ASSOCIADAS executam as mais IMPORTANTES obras do PAC no estado. PEZÃO: o secretário à frente de GRANDES INTERVENÇÕES no Rio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIADAS executam as mais IMPORTANTES obras do PAC no estado. PEZÃO: o secretário à frente de GRANDES INTERVENÇÕES no Rio"

Transcrição

1 Nº 46 :: AGOSTO 2008 ASSOCIADAS executam as mais IMPORTANTES obras do PAC no estado PEZÃO: o secretário à frente de GRANDES INTERVENÇÕES no Rio Plano Diretor do Arco AUXILIARÁ progresso de 21 MUNICÍPIOS

2

3 editorial Foto: Aline Massuca RENASCIMENTO DO RIO Depois de mais de 40 anos, o Rio de Janeiro começa a renascer. Obras que estavam paralisadas foram retomadas e os primeiros convênios do governo federal dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foram assinados com o Rio de Janeiro. Esse é o resultado do trabalho que o vice-governador Luiz Fernando Pezão vem implementando dentro da Secretaria Estadual de Obras. A rapidez e a qualidade dos projetos apresentados pelos órgãos subordinados à Secretaria de Pezão foram objeto de constantes elogios feitos pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o que levou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a apelidá-lo de Pai do PAC. Em 18 meses, Pezão e suas equipes prepararam projetos, realizaram licitações e iniciaram o maior volume de obras já visto no Estado do Rio de Janeiro. Só nestes primeiros seis meses de 2008, mais de R$ 2,2 bilhões em novas licitações foram realizadas. Isto corresponde ao volume de editais em todo o ano de 1992, quando foi licitada a Linha Vermelha, a última grande obra pública executada no estado. O Arco Metropolitano, um projeto essencial para o estado que se arrastava há mais de dez anos, finalmente saiu do papel. Não apenas foi licitado; suas obras já começaram. A reurbanização das maiores favelas do Rio também está em execução. Usando como ponto de partida as favelas da Rocinha, do Complexo do Alemão e de Manguinhos, o secretário pretende estender o modelo para outras comunidades. Na área de saneamento, as obras do Programa de Despoluição da Baía da Guanabara foram retomadas. Parece incrível, mas só em junho de 2008 o esgoto do Centro da capital deixou de ser jogado in natura na Baía de Guanabara para ser tratado na ETE Alegria. Levar água tratada e coleta de esgoto para a Região Metropolitana é outro objetivo de Pezão. Entre janeiro e junho deste ano, a Secretaria Estadual de Obras licitou mais de R$300 milhões para intervenções na área de saneamento básico. As obras de saneamento da Barra da Tijuca também foram retomadas. Mas não apenas de grandes obras vive este governo. Intervenções de pequeno e médio portes estão sendo executadas em todo o estado. Obras em escolas levaram a Emop a lançar mais de 90 editais de licitação nestes 18 meses. O DER-RJ também não se ateve ao Arco Metropolitano. Serviços de pavimentação, construção de passarelas, contenção de encostas etc. estão sendo licitados para atender a várias regiões. Com Pezão à frente da Secretaria de Obras e Sérgio Cabral no comando do governo, os sonhos estão se tornando realidade. Francis Bogossian, presidente 01 Construir Agosto 2008

4 índice Foto: Camilla Maia Fotos: Fabiana Almeida Sérgio Cabral fala do vice Joaquin Levy e as finanças estaduais A Caixa e as obras de urbanização de comunidades Pezão: trajetória e planos de gestão Quem é o Pai do PAC no estado As obras federais no Rio A Firjan e o desenvolvimento econômico fluminense Os projetos de longo prazo do governo Cabral Plano Diretor norteará obras As ações da Frente Pró-Rio Crônica expediente Diretoria : Presidente Francis Bogossian (Geomecânica); Vice-Presidente Eduardo Backheuser (Carioca); Diretor Administrativo-Financeiro Carlos Alberto Brizzi Benevides (Dimensional); Diretores Alberto Quintaes, (Andrade Gutierrez S.A.); Antonio Machado Evangelho, (Vile Romi); Gustavo Souza (Queiroz Galvão); Jefferson Paes de Figueiredo Filho (Darwin); Marcelo Sengés Carneiro (Tecnosolo); Moysés Spilberg, (Spil); Reginaldo Assunção Silva (OAS); Ricardo Araujo Farah, (Sanedraga); Conselho Consultivo-Fiscal Hécio Luiz da Silveira Gomes, (HG Engenharia); João Borba Filho, (Norberto Odebrecht); João de Deus Vaz da Silva Neto (Arkhe); Luiz Carlos de Carvalho, (Medeiros); Luiz Batista Girardi (RL2); Diretor Executivo João Américo Gentile de Carvalho Mello Gerente de Comunicação e Marketing Ana Maria Leite Barbosa AEERJ - Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro Av. Rio Branco, 124-7º andar Rio de Janeiro - RJ CEP Tel.: Fax: A Revista Construir é uma publicação da AEERJ - Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro, produzida pela Banjo Editora e Cria Caso Publicações Customizadas. Os artigos, fotografias e matérias assinadas são de responsabilidade dos respectivos autores e não refletem necessariamente a opinião da AEERJ. Editora Antonia Leite Barbosa Diretora de Criação Mariana Nahoum Repórter Verônica Coutinho Copidesque Káthia Ferreira Foto da capa Camilla Maia Fotos dos eventos Fernando Alvim 02 Construir Agosto 2008

5

6 o vice, pelo titular por sérgio cabral Pezão e o governador Sérgio Cabral Foto de divulgação Governo do Estado do RJ PEZÃO É UM CRAQUE! Um episódio recente simboliza bem a importância de ter Luiz Fernando Pezão no governo do Rio. Depois de fazer uma apresentação impecável, com maquete eletrônica, das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Manguinhos, ele recebeu um telefonema da Presidência da República pedindo que enviasse uma planilha detalhada de todas as obras do PAC no estado. Tudo porque o presidente Lula queria que o PAC fosse mostrado, em cada cidade do Brasil, com o que chamou de padrão Rio de Janeiro. Esse padrão é o da competência. O Pezão é assim: com a mesma competência com que planeja, executa. Foi ele o responsável por tirar do papel as grandes obras do PAC e torná-las realidade. Não foi por outra razão que o presidente Lula o chamou de Pai do PAC. O Programa de Aceleração do Crescimento, que está injetando bilhões de reais em investimentos e gerando milhares de empregos em nosso estado, dará uma nova cara ao Rio de Janeiro. Toda essa infra-estrutura está nas mãos do Pezão. O Estado do Rio é, hoje, um grande canteiro de obras que ele toca com habilidade. E isso porque é um político moderno que acredita no poder do estado como realizador, mas não perde de vista o que de melhor existe no pensamento da iniciativa privada, como a agilidade para que as coisas, de fato, aconteçam. O Pezão tem o senso de urgência de um gestor bem-sucedido. Um exemplo: quando era prefeito de Piraí, ele não sossegava. Vivia no Rio, em Brasília, apresentando projetos, propondo parcerias e pedindo dinheiro a governos e empresários tendo sempre, no bolso, o São Pidão que o acompanha! Resultado: no fim do mandato, a cidade, de 24 mil habitantes, tornou-se exemplo de eficiência para todo o Brasil. O projeto Piraí Digital é referência internacional. Pezão não é vice. Ele é governador junto comigo. Ele governa o estado ao meu lado. É um craque que trabalha incansavelmente para que o Rio de Janeiro esteja como está agora na vanguarda do crescimento brasileiro. 04 Construir Agosto 2008

7

8 tesouro estadual por joaquim levy DISCIPLINA FISCAL E TRANSPARÊNCIA CRIAM FUNDAMENTOS PARA NOVAS OBRAS O secretário de Fazenda Joaquim Levy Foto de divulgação O Estado do Rio de Janeiro tem oportunidades maravilhosas para crescer. O cenário mundial está favorável e o governo vem conquistando credibilidade no Brasil e no exterior. Como diz o governador Sérgio Cabral, temos um potencial enorme e muita disposição. Com receitas fiscais superiores a R$ 30 bilhões e um PIB equivalente ao da Colômbia e da Malásia, o principal problema do Rio de Janeiro não é falta de dinheiro, mas de gestão. Ou seja, para crescer, precisamos potencializar a utilização desses recursos, acertar o passado e criar facilidades para que pessoas e empresas se organizem e produzam. Objetivando garantir as condições para a nova fase de crescimento no estado, o governador Sérgio Cabral optou pela disciplina fiscal. A incapacidade do setor público de prover certos serviços deve-se principalmente a escolhas no gasto, falta de harmonia entre as esferas da Federação e deficiências de gestão. Olhando para as metas do governador, reorganizamos a Receita, aprovamos leis para combater a sonegação e estamos trabalhando com outros órgãos para cobrar na Justiça os impostos devidos. O orçamento também passou a ser para valer, com cada órgão sabendo o que tem para gastar dentro de uma cota financeira 06 Construir Agosto 2008

9 controlada, como em grandes empresas. Além disso, o dinheiro vem sendo canalizado para áreas consideradas prioritárias e os secretários trabalham para gastar bem e fazê-lo render. Com essa organização, os salários permanecem rigorosamente em dia, mesmo após a incorporação de reajustes concedidos nos últimos dois anos, e os fornecedores passaram a ser também pagos de forma regular e previsível. Todos os desembolsos feitos estão na internet, ao alcance de qualquer um, aumentando a transparência e mostrando para onde vai o dinheiro. Também temos que ir limpando o passado, porque há um limite até onde o governo pode levar a máquina pública na base do gatilho, de liminares na Justiça e de incentivos fiscais. Em um estado desorganizado, o investidor vê que tudo é precário e sem transparência e cobra milhões de reais em isenção de imposto para cada emprego gerado. Com a casa começando a ficar em ordem, iniciamos 2008 com foco em investimentos, tanto os do PAC, quanto suas contrapartes, complementos e outras iniciativas essenciais para o estado. Já em 2007, havíamos feito um esforço especial para pagar o que faltava de um empréstimo que se arrastava desde 1999, disponibilizando dez composições de trem com ar-condicionado. Logo no começo do ano, aprovamos no Senado um empréstimo de mais R$ 90 milhões também para trens e obras de transporte. E, assim que foi aprovado pelo Tesouro Nacional o novo espaço de endividamento de R$ 1,5 bilhão, começamos a negociar novos empréstimos para trens, estradas, Prodetur e saneamento. Em todos eles, o vice-governador Luiz Fernando Pezão tem dado o rumo nas escolhas de prioridades. O Tesouro estadual também tem permitido a execução acelerada das contrapartidas das principais iniciativas do PAC, dando fôlego ao governo enquanto se concluem os elementos necessários à plena fruição dos convênios com a União. Como se sabe, a previsão é de o investimento do PAC no Rio de Janeiro totalizar R$ 1,17 bilhão ainda em Desse montante, R$ 189,8 milhões serão desembolsados pelo Tesouro estadual. Entre os projetos relacionados pelo PAC que receberão forte injeção de recursos este ano está o Arco Metropolitano, que consumirá R$ 267 milhões. O PAC também prevê intervenções em favelas que representarão investimentos de R$ 402,2 milhões em 2008, com contrapartida do estado. Temos também projetos do PAC na área de saneamento que demandarão R$ 267 milhões em Entre as ações estão melhorias no parque de tratamento do Guandu, na Baixada Fluminense e em São Gonçalo, e na Baía de Guanabara, além da ampliação do sistema de abastecimento de água de Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, a maioria sob responsabilidade da Nova Cedae, cujo conselho é presidido pelo vice-governador. A PREVISÃO É DE QUE O INVESTIMENTO DO PAC NO RIO DE JANEIRO TOTALIZE R$ 1,17 BILHÃO AINDA EM 2008 Talvez a coisa mais excitante que esteja acontecendo na área de infra-estrutura, além do afinamento entre Obras e área financeira, seja o esforço do Rio de Janeiro para reconstruir grupos técnicos com capacidade para discutir de forma integrada investimentos, especialmente urbanos. Isso é essencial para priorizar e para casar o gasto com o desenvolvimento econômico. Hoje, um grande desafio é fortalecer as bases técnicas para a integração de áreas de processamento com o Arco, assim como planejar a mobilidade das pessoas para as novas oportunidades de trabalho ao longo da intervenção, de Itaguaí até Itaboraí. Aí se inclui a integração de ônibus e trilhos, que é fundamental para efetivamente baixar o custo do transporte urbano no Rio. Nesse sentido, um trabalho de divulgação e discussão do Plano Diretor de Transportes Urbanos (PDTU) é urgente, até porque dará indicações importantes para o setor privado quanto à escolha de locais para novos empreendimentos, inclusive imobiliários. O vicegovernador tem dado o exemplo, ao montar uma equipe para maximizar o impacto positivo da Via Light, que vai energizar e valorizar grande número de bairros do Rio. A Secretaria de Fazenda tem mantido o compromisso de garantir os recursos do orçamento e ajudar a otimizar o seu uso, porque todo o governo está imbuído da convicção de que Obras tem um papel fundamental para nos fazer vencer os desafios da favelização, segurança e estagnação econômica. Essas chagas vieram caracterizando a Região Metropolitana e, de certo modo, todo o Estado do Rio de Janeiro, por tempo exagerado. Neste ano e meio, fica claro que a liderança de Obras em várias dessas áreas tem sido muito efetiva, trazendo resultados palpáveis para os recursos investidos. >> Joaquim Levy, secretário de estado de Fazenda do Rio de Janeiro 07 Construir Agosto 2008

10 repasse CEF EXIGE CUMPRIMENTO DOS CRONOGRAMAS PARA LIBERAR VERBAS DO PAC C OM PL E X I DA DE DA S I N T E RV E NÇ ÕE S GE R A ATRASO NOS REPASSES Foto de divulgação José Domingos Vargas A Caixa Econômica Federal é a instituição financeira responsável pelo repasse dos recursos oriundos do governo federal para a Secretaria de Obras do Estado do Rio de Janeiro (SEOBRAS) remunerar as empresas executoras das obras do PAC nas comunidades carentes do Rio. Para ter acesso aos recursos, a secretaria precisa atender a várias exigências. O superintendente da Caixa Econômica Federal no Rio, José Domingos Vargas, explicou à Construir as principais regras do processo. Revista Construir: Quais as principais exigências feitas à SEOBRAS para os desembolsos? José Domingos Vargas: Por meio dos contratos firmados no âmbito do PAC, são acordadas, nos valores de investimento, a participação dos recursos federais e a parcela de contrapartida dos tomadores. Os desembolsos realizados pela CAIXA referem-se a etapas executadas e são liberados a partir dos boletins de medição apresentados e aferidos in loco pelas equipes de engenharia da CAIXA. Assim, as exigências da CAIXA se voltam para a execução integral da etapa prevista no cronograma físico-financeiro, observados os aspectos de qualidade e segurança exigidos e acordados para a obra. RC: Por que os órgãos públicos e as empresas executoras têm que atender a tantas exigências? JDV: No caso dos contratos que contemplem recursos nãoonerosos (do Orçamento Geral da União), há necessidade de se cumprirem os regulamentos que regem as contratações públicas a partir das transferências classificadas como obrigatórias, tais como Lei de Diretrizes Orçamentárias, dentre outras. São recursos públicos sobre os quais não somente as instâncias de governo e de poderes devem exercer um rígido controle sobre a eficiência, eficácia e efetividade da sua aplicação, como também todo cidadão e a sociedade civil têm o direito de requerer a transparência na sua aplicação e execução. RC: Como a Secretaria de Obras e as empresas de engenharia contratadas para executar as obras podem se preparar para evitar atrasos nos repasses de recursos? JDV: Os repasses de recursos públicos do PAC estão garantidos pela Lei /2007, que os diferencia como transferências obrigatórias da União. Assim, para que os tomadores evitem atrasos nos repasses, é indispensável o cumprimento rigoroso dos cronogramas de obras previamente acordados nos contratos firmados com o governo federal. RC: O processo de repasse dos recursos destinados às obras na Rocinha, em Manguinhos e no Alemão está dentro do cronograma previsto ou está atrasado? JDV: Tendo em vista a complexidade e dimensão dos projetos envolvidos, os cronogramas originalmente contratados apresentam defasagem nos prazos previamente acordados. 08 Construir Agosto 2008

11

12 entrevista Foto: Camilla Maia PEZÃO DIZ QUE PALAVRA-CHAVE DO GOVERNO DO ESTADO É PARCERIA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL DO VICE-GOVERNADOR E SECRETÁRIO DE OBRAS É FEITA DE DESAFIOS 10 Construir Agosto 2008

13 ELE ACUMULA AS FUNÇÕES DE VICE-GOVERNADOR E SECRETÁRIO DE OBRAS DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SENDO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DE INTERVENÇÕES QUE REPRESENTAM BILHÕES DE REAIS EM INVESTIMENTOS PÚBLICOS E CUJO OBJETIVO É MUDAR PARA MELHOR A VIDA DE MILHÕES DE PESSOAS. SOB SUA TUTELA ESTÃO ENTIDADES DE GRANDE VALOR ESTRATÉGICO PARA O ESTADO, COMO A EMOP (EMPRESA DE OBRAS PÚBLICAS), A NOVA CEDAE (COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS) E O DER (FUNDAÇÃO DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO). EM ENTREVISTA À CONSTRUIR, LUIZ FERNANDO PEZÃO, CHAMADO DE PAI DO PAC PELO PRESIDENTE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, CONTA O QUE NORTEOU SUA TRAJETÓRIA E AVALIA OS DESAFIOS E AS RECOMPENSAS DE ESTAR À FRENTE DA PASTA DE MAIOR VISIBILIDADE DO GOVERNO SÉRGIO CABRAL. Revista Construir: O senhor iniciou sua vida pública em Piraí e hoje é vice-governador e secretário de Obras de um dos mais importantes estados do país. O que norteou sua trajetória política? Pezão: Comecei a me interessar pela política muito jovem, ao participar de movimentos estudantis na minha cidade e, depois, na Universidade Federal Rural, onde estudei. Sempre tive como meta a criação de postos de trabalho, principal carência da população de Piraí. Por isso trabalhei na criação de incentivos para a atração de empresas e, conseqüentemente, de empregos para os moradores da minha cidade. Minha trajetória política é marcada por desafios, como os experimentados em Piraí. Quando assumi a prefeitura pela primeira vez, em 1997, a Light, maior empresa da cidade, acabava de ser privatizada e passava por uma reestruturação que levou à demissão de trabalhadores. Para agravar o impacto econômico e social, a segunda maior empresa do município, a Companhia Industrial de Papel Pirahy, havia sido vendida à canadense Schweitzer-Mauduit e planejava cortar 300 funcionários. Diante desse quadro, recorri às universidades para implantar um eficiente sistema de informação, que chamamos de Piraí Digital e dá acesso à internet por rede sem fio e em alta velocidade aos moradores do município. Piraí, hoje, apresenta relevantes indicadores econômicos e sociais e é modelo de inclusão digital no país. A melhoria da infra-estrutura de comunicação ajudou a atrair 18 indústrias. Em oito anos, multiplicamos por quase cinco a arrecadação anual de ICMS, passando de R$ 17 milhões para R$ 76 milhões. Em termos de renda per capita, saímos da 18ª colocação para os primeiros lugares do estado. Criamos 4,2 mil empregos e elevamos de 0,69 para 0,77 o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da cidade. Hoje é muito gratificante ser secretário e vice-governador de um estado pujante como o Rio de Janeiro. RC: O governo Sérgio Cabral completa um ano e sete meses em agosto. Como avalia esse período? Pezão: A palavra-chave do governo Sérgio Cabral é parceria, principalmente com o presidente Lula. A parceria com o governo federal, inédita, tem sido fundamental para a construção de um estado melhor. A população do Rio pode constatar que a parceria e a boa vontade entre todas as esferas de poder têm sido fundamentais para a construção de um novo estado. Só com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, o Rio de Janeiro foi beneficiado com R$ 3,5 bilhões. Uma das obras que serão realizadas com parte desse recurso é o Arco Metropolitano. Os próximos dois anos e cinco meses serão de muito trabalho e grandes desafios, mas, com certeza, de muito sucesso. O maior desafio será conseguir chegar ao final do governo com um estado melhor, com mais cidadania e mais qualidade de vida para a população. O presidente Lula e o governo federal são agentes fundamentais do crescimento do Estado do Rio de Janeiro. 11 Construir Agosto 2008

14 entrevista RC: Como começou seu relacionamento com o governador? Pezão: Sérgio Cabral e eu somos amigos há mais de 20 anos, muito antes de cruzarmos nossos caminhos na política. Nossa amizade surgiu quando jogávamos futebol, juntos. Ele é um estadista e uma das pessoas mais generosas que conheço. Está sempre de bom humor e ama o Rio de Janeiro. A população está de parabéns por ter escolhido um governador comprometido com a busca de soluções para os problemas do estado. Sintome honrado por ter sido escolhido por ele para estar à frente de alguns dos principais projetos do governo. Estamos num momento histórico de nosso estado, em uma parceria com o governo Lula que vai garantir ao Rio de Janeiro investimentos em infra-estrutura como nunca tivemos. NOS PRÓXIMOS QUATRO ANOS, O ESTADO RECEBERÁ MAIS DE R$ 100 BILHÕES EM INVESTIMENTOS PÚBLICOS E PRIVADOS RC: Para a realização das obras do PAC nas comunidades carentes foi fundamental a criação de parcerias entre os poderes públicos federal, estadual e municipal. Qual o papel de cada uma dessas esferas no processo? Pezão: O Rio vive um momento sem par. Talvez pela primeira vez na história do estado as esferas de poder estejam trabalhando em parceria, visando à melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes. É exatamente isso que a população deseja, por estar cansada de assistir a disputas políticas cujas conseqüências são o abandono e a estagnação econômica e social das nossas cidades. O PAC é o melhor exemplo de que a união de esforços é o caminho para o desenvolvimento. Não tenho dúvidas de que o Rio de Janeiro entrou na rota de crescimento. Nos próximos quatro anos, serão mais de R$ 100 bilhões em investimentos públicos e privados, com geração de muitos empregos. A urbanização das favelas pode ser de grande importância nesse processo de construção de uma nova visão de cidade. A criação de uma estrutura de bairro vai permitir que essas comunidades interrompam o crescimento desenfreado que tiveram ao longo do tempo. Uma vez urbanizadas, será possível controlar melhor o desenvolvimento dos novos bairros e criar condições para que não se perca a presença do poder público nessas áreas. Não podemos esquecer que a ONU vem sinalizando a necessidade de um novo pensamento nas cidades que abrigue o crescimento sem favelização. É um momento histórico para as comunidades que estão abandonadas há décadas. RC: Qual a sua expectativa em relação aos legados do PAC e do Arco Metropolitano? Pezão: O PAC vai investir no Estado do Rio de Janeiro R$ 3,5 bilhões em obras. São muitos os projetos. Além da reurbanização das favelas e da construção do Arco, estão previstas melhorias na adutora da Baixada Fluminense, que leva água a quase todos os municípios da região. E também projetos de saneamento e habitação para São Gonçalo, Duque de Caxias, Nilópolis, Queimados, Nova Iguaçu e Niterói. Os projetos de maior repercussão, no entanto, são os de reurbanização das favelas, aí incluídos os complexos do Alemão, Manguinhos, Pavão- Pavãozinho/Cantagalo, Preventório e Rocinha. Estes locais vão receber, além de programas sociais, casas, escolas, creches, unidades de saúde, áreas de lazer, água tratada, rede de tratamento de esgoto, drenagem e pavimentação de ruas. Nosso objetivo é mudar a realidade dessas comunidades carentes. Não se trata apenas de fazer obras estruturais. Queremos manter o estado presente nos locais com políticas públicas eficientes. Não podemos permitir que ainda existam áreas densamente povoadas isoladas em meio à nossa cidade. Temos de fazer a integração dessas comunidades com o entorno, gerando melhor qualidade de vida para todos. Uma das ações mais importantes do PAC é a geração de emprego e renda no estado. Hoje são dezenas, em breve serão milhares de trabalhadores há muito tempo desempregados ou sem a carteira profissional assinada inseridos, dignamente, no mercado de trabalho formal. Apenas no Alemão, Manguinhos e 12 Construir Agosto 2008

15 Rocinha serão gerados postos de trabalho. E o melhor: a maioria composta de moradores locais. Hoje, 80% dos 260 operários das obras do Pavão-Pavãozinho/ Cantagalo moram nas comunidades e estão ajudando a acelerar o crescimento do nosso povo. A construção do Arco Metropolitano vem sendo debatida e desejada pela população e por empresários há 30 anos. Representa, indiscutivelmente, a principal intervenção para a melhoria do desempenho econômico de nosso estado. A parceria entre o governador Sérgio Cabral e o presidente Lula é o elemento que faltava para alavancar a obra. RC: O governo do estado está renegociando dívidas e já pode captar recursos externos para novos projetos e obras. Que intervenções estão sendo planejadas? Pezão: Conseguimos ampliar a capacidade de endividamento do estado para R$ 1,5 bilhão e já podemos buscar fontes de financiamento para investir, por exemplo, em obras de saneamento e infraestrutura. Investiremos na construção de delegacias legais e casas de custódia; na compra de trens, na pavimentação de estradas, na construção de um centro de turismo e convenções em Cabo Frio; na urbanização da orla oceânica de Niterói; em obras de saneamento para eliminação de línguas negras na Praia dos Ossos e na de Geribá, em Búzios, entre tantas outras. RC: Um dos desafios dos governos hoje é promover o desenvolvimento com sustentabilidade, e a ampliação dos serviços de saneamento básico é parte desse objetivo. Quais os planos do governo para a área? Pezão: Investir em saneamento básico é fundamental para a melhoria da qualidade de vida da população, porque reduz a incidência de doenças. Por isso, o nosso governo tem aplicado uma soma grande de recursos em obras de infra-estrutura, como implantação e recuperação de sistemas de água e esgoto, além de

16 entrevista Pezão; Wagner Victer, presidente da Nova Cedae, Sérgio Cabral e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, no lançamento do emissário da Barra Foto de divulgação Secretaria Estadual de Obras ANO PASSADO, INAUGURAMOS O SISTEMA COLETOR DE ESGOTO DO CENTRO DO RIO. O SISTEMA EVITA QUE SEJAM DESPEJADOS POR DIA, NA BAÍA DE GUANABARA, 85 MILHÕES DE LITROS DE ESGOTO BRUTO drenagem de ruas. Em viagem recente ao Japão, o governador Sérgio Cabral obteve da direção do Banco Japonês para a Cooperação Internacional (JBIC) o compromisso de liberação de um novo financiamento, no valor de US$ 200 milhões, para dar continuidade ao Programa de Despoluição da Baía de Guanabara. O modelo a ser seguido é o que recuperou a Baía de Tóquio, no Japão. Ano passado, inauguramos o sistema coletor de esgoto do Centro do Rio. O sistema evita que sejam despejados por dia, na Baía de Guanabara, 85 milhões de litros de esgoto bruto. Estamos recuperando o Programa de Despoluição da Baía de Guanabara e, com isso, priorizando os investimentos em meio ambiente e saneamento básico. O estado, em parceria com a União, vai investir R$ 1,1 bilhão do PAC em saneamento básico na Baixada Fluminense, Região Metropolitana e cidades do interior. Durante muitos anos, os municípios do entorno da capital foram relegados à posição de cidades-dormitório, com pouco investimento. O crescimento desordenado fez com que muitas regiões tenham hoje índices de distribuição de água abaixo de 50% das casas e coleta e tratamento de esgoto nos mesmos percentuais. É inadmissível que, em pleno século 21, ainda encontremos situações como essa. A intenção do governo é promover uma grande transformação nessa área, recuperando a cidadania e a dignidade de milhares de famílias que sobrevivem de maneira precária. 14 Construir Agosto 2008

17 personalidade OS CAMINHOS DE UM REALIZADOR A GESTÃO DO PEZÃo MUDOU A VIDA DA POPULAÇÃO EM PIRAÍ Natural do município de Piraí, Luiz Fernando de Souza, conhecido como Pezão, é formado em economia e administração de empresas. Nascido em 29 de março de 1955, ingressou na vida política na década de 80, quando foi eleito vereador. Exerceu o mandato até 1988 e voltou a legislar na Câmara Municipal em Eleito prefeito em 1996, com 75% dos votos válidos, Pezão transformou a vida de Piraí, localizada a 70 quilômetros da capital fluminense. Tendo como meta a criação de postos de trabalho, principal carência da população, trabalhou na criação de incentivos para a atração de empresas e, por esse trabalho, recebeu o Prêmio Mário Covas, concedido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aos prefeitos que se destacam como empreendedores. Entre as empresas que se instalaram em Piraí estão a cervejaria Cintra, a indústria de componentes de computadores IMBP e a fábrica de fraldas e absorventes Aloés Aloés. Como prefeito, Pezão ainda aprimorou a produção agropecuária de forma pioneira, dando incentivos à piscicultura em tanques nas áreas rurais. Reeleito em 2000, recebeu da população um sinal verde para dar continuidade a seus projetos: 86,06% dos votos válidos. Com a criação do Piraí Digital, programa que gerou em quatro anos um grande número de postos de trabalho e acesso irrestrito à internet, Pezão obteve reconhecimento nacional e internacional. Focando também a educação, instalou no município a universidade a distância, dando aos Dilma Rousseff, Pezão e o presidente Lula no lançamento das obras do PAC no Rio de Janeiro Foto de divulgação Secretaria Estadual de Obras 15 Construir Agosto 2008

18 personalidade moradores a chance de se graduarem em cursos superiores sem precisarem se deslocar para outras regiões. Outras realizações de Pezão foram a criação do Centro de Convivência da Mata do Amador, o Centro de Informações Turísticas e a Feira de Artesãos de Piraí. Presidente da Associação de Prefeitos dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro (Apremerj) nos períodos e , teve atuação destacada como interlocutor dos interesses do interior na Assembléia Legislativa e no governo do estado. Como prefeito, recebeu os prêmios Unicef (1999); Fundação Roberto Marinho e Unesco, na área de educação (2000); Gestão Pública e Cidadania, da Fundação Ford e Fundação Getúlio Vargas (2002); Pastoral da Criança e Prefeito Amigo da Criança (2003); Gestão Pública e Cidadania da Fundação Ford e Fundação Getúlio Vargas, pelo projeto Piraí Digital (2004); Prêmio Latino-Americano de Cidades Digitais (2004); e o Top Seven Intelligent Communities, que pôs Piraí entre as sete cidades mais inteligentes do mundo. Em outubro de 2007, foi eleito vice-governador do Estado do Rio de Janeiro para o mandato que vai até Acumula o cargo de secretário de Obras, sendo responsável pelos principais empreendimentos do governo Sérgio Cabral. Além disso, estão sob sua responsabilidade a construção do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro e os projetos de urbanização do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nos complexos do Alemão, de Manguinhos, do Pavão-Pavãozinho e da Rocinha, comunidades carentes do município do Rio de Janeiro. Como secretário estadual de Obras, está à frente do projeto de duplicação da Estação de Tratamento de Água do Guandu, essencial para a melhoria do abastecimento de água na Baixada Fluminense, e da implantação do sistema de saneamento na Barra da Tijuca, em Jacarepaguá e no Recreio dos Bandeirantes, que vai beneficiar aproximadamente um milhão de pessoas. em família Casado há 15 anos com a advogada Maria Lúcia Horta Jardim, secretária de Fazenda do município de Piraí, Luiz Fernando Pezão cultiva, no convívio com a família e os amigos, hábitos simples, adquiridos na cidade do interior do estado onde nasceu e iniciou a carreira política. Atualmente, o vice-governador e secretário estadual de Obras mora no bairro carioca do Leblon com a mulher que só vem ao Rio nos fins de semana, os enteados Eduardo, 29 anos, piloto de avião, Roberto, 27, advogado, e a sobrinha Luiza, 17, estudante de engenharia. Quando tem uma folga, vai até a cidade natal, onde, aos domingos, joga sueca com os amigos em uma padaria do Centro. Anteriormente, morava no Flamengo e freqüentava a padaria, o botequim e o barbeiro próximos de sua casa. Pezão adora tomar chope, ouvir um bom samba e cantar. O apelido superlativo anexado ao nome o político recebeu, obviamente, por causa do tamanho dos sapatos que usa: número 48. Na casa de Luiz Fernando e Maria Lúcia, em Piraí, há uma espécie de museu onde são guardados os mais variados objetos que o secretário ganha em formato de pé. Pezão é devoto de São Pidão. Em sua mesa de trabalho mantém a imagem do santo dada por uma freira na época em que foi prefeito da cidade fluminense. Quando vai a Brasília ou tem algum encontro de negócios para tentar obter recursos para o estado, São Pidão o acompanha, no bolso. Segundo o secretário de Obras, o santo nunca falhou. Por isso Pezão presenteou o governador Sérgio Cabral com uma imagem exatamente igual. Pezão com a mulher Maria Lúcia

19 17 Construir Agosto 2008

20 infra-estrutura Pezão e Ícaro Moreno Júnior, presidente da Emop, visitam a obra em Manguinhos em abril de 2008 Foto: Fernanda Almeida ASSOCIADAS DA AEERJ: OS BRAÇOS EXECUTORES DO PAC NO RIO ALTA COMPLEXIDADE DAS OBRAS É DESAFIO PARA AS EMPRESAS As maiores e mais importantes obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal gerenciadas pelo governo do Rio de Janeiro estão sendo executadas por empresas de engenharia associadas à AEERJ, unidas em consórcios. Sob a liderança da Construtora Andrade Gutierrez, Carioca Christiani- Nielsen Engenharia, Delta Construções, Construtora Norberto Odebrecht, Construtora OAS e Construtora Queiroz Galvão, estão previstas intervenções de urbanização em três grandes comunidades carentes Manguinhos, Alemão e Rocinha e construção de quatro lotes do Arco Metropolitano, obra que criará ligação rodoviária entre Itaboraí e o Porto de Itaguaí. As obras do PAC dotarão essas comunidades com infra-estrutura e equipamentos que permitirão a implantação de transporte, lazer, cultura e educação. Além de levar até elas políticas públicas capazes de fazer baixarem os índices de violência urbana e de desigualdade social e de melhorar a qualidade de vida de cerca de 260 mil pessoas. O Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, cuja construção começou em junho, será uma via de promoção de desenvolvimento no estado, ligando os municípios de Itaboraí e Itaguaí. Para que as regiões do entorno 18 Construir Agosto 2008

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN na solenidade de posse do Conselho Consultivo e do presidente executivo da AEERJ Dia 28 de julho de 2014 Centro de Convenções da Firjan Minhas Senhoras e Meus Senhores, Gostaria

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

ARCO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE OBRAS

ARCO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE OBRAS DO RIO DE JANEIRO HISTÓRICO 1974 - passou a integrar o Plano Rodoviário Estadual (PRE) como RJ-109, rodovia planejada do trecho entre a BR 040 e a BR 101 (Sul) 1977 e 1984 - O Estado contratou projeto

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Introdução: A história das políticas públicas relacionadas à questão urbanística e habitacional implementadas em comunidades de baixa renda tem nos mostrado:

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro Ano 5 / Nº 46 / Outubro/2015 Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro GE Aviation anuncia investimento de US$ 55 milhões na GE Celma, unidade

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

MARCHA DOS PREFEITOS 2011

MARCHA DOS PREFEITOS 2011 MARCHA DOS PREFEITOS 2011 Miriam Belchior Ministra, Orçamento e Gestão Brasília, 12 de maiode 2011 IMPORTÂNCIA DO PAC Planejamento dos investimentos necessários ao crescimento econômico permanente do país

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto será a contrapartida mínima dos municípios? R: A contrapartida de OGU será zero. 2. Haverá liberação de

Leia mais

Desafios do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016: transporte

Desafios do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016: transporte Nº 1 de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016: transporte A escolha do Rio de Janeiro para ser a sede dos Jogos Olímpicos coroou o bom momento vivido pela cidade e pelo estado, que irá receber investimentos

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN GT - INFRAESTRUTURA GT - INFRAESTRUTURA Grupo de Trabalho INFRAESTRUTURA Responsável pela proposição de projetos e operações de infraestrutura, além do acompanhamento na execução destes, necessários à

Leia mais

PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO

PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO Governo Federal libera R$ 1,63 bilhão para implantação do BRT Transbrasil e do VLT do Centro A presidenta Dilma

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

10 de abril de 2012 Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Desenvolvimento

10 de abril de 2012 Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ações Públicas pela Cidadania e pelo Desenvolvimento Econômico 10 de abril de 2012 Contexto - Belo Horizonte MINAS GERAIS População :19,6 MM PIB: R$ 287 Bilhões IDH: 0,828 RMBH População :4,9 MM PIB: R$

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Prefeitura inicia a obra da trincheira Ressaca/Eldorado PREFEITURA RESSACA ESPECIAL REGIÃO VEJA AINDA:

Prefeitura inicia a obra da trincheira Ressaca/Eldorado PREFEITURA RESSACA ESPECIAL REGIÃO VEJA AINDA: PREFEITURA FAZ INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM Nº 2 - Janeiro de 2008 ESPECIAL REGIÃO RESSACA Prefeitura inicia a obra da trincheira Ressaca/Eldorado A Prefeitura iniciou a obra que vai retirar a

Leia mais

TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS)

TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS) TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS) 11 Ligação Rio São Paulo - Antecedentes No final da década de 90 o Governo Brasileiro com a cooperação do Governo Alemão realizou estudo de alternativas para

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica PORTO MARAVILHA Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovado 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km Perímetro Porto

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto Secretaria Municipal de Obras secretário Alexandre Pinto Investimentos recordes e precisos Obras em andamento R$ 5,5 bilhões Obras em licitação R$ 2 bilhões Obras a licitar R$ 190 milhões R$ 8,1 bilhões

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA HUMBERTO COSTA Secretário das Cidades Governo de Pernambuco 17 de setembro Recife / PE Prevenção da violência x ESPAÇO URBANO AS ESTATÍSTICAS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Belo Horizonte Setembro/2013 Belo Horizonte: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos

Leia mais

Comitê Gestor do PAC

Comitê Gestor do PAC RORAIMA Apresentação Esta publicação apresenta informações regionalizadas do 4º balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), referente a abril de 2008. Traz, também, dados sobre outros importantes

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Expediente Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de Leite: distribuídos 22.532 litros de leite, no período de Jan/2011 a Set/2011 Custo: R$ 30 mil, beneficiando 272 famílias

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA FISCALIZAÇÃO DO ÓRGÃO / ENTIDADE FISCALIZADA. Município/UF: Fortaleza / CE

1. APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA FISCALIZAÇÃO DO ÓRGÃO / ENTIDADE FISCALIZADA. Município/UF: Fortaleza / CE 1. APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO Município/UF: Fortaleza / CE DA FISCALIZAÇÃO Objeto da fiscalização: Veículo leve sobre trilhos (VLT)Parangaba/ Mucuripe Tipo de obra: Mobilidade Urbana Período abrangido

Leia mais

elas a trincheira, que vai integrar o Morada Nova e o Eldorado, o saneamento, a urbanização, a reforma e a construção de escolas e os investimentos

elas a trincheira, que vai integrar o Morada Nova e o Eldorado, o saneamento, a urbanização, a reforma e a construção de escolas e os investimentos PREFEITURA INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM Nº 1 - Outubro de 2007 FAZ ESPECIAL REGIÃO RESSACA Prefeitura investe R$ 35 milhões na região da Ressaca As parcerias construídas pela Prefeitura de Contagem,

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Avaliação da das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Objetivo Com o objetivo de realizar uma análise e contribuir com o aprimoramento do Orçamento Participativo 12 no

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO LICENCIAMENTO AMBIENTAL BAIXADA DE JACAREPAGUÁ O LICENCIAMENTO AMBIENTAL E AS NOVAS INTERVENÇÕES URBANAS NA BAIXADA DE JACAREPAGUÁ PROJETOS - OS GRANDES EVENTOS O LIC ENC IAM ENT O AMB IENT AL E AS NOV

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA WALTER FERNANDES DE MIRANDA NETO SECRETÁRIO ADJUNTO DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DA COPA 2014

DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA WALTER FERNANDES DE MIRANDA NETO SECRETÁRIO ADJUNTO DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DA COPA 2014 INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA PARA A COPA INVESTIMENTOS SECRETARIA ADJUNTA EM MOBILIDADE DE PLANEJAMENTO URBANA DE OBRAS PARA DA A COPA MOBILIDADE URBANA - COPA DÂMOCLES PANTALEÃO LOPES TRINTA SECRETÁRIO

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012

Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012 Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012 Histórico do PAC Em 2007, o Governo Federal lançou o PAC em todo Brasil. No Estado do Rio de Janeiro foram elencadas 15 cidades, em 12 municípios

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE:

ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE: MONÇÕES OBRAS E AÇÕES - GESTÕES 2011-2014 DEFESA CIVIL: Obra programada: Construção de travessia em aduelas de concreto no córrego do Cachorro, estrada MON-164 Custo: R$ 214 mil. DESENVOLVIMENTO SOCIAL:

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 OBJETIVO DO PROGRAMA Subsidiar a aquisição de IMÓVEL NOVO para os segmentos populacionais de menor renda Política Social

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ANUNCIO DE MUDANÇAS NO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Pesquisa Sebrae: Empresários participantes do III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Brasília, Novembro 2012 * *Conhecer o perfil das empresas participantes do III Fomenta Nacional; *Investigar

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Praia Grande SP Vencedores do 4º

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Mercado do Rio de Janeiro- 2011

Mercado do Rio de Janeiro- 2011 Gávea Green Residencial Parque Cidade Barra Prime Offices Torre IV Mercado do Rio de Janeiro- 2011 1 Mercado Imobiliário 2006, 2007- Rio de Janeiro 2006- Expansão do Financiamento Imobiliário. Abecip-

Leia mais

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Outubro 2014 Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Secretaria de Desenvolvimento Econômico Unidade Central PPP www.ppp.mg.gov.br 1 Aerotrópole de Belo Horizonte e o CTCA

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo) NOME: RENATO SILVA JUNIOR ÓRGÃO/ENTIDADE/EMPRESA: PREFEITURA SANTA LUZIA DO ITANHY Como no trecho do Rio Piaui que liga a zona urbana a zona rural do Município de Estância, logo há um grande fluxo de veiculo

Leia mais

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte

3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO. 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3. PLANO DE EMPREENDIMENTO SELECIONADO E SITUAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO 3.1. Projeto Ação Metrópole - Obras integradas de transporte 3.1.1. SÍNTESE DO PROJETO AÇÃO METRÓPOLE Como o 1.º projeto do sistema

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

PROPOSTAS GT G EMPRESAS

PROPOSTAS GT G EMPRESAS PROPOSTAS GT EMPRESAS Saúde: 1) Empresas incentivarem mães a acompanharem seus filhos, principalmente até aos dois anos a exemplo da amamentação e vacinação. 2) Empresas adotarem postos de saúde na comunidade

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais