Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com"

Transcrição

1 Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com

2 Dados de Publicação Editor Osec Communication and Marketing, Zurique Texto Generis AG, Schaffhausen Texto capítulo 10 PricewaterhouseCoopers AG, Zurique Revisão WWT Worldwide Translation Services, Weesen Tradução WWT Wordlwide Translation Services, Weesen Design effact AG, Zurique Impressão Sonderegger Druck AG, Weinfelden Exemplares impressos cópias Línguas Chinês, Inglês, Francês, Alemão, Italiano, Japonês, Português, Russo

3 Bem-vindos. Prezado Leitor, A Suíça é em muitos aspectos um país com vantagens de localização atractiva. Tal evidencia-se, entre outras coisas, na investigação e inovação, nas condições de trabalho, nas infraestruturas, na situação central dentro da Europa, no âmbito político e económico e na qualidade de vida. O facto da Suíça pertencer a uma das localizações financeiras mais atractivas do mundo comprova-se também com base em diferentes rankings que fazem declarações relativamente à capacidade concorrencial, à inovação ou à estabilidade de um país. A nova edição do nosso manual oferece-lhe, enquanto investidor ou consultor, uma boa base para a escolha certa relativamente ao estabelecimento de uma empresa e para obter um excelente posicionamento na concorrência global. Durante a leitura ficará a saber aquilo que pretendemos dizer com «segurança e confiança», com «rapidez e simplicidade», com «inovação e tecnologia» e com «qualidade e vida» como as nossas mensagens centrais quanto à política de estabelecimento. A Suíça não é apenas um destino de férias apreciado, o país honra também a iniciativa empresarial e o estabelecimento estrangeiro. Além disso, encontrará os endereços dos nossos representantes que actuam mundialmente e que o apoiam no seu projecto de negócio. Estes correspondem ao seu primeiro ponto de contato estando também pessoalmente à sua disposição em qualquer momento para lhe fornecer informações e aconselhamento de modo rápido, fiável e competente. Adicionalmente, este manual informa-o sobre os endereços de órgãos cantonais e regionais de incentivo económico, bem como de associações, organizações e prestadores de serviços úteis. Damos as boas vindas não só aos empresários e empresárias mas também aos investidores directos. No nosso país encontrará a todos os níveis, desde cantonal a comunal, políticos e órgãos que se sentem na obrigação de praticar uma política económica favorável às empresas. O governo do nosso país, em conjunto com os órgãos cantonais e com os órgãos de incentivo à economia, lutam para que a Suíça continue sendo um local atractivo para fazer negócios e estabelecer residência. Dr. Eric Scheidegger Embaixador Vice-Diretor, Secretário de Estado da Economia SECO Daniel Küng CEO Osec Dr. Eric Scheidegger Embaixador Vice-Diretor, Secretário de Estado da Economia SECO Daniel Küng CEO Osec Manual para investidores

4 Índice. Vantagens da Suíça Suíça - factos e números 1.1 Geografia Clima Sistema político Estrutura Federal Distribuição dos poderes no plano do Governo Federal Democracia directa e sistema de concordância Estabilidade política e paz social Finanças públicas Neutralidade População A Suíça intercultural e internacional Idiomas e origem Investimentos directos e empresas suíças no exterior Organizações internacionais A Suíça em números Estrutura económica. 2.1 Produto interno bruto e estrutura industrial Integração internacional Comércio de mercadorias e serviços Investimentos directos Clusters económicos importantes Química/Farmácia e Biotecnologia Tecnologia médica Serviços financeiros Indústria de máquinas, electrónicos e metalurgia Indústria relojoeira Tecnologia da informação Tecnologias limpas Comércio de commodities Funções das matrizes Condições económicas gerais. 3.1 Intercâmbio internacional de mercadorias e serviços Tratado de Livre Comércio, OMC e queda das restrições comerciais Alfândega Regulamento da origem Proteção da livre concorrência Proteção da propriedade intelectual Patentes Marcas Design Direitos de Autor Disposições e obrigação de responsabilidade pelo produto Géneros alimentares Produtos farmacêuticos Produtos médicos Planeamento territorial e proteção ambiental Construção e planeamento Meio ambiente Suíça e Europa. 4.1 Comércio e investimentos directos Cooperação política e económica Livre circulação de pessoas Acordo de Schengen Eliminação de entraves técnicos no comércio Pesquisa Trânsito ferroviário, rodoviário e aéreo Gestão pública de compras Comércio de produtos agrícolas Tributação de juros Euro Fundação e gestão empresarial. 5.1 Estruturas empresariais Sociedade por acções (AG) Sociedade de responsabilidade limitada (GmbH/SàrL) Sucursal Sociedade comanditária para investimentos coletivos de capital (KkK/SCPC) Empresas em nome individual Sociedade em nome colectivo Joint Venture Sociedade simples Contabilidade Auditoria Estabelecimento de uma empresa Processo e decurso Inscrição no Registro Comercial Custos de estabelecimento Visto, autorizações de permanência e trabalho. 6.1 Entrada no país e visto Disposições sobre o visto Procedimento para obtenção de visto Permanência e residência Reagrupamento familar Permanência sem actividade remunerada Autorizações de até três meses Permanências mais longas Caso especial: estudantes Permanência com desempenho de actividade remunerada Reconhecimento de diplomas estrangeiros Manual para investidores 2012

5 6.4.2 Permanência e actividade remunerada de pessoas de países da UE/EFTA Permanência e actividade remunerada de pessoas de países não-membros da UE/EFTA Intercâmbio de jovens profissionais Naturalização Imóveis. 7.1 Procura da propriedade adequada Imóveis para fins residenciais e comerciais Alojamentos temporários/apartamentos mobiliados Imóveis para fins comerciais Aluguer Compra Imóveis para fins residenciais Aluguer Compra Aspectos jurídicos: Alvará de construção Aspectos jurídicos: Aquisição de terreno por pessoas no exterior Isenção de autorização Obrigação de autorização Motivos para a autorização Execução Mercado de trabalho e direitos laborais. 8.1 Emprego e desemprego Custos de trabalhos Remunerações Custos com encargos sociais Representação dos trabalhadores e contratos de trabalho Contrato de trabalho individual Contratos de trabalho colectivos Cooperação e representação dos empregados Horário de trabalho e de lazer Horário normal de trabalho, horário máximo de trabalho e modelos de horário de trabalho Horas extras e horário adicional Trabalho diurno e trabalho nocturno Trabalho de madrugada, trabalho nos domingos e feriados Férias e feriados Rescisão e trabalho com horário reduzido Aviso prévio de rescisão e proteção contra rescisão Trabalho com horário reduzido e demissões em massa Segurança social Seguro-velhice e seguro para benefciários de falecidos (Alters- und Hinterlassenenversicherung AHV) Seguro por invalidez (Invalidenversicherung IV) Seguro contra acidentes (UV) Seguro-saúde Compensação de renda (EO) e indemnização por maternidade Seguro-desemprego (Arbeitslosenversicherung ALV) Regime profissional de pensões Salário-família Recrutamento Agências de emprego públicas Agências privadas de emprego Caçadores de talentos Empréstimo de mão-de-obra/trabalho temporário Centro financeiro e mercado de capital. 9.1 Bancos Estrutura e condições básicas Supervisão Prestação de serviços Seguro de depósitos Tributação de juros Bolsa de valores da Suíça: SIX Swiss Exchange Financiamento de negócios e imóveis Financiamento de actividades comerciais em funcionamento Hipotecas Capital de risco Venture capital Business Angels Apoio estatal Custos de capital e juros Inflação Panorama do sistema tributário suíço Tributação de sociedades sujeitas a imposto Imposto sobre o rendimento das sociedades Imposto sobre o rendimento das sociedades nível cantonal e comunal Imposto sobre o capital Incentivos fiscais Comparação internacional da cobrança de impostos Tributação de contribuintes individuais Tributação de ordenados Imposto sobre o património...96 Manual para investidores

6 Expatriados Trabalhadores fronteiriços Tributação integral Imposto sobre as sucessões e doações Tributação na fonte Taxas internas Taxas de tratados Acordos bilaterais com a UE Imposto sobre o valor acrescentado Pessoas sujeitas à tributação Serviços tributáveis Quantia tributável Taxas de imposto Isenções Dedução de impostos pré-pagos Exportações Actividades comerciais internacionais Empresas com sede no exterior Outros impostos Impostos sobre selo Imposto territorial Rede de convenções em matéria de imposto de renda para evitar a dupla tributação Regras para definição de preços de transferência Infraestrutura Transporte Rede rodoviária Vias férreas Trânsito aéreo Energia Água Água potável Evacuação de águas residuais e protecção das águas Comunicação Correios Serviço de saúde pública Assistência médica Seguro de saúde Educação e pesquisa Formação escolar e profissional Educação básica e adicional Formação profissional Aperfeiçoamento educacional Universidades/Faculdades Escolas superiores universitárias e técnicas Escolas superiores especializadas Programas de MBA Executivo (EMBA) Estabelecimentos de ensino provado internacionais e internatos Pesquisa e desenvolvimento A Suíça como localidade de pesquisa Cooperação internacional para a pesquisa A vida na Suíça Segurança e qualidade de vida Mudança e integração Mudança Cursos de idiomas Arrendamento de um apartamento Caução e Contrato de arrendamento Orientações e administração Telefone, Internet e TV Seguros Transportes públicos Organização do lazer Actividades culturais e de lazer Associações e trabalho voluntário Renda e custos de vida Promoção de investimentos Competências Política de incentivo e instrumentos Serviços do «Schweiz. Handels- & Investitionsförderung.» Incentivo cantonal Incentivos fiscais com base na política regional Outras instituições de incentivo Comissão para a Tecnologia e Inovação (KTI) Parques de tecnologia e incubadoras de negócios Apêndice Endereços Índice das figuras Países da Europa Mapa da Suíça Regiões por língua Manual para investidores 2012

7 Vantagens da Suíça. 1. Quadro político e económico favorável à concorrência. O estabelecimento de uma empresa é simples e o direito societário está comprovado na prática Processos burocráticos eficientes e com baixo volume de regulamentos Protecção abrangente do património intelectual Não há lei antidumping 2. Localização estrategicamente favorável. Três dos quatro maiores mercados/economias da Europa são países vizinhos da Suíça Centro de comunicação e transporte entre o norte e o sul da Europa 3. Elevado grau de integração internacional, relação Suíça- Europa confiável. Economia intensamente voltada para as exportações, elevados investimentos directos no exterior União Europeia como principal parceiro comercial da Suíça, relações garantidas por acordos bilaterais amplamente protegidos e democraticamente legitimados Inglês como idioma de comunicação, além dos quatro idiomas nacionais e dos idiomas de imigrantes ( pessoas falam português) 4. Infraestrutura de primeira classe, índice de qualidade de vida elevado. Densa rede de estradas, vias férreas e transportes aéreos Abastecimento seguro de energia, água e serviços de comunicação Tratamento de saúde de primeira classe Cidades seguras e meio ambiente protegido 5. Centro empresarial económico de liderança mundial. Localidade neutra na Europa para estabelecimento de sedes regionais Concentração mundialmente exclusiva de empresas da área farmacêutica e de ciências da vida Importante centro financeiro Líder de mercado na indústria de relógios de luxo Apesar da falta de matéria-prima, llocalização estratégica global no comércio de commodities 6. Mercado de trabalho flexível, produtividade elevada. Legislação laboral liberal, regulamentos favoráveis ao empregador Baixo nível de desemprego, elevada taxa de pessoas empregadas Mão-de-obra motivada, leal e com excelente formação educacional, com conhecimentos amplos de idiomas e experiência internacional acima da média 7. Carga tributária moderada. Taxas tributárias competitivas em relação ao resto da Europa Direitos aduaneiros, taxas e demais encargos baixos Programação fiscal interessante 8. Mercado de capitais eficiente, condições favoráveis. Extensa oferta de produtos bancários e de seguro Condições com juros favoráveis Elevada estabilidade de preço a longo prazo / baixa inflação Manual para investidores

8 9. Excelentes instituições de ensino, líder na localização de inovação. Cursos de formação profissional básica, universidades e escolas superiores voltadas para a prática, com pesquisa de reputação mundial; escolas particulares e internatos de renome internacional Densa rede de pesquisa e prática da economia, participação em intercâmbio de pesquisa internacional Auxílio na transposição da inovação em prática 10. Suporte profissional quando da chegada. Assessoria competente Intermediação de contatos e terrenos comerciais Facilidades tributárias e possibilidades de incentivo financeiro Fig. 1: Classificação internacional da Suíça 1 Capacidade concorrencial 2) Índice de inovação global 3) Custos de capital 1) Qualidade infraestrutural 2) Experiência internacional dos trabalhadores 1) Poder de atração para pessoal altamente qualificado do estrangeiro 1) Consenso entre empregadosempregador 2) 2 3 Estabilidade política 1) Desregulação do mercado de trabalho 1) Motivação no trabalho 1) Rating de solvabilidade 4) Infraestrutura na saúde 1) Flexibilidade no recrutamento Qualidade dos sistema de Despesas para investigação e e despedimento 2) ensino 1) desenvolvimento 1) Prémios nobel por milhão de habitantes 1) Poder de compra 5) Fontes: 1) Competitividade Mundial Online 2011, IMD ² ) Relatório de Competitividade Global ³ ) Índice de Inovação Global ) Euromoney ) UBS, Preços e Salários: uma comparação do poder aquisitivo no mundo inteiro, agosto de Manual para investidores 2012

9 1. Suíça - factos e números. A Suíça está localizada entre os Alpes e a cadeia de montanhas do Jura, constituindo o centro de comunicação e de transporte entre o sul e o norte da Europa. Ponto de encontro de línguas e culturas europeias. Nenhum outro país oferece tanta variedade num espaço tão pequeno. A economia da Suíça deve seu elevado grau de desenvolvimento ao sistema económico liberal adotado pelo país, à sua estabilidade política e à estreita integração na economia internacional. O estado cria as condições básicas necessárias e intervém apenas quando o interesse geral assim o exige. A excelente infraestrutura do país e seu sistema educacional de alto nível são a base da competitividade da economia suíça. tem mais de lagos, sendo que o país partilha os seus dois maiores lagos com os seus vizinhos: o Lago de Genebra (Lac Léman) com a França, a sudoeste, e o Lago de Constança com a Alemanha e a Áustria, a nordeste. O portal suíço Espanhol, Russo, Chinês, Japonês 1.1 Geografia. A área total da Suíça é de km 2. Marcado por cadeias de montanhas e colinas, rios e lagos, o país oferece na sua pequena área territorial 220 km de norte a sul e 348 km de leste a oeste uma grande variedade paisagística. Os Alpes Suíços, o Platô Suíço acidentado que se estende do Lago de Constança até ao Lago de Genebra, e o Jura Suíço, uma montanha de formação extensa e escarpada, formam as três principais regiões geográficas do país. Devido à sua posição central, a Suíça é um ponto de intersecção de diferentes culturas e simultaneamente um centro de comunicação e de transporte entre o norte e o sul da Europa. Fig. 2: Mapa panorâmico Os Alpes Suíços armazenam seis porcento das reservas de água doce da Europa. Por esse motivo, a Suíça é também chamada de «reservatório de água da Europa». Além de inúmeros rios, a Suíça Manual para investidores

10 1.2 Clima. O clima da Suíça é fortemente determinado pelo Oceano Atlântico, que está localizado próximo do país. Com as correntes que vêm sobretudo da direção oeste, a Suíça caracteriza-se por um ar predominantemente húmido e brando proveniente do oceano. No verão, esse ar tem um efeito refrescante, e no inverno, aquecedor. Além disso, na maior parte do território há volume suficiente de chuva durante todo o ano. Nesse processo, os Alpes actuam como uma barreira climática marcante entre o norte e o sul da Suíça. O sul da Suíça, influenciado principalmente pelo Mar Mediterrâneo, distinguese do norte pelo inverno perceptivelmente mais brando. As temperaturas na Suíça são definidas, sobretudo, pela altitude. Na planície, ao norte, a temperatura média em janeiro fica em torno de 1 C, e em julho, em torno de 17 C. No lado sul, as temperaturas médias correspondentes da planície são, em média, 2 a 3 C mais elevadas. de grande margem para actuar. Unidades políticas pequenas e flexíveis, os cantões estão distribuídos em diferentes áreas, competindo até mesmo uns com os outros. O sistema federal caracteriza-se, adicionalmente, por estar muito próximo da economia e dos cidadãos. Assim, muitas das tarefas públicas são desempenhadas por cantões e comunas, dispondo, para isso, de considerável autonomia para implementar as soluções adequadas às necessidades locais. Informações online sobre o Governo Federal, os Cantões e as Comunas Tempo e clima Idiomas: al., ingl., fr., ital Distribuição dos poderes no plano do Governo Federal De acordo com a Constituição Federal, o povo suíço é o soberano do país, ou seja, a instância política mais elevada, sendo ele quem elege o Parlamento. Para tanto, cada cidadão eleitor tem o direito de co-actuar na formação da Constituição e da legislação por meio de referendos ou de iniciativas. 1.3 Sistema político Estrutura Federal A Suíça é uma «Willensnation» (nação formada por livre vontade) composta por vários grupos étnicos que falam diferentes idiomas e seguem diferentes religiões. A fundação do estado moderno da Suíça remonta ao ano de Antes dessa época, a Suíça existia com base em uma aliança informal entre os cantões independentes. A abreviação CH que identifica a Suíça, por exemplo, nas páginas da Internet, está associada à denominação oficial em latim «Confoederatio Helvetica». A estrutura do estado é federal e está dividida em três planos políticos: Comuna, Cantão e Governo Federal. A competência do Governo Federal existe em todas as situações em que a Constituição lhe dá poderes para tal por exemplo, nas políticas externa e de segurança, para assuntos alfandegários e financeiros, na legislação que vigora em todo o país e também nos assuntos de defesa. Comparando-se ao sistema mundial, os 26 cantões têm um alto grau de soberania. O sistema de saúde, a educação e a cultura pertencem às áreas políticas nas quais eles dispõem O poder legislativo, no plano federal, é representado pelo Parlamento, o qual é composto por duas câmaras: o Conselho Nacional, uma representação do povo, constituído por 200 membros, e o Conselho de Estados, na qualidade de representante dos 26 cantões, com 46 membros. O Conselho Nacional é eleito pelo povo a cada quatro anos, sendo que cada cantão constitui um distrito eleitoral. O número de membros é calculado com base na população existente; no entanto, cada cantão apresenta, pelo menos, um representante. O Governo Federal denomina-se Conselho Federal, e é uma autoridade colegiada. Cada um dos seus sete membros, eleitos pela Assembleia Federal composta por duas câmaras parlamentares, administra um dos sete ministérios (departamentos). Todos os anos, após um determinado turno entre eles, é trocada a presidência do governo do país, que recebe a denominação de Presidente Federal. A jurisdição mais elevada na Suíça é de responsabilidade do Tribunal Federal de Lausane, do Tribunal Federal de Seguros de Lucerna, bem como do Tribunal Federal Penal de Bellinzona e do Tribunal Administrativo Federal de Berna (a partir de meados de 2012 em St. Gallen). 10 Manual para investidores 2012

11 Fig. 3: O sistema político na Suíça Legendas Instrumentos Eleições Eleitores Cidadãos suíços com 18 anos de idade Tribunais Superiores Tribunal federal, Tribunal Criminal e Tribunal de Administração Fonte: Swissworld.org/Präsenz Schweiz Parlamento Conselho Nacional (200 Membros) e Conselho de Estados (46 Membros) Conselho Federal (Governo) 7 Membros Democracia directa e sistema de concordância Praticamente em nenhum outro país o povo dispõe de direitos tão abrangentes de influência na política como na Suíça. Os cidadãos podem requerer uma votação popular para uma emenda constitucional (iniciativa popular) ou decidir posteriormente quanto a decisões parlamentares (referendo). A longa tradição democrática, assim como a dimensão comparativamente pequena e o número reduzido de habitantes do país, somados à uma elevada taxa de alfabetização e a variada oferta de recursos de mídia, são decisivas para o funcionamento dessa forma especial de estado. Regra geral, os eleitores são convocados quatro vezes por ano para decidirem sobre propostas. Uma particularidade da política da Suíça é o sistema de concordância. Há décadas as forças políticas mais importantes colocam os sete conselhos federais em uma espécie de coligação. No Parlamento, da mesma forma, não apenas os vencedores das eleições, mas também todos os partidos estão representados proporcionalmente ao número de eleitores. As decisões ocorrem com maiorias alternadas, de acordo com a situação de interesse. Dessa forma, o maior número possível de grupos sociais pode expressar as suas ideias para um tema ou contribuir para um compromisso apoiado amplamente. Esse esforço e consenso baseados no princípio da colegialidade e da concordância contribuem substancialmente para a estabilidade política da Suíça Estabilidade política e paz social De acordo com os respectivos estudos de segurança, propriedade privada e de coerência social, além de sua estabilidade política, a Suíça ocupa regularmente posições de liderança na comparação internacional. Os suíços dão muito valor à sua independência. Apesar da coexistência de diversos grupos com diferentes línguas e culturas, a estabilidade interna é grande, prevalecendo um elevado grau de tolerância e liberdade pessoal. O princípio da concordância também se aplica a relações entre empregadores e empregados, ou seja, as suas representações. As duas partes comprometem-se a resolver os seus problemas por meio de negociações. Graças a essa paz social, o nível geral de prosperidade vem crescendo há décadas. Manual para investidores

12 Fig. 4: Estabilidade política, 2011 estável = 10, instável = 0 1 Noruega 9,49 2 Suíça 9,49 3 Chile 9,48 4 Nova Zelândia 9,41 5 Finlândia 9,18 6 Alemanha 9,11 10 Dinamarca 8,94 11 Luxemburgo 8,92 14 Cingapura 8,50 15 EUA 8,47 16 Países Baixos 8,33 17 Grã-Bretanha 8,25 18 Brasil 8,17 19 França 8,09 20 Hong Kong 7,57 22 China 7,15 29 Índia 6,71 35 Irlanda 6,33 48 Rússia 4,90 51 Itália 4,58 54 Bélgica 4,03 55 Japão 3,89 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD 1.4 Finanças públicas. A Suíça faz jus à sua fama de país estável. A taxa de inflação situase claramente abaixo de taxas dos países da União Europeia e dos principais países industrializados. O mesmo acontece com a taxa de desemprego, situada regularmente abaixo dos quatro por cento. Na Suíça, as taxas de juros também são tradicionalmente baixas. A taxa de poupança é elevada (Poupança nacional em % do rendimento nacional bruto de 2009: 30,8 %). A chamada quota do estado mede em percentagem as despesas de administrações públicas em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Essa quota contém as despesas dos orçamentos públicos, bem como os seguros sociais obrigatórios, sendo na Suíça correspondente a 34,6 % (2009). A maioria dos países europeus apresentou uma quota nitidamente mais elevada situada acima de 50 %. O orçamento financeiro federal é saudável. Isso se aplica tanto às finanças do estado central, ao nível federal, como também aos cantões e suas comunidades. A quota de excedentes ao nível do estado em 2010 foi de 0,5 %. O endividamento federal também está abaixo da maioria dos países europeus. As dívidas totais do poder público perfazem 39 % do PIB (2010). Comparativamente à média dos países da UE (78,9 %), a quota de endividamento da Suíça é relativamente baixa: a maioria dos países europeus apresenta valores nitidamente mais elevados (2009: Itália: 115,9 %; França: 77,7 %; Alemanha: 73,2 %. Departamentos Federais Suíços Eidgenössisches Finanzverwaltung EFV (Administração Financeira Federal) Idiomas: Alemão, Francês, Italiano 12 Manual para investidores 2012

13 1.5 Neutralidade. No que se refere à política externa, a Suíça procura manter o princípio da neutralidade, porém ela não desempenha, de forma alguma, um papel indiferente na política mundial: desde 2002, a Suíça é membro da ONU e participa, de forma activa, nas organizações especiais da ONU. Além disso, a Suíça está envolvida desde há muito tempo em importantes organizações políticoeconómicas, tais como a Associação Europeia de Livre Comércio EFTA. Durante mais de 500 anos, o lema «não interfiram nos litígios estrangeiros», do conhecido São Niklaus von Flüe ( ), dominou a política suíça. O país é neutro desde 1515, o que também foi reconhecido após as guerras napoleónicas de 1815 pelas grandes potências europeias. Nenhum outro país na Europa pode se orgulhar de uma tradição tão longa de neutralidade. Porém, desde o fim da Guerra Fria, a Suíça afrouxou a sua compreensão de neutralidade. Pelo facto de o papel da OTAN ter alterado sua actuação servindo muito mais a missões de manutenção da paz a Suíça aderiu, em 1996, ao programa «Parceria para a paz» da OTAN. Graças à sua neutralidade, a Suíça actua frequentemente como mediadora e, em alguns casos, os diplomatas suíços chegam a representar os interesses de países que não mantêm um contato oficial uns com os outros. E, para tanto, a Suíça oferece seu território neutro para delicados encontros políticos e conferências. Eidgenössisches Departement für auswärtige Angelegenheiten (Departamento Federal de Assuntos Externos) 1.6 População. A população residencial permanente da Suíça é de aproximadamente 8 milhões. A parcela de pessoas com idade entre 20 e 39 anos representa 26,6 %, enquanto que 16,8 % dos habitantes têm 65 anos ou mais, e 21,0 % têm menos de 20 anos. A expectativa de vida é uma das mais elevadas do mundo: 79,8 anos para os homens e 84,4 anos para as mulheres. Comparativamente, a estrutura da área residencial é descentralizada e, com isso, fácil de entender: mais de dois terços da população vivem nas cinco maiores cidades (Zurique, Genebra, Basileia, Berna e Lausane) e em seus arredores. São quatro os idiomas reconhecidos no país: alemão (64 %), francês (20 %), italiano (7 %) e romanche (1 %). No norte, leste e na parte central da Suíça fala-se alemão, apesar de o dialecto (Suíço alemão) dominar na comunicação oral. Na Romandia, na parte ocidental do país, bem como, em parte, na parte central, a linguagem do cotidiano é o francês. No sul da Suíça (Ticino) fala-se italiano e romanche em partes do Cantão de Graubünden. Na Suíça, 22 % dos habitantes possuem cidadania estrangeira. Enquanto que no passado pessoas de classes sociais mais baixas imigravam para a Suíça, desde a introdução do direito de livre circulação para as pessoas dos países-membros da UE/EFTA o país tem atraído, de forma elevada, estrangeiros de camadas sociais mais elevadas, sendo que se deve mencionar, sobretudo, a imigração de mão-de-obra altamente qualificada da Alemanha. Bundesamt für Statistik (BfS) (Departamento Federal de Estatística) > Themen > 01 Bevölkerung (> Temas > 01 População) 1.7 A Suíça intercultural e internacional Idiomas e origem A maioria dos suíços fala, pelo menos, uma língua estrangeira. Eles a aprendem já no ensino fundamental, sendo que o inglês também é inserido desde cedo no programa de ensino. Graças à abertura do país mesmo com referência à imigração é grande a variedade de idiomas que de facto são falados e com os quais podem comunicar. Na rotina comercial internacional, além da respectiva língua falada no país, o inglês está muito presente e é utilizado pelos executivos. Manual para investidores

14 A partir de uma vivência conjunta de diversos grupos étnicos, diversas religiões e de grande parte de residentes estrangeiros tem-se como resultado um elevado grau de abertura e tolerância. Isso facilita a atuação das empresas estrangeiras na Suíça. Embora a Europa seja a principal parceira econômica, as relações com outros mercados, especialmente com as Américas e a Ásia, também são bastante intensas. Em particular, os centros financeiros de Zurique e Genebra são caldeirões de diferentes culturas. Também na área cultural, a Suíça tem uma tradição aberta para o mundo. A sua neutralidade lhe permite acesso a todos os países, sendo que ela própria está aberta a eles. Isso facilita o estabelecimento na Suíça não apenas para empresas que operam mundialmente, mas também para inúmeras organizações internacionais Investimentos directos e empresas suíças no exterior A Suíça apresenta uma das mais fortes ligações com os mercados mundiais. O estoque de capital de investimentos directos no exterior chegou, em 2009, aos 866 bilhões de francos suíços, ou 164 % do Produto Interno Bruto. Como comparação, nos Países Baixos a respectiva parte situou-se nos 107 %, na Irlanda nos 85 %. As empresas suíças com investimentos directos no exterior possuem cerca de 4,2 milhões de funcionários nas suas filiais e empresas estrangeiras. Estas também são importantes empregadoras na Suíça. Fig. 5: As economias mais abertas do mundo Fonte: KOF ETH Zurique. Índice de Globalização de 2010 Classificação total Integração internacional da economia Classificações individuais Grau de informações/acesso a informações Grau de cooperação política internacional Bélgica Áustria 2 n.a. 2 4 Países Baixos Suíça Suécia 5 n.a. n.a 5 Dinamarca Irlanda França Luxemburgo Cingapura 17 n.a Alemanha Itália Grã-Bretanha EUA Rússia Japão China Brasil Índia Manual para investidores 2012

15 1.7.3 Organizações internacionais Graças à sua independência política e ao mesmo tempo ao seu compromisso consciente, bem como a consciência internacional, a Suíça serve de plataforma a muitas organizações internacionais, entre outras, à ONU, com sede em Genebra. Adicionalmente, mais de 250 organizações não-governamentais, com status de consultoria nas Nações Unidas, têm sede na Suíça. Fig. 6: Organizações internacionais e organizações não governamentais importantes com sede na Suíça ACICI Agência de Cooperação e de Informação para o Comércio Internacional Genebra ACNUR Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Genebra ACWL Centro de Aconselhamento sobre a Legislação da OMC Genebra AMA Agência Mundial Anti-Doping Lausane BIE/UNESCO Escritório Internacional de Educação/Organização das Nações Unidas para Genebra a Educação, Ciência e Cultura BIS Banco de Pagamentos Internacionais Basileia CERN Organização Europeia de Pesquisa Nuclear Genebra CICV Comité Internacional da Cruz Vermelha Genebra Cour OSCE Tribunal de Conciliação e Arbitragem da OSCE Genebra EBU União Europeia de Radiodifusão Genebra EFTA Associação Europeia de Livre Comércio Genebra FIFA Federação Internacional de Futebol Zurique FIS Federação Internacional de Esqui Thun GFATM Fundo Global para a Luta contra a SIDA, Tuberculose e Malária Genebra IFRC Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Genebra Vermelho IIHF Federação Internacional de Hóquei no Gelo Zurique IOC Comité Olímpico Internacional Lausane IPU União Interparlamentar Genebra IRU União Internacional dos Transportes Rodoviários Genebra ISO Organização Internacional de Normatização Genebra ISSI Instituto Internacional de Ciência Espacial Berna ITCB Escritório Internacional de Têxteis e Vestuário Genebra OIM Organização Internacional para Migrações Genebra OIT Organização Internacional do Trabalho Genebra OMC Orgnaização Mundial do Comércio Genebra OMM Organização Mundial de Meteorologia Genebra OMPI Organização Mundial da Propriedade Intelectual Genebra OMS Organização Mundial da Saúde Genebra ONUG Escritório das Nações Unidas em Genebra Genebra OTIF Organização Intergovernamental para os Transportes Internacionais Ferroviários Berna UCI União Ciclista Internacional Aigle UEFA Associação Europeia de Futebol Nyon UIT União Internacional de Telecomunicações Genebra UPOV União Internacional para a Proteção das Novas Espécies Vegetais Genebra UPU União Postal Universal Berna WWF Fundo Mundial para a Natureza Gland Fonte: Eidg. Departement für auswärtige Angelegenheiten EDA, eigene Recherchen (Departamento Federal para Assuntos Externos, pesquisas individuais) Manual para investidores

16 1.8 A Suíça em números. Fig. 7: A Suíça em números Geral Moeda Franco Suíço Fuso horário CET = UTC + 1 Código DDI +41 Feriado nacional 1 de agosto Economia 1 PIB (nominal) em bilhões de CHF 550,6 Renda nacional per capita em CHF Crescimento do PIB 2,7% Taxa de inflação 0,7% Taxa de desemprego 3,9% Importações em bilhões de CHF (Produtos e Serviços) 232,4 Exportações em bilhões de CHF (Produtos e Serviços) 294,9 Superávit no orçamento, em % do PIB + 0,5 Taxa de endividamento em % do PIB 39,0 Taxa tributária em % do PIB 29,7 Investimentos diretos em bilhões de CHF Estoque de capital no exterior Estoque de capital na Suíça Exportações de capital ao exterior Importações de capital para a Suíça População 1 População com residência permanente x ,8 Densidade demográfica por km² 188,6 Grupos de idade 0-19 anos 21,0 % anos 26,6 % anos 35,5 % anos 12,0 % 80 anos ou mais 4,8 % Porcentagem de estrangeiros 22,0 % Quantidade média de crianças para cada mulher 1,5 Expectativa de vida (anos) Homens 79,8 Mulheres 84,4 Religião Católicos romanos 41,8 % Evangélicos reformados 35,3 % Outros 22,9 % Idiomas Alemão 63,7 % Francês 20,4 % Italiano 6,5 % Reto-romanche 0,5 % Outros 9,0 % Geografia Área em km² Fronteiras em km Quantidade de lagos Montanha mais alta (em m) (Dufourspitze, Wallis) Maior geleira (Aletsch, Wallis) 117 km²/24 km Maior lago (em km²): Lago de Genebra 582 Segundo maior lago (em km²): Lago de Constança 539 Capital Berna Maior aglomeração x mil habitantes Zurique 1.170,0 Genebra 521,4 Basileia 498,0 Berna 350,8 Lausane 330,9 Política Forma de estado Estado federal parlamentar desde 1848, democracia direta Cantões 20 cantões, 6 semi-cantões Comunas Fontes: Bundesamt für Statistik BFS (Departamento Federal de Estatística); Schweizerische Nationalbank SNB (Banco Nacional da Suíça); Eidgenössische Finanzverwaltung EFV (Administração Financeira Federal), 1 Dados sobre a economia e a população referentes a 2010 (alguns de 2009) 16 Manual para investidores 2012

17 2. Estrutura económica. A Suíça é uma das economias mais liberais e competitivas do mundo. O país é um dos pioneiros da globalização. A segurança jurídica e os fundamentos de decisão estáveis a longo prazo, regulamentos liberais e a proximidade a institutos de pesquisa fazem da Suíça uma atraente localidade para investidores, na hora de decidir onde alocar atividades de prestação de serviços e produção de alto valor na Europa. 2.1 Produto interno bruto e estrutura industrial. A Suíça obtém pela economia, per capita, um produto interno bruto que corresponde ao quarto maior do mundo. O produto interno bruto per capita em 2010 foi de US dólares, nitidamente acima da média na União Europeia. Comparando-se ao Reino Unido (UK), a Suíça tem um resultado 84 % melhor e em relação à Alemanha e à França, a diferença é menor, contabilizando 64 % e 62 %, respectivamente. Cerca de 72 % do produto interno bruto origina-se da área de prestação de serviços. Entretanto, o sector industrial, com uma participação de 27 % no PIB, também é um importante pilar da economia. Dentre os sectoreschave estão os sectores químico, bens de capital e bancário. A economia suíça está fortemente voltada para as exportações e a participação do comércio exterior no produto interno bruto é uma das mais elevadas do mundo. Nesse processo, a UE desempenha um papel muito importante (59,7 % na exportação, 78,0 % na importação). Empresas de pequeno e médio porte (PME) dominam a estrutura da economia suíça. Mais de 99 % das empresas empregam menos de 250 pessoas em tempo integral. O vínculo dos empregados à empresa é bastante estreito e a motivação e o senso de responsabilidade são característicos do país. Essas qualidades resultam geralmente em serviços de qualidade tanto na indústria quanto na área de prestação de serviços. Também com relação à inovação, a Suíça é líder mundial. Fig. 8: Produto interno bruto per capita (nominal), 2011 em US dólares 1 Luxemburgo Noruega Qatar Suíça Dinamarca EUA Países Baixos Irlanda Áustria Cingapura Bélgica Japão França Alemanha Grã-Bretanha Itália Hong Kong Brasil Rússia China Índia Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD Manual para investidores

18 Fig. 9: Estrutura industrial e proporção de pessoas empregadas, 2011 Fig. 10: Classificação da competitividade, 2011 Índice de Competitividade Global (GCI) Sector Empregados (4º trimestre 2011) em em % Total (sem agricultura e silvicultura) 4.085,2 100 Sector II Total 1.035,7 25,00 Construção civil 317,3 7,77 Equipamentos eléctricos, aparelhos de 143,4 3,51 processamento de dados, relógios Indústria metalúrgica 101,0 2,47 Indústria de máquinas 86,1 2,11 Indústria de madeira, papel e impressão 76,8 1,85 Indústria química e materiais sintéticos 75,4 1,85 Produtos alimentares e estimulantes 66,8 1,64 Outras indústrias de processamento 59,4 1,45 Fornecimento de água e energia 40,6 0,99 Indústria farmacêutica 37,6 0,92 Têxteis e Vestuário 15,7 0,38 Indústria automóvel 15,6 0,38 Sector III Total 3.049,5 75,00 Comércio, manutenção e services de 631,9 15,47 reparação Sector da saúde e social 510,0 12,48 Prestação de outros serviços 301,8 7,39 Sector de ensino 275,7 6,75 Transportes e telecomunicações 268,8 6,58 Serviços do sector financeiro e seguros 232,7 5,70 Indústria hoteleira 231,6 5,67 Administração pública 169,4 4,15 Prestações de serviços para empresas 148,2 3,63 Sector imobiliário 135,9 3,33 Serviços de informática 75,5 1,85 Arte, entretenimento e lazer 47,4 1,16 Investigação e desenvolvimento 20,6 0,50 Fonte: Bundesamt für Statistik BFS, Beschäftigungsstatistik BESTA (Departamento Federal de Estatística BFS, Estatística de Actividade) 1 Suíça Singapura Suécia Finlândia EUA Países Baixos Dinamarca Japão Grã-Bretanha Hong Kong Bélgica França Luxemburgo China Irlanda Itália Brasil Índia Rússia 4.21 Fonte: Fórum Mundial Económico, Relatório Global de Concorrência Fig. 11: Índice de inovação global, Suíça 63,80 2 Suécia 62,10 3 Singapura 59,60 4 Hong Kong 58,80 5 Finlândia 57,50 6 Dinamarca 57,00 7 EUA 56,60 9 Países Baixos 56,30 10 Grã-Bretanha 56,00 12 Alemanha 54,90 13 Irlanda 54,10 17 Luxemburgo 52,70 20 Japão 50,30 22 França 49,30 24 Bélgica 49,10 29 China 46,40 35 Itália 40,70 47 Brasil 37,80 56 Rússia 35,90 62 Índia 34,50 Fonte: INSEAD Índice de Inovação Global Manual para investidores 2012

19 2.2 Integração internacional. O mercado doméstico suíço é pequeno e escasso em matérias primas naturais (à excepção da água). Isso obrigou as empresas, já desde o surgimento da produção industrial, a procurar e manter mercados fora do país. Graças a essa necessidade de abertura para o exterior, o país é um importante participante do comércio mundial. A quota de exportação em porcentagem do produto interno bruto é de aproximadamente 35 %. Assim, a Suíça ocupa, entre os principais países exportadores, uma posição de destaque, tanto na exportação de bens, como também na prestação de serviços Comércio de mercadorias e serviços A Europa é o mercado mais importante para a economia suíça. Quatro quintos de todas as importações de mercadorias e três quintos das exportações de artigos são provenientes de intercâmbio com a UE. Tradicionalmente, a Alemanha é o mais importante comprador e também o fornecedor mais significativo da Suíça. A Itália e a França classificam-se em segundo e terceiro lugar, respectivamente, como principais fornecedores. O segundo principal cliente da Suíça são os EUA, seguidos pela Itália e França. Dividindo-se em blocos económicos, os países emergentes e em desenvolvimento são responsáveis por quase 20 % das exportações, e aproximadamente 10 % das importações. Fig. 12: Balanço comercial em % do PIB, Singapura 22,21 2 Suíça 14,58 3 Quatar 13,96 4 Noruega 12,85 5 Malásia 11,79 7 Luxemburgo 7,76 8 Países Baixis 7,66 9 Hong Kong 6,58 12 Alemanha 5,66 13 Dinamarca 5,54 14 China 5,21 15 Rússia 4,77 20 Japão 3,56 29 Bélgica 1,37 33 Irlanda 0,74 38 França 2,05 40 Brasil 2,27 42 Reino Unido 2,49 44 Índia 3,02 47 EUA 3,21 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD Um exemplo clássico de uma ramificação industrial bem-sucedida voltada para as exportações é a denominada «indústria secreta automotiva e aeroespacial» da Suíça: uma rede pouco conhecida externamente, composta de fabricantes altamente especializados e responsáveis pela solução de problemas de componentes na área da micromecânica e mecânica de precisão, desde a tecnologia de materiais, técnica de material plástico até ao sector têxtil. Como parceiros de inovação tecnológica, essas empresas suíças assumiram uma posição de fornecedores confiáveis, cujos produtos se caracterizam pela qualidade, tecnologia e precisão. A Suíça co-assinou o Acordo da OMC. Com tratados de livre comércio, como membro da EFTA e com os acordos bilaterais com a UE, ela actua continuamente para uma liberalização de mercados. Graças à sua política de abertura de mercados, a Suíça é um eficiente local e plataforma de comércio, bem como um mercado economicamente significativo não apenas em relação ao volume de mercado. Fig. 13: Exportações e importações para espaços económicos, 2010 em bilhões de francos suíços 142,4 UE & EFTA 120,1 Países industrializados não-europeus Países em transformação Países emergentes Países em desenvolvimento Fonte: 14,9 32,6 9,5 11,8 8,0 22,5 8,6 16,5 Importações Exportações Manual para investidores

20 2.2.2 Investimentos directos A Suíça está fortemente integrada no exterior, não apenas no intercâmbio de mercadorias e serviços. Devido à sua posição, à sua escassez de recursos e ao limitado mercado doméstico, suas empresas têm uma larga tradição de actuação como investidoras nos mercados externos. Isso mostra a relação entre a existência dos investimentos suíços diretos no exterior e o produto interno bruto nominal (PIB), que no final de 2009 era de 164 %. A Suíça é a sexta maior investidora absoluta directa no exterior. Nos EUA, a Suíça é a sexta investidora directa; 19,2 % ou milhões de francos suíço de todos os investimentos directos suíços são realizados nos EUA. A Suíça é também uma localidade atraente para investidores estrangeiros, em particular da região da União Europeia (83,6 %, milhões de francos suíços) e dos EUA. A reserva de capital dos investidores americanos na Suíça é de 14,4 % ou milhões de francos suíços. Fig. 14: Investimentos directos, reservas de capital, 2009 Reserva de capital no fim do ano (2009) Investimentos directos suíços no exterior em milhões de em % CHF Investimentos directos estrangeiros na Suíça em milhões de em % CHF Total , ,0 UE , ,6 Grã-Bretanha , ,3 Alemanha , ,5 Países Baixos , ,4 Luxemburgo , ,1 França , ,6 Itália , ,1 Espanha , ,7 Áustria , ,6 Resto da Europa , ,1 Centros financeiros offshore ,4 0,0 Federação Russa ,7 0,0 América do Norte , ,4 EUA , ,4 Canadá ,9 83 0,0 América Central e do Sul , ,3 Brasil ,5 n.i. n.i. Centros financeiros offshore , ,1 Ásia, África, Oceania , ,2 Japão , ,1 Singapura ,4 n.i. n.i. China ,9 n.i. n.i. Hong Kong ,5 n.i. n.i. Taiwan ,1 n.i. n.i. Índia ,4 n.i. n.i. Austrália ,7 n.i. n.i. Fonte: SNB, Investimentos Directos, Manual para investidores 2012

21 2.3 Clusters económicos importantes Do ponto de vista económico, os clusters podem ser definidos como redes de produtores, distribuidores, unidades de pesquisa (por exemplo, escolas superiores), prestadores de serviço (por exemplo, escritórios de design e de engenharia) e instituições coligadas (por exemplo, câmaras de comércio) com uma certa proximidade regional. Eles são formados através de relações conjuntas de intercâmbio ao longo de uma cadeia de valores agregados (por exemplo, produção automóvel). Seus membros interagem através de relações de fornecimento ou de concorrência, ou mesmo por interesses comuns. Nesse processo, fala-se de um cluster somente quando uma massa crítica de empresas está localizada em uma proximidade física uma da outra, e quando suas actividades se completam ao longo de uma ou várias cadeias de valores agregados, ou se estiverem ligadas entre si por parentesco. Somente sob essas condições é que pode surgir um pool de crescimento, atraindo também distribuidores e prestadores de serviços especializados e criando vantagens competitivas para todas as empresas envolvidas. Dessa forma, há na Suíça muitos desses clusters industriais de importância também internacional. Nas páginas a seguir são apresentados, de forma resumida, os principais clusters industriais da Suíça. Os números neles contidos constituem apenas pontos de referência e devem ser utilizados com precaução, já que os clusters, em parte, sobrepõem-se Química/Farmácia e Biotecnologia Conglomerados bem-sucedidos mundialmente, como Novartis, Roche, Syngenta e empresas menores, formam, no noroeste da Suíça, um cluster industrial único que faz da cidade da Basileia e da região noroeste da Suíça uma localidade nacional e internacionalmente preferida para a localização de empresas do sector farmacêutico e químico. A indústria química e farmacêutica suíça têm a sua actividade exclusiva e praticamente na área da química de especialidades e com orientação eminentemente internacional. Aproximadamente três quartos do portfolio de produção recaem sobre os chamados produtos do sector das ciências da vida, ou seja, produtos que intervêm nos processos do metabolismo de organismos vivos. 98 % do volume de negócios são alcançados no estrangeiro. Com uma parte de 4 % da exportação mundial de produtos químicos e farmacêuticos, a Suíça é a sétima maior nação de exportação do mundo. As empresas da indústria química e farmacêutica suíça atingiram em muitos segmentos de mercado uma posição de liderança a nível mundial e ocupam cerca de pessoas. A contribuição do sector no produto interno bruto é de 4 %. Ultrapassados apenas pelas indústrias metalúrgica e mecânica. Pelo efeito de atração das gigantes farmacêuticas Novartis e Roche nas quatro regiões Basileia, Zurique, na área em torno do Lago de Genebra e, em um volume menor, no cantão de Ticino criaram-se clusters de biotecnologia. No final de 2010, o sector contava com 174 empresasde desenvolvimento de biotecnologia e 63 empresas distribuidoras de biotecnologia com aproximadamente colaboradores. A densidade de empresas de biotecnologia é sem par no mundo. Mais da metade das empresas suíças de biotecnologia são empreendimentos de menor porte, com menos de 20 funcionários. Esses empreendimentos beneficiam-se da proximidade geográfica com empresas de grande porte, tanto na Suíça como também nos países fronteiriços. Conhecidas empresas mundiais com sede na Suíça que ocupam posições de liderança em nível europeu são, por exemplo, a Actelion, Amgen, Biogen Idec, Crucell e Merck Serono. Biotecnologia na Suíça Idioma: Inglês Schweizer Wirtschaftsverband Chemie, Pharma, Biotech (Sociedade Suíça de Indústrias Químicas, Farmacêuticas e Biotecnológicas) Idiomas: Alemão, Inglês, Francês Tecnologia médica A densidade de empresas de tecnologia médica na Suíça também é extraordinariamente elevada. Fazem parte do setor de tecnologia médica cerca de 220 empresas produtoras e 520 empresas de fornecimento, bem como mais de 600 empresas comerciais e de distribuição, estabelecidas principalmente na região do Lago de Genebra, na região de Berna-Biel e na grande área de Zurique. 63 % de todos os produtos produzidos na Suíça são exportados, correspondendo a 5 % de todas as exportações suíças. As vendas líquidas em 2009 foram de cerca de 11,2 mil milhões de Manual para investidores

1. Suíça - factos e números.

1. Suíça - factos e números. 1. Suíça - factos e números. A Suíça está localizada entre os Alpes e a cadeia de montanhas do Jura, constituindo o centro de comunicação e de transporte entre o sul e o norte da Europa. Ponto de encontro

Leia mais

2. Estrutura económica.

2. Estrutura económica. 2. Estrutura económica. A Suíça é uma das economias mais liberais e competitivas do mundo. O país é um dos pioneiros da globalização. A segurança jurídica e os fundamentos de decisão estáveis a longo prazo,

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

8. Mercado de trabalho e direitos laborais.

8. Mercado de trabalho e direitos laborais. 8. Mercado de trabalho e direitos laborais. No que se refere à produtividade do trabalho, entre todas as economias nacionais do mundo, a Suíça assume uma posição dentro do grupo de liderança. O mercado

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

6. Mercados de capital e financiamento

6. Mercados de capital e financiamento Frédéric Monnerat, (canton of Geneva) 6. Mercados de capital e financiamento Índice 6.1 O centro financeiro da Suíça 2 6.2 O Banco Nacional da Suíça 2 6.3 O sistema bancário suíço 2-3 6.4 Obtenção de crédito

Leia mais

7. Imóveis. 7.1 Procura da propriedade adequada.

7. Imóveis. 7.1 Procura da propriedade adequada. 7. Imóveis. Enquanto que a oferta de imóveis para fins comerciais é variada, os imóveis residenciais são escassos, nos centros, como também ocorre em outras cidades internacionais. Na busca por propriedades

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2012 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia em

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas 5ª Oficina de Trabalho Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Manaus, 30 de agosto de 2006 Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas Olivier Zehnder Primeiro Secretário Embaixada da

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

17 a 24 JANEIRO DE 2016 FICHA DE MERCADO FICHA DE MERCADO CARACTERÍSTICAS GERAIS NOME OFICIAL: República Socialista do Vietname ÁREA: 331.210 km2 LIMITES: Faz fronteira com a República Popular da China

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

5. Fundação e gestão empresarial.

5. Fundação e gestão empresarial. 5. Fundação e gestão empresarial. A fundação de uma empresa é rápida e descomplicada. Órgãos oficiais e privados auxiliam na escolha da forma societária adequada e assessoram o empresário com conselhos

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Fevereiro 2010 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Bem-vindo ao escritório de advogados global, vocacionado para o apoio jurídico a

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia Prof.: ROBERT OLIVEIRA união européia: a formação do bloco europeu O bloco europeu teve seu início com a formação do BENELUX em 1944, com o intuito de reconstruir a

Leia mais

Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai

Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai Quais os países do mundo que têm obtido êxito em atrair investimentos

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Ciclo de actividades Cidade-Modelo na Implementação do CEPA do ponto

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Vistos de Entrada Para o Catar

Vistos de Entrada Para o Catar Vistos de Entrada Para o Catar Visto para o cidadão brasileiro entrar no Catar poderá ser adquirido no momento da chegada ao país ou antes, dependendo do caso em que se insere o brasileiro. A Embaixada

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Dr. WOLNEI TADEU FERREIRA novembro 2014 O que é a IBA e o que ela significa

Leia mais

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Os acordos laborais da no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Conferência NEXT 20 Março 2009 Julius von Ingelheim Director de Recursos Humanos O grupo Volkswagen Exemplo de competitividade global

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China Resumo - Geografia Japão Japão - Tigres - China O Arquipelago Niponico Principais Ilhas 1. Hokkaido 2. Honshu 2 1 CLIMAS 3. Shikoku 4. Kyushu 4 3 JAPÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Cerca de 127 milhões de hab.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Assinatura do Suplemento ao CEPA com maior liberalização 2. Conferência

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us.

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. Constituída em 1993 a AB é uma das maiores Sociedades de Advogados portuguesas

Leia mais