REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial"

Transcrição

1 REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009

2 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo de Barreiras Técnicas TBT 2. Discussões relacionadas ao REACH no âmbito do Comitê de Barreiras Técnicas da OMC 2

3 Acordo de Barreiras Técnicas a) Faz parte do Acordo Constitutivo da OMC que aborda questões relacionadas ao comércio de bens b) Implementado a partir da Rodada Uruguai c) Ganha relevância em decorrência do processo de redução das barreiras tarifárias 3

4 Barreiras Técnicas se associam: Regulamentos Técnicos:requisitos técnicos relacionados a um produto cujo cumprimento é obrigatório Def. Regulamento técnico (Anexo I do TBT):...Documento que enuncia as características de um produto ou os processos e métodos de produção a ele relacionados incluídas as disposições administrativas aplicáveis, cujo cumprimento é obrigatório... Estabelecidos pelo Governo de acordo com a competência do órgão Ex: Ministério do Trabalho, Ministério da Agricultura, Inmetro, Anvisa, Anatel, etc Produtos em desacordo com regulamentos técnicos não podem ser comercializados

5 Regulamentos Técnicos São aplicados indistintamente a produtos nacionais e importados Não serão mais restritivos ao comercio do que o necessário para se alcançar os objetivos legítimos (Art 2.2 TBT): o Segurança Nacional o Prevenção de praticas enganosas ao consumidor o Proteção da Saúde o Segurança Humana o Proteção da vida animal ou vegetal o Proteção do meio ambiente o Outros

6 Barreiras Técnicas se associam: Procedimentos de avaliação da Conformidade: o Procedimento aplicado para determinar se requisitos técnicos estabelecido em regulamentos ou normas são cumpridos Def....Qualquer procedimento utilizado, direta ou indiretamente, para determinar que as prescrições pertinentes de regulamentos técnicos ou normas são cumpridos.. (Anexo I TBT) o o Exemplos: ensaios, certificações e inspeções Fundamental para que se desenvolva uma maior confiança dos produtos avaliados

7 Dois objetivos principais: a. Assegurar que na elaboração de um regulamento técnico sejam estabelecidas condições necessárias para se alcançar os objetivos legítimos: Segurança Nacional Prevenção de práticas enganosas ao consumidor Proteção da Saúde Segurança Humana Proteção da vida animal ou vegetal Proteção do meio ambiente Outros b. Evitar que práticas protecionistas sejam aplicadas a título de se alcançar os objetivos legítimos 7

8 a) Princípios Importantes (GATT e TBT) Cláusula da Nação Mais Favorecida Vantagem comercial concedida a um dos membros da OMC deve ser estendida a todos os outros Tratamento Nacional Estabelece tratamento equivalente entre o produto importado e o produto similar nacional. Transparência Essencial no sistema multilateral de comércio 8

9 a) Pressupostos Importantes Assistência Técnica Caso solicitado os membros assessorarão outros Membros, em especial paises em desenvolvimento membros. (Art. 11 TBT) Tratamento Especial...Os Membros levarão em conta as necessidades especiais de desenvolvimento, financeiras e comerciais dos países em desenvolvimento membros na elaboração e aplicação de regulamentos técnicos, normas e procedimentos de avaliação de conformidade, com vistas a assegurar que tais regulamentos técnicos, normas e procedimentos de avaliação de conformidade não criem obstáculos desnecessários às exportações de países em desenvolvimento Membros... (Art 12.3 TBT) 9

10 Barreiras Técnicas (obstáculos desnecessários) ao comércio poderão surgir se: Forem transgredidos os princípios: a. Tratamento Nacional b. Cláusula da Nação mais Favorecida c. Transparência Regulamentos Técnicos a. Forem mais restritivos do que o necessário para se alcançar os objetivos legítimos 10

11 Barreiras Técnicas (obstáculos desnecessários) ao comércio poderão surgir se: Procedimento de Avaliação da Conformidade a. Não Transparente b. Excessivamente dispendioso 11

12 Comitê de Barreiras Técnicas ao Comércio (criado pelo artigo 13 do TBT) Trata de consultas relacionadas ao funcionamento do Acordo de Barreiras Técnicas 12

13 REACH Primeira Notificação no TBT: 21/01/2004 O tema tem sido discutido no Comitê de Barreiras Técnicas desde a reunião de marco de 2003 Consultas tratam de questões que estão associadas a dúvidas em decorrência da complexidade de aplicação do REACH 13 13

14 REACH Itens em discussão Transparência Assistência Técnica Tratamento Especial aos Países em Desenvolvimento Membros Representante Exclusivo Uniformidade na Aplicação do REACH Métodos de Testes Laboratoriais PMEs Foro de Compartilhamento de Informações sobre Substâncias Sanções Setores Específicos

15 Muito obrigado! 15

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA WORKSHOP

Leia mais

DECRETO Nº 1.355, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994 (*)

DECRETO Nº 1.355, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) .: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 1.355, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) Promulgo a Ata Final que Incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT.

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. N 56/02 SECRETARÍA DEL MERCOSUR DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE REGULAMENTOS TÉCNICOS MERCOSUL E PROCEDIMENTOS MERCOSUL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC N

Leia mais

Cesar Lima - Gerdau Açominas.

Cesar Lima - Gerdau Açominas. Cesar Lima - Gerdau Açominas. A Gerdau Açominas. - Usina siderúrgica integrada. - Capacidade instalada de 3.000.000 t./ano de aço liquido. - Produz 2.750.000 t./ano de acabados em forma de blocos, placas,

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 3.10 Barreiras Técnicas ao Comércio NAÇÕES UNIDAS Nova York e Genebra, 2003 NOTA

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Atuação do INMETRO para minimizar os impactos do REACH

Atuação do INMETRO para minimizar os impactos do REACH Atuação do INMETRO e suas ações a para minimizar os impactos do REACH Elizabeth Cavalcanti Brasília, 07 de abril de 2009 INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL PROVER

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE PRODUTOS IQA/Inmetro CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO CERTIFICAÇÃO. BENEFÍCIOS DO SEGMENTO AUTOMOTIVO PROFILE Debora do Nascimento Bueno (debora.bueno@iqa.org.br) Auditora Líder da qualidade no IQA - Instituto da Qualidade Automotiva. Formação técnica: Técnica

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n 04, de 16 de dezembro de 1998 Usando das atribuições que lhe confere o Artigo 3º da Lei n 5966, de 11 de dezembro

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Acordo sobre Aplicação das Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC

Acordo sobre Aplicação das Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC MERCOSUL/CMC/DEC Nº 6/96 Acordo sobre Aplicação das Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº6/93 do Conselho de Mercado

Leia mais

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Dr JOSÉ V. TARAZONA Membro do Comitê de Avaliação de Riscos, ECHA Vice-presidente do Comitê Científico de Riscos Sanitários e Ambientais, UE REGULAMENTO REACH

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 1ª Reunião Extraordinária de 2012 do Fórum Governamental de Responsabilidade Social SEMINÁRIO BRASIL-HOLANDA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL GOVERNAMENTAL Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade

Leia mais

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Coordenação de Articulação Internacional do Inmetro - Caint

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Coordenação de Articulação Internacional do Inmetro - Caint Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Coordenação de Articulação Internacional do Inmetro - Caint Rua Santa Alexandrina, 416, 5º andar - Rio Comprido 20261-232

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Representação Efetiva Comitê de Coordenação de Barreiras Técnicas ao Comercio - CBTC

Leia mais

MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ

MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ MARINHA DO BRASIL HIDROVIA PARAGUAI-PANANÁ 1 SUMÁRIO A definição da Hidrovia Paraguai Paraná(HPP); Antecedentes; Órgãos componentes; Carga exportada e importada; Autoridade Marítima Brasileira e as regulamentações;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

BENS DE CAPITAL. Que o acesso a bens de capital é essencial para manter os níveis de crescimento das economias da região.

BENS DE CAPITAL. Que o acesso a bens de capital é essencial para manter os níveis de crescimento das economias da região. MERCOSUL/CMC/DEC. N 34/03 BENS DE CAPITAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 07/94, 22/94, 69/00, 01/01, 05/01, 02/03 e 10/03 do Conselho do Mercado Comum.

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF. Certificado uma vez, aceito em toda parte

Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF. Certificado uma vez, aceito em toda parte Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF Certificado uma vez, aceito em toda parte Apoio à aceitação de produtos e serviços além das fronteiras nacionais A acreditação provê a garantia ao governo,

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Acordo de Facilitação de Comércio da OMC

Acordo de Facilitação de Comércio da OMC Acordo de Facilitação de Comércio da OMC TIMELINE shutterstock.com MEDIDAS FUNDAMENTAIS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO DE FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO: DE BALI EM DIANTE 1 Os Ministros reunidos em Bali em dezembro

Leia mais

Barreiras Técnicas ao Comércio

Barreiras Técnicas ao Comércio Barreiras Técnicas ao Comércio Juliana Ghizzi Pires DEPARTAMENTO DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR- SECEX Sistema Multilateral de Comércio Sistema Multilateral de Comércio Pós

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA

Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA Seminário sobre Protocolo de Nagoya e a Saúde: Buscando Novos Rumos para a Sustentabilidade A agricultura tem

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - CONDIÇÕES GERAIS 1.1. A PARTE proprietária dos itens de infra-estrutura cedidos e a PARTE a qual será feita

Leia mais

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR REGULAMENTO TÉCNICO DO Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior Secretaria

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR 31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias DNSF Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Experiência do Brasil e proposta de uso para IG/DO 2º Taller Regional TCP/RLA/3211 Calidad de los alimentos vinculada al origen y las tradiciones

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Relatório Mensal de Atividades

Relatório Mensal de Atividades Relatório Mensal de Atividades Janeiro/2015 Divisão de Superação de Barreiras Técnicas do Inmetro Relatório de Atividades - Jan/2015 Sumário 1. Notificações Brasileiras... 1 2. Notificações Estrangeiras...

Leia mais

PORTARIA CRN-3 N. 262/2012

PORTARIA CRN-3 N. 262/2012 PORTARIA CRN-3 N. 262/2012 Dispõe sobre critérios a serem analisados e fixados, para que o TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA assuma RESPONSABILIDADE TÉCNICA e dá outras providências; A Presidente do Conselho

Leia mais

Programa de Substituição Competitiva de Importações - Peru. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial WWW.INMETRO.GOV.

Programa de Substituição Competitiva de Importações - Peru. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial WWW.INMETRO.GOV. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial WWW.INMETRO.GOV.BR INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL PROPICIAR CONFIANÇA À SOCIEDADE NAS

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF 1 REACH REGISTER EVALUATION AUTHORIZATION OF CHEMICALS RESTRICTION 2 O que é o REACH?

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas. Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras

REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas. Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras Rogerio Corrêa Rio de Janeiro, 11 de Maio de 2009 Instituto Nacional

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA. NATALINO SALGADO FILHO Reitor

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA. NATALINO SALGADO FILHO Reitor 30 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA NATALINO SALGADO FILHO Reitor JOYCE SANTOS LAGES Superintendente EURICO SANTOS NETO Gerente Administrativo

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 002/2009/GGTPS/ANVISA 1. Objeto: Orientações para o Peticionamento de Certificado

Leia mais

Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC

Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC Objetivo O objetivo deste guia é destacar as etapas no processo de solicitação e avaliação para possibilitar que os organismos de acreditação assinem os Acordos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 Tecnologia nanômetro não é apenas um tecnologia da INTEL? A tecnologia de 22nm pode ser utilizada por diversas marcas conforme mencionado

Leia mais

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC)

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Acordos Comerciais Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Notificações Brasileiras

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Considerando que a referida Ata Final entra em vigor para a República Federativa do Brasil em 1º de janeiro de 1995,

Considerando que a referida Ata Final entra em vigor para a República Federativa do Brasil em 1º de janeiro de 1995, DECRETO N o 1.355, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994. Promulgo a Ata Final que Incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso de suas

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

PLAIN PACKAGING (Emb m ala l ge g ns s G e G néri r c i a c s) s

PLAIN PACKAGING (Emb m ala l ge g ns s G e G néri r c i a c s) s PLAIN PACKAGING (Embalagens Genéricas) O que são as embalagens genéricas? Trata-se da proibição do uso nas embalagens de logomarcas, cores ou qualquer elemento gráfico que permita a diferenciação entre

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE

DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008: Promulga o Protocolo Complementar ao Acordo Quadro entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China sobre Cooperação

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Certificação de Equipamentos de Proteção contra Incêndio no Brasil Avaliação da Conformidade Uma Ferramenta para Agregar Confiança Guarujá, 5 de

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Definição A Iniciação Científica é uma atividade de investigação, realizada por estudantes de graduação, no âmbito de projeto de pesquisa, orientada por

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmio Cidadania, categoria Estudante, premia trabalhos de caráter técnico ou científico, referente a implementação

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

REGULAMENTO. 1)Definições

REGULAMENTO. 1)Definições REGULAMENTO A Consolidadora Sakuratur, com sede na Avenida da Liberdade, 21, 8º andar, Cj. 805 - Liberdade, CEP 01503-000, São Paulo, doravante designada simplesmente Sakuratur, com base no presente regulamento

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais