Capítulo 5. Estudo de campo. Utilização de vídeo digital no trabalho laboratorial em ensino da Química: uma experiência no 12º ano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 5. Estudo de campo. Utilização de vídeo digital no trabalho laboratorial em ensino da Química: uma experiência no 12º ano"

Transcrição

1 Capítulo 5 Estudo de campo 73

2 74

3 5. Estudo de campo 5.1 Instrumento de recolha de dados Como método de recolha e avaliação de dados optou-se por utilizar inquéritos por questionários. Uma das grandes características deste tipo de inquérito é o facto do investigador e o(s) inquirido(s) não interagirem em situação presencial (Carmo e Ferreira, 1998). O questionário é um meio útil e eficaz para recolher informação num intervalo de tempo relativamente curto (Ricardo Arturo, 2001). Um questionário é um instrumento que visa obter informações da população em estudo de uma maneira sistemática e ordenada (Tomás García, 2003). Para tal, coloca-se uma série de questões que abrangem um tema de interesse para os investigadores, não havendo interacção directa entre estes e os inquiridos (como foi referido atrás). Sempre que um investigador elabora e administra um inquérito por questionário, e não esquecendo a interacção indirecta que existe entre ele e os inquiridos, verifica-se que a linguagem e o tom das questões que constituem esse mesmo questionário, são de elevada importância. Assim, é necessário ser cuidadoso na forma como se formula as questões, bem como na apresentação do questionário (...). Segundo Ricardo Arturo (2001) construir um questionário válido não é uma tarefa fácil; implica controlar uma série de variáveis. Na elaboração de um questionário é importante, antes de mais, ter em conta as habilitações do público-alvo a quem ele vai ser administrado. É de salientar que o conjunto de questões deve ser muito bem organizado e conter uma forma lógica para quem a ele responde, evitando-as irrelevantes, insensíveis, intrusivas, desinteressantes, com uma estrutura (ou formato) demasiado confusos e complexos, ou ainda questões demasiado longas. Deve, o investigador, ter o cuidado de não utilizar questões ambíguas que possam, por isso, ter mais do que um significado, que por sua vez, levem a ter diferentes interpretações. Não deve incluir duas questões numa só (doublebarrelled questions), pois pode levar a respostas induzidas ou nem sempre relevantes, além de não ser possível determinar qual das questões foi respondida, aquando o tratamento da informação. O investigador deve ainda evitar questões baseadas em pressuposições, pois parte-se do princípio que o inquirido encaixa numa determinada categoria e procura informação baseada nesse pressuposto. É também necessário redobrar a atenção ao formular questões de natureza pessoal, ou que abordem assuntos delicados ou incómodos para o inquirido. As questões devem ser reduzidas e adequadas à pesquisa em causa. Assim, elas devem ser desenvolvidas tendo em conta três princípios básico: o Princípio da clareza (devem ser claras, concisas e unívocas), Princípio da Coerência (devem corresponder à intenção da própria pergunta) e Princípio da neutralidade (não devem induzir uma dada 75

4 resposta mas sim libertar o inquirido do referencial de juízos de valor ou do preconceito do próprio autor). Tipos de questões Relativamente aos tipo de questões existem dois tipos: as questões de resposta aberta e as de resposta fechada. As questões de resposta aberta permitem ao inquirido construir a resposta com as suas próprias palavras, permitindo deste modo uma liberdade de expressão. As questões de resposta fechada são aquelas nas quais o inquirido apenas selecciona a opção (de entre as apresentadas), que mais se adequa à sua opinião (Ricardo Arturo, 2001). Ao administrar o questionário, o investigador selecciona o tipo de questão a apresentar de acordo com o fim para o qual a informação é usada, as características da população em estudo e o método escolhido para divulgar os resultados, tendo em conta as vantagens e desvantagens de cada tipo de questões tabela 5.1. Tabela Vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de questões. TIPO DE QUESTÕES Resposta aberta Resposta fechada VANTAGENS Favorece o pensamento livre e a originalidade; Aparecem respostas mais variadas; Respostas mais representativas e fiéis da opinião do inquirido; O inquirido concentra-se mais sobre a questão; Vantajoso para o investigador, pois permite-lhe recolher variada informação sobre o tema em questão. Rapidez e facilidade de resposta; Maior uniformidade, rapidez e simplificação na análise das respostas; Facilita a categorização das DESVANTAGENS Dificuldade em organizar e categorizar as respostas; Requer mais tempo para responder às questões; Muitas vezes a caligrafia é ilegível; Em caso de baixo nível de instrução dos inquiridos, as respostas podem não representar a opinião real do próprio. Dificuldade em elaborar as respostas possíveis a uma determinada questão; Não estimula a originalidade e a variedade de resposta; Não preza uma elevada concentração do 76

5 respostas para posterior análise; Permite contextualizar melhor a questão. inquirido sobre o assunto em questão; O inquirido pode optar por uma resposta que se aproxima mais da sua opinião não sendo esta uma representação fiel da realidade. Tipos de questionários Existem três tipos de questionários: questionário aberto, fechado e misto (Ricardo Arturo, 2001); (Tomás García, 2003). O questionário do tipo aberto é aquele que utiliza questões de resposta aberta. Este tipo de questionário proporciona respostas de maior profundidade, ou seja dá ao sujeito uma maior liberdade de resposta, podendo esta ser redigida pelo próprio. No entanto a interpretação e o resumo deste tipo de questionário é mais difícil dado que se pode obter um variado tipo de respostas, dependendo da pessoa que responde ao questionário. O questionário do tipo fechado tem na sua construção questões de resposta fechada, permitindo obter respostas que possibilitam a comparação com outros instrumentos de recolha de dados. Este tipo de questionário facilita o tratamento e análise da informação, exigindo menos tempo. Por outro lado a aplicação deste tipo de questionários pode não ser vantajoso, pois facilita a resposta para um sujeito que não saberia ou que poderia ter dificuldade acrescida em responder a uma determinada questão. Os questionários do tipo fechado são bastante objectivos e requerem um menor esforço por parte dos sujeitos aos quais é aplicado. O outro tipo de questionário que pode ser aplicado, é de tipo misto, que tal como o nome indica apresenta questões de resposta aberta e de resposta fechada. Como construir um questionário A construção de um inquérito por questionário (mais uma vez não esquecendo a interacção indirecta existente entre o investigador e o inquirido), e tendo em conta o facto de aquele, muitas vezes, se resumir a uma ou mais folhas de papel, deve obedecer aos seguintes critérios fundamentais: clareza e rigor na apresentação, bem como comodidade/agrado para o inquirido. Deste modo, o investigador deve ter em consideração, e como ponto de partida, o tema em estudo, o qual deve ser apresentado de uma forma clara e simplista, assim como a disposição gráfica do questionário, qualidade e cor do papel, que devem ser, também eles, adequados ao público-alvo. A saber, o investigador deve ter o cuidado de 77

6 não utilizar, por exemplo, tabelas, ou quadros ou algum tipo de gráfico, quando o público-alvo não está familiarizado com esse tipo de informação. Deve ainda, o investigador, reduzir o número de folhas constituintes do questionário, tanto quanto possível, uma vez que este facto pode, eventualmente, provocar algum tipo de reacção prévia negativa por parte do inquirido. Antes de administrar o questionário, o investigador deve proceder a uma revisão gráfica pormenorizada daquele, de modo a evitar erros ortográficos, gramaticais ou de sintaxe, que tanto pode provocar erros ou induções nas respostas dos inquiridos, como pode fazer baixar a credibilidade do questionário por parte destes. Resumidamente, um questionário deve possuir as características referidas na tabela 5.2 (Ricardo Arturo, 2001); (Carmo e Ferreira, 1998). Tabela 5.2 Características que um inquérito por questionário deve possuir. Características de um questionário Quanto às questões Quanto ao questionário Questões em número reduzido Tanto quanto possível fechadas Compreensíveis para os inquiridos Não ambíguas Abrangerem todos os pontos a questionar Evitar questões indiscretas Clareza Rigor na apresentação Boa apresentação Tema deve ser abordado de forma clara e simplista Qualidade e cor do papel adequados ao público-alvo Utilizar gráficos e/ou tabelas de acordo com o público-alvo Reduzido número de folhas Indicar o tema a que se refere o questionário As instruções de preenchimento devem ser claras e completas Prevenção das não-respostas Um dos problemas dos inquéritos por questionário é a elevada taxa de não respostas, que pode estar associada a vários factores condicionantes: 78

7 - natureza da pesquisa: se a pesquisa tem uma natureza em que a sua utilidade seja evidente para o inquirido, a taxa de respostas tende a aumentar; - tipo de inquirido: os inquiridos com maior nível de habilitações académicas tendem a responder com mais frequência; -sistema de perguntas: quanto mais simples for o sistema de perguntas quer em matéria de objectividade quer de clareza, maior é a possibilidade de aumentar a taxa de respostas; - instruções claras e acessíveis: prendendo-se à variável anterior, quanto mais fáceis e claras forem as instruções de preenchimento, mais êxito se prevê no número de respostas; instruções demasiado complicadas e longas constituem um excelente dissuador de colaboração. -estratégias de reforço: cartas de anúncio do lançamento do inquérito, cartas de legitimação da sua utilidade social ou científica feitas por entidades credíveis e cartas aos não respondentes dando-lhes uma segunda oportunidade para o fazerem, são estratégias de reforço que normalmente aumentam a taxa de respostas (Carmo e Ferreira, 1998). Vantagens e desvantagens de um inquérito por questionário A escolha do questionário como instrumento de inquisição a um determinado número de pessoas apresenta vantagens e desvantagens relativas à sua aplicação. A aplicação de um inquérito por questionário possibilita uma maior sistematização dos resultados fornecidos, permite uma maior facilidade de análise bem como reduz o tempo que é necessário despender para recolher e analisar os dados. Este método de inquirir apresenta ainda vantagens relacionadas com o custo, sendo este menor. Se por um lado a aplicação de questionários é vantajosa, esta aplicação apresenta também desvantagens ao nível da dificuldade de concepção, pois é necessário ter em conta vários parâmetros tais como: a quem se vai aplicar, o tipo de questões a incluir, o tipo de respostas que se pretende e o tema abordado. Os questionários fornecem respostas escritas a questões previamente fornecidas e como tal existe uma elevada taxa de não respostas. Esta dependerá da clareza das perguntas, natureza das pesquisas e das habilitações literárias dos inquiridos. Relativamente à natureza da pesquisa verifica-se que se aquela não for de utilidade para o indivíduo, a taxa de não - resposta aumentará. Na tabela 5.3 sistematizam-se as vantagens e desvantagens de um inquérito por questionário. Tabela 5.3 Vantagens e desvantagens de um inquérito por questionário. Vantagens Desvantagens Maior sistematização dos resultados Dificuldade de concepção 79

8 Facilidade de análise Redução do tempo necessário para análise e tratamento Menos dispendiosos Taxa de não respostas elevada Dificuldades na compreensão da caligrafia As respostas podem ter várias interpretações quando analisadas por pessoas diferentes Atingir um grande número de pessoas Respostas podem ser pouco claras ou incompletas Como método de recolha e avaliação de dados optou-se por utilizar os inquéritos por questionários (ver anexos I, II, III, IV, VIII). A construção dos inquéritos aplicados no grupo em estudo foi realizada nos meses de Dezembro e Janeiro. O questionário foi aplicado durante o mês de Fevereiro, data em que estava planificada pela professora das turmas a actividade laboratorial Um Ciclo do Cobre. A construção de um inquérito por questionário, tal como já foi referido anteriormente, é uma tarefa difícil e por vezes morosa, pois devem ter-se em conta uma grande variedade de parâmetros, os quais implicam alguma destreza e experiência por parte de quem os formula. Os questionários tiveram uma primeira versão e foram avaliados por um pequeno painel de três professores de Ciências Físico - Químicas tendo sofrido ligeiras modificações. Para tornar possível esta investigação, contou-se com o total apoio e disponibilidade dos alunos do 12º ano da Escola Secundária da Trofa e da respectiva professora. A colega que auxiliou este estudo foi contactada em Dezembro para que fossem calendarizadas as actividades para uma altura em que fosse conveniente para todos. Foi também necessário informar o Conselho Executivo da escola sobre os objectivos deste trabalho de investigação, para que autorizasse a entrada da investigadora. 5.2 Caracterização da amostra Os alunos que participaram neste investigação pertenciam a duas turmas do 12º ano de escolaridade, constituindo, deste modo, um grupo de trabalho de 40 elementos. No início desta investigação foi entregue aos alunos um questionário para que pudessemos caracterizar a amostra ver anexo I. Segue-se uma análise a este questionário. A maioria dos alunos possuía 17 anos e era do sexo feminino - ver tabela 5.4. Nesta amostra existiam 5 alunos repetentes e uma aluna de origem Venezuelana que não se encontrava inscrita na disciplina, mas frequentava as aulas. 80

9 Tabela 5.4 Informação relativa à idade e ao sexo dos alunos constituintes da amostra em estudo. Idade Não Total Sexo responderam Feminino Masculino Total Relativamente à realização de experiências nas aulas de Química, 97% dos inquiridos respondeu que costumam realizar, sendo os 3% relativos a inquiridos que não responderam à questão (gráfico 5.1). 0% 3% 97% Sim Não Não respondeu Gráfico 5.1 Resultados relativos à questão: Costuma realizar experiências nas aulas de Química? A totalidade dos alunos inquiridos gosta de trabalhar no laboratório e com o computador. Relativamente à questão: No seu dia-a-dia, costuma utilizar o computador?, 60% dos inquiridos respondeu todos os dias, 35% respondeu 2 a 3 vezes por semana sendo a restante percentagem (5%) referente a 1 vez por semana (gráfico 5.2). 81

10 0% 5% 35% 60% Nunca 1 vez por mês 1 vez por semana 2 a 3 vezes por semana Todos os dias Gráfico 5.2 Frequência na utilização do computador no dia-a-dia. Todos os alunos costumam utilizar o computador para realizar trabalhos para a escola (relatórios, pesquisas, etc). No que diz respeito à questão: Costuma utilizar o computador na escola?, 52% dos inquiridos respondeu sim e 48% não (gráfico 5.3). 48% 52% Usa o computador na escola Não usa o computador na escola Gráfico 5.3 Utilização do computador na escola. A última questão do questionário foi inserida neste estudo para averiguar o que os alunos consideram mais e menos importante no que se refere à Química. As opções de resposta eram as seguintes: A- Aprender Química de uma forma teórica. B- Aprender Química realizando experiências. C- Ter a melhor nota possível para entrar na universidade. 82

11 D- Conhecer melhor o mundo, através da ciência. E- Prazer em aprender. Os alunos tinham de atribuir pontuação de 1 (menos importante) a 5 (mais importante) a cada opção de resposta. Na tabela 5.5 constam a soma dos valores atribuidos a cada opção de resposta por grupo e o total sugere-nos o mais e o menos importante, em geral, na opinião dos alunos inquiridos. Tabela 5.5 O que é mais e menos importante para os alunos da nossa amostra. Respostas Grupos A B C D E A B C D TOTAL Apesar das cotações estarem relativamente equilibradas, pode-se afirmar que o mais importante para os alunos é ter a melhor nota possível para entrar na universidade, sendo o menos importante o prazer em aprender. Relativamente à totalidade do questionário relativo à caracterização da turma e de um modo geral, pode-se afirmar que: a) os alunos costumam realizar experiências nas aulas de Química; b) todos os alunos gostam de trabalhar no laboratório; c) todos os alunos gostam de utilizar o computador; d) todos os alunos costumam utilizar o computador para realizar trabalhos para a escola (relatórios, pesquisas, etc); e) 52% dos alunos costuma utilizar o computador na escola; f) 60 % dos alunos utiliza o computador todos os dias e 35% dos alunos utiliza-o 2 a 3 vezes por semana. g) o mais importante para os alunos é ter a melhor nota possível para entrar na universidade, sendo o menos importante o prazer em aprender. 5.3 Descrição do estudo Começámos o nosso trabalho pela análise detalhada do programa do 12º ano de Química, fornecido pelo Ministério da Educação (M. E., 2004). Desta forma, foi possível verificar quais as 83

12 competências essenciais, os temas organizadores e a avaliação para o 12º ano. Antes de se proceder à elaboração de todo o material para o presente estudo, foi necessário fazer a pesquisa sobre os conceitos científicos envolvidos e já referidos no capítulo 2.3. De seguida, e após as filmagens das actividades laboratoriais, os vídeos foram colocados online e cuidadosamente estudados para que não existissem quaisquer erros. O vídeo utilizado para a execução desta investigação foi o de Um ciclo do cobre que está disponível na página da Internet Para tal, foi necessário recorrer a um programador que colocou o vídeo online, associando-lhe recursos adicionais o que permitiu que facilmente se tivesse acesso ao vídeo para sucessivas interacções e correcções. Posteriormente, passou-se à elaboração dos testes (pré e pós ver anexos II e III) que foram aplicados de acordo com a tabela 5.6. O impacto do conjunto de módulos digitais no processo de ensino-aprendizagem, foi avaliado através da análise das respostas dadas nos inquéritos. Esta investigação foi realizada utilizando recursos variados: equipamento de filmagem, o vídeo da experiência Um Ciclo do Cobre, um computador, inquéritos, duas turmas de 12º ano da Escola Secundária da Trofa e respectiva professora e laboratórios de Química (da faculdade e da escola onde foi efectuada a investigação). Relativamente à população em estudo, pode-se considerar o tipo de amostra como de conveniência, pois foram utilizadas as duas únicas turmas de 12º ano da docente que colaborou nesta investigação. Isto faz deste estudo uma investigação quase-experimental (Kerlinger, 1980), seguindo o seguinte esquema: X O 1 X O 2 onde X representa a aplicação de uma metodologia de ensino, O 1 representa o pré-teste e O 2 o pósteste. Optou-se por antecipar o momento 1 (utilização de uma metodologia de ensino) em vez da aplicação inicial do pré-teste pois este possui questões muito específicas da matéria que envolve a actividade laboratorial e sem aquirirem alguns conhecimentos prévios, os alunos não seriam capazes de responder ao teste. As duas turmas foram divididas em quatro grupos (A, B, C e D), sendo cada um deles constituído pelos alunos que pertenciam a cada turno já estipulado, desde o início do ano. Outro modo de constituir os grupos não seria possível devido a vários motivos: qualquer alteração realizada iria interferir com o horário da professora da turma, bem como do professor de Biologia com o qual dividiam os turnos, sendo que o mais importante era tentar não alterar os horários dos alunos para não os prejudicar num ano tão decisivo como o 12ºano. Cada grupo tinha uma orientação diferente na investigação, de acordo com a seguinte organização - tabela

13 Tabela 5.6 Organização do percurso que cada grupo seguiu para a realização da investigação. Grupos Momentos 1º A B C D Actividade Actividade Fundamentação Vídeo laboratorial laboratorial teórica 2º Pré-teste Pré-teste Pré-teste Pré-teste 3º Vídeo Fundamentação teórica Vídeo Fundamentação teórica 4º Pós-teste Pós-teste Pós-teste Pós-teste 5º * Fundamentação teórica Vídeo Actividade laboratorial Actividade laboratorial *Este momento não tem qualquer importância em termos de resultados da investigação, apenas foi introduzido por questões de ética, nomeadamente para não privar os alunos do grupo C da actividade laboratorial que é de carácter obrigatório. A aplicação na escola teve a duração de cerca de três aulas para cada grupo de trabalho. Houve, então, três tipos de aulas diferentes: a fundamentação teórica, a actividade laboratorial e a visualização do vídeo, cuja descrição se encontra em baixo: - Fundamentação teórica: A docente informou os alunos que iriam estudar a actividade laboratorial do Ciclo do Cobre e explicou que era um ciclo pois se partia de cobre e obtinha-se novamente cobre no final. Seguiu-se uma breve descrição de algumas características do cobre, bem como dos metais de transição, de um modo geral. Após esta introdução, a docente escreveu as equações químicas envolvidas neste ciclo e acertou-as com os alunos, explicando passo a passo para que é que se adicionavam os reagentes - ver anexo VI. Além disso, também explicou como se calcula o rendimento, demonstrando que a estequiometria de todas as reacções é 1:1. No final, a docente chamou a atenção de algumas alterações a efectuar ao procedimento. As imagens da figura 5.1 foram capturadas durante a aula de fundamentação teórica. 85

14 Figura 5.1 Aula de fundamentação teórica. - Actividade laboratorial: No início da aula a docente chamou a atenção (para os grupos que não tinham assistido à fundamentação teórica) das alterações necessárias ao protocolo. Alguns alunos realizaram, tal como era costume, um diagrama com os passos relativos à actividade laboratorial e colocaram algumas dúvidas. De seguida vestiram as batas e colocaram as protecções adequadas à realização da actividade. De um modo geral, os alunos mostravam bastante preocupação pelas regras de segurança. Durante a aula a docente ía chamando a atenção dos alunos para pormenores importantes (como a realização de algumas reacções na hotte) e prestando apoio aos grupos figura 5.2. Figura 5.2 Aula de actividade Laboratorial. 86

15 - Vídeo: a docente informou os alunos que iriam visualizar o vídeo relativo à actividade laboratorial Um Ciclo do Cobre e colocou o DVD no computador. Na figura 5.3 vê-se os alunos a observarem o vídeo ver anexo XVI. Figura 5.3 Aula da visualização do vídeo. Os pré e pós testes eram realizados nos momentos indicados na tabela 5.6 e tinham a duração de cerca de 15 minutos. A investigadora informava que iriam realizar o teste (tanto no pré como no pós testes), pedindo a colaboração dos alunos para que fossem sinceros nas respostas e os preenchessem individualmente. De seguida distribuía os testes figura 5.4. Figura 5.4 Realização do pré-teste e do pós-teste. 87

16 A investigadora teve uma postura de observadora na actividade laboratorial, na visualização do vídeo e na fundamentação teórica, excepto na aplicação do pré e pós testes, em que deu algumas recomendações antes do início dos testes. No final da investigação foi pedida autorização aos alunos, por escrito, para que se pudessem utilizar as fotografias destes em fins educativos e investigativos. Anexo XIII. 5.4 Resultados Tratamento quantitativo Os ganhos na aprendizagem foram tratados estatisticamente de acordo com as sugestões de Glass e Hopkins (1984), minimizando o efeito da regressão para a média, fenómeno caracterizado pela tendência de alunos com notas baixas num pré-teste a subirem-nas no pós-teste e de alunos com notas altas no pré-teste tenderem a subirem menos que os alunos mais fracos no pós-teste (glass e Hopkins, 1984; Cohen e Manion, 1994; Trochim, 2002). Medir ganhos de aprendizagem exclusivamente através da diferença entre as notas de um pré-teste e de um pós-teste, sendo útil, pode não ser o melhor, dado que exclui a sensibilidade a este fenómeno. Glass e Hopkins propõem um processo que consiste em utilizar a recta de regressão, obtida a partir da representação dos valores do pós-teste (eixo das ordenadas) em função do pré-teste (eixo das abcissas), para se calcular o valor previsto para o pós-teste ver anexo XV. Os valores dos ganhos de aprendizagem são, então, calculados a partir da diferença entre os valores do pós-teste e o valor previsto (a partir da equação da recta de regressão), técnica usada, por exemplo, por Camili e Bulkley (2001) e Pacheco (2001). Genericamente, podem considerar-se as seguintes etapas para este tratamento dos dados: 1- Quantificação do pré e pós-teste. 2- Representação dos valores do pós-teste ( eixo dos yy ) em função dos valores do pré-teste ( eixo dos xx ). 3- Obtenção da equação de regressão linear (do tipo y = m x + b, sendo m o declive da recta e b a ordenada na origem) a partir dos pares de valores anteriores. 4- Cálculo dos valores individuais previstos (y) no pós-teste a partir da equação anterior: y = m x + b, onde x é o valor do pré-teste de cada aluno. 5- Cálculo dos valores dos ganhos residuais (GR) individuais: diferença entre o valor do pós-teste e o valor previsto. 6- Cálculo dos valores dos ganhos residuais corrigidos (GRC) individuais: a cada GR foi somado o valor absoluto do menor ganho, de modo a não haver valores 88

17 negativos. 7- Cálculo do valor do ganho residual corrigido médio, GRCM, para cada grupo. 8-Aplicação de um teste t de Student para verificar ou não a existência de diferenças estatisticamente significativas entre os GRCM dos dois grupos. De acordo com as etapas referidas anteriormente, temos: - Etapa 1 - Quantificação do pré e pós-teste Efectuou-se uma quantificação dos resultados dos pré e pós-testes obtidos pelos alunos nos quatro grupos ver anexo XIV. - Etapa 2 - Representação gráfica dos valores do pós-teste ( eixo dos yy ) em função dos valores do pré-teste ( eixo dos xx ) efectuadas para cada grupo nos gráfico 5.4, 5.5, 5.6 e 5.7. Os gráficos encontram-se no anexo XV. - Etapa 3 - Obtenção da equação de regressão linear (do tipo y = m x + b, sendo m o declive da recta e b a ordenada na origem) a partir dos pares de valores anteriores. De seguida apresenta-se a tabela 5.7 com as equações obtidas através dos gráficos anteriormente apresentados. Tabela 5.7 Equações das rectas, ajustadas por regressão linear, obtidas para cada grupo. Grupo Equação de regressão linear A y = -0,0414x + 66,529 B y = 0,3277x + 59,689 C y = 0,3591x + 33,298 D y = 0,2927x + 50,32 - Etapa 4 - Cálculo dos valores individuais previstos (y) no pós-teste a partir da equação anterior: y = m x + b, onde x é o valor do pré-teste de cada aluno. A partir das equações de regressão anteriores por substituição de x pelo valor do pré-teste, calcularam-se os valores previstos no pós-teste para cada um dos alunos ver anexo XVI. - Etapa 5 - Cálculo dos valores dos ganhos residuais (GR) individuais: diferença entre o valor do pós-teste e o valor previsto. Estes valores foram determinados e tabelados no anexo XV. 89

18 - Etapa 6 - Ao GR de cada aluno foi adicionado o valor absoluto do menor ganho (que, como é óbvio, difere para cada um dos grupos) para eliminar os valores negativos, obtendo-se desta forma os ganhos residuais corrigidos GRC ver anexo XVI. - Etapa 7 - Por último, calculou-se o valor do ganho residual corrigido médio GRCM para cada grupo ver anexo XVI. Estes valores, de GRCM, estão tabelados por grupo na tabela 5.8. Tabela 5.8- Valores do ganho residual corrigido médio para cada grupo. Grupo Ganho residual corrigido médio A 26,0 B 26,6 C 19,8 D 21, Inquérito de opinião Os alunos responderam também a um conjunto de questões abertas, essencialmente sobre os recursos digitais ver o anexo XI. Relativamente à questão 1: Acha que o filme sobre a experiência do Ciclo do Cobre o ajudou a compreender melhor os conceitos envolvidos? Justifique., 92% dos inquiridos responderam que Sim. As justificações foram variadas, tal como constam alguns exemplos na tabela 5.9. Tabela 5.9 Categorização das respostas dadas nos inquéritos de opinião questão 1. Categorização Exemplos Esclarecimento de dúvidas Clareza Conhecimento... pois através de um procedimento escrito é mais complicado de imaginarmos a experiência... porque foi realizado de uma maneira clara e perceptível Porque mostra de uma forma mais clara a experiência, e vendo de forma mais precisa os passos.... o facto de termos assistido ao filme permitiu uma visualização global de todo o processo, ajudando na aquisição de conhecimentos. 90

19 Relativamente à questão 2: Qual a sua opinião relativamente ao uso de tecnologias (computador, Internet) nas aulas, por parte dos seus professores?, 92% das respostas dos inquiridos foram favoráveis à utilização de tecnologias na sala de aula. As justificações foram variadas, tal como constam alguns exemplos na tabela Tabela Categorização das respostas dadas nos inquéritos de opinião questão 2. Categorização Exemplos Falta de meios Monotonia Compreensão Motivação...permite que vejamos as experiências que não podemos realizar nas aulas, devido à falta de meios....assim as aulas correm melhor e não são tão monótonas O seu uso é benéfico para a compreensão dos conteúdos.... permite uma melhor compreensão das aulas e é um modo de cativar a atenção dos alunos.... é mais fácil perceber e memorizar a matéria....permite que as aulas se tornem mais dinâmicas e atractivas. Uma vez que são instrumentos relativamente recentes e que nós gostamos, acho que se torna uma maneira de incentivar e aliciar os alunos às aulas, melhorando assim, a opinião de cada um acerca da escola. Relativamente à questão 3: Para si, esta actividade de complemento laboratorial envolvendo o vídeo, valeu a pena? Explique em que medida., 95% das respostas dos inquiridos foram favoráveis à utilização do vídeo como forma de complemento da actividade laboratorial. As justificações foram variadas, tal como constam alguns exemplos na tabela Tabela Categorização das respostas dadas nos inquéritos de opinião questão 3. Categorização Exemplos Síntese Esclarecimento de dúvidas... para uma síntese de ideias.... e tirar eventuais dúvidas com a observação do video.... permitiu-nos corrigir eventuais erros que cometemos 91

20 na nossa actividade experimental. Melhor compreesão do trabalho. Os alunos ainda são inexperientes nas técnicas laboratoriais, pelo que ver a realização da actividade ajuda na sua compreensão tanto a nível teórico, como prática. A questão pedia sugestões para melhorar o recurso digital com o vídeo Ciclo de cobre. As sugestões foram variadas, tal como constam alguns exemplos na tabela Tabela Respostas dadas nos inquéritos de opinião questão 4. Exemplos Gostei muito do modo como nos foi transmitido, achei que estava muito bem elaborado. Penso que o recurso digital foi bem conseguido e através dele é transmitida aos espectadores toda a actividade com total clareza. Ao nível da imagem deveria poder-se ver em ecrã inteiro, as explicações da experiências deveriam estar num tom mais alto para que se possa ouvir melhor e a música de fundo, na minha opinião, não era necessária. Acho que tornaria o vídeo mais interessante se tivesse mais movimento (por exemplo ao nível sonoro) e se tentasse mais interacção com os espectadores. Criar um site na Internet, onde ele pode ser visualizado ou mesmo ser feito o download. Ou anexar, o vídeo ao site da Universidade na área correspondente. Está muito bem elaborado, na minha opinião não há falhas. Penso que o video tinha uma qualidade muito boa e que a experiência foi muito bem realizada e explicada. Por isso não tenho ideias para poder melhorá-lo. Como os professores terão de ser os fomentadores deste tipo de projectos, é importante saber a opinião deles. Depois de terminado o ano lectivo, a investigadora pediu à docente colaboradora que respondesse a um inquérito anexo XII. O inquérito tinha como finalidade analisar o impacto que teve na docente o trabalho realizado com os seus alunos, com o auxílio dos recursos digitais. A tabela 5.13 reflecte as ideias principais. 92

Metodologias de Investigação em Educação

Metodologias de Investigação em Educação FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO Departamento de Química Metodologias de Investigação em Educação Relatório realizado por: Ana Amaro Andreia Póvoa Lúcia Macedo Ano lectivo 2004/2005 Índice

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR APRESENTAÇÃO DO CONCURSO: O concurso Gestão de Ideias para Economizar representa uma oportunidade para os estudantes se prepararem, em pequenos grupos,

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia:

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Oficina de Formação Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Uma abordagem à experimentação usando sensores Estudo da carga e descarga do condensador

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 2. Na actualidade, há uma crescente preocupação com a preservação da natureza, nomeadamente, quanto à necessidade

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

CEREM. Relatório Interno 02/2009. Steven Abrantes, Luis Borges Gouveia

CEREM. Relatório Interno 02/2009. Steven Abrantes, Luis Borges Gouveia CEREM Relatório Interno 02/2009 Steven Abrantes, Luis Borges Gouveia Estudo da percepção e potencial do uso de aplicações móveis para ambientes colaborativos Julho 2009 Universidade Fernando Pessoa Pr

Leia mais

Avaliação da Unidade Curricular de Segurança Alimentar pelos alunos 2010-2011. Aluno 1

Avaliação da Unidade Curricular de Segurança Alimentar pelos alunos 2010-2011. Aluno 1 Aluno 1 Em termos negativos, não existe muita coisa a apontar 1º Talvez se houvesse disponibilidade existir uma maior rotação dos grupos a apresentar para que não estivéssemos por exemplo 1 mês sem apresentar

Leia mais

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA An 2-A APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO N.º Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

BE ESML 2010/2011 TRABALHO DE PESQUISA? Índice

BE ESML 2010/2011 TRABALHO DE PESQUISA? Índice Índice Como elaborar um trabalho?... 3 Fases de elaboração de um trabalho... 3 1. Definição do tema... 4 2. Elaboração de um plano de trabalho... 4 3. Recolha de informação... 4 3.1. Bibliotecas... 5 3.2.

Leia mais

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET MARÇO 2009 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise de informação

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis Escola Secundária da Portela Loures Ensino Secundário Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 12º Ano de Escolaridade Para a disciplina de Área de Projecto Prof.ª Ana Reis Relatório Individual

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PROGRAMA DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE MATEMÁTICA 10ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL Área de Ciências Económico-Jurídicas Ficha Técnica Título Programa de Matemática - 10ª Classe (Área de Ciências Económico-Jurídicas)

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º anos ou 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Relatório - Inquérito info-ciências digital

Relatório - Inquérito info-ciências digital Relatório - Inquérito info-ciências digital Elaborado por: Rebeca Atouguia e Miguel Cardoso Gabinete de Planeamento e Controlo da Gestão Núcleo de Planeamento, Avaliação e Gestão da Qualidade Maio 11 Índice

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos

A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos Resumo A partir da analise dos cursos de Informática destinados ài formação profissional de técnicos e utilizadores apresenta-se uma metodologia de concepção de cursos, que poderia ser utilizada pelos

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

Portfolio do trabalho/projecto no âmbito da Oficina

Portfolio do trabalho/projecto no âmbito da Oficina Portfolio do trabalho/projecto no âmbito da Oficina Realizado por: Pedro Miguel Ribeiro Silva 1 Questionário Internacional de Actividade Física (IPAQ) Formando: Pedro Miguel Ribeiro Silva Disciplina(s)

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito Mais informação Acesso ao Sistema de Transferência Electrónica de dados de Inquéritos (STEDI). Onde se acede ao sistema de entrega de Inquéritos? Deverá aceder ao sistema através do site do GEP www.gep.mtss.gov.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

1ª Etapa: A Escolha do Tema

1ª Etapa: A Escolha do Tema O que é um trabalho escrito? Realizar um trabalho escrito é pegar num tema, clarificá-lo e tomar uma posição sobre o mesmo. Para isso, deve utilizar-se bibliografia adequada. Quando é pedido a um aluno

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 12 Páginas Duração

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Protecção das Invenções: Patentes e Modelos de Utilidade

Protecção das Invenções: Patentes e Modelos de Utilidade Protecção das Invenções: Patentes e Modelos de Utilidade As invenções são soluções novas para problemas técnicos específicos que, se cumprirem os requisitos de concessão, podem ser protegidos direitos

Leia mais

A experiência de 6 anos

A experiência de 6 anos Aplicação da APP em Cardiopneumologia na ESTeSL A experiência de 6 anos Seminário Aprendizagem por Problemas: O Desafio da Mudança Hermínia Brites Dias Dezembro de 28 Motivação Métodos e Técnicas de Diagnóstico

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA

COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA COMO DESENVOLVER UM PROJETO DE PESQUISA Organizador: Prof. Esp. Ronaldo Kebach Martins Sumário 1.METODOLOGIA CIENTÍFICA...1 2.CADERNO DE CAMPO...1 3.RELATÓRIO GERAL...2 4.RESUMO...3 4.1. Dicas para um

Leia mais

INICIAÇÃO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA I E II

INICIAÇÃO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA I E II Licenciatura no Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas INICIAÇÃO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA I E II NORMAS DE FUNCIONAMENTO / NORMAS DE AVALIAÇÃO Disciplinas Opcionais Nº Índice Página Normas de Funcionamento

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Setembro de 2012 Luanda CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) Artigo 1.º (Natureza) O Trabalho de Conclusão do Curso, neste regulamento designado abreviadamente

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Excel 2010 Colecção: Software

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

gettyimages.pt Guia do site área de Film

gettyimages.pt Guia do site área de Film gettyimages.pt Guia do site área de Film Bem-vindo à área de Film do novo site gettyimages.pt. Decidimos compilar este guia, para o ajudar a tirar o máximo partido da área de Film, agora diferente e melhorada.

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos)

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Entrevistas Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Observações: - identificar as tarefas efectuadas; - identificar as ferramenta utilizadas; - identificar as interacções entre as pessoas

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais