ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA VOIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA VOIP"

Transcrição

1 THIAGO VINICIUS CASTELHANO ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA VOIP EMPRESA: DATASUL TECNOLOGIA SETOR: TECNOLOGIA SUPERVISOR: JOAQUIM CABRAL DA MAIA NETO ORIENTADOR: EVERTON LUIS ALVES CURSO DE TECNÓLOGO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL JUNHO 28

2 ii APROVADO EM.../.../... Professor Everton Luis Alves Especialista em Gestão Empresarial. Professor Orientador Professor Adolfo Gustavo Serra Seca Neto Doutor em Ciência da Computação. Professor Carlos Vetorazzi Jr. Mestre em Engenharia Mecânica. Joaquim Cabral da Maia Neto Supervisor da CONCEDENTE

3 iii Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Tech Solutions Tecnologia da Informação Ltda CGC/MF: /1-73 Endereço: Av. Santos Dumont Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Supervisor: Joaquim Cabral da Maia Neto Cargo: Coordenador ESTAGIÁRIO Nome: Thiago Vinicius Castelhano Matrícula: Endereço: Rua dos Contabilistas Bairro: Petrópolis CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Curso de: Tecnologia em Sistema de Informação Título do Estágio: Período: 3/3/28/ a 15/4/28 Carga horária: 24 AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pela avaliação do Processo de Estágio CONCEITO FINAL NOTA Excelente (9,1 a 1) Muito Bom (8,1 a 9,) Bom (7,1 a 8,) Regular (5, a 7,) Reprovado (, a 4,9) Rubrica do Professor da Disciplina Joinville / /

4 iv Nome do Estagiário: Thiago Vinicius Castelhano QUADRO I AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS QUALIDADE DO TRABALHO: Considerando o possível. ENGENHOSIDADE: Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. CONHECIMENTO: Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. CUMPRIMENTO DAS TAREFAS: Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável. ESPÍRITO INQUISITIVO: Disposição demonstrada para aprender. INICIATIVA: No desenvolvimento das atividades. SOMA Pontos QUADRO II AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS ASSIDUIDADE: Cumprimento do horário e ausência de faltas. DISCIPLINA: Observância das normas internas da Empresa. SOCIABILIDADE: Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. COOPERAÇÃO: Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. SENSO DE RESPONSABILIDADE: Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA Pontos PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL Pontos De 57 a 11 - SOFRÍVEL SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 12 a REGULAR SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 148 a 194 BOM SOMA TOTAL De 195 a 24 - MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: Tech Solutions Tecnologia da Informação Ltda Representada pelo Supervisor: Joaquim Cabral da Maia Neto

5 v CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

6 vi UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR (I e II) ESTAGIÁRIO Nome: Thiago Vinicius Castelhano Matrícula: Endereço (Em Jlle): Rua dos Contabilistas, 13 Bairro: Petrópolis CEP: Cidade: Joinville UF: Fone: Endereço (Local estágio): Av. Santos Dumont Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Regularmente matriculado no semestre: 5 Curso: Tecnologia em Sistemas de Informação Formatura (prevista) Semestre/Ano: Semestre/Ano: 2/28 UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Tech Solutions Tecnologia da Informação Ltda CGC/MF: /1-73 Endereço: Av. Santos Dumont Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Atividade Principal: Analista de Suporte Supervisor: Joaquim Cabral da Maia Neto Cargo: Coordenador DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Suporte Departamento de atuação: Infra-Estrutura Fone: Horário do estágio: 8: às 12: e 13:3 as 17:3 Total de horas: 24 Período: 3/3/28 à 15/4/28 Nome do Professor Orientador: Everton Luis Alves Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: 7 Quais: PES-SI...: PESQUISA OPERACIONAL SOR...: SOCIOLOGIA DAS ORGANIZACOES TES-2...: COMÉRCIO ELETRÔNICO TES-3...: SQL TES-11...: EMPREENDIMENTOS EM INFORMATICA TES-12...: ANALISE E PROJETO DE SISTEMAS AVANCADOS TES-16...: INTRODUCAO A SEGURANCA DA INFORMACAO

7 vii OBJETIVO GERAL Realizar um estudo aprimorado dos conceitos de telefonia e redes para ter o conhecimento para administrar e implementar soluções na central telefônica principalmente no sistema Voip. ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS - Realizar um estudo sobre os conceitos e terminologias de tudo o que engloba a telefonia, focando principalmente no - Estudar sobre os conceitos de telefonia, sistema Voip a alguns conceitos de redes. sistema Voip. - Realizar um estudo sobre alguns conceitos de rede. - Operadoras 8 - Codecs - Protocolos - QoS - Vpn - Estudar sobre a topologia atual da empresa. - Realizar um estudo da topologia atual da empresa, verificar a possibilidade de implementar o sistema Voip e a ampliação da mesma para as demais franquias. 8 - Apresentar as vantagens da implementação do sistema Voip na empresa. - Realizar a apresentação das vantagens do sistema Voip quando ele é implantado e a estrutura necessária para suportar a Tecnologia. 8 Total:24 Rubrica do Professor Orientador Rubrica do Coordenador de Estágios Rubrica do Supervisor da Empresa Data: Data: Data: Carimbo da Empresa

8 CRONOGRAMA FÍSICO E REAL PERÍODO (24 horas) ATIVIDADES P R P Estudo sobre Conceitos e Tecnologias Utilizadas Conceitos de Redes R Estudo sobre Conceitos e Tecnologias Utilizadas Conceitos de Telefonia Pabx P R P Estudo sobre Conceitos e Tecnologias Utilizadas Conceitos de VoIP R P Estudo sobre a Topologia atual da empresa R P Implementação do VoIP Primeiros testes R P Implementação do VoIP Resolução de problemas iniciais R P Implementação do VoIP Disponibilização para o ambiente R P Implementação do VoIP Criação de procedimentos R P R P R

9 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT COORDENADORIA DE ESTÁGIOS TERMO DE COMPROMISSO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIOS A EMPRESA Tech Solutions Tecnologia da Informação LTDA (1) Representada por Joaquim Cabral da Maia Neto Cargo: Coordenador (2) ESTAGIÁRIO Thiago Vinicius Castelhano Matrícula: (3) Da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina, representada pelo Professor César Malutta. Acertam o seguinte, na forma da Lei nº , de 7/12/77, regulamentada pelo Decreto nº , de 18/8/82, tendo em vista Convênio nº 177/6, publicado em Diário Oficial nº de 3/7/26. Art. 1º - O ALUNO desenvolverá Estágio: Obrigatório (X) Não obrigatório ( ) Art. 2º - O ESTAGIÁRIO desenvolverá atividades dentro de sua linha de formação. Art. 3º - A EMPRESA elaborará Programa de Atividades a ser cumprido pelo ESTAGIÁRIO, em conformidade com as disciplinas cursadas pelo mesmo, respeitados os horários de obrigações do ESTAGIÁRIO com a UDESC/CENTRO. Art. 4º - O Estágio será desenvolvido na Área de Infra-Estrutura equipe de Gestão de Servidores no período de 3/3/28 a 15/4/28 1º - Este período poderá ser prorrogado mediante prévio entendimento entre as partes. 2º - Tanto a EMPRESA como o ESTAGIÁRIO poderão a qualquer momento dar por terminado o Estágio, mediante comunicação escrita. Art. 5º - Pelas reais e recíprocas vantagens técnicas e administrativas, a EMPRESA designará como Supervisor Interno de Estágios e avaliador o Senhor Joaquim Cabral da Maia Neto Art. 6º - O ESTAGIÁRIO declara concordar com as normas internas da EMPRESA, conduzir-se dentro da ética profissional e submeter-se a acompanhamento e avaliação de seu desempenho e aproveitamento.

10 x Art. 7º - O ESTAGIÁRIO se obriga a cumprir fielmente a programação de estágio. Art. 8º - O ESTAGIÁRIO responderá pelas perdas e danos conseqüentes da inobservância das normas internas da EMPRESA. Art. 9º - O ESTAGIÁRIO se compromete a elaborar Relatório sobre o Estágio realizado apresentando-o à EMPRESA através de seu Supervisor, e à Universidade através do Coordenador de Estágios respectivo. Art. 1º - A EMPRESA se responsabilizará por despesas relativas a atividades extras impostas ao ESTAGIÁRIO. Art. 11º - O ESTAGIÁRIO não terá para quaisquer efeitos, vínculo empregatício com a EMPRESA, ficando aquele segurado contra acidentes pessoais durante o estágio pela apólice nº da Companhia Itaú Seguros. Art. 12º - O ESTAGIÁRIO receberá uma bolsa no valor de R$,. Art. 13º - Fica firmado o presente em 3 (três) vias de igual teor. Joinville, de de 28. (1) EMPRESA:... (2) ESTAGIÁRIO:... (3) INSTITUIÇÃO DE ENSINO:...

11 xi Aos meus pais Antonio Herivelto Castelhano e Hilda Castelhano A minha Namorada Grasiela Plachi Aos meus amigos Geovani, Michael, Rodrigo, Carlos e Altair

12 xii AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus por me proporcionar a oportunidade de cursar uma faculdade e pela colaboração de diversas pessoas que merecem o meu reconhecimento, dentre elas destacam-se: A minha namorada e família por todo tempo ao meu lado apoiando; Aos amigos que conquistei na faculdade; Aos professores e colegas de trabalho que me ajudaram no crescimento profissional; Datasul Tecnologia por ter me proporcionado a oportunidade de estágio; Everton Luis Alves, pelo auxílio como orientador de estágio; Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, por proporcionar o conhecimento acadêmico.

13 xiii SUMÁRIO Rubrica do Professor da Disciplina... iii QUADRO I... iv QUADRO II... iv PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II... iv HORAS... vii LISTA DE FIGURAS... xiv RESUMO... xv 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos Justificativa ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO A EMPRESA HISTÓRICO PRINCIPAIS PRODUTOS PRINCIPAIS CLIENTES CONSIDERAÇÕES GERAIS DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO CONCEITOS E TECNOLOGIAS UTLIZADAS CENTRAIS TELEFÔNICAS PRIVADAS PABX INTERNET TCP/IP VOIP PROTOCOLO SIP PROTOCOLO RTP QoS COMO FUNCIONA VOZ SOBRE IP CENÁRIO DA TECNOLOGIA VoIP SERVIDOR ASTERISK RAMAIS ASTERISK ESTUDO SOBRE A TOPOLOGIA ATUAL DA EMPRESA IMPLEMENTANDO O SISTEMA VOIP PRIMEIROS TESTES RESOLUÇÀO DE PROBLEMAS INICIAIS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA POR INTEIRO CADASTRANDO UM RAMAL VOIP CONFIGURAÇÃO DE TELEPHONE IP E ATA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 28

14 xiv LISTA DE FIGURAS Figura 1: VoIP... 8 Figura 2: Servidor SIP... 9 Figura 3: Demonstração Banco de CODEC... 1 Figura 4: Ordenação do protocolo RTP Figura 5: Softphone X-LITE Figura 6: ATA Figura 7: Topologia de rede da Datasul Figura 8: Interface da Softswitch... 2 Figura 9: PABX Figura 1: Topologia de rede da Datasul Atual Figura 11: Acesso via browser dispositivo VoIP Figura 12: Acesso através de usuário e senha o dispositivo VoIP Figura 13: Configurações Gerais do dispositivo VoIP Figura 14: Configuração SIP do dispositivo VoIP Figura 15: Configuração de ramal, senha e Codecs do dispositivo VoIP Figura 16: Aplicação das configurações... 25

15 xv RESUMO Este relatório apresenta as atividades realizadas pelo acadêmico durante o estágio supervisionado dentro da empresa Tech Solutions, que é uma empresa prestadora de serviços de TI onde a área de Infra-estrutura faz toda a administração de ambientes de servidores relacionados ao Sistema Operacional, Banco de Dados e Central Telefônica da empresa Datasul S.A. Diante da inovação tecnológica, a Datasul implementou o sistema VoIP no prédio novo, sem mesmo ter passado o cabeamento de telefônica convencional. O desenvolvimento deste estágio envolve o estudo das tecnologias para administrar, documentar e implementar soluções para todo o ambiente de telefonia convencional integrado com o sistema VoIP da empresa Datasul S.A..

16 1. INTRODUÇÃO A principal finalidade deste relatório é descrever as atividades desenvolvidas pelo acadêmico durante o estágio supervisionado, disciplina integrante do currículo do curso de graduação em Tecnologia de Sistemas em Informação, do Centro de Ciências Tecnológicas da Universidade de Santa Catarina. O objetivo desta disciplina consiste em colocar o acadêmico em contato com a prática, avaliando quanto o meio acadêmico prepara-o para a sua carreira profissional, bem como para a evolução da mesma. Para o desenvolvimento do estágio, inicialmente é definido um plano de estágio, apresentado anteriormente, no qual estão definidas as atividades a serem desenvolvidas. O relatório apresenta o desenvolvimento destas atividades realizados no sistema de telefonia da Datasul S.A., onde a empresa Tech Solutions é responsável pela toda a administração do ambiente, desenvolvimento das atividades como estudo das tecnologias, documentação de ambiente e implementação do sistema VoIP integrando com o sistema convencional de telefonia da empresa OBJETIVOS Para que o projeto tenha sucesso, é usual dividi-lo em diferentes níveis de metas a serem atingidas Geral Realizar um estudo aprimorado dos conceitos de telefonia e redes para ter o conhecimento para administrar e implementar soluções na central telefônica principalmente no sistema Voip Específicos Realizar um estudo sobre os conceitos e terminologias de tudo o que engloba a telefonia, focando principalmente no sistema Voip.

17 2 Realizar um estudo sobre alguns conceitos de rede. Codecs. Protocolos. QoS. Realizar um estudo da topologia atual da empresa, verificar a possibilidade de implementar o sistema Voip e a ampliação da mesma para as demais franquias. Realizar a apresentação das vantagens do sistema Voip quando ele é implantado e a estrutura necessária para suportar a Tecnologia Justificativa O estudo sobre os conceitos de telefonia e do sistema VoIP deu-se pela empresa ter decidido de utilizar o sistema VoIP no prédio novo e a necessidade de substituir um profissional da administração do ambiente que estava se retirando da empresa ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO Este estudo é composto de quatro partes. Na primeira são apresentados os objetivos gerais e específicos, e como o trabalho está organizado. A segunda parte apresenta a Datasul, empresa onde foi realizado o estágio, dando um breve histórico da mesma, seus principais produtos e clientes, quantidade de empregados e faturamento, dentre outros. Na terceira parte são apresentadas as atividades desenvolvidas durante o estágio, onde é dada uma introdução, desenvolvimento dos estudos das tecnologias, envolvendo redes, telefonia e VoIP. Na última parte, são apresentadas as considerações finais onde se mostra, dentre outros, as principais dificuldades encontradas, disciplinas que mais contribuíram para o sucesso do estágio, e o atendimento aos objetivos estabelecidos no plano de estágio. As referências bibliográficas encerram o trabalho.

18 2. A EMPRESA 2.1. HISTÓRICO A Datasul nasceu para transformar as melhores práticas de gestão em soluções para a gestão empresarial. No mercado desde 1978, destaca-se entre as maiores empresas de soluções colaborativas para gestão e relacionamento empresarial e é líder na aplicação dos conceitos da teoria das restrições em seus produtos e serviços, que aumentam a eficiência dos sistemas de ERP (Enterprise Resource Planning). Com sede em Joinville, SC, a Datasul prima pela proximidade e o bom relacionamento com seus usuários. Possui quase 4 franquias como canais de distribuição em todo o Brasil e na Argentina, EUA e México. Conta com uma rede de 2 mil profissionais de serviços, mais de 8 mil usuários ativos, 2 mil clientes em cerca de 2.35 sites e 4 mil módulos ERP instalados. A Datasul cumpre sua missão de aumentar a competitividade dos clientes levando-os a novos patamares de gestão, com a utilização de sistemas computacionais na gestão de negócios originados pelos dois movimentos da economia conectada, onde as empresas precisam ser ágeis para se adaptar às demandas do mercado e velozes para atender às necessidades dos clientes. O primeiro, fundamentado nos sistemas de ERP, capacita a integração dos processos de negócio interno das empresas, automatizando procedimentos financeiros, comerciais, de logística, produção, entre outros. O segundo, o B2B (Business to Business), gera os processos de relacionamento de negócios entre as empresas pela internet. Os sistemas de gestão empresarial Datasul se integram e se complementam a partir de dois focos: na gestão empresarial e no relacionamento empresarial. A Datasul tem uma vasta experiência e conhecimento, que a credencia a oferecer soluções completas e inovadoras em produtos e serviços para o mundo empresarial, com êxito absoluto nos mercados de pequenas, médias e grandes empresas dos mais diversos segmentos de atuação. Também capacita as empresas usuárias, garantindo resultados

19 4 com produtos de excelente conteúdo de gestão, insuperável relação custo-benefício e adequados às necessidades dos clientes, ampliando sua participação no mercado e criando seu próprio diferencial competitivo. A Datasul, tem seu Sistema da Qualidade certificado pelo BVQI, com base na NORMA ISO 91: 2 aplicável a desenvolvimento, comercialização, instalação, suporte, manutenção e treinamento a clientes de software de ERP. A empresa foi certificada pela primeira vez, em dezembro de 1996, com base na versão 94 da norma ISO, sendo que em março de 23 migrou para a versão 2. A Datasul Tecnologia surgiu em 1999 após a implantação do modelo de franquias de desenvolvimento da Datasul S.A, formada por profissionais que trabalhavam na área de tecnologia da antiga Datasul, estes profissionais que instituíram as empresas e atualmente são os proprietários da empresa PRINCIPAIS PRODUTOS Dentre os principais produtos da Datasul Tecnologia estão os seguintes: Web Enabler Disponibilizador de produtos da Datasul para acesso via Java Web Start; Data Viewer Produto que permite criar relatórios para informações dos produtos da Datasul S.A; Audit Trail Produto que permite auditar acesso a banco de dados Progress; Screen Optimizer Produto que permite personalizar as telas Progress dos produtos da Datasul S.A; Webdesk Ferramenta de gestão de conteúdo que permite gerenciar as informações via Internet e disponibiliza ferramenta de workflow e de publicação de portais; Data Collection Produto que permite coletar informações via código de barras PRINCIPAIS CLIENTES Bandag fabricação de banda de rodagem para pneus;

20 5 MRS logística; Schulz S.A fábrica de compressores; Grendene fabricação de calçados; Bauduco indústria alimentícia CONSIDERAÇÕES GERAIS Atualmente, a Datasul Tecnologia conta com aproximadamente 2 colaboradores, tem uma ótima infra-estrutura interna, proporcionando o maior conforto possível a seus colaboradores e disponibilizando os melhores recursos durante o desenvolvimento das atividades de cada um. A empresa incentiva o aperfeiçoamento profissional através de bolsas de estudos e diversos cursos, a integração do pessoal através de eventos e dos esportes, tornando as pessoas além de companheiros de trabalho grandes amigos.

21 2. DESENVOLVIMENTO Este capítulo está descritos as tecnologias estudadas, atividades realizadas para o desenvolvimento do estagio e assim como as atividades desenvolvidas. 3.1 INTRODUÇÃO As atividades foram supervisionadas pelo Gerente da área com o objetivo do êxito final na administração e implementação da tecnologia Voip integrada com a central telefônica. Para apresentar as atividades é necessário definir alguns conceitos e descrições das tecnologias utilizadas no decorrer do estágio supervisionado e como o acadêmico adquiriu conhecimento para utilizá-las. 3.2 CONCEITOS E TECNOLOGIAS UTLIZADAS CENTRAIS TELEFÔNICAS PRIVADAS PABX As centrais telefônicas privadas foram desenvolvidas com um grande número de facilidades destinadas ao emprego em vários tipos de ambientes comercias. Tem como característica, criar um sistema de comunicação via telefone dentro de uma empresa, interligando setores entre si, na forma de ramal a ramal, e possibilitando a comunicação com o ambiente externo, na forma de ramal e tronco. Desta forma é possível criar regras de bloqueio a acesso externo, criar grupo de ramais, criar agendas por ramal, criar conta particular para ligações externas, entre outros INTERNET Segundo (BOGO, 28) "A Internet é um conjunto de redes de computadores interligadas que tem em comum um conjunto de protocolos e serviços, de uma forma

22 7 que os usuários conectados possam usufruir de serviços de informação e comunicação de alcance mundial." A internet iniciou-se durante a guerra fria nas décadas de 6 e 7 como um projeto para fazer com que as informações hospedadas em servidores não fossem perdidas durante um bombardeio. Desta forma o departamento de defesa criou um sistema para que não centralizasse as informações em um único ponto, criando assim a ARPAnet, que foi o primeiro protótipo da internet. Depois de algumas pesquisas, a ARPANET mudou do Protocolo de Controle de Redes (NCP) para um novo protocolo chamado TCP/IP desenvolvido em UNIX. A maior vantagem do TCP/IP era que ele permitia (o que parecia ser na época) o crescimento praticamente ilimitado da rede, além de ser fácil de implementar em uma variedade de plataformas diferentes de hardware de computador. No Brasil, os primeiros embriões de rede surgiram em 1988, ligando universidades e centros de pesquisa do Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre a instituições nos Estados Unidos. A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) surgiu em 1989 para unir essas redes embrionárias e formar um backbone de alcance nacional TCP/IP O protocolo TCP/IP foi criado com o intuito de realizar a comunicação de computadores. A configuração desse protocolo tem como função controlar como as informações são passadas de uma rede a outra, como manipular o endereçamento contido nos pacotes, a fragmentação dos dados e a checagem de erros. O TCP/IP é o protocolo da camada de transporte orientado à conexão, que oferece um serviço confiável. Freqüentemente aparece como parte da pilha TCP/IP da arquitetura Internet, mas é um protocolo de propósito geral que pode ser adaptado para ser usado com uma variedade de sistemas. (Dígitro Tecnologia., 28)

23 VOIP Voz sobre IP (VoIP) é uma tecnologia que consiste em realizar uma conversa de áudio entre dois pontos por uma rede de dados como por exemplo, a internet. Segundo (ALECRIM, 28) VoIP é uma tecnologia que permite a transmissão de voz por IP, tornando possível a realização de chamadas telefônicas (com qualidade) pela internet. Desta forma é possível que através de um microfone, caixas de som e um software realizarem conversas telefônicas entre um computador e outro. Figura 1: VoIP PROTOCOLO SIP O Protocolo de controle de sessão (SIP) é responsável pela sinalização e o controle de uma chamada VoIP, é através dele que é feito todo o controle de uma chamada, desde a discagem até o seu encerramento. É um protocolo de aplicação, que utiliza o modelo requisição-resposta, similar ao HTTP, para iniciar sessões de comunicação interativa entre utilizadores. (Dígitro Tecnologia., 28) Os componentes do SIP são: a) Agente do Usuário É a identificação de cada usuário, que servirá para realizar e receber ligações, contendo as informações de cada usuário, como nome, login, IP. b) Servidor SIP É o serviço que irá responder as requisições dos agentes sip, além de reter as informações dos usuários (login,senha, ip) é responsável em estabelecer uma chamada, mantê-la em conversação e o encerramento.

24 9 Figura 2: Servidor SIP A figura 2 demonstra o servidor SIP, que é responsável em gerenciar toda chamada VoIP. c) Codificadores e Decodificadores (CODEC) CODEC são codificadores de decodificadores que no caso de VoIP servem para transformar a voz de forma analógica para digital, codificação, e da forma digital para analógica, decodificação. Esse processo ocorre em cada sentido de uma chamada VoIP, tanto para pessoa que ouve como para pessoa que fala. Existem diversos tipos de codecs, os mais utilizados para VoIP são: Codificador de áudio (G.711), (G.723), (G.729) a sua escolha fica a critério do ambiente a ser implantado. A tabela 1 mostra a relação entre os codecs entre qualidade e consumo de banda.

25 1 A figura 3 demonstra um servidor de CODEC, que neste caso, estará como um tradutor entre a conversa do usuário A com codec G.711 e o usuário B com codec Codificador de áudio (G.723). Os pacotes do usuário A (em G.711), saem do terminal dele vão até o BANCO de CODEC que os converte em G.723 e os retransmite para o usuário B que só assim entenderá a conversa. Figura 3: Demonstração Banco de CODEC PROTOCOLO RTP O Protocolo de tempo real (RTP) é responsável pela transmissão dos pacotes de voz entre um ponto A e B em tempo real, ainda incluem identificação da Área de dados onde a informação de voz codificada é colocada (Payload), numeração de seqüências, timestamping e monitoramento de entrega. As aplicações VOIP usam tipicamente RTP sobre Protocolo de Datagramas de Usuário(UDP), presente no protocolo IP. Como não prevê criptografia estão sujeitas a ataques do tipo man-in-the-middle, onde a captura dos pacotes de uma conversa pode ser efetuada e transformada em arquivos do tipo.wav para posterior reprodução e/ou divulgação. Para evitar esse tipo de ataque pode ser implementado aos terminais e gateways criptografia via hardware (para diminuir o delay), ou ainda criar uma Rede Privada Virtual (VPN) para comunicação entre os terminais. No caso deve-se avaliar o delay adicionado pelo túnel VPN para que não comprometer a qualidade da comunicação de voz. (Dígitro Tecnologia., 28)

26 11 Como o protocolo trabalha sobre UDP e a aplicação não faz controle de entrega, se os pacotes de áudio chegarem fora de seqüência o RTP simplesmente o ignora. A figura 4 demonstra a ordenação que o protocolo RTP realiza no envio dos pacotes. Imaginem que cada letra é um pacote, estes serões transmitidos na ordem de pronúncia. Figura 4: Ordenação do protocolo RTP QoS Segundo (CLICONNECT, 28), o QoS é definido pela União Internacional de Telecomunicações (ITU-T) na recomendação I.35 como: "QoS é efeito coletivo de performance que determina o grau de satisfação do usuário deste serviço específico" e completando, o transporte de voz por comutação de pacotes deve levar em consideração que esse tipo de serviço precisa ser capaz de fornecer um nível de qualidade muito semelhante aos serviços de voz tradicionais baseados em comutação de circuitos e/ou multiplexação por divisão de tempo, sob pena de causar uma grande insatisfação nos usuários, já acostumados a essas tecnologias. (TELECO, 28) O principal objetivo é prover prioridade em controle de banda, jitter e tempo de latência (necessários em aplicações interativas e de tempo real). Delay, jitter e perda de pacotes são os fatores que afetam a qualidade de serviço de voz sobre IP. Portanto, numa situação ideal, algum tipo de QoS precisaria ser implementado nas infra-estruturas de rede que irão suportar um serviço de VoIP. Existem vários métodos para implementação de QoS, quando em LANs, onde se tem controle total da rede, podem ser adquiridos switches que implementem várias técnicas simultaneamente.

27 12 Em redes WAN, podem ser abordados duas formas de QoS:Serviços diferenciados (Diff-Serv) e Serviços Integrados (IntServ), que são definidas pela Força Tarefa de Engenharia da Internet (IETF). IntServ reserva recursos exclusivos para tráfego priorizado por toda rota entre transmissor e receptor. Baseia-se no Protocolo de Reserva de Recursos (RSVP), e necessita que todos os roteadores nessa rota implementem esse protocolo. A abordagem DiffServ baseia-se na marcação de bits Tipo de serviço (TOS) no cabeçalho do pacote Protocolo de Internet (IP) para atribuição de diferentes níveis de prioridade para os pacotes COMO FUNCIONA VOZ SOBRE IP Segundo (ALECRIM, 28), VoIP captura a voz da forma analógica e transforma em pacotes de dados, que podem ser enviados por qualquer rede TCP/IP. Assim é possível trabalhar com esses pacotes pela internet. Quando o receptor recebe os pacotes, são retransformados em sinais analógicos e transmitidos a um meio na qual seja possível ouvir o som. O VoIP não é uma tecnologia nova, era trabalhada antes mesmo da expansão da internet e foi considerada um fracasso pelo fato da velocidade de transmissão de dados ser baixo naquela época, impedindo-a de se tornar funcional na maioria das redes. Para que o VoIP se torne uma tecnologia viável, é necessário investir em qualidade de serviço. Para que isso seja possível, uma das soluções seria o da velocidade de transmissão e recepção de dados. Como o acesso à internet em banda larga é cada vez mais comum, principalmente em empresas, o VoIP passou a se beneficiar disso, no entanto, apenas velocidade não é suficiente. Cientes disso, várias empresas passaram a pesquisar soluções que garantissem a melhor qualidade possível na comunicação por VoIP. Apesar dos vários padrões de VoIP, praticamente todas as empresas adotaram o protocolo RTP. Ele faz com que os pacotes sejam recebidos conforme a ordem de envio. O RTP ordena os pacotes de dados, de forma que seja possível a transmissão de dados em tempo real. Caso algum pacote chegue atrasado, o RTP causa uma interpolação entre o intervalo deixado pelo pacote e este não é entregue. Como exemplo, imagine que para transmitir a palavra qualidade seja usado um pacote por letra. Se o pacote da

28 13 letra l se atrasar, é melhor que o destinatário receba quaidade do que quaidadel. O atraso de pacotes pode ocorrer porque estes podem seguir caminhos diferentes para chegar ao destino. Isso não é um problema se você estiver transmitindo um arquivo, pois seus pacotes são encaixados no destinatário. Mas com voz e vídeo em tempo real, isso não pode acontecer (ALECRIM, 28). Existem ainda os codecs, protocolos que adicionam funcionalidades e maior qualidade à comunicação. Entre eles, tem-se o G.711, o G.723, o G.729. O que os diferencia são os algoritmos usados, a média de atraso e principalmente a qualidade da voz. Na qualidade de voz, o G.711 é considerado excelente. Todos esses codecs são recomendados pela entidade ITU-T e geralmente trabalham em conjunto com mais protocolos. Para que a interligação das redes telefônicas convencionais com o VoIP, geralmente usa-se um equipamento denominado Gateway. Ele é responsável por fazer a conversão do sinal analógico em digital e vice-versa, além de fazer a conversão para os sinais das chamadas telefônicas. Existe ainda o Gateway Controller (ou Call Agent), que é responsável por controlar as chamadas feitas pelo Gateway CENÁRIO DA TECNOLOGIA VoIP Sabe-se que VoIP vem sendo popularizado no meio das telecomunicações como um meio barato ou como meio de reduzir custos, segundo pesquisa realizada pela aliança DMS br & Meka divulgada em 6 de outubro de 24 pela (IMASTER, 28) mostra que 6% de 5 mil empresas entrevistadas no Brasil não possui serviços de comunicação de dados, somente de acesso a internet, retratando um novo mercado em crescimento. Observou-se que houve uma crescente adoção por soluções VoIP em torno de 21% e do total das empresas entrevistadas 8% eram pequenas empresas. Reforçando a tendência da tecnologia VOIP, a (IDGNOW, 28) divulgou um artigo da redação do Computerworld, que nos dois últimos anos a América do Norte, Europa e Ásia/Pacífico dobraram as receitas geradas com VoIP e a expectativa é de que as três regiões juntas gerem cerca de 12 bilhões de dólares entre 25 e 29. Já (COMPUTERWORLD, r, 28) afirma que a telefonia IP deve gerar cerca de 43 milhões de dólares até 211 na América latina, porém, isso faz com que cresça a perda de receita das operadoras devida concorrência. Segundo (EDUARDON, 28),

29 14 presidente da consultoria especializada em telecomunicações da Teleco "O VoIP está obrigando as grandes empresas a reduzirem os preços, principalmente a Embratel". Além das concorrências legais, existem as ilegais, que não possuem infra-estrutura própria e não prestam suporte ao cliente. Essas empresas acabam comprometendo o negócio do cliente e denegrindo a imagem da tecnologia. Em busca de uma melhor solução uma empresa não precisa seguir o que vem se tornando popular, mas sim, o que melhor se ajustar ao seu ambiente tendo qualidade de serviço, disponibilidade e segurança SERVIDOR ASTERISK Asterisk é um PABX que permite a comunicação entre linhas de telefone convencionais e linhas VoIP. Cada telefone é configurado como um ramal no PABX, tendo como grande vantagem que os ramais não precisam estar na mesma localidade física. Isto significa que é possível ter ramais espalhados pelo mundo inteiro, desde que estes estejam conectadas à Internet e configurados corretamente com a informação de seu servidor. Como em qualquer sistema PABX, o Asterisk disponibiliza ferramentas como: Secretária Eletrônica (caixa postal), conferência e transferência de chamadas, grupo de ramais, conta particular para ligações externas entre outras (INPHONEX, 28) RAMAIS ASTERISK Para a utilização de ramais no Asterisk são necessários alguns equipamentos ou softwares que serão listados a seguir: a) Softphone Softphone é um aplicativo multimídia, oferecido por operadoras VoIP e até disponível para download na internet em versões gratuitas, que trabalha associado com a tecnologia VoIP/telefone IP dando a possibilidade de fazer chamadas diretamente do seu Desktop ou laptop. O softphone transforma o computador em um telefone multimídia, com capacidade de transmissão de voz, dados e imagens. Com ele é possível fazer chamadas para telefones convencionais através de uma operadora VoIP e

30 15 também fazer ligações Desktop para Desktop. A figura 5 mostra um aplicativo softphone gratuito o X-LITE. Figura 5: Softphone X-LITE b) ATA O Adaptador de Telefone Analógico (ATA) é um equipamento utilizado para conectar um ou mais aparelhos telefônicos comuns a uma rede VOIP. Com ele, não há necessidade de um microcomputador ligado durante uma chamada VoIP, basta que ele esteja ligado e conectado a Internet ou ao servidor Asterisk. Alguns modelos de equipamentos se conectam também a sua linha telefônica convencional, permitindo que você continue recebendo e fazendo chamadas com sua linha comum de forma simples e prática. Os modelos disponíveis trabalham com IP Dinâmico ou IP Fixo. A maioria dos equipamentos podem ser configurados através de um Navegador de Internet (Browser), podendo ser configurados em computadores com Windows, Linux e com Mac OS. A figura 6 mostra um dispositivo ATA.

31 16 Figura 6: ATA 3.3 ESTUDO SOBRE A TOPOLOGIA ATUAL DA EMPRESA Atualmente a empresa Datasul de Joinville é equipada com a plataforma da Digitro NGC evolution E, um equipamento que suporta voz e dados, desenvolvida com a tecnologia Dígitro, utiliza recursos de telefonia e informática, com arquitetura aberta (Linux), permitindo conectividade a ambientes computacionais externos, conforme referência na própria página da fornecedora de serviços (Dígitro Tecnologia., 28) ela é uma plataforma indicada para soluções críticas com necessidades de roteamento de dados, com necessidades de grande porte de recursos de telefonia e conectividades convergentes robusta é o caso do porte da empresa da Datasul. Em único Bastidor, baseado na tecnologia CT (Computer & Telephony), são integrados recursos de PABX, DAC, URA, MUX, Gateway e Roteador. Oferecendo dispositivos de Voz sobre IP (VoIP) e Voz sobre Frame Relay (VoFR), permitindo interligar filiais da empresa através de redes corporativas. Além disso, é integrado com um servidor de banco de dados, o banco utilizado é o Postgress. Vários sites são interligados através de conexões como Web, Mpls e VoIP, e permitidas pela característica de Rede Corporativa da plataforma, desta forma trafegando voz através de funções de roteamentos, multiplexadores e compactadores de voz tendo o seu próprio gerenciamento. Abaixo a figura 7 mostra como era a topologia antes da migração para o sistema VoIP, mostrando todo o diagrama de rede e interligações da Datasul com outras franquias fora do estado e até do país.

32 Figura 7: Topologia de rede da Datasul

33 3.4 IMPLEMENTANDO O SISTEMA VOIP No início do projeto da implementação, foram realizadas várias reuniões entre o gerente de TI da Datasul S.A., os técnicos da Dígitro responsáveis pela implementação e por mim que sou o técnico que irá administrar o ambiente nas atividades do dia-a-dia, sendo o intermediador entre a Datasul e a Dígitro. Ao longo das várias reuniões foi estipulada uma lista de atividades, pendências e datas de conclusão para cada etapa. Atividades do tipo quais os Codecs a serem disponibilizados, que Codec seria usado para ligação interna, local e DDD e qual a ordem de configuração de Codec a ser configurado nos dispositivos VoiP s. Como enfatizado pelo cliente pela importância da telefonia no seu ambiente, e no prédio novo de cinco andares que vai ter perto de mil profissionais trabalhando, somando todas as franquias, o sistema teria que ser muito confiável na questão de disponibilidade de serviço. Para suportar esse quesito, e manter a solução redundante, juntamente com os técnicos da Digitro a plataforma foi composta por dois servidores SIP e dois servidores de Banco de Codecs, ambos estão instalados em switchs diferentes e fonte de energia também, sempre ficando um servidor ativo para cada serviço e caso algum servidor tenha problemas de rede, energia ou até mesmo operacional ocorre à transição de um servidor para outro e o de backup assume, e fica como ativo PRIMEIROS TESTES Uma das franquias da Datasul foi escolhida para ser a primeira a testar a utilização do sistema VoIP, ainda antes da migração para o prédio novo. No inicio somente softphones foram utilizados e um dispositivo ATA. Com este cenário foi possível perceber muitas falhas no sistema, equipes de suporte e de consultoria não estavam conseguindo fazer um atendimento de qualidade com o sistema VoIP, ocorriam problemas de delay, picotes e quedas nas ligações. O dispositivo ATA é o que apresentava uma melhor qualidade com relação ao softphone, porém em horários de grande demanda de chamadas entrantes e com três e até quatro atendentes usando simultaneamente os ramais do dispositivo ATA, o equipamento não suportava, travando ou até reiniciando, fazendo perder várias ligações importantes para as equipes de suporte e consultoria.

34 RESOLUÇÀO DE PROBLEMAS INICIAIS A diretoria da Datasul com o conhecimento dos incidentes que estavam acontecendo na Franquia que estava sendo a primeira a usar o sistema VoIP, aliado a proximidade da necessidade de todas as franquias terem que migrar para o prédio novo, fizeram uma solicitação de urgência para Dígitro, empresa proprietária da solução, para as resoluções dos problemas. Durante uma semana, três engenheiros da Dígitro ficaram em Joinville, com o meu acompanhamento fizemos vários testes como de capturas e monitoramentos de ligações online e verificação de transmissão de pacotes para verificar o quanto de perda que gerava e delay. Os logs ativos, capturados e analisados durante essa semana permitiu a melhoria considerável na qualidade do sistema. Atitudes tomadas durante a semana foram. Atualizado as duas softswitchs que são os servidores SIP da Dígitro. Criado versão nova do softphone. Criado um novo firmware para o dispositivo ATA, dessa forma evitou as quedas e travamentos dos dispositivos em situações de uso simultâneo dos recursos do equipamento IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA POR INTEIRO As melhoras que o sistema teve, permitiram que a implementação fosse aplicada para as demais franquias com sucesso, o VoIP integra-se com o Pabx convencional da central telefônica da empresa. Na Datasul, foi definido que somente dois Codecs vão ser usados, o G.711 e o G.723, o primeiro é usado em ligações internas, locais, DDD e DDI, já o G.723 que consome menos banda, porém tem uma qualidade inferior, é usado apenas em conexões VPN ou em sites remotos, principalmente devido a consumir menos banda e como essas conexões permite um menor fluxo de banda o ideal é usar o codec que consome menos banda, que no caso é o G.723. Com o sistema VoIP implementado, foi realizado um dia de treinamento sobre Terminais IP com as pessoas responsáveis pela parte de TI de cada franquia da Datasul

35 2 S.A., esse treinamento foi dado com a finalidade de difundir os conhecimentos para a solução ter êxito em seu andamento. Os próximos tópicos irão demonstrar o processo de cadastro de um ramal VoIP, estrutura da Datasul após a implementação do VoIP e o processo para a configuração de um dispositivo VOIP o telephone IP que é o mesmo procedimento para a atualização do dispositivo ATA, todos esses procedimentos foram criados e deixados documentados passo a passo dada atividade CADASTRANDO UM RAMAL VOIP Para cadastrar um novo ramal VoIP, o operador acessa via browser o softswitch, que é o nome do produto da Digitro que faz a interface do operador com o servidor SIP, após o cadastro, o ramal é automaticamente incluído na associação lógico e físico do Pabx na central telefônica convencional. Na figura 8 abaixo mostra a interface do softswitch. Figura 8: Interface da Softswitch Como já citado acima, após o ramal ter sido cadastrado no servidor SIP ele automaticamente é incluso na associação lógico e físico, na figura abaixo demonstra o

36 21 ramal VoIP que foi incluso numa placa VOIP e circuito 28, ambos são virtuais não existem fisicamente, abaixo desse ramal tem um ramal convencional onde ele está alocado na placa 18 e circuito 51, essa associação de placa e circuito do ramal convencional existe fisicamente na Rack de Telecom. Figura 9: PABX Na Datasul existem 3 placas com as numerações de 18, 19 e 2, as três placas têm circuitos de 1 a 2. Após o sistema VoIP ter sido implementado, o endereço SIP foi publicado externamente, assim sendo com combinações de regras em firewall foi possível integrar novas empresas utilizando o ramal VoIP. Na figura 1 está o novo diagrama de rede e o atual após a implementação do sistema VoIP, com três novas franquias ligadas usando dispositivos ATA s.

37 Figura 1: Topologia de rede da Datasul Atual

38 3.4.5 CONFIGURAÇÃO DE TELEPHONE IP E ATA Este procedimento foi criado para deixar documentado a atividade e auxiliar a equipe de suporte das franquias para a configuração dos dispositivos VoIP s. Abaixo estão detalhados as principais atividades do procedimento. Acessar através do Browser o IP do dispositivo. Figura 11: Acesso via browser dispositivo VoIP Entrar com a senha na interface e selecionar a opção Entrar. Figura 12: Acesso através de usuário e senha o dispositivo VoIP Em Configurações Gerais manter todas as configurações com exceção do Servidor NTP digitar o endereço IP (sincroniza o horário do relógio do display)

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes.

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. A revolução na comunicação da sua empresa. mobilidade mobilidade Voz Voz vídeo vídeo

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage

Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Como explorar os recursos do Asterisk Epaminondas Lage Apresentação Epaminondas de Souza Lage Epaminondas de Souza Lage popo@planetarium.com.br Formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Industriais

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

A Simples IP agradece a oportunidade de apresentação desta proposta de prestação de serviços.

A Simples IP agradece a oportunidade de apresentação desta proposta de prestação de serviços. Ao INSTITUTO MATOGROSSENSE DE ALGODÃO A/C: Sr. Claudio Fone: (65) 3321-6455 claudiopozzebom@imamt.com.br PROPOSTA COMERCIAL INSTITUTO MATOGROSSENSE DO ALGODÃO Cuiabá, 18 de Setembro de 2013. 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex

Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex Arquitetura da Plataforma All-in-one da GenNex 1. Descrição Geral A plataforma all-in-one desenvolvida pela GenNex Telecom não é baseada em Asterisk, mas sim, fruto de um projeto próprio onde todos os

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO THALLES GRESCHECHEN ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO EMPRESA: NEOGRID INFORMÁTICA S/A SETOR: SUPORTE E MONITORAMENTO SUPERVISOR: FÁBIO ROBERTO MENDES ORIENTADOR: PROF. GERSON VOLNEY LAGEMANN

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. PABX IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos de um PABX IP, suas características e aplicações. Alberto Mitsuo Sato Engenheiro de Eletrônica e Telecomunicações (CEFET-PR 88), com certificado da

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Elvis Pontes Conceitos e Componentes de Software Software (SW) são: os programas de computador; é a parte intangível do computador, representada pelos programas,

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL. Produtos: PABX Virtual e Call Center Virtual. www.locaweb.com.br Página 1 de 10

PROPOSTA COMERCIAL. Produtos: PABX Virtual e Call Center Virtual. www.locaweb.com.br Página 1 de 10 PROPOSTA COMERCIAL Produtos: PABX Virtual e Call Center Virtual www.locaweb.com.br Página 1 de 10 Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRA-ESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÕES PROPOSTAS 5 BENEFÍCIOS LOCAWEB 6 REQUISITOS

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES

TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES Versão: 1.0 2015 por DÍGITRO Tecnologia Ltda. Setor: Treinamento Rua Profª Sofia Quint de Souza, 167 Capoeiras CEP 88085-040 Florianópolis SC www.digitro.com

Leia mais

Entendendo o Sistema

Entendendo o Sistema Entendendo o Sistema Passos para Venda: 1. O profissional escolhido efetua o cadastro na JG, se tornando um parceiro e vendedor. 2. O Parceiro visita empresas potenciais 3. O parceiro fecha um plano com

Leia mais

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES 26/07/12 09:56 REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES das vantagens das redes convergentes valor agregado B) simplicidade C) praticidade D) operacionalização E) manutenção das vantagens do VoIP manutenção de

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Atendimento Sempre Ligado Sidnei Dimas Bortolotti Alex Pitrie Braz Marcos Artur Rolim

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP

Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP SOPHO is3000 Soluções de comunicação integrada para telefonia TDM e IP Benefícios Soluções de comunicação híbrida para telefonia TDM e IP Convergência de voz e dados em uma plataforma de alto desempenho

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS.

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. Caro cliente, Para reduzir

Leia mais

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO OBJETIVO: O Acordo de Nível Operacional, é um acordo entre equipes de TI internas, para que o provedor possa entregar o requisito estabelecido

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE KÁTIA CRISTINA CARDOSO ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE EMPRESA: Futura Soluções em Finanças Ltda. SETOR: Assistência Técnica - Suporte SUPERVISOR:

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

Consultoria em TI PARA LIBERDADE, NÃO TEM PORQUÊ. TEM SOLICON.

Consultoria em TI PARA LIBERDADE, NÃO TEM PORQUÊ. TEM SOLICON. Consultoria em TI PARA LIBERDADE, NÃO TEM PORQUÊ. TEM SOLICON. Portifólio Missão Atender as necessidades de nossos clientes e garantir o retorno de seus investimentos, implementando os melhores serviços

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE VALTER JOSÉ ZIMMERMANN JÚNIOR ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE EMPRESA: MALVA CONFECÇÕES IND. E COM. LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: MARLUCE ZIMMERMANN ORIENTADOR: JORGE FERNANDES

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais