COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS"

Transcrição

1 COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS RESUMO Karina Ferrarini 1 O presente trabalho tem como objetivo um estudo dos processos e barreiras referentes à exportação nas organizações Brasileiras. Para tanto, foi apresentado importantes praticas do comércio internacional, como por exemplo, a utilização de sistemas fornecidos pelo Governo, no qual facilitam e diminuem a burocracia das exportações. Foram discutidas também as questões relacionadas às barreiras geradas durante o processo e que algumas se inter-relacionam com questões políticas. Constatou-se que a estrutura de uma venda ao exterior é semelhante à no mercado interno e sendo bem organizada gera também os mesmos benefícios, porém a mesma tem algumas particularidades que muitas vezes se caracterizam como barreiras por falta de preparo da empresa que se propõe. Conclui-se que após vários contextos possuímos um potencial promissor nesta área, no entanto necessita ser melhor explorado. Palavras Chaves: Comércio Internacional. Barreiras a Exportação. Processos. ABSTRACT The present work aims to study processes and impediments regarding export in the Brazilian organizations. For both important practices of international trade were presented, for example, the use of systems provided by the Government, which facilitates and reduces paperwork exports. Were also discussed issues related to impediments generated during the process and that some are interrelated with political issues. It was found that the structure of a sale abroad is similar to the domestic market and being well organized also creates the same benefits, but it has some characteristics that are often characterized as impediments due to lack of preparation company that proposes. We conclude that after several contexts possess a promising potential in this field, however needs to be further explored. KEYWORDS: Foreign Trade. Export Impediments. Process. 1 INTRODUÇÃO Este artigo expõe conhecimentos teóricos (obtidos de pesquisa bibliográfica) que podem servir como base para a reflexão sobre o comércio 1 Graduada em Administração na Faculdade Catuaí.

2 exterior, demonstrando os meios oferecidos e as barreiras na exportação brasileira, as abordagens com relação aos itens necessários para se fazer uma exportação e alguns programas de incentivo do governo e, também, descrever os processos de uma exportação. Partindo da hipótese de que uma empresa pode ter como saída de competitividade seus produtos no mercado externo, verifica-se que a organização ao entrar neste mercado, terá que desenvolver uma cultura internacional para manter seus objetivos no mercado exterior, mesmo que a economia interna volte a melhorar. A pesquisa de mercado será enfocada no sentido de viabilizar a compreensão do quanto é importante que esta seja feita adequadamente. Neste processo de exportação, as barreiras que inferem no contexto (sejam econômicas, culturais ou sanitárias) podem definir o sucesso e/ou atratividade de buscar mercados alem das fronteiras geográficas próximas. Para alcançar o objetivo de identificar a estrutura e os aspectos do comércio exterior no Brasil, serão apresentados e discutidos alguns autores que defendem esta idéia, por meio disso este estudo pretende contribuir sendo um recurso para melhoria dos processos de exportação. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Histórico do Sistema Brasileiro de Comércio Exterior Segundo reflexões de Vazquez (2004) pode-se identificar que no Brasil as transações internacionais começaram a tomar forma mais consistentes através da Lei n 2.145, de 29/12/1953 onde foi criada a Cacex (Carteira de Comércio Exterior) do Banco do Brasil S.A., com o objetivo de substituir a Carteira de Exportação e Importação. A Cacex em suas atribuições teve a competência de controlar as transações como: normas, licenças, fiscalização, classificações etc. Cacex se reportava ao Ministério da Fazenda, mas o mesmo foi excluído a partir da Lei 8.028, de 12/04/1990 que criou o Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento agregados a Secretaria

3 Nacional da Economia. Vazquez (2004) cita a Lei n 8.490, de 19/11/1992 como revogação da Lei 8.028, onde criou novamente o Ministério da Fazenda, Indústria, do Comércio e do Turismo. É também nesta Lei que acontece a substituição da Cacex pela Secretaria de Comércio Exterior que é agregada no Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo. Vazquez (2004, p. 27) discorre como estranho à maneira com que foi tratado o Ministério da Fazenda, devido a demonstra-se com nenhuma força política. Causa-nos estranheza a alocação de um órgão voltado para o comércio exterior, num Ministério tradicionalmente sem força política. Tanto é que o mesmo foi extinto em 1990 pela Lei n e ressuscitado pelo governo de Itamar Franco, em O Decreto n , de 10/05/1990, que dispõe sobre a reorganização e o funcionamento dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios, relegou o antigo Ministério da Indústria e do Comércio a um simples departamento, junto a Secretaria Nacional de Comércio Exterior (artigo 164 do citado Decreto), no mesmo nível do Departamento de Comércio Exterior. Gonçalves (2003, p. 88) discute que, na década de 90, a inserção do Brasil no comércio mundial aconteceu de forma regressiva, ou seja, perdendo competitividade internacional com o passar desta década, [...] a participação das exportações do país no total das exportações mundiais reduziu-se de 0,96% em 1997, para 0,94% em 1998, e 0,86% em 1999 [...] A receita de exportação reduziu-se de US$ 53 bilhões em 1997, para US$ 51 bilhões em 1998, e US$ 48 bilhões em Gonçalves (2003) indica que para uma exportação ser rentável, a mesma depende de três fatores, onde o primeiro seria os preços de cada produto em dólares, o custo da exportação e o câmbio, e que eles podem ter contribuído para a baixa dos anos 90. O mesmo autor expõe que na segunda metade desse período houve uma estratégia, por parte do governo, que visava à abertura comercial, financeira e cambial do país, o que acabou fazendo com que o índice de rentabilidade para a exportação caísse em 11,1% entre a primeira e a segunda metade desta década.

4 Ainda de acordo com o autor (2003, p. 101) os preços internacionais podem também exercer influência sobre a competitividade internacional de um país, [...] a questão reside na relação entre a evolução dos preços recebidos pelos produtores brasileiros e os preços recebidos pelos seus competidores no mercado internacional [...]. Ao se tratar de produtos manufaturados, o autor indica que essa relação de preço recebidos por produtores nacional e internacional não teve deteriorização, e que mesmo com essa fase amena do mercado brasileiro esse tipo de produto teve uma melhoria em seu preço de 9,7% com relação ao mercado internacional, demonstrando que os preços não foram responsáveis pela baixa da competitividade dos produtos manufaturados mas sim a evolução desfavorável das quantidades exportadas pelo Brasil. Vazquez (2004) indica alguns benefícios sobre as exportações do Brasil. O de trazer recursos em moeda estrangeira o que ajuda o país a pagar os gastos com a importação; A tecnologia chega ao mercado nacional, junto as negociações que baixam barreiras; O prestigio que é criado na marca do produto, pois a exportação se dá a partir do momento em que tem qualidade o suficiente; Outro beneficio seria a defesa de seus produtos que pode ocorrer em caso de crise nacional havendo assim o mercado internacional a ser trabalhado; Uma forma do país vendar aquilo que sobra em seu consumo interno; E enfim o lucro que em alguns casos pode ser maior, ou favorecer o aumento do mesmo Mercosul Com base nos autores Carvalho e Silva (2006) as negociações para criação do Mercosul (Mercado Comum do Sul), tiveram inicio através de acordos entre o Brasil e a Argentina em julho de 1986, onde na ocasião foi instituído o Programa de Integração e Cooperação econômica (Pice). Foram assinados 24 protocolos em uma primeira fase da implantação do Mercosul, entre estes se destaca o Acordo de complementação Econômica que se foi assinado em 1990 sendo que em 1991 foi assinado também pelo Paraguai e Uruguai, onde foram instituídas algumas medidas para facilitar o comércio entre os países com, por exemplo, a Tarifa Externa Comum (TEC) e a

5 eliminação de direitos alfandegários. Essa ultima data é destacada por ser também reconhecida como o inicio da efetiva criação do Mercosul. Carvalho e Silva (2006) discutem que houve uma fase, depois de 1991, de adaptação entre os países participantes, por se tratar de um acordo que possui influência sobre a exportações e importações visto que proporciona a abertura econômica e aceleração da integração. Essa adaptação por sua vez teve duas frentes, a de eliminação progressiva de barreiras nãotarifárias e a de um programa de desagregação progressiva, linear e automática com o objetivo de atingir tarifa zero. Com o passar dos anos também foi formada uma estrutura básica para controle, existindo o Conselho do Mercado Comum, Grupo de Mercado Comum, Comissão de Comercio do Mercosul e dez subgrupos para tratar de temas específicos, como pode ser visto na figura 2. Figura 2 - Estrutura básica do Mercosul. Conselho do Mercado Comum Composto pelos Ministros da Economia e das Relações Exteriores Grupo de Mercado Comum Órgão Executivo Implementa medidas para a integração Subgrupos de Trabalho Comissão de Comércio do Mercosul Aplica e acompanha os instrumentos de política Comercial Comum Energia Indústria Mineração Comunicação Meio Ambiente Agricultura Regulamentos Técnicos Assist. Trabalhista. Emprego e Seg Social Transporte e Infra-Estrutura Assuntos Financeiros Fonte: CARVALHO; SILVA (2006, p.237).

6 Vigevani e Lorenzetti (1998) defendem que a que a globalização foi um fator muito importante e irreversível que contribuiu para a criação do Mercosul, pois nessa as economias Mundiais passavam por um processo de internacionalização o que impulsionou também as lideranças Latino-Americanas a tomarem providencias. Conforme site do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2010a) o Mercosul possui uma Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), que funciona como facilitadora nos processos de transações internacionais, por se tratar se um conjunto de códigos, capaz de identificar uma determina mercadoria conforme a combinação de números apresentados de forma crescente de acordo com o nível de sofisticação da mercadoria Siscomex Segundo Segre (2006) a sigla significa Sistema Integrado de Comércio Exterior. É um sistema de informações, criado pelo Decreto n 660, de setembro de 1992, que conta com a ajuda da informatização para controlar de forma efetiva os trâmites das exportações/importações, ou seja, integra as atividades de registro, acompanhamento e controle de comércio exterior. Barbosa (2004) dá uma outra definição mais especifica sobre este sistema, mostrando que ele não se trata de mais uma simples ferramenta, mas que sua sofisticação tem suma importância com relação à realização e ao controle das etapas administrativas de uma exportação. Mas especificamente, poderíamos encarar o Siscomex como sendo um sistema em que ocorre um fluxo sequencial único e consolidado de dados e informações consistentes, articulado através de um sofisticado aparato técnico e instrumental, e destinado a integrar e processar, a um só tempo, as atividades de registro, acompanhamento e controle das diferentes etapas constantes numa operação de exportação de bens e serviço [...] (BARBOSA, 2004, p. 473). Quanto ao acesso, conforme Rebono (2006) é dado somente usuários habilitados que observem normas de segurança que permitem a identificação do usuário, local e horário de acesso e preserva a integridade das informações relativas a transações e rotinas realizadas no sistema.

7 Barbosa (2004) salienta que é através deste sistema, a empresa que deseja efetuar essas transações, poderá obter registros necessários no Registro de Exportadores e Importadores da Secretaria do Comércio Exterior (REI), e também os registros de exportação, venda e de operações de crédito. Segundo Vazquez (2002) esse sistema pode ser considerado como uma sistemática administrativa do comércio exterior brasileiro e integra a Secretaria do Comércio Exterior, Secretaria da Receita Federal e Banco Central do Brasil, onde facilita os processos, pois o que é introduzido ao sistema pode ser facilmente acessado, de modo on line, pelos órgãos já citados e também por outros Ministério da Saúde, Departamento da Polícia Federal, Ministério do Exército - que atuam em situações mais específicas. Se faz importante salientar que o Siscomex tornou o processo totalmente informatizado, de forma a trazer benefícios de redução de custos, confiabilidade, entre outros. Segundo o site Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior (2010a), o sistema tem várias vantagens como: simplificações com relação a documentos e até a eliminação de coleta redundante de dados, maior facilidade para os interessados já que o acesso pode se dar de um computador comum, facilita também com relação as nomenclaturas possibilitando a uniformidade das mesma, e por fim tende também a baixar os custos devido a agilização do processo e as melhorias já citadas. 2.2 Questões Legais e Administrativas da Exportação Quanto à prática de comércio exterior por parte de pessoa jurídica Segre (2006) salienta que deve constar nos objetivos do contrato social que a empresa realiza a importação/exportação. Assim, também, deve possuir cadastro no sistema aduaneiro que controla as empresas com relação ao comércio exterior (RADAR). Segundo Segre (2006, p. 48), um item de relevância é a contratação de um profissional chamado despachante aduaneiro. [...] Ele deve ser cadastrado pelo representante legal da empresa, com a utilização da senha

8 de acesso ao sistema Radar [...]. Este despachante deve ser dotado de vários conhecimentos tanto de legislação como de procedimentos do comércio exterior, pois seu contato com esses itens é bastante amplo. Os Despachantes Aduaneiros preparam e assinam os documentos que servem de despacho aduaneiro, na importação e exportação, verificando o enquadramento tarifário da mercadoria respectiva e providenciando o pagamento dos impostos de importação e sobre os produtos industrializados (atualmente mediante a débito automático), bem como o do imposto sobre circulação de mercadorias, do frete marítimo, rodoviário e ferroviário, da demurrage, da taxa de armazenagem e de capatazias, do adicional ao frete para renovação da Marinha Mercante, etc. Atuam perante vários órgãos públicos vinculados a inúmeros Ministérios do Governo (da Saúde, da Agricultura, da Indústria e do Comércio, da Fazenda e outros), finalizando a obtenção de documentos via Siscomex necessários ao procedimento fiscal aqui referido (licenças de importação, registros de exportação, certificados de origens e de tipos, certificados fitossanitários, fechamento de cambio, entre outros) (SEGRE, 2006, p. 49). Já Cinti (2006, p. 77) destaca uma questão administrativa de suma importância, o câmbio. Cambiar é trocar por definição. O mercado utiliza este conceito agregado ao de moeda (como um meio de troca). O câmbio é expresso em unidades de uma moeda [...]. Sendo assim ele deve ser observado no ato das transações, sua variação pode causar perca ou ganho à empresa que esteja negociando seus produtos ou serviços. Conforme Vazques (2002, p. 183) existe a necessidade do preenchimento da fatura pró-forma que quando assinada pelo comprador significa que o mesmo esta de acordo as negociações, nela são contidas as seguintes informações: Nome do comprador e endereço; Data da referência do comprador e data do pedido; Breve descrição e listagem dos produtos solicitados; Preço de cada item, preferencialmente em dólares dos Estados Unidos; Peso líquido e bruto; Total do volume e dimensões da mercadoria acondicionada para a exportação (fornecer em metros cúbicos); Desconto comercial, se necessário;

9 Local de entrega; Condições de venda: FOB, CFR, CIF (Incoterms); Custos de frete e seguro; Validade da cotação (até tal data, por tantos dias, etc); Total das despesas a ser pagas pelo comprador; Data estimada de despacho de mercadoria (da fábrica, do porto, etc); Data estimada de chegada no porto/aeroporto de destino. O Vazques (2002) discorre também que a partir da fatura próforma é gerado a fatura comercial, que se trata de um documento que comprova internacionalmente a venda da mercadoria, onde também é transferida a posse da mercadoria mas não a propriedade da mesma, ao comprador. São incorporados nela todos os dados descritos na fatura próforme e pode se dizer que semelhante a nota fiscal que circula em território brasileiro. Outra questão administrativa que Vazquez (2002) indica é dos certificados, que segundo ele são documentos emitidos por órgãos do país exportador ou exigidos pelo importador, que podem contribuir para a qualidade e até mesmo imagem do produto, favorecendo as vendas e aquisições, sendo os mais utilizados são o certificado de origem, fitossanitário, de análise e qualidade Processos de Exportação Quando Rodrigues (2007) leva em consideração a internacionalização das organizações, coloca em discussão o fato de que as empresas precisam direcionar-se, de forma bem profissional, para que se crie uma cultura exportadora e caso o mercado interno volte a melhorar não deixe de exportar. Há também, por parte da empresa exportadora, uma necessidade de planejamento com relação aos produtos e serviços, [...] ela deverá definir dentro de sua linha de produtos ou serviços qual ou quais ela exportará e para qual mercado deseja colocar esse seu produto ou serviço (RODRIGUES, 2007, p. 196).

10 Rodrigues (2007) diz que, após a internacionalização da cultura e o planejamento de exportação de produtos ou serviços, a atenção da organização tem que ser voltada a linha de produção onde quase sempre é necessário fazer adaptações para atender as exigências do mercado externo, o que acaba deixando os produtos de forma geral globalizados o que facilita a serem vendidos em diversas regiões e consumidores do mundo. Rodrigues (2007) salienta, também, um outro tópico de grande relevância quando se pensa em exportar que seria a pesquisa de mercado, pois ela pode mostrar as características e tendências do mercado estudado, identifica os compradores em potencial e aponta, também, os aspectos legais e tarifários da economia do país que se pretende trabalhar, o que evitaria desencontros e até mesmo o fracasso dos produtos no exterior. Vazquez (2002) salienta que a pesquisa de mercado e a interação da empresa com o meio internacional pode ocorrer através de feiras, eventos, publicações, artigos, bancos de dados oficiais, estudos de mercados e suas tendências, interação sobre acordos feitos entre os países e suas exigências, tudo isso visando que aconteça o conhecimento do mercado pretendido, visto que cada país tem sua particularidade e sua cultura. É necessário fazer a divulgação do produto internacionalmente, a pesquisa de mercado feita de modo adequado, também ajuda a empresa exportadora, no quesito de marketing, pois como vimos traz informações de legislação e do mercado a ser explorado. Toda empresa que se inicia como exportadora precisa se lembrar de sua divulgação através da propaganda deve ser feita com muita clareza e o máximo de ética, pois o exportador, além de levar em conta as preferências dos consumidores, deve atentar para os problemas ou barreiras que poderão advir de uma pesquisa mal feita. Algumas das barreiras ou problemas encontrados no mercado internacional por não se fazer uma pesquisa adequada são: exigências legais quando se tratar de saúde e segurança, legislação sobre a defesa do consumidor, no aspecto das especificações técnicas do produto, tais como voltagem, durabilidade, dimensão etc., e desempenho e composição do material para sua fabricação, levando em conta durabilidade, resistência, facilidade de manutenção e garantia (RODRIGUES, 2007, p. 198).

11 A pesquisa de mercado também ajuda em outro aspecto, a elaborações de tabelas de valores de venda, mas não é só isso, [...] a fixação de preço de venda de exportação deve ser precedida de um estudo detalhado das condições de mercado, de forma de viabilizar a manutenção do esforço exportador, sem qualquer prejuízo para empresa [...] (RODRIGUES, 2007, p. 204). Ainda com relação à formulação de valores Rodrigues (2007, p. 204) nos alerta para alguns fatores: Devem-se levar em conta alguns fatores que podem auxiliar a empresa na fixação desses preços para exportação que são, a saber: despesas com a exportação, incentivos para exportação, tratamento tributário aplicável nas exportações, financiamento à exportação etc. É importante saber também se existe algum acordo entre os países, e se esse acordo visa somente ao aspecto tecnológico ou dá ao importador a possibilidade de ter os impostos reduzidos ou até mesmo sofrer isenções, como no caso dos acordos entre os mercados comuns. Vazquez (2002) argumenta sobre a importância das negociações com os importadores devido a se tratar de assuntos como: seguro transporte, transporte, armazenagem da mercadoria (que pode ocorrer quando a mercadoria esta disponível a ser embarcada mas o avião/navio não), questões sanitárias, fitossanitárias ou algum outro tipo de barreira ou certificado necessário, documentação e registros necessários a exportação, e finalmente sobre o despacho e forma de pagamento.

12 Tabela 1. Fases do processo de exportação. Mercadológica Comercial Administrativa Aduaneira Recebimentos Elaboração: Ferrarini (apud Vazquez, 2002) Pesquisa de mercado. Tendências de mercado. Exigências técnicas dos países importadores. Embalagens adequadas. Inserir na organização a cultura da internacionalização. Negociação com importador. Obtenção de certificados adequados a situação (ex: certificado de origem, fitossanitário). Obtenção do registro de importaçãoexportação e romaneio para transporte. Fatura pró-forma. Habilitação no RADAR. Preenchimento de registro de exportação. Preenchimento da declaração de exportação. Despacho aduaneiro (conforme cargas e documentos). Podem acontecer de três formas: Cobrança documentária. Ordem de pagamento. Carta de crédito. Vazquez (2002) defende que a melhor forma para o exportador receber, é através da carta de crédito, que se havendo a confirmação de crédito o banco brasileiro assume todas a obrigações em nome do banco estrangeiro e em caso de algum problema entre os bancos o risco é todo transferido ao banco confirmado, pois este tipo de negociação é feita sem regresso, ou seja, quando o exportador apresenta ao seu banco a documentação toda em ordem - que é enviada pelo importado/cliente -, o mesmo pode receber o dinheiro referente a venda da mercadoria/serviço, e a partir daí sua responsabilidade cessa e os tramites ocorrem entre os dois bancos. Conforme Vazquez (2002) há alguns registros ou passos burocráticos a ser seguidos, sendo que muitos deles acontecem através do

13 Siscomex, levando em consideração o tipo de mercadoria/serviço a ser exportado, são eles: Registro de Exportação (RE), trata-se do fornecimento de informações do gênero comercial, cambial e fiscal, sendo que este pode ser considerado o passo inicial da exportação; Registro de Operação de Crédito (RC), apresentação de informações cambiais e de ordem financeira relacionados a pagamentos a cima de 180 dias (exportações financiadas); Registro de Venda (RV), trata-se também do fornecimento de informações do gênero comercial, cambial e fiscal mas relacionados a produtos negociados em bolsas internacionais de mercadorias ou de commodites; Declaração Simplificada de Exportação (DES), pode ser utilizada em substituição do RE, mas somente em casos que o valor não ultrapasse $10.000,00, pessoas físicas e jurídicas tem acesso a mesma; Registro de Exportação Simplificado (RES), também utilizado em transações até $10.000,00, com cobertura cambial e embarque imediato, tendo cinco dias para o mesmo após a emissão do RES; Despachos Aduaneiro de Exportação, acontece quando é feito a solicitação de despacho, através do Siscomex, é um documento fiscal para que haja o desembaraço da mercadoria no exterior. 2.3 Principais Barreiras em Exportar para as Organizações Brasileiras Ao se tratar de barreiras Rodrigues (2007, p. 195) deixa claro que na área de exportação a dificuldades por fatores internos e externos das organizações que podem complicar o fechamento de contratos e de transações. Sendo eles: Cultura, habito, tarifas, legislação e falta do completo domínio da língua do país com que esta se negociando Tarifas Conforme Carvalho e Silva (2006) as tarifas eram utilizadas no passado como importante fonte de capitação de recursos para os governos, o que continua sendo ainda hoje em países menos desenvolvidos, isso em muitos casos acontece devido à tributação ser mais fácil e menos burocrática do que a tributação de renda ou consumo, visto que a mesma é aplicada sobre as importações, sendo assim é só controlar a entrada de mercadorias no país.

14 Carvalho e Silva (2006) defendem que apesar de uma tarifa poder ser fonte de arrecadação para o governo seu objetivo primário é inibir a entrada de determinados produtos em um país, para que haja uma proteção do mercado interno deste produto e se elimine/amenize a concorrência externa. Isso pode ser feito de três maneiras: Especifica, ou seja, quando se cobra um valor por unidade importada independente do preço do produto; Ad valorem, onde se calcula uma taxa ou porcentagem em cima do valor do produto; Mista, aqui o produto recebe a cobrança de um valor por unidade e um percentual sobre seu preço. Quanto à tarifação no Brasil Carvalho e Silva (2006, p.56) dizem que no passado, o governo brasileiro impunha tarifa específica sobre o comércio. Com a reforma tarifária de 1957, o sistema predominante passou a ser do tipo ad valorem[...] em particular pela maior facilidade de administração. Krugman e Obstfeld (1999) chamam a atenção para duas situações que são criadas através da tarifação, o custo e o beneficio. Para o país importador os valores da mercadoria irão subir e para o exportador o valor interno do produto irá baixar, isso faz com que no país importador os clientes irão deixar de consumir o produto em específico o que tende a ter efeito contrário no país exportador Barreiras técnicas e/ou não-tarifárias Lima (2005) discorre que esse tipo de barreira surgiu por volta de 1964 a 1979 onde ocorreram as rodadas de negociações de Kennedy e a de Tóquio, cujo tema focado era o de eliminação das barreiras não-tarifárias, o regulamento lá tratado passou a ser chamado de Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio ou Standards Code, que veio a suprir as deficiências deste assunto existentes no GATT (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio). Long (2003) expõe as barreiras técnicas como sendo medidas distintas administradas por diferentes organismos que abrangem diversos aspectos, as mesmas são móveis, ou seja, podem mudar constantemente em seus tipos de exigências. Ao se tratar de produtores de médio porte ou mais simples, situações como essas podem ser expostas como barreiras de grandes

15 dificuldades ou quase aparentemente impossíveis de serem vencidas, visto a experiência exigida, pois são assuntos como qualidade de produtos, aspectos sanitários, saúde, segurança, meio ambiente, entre outros. Barreiras técnicas podem refletir condições complexas, difíceis de entender ou respeitar por produtores modestos, se não contam com uma assessoria técnica sobre o assunto. Para empresas com experiência em comércio internacional, disposições de tipo tarifário, ao contrário, costumam exigir menos conhecimento tecnológico. Além disso, são mais calculáveis (LONG, 2003, p. 390) Conforme Gonçalves (2003) no Brasil o meio ambiente esta sendo prejudicado, o mesmo sita como exemplo a questão da exportação do fumo em folhas em 1999 que chegou a estar no 11 lugar na pauta dos produtos mais importantes da exportação do país, só que o problema é que para seu cultivo é necessário a aplicação de um determinado inseticida que é proibido no Brasil, mas a legislação específica acaba não sendo aplicada ou em caso de ser acontece de maneira precária. O autor ainda salienta que o Brasil pode sofrer futuramente problemas no cenário internacional relacionados ao meio ambiente e que podem ocorrer situações de dumping, expondo que o meio ambiente brasileiro deve ser levado a sério devido a sua considerável importância por seu [...] porte continental, sua extraordinária dotação de recursos naturais, sua energia nas exportações e o histórico de degradação ambiental [...] (GONÇALVES, 2003, p.79). Lima (2005) salienta que este tipo barreira é interessante quando se trata da resguarda de bens jurídicos importantes dos países membros, mas ressalta quanto ao protecionismo, que pode ocorrer quando essas barreiras não são pautadas em fundamentos que a justifique, ou seja, quando são adotadas para proteger interesses de um país e não para manter em ordem alguns itens como: a segurança nacional, o meio ambiente, os consumidores, a saúde e a vida humana, animal e vegetal. O mesmo autor (2005) alerta para o fato da necessidade da consideração de evidências cientificais para se justificar a aplicação dessas barriras, isso para controle, visto que os países podem utilizá-las conforme as normas da OMC (Organização Mundial do Comércio) ou as nacionais, segundo

16 que na segunda pode ocorrer protecionismo Medidas sanitárias e fitossanitárias Lima (2005) define medidas sanitárias e fitossanitárias como um instrumento para proteger a vida humana, animal e vegetal. A medida sanitária é uma barreira não-tarifária, por exemplo, caso haja o risco de febre aftosa no país exportador o país importador pode barrar a compra da carne. Medidas fitossanitárias cuida da saúde das plantas, onde pode ocorrer mudanças ou especificações na produção, ou algum tipo de embalagem e/ou transporte específico para o determinado tipo de produto, pode haver também aqui a proibição da entrada de alguns alimentos, por parte do país importador. Segundo o site Icone Brasil (2010d) afim de regulamentar essas medidas a OMC após a Rodada do Uruguai (GATT), instituiu o acordo SPS que trata de algumas exceções ao livre comércio e também restrições a fim de proteger a saúde humana, vegetal e animal dentre os países participantes. Essas medidas destinam-se a: a) proteger a vida ou a saúde animal ou vegetal dentro do território de um Membro, dos riscos procedentes da entrada, estabelecimento ou disseminação de pestes, doenças ou organismos hospedeiros ou causadores de doenças; b) proteger a vida ou a saúde humana ou animal dentro do território de um Membro, dos riscos procedentes de aditivos, contaminantes, toxinas, organismos causadores de doenças vindos de alimentos, bebidas ou suprimentos alimentares; c) proteger a saúde ou a vida humana, dentro do território de um Membro, dos riscos procedentes de doenças causadas por animais, plantas ou produtos desses, ou provenientes da entrada, estabelecimento ou disseminação de pestes; d) prevenir ou limitar outros danos dentro do território de um Membro, provenientes da entrada, estabelecimento ou disseminação de pestes. O site Icone Brasil (2010d) defende que, existe um pré requisito a esta medida, um Membro da OMC afim de proteger seu território pode aplicar-la, somente quando cientificamente justificáveis. É necessário a verificação dos riscos no caso da entrada da mercadoria, levando em consideração também as potenciais conseqüências biológicas e econômicas.

17 Para que aconteça essa analise foram criados padrões internacionais onde são indicados limites máximos de resíduos para determinado alimento, critérios que determinam um local livre de determinada doença e também cuidados para se evitar a transmissão de pestes e doenças, são permitidos padrões próprios entre os países membros, desde que se justifique a necessidade. O site Icone Brasil (2010d) expõe que antes de uma medida sanitária ou fitossanitária entrar em vigor, o país tem que notificar o Comitê do SPS, e publicar seus padrões afim dos demais países membros tomarem conhecimento, podendo ou não ser passível de comentários e tempo para adequação as novas regras. Há medidas emergenciais para casos extremos de surtos de determinadas doenças, como por exemplo, a vaca louca, que podem não passar por este processo Medidas atidumping Amaral (2004) relata dumping como a venda de produtos similares, por uma empresa internacional, em um determinado mercado com valores inferior aos trabalhados por uma empresa nacional, causando prejuízo a mesma e até mesmo a setores da economia nacional. As medidas antidumping são aplicadas no intuito de ser barreiras a empresas que pretendem agir de forma desleal, onde para dificultar a importação pode haver um aumento de taxas/alíquotas, onde a indústria/comércio interna acaba sendo de certa forma compensada. Segundo Icone Brasil (2010a) nos casos em que se suspeita de duping, o direito antidumping será baseado na diferença entre o preço de exportação praticado por aquela(s) empresa(s) e o valor normal das vendas no seu país de origem, conferindo o direito à imposição de taxas antidumping (antidumping duties). Icone Brasil (2010b) faz a observação de que deve haver uma verificação detalhada dos cálculos e das vendas do país suspeito, se ai comprovado o dumping podem ser aplicadas as taxas e medidas necessárias contra o país praticante. As taxas podem ser cobradas sobre o produto importado a fim de equiparar o valor e amenizar se não sanar os prejuízos causados pelo dumping.

18 2.3.4 Medidas compensatórias Segundo Amaral (2004), medidas compensatórias são utilizadas quando uma indústria de um país é prejudicada comercialmente por subsídios, ou seja, contribuições financeiras, que foram autorizados a uma indústria de outro país, havendo assim a possibilidade de revogação desta autorização, ou então ser compensado através de medias o prejuízo sofrido para que seja neutralizado o subsídio concedido. Segundo Icone Brasil (2010c) trata-se de um mecanismo de defesa utilizado pelo país que sofre os prejuízos, onde o governo pode [...] impor uma sobretaxa tarifária especial ao produto importado objeto da investigação, visando a compensar os prejuízos causados à economia em função daquelas práticas ilegais de comércio[...]. Para a imposição desta medida é necessário também que seja realizada uma investigação detalhada onde se constate a concessão de subsídios e os danos as industrias domésticas Medidas de salvaguarda São aplicadas conforme Amaral (2004, p. 105) quando os países cujas industrias foram prejudicadas encontra-se ameaçadas por um surto imprescindível de importações podem aumentar a tarifa de importação ou estabelecer restrições quantitativas (quotas) para a importação de determinado produto. O mesmo autor também indica que a medida pode ser compensada ao país exportador com a redução de tarifas de outros produtos. Amaral (2004) discuti a diferença entre as medidas antidumping e compensatórias com relação à de salvaguarda. Defende que ao contrário do que ocorre nas duas primeiras medidas, na salvaguarda a prática comercial é leal, mas o que deve ser controlado é o aumento significativo de importações de determinado produto para que não haja prejuízo a economia interna. Conforme Icone Brasil (2010c), indica que existe uma outra diferença com relação as salvaguardas, [...] são aplicadas a todos os

19 Membros da OMC indistintamente, enquanto os direitos antidumping e medidas compensatórias são aplicados a empresas ou países específicos que foram objeto de investigações [...]. Em caso de aplicação, deve-se respeitar o prazo máximo de aplicação dessa medida que é de três anos, o que pode ser negociado entre os países Cotas de importações Segundo Krugman e Obstfeld (1999) cotas de importação são restrições de maneira direta a quantidade que é importada de um produto, onde são emitidas licenças a determinados indivíduos ou empresas, ou seja, somente os licenciados poderão comprar o determinado item. É importante salientar que cotas da mesma forma que em tarifas elevam o valor do item, a menos que haja um monopólio nacional que consiga segurar os preços. Para o governo a cota não o beneficia, devido a não obtenção de impostos para a entrada do produto. 3 CONCLUSÃO Através da realização deste trabalho, observou-se em algumas referências, importantes praticas do comércio internacional, acreditando-se que o mesmo pode ser ferramenta útil para empresas que operam na área e/ou trabalhos futuros, das quais são relacionadas a seguir. Quanto às questões legais e administrativas da exportação apresentadas neste trabalho, verificou-se que para empresas exportarem de maneira legal deve haver cadastros em sistemas do Governo como, por exemplo, o Siscomex. Ainda foram apresentados alguns itens que tendem a auxiliar para evitar a pedca de tempo e custos desnecessários, sendo eles: despachante aduaneiro, observar no ato da transação a questão do cambio, preenchimento da fatura pró-forma, obtenção de certificados, entre outro. Os processos de uma venda no exterior são bem semelhante a uma no mercado interno, nos requisitos mercadológicos, comerciais e administrativos. O que se destaca é que uma empresa ao se decidir a exportar tem que se internacionalizar, a fim de a exportação aconteça de melhor

20 maneira possível e assim obtendo o sucesso almejado. Constata se também, que existem muitas barreiras com relação às exportações, são impostas em alguns casos por estarem ligadas em questões políticas como, por exemplo, a barreira antiduping. Ou seja, acabam sendo utilizadas de maneira errada e assim prejudicando o país exportador. De contra partida existem também as barreias que protegem países de entrada/saídas de doenças/epidemias. Várias dificuldades de relacionamento e comercialização entre o Brasil e outros países estão presentes, conclui-se, entretanto, devido a organizações realizadas na economia mundial e interna possuímos potencial promissor. Faz-se necessário lembrar que este tema depende da economia mundial e seus reguladores, que podem sofrer alterações e mudar totalmente o quadro econômico de um país. Apesar de ainda existirem limitações referentes a literaturas sobre o assunto no âmbito nacional, o tema é bastante amplo e dinâmico, possibilitando desenvolver novos estudos sobre os processos e novas tendências das exportações brasileiras, sistemas de informações utilizados em processos aduaneiros e importações realizadas por organizações do Brasil. REFERÊNCIAS AMARAL, Antonio Carlos Rodrigues do. Direito do comércio internacional: aspectos fundamentais. São Paulo: Aduaneiras, BARBOSA, Paulo Sérgio. Competindo no comércio internacional: uma visão geral do processo de exportação. São Paulo: Aduaneiras, BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em : stro.html. Acesso em: 15 agosto 2010a. BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em : Acesso em: 03 maio 2010a.

COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRA.

COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRA. COMÉRCIO EXTERIOR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS PROCESSOS E AS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRA. RESUMO Karina Ferrarini 1 O presente trabalho tem como objetivo um estudo dos processos

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI PROCESSO DE FLUXOGRAMA DE Planejamento Pesquisa de Mercado Cadastramento REI 1 Cadastramento do REI O registro é feito automaticamente no sistema, quando da primeira importação e exportação (Portaria SECEX

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA Curso: 22211 - ADMINISTRAÇÃO com Linha de formação em Comércio Exterior Disciplina: 02675 - OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR - IMPORTAÇÃO

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula PROGRAMA Preparando-se para exportar 6 hs Procedimentos básicos na exportação 6 hs Procedimentos básicos na importação 6 hs Câmbio

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

SISCOMEX: Sistema Integrado de Comércio Exterior

SISCOMEX: Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX: Sistema Integrado de Comércio Exterior Rodrigo Leite Machado Wilber Henrique Sakakura Francisco César Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Lins SP 2009 2 SISCOMEX:

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS...

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS... Índice 1 - DEFINIÇÕES... 3 1.1 Documentação no Comércio Exterior... 3 1.1.1 Fatura Comercial (Commercial Invoice):... 3 1.1.2 Lista de Embalagens (Packing List):... 3 1.1.3 - Certificado de Origem (C.O.):...

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Pontos à serem observados. Importação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. 15/8/2012

Administração. Mercado a atuar. Pontos à serem observados. Importação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. 15/8/2012 Pontos 15/8/2012 Mercado a atuar Administração Professora Mestre Patricia Brecht Innarelli Importação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Ao decidir atuar no mercado internacional, a organização deverá:

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo III www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 EXECUÇÃO DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO... 04 1.1 Credenciamento Junto ao SISCOMEX... 04 1.1.1 Usuários do SISCOMEX...

Leia mais

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios COMÉRCIO E FINANÇAS INTERNACIONAIS Prof. José Alfredo A. Leite (Ph.D.) 2. Políticas Externas, p. 1 2A. PROTECIONISMO Características: O protecionismo compreende um conjunto de políticas econômicas destinadas

Leia mais

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga.

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga. Importação I Prof. Richard Allen de Alvarenga Histórico Destaque no início dos anos 1990 (Era Collor) Normas específicas de controle da inflação; Criação de instrumentos de importação; Abastecimento e

Leia mais

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS... 03 1.1 Barreiras Tarifárias... 03 1.1.1 A Tarifa Ótima... 04 1.2

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN Sumário: 1. Aspectos gerais. 2. Grupo Especial para Avaliar Impactos Relacionados com o Detalhamento de Nomenclatura (GDN) Resolução CAMEX nº 57, de 07 de

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

Barreiras ao comércio internacional

Barreiras ao comércio internacional Barreiras ao comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC do Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2007. SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3.

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. 1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. Como excluir um Ato Concessório...12 1.4. Como prorrogar um Ato Concessório...14

Leia mais

A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM. Referente: Norma para compras internacionais (importações) via FFM.

A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM. Referente: Norma para compras internacionais (importações) via FFM. Dir.Circ. 08/2007 São Paulo, 14 de fevereiro de 2007. A TODOS OS USUÁRIOS DA FFM Referente: Norma para compras internacionais (importações) via FFM. Comunicamos as regras, prazos e trâmites legais que

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM. Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem.

GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM. Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem. 01/2012 CERTIFICADO DE ORIGEM GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem. APRESENTAÇÃO O Certificado

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO. Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO. Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br 1 O resumo de nossa. conversa. TEMPO INFORMAÇÃO DINHEIRO 2 Formação do preço de exportação. Vou

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE IMPORTAÇÃO

MANUAL BÁSICO DE IMPORTAÇÃO MANUAL BÁSICO DE IMPORTAÇÃO 1º Edição São Paulo Julho de 2007 1 ÍNDICE Introdução-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------05

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução na Importação A Declaração de Importação (D.I.) será instruída com os seguintes

Leia mais

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1 Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX - Módulo Importação) INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local;

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local; Profª Elieti Biques Fernandes GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1.1 - Comércio Interno vs Comércio Externo O comércio é atividade econômica que consiste em adquirir os bens dos produtores e revendê-los

Leia mais

Curso Analista de Importação

Curso Analista de Importação Curso Analista de Importação (Curso Presencial em Belo Horizonte) Objetivo: Capacitar o aluno para planejar e gerenciar os processos de importação de uma empresa, atuando como analista de importação ou

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

Sistemática de Comércio Exterior

Sistemática de Comércio Exterior Sistemática de Comércio Exterior Comércio Exterior 6 ADN 1 Prof. Charles Chelala Informações Básicas Exportar: para quê? Amplia as chances de melhores resultados para a empresa Aumenta a produtividade

Leia mais

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR 31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias DNSF Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS MERCOSUL/LXVII GMC / P DEC. Nº 01/07 NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 17/94 do Conselho do Mercado

Leia mais

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Graduado em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior pela Universidade Paulista em 2000. Concluiu os cursos de pós-graduação

Leia mais

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ADUANA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL APRESENTAÇÃO: DANIEL BEZERRA DOS SANTOS AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 OBJETIVO Abordar, de forma sucinta, as atividades

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior CÂMBIO E POLÍTICA CAMBIAL Câmbio: compra e venda de moedas ou papéis conversíveis. Divisas - São as disponibilidades

Leia mais