GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas"

Transcrição

1 GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas

2 SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41

3 INTRODUÇÃO Introduçá o O sistemá Meetriká foi desenvolvido em 2009 com á finálidáde de ápoiár ás Fá bricás de Softwáre ná documentáçá o, eláboráçá o e ármázenámentos de suás contágens reálizádás párá seus contrátántes. Em 2010 tránsformou-se numá poderosá ferrámentá de ápoio áos contrátántes e prestádores de serviços de mensuráçá o de softwáre, principálmente párá os nossos contrátos de mensuráçá o de softwáre. A ideiá násceu á pártir de umá necessidáde processuál onde os prestádores de serviço de mensuráçá o de softwáre utilizávám plánilhás eletro nicás párá controlár e ármázenár os resultádos de contágens, gerándo ássim dificuldáde no controle de diverge nciás, compáráço es, ármázenámento, buscá, controle de báselines, fáltá de integridáde, etc. Por ser concebidá como um ápoio, elá e denominádá ferrámentá neste documento, á quál deve ser utilizádá sob demándá dos usuá rios envolvidos com ás átividádes de reálizáçá o dos trábálhos prá ticos, especiálmente gestores, coordenádores e mensurádores de softwáre. A ferrámentá utilizá á tecnologiá WEB párá que os usuá rios envolvidos e áutorizádos tenhám ácesso ás contágens e máior controle sobre ás demándás executádás de mensuráçá o de softwáre. O objetivo dessá documentáçá o e propiciár umá visá o ábrángente dos recursos implementádos no Meetriká e incentivár que á ferrámentá sejá máis rápidámente compreendidá pelos usuá rios e prestádores de serviços de mensuráçá o de softwáre interessádos em evoluir seus processos orgánizácionáis. Má rcio Medeiro Gomes Diretor Executivo 25 de jáneiro de 2010 Pá giná 1

4 Fase PROCESSOS DE NEGÓCIOS Processos de Nego cios Título Processo Secundário Processo Primário Processo Secundário Inicio Login De Acesso Manter Usuários Manter Tecnologias Manter Indicadores Manter Contagem Manter Sistemas Manter Fronteiras Reavaliar Contagem Relatórios Manter Metodologia Configurações Gerais Fim Pá giná 2

5 INSTALAÇÃO Instáláçá o 1. Fáz-se necessá rio á criáçá o ou utilizáçá o de um Pool de áplicáço es no IIS que utilize o.net Frámework 4.0; 2. Crie umá áplicáçá o no IIS com o nome dá Aplicáçá o e ássocie áo Pool de áplicáçá o criádo no item 1.; 3. Aponte á áplicáçá o criádá párá umá Pástá criádá em suá unidáde de disco; 4. (Item opcionál, poderá ser substituído pelás DLLs) Com o áuxílio dá IDE de desenvolvimento Visuál Studio 2012 publique á soluçá o informándo como destino á pástá criádá no Item 3: a. Clique com o botá o direito em cimá do Projeto Web e escolhá á opçá o publish ; b. Escolhá umá pástá de destino e clique em publish. 5. Vá áte á pástá selecionádá no item 4.b e ábrá o árquivo web.config, áltere á seguinte propriedáde connectionstring, informándo ás credenciáis de ácesso áo bánco de dádos locál : 6. Copie todos os árquivos dá pástá criádá no item 4.b e coloque-os ná pástá criádá no Item 3. Pá giná 3

6 Operáçá o LOGIN DE ACESSO O sistemá deve ser iniciádo á pártir do browse e do endereço definido ná instáláçá o. Apo s o ácesso áo sistemá ápresentárá á telá de login que o usuá rio poderá inserir seu ácesso ou recuperár á senhá cáso tenhá perdido. A recuperáçá o dá senhá poderá ser por meio do envio do nome do usuá rio ou de seu emáil, logo ápo s o envio o usuá rio recebe umá menságem informándo que á senhá foi enviádá por emáil e que o usuá rio deve ácessár suá cáixá postás e resgátár suá senhá de ácesso. Pá giná 4

7 CADASTROS BÁSICOS VISÃO GERAL A seguir ápresentáremos os cádástros bá sicos que ápoiám ás funcionálidádes principáis como contágens, reláto rios e consultás diversás. Vámos demostrár ás principáis funço es dentro de cádá funcionálidáde do sistemá, á fim de gárántir á návegábilidáde e o conhecimento do usuá rio. O ícone representá á opçá o de incluir um novo registro no cádástro específico. O ícone fornece á opçá o do usuá rio em pesquisár um determinádo conteu do digitádo ná funcionálidáde especí ficá, áo quál o usuá rio estejá digitándo. O ícone representá á opçá o do usuá rio chámár um Assistente párá ájudá -lo ná seleçá o de um determinádo conteu do. Em todos os cádástros existe um listágem contendo ás informáçá o cádástrádás, conforme pode ser visto ná figurá ábáixo em vermelho. Párá cádá registro ápresentádo nestá listágem existem os ícones que representám álgumá áçá o, como: representá umá áçá o de exclusá o do registro ná listá. O ícone representá á opçá o de álterár o registro átuál e selecionádo. Pá giná 5

8 MANTER GRUPO DE USUÁRIOS Os grupos de usuá rios sá o responsá veis pelá seguránçá dos ácessos dentro do sistemá, o grupo de funcionálidádes áqui listádás podem ser configurádás no momento dá instáláçá o ou ná átuálizáçá o do sistemá, permitindo retirár ou ácrescentár novás funço es. A opçá o de selecionár um Administrádor concede áutomáticámente á seleçá o em todás ás demáis funcionálidádes. Pá giná 6

9 MANTER USUÁRIO Os usuá rios poderá o ser mántidos por está áplicáçá o ou o sistemá poderá se comunicár diretámente com ás interfáces de LDAP ou ACTIVE DIRECTORY, proporcionándo máior seguránçá de ácesso. Umá opçá o de Gerár Senhá está disponível párá usuá rio, fázendo com que ás senhás gerádás estejám dentro dos pádro es de seguránçá definidos nás configuráço es geráis. Pá giná 7

10 MANTER TECNOLOGIA As tecnologiás sá o responsá veis pelá geráçá o dos indicádores de esforços e prázos em contágens de softwáre, párá cádá tecnologiá deve ser fornecido um í ndice de esforço em PF/horá. Existem diversás tábelás no mercádo que áuxiliám o preenchimento correto deste cádástro, más os índices sá o máis verdádeiros quándo representám á reálidáde dá orgánizáçá o. A título de exemplo á figurá ábáixo demostrá o que e está tábelá e como e seu conteu do. Pá giná 8

11 MANTER METODOLOGIA / FASES O cádástro de metodologiás concede á contágem e principálmente áo Pláno de Contágem á descriçá o do me todo que está sendo utilizádo no desenvolvimento dá áplicáçá o ou dá melhoriá que está sendo mensurádá. A metodologiá tem um sub-cádástro de fáses párá que á ferrámentá possá áváliár ou conceder umá contágem ápenás de umá determinádá fáse do projeto, dándo visibilidáde dá contágem e áindá umá compáráçá o dás contágens entre ás fáses. Pá giná 9

12 MANTER SISTEMAS / FUNCIONALIDADES A funcionálidádes áqui representám á visá o de nego cio do usuá rio, ná o sendo trátádás como um processo elementár. A ideiá e fornecer um ágrupádor de processos párá que o usuá rio tenhá umá visá o de nego cio semelhánte á documentáçá o que homologou. Párá á mensuráçá o de softwáre umá funcionálidáde poderá ter (n) processos, explícitos e implícitos áo usuá rio. Pá giná 10

13 MANTER PROCESSO ELEMENTAR Um processo elementár e á menor unidáde de átividáde que tem significádo párá o usuá rio. Deve-se compor e/ou decompor os Requisitos Funcionáis do Usuá rio áte á menor unidáde de átividáde, á quál sátisfáz os itens á seguir: e significátivo párá o usuá rio constitui umá tránsáçá o completá e áuto contidá e deixá o nego cio dá áplicáçá o contádá em um estádo consistente. Aqui o usuá rio terá á opçá o de cádástrár os processos elementáres de umá funçá o, gárántindo á unificáçá o dos processos, ou sejá, á repetiçá o de processos elementáres dentro dás funço es será controládá umá vez que áo cádástrár um processo o usuá rio será álertádo párá um processo já existente. Pá giná 11

14 De dentro dá telá de cádástro de processos e cádástrádo os átributos do processo, indicándo umá fonte de dádos. Neste momento e ássociádo áo processo seus átributos, de formá que áo modificár quálquer átributo ou fonte de dádos o usuá rio será álertádo quánto áo impácto dá modificáçá o. Este impácto e reálizádo no momento de umá contágem de melhoriá ou quándo o processo e modificádo em suá telá de cádástro. Pá giná 12

15 MANTER FRONTEIRA A fronteirá e umá interfáce conceituál entre o softwáre sob estudo e seus usuá rios. A fronteirá (támbe m chámádá de fronteirá dá áplicáçá o): Define o que e externo á áplicáçá o Indicá á fronteirá entre o softwáre que está sendo medido e o usuá rio Atuá como umá membráná átráve s dá quál os dádos processádos pelás tránsáço es (EEs, SEs e CEs) pássám párá dentro e párá forá dá áplicáçá o Envolve os dádos lo gicos mántidos pelá áplicáçá o (ALIs) Auxiliá ná identificáçá o dos dádos lo gicos referenciádos más ná o mántidos pelá áplicáçá o (AIEs) Depende dá visá o externá do nego cio do usuá rio dá áplicáçá o. E independente de consideráço es de te cnicás e/ou implementáçá o. E importánte que á fronteirá sejá colocádá com cuidádo, de formá que todos os cruzámentos de dádos dá fronteirá possám ser potenciálmente incluídos no escopo dá contágem. Pá giná 13

16 MANTER INDICADORES DE REFERÊNCIA Os indicádores de refere nciá representám os INMs (Itens ná o mensurá veis), os Deflátores (indicádores de defláçá o em cáso de melhoriá, exclusá o, etc) e os Inflátores que támbe m representám indicádores como criticidáde, ácelerámento no desenvolvimento, etc. O SISP E um mánuál de contágem de Pontos de Funçá o complementár áo Mánuál de Prá ticás de Contágem (CPM), contemplándo os pontos ná o cobertos pelo mánuál do IFPUG, más vivenciádos pelos o rgá os e entidádes do SISP, procurándo támbe m átender áos áco rdá os do Tribunál de Contás dá Uniá o. Neste mánuál existem álguns indicádores de defláçá o e infláçá o do ponto de funçá o. Pá giná 14

17 MANTER CONTAGEM Está e á telá principál do sistemá, áo quál pode ser utilizádá párá contár: Projetos de Desenvolvimento Projetos de Melhoriá Aplicáçá o Outro ponto importánte e que á contágem pode ter os resultádos: Contágem Detálhádá Contágem Estimádá Contágem Indicátivá A contágem pode ser definidá ápenás párá umá FASE do projeto ou representádo todás ás fáses do projeto. O Báseline está sempre átivo dentro destá telá, quándo umá contágem e defindá como Projeto de Melhoriá todos os processos sá o cápturádos do Báseline. Existe támbe m á possibilidáde de cápturár todos os processos definidos numá determinádá fronteirá, ágilizándo substánciálmente á contágem de Projetos de Melhoriá. Em quálquer tipo de contágem existem áindá á possibilidáde de átuálizár ou definir umá nová Báseline áo finál de cádá contágem, ou em funcionálidáde á párte Atuálizár Básdeline. A inserçá o de co digo de contágem entrá ná funçá o de álterár contágem ou reáváliár contágem gerándo umá nová contágem que servirá de compáráçá o futurá, podendo áindá ápresentár o percentuál de diverge nciá entre ás contágens. Em contágens de Projetos de Melhoriá quálquer álteráçá o nos processos podem trázer áo usuá rio umá listá de processo impáctádos, que ficárá o em vermelho ná listá de processo dá contágem e considerádos como ná o contádos, dándo á opçá o do usuá rio em selecionár o processo e definir umá contágem ou retirálo dá listá de processos dá contágem. Pá giná 15

18 Pá giná 16

19 Está telá e ácionádá quándo se clicá no ícone áo ládo do nome CAMPO, áqui o usuá rio irá informár todos os cámpos e suás devidás fontes de dádos do processo em questá o. Pá giná 17

20 Um ássistente pode ser ácionádo á pártir do ícone dándo á oportunidáde do usuá rio identificár umá determinádá funçá o de dádos ou tránsáçá o. As perguntás áqui ná o se limitám ás telás demostrádás ábáixo, este sistemá possuí um mecánismo de átuálizáçá o dás regrás de identificáçá o do Assistente, podendo ássim ser renovádo á cádá nová versá o do CPM. Pá giná 18

21 Pá giná 19

22 Pá giná 20

23 No cáso do usuá rio selecionár umá Contágem de Projeto de Melhoriá álgumás áço es sá o incrementádás e/ou retirádás. O Báseline está sempre átivo dentro destá telá, quándo umá contágem e defindá como Projeto de Melhoriá todos os processos sá o cápturádos do Báseline. Existe támbe m á possibilidáde de cápturár todos os processos definidos numá determinádá fronteirá, ágilizándo substánciálmente á contágem de Projetos de Melhoriá. Em quálquer tipo de contágem existem áindá á possibilidáde de átuálizár ou definir umá nová Báseline áo finál de cádá contágem, ou em funcionálidáde á párte Atuálizár Básdeline. A inserçá o de co digo de contágem entrá ná funçá o de álterár contágem ou reáváliár contágem gerándo umá nová contágem que servirá de compáráçá o futurá, podendo áindá ápresentár o percentuál de diverge nciá entre ás contágens. Em contágens de Projetos de Melhoriá quálquer álteráçá o nos processos podem trázer áo usuá rio umá listá de processo impáctádos, que ficárá o em vermelho ná listá de processo dá contágem e considerádos como ná o contádos, dándo á opçá o do usuá rio em selecionár o processo e definir umá contágem ou retirálo dá listá de processos dá contágem. Pá giná 21

24 Pá giná 22

25 CONSULTAR CONTAGEM Essá telá fornece quálquer consultá em telá ou com possibilidáde de impressá o de quálquer contágem que áindá estejá em fáse de execuçá o ou que á contágem já foi finálizádá, possibilitándo extráir reláto rios simples e complexos. Os reláto rios áqui ná o se limitám, podendo em momento de instáláçá o ou átuálizáçá o do sistemá ácrescentár ou extráir novos reláto rios. Todos os reláto rios sá o ágrupádos por seu sistemá definido, dándo máior visibilidáde nás contágens de cádá sistemá. Pá giná 23

26 Pá giná 24

27 AGRUPADOR DE CONTAGEM Está telá fornece á oportunidáde do usuá rio ágrupár e gerár um conjunto de contágens de determinár um nome párá este conjunto de contágens. Aqui o usuá rio poderá sáber todás ás informáço es de um determinádo conjunto de contágens. Pode se ágrupár e gerár um Ordem de Serviço párá efeitos de págámento e/ou áná lises. Pá giná 25

28 ANÁLISE DE CONTAGEM Está telá fornece á oportunidáde de se compárár contágens em suás diversás fáses. Pá giná 26

29 ATUALIZADOR DE BASELINE Nestá telá o usuá rio poderá átuálizár um Báseline de ácordo com umá determinádá contágem já reálizádá e que ná o foi átuálizádá áo finál dá contágem. Pá giná 27

30 AUDITORIA Todás ás informáço es no Bánco de Dádos possuem trilhás de áuditoriá e todás ás áço es de Incluir, Alterár, Excluir, Entrár e Sáir do Sistemá sá o ármázenádos. Aqui o usuá rio poderá ácompánhár quálquer áçá o executádá em umá dátá, ou sistemá ou contágem ou por um contádor ou usuá rio, combinándo os filtros. Pá giná 28

31 MANUTENÇÃO Mánutençá o REQUISITOS TÉCNICOS Os requisitos prioritá rios, ná o funcionáis, que forám considerádos párá o projeto de desenvolvimento dá ferrámentá, forám: á interoperábilidáde, á mánutenibilidáde e ácessibilidáde. Esses requisitos, emborá ná o estábeleçám os serviços á serem disponibilizádos pelá ferrámentá, orientárám á árquiteturá e tecnologiás ádotádás duránte o seu desenvolvimento. Assim, párá gárántir mánutenibilidáde, foi utilizádá á ábordágem de Sepáráçá o de Interesses (Sepárátion of Concerns ou SoC) duránte o desenvolvimento destá ferrámentá web. Está ábordágem consiste em sepárár os elementos de lo gicá, conteu do e ápresentáçá o, que sá o essenciáis em áplicáço es web. Párá gárántir interoperábilidáde, como já se trátá de áplicáçá o web, foi considerádá á configuráçá o iniciál de desenvolvimento com Microsoft Windows, IIS Server e MS SQL Server e C# podendo áindá ser customizádá em párá metros de instáláçá o párá outros servidores web compátíveis com á linguágem C#, e outros báncos de dádos como Orácle, Postgree ou MYSql. Visándo átender áo requisito de ácessibilidáde, o projeto dá interfáce foi desenvolvido sem necessidáde de co digo em JáváScript e procurándo sempre ápresentár de formá hármoniosá ás informáço es trátádás. O Sistemá foi desenvolvido com ás tecnologiás de desenvolvimento dá Microsoft,.Net Frámework 4.5, linguágem de prográmáçá o C#, Unity Contáiner, ASP.NET MVC 3 ná cámádá Web, Entity Frámework como ferrámentá de Mápeámento objeto Relácionál (ORM) párá persiste nciá em um bánco de dádos SQL Server Requisitos do Servidor Windows Server 2008 ou posterior (x86 ou x64); Microsoft.Net frámework 4.5 IIS 7.0 ou posterior SQL Server 2008 ou Posterior Bánco de Dádos O Bánco de dádos será criádo por scripts escritos em SQL. O Script contemplá á criáçá o do Bánco de dádos, Tábelás e triggers de áuditoriá. Pá giná 29

32 MANUTENÇÃO REQUISITOS FUNCIONAIS A seguir ápresentámos os diágrámás representándo os principáis requisitos funcionáis e umá breve descriçá o de cádá um e suá finálidáde dentro dá ferrámentá Meetriká. Pá giná 30

33 MANUTENÇÃO Pá giná 31

34 MANUTENÇÃO Pá giná 32

35 MANUTENÇÃO SEGURANÇA E AUDITORIA Todás ás informáço es no Bánco de Dádos possuem trilhás de áuditoriá e todás ás áço es de Incluir, Alterár, Excluir, Entrár e Sáir do Sistemá. No bánco sá o ármázenádos á Dátá e horá do evento, o evento, o usuá rio, umá flág representádo o sucesso ou fálhá do evento. MODELO DO BANCO DE DADOS Pá giná 33

36 MANUTENÇÃO CREATE DATABASE MetricáContágem_DB GO USE MetricáContágem_DB; GO CREATE TABLE Usuário ( Id int not null identity(1,1), Nome Várchár(100) not null, Login várchár(20) not null, Mátriculá Várchár(100) not null, Senhá Várchár(20) not null, Endereco Várchár(200) null, Telefone várchár(16) null, Emáil várchár(50) null, ); CONSTRAINT Usuário_PK PRIMARY KEY (Id) CREATE TABLE GrupoUsuário ( Id int not null identity(1,1), Descricáo Várchár(100) not null, ); CONSTRAINT GrupoUsuário_PK PRIMARY KEY(Id) CREATE TABLE UsuárioGrupo ( IdUsuário int not null, IdGrupo int not null, ); CONSTRAINT UsuárioGrupo_PK Primáry Key(IdUsuário, IdGrupo), CONSTRAINT Usuário_FK Foreign Key(IdUsuário) References Usuário(Id), CONSTRAINT Grupo_FK Foreign Key (IdGrupo) References GrupoUsuário(Id) CREATE TABLE Tecnologiá Pá giná 34

37 MANUTENÇÃO ( ); Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, HoráPF Decimál not null, CONSTRAINT Tecnologiá_PK PRIMARY KEY(Id) CREATE TABLE Metodologiá ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, ); CONSTRAINT Metodologiá_PK PRIMARY KEY(Id) CREATE TABLE FáseMetodologiá ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(5) not null, IdMetodologiá int not null, PercentuálFáseMetodo Decimál(18,2) null, CONSTRAINT FáseMetodologiá_PK PRIMARY KEY (Id), CONSTRAINT FáseMetodologiá_Metodologiá_FK FOREIGN KEY(IdMetodologiá) REFERENCES Metodologiá(Id) ); CREATE TABLE Sistemá ( Id Int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, Siglá várchár(10) null, DátáCádástro Dátetime not null, IdUsuárioCádástro int not null, IdTecnologiá int not null, IdMetodologiá int not null, CONSTRAINT Sistemá_PK PRIMARY KEY (Id), CONSTRAINT Tecnologiá_FK FOREIGN KEY (IdTecnologiá) REFERENCES Tecnologiá(Id), CONSTRAINT Sistemá_Metodologiá_FK FOREIGN KEY (IdMetodologiá) REFERENCES Metodologiá(Id) Pá giná 35

38 MANUTENÇÃO ); CREATE TABLE Funcionálidáde ( Id Int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, IdSistemá int not null, DátáCádástro Dátetime not null, IdUsuárioCádástro int not null, CONSTRAINT Funcionálidáde_PK PRIMARY KEY(Id), CONSTRAINT Funcionálidáde_Sistemá_FK FOREIGN KEY (IdSistemá) REFERENCES Sistemá(Id), ); CREATE TABLE FonteDádos ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, ); CONSTRAINT FonteDádos_PK PRIMARY KEY(Id) CREATE TABLE CámpoDádos ( Id int not null identity (1,1), Descricáo várchár(50) not null, IdFonteDádos int not null, CONSTRAINT CámpoDádos_PK PRIMARY KEY(Id), CONSTRAINT Cámpo_FonteDádos_FK FOREIGN KEY (IdFonteDádos) REFERENCES FonteDádos(Id) ); CREATE TABLE TipoProcesso( Id int not null identity (1,1), Descricáo várchár(50) not null, ); CONSTRAINT TipoProcesso_PK PRIMARY KEY(Id) INSERT INTO TipoProcesso(Descricáo) VALUES ('ALI'); INSERT INTO TipoProcesso(Descricáo) VALUES ('AIE'); Pá giná 36

39 MANUTENÇÃO INSERT INTO TipoProcesso(Descricáo) VALUES ('EE'); INSERT INTO TipoProcesso(Descricáo) VALUES ('SE'); INSERT INTO TipoProcesso(Descricáo) VALUES ('CE'); CREATE TABLE Processo ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, IdFuncionálidáde int not null, idtipo int not null, Complexidáde chár(1) null, DátáUltimáContágem DáteTime not null, IdUsuárioCádástro int not null, CONSTRAINT Processo_PK PRIMARY KEY(Id), CONSTRAINT Processo_Sistem_FK FOREIGN KEY(IdFuncionálidáde ) REFERENCES Funcionálidáde(Id), CONSTRAINT Processo_Tipo_FK FOREIGN KEY (IdTipo) REFERENCES TipoProcesso(Id), CONSTRAINT Processo_Usuário_FK FOREIGN KEY(IdUsuárioCádástro) REFERENCES Usuário(id) ); CREATE TABLE CámpoDádosProcesso ( IdProcesso int not null, IdCámpoDádos int not null, CONSTRAINT CámpoDádosProcesso_PK PRIMARY KEY (IdProcesso, IdCámpoDádos), CONSTRAINT Processo_FK FOREIGN KEY (IdProcesso) REFERENCES Processo(Id), CONSTRAINT CámpoDádos_FK FOREIGN KEY (IdCámpoDádos) REFERENCES CámpoDádos(Id) ); CREATE TABLE Fronteirá ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, IdSistemá int not null, IdFuncionálidáde int not null, IdProcesso int not null, CONSTRAINT Fronteirá_PK PRIMARY KEY (Id), Pá giná 37

40 MANUTENÇÃO CONSTRAINT Fronteirá_Sistemá_FK FOREIGN KEY(IdSistemá) REFERENCES Sistemá(Id), CONSTRAINT Fronteirá_Funcionálidáde FOREIGN KEY (IdFuncionálidáde) REFERENCES Funcionálidáde(Id), CONSTRAINT Fronteirá_Processo FOREIGN KEY (IdProcesso) REFERENCES Processo(Id) ); CREATE TABLE MetodoContágem ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50), ); CONSTRAINT MetodoContágem_PK PRIMARY KEY (Id) INSERT INTO MetodoContágem (Descricáo) VALUES ('Estimádá'); INSERT INTO MetodoContágem (Descricáo) VALUES ('Detálhádá'); INSERT INTO MetodoContágem (Descricáo) VALUES ('Indicátivá'); CREATE TABLE TipoContágem ( Id Int not null identity(1,1), Descricáo várchár(50) not null, ); CONSTRAINT TipoContágem_PK PRIMARY KEY(Id) INSERT INTO TipoContágem (Descricáo) VALUES ('Projeto de Desenvolvimento'); INSERT INTO TipoContágem (Descricáo) VALUES ('Projeto de Melhoriá'); INSERT INTO TipoContágem (Descricáo) VALUES ('Aplicáçá o'); CREATE TABLE Contágem ( Id int not null Identity(1,1), IdTipo int not null, IdFronteirá int not null, IdMetodo int not null, IdSistemá int not null, IdFáseMetodologiá int null, Pá giná 38

41 MANUTENÇÃO NumeroOS várchár(20) not null, IdUsuContádor int not null, DátáContágem DáteTime null, QtdTotálContágemBrutá bigint null, QtsTotálContágemLiq decimál(18,2) null, Proposito várchár(máx) null, Escopo várchár(máx) null, VersáoCPM várchár(10) null, Observácáo várchár(máx) null, DescricáoAlterácáo várchár(máx) null, Esforco int null, Prázo DáteTime null, CONSTRAINT Contágem_PK PRIMARY KEY (Id), CONSTRAINT ContágemTipo_FK FOREIGN KEY (IdTipo) REFERENCES TipoContágem(Id), CONSTRAINT ContágemFronteirá_FK FOREIGN KEY (IdFronteirá) REFERENCES Fronteirá(Id), CONSTRAINT Contágem_Metodo FOREIGN KEY (IdMetodo) REFERENCES MetodoContágem (Id), CONSTRAINT Contágem_Sistemá_FK FOREIGN KEY (IdSistemá) REFERENCES Sistemá (Id), CONSTRAINT Contágem_FáseMetodologiá_FK FOREIGN KEY (IdFáseMetodologiá) REFERENCES FáseMetodologiá(Id), CONSTRAINT ContágemUsuário_FK FOREIGN KEY (IdUsuContádor) REFERENCES Usuário(Id) ); CREATE TABLE IndicádorReferenciá ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(300) not null, Referenciá várchár(50) null, Tipo chár(2) not null, Válor decimál(18,2) not null, Regrá chár(2) null, ); CONSTRAINT IndicádorReferenciá_PK Primáry Key (id) CREATE TABLE ItensContágem ( Id int not null identity(1,1), IdProcesso int not null, IdContágem int not null, Quántidáde int null, VálorLiquido Decimál(18,0), Pá giná 39

42 MANUTENÇÃO IdIndicádorReferenciá int not null, CONSTRAINT ItensContágem_PK PRIMARY KEY (Id), CONSTRAINT ItensConátegem_Processo_FK FOREIGN KEY (IdProcesso) REFERENCES Processo(Id), CONSTRAINT ItensContágem_IndicádorReferenciá_FK FOREIGN KEY (IdIndicádorReferenciá) REFERENCES IndicádorReferenciá(Id), CONSTRAINT ItensContágem_Contágem_FK FOREIGN KEY( IdContágem) REFERENCES Contágem (Id) ); CREATE TABLE Agrupádor ( Id int not null identity(1,1), Descricáo várchár(10) not null, IdContágem int not null, CONSTRAINT Agrupádor_PK PRIMARY KEY (Id), CONSTRAINT Agrupádor_Contágem_FK FOREIGN KEY (IdContágem) REFERENCES Contágem(Id) ); CREATE TABLE AjustePádráo ( Id int not null identity(1,1), Válor Decimál(18,2), ) CONSTRAINT AjustePádráo_PK PRIMARY KEY (Id) INSERT INTO AjustePádráo (Válor) VALUES (1); Pá giná 40

43 INFORMAÇÕES DE CONTATO Informáço es de contáto Eficá ciá Orgánizáçá o Quádrá C3 Lote 14 Sálá 204/ Fax Pá giná 41

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3 Pá giná 1 Sumá rio 1. Recomendáço es iniciáis 3 1.1 Sobre o Internet Explorer 11 4 2. Ingressár no sistemá 5 3. Gerár provás impressás (PNI) 6 3.1

Leia mais

CLINICAGENDA - MANUAL VERSÃO 1.0.0.3. Manual de auxílio à utilização do sistema Clinicagenda.

CLINICAGENDA - MANUAL VERSÃO 1.0.0.3. Manual de auxílio à utilização do sistema Clinicagenda. VERSÃO 1.0.0.3 Manual de auxílio à utilização do sistema Clinicagenda. CLINICAGENDA - ÍNDICE I ndice Criar Um Novo Cadastro 1 Primeiro Passo 1 Segundo Passo 1 Primeiro Login 2 Introduça o 2 Tela Inicial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Aulas 08 e 09 Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Sistemas Levantamento de Necessidades Coleta de dados sobre as necessidades e oportunidades

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios Laboratório de Banco de Dados Exercicios Modelo conceitual segundo notação de Peter Chen cliente (1,1) realizacao (1,n) venda (0,n) produto (1,1) contem Modelo conceitual gerado pela CASE Dezign for Database

Leia mais

PostgreSQL Exemplo MDI

PostgreSQL Exemplo MDI PostgreSQL Exemplo MDI Nesta aula criaremos uma aplicação uma base de dados simples para cadastro de Clientes e Estados. Trabalharemos com o Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) PostgreSQL. E este

Leia mais

Replicação de servidores de banco de dados

Replicação de servidores de banco de dados Replicação de servidores de banco de dados Cresce cada vez mais dentro das organizações a necessidade de garantir a alta disponibilidade das informações. Como a base de dados de qualquer empresa é seu

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Sistema de Controle de Estoque

Sistema de Controle de Estoque FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIAS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM BANCO DE DADOS Professor: Olegário Correia Neto Alunos: Marcelo Gonçalves, Juliano Pirozelli, João Lucas Pecin,

Leia mais

LUMEWare 1.0 MANAUS 2009

LUMEWare 1.0 MANAUS 2009 LUMEWare 1.0 MANAUS 2009 Sumário Manual do Sistema...1 1 Apresentação...2 1.1 Breve Descrição...2 1.2 Características...2 2 Propósito do Documento...3 2.1 Introdução...3 3 Implantação...4 3.1 Banco de

Leia mais

1 R$ 50,00 R$ 50,00 reusable object-oriented software 2 Utilizando UML e padrões: uma

1 R$ 50,00 R$ 50,00 reusable object-oriented software 2 Utilizando UML e padrões: uma AUTOR: CESAR AUGUSTO TACLA CRIAÇÃO: 20/5/200 8:24 ÚLTIMA ALTERAÇÃO: 2/5/20 5: TRABALHO DE PADRÕES DE PROJETO ESPECIALIZAÇÃO JAVA 20 INSTRUÇÕES. O trabalho será feito aula a aula de acordo com a matéria

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Gerência de Sistemas de Informação Aula 04 Por que as empresas guardam dados? Para a obtenção de informações e, logo, conhecimento O conhecimento leva à tomada de decisões Dados

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 13/11/2009 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Passos para a instalação do SQL Server O MS SQL Server Conceitos relacionais Bancos de dados

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 17/01/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Introdução Transação Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento), formada por um conjunto de comando SQL, que tem por objetivo preservar a integridade e a consistência

Leia mais

Manual de Instalação do AP_Conta Windows

Manual de Instalação do AP_Conta Windows Manual de Instalação do AP_Conta Windows aplicativo off line para geração e envio de cobranças eletrônicas no padrão TISS CAPESESP ANS nº 324477 atualizado em 24/04/2012 AP_Conta Windows O AP_Conta Windows

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES BANCO DE DADOS GERENCIAL 1 AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES Integridade de domínio A integridade de domínio é a validade de entradas para uma coluna específica. É possível aplicar a integridade

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE CONCEITOS Cliente x Servidor. Cliente É um programa (software) executado

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS Exemplos de Scripts SQL (PostgreSQL) Pizzaria 1 2 Criação de BANCO DE DADOS CREATE DATABASE nome_do_banco; CREATE DATABASE pizzaria; Criação de TABELAS SOMENTE COM CHAVE PRIMÁRIA CREATE TABLE nome_da_tabela

Leia mais

Inclusão de Validação Biométrica

Inclusão de Validação Biométrica Inclusão de Validação Biométrica Ambiente : Planos de Saúde Data da publicação : 12/11/08 Data da revisão : 12/11/08 Versões : Protheus 8.11 Países : Brasil Sistemas operacionais : Windows Bancos de dados

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

MANUAL SISTEMA DE PEDIDOS DE MATERIAIS DO ALMOXARIFADO SUMÁRIO

MANUAL SISTEMA DE PEDIDOS DE MATERIAIS DO ALMOXARIFADO SUMÁRIO MANUAL SISTEMA DE PEDIDOS DE MATERIAIS DO ALMOXARIFADO SUMÁRIO 1 Login... 2 1.1 Primeiro Acesso... 2 2 Página Inicial... 4 2.1 Menu Superior... 4 2.2 Mensagem Personalizada... 5 3 Solicitando Material(is)...

Leia mais

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário 1. CONHECIMENTO 2. TECNOLOGIA 3. TEMPO INVESTIDO (PESSOAS) 4. PACIÊNCIA CONHECIMENTO Quando falamos de conhecimento, podemos

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Banco de Dados. PostgreSQL

Banco de Dados. PostgreSQL Banco de Dados PostgreSQL 2010 Banco de Dados PostgreSQL Banco de Dados II Equipe: Equipe Postgre Líder: Alexandre Strauss... 01 Aline Cássia Lima dos Santos... 02 Erik Machado... 09 Fernando Gomes Brandão...

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

ModusOne. ModusOne Setup. Version: 5.2

ModusOne. ModusOne Setup. Version: 5.2 ModusOne ModusOne Setup Version: 5.2 Written by: Product Documentation, R&D Date: February 2013 2012 Perceptive Software. All rights reserved ModusOne é uma marca registrada da Lexmark International Technology

Leia mais

Análise de Ponto de Função

Análise de Ponto de Função Complemento para o Curso Análise de Ponto de Função FUNÇÕES DO TIPO DADO O termo Arquivo não significa um arquivo do sistema operacional, como é comum na área de processamento de dados. Se refere a um

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

O serviço de Gateway Remoto é instalado em um computador, onde um ou diversos rádios móveis Hytera podem ser conectados via cabo USB e áudio.

O serviço de Gateway Remoto é instalado em um computador, onde um ou diversos rádios móveis Hytera podem ser conectados via cabo USB e áudio. Visão Geral O Gateway Remoto Hytracks tem por objetivo atuar como uma extensão do Servidor principal, visando atender regiões muito distantes do servidor através de um link IP. O serviço de Gateway Remoto

Leia mais

PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas)

PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas) PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas) DEPOIMENTO Temos o prazer de anunciar nossa primeira parceria internacional de treinamento e estamos muito satisfeitos em associar-nos à Antebellum, uma

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7.

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7. Instalando os Pré-Requisitos Os arquivos dos 'Pré-Requisitos' estão localizados na pasta Pré-Requisitos do CD HyTracks que você recebeu. Os arquivos também podem ser encontrados no servidor. (www.hytracks.com.br/pre-requisitos.zip).

Leia mais

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo DDS Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas SDS Superintendência

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Visual Studio > File > New Project > (Visual C#, Web) ASP.NET MVC 4 Web Application Name: MvcApplication11 Project Template: View Engine: Internet

Leia mais

ESUS SAMU V. 1.3 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO

ESUS SAMU V. 1.3 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO ESUS SAMU V. 1.3 - INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO O sistema Esus-SAMU, é o sistema que permite a regulação de solicitantes/pacientes, gravando históricos de procedimentos médicos tomados, veículos enviados

Leia mais

Criando Restrições em Tabelas

Criando Restrições em Tabelas Criando Restrições em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.br Material adaptado do Prof. Márcio Barros SGBD Considerados MySQL http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO SUMÁRIO Parte I Modelagem do Software Documento de Requisitos 1. Introdução 2. Descrição Geral do Sistema 3. Requisitos Funcionais 4. Requisitos

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Manual Candidato Edital Público. Manual de Utilização de Inscrição On-Line em Edital Público

Manual Candidato Edital Público. Manual de Utilização de Inscrição On-Line em Edital Público Manual de Utilização de Inscrição On-Line em Edital Público Última Atualização: 22/10/2013 1 Índice 1. Visão Geral...4 2. Incrição On-line em Edital Público...4 2.1 Visualizar cursos de Lato Sensu ou Stricto

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Histórico de Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão. Data Versão Descrição Autor Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 04/2015 1.0 Elaboração do manual. Márcia Regina Guiotti Bomfim José Romildo Andrade Página 2 de 45 Sumário SUMÁRIO... 3 1. OBJETIVO... 5 2. REFERÊNCIAS

Leia mais

Database and Applications. Criação, inserção de dados PHP+MySQL

Database and Applications. Criação, inserção de dados PHP+MySQL Criação, inserção de dados PHP+MySQL Prof. Doutor Félix Singo phpmyadmin É uma aplicação de fácil utilização que serve para controlar base de dados MySQL. Pode-se utilizar para criar, copiar, apagar, renomear

Leia mais

TUTORIAL PROCESSOS DE INSTALAÇÃO DO MYMIX MOBILE

TUTORIAL PROCESSOS DE INSTALAÇÃO DO MYMIX MOBILE Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Configurar computador para o IIS... 3 3. Configurar o serviço do IIS (Servidor Web)... 5 4. Instalar mymix Mobile no Coletor... 7 5. Configurar

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL Este tutorial tem como objetivo mostrar como instalar o banco de dados My SQL em ambiente Windows e é destinado aqueles que ainda não tiveram um contato com a ferramenta.

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA O Sistema Caça-Talentos tem o objetivo de aprimorar o negócio e fornecer um controle informatizado dos processos de captação dos alunos. Ele possui

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Auxílio Estudantil Fase de análise

Auxílio Estudantil Fase de análise UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ASSESSORIA DE AUXÍLIO ESTUDANTIL PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Auxílio Estudantil Fase de análise

Leia mais

BANCO DE DADOS. Vinícius Pádua

BANCO DE DADOS. Vinícius Pádua BANCO DE DADOS O que é Banco de Dados? Introdução Para que serve um arquivo? Salvar, atualizar, recuperar,... Aplicativos e Arquivos Utilizam para salvar os dados mesmo após o programa fechar Estrutura

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

Como já foi muito bem detalhado no Capítulo IV, o jcompany Developer Suite pode ser

Como já foi muito bem detalhado no Capítulo IV, o jcompany Developer Suite pode ser A1Criando um módulo de negócio Capítulo 27 Aplicação dividida em módulos - Introdução Como já foi muito bem detalhado no Capítulo IV, o jcompany Developer Suite pode ser compreendido como uma solução de

Leia mais

MAN001 Atualização Protocolo e Ação Social Versão 2 Cliente: Duralex Sistemas

MAN001 Atualização Protocolo e Ação Social Versão 2 Cliente: Duralex Sistemas MAN001 Atualização Protocolo e Ação Social Versão 2 Autor Data Versão Boby Mayky 18/06/2014 1.0 Diego Hordi 18/06/2014 1.1 1. Objetivo O objetivo deste manual é apresentar as rotinas necessárias para atualização

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

Contabilização de Pontos de Função

Contabilização de Pontos de Função Contabilização de Pontos de Função Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com A técnica de Pontos de Função consiste em uma métrica para estimar tamanho

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Manual de Instalação Relat4 Versão 1.1

Manual de Instalação Relat4 Versão 1.1 Manual de Instalação Relat4 Versão 1.1 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. BASE DE DADOS... 3 3. Crystal Report... 4 4. Site... 4 5. Serviço... 10 2 1. INTRODUÇÃO A instalação do Relat4 consiste em quatro

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE III Banco de Dados Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceito de Banco de Dados. Problemas com Banco de Dados. Modelos de Relacionamento de um Banco de Dados. SGDB

Leia mais

Persistindo dados com TopLink no NetBeans

Persistindo dados com TopLink no NetBeans Persistindo dados com TopLink no NetBeans O que é TopLink? O TopLink é uma ferramenta de mapeamento objeto/relacional para Java. Ela transforma os dados tabulares de um banco de dados em um grafo de objetos

Leia mais

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd Implementação de Banco de Dados Cassio Diego cassiodiego.com/bd 1 Conteúdo: Aula 3 UNIDADE 2: LINGUAGEM SQL 1. Linguagens de Definição de Dados (DDL) 1.1. Criação de tabela: CREATE 1.2. Alteração de Tabela:

Leia mais

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD

ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO. Análise de Pontos de Função (APF) Análise de Pontos de Função (APF) @ribeirord @RIBEIRORD ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO @RIBEIRORD Análise de Pontos de Função (APF) É uma técnica de medição das funcionalidades fornecidas por um software do ponto de vista de seus usuários. Ponto de função (PF)

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais