nos programas habitacionais populares, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial)

Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Material Explicativo Encontre aqui as informações

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama das Aposentadorias na OCDE: Políticas Públicas nos Países da OCDE Edição 2005 Sumário em Português

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Financial Assistance Documents

Financial Assistance Documents Financial Assistance Documents Chippewa Valley Hospital Submit to: Patient Financial Services 1220 Third Ave. West Durand, WI 54763 Phone: 715-672-4211 www.chippewavalleyhospital.com FAP Version Date:

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ Finanças Públicas Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ 1. INTRODUÇÃO Seguro Social X Programas de Bem estar Principais tipos de Seguro Social: Seguridade Social (aposentadoria) Seguro Saúde

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

10.Kaigo Hoken (Seguro de Cuidados e Assistência)

10.Kaigo Hoken (Seguro de Cuidados e Assistência) 10.Kaigo Hoken (Seguro de Cuidados e Assistência) Objetivo O Sistema do Kaigo Hoken (Seguro de Cuidados e Assistência) foi introduzido em abril de 2000, com o intuito de contar com o suporte de toda a

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo.

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. Introdução Através deste Material Explicativo você toma conhecimento

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social

Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social Chris de Neubourg Maastricht Graduate School of Governance Maastricht University Sumário 1. Origem das reformas 2. Objetivos e

Leia mais

Sessão 4: Implementação de Programas da RSS Lições para os Estados Unidos

Sessão 4: Implementação de Programas da RSS Lições para os Estados Unidos PROGRAMAS DA REDE DE SEGURANÇA SOCIAL NOS ESTADOS UNIDOS Sessão 4: Implementação de Programas da RSS Lições para os Estados Unidos Martha Burt, Instituto Urbano Demetra Nightingale, Universidade Johns

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006

O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006 O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006 Daniele Fernandes Carvalho Palavras-chave: Benefício de Prestação Continuada;

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA Prof. G. DURANT A Bélgica (11 milhões de habitantes) é um país federal. PIB/capita: 39.860 dolares Gastos totais com saúde- 10,6% du PNB (Produit National Brut)

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O FUTURO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O déficit da previdência social coloca em risco o direito à aposentadoria Fatores que agravam a situação: Queda da taxa de natalidade Aumento da

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista)

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Dezembro de 2011 Crescimento vegetativo da folha de pagamento do do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Estudos e Trabalhos sobre Finanças Públicas Estaduais www.darcyfrancisco.com.br

Leia mais

VI Conferencia de Monitoreo y Evaluación

VI Conferencia de Monitoreo y Evaluación VI Conferencia de Monitoreo y Evaluación Avaliação do Sistemas de Monitoramento e Avaliação do Programa Universidade para Todos (Prouni) Autores: FÁBIO HENRIQUE GRANJA E BARROS MELCHIOR SAWAYA NETO GUILHERME

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.12) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais