Lisa Kleypas - Travis 04 - A garota de olhos côr de café (TM)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lisa Kleypas - Travis 04 - A garota de olhos côr de café (TM)"

Transcrição

1 Lisa Kleypas - Travis 04 - A garota de olhos côr de café (TM) SINOPSE Avery Crosslin é uma designer de moda jovem talentosa comum futuro brilhante. Mas quando a empresa para a qual trabalha fecha, Avery fica desempregada e seu namorado a abandona. Pouco depois seu pai adoece, ela permanece ao seu lado dia e noite. Uma noite, ela conhece Joe, um jovem homem em perigo, e oferece sua ajuda. Embora sintam uma atração mútua imediata quando chega a hora da partida, ele pergunta o nome dela e pede o seu número de telefone, Avery mente e diz que ela tem um namorado. Nesse ponto em sua vida, a última coisa que ela precisa são mais complicações. No dia seguinte, quando Avery retorna ao hospital para agradecer os cuidados da enfermagem que tiveram com seu pai, uma delas dá um envelope de Joe, dirigida a " garota dos olhos côr de café olhos"... Todos os direitos reservados. Sob as sanções estabelecidas no ordenamiento jurídico, fica rigorosamente proibida, sem autorização escrita dos titulares do copirraite, a reprodução total ou parcial desta obra por qualquer meio ou procedimento, compreendidos a reprografia e o tratamento informático, assim como a distribuição de exemplares mediante aluguel ou empréstimo públicos.

2 Contido Epílogo 1 Como perita organizadora de bodas, sabia-me preparada para qualquer tipo de emergência que pudesse acontecer durante o grande dia. Salvo para os escorpiões. Essa era nova. Delatou-o seu característico movimento enquanto se apressava a atravessar a zona ladrilhada próxima à piscina. Em minha opinião, não havia em toda a criação uma criatura mais sinistra que um escorpião. Normalmente, o veneno não era mortal, mas detrás sofrer uma picada, desejava-se estar morto ao menos durante os primeiros minutos. A regra número um para lutar com emergências era: «Não deixar-se levar pelo pânico.» Entretanto, enquanto o escorpião se aproximava de mim com seus pinzas dianteiras e a cauda em alto, me esqueceu a regra número um e soltei um chiado. Feita um molho de nervos, comecei a rebuscar em minha bolsa, que pesava tanto que cada vez que o deixava no assento do carro soava o aviso de que o passageiro devia ficar o cinto de segurança. Rocei com a mão lenços de papel, canetas, ataduras, uma garrafa de água Evian, produtos capilares, um bote de desodorante, desinfetante para as mãos, nata corporal, kits de maquiagem e manicura, pinzas de depilar, um kit de costura, cola, auriculares, pastilhas para a tosse, uma barrita de chocolate, medicamentos básicos dos que se podiam adquirir sem receita, tesouras, uma lima de unhas, uma escova, vários fechamentos de pendentes, borrachas elásticas, almofadas, tira-manchas, um pau de macarrão para tirar os penugens, alfinetes, uma cuchilla de barbear, cinta de dobro cara e bastoncillos de algodão. O mais pesado que encontrei foi uma pistola de silicone, que foi o que lhe joguei no escorpião. A pistola ricocheteou sobre o chão sem lhe fazer o menor dano enquanto o escorpião se apressava a defender seu território. Tirei um bote de laca e avancei com precaução, embora decidida. Isso não vai funcionar escutei que alguém me dizia em voz baixa e com ironia. A menos que queira lhe dar volume e brilho. Surpreendida, elevei a vista ao mesmo tempo que um desconhecido passava a meu lado. Um homem alto e moreno, vestido com jeans e uma camiseta de manga curta que de tanto lavá-la estava virtualmente aniquilada. Eu me encarrego acrescentou. Retrocedi uns passos, ao tempo que devolvia a laca à bolsa. Eu... pensei que poderia asfixiá-lo com a laca. Pois não. Um escorpião é capaz de conter o fôlego durante uma semana. Sério? Sim, senhora. O desconhecido esmagou o escorpião com a sola da bota e o rematou com um movimento

3 do salto. Não havia nada que um texano matasse mais concienzudamente que um escorpião... ou uma bituca. Depois de jogar de uma patada o exoesqueleto à terra de um te arrie próximo, voltou-se para mim e me olhou em silêncio um bom momento. Esse escrutínio tão masculino acelerou um pouco mais meu ritmo cardíaco. Descobri-me contemplando uns olhos castanhos como o melaço. Era um homem que chamava a atenção por seus rasgos faciais, seu nariz reta e seu queixo afiado. A barba de vários dias que luzia parecia o bastante áspera para lixar a pintura de um carro. Era corpulento, de ossos fortes mas atlético. Os músculos de seus braços e de seu torso estavam tão definidos como se debaixo da desgastada camiseta estivesse esculpido em pedra. Um homem de aparência suspeita, talvez um pouco perigoso. O tipo de homem que fazia que se esquecesse respirar. Suas botas e o desgastado desço de seu jeans estavam manchados de barro seco que começava a desprender-se. Devia ter estado caminhando pelo arroio que discorria ao longo dos mil e seiscentas hectares do Rancho Stardust. Vestido assim, era impossível que fora um dos convidados, a maioria dos quais possuía fortunas de nove ou dez cifras. Enquanto seu olhar me percorria, soube exatamente o que estava vendo: uma mulher voluptuosa ao fio da trintena, ruiva e com óculos de arreios grande. Minha roupa era cômoda, folgada e singela. Minha irmã pequena, Sofía, descrevia meu uniforme habitual composto por tops soltos e calças largas com cinturilla elástica como «Não passe dos 21». Se minha aparência era um repelente para os homens, um pouco muito habitual, melhor para mim. Não tinha o menor interesse em chamar sua atenção. Supõe-se que os escorpiões não rondam durante o dia comentei com voz hesitante. Este ano o degelo se adiantou e a primavera foi seca. Saem em busca de umidade. As piscinas os atraem. O desconhecido tinha um acento particular e parecia arrastar as palavras como se as estivesse cozinhando a fogo lento. Nossos olhares se separaram quando ele se agachou para agarrar a pistola de silicone. Enquanto me dava isso, nossos dedos se roçaram brevemente e senti uma descarga na parte inferior do torso. Captei seu aroma de sabão, a pó e a erva. Seria melhor que te trocasse me aconselhou ao tempo que olhava meus sapatos, planos e com os dedos ao descoberto. Tem botas? Calçado esportivo? Temo-me que não respondi. Terei que me arriscar. Precavi-me da câmara que o desconhecido tinha deixado sobre uma das mesas do pátio, uma Nikon profissional cujo objetivo tinha um cós vermelho. É fotógrafo profissional? perguntei-lhe. Sim, senhora. Devia ser um dos fotógrafos secundários contratados pelo fotógrafo oficial, George Gantz. Tendi-lhe a mão. Sou Avery Crosslin disse com tom amistoso, mas profissional. A organizadora das bodas. Ele me deu um apertão, quente e firme, e o contato me provocou um golpe de prazer. Joe Travis. Seu olhar se cravou de novo na minha e, por algum motivo desconhecido, o contato se prolongou uns segundos mais do necessário. Senti uma incômoda quebra de onda de calor na cara. Quando por fim me soltou a mão, foi um alívio. Deu-te George a lista com as fotografias previstas e o horário? perguntei-lhe, tentando parecer profissional. Sua expressão se tornou inescrutável ao escutar a pergunta. Não se preocupe pinjente, temos cópias de sobra. Vá à casa principal e lhe pergunte a meu assistente, Steven. Certamente esteja na cozinha, com o pessoal do serviço de catering. Procurei um cartão em minha bolsa. Se tiver algum problema, aqui está meu número de telefone. Joe agarrou o cartão. Obrigado, mas em realidade não sou...

4 Os convidados ocuparão seus assentos às seis e meia me apressei a lhe informar. A cerimônia começará às sete e acabará as sete e meia com a solta de pombas. Terá que fazer algumas fotos dos noivos antes do entardecer, que terá lugar às Isso também o programaste? Seus olhos me olharam com um brilho brincalhão. Lancei-lhe um olhar de advertência. Deveria te arrumar um pouco antes de que os convidados apareçam. Coloquei a mão na bolsa e tirei uma cuchilla descartável. Toma. lhe pergunte ao Steven por um lugar onde possa te barbear Y... Para o carro, preciosa. Tenho minha própria cuchilla. Esboçou um sorriso. Sempre fala tão rápido? Franzi o cenho enquanto guardava a cuchilla na bolsa. Tenho que trabalhar... E te sugiro que faça o mesmo. Não trabalho para o George. Sou fotógrafo comercial e freelance. Não faço bodas. Então, o que faz aqui? quis saber. Sou um convidado. Amigo do noivo. Atônita, olhei-o com os olhos exagerados. O espantoso rubor do abafado me cobriu da cabeça aos pés. Sinto-o consegui dizer. Ao ver sua câmara pensei que... Não se preocupe. Não havia nada que detestasse mais que fazer o ridículo. Nada. Em meu negócio, era fundamental manter uma aparência competente para conseguir uma boa clientela, sobre tudo se se buscava uma clientela de classe alta como era minha intenção. Entretanto, o mesmo dia das bodas mais importante e custosa que minha equipe e eu tínhamos organizado, esse homem ia dizer lhes a seus amigos, todos forrados de massa, que o tinha confundido com um fotógrafo. ririam a minhas costas. burlariam-se de mim. Desprezariam-me. Ansiosa por pôr toda a distância possível entre nós, murmurei: Se me desculpar... Voltei-me e me afastei o mais rápido que pude sem correr. Ouça escutei que dizia Joe, que me alcançou com um par de pernadas. Tinha agarrado a câmara e se pôs a asa ao ombro. Espera. Não faz falta que fique nervosa. Não estou nervosa lhe assegurei enquanto me apressava para um pavilhão com chão de pedra e teto de madeira. Estou ocupada. Ele se manteve a meu lado em todo momento, sem o menor esforço. Espera um momento. vamos começar de zero. Senhor Travis... repliquei, mas me detive em seco ao compreender exatamente quem era. meu Deus! exclamei horrorizada e com os olhos fechados. É um desses Travis, verdade? Joe se colocou frente a mim, com um olhar curioso. Depende do que queira dizer com «esses». Dinheiro do petróleo, aviões privados, Yates, mansões. «Esses» Travis. Não tenho uma mansão. Tenho uma casa que necessita muitas reformas no Sixth Ward. Mas é um deles insisti. Seu pai é Churchill Travis, verdade? Sua expressão se tornou sombria. Era. Recordei muito tarde que uns seis meses antes o patriarca dos Travis tinha morrido detrás sofrer um enfarte. A imprensa lhe tinha dado uma ampla cobertura à notícia, e tinha detalhado sua vida e seus lucros. Churchill tinha amassado sua vasta fortuna assumindo riscos e invirtiendo seu capital em qualquer empresa relacionada com a energia. Foi uma figura visível na década dos oitenta e dos noventa, e aparecia com assiduidade na televisão como convidado em programas dedicados ao mundo das finanças. Ele, e seus herdeiros, eram o equivalente à realeza em Telhas. Eu... sinto muito o de seu pai disse com estupidez. Obrigado.

5 Produziu-se um silêncio incômodo. Sentia seu olhar deslizando-se sobre mim, tão real como o calor do sol. Olhe, senhor Travis... acrescentei, seguindo com o trato formal. Joe. Joe repeti. Estou muito preocupada. Estas bodas é um evento muito complicado. Agora mesmo me estou encarregando de organizar o lugar onde se levará a cabo a cerimônia, da decoração da carpa de setecentos metros quadrados onde terá lugar o banquete, um jantar formal para quatrocentos convidados, amenizada por uma orquestra em direto e seguida por uma festa que se prolongará até a madrugada. Assim sinto muito o mal-entendido, mas... Não faz falta que te desculpe me interrompeu com amabilidade. Deveria havê-lo dito antes, mas é difícil conseguir falar com seu lado. Seus lábios esboçaram uma sonrisilla. O que significa que ou devo falar mais rápido ou você tem que falar mais devagar. face ao tensa que estava, estive tentada de lhe devolver o sorriso. Que não te incomode o sobrenome Travis prosseguiu ele. Te asseguro que, entre nossos conhecidos, ninguém se sente impressionado por nós. Observou-me um instante. Aonde vai exatamente? Ao pavilhão respondi, assinalando com a cabeça para a estrutura de madeira situada além da pis janta. Me deixe te acompanhar. Ao ver que eu titubeava, acrescentou : Se por acaso te cruza com outro escorpião. Ou com qualquer outra animália. Uma tarântula, algum lagarto... eu me encarrego de te limpar o caminho. Pensei com ironia que esse homem era capaz de enrolar a uma serpente para que lhe desse suas cascavéis. Tampouco é para tanto repliquei. Precisa-me afirmou ele com segurança, enquanto se colocava melhor a asa da câmara no ombro. Juntos caminhamos até o lugar onde se celebraria a cerimônia, para o qual tivemos que atravessar um pequeno robledal. A carpa branca onde teria lugar o banquete e a festa posterior estava convocada em um prado verde esmeralda, e se assemelhava a uma nuvem gigantesca que tivesse flutuado até a terra para descansar. Era melhor não pensar na grande quantidade de água que se empregou para manter semelhante oásis depois de que a grama fora colocado uns dias antes. E pensar que todas essas fibras de erva seriam arrancadas ao dia seguinte... O rancho Stardust era uma propriedade que contava com a casa principal, várias casas para convidados, edifícios de diversas índole, um palheiro e uma pista de carreiras. Minha equipe se encarregou de alugar o rancho, uma propriedade privada, enquanto os donos desfrutavam de um cruzeiro de duas semanas. O casal tinha acessado com a condição de que tudo recuperasse seu aspecto original depois das bodas. Quanto tempo leva te dedicando a isto? perguntou-me Joe. A organizar bodas? Minha irmã Sofía e eu criamos a empresa faz uns três anos. antes disso, trabalhava em Nova Iorque, no negócio do desenho de vestidos de noiva. Deve ser boa se tiverem contratado seus serviços para as bodas do Sloane Kendrick. Judy e Roy solo se conformariam com o melhor do melhor. Os Kendrick possuíam uma cadeia de lojas de empenho com estabelecimentos que se estendiam desde o Lubbock até o Galveston. Roy Kendrick, um antigo cavaleiro de rodeios com a cara curtida, tinha solto um milhão de dólares para as bodas de sua única filha. Se minha equipe era capaz de sair gracioso, ou seja quantos clientes milionários conseguiríamos depois das bodas. Obrigado pinjente. Formamos uma boa equipe. Minha irmã é muito criativa. E você? Eu me encarrego da parte administrativa do negócio. E sou a coordenadora general. Sou a responsável por que todos os detalhes fiquem perfeitos.

6 Acabávamos de chegar ao pavilhão, onde três empregados da empresa de aluguel de mobiliário estavam colocando as cadeiras brancas. Rebusquei em minha bolsa em busca do metro. Com um par de movimentos, estendi a cinta metálica entre os cordões que delimitavam o espaço onde deviam dispô-las cadeiras. O corredor deve medir um metro oitenta de largura recordei aos empregados. Movam esse cordão. Tem metro oitenta protestou um deles. Mede um metro e setenta e sete centímetros. O homem me olhou com cara de sofrimento. Não é suficiente? Metro oitenta insisti ao tempo que soltava a cinta metálica, que se enrolou com um estalo. O que faz quando não trabalha? perguntou-me Joe, que estava detrás de mim. Voltei-me para olhá-lo. Sempre estou trabalhando. Sempre? perguntou-me com cepticismo. Estou segura de que me relaxarei um pouco quando o negócio esteja mais situado, mas de momento... Encolhi-me de ombros. Os dias não tinham suficientes horas para tudo o que devia fazer. Mensagens de correio eletrônico, chamadas de telefone, planos e preparativos. Todo mundo necessita algum passatempo. Qual é o teu? Pescar, quando tenho a oportunidade. Caçar, dependendo da estação. de vez em quando faço fotografia benéfica. A que te refere? Faço fotografias para uma protetora de animais. Uma boa foto na página Web ajuda a que se adote antes a um cão. Joe fez uma pausa. Ao melhor gostaria... Sinto muito, me desculpe. Acabava de escutar o tom de meu móvel nas profundidades da bolsa. Lembre-os da marcha nupcial. Quando o agarrei, vi que era minha irmã quem me chamava. Não paro de chamar o homem encarregado das pombas, mas não me responde me disse Sofía assim que aceitei a chamada. Não há dito nada sobre o recipiente que queremos para a solta. Deixaste-lhe alguma mensagem? perguntei-lhe. Cinco. E se tiver acontecido algo? E se estiver doente? Não está doente lhe assegurei. Talvez pilhou a gripe aviar por culpa das pombas. As pombas não transmitem a gripe aviar. Está segura? Chama-o de novo dentro de um par de horas lhe disse para acalmá-la. Solo são as sete. Ao melhor não se levantou ainda. E se não aparecer? Estará aqui afirmei. Sofía, é muito cedo para deixar-se levar pelos nervos. Quando poderei fazê-lo? Não poderá respondi. Eu sou quão única posso sofrer um ataque de nervos. Se não saber nada dele antes das dez, diga-me isso Vale. Vale. Devolvi o móvel à bolsa e olhei ao Joe com gesto interrogante. O que estava dizendo sobre a protetora de animais? Ele me olhou em silêncio. Tinha os polegares metidos nos bolsos dos jeans e apoiava quase todo seu peso em uma perna, uma postura relaxada mas firme. Na vida tinha visto um tio tão sexy.

7 Poderia me acompanhar a próxima vez que vá convidou. Não me importaria compartilhar meu passatempo até que encontre um próprio. Demorei um pouco em responder. Meus pensamentos tinham posto-se a voar como um bando de pássaros. Tinha a impressão de que me estava convidando a sair. Como se fora uma... entrevista? Obrigado consegui dizer ao final, mas tenho uma agenda muito apertada. Sal comigo algum dia insistiu ele. A tomar uma taça ou a almoçar. Era muito estranho me deixar muda, mas solo atinei a olhá-lo em silêncio, pasmada. vamos fazer uma coisa seguiu, com um tom de voz persuasivo e doce. Iremos uma manhã ao Fredericksburg, antes do amanhecer, e teremos a estrada para nós sozinhos. Compraremos café e uma bolsa de kolaches pelo caminho. Ensinarei-te um prado cuajadito de tremoceiros em flor e pensará que o céu se cansado sobre Telhas. Procuraremos uma árvore que tenha uma boa sombra e veremos o amanhecer. O que te parece? Parecia-me o tipo de plano ideado para outra mulher, para uma mulher acostumada a receber a atenção dos homens bonitos. Por um instante, permiti-me imaginar o Imaginei tombada no chão a seu lado, em um prado coalhado de flores azuis. Estava a ponto de aceitar algo que me propor. Mas não podia correr esse risco, nem nesse momento, nem nunca. Um homem como Joe Travis teria destroçado tantos corações que um mais não significaria nada para ele. Não estou disponível lhe soltei. Está casada? Não. Comprometida? Não. Vive com alguém? Neguei com a cabeça. Joe guardou silêncio um instante e me olhou como se eu fora um mistério que tivesse que desentranhar. Vemo-nos logo disse ao final. Enquanto isso... vou pensar no modo de te arrancar um sim. 2 um pouco desconcertada pelo encontro com o Joe Travis, fui à casa principal e encontrei a minha irmã no despacho. Sofía era bonita, com o cabelo escuro e os olhos esverdeados. Tinha um corpo voluptuoso como eu, mas vestia com desparpajo, já que não lhe importava luzir suas curvas. O encarregado das pombas chamou disse Sofía com voz triunfal. A presença dos pássaros está confirmada. Olhou-me com preocupação. Te vejo muito tinta. Está desidratada? Deu-me uma garrafa de água. Toma. Acabo de conhecer alguém disse detrás beber uns sorvos. A quem? O que passou? Sofía e eu fomos meio-irmãs que tínhamos crescido separadas. Ela tinha passado a infância com sua mãe no Santo Antonio enquanto eu vivia com a meu em Dallas. Embora era consciente da

8 existência da Sofía, não a conheci até que as duas fomos adultas. A árvore genealógica da família Crosslin tinha umas quantas ramos de mais, graças aos cinco matrimônios faltados de nosso pai, Eli, e a suas prolíficas aventuras. Eli, um homem arrumado de cabelo loiro e sorriso deslumbrante, tinha açoitado às mulheres de forma compulsiva. adorava o subidón emocional e sexual de uma conquista. Entretanto, assim que dito subidón desaparecia, resultava-lhe impossível aclimar-se à vida cotidiana com uma mulher. De fato, tampouco tinha mantido um trabalho durante mais de dois ou três anos. Teve mais filhos além da Sofía e de mim, meio-irmãos e incontáveis cunhados e cunhadas. Eli abandonou a todos em algum momento. Depois de alguma que outra chamada ou visita, desaparecia durante compridos períodos de tempo, às vezes durante dois anos. E depois reaparecia brevemente, transbordante de magnetismo e emoções, transbordante de histórias interessantes e de promessas que eu sabia muito bem que não devia acreditar. A primeira vez que vi a Sofía foi justo depois de que Eli sofresse um ataque ao coração, uma doença inesperada em um homem de sua idade com tão bom estado físico. Voei de Nova Iorque e me encontrei com uma garota desconhecida esperando em sua habitação do hospital. antes de que pudesse apresentar-se sequer, soube que se tratava de uma das filhas do Eli. Embora o cabelo negro e a lustrosa pele moréia as devia a sua mãe hispana, suas perfeitas e perfiladas facções as tinha herdado sem lugar a dúvidas de nosso pai. Apresentou-se com um sorriso precavido embora amigável. Sou Sofía. Avery. Estendi a mão para estreitar-lhe com certo desconforto, mas ela se adiantou e me abraçou, um abraço que eu devolvi enquanto pensava «É minha irmã» ao tempo que experimentava um golpe de emoção que não esperava. Olhei por cima de seu ombro ao Eli, convexo na cama do hospital e conectado a um montão de máquinas, e fui incapaz de soltá-la. Mas a Sofía deu igual, porque ela não era das que lhe punha fim a um abraço. De entre toda a imensa descendência do Eli e de todas suas ex-mulheres, solo Sofía e eu fomos ao hospital. Embora não os culpei por sua ausência: eu nem sequer sabia por que estava ali. Eli nunca me leu contos na hora de me deitar nem me curou as feridas provocadas pelas quedas nem fez nenhuma dessas coisas que se supõe que fazem os pais. Tal era seu egocentrismo que foi incapaz de emprestaratenção a seus filhos. Além disso, a dor e a raiva das mulheres às que tinha abandonado dificultavam a tarefa de manter o contato com seus filhos no caso de que queria mantêlo. O método habitual do Eli para cortar uma relação ou um matrimônio era manter uma aventura de escapamento e ser infiel até que o pilhassem e lhe dessem a patada. Minha mãe nunca o perdoou. Entretanto, minha mãe tinha repetido o patrão ao atar-se com homens infiéis, mentirosos e mortos de fome que proclamavam o que eram aos quatro ventos. além de manter um sem-fim de aventuras, casou-se e se divorciou duas vezes mais. O amor lhe tinha brindado tão pouca felicidade que era um milagre que seguisse buscando-o. Segundo ela, a culpa era de meu pai, o homem que a tinha iniciado no caminho da perdição. Entretanto, à medida que ia fazendo maior, perguntei-me se o motivo de que minha mãe o odiasse tanto se devia a que se pareciam muito. Resultava-me muito irônico que fora uma secretária temporária que ia de escritório em escritório, de chefe em chefe. Quando lhe ofereceram um posto permanente em uma das empresas, rechaçou-o. voltaria-se muito monótono, aduziu, ter que fazer sempre o mesmo todos os dias, ter que ver as mesmas pessoas. Eu tinha dezesseis anos naquela época e tinha a língua muito larga para evitar dizer que, com essa atitude, certamente teria sido impossível que tivesse seguido casada com o Eli. O comentário provocou uma discussão que quase me deixou de patinhas na rua. Minha mãe se zangou tanto pelo que lhe disse que soube que tinha dado no branco. A julgar pelo que tinha observado, os amores mais rutilantes são os que se queimavam mais rápido. Não podiam sobreviver acontecida a novidade, quando já acabava a emoção e terei que

9 emparelhar meias três-quartos detrás tirar os da secadora ou passar a aspiradora para tirar os cabelos do cão do sofá ou organizar a desordem doméstica. Decidi que não queria saber nada dessa classe de amor, não lhe via benefícios. Tal como passava com um chute de heroína, o subidón nunca durava o bastante, mas o fagote te deixava vazio e ofegante. Quanto a meu pai, todas as mulheres às que supostamente tinha querido, incluídas aquelas com as que se casou, solo foram uma parada no caminho para outra pessoa. Foi um viajante solitário toda sua vida, e assim foi como terminou. O administrador do bloco de apartamentos no que vivia encontrou ao Eli inconsciente no chão de seu salão, depois de não ir à reunião para renovar o contrato de aluguel. Eli foi levado a hospital em ambulância, mas nunca recuperou a consciência. Minha mãe não vai vir disse a Sofía enquanto esperávamos sentadas na habitação do hospital. A minha tampouco. Olhamo-nos com expressões compresivas. Não fez falta perguntar por que ninguém mais tinha ido despedir se. Quando um homem abandonava a sua família, a dor que lhe provocava seguia tirando o pior de cada um inclusive muito depois de que se partiu. por que vieste? atrevi-me a perguntar. Enquanto Sofía sopesava a resposta, o silêncio esteve marcado pelos assobios do monitor e o som constante do ventilador mecânico. Minha família é mexicana respondeu ao final. Para nós, tudo gira ao redor de estar unidos e das tradições. Eu sempre quis pertencer à família, mas sempre soube que sou distinta. Todos minhas primos têm pai, enquanto que o meu era um mistério. Minha mãe sempre se negou a falar dele. Desviou o olhar para a cama onde nosso pai jazia em metade de um vigamento de cabos e de tubitos que o mantinham hidratado, alimentavam-no, ajudavam-no a respirar e drenavam seus fluidos. Solo o vi uma vez, uma ocasião em que foi ver-me quando era pequena. Minha mãe não lhe permitiu falar comigo, mas eu corri atrás dele quando voltava para seu carro. Tinha nas mãos uns globos que me tinha levado. Esboçou um sorriso distante. Me pareceu o homem mais bonito do mundo. Atou-me as cintas dos globos à boneca para que não me escapassem. Quando se foi, tentei colocar os globos em casa, mas minha mãe me disse que tinha que me desfazer deles. Assim desatei as cintas e os deixei voar, e pedi um desejo enquanto os via afastar-se. Desejou voltar a vê-lo algum dia disse em voz baixa. Sofía assentiu com a cabeça. Por isso vim. E você? vim porque acreditava que não haveria ninguém mais. E se alguém tinha que cuidar do Eli, não queria que fosse um desconhecido. Sofía me cobriu uma mão com a sua, com um gesto muito natural, como se nos conhecêssemos de toda a vida. Pois agora estamos as duas se limitou a dizer. Eli morreu ao dia seguinte. Mas embora o perdemos a ele, Sofía e eu nos encontramos a uma à outra. naquela época eu trabalhava em uma loja de vestidos de noivas, mas meu futuro trabalhista estava estagnado. Sofía trabalhava como babá no Santo Antonio e organizava festas infantis em seu tempo livre. Falamos de montar um negócio de organização de bodas juntas. Nesse momento, algo mais de três anos depois, nossa empresa com sede em Houston ia melhor do que nos tínhamos imaginado. Cada pequeno êxito cimentava o seguinte, de modo que tínhamos contratado a três trabalhadores e tínhamos a uma garota em práticas. Com as bodas Kendrick, estávamos a ponto de conseguir o impulso que necessitávamos para separar. Sempre e quando não colocássemos a pata. por que não lhe disse que sim? perguntou Sofía depois de que lhe contasse meu encontro com o Joe Travis.

10 Porque não me traguei nem por indício que lhe interessasse. Fiz uma pausa. Vamos, não me olhe assim. Sabe que essa classe de tio procura mulheres floreiro. Eu era voluptuosa da adolescência. Ia andando a todas partes, subia pelas escadas quando era possível e ia a classes de baile duas vezes à semana. Comia de forma saudável e consumia uma quantidade de salada suficiente para engasgar a uma vaca marinha. Mas dava igual quanto exercício ou quantas dietas fizesse, nada me faria descer de uma talha 40. Sofía me animava com freqüência a comprar roupa mais ajustada, mas eu sempre lhe replicava que o faria mais adiante, quando tivesse a talha correta. Já tem a talha correta respondia Sofía. Uma parte de mim sabia que não deveria permitir que a báscula se interpor em minha felicidade. Alguns dias ganhava eu, mas quase sempre ganhava a báscula. Minha avó está acostumada dizer: «Solo as panelas conhecem os fervores de seu caldo.» E o que tem que ver a sopa com isto? repliquei. Sempre que Sofía me soltava alguma pérola de sabedoria de sua avó, continha uma analogia culinária. Deve dizer que solo ele sabe o que se coze em sua cabeça explicou Sofía. Ao melhor Joe Travis é desses aos que gostam de uma mulher com curvas. Os homens que conheci no Santo Antonio sempre foram a por mulheres com grandes nádegas. deu-se uns tapinhas no traseiro para enfatizar suas palavras e se aproximou de seu portátil. O que faz? perguntei. Vou buscá-lo no Google. Agora? Demora-se um minuto. Não tem um minuto... supõe-se que está trabalhando! Sofía passou de mim e começou a teclar com dois dedos. Dá-me igual o que encontre sobre lhe assegurei. Porque dá a casualidade de que estou muito ocupada com esse asuntillo que temos que organizar... O que era? Ah, sim, umas bodas. Está canhão disse Sofía com a vista cravada na pão esculpe. E seu irmão também. Tinha cravado em um artigo do Houston Chronicle que tinha uma foto no encabeçado de três homens, todos vestidos com trajes impecáveis. Um deles era Joe, muito mais jovem e mais desajeitado do que era na atualidade. Seguro que tinha ganho pelo menos quinze quilogramas de músculo desde que lhe fizessem essa foto. O pé de foto identificava aos outros dois homens como Jack, irmão do Joe, e Churchill, seu pai. Os filhos eram mais altos que o pai, mas levavam seu selo: o cabelo escuro e o olhar intenso, assim como o forte queixo. Franzi o cenho enquanto lia o artigo que acompanhava a foto. Houston, Telhas (AP). Depois da explosão de seu iate privado, dois dos filhos do magnata de Houston, Churchill Travis, estiveram na água entre os restos incendiados da embarcação durante umas quatro horas enquanto esperavam a ser resgatados. Depois de um maior desdobramento de médios efetuado pelo Guarda Costeiro, os irmãos, Jack e Joseph, foram localizados nas águas do golfo do Galveston. Joseph Travis foi transladado em helicóptero diretamente à planta de traumatología do Hospital Garner, onde foi operado de urgência. Segundo o porta-voz do hospital, encontra-se em estado crítico mas estável. Embora não se feito públicos os detalhes da operação, uma fonte próxima à família confirmou que Travis sofria hemorragia interna assim como... Ouça! protestei quando Sofía cravou em outro enlace, que seguia lendo. Acreditava que não te interessava replicou ela com ironia. Olhe isto. Tinha encontrado uma página Web chamada «Os 10 solteiros de ouro de Houston». O artigo ia acompanhado de uma fotografia roubada ao Joe enquanto jogava futebol americano em uma praia com uns amigos. Seu corpo era magro e forte, musculoso sem parecer exagerado. O pêlo de seu peito se ia reduzindo até converter-se em uma linha escura que se perdia pela cinturilla de suas

11 calças curtas. Era a viva estampa da virilidade e estava para comer-lhe Un tópico dije con desdén. Metro oitenta e cinco disse Sofía, que leu seu perfil. Vinte e nove anos. Licenciado pela Universidade de Telhas. É Leão. Fotógrafo. Um tópico disse com desdém. Ser fotógrafo é um tópico? Para um tio normal não. Mas para um menino rico é um trabalho para dar de presente o ego. A quem lhe importa? A ver se tiver página Web. Sofía, já é hora de deixar de babar por este tio e de nos pôr a trabalhar. A voz de meu ajudante, Steven Cavanaugh, uniu-se à conversação quando entrou no despacho. Era um homem arrumado de veintepocos anos, de olhos azuis e cabelo loiro, e constituição magra. Babar por quem? perguntou. Sofía lhe respondeu antes de que eu pudesse falar. Joe Travis respondeu. Um desses Travis. Avery acaba de conhecê-lo. Steven me olhou com expressão interessada. O ano passado fizeram uma reportagem sobre ele no CultureMap. Ganhou um Key Art pelo pôster desse filme. Que filme? Era um documentário sobre soldados e cães no exército. Steven nos olhou com ironia ao ver nossas expressões pasmadas. Me esquecia que solo vêem telenovelas. Joe Travis foi ao Afeganistão com a equipe de rodagem em qualidade de fotógrafo. Usaram uma de suas fotos como pôster do documentário. Sorriu ao ver minha cara. Deveria ler o periódico mais freqüentemente, Avery. de vez em quando vem bem. Para isso tenho a ti repliquei. À mente compartimentada do Steven não lhe escapava nenhuma. Invejava sua capacidade de recordar quase todos os detalhes, como a que universidade tinha assistido o filho de alguém, o nome de seu cão ou se acabavam de celebrar um aniversário. Entre seus outros muitos talentos, Steven era desenhista de interiores, especialista em desenho gráfico e técnico sanitário de emergências. Contratamo-lo justo depois de montar Celebrações e Eventos Crosslin e se converteu em um elemento tão essencial que não imaginava trabalhar sem ele. Convidou-a a sair disse Sofía ao Steven. Depois de me lançar um olhar áspero, Steven perguntou: O que lhe respondeste? Ao ver que eu não respondia, voltou-se para a Sofía. Não me diga que lhe deu largas. Deu-lhe largas confirmou Sofía. É obvio. Steven falava com voz seca. Ave ry nunca perderia o tempo com um tio rico e famoso cujo nome poderia abrir qualquer porta em Houston. Deixem já lhes soltei. Temos que trabalhar. Antes quero falar contigo. Steven olhou a Sofía. me Faça um favor e comprova que tenham começado a montar as mesas da recepção. Não me dê ordens. Não te estava dando ordens, lhe estava pedindo isso por favor. Pois não soou assim. Por favor repetiu Steven com secura. Lhe peço isso por favor, Sofía, vá à carpa da recepção e comprova se tiverem começado a montar as mesas. Sofía partiu com o cenho franzido. Meneei a cabeça, exasperada. Sofía e Steven se levavam como o cão e o gato, ofendiam-se

12 facilmente e demoravam para perdoar-se, algo que não lhes passava com nenhuma outra pessoa. Não tinham começado assim. Quando contratamos ao Steven, Sofía e ele se fizeram amigos em seguida. Era tão sofisticado, polia-se tanto e tinha um engenho tão afiado que Sofía e eu supusemos ao ponto que era gay. Passaram três meses antes de que nos déssemos conta de que não o era. Não, sou hetero anunciou com um tom que não deixava lugar a dúvidas. Mas... acompanhaste-me a comprar roupa lhe recordou Sofía. Porque me pediu isso. Deixei-te entrar no provador seguiu Sofía, cada vez mais irada. Me provei um vestido diante de ti. E não disse nem pio! Dava-te as obrigado. Deveria me haver dito que não é gay! Não sou gay. Já é muito tarde protestou Sofía. Desde esse momento, a meu sorridente irmana lhe custava a mesma vida comportar-se com um mínimo de correção diante do Steven. E ele respondia do mesmo modo, e seus dardos verbais sempre davam no branco. Solo minha habitual intervenção evitava que o conflito se convertesse em uma guerra aberta. Uma vez que Sofía se foi, Steven fechou a porta do despacho para que tivéssemos intimidade. apoiou-se na porta e cruzou os braços por diante do peito enquanto me olhava com uma expressão inescrutável. Sério? perguntou ao final. De verdade é tão insegura? Não posso me negar quando um homem me convida a sair? Quando foi a última vez que acessou? Quando saiu a tomar um café ou uma taça, ou quando manteve uma conversação com um homem que não estivesse relacionada com o trabalho? Isso não é teu assunto. Como empregado teu... tem razão, não é meu assunto. Mas agora mesmo te falo como amigo. Tem vinte e sete anos, é atrativa e está cheia de vitalidade, e que eu saiba não estiveste com ninguém em mais de três anos. Por seu bem, já seja com este tio ou com outro, tem que voltar para terreno de jogo. Não é meu tipo. É rico, solteiro e um Travis particularizou Steven com ironia. É o tipo de qualquer. Ao acabar o dia, tinha a sensação de ter percorrido mil quilômetros sem me mover da carpa onde se celebraria a recepção, o pavilhão onde teria lugar a cerimônia e a casa principal. Embora parecia que tudo estava saindo como foi pedido, sabia que não devia sucumbir à falsa sensação de segurança. Os problemas de última hora sempre faziam ato de presença, inclusive nas cerimônias planejadas com meticulosidade. Os membros da equipe de produção trabalhavam ao mesmo tempo para ocupar-se de qualquer problema que surgisse. Tank Mirecki, um manitas corpulento, era uma tocha da carpintaria e das reparações eletrônicas e mecânicas. ReeAnn Davis, uma descarada loira com experiência na gestão hoteleira, era a encarregada de lutar com a noiva e com as damas de honra. Nossa garota em práticas, Valha Yudina, uma moréia que se estava tomando um ano sabático antes de começar em Frise, encarregava-se da família do noivo. Usava um auricular e um microfone na lapela para me manter em contato permanente com a Sofía e com o Steven. Ao princípio, Sofía e eu nos sentimos parvas por empregar os términos padrão na comunicação por rádio, mas Steven insistiu aduzindo que nem de coña toleraria escutar nossas vozes pelo auricular sem algumas regra. Logo nos demos conta de que tinha razão, porque do contrário nos teríamos pisado ao falar constantemente.

13 Uma hora antes de que estivesse previsto que os convidados se sentassem às mesas, entrei na carpa onde se celebraria o banquete. O chão do interior estava talher com quase duzentos e cinqüenta metros de soalho de amaranto, uma madeira muito estranha. Parecia tirado de um conto de fadas. Tinham metido na carpa doze arces de seis metros de alto, que pesavam uma tonelada cada um, para criar um espesso bosque, com vaga-lumes LED que piscavam entre as folhas. Da fileira de aranhas de bronze penduravam multidão de fileiras de contas de cristal sem polir, em cachos. O centro das mesas estava adornado com musgo, conformando um caminho de mesa orgânico. O lugar que ocuparia cada convidado contava com um presente especial por parte dos noivos, consistente em um tarrito de cristal de mel escocês. No exterior, uma fileira de unidades de ar condicionado Portapac de dez toneladas funcionava sem parar, a fim de rebaixar a temperatura interior a uns maravilhosos vinte graus. Inspirei fundo, me deleitando com a frescura enquanto repassava minha lista de pendentes. Sofía disse através do micro, chegou já o gaiteiro? Mudança. Afirmativo respondeu minha irmã. Acabo de levá-lo a casa principal. Há uma estadia entre a cozinha e a despensa onde pode afinar o instrumento. Mudança. Roger. Steven, sou Avery. Tenho que me trocar de roupa. Pode te encarregar das coisas durante cinco minutos? Mudança. Avery, negativo, temos um problema com a solta de pombas. Mudança. Franzi o cenho. Entendido, o que passa? Mudança. Há um falcão no oco de um carvalho junto ao pavilhão das bodas. O encarregado das pombas diz que não pode soltar os pássaros com um depredador perto. Mudança. Lhe diga que lhe pagaremos mais se se comer alguma. Mudança. Sofía começou a falar. Avery, não podemos permitir que um falcão cace e mate uma pomba diante dos convidados. Mudança. Estamos em um rancho do sul de Telhas repliquei. Teremos sorte se a metade dos convidados não começa a lhes disparar às pombas. Mudança. Vai contra as leis estatais e federais capturar, ferir ou matar um falcão assinalou Steven. O que te ocorre para solucioná-lo? Mudança. É ilegal espantar ao esse inseto? Mudança. Não acredito. Mudança. Pois diga-lhe ao Tank a ver o que lhe ocorre. Mudança e curta. Avery, atenção interrompeu Sofía com urgência. Depois de uma pausa, acrescentou : Estou com Valha. Diz que ao noivo lhe entraram dúvidas. Mudança. Está de coña? perguntei, pasmada. Mudança. Ao longo de todo o compromisso e da organização das bodas, o noivo, Charlie Amspacher, tinha sido uma rocha. Um bom tio. Alguma que outro casal me tinha dado motivos para me perguntar se chegariam ao altar, mas Charlie e Sloane pareciam apaixonados de verdade. Não respondeu Sofía. Charlie acaba de lhe dizer a Valha que quer cancelá-lo tudo. Mudança. 3

14 «Mudança.» A palavra se repetia em minha cabeça uma e outra vez. um milhão de dólares desperdiçado. Nossa empresa na corda frouxa. E Sloane Kendrick feita pó. Senti o equivalente a umas cem injeções de adrenalina. Estas bodas não se cancela! exclamei com voz assassina. Eu me encarrego de tudo. lhe diga a Valha que não permita ao Charlie falar com ninguém até que eu chegue. Que o ponha em quarentena! entendeste? Mudança. Recebido. Mudança. Curto e fecho. Atravessei a toda pressa a distância que me separava da casa de convidados, onde a família do noivo se estava preparando para a cerimônia. Fiz todo o possível para não pôr-se a correr. logo que entrei na casa, limpei-me o suor da cara com um punhado de lenços de papel. No salão situado na planta baixa se escutavam risadas, várias conversações e o tinido das taças de cristal. Valha se aproximou de mim imediatamente. Levava um traje de saia e jaqueta de cor cinza clara, e se tinha recolhido as tranças em um coque baixo. As emergências de última hora jamais a alteravam. De fato, sempre parecia relaxada nesse tipo de situações. Não obstante, quando a olhei aos olhos reconheci os sinais do pânico. Os cubitos de gelo do copo que tinha na mão se chocavam contra o cristal. O problema do noivo era um assunto sério. Avery sussurrou, graças a Deus que chegaste. Charlie está tentando cancelar as bodas. Sabe por que? Estou segura de que o padrinho tem algo que ver. Wyatt Vandale? Estraguem. Leva toda a manhã lhe dizendo coisas como que o matrimônio é uma armadilha, que Sloane acabará convertida em uma máquina gorda de fazer bebês, e que Charlie deveria assegurar-se de não cometer um engano. Não posso tirá-lo do salão do primeiro andar de maneira nenhuma. Está pego ao Charlie e não há quem o dele separe. Reprovei-me amargamente não ter previsto algo semelhante. O melhor amigo do Charlie, Wyatt, era um menino malcriado a quem o dinheiro de sua família lhe tinha permitido atrasar a maturidade todo o possível. Era vulgar e insuportável, e jamais desperdiçava uma oportunidade para denegrir às mulheres. Sloane o detestava, mas me havia dito que, posto que levava toda a vida sendo amigo do Charlie, deviam tolerá-lo. Cada vez que se queixava da ruindade de seu amigo, Charlie lhe dizia que Wyatt era um bom tio, mas que tinha problemas para expressar-se. O problema em realidade era que Wyatt se expressava muito bem. Valha me entregou o copo cheio com um líquido ambarino e cubitos. É para o Charlie. Estou a par da regra que impede o consumo de álcool, mas lhe digo isso a sério: chegou o momento de saltar-lhe Y qué pasa con Wyatt? Aceitei o copo. De acordo. O levarei. Charlie e eu vamos ter uma conversação de te agarre e não te meneie. Não permita que nos interrompam. E o que passa com o Wyatt? Liberarei-me dele. Entreguei-lhe o auricular e o microfone. Manten em contato com a Sofía e Steven. Digo-lhes que vamos começar tarde? vamos começar à hora exata respondi com seriedade. Se não o fizermos, perderemos a luz ideal para a cerimônia e também teremos que cancelar a solta de pombas. Esses pássaros têm que voar de volta ao Clearlake, e não poderão fazê-lo na escuridão.

15 Valha assentiu com a cabeça e ficou o auricular, depois do qual se colocou o microfone. Enquanto isso, eu subi a escada caminho do salão e bati na porta, que estava entreabierta. Charlie disse com toda a serenidade que pude fingir, posso entrar? Sou Avery. Olhe quem veio replicou Wyatt ao tempo que eu entrava na estadia. Levava o smoking enrugado e se tirou a passarinha negra. Sua atitude ufana e chulesca delatava o seguro que estava de ter arruinado o grande dia do Sloane Kendrick. O que te havia dito, Charlie? Agora vai tentar te fazer trocar de opinião. Lançou-me um olhar triunfal. Muito tarde. tomou uma decisão. Olhei ao noivo, que estava branco como a parede e escancarado em um divã. Não parecia o mesmo de sempre. Wyatt disse, preciso ficar a sós um momento com o Charlie. Que fique contradisse o susodicho. Ele me apóia. «Sim, claro», estive a ponto de soltar. «Acaba de te pegar uma punhalada trapera, olhe que apoio mais estupendo.» Entretanto, murmurei: Wyatt precisa arrumar-se para a cerimônia. O padrinho me sorriu. Não te inteiraste? As bodas se cancelou. Isso não é decisão tua lhe recordei. E a ti que mais te dá? replicou Wyatt. vão pagar te de todas formas. Preocupo-me com o Sloane e Charlie. E pela gente que trabalhou tanto para que este dia seja especial para eles. Bom, pois eu conheço este tio desde que começamos o colégio. E não vou deixar que o manipule sozinho porque Sloane Kendrick decidiu que chegou o momento de lhe pôr a soga ao pescoço. Aproximei-me do Charlie e lhe entreguei o copo. Ele o aceitou, agradecido. Tirei o móvel. Wyatt disse como se tal coisa, enquanto olhava minha lista de contatos, suas opiniões são irrelevantes. Estas bodas não tem nada que ver contigo. Eu gostaria que te partisse, por favor. Wyatt soltou uma gargalhada. Quem vai obrigar me a fazê-lo? Depois de encontrar o número do Ray Kendrick, pulsei a chamada automática. O pai do Sloane, um antigo cavaleiro de rodeios, era o tipo de homem que, face às costelas fraturadas e aos machucados, estava disposto a subir a lombos de um animal selvagem de quase mil quilogramas de peso para montá-lo e desfrutar de algo similar a ser golpeado repetidamente na entrepierna com um taco de beisebol de beisebol. Ray respondeu. Kendrick. Sou Avery disse. Estou na porta do lado, com o Charlie. Temos um problema com seu amigo Wyatt. Ray, que deixou bem claro durante o jantar do ensaio das bodas que o comportamento do Wyatt não gostava nem um cabelo, perguntou: Esse filho de sua mãe está tentando armar briga? Efetivamente respondi. E acredito que deveria ser você quem lhe explicasse como deve comportar-se durante o grande dia do Sloane. Encantado de fazê-lo, preciosa replicou Ray com mal dissimulado entusiasmo. Tal como tinha suposto, esfregava-se as mãos por poder fazer outra coisa que não fora ficar o smoking e conversar de coisas corriqueiras. Agora mesmo vou falar com ele. Obrigado, Ray. Charlie escutou o nome enquanto eu cortava a chamada e abriu os olhos de par em par. Mierda. Acaba de chamar o pai do Sloane? Lancei- um olhar gélido ao Wyatt.

16 Em seu lugar, eu sairia correndo daqui lhe adverti. Do contrário, dentro de uns minutos teremos que recolher seus pedaços do chão. Zorra! Wyatt saiu feito uma fúria da estadia, me olhando com cara de poucos amigos. Uma vez que saiu, joguei o fecho e me voltei para o Charlie, que se tinha bebido o licor de um gole. Era incapaz de me olhar. Wyatt só quer o melhor para mim murmurou. Sabotando suas bodas? Depois de aproximar uma turca, sentei-me frente a ele e me assegurei de não olhar o relógio e de não pensar em que devia me trocar de roupa. Charlie, vi-te com o Sloane desde dia do compromisso até hoje. Acredito que a quer. Mas o problema é que nada do que haja dito Wyatt teria importado se não houvesse algo gordo de fundo. Assim me diga o que está passando. Charlie enfrentou meu olhar e fez um gesto impotente enquanto dizia: Se pensar no número de casais que se divorcia, chega à conclusão de que é uma loucura tentá-lo sequer. A probabilidade é de cinqüenta por cento. Que homem em seu são julgamento o tentaria com essa cifra? Está falando das probabilidades sem ter em conta outros fatores lhe recordei. Essas não são as probabilidades de êxito em seu caso. Ao ver que me olhava com estranheza, acrescentei : A gente se casa por muitas razões equivocadas: por capricho, por medo de estar sozinho, por um embaraço não desejado. Sloane e você o fazem por algum desses motivos? Não. Nesse caso, tira a toda essa gente da equação e verá como a probabilidade de ser feliz aumenta. Charlie se esfregou a frente com uma mão tremente. Tenho que lhe dizer ao Sloane que necessito mais tempo para pensar isto a fundo. Mais tempo? repeti, assombrada. As bodas começa dentro de três quartos de hora. Não vou cancelar as bodas. Solo quero pospô-la. Olhei-o com incredulidade. Pospô-la não é uma opção, Charlie. Sloane leva meses planejando e sonhando com estas bodas, e sua família se gastou uma fortuna. Se a cancelas no último minuto, não terá outra oportunidade. Estamos falando do resto de minha vida replicou ele, cada vez mais alterado. Não quero cometer um engano. Pelo amor de Deus! soltei. Crie que Sloane não está duvidando? Estas bodas também é um ato de confiança por sua parte. Ela também está correndo um risco! Mas está disposta a dar o passo porque te quer. E lhe vai demonstrar isso no altar. De verdade me está dizendo que vais humilhar a diante de todos seus conhecidos e a convertê-la em um bobo? Entende o que suporá para ela? Não tem nem idéia do que se sente. Você não está casada. À lombriga a cara, guardou silêncio e me perguntou com voz hesitante : Está casada? A fúria me abandonou imediatamente. Enquanto se planejava e coordenava umas bodas, sobre tudo dessa magnitude, era fácil esquecer-se de quão aterrador resultava o processo para as duas pessoas que se jogavam mais durante o mesmo. Depois de me tirar os óculos, limpei-as com um lenço de papel que tirei da bolsa. Não, jamais me casei respondi. Me deixaram plantada no altar o dia de minhas bodas. O que certamente me converte na pessoa menos apropriada com a que falar neste momento. Joder o escutei murmurar. O sinto, Avery. Pu-me os óculos outra vez e enruguei o lenço de papel em um punho. Charlie se enfrentava a uma decisão que trocaria sua vida, e parecia um corderito a ponto de ser degolado no matadouro. Devia ajudá-lo a compreender as conseqüências do que estava fazendo.

17 Por seu bem e, sobre tudo, pelo do Sloane. Olhei com desejo o copo vazio que Charlie tinha na mão, e pensei no muito que eu gostaria de tomar uma taça. Inclinei-me para diante na turca e pinjente: Cancelar as bodas não é o mesmo que cancelar um evento social, Charlie. Fazê-lo-o trocará tudo. E vais fazer machuco ao Sloane de uma forma que nem imagina. Olhou-me com expressão alarmada e o cenho franzido. Sim, bom, levará-se uma desilusão disse, mas... A desilusão é o menos importante de tudo o que vai sentir o interrompi. E embora Sloane te siga querendo depois disto, deixará de confiar em ti. por que ia fazer o, se você não for capaz de manter sua promessa? Ainda não tenho feito nenhuma promessa protestou Charlie. Pediu-lhe que se casasse contigo lhe recordei. Isso significa que prometeu que estaria esperando-a no altar. À medida que se prolongava o silêncio, compreendi que teria que lhe falar com o Charlie Amspacher do pior dia de minha vida. A lembrança era uma ferida que jamais se fechou de tudo, e não estava ansiosa de abri-la pelo bem de um menino a quem no fundo logo que conhecia. Entretanto, não me ocorria outra maneira de ajudá-lo a ver a realidade. Minhas bodas deveria haver-se celebrado faz três anos e meio disse. Nnaquele tempo naquele tempo eu vivia em Nova Iorque, trabalhando na indústria do desenho de vestidos de noiva. Meu prometido, Brian, trabalhava no setor das finanças, na Wall Street. Levávamos dois anos saindo quando decidimos ir a viver juntos, e atrás de outros dois anos de convivência começamos a falar de matrimônio. Planejei umas bodas singela e com pouca gente. Inclusive me encarreguei de que meu pai, que estava doente, voasse até Nova Iorque para que me acompanhasse ao altar. Tudo ia ser perfeito. Mas a manhã das bodas, Brian saiu do apartamento antes de que eu me levantasse e me chamou depois para me dizer que não podia fazê-lo. Que tinha cometido um engano. Que me queria, mas não podia fazê-lo. Que não estava seguro de poder fazê-lo algum dia. Joder sussurrou Charlie. A gente se equivoca quando diz que o tempo o cura tudo. Não sempre é assim. Eu não o superei ainda. tive que aprender a viver com essa dor. Jamais serei capaz de confiar em uma pessoa que me diga que me quer. Guardei silêncio um instante para me obrigar a acrescentar com absoluta sinceridade : Tenho medo de que me abandonem outra vez e sempre sou eu a primeira em afastar-se. Pu- fim a várias relações que foram bem solo porque prefiro estar sozinha a que me façam mal. Eu não gosto no que me converti, mas essa sou eu agora mesmo. Charlie me olhou com preocupação e amabilidade. Parecia haver-se recuperado, já não estava assustado. Surpreende-me que siga no negócio das bodas depois de que te deixasse plantada. Pensei em deixá-lo admiti. Mas no fundo sigo acreditando no conto de fadas. Não para mim, mas sim para outros. Para o Sloane e para mim? perguntou-me, sem sorrir. Sim. por que não? Charlie brincou com o copo vazio que tinha nas mãos. Meus pais se divorciaram quando eu tinha oito anos confessou. Mas seguiram nos usando a meu irmão e a mim para fazer-se danifico. Mentiam, davam-se punhaladas traperas, discutiam e arruinavam todos os aniversários e as férias. Por isso nem minha mãe nem meu pai estão na lista de convidados. Sabia que se apareciam por aqui ocasionariam um sem-fim de problemas. Como se supõe que vou ter um bom matrimônio se não saber o que é? Olhou aos olhos. Não peço um conto de fadas. Mas preciso estar seguro de que, se me casar, meu matrimônio não acabará convertido em um inferno. Não posso te prometer que jamais te divorciará pinjente. Não há garantias no matrimônio. Solo funcionará sempre e quando Sloane e você queiram que funcione. Enquanto

18 ambos estejam dispostos a cumprir suas promessas. Tomei uma funda baforada de ar. A ver se o entendi bem, Charlie... Não te está jogando atrás porque não queira ao Sloane, a não ser precisamente porque a quer. Está pensando em cancelar as bodas porque não quer correr o risco de que seu matrimônio fracasse. É isso? A cara do Charlie trocou. Pois sim reconheceu com Isso assombro... isso me faz parecer um idiota, verdade? Não, mas bem põe em evidência que está um pouco confundido o corrigi. me Deixe te perguntar uma coisa. Sloane te deu algum motivo para que dela desconfie? Há algo em sua relação que não funcione? Joder, não. Ela é incrível. Carinhosa, lista... Sou o tio mais afortunado do planeta. Guardei silêncio e deixei que assimilasse suas palavras. O tio mais afortunado do planeta repetiu em voz baixa. Joder, estou a ponto de me carregar o melhor que me passou na vida. A mierda com o medo. A mierda com o desastroso matrimônio de meus pais. vou fazer o. Então... as bodas segue em pé? perguntei-lhe com cautela. Sim. Está seguro? Aos cem por cem. Charlie enfrentou meu olhar. Obrigado por me contar o que sofreste. Sei que não deveu que ser fácil para ti. Se tiver podido te ajudar, me alegro de havê-lo feito. Enquanto nos púnhamos em pé, descobri que me tremiam as pernas. Charlie me olhou e fez uma careta. Não temos por que lhe mencionar isto a ninguém, verdade? Sou como um advogado ou um médico lhe assegurei. Nossas conversações são confidenciais. Charlie assentiu e suspirou, aliviado. Vou disse. Enquanto isso, acredito que deveria te manter afastado do Wyatt e de suas tolices. Sei que é seu amigo, mas a verdade, é o pior padrinho que vi na vida. Charlie esboçou um sorriso torcido. Não lhe discuto isso. Enquanto me acompanhava até a porta, pensei no valor que demonstraria Charlie quando se comprometesse a fazer o que mais medo lhe dava. Um valor que eu jamais teria. Nenhum homem teria jamais o poder de me abandonar como o tinha feito Brian. Como Charlie tinha estado a ponto de abandonar ao Sloane. Aliviada e exausta, agachei-me para recolher a bolsa. Vemo-nos dentro de um momento se despediu Charlie enquanto eu saía da estadia e baixava a escada. Supus que deveria me sentir como uma hipócrita por ter animado a alguém a correr o risco de casar-se quando eu mesma não tinha a menor intenção de fazê-lo. Entretanto, o instinto me dizia que Charlie e Sloane seriam felizes juntos ou que, ao menos, tinham muitas possibilidades de sê-lo. Valha me estava esperando junto à porta principal. E bem? perguntou-me, nervosa. Seguimos adiante a toda mecha respondi. Graças a Deus! Entregou-me o auricular e o microfone. Supus que o tinha tudo sob controle quando vi o Wyatt tentando escapulir-se. Ray Kendrick o pilhou justo na porta e o levantou literalmente pelo cangote como se fora um cão com um rato. E? O senhor Kendrick o levou a algum sítio e ninguém soube nada deles após. O que passou com a solta de pombas? Tank pediu ao Steven que o ajude a procurar um tubos de plástico e um acendedor para andaimes. Depois, disse-me que necessitava um bote de laca. Fez uma pausa. E mandou ao

19 ReeAnn em busca de umas Pelotas de tênis. Pelotas de tênis? Mas o que está...? Interrompeu-me um assobio ensurdecedor seguido por um forte golpe. Ambas nos sobressaltamos e nos olhamos com os olhos como pratos. Outro impacto fez que Valha se tampasse as orelhas com as mãos. Bum! Bum! ao longe se escutavam vítores e gritos masculinos. Steven disse imediatamente, falando pelo microfone. O que está passando? Mudança. Tank diz que o falcão se foi. Mudança. Que narizes foi esse ruído? Mudança. Quando respondeu, Steven o fez com um tom risonho. Tank usou um lanzagranadas e umas Pelotas de tênis que exploraram. usou a pólvora de uns cartuchos Y... já lhe o conto depois. Os convidados estão chegando para sentar-se. Mudança e curta. Para sentar-se? repeti, olhando meu poeirento e suado traje. Já? Valha me deu um empurrão para me fazer sair. Tem que te trocar. Vê direta à casa principal. Não lhe pares a falar com ninguém! Corri até a casa e entrei através da cozinha, que estava lotada de empregados da empresa de catering. De caminho para a sala de artesanatos, adjacente à cozinha, escutei uma espécie de chiado que se desvaneceu até converter-se em um gemido. Ao entrar vi a Sofía sentada a uma mesa alargada, junto a um homem entrado em anos que ia embelezado com um kilt. Ambos contemplavam um saco de quadros com muitas flautas de cor negra. Sofía, que levava um vestido rosa de sutiã apertado e saia de vôo, olhou-me espantada. Ainda não te trocaste? O que passa aqui? perguntei-lhe eu. A gaita de fole se quebrado respondeu minha irmã. Não se preocupe. Direi a uns quantos membros da orquestra contratada para amenizar o banquete que interpretem algo durante a cerimônia... O que quer dizer com que está rota? A bolsa tem um buraco foi a mal-humorada resposta do gaiteiro. Lhes devolverei o dinheiro depositado como garantia tal qual acordamos no contrato. Neguei vigorosamente com a cabeça. Judy, a mãe do Sloane, estava emocionada com a idéia de que soassem gaitas de fole na cerimônia. Substitui-lo seria uma desilusão enorme para ela. Não quero que me devolva o dinheiro. É que não tem outra? Não tenho mais. Tenha em conta que cada uma costa dois mil dólares. Assinalei com um dedo tremente a bolsa de quadros que descansava sobre a mesa. Pois arrume-a. Não há tempo nem tampouco tenho repostos. A costura interior se aberto. Terá que selá-la com uma cinta adesiva especial e depois submetê-la a um varrido de luz infravermelha para... Senhorita! O que está fazendo? A essas alturas tinha aproximado da mesa, tinha pego a gaita de fole e tinha tirado a bolsa interior com um decidido puxão. O instrumento gemeu como um animal estripado. Coloquei a mão na bolsa e detrás tirar o cilindro de cinta americana, o lancei a Sofía, que o apanhou no ar. Pega a costura lhe ordenei sem mais. Passando por cima os gritos de protesto do gaiteiro, corri até o armazém onde o ama de chaves guardava as provisões, em um de cujos armários eu tinha pendurado um Top negro e uma saia de tubo a meia perna. O Top se escorreu do cabide e jazia no poeirento chão. Depois de levantá-lo, comprovei horrorizada que tinha um par de manchas gordurentas na parte dianteira. Soltei um taco e rebusquei em minha bolsa as toallitas antibacterianas e a barrita tiramanchas. Tentei tirar as manchas, mas quanto mais esfregava sobre ela, pior se via o Top. Necessita ajuda? escutei que me perguntava Sofía ao cabo de uns minutos.

20 Entra lhe disse, com um deixe frustrado na voz. Sofía entrou no armazém e contemplou a cena sem dar crédito. Isto é chungo comentou. A saia está bem lhe assegurei. Me porei isso com o Top que levo agora. Não pode me soltou Sofía sem mais. Leva horas a pleno sol com esse Top. Está asqueroso, e tem manchas de suor sob os braços. E o que sugere que faça? repliquei, mal-humorada. Ponha o Top que me tirei faz um momento. Passei-me quase todo o dia no interior da casa com o ar condicionado e está impecável. Não me entrará protestei. Sim te entrará. Temos quase a mesma talha e é drapeado. Date pressa, Avery! Depois de soltar um taco, tirei-me as calças poeirentas e o Top, e me asseei com umas quantas toallitas úmidas. Com a ajuda da Sofía, pu-me a saia negra e o Top emprestado: uma blusa drapeada de malha elástica com mangas francesas. Dado que minhas curvas eram mais generosas que as da Sofía, o decote de pico que nela parecia recatado deixava à vista boa parte de meu canalillo. Me vê tudo protestei, indignada, enquanto atirava do decote em um intento por unir o tecido. Está ensinando canalillo e parece ter perdido dez quilogramas de repente. Tirou-me as forquilhas do cabelo enquanto falava. Ouça, para já. O recolhido era um desastre. Não há tempo para que te faça outro. te deixe o cabelo solto. vou parecer uma ovelha recém saída da secadora. Tentei esmagar a incontrolável massa de cachos com as mãos. E a blusa me está estreita, é muito rodeada Y... Não está acostumada a levar roupa ajustada. Está muito bem. Olhei-a com expressão torturada enquanto agarrava o auricular e o microfone. falaste com o Steven para ver como vai tudo? Sim. Tudo está controlado. Os lanterninhas estão ajudando aos convidados a ocupar seus assentos e o encarregado das pombas está preparado. Sloane e as damas de honra estão preparadas. Assim que me diga isso, trarei para o gaiteiro. De forma milagrosa, a cerimônia começou a tempo. E as bodas se desenvolveu inclusive melhor do que Sofía ou eu teríamos imaginado, foi perfeita. As colunas do pavilhão estavam cobertas por grosas grinaldas formadas por abrojos, rosas e flores silvestres. O gaiteiro interpretou uma melodia solene mas muito emotiva para acompanhar a entrada do cortejo nupcial. Com seu vestido de encaixe, Sloane parecia uma princesa enquanto percorria o tapete coberta de pétalas de flores. Charlie sorria de brinca a orelha enquanto contemplava a sua noiva. Ninguém poria em dúvida que era um homem apaixonado. Duvidava muito que alguém reparasse no gesto mal-humorado do padrinho. Uma vez que pronunciaram os votos, um bando de pombas brancas elevou o vôo e sulcou o céu azul com o horizonte salpicado de coral, criando um momento tão bonito que se produziu um suspiro coletivo. Aleluia escutei dizer a Sofía através do auricular, o que me fez sorrir. Muito mais tarde, enquanto os convidados dançavam na carpa onde se celebrava a festa posterior ao banquete, apartei-me para um rincão para falar com o Steven através do microfone e o auricular. Vejo um problema potencial sussurrei. Mudança. Às vezes tínhamos que tirar de forma discreta a quão convidados tinham bebido muito. A melhor maneira de evitar problemas era atalhá-los a tempo. Vejo-o replicou Steven. Direi ao ReeAnn que se encarregue. Mudança e curta. Ao ver que uma mulher se aproximava de mim, voltei-me com um sorriso. Era muito magra

É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo.

É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo. 1. É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo. O arco-íris pode parecer muito estranho se você não

Leia mais

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe Coração de Mãe Coração De Mãe Página 1 Coração De Mãe 1º Edição Agosto de 2013 Página 2 Coração De Mãe 1º Edição È proibida à reprodução total ou parcial desta obra, por Qualquer meio e para qualquer fim

Leia mais

7 SEGREDOS DE ESTILO DA MULHER EMPREENDEDORA P A U L A T A L M E L L I

7 SEGREDOS DE ESTILO DA MULHER EMPREENDEDORA P A U L A T A L M E L L I 7 SEGREDOS DE ESTILO DA MULHER EMPREENDEDORA P A U L A T A L M E L L I P O R P A U L A T A L M E L L I 01 Vista-se de acordo com a ocasião e/ou o cliente Muitas vezes confundimos o nosso estilo com a roupa

Leia mais

Ahmmm... Deus? O mesmo flash de ainda há pouco e, de novo, estava à Sua frente:

Ahmmm... Deus? O mesmo flash de ainda há pouco e, de novo, estava à Sua frente: EAÍ, CARA? O que é que eu estou fazendo aqui? Quem é você? Você sabe muito bem quem Eu sou. É... Vai fundo, fala!... Deus? Viu? Não era tão difícil assim! Claro que Eu sou Deus. É assim que você Me imaginava,

Leia mais

Tânia Abrão. Deixo meus olhos Falar

Tânia Abrão. Deixo meus olhos Falar Tânia Abrão Deixo meus olhos Falar 1 Biografia Tânia Abrão Mendes da Silva Email: Tania_morenagata@hotmail.com Filha de Benedito Abrão e Ivanir Abrão Nasceu em 09/08/1984 Natural da Cidade de Lapa Paraná

Leia mais

Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho.

Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho. ÍTULO 1 Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho. Julinho sussurrou. Vou pensar no teu caso respondi -lhe,

Leia mais

Parabéns por estar aqui, você é uma

Parabéns por estar aqui, você é uma Parabéns por estar aqui, você é uma DIRETORA em Qualificação! QUALIFICAÇÃO É UM ESTÁGIO PARA O DIRETORADO ONDE A DIQ APRENDE COMO A DIRETORA FAZ!!! Trabalho duro e constante vão te levar ao topo! EXEMPLO,

Leia mais

Nome: Gabrielle 4ª Série 1ª. Unidade: Bom Jesus Centro Cidade: Curitiba Estado: Paraná. A Coruja e a Raposa

Nome: Gabrielle 4ª Série 1ª. Unidade: Bom Jesus Centro Cidade: Curitiba Estado: Paraná. A Coruja e a Raposa Nome: Gabrielle 4ª Série 1ª A Coruja e a Raposa Era uma vez uma coruja que tinha sua bela casa na montanha. A raposa tinha uma casa pequena e feia. Um dia, a coruja convidou a raposa para almoçar em sua

Leia mais

Trabalho do livro: Fala Sério, Pai! Beatriz Pugliese Netto Lamas- nº2 Giovanna Araujo Ragano- nº12 Lívia Soares Alves- nº17

Trabalho do livro: Fala Sério, Pai! Beatriz Pugliese Netto Lamas- nº2 Giovanna Araujo Ragano- nº12 Lívia Soares Alves- nº17 Trabalho do livro: Fala Sério, Pai! Beatriz Pugliese Netto Lamas- nº2 Giovanna Araujo Ragano- nº12 Lívia Soares Alves- nº17 Introdução No livro Fala Sério, Pai!, os personagens principais são: Maria de

Leia mais

Você ACREDITA na Oportunidade de negócio MARY KAY?

Você ACREDITA na Oportunidade de negócio MARY KAY? Você ACREDITA na Oportunidade de negócio MARY KAY? Para desenvolver o seu negócio, VOCÊ deve se preparar e treinar!!! TUDO começa quando VOCÊ toma a decisão! Não tenha medo de conversar com as pessoas

Leia mais

Como conduzir uma entrevista de início vencendo as objeções...

Como conduzir uma entrevista de início vencendo as objeções... Como conduzir uma entrevista de início vencendo as objeções... Danielle Chaves Diretora de Vendas Independente Mary Kay 1 Faça uma visita ao você do futuro Se você não entende a importância de plantar,

Leia mais

UM DIA CHEIO. Língua Portuguesa. 6º Ano do Ensino Fundamental II. Nome: Maria Clara Gonçalves dos Santos. Professora: Maristela Mendes de Sousa Lara

UM DIA CHEIO. Língua Portuguesa. 6º Ano do Ensino Fundamental II. Nome: Maria Clara Gonçalves dos Santos. Professora: Maristela Mendes de Sousa Lara UM DIA CHEIO Língua Portuguesa 6º Ano do Ensino Fundamental II Nome: Maria Clara Gonçalves dos Santos Professora: Maristela Mendes de Sousa Lara Tudo começou quando eu queria pescar com meu avô. Ele tinha

Leia mais

Auto-disciplina, Privação, Compromisso, Responsabilidade.

Auto-disciplina, Privação, Compromisso, Responsabilidade. Valores: Competências -chave: Auto-disciplina, Privação, Compromisso, Responsabilidade. Ser capaz de gerir a frustração; Resistir à tentação e esperar pela recompensa; Reduzir riscos praticando o auto-controlo;

Leia mais

TUDO COMEÇA POR UM COMEÇO.

TUDO COMEÇA POR UM COMEÇO. TUDO COMEÇA POR UM COMEÇO. Michel Silveira 1 2 TUDO COMEÇA PELO COMEÇO Dedico a você: 3 4 TUDO COMEÇA PELO COMEÇO Sumário. Primeira fase Namoro pg. 29 Segunda fase Noivado pg.39 Terceira fase Casamento

Leia mais

Por vontade expressa do autor, a presente edição não segue a grafia do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Por vontade expressa do autor, a presente edição não segue a grafia do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa Por vontade expressa do autor, a presente edição não segue a grafia do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa info@marcador.pt www.marcador.pt facebook.com/marcadoreditora 2016 Direitos reservados

Leia mais

O PREÇO DO ALVORECER

O PREÇO DO ALVORECER O PREÇO DO ALVORECER Um amor inesquecível Sabe essas manhãs, quando você não tem nada para fazer e resolver sair sem rumo? Então, uma manhã dessas resolvi sair e fui até uma praça próximo da minha casa,

Leia mais

CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL. Diz a Vozinha. Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl

CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL. Diz a Vozinha. Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL Diz a Vozinha Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl Índice 1 - Consciencialização de comportamentos de saúde vocal Oh vozinha quem é o terapeuta da fala? Oh

Leia mais

MÃE, QUANDO EU CRESCER...

MÃE, QUANDO EU CRESCER... MÃE, QUANDO EU CRESCER... Dedico este livro a todas as pessoas que admiram e valorizam a delicadeza das crianças! Me chamo Carol, mas prefiro que me chamem de Cacau, além de ser um apelido que acho carinhoso,

Leia mais

A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador.

A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador. Módulo I Saúde dos indivíduos com 50 anos e mais A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador. Primeiramente,

Leia mais

Goste do que faz. Quanto mais as pessoas gostam de seu trabalho, mais energia dedicam a ele. - Mary Kay Ash

Goste do que faz. Quanto mais as pessoas gostam de seu trabalho, mais energia dedicam a ele. - Mary Kay Ash Goste do que faz Quanto mais as pessoas gostam de seu trabalho, mais energia dedicam a ele. - Mary Kay Ash Livro The Mary Kay Way Cap: 17 E Mary Kay ainda explica que em todo trabalho teremos tarefas que

Leia mais

REQUERIMENTO N o, de 2011

REQUERIMENTO N o, de 2011 REQUERIMENTO N o, de 2011 Requeiro, nos termos do artigo 222 do Regimento Interno do Senado Federal, inserção em ata de voto de congratulações pelo aniversário de 70 anos do excepcional cantor Roberto

Leia mais

O poder profilático e recuperador das linguagens criativas nas histórias para a infância

O poder profilático e recuperador das linguagens criativas nas histórias para a infância O poder profilático e recuperador das linguagens criativas nas histórias para a infância CRISTINA NOBRE INCLUDIT, 5 E 6 julho 2013 [ ] Nos livros busco só o dar-me prazer através de uma decente distracção

Leia mais

Crack: Vamos olhar de perto

Crack: Vamos olhar de perto Crack: Vamos olhar de perto M A N A U S - AM M A R Ç O D E 2 0 1 4 T A N I E L E R U I @ Y A H O O. C O M. B R A linha do Paranapanema O Prédio da Vila Industrial A terra do crack Usos da Cracolândia o

Leia mais

www.ctaeletronica.com.br TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m RESOLVA OS PROBLEMAS COM FRAÇÕES ABAIXO:

www.ctaeletronica.com.br TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m RESOLVA OS PROBLEMAS COM FRAÇÕES ABAIXO: TEMPO TOTAL APLICADO: h m TOTAL PONTOS MT- TURMA Nome: Data: / Hora: h m às h m RESOLVA OS PROBLEMAS COM FRAÇÕES ABAIXO: César resolveu medir alguns comprimentos usando seu palmo como unidade de medida.

Leia mais

page 2 / 11 RELACIONAMENTOS antes de precisar deles. Quando surgir a necessidade, eles estarão lá, a postos, dispostos a lhe ajudar.

page 2 / 11 RELACIONAMENTOS antes de precisar deles. Quando surgir a necessidade, eles estarão lá, a postos, dispostos a lhe ajudar. page 1 / 11 Tenho certeza que você pensava o contrário, ou seja, que "O QUE ALGUÉM FAZIA" era mais importante do que "QUEM ERA AQUELA PESSOA". Entender a diferença entre essas duas afirmações, pode ter

Leia mais

Atividades Recreativas Arte de Acampar

Atividades Recreativas Arte de Acampar Introdução É uma boa atividade de observação. Primeiro você deve aprender os sinais de pista utilizados para comunicação nas trilhas de florestas e nos campos. Alguns, são idênticos aos usados no passado

Leia mais

O CICLO DO SUCESSO. Faz toda diferença

O CICLO DO SUCESSO. Faz toda diferença O CICLO DO SUCESSO Faz toda diferença Vamos aprender? CONTATOS Oxigênio Perfil do cliente Pesquisa de opinião Clientes fidelizadas Entrega de cartão (sempre quando entregar anotar o telefone e o nome da

Leia mais

O Rapaz e a Guitarra Mágica

O Rapaz e a Guitarra Mágica O Rapaz e a Guitarra Mágica Conto linha-a-linha Autoria: todas as turmas da Escola E.B. 2,3 de Palmeira Data: 21 a 25 de Março de 2011 Local de realização: Biblioteca Escolar Era uma vez um menino chamado

Leia mais

2 TU-AFETIVIDADE E SEXUALIDADE. Meus primeiros amores. Na construção do amor

2 TU-AFETIVIDADE E SEXUALIDADE. Meus primeiros amores. Na construção do amor E acima de tudo isto, o amor, que é vínculo da unidade perfeita. Col. 3,1 1 E acima de tudo isto, o amor, que é vínculo da unidade perfeita. Col 3,1 Te convidamos para ler estas histórias... Um homem de

Leia mais

Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar?

Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar? Que tal ganhar uma viagem ao estilo Mary Kay? Você já ganhou alguma viagem de presente? Porque você não trabalharia por ela? Você sabe como ganhar? Vamos aos requisitos!! Se formar diretora até 1 de agosto

Leia mais

Casamento No Sitio: 8 Segredos Para Sua Festa Bombar!

Casamento No Sitio: 8 Segredos Para Sua Festa Bombar! Casamento No Sitio: 8 Segredos Para Sua Festa Bombar! Para você mulher que quer fugir da cerimônia tradicional em igrejas, que tal organizar um casamento no sitio? Será uma excelente escolha inserir a

Leia mais

Uma Aflição Imperial.

Uma Aflição Imperial. Uma Aflição Imperial. Amanda Silva C. Prefácio Uma aflição Imperial conta a história de uma garota chamada Anna que é diagnosticada com tipo raro de câncer leucemia sua mãe é paisagista e tem apenas um

Leia mais

O primeiro passo fundamental é

O primeiro passo fundamental é 1 3 PASSOS FUNDAMENTAIS PRA VOCÊ RECOMEÇAR SUA VIDA E LIDAR COM SUA NOVA REALIDADE Foi pensando em como eu posso te ajudar a dar os primeiros passos hoje, agora, a partir desse momento que eu resolvi colocar

Leia mais

Teatro A História da Carochinha

Teatro A História da Carochinha Teatro A História da - O meu nome é, gosto muito de limpar. Arrumo a casa toda, sempre a cantar. Tenho uma vida pacata mas gostava de casar. Vestir um vestido branco e um marido arranjar. Mas preciso de

Leia mais

ANEXO V. Guião da Gala H2Ooooh!

ANEXO V. Guião da Gala H2Ooooh! ANEXO V Guião da Gala H2Ooooh! A Gala H2Ooooh será constituída por um conjunto de cinco reflexões sobre as diferentes áreas temáticas do projeto e quatro atividades. Ordem Ação Intervenientes 1º Apresentação

Leia mais

Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores

Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores Tópico 01: Grandezas Físicas - Introdução Caro aluno, quantas vezes você já ouviu alguém falar que Física e Matemática é tudo a mesma coisa? Que

Leia mais

PRA TE LOUVAR. Como é precioso viver o seu amor Sentir a alegria que vem do Senhor É maravilhoso poder te louvar E saber que ao meu lado sempre está

PRA TE LOUVAR. Como é precioso viver o seu amor Sentir a alegria que vem do Senhor É maravilhoso poder te louvar E saber que ao meu lado sempre está PRA TE LOUVAR Como é precioso viver o seu amor Sentir a alegria que vem do Senhor É maravilhoso poder te louvar E saber que ao meu lado sempre está Tudo que eu preciso é estar bem junto a ti Viver a alegria

Leia mais

Parte Um Minha_Vida_Agora.indd 7 Minha_Vida_Agora.indd 7 11/06/ :19:05 11/06/ :19:05

Parte Um Minha_Vida_Agora.indd 7 Minha_Vida_Agora.indd 7 11/06/ :19:05 11/06/ :19:05 Parte Um Minha_Vida_Agora.indd 7 11/06/2012 16:19:05 Minha_Vida_Agora.indd 8 11/06/2012 16:19:06 1 Meu nome é Elizabeth, mas ninguém nunca me chamou assim. Meu pai deu uma olhada em mim quando nasci e

Leia mais

HISTÓRIAS DA BÍBLIA. para ler e pensar

HISTÓRIAS DA BÍBLIA. para ler e pensar HISTÓRIAS DA BÍBLIA para ler e pensar 9789897410048 Alice Vieira HISTÓRIAS DA BÍBLIA para ler e pensar ilustrações de Carla Nazareth A história de Rute Era um tempo de grandes fomes e privações. Uma mulher,

Leia mais

Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO. Versículos para decorar:

Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO. Versículos para decorar: Meditação Caminhando com Jesus NOME: DATA: 24/02/2013 PROFESSORA: 1- Deus criou os céus e a terra. Gênesis 1:1 A CRIAÇÃO DO MUNDO Versículos para decorar: 2 Pois, por meio dele, Deus criou tudo, no céu

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2011 1º SEMESTRE 4º ANO FASE COMPLEMENTAR UME. Nome

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2011 1º SEMESTRE 4º ANO FASE COMPLEMENTAR UME. Nome AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2011 1º SEMESTRE 4º ANO FASE COMPLEMENTAR UME Nome N. 4º ano Professor (a) 1. Rex é um cachorro que adora comer. Ele ganha 3 ossos por dia. Em 15 dias, quantos ossos ele irá ganhar?

Leia mais

Dicas de como obter $uce$$o nas vendas diretas

Dicas de como obter $uce$$o nas vendas diretas Dicas de como obter $uce$$o nas vendas diretas Quanto você quer ter de rendimento mensal trabalhando com vendas diretas? Esta resposta depende de cada pessoa, seus sonhos e interesses pessoais. Para ser

Leia mais

Ligue o som e clique pra avançar QUANDO O TEU(TUA) FILHO(A) DISSER: PAI, MÃE NÃO SE METAM NA MINHA VIDA!

Ligue o som e clique pra avançar QUANDO O TEU(TUA) FILHO(A) DISSER: PAI, MÃE NÃO SE METAM NA MINHA VIDA! Ligue o som e clique pra avançar QUANDO O TEU(TUA) FILHO(A) DISSER: PAI, MÃE NÃO SE METAM NA MINHA VIDA! Texto criado por um sacerdote. Hoje que estou aprofundando meus estudos teológicos na Família, seus

Leia mais

Das rosas vem o amor E da flor a poesia, O homem que já amou Torna-se poeta durante o dia.

Das rosas vem o amor E da flor a poesia, O homem que já amou Torna-se poeta durante o dia. 1 Das rosas vem o amor E da flor a poesia, O homem que já amou Torna-se poeta durante o dia. 2 ... Os olhos do poeta é o coração... 3 Introdução:... O amor é como uma música lenta que tu pões para escutar

Leia mais

Faça o teste de personalidade e cor

Faça o teste de personalidade e cor Faça o teste de personalidade e cor Copos coloridos na Cromoterapia Um teste que revela através da Cromoterapia um pouco da sua personalidade através dessa escolha e também quais as cores que combinam

Leia mais

Perguntas. Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral)

Perguntas. Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral) Perguntas 1. Por que partir de um livro? Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral) Porque o que acontece no mundo tem a ver conosco (aspecto missional) Perguntas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO POEMA (7º ANO) Professora Jana Soggia

LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO POEMA (7º ANO) Professora Jana Soggia LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO POEMA (7º ANO) Professora Jana Soggia Características do Gênero Textual Texto construído por versos (cada linha do poema) O conjunto de versos forma a estrofe Explora a sonoridade

Leia mais

E- Queria começar por te perguntar quanto tu soubeste que ias para o teatro como é que foi a tua reação, ficaste entusiasmado, não ficaste E4- Fiquei

E- Queria começar por te perguntar quanto tu soubeste que ias para o teatro como é que foi a tua reação, ficaste entusiasmado, não ficaste E4- Fiquei E- Queria começar por te perguntar quanto tu soubeste que ias para o teatro como é que foi a tua reação, ficaste entusiasmado, não ficaste E4- Fiquei entusiasmado. E- E porque é que gostavas de já tinhas

Leia mais

TARDE 2ª SÉRIE EF. Língua Portuguesa. 2ª Série Ensino Fundamental Tarde. Nome do aluno: 1. Você é: 2. Idade: Para uso do aplicador.

TARDE 2ª SÉRIE EF. Língua Portuguesa. 2ª Série Ensino Fundamental Tarde. Nome do aluno: 1. Você é: 2. Idade: Para uso do aplicador. Língua Portuguesa 2ª Série Ensino Fundamental Tarde TARDE Nome do aluno: 1. Você é: 2. Idade: 2ª SÉRIE EF Para uso do aplicador Nome da escola: Turma: Mês de aniversário do aluno: Quando você começou a

Leia mais

Prefácio Corra, Corra para salvar sua vida. Pensou a garota enquanto corria desesperadamente por um corredor escuro. Uma adaga foi arremessada e por

Prefácio Corra, Corra para salvar sua vida. Pensou a garota enquanto corria desesperadamente por um corredor escuro. Uma adaga foi arremessada e por Prefácio Corra, Corra para salvar sua vida. Pensou a garota enquanto corria desesperadamente por um corredor escuro. Uma adaga foi arremessada e por alguns centímetros não atingiu o pé da garota que estava

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro A maioria das pessoas que começa um negócio, não se preocupa muito em fazer um planejamento financeiro. Não dão tanta importância para o navegador da empresa. É o planejamento financeiro

Leia mais

A volta às aulas do Pequeno Nicolau

A volta às aulas do Pequeno Nicolau HISTÓRIAS INÉDITAS DO PEQUENO NICOLAU René Goscinny Jean-Jacques Sempé A volta às aulas do Pequeno Nicolau Tradução Pedro Karp Vasquez Volta às aulas MAMÃE DISSE QUE AMANHÃ iremos comprar coisas para a

Leia mais

Hoje, dia 28 de Julho de 2013, estou a dar o Fim ao Regredir. Já Programei 9 vezes este Exercício, mas vou continuar a fazê-lo enquanto Eu Viver.

Hoje, dia 28 de Julho de 2013, estou a dar o Fim ao Regredir. Já Programei 9 vezes este Exercício, mas vou continuar a fazê-lo enquanto Eu Viver. Modelo Intermédio Após as 9 Regressões do Lado Direito O Passado Morre por Toda a Terra. Agora, vamos encontrar o Modelo das Origens. Quem somos e ficamos a Ter e a Ser a Força do Bom Viver. Hoje, dia

Leia mais

A leitura inspira, transforma e abre horizontes

A leitura inspira, transforma e abre horizontes A leitura inspira, transforma e abre horizontes A leitura é uma janela voltada para o infinito de descobertas e compreensão sobre o mundo. A formação do leitor se dá de forma contínua: a toda hora nascem

Leia mais

Saúde www.teachingforafrica.com página 1

Saúde www.teachingforafrica.com página 1 Saúde www.teachingforafrica.com página 1. Trazido por Every Child Ministries Uma ONG cristã trazendo esperança as crianças esquecidas da Africa Porque as crianças são os grandes recursos de qualquer nação

Leia mais

Nome: Eduardo 4ª Série 3ª. Unidade: Bom Jesus Centro Cidade: Curitiba Estado: Paraná. O mico-leão-dourado e o rato

Nome: Eduardo 4ª Série 3ª. Unidade: Bom Jesus Centro Cidade: Curitiba Estado: Paraná. O mico-leão-dourado e o rato Nome: Eduardo 4ª Série 3ª O mico-leão-dourado e o rato Um mico-leão-dourado estava louco para ter seu aniversário. O rato, que é seu amigo, perguntou-lhe: Meu amigo mico-leão-dourado, você está ansioso

Leia mais

Produção de texto. Observe a imagem e produza um texto narrativo, com no mínimo 10 linhas, a partir do título proposto

Produção de texto. Observe a imagem e produza um texto narrativo, com no mínimo 10 linhas, a partir do título proposto E. E. Ernesto Solon Borges Disciplina: Língua Portuguesa Profª. Regente: Vania Progetec: Cristina Ano: 8º Ano A Alunos: Dayane Sales e Emily Cristina Data: 12/11/2014 Produção de texto Se eu tivesse um

Leia mais

A Menina Que Deixou. De Sonhar. Autora: Waleska Alves

A Menina Que Deixou. De Sonhar. Autora: Waleska Alves A Menina Que Deixou De Sonhar Autora: Waleska Alves 1. Era uma vez uma linda menina que sonhava com o natal, todas as noites antes de dormi ela olhava pela janela de seu quarto e imaginava papai noel em

Leia mais

Imagine com Munhoz e Mariano. Feito por uma fã muito apaixonada, que estava afim de compartilhar com as outras fãs!

Imagine com Munhoz e Mariano. Feito por uma fã muito apaixonada, que estava afim de compartilhar com as outras fãs! Era só um sonho. Imagine com Munhoz e Mariano. Feito por uma fã muito apaixonada, que estava afim de compartilhar com as outras fãs! Já estava com muita saudades! No dia em que poderia ir em um show, aconteceu

Leia mais

SETEMBRO ESPETACULAR!!!

SETEMBRO ESPETACULAR!!! CONSTRUA UM MÊS DE SETEMBRO ESPETACULAR Simone Soares Setembro/2015 Diretora de Vendas Ind. Mary Kay Sejam Super Bem Vindas Muito Obrigada pela sua Presença e principalmente por me fazer sentir muito importante

Leia mais

Os Principais Tipos de Objeções

Os Principais Tipos de Objeções Os Principais Tipos de Objeções Eu não sou como você" Você tem razão, eu não estou procurando por pessoas que sejam como eu. Sou boa no que faço porque gosto de mim como eu sou. Você vai ser boa no que

Leia mais

AS AVENTURAS DE MIGUEL - Bernardo S. Schmitt-

AS AVENTURAS DE MIGUEL - Bernardo S. Schmitt- AS AVENTURAS DE MIGUEL - Bernardo S. Schmitt- Era uma vez um menino chamado Miguel. Num dia sua mãe falou: - Olha, filho, hoje você vai para escola de ônibus. E o Miguel falou: - Mas eu não sou pequeno?

Leia mais

Quebra-gelo e perguntas que estimulam o compartilhar Sugestões de Bill Donahue para quebrar o gelo. 1

Quebra-gelo e perguntas que estimulam o compartilhar Sugestões de Bill Donahue para quebrar o gelo. 1 Quebra-gelo e perguntas que estimulam o compartilhar Sugestões de Bill Donahue para quebrar o gelo. 1 - Qual é seu filme preferido? Por quê? - Se o dinheiro não fosse problema, e pudesse escolher um lugar

Leia mais

1 von :36

1 von :36 1 von 22 24.05.2006 16:36 2 von 22 24.05.2006 16:36 Era uma vez, numa aldeia pequenina, uma menininha linda como uma flor; sua mãe gostava muito dela, e sua vovozinha ainda mais. 3 von 22 24.05.2006 16:36

Leia mais

3 Ponho em jogo MINHA LIBERDADE. Desejo de humanidade. Na construção do amor. Soprou em seu nariz o alento de vida. Gên. 2,7

3 Ponho em jogo MINHA LIBERDADE. Desejo de humanidade. Na construção do amor. Soprou em seu nariz o alento de vida. Gên. 2,7 Soprou em seu nariz o alento de vida. Gên. 2,7 Soprou em seu nariz O alento de vida. Gên. 2, 7 Uma tarde ao voltar da catequese, um menino de 7 anos perguntou a sua mãe: - Mamãe, porque Deus nos fez livres?

Leia mais

ONDJAKI. A BICICLETA QUe TINHA BIGODES. estórias sem luz elétrica. Livros do Dia e da Noite

ONDJAKI. A BICICLETA QUe TINHA BIGODES. estórias sem luz elétrica. Livros do Dia e da Noite ONDJAKI A BICICLETA QUe TINHA BIGODES estórias sem luz elétrica Livros do Dia e da Noite Na minha rua vive o tio Rui, que é escritor e inventa estórias e poemas que até chegam a outros países muito internacionais.

Leia mais

PENSAMENTO claro mente CRIATIVA

PENSAMENTO claro mente CRIATIVA PENSAMENTO claro mente CRIATIVA Erica Martinovski Ilustrações: Constanza Menine Guia de movimentos para o corpo, a respiração e a retomada de foco. Para fazer em 15 minutos daquele dia difícil... Introdução

Leia mais

Objetivos. Material a ser utilizado. - Cópias da avaliação. Procedimentos

Objetivos. Material a ser utilizado. - Cópias da avaliação. Procedimentos Objetivos - Identificar informações presentes no texto e produzir respostas baseadas nessas informações. Transcrever trechos do texto para exemplificar a compreensão do seu sentido global. - Identificar,

Leia mais

HISTÓRIAS E ESTÓRIAS

HISTÓRIAS E ESTÓRIAS HISTÓRIAS E ESTÓRIAS ERICH BULLOC INGLATERRA 1940 LUCILLE : Eu acabei de receber uma carta de minha irmã Yvvone hoje. Ela está chegando de Londres sextafeira e me pediu para encontrar com ela. Você se

Leia mais

Vou votar em Marina Silva porque uso creme anti-rugas

Vou votar em Marina Silva porque uso creme anti-rugas Vou votar em Marina Silva porque uso creme anti-rugas Vou votar em Marina Silva porque uso creme anti-rugas, protetor solar e hidratante. Falácias Há um certo número de armadilhas a serem evitadas quando

Leia mais

PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA

PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA A menina PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA menina alegre e muito curiosa. O que a diferenciava das outras crianças é que desde muito pequenina ela passava horas na Floresta do Sol conversando

Leia mais

A minha vida sempre foi imaginar. Queria ter um irmãozinho para brincar...

A minha vida sempre foi imaginar. Queria ter um irmãozinho para brincar... O pequeno Will A minha vida sempre foi imaginar. Queria ter um irmãozinho para brincar... Então um dia tomei coragem e corri até mamãe e falei: - Mãeee queria tanto um irmãozinho, para brincar comigo!

Leia mais

"NOITE DE LUAR" Roteiro de. Deborah Zaniolli

NOITE DE LUAR Roteiro de. Deborah Zaniolli "NOITE DE LUAR" Roteiro de Deborah Zaniolli Copyright 2016 by Deborah Zaniolli Deborah Zaniolli Todos os direitos reservados contato@deborahzaniolli.com BN: Roteiro 2011 Piedade- SP 1. "NOITE DE LUAR"

Leia mais

Capitulo 1 A história de Richard. Setembro 2012

Capitulo 1 A história de Richard. Setembro 2012 O amor, como ele é? Capitulo 1 A história de Richard. Setembro 2012 A história relatada neste livro, é sobre seu primeiro amor, seu primeiro encontro com a felicidade. Pode parecer um pouco poético e engraçado,

Leia mais

Memórias para sempre. Gestante Newborn Acompanhamento Ensaios Lifestyle Batizado Aniversário

Memórias para sempre. Gestante Newborn Acompanhamento Ensaios Lifestyle Batizado Aniversário Memórias para sempre Gestante Newborn Acompanhamento Ensaios Lifestyle Batizado Aniversário Sobre Nós! Surpreenda-se! Dizem que a Família é o maior exemplo de amor que pode existir. Passamos vários anos

Leia mais

A Kelly e o Karim desejam ficar à espera de bebé daqui a meio ano

A Kelly e o Karim desejam ficar à espera de bebé daqui a meio ano A Kelly e o Karim desejam ficar à espera de bebé daqui a meio ano A Kelly e o Karim desejam ficar à esperar de bebé daqui a meio ano. 1. A Kelly e o Karim desejam ficar à esperar de bebé daqui a meio ano.

Leia mais

Como trabalhar cada semana de Dezembro com excelência e obter resultados!!! Mayara Soberano Diretora Sênior de Vendas

Como trabalhar cada semana de Dezembro com excelência e obter resultados!!! Mayara Soberano Diretora Sênior de Vendas Como trabalhar cada semana de Dezembro com excelência e obter resultados!!! Mayara Soberano Diretora Sênior de Vendas NÃO NÃO!!!! O tempo passa de minuto em minuto igualzinho todos os dias. Somos nós

Leia mais

O dia em que o SUS visitou o cidadão

O dia em que o SUS visitou o cidadão O dia em que o SUS visitou o cidadão 2004 Ministério da Saúde Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional.

Leia mais

Chamei? Eu não te chamei. Eu estou orando. "Pai nosso que estais nos céus."

Chamei? Eu não te chamei. Eu estou orando. Pai nosso que estais nos céus. "Pai nosso, que estás nos céus". --- Sim? Não me interrompa. Estou orando. --- Mas você me chamou. Chamei? Eu não te chamei. Eu estou orando. "Pai nosso que estais nos céus." --- Aí. Você fez de novo.

Leia mais

CRUZEIRINHO DO MESTRE IRINEU

CRUZEIRINHO DO MESTRE IRINEU CRUZEIRINHO DO MESTRE IRINEU 1 2 1. Dou Viva a Deus Nas Alturas waltz Dou viva a Deus nas alturas E a Virgem Mãe nosso amor Viva todo Ser Divino E Jesus Cristo Redentor Eu peço a Deus nas alturas Para

Leia mais

2 AVENIDAS DE GANHOS

2 AVENIDAS DE GANHOS 2 AVENIDAS DE GANHOS Quer ser Diretora??? A Carreira Mary Kay é um grande diferencial; Avenida de Ganhos Ilimitados; A Liderança ajudará você desenvolver o seu negócio Mary Kay! Uma Ótima Líder Liderar

Leia mais

Emagrecer com saude. Quando eu estava gorda, veja pelas fotos estas são as melhores, as piores deletei.

Emagrecer com saude. Quando eu estava gorda, veja pelas fotos estas são as melhores, as piores deletei. Emagrecer com saude Quando eu estava gorda, veja pelas fotos estas são as melhores, as piores deletei. Bom parei de me pesar quando estava com 79.900 usava calças 48 já apertada demais que a maioria rasgou

Leia mais

Comunicação é... A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DA QUALIDADE NO TRABALHO. Você se comunica bem?

Comunicação é... A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DA QUALIDADE NO TRABALHO. Você se comunica bem? GERÊNCIA -FLÁVIA NUNES A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DA QUALIDADE NO TRABALHO Comunicação é... Você se comunica bem? "Nossa capacidade de comunicação não é medida pela forma como dizemos as coisas, mas

Leia mais

Conheça os Espaços Vida Saudável

Conheça os Espaços Vida Saudável Conheça os Espaços Vida Saudável O que é um Espaço Vida Saudável? O Espaço Vida Saudável (EVS) é um dos métodos que o Consultor Independente Herbalife pode utilizar para desenvolver seu próprio negócio

Leia mais

CRIANDO UM NOVO CENÁRIO DE ABUNDÂNCIA (7ª SEMANA) 14 A 20 DE JULHO Nestas 6 últimas semanas falamos dos obstáculos a serem superados.

CRIANDO UM NOVO CENÁRIO DE ABUNDÂNCIA (7ª SEMANA) 14 A 20 DE JULHO Nestas 6 últimas semanas falamos dos obstáculos a serem superados. CRIANDO UM NOVO CENÁRIO DE ABUNDÂNCIA (7ª SEMANA) 14 A 20 DE JULHO Nestas 6 últimas semanas falamos dos obstáculos a serem superados. Foi importante conscientizar-se do fato que a escassez é um conceito

Leia mais

(1) A LEI DA ATR AÇÃO Lei_Atração-CYAN.indd 18 Lei_Atração-CYAN.indd 18 27/10/2008 13:28:37 27/10/2008 13:28:37

(1) A LEI DA ATR AÇÃO Lei_Atração-CYAN.indd 18 Lei_Atração-CYAN.indd 18 27/10/2008 13:28:37 27/10/2008 13:28:37 (1) A LEI DA ATRAÇÃO Lei_Atração-CYAN.indd 18 27/10/2008 13:28:37 ENTENDER A LEI DA ATRAÇÃO É A CHAVE QUE LHE PERMITIRÁ CRIAR A VIDA DOS SEUS SONHOS A Lei da Atração é a mais poderosa do universo. Assim

Leia mais

Caixa de Música. Peça-me todas as músicas. Que você quiser. Eu cantarei pra você, Cada música. Com amor e carinho, Que você merece.

Caixa de Música. Peça-me todas as músicas. Que você quiser. Eu cantarei pra você, Cada música. Com amor e carinho, Que você merece. Caixa de Música Peça-me todas as músicas Que você quiser. Eu cantarei pra você, Cada música Com amor e carinho, Que você merece. Enquanto você aperta seus pés Sobre os meus, para te relaxar. Quero ser

Leia mais

01 RABISQUE ALGO "Ahh mas eu não sei desenhar...". Gente, eu não faço nem boneco palito, sério mesmo! Quando eu digo que a gente precisa desenhar, podem ser desenhos simples, rabiscos! Esteja sempre fazendo

Leia mais

FUTUROS DESEJÁVEIS (Wellington Nogueira)

FUTUROS DESEJÁVEIS (Wellington Nogueira) FUTUROS DESEJÁVEIS (Wellington Nogueira) FUTUROS DESEJÁVEIS (Wellington Nogueira) 1) Onde começa e onde termina o Hospital? As pessoas estão cultivando a doença em uma série de situações. Apesar da doença

Leia mais

PONTUAÇÃO uso da vírgula. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza

PONTUAÇÃO uso da vírgula. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza PONTUAÇÃO uso da vírgula COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza (andriza.becker@luzerna.ifc.edu.br) vídeo Vírgula É um sinal gráfico usado com duas finalidades: - Sintática: organização dos termos da oração

Leia mais

Como Assim Você Nã o Chora?

Como Assim Você Nã o Chora? Como Assim Você Nã o Chora? Lá estávamos nós de novo. Naquela mesma escadaria de prédio, tendo aquela me sma conversa. Ela com a mesma long neck de Stella e a inocência impecavelmente esculpida por uma

Leia mais

TERMÔMETRO DA INTENSIDADE SEXUAL FEMININA INICIAR TESTE

TERMÔMETRO DA INTENSIDADE SEXUAL FEMININA INICIAR TESTE TERMÔMETRO DA INTENSIDADE SEXUAL FEMININA INICIAR TESTE TERMÔMETRO DA INTENSIDADE SEXUAL FEMININA O ciclo da resposta sexual da mulher é composto por três fases: Desejo, excitação e orgasmo. Ao responder

Leia mais

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia DINÂMICAS

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia DINÂMICAS S CAIXA DOS CONTOS Construindo um texto coletivo... Em uma caixa fechada são colocados vários objetos de modo que contemple o número de alunos da sala de aula. Os objetos devem ser retirados, de modo aleatório,

Leia mais

Bíblia para crianças apresenta QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS

Bíblia para crianças apresenta QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS Bíblia para crianças apresenta QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS Escrito por: Edward Hughes Ilustrado por: Byron Unger; Lazarus Adaptado por: Bob Davies; Tammy S. O texto bíblico desta história é extraído

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA NATAL! NATAL! ATIVIDADES PROPOSTAS Promover a leitura e a escrita associadas à festa de Natal. Preparação da festa de Natal com a história O Pai Natal Guloso. Elaboração

Leia mais

1. Apresentar a obra (22 poemas) e respetiva autora (sua relevância na literatura para a infância em Portugal)

1. Apresentar a obra (22 poemas) e respetiva autora (sua relevância na literatura para a infância em Portugal) Miste rios Proposta de trabalho 1. Apresentar a obra (22 poemas) e respetiva autora (sua relevância na literatura para a infância em Portugal) 2. Folhear livro e antecipar tipo de texto; ativar conhecimentos

Leia mais

Alguns Apontamentos Sobre Cálculo Combinatório

Alguns Apontamentos Sobre Cálculo Combinatório Alguns Apontamentos Sobre Cálculo Combinatório 1 O objectivo do Cálculo Combinatório é resolver problemas do tipo: quantas matriculas de carro é possível fazer em Portugal ; quantos números de telefone

Leia mais

O livro em branco. Elton Rodrigues Janaína Medeiros Maísa Rozendo Ricardo Fontes

O livro em branco. Elton Rodrigues Janaína Medeiros Maísa Rozendo Ricardo Fontes O livro em branco Elton Rodrigues Janaína Medeiros Maísa Rozendo Ricardo Fontes O livro em branco Elton Rodrigues Janaína Medeiros Maísa Rozendo Ricardo Fontes O LIVRO EM BRANCO ILUSTRAÇÃO Elton Rodrigues

Leia mais

A Professora de Horizontologia

A Professora de Horizontologia A Professora de Horizontologia Já tinha parado a chuva e Clara Luz estava louca que a Gota voltasse. Felizmente a Fada-Mãe veio com uma novidade: Minha filha, hoje vem uma professora nova. Você vai ter

Leia mais

Vinhos Barbeito reinterpretar a tradição

Vinhos Barbeito reinterpretar a tradição 1 de 8 24-02-2014 09:16 20 FEVEREIRO, 2014 12:27 Vinhos Barbeito reinterpretar a tradição As várias referências dos Vinhos Barbeito Nada melhor do que ir à Madeira para ficar a conhecer melhor os vinhos

Leia mais