Problemas Sociais Contemporâneos 2595

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Problemas Sociais Contemporâneos 2595"

Transcrição

1 Problemas Sociais Contemporâneos 2595 Apontamentos de: Leontina Agostinho Data: 2006/2007 Livro: Problemas Sociais Contemporâneos Autor: Hermano Carmo Este documento é um texto de apoio gentilmente disponibilizado pelo seu autor, para que possa auxiliar ao estudo dos colegas. O autor não pode de forma alguma ser responsabilizado por eventuais erros ou lacunas existentes. Este documento não pretende substituir o estudo dos manuais adoptados para a disciplina em questão. A Universidade Aberta não tem quaisquer responsabilidades no conteúdo, criação e distribuição deste documento, não sendo possível imputar-lhe quaisquer responsabilidades. Copyright: O conteúdo deste documento é propriedade do seu autor, não podendo ser publicado e distribuído fora do site da Associação Académica da Universidade Aberta sem o seu consentimento prévio, expresso por escrito.

2 I. ESTUDAR OS PROBLEMAS SOCIAIS Dos Problemas sociais aos problemas sociológicos: O que são problemas sociais 1. Rubington e Weinberg um problema social é uma alegada situação incompatível com os valores de um significativo número de pessoas, que concordam ser necessário agir para a alterar. 2. Spector e Kitsuse um problema social é constituído pelo conjunto das acções que indivíduos ou grupos levam a cabo ao prosseguirem reivindicações relativamente a determinadas condições putativas. A primeira definição centra-se na situação que é considerada problema, a segunda definição privilegia o processo pelo qual uma situação é considerada como problema. A definição consensual é difícil porque depende da perspectiva (dos sociólogos) que se adopta. Os problemas sociais, imbuídos de um significado social (porque se definem em função de um conjunto de valores sociais), ao passarem pelo crivo do método científico, adquirem um significado sociológico, isto é, reflectem valores sociológicos relativos às perspectivas teóricas e metodológicas seguidas (Pais). Para que um problema social possa ser considerado problema sociológico deve possuir as condições de regularidade, uniformidade, impessoalidade e repetição. A problematização sociológica dos problemas sociais implica mesmo a desconstrução destes, o desmantelar do significado social de maneira a criar um significado de acordo com o discurso científico (Quivy, Campenhoudt 1992). Os investigadores sociais debruçam-se sobre uma realidade autoconstruída e encontram representações sociais que moldam a realidade e condicionam os próprios investigadores. Transformação de problema social em problema sociológico aludindo aos fenómenos da juventude (Pais) e da velhice (Fernandes). A juventude É problematizada relativamente a aspectos variados como a inserção profissional, a emancipação adulta, a toxicodependência, a crise dos valores tradicionais. Mas, problematizar sociologicamente a juventude será questionar se os jovens sentem estes problemas. Será questionar a definição de jovem, quais as soluções que a sociedade preconiza para os problemas da juventude e quais as suas consequências. A velhice Constitui um problema para algumas sociedades e não para outras. Foi com a industrialização, a urbanização e o envelhecimento demográfico que começaram a criar-se as condições para a definição da velhice enquanto problema social a ser solucionado. Problematizar a velhice enquanto problema social será questionar que transformações ocorreram nas famílias e na sociedade portuguesa que possam explicar a emergência do problema social quais os efeitos sociais da institucionalização de espaços e práticas especificamente orientados para as gerações mais velhas A questão do positivismo versus relativismo: O conhecimento sociológico pode ser situado num contínuo epistemológico que vai do Positivismo ao Relativismo. 2

3 A sociologia positivista Defende a procura de leis sociais (à semelhança das leis do mundo natural) a partir de um método indutivo-quantitativo, e advoga uma separação absoluta entre a Ciência e a Moral, isto é, entre os factos e os valores (Lapassade, Lourau, 1973). Para a ciência positivista é possível conhecer objectivamente a realidade social, uma vez que existem critérios universais do conhecimento e da verdade. Estuda situações objectivas, que são definidas como problemas em razão de características que lhe são próprias. Daí a necessidade de se conhecerem as suas causas e de se chegar à elaboração das leis que regem o fenómeno. Posição relativista Não existe nenhum critério universal para o conhecimento e para a verdade. Todos os critérios utilizados serão sempre internos ao sistema cogniscente e, como tal, serão relativos e não universais. A definição é sempre relativa, será antes de mais um rótulo colocado a determinadas situações, e não uma característica inerente à situação em si mesma. Assim, o que importa estudar é a definição subjectiva dos problemas sociais A aplicabilidade da ciência e o desenvolvimento teórico: Um problema pressupõe uma solução. Os problemas sociais, que têm um significado social, requerem uma solução social. Durante o século XIX o desenvolvimento das ciências sociais, sociologia, esteve intimamente ligado ao estudo das preocupações humanas para as quais os actores sociais pensaram e desenvolveram soluções humanas, isto é, sociais. A percepção dos fenómenos ligados à industrialização, à urbanização e ao desenvolvimento tecnológico proporcionaram o nascimento de um novo tipo de cientistas, que deviam aplicar à realidade social o método científico, que tanto sucesso demonstrava no mundo natural. Desde o início, os sociólogos tentam equacionar o que Rubington e Weinberg denominam de mandato duplo: 1. Por um lado, dar atenção aos problemas existentes na sociedade, numa perspectiva de correcção da realidade social, através de conhecimento empíricos adquiridos (estudam os problemas sociais.); 2. Por outro lado, desenvolver teórica e metodologicamente a sociologia enquanto ciência (estudam problemas sociológicos ). A ênfase que cada sociólogo coloca num prato ou noutro da balança condiciona o modo como problematiza a sociedade e o seu trabalho como investigador. Hester e Eglin, consideram que o primeiro tipo de perspectiva pode ser denominado de sociologia correctiva que parte dos seguintes pressupostos: Equivalência de problema social a problema sociológico; As questões sociológicas derivam das preocupações sociais; O grande objectivo do estudo sociológico é a melhoria dos problemas sociais; Preocupação central com as causas ou etiologia dos problemas; Compromisso com os princípios positivistas da ciência; 3

4 Para estes autores, a sociologia correctiva falha nos seus propósitos precisamente porque não separa a aplicabilidade da ciência do seu corpus teórico-metodológico, e não reconhece os viezes que tal situação origina. Ao concentrar-se em responder à questão porque é que os comportamentos acontecem, não questiona porque é que as situações são definidas como problema, aceitando as definições socialmente estabelecidas. Encara as pessoas como objectos e não como sujeitos que constroem a realidade social. Kurt Lewin defendia que uma boa teoria é sempre prática, e a prática empírica é sempre indispensável ao desenvolvimento teórico. A separação entre os dois domínios é um falso problema. Sociologia de Intervenção é a questão da aplicabilidade da sociologia e doutras ciências sociais. A Sociologia de Intervenção não é uma especialidade ou ramo sociológico, mas sim um modo de ver o trabalho do cientista social que, em vez de isolar assepticamente o investigador do seu objecto de estudo, o desafia a ser contaminado por este, o leva intervir activamente na realidade que estuda e a não separar os papéis de investigador e de cidadão. A investigação social deve ser utilizada para melhorar a sociedade, segundo princípios humanista de solidariedade de libertação. 1.2 As perspectivas de estudo dos problemas sociais As perspectivas da sociologia Positivista Patologia Social No século XIX as disciplinas como a biologia e a medicina influenciaram os sociólogos a adoptarem a analogia do organismo ao seu objecto de estudo: a sociedade. Adoptaram igualmente um modelo médico de diagnóstico e de tratamento. Os problemas sociais são entendidos como doenças ou patologias sociais. O pensamento organicista do britânico Herbert Spencer defende que a sociedade e os seus elementos podem sofrer malformações, desajustamentos e doenças, à semelhança dos organismos vivos. Pressupõe um estado de saúde ou de normalidade do organismo, sendo que as pessoas e as situações interfiram com este estado de normal funcionamento do organismo social são assim considerados problemas sociais. Para a corrente da Patologia Social, um problema social é uma violação de expectativas morais. A condição de saúde ou normalidade do organismo é definida por valorações do Bem do Mal. A patologia pode ser encontrada no indivíduo ou no mau funcionamento institucional. Os primeiros autores desta corrente, meados do século XIX até cerca da I Guerra Mundial enfatizaram as más formações dos indivíduos. Foi a perspectiva do Homem Delinquente, da escola positiva italiana de criminologia, donde se destacaram Cesare Lombroso, Ferri e Garófalo. Para Cesare Lombroso, era claro que a explicação do comportamento criminal dos indivíduos estava em características fisiológicas particulares dos indivíduos, tamanho de maxilares, assimetria facial, orelhas grandes ou a existência de um número anormal de dedos. No século XX avançaram-se outras explicações de base psicológica ou biológica, ao nível de anormalidade cromossomática (um duplo cromossoma Y) ou 4

5 predisposição genética para a extroversão ligada a comportamentos de violação de normas. Na década de 1960 entram-se nas deficiências na socialização Aqui os problemas sociais seriam o resultado da incorporação de valores errados pelos indivíduos, fruto de uma sociedade doente. Neste sentido, a solução para os problemas sociais passaria pela educação moral da sociedade e pela incorporação de valores moralmente correctos. Vytautos Kavolis propôs a conceptualização de patologia como sendo um comportamento destrutivo ou auto-destrutivo. Para Kavolis a definição de comportamento destrutivo seria possível em termos absolutos, isto é, igual em todas as sociedades humanas. A patologia social estudaria os comportamentos destrutivos, como patologias sociais, e igualmente as condições que causassem ou contribuíssem para a existência desse comportamento. Rosenquist defende que é impossível chegar a uma definição objectiva do que é patológico a única forma de se estudarem os problemas sociais é passando ao lado do que constitui a sua condição problemática e aceitar o julgamento social como um dado Desorganização Social Com a década de 1920, a perspectiva da desorganização social ganha claramente terreno na sociologia norte-americana. Esta nova abordagem iniciou um pensamento sociológico mais voltado para o amadurecimento e para o desenvolvimento teórico e metodológico da sociologia enquanto ciência. Rubington e Weinberg, autores da patologia social trabalharam com conceptualizações e termos emprestados de outras ciências e consideraram sobretudo a aplicabilidade prática dos conhecimentos sociológicos na resolução de problemas sociais. Em contraste, os autores da perspectiva da desorganização social (teóricos desta teoria foram: Charles Cooley, Thomas, Znainiecki e William Ogburn) utilizam um conceito claramente sociológico e que apresenta um maior potencial de operacionalização do que o conceito de patologia social. Cooley fez a distinção entre: Grupos primários, em que os indivíduos vivem relacionamentos face a face, mais intensos e duradouros; Grupos secundários, onde as relações sociais são mais impessoais e menos frequentes. Este autor definiu a desorganização social como sendo a desintegração das tradições. As regras sociais deixam de funcionar. Thomas e Znaniecki (no seu estudo sobre os imigrantes polacos) concepctualizaram a desorganização social como a quebra de influência das regras sociais sobre os indivíduos. Ogburn centrou-se no conceito de desfasamento cultural. Para a perspectiva da desorganização social a sociedade não é um organismo mas sim um sistema composto por várias partes interdependentes. As partes do sistema cultural podem modificar-se a ritmos diferentes, produzindo um desfasamento no sistema que origina a desorganização social. 5

6 Robert Park, Ernest Burgess e Rodrick McKenzie, estudaram a organização espacial da cidade, o fenómeno da urbanização é central para a perspectiva da desorganização social ao estar relacionado com o enfraquecimento das relações face a face e das tradições sociais. Park afirmou que a organização social se baseia nas tradições e nos costumes e que tudo o que perturba os hábitos sociais, ou seja, a mudança social, tem potenciais efeitos desorganizadores. A desorganização social e por conseguinte os problemas sociais, têm uma distribuição desigual pelas zonas da cidade, apresentando maior intensidade numa zona de transição, onde se concentram os migrantes recentes (imigrantes e população vinda das zonas rurais) e onde é maior a quebra do peso das tradições. Apesar do conceito de desorganização social se tenha revelado de grande utilidade para a compreensão de um mundo onde a mudança começava a ser mais rápida, começaram também a ser postas em evidência as fraquezas desta perspectiva. Críticas de Marshal Clinard ao conceito de desorganização social: O seu poder explicativo para a sociedade em geral é reduzido, por ser um conceito demasiado vago e subjectivo. Será mais adequado para a análise de grupos mais específicos e não para toda a sociedade. Confundiu-se desorganização social com mudança social, o que desde já deixa por explicar porque é que nem todas as mudanças originam desorganização, e implica que se prove que a situação anterior era de desorganização. É um conceito fortemente sujeito aos julgamentos de valor do investigador, tal como o conceito de patologia. Por um lado, tende-se a considerar desorganização numa perspectiva negativa, como se todas as situações de desorganização sejam por essência más. Aplicou-se o conceito de desorganização social a situações que não são de desorganização, mas que, pelo contrário, traduzem outros tipos de organização, de que é um exemplo típico do que se passa nos bairros de lata. O sistema social pode acolher em si focos de desorganização ou a existência de comportamentos desviados sem que tal comprometa o seu funcionamento, desde que outros objectivos do sistema estejam a ser alcançados, contrabalançando as influências destabilizadoras que possam existir. No seguimento da crítica anterior, ao constatarmos a existência de diferentes formas de organização social, não podemos inferir que tal situação seja desastrosa para a sociedade, podendo pelo contrário ser indispensável para a manutenção da coesão social. Outra crítica também importante é que a perspectiva da desorganização social utiliza frequentemente explicações circulares para os problemas de desorganização (Aggleton 1991) ou seja o mesmo facto é considerado indicador e causa de desorganização social (exp. desemprego) Conflito de Valores: Outro modo de ver os problemas sociais é considerá-los como o reflexo de um conflito de valores na sociedade relativamente a uma dada situação. Ou seja, 6

7 confrontos de grupos sociais com interesses diferentes, em que o conflito é a dinâmica central da vida social. A patologia social e a desorganização social equacionaram os problemas sociais como condições objectivas menosprezando a definição subjectiva que os indivíduos pudessem fazer da situação em causa. Assim o conflito de valores evidência a importância da definição subjectiva sem a qual a condição objectiva de base não seria só por si um problema social. Os teóricos desta corrente (com especial impacto nos ano 30 e anos 50 grande Depressão e II guerra mundial) foram Richard Fuller e Richard Myers e distinguiram três tipos de problemas que afectam as sociedades: 1. Problemas físicos 2. Problemas remediáveis 3. Problemas morais Problemas físicos que não são causados pela acção humana (sismos) existe um consenso geral de que a condição objectiva é indesejável e nada se pode fazer para controlar as causas do problema. Mas podem surgir conflitos quanto ao que fazer para tratar as suas consequências. Problemas remediáveis (delinquência juvenil), apresentam consenso quanto à indesejabilidade da situação e quanto à necessidade de agir para a corrigir, mas criamse conflitos no que diz respeito ao conteúdo da acção, ou seja, o que fazer. Problemas morais (consumo de marijuana, eutanásia) são os mais complexos, pois não existe consenso quanto à própria indesejabilidade da situação. Os problemas podem passar de um tipo para outro, acompanhando as mudanças nos valores sociais. Segundo Fuller e Myers, os problemas sociais evoluem segundo três fases: 1. A tomada de consciência do problema quando os grupos sociais começam a encarar uma dada situação incompatível com os seus valores, reconhecendo a necessidade de agir. 2. Fase de determinação política um processo de clarificação dos valores e das posições em presença e definição de propostas de acção. 3. Fase das reformas na qual são postas em prática determinadas soluções para o problema, que podem ser levadas a cabo por agentes públicos ou por organizações privadas Comportamento Desviado: Em meados do século XX havia cada vez maior disposição para a integração entre teoria, pesquisa empírica e aplicação prática. Esta intenção de integrar campos está na base da perspectiva de comportamento desviado. Observou-se uma clara tentativa de conciliar as duas grandes escolas que dominavam o pensamento académico da sociologia norte-americana: 1. A Escola de Harvard, de ênfase teórica, 2. A Escola de Chicago, empírica e descritiva. Durkheim o conceito de anomia significava uma ausência de normas para quebrar as regras. Em períodos de mudança rápida, as regras que normalmente limitam os 7

8 indivíduos perdiam essa influencia, deixando-os à deriva e sujeitos à frustração o que podia levar ao suicídio. Merton Conceito de anomia refere-se ao desfasamento entre metas culturais a atingir e os meios que a sociedade proporciona para o efeito. A estrutura cultural de uma dada sociedade coloca uma série de metas a atingir pelos seus membros, numa certa hierarquia de importância. Para o prosseguimento das metas culturais, a estrutura social proporciona os meios considerados aceitáveis. Se determinadas metas culturais forem enfatizadas mas os indivíduos não dispuserem dos meios sancionados pela estrutura social, estaremos perante uma situação de anomalia. Merton referiu que a sociedade norte-americana que sobrevaloriza o valor do sucesso, deixa de lado largos segmentos da população sem os meios para o alcançar. Daqui resulta que o comportamento desviado é entendido como normal em relação a situação anormais. O comportamento desviado dependerá da assimilação das metas culturais e das normas institucionais, e da acessibilidade dos meios legitimados pela sociedade. Segundo Merton, o desfasamento entre meios e metas dá origem a quatro tipos de adaptação individual: 1. Inovação na qual as metas são mantidas mas são utilizados novos meios para as alcançar (roubar, ou subornar); 2. Ritualismo pelo qual se renuncia às metas, mas se sobrevaloriza os meios; 3. Evasão na qual tanto os meios como as metas são renunciados (alcoolismo); 4. Rebelião quando se pretende instaurar novas estruturas de metas e de meios. Podemos analisar diversos tipos de problemas sociais com este modelo de análise, desde os que envolvem comportamentos delinquentes ou criminosos, à burocracia, movimentos ecologistas e fundamentalismos vários, entre outros. Edwin Sutherland desenvolveu a teoria da associação diferencial, centrando-se no processo pelo qual se dá o comportamento desviado. Mais tarde, Edwin Sutherland em conjunto com Donald Cressey, apresenta em nove pontos este processo de génese do comportamento criminoso: 1. O comportamento criminoso é aprendido, não é inato; 2. É aprendido pela interacção com outros indivíduos num processo de comunicação; 3. A aprendizagem mais importante é feita em grupos primários; 4. A aprendizagem envolve, por um lado, as técnicas necessárias ao crime e, por outro lado, os motivos, as racionalizações e as atitudes a ele ligadas; 5. Os motivos e os impulsos são aprendidos segundo a definição favorável ou desfavorável aos códigos legais; 6. Um indivíduo torna-se delinquente pela razão de encontrar um excesso de definições favoráveis à violação da lei em detrimento das definições desfavoráveis à violação da lei; 7. A associação diferencial varia em termos de frequência, duração, proximidade e intensidade; 8

9 8. O processo de aprendizagem dos comportamentos criminosos e não criminosos integra todos os aspectos normalmente envolvidos em qualquer tipo de aprendizagem; 9. As necessidades e os valores gerais (segurança, riqueza material) que são reflectidos pelo comportamento criminoso não explicam este mesmo comportamento, uma vez que outros comportamentos não criminosos também os reflectem. Os sociólogos da corrente do comportamento desviado consideraram que as teorias da anomia e da associação diferencial se completavam, e desenvolveram tentativas de síntese das duas teorias. Albert Cohen (1968) na sua teoria da sub cultura delinquente sustentou que os jovens da classe trabalhadora enfrentavam uma situação de anomia no sistema escolar, pensado segundo os valores da classe média. Na a escola eram ensinados os valores mas eram vedados os meios legítimos para os poderem atingir. Em resultado, os jovens uniam-se e formavam uma cultura própria que violava os códigos legais. As novas normas eram socializadas através do processo da associação diferencial. Richard Cloward e Lloyd Ohlin (1966) teoria da oportunidade sustentam que não basta considerarmos a estrutura de oportunidades legítimas na génese do comportamento delinquente; é igualmente essencial ter em conta a estrutura de oportunidades ilegítimas. Não é só uma questão de ausência de oportunidades legais, mas também da presença de oportunidades ilegais. A perspectiva do comportamento desviado entende que os problemas sociais reflectem, de forma mais ou menos directa, violações das expectativas normativas da sociedade, sendo que todo o comportamento que viola essas expectativas é um comportamento desviado. A solução para os problemas de comportamento desviado deverá passar pela ressocialização dos indivíduos e pela mudança da estrutura social de oportunidades, para que sejam aumentadas as oportunidades legítimas e diminuídas as oportunidade ilegítimas As perspectivas da Sociologia Relativista: Três perspectivas que seguem uma visão relativista da ciência, de base interaccionista (o labeling e o construtivismo social) e estruturalista (a perspectiva crítica). Nelas se defende, em oposição ao positivismo, que o conhecimento é socialmente construído. Se assim é, a questão é saber como é que a realidade faz sentido para as pessoas e através de que processos estas dão e partilham significados sociais Labeling: Na descrição da teoria de labeling ou teoria da rotulagem os nomes importantes foram Georg Herbert Mead, Blumer e Goffman. Mead (concebeu a formação do Ego como o resultado das interacções sociais com Outros Significativos) Os indivíduos aprendem a ver-se como objectos sociais e comportam-se de acordo com esta percepção. As pessoas interagem fundamentalmente através de símbolos (sons, imagens) e os seus significados emergem da interacção social. O comportamento irá depender do entendimento que fizerem desses símbolos, num processo de reajustamento continuado. 9

10 Herbert Blumer desenvolveu a ideia de que os significados não são dados, mas requerem uma interpretação activa por parte dos actores sociais envolvidos. Erving Goffman introduziu o conceito de identidade social, para se referir às qualidades pessoais que permanecem constantes em diferentes situações. Defendeu ainda que a identidade social pode ser consolidada pelas reacções dos outros ao comportamento dos indivíduos. Se as reacções forem negativas, as pessoas podem ser forçadas a aceitar uma spoiled identity, processo que Goffman define como de estigmatização. Embora os autores acima referidos terem sido fundamentais para a teoria do labeling, os nomes pioneiros da perspectiva propriamente dita são Edwin Lemert e Howard Becker. Edwin Lemert defendeu a teoria de que o desvio é definido pelas reacções sociais e introduziu os conceitos de desvio primário e desvio secundário. Esta distinção de conceitos baseia-se noutra distinção que Lemert estabeleceu entre comportamento desviado e papel social desviado. O desvio primário comporta causas biológicas e sociais. Mas a causalidade dos papéis sociais desviados, ou desvio secundário, reside na interacção social entre o indivíduo que é definido como desviado e a sociedade onde se insere. A reacção social ao desvio primário está assim na origem do desvio secundário. Segundo Lemert a Sequência de interacção que leva ao desvio secundário pode esquematizada da seguinte forma: 1. Ocorrência do desvio primário; 2. Sanções Sociais; 3. Recorrência do desvio primário; 4. Sanções sociais mais pesadas e maior rejeição social; 5. Continuação do desvio, agora com possível hostilidade e ressentimento por parte do indivíduo desviado para com aqueles que o sancionam; 6. O coeficiente de tolerância chega a um ponto crítico, que se reflecte nas acções formais de estigmatização do indivíduo levadas a cabo pela comunidade; 7. Fortalecimento do comportamento desviado como reacção à estigmatização e às sanções; 8. Aceitação do estatuto de desviado por parte do indivíduo estigmatizado e consequentes ajustamentos com base no novo papel social. Esta perspectiva é reforçada por Howard Becker ao introduzir o conceito de labeling, que deu o nome a esta corrente, e o conceito de carreira desviante. Becker defendeu que o comportamento desviado é aquele que a sociedade define como desviado. Para que alguém seja rotulado de desviado é necessário percorrer uma série de fases sequenciais, num processo de interacção dinâmico, a que Becker apelidou de carreira desviante. O que a perspectiva do labeling constatou é que nem todos os que violam as normas são rotulados de desviados, o que nos leva a considerar que, em última instância, todo 10

11 este processo traduz uma certa equação do poder na sociedade: quem define as regras, que aplica os rótulos, quem é rotulado. A crítica à corrente labeling é que por um lado, afirmar que o desvio é originado antes de mais pela formulação das regras que são violadas e pelas reacções a esta violação das normas, soa como uma desculpabilização e desresponsabilização dos comportamentos em vez de uma explicação dos mesmos. Por outro lado, para posições politicas mais à esquerda, a corrente do labeling ficou aquém do que podia ter ido na critica social ao concentrar-se unicamente no processo de criação e imposição dos rótulos sociais, sem ter ligado este processo com as desigualdades na estrutura social Perspectiva Crítica: A perspectiva crítica é também denominada de perspectiva radical e centrou-se na questão da influência do poder na definição dos comportamentos desviados e dos problemas sociais, e numa concepção alargada da contextualização social do desvio. A fundamentação desta corrente está no pensamento marxista. Tem assim uma postura de conflito na génese dos problemas sociais. Segundo a tradição marxista, os modos de produção da infra-estrutura económica determinam relações sociais distintas. No estádio capitalista de desenvolvimento, a divisão social mais importante é a que separa os que possuem os meios de produção, a classe capitalista, dos que têm unicamente a sua força de trabalho para vender, e que constituem a classe trabalhadora. Para a perspectiva crítica os problemas sociais advêm das relações sociais impostas pelo modo de produção, e traduzem a necessidade de controlo da classe capitalista e a necessidade de resistência e acomodação das classes exploradas. O tipo e a gravidade dos problemas sociais ficam particularmente dependentes das condições económicas conjunturais e da consciência de classe que os trabalhadores possam ter. A solução para os problemas sociais reside na mudança (revolucionária) do sistema social de classes para uma sociedade sem classes, ou seja, sem exploração humana, sem injustiças e sem desigualdades. Os anos 70 são uma década de crise de profunda crítica social e foi um período de renascimento das grandes discussões teóricas. Os autores mais significativos são Ian Taylor, Paul Walton e Jock Young que deu o nome à corrente da nova criminologia ou criminologia radical. Segundo eles, o desvio deve ser analisado de forma materialista e histórica: Materialista porque deve ser analisado o contexto material e Histórica porque se deve relacionar o desvio com a evolução histórica dos modos de produção. Esta perspectiva tem sido fortemente criticada por autores positivistas que argumentam ser este tipo de abordagem mais uma ideologia do que uma teoria científica. Ou seja a perspectiva crítica centrou-se na explicação da génese das leis e no funcionamento das instituições de controlo e negligenciou a explicação dos comportamentos desviados. Outra critica é relativa à ênfase dada por esta corrente às questões de classe e de poder económico, esquecendo-se de outras fontes de conflito social como o género, a idade ou diferenças raciais. 11

12 Construtivismo Social: Refere-se a correntes teóricas cuja ideia central e geradora é a de que as pessoas criam activamente a sociedade. Os autores Peter Berger e Thomas Luckmann defendem que a sociedade é uma produção humana e o Homem é uma produção social. A sociedade é ao mesmo tempo uma realidade objectiva e subjectiva. È objectiva porque é exteriorizada, relativamente aos actores sociais que a produzem, e é objectivada, sendo constituída por objectos autónomos dos sujeitos sociais. É uma realidade subjectiva porque é interiorizada através da socialização. Para John Kitsuse e Malcolm Spector a questão deverá ser colocada antes de mais, saber porque é que algumas situações são consideradas problemas sociais e outras não, tentando explicar o surgimento do próprio rótulo de problema social. Só através da problematização sociológica será possível chegar a uma teoria social dos problemas sociais. A condição objectiva do problema social é, portanto, posta de lado pela perspectiva construtivista pois esta não é essencial para a existência de um problema social. É a definição subjectiva do problema social que se revela essencial para a existência do mesmo e como tal só esta deve ser investigada pelos sociólogos. (violência conjugal, trabalho infantil) situações que só se converteram em problemas sociais quando se estabeleceu com sucesso um movimento de reivindicação que definia estas situações como problemas e onde os mass media tiveram uma enorme importância. Um problema social só se constitui em razão de todo um processo de reivindicação e reacção social. Importa identificar quem define uma dada situação, real ou virtual, como problema social; quais as razões que apresenta, quem reage a esta pretensão e que tipo de dinâmica se estabelece entre as duas partes. Somente após o estudo empírico do processo de definição de cada problema social é que podem ser elaboradas possíveis soluções para o mesmo. Ao contrário das correntes que abordámos anteriormente, a perspectiva construtivista não apresenta soluções a priori para os problemas sociais. Ou estudamos a delinquência juvenil, investigando aspectos como as causas do comportamento desviado pelos jovens, a evolução dos casos de delinquência; Ou a sua distribuição pelos estratos socio-económicos; Ou então estudamos o problema social da delinquência juvenil, ou seja, como é que a sociedade veio a reconhecer este fenómeno como problema social, e neste caso não é essencial que se saibam as causas do comportamento desviado em questão. SÍNTESE: Sumário das sete perspectivas de abordagem dos problemas sociais. Aspectos chave: Perspectiva Definição de Problema Social Patologia Social Violação de expectativas morais Pessoas Desorganização Social Falha no funcionamento das regras sociais Situação incompatível com os Elemento Central Regras sociais 12

13 Conflito de Valores valores de um grupo social Valores e Interesses Comportamento Violação de expectativas Papéis sociais Desviado normativas Labeling Resultado da reacção social a alegada violação de normas ou Reacções sociais expectativas Perspectiva Radical Resultado da exploração da classe Relações trabalhadora sociais de classes Processo pelo qual grupos sociais Construtivismo Social reivindicam que uma dada Processo de situação é um problema social reivindicação 13

14 II. PERSPECTIVAS POLÍTICO-DOUTRINÁRIAS SOBRE OS PROBLEMAS SOCIAIS 2.1 Os problemas sociais e a alteração do papel do Estado: Os modos como os problemas sociais têm sido encarados pela sociedade, bem como foram concebidos e implementados os sistemas para lhes dar resposta, evoluíram significativamente ao longo da história humana. Principalmente nas sociedades préindustriais O Estado Protector: Estado protector é o modelo, que segundo alguns autores, surgiu com a desagregação da sociedade do Ocidente medieval que se encontrava no poder do soberano. O poder não uma simples capacidade de obrigar, mas que traduz a resultante da tensão entre tal capacidade e a vontade de obedecer. A centralização registada resultou de duas tendências Um processo de concentração da capacidade de obrigar por parte do poder político, de que foram expressão entre outras, a criação dos exércitos nacionais e a concentração progressiva do poder tributário; A emergência de um consenso crescente sobre a vontade de obedecer, do sector que mais tarde se viria a chamar sociedade civil. O modelo de Estado que daqui resultou, privilegiou os fins de segurança e de justiça em detrimento do fim de bem estar social que, por regra, foi remetido para a sociedade civil, ainda que por vezes se tenham observado incursões orientadoras dessa actividade por parte de acções das casas reais e aristocracia. Um modelo de intervenção claramente assistencial como é o caso Das Misericórdias. Estado Protector Desagregação da sociedade feudal Concentração da capacidade de obrigar pelo poder político Maior consenso na vontade de obedecer por parte da sociedade civil Estado Protector Objectivos: Produzir segurança Reduzir a incerteza Fins dominantes do Estado: Segurança Justiça Características dominantes do aparelho de Estado: Pequena dimensão Organização relativamente difusa Pilotagem centralizada 14

15 Para garantir a eficiência do Estado Protector, o príncipe recorreu a dois tipos de pessoas: Políticos profissionais e semi-profissionais que pertenciam a grupo de clérigos, literatos humanistas, nobreza cristã, gentries inglesa e os juristas. Aos funcionários profissionais que pouco a pouco foram aumentando na Europa em função da progressivamente maior complexidade dos problemas que ao Estado competia resolver. A Administração financeira, da técnica guerreira e da actividade jurídica com um profissionalismo especializado, deu origem ao predomínio do absolutismo do príncipe em que os funcionários profissionais auxiliaram e foram indispensáveis para vencer o poder feudal O Estado Providência: Com a revolução industrial e a emergência de problemas económicos e sociais que daí resultaram, o Estado foi chamado a assumir funções de regulação e de orientação cada vez maiores tendo emergido a consciência de que o Bem-Estar constituía um fim do Estado. As tendências foram para um papel cada vez mais intervencionista da Administração Pública. Estado Providência Revolução Industrial Problemas económicos Problemas sociais Crescimento e radicalização das funções do Estado Estado Providência Objectivos: Produzir segurança Reduzir a incerteza Promover a regulação e a orientação socio-económica Fins dominantes do Estado: Segurança Justiça Bem-estar Características dominantes do aparelho de Estado: Dimensão progressivamente maior Organização progressivamente mais complexa Pilotagem progressivamente mais profissionalizada 2.2 As perspectivas liberais: A perspectiva liberal foi resultado de uma lenta sedimentação de natureza económica, doutrinária e política que ocorreu na Europa a partir do século XV. 15

16 2.2.1 Génese: Com a expansão europeia e a consequente diversificação de mercados e acumulação de capitais, a burguesia consolidou-se como classe social e intensificou-se com a Revolução Industrial emergindo uma nova ordem económica internacional. A ordem política foi alterada, apresentando traços com a centralização do Poder real e o consequente enfraquecimento da velha aristocracia apoiada na ascensão da burguesia. Surgiram diversas doutrinas económicas e sociais, como o mercantilismo, a fisiocracia e todo um corpo filosófico que procurou limitar o despotismo do príncipe que criou condições para a revolução francesa. Para os adeptos da perspectiva liberal, os problemas sociais e económicos resultam de uma acção desastrada do Estado que, na mira de os resolver, intervém em demasia nos mecanismo de regulação do mercado. O liberalismo deve ser compreendido no seu sentido mais global (como uma) doutrina baseada na denúncia de um papel demasiado activo do Estado e na valorização das virtudes reguladoras do mercado (Rosanvallon) As Teses: 16

17 Génese económica Movimentos de legitimação doutrinária Génese política Expansão (séculos XV e XVI) (implica diversificação de mercados; acumulação de capital) Mercantilismo Fisiocracia Centralização do poder real Industrialização Nova ordem económica (consolidação da burguesia) Movimentos de reacção aos excessos do Príncipe que culminam na Revolução francesa Guerras religiosas (séculos XVII) Consolidação da nova ordem política (o Estado-Nação ao serviço da economia subsidiada) Liberalismo Defensores do liberalismo positivista clássico Adam Smith, Jeremias Bentham, Burke, Humbold Defensores do liberalismo utópico Paine e Godwin Defensores do neoliberalismo Robert Nozick ou John Rawls. Em todos estes autores encontramos uma forte crítica à excessiva dimensão do Estado, variando, no entanto, nos critérios definidores das suas funções e na definição do seu campo de actuação. É o caso mais recente, da corrente neoliberal, que deve ser entendida como um crítica, da crítica à economia de mercado. De acordo com a teoria das internalidades de Rosanvallon a acção do Estado tem efeitos imprevistos (internalidades) que pervertem as intenções de justiça e de promoção do Bem-Estar das suas políticas. Por exemplo o ciclo vicioso das despesas públicas apresentado por Rosanvallon: O crescimento das necessidades dos cidadãos (económicas, sociais, de segurança, etc.) implica uma pressão sobre o Estado no sentido de as colmatar (aumento da procura de Estado). O aumento da procura de Estado, obriga este a concentrar recursos e articulá-los para dar resposta às necessidades (aumento da oferta de Estado). 17

18 Para que a oferta de Estado cresça, este é obrigado a fazer mais despesas públicas. O aumento das despesas públicas determina um aumento dos impostos para lhes fazer face. O aumento da carga fiscal sobrecarrega os cidadãos o que, naturalmente, lhes aumenta as necessidades e a procura de Estado, e assim sucessivamente. No que respeita aos problemas sociais e económicos, o pensamento liberal tem evoluído, ainda que partilhe de uma ideia comum: o mercado é melhor regulador que o Estado e, por consequência, os problemas socio-económicos devem ser atacados predominantemente pela sociedade civil. A posição liberal face aos problemas socio-económicos pode resumir-se em dois aspectos: A maior parte dos problemas sociais e económicos resultam de uma excessiva intervenção do Estado. A resolução dos problemas sociais e económicos deveria ser deixada aos mecanismos (naturais) de auto-regulação do mercado As limitações: Os críticos à perspectiva liberal apontam-lhes as seguintes limitações: Os limites da acção do Estado são em regra insuficientemente operacionalizados Os efeitos imprevistos do funcionamento do mercado que condicionam fortemente a emergência e o agravamento dos problemas socio-económicos não são convenientemente equacionados. Suzanne de Brunhoff faz referência à contradição entre a apregoada liberalização de pessoas, bens, serviços e capitais tese central da corrente liberal e a realidade observada no terreno muitas vezes proteccionistas. Segundo esta autora um cenário de guerra económica implica, por parte dos decisores políticos, uma atitude de nacionalismo económico. As funções económicas e sociais do Estado procuram atingir dois objectivos: Reforçar a frente de combate económica, apostando em políticas de obtenção de encomendas no estrangeiro e em estratégias de financiamento e de proteccionismo dos sectores sociais mais fortes, como os segmentos que apostam no desenvolvimento tecnológico e nas exportações; Ajudar a tratar dos feridos da guerra económica (pobres e novos pobres, jovens, mulheres, idosos, imigrantes e desempregados de regiões industriais sinistradas). Neste cenário, o reforço da frente de combate é normalmente mais forte que a ajuda ao tratamento dos feridos da guerra económica, criando-se um ambiente tendente a retirar os direitos sociais e económicos aos cidadãos. 2.3 As perspectivas marxistas ( ): Génese: O pensamento marxista enquadra-se historicamente na Europa do século XIX, revolução industrial. 18

19 A sua teoria deve ser entendida como uma teoria em permanente evolução, por vezes contraditória. Escreveu o Manifesto com Engels. Os seus comentadores apontam três tipos de correntes que lhe serviram de referência: a filosofia alemã (Hegel e Feurbach) o socialismo francês (Proudhon e Saint Simon) e a economia política inglesa (Ricardo e Adam Smith) As teses: O pensamento de Marx relativamente ao papel do Estado não é idêntico ao longo da sua obra: Desde uma posição idealista defendida na Gazeta Renana, em 1843, em que descrevia a possibilidade da existência de uma associação de homens verdadeiramente livre num estado idealizado, concebido, com base no modelo hegeliano, como uma incarnação da razão. Passando pela afirmação de que o Estado era uma expressão da alienação humana semelhante à religião, ao direito e à moralidade, um biombo que esconde as verdadeiras lutas inter-classes, assumindo-se como instrumento da classe dominante (ideologia alemã) uma mera comissão de gestão dos assuntos da burguesia (Manifesto). Até à afirmação de que poderia desempenhar, apesar de todas as críticas, algum papel positivo em favor das classes oprimidas (A guerra civil em França), ou mesmo que poderia ser, quando em situação de ditadura do proletariado, instrumento de mudança para a sociedade comunista. (Crítica do Programa de Gotha). Apesar da aparente ambivalência, parece ser constante o reconhecimento do importante papel que cabe ao Estado como instrumento da classe dominante (burguesia ou proletariado) nas funções de regulação e orientação da sociedade global. Na perspectiva marxista os problemas económicos e sociais são resultantes da situação de exploração de uma classe em benefício de outro, de uma permanente luta de classes, poderemos entender as duas estratégias defendidas por esta corrente, consoante detenha ou não o controle do Estado: Quando o Estado não é controlado pela classe trabalhadora Às organizações desta classe cabe fazer pressão, para que o poder político lhe faça concessões, no sentido de prevenir e atenuar os problemas sociais; assim deve ter atenção a conquista do poder pela classe trabalhadora. Quando o Estado é controlado pela classe trabalhadora, Deve centralizar a definição de rumos e a articulação de meios para fazer face aos problemas sociais e económicos; neste sentido, deve-lhe competir um papel dominante no planeamento e organização da economia e da protecção social As limitações: Críticas à perspectiva marxista Do ponto de vista doutrinário, ao privilegiar a luta de classes como instrumento de intervenção, o marxismo provocou danos elevados na coesão social, lançando as classes sociais umas contra as outras, gastando consideráveis 19

20 energias sociais necessárias ao crescimento económico e ao desenvolvimento social, em nome da igualdade e em detrimento da liberdade. Do ponto de vista político, as que o acusam de falta de eficácia e de eficiência uma vez que, nos países em que foram aplicadas as concepções marxistas os resultados obtidos foram muito inferiores aos previstos (ineficácia), e os avanços conseguidos foram-no frequentemente a custos económicos e sociais muito elevados (ineficiência), uma vez que exigiram uma máquina estatal excessivamente pesada. 2.4 As perspectivas conciliatória: Se nos reportarmos a três valores centrais de Revolução Francesa, a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade, os dois primeiros são de cariz liberal (liberdade) e marxista (igualdade), um em detrimento do outro. O elemento Fraternidade foi remetido para a esfera da sociedade civil, pois não é politicamente tão relevante como o da Liberdade e Igualdade. Procurando conciliar as doutrinas liberal e marxista, emergiu uma terceira tendência no século XIX que veio dar origem ao que se convencionou chamar Estado- Providência Os fundamentos: Os fundamentos da intervenção do Estado relativamente aos problemas sociais e económicos podem encontrar-se na constatação de efeitos imprevistos (positivos ou negativos) do funcionamento do mercado a que Pigou chamou externalidades. Esta teoria servia de suporte para legitimar a intervenção do Estado no próprio interior da lógica liberal, criando paradoxalmente uma fonte inesgotável de motivos de extensão do estado-regulador Os pilares do Estado Intervencionista: A expressão Estado-Providência surge na França no segundo império, criada por pensadores liberais hostis ao aumento das atribuições do Estado, mas igualmente críticos em relação a uma filosofia individualista demasiado radical. Procurava fazer referência a um modelo de Estado intervencionista, que na Alemanha da década de 1880 era apelidado de Estado Social e no Reino Unido nos anos 40 do século XX de Estado de Bem-Estar. Este modelo de Estado integrou três tipos de contribuições principais: 1. O primeiro pilar: o seguro obrigatório de Bismark Bismark (1879/1880) em resposta à pressão conjugada, do movimento trabalhista alemão devida à situação de alto risco em que se encontravam os trabalhadores da indústria e da acção de grupos de académicos e políticos que se juntaram, para denunciar os malefícios das opções liberais e para defender uma intervenção do Estado no combate aos problemas sociais. A resposta política a tal conjuntura foi um conjunto de leis que procuraram melhorar a protecção social dos trabalhadores através de mecanismos de seguro obrigatório, numa altura em que os sistemas de protecção eram meramente mutualistas. As leis estruturantes de tal sistema foram as seguintes: Lei da responsabilidade limitada dos industriais em caso de acidentes de trabalho (1871); 20

41047 Problemas Sociais Contemporâneos

41047 Problemas Sociais Contemporâneos 41047 Problemas Sociais Contemporâneos Apontamentos de: Jorge Loureiro E-mail: jorgel@sapo.pt Data: 04.09.2008 Livro: Problemas Sociais Contemporâneos (Hermano Carmo coord.) Nota: Matéria referente ao

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Açores que agora inicia o seu mandato. Sr. Presidente,

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

REGULAÇÃO DE ENERGIA NA CPLP E CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES`

REGULAÇÃO DE ENERGIA NA CPLP E CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES` CABO VERDE Agência Regulação Económica Gabinete do Presidente CONFERÊNCIA REGULAÇÃO DE ENERGIA NA CPLP E CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES` Lisboa, Abril - Maio de 2008 Dr. João Renato Lima ABERTURA

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1 Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Armando Leandro Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996)

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) José Alberto Reis Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) 1) têm um relativo nível de organização; 2) são privadas, i.e. separadas do governo; 3) não distribuem lucros; 4) são auto

Leia mais

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011 Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 28/02/2011 SUMÁRIO Economia Social: conceito e fundamentação teórica. A distinção

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Vera Lúcia Martins 1 Resumo: O trabalho apresenta, sinteticamente,

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Código de Conduta. (versão 01)

Código de Conduta. (versão 01) Código de Conduta (versão 01) Índice 1. Introdução 3 1.1 Objecto 3 1.2 Âmbito de aplicação 3 1.3 Aprovação e entrada em vigor 3 2. Os Nossos Valores 4 3. Código de Conduta 5 3.1 Relações Com e entre os

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Envelhecimento Ativo e seus Eixos

Envelhecimento Ativo e seus Eixos Envelhecimento Ativo e seus Eixos Profa. Ruth Gelehrter da Costa Lopes Novembro / 2014 ENVELHECIMENTO ACTIVO / ATIVO REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO Machado,Paulo, REFLECTINDO SOBRE O CONCEITO DE ENVELHECIMENTO

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados 10 Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Contributos para um modelo integrado Texto y Fotos Dra. Ana Maria Pereira Gomes [Directora de Unidade de Promoção de Autonomia, Departamento de Desenvolvimento

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917)

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) Instituto de Filosofia, Sociologia e Política Disciplina: Fundamentos de Sociologia Prof. Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015 I CONCEPÇÃO DE CIÊNCIA

Leia mais