1. Suíça - factos e números.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Suíça - factos e números."

Transcrição

1 1. Suíça - factos e números. A Suíça está localizada entre os Alpes e a cadeia de montanhas do Jura, constituindo o centro de comunicação e de transporte entre o sul e o norte da Europa. Ponto de encontro de línguas e culturas europeias. Nenhum outro país oferece tanta variedade num espaço tão pequeno. A economia da Suíça deve seu elevado grau de desenvolvimento ao sistema económico liberal adotado pelo país, à sua estabilidade política e à estreita integração na economia internacional. O estado cria as condições básicas necessárias e intervém apenas quando o interesse geral assim o exige. A excelente infraestrutura do país e seu sistema educacional de alto nível são a base da competitividade da economia suíça. tem mais de lagos, sendo que o país partilha os seus dois maiores lagos com os seus vizinhos: o Lago de Genebra (Lac Léman) com a França, a sudoeste, e o Lago de Constança com a Alemanha e a Áustria, a nordeste. O portal suíço Idiomas: Alemão, Inglês, Francês, Italiano, Espanhol, Russo, Chinês, Japonês 1.1 Geografia. A área total da Suíça é de km 2. Marcado por cadeias de montanhas e colinas, rios e lagos, o país oferece na sua pequena área territorial 220 km de norte a sul e 348 km de leste a oeste uma grande variedade paisagística. Os Alpes Suíços, o Platô Suíço acidentado que se estende do Lago de Constança até ao Lago de Genebra, e o Jura Suíço, uma montanha de formação extensa e escarpada, formam as três principais regiões geográficas do país. Devido à sua posição central, a Suíça é um ponto de intersecção de diferentes culturas e simultaneamente um centro de comunicação e de transporte entre o norte e o sul da Europa. Fig. 2: Mapa panorâmico Os Alpes Suíços armazenam seis porcento das reservas de água doce da Europa. Por esse motivo, a Suíça é também chamada de «reservatório de água da Europa». Além de inúmeros rios, a Suíça Manual para investidores

2 1.2 Clima. O clima da Suíça é fortemente determinado pelo Oceano Atlântico, que está localizado próximo do país. Com as correntes que vêm sobretudo da direção oeste, a Suíça caracteriza-se por um ar predominantemente húmido e brando proveniente do oceano. No verão, esse ar tem um efeito refrescante, e no inverno, aquecedor. Além disso, na maior parte do território há volume suficiente de chuva durante todo o ano. Nesse processo, os Alpes actuam como uma barreira climática marcante entre o norte e o sul da Suíça. O sul da Suíça, influenciado principalmente pelo Mar Mediterrâneo, distinguese do norte pelo inverno perceptivelmente mais brando. As temperaturas na Suíça são definidas, sobretudo, pela altitude. Na planície, ao norte, a temperatura média em janeiro fica em torno de 1 C, e em julho, em torno de 17 C. No lado sul, as temperaturas médias correspondentes da planície são, em média, 2 a 3 C mais elevadas. de grande margem para actuar. Unidades políticas pequenas e flexíveis, os cantões estão distribuídos em diferentes áreas, competindo até mesmo uns com os outros. O sistema federal caracteriza-se, adicionalmente, por estar muito próximo da economia e dos cidadãos. Assim, muitas das tarefas públicas são desempenhadas por cantões e comunas, dispondo, para isso, de considerável autonomia para implementar as soluções adequadas às necessidades locais. Informações online sobre o Governo Federal, os Cantões e as Comunas Idiomas: Alemão, Inglês, Francês, Italiano Tempo e clima Idiomas: al., ingl., fr., ital Distribuição dos poderes no plano do Governo Federal De acordo com a Constituição Federal, o povo suíço é o soberano do país, ou seja, a instância política mais elevada, sendo ele quem elege o Parlamento. Para tanto, cada cidadão eleitor tem o direito de co-actuar na formação da Constituição e da legislação por meio de referendos ou de iniciativas. 1.3 Sistema político Estrutura Federal A Suíça é uma «Willensnation» (nação formada por livre vontade) composta por vários grupos étnicos que falam diferentes idiomas e seguem diferentes religiões. A fundação do estado moderno da Suíça remonta ao ano de Antes dessa época, a Suíça existia com base em uma aliança informal entre os cantões independentes. A abreviação CH que identifica a Suíça, por exemplo, nas páginas da Internet, está associada à denominação oficial em latim «Confoederatio Helvetica». A estrutura do estado é federal e está dividida em três planos políticos: Comuna, Cantão e Governo Federal. A competência do Governo Federal existe em todas as situações em que a Constituição lhe dá poderes para tal por exemplo, nas políticas externa e de segurança, para assuntos alfandegários e financeiros, na legislação que vigora em todo o país e também nos assuntos de defesa. Comparando-se ao sistema mundial, os 26 cantões têm um alto grau de soberania. O sistema de saúde, a educação e a cultura pertencem às áreas políticas nas quais eles dispõem O poder legislativo, no plano federal, é representado pelo Parlamento, o qual é composto por duas câmaras: o Conselho Nacional, uma representação do povo, constituído por 200 membros, e o Conselho de Estados, na qualidade de representante dos 26 cantões, com 46 membros. O Conselho Nacional é eleito pelo povo a cada quatro anos, sendo que cada cantão constitui um distrito eleitoral. O número de membros é calculado com base na população existente; no entanto, cada cantão apresenta, pelo menos, um representante. O Governo Federal denomina-se Conselho Federal, e é uma autoridade colegiada. Cada um dos seus sete membros, eleitos pela Assembleia Federal composta por duas câmaras parlamentares, administra um dos sete ministérios (departamentos). Todos os anos, após um determinado turno entre eles, é trocada a presidência do governo do país, que recebe a denominação de Presidente Federal. A jurisdição mais elevada na Suíça é de responsabilidade do Tribunal Federal de Lausane, do Tribunal Federal de Seguros de Lucerna, bem como do Tribunal Federal Penal de Bellinzona e do Tribunal Administrativo Federal de Berna (a partir de meados de 2012 em St. Gallen). 10 Manual para investidores 2012

3 Fig. 3: O sistema político na Suíça Legendas Instrumentos Eleições Eleitores Cidadãos suíços com 18 anos de idade Tribunais Superiores Tribunal federal, Tribunal Criminal e Tribunal de Administração Fonte: Swissworld.org/Präsenz Schweiz Parlamento Conselho Nacional (200 Membros) e Conselho de Estados (46 Membros) Conselho Federal (Governo) 7 Membros Democracia directa e sistema de concordância Praticamente em nenhum outro país o povo dispõe de direitos tão abrangentes de influência na política como na Suíça. Os cidadãos podem requerer uma votação popular para uma emenda constitucional (iniciativa popular) ou decidir posteriormente quanto a decisões parlamentares (referendo). A longa tradição democrática, assim como a dimensão comparativamente pequena e o número reduzido de habitantes do país, somados à uma elevada taxa de alfabetização e a variada oferta de recursos de mídia, são decisivas para o funcionamento dessa forma especial de estado. Regra geral, os eleitores são convocados quatro vezes por ano para decidirem sobre propostas. Uma particularidade da política da Suíça é o sistema de concordância. Há décadas as forças políticas mais importantes colocam os sete conselhos federais em uma espécie de coligação. No Parlamento, da mesma forma, não apenas os vencedores das eleições, mas também todos os partidos estão representados proporcionalmente ao número de eleitores. As decisões ocorrem com maiorias alternadas, de acordo com a situação de interesse. Dessa forma, o maior número possível de grupos sociais pode expressar as suas ideias para um tema ou contribuir para um compromisso apoiado amplamente. Esse esforço e consenso baseados no princípio da colegialidade e da concordância contribuem substancialmente para a estabilidade política da Suíça Estabilidade política e paz social De acordo com os respectivos estudos de segurança, propriedade privada e de coerência social, além de sua estabilidade política, a Suíça ocupa regularmente posições de liderança na comparação internacional. Os suíços dão muito valor à sua independência. Apesar da coexistência de diversos grupos com diferentes línguas e culturas, a estabilidade interna é grande, prevalecendo um elevado grau de tolerância e liberdade pessoal. O princípio da concordância também se aplica a relações entre empregadores e empregados, ou seja, as suas representações. As duas partes comprometem-se a resolver os seus problemas por meio de negociações. Graças a essa paz social, o nível geral de prosperidade vem crescendo há décadas. Manual para investidores

4 Fig. 4: Estabilidade política, 2011 estável = 10, instável = 0 1 Noruega 9,49 2 Suíça 9,49 3 Chile 9,48 4 Nova Zelândia 9,41 5 Finlândia 9,18 6 Alemanha 9,11 10 Dinamarca 8,94 11 Luxemburgo 8,92 14 Cingapura 8,50 15 EUA 8,47 16 Países Baixos 8,33 17 Grã-Bretanha 8,25 18 Brasil 8,17 19 França 8,09 20 Hong Kong 7,57 22 China 7,15 29 Índia 6,71 35 Irlanda 6,33 48 Rússia 4,90 51 Itália 4,58 54 Bélgica 4,03 55 Japão 3,89 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD 1.4 Finanças públicas. A Suíça faz jus à sua fama de país estável. A taxa de inflação situase claramente abaixo de taxas dos países da União Europeia e dos principais países industrializados. O mesmo acontece com a taxa de desemprego, situada regularmente abaixo dos quatro por cento. Na Suíça, as taxas de juros também são tradicionalmente baixas. A taxa de poupança é elevada (Poupança nacional em % do rendimento nacional bruto de 2009: 30,8 %). A chamada quota do estado mede em percentagem as despesas de administrações públicas em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Essa quota contém as despesas dos orçamentos públicos, bem como os seguros sociais obrigatórios, sendo na Suíça correspondente a 34,6 % (2009). A maioria dos países europeus apresentou uma quota nitidamente mais elevada situada acima de 50 %. O orçamento financeiro federal é saudável. Isso se aplica tanto às finanças do estado central, ao nível federal, como também aos cantões e suas comunidades. A quota de excedentes ao nível do estado em 2010 foi de 0,5 %. O endividamento federal também está abaixo da maioria dos países europeus. As dívidas totais do poder público perfazem 39 % do PIB (2010). Comparativamente à média dos países da UE (78,9 %), a quota de endividamento da Suíça é relativamente baixa: a maioria dos países europeus apresenta valores nitidamente mais elevados (2009: Itália: 115,9 %; França: 77,7 %; Alemanha: 73,2 %. Departamentos Federais Suíços Idiomas: Alemão, Inglês, Francês, Italiano Eidgenössisches Finanzverwaltung EFV (Administração Financeira Federal) Idiomas: Alemão, Francês, Italiano 12 Manual para investidores 2012

5 1.5 Neutralidade. No que se refere à política externa, a Suíça procura manter o princípio da neutralidade, porém ela não desempenha, de forma alguma, um papel indiferente na política mundial: desde 2002, a Suíça é membro da ONU e participa, de forma activa, nas organizações especiais da ONU. Além disso, a Suíça está envolvida desde há muito tempo em importantes organizações políticoeconómicas, tais como a Associação Europeia de Livre Comércio EFTA. Durante mais de 500 anos, o lema «não interfiram nos litígios estrangeiros», do conhecido São Niklaus von Flüe ( ), dominou a política suíça. O país é neutro desde 1515, o que também foi reconhecido após as guerras napoleónicas de 1815 pelas grandes potências europeias. Nenhum outro país na Europa pode se orgulhar de uma tradição tão longa de neutralidade. Porém, desde o fim da Guerra Fria, a Suíça afrouxou a sua compreensão de neutralidade. Pelo facto de o papel da OTAN ter alterado sua actuação servindo muito mais a missões de manutenção da paz a Suíça aderiu, em 1996, ao programa «Parceria para a paz» da OTAN. Graças à sua neutralidade, a Suíça actua frequentemente como mediadora e, em alguns casos, os diplomatas suíços chegam a representar os interesses de países que não mantêm um contato oficial uns com os outros. E, para tanto, a Suíça oferece seu território neutro para delicados encontros políticos e conferências. Eidgenössisches Departement für auswärtige Angelegenheiten (Departamento Federal de Assuntos Externos) Idiomas: Alemão, Inglês, Francês, Italiano 1.6 População. A população residencial permanente da Suíça é de aproximadamente 8 milhões. A parcela de pessoas com idade entre 20 e 39 anos representa 26,6 %, enquanto que 16,8 % dos habitantes têm 65 anos ou mais, e 21,0 % têm menos de 20 anos. A expectativa de vida é uma das mais elevadas do mundo: 79,8 anos para os homens e 84,4 anos para as mulheres. Comparativamente, a estrutura da área residencial é descentralizada e, com isso, fácil de entender: mais de dois terços da população vivem nas cinco maiores cidades (Zurique, Genebra, Basileia, Berna e Lausane) e em seus arredores. São quatro os idiomas reconhecidos no país: alemão (64 %), francês (20 %), italiano (7 %) e romanche (1 %). No norte, leste e na parte central da Suíça fala-se alemão, apesar de o dialecto (Suíço alemão) dominar na comunicação oral. Na Romandia, na parte ocidental do país, bem como, em parte, na parte central, a linguagem do cotidiano é o francês. No sul da Suíça (Ticino) fala-se italiano e romanche em partes do Cantão de Graubünden. Na Suíça, 22 % dos habitantes possuem cidadania estrangeira. Enquanto que no passado pessoas de classes sociais mais baixas imigravam para a Suíça, desde a introdução do direito de livre circulação para as pessoas dos países-membros da UE/EFTA o país tem atraído, de forma elevada, estrangeiros de camadas sociais mais elevadas, sendo que se deve mencionar, sobretudo, a imigração de mão-de-obra altamente qualificada da Alemanha. Bundesamt für Statistik (BfS) (Departamento Federal de Estatística) > Themen > 01 Bevölkerung (> Temas > 01 População) Idiomas: Alemão, Inglês, Francês, Italiano 1.7 A Suíça intercultural e internacional Idiomas e origem A maioria dos suíços fala, pelo menos, uma língua estrangeira. Eles a aprendem já no ensino fundamental, sendo que o inglês também é inserido desde cedo no programa de ensino. Graças à abertura do país mesmo com referência à imigração é grande a variedade de idiomas que de facto são falados e com os quais podem comunicar. Na rotina comercial internacional, além da respectiva língua falada no país, o inglês está muito presente e é utilizado pelos executivos. Manual para investidores

6 A partir de uma vivência conjunta de diversos grupos étnicos, diversas religiões e de grande parte de residentes estrangeiros tem-se como resultado um elevado grau de abertura e tolerância. Isso facilita a atuação das empresas estrangeiras na Suíça. Embora a Europa seja a principal parceira econômica, as relações com outros mercados, especialmente com as Américas e a Ásia, também são bastante intensas. Em particular, os centros financeiros de Zurique e Genebra são caldeirões de diferentes culturas. Também na área cultural, a Suíça tem uma tradição aberta para o mundo. A sua neutralidade lhe permite acesso a todos os países, sendo que ela própria está aberta a eles. Isso facilita o estabelecimento na Suíça não apenas para empresas que operam mundialmente, mas também para inúmeras organizações internacionais Investimentos directos e empresas suíças no exterior A Suíça apresenta uma das mais fortes ligações com os mercados mundiais. O estoque de capital de investimentos directos no exterior chegou, em 2009, aos 866 bilhões de francos suíços, ou 164 % do Produto Interno Bruto. Como comparação, nos Países Baixos a respectiva parte situou-se nos 107 %, na Irlanda nos 85 %. As empresas suíças com investimentos directos no exterior possuem cerca de 4,2 milhões de funcionários nas suas filiais e empresas estrangeiras. Estas também são importantes empregadoras na Suíça. Fig. 5: As economias mais abertas do mundo Fonte: KOF ETH Zurique. Índice de Globalização de 2010 Classificação total Integração internacional da economia Classificações individuais Grau de informações/acesso a informações Grau de cooperação política internacional Bélgica Áustria 2 n.a. 2 4 Países Baixos Suíça Suécia 5 n.a. n.a 5 Dinamarca Irlanda França Luxemburgo Cingapura 17 n.a Alemanha Itália Grã-Bretanha EUA Rússia Japão China Brasil Índia Manual para investidores 2012

7 1.7.3 Organizações internacionais Graças à sua independência política e ao mesmo tempo ao seu compromisso consciente, bem como a consciência internacional, a Suíça serve de plataforma a muitas organizações internacionais, entre outras, à ONU, com sede em Genebra. Adicionalmente, mais de 250 organizações não-governamentais, com status de consultoria nas Nações Unidas, têm sede na Suíça. Fig. 6: Organizações internacionais e organizações não governamentais importantes com sede na Suíça ACICI Agência de Cooperação e de Informação para o Comércio Internacional Genebra ACNUR Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Genebra ACWL Centro de Aconselhamento sobre a Legislação da OMC Genebra AMA Agência Mundial Anti-Doping Lausane BIE/UNESCO Escritório Internacional de Educação/Organização das Nações Unidas para Genebra a Educação, Ciência e Cultura BIS Banco de Pagamentos Internacionais Basileia CERN Organização Europeia de Pesquisa Nuclear Genebra CICV Comité Internacional da Cruz Vermelha Genebra Cour OSCE Tribunal de Conciliação e Arbitragem da OSCE Genebra EBU União Europeia de Radiodifusão Genebra EFTA Associação Europeia de Livre Comércio Genebra FIFA Federação Internacional de Futebol Zurique FIS Federação Internacional de Esqui Thun GFATM Fundo Global para a Luta contra a SIDA, Tuberculose e Malária Genebra IFRC Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Genebra Vermelho IIHF Federação Internacional de Hóquei no Gelo Zurique IOC Comité Olímpico Internacional Lausane IPU União Interparlamentar Genebra IRU União Internacional dos Transportes Rodoviários Genebra ISO Organização Internacional de Normatização Genebra ISSI Instituto Internacional de Ciência Espacial Berna ITCB Escritório Internacional de Têxteis e Vestuário Genebra OIM Organização Internacional para Migrações Genebra OIT Organização Internacional do Trabalho Genebra OMC Orgnaização Mundial do Comércio Genebra OMM Organização Mundial de Meteorologia Genebra OMPI Organização Mundial da Propriedade Intelectual Genebra OMS Organização Mundial da Saúde Genebra ONUG Escritório das Nações Unidas em Genebra Genebra OTIF Organização Intergovernamental para os Transportes Internacionais Ferroviários Berna UCI União Ciclista Internacional Aigle UEFA Associação Europeia de Futebol Nyon UIT União Internacional de Telecomunicações Genebra UPOV União Internacional para a Proteção das Novas Espécies Vegetais Genebra UPU União Postal Universal Berna WWF Fundo Mundial para a Natureza Gland Fonte: Eidg. Departement für auswärtige Angelegenheiten EDA, eigene Recherchen (Departamento Federal para Assuntos Externos, pesquisas individuais) Manual para investidores

8 1.8 A Suíça em números. Fig. 7: A Suíça em números Geral Moeda Franco Suíço Fuso horário CET = UTC + 1 Código DDI +41 Feriado nacional 1 de agosto Economia 1 PIB (nominal) em bilhões de CHF 550,6 Renda nacional per capita em CHF Crescimento do PIB 2,7% Taxa de inflação 0,7% Taxa de desemprego 3,9% Importações em bilhões de CHF (Produtos e Serviços) 232,4 Exportações em bilhões de CHF (Produtos e Serviços) 294,9 Superávit no orçamento, em % do PIB + 0,5 Taxa de endividamento em % do PIB 39,0 Taxa tributária em % do PIB 29,7 Investimentos diretos em bilhões de CHF Estoque de capital no exterior Estoque de capital na Suíça Exportações de capital ao exterior Importações de capital para a Suíça População 1 População com residência permanente x ,8 Densidade demográfica por km² 188,6 Grupos de idade 0-19 anos 21,0 % anos 26,6 % anos 35,5 % anos 12,0 % 80 anos ou mais 4,8 % Porcentagem de estrangeiros 22,0 % Quantidade média de crianças para cada mulher 1,5 Expectativa de vida (anos) Homens 79,8 Mulheres 84,4 Religião Católicos romanos 41,8 % Evangélicos reformados 35,3 % Outros 22,9 % Idiomas Alemão 63,7 % Francês 20,4 % Italiano 6,5 % Reto-romanche 0,5 % Outros 9,0 % Geografia Área em km² Fronteiras em km Quantidade de lagos Montanha mais alta (em m) (Dufourspitze, Wallis) Maior geleira (Aletsch, Wallis) 117 km²/24 km Maior lago (em km²): Lago de Genebra 582 Segundo maior lago (em km²): Lago de Constança 539 Capital Berna Maior aglomeração x mil habitantes Zurique 1.170,0 Genebra 521,4 Basileia 498,0 Berna 350,8 Lausane 330,9 Política Forma de estado Estado federal parlamentar desde 1848, democracia direta Cantões 20 cantões, 6 semi-cantões Comunas Fontes: Bundesamt für Statistik BFS (Departamento Federal de Estatística); Schweizerische Nationalbank SNB (Banco Nacional da Suíça); Eidgenössische Finanzverwaltung EFV (Administração Financeira Federal), 1 Dados sobre a economia e a população referentes a 2010 (alguns de 2009) 16 Manual para investidores 2012

Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com

Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com Manual para investidores. Estabelecer uma empresa na Suíça. Edição Abril 2012 invest-in-switzerland.com Dados de Publicação Editor Osec Communication and Marketing, Zurique Texto Generis AG, Schaffhausen

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

17 a 24 JANEIRO DE 2016 FICHA DE MERCADO FICHA DE MERCADO CARACTERÍSTICAS GERAIS NOME OFICIAL: República Socialista do Vietname ÁREA: 331.210 km2 LIMITES: Faz fronteira com a República Popular da China

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS

ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS ENTIDADES CRIADAS POR ESTADOS-NAÇÕES INSTITUIÇÕES MULTILATERAIS INTERESSES EM COMUM REGULAÇÃO PRÓPRIA ÓRGÃOS DE DIREÇÃO DIREITO DE LEGAÇÃO - OBSERVADOR CARÁTER GERAL DE COOPERAÇÃO

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- A imagem a

Leia mais

Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015. Geografia

Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015. Geografia Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 8ºgeo303r PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015 Geografia 3º TRIMESTRE EUROPA: Aspectos econômicos, Bloco econômico, Aspectos físicos e População

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida EDUCADORA: BIANCA CORREA AGOSTO DE 2015 ASPECTOS GERAIS 1 - Europa desenvolvida países com renda per capita superior a US$ 15 MIL, altamente

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

- Logo oficial da ONU. Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea

- Logo oficial da ONU. Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea - Logo oficial da ONU Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea Banco Mundial (WB) Fornece empréstimos para países em desenvolvimento Banco Internacional para construção

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas 5ª Oficina de Trabalho Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Manaus, 30 de agosto de 2006 Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas Olivier Zehnder Primeiro Secretário Embaixada da

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

2. Estrutura económica.

2. Estrutura económica. 2. Estrutura económica. A Suíça é uma das economias mais liberais e competitivas do mundo. O país é um dos pioneiros da globalização. A segurança jurídica e os fundamentos de decisão estáveis a longo prazo,

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia Prof.: ROBERT OLIVEIRA união européia: a formação do bloco europeu O bloco europeu teve seu início com a formação do BENELUX em 1944, com o intuito de reconstruir a

Leia mais

CAPÍTULO EUROPA CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

CAPÍTULO EUROPA CARACTERÍSTICAS FÍSICAS 9º ANO CAPÍTULO EUROPA CARACTERÍSTICAS FÍSICAS REVISÃO GERAL P R O F. J O S E V A L D O M E L O Sidnei Moura OBSERVE O MAPA. Europa - Divisão Política - 2006 Fonte: Leda Ísola; Vera Caldini, Atlas geográfico

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Os Tigres Asiáticos. made in Hong Kong, made in South Korea, made In Taiwan e Cingapura

Os Tigres Asiáticos. made in Hong Kong, made in South Korea, made In Taiwan e Cingapura Os Tigres Asiáticos made in Hong Kong, made in South Korea, made In Taiwan e Cingapura O Surgimento dos Tigres Guerra Fria 1945 Busca de Espaços de Influencias: Plano Colombo; China se torna Comunista

Leia mais

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES ZONA DE LIVRE- COMÉRCIO Estágio inicial de integração. Eliminação gradativa de barreiras comerciais entre os países-membros. O Nafta é um exemplo de

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ A União Europeia e os seus parceiros norte-americanos, os Estados Unidos da América e o Canadá, têm em comum os valores da democracia, dos direitos humanos e da liberdade

Leia mais

E S P A N H A DADOS PRINCIPAIS: Nome oficial: Coordenadas geográficas Nacionalidade: Data nacional: Capital Cidades principais: Idioma: Religião:

E S P A N H A DADOS PRINCIPAIS: Nome oficial: Coordenadas geográficas Nacionalidade: Data nacional: Capital Cidades principais: Idioma: Religião: E S P A N H A DADOS PRINCIPAIS: Nome oficial: Reino da Espanha (Reino de España). Coordenadas geográficas: 40º 00' N, 4º 00' W Nacionalidade: Espanhola. Data nacional: 12 de outubro de 1492 (Aniversário

Leia mais

A procura de uma paz duradoura: a ONU

A procura de uma paz duradoura: a ONU Escola Básica Adriano Correia de Oliveira A procura de uma paz duradoura: a ONU Cláudia Sousa N.º6 Fabiana Ferreira N.º8 Joaquim Araújo N.º11 Mauro Lopes N.º12 Telmo Pires N.º15 9.ºA 2011/2012 Escola Básica

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3 ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3 1) O Conselho de Segurança da ONU pode aprovar deliberações obrigatórias para todos os paísesmembros, inclusive a de intervenção militar, como ilustra a reportagem. Ele é composto

Leia mais

A União Europeia e o Mundo

A União Europeia e o Mundo A construção europeia é tão importante para os cidadãos europeus, como a sua existência constitui uma referência, tanto em termos sócio-económicos como politicos, fundamental ao equilíbrio mundial. Desde

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA OBSERVE A FIGURA ABAIXO E RESPONDA À QUESTÃO 16.

PROVA DE GEOGRAFIA OBSERVE A FIGURA ABAIXO E RESPONDA À QUESTÃO 16. 13 PROVA DE GEOGRAFIA OBSERVE A FIGURA ABAIXO E RESPONDA À QUESTÃO 16. Escala: 1:160 000 Fonte: Prefeitura de Belo Horizonte QUESTÃO 16 O mapa representa Belo Horizonte e sua divisão administrativa regional.

Leia mais

Alguns dados sobre a China

Alguns dados sobre a China CHINA "...de que país a China é colônia? É colônia de cada país com quem firmou um tratado, e todos os países que têm um tratado com a China são seus donos. Assim, a China não é somente escrava de uma

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I CAPÍTULO I OS NÚMEROS DA CRISE A crise de 1929 consistiu, acima de tudo, numa queda generalizada da produção em quase todo o mundo industrializado (com exceção da URSS e do Japão). Convém primeiro entendê-la

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

12. Educação e pesquisa.

12. Educação e pesquisa. 12. Educação e pesquisa. Para a economia de um país com pouca matéria-prima, uma mão-de-obra bem formada e capaz de inovar é de suma importância. Portanto, a política suíça de educação e pesquisa está

Leia mais

As baleias da economia mundial

As baleias da economia mundial A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ As baleias da economia mundial Nesta aula vamos conhecer a Índia e a República Popular da China, dois países que apresentaram rápido crescimento econômico

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa. Resenha Integração Regional

Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa. Resenha Integração Regional Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 17 de junho de 2008 Irlanda vota contra o Tratado de Lisboa Resenha Integração Regional Diego Cristóvão

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 1. População: - Crescimento populacional - O espaço urbano e o processo de urbanização - Teorias demográficas. 2. Mundo contemporâneo:

Leia mais

7. Imóveis. 7.1 Procura da propriedade adequada.

7. Imóveis. 7.1 Procura da propriedade adequada. 7. Imóveis. Enquanto que a oferta de imóveis para fins comerciais é variada, os imóveis residenciais são escassos, nos centros, como também ocorre em outras cidades internacionais. Na busca por propriedades

Leia mais

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China Resumo - Geografia Japão Japão - Tigres - China O Arquipelago Niponico Principais Ilhas 1. Hokkaido 2. Honshu 2 1 CLIMAS 3. Shikoku 4. Kyushu 4 3 JAPÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Cerca de 127 milhões de hab.

Leia mais

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA O QUE É GEOGRAFIA 01. (Ufpe) Vamos supor que um determinado pesquisador escreveu o seguinte texto sobre a Amazônia brasileira. "A Amazônia brasileira, uma das principais regiões do País, está fadada ao

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Dr. WOLNEI TADEU FERREIRA novembro 2014 O que é a IBA e o que ela significa

Leia mais

2) Leia atentamente a manchete da revista abaixo e escolha a alternativa correta:

2) Leia atentamente a manchete da revista abaixo e escolha a alternativa correta: ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO DOS ESTUDOS INDEPENDENTES DO ANO 2013 Aluno: Nº: 9º ano: Matéria: Geografia Valor: 30,00 pontos Nota: Professora: Claudia Vicentino Supervisora: Daniella

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO 9ºano Crescimento económico -> Aumento regular da produção de bens e serviços numa sociedade num determinado espaço e período de tempo. -> O crescimento económico é um meio para alcançar o desenvolvimento.

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Tensões Separatistas na Bélgica

Tensões Separatistas na Bélgica Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 18 de fevereiro de 2008 Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves

Leia mais

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF Desenvolvimento Mundial e Concentração de CO 2 (ppm) 9 360 PIB Per

Leia mais

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF 1 1000 1500 1600 1700 1820 1870 1913 1950 1970 2008 PIB Per Capita

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental.

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental. Alaska Havaí Canadá Estados Unidos Setentrional Ocidental COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA ASPECTOS FÍSICOS 1 - montanhas 2 - planícies 3 - planaltos 1 2 3 R E L E V O RELEVO 1 1) Bacia do Ártico: sofre limitação

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Observações metodológicas Página 2 Enfoque da pesquisa Mensurar o sentimento e a confiança do consumidor no futuro da economia Padrões

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4 46 As reformas neoliberais implementadas pelos dois últimos governos conferiram ao Brasil a imagem de um país conduzido segundo um determinado modelo econômico. O referido modelo busca um desenvolvimento:

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

TRABALHAR NO ESTRANGEIRO. Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir

TRABALHAR NO ESTRANGEIRO. Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir TRABALHAR NO ESTRANGEIRO SUÍÇA Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir 1. Representação institucional 2. Associações Portuguesas 3. Comunidade Portuguesa

Leia mais