O papel da Educação na promoção de um processo de desenvolvimento económico sustentado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel da Educação na promoção de um processo de desenvolvimento económico sustentado"

Transcrição

1 O papel da Educação na promoção de um processo de desenvolvimento económico sustentado Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa na Master Class da EPIS (Empresários pela Inclusão Social) Education is the most powerful weapon which you can use to change the world. Lisboa, 12 de abril de 2012 Nelson Mandela Senhor Presidente da Associação Empresários pela Inclusão Social e membros da direção, Senhores associados, parceiros e colaboradores da EPIS, Membros da comunidade educativa, Minhas senhoras e meus senhores, Gostaria de dar as boas vindas a todos os membros da Associação Empresários para a Inclusão Social (EPIS) aqui presentes. É com muito prazer que o Banco de Portugal, parceiro da associação desde 2011, acolhe esta reunião anual da assembleia geral da EPIS. Página 1 de 21

2 Em meu nome pessoal e do Banco de Portugal, permitam me felicitar a EPIS pela atividade que tem vindo a desenvolver desde 2006 e cujo mérito é inquestionável. No contexto atual, em que a sociedade portuguesa se encontra confrontada com enormes desafios, uma associação que definiu um plano de ação para o triénio intitulado Ganhar os portugueses, que apresenta resultados já visíveis, é motivo de satisfação e tem necessariamente de ser felicitada e apoiada. Ao fim de cinco anos de existência, a EPIS é hoje o maior investidor privado na área da educação, com mais de 15 milhões de euros afetados a programas inovadores que abrangem 173 escolas em 60 concelhos, perfazendo cerca de 20 por cento do território nacional, e acompanhando em proximidade quase 10 mil alunos. Nesta atividade, destaco também o importante papel dos técnicos especializados e experientes que trabalham para a capacitação do sucesso escolar, em estreita articulação com os diretores e outros colaboradores das escolas. A EPIS constitui um parceiro prioritário do Ministério da Solidariedade e Segurança Social e a sua atividade é particularmente relevante em situações de crise económica e financeira, quando os riscos de pobreza e exclusão social se encontram potenciados. Evitar situações de pobreza e de marginalização é um objetivo do qual a sociedade civil não se pode alhear e para o qual todos devemos estar sensibilizados e mobilizados. Uma das formas possíveis de atuação é através do apoio a projetos concretos, com manifesta capacidade empreendedora e de realização. Isto deve ser estimulado. Acredito que é desta forma que se criam e desenvolvem as verdadeiras redes sociais, nas quais os vários setores da sociedade se entreajudam para um mesmo fim e com ganhos para todos os participantes. Página 2 de 21

3 Permitam me, nesta minha intervenção, destacar o contributo que o Banco de Portugal tem vindo a dar no âmbito do projeto da EPIS, estando convicto da relevância destas iniciativas de inclusão social através do apoio às escolas enquanto entidades de referência na missão educativa. Em seguida, gostaria de partilhar convosco a importância que atribuo à educação enquanto fator determinante não só do desenvolvimento pessoal mas também do próprio desenvolvimento económico. A educação é um dos pilares determinantes de um processo de desenvolvimento económico sustentado. A EPIS E O BANCO DE PORTUGAL Como referi, em 2011, o Banco de Portugal tornou se parceiro da EPIS. Desde então tem promovido algumas iniciativas que procuram ir ao encontro das prioridades estratégicas da EPIS, as quais cito: i) Continuar a ajudar os jovens a realizarem se pela educação, apontando caminhos inovadores para a inclusão social; ii) iii) Ganhar o coração de todos os portugueses, constituindo um novo horizonte de notoriedade e de influência; Conquistar mais apoios, reforçando e diversificando as fontes de apoio financeiro. O Banco de Portugal tem contribuído, de diversas formas, para o cumprimento destas prioridades estratégicas da EPIS.Em fevereiro deste ano, o Conselho de Administração do Banco aprovou o projecto Vocações+Matemática, iniciado no dia 10 de abril. No âmbito desta iniciativa, 20 colaboradores do Banco de Portugal vão ministrar explicações de matemática a jovens do 7º ao 9º ano de escolaridade de uma escola da Página 3 de 21

4 Amadora. Estes colaboradores foram selecionados a partir da Bolsa de Voluntários do Banco de Portugal, criada em 2011, no âmbito do projeto Banco de Portugal Voluntário. As explicações serão ministradas, uma vez por semana, durante uma hora e meia, nas instalações do Banco, que providenciará também o transporte dos alunos de/para a Amadora. Esta iniciativa permitirá também que estes alunos tenham contacto com realidades diferentes das do seu círculo familiar (por vezes disfuncional) e do círculo escolar, facultando, em simultâneo, referências para orientação da sua atividade futura. Estou convicto de que, desta forma, o Banco de Portugal apoiará esta escola na sua missão educativa e, sobretudo, os jovens na sua formação escolar e pessoal. E trata se seguramente de uma experiência enriquecedora para as duas partes. A este propósito, permitam me endereçar um agradecimento especial aos voluntários do Banco de Portugal, que entusiasticamente aderiram a esta iniciativa. Por outro lado, gostaria de anunciar, em primeira mão, que foi aprovada na semana passada a candidatura da EPIS ao apoio financeiro prestado no âmbito da Charity Initiative do Banco Central Europeu. O apoio à EPIS enquadra se, aliás, no planeamento estratégico do Banco para o triénio , que estabelece como objetivo a promoção de políticas de responsabilidade social na vertente de comunicação e prestação de serviços à comunidade. Outro dos objetivos estratégicos do Banco de Portugal que eu destacaria neste contexto é o da salvaguarda da estabilidade financeira. Nesta linha, a dinamização da formação financeira dos cidadãos a chamada literacia financeira constitui um elemento essencial para prevenir a assunção de riscos excessivos por parte dos clientes bancários. Neste âmbito, gostaria também de referir a aprovação, em 2011, do Plano Nacional de Formação Financeira e do respetivo portal na Internet, uma iniciativa conjunta dos supervisores financeiros nacionais (Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Instituto de Seguros de Portugal), sob coordenação do Conselho Nacional de Página 4 de 21

5 Supervisores Financeiros. Este plano, definido para o período , assume como missão contribuir para elevar o nível de conhecimentos financeiros da população e promover a adoção de comportamentos financeiros adequados. Os objetivos do Plano Nacional de Formação Financeira são: i) Melhorar conhecimentos e atitudes financeiras; ii) Apoiar a inclusão financeira (através da divulgação do acesso a serviços mínimos bancários); iii) Desenvolver hábitos de poupança; iv) Promover o recurso responsável ao crédito, e v) Criar hábitos de precaução (em particular, sensibilização para situações de risco que podem afetar o rendimento). Em linha com as melhores práticas internacionais de promoção da literacia financeira, o plano estabelece como prioritária a introdução de conteúdos de formação financeira nas escolas, abrangendo os vários níveis de ensino. A sua implementação nas escolas, tanto em termos de conteúdos como de procedimentos, compete ao Ministério da Educação. O plano propõe também a definição de linhas de atuação específicas para trabalhadores e grupos vulneráveis, como a população desempregada (por exemplo, através de ações de formação profissional), imigrantes e reformados com baixos rendimentos. Dirigido à população em geral, o Portal do Plano Nacional de Formação Financeira deverá ser lançado em junho de 2012 e abordará os conceitos básicos associados às decisões financeiras mais frequentes dos consumidores e servirá de plataforma para apoio e divulgação das iniciativas a desenvolver. O Plano Nacional de Formação Financeira tem como objetivos últimos aumentar o bemestar da população e contribuir para a estabilidade do sistema financeiro e para o desenvolvimento económico, o que me leva a abordar o tópico seguinte da minha intervenção: o papel da educação na promoção de um processo de desenvolvimento económico sustentado. Página 5 de 21

6 EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO Evolução da teoria económica sobre o papel da educação A abordagem neoclássica da teoria do desenvolvimento económico explicava o crescimento/desenvolvimento económico como sendo o resultado de dois fatores independentes: i) Um aumento da intensidade de capital por trabalhador (isto é, de uma nova combinação dos fatores de produção capital e trabalho que permitiria um aumento da produtividade por trabalhador); e, ii) Uma alteração da tecnologia. Segundo um dos pressupostos em que assentava esta teoria, a produtividade do trabalho, para uma dada tecnologia, dependeria da quantidade relativa dos fatores trabalho e capital, mas não das suas características qualitativas, nomeadamente da educação e da formação profissional. No entanto, a evidência resultante de diversos estudos demonstra que há uma relação consistente, ao longo do tempo, entre o crescimento/desenvolvimento económico de um dado país ou região e a taxa de inovação e de adoção/difusão das próprias inovações. Essa mesma evidência demonstra, ainda, que há uma relação consistente entre, por um lado, a capacidade de inovação das empresas de um dado país ou região e, por outro, as competências/qualificações dos trabalhadores e as formas de organização e as estratégias das empresas. Página 6 de 21

7 O desenvolvimento tecnológico também não é independente da quantidade e qualidade dos recursos humanos. Existe evidência de que as alterações tecnológicas determinam não só o crescimento/desenvolvimento económico como o volume e a natureza do emprego de um país ou região. A incapacidade do modelo neoclássico para explicar os fatores determinantes do processo de crescimento/desenvolvimento económico, nomeadamente o papel central que desempenham a produção e a acumulação de conhecimentos na inovação tecnológica, determinou a emergência de um novo paradigma. Uma nova abordagem da teoria económica veio atribuir um papel chave ao conhecimento no processo de inovação que sustenta o desenvolvimento económico. No início dos anos 70, no livro Small is Beautiful, Ernst Schumacher defendia: O desenvolvimento não começa com os recursos materiais, o desenvolvimento começa com as pessoas e a sua educação, organização e disciplina. Sem estes três pilares, todos os recursos permanecem inúteis. O ritmo e o nível de desenvolvimento económico de um país ou de uma região resultam, efetivamente, da interação de um conjunto complexo de fatores em que se destacam, por um lado, a educação (incluindo a formação profissional e a investigação e desenvolvimento tecnológicos) e, por outro, os comportamentos e os valores dos agentes económicos e da sociedade em que estão integrados, ou seja, a organização e a disciplina a que Schumacher se referia. A importância relativa destes fatores determinantes depende do país e da época em que se fazem sentir, do estádio de desenvolvimento da economia do país ou da região e da fase do ciclo tecnológico científico, no sentido que lhe deu Schumpeter. Num momento de rotura de paradigmas científicos e tecnológicos, a capacidade de inovação radical determina o lugar que um país desenvolvido ocupará no quadro de especialização do comércio internacional). Página 7 de 21

8 Assim, o nível de educação, isto é o número de anos de escolaridade, explica o lugar que os países menos desenvolvidos ocupam no quadro da especialização intersetorial. A evidência empírica demonstra que a produtividade, o valor acrescentado por ativo e a composição do comércio externo estão correlacionados com a percentagem de estudantes que transitam dos níveis de educação primária e secundária baixa para o nível de educação secundária alta. Por sua vez, o modo como educam diferencia os países desenvolvidos. Os maiores níveis de produtividade e/ou os produtos de maior qualidade estão associados a países cujos sistemas de formação profissional têm por base uma estreita articulação entre educação formal e formação profissional no âmbito das próprias empresas e, por outro lado, uma cooperação estreita entre as empresas e os trabalhadores, através das respetivas organizações representativas os chamados sistemas duais de educação profissional (casos da Alemanha, Suíça e Áustria, por exemplo). Estes países tendem a apresentar uma maior vantagem comparada e um maior índice de especialização em produtos de gamas superiores, enquanto os demais países desenvolvidos tendem a especializar se em produtos de gamas inferiores. Concomitantemente, a nova abordagem veio determinar uma reorientação radical das políticas socioeconómicas no sentido de privilegiarem as atividades de criação de conhecimento e de inovação e otimizarem o funcionamento e a articulação dos subsistemas da educação, da formação profissional e da investigação e desenvolvimento tecnológicos (I&D). No novo contexto da globalização e da sociedade de informação, importa questionar se este paradigma ainda é válido. As novas tecnologias de informação e de comunicação e a globalização aceleraram a erosão das vantagens resultantes do controlo da informação e do conhecimento disponíveis, o que tem importantes implicações para a dinâmica dos sistemas produtivos e das sociedades. Página 8 de 21

9 Esta generalização do acesso à informação e ao conhecimento, num contexto de globalização dos mercados e das atividades de produção, contribui para uma transparência económica global ao pôr em evidência as vantagens de custos e outras vantagens de localizações alternativas. Isto traz importantes implicações sociais: i) A redução do período de captação de rendas por parte de quem inova o aparecimento de novos centros de produção, a redução do tempo de controlo do acesso ao novo conhecimento e o encurtamento do ciclo de vida dos produtos vieram reduzir o período de monopólio da informação, pondo em causa vantagens competitivas adquiridas; ii) A erosão das vantagens resultantes da educação e da formação profissional iniciais, isto é, adquiridas antes da entrada no mundo do trabalho, nomeadamente, a menor certeza quanto ao acesso a carreiras profissionais pré determinadas ou quanto à garantia de um dado nível de salário ou posição social. As posições ocupadas já não dependem só do número de anos de educação; as carreiras já não são determinadas apenas pela educação recebida e os salários podem ser muito diferentes para os titulares de idêntica formação. Significa isto que a globalização e as novas tecnologias de comunicação e de informação vão anular a influência da natureza, orientação e funcionamento dos sistemas nacionais de inovação, diluindo os numa espécie de sistema transnacional? Considero que não. Os benefícios não se distribuem de igual modo entre todos os países e regiões e tenderá a acentuar se a assimetria da acumulação de conhecimento, tanto entre países como entre regiões. Em primeiro lugar, a probabilidade de sucesso na produção e na absorção de novos conhecimentos depende da localização dos agentes económicos e das empresas. As externalidades inerentes à dinâmica dos sistemas nacionais de inovação compensam e neutralizam os efeitos da difusão generalizada da informação e do conhecimento. Página 9 de 21

10 Em segundo lugar, a capacidade dos diferentes países e regiões para tirarem partido do acesso à informação e ao conhecimento está limitada pelas diferenças de capacidade local para usar essas tecnologias ou transformar o conhecimento codificado. Ela depende do conhecimento tácito e outros elementos de competência que, por definição, são difíceis de transferir e impõe um novo conjunto de requisitos para os indivíduos, as organizações e as redes. O que conta já não é só o conhecimento de que se dispõe ou a informação que está disponível mas também, e sobretudo, a capacidade para aprender. É necessário ter trabalhadores com novos atributos: maior educação, maiores qualificações e maior capacidade de adaptação aos novos requisitos decorrentes das novas tecnologias. A capacidade para aceder às redes e a competência para delas extrair a informação relevante e para a utilizar em termos económicos são os fatores críticos do desempenho dos trabalhadores e dos níveis de remuneração (e, por consequência, da distribuição do rendimento). O que significa que, sem formação profissional e sem renovação/reformulação das organizações, a introdução de novas tecnologias pode resultar em enormes perdas de eficiência. A recente utilização do conceito economia do conhecimento constitui uma forma de reconhecer que o conhecimento e a capacidade de aprendizagem das pessoas, das empresas e dos sistemas nacionais são os fatores chave do desenvolvimento económico. Finalmente, o potencial de recuperação do atraso tecnológico de um dado país não varia na razão direta do atraso inicial em relação aos líderes tecnológicos. O postulado segundo o qual os países tecnologicamente mais atrasados beneficiam da vantagem desse mesmo atraso, porque têm a oportunidade de assimilar o conhecimento desenvolvido pelos líderes, é um postulado que não se verifica de modo incondicional. A capacidade intrínseca dos países para absorver efetivamente os efeitos de novos conhecimentos depende, entre outros fatores, da existência de uma base de capital humano com qualificações técnicas e das competências sociais, mecanismos que Página 10 de 21

11 mobilizem, coordenem, integrem diferentes tipos de conhecimento e os diferentes produtores de conhecimento, como empresas, institutos de investigação e universidades. O conhecimento não se difunde automaticamente e muitas vezes não está codificado (está implícito e é específico do desempenho das organizações), pelo que são necessários mecanismos de comunicação e interação: cooperação, alianças estratégicas, clusters e redes. Em suma, apesar da globalização e do acesso generalizado à informação, que a revolução tecnológica veio permitir, os sistemas de inovação vão manter a sua especificidade nacional e regional e, por isso, vão continuar a determinar as possibilidades de crescimento de diferentes áreas geográficas ou entidades institucionais. A intensificação da concorrência global veio aumentar ainda mais a importância das condições locais e nacionais. O papel da educação no desenvolvimento económico sustentado Tão ou mais importante do que apostar num processo de desenvolvimento económico é garantir a sustentabilidade desse processo. Existem quatro condições necessárias para garantir um desenvolvimento económico sustentado, que têm de ser verificadas em simultâneo: i) O aumento do valor acrescentado bruto por trabalhador (através do aumento da produtividade e/ou da criação de valor por diferenciação da oferta); ii) iii) iv) A criação de emprego (redução do desemprego); A sustentabilidade das contas externas; A sustentabilidade das finanças públicas. Página 11 de 21

12 O processo de desenvolvimento económico é, por natureza, instável, dado que as economias têm a sua própria dinâmica. Estão constantemente a ser ameaçadas por diversos fatores novos concorrentes, novos padrões de procura, novos resultados da investigação e desenvolvimento tecnológicos, pelo que necessitam de ter sempre capacidade de resposta às novas realidades. O aumento da produtividade é tipicamente a resposta mais imediata, mas novos produtos e novas propostas de valor têm de ser continuadamente estudados. Todo este processo não é mais do que o designado processo de inovação. Esta dinâmica exige uma adaptação permanente das empresas. No entanto, a identificação dos problemas a resolver e, depois, a introdução dos desenvolvimentos tecnológicos correspondentes à respetiva resolução e, em particular, a transposição dessas soluções para a esfera de produção dependem de fatores que os agentes económicos e as empresas, isoladamente, não controlam, como, por exemplo: i) A quantidade, a qualidade e a organização do capital humano do país ou região onde estão inseridos; ii) iii) iv) ii) A natureza e o modo de regulação do mercado de trabalho do país ou da região em que estão inseridos; O tipo e a intensidade do diálogo que a empresa estabelece com essa mesma envolvente (nomeadamente, com os clientes e os fornecedores, com a administração pública, com as universidades, com os sindicatos, com as empresas do setor, sejam elas endógenas ou de investimento direto estrangeiro, e com o setor financeiro); O sistema dominante de valores e comportamentos sociais. A inovação tem tanto uma dimensão tecnológica como uma dimensão não tecnológica, nomeadamente de cariz institucional, educativo e social, que caracterizam os designados sistemas nacionais/regionais de inovação. Na dimensão não tecnológica, podem ser Página 12 de 21

13 distinguidos fatores estruturais, como os valores, atitudes e comportamentos, e outros com um caráter mais mutável, como as políticas públicas nacionais ou europeias. As diferenças de orientação e de eficácia dos sistemas nacionais de inovação influenciam e determinam o desempenho dos sistemas produtivos nacionais ou regionais e o próprio modelo de desenvolvimento económico. Como é que se distinguem os sistemas nacionais de inovação? O que os diferencia do ponto de vista dos efeitos sobre o desenvolvimento económico e o emprego? Neste ponto, importa distinguir dois modelos tipo de sistemas de inovação: Modelos orientados para a inovação radical, isto é, modelos que potenciam a introdução de novos produtos e a emergência de novos mercados e setores, como reflexo de roturas de conhecimento e de tecnologias; e, Modelos orientados para a inovação incremental, isto é, modelos que potenciam a introdução de novos processos de produção e a melhoria da qualidade de produtos que já se encontram em produção e que estão implantados no mercado. Na realidade, os diferentes sistemas nacionais ou regionais de inovação são combinações, em grau variável, destes dois modelos tipo (de inovação radical e inovação incremental) e refletem a presença e a ação de fatores que, pela sua própria natureza estrutural, estão dotados de uma elevada inércia. Por exemplo, o que diferencia as economias europeias e americana é a natureza, os objetivos e a articulação de três subsistemas dos respetivos sistemas nacionais de inovação: o subsistema educativo, o subsistema da formação profissional e o subsistema de I&D. As economias da União Europeia têm uma maior propensão para a melhoria contínua dos processos de produção e da qualidade de produtos já conhecidos e implantados no mercado e uma menor capacidade para introduzirem inovações radicais, refletindo, desse Página 13 de 21

14 modo, os efeitos de um quadro institucional o europeu continental que favorece a melhoria contínua da qualificação dos trabalhadores e a estabilidade das relações de trabalho e desencoraja a rotura do conhecimento e das tecnologias e a exploração de ideias e conhecimentos radicalmente novos. Por sua vez, o que diferencia as economias europeias entre si já não é tanto a natureza, os objetivos e a articulação daqueles subsistemas o que podemos designar por orientação do sistema de inovação mas a eficácia do respetivo funcionamento na prossecução dos mesmos objetivos. Isto é, a maior adequação da educação e da formação profissional às necessidades das empresas dos países europeus mais desenvolvidos explica a melhor qualidade e a maior eficiência da respetiva produção e, por consequência, a sua vantagem comparada no incremento da qualidade dos produtos já conhecidos. Em contrapartida, os valores, e as atitudes e a natureza e articulação dos subsistemas universitário, de investigação e empresarial explicam a desvantagem comparada dos países europeus mais desenvolvidos no que toca às inovações radicais na produção de bens e serviços. Ao nível das empresas, a absorção de novos conhecimentos ou tecnologias depende, além do contexto onde se inserem, das condições existentes dentro de cada uma delas, em especial dos fatores que condicionam a aprendizagem e o seu modo de operar, nomeadamente: i) As orientações estratégicas; ii) As competências/aptidões dos trabalhadores e a capacidade de acompanhamento da produção de conhecimentos externa à empresa; iii) iv) A natureza da organização interna das empresas e a sua compatibilidade com a apropriação e aplicação dos novos conhecimentos e os requisitos de uma nova tecnologia. O desenvolvimento tecnológico induz/exige a introdução de novas formas de organização e, em particular, competências organizacionais específicas para a resolução dos problemas relacionados com a transposição/aplicação das Página 14 de 21

15 tecnologias de produção. A transposição de processos de produção entre diferentes organizações e entre diferentes tradições tecnológicas depara sempre com dificuldades de aprendizagem que são inerentes à especificidade do ambiente empresarial e organizacional em que têm lugar. Determinados tipos de organização empresarial têm maior capacidade e rapidez de resposta a novos desafios oriundos da sua envolvente e, por isso, são mais competitivos; v) O modelo de gestão nomeadamente, as relações de trabalho dentro da empresa e a estrutura de incentivos para colaboradores da empresa, fatores que condicionam a aprendizagem e a mobilidade dos trabalhadores e os modos de operar da empresa. No novo contexto de globalização, o papel do Estado também se altera: os Governos perdem margem de manobra, devido à perda de eficácia dos instrumentos de política assentes no controlo dos fluxos com a envolvente dos respetivos países. Mas continuam a ser atores influentes em três planos: na educação; na formação profissional; e nas redes de serviços necessárias ao funcionamento dos mercados e à produção (transportes, comunicações, distribuição, serviços financeiros). Isto significa que as políticas públicas devem ser estruturadas em função da necessidade de potenciar as capacidades locais de inovação e promover a capacidade local de aprendizagem do que está a ser feito noutros países, condição necessária da melhoria do padrão de especialização. É fundamental definir a agenda para a inovação. Que educação?, Que investigação? e Que formação profissional? são três questões que têm de ser respondidas de forma integrada, com um objetivo comum e assegurando eficiência na sua concretização. A evidência empírica demonstra que quanto maior for a dispersão dos fatores de inovação, maior será a perda de eficiência do sistema nacional de inovação. Página 15 de 21

16 Importa também ter em atenção que a eficácia das políticas de promoção do desenvolvimento depende do diagnóstico da situação de partida e da viabilidade dos objetivos ou orientações estabelecidas para o sistema nacional ou regional de inovação. O caso da economia portuguesa Assim, no caso da economia portuguesa, há que ter presente que ainda subsiste uma quota parte de especialização intersetorial e concentrada nas gamas média e média baixa, fatores que refletem a insuficiência da escolaridade, em número de anos e conteúdo, sobretudo no passado, e a desarticulação entre educação e formação profissional. Em estádios de desenvolvimento mais avançados, o modelo de especialização é já intrassetorial, isto é, concentrado na produção de gamas superiores. Tipicamente, o processo de desenvolvimento passa pela especialização intrassetorial vertical (gama média, com diferenciação da qualidade do produto) e atinge a especialização intrassetorial horizontal, determinada pelos diferentes padrões de procura e concentrada na gama alta. O padrão de especialização da economia portuguesa impõe o reforço da orientação do sistema nacional de inovação para a melhoria do posicionamento do sistema produtivo no quadro da especialização intrassetorial. Isto significa que é necessário que o sistema nacional esteja orientado para a inovação incremental e que a política pública de desenvolvimento tenha por objetivo reforçar os subsistemas de educação, de formação profissional e de investigação. Página 16 de 21

17 Há, pois, que agir sobre o sistema educativo e de formação profissional a diversos níveis: i) Aumentando o nível médio efetivo de escolaridade a percentagem de trabalhadores com o nível equivalente ao 12º ano é ainda reduzida; o aumento do nível de escolaridade obrigatória para o 12º ano foi um passo importante, mas é necessário torná lo efetivo (também na via profissionalizante), uma vez que as taxas de insucesso e abandono escolar são ainda demasiado elevadas; ii) Revendo o conteúdo do ensino de forma a antecipar a evolução da procura das empresas e a habilitar os formandos para o processo de aprendizagem permanente e, em particular, para a descodificação do conhecimento e a partilha do conhecimento tácito. Neste ponto é preciso atuar, em especial, sobre a articulação entre educação e formação profissional, apostando mais fortemente num sistema de formação profissional do tipo dual, com participação ativa das empresas na conceção e financiamento da formação profissional; iii) Adaptando o sistema educativo a realidades socioeconómicas locais/específicas, permitindo a inclusão e ao mesmo tempo a diferenciação (no sentido de distinção temporária); e, iv) Abrindo o sistema educativo à reciclagem permanente da população ativa, mediante o ajustamento de práticas didáticas e conceitos pedagógicos. É fundamental reconhecer que as escolas são os atores principais na missão educativa, mas têm de ser coadjuvadas pelo Estado e pelos vários setores da sociedade civil. As empresas, enquanto principais recetores dos trabalhadores qualificados, deverão intensificar a articulação com o sistema educativo e de formação profissional, manifestando as suas necessidades de conhecimentos e aptidões. Página 17 de 21

18 Os cidadãos, que constituem a base do desenvolvimento, deverão estar sensibilizados e mobilizados para a importância da ação educativa, contribuindo de forma empenhada para o seu sucesso. A própria família deve potenciar o acesso à educação como elevador social, mas nem sempre tal se verifica. A este propósito, recordo algumas das conclusões de um estudo publicado pelo Banco de Portugal há cerca de um ano sobre o desempenho educativo e igualdade de oportunidades em Portugal e na Europa. Da análise do nível e da variabilidade do desempenho escolar em Portugal e nos países da União Europeia, utilizando a base de dados PISA2006, o estudo concluiu que, em Portugal, à semelhança do que acontece para os grupos dos países de referência, as variáveis socioeconómicas são os principais determinantes do desempenho, enquanto os recursos escolares têm uma contribuição pouco importante (exceto as horas de aulas normais). Os alunos portugueses ocupam consistentemente posições na metade inferior do ranking do desempenho no grupo de países considerados, tanto em matemática como em leitura. Tais resultados são, em parte, explicados por um contexto familiar desfavorável, nomeadamente no que se refere às habilitações e ocupações dos pais. Estes resultados são reveladores da importância que iniciativas de promoção da inclusão social atuando sobre os jovens em situações mais carenciadas ou em risco de marginalização têm para o desenvolvimento destes jovens e para o próprio desenvolvimento económico. As decisões sobre educação e formação devem ser entendidas como decisões de investimento em capital humano e, como em qualquer decisão de investimento, é necessário considerar os custos e os retornos. Os custos da educação são tipicamente partilhados pelo indivíduo, pelas famílias e pelo Estado. O retorno da educação (individual e social) é medido através do seu sucesso no mercado de trabalho, sob a forma de salários mais elevados e mais oportunidades de emprego, além da valorização pessoal e social do indivíduo. Página 18 de 21

19 Em Portugal, existe evidência empírica de que o retorno do investimento é ainda elevado, até porque o peso relativo no mercado de trabalho dos indivíduos com ensino superior é ainda baixo. Esse retorno é particularmente mais elevado para os indivíduos com carreiras mais longas do que para os novos licenciados, pelo que se espera uma tendência de esbatimento desse diferencial salarial. A segmentação que caracteriza o mercado de trabalho português, onde existe uma importância relativa muito significativa dos contratos com termo, não fomenta a aposta na formação por parte das empresas nem na autoformação dos indivíduos. A reforma do mercado de trabalho no sentido de privilegiar o contrato único seria também um fator potenciador da formação ao longo da vida ativa. Por outro lado, é necessário tornar o subsistema de investigação e desenvolvimento, mais efetivo: i) Aumentando a integração horizontal e vertical, de modo a constituir um verdadeiro sistema de inovação; ii) iii) iv) Promovendo a transição de um sistema pulverizado e com reduzida massa crítica para o estabelecimento de fusões e alianças estratégicas entre entidades e/ou laboratórios associados; Criando capacidade para absorção de conhecimentos ao nível da empresa (em todos os níveis hierárquicos, do topo para a base); e, Reformulando o sistema de financiamento das atividades de investigação, impondo sempre uma contrapartida ou um incentivo à valorização dos resultados e fomentando o investimento privado. Página 19 de 21

20 NOTAS FINAIS Permitam me, ao concluir esta palestra, sintetizar quatro ideias que me parecem fundamentais. Em primeiro lugar, o desenvolvimento económico sustentado determina uma procura implícita de capacidade empresarial num dado país ou região. A natureza e a intensidade da procura dessa capacidade empresarial varia no tempo e no espaço em função do estádio de desenvolvimento do país ou região em questão e do ciclo económico longo. A segunda ideia fundamental é que a oferta nacional ou regional da capacidade empresarial é determinada pela acumulação de conhecimento: o acesso à informação relevante e a capacidade de processamento em termos economicamente relevantes. Esta acumulação de conhecimento também se encontra desigualmente distribuída entre países e regiões e é basicamente determinada pelas instituições nacionais, e, em especial, pela forma de articulação, orientação e eficácia dos sistemas nacionais de inovação. O terceiro aspeto que quero destacar é que, apesar da globalização e do acesso generalizado à informação, os sistemas de inovação vão manter a sua identidade/especificidade nacional/regional e, por isso, vão continuar a determinar as possibilidades de crescimento de diferentes áreas geográficas ou entidades institucionais. A intensificação da concorrência global veio aumentar ainda mais a importância das condições locais e nacionais. E finalmente, a quarta ideia fundamental é que no processo de desenvolvimento dos três pilares essenciais do conhecimento educação, formação profissional e investigação é crucial a mobilização da sociedade, a todos os níveis. Estado, comunidades locais, empresas e cidadãos devem atuar de forma integrada e eficiente. ~ Página 20 de 21

21 Ao Estado e às comunidades locais compete reforçar, de forma articulada, aqueles três subsistemas educação, formação profissional e investigação através das políticas públicas, instituições e infraestruturas. Às empresas cabe identificar as suas necessidades em termos de qualificações dos seus recursos humanos, organizando se de forma a permitir uma adaptação contínua às novas realidades e, em conjunto com os cidadãos, a designada sociedade civil deve participar de forma ativa na missão educativa e na promoção do conhecimento. E termino citando Nelson Mandela A educação é a arma mais poderosa que pode utilizar se para mudar o mundo e acrescentando: saber manuseá la é o fator crítico de sucesso. Muito obrigado. Página 21 de 21

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Intervenção do Governador do Banco de Portugal Carlos Costa na Conferência 25 anos de Portugal Europeu, da Fundação Francisco Manuel dos Santos

Intervenção do Governador do Banco de Portugal Carlos Costa na Conferência 25 anos de Portugal Europeu, da Fundação Francisco Manuel dos Santos Intervenção do Governador do Banco de Portugal Carlos Costa na Conferência 25 anos de Portugal Europeu, da Fundação Francisco Manuel dos Santos Lisboa, 30 de maio de 2013 Boa tarde, Gostaria de começar

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Guia do Voluntário EDP

Guia do Voluntário EDP Apresentação O presente é uma das três partes distintas do Manual do Voluntariado EDP. O Manual do Voluntariado foi concebido desta forma, conforme o público-alvo a que se destina, para facilitar a sua

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional.

Afirmamos desde a primeira hora a coesão Social como um desígnio Regional. Inclusão e Assuntos Sociais No mandato que agora se inicia, coube-me a difícil mas honrosa tarefa de assumir a pasta da Inclusão e Assuntos Sociais, o que faço com enorme motivação e empenhamento. Questões

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias.

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE LANÇAMENTO DO PROJETO HEALTHY N PORTUGAL, SOB O TEMA «EXPANSÃO DO MERCADO DOS CUIDADOS

Leia mais

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores, Intervenção do Governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, no XXV Encontro de Lisboa sobre Governação das instituições de crédito e estabilidade financeira 1 Senhor Secretário de Estado, Senhores

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS O R D E M D O S E N F E R M E I R O S Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS A questão colocada: A quem competem as funções de gestão, coordenação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

A Formação Contínua de Professores: uma Leitura do Decreto- Lei 22/2014

A Formação Contínua de Professores: uma Leitura do Decreto- Lei 22/2014 Casanova, M. P. (2015). A Formação Contínua de Professores: uma leitura do Decreto-Lei 22/2014. In A Formação Continua na Melhoria da Escola. Revista do CFAECA. Almada: CFAECA (pp. 12-18). In http://issuu.com/almadaformarevista/docs/9forma

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 3926-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 116 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 179-B/2015 de 17 de junho O Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

Checklist sobre processos de reestruturação

Checklist sobre processos de reestruturação Checklist sobre processos de reestruturação Comissão Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Igualdade de Oportunidades Unidade F.3 Manuscrito concluído em Fevereiro

Leia mais

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR Contributos para uma Visão Estratégica Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares A Indústria Portuguesa Agroalimentar

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais