Reforma Política, Eleitoral e o Financiamento Político Prof. Dr. Ricardo W. Caldas Departamento Ciência Política Universidade de Brasília (UnB)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma Política, Eleitoral e o Financiamento Político Prof. Dr. Ricardo W. Caldas Departamento Ciência Política Universidade de Brasília (UnB)"

Transcrição

1 Reforma Política, Eleitoral e o Financiamento Político Prof. Dr. Ricardo W. Caldas Departamento Ciência Política Universidade de Brasília (UnB) 1

2 Introdução Objetivos: Discutir os objetivos de uma Reforma Política; Discutir os principais sistemas eleitorais; Apresentar vantagens e desvantagens de cada um; Discutir aspectos positivos e negativos do sistema eleitoral brasileiro; Propor as bases de uma Reforma Política.. 2

3 O Significado do Voto e Representação O Sistema Política hoje funciona por intermédio dos Representantes, que são aos parlamentares O conceito de representação é um conceito moderno, pois na democracia antiga (Grécia) os indivíduos participavam diretamente 3

4 Sistema Político São objetivos de um Sistema Político, inter ali Promover a Representação da população; Determinar quem pode votar e ser votado; Regular o sistema de governo do país; Estabelecer como se dará a divisão de poderes (Exec. Leg. Jud), bem como a sua fiscalização Estabelecer limites para a atuação do governo; Determinara a transitoriedade dos mandatos; Promover a troca pacífica dos detentores do poder; Permitir que a população participe desse processo, DIRETA E INDIRETAMENTE; 4 Responder à população sobre sua atuação

5 A Reforma Eleitoral O Sistema Eleitoral é a forma de se transformar a opinião de um eleitor (ou conjunto de eleitores ) na vontade da maioria. As pessoas votam de acordo com regras estipuladas pelo Sistema Político. A esse conjunto de regras é dado o nome de Sistema eleitoral. 5

6 Objetivos de uma Reforma Política Aumentar a legitimidade de um Sistema Político Diminuir a distância do eleitor de seus representantes Aumentar a participação do cidadão - direta e indireta - nos assuntos nacionais, como prevê a Constituição Aperfeiçoar os instrumentos de Representação:os Partidos Políticos (Gramsci O Moderno Príncipe ) Melhorar a qualidade da representação, diminuindo casos de representantes que usem o Mandato Parlamentar para criar um fórum privilegiado Coibir ou limitar o abuso do Poder Econômico Evitar Disfunções do Sistema (votos de protesto cacareco ) 6

7 Como Atingir os Objetivos 1 - Fortalecendo os Partidos Políticos 2 - Melhorando o Sistema Eleitoral 3 - Estabelecendo Mecanismos claros de Participação Popular 4 - Adotando o Financiamento Público de Campanhas (não necessariamente único - Modelo Misto ) 7

8 1 - Fortalecer os Partidos Políticos Adotar mecanismos claros de Financiamento Público Aumentar a Transparência dos Gastos Eleitorais Estabelecer Votos Partidários (Listas Nacionais Fechadas) Adoção de Eleições Nacionais e não por Estado Impedir Candidatos Avulsos Candidaturas Cívicas Mandato Partidário e não Pessoal Fidelidade Partidária 8

9 2 - Melhorar o Sistema Eleitoral Adoção do Sistema Eleitoral Misto Tipo Alemão : 50% de Deputados Eleitos por Listas Nacionais 50% de Deputados Eleitos Por Distritos Uninominais Financiamentos Público para o Partido e não para Candidatos Acesso Á TV par Programas dos Partidos Cláusulas de Barreira Significativas (5%) Mandato Partidário e não Pessoal 9

10 O Sistema Misto ( O Sistema Alemão ) O Sistema Misto procura reunir as vantagens dos dois sistemas O Eleitor possui dois votos (ou dois 1/2s votos). Com um dos votos, o eleitor escolhe o representante no seu distrito Com o outro voto, o eleitor escolhe um Partido entre uma lista de Partidos. Há uma barreira de 5% O voto é fechado (de legenda ou partidário) A seleção dos parlamentares é pelo voto na lista 10

11 O Sistema Misto : vantagens Reconhece e estimula o voto local Aumenta a relação eleitorado/representante É fidedigno na relação voto/partido/cadeiras Fortalece os Partidos Políticos Aumenta a responsabilidade do parlamentar com o seu Partido (fidelidade partidária). Há poucas trocas de partidos. Tende a ser um sistema estável. 11

12 O Sistema Misto : Desvantagens Caso Partido obtenha menos de 5,0% dos votos fica de fora do Parlamento (Verdes e o PC); Há poucas entradas de novos Partidos; Os atuais partidos tendem a se consolidar; Não um número fixo de Deputados. 12

13 3 - Participação Popular Sistema Semi-Direto: Plebiscito Constitucional (a Constituição e Reformas Constitucionais precisam de Aprovação Popular); Referendos(contra atos já aprovados); Iniciativas Popular em matéria Constitucional Iniciativa Popular em Matéria de Legislação; Referendo Contra as Leis; Iniciativa Popular e Referendo com Recurso em Matéria Estadual ou Local; Novas Eleições: o Recall (Suíça, EUA e Uruguai). 13

14 4- Financiamento Público O objetivo do financiamento é democratizar o acesso dos Partidos ao Poder e igualar as oportunidades de acesso; Em tese, o financiamento pode ser público ou privado Não é o fato de ter acesso a fundos privado per se que determina a justiça ou não da competição (Empresas x sindicatos, recursos nacionais x estrangeiros) Mas como são distribuídos Teoricamente, qualquer grupo que seja representativo da população deve ter acesso a fundos públicos A preocupação do legislador deve ser a de coibir o abuso do poder econômico e não necessariamente procurar extinguir as doações privadas, que podem ser diretas (dinheiro) ou indiretas (serviços, gráfica, transportes etc) para que a vontade popular possa se manifestar 14

15 Financiamento Público Na maioria dos Países há Financiamento Público O Apoio pode ser: Direto (em dinheiro) Indireto (em serviços: uso gratuito de serviços estatais como correio, concessões públicas (TV ou Rádio), ou isenções de impostos O Financiamento Direto pode ser permanente (anual) ou especial para as eleições. 15

16 Modelos de Países Permanente Permanente e eleitoral Só eleitoral Não há financiamento direto Brasil Argentina Costa Rica Bolivia Colombia El Salvador Chile Equador Honduras Panamá Nicaragua Venezuela Peru Uruguai 16

17 Financiamento Público direto para Campanhas Países Atividade Argentina Colômbia Costa Rica Equador El Salvador Honduras México Força Parlamentar Força Eleitoral Por partes iguais Mínimo de votos Partidos Candidatos (exc.) 17

18 Momento do Subsídio Anterior às Eleições Posterior às Eleições Misto (Parte antes e parte depois) 18

19 Financiamento Indireto Difusão da Propaganda no Rádio e TV (A maioria: Partes iguais) Isenções Fiscais Franquias Postais 19

20 Origem dos Recursos Aceitos Contribuições de Simpatizantes ou Filiados Porcentagem da Renda dos Funcionários do Partido Renda dos Investimentos dos Partidos Doações Privadas Nacionais 20

21 Recursos Ilícitos Empresas ou Entidades da Administração Pública (Estatais) Recursos Estrangeiros Pessoas Naturais e Empresas Privadas Contribuições Anônimas Empresas que promovam Jogos (Cassinos) 21

22 Controle Entradas Saídas (ambas) Contabilidade Permanente Eleitoral Periodicidade Eleitoral Outro Órgão 22

23 Experiência dos EUA Sistema Misto (Público e Privado) Doações de Pessoas Físicas e Jurídicas Subsídios para Convenções Existência de Political Action Committees Exigência de 5,0% dos votos Lacunas na Legislação Doação para outros candidatos Campanhas Negativas 23

24 Países Europeus Sistema Misto Todo o Financiamento da Campanha é feito via Partidos As Listas Partidárias são fechadas Há doações de Pessoas Físicas e Jurídicas até um limite As doações podem ser deduzidas do I.R. As contribuições são transparentes (o doador aparece). Publicação de Balanços Auditoria - Controle Externo e Interno 24

25 Proposta de Reforma Política e Eleitoral Adoção do Sistema Proporcional Misto ( Alemão ) Realização de eleições nacionais e não por Estado Divisão do país em distritos Campanhas partidárias e não pessoais Financiamento público (não exclusivo) das campanhas para os Partidos Fortalecimento da figura do líder partidário. 25

26 Considerações Finais As reformas eleitorais Devem ser vistas como o primeiro passo para as reformas políticas Existem inúmeras imperfeições no sistema eleitoral brasileiro hoje. Não existe no Brasil o princípio um homem um voto. O Voto do eleitor de Roraima vale mais que o do eleitor de São Paulo Há uma clara distorção na vontade do eleitor Os nossos partidos não são representativos nem refletem a vontade do eleitor A reforma eleitoral é o primeiro passo no sentido 26 corrigir tais distorções.

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

Pesquisa de Opinião Eleitoral Reforma Política Abril e Maio de 2009

Pesquisa de Opinião Eleitoral Reforma Política Abril e Maio de 2009 P1. A reforma política voltou à pauta do Congresso. Sobre a regra de transição, na opinião do (a) senhor (a), as mudanças nas legislações eleitoral e partidária: Devem vigorar de imediato, valendo para

Leia mais

A reforma política em questão

A reforma política em questão A reforma política em questão Proposta de redação: A participação dos brasileiros, de modo efetivo e organizado, é ferramenta tendente a viabilizar a reforma política. Reforma política: As cenas são diferentes,

Leia mais

SUMÁRIO DIREITO ELEITORAL... 23 JUSTIÇA ELEITORAL... 33 MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL... 53

SUMÁRIO DIREITO ELEITORAL... 23 JUSTIÇA ELEITORAL... 33 MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL... 53 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 23 1.1. Conceito.... 23 1.1.1. Competência legislativa em matéria eleitoral.... 24 1.1.2. Fontes do Direito Eleitoral.... 24 1.2. Direitos políticos.... 25 1.2.1.

Leia mais

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Maurício Elias Chacur Presidente da ABDE 40ª Reunião Ordinária da

Leia mais

Reforma Política e Eleições 2016

Reforma Política e Eleições 2016 Reforma Política e Eleições 2016 Resumo das principais alterações promovidas pela Lei nº 13.165, de 29 de setembro de 2015, e seus impactos nas eleições municipais de 2016. Diogo Mendonça Cruvinel Secretário

Leia mais

Atividade Colaborativa. Aula-tema 3: As Liberdades Públicas A Declaração de 1789

Atividade Colaborativa. Aula-tema 3: As Liberdades Públicas A Declaração de 1789 Atividade Colaborativa Aula-tema 3: As Liberdades Públicas A Declaração de 1789 TAREFA 3 Passo 01: Leia os textos abaixo. Texto 1: Espécies de Regimes Democráticos: Democracia Direta, Semidireta e Indireta

Leia mais

Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos)

Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos) Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos) Referências: Nicolau, J. M. Sistemas eleitorais; uma introdução. Rio de Janeiro: FGV. Lijphart, A. (2003). Modelos de democracia. Rio

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO

INSTITUIÇÕES DE DIREITO INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Rogério Dias Correia Tipos de democracia Democracia direta Democracia indireta Democracia semidireta 2 Conceito de Sistemas eleitorais Conjunto de regras e procedimentos utilizados

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 6.287, DE 2009 Altera a Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para regular o registro de contrato de transferência de tecnologia.

Leia mais

Manifesto pela TV Pública independente e democrática

Manifesto pela TV Pública independente e democrática Manifesto pela TV Pública independente e democrática Nós, representantes das emissoras Públicas, Educativas, Culturais, Universitárias, Legislativas e Comunitárias, ativistas da sociedade civil e militantes

Leia mais

E agora, o que mudou?

E agora, o que mudou? ELEIÇÕES 2016 E agora, o que mudou? Sobre Candidaturas Prazo de filiação partidária 06 meses antes do pleito. O prazo de domicílio eleitoral continua de 1 ano (Art. 9º da Lei 9.504/97) Prazos de desincompatibilização

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente e da Ecologia

Dia Mundial do Meio Ambiente e da Ecologia Pronunciamento da Deputada ANN PONTES, PMDB-PA., na Sessão do dia 01/06/2006. Pronunciamento Dia Mundial do Meio Ambiente Senhor Presidente, Senhoras e senhores deputados, No próximo dia 05 de junho comemora-se

Leia mais

ESTADO DEMOCRÁTICO Desde 25 de Abril de 1974

ESTADO DEMOCRÁTICO Desde 25 de Abril de 1974 O Sistema Político Português ESTADO DEMOCRÁTICO Desde 25 de Abril de 1974 1. A CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA Aprovada em 2 de Abril de 1976 em sessão plenária dos Deputados da Assembleia Constituinte Alterações:

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Participação Política e Cidadania Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir O Que é participação política? O conceito de participação política tem seu significado fortemente

Leia mais

Jornal do Servidor. 2013. O documento, que foi construído com ampla participação dos servidores através de inúmeras reuniões

Jornal do Servidor. 2013. O documento, que foi construído com ampla participação dos servidores através de inúmeras reuniões Jornal do Servidor Sindicato Único dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Blumenau Blumenau Março/Abril 2013 Mais de 1,5 mil servidores reuniram-se na praça da prefeitura, mostrando força e

Leia mais

Base para estudo do Direito Financeiro

Base para estudo do Direito Financeiro Base para estudo do Direito Financeiro Constituição da República Federativa do Brasil de 1988; Lei n 4.320, de 17 de março de 1964; Lei complementar nacional n 101, de 4 de maio de 2000; Decreto n 93.872,

Leia mais

1.2. Sistemas de representação proporcional

1.2. Sistemas de representação proporcional 1.2. Sistemas de representação proporcional Estes sistemas têm como objectivo fundamental que os órgãos reproduzam a sociedade civil que os elege, implicando uma equivalência tão exacta quanto possível,

Leia mais

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/AP provas em 08.11.2015

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/AP provas em 08.11.2015 à Prova AJAJ à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/AP provas em 08.11.2015 Olá pessoal, segue análise das questões de Direito Eleitoral da prova realizada neste último domingo, dia 08.11.2015,

Leia mais

Temas Diversos. Dia do MERCOSUL. Cartilha da Cidadania do MERCOSUL Comissão de Representantes Permanentes do Mercosul

Temas Diversos. Dia do MERCOSUL. Cartilha da Cidadania do MERCOSUL Comissão de Representantes Permanentes do Mercosul Temas Diversos Dia do MERCOSUL Norma: Decisão CMC Nº 02/00 Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela Considerando a necessidade de fortalecer a identidade regional e uma consciência favorável ao

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou à Unidade 3 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê 5 o ano Avaliação 3 o bimestre 1 Avaliação NOME: ESCOLA: PROFESSOR: TURMA:

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Orientações sobre Convenções

Orientações sobre Convenções Orientações sobre Convenções Companheiras, companheiros, O período de Convenções, de 20 de julho a 05 de agosto, está se aproximando e queremos alertar os Diretórios sobre as exigências legais a serem

Leia mais

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS CONCEITO: O direito democrático de participação do povo no governo, por seus representantes, acabou exigindo a formação de um conjunto de normas legais permanentes, que recebe a denominação de direitos

Leia mais

Estado de Pernambuco

Estado de Pernambuco Estado de Pernambuco Recife, 09 de abril de 2012 GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS SEDSDH REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO ESTADUAL DE

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA COMO AUTORIDADE CENTRAL

A EXPERIÊNCIA DA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA COMO AUTORIDADE CENTRAL 60 ANOS DA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE PRESTAÇÃO DE ALIMENTOS NO ESTRANGEIRO A EXPERIÊNCIA DA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA COMO AUTORIDADE CENTRAL OBJETIVO GERAL DA PESQUISA A pesquisa teve com

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014 Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014 14/01//2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5.

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Presidente do PS/Açores

Regulamento para a Eleição do Presidente do PS/Açores Regulamento para a Eleição do Presidente do PS/Açores Regulamento para a Eleição do Presidente do PS/Açores (Aprovado por unanimidade em reunião da Comissão Regional do PS/Açores, realizada a 17 de novembro

Leia mais

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços?

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços? 1 - Qual é a Resolução que fala sobre os Conselhos de Usuários? Resolução N o 623, de 18 de Outubro de 2013, e pode ser encontrada no site da ANATEL (www.anatel.gov.br) 2 - O que é o Conselho de Usuários?

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

O PAPEL DO CONGRESSO NACIONAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS

O PAPEL DO CONGRESSO NACIONAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS O PAPEL DO CONGRESSO NACIONAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS Adriane de Medeiros 1 Daniel Skrsypcsak² Otília Maria Dill Wohlfart³ 1 INTRODUÇÃO A sociedade brasileira busca respostas consistentes para o desafio

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador JORGE VIANA

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador JORGE VIANA PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 249, de 2011, do Senador Luiz Henrique, que cria incentivo fiscal de

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.660, DE 2000 Dispõe sobre a obrigatoriedade de publicação, no Diário Oficial e na Internet, da Declaração de Bens e Valores dos detentores

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 163, DE 2000

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 163, DE 2000 empréstimos em dinheiro, através de pessoas jurídicas de direito privado, sob penhor de bens móveis. Autor - Deputado CORIOLANO SALES Relator-Substituto - Deputado LUIZ CARLOS HAULY I - RELATÓRIO O projeto

Leia mais

REFORMA DA LEI ROUANET

REFORMA DA LEI ROUANET REFORMA DA LEI ROUANET O que é a Lei Rouanet? Lei Rouanet Lei de incentivo fiscal Lei do mecenato Lei que institui o PRONAC Hoje, a maior parte dos recursos investidos em cultura no país vem por meio da

Leia mais

Únicas propagandas políticas permitidas: (I) Partidária: programa + inserções (Lei 9096/95) (II) Eleitoral (35 dias antes das eleições) (Lei 9504/97)

Únicas propagandas políticas permitidas: (I) Partidária: programa + inserções (Lei 9096/95) (II) Eleitoral (35 dias antes das eleições) (Lei 9504/97) Eleições 2016 A divulgação dos atos e programas dos órgãos públicos deve ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, sendo proibida a promoção pessoal de servidores ou órgãos públicos (art.

Leia mais

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini para os engenheiros Engenheiro Civil Valter Fanini Formação do salário dos engenheiros O contexto macro-econômico O mercado de trabalho As informações do mercado (RAIS) As normas legais O contexto macro-econômico

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS.

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS. CAPACITAÇÃO CONSELHEIROS MUNICIPAIS Maio/2010 1º Dia PROGRAMAÇÃO 08h00 às 09h00 - Credenciamento 09h00 às 09h30 Abertura Boas vindas! 09h30 às 10h15 Exposição dialogada: Retrospectiva Luta por Direitos

Leia mais

REUNIÃO PREPARATÓRIA DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E ESTADUAL

REUNIÃO PREPARATÓRIA DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E ESTADUAL REUNIÃO PREPARATÓRIA DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E ESTADUAL Aracaju/SE Julho/2011 Sumário 1. Objetivo 2. Controle da Administração Pública Declaração dos direitos do homem Responsabilidade do gestor público

Leia mais

Ministério Público Eleitoral

Ministério Público Eleitoral Ministério Público Eleitoral O Ministério Público é uma instituição permanente, criada de forma direta pelo texto constitucional. Trata-se de uma instituição essencial à função jurisdicional do Estado,

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Direito Administrativo Licitações Lei 8.666/93 Professor Cristiano de Souza www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Administrativo LICITAÇÕES LEI 8.666/93 Conceito: Licitação é um procedimento administrativo

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado 1 JEAN-JACQUES ROUSSEAU: A VONTADE GERAL. Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado Rousseau e a democracia direta 2 Assim como os demais pensadores políticos

Leia mais

Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias. Participação Cívica dos Jovens

Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias. Participação Cívica dos Jovens Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias Participação Cívica dos Jovens Sr. Presidente Sras. e Srs. Deputados Sr. Presidente do Governo Sras. e Srs. Membros do Governo Está plasmado

Leia mais

Nótulas sobre os órgãos De soberania ABSTRACT RESUMO. marcantes do regime legal e constitucional dos órgãos de soberania portugueses.

Nótulas sobre os órgãos De soberania ABSTRACT RESUMO. marcantes do regime legal e constitucional dos órgãos de soberania portugueses. Proelium Nótulas sobre os órgãos De soberania José Fontes a1 a Departamento de Ciências Sociais e de Gestão, Universidade Aberta, Rua da Escola Politécnica, 141, 1269-001 Lisboa, Portugal/ Departamento

Leia mais

Ação do Saúde da Família para o Fortalecimento do Controle Social e da Participação Comunitária no SUS

Ação do Saúde da Família para o Fortalecimento do Controle Social e da Participação Comunitária no SUS Ação do Saúde da Família para o Fortalecimento do Controle Social e da Participação Comunitária no SUS Enfermeiro Acadêmico de Direito Justificativa: Saúde como responsabilidade do Estado - Participação

Leia mais

Oficineira Ludimilla Barbosa Formada em Direito pela Univ. Católica Dom Bosco (MS). Atua de forma autônoma em Bonito e em Campo Grande.

Oficineira Ludimilla Barbosa Formada em Direito pela Univ. Católica Dom Bosco (MS). Atua de forma autônoma em Bonito e em Campo Grande. OS TRÊS PODERES Oficineira Ludimilla Barbosa Formada em Direito pela Univ. Católica Dom Bosco (MS). Atua de forma autônoma em Bonito e em Campo Grande. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I DIREITOS POLÍTICOS... 1 CAPÍTULO II DIREITO ELEITORAL... 15 CAPÍTULO III PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL... 23

SUMÁRIO CAPÍTULO I DIREITOS POLÍTICOS... 1 CAPÍTULO II DIREITO ELEITORAL... 15 CAPÍTULO III PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL... 23 SUMÁRIO CAPÍTULO I DIREITOS POLÍTICOS... 1 1. Compreensão dos direitos políticos... 1 1.1. Política... 1 1.2. Direito Político... 2 1.3. Direitos políticos... 2 2. Direitos humanos e direitos políticos...

Leia mais

CARTA DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

CARTA DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL CARTA DO DIRETOR DA ESCOLA JUDICIÁRIA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Brasília/DF, 18 de julho de 2016. Para colaborar com o cumprimento da missão da Justiça Eleitoral de garantir a legitimidade

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE. Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE. Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência

Leia mais

Propostas de Leis para as Câmaras Municipais

Propostas de Leis para as Câmaras Municipais Propostas de Leis para as Câmaras Municipais Proposta Idealizada pelo OS de Brusque Evandro Gevaerd Figuras retiradas da internet sem indicação de direitos autorais Sugestões para os Observatórios Estabelecer

Leia mais

Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais

Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais Lei n.º 19/2003, de 20 de Junho com as alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro (Declaração de Rectificação

Leia mais

UNIC/SUL - CURSO DE DIREITO 3º SEMESTRE - 2º BIMESTRE DISCIPLINA: Direito Constitucional II Profª Maria das Graças Souto 18.05.

UNIC/SUL - CURSO DE DIREITO 3º SEMESTRE - 2º BIMESTRE DISCIPLINA: Direito Constitucional II Profª Maria das Graças Souto 18.05. UNIC/SUL - CURSO DE DIREITO 3º SEMESTRE - 2º BIMESTRE DISCIPLINA: Direito Constitucional II Profª Maria das Graças Souto 18.05.2013 EXERCÍCIOS DE REVISÃO Do Poder Legislativo 1 Quais são os tipos de atos

Leia mais

DD. PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

DD. PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DIAS TOFFOLI DD. PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Apuração de Eleição 157804 O PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA PSDB, por seus representantes, infra-assinados,

Leia mais

O que é o CMDCA O Que é o FUMCAD Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente aprovados pelo CMDCA O que faz o CMDCA

O que é o CMDCA O Que é o FUMCAD Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente aprovados pelo CMDCA O que faz o CMDCA O que é o CMDCA O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, instituído pela Lei Federal 8.069 de 1990, Estatuto da Criança e do Adolescente, criado no município pela Lei nº 780 de 1991,

Leia mais

mais MULHERES na política 1 Maioria dos brasileiros apoia reforma política para garantir maior participação das mulheres IBOPE Mídia e Direitos

mais MULHERES na política 1 Maioria dos brasileiros apoia reforma política para garantir maior participação das mulheres IBOPE Mídia e Direitos mais MULHERES na política 1 IBOPE Mídia e Direitos Maioria dos brasileiros apoia reforma política para garantir maior participação das mulheres mais MULHERES na política 3 Realização Ibope / Instituto

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL 05-10-1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL 05-10-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL 05-10-1988 É COMPOSTA DE: a) Preâmbulo b) Artigos (250) c) ADCT Atos das Disposições Constitucionais Transitórias) 94 Artigos Observação Geral Em síntese, a atual Constituição

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI Nº 1735, DE 06 DE JULHO DE 2007. "DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DE SÃO GOTARDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" Art. 1º. Fica criado o Conselho Municipal da

Leia mais

Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi

Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi Abreviaturas, xvii Nota à 7a edição, xix Prefácio, xxi I Direitos políticos, 1 1 Compreensão dos direitos políticos, 1 1.1 Política, 1 1.2 Direito político, direito constitucional e ciência política, 3

Leia mais

b) um representante, sindicalizado, da entidade sindical dos contabilistas sediada na jurisdição do Conselho Regional de Contabilidade respectiva.

b) um representante, sindicalizado, da entidade sindical dos contabilistas sediada na jurisdição do Conselho Regional de Contabilidade respectiva. DECRETO-LEI N.º 1040, DE 21 DE OUTUBRO DE 1969 Dispõe sobre os Conselhos Federal e Regionais de Contabilidade, regula a eleição de seus membros, e dá outras providências. Os Ministros da Marinha de Guerra,

Leia mais

Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios O processo de criação de uma empresa às vezes é tedioso e

Leia mais

A nova Lei dos Partidos Políticos

A nova Lei dos Partidos Políticos A nova Lei dos Partidos Políticos GUSTAVO HENRIQUE CAPUTO BASTOS SUMÁRIO Gustavo Henrique Caputo Bastos é Advogado. No último dia 20 de setembro, após quase sete anos da promulgação da nova Carta Magna,

Leia mais

O Brasil no Contexto Internacional da Troca de Informações Fiscais

O Brasil no Contexto Internacional da Troca de Informações Fiscais O Brasil no Contexto Internacional da Troca de Informações Fiscais Flora Ferreira de Almeida Maria Carolina Maldonado M. Kraljevic 20 de maio de 2016 HISTÓRICO DA TROCA DE INFORMAÇÕES FISCAIS ENTRE PAÍSES

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS

O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS SEMINÁRIO TEMÁTICO O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS 1 JUSTIFICAÇÃO: I. O vocábulo transparência está na moda. É fácil validar esta afirmação basta comprar um jornal generalista (em qualquer

Leia mais

Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997

Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo

Leia mais

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43 Departamento Intersindical de Assessoria Parlametar organiza uma tabela comparativa a partir da PEC aprovada pelo Grupo de Trabalho sobre Reforma Política na Camâra dos Deputados. O Grupo de Trabalho sobre

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ACIR GURGACZ I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ACIR GURGACZ I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 19, de 2013, primeiro signatário Senador Vital do Rêgo, que altera o art. 42 da Constituição

Leia mais

INDICE 1. REGISTRO DE CANDIDATURA

INDICE 1. REGISTRO DE CANDIDATURA INDICE 1. REGISTRO DE CANDIDATURA 1.1. Prazo para realização das convenções 1.2. Prazo para registro de candidatura 1.3. Prazo para o julgamento dos registros de candidatura (inclusive os impugnados e

Leia mais

Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política

Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política Pesquisa de Opinião com os Prefeitos sobre a Reforma Política Objetivos: Fazer um levantamento da opinião dos prefeitos brasileiros sobre a Reforma Política que está tramitando na Câmara dos Deputados.

Leia mais

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX Sumário Apresentação......................................................................................................... IX Introdução..........................................................................................................

Leia mais

Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios

Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios Desenvolvimento da Infra-Estrutura de Transportes: Perspectivas e Desafios José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente da CNI Presidente do Conselho de Infra-Estrutura da CNI Brasília, 28 de novembro de

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MAIO DE 2006 OPP106 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Tabela exclusiva para s de REGIME ANUAL FTCE - Atividades Complementares para os s de Engenharia- bacharelado São Judas Tadeu Tabela de Pontuação e Limites - Setembro de 2015 Atividade Descrição da Atividade

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA Como pode cair no enem (ENEM) Mirem-se no exemplo Daquelas mulheres de Atenas Vivem pros seus maridos Orgulho e raça de Atenas. (BUARQUE, C.; BOAL, A. Mulheres

Leia mais

Fator Previdenciário

Fator Previdenciário Fator Previdenciário Marco Antônio Guarita Diretor de Relações Institucionais da CNI Brasília, 26 de março de 29 Principais Pontos Equilíbrio da Previdência: mandato constitucional, exigência para o crescimento

Leia mais

Lei n.º 2/10 de 25 de Março

Lei n.º 2/10 de 25 de Março Sumário Da Publicação e do Formulário dos Diplomas Legais. Revoga a Lei n.º 8/93, de 30 de Julho e demais legislação que contrarie o disposto na presente lei. Índice ARTIGO 1.º (PUBLICAÇÃO)... 1 ARTIGO

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS carreira O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS O site RelGov em Foco, que mantém uma página no Facebook, em parceria com a ABRIG, a associação nacional da categoria, fez uma pesquisa com

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS)

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) SUBSTITUTIVO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 14,

Leia mais

Trabalhar na Italia. Guia completo para conseguir um emprego e se aposentar pela Itália

Trabalhar na Italia. Guia completo para conseguir um emprego e se aposentar pela Itália Trabalhar na Italia Guia completo para conseguir um emprego e se aposentar pela Itália CONTATO DE TODAS AS AGÊNCIAS QUE CONTRATAM PESSOAL AINDA NO BRASIL PARA TRABALHAR NA ITÁLIA Manual atualizado Autor

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR Av. Barão do Rio Branco, 649 Cep: 84570-000 Fone/Fax: (42) 3542-1439 Mallet Pr. E-mail: assistencia.mallet@yahoo.com.br Incentivo Fiscal

Leia mais

Serviços a Preço Justo?

Serviços a Preço Justo? PGMC - Plano Gral de Metas de Competição PNBL - Programa Nacional de Banda Larga Serviços a Preço Justo? Apresentação para o 5º Encontro de Telecomunicações da FIESP 7 de Agosto de 2013 pg 1 Agenda Introdução

Leia mais

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PORTO ALEGRE, 29 DE JUNHO DE 2015 1 MAPEAMENTO DE OPORTUNIDADES NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DAS OPORTUNIDADES O Orçamento Geral da União

Leia mais

PAPEL DO VEREADOR. Como Funciona a Câmara Municipal Atribuições. Priscila Lapa Valério Leite

PAPEL DO VEREADOR. Como Funciona a Câmara Municipal Atribuições. Priscila Lapa Valério Leite PAPEL DO VEREADOR Como Funciona a Câmara Municipal Atribuições APRESENTAÇÃO A União dos Vereadores de Pernambuco - UVP, comprometida com o fortalecimento e capacitação do Poder Legislativo Municipal, publica

Leia mais

Mecanismos Financeiros Ações em andamento no MMA. Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF

Mecanismos Financeiros Ações em andamento no MMA. Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Mecanismos Financeiros Ações em andamento no MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Iniciativas em andamento A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade TEEB Brasil Compensação por significativo

Leia mais

Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997

Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Lei das Eleições Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL Julival Silva Rocha Auditor do TCEPA ESPÍRITO Rui Barbosa (O Justo e a Justiça Política) Julgamento de Jesus Cristo; O Direito daquela época já não se contentava com a mera

Leia mais

Rua Henrique Diniz, 165 A - Centro Tiradentes 55 (32) 3355-277 www.asset.org.br https://www.facebook.com/asset.associacao

Rua Henrique Diniz, 165 A - Centro Tiradentes 55 (32) 3355-277 www.asset.org.br https://www.facebook.com/asset.associacao Rua Henrique Diniz, 165 A - Centro Tiradentes 55 (32) 3355-277 www.asset.org.br https://www.facebook.com/asset.associacao PROMOVER O ASSOCIATIVISMO É uma forma jurídica de legalizar a união de pessoas

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS Preâmbulo O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio de atuação, para além dos existentes, junto da população juvenil

Leia mais

Conheça a proposta que muda o fator previdenciário

Conheça a proposta que muda o fator previdenciário Silvia Barbara* A Câmara dos Deputados sentiu a pressão do governo e acabou adiando para a próxima semana a votação do PL 3.299, que trata de mudanças no fator previdenciário. Na tarde do dia 21, o projeto

Leia mais

o Tribunal Superior Eleitoral, no uso das atribuições que lhe confere o

o Tribunal Superior Eleitoral, no uso das atribuições que lhe confere o TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL INSTRUÇÃO N 297-47.2013.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASíLIA - DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Herman Benjamin Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Estabelece diretrizes

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7 27 de outubro de 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7 2010 Teleco. 2 de 7 1. INTRODUÇÃO Vários estudos internacionais têm colocado o Brasil entre os países com

Leia mais

Resumo das principais regras para propaganda do

Resumo das principais regras para propaganda do Resumo das principais regras para propaganda do Comícios e reuniões públicas Até 8 de dezembro, das 8 horas às 24 horas. Também pode ser utilizada aparelhagem de sonorização fixa e trio elétrico. Com a

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Operação

Perguntas e Respostas sobre a Operação Perguntas e Respostas sobre a Operação 1. O que é a Operação? A Operação abrange um desdobramento de ações ordinárias e aumento dos direitos patrimoniais das ações preferenciais na mesma proporção, e alterações

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 DECLARAÇÃO SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO COMO CONTRIBUTO PARA A BOA GOVERNAÇÃO

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

Prof. Bosco Torres CE_16_União_Europeia 1

Prof. Bosco Torres CE_16_União_Europeia 1 UNIÃO EUROPEIA DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. Outras fontes CE_16_União_Europeia 1 Blocos Econômicos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O GOVERNO FEDERAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O GOVERNO FEDERAL PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O GOVERNO FEDERAL OUTUBRO DE 2013 JOB1642 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é monitorar a administração do Governo

Leia mais