TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL setembro / 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL setembro / 2011"

Transcrição

1 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL setembro / 2011

2

3 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL setembro / 2011

4 4 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL

5 PREFÁCIO O Brasil vive uma situação ímpar no mundo: além de contar com perspectivas positivas de crescimento econômico, conta também com um bônus demográfico significativo para alimentar e catalisar tal crescimento. Ou seja, a expansão esperada da População Economicamente Ativa deverá ser suficiente para atender a demanda projetada por profissionais. O desafio que se impõe ao País, portanto, é o de como tratar as lacunas em formação e circulação 1 de pessoas a fim de transformar este bônus em vantagem competitiva na constituição de um polo internacional de investimentos e negócios. Este documento é a terceira publicação da BRAiN (Brasil Investimentos e Negócios) e aprofunda o entendimento sobre talentos e capital humano, um dos pilares da atratividade de um polo, conforme apresentado no relatório Atratividade do Brasil como polo internacional de investimentos e negócios, lançado pela BRAiN em junho de Além de apresentar um diagnóstico da situação atual do conjunto brasileiro de talentos, o presente relatório busca exemplificar esforços positivos da iniciativa pública e privada no campo da qualificação, via educação, e maior oferta de mão de obra, além de adicionar uma visão propositiva de como tratar a situação atual no País. Para preparar este material, a BRAiN realizou, com o apoio do The Boston Consulting Group, um trabalho envolvendo análises, entrevistas e workshops com especialistas e formadores de opinião dos setores público e privado. As conclusões deste estudo, incluindo as proposições feitas ao longo de todo o trabalho, irão definir a agenda de diálogo que a BRAiN pretende estabelecer com as esferas pública e privada para que o Brasil continue desenvolvendo seu conjunto de talentos, tornando-se assim ainda mais atrativo como polo internacional de investimentos e negócios. 1 Circulação de pessoas envolve a entrada de profissionais estrangeiros no País e a saída de profissionais brasileiros para atuar no exterior Criada em 2010, a BRAiN tem como objetivo assegurar a materialização de uma visão multissetorial da América Latina como uma rede regional de negócios fortemente interconectada, dentro da qual o Brasil deve atuar como um dos polos proeminentes. A BRAiN almeja gerar consenso e ação nos diversos setores da economia ao redor dessa ideia e conta, para isso, com 13 associados atualmente: ANBIMA, BM&FBOVESPA, FEBRABAN, Fecomercio, Banco Bradesco, Banco do Brasil, Banco Santander, Banco Votorantim, BTG Pactual, CETIP, Citibank, HSBC e Itaú-Unibanco. Mais informações sobre a BRAiN e sua visão se encontram no site

6 6 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL ÍNDICE Sumário Executivo 8 Talentos para um polo de negócios 16 Demografia 22 Formação de pessoas 26 Quantidade de educação 34 Qualidade da educação 39 Alinhamento do ensino com o mercado 55 Internacionalização da formação 65 Circulação de talentos 74 Brain gain 74 Brain drain 82 Conclusão 88

7 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 7

8 8 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL SUMário executivo Na elaboração do relatório Atratividade do Brasil como polo internacional de investimentos e negócios, lançado pela BRAiN em junho de 2011, foi realizado um extenso trabalho de pesquisa, análise de dados, entrevistas e workshops com especialistas e formadores de opinião dos setores público e privado, objetivando a definição e mensuração da atratividade do Brasil como polo de investimentos e negócios. O resultado deste esforço foi a definição dos sete pilares que constituem a visão BRAiN dos pré-requisitos fundamentais para a formação e a excelência de um polo atrativo de investimentos e negócios (veja Diagrama 1), e a análise das fortalezas e oportunidades para melhoria do Brasil em cada um deles. No presente documento, será dado um enfoque mais detalhado e propositivo para o pilar Talentos e Capital Humano. A escolha do pilar de talentos como um dos principais focos da BRAiN não aconteceu por acaso: o tema merece esforços extras por ser essencial para a formação do polo e por ser ponto de convergência de interesse de todos os atores da sociedade é de consenso geral que talentos são definidores do crescimento econômico do país, são o principal foco dos líderes de negócios no mundo no próximo ano e são necessários à realização de qualquer negócio, em especial aos característicos de um polo de investimentos e negócios. No geral, o conjunto de talentos brasileiro não tem boa avaliação quando comparado internacionalmente é o 25º colocado entre 30 países no mundo e ocupa a terceira posição entre 10 países na América Latina, de acordo com o Global Talent Index 2. Além disso, é o país com a segunda maior dificuldade de se contratar pessoas entre 37 nações, de acordo com a Manpower 3, empresa de serviços de recursos humanos. A formação de um conjunto de talentos tem como base três elementos principais: a demografia, a formação de pessoas e a circulação de talentos (veja Diagrama 2). A análise detalhada de tais elementos mostra que o Brasil tem diferentes níveis de evolução e necessita de distintos esforços em cada um deles. Os possíveis esforços e próximos passos foram discutidos e mapeados em várias entrevistas e workshops conduzidos pela BRAiN com seus associados e especialistas no assunto, dando origem às proposições apresentadas neste documento. 2 Fonte: Heidrick & Strugles, Global Talent Index 3 Fonte: Manpower 2010 Talent Shortage Report

9 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 9 DIAGRAMA 1 Sete grandes pilares fundamentam a formação e excelência de um polo de investimentos e negócios 7. IMAGEM DO PAÍS 6. CONECTIVIDADE 5. INFRAESTRUTURA FÍSICA 4. INFRAESTRUTURA FINANCEIRA 3. TALENTOS E CAPITAL HUMANO 2. AMBIENTE INSTITUCIONAL 1. AMBIENTE MACROECONÔMICO

10 10 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL DIAGRAMA 2 Três elementos formam o conjunto de talentos brasileiro: demografia, formação de pessoas e circulação de talentos Componentes do conjunto de talentos brasileiro DEMOGRAFIA Demografia é base para a formação de um conjunto de talentos. Significa a disponibilidade ou não de População Economicamente Ativa para formar a força de trabalho do país Permite fechar lacunas temporárias de pessoas na economia Provê a quantidade de pessoas para o conjunto de talentos Capacita as pessoas a exercer diferentes funções na economia Circulação de talentos se refere à importação e exportação de profissionais. A circulação é fenômeno natural e deve ser gerida para trazer benefícios ao país a. Brain gain b. Brain drain Formação transforma pessoas em talentos por meio dos ensinos básico, técnico, superior, de línguas estrangeiras e por meio de experiências internacionais FORMAÇÃO DE PESSOAS a. Quantidade de educação b. Qualidade da educação c. Alinhamento do ensino com o mercado d. Internacionalização do ensino Permite importar expertise internacional e ampliar/ consolidar a formação dos talentos nacionais CIRCULAÇÃO DE TALENTOS

11 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 11 No elemento da demografia, o Brasil apresenta uma grande vantagem estrutural quantitativa: o bônus demográfico. Projeções mostram que o País é hoje a maior economia no mundo a contar com expectativa de equilíbrio positivo entre oferta e demanda de mão de obra nos próximos dez anos. Todas as economias atualmente maiores que o Brasil (Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, França e Reino Unido) terão sua demanda por talentos crescendo mais rápido que sua População Economicamente Ativa. Diante da constatação de tal vantagem, passa-se então para a análise dos dois outros componentes do conjunto brasileiro de talentos: a formação de pessoas e a circulação de talentos, aspectos em que o Brasil tem promovido avanços, mas para os quais esforços adicionais significativos são requeridos para suprir as necessidades e suplantar as deficiências. Inicialmente, será analisada a seguir a formação de pessoas, subdividida em quatro dimensões: quantidade de educação, qualidade da educação, alinhamento do ensino com o mercado e internacionalização da formação. Quantidade de educação. Apesar da estruturação tardia, a educação no Brasil tem realizado importantes avanços e já alcançou a quase universalização do ensino fundamental, existindo ainda espaço para o aumento da quantidade de matrículas 4 nos ensinos médio e superior: A taxa de matrícula líquida no ensino fundamental brasileiro, obrigatório, era de 93% em 2007, acima da média global de 88% e próxima da universalização; A taxa de matrícula líquida no ensino médio brasileiro, a se tornar obrigatório em 2016, era de 77% em 2007, acima da média global de 68%, mas ainda longe da universalização; A taxa de matrícula bruta no ensino superior brasileiro era de 30% em 2007, abaixo da média global de 38% e com o maior espaço para ampliação. As sessões de trabalho com associados da BRAiN e especialistas no assunto levaram à compilação das seguintes proposições para tratar as lacunas da quantidade de educação: Expandir ensino técnico, garantindo alinhamento com as necessidades do mercado; Implementar sistema de gestão meritocrática das escolas brasileiras para combater a evasão; Melhorar a administração das escolas e a qualificação dos professores; 4 Fonte: UNESCO Aumentar as possibilidades de financiamento de alunos para expansão de matrículas do ensino superior.

12 12 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL Qualidade da educação. Já o cenário qualitativo da educação no Brasil é mais preocupante - o País tem desempenho bastante deficiente nos ensinos fundamental e médio e, apesar de contar com algumas universidades de destaque na América Latina, tem a maioria de suas instituições de ensino classificadas em níveis medianos ou inferiores: O ensino fundamental brasileiro teve o 12º pior desempenho médio na prova internacional PISA 5 de 2009, apesar de ter apresentado a terceira maior melhoria entre os 65 países pesquisados desde 2006; Somente cinco universidades brasileiras figuram entre as 600 melhores no mundo 6. As sessões de trabalho com associados da BRAiN e especialistas no assunto levaram à compilação das seguintes proposições para tratar as lacunas da qualidade da educação: Aumentar verbas disponíveis para o ensino como um todo; Racionalizar a distribuição de recursos, com maior foco no ensino médio; Aumentar e melhorar a remuneração dos professores; Melhorar o nível dos professores e motivá-los; Aprimorar o monitoramento da qualidade do ensino superior; Promover maior interação das instituições de ensino superior com o mercado. Alinhamento do ensino com o mercado. O atual baixo nível de alinhamento do ensino com as necessidades do mercado também é um aspecto que enfraquece o conjunto de talentos brasileiro: O ensino brasileiro tem o quinto pior alinhamento com as necessidades do mercado entre 58 países de acordo com pesquisa com executivos realizada pelo IMD 7 ; Apenas entre 2% a 4% das pesquisas realizadas no Brasil são de coautoria com empresas, enquanto em universidades dos EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido e Coreia do Sul este número fica em torno de 10% a 20% 8. As sessões de trabalho com associados da BRAiN e especialistas no assunto levaram à compilação das seguintes proposições para tratar as lacunas do alinhamento do ensino com o mercado: Racionalizar requisitos de contratação flexibilizando exigências quando apropriado; Alinhar níveis de remuneração e oportunidades de carreira com competências; Criar agenda de ensino de médio e longo prazo alinhada com competências exigidas no mercado; 5 Programme for International Student Assessment: prova periodicamente aplicada pela OCDE a estudantes de 15 anos 65 países 6 Fonte: QS World University Rankings IMD World Competitiveness Yearbook 8 Fonte: Center for Science and Technology Studies- Leiden University (Holanda)

13 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 13

14 14 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL Promover a aproximação entre ensino acadêmico e mercado de trabalho; Financiar pesquisa acadêmica direcionada às necessidades das empresas; Estruturar sistema nacional de certificações. Internacionalização da formação. As deficiências no ensino de idiomas estrangeiros e em vivência internacional são bastante conhecidas no Brasil: 43% dos executivos brasileiros afirmam que o conhecimento de idiomas no País não atende às necessidades do mercado, de acordo com pesquisa com executivos realizada pelo IMD 7 ; O Brasil tem menos de 0,1 estudante por mil habitantes saindo do País para fazer intercâmbio, número que cai para quase zero em se tratando de estudantes internacionais fazendo intercâmbio estudantil no Brasil 9. As sessões de trabalho com associados da BRAiN e especialistas no assunto levaram à compilação das seguintes proposições para tratar as lacunas da internacionalização da formação: Aumentar a quantidade e a qualidade do ensino de idiomas no ensino básico; Universalizar os cursos extracurriculares de idiomas; Elevar exposição dos alunos aos idiomas estrangeiros; Expandir o número de convênios entre instituições de ensino do Brasil e do exterior para intercâmbio de alunos; Ampliar a vivência internacional dos estudantes brasileiros. Terceiro elemento de um conjunto de talentos, a circulação de talentos é realidade crescente no mundo cada vez mais globalizado em que vivemos e, se bem gerida, pode trazer grandes benefícios para o Brasil. Entretanto, o País não trata bem nenhum dos aspectos de circulação de talentos: nem do brain gain, que constitui a entrada de profissionais estrangeiros no País, nem do brain drain, que diz respeito à saída de talentos brasileiros para atuar no exterior: O Brasil é apenas o 27º entre os 58 países no ranking de atratividade para profissionais estrangeiros de acordo com executivos, mas a atração brasileira começa a melhorar com o desempenho da economia, a instalação de multinacionais e o desenvolvimento de pontos de interesse específicos como na área de P&D 10 ; 9 Fonte: IMD World Competitiveness Online 10 Fonte: IMD World Competitiveness Yearbook, analisando a aderência à seguinte afirmação: Foreign high-skilled people are attracted to your country s business environment

15 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 15 Executivos julgam o Brasil como um dos países com maior dificuldade para a entrada de profissionais imigrantes em função dos processos excessivamente burocráticos de obtenção de vistos e de documentos 11 ; O Brasil não tem iniciativa estruturada para lidar com sua rede de expatriados: o País tinha em 2009 aproximadamente 3 milhões de talentos nacionais residindo no exterior, quase 1,5% de sua população 12. Outros países em desenvolvimento, como Chile e Índia, têm iniciativas de gestão de suas diásporas. As sessões de trabalho com associados da BRAiN e especialistas no assunto levaram à compilação das seguintes proposições para tratar as lacunas de circulação de talentos: Mapear as competências em falta no País, com divulgação mundial; Desburocratizar e flexibilizar seletivamente os processos de imigração; Montar grupo de empresas para recrutamento conjunto de estrangeiros; Criar instrumento e/ou entidade para gestão estruturada de expatriados. O Brasil parte de base sólida para construir seu conjunto de talentos, mas tem ainda importantes passos a dar para consolidar seu pilar de capital humano como ponto de atração de seu polo de negócios. Tais ações de avanço estão especialmente concentradas nos elementos de formação de pessoas e de circulação de talentos e têm consecução factível se contarem com o envolvimento de todos os setores da sociedade. O potencial do conjunto brasileiro pode ser ainda mais concretizado se gerido por um órgão multissetorial que assuma a responsabilidade de mapear o conjunto nacional com suas lacunas atuais e futuras para programar iniciativas necessárias para eliminá-las, como mostram as referências internacionais que serão apresentadas neste relatório, caso de Austrália e Reino Unido. 11 Fonte: IMD World Competitiveness Yearbook 12 Fonte: Ministério das Relações Exteriores do Brasil A BRAiN convida todos os representantes e membros da sociedade que tenham interesse em participar de diálogos estratégicos, bem como de grupos de trabalho para aprimorar o conjunto brasileiro de talentos, e consequentemente a atratividade do Brasil como polo de investimentos e negócios, a entrar em contato pelo

16 16 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 01 Talentos para um polo de negócios Um polo de negócios baseia-se na existência de atividades que suportem a interação econômica entre diferentes agentes. Por sua natureza, portanto, a formação de um polo depende integralmente da existência de um conjunto de talentos estruturado e desenvolvido, o qual possa fornecer mão de obra e conhecimento técnico necessários para viabilizar a realização de todas as atividades. O fato de o pilar de talentos e capital humano ser essencial para um polo de negócios é ilustrado por sua importância para o desenvolvimento econômico nacional, sobre a qual concordam diversos dos grandes economistas contemporâneos, como Paul Romer e Robert Barro. Economista da Universidade de Harvard, Barro, por exemplo, identifica o capital humano de um país como um dos três elementos-chave para o desenvolvimento econômico, junto com a governança econômica e o nível de partida da renda per capita no país. A importância econômica de talentos é também ilustrada pelos efeitos que sua escassez começa a causar na economia brasileira: a falta de mão de obra qualificada se apresenta como potencial limitador do crescimento nacional, sendo comuns os noticiários de imprensa sobre empresas com obras e atividades atrasadas por falta de trabalhadores. Além disso, essa mesma situação começa a gerar pressão inflacionária: a primeira ata de 2011 do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BACEN) alerta para o risco de a falta de mão de obra provocar um aumento dos salários reais superior ao aumento da produtividade do País (veja Quadro A).

17 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 17

18 18 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL QUADRO A Indisponibilidade de talentos no Brasil gera pressão inflacionária A falta de mão de obra no Brasil começa a gerar pressão inflacionária. A ata de janeiro de 2011 da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BACEN) apontou para o risco de aumento da inflação brasileira devido à estreita margem de ociosidade dos fatores de produção, especialmente de mão de obra. Em tais circunstâncias, um risco importante reside na possibilidade de concessão de aumentos nominais de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade, afirma o documento. A preocupação revelada na ata do Copom está alinhada com os aumentos de salários que vêm sendo concedidos devido à falta de mão de obra no País, os quais acabam refletindo em expansão de custos e de preços ao consumidor. Ilustração de tal fato se dá pelo exemplo citado na mesma ata: a expansão anual de 7,77% [em 2010] experimentada pelo indicador [Índice Nacional da Construção Civil INCC], ante 3,25% em 2009, esteve associada, em especial, ao aumento de 10,41% no custo da mão de obra. Nesta mesma linha, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 97% das categorias que negociaram aumentos salariais no primeiro semestre de 2010 os obtiveram em proporções superiores à inflação. O aumento salarial não está ocorrendo apenas nas carreiras técnicas e operacionais, mas em todos os níveis das organizações. De acordo com pesquisa realizada pelo jornal Valor Econômico, os diretores de empresas tiveram um aumento de 36% em sua remuneração total em 2010 em relação a A pesquisa foi realizada com 189 empresas de capital aberto e publicada em abril de O problema de pressão inflacionária advinda da falta de mão de obra não ocorre somente no Brasil - o mesmo risco foi apontado pelo Banco Central da China desde o meio de Talentos e capital humano também estão no topo da agenda dos executivos das empresas em todo o mundo. De acordo com a Pesquisa Anual Global de líderes de negócios, lançada no início de 2011 pela PricewaterhouseCoopers (PwC), estratégias de gestão de talentos serão o maior foco de mudanças durante os próximos meses (veja Diagrama 3). Por ter o setor de serviços como base, um polo apresenta demanda ainda mais intensa por talentos, já que o segmento é o que utiliza maior qualificação de pessoas: no Brasil, 67% dos empregados no setor têm pelo menos ensino médio completo e 25% dos mesmos trabalhadores têm ensino superior completo, proporções essas que caem para 43% e 9%, respectivamente, no restante da economia brasileira 13. Apesar de sua importância para a constituição do polo brasileiro, o conjunto nacional de talentos não tem boa colocação se comparado aos conjuntos de talentos de outras nações. Ao contrário, o Brasil é o 25º colocado entre 30 países do Global Talent Index Dados referentes ao total de empregados formais no Brasil ao final de Fonte: RAIS-CAGED 14 Fonte: Heidrick & Strugles, Global Talent Index

19 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 19 DIAGRAMA 3 Talentos estão nas agendas de executivos no mundo todo Talentos serão foco de mudanças nos próximos meses Intenção de executivos globais de realizarem mudanças em suas organizações nos próximos 12 meses - ref.: 2011 Estratégia de gestão de talentos 17% 52% 31% Abordagem de gestão de riscos 23% 54% 23% Decisões de investimentos 23% 48% 28% Estrutura organizacional (incluindo M&A) 25% 47% 27% Reputação corporativa e reconstrução de confiança 36% 41% 22% Estrutura de capital Envolvimento com board de diretores Fonte: Pesquisa Anual Global de líderes de negócios da PwC, pesquisa na mídia 50% 34% 15% 50% 34% 12% % de respondentes Sem mudanças Alguma mudança Grandes mudanças (veja Diagrama 4), atrás de Ucrânia, Tailândia, África do Sul e Egito, por exemplo. Além disso, as empresas brasileiras têm a segunda maior dificuldade de contratar pessoas, de acordo com a empresa de serviços de recursos humanos Manpower 15 (veja Diagrama 5), especialmente em função das lacunas em formação e circulação de profissionais. Quando comparado em nível regional, o conjunto de talentos brasileiro ocupa o terceiro lugar entre 10 países da América Latina analisados, atrás do Chile e do México 16. Por outro lado, o Brasil está em primeiro lugar em demografia e qualidade de ensino superior mas, novamente, falha em outros aspectos de formação e de circulação de pessoas. 15 Fonte: Manpower 2010 Talent Shortage Report 16 Fonte: Heidrick & Strugles, Latin American Talent Index No presente relatório são exploradas a situação atual e as oportunidades de ação sobre o conjunto brasileiro de talentos à luz da necessidade de consolidá-lo para permitir a formação do polo de negócios no País. A abordagem se dará por meio dos três elementos formadores de um conjunto e que serão tratados nos capítulos a seguir: demografia, formação de pessoas e circulação de talentos (veja Diagrama 2, na página 10).

20 20 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL DIAGRAMA 4 Conjunto de talentos brasileiro ainda não tem boa classificação se comparado com benchmarks internacionais Brasil está em 25º lugar de 30 países no Global Talent Index Formação e circulação de talentos são principais lacunas brasileiras Estados Unidos Reino Unido Canadá Holanda Suécia China Alemanha Austrália França Índia Espanha Malásia Coreia do Sul Japão Polônia Itália Ucrânia Rússia México Grécia Argentina Tailândia África do Sul Egito Brasil Turquia Arábia Saudita Nigéria Indonésia Irã Demografia 5º Formação de talentos CIrculação de talentos 23º 26º 23º 24º Demografia (PEA 1 ) Qualidade do ensino obrigatório Qualidade do ensino nas universidades e escolas de negócio Mobilidade e abertura do mercado de trabalho local Capacidade de atrair talentos de outros países PEA: População Economicamente Ativa. Nota: além dos itens apresentados, ranking considera também Qualidade do ambiente para gerar e desenvolver talentos em que o Brasil está em 19º e Capacidade para atrair investimentos estrangeiros diretos, em que o país está em 18º. / Fonte: Global Talent Index 2012, Heidrick & Strugles; análise BCG Nessa nova era de grande volatilidade e organizações enxutas, talentos estão se tornando o novo isso substituindo o capital como diferenciador competitivo [...]. Estamos entrando em uma nova era: a Era Humana. Jeff Joerres, CEO e Chairman da Manpower Inc.

21 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 21 DIAGRAMA 5 64% das empresas no Brasil têm dificuldade em encontrar profissionais, o segundo maior índice global % de empresas com dificuldades para encontrar talentos % 11% 9% 4% 23% 21% 19% 18% 17% 16% 16% 15% 14% 31% 30% 30% 29% 29% 27% Média global 31% 45% 44% 43% 42% 41% 40% 38% 36% 36% 36% 35% 35% 35% 53% 53% 51% 64% Ranking de funções de acordo com escassez de talentos no Brasil Técnicos 1 Trabalhadores manuais 2 Operadores de produção Assistentes administrativos Operários Engenheiros Motoristas Staff de finanças e contabilidade Técnicos em TI Representantes de vendas 1. Operadores, técnicos de manutenção, engenheiros. 2. Eletricistas, encanadores, marceneiros, carpinteiros etc. Nota: Brasil é segundo colocado de 36 países. / Fonte: Manpower 2010 Talent Shortage Report.

22 22 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 02 DEMOGRAFIA A demografia constitui a base bruta para a formação de um conjunto qualificado de talentos, isto é, representa a disponibilidade ou não da População Economicamente Ativa (PEA), que é a matéria-prima para formar a força de trabalho de um país. A avaliação de projeções de crescimento econômico e das populações em idade para trabalhar em países desenvolvidos mostra que demografia deve começar a ser um problema. Um estudo feito pelo HSBC 17 mostra que, enquanto a economia desses países deve continuar crescendo nos próximos anos, o contrário deve acontecer com o tamanho de sua população em idade de trabalho. Tal fato, se não for acompanhado de aumento na produtividade dos trabalhadores, pode gerar um grande apagão de talentos (veja Diagrama 6). 17 Relatório The World in 2050 do HSBC DIAGRAMA 6 Crescimento da PEA em países desenvolvidos não acompanhará o crescimento de sua economia Crescimento econômico previsto é positivo......mas PEA cresce somente em países em desenvolvimento PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO 2 PAÍSES DESENVOLVIDOS 1 Crescimento da economia - % a.a. 3,2 2,6 2,0 1,2 0,9 1970s 1980s 1990s 2000s 2010s Crescimento da economia - % a.a. 1,6 1,2 0,8 0,8 0,8 1970s 1980s 1990s 2000s 2010s TACC ,9% 0,9 0,9 1,0 2020s 2030s 2040s TACC ,8% 1,8 1,8 1,9 2020s 2030s 2040s Pessoas em idade de trab. (bilhões) TACC ,1% 0,77 0,84 0,81 0, Pessoas em idade de trab. (bilhões) TACC ,5% 5,14 4,48 3,70 2, Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá, Espanha, Austrália, Holanda, Suécia, Suíça, Bélgica, Áustria, Noruega, Dinamarca, Grécia, Finlândia, Irlanda 2. China, Índia, Brasil, Coreia do Sul, México, Argentina, Rússia, Turquia, Indonésia, Arábia Saudita, Polônia, Hong Kong, África do Sul, Tailândia, Israel, Cingapura, Irã, Egito, Venezuela, Malásia, Colômbia / Nota: PEA = População economicamente ativa / Fonte: The World in 2050 do HSBC, Organização das Nações Unidas; análise BCG

23 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL Oferta e demanda são puramente quantitativas nesta análise não consideram a qualificação das pessoas 19 Stimulating Economies through Fostering Talent Mobility Nesse contexto, o Brasil parte de grande vantagem estrutural, sendo a maior economia atual a apresentar crescimento de PEA superior ao crescimento esperado na demanda por pessoas para o trabalho 18, como mostra o estudo divulgado pelo BCG em conjunto com o Fórum Econômico Mundial (WEF) no início de (veja Diagrama 7). Todas as economias atualmente maiores que a brasileira Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, França e Reino Unido terão sua demanda por pessoas crescendo a taxas maiores que a sua oferta de trabalhadores. DIAGRAMA 7 Brasil e Índia serão as maiores economias do mundo com equilíbrio positivo entre oferta e demanda de PEA Lacuna entre crescimento da oferta e da demanda por trabalhadores RUS -0,6% CAN -0,3% GBR -1,1% SUE 0,3% ALE -0,7% EUA -0,6% MEX 0,4% ESP 0,1% FRA -0,7% ITA -1,3% BRA 1,6% POL -2,6% TUR -1,3% EGT 2,0% IND 1,8% IDN -O,3% COR -2,6% JAP -2,3% CHN -1,7% AFS 0,9% AUS -1,2% Falta de mão de obra Falta ou excesso limitado Aumento de mão de obra Diferença média entre cenários com e sem efeitos da crise econômica mundial Nota: dados apresentados com base em visão quantitativa, não refletem fatores qualitativos (e. g. qualificação dos profissionais) / Fonte: Stimulating Economies through Fostering Talent Mobility,BCG & WEF; EIU CountryData; análise BCG

24 24 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL A consciência sobre a escassez de mão de obra já começou a gerar debates no mundo. O Fórum Econômico Mundial discutiu o assunto pelo segundo ano consecutivo em sua reunião de Davos em 2011 e já lançou o segundo relatório sobre a mobilidade de talentos como forma de lidar com a falta de mão de obra global. Empresas também começam a pensar em estratégias para solucionar sua dificuldade de contratar talentos e afirmam que devem aumentar o recrutamento internacional e considerar mudar de localidade em busca de maior disponibilidade de trabalhadores (veja Diagrama 8). DIAGRAMA 8 Empresas moldarão suas estratégias pela busca por talentos Empresas consideram mudar suas estratégias para solucionar o problema de falta de mão de obra % de empresas que consideram mudar de local atrás de talentos % de empresas que consideram realizar recrutamento internacional AMÉRICA DO NORTE 7 18 AMÉRICA DO NORTE AMÉRICA 8 AMÉRICA 20 LATINA 1 32 LATINA EUROPA 2 EUROPA ÁFRICA ÁFRICA ÁSIA 16 ÁSIA 22 EMERGENTE 3 38 EMERGENTE 3 64 ÁSIA 9 ÁSIA 27 DESENVOLVIDA 4 19 DESENVOLVIDA 4 57 REGIÃO 3 REGIÃO 33 DO PACÍFICO 5 14 DO PACÍFICO Inclui México 2. Inclui Rússia 3. China, Índia, Indonésia, Malásia, Papua Nova Guiné, Filipinas, Sri Lanka, Tailândia e Vietnã. 4. Japão, Hong Kong, Cingapura, Coreia do Sul e Taiwan. 5. Austrália e Nova Zelândia. / Fonte: BCG People Advantage Report 2008, Global Talent Risk Seven Responses, WEF & BCG; análise BCG

25 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 25 Estamos entrando em uma era de escassez de talentos nunca vista, a qual, se deixada sem solução, freará o crescimento econômico ao redor do mundo e vai fundamentalmente mudar a forma como lidamos com desafios de mão de obra. Jean Charest, Premier de Quebec, Canadá Partindo de uma base demográfica favorável e rara em grandes economias, o Brasil tem a possibilidade de atrair empresas e transformar seu conjunto de talentos em um dos diferenciais de seu polo de negócios. Para isso, no entanto, não basta ter um número suficiente de pessoas. É necessário garantir fortalezas também nos outros dois elementos do conjunto: formação e circulação. Se não os tiver desenvolvidos, o conjunto de talentos brasileiro poderá contribuir para o efeito contrário, a saber, o de esvaziamento dos negócios nacionais devido à simples exportação de pessoas para outras economias, dado o maior recrutamento internacional por outros países (veja Diagrama 9). DIAGRAMA 9 Disponibilidade de talentos qualificados será determinante na atração de empresas e negócios para o Brasil O Brasil poderá atrair empresas... Se tiver um conjunto de talentos desenvolvido, o Brasil pode atrair empresas que busquem localidades com mão de obra qualificada disponível EMPRESAS DEVEM MIGRAR PARA PAÍSES COM MAIOR DISPONIBILIDADE DE MÃO DE OBRA A PARTIR DA DISPONIBILIDADE DE PESSOAS, O BRASIL PODE ACABAR ATRAINDO EMPRESAS OU SIMPLESMENTE EXPORTANDO TALENTOS GESTÃO DA DISPONIBILIDADE SERÁ ELEMENTO DE DIFERENCIAÇÃO...ou simplesmente exportar talentos Sem um conjunto de talentos bem desenvolvido, no entanto, o Brasil intensificará seu papel de exportador de mão de obra qualificada para o exterior TALENTOS DEVEM MIGRAR DE PAÍSES COM EXCESSO DE MÃO DE OBRA PARA PAÍSES COM ESCASSEZ

26 26 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 03 FORMAÇÃO DE PESSOAS A formação da População Economicamente Ativa de um país é necessária para transformá-la em conjunto de talentos efetivo. Sem capacitação, a existência de pessoas em idade para trabalhar não garante o fornecimento de mão de obra para o crescimento nacional e nem para atender às empresas instaladas ou que venham a se instalar no país. A análise de dados internacionais mostra alta correlação entre os anos de escolaridade e a renda per capita da população, ou seja, o nível de bem-estar e de crescimento econômico. Países em que a população tem um número médio de anos de estudo mais elevado também apresentam maior renda nacional per capita, se destacando Estados Unidos, Alemanha e Nova Zelândia, por exemplo (veja Diagrama 10). 100 RENDA PER CAPITA NACIONAL US$ mil PPP em 2010 DIAGRAMA 10 Educação, base para a formação de pessoas, é determinante para o desenvolvimento de um país Países outliers com baixa educação e alta renda são grandes exportadores de petróleo KUWAIT CATAR BRUNEI GUINÉ EQUATORIAL BRASIL ESTADOS UNIDOS ALEMANHA NOVA ZELÂNDIA Fonte: Dados utilizados para o cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano da ONU; análise BCG ANOS DE ESCOLARIDADE média em 2010

27 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 27

28 28 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL A realidade internacional encontra também paralelo no caso brasileiro. Um estudo lançado em fevereiro de 2011 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) 20 ilustra a importância da formação de talentos para a economia brasileira ao concluir que investimentos em educação são os investimentos sociais que mais geram resultados econômicos no Brasil. Aumentos de 1% do PIB em investimentos em educação têm retorno de 1,85% no crescimento da economia, ante 1,70% para saúde e 1,57% para demanda agregada, por exemplo. Analogamente, aumentos dos investimentos em educação contribuem mais também para a expansão da renda familiar (veja Diagrama 11). 20 Gastos com a Política Social: alavanca para o crescimento com distribuição de renda do IPEA DIAGRAMA 11 No Brasil, investimentos em educação são os que mais geram retornos econômicos No Brasil, educação é o investimento social que mais contribui para o crescimento do PIB... Aumento no PIB decorrente de um aumento de 1% do PIB em cada tipo de gasto... e também para o maior crescimento na renda familiar brasileira Aumento da renda familiar decorrente de um aumento de 1% do PIB em cada tipo de gasto EDUCAÇÃO 1,85% EDUCAÇÃO 1,67% SAÚDE 1,70% SAÚDE 1,44% DEMANDA AGREGADA 1,57% DEMANDA AGREGADA 1,17% INVESTIMENTO EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1,54% INVESTIMENTO EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1,14% EXPORTAÇÕES DE COMMODITIES 1,40% EXPORTAÇÕES DE COMMODITIES 1,04% Multiplicador do PIB brasileiro (%) Multiplicador da renda familiar brasileira (%) Fonte: Gastos com a Política Social: alavanca para o crescimento com distribuição de renda do Ipea No Brasil, a educação teve estruturação tardia: somente em 1930 o País criou o Ministério da Educação e transformou a educação básica em compulsória (veja Diagrama 12), o que já havia acontecido em países da Europa e da América do Norte durante o século XIX. A partir dos anos 30, o nível de formação da população brasileira evoluiu aceleradamente, em especial nas últimas décadas. Entre 1920 e o final dos anos 2000, a taxa de escolarização aumentou de 9% para 86%, a taxa de alfabetização subiu de 30% para 90% e o número de matrículas nos ensinos fundamental e médio de 1 milhão para 42 milhões (veja Diagrama 12).

29 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 29 DIAGRAMA 12 Educação no Brasil alcançou importantes avanços em sua história recente A educação no Brasil tem história recente e evoluiu bastante desde seu início em # de anos de ensino compulsório Média OCDE de 10,4 anos será ultrapassada pelo Brasil em Estruturação da educação no Brasil foi tardia: Europa e EUA a fizeram no século XIX Incluíndo 4 anos de inglês Incluíndo 3 anos de espanhol O País teve avanços significativos em escolarização, alfabetização e matrículas % da população 90 Alfabetização (15 anos +) Escolarização (5 a 19 anos) # de matrículas (M) Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior 1. Dados de 1980 estimados como ponto médio entre os anos 1970 e 1990 para continuidade de dados. Dados dos anos 1990 referem-se a Escolarização é a porcentagem dos estudantes (de um grupo etário) em relação ao total de pessoas (do mesmo grupo etário). Fonte: MEC, Inep, IBGE, IPEA; Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação; análise BCG

30 30 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL Os avanços da educação brasileira em um curto espaço de tempo colocam o nível educacional da População Economicamente Ativa (PEA) nacional em posição superior à dos países que têm também equilíbrio positivo entre oferta e demanda de mão de obra: 40% da PEA brasileira têm pelo menos o ensino médio completo, enquanto a mesma proporção cai para 38% no Paquistão, 37% no México, 29% na Indonésia e 9% na Índia (veja Diagrama 13). Se comparado com países desenvolvidos, no entanto, o Brasil tem ainda bastante a evoluir: em Hong Kong, Cingapura, Reino Unido e Estados Unidos, as porcentagens da população que têm pelo menos o ensino equivalente ao médio completo são 70%, 75%, 79% e 91%, respectivamente (veja Diagrama 13). DIAGRAMA 13 Nível educacional brasileiro é superior ao de outros países com equilíbrio positivo entre oferta e demanda de PEA Polos de negócios internacionais Populações com excesso de PEA % da PEA por nível educacional % da PEA por nível educacional % 11% 23% 52% CINGAPURA 1% 12% 17% 39% 31% HONG KONG 9% 13% 46% 33% REINO UNIDO 9% 29% 62% ESTADOS UNIDOS 38% 17% 17% 20% 5% 12% 35% 19% 22% 4% 5% 7% ÍNDIA 1 INDONÉSIA 5% 29% 27% 15% 22% MÉXICO 8% 11% 23% 18% 31% 9% BRASIL Ensino superior Ensino Médio Ensino fundamental até 8 a série Ensino fundamental até 4 a série Pré-escola Nenhum 1. Segmentação da Índia estimada de acordo com quebra da população do censo de 2001 / Fonte: Organização Internacional do Trabalho, The Economist, Censo Indiano 2001; análise BCG Apesar de estar atrás de outros centros de negócios importantes, diversos exemplos mostram que a evolução do Brasil é possível se os esforços forem bem geridos. Os Tigres Asiáticos Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan tinham, na década de 1960, nível educacional similar ao atual brasileiro e hoje contam com nível equivalente ao de países desenvolvidos como Estados Unidos e Reino Unido, servindo de benchmark para a evolução que a educação no Brasil precisa experimentar nos próximos anos (veja Diagrama 14).

31 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 31 DIAGRAMA 14 Evolução educacional nos Tigres Asiáticos foi importante para o crescimento econômico Capital humano foi responsável por grande parte do crescimento dos Tigres Asiáticos Crescimento médio anual econômico a 1990 COREIA DO SUL 4,4% 1,7% 4,4% 10,5% TAIWAN 3,6% 2,4% 3,6% 9,6% Capital financeiro Produtividade Capital humano CINGAPURA -0,3% 6,1% 2,7% 8,5% HONG KONG 3,0% 2,3% 2,0% 7,3% Fonte: The Tyrany of the Numbers em Economics of Development Perkins, Radelet, Snodgrass, Gillis, Roemer O caso de transformação do sistema educacional da Coreia do Sul é um dos mais emblemáticos e reconhecidos no mundo (veja Diagrama 15). Na década de 1960, o porcentual da população com ensino médio completo era muito parecido com o do Brasil, ambos ficando abaixo de 10% do total 21. A partir daí, a Coreia do Sul passou a focar esforços neste nível de ensino, chegando em 1995 a um patamar de 40% do total, enquanto o Brasil ainda engatinhava, tendo 10% da população com ensino médio completo. Entre outros fatores, o investimento da Coreia do Sul em capital humano permitiu que a taxa de crescimento da sua renda per capita girasse em torno de 8,4% a.a. de 1960 a 2010, saindo de um nível menor que o do Brasil e chegando, hoje, a uma renda per capita equivalente a mais que o dobro da brasileira. Algumas mudanças implementadas pela Coreia do Sul tiveram papel fundamental em transformar a educação do país e em contribuir para o seu desenvolvimento, e o Brasil tem todas as condições de focar seus esforços e atingir os mesmos resultados. Entre as iniciativas, destacam-se principalmente a concentração dos recursos direcionados à educação no ensino fundamental; a ênfase na importância dos professores durante o processo de aprendizado, revisando a política salarial e o tempo dedicado aos alunos; e, principalmente, a busca de alinhamento da educação superior com as necessidades do mercado. A trajetória de Cingapura ao longo das últimas décadas é similar à da Coreia do Sul. Partindo de níveis educacionais subdesenvolvidos na década de 1960, Cingapura tem agora um dos melhores desempenhos educacionais do mundo. Hoje, 80% dos alunos cumprem o período mínimo de escolaridade de 16 anos e o país tem o quarto melhor desempenho médio na prova PISA 22 entre 65 países avaliados. 21 Fonte: Banco Mundial 22 Programme for International Student Assessment. Aplicado a 65 países em 2009: OCDE + convidados. Fonte: OCDE A evolução de Cingapura se deu com base no aumento quantitativo aliado à melhoria educacional qualitativa. O enfoque na preparação de professores teve destaque especial: houve incentivo aos jovens mais talentosos a seguirem carreira de magistério; aumento do prestígio e dos salários de professores, tornando estes competitivos no

32 32 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL DIAGRAMA 15 Coreia do Sul mostrou que mudança de patamar educacional é possível, se bem gerenciada Com patamares iniciais parecidos, Coreia do Sul deu salto em nível educacional antes do Brasil e colheu bons frutos econômicos A revolução educacional sul-coreana teve apoio forte do governo e iniciativas estruturadas Escolaridade Brasil e Coreia do Sul % da população com ensino secundário completo 1 40,8 8,7 10,6 4,2 37,8 COREIA DO SUL 26,3 BRASIL Mudança educacional na Coreia do Sul focou em alguns pontos chave para garantir sucesso: Investimento público concentrou-se em assegurar ensino fundamental de qualidade e foi complementado por investimento privado no ensino superior Papel dos professores foi enfatizado Política salarial atrativa Dedicação exclusiva e a uma só escola Ênfase em tempo para atendimento aos alunos Maior alinhamento da educação superior com as necessidades do mercado Incentivo à formação técnica Criação de institutos voltados para ciência e tecnologia Até 1995, nível coreano era ~4 vezes maior que o brasileiro Renda per capita (US$ PPP mil) TACC ( ) COREIA DO SUL 2,6 8,4 17,2 29,6 8,4% BRASIL 3,7 5,4 7,4 11,2 3,7% 1. População maior de 15 anos Fonte: Banco Mundial; EIU; pesquisa na mídia; análise BCG mercado; e formação de educadores por meio de intensa prática pedagógica (análoga à residência médica). Além disto, a utilização de recursos tecnológicos foi priorizada e houve uma mudança de mentalidade em relação à forma de administrar escolas: focou-se em melhorias de qualidade, definição de visão e missão, e profissionalização da gestão, tal como acontece com empresas privadas, buscando a melhoria de desempenho. Abu Dhabi é outro exemplo de evolução na educação, mais focado no alinhamento da formação com as necessidades do mercado. Frente a um desafio de diversificação econômica, o governo de Abu Dhabi estruturou um amplo projeto de revisão do sistema educacional, utilizando as melhores práticas de outras nações, que mapeou as projeções de crescimento do país e de setores específicos, bem como da mão de obra qualificada. O mapeamento deu origem a um plano detalhado de investimentos e ações na área da educação, com acompanhamento quinzenal ou mensal durante a implementação das iniciativas, não só

33 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL 33 daquelas do setor público como também das iniciativas das empresas e das instituições de ensino (veja Diagrama 16). Algumas iniciativas executadas em Abu Dhabi incluem: Priorização do modelo misto de educação, no qual as escolas são responsáveis por proverem o estudo teórico e as empresas por proverem o ensino prático e técnico em seus próprios laboratórios e/ou através de estágios; Concessão de bolsas de pesquisa para os assuntos priorizados pelo governo, como forma de direcionar a produção acadêmica do país; Estabelecimento de um amplo processo de inspeção e certificação de escolas para garantir uma qualidade mínima de ensino; Flexibilização da burocracia migratória para profissionais qualificados nas áreas priorizadas ou em demanda apontadas pelo mapeamento geral. Partindo de base sólida, o Brasil tem condições de avançar na formação de profissionais para seu conjunto de talentos. Serão analisados nas próximas seções o status e os próximos passos necessários à formação de pessoas no Brasil por meio de seus quatro elementos principais: a quantidade de educação, a qualidade da educação, o alinhamento da formação com as necessidades do mercado e a sua internacionalização. DIAGRAMA 16 Abu Dhabi mostra que iniciativas focadas podem aumentar alinhamento do ensino com necessidades do mercado Ministério da Educação buscou alternativas para a falta de mão de obra especializada Em esforço de diversificação de sua economia, Abu Dhabi precisava solucionar falta de mão de obra qualificada em setores foco. Exemplos: Indústria de manufatura leve Energia renovável Tratamento de água (dessalinização) Serviços médicos Diversas iniciativas foram geradas e cerca de 35% já foram implementadas Mais de 20 iniciativas para reestruturação foram definidas, focando em objetivos claros, incluindo: Garantir alinhamento com as necessidades do mercado Aumentar empregabilidade dos cidadãos Tornar o ensino técnico acessível Desenvolver habilidades de gestão do sistema em entidades do governo envolvidas Sem sistema de educação técnica coesa no país, o governo estruturou projeto de revisão e desenho desta área de ensino Benchmarking amplo envolvendo diversos países FINLÂNDIA / INDONÉSIA / AUSTRÁLIA / DINAMARCA PAÍSES BAIXOS / JAPÃO / BÉLGICA / ÁUSTRIA / ALEMANHA SUÍÇA / ESTADOS UNIDOS / IRLANDA / FRANÇA / HUNGRIA CANADÁ / CINGAPURA / NORUEGA / SUÉCIA REINO UNIDO / MÉXICO / ÁFRICA DO SUL / ARGENTINA EGITO / ESCÓCIA / REPÚBLICA TCHECA / TURQUIA Engajamento extenso com empresas e entidades educacionais Primeiras iniciativas já foram implementadas no país Mudanças legais e institucionais necessárias à implementação do novo modelo de educação foram realizadas Empresas já estão em contato com instituições de ensino Processo de inspeção e certificação das escolas está implementado, garantindo qualidade e informação aos alunos sobre opções disponíveis Fonte: análise BCG

34 34 TALENTOS E CAPITAL HUMANO PARA O POLO DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS NO BRASIL QUANTIDADE DE EDUCAÇÃO A análise da quantidade de educação em um país diz respeito ao entendimento do alcance da escolarização à população em geral. Esta seção focará apenas na quantidade, embora se reconheça e seja abordado mais adiante no relatório que a qualidade do ensino tenha papel fundamental na formação de talentos. Garantir o acesso universal à educação é o primeiro passo necessário para consolidação da base de ensino, a partir da qual se podem discutir melhorias qualitativas. Com as evoluções em sua relativamente curta história educacional, o Brasil tem hoje taxa de matrícula líquida 23 no ensino fundamental de 93%, superior à média global e próxima da universalização (veja Diagrama 17). A vitória da quase universalização do ensino fundamental no Brasil data da última década e é resultante de esforços governamentais na construção de escolas. O grande desafio agora está relacionado à redução das taxas de abandono e de evasão escolar 24, que giram em torno de 5% e 14%, respectivamente. Como resultado, ao final do ensino fundamental, apenas 63% das crianças se formam com idade correta neste nível Exclui matriculados repetentes e pessoas fora de idade escolar 24 Abandono é a saída do ano letivo para volta no ano seguinte. Evasão é o abandono definitivo 25 Fonte: Movimento Todos pela Educação DIAGRAMA 17 Ensino fundamental no Brasil é quase universalizado e dá boa base para o conjunto brasileiro Ensino fundamental no Brasil está quase universalizado Taxa de matrícula líquida entre pessoas de idade escolar % em top 10: 99% média global: 88% JAPÃO MÉXICO CHILE BRASIL Fonte: UNESCO, Movimento Todos Pela Educação; análise BCG

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado.

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. Em 1900, o País chegou a ter 7,3% da população composta por imigrantes; hoje, tem apenas 0,3%.

Leia mais

Educação para o Desenvolvimento

Educação para o Desenvolvimento Educação para o Desenvolvimento FIESC Jornada pela Inovação e Competitividade Florianópolis, 19 de julho de 2012 gustavo.ioschpe@g7investimentos.com.br gioschpe A Educação no Brasil 74% da população brasileira

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado.

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. Em 1900, o País chegou a ter 7,3% da população composta por imigrantes; hoje, tem apenas 0,3%.

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

36% INTRODUÇÃO. a maior porcentagem em 7 anos. A 9ª edição da Pesquisa sobre a Escassez de Talentos revelou que, em todo o mundo,

36% INTRODUÇÃO. a maior porcentagem em 7 anos. A 9ª edição da Pesquisa sobre a Escassez de Talentos revelou que, em todo o mundo, A Escassez de Talentos Continua Como o do RH, em Constante EVOLUÇÃO poderá SUPRIR ESTA NECESSIDADE INTRODUÇÃO A 9ª edição da Pesquisa sobre a Escassez de Talentos revelou que, em todo o mundo, 36% dos

Leia mais

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL Ranking traz a Suíça em primeiro lugar, seguida de Cingapura e EUA O Brasil perdeu uma posição no Ranking Global

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Paulo Oliveira A aspiração é tornar o Brasil um polo de uma rede regional interconectada, com conexões globais otimizadas Modelo relacional atual Estrutura

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Os governos prestam cada vez mais atenção às comparações internacionais, uma vez que procuram políticas públicas efetivas, capazes de melhorar os indicadores

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Análise dos processos de Visto de Trabalho

Análise dos processos de Visto de Trabalho Análise dos processos de Visto de Trabalho O Brasil avançou significativamente nos últimos anos 1999 10 anos 2009 PIB / capita: +140% IED: + 70% Classe média: +30 milhões 2 Fontes: UNCTADStat, IPEA E se

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Observações metodológicas Página 2 Enfoque da pesquisa Mensurar o sentimento e a confiança do consumidor no futuro da economia Padrões

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA?

GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA? GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA? F A B I O B E T I O L I C O N T E L D E P T O. D E G E O G R A F I A F F

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO Edna Bedani Abril 2013 MUITO PRAZER, SOMOS A EDENRED! Uma empresa internacional, líder em cartões e vouchers de serviços pré-pagos.

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011 O DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho Janeiro/2011 O modelo atual (1994/2010) MAIS QUE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO É UM MODELO DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

Global Citizens of Tomorrow

Global Citizens of Tomorrow Global Citizens of Tomorrow O programa Global Citizens of Tomorrow é uma parceria do AFS Intercultural Programs e da British Petroleum, que oferecerá oito bolsas de estudos para um ano letivo nos Estados

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Q2 213 Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Expectativa de Emprego Manpower Brasil Sumário Q2/13 Expectativa de Emprego no Brasil 1 Comparativo por Região Comparativo por Setor

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Soluções Globais de Mobilidade

Soluções Globais de Mobilidade Soluções Globais de Mobilidade Soluções Globais de Mobilidade POLÍTICAS PARA A GESTÃO DE EXPATRIADOS Se a sua empresa está criando sua primeira política de transferências internacionais ou revisando sua

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Seminário Internacional Portugal - Brasil

Seminário Internacional Portugal - Brasil UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Gustavo Santos ast.porto@itamaraty.gov.br Setor de Cooperação Científica Superior Consulado-Geral do Brasil no Porto Seminário

Leia mais

Com o objetivo de trazer alguma luz sobre estas questões, elaboramos este trabalho que tem a seguinte estrutura.

Com o objetivo de trazer alguma luz sobre estas questões, elaboramos este trabalho que tem a seguinte estrutura. . Apresentação O presente trabalho foi realizado para o Seminário Internacional Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento pelos Departamentos de Pesquisas Econômicas (DEPECON) e de Competitividade

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

ATRATIVIDADE DO BRASIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS 2011 /# 1

ATRATIVIDADE DO BRASIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS 2011 /# 1 ATRATIVIDADE DO SIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS 2011 /# 1 ATRATIVIDADE DO SIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS 2011 /# 1 4 ATRATIVIDADE DO SIL COMO POLO INTERNACIONAL

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Os países do BRIC: dando suporte à economia global

Os países do BRIC: dando suporte à economia global Os países do BRIC: dando suporte à economia global International Business Report 212 Este relatório analisa a ascensão das economias do BRIC, a sua importância crescente para a economia global e as tendências

Leia mais

Como a tecnologia pode contribuir para a missão de Educação Financeira Responsabilidade Social Corporativa Visa Inc.

Como a tecnologia pode contribuir para a missão de Educação Financeira Responsabilidade Social Corporativa Visa Inc. Como a tecnologia pode contribuir para a missão de Educação Financeira Responsabilidade Social Corporativa Visa Inc. Sabrina Sciama Relações Corporativas Brasil Quem somos Visa é uma empresa global de

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

2013 pesquisa Sobre Escassez de RESULTADOS

2013 pesquisa Sobre Escassez de RESULTADOS 2013 pesquisa Sobre Escassez de TALENTOs RESULTADOS Introdução Para a Pesquisa Anual de Talentos 2013, o ManpowerGroup entrevistou recentemente cerca de 40.000 empregadores em 42 países e territórios.

Leia mais

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF Desenvolvimento Mundial e Concentração de CO 2 (ppm) 9 360 PIB Per

Leia mais

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF 1 1000 1500 1600 1700 1820 1870 1913 1950 1970 2008 PIB Per Capita

Leia mais

Escalando a muralha de Zhõngguó

Escalando a muralha de Zhõngguó ASSUNTO em pauta Getty Images Escalando a muralha de Zhõngguó Competitividade, desafios sociais e futuros consumidores chineses. Por Marcelo Zorovich 11 R E V I S T A D A E S P M março / abril de 011 D

Leia mais

Pesquisa de Q2 2012. Expectativa de Emprego Manpower Brasil

Pesquisa de Q2 2012. Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Q2 212 Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Expectativa de Emprego Manpower Brasil Sumário Q2/12 Expectativa de Emprego no Brasil 1 Comparativo por Região Comparativo por Setor

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Educação, Inovação e Competitividade Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Origem do estudo Por que alguns países têm excelente desempenho e outros têm fraco desempenho

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais